DIURÉTICOS 09/10/2016 CONCEITO INTRODUÇÃO FISIOLOGIA RENAL FISIOLOGIA RENAL FISIOLOGIA RENAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIURÉTICOS 09/10/2016 CONCEITO INTRODUÇÃO FISIOLOGIA RENAL FISIOLOGIA RENAL FISIOLOGIA RENAL"

Transcrição

1 CONCEITO DIURÉTICOS Diuréticos são drogas que promovem a excreção renal de água, sódio e outros eletrólitos, aumentando assim a formação de urina e o débito urinário. Prof. Karina Lemos Guedes (ABRAMS, 2006) INTRODUÇÃO IMPORTÂNCIA TERAPÊUTICA Distúrbios Edematosos Distúrbios não-edematosos Insuficiência Cardíaca Doença Renal Doença Hepática Hipertensão Arterial Cirurgia oftálmica Função primária dos rins é controlar o volume, a composição e o ph dos líquido corporais. Recebem aproximadamente 25% do débito cardíaco. 1

2 A filtração glomerular Reabsorção Tubular Sangue arterial chega com Movimento de substâncias do pressão de 70mmHg (alta) túbulo (FG) para o sangue nos forçando a saída de água, capilares peritubulares. eletrólitos e outros solutos pela Maior absorção túbulo cápsula de Bowman. proximal. A TFG é aproximadamente Há absorção de quase toda a 125ml/min. glicose e aa, cerca 80% de O sangue não filtrado sai do água, eletrólitos. glomérulo arteríola eferente. Reabsorção Tubular 20% FG entra na alça de Henle. 30% do Na+ filtrada é reabsorvida na alça. O Na é absorvido no túbulo distal por troca do K secretados das paredes tubulares. Água e solutos restantes urina Secreção Tubular Secreção de subst.do sangue nos capilares peritubulares para o filtrado glomerular. Ocorre no túbulo distal e proximal. Proximal: ácido úrico, creatinina, H+ e amônia. Distal: K+, H+ e amônia. INFLUÊNCIAS HORMONAIS Hormônio Antidiurético Renina Hormônio Antidiurético 2

3 DROGAS DIURÉTICAS DROGAS DIURÉTICAS Os diuréticos atuam sobre os rins aumentando o fluxo urinário e para reduzir a reabsorção de sódio, cloro, água e outras substâncias. A principal indicação clínica são insuficiência cardíaca, hipertensão e edema. Tiazídicos Diuréticos de alça Diuréticos poupadores de potássio Diuréticos osmóticos Diuréticos Inibidores da anidrase carbônica TIAZÍDICOS Indicados para tratamento a longo prazo da insuficiência cardíaca e hipertensão. Reduzem a reabsorção de Na + e cloro no túbulo contorcido distal. Ação de vasodilatador direto sobre as arteríolas periféricas. Hidroclorotiazida é mais usada; a clorotiazida é única que pode ser administrada EV. Não administrar após meio da tarde para evitar noctúria TIAZÍDICOS São ineficazes na estimulação da diurese imediata (ação lenta). E pouco eficazes também na diminuição da função renal. Eficazes quando o fluxo da diurese é adequado. Drogas bem absorvidas e amplamente distribuídas, altamente ligadas a proteínas plasmáticas. Acumula-se apenas nos rins. TIAZÍDICOS Efeito inicial em 2 horas, pico em 4-6 horas, com duração de 6 a 24hs. Excretada inteiramente pelos rins. Contra-indicada para pacientes alérgicos a sulfonamidas (quimicamente relacionadas). Uso cuidadoso em gestantes (atravessam a placenta), pode provocar comprometimento da perfusão placentária. DIURÉTICOS DE ALÇA Inibem a reabsorção de Na + e cloro no ramo ascendente da alça de Henle, onde ocorre a reabsorção da maior parte do Na + filtrado. São diuréticos potentes (perda de Na + 10x maior que os tiazídicos). São mais eficazes e versáteis para uso clínico. Podem ser administrado por VO e EV. (CLAYTON, B.S; STOCK, Y.S.; COOPER,S.E., 2012 ; MORTON et al, 2011) (GOLAN et al., 2011) 3

4 DIURÉTICOS DE ALÇA DIURÉTICOS DE ALÇA VO efeitos dentre 30-60min, pico 1 a 2hs e duram cerca de 6-8hs. IV efeitos em 5 minutos, pico em 30min e duram cerca de 2hs. Causam grande volume de diurese por curtos períodos. Os rins reabsorvem mais Na + que o habitual durante a fase pós-diurética (restrição alimentar). (GOLAN et al., 2011) São metabolizadas e excretadas pelos rins. São diuréticos de escolha para efeitos rápidos (edema pulmonar, insuficiência renal). Contra-indicada na gravidez. O furosemida é o mais utilizado. A bumetamina (mais potente 40mg lasix: 1mg bumetamina) pode ser usada quando não responder ao furosemida. (GOLAN et al., 2011) O Na + é normalmente reabsorvido no túbulo distal na troca por íons potássio e hidrogênio. Os diuréticos poupadores de K + atuam no túbulo distal para reduzir a reabsorção de Na + e a excreção de K +. Este grupo inclui 3 drogas: espironolactona, amilorida e triantereno. Controle do sódio e do volume de líquido corporal Secreção de hormônios vasoativos Vasodilatação = RVP Renina Cininas Prostaglandinas Vasoconstrição = RVP Aldosterona = Na + e H 2 O A espironolactona bloqueia os efeitos de retenção de Na + da aldosterona. Amilorida e triantereno atuam diretamente no túbulo distal para reduzir a troca de Na + por K +. Esses diuréticos são fracos quando usados isoladamente. Normalmente são associados a perdedores de K +. São contra-indicados na insuficiência renal, pois pode provocar hipercalemia. A principal hipercalemia é o principal efeito adverso dessas drogas. Os pacientes não devem receber suplementos de K + e não devem ser estimulados a comer alimentos ricos em K + e nem o uso de substitutos do Na + (cloreto de potássio). 4

5 DIURÉTICOS OSMÓTICOS Produzem diurese rápida por aumento da quantidade de solutos (pressão oncótica) do filtrado glomerular. A pressão osmótica aumentada causa atração da água dos locais extravasculares para a corrente sanguínea, aumentando a volemia e conseqüentemente o débito urinário. DIURÉTICOS OSMÓTICOS Pressão Osmótica Vascular Atração de H2O Extravascular Corrente sanguínea Aumento da volemia reabsorção de H2O e eletrólitos Volume da diurese DIURÉTICOS OSMÓTICOS INIBIDORES ANIDRASE CARBÔNICA A acetazolamida é um diurético fraco que atua inibindo a enzima anidrase carbônica nos rins, cérebro e olhos. Como diurético promove a excreção de sódio, água, potássio e bicarbonato. Não é muito utilizado como diurético devido à disponibilidade de medicamentos mais efetivos. Entretanto é usado para pacientes com glaucoma. DIURÉTICOS INTOXICAÇÃO DIGITÁLICA Intoxicação Digitálica: hipocalemia induzida pelos diuréticos 5

6 INTOXICAÇÃO DIGITÁLICA INVESTIGAÇÃO Histórico de Sintomas Padrão Urinário Histórico Medicamentoso Histórico da ingesta de líquidos INVESTIGAÇÃO Estado de Hidratação -Desidratação -Turgor da pele -Mucosa oral Sinais de hiperidratação - Ganho de peso; -Aumento da circunferência abdominal -Turgência da jugular Edema - Sinal de cacifo Alterações laboratoriais - Hematócrito; - Hemoglobina; - Uréia; - Eletrólitos INVESTIGAÇÃO (CLAYTON, B.S; STOCK, Y.S.; COOPER,S.E., 2012 DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM D.2 C.5 Volume de líquidos excessivo D2. C.5 Volume de líquido deficiente D2. C.5 Risco de desequilíbrio eletrolítico D.4 C.4 Débito cardíaco diminuído D.11 C.2 Risco de choque Cuidados Gerais - Fornecer comadres ou marrecos se necessário; - Realizar SVD em casos de controle da diurese rigoroso; - Observar débito urinário: oligúria/poliúrica/anúria; - Furosemida EV é fotossensível (interação farmacêutica). (NANDA, ) 6

7 Observar se há efeitos terapêuticos -Pesar diariamente o paciente enquanto houver edema; -Realizar Balanço hídrico rigoroso; -Registrar aspecto da diurese; -Observar redução ou aparecimento de dispnéia, crepitações e tosse em casos de insuficiência cardíaca ou edema pulmonar. Observar efeitos adversos -Hipocalemia: arritmias, náuseas, vômitos, exames laboratoriais, RHA diminuídos, fraqueza muscular, confusão; -Desidratação; -Hipercalemia: (poupadores) alteração ECG, arritmias; -Hiperglicemia. Observar efeitos adversos -ATBs aminoglicosídeos (otoxicidade acumulativa); -Anti-hipertensivos (hipotensores acumulativos) -AINES (retenção de sódio e água) -Contraceptivos orais (retenção de sódio e água) -Vasopressores (redução da responsividade das arteríolas) REFERÊNCIA CLAYTON, B.S; STOCK, Y.S.; COOPER,S.E. Farmacologia na prática de enfermagem. 15ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, GOLAN, D. E. et al. Princípios de Farmacologia. 2ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, MORTON, Patrícia Gonce, et al. Cuidados Críticos de Enfermagem: Uma abordagem holística. 9ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, NORTH AMERICAN NURSING DIAGNOSES ASSOCIATION. Diagnóstico de enfermagem da NANDA: definições e classificação ARTMED. Porto Alegre,

Diuréticos. Classificação da diurese. FUNÇÕES RENAIS A manutenção do meio interno através s da: Secreção de hormônios. Excreção de drogas

Diuréticos. Classificação da diurese. FUNÇÕES RENAIS A manutenção do meio interno através s da: Secreção de hormônios. Excreção de drogas Diuréticos Os diuréticos são fármacos f que tem a propriedade de causar Diuréticos aumento do volume urinário rio e cujo mecanismo é a inibição da reabsorção tubular de sódio s e água. Prof. Carlos Cezar

Leia mais

FISIOLOGIA HUMANA. Sistema Renal - Filtração Glomerular - Prof. Fernando Zanoni

FISIOLOGIA HUMANA. Sistema Renal - Filtração Glomerular - Prof. Fernando Zanoni FISIOLOGIA HUMANA Sistema Renal - Filtração Glomerular - Prof. Fernando Zanoni fzanoni@prof.ung.br Função geral dos rins Homeostasia dos líquidos e eletrólitos Filtração, reabsorção, secreção e excreção

Leia mais

Biofísica renal. Estrutura e função dos rins

Biofísica renal. Estrutura e função dos rins Biofísica renal Estrutura e função dos rins Múltiplas funções do sistema renal Regulação do balanço hídrico e eletrolítico (volume e osmolaridade) Regulação do equilíbrio ácidobásico (ph) Excreção de produtos

Leia mais

Classificação. Diuréticos Tiazídicos Hidroclorotiazida Diuréticos de Alça Furosemida Diuréticos Poupadores de Potássio Espironolactona e Amilorida

Classificação. Diuréticos Tiazídicos Hidroclorotiazida Diuréticos de Alça Furosemida Diuréticos Poupadores de Potássio Espironolactona e Amilorida Diuréticos Classificação Diuréticos Tiazídicos Hidroclorotiazida Diuréticos de Alça Furosemida Diuréticos Poupadores de Potássio Espironolactona e Amilorida Diuréticos Tiazídicos Hidroclorotiazida Hidroclorotiazida:

Leia mais

FARMACOLOGIA. Aula 11 Continuação da aula anterior Rim Diuréticos Antidiuréticos Modificadores do transporte tubular ANTIGOTOSOS

FARMACOLOGIA. Aula 11 Continuação da aula anterior Rim Diuréticos Antidiuréticos Modificadores do transporte tubular ANTIGOTOSOS FARMACOLOGIA Aula 11 Continuação da aula anterior Rim Diuréticos Antidiuréticos Modificadores do transporte tubular ANTIGOTOSOS RIM RIM RIM Filtra perto de 150 litros por dia! Após secreção e reabsorção

Leia mais

DIURÉTICOS Professora: Fernanda Brito

DIURÉTICOS Professora: Fernanda Brito DIURÉTICOS Professora: Fernanda Brito PRINCIPAIS FUNÇÕES RENAIS Promover a excreção de produtos de degradação (uréia, ác. úrico, creatinina) Regular o balanço hidro-eletrolítico Regular a concentração

Leia mais

Fármacos com Ação nas Arritmias, Insuficiência Cardíaca e Acidentes Vasculares

Fármacos com Ação nas Arritmias, Insuficiência Cardíaca e Acidentes Vasculares UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Ciências Farmacêuticas Departamento de Farmácia Fármacos com Ação nas Arritmias, Insuficiência Cardíaca e Acidentes Vasculares Prof. Dr. Roberto Parise Filho Química

Leia mais

Sistema Renal. Profa Msc Melissa Kayser

Sistema Renal. Profa Msc Melissa Kayser Sistema Renal Profa Msc Melissa Kayser Componentes anatômicos Rins Ureteres Bexiga urinária Uretra O sangue é filtrado nos rins, onde os resíduos são coletados em forma de urina, que flui para pelve renal,

Leia mais

Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa 1

Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa 1 Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa 1 Fármacos que afetam as funções renal e cardiovascular 2 Diuréticos: Os diuréticos aumentam a taxa de excreção de Na +,Cl - ou HCO -. 3 Eles também diminuem a reabsorção

Leia mais

Fisiologia Renal. Mecanismos tubulares I ESQUEMAS SOBRE FISIOLOGIA RENAL. Profa. Ms Ana Maria da Silva Curado Lins Universidade Católica de Goiás

Fisiologia Renal. Mecanismos tubulares I ESQUEMAS SOBRE FISIOLOGIA RENAL. Profa. Ms Ana Maria da Silva Curado Lins Universidade Católica de Goiás ESQUEMAS SOBRE FISIOLOGIA RENAL. Mecanismos tubulares I Fisiologia Renal Profa. Ms Ana Maria da Silva Curado Lins Universidade Católica de Goiás Mecanismos de manipulação do filtrado pelos túbulos renais:

Leia mais

Estrutura néfron e vascularização

Estrutura néfron e vascularização 1 Estrutura néfron e vascularização 1 = Cápsula de Bowman's, 2 = glomérulo, 3 = arteríola aferente, 4 = arteríola eferente, 5 = túbulo proximal convoluto, 6 = túbulo distal convoluto, 7 = ducto coletor,

Leia mais

artéria renal arteríola aferente capilares glomerulares artéria renal capilares glomerulares veia renal

artéria renal arteríola aferente capilares glomerulares artéria renal capilares glomerulares veia renal FUNÇÕES DOS RINS Controle da osmolaridade dos fluidos corporais Regulação do volume dos fluidos corporais (controle a longo prazo da pressão arterial) Regulação da concentração de eletrólitos: Na +, K

Leia mais

Apostila de Biologia 06 Sistema Excretor Fábio Henrique

Apostila de Biologia 06 Sistema Excretor Fábio Henrique 1.0 Excreção Apostila de Biologia 06 Sistema Excretor Fábio Henrique É a Eliminação de subprodutos do metabolismo celular. 1.1 Homeostase É uma condição na qual o meio interno do corpo permanece dentro

Leia mais

SISTEMA URINÁRIO QUAIS SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS?

SISTEMA URINÁRIO QUAIS SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS? SISTEMA URINÁRIO SISTEMA URINÁRIO QUAIS SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS? Conjunto de órgãos responsáveis pela filtração do sangue e eliminação de substâncias tóxicas, desnecessárias ou em excesso através

Leia mais

Sistema excretor. Profº Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS

Sistema excretor. Profº Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS Sistema excretor Profº Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS introdução Elimina as excretas, isto é, as substâncias tóxicas. Principalmente das substâncias que contêm nitrogênio (excretas nitrogenadas) A quebra

Leia mais

Sistema excretor. Professora Mariana Peixoto

Sistema excretor. Professora Mariana Peixoto Sistema excretor Professora Mariana Peixoto Eliminação de excretas nos seres humanos Unidade básica dos rins: néfrons (Cápsula de Bowman) (alça de Henle) Formação da urina Filtração glomerular Glóbulos

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL E SISTEMA EXCRETOR

FISIOLOGIA RENAL E SISTEMA EXCRETOR FISIOLOGIA RENAL E SISTEMA EXCRETOR Adaptação ao meio Se um animal viver na terra, na água salgada ou na água doce. Controlar o volume e a composição entre os líquidos corporais e o ambiente externo (balanço

Leia mais

Anatomia funcional do rim Função renal

Anatomia funcional do rim Função renal Anatomia funcional do rim Função renal Ganho Balanço diário Perda Ingestão Equilíbrio osmótico Bebidas e comidas Suor Pulmões Ingestão Metabolismo Metabolismo Urina Fezes Perdas Fluido extracelular Fluido

Leia mais

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Fisiologia Renal Função Tubular Formação da Urina Clearance (Depuração) Prof. Wagner de Fátima Pereira Departamento de Ciências Básicas

Leia mais

BA.17: Homeostase, excreção e homeotermia BIOLOGIA

BA.17: Homeostase, excreção e homeotermia BIOLOGIA ATIVIDADES. (UFPE 006) Com relação ao processo de formação da urina, no homem, é correto afirmar que: ( ) Como a filtração glomerular é um processo de alta seletividade, as vitaminas e os aminoácidos não

Leia mais

APARELHO URINÁRIO (III)

APARELHO URINÁRIO (III) APARELHO URINÁRIO (III) (Reabsorção e secreção tubulares) Mário Gomes Marques Instituto de Fisiologia da FML (Director: Prof. Luis Silva-Carvalho) 1 RIM (reabsorção e secreção tubulares) Qualquer substância

Leia mais

Sistema Urinário. Patrícia Dupim

Sistema Urinário. Patrícia Dupim Sistema Urinário Patrícia Dupim Insuficiência Renal Ocorre quando os rins não conseguem remover os resíduos metabólicos do corpo. As substância normalmente eliminadas na urina acumulam-se nos líquidos

Leia mais

BIOQUÍMICA II SISTEMAS TAMPÃO NOS ORGANISMOS ANIMAIS 3/1/2012

BIOQUÍMICA II SISTEMAS TAMPÃO NOS ORGANISMOS ANIMAIS 3/1/2012 BIOQUÍMICA II Professora: Ms. Renata Fontes Medicina Veterinária 3º Período O conteúdo de Bioquímica II utiliza os conhecimentos adquiridos referentes ao estudo do metabolismo celular e fenômenos físicos

Leia mais

Diuréticos, Quando eu devo associar?

Diuréticos, Quando eu devo associar? Diuréticos, Quando eu devo associar? Curso de emergências em cardiologia de cães e gatos Goldfeder e dos Santos Cardiologia Veterinária Alexandre Bendas, MSc Doutorando Universidade Federal Fluminense

Leia mais

Fisiologia Renal. Fisiologia Renal. FUNÇÕES RENAIS A manutenção do meio interno através da: Órgãos responsáveis pela manutenção do meio interno

Fisiologia Renal. Fisiologia Renal. FUNÇÕES RENAIS A manutenção do meio interno através da: Órgãos responsáveis pela manutenção do meio interno isiologia Renal isiologia Renal Profa. Ana Maria da Silva Curado Lins, M.Sc. Departamento de Biologia Primeira parte: Conceitos gerais e filtração glomerular Atenção: Esta apresentação possui animações.

Leia mais

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL Bioquímica Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes Referências Bioquímica Clínica M A T Garcia e S Kanaan Bioquímica Mèdica J W Baynes e M H Dominiczack Fundamentos

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA FUNÇÃO RENAL

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA FUNÇÃO RENAL AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA FUNÇÃO RENAL AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA FUNÇÃO RENAL 1. EXAME DE URINA Cor Aspecto Densidade urinária ph Glicosúria Proteinúria Pigmentos e Sais biliares Hemoglobinúria e Mioglobinúria

Leia mais

Fisiologia do Sistema Urinário

Fisiologia do Sistema Urinário Esse sistema é responsável pela maior parte da excreção. Este conceito define os processos pelos quais o organismo se livra de substâncias tóxicas (ou em excesso) resultantes do metabolismo celular, denominadas

Leia mais

INTRODUÇÃO À FISIOLOGIA RENAL4

INTRODUÇÃO À FISIOLOGIA RENAL4 INTRODUÇÃO À FISIOLOGIA RENAL4 Hamilton Haddad Junior Maria Aparecida Visconti 4.1 Introdução: os desafios da vida terrestre 4.2 Anatomia do sistema renal 4.3 Os três processos básicos renais 4.4 Conclusão

Leia mais

Alterações do equilíbrio hídrico Alterações do equilíbrio hídrico Desidratação Regulação do volume hídrico

Alterações do equilíbrio hídrico Alterações do equilíbrio hídrico Desidratação Regulação do volume hídrico Regulação do volume hídrico Alteração do equilíbrio hídrico em que a perda de líquidos do organismo é maior que o líquido ingerido Diminuição do volume sanguíneo Alterações do equilíbrio Hídrico 1. Consumo

Leia mais

Insuficiência Renal Crônica Claudia Witzel

Insuficiência Renal Crônica Claudia Witzel Insuficiência Renal Crônica Claudia Witzel A insuficiência renal crônica (IRC) é o resultado das lesões renais irreversíveis e progressivas provocadas por doenças que tornam o rim incapaz de realizar as

Leia mais

Excreção. Expulsão de produtos residuais da actividade celular e de outras substâncias presentes em excesso no sangue.

Excreção. Expulsão de produtos residuais da actividade celular e de outras substâncias presentes em excesso no sangue. Sistema Urinário Excreção Expulsão de produtos residuais da actividade celular e de outras substâncias presentes em excesso no sangue. Como eliminar os produtos tóxicos que se formam nas células? Vias

Leia mais

FUNÇÃO RENAL. Profa. Dra. Enny Fernandes Silva

FUNÇÃO RENAL. Profa. Dra. Enny Fernandes Silva FUNÇÃO RENAL Profa. Dra. Enny Fernandes Silva Funções do Rim Balanço hídrico e salino Excreção de compostos nitrogenados Regulação ácido-base Metabolismo ósseo Atividade eritropoiética Controle da pressão

Leia mais

APARELHO URINÁRIO I (Funções, anátomo-fisiologia, FG e DR)

APARELHO URINÁRIO I (Funções, anátomo-fisiologia, FG e DR) APARELHO URINÁRIO I (Funções, anátomo-fisiologia, FG e DR) Mário Gomes Marques Instituto de Fisiologia da FML 1 RINS Órgãos retroperitoniais, correspondendo em conjunto a cerca de 0,5% do peso corporal,

Leia mais

Prof. Hélder Mauad 2012

Prof. Hélder Mauad 2012 Prof. Hélder Mauad 2012 FORMAÇÃO DE URINA CONCENTRADA E DILUÍDA REGULAÇÃO DA OSMOLARIDADE DO LIQUIDO EXTRACELULAR E DA CONCENTRAÇÃO DE SÓDIO As células do corpo são banhadas por LEC com concentração constante

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Departamento de Fisiologia e Farmacologia Atividade de Monitoria

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Departamento de Fisiologia e Farmacologia Atividade de Monitoria Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Departamento de Fisiologia e Farmacologia Atividade de Monitoria Taxa de Filtração Glomerular - Marcadores A taxa de filtração glomerular (TFG) é considerada

Leia mais

Insuficiência Cardiaca

Insuficiência Cardiaca Enfermagem em Clínica Médica Insuficiência Cardiaca Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com EPIDEMIOLOGIA A Insuficiência Cardíaca ou insuficiência cardíaca congestiva - é resultante

Leia mais

Filtração Glomerular

Filtração Glomerular Filtração Glomerular Profa. Jennifer Lowe O que é a filtração glomerular? Passagem de líquido plasmático, através de uma membrana filtrante, para o espaço de Bowman. 1 O que é a filtração glomerular? Primeira

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 10 EXCREÇÃO HUMANA

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 10 EXCREÇÃO HUMANA BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 10 EXCREÇÃO HUMANA Fixação 1) A ingestão de álcool inibe a liberação de ADH (hormônio antidiurético) pela hipófise. Assim sendo, espera-se que um homem alcoolizado: a)

Leia mais

3/6/ 2014 Manuela Cerqueira

3/6/ 2014 Manuela Cerqueira 3/6/ 2014 Manuela Cerqueira He, aí não!!! Anatomia: Anatomia: Túbulo proximal Túbulo distal Hansa de Henle Glomérulo Ducto colector Funções mais importantes do rim: Regulação do volume e composição dos

Leia mais

Osmorregulação. Osmorregulação processo que permite a manutenção do equilíbrio da água e dos sais no organismo.

Osmorregulação. Osmorregulação processo que permite a manutenção do equilíbrio da água e dos sais no organismo. Osmorregulação Nos animais a manutenção do equilíbrio dinâmico interno deve-se às atividades coordenadas dos sistemas circulatório, nervoso e hormonal. Meio interno sangue, linfa, células. O tubo digestivo

Leia mais

O que é a excreção? As células produzem substâncias tóxicas que têm de ser removidas do organismo. Excreção. efectuada por. Órgãos de excreção.

O que é a excreção? As células produzem substâncias tóxicas que têm de ser removidas do organismo. Excreção. efectuada por. Órgãos de excreção. Sistema excretor O que é a excreção? As células produzem substâncias tóxicas que têm de ser removidas do organismo. Excreção efectuada por Órgãos de excreção Pele (glândulas sudoríparas) Pulmões Suor Dióxido

Leia mais

Filtração Glomerular. Prof. Ricardo Luzardo

Filtração Glomerular. Prof. Ricardo Luzardo Filtração Glomerular Prof. Ricardo Luzardo O que é a filtração glomerular? Passagem de líquido plasmático, através de uma membrana filtrante, para o espaço de Bowman. O que é a filtração glomerular? Primeira

Leia mais

BULA DO PROFISSIONAL DE SAÚDE. BURINAX (bumetanida) ABBOTT LABORATÓRIOS DO BRASIL LTDA Comprimidos 1 mg

BULA DO PROFISSIONAL DE SAÚDE. BURINAX (bumetanida) ABBOTT LABORATÓRIOS DO BRASIL LTDA Comprimidos 1 mg Abbott laboratórios do Brasil Ltda. Fax: 55 11 5536 7345 BULA DO PROFISSIONAL DE SAÚDE BURINAX (bumetanida) ABBOTT LABORATÓRIOS DO BRASIL LTDA Comprimidos 1 mg BULA PARA O PROFISSIONAL DA SAÚDE I) IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA 2016 Sociedade de Anestesiologia do Distrito Federal 3ª ETAPA

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA 2016 Sociedade de Anestesiologia do Distrito Federal 3ª ETAPA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA 2016 Sociedade de Anestesiologia do Distrito Federal 3ª ETAPA PROGRAMA - ME 1 (2/8/2016) PONTO 10 - Fisiologia do Sistema Respiratório I 10.1. Funções respiratórias e não

Leia mais

21/07/14. Processos metabólicos. Conceitos Básicos. Respiração. Catabolismo de proteínas e ácidos nucleicos. Catabolismo de glicídios

21/07/14. Processos metabólicos. Conceitos Básicos. Respiração. Catabolismo de proteínas e ácidos nucleicos. Catabolismo de glicídios Prof. Dr. Adriano Bonfim Carregaro Medicina Veterinária FZEA USP www.anestesia.vet.br Processos metabólicos Respiração Catabolismo de proteínas e ácidos nucleicos Ácidos acético, sulfúrico, fosfórico e

Leia mais

Farmacoterapia aplicada em grupos alvo. Profa. Fernanda Datti

Farmacoterapia aplicada em grupos alvo. Profa. Fernanda Datti armacoterapia aplicada em grupos alvo Profa. ernanda Datti atores associados com variação na resposta farmacológica Idade Gravidez Doença Idade Recém-nascidos: menos de 1 mês Bebês: 1 mês a 1 ano. Crianças:

Leia mais

Filtração Glomerular. Prof. Ricardo Luzardo

Filtração Glomerular. Prof. Ricardo Luzardo Filtração Glomerular Prof. Ricardo Luzardo O que é a filtração glomerular? Passagem de líquido plasmático, através de uma membrana filtrante, para o espaço de Bowman. O que é a filtração glomerular? Primeira

Leia mais

Ascite. Sarah Pontes de Barros Leal

Ascite. Sarah Pontes de Barros Leal Ascite Sarah Pontes de Barros Leal Definição É o acúmulo de excesso de líquido dentro da cavidade peritonial. É mais freqüentemente encontrada nos pacientes com cirrose e outras formas de doença hepática

Leia mais

Farmacologia I, Aulas Práticas

Farmacologia I, Aulas Práticas Farmacologia I, Aulas Práticas Aula 4 TÉCNICAS ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIAS DE EXCREÇÃO DE MEDICAMENTOS Conhecimentos a adquirir: Conhecer as vias de eliminação de fármacos, sabendo adaptar a dose.

Leia mais

Controle da Osmolalidade dos Líquidos Corporais. Prof. Ricardo Luzardo

Controle da Osmolalidade dos Líquidos Corporais. Prof. Ricardo Luzardo Controle da Osmolalidade dos Líquidos Corporais Prof. Ricardo Luzardo Osmolalidade é uma função do número total de partículas em solução, independente de massa, carga ou composição química. As partículas

Leia mais

Mantém pressão sanguínea e garante adequada perfusão e função dos tecidos corporais

Mantém pressão sanguínea e garante adequada perfusão e função dos tecidos corporais Mantém pressão sanguínea e garante adequada perfusão e função dos tecidos corporais Pressão Arterial = Débito Cardíaco x Resistência Vascular Periférica Débito Cardíaco = Frequência Cardíaca x Volume Sistólico

Leia mais

EXAMES BIOQUÍMICOS. Profa Dra Sandra Zeitoun Aula 3

EXAMES BIOQUÍMICOS. Profa Dra Sandra Zeitoun Aula 3 EXAMES BIOQUÍMICOS Profa Dra Sandra Zeitoun Aula 3 Íons/Eletrólitos do plasma No plasma existem diversos eletrólitos positivos: Na+, K+, Ca², Mg² E eletrólitos negativos: Cl-, HCO3-, fosfatos e proteínas.

Leia mais

Disciplina de Fisiologia Veterinária FISIOLOGIA RENAL. Prof. Prof. Fabio Otero Ascoli

Disciplina de Fisiologia Veterinária FISIOLOGIA RENAL. Prof. Prof. Fabio Otero Ascoli Disciplina de Fisiologia Veterinária FISIOLOGIA RENAL Prof. Prof. Fabio Otero Ascoli OBJETIVOS DA AULA Revisão da anatomia do sistema urinário, principalmente do rim Aprender sobre as porções vascular

Leia mais

DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc

DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Distúrbio hidro-eletrolítico e ácido-básico Distúrbios da regulação da água; Disnatremias; Alterações do potássio; Acidoses

Leia mais

3) Complicações agudas do diabetes

3) Complicações agudas do diabetes 73 3) Complicações agudas do diabetes Hiperglicemias As emergências hiperglicêmicas do diabetes melitus são classificadas em: cetoacidose diabética (CAD) e estado hiperglicêmico hiperosmolar (EHH), que

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 19 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Libeo 10 mg comprimidos mastigáveis para cães 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Um comprimido

Leia mais

Organização Morfofuncional do Sistema Renal e sua participação na manutenção da homeostasia

Organização Morfofuncional do Sistema Renal e sua participação na manutenção da homeostasia Organização Morfofuncional do Sistema Renal e sua participação na manutenção da homeostasia O Sistema Renal Introdução O sistema vascular renal A unidade funcional dos rins As funções do sistema renal

Leia mais

Conceito de ph ph = - Log [H + ] Aumento [H + ] => diminuição do ph => acidose Diminuição [H + ] => aumento do ph => alcalose Alterações são dependent

Conceito de ph ph = - Log [H + ] Aumento [H + ] => diminuição do ph => acidose Diminuição [H + ] => aumento do ph => alcalose Alterações são dependent Equilíbrio ácido-básico A concentração de H no FEC é mantida dentro de um limite extremamente estreito: 40 nmol/l = 1.000.000 menor que a Concentração dos outros íons!! [H] tem profundo efeito nos eventos

Leia mais

Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4. , K +, Mg 2+, etc...)

Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4. , K +, Mg 2+, etc...) Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4 2-, K +, Mg 2+, etc...) Regulação do equilíbrio hidrossalino e da pressão arterial; Regulação do ph sanguíneo (H +, HCO 3- ); Síntese

Leia mais

Interpretação de Exames Laboratoriais para Doença Renal

Interpretação de Exames Laboratoriais para Doença Renal Interpretação de Exames Laboratoriais Aplicados à Nutrição Clínica Interpretação de Exames Laboratoriais para Doença Renal Prof. Marina Prigol Investigação da função renal Funções do rim: Regulação do

Leia mais

Edema OBJECTIVOS. Definir edema. Compreender os principais mecanismos de formação do edema. Compreender a abordagem clínica do edema

Edema OBJECTIVOS. Definir edema. Compreender os principais mecanismos de formação do edema. Compreender a abordagem clínica do edema OBJECTIVOS Definir edema Compreender os principais mecanismos de formação do edema Compreender a abordagem clínica do edema É um sinal que aparece em inúmeras doenças, e que se manifesta como um aumento

Leia mais

Sistema Urinário. Carla Beatriz Silva. Introdução

Sistema Urinário. Carla Beatriz Silva. Introdução Sistema Urinário Carla Beatriz Silva Introdução O aparelho urinário é formado pelos dois rins, dois ureteres, a bexiga e a uretra. A urina é produzida nos rins, passa pelos ureteres até a bexiga e é lançada

Leia mais

ph do sangue arterial = 7.4

ph do sangue arterial = 7.4 Regulação do Equilíbrio Ácido Base ph do sangue arterial = 7.4 < 6.9 ou > 7.7 = MORTE 1 Importância do ph nos processos biológicos Protonação ou desprotonação de radicais proteicos Variação da carga total

Leia mais

FARMACOCINÉTICA FARMACODINÂMICA FARMACOCINÉTICA CONCEITOS PRELIMINARES EVENTOS ADVERSOS DE MEDICAMENTOS EAM. Ação do medicamento na molécula alvo;

FARMACOCINÉTICA FARMACODINÂMICA FARMACOCINÉTICA CONCEITOS PRELIMINARES EVENTOS ADVERSOS DE MEDICAMENTOS EAM. Ação do medicamento na molécula alvo; CONCEITOS PRELIMINARES Remédio; Medicamentos; Medicação; Fármaco; Droga; Eventos Adversos de Medicamentos (EAM). EVENTOS ADVERSOS DE MEDICAMENTOS EAM Associado ou não à um dano ao paciente. É o caminho

Leia mais

Embalagens de 20, 60 e 100 comprimidos de libertação modificada

Embalagens de 20, 60 e 100 comprimidos de libertação modificada Acalka (Citrato de Potássio) Embalagens de 20, 60 e 100 comprimidos de libertação modificada Cada comprimido contém como princípio activo 1080 mg de citrato de potássio (equivalente a 10 meq de potássio).

Leia mais

SISTEMA URINÁRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA URINÁRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA URINÁRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA URINÁRIO Conjunto de órgãos e estruturas responsáveis pela filtração do sangue e consequente formação da urina; É o principal responsável pela eliminação

Leia mais

As funções dos rins incluem. Objetivos da aula. Medicina Nuclear Nefrourologia 17/10/2011. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc.

As funções dos rins incluem. Objetivos da aula. Medicina Nuclear Nefrourologia 17/10/2011. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. Objetivos da aula Medicina Nuclear Nefrourologia Conhecer sucintamente as principais técnicas e métodos com aplicação clínica na área da nefrourologia. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com

Leia mais

Manejo da Ascite no Cirrótico

Manejo da Ascite no Cirrótico XVIII WORKSHOP INTERNACIONAL DE HEPATITES VIRAIS DE PERNAMBUCO VII SIMPÓSIO DE TRANSPLANTE HEPÁTICO E HIPERTENSÃO PORTA BRASIL/ INGLATERRA Manejo da Ascite no Cirrótico Gustavo Pereira Serviço de Gastroenterologia

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO 2013 FISIOLOGIA RENAL

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO 2013 FISIOLOGIA RENAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO 2013 FISIOLOGIA RENAL ROTEIRO DE AULAS PRÁTICAS 2 Prática I Simulada no Computador I - Taxa

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA Portal Educação CURSO DE BIOQUÍMICA CLÍNICA

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA Portal Educação CURSO DE BIOQUÍMICA CLÍNICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA Portal Educação CURSO DE BIOQUÍMICA CLÍNICA Aluno: EaD - Educação a Distância Portal Educação 93 CURSO DE BIOQUÍMICA CLÍNICA MÓDULO III Atenção: O material deste

Leia mais

98% intracelular extracelular

98% intracelular extracelular DISTRIBUIÇÃO CORPORAL DE 98% intracelular extracelular 2% HOMEOSTASE DE POTÁSSIO BALANÇO EXTERNO vs BALANÇO INTERNO BALANÇO INTERNO BALANÇO EXTERNO HOMEOSTASE DE POTÁSSIO BALANÇO EXTERNO vs BALANÇO INTERNO

Leia mais

Introdução ao estudos da farmacologia Formas farmacêuticas Vias de administração

Introdução ao estudos da farmacologia Formas farmacêuticas Vias de administração DROGA ORGANISMO Introdução ao estudos da farmacologia Formas farmacêuticas Vias de administração FARMACOCINÉTICA Absorção Distribuição Biotransformação Eliminação FARMACODINÂMICA Local de ação Mecanismo

Leia mais

Interrupção do tratamento: Não interrompa o tratamento sem o conhecimento de seu médico.

Interrupção do tratamento: Não interrompa o tratamento sem o conhecimento de seu médico. Litocit Citrato de potássio FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - Litocit LITOCIT é apresentado para administração oral em comprimidos: Frasco contendo 60 comprimidos com 10 meq de citrato de potássio

Leia mais

Aula 9: Hipertensão arterial sistêmica (HAS)

Aula 9: Hipertensão arterial sistêmica (HAS) Aula 9: Hipertensão arterial sistêmica (HAS) Pressão arterial O coração bombeia o sangue para os demais órgãos do corpo por meio de tubos chamados artérias. Quando o sangue é bombeado, ele é "empurrado

Leia mais

Regulação do Volume e da Osmolaridade do LEC

Regulação do Volume e da Osmolaridade do LEC Regulação do Volume e da Osmolalidade do Líquido Extracelular (LEC) Água Corporal Total 45 75% do peso corporal total Regulação do Volume e da Osmolaridade do LEC Compartimentos líquidos corporais meq

Leia mais

Tarefas 17, 18 e 19 Professor Fabrício

Tarefas 17, 18 e 19 Professor Fabrício Tarefas 17, 18 e 19 Professor Fabrício TAREFA 17 01. Em relação à forma predominante de excreção dos animais, é correto afirmar que a) peixes são animais amoniotélicos, aves e répteis são ureotélicos e

Leia mais

MODELO DE BULA Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento.

MODELO DE BULA Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. MODELO DE BULA Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. CLORANA hidroclorotiazida APRESENTAÇÕES Comprimidos 25 mg: embalagem com 30 Comprimidos

Leia mais

HIPERÊMESE GRAVÍDICA. Msc. Roberpaulo Anacleto

HIPERÊMESE GRAVÍDICA. Msc. Roberpaulo Anacleto HIPERÊMESE GRAVÍDICA Msc. Roberpaulo Anacleto Introdução A ocorrência ocasional de náuseas e vômitos até 14 semanas de gestação, mais comum no período da manhã, é rotulada como êmese gravídica e pode ser

Leia mais

ATACAND. candesartana cilexetila

ATACAND. candesartana cilexetila ATACAND candesartana cilexetila I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ATACAND candesartana cilexetila APRESENTAÇÕES Comprimidos de 8 mg em embalagem com 30 comprimidos. Comprimidos de 16 mg em embalagens com

Leia mais

Diupress. Bula para paciente. Comprimido 25 MG + 5 MG

Diupress. Bula para paciente. Comprimido 25 MG + 5 MG Diupress Bula para paciente Comprimido 25 MG + 5 MG Diupress clortalidona +cloridrato de amilorida FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: Comprimido Embalagem com 20 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO

Leia mais

Orientação Medicamentosa para pessas com Hipertensão

Orientação Medicamentosa para pessas com Hipertensão Orientação Medicamentosa para pessas com Hipertensão ORIENTAÇÃO MEDICAMENTOSA PARA PESSOAS COM HIPERTENSÃO Organizadora: Grace Kelly Matos e Silva Este material tem o objetivo de orientar os pacientes

Leia mais

Solução Glicofisiológica

Solução Glicofisiológica Solução Glicofisiológica Solução injetável cloreto de sódio + glicose 9 mg/ml + 50 mg/ml 1 Forma farmacêutica e apresentações: Solução injetável MODELO DE BULA Solução Glicofisiológica cloreto de sódio

Leia mais

a) I amônia; II Ureia

a) I amônia; II Ureia 1. No tratamento de hipertensos, os pacientes devem retirar o sal (cloreto de sódio) de sua alimentação, assim como tomar um medicamento diurético. Explique qual a relação entre esses dois procedimentos

Leia mais

LITOCIT. citrato de potássio monoidratado

LITOCIT. citrato de potássio monoidratado LITOCIT citrato de potássio monoidratado APRESENTAÇÕES Comprimidos de 5 meq. Caixas com 60 comprimidos. Comprimidos de 10 meq. Caixas com 60 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido

Leia mais

Hemolenta. Bula para paciente. Solução para hemodiálise 6,14 MG/ML + 0,18596 MG/ML

Hemolenta. Bula para paciente. Solução para hemodiálise 6,14 MG/ML + 0,18596 MG/ML Hemolenta Bula para paciente Solução para hemodiálise 6,14 MG/ML + 0,18596 MG/ML HEMOLENTA (cloreto de sódio + sulfato de magnésio heptaidratado) Solução para Hemodiálise SOLUÇÃO - SISTEMA FECHADO MEDFLEX

Leia mais

Ciências Ensino Fundamental, 8º Ano Caracterização dos órgãos que constituem o sistema urinário, suas funções e os principais excretas

Ciências Ensino Fundamental, 8º Ano Caracterização dos órgãos que constituem o sistema urinário, suas funções e os principais excretas Ciências Ensino Fundamental, 8º Ano Caracterização dos órgãos que constituem o sistema urinário, suas funções e os principais excretas Imagem: Schlomo Wiggins/ This image is free to use for any purpose

Leia mais

candesartana cilexetila Biosintética Farmacêutica Ltda. Comprimidos simples 8 mg e 16 mg

candesartana cilexetila Biosintética Farmacêutica Ltda. Comprimidos simples 8 mg e 16 mg candesartana cilexetila Biosintética Farmacêutica Ltda. Comprimidos simples 8 mg e 16 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO candesartana cilexetila

Leia mais

Resultados da Validação do Mapeamento. Administrar medicamentos vasoativos, se adequado.

Resultados da Validação do Mapeamento. Administrar medicamentos vasoativos, se adequado. Intervenções de Enfermagem da Classificação das Intervenções de Enfermagem (NIC) para o diagnóstico de Volume de líquidos deficiente em pacientes vitimas de trauma Quadro 1- Reestruturação dos níveis de

Leia mais

2)Homeostasia: Constância Dinâmica. Explique esta frase. 4)Quais das seguintes substâncias são transportadas através de canais?

2)Homeostasia: Constância Dinâmica. Explique esta frase. 4)Quais das seguintes substâncias são transportadas através de canais? FISIOLOGIA HUMANA QUESTÕES DE AVALIAÇÃO PARTE I 1)Qual a relação entre a fisiologia, a homeostasia, os órgãos e as condições do ambiente interno? 2)Homeostasia: Constância Dinâmica. Explique esta frase.

Leia mais

Nitrofen. Cápsula 100mg

Nitrofen. Cápsula 100mg Nitrofen Cápsula 100mg MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE Nitrofen nitrofurantoína APRESENTAÇÃO Cápsula 100mg Embalagem contendo 28 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada cápsula contém:

Leia mais

Manejo clínico da ascite

Manejo clínico da ascite Manejo clínico da ascite Prof. Henrique Sérgio Moraes Coelho XX Workshop Internacional de Hepatites Virais Recife Pernambuco 2011 ASCITE PARACENTESE DIAGNÓSTICA INDICAÇÕES: ascite sem etiologia definida

Leia mais

APROVADO EM INFARMED

APROVADO EM INFARMED Folheto informativo: Informação para o utilizador Dextrose em Soro Fisiológico 55 mg/ml + 9 mg/ml solução para perfusão Glucose + Cloreto de sódio Leia com atenção todo este folheto antes de começar a

Leia mais

BULA DO PACIENTE. BURINAX (bumetanida) ABBOTT LABORATÓRIOS DO BRASIL LTDA Comprimidos 1 mg

BULA DO PACIENTE. BURINAX (bumetanida) ABBOTT LABORATÓRIOS DO BRASIL LTDA Comprimidos 1 mg Abbott laboratórios do Brasil Ltda. BULA DO PACIENTE BURINAX (bumetanida) ABBOTT LABORATÓRIOS DO BRASIL LTDA Comprimidos 1 mg I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: Burinax bumetanida BULA PARA O PACIENTE APRESENTAÇÃO

Leia mais

ATACAND candesartana cilexetila

ATACAND candesartana cilexetila ATACAND candesartana cilexetila I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ATACAND candesartana cilexetila APRESENTAÇÕES Comprimidos de 8 mg em embalagem com 30 comprimidos. Comprimidos de 16 mg em embalagens com

Leia mais

Marcos Barrouin Melo, MSc CURSO DE EMERGÊNCIAS EV UFBA 2008

Marcos Barrouin Melo, MSc CURSO DE EMERGÊNCIAS EV UFBA 2008 Marcos Barrouin Melo, MSc CURSO DE EMERGÊNCIAS EV UFBA 2008 INTRODUÇÃO Definição Acúmulo anormal de fluido extravascular pulmonar Movimento de líquidos para o pulmão excede capacidade da drenagem linfática

Leia mais

MODELO DE TEXTO DE BULA

MODELO DE TEXTO DE BULA MODELO DE TEXTO DE BULA CLORANA hidroclorotiazida Forma farmacêutica e de apresentação Clorana 25 mg - cartucho contendo 30 comprimidos Clorana 50 mg - cartucho contendo 20 comprimidos USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

APROVADO EM INFARMED

APROVADO EM INFARMED FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR APROVADO EM Por favor leia este folheto antes de começar a tomar LARUTAN 600 mg. Guarde este folheto até ter acabado o medicamento. Pode necessitar de

Leia mais

Cansarcor HCT. Candesartana cilexetila + hidroclorotiazida. Legrand Pharma Industria Farmacêutica Ltda. comprimido. 8mg/12,5mg.

Cansarcor HCT. Candesartana cilexetila + hidroclorotiazida. Legrand Pharma Industria Farmacêutica Ltda. comprimido. 8mg/12,5mg. Cansarcor HCT Candesartana cilexetila + hidroclorotiazida Legrand Pharma Industria Farmacêutica Ltda comprimido 8mg/12,5mg 16mg/12,5mg Modelo de Bula I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO CANSARCOR HCT candesartana

Leia mais