FISIOLOGIA RENAL E SISTEMA EXCRETOR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FISIOLOGIA RENAL E SISTEMA EXCRETOR"

Transcrição

1 FISIOLOGIA RENAL E SISTEMA EXCRETOR

2 Adaptação ao meio Se um animal viver na terra, na água salgada ou na água doce. Controlar o volume e a composição entre os líquidos corporais e o ambiente externo (balanço hídrico). Manutenção da Homeostase Sistemas fundamentais, pois equilibram níveis hídricos e eletrolíticos compatíveis com a vida.

3 Equilíbrio da Água

4 Controle da volume e P sanguínea Estímulo Receptor Efetor Resposta tecidual Resposta sistêmica

5 Controle da volume e P sanguínea Estímulo Receptor Efetor Resposta tecidual Resposta sistêmica

6 FISIOLOGIA RENAL 1. Regulação do volume do LEC e P.A 2. Regulação da osmolaridade 3. Manutenção do equilíbrio iônico 4. Regulação homeostática do ph 5. Excreção de resíduos 6. Produção de Hormônios

7 FISIOLOGIA RENAL Resumo do papel dos rins no equilíbrio hídrico: os rins conservam volume, mas não podem repor o volume perdido.

8 ANATOMIA RENAL - Localização T12 rins ureter bexiga uretra

9 ANATOMIA RENAL O bordo medial de cada rim está localizado o hilo, por onde passam as artéria e veia renais, vasos linfáticos e nervos e de onde sai o ureter. Dividido em duas partes: região cortical e a região medular. Na medula estão as pirâmides renais, que terminam na papila renal. Pelve renal é a projeção das papilas na extremidade anterior do ureter. A urina proveniente de cada papila é coletada pelos cálices renais

10 ANATOMIA RENAL córtex renal cápsula renal medula renal cálice menor cálice maior coluna renal pirâmide renal papila renal veia renal artéria renal pelve renal ureter

11 UNIDADE FUNCIONAL: O NÉFRON Cada rim é formado por cerca de 1 milhão de pequenas estruturas chamadas néfrons. Cápsula de Bowman Túbulos: proximal e distal Alça de Henle Duto coletor

12 Cortical: (85%) Justamedular (15%) TIPOS DE NÉFRONS

13 VISÃO GERAL DA FUNÇÃO RENAL Imagine beber 340mL de refrigerante a cada três minutos: ao final de 24h você terá consumido o equivalente a 90 garrafas de 2 L. A ideia de colocar 180 L no seu trato gastrintestinal é irreal, mas esta é a quantidade de plasma que passa nos néfrons a cada dia! Como o volume médio de urina que deixa o rim é de apenas 1,5L por dia, mais de 99% do líquido que entra nos néfrons precisam voltar para o sangue, caso contrário o corpo desidrata rapidamente.

14 Filtração, reabsorção, secreção e excreção

15 Formação da Urina Produção de Urina Filtração Glomerular Reabsorção Tubular Secreção Tubular Excreção Urinária = filtração - reabsorção + secreção

16 Filtração Glomerular Filtração depende do tamanho e da carga das moléculas Substâncias filtradas podem: não ser reabsorvidas (metabólitos) parcialmente reabsorvidas (eletrólitos) completamente reabsorvidas (glicose,aas)

17 Fração de filtração Filtração de 20% Reabsorção hídrica de 99%; Função do glomérulo: permitir a passagem de moléculas pequenas e água e restringir a passagem de moléculas maiores.

18 Filtração Glomerular 3 BARREIRAS DE FILTRAÇÃO: a parede capilar (fenestras) a membrana basal (glicoproteínas e colágeno) epitélio da cápsula de Bowman (Podócitos) Peneira molecular: tamanho forma carga elétrica

19 Filtração Glomerular Membrana de filtração

20 Filtração Glomerular Pressão de filtração

21 TFG O filtrado é produzido na taxa de 125 ml/min ou 180 l/dia 1. PRESSÃO DE FILTRAÇÃO; 2. ÁREA DE SUPERFÍCIE DOS CAPILARES GLOMERULARES; 3. PERMEABILIDADE DA INTERFACE CAPILAR-CÁPSULA DE BOWMAN;

22 TFG É RELATIVAMENTE CONSTANTE

23 Controle da TFG

24 Controle da TFG

25 Controle da TFG

26 Autorregulação da TFG Resposta Miogênica; Retroalimentação tubuloglomerular (figura abaixo) RENINA

27 Outros fatores de regulação da TFG 1. Resposta Simpática; 2. Angiotensina II; 3. Prostaglandinas.

28 Controle do Fluxo Sanguíneo Renal trabalho cardíaco - força que impulsiona esse processo.

29 Reabsorção Tubular Reabsorção tubular renal é o processo de transporte de uma substância do interior do túbulo para os capilares e interstício que envolvem o túbulo. Devido à reabsorção tubular muitas substâncias depois de filtradas voltam ao sangue. Percorre os capilares peritubulares entrando de novo na circulação sistêmica pela veia renal que sai do órgão

30 Reabsorção Tubular Transporte transepitelial do Sódio: Passivo e Ativo

31 Aminoácidos, outros metabólitos orgânicos e alguns íons são também absorvidos por cotransporte dependente de SÓDIO Reabsorção Tubular

32 Reabsorção Tubular Baixa pressão hidrostática dos capilares peritubulares.

33 Secreção Tubular Já o mecanismo inverso é denominado Secreção Tubular: os solutos que passaram pelos glomérulos e não foram filtrados vão atravessar uma segunda rede capilar. Rede peritubular, formada a partir das arteríolas eferentes, e/ou serão transportadas do interior celular para a lúmen tubular.

34 Excreção A taxa de excreção de um soluto depende de 1) sua carga filtrada e 2) se ele é reabsorvido ou secretado à medida que passa pele néfron. URINA FORMADA!!!!!!!!!!!!

35 Função Tubular

36 À medida que o filtrado passa pelo TP, os materiais a serem excretados tornam-se mais concentrados.. 1) TÚBULO PROXIMAL Através de transporte ativo, drogas e toxinas processadas no fígado passam para o capilares peritubulares, daí para o líquido intersticial, entrando no TP, onde são secretadas do epitélio de transporte para dentro do lúmen.

37 Crucial para recaptura: íons, água e nutrientes importantes, pois é alto o volume filtrado inicial. O processamento do filtrado no TP ajuda a manter um ph relativamente constante nos líquidos do corpo. 1) TÚBULO PROXIMAL Também reabsorve cerca de 90% do tampão bicarbonato (HCO 3 -) do filtrado, contribuindo ainda mais para o balanço do ph nos líquidos corporais.

38 2) Ramo descendente da Alça de Henle A água é constantemente reabsorvida durante a passagem no Ramo descendente da Alça de Henle (RDAH). Devido a alta concentração de canais de água AQUAPORINAS, porém apresenta poucos canais permeáveis a íons.

39 3) Ramo ascendente da Alça de Henle Ao contrário do ramo descendente o ramo ascendente da Alça de Henle (RAAH) apresenta epitélio de transporte que contém canais iônicos, mas não canais de água. Há transporte ativo e passivo de NaCl ao longo deste ramo para controlar a osmolaridade no interstício da medula renal.

40 4) Túbulo Distal Assim como o túbulo proximal, o túbulo distal contribui para a regulação do ph pela secreção controlada de H + e K + e reabsorção de bicarbonato (HCO 3 -) e NaCl..

41 5) Duto Coletor O duto coletor carrega o filtrado da medula até a pélvis renal. À medida que o filtrado passa ao longo do epitélio de transporte do duto coletor, o controle hormonal de permeabilidade e transporte determina a magnitude da concentração da urina..

42 5) Duto Coletor Apresenta canais de AQUAPORINA, mais água é reabsorvida, tornando o filtrado final (urina) hiperosmótico em relação aos líquidos corporais. No final do duto coletor, na medula interna, este torna-se permeável a uréia devido sua alta concentração.

43 Regulação Hormonal da Função Renal Hormônio Antidiurético (ADH) ou Vasopressina 2 1. Aumento do consumo de sal e água escassa. 2. Ativam osmorreceptores no hipotálamo. Ativação da hipófise para liberar ADH. 3. Estado de sede ativado e aumento da permeabilidade a água nos dutos coletores. 4. Maior reabsorção de água renal e urina hiperosmótica. 1 3

44 Regulação Hormonal da Função Renal Sistema reninaangiotensina- aldosterona 1. Perda de sangue ou baixa pressão sanguínea. 2. Complexo justaglomerular libera a enzima renina. Esta cliva o angiotensinogênio formando angiotensina II. 3. Angitensina II causa vasoconstrição das arteríolas, que diminuem o fluxo sanguíneo para muitos capilares, incluindo o rim

45 Regulação Hormonal da Função Renal Sistema reninaangiotensina- aldosterona 4. Angiotensina II ativa, também, as adrenais a liberarem aldosterona que aumenta a reabsorção de água e Na + nos túbulos distais aumentando o volume e a pressão sanguínea. 4

46 ESTRUTURA DO SISTEMA URINÁRIO E A MICÇÃO O sistema excretor é composto pelos rins, ureteres, bexiga e uretras. Resumo: a micção ocorre devido a contração do esfíncter interno, músculo liso na junção da uretra com a bexiga, acompanhada pela abertura do esfíncter externo (músculo esquelético, localizado na base da bexiga.

47 MICÇÃO Receptores de estiramento estão presentes na bexiga e também no músculo do esfíncter interno. O enchimento da bexiga é detectado pelos receptores de estiramento da bexiga. A excitação desses receptores desencadeia contração reflexa do músculo liso, e cada contração ocasiona outra contração, porque os receptores de estiramento são intensamente excitados cada vez que a bexiga contrai, mas não esvazia.

48 Quanto maior for o volume de urina na bexiga, mais fortes serão suas contrações. MICÇÃO O reflexo é modulado por vias que vêm do encéfalo e permitem o controle voluntário Estímulos assustadores, ex., interrompem a manutenção do controle do esfíncter externo pelo encéfalo e ativam igualmente a contração da bexiga, podendo haver micção involuntária.

49 MICÇÃO

50 90-95% da urina é água. URINA Outras substâncias dependem da dieta, podendo ser: Ácido fosfórico, uréia, sódio, cloro, potássio, ácido úrico.

51 RESUMO Quando o sangue entra nos rins através das artérias renais. Estas ramificam-se até arteríolas que são filtrado pelos néfrons (FILTRAÇÃO GLOMERULAR). A maior parte do plasma, após passar pelo Glómérulo- cápsula de Bowman e de desembocar nos túbulos renais, moléculas importantes do filtrado são REABSORVIDAS para corrente sanguínea. O fluido reabsorvido retorna pelas veias renais e a urina formada flui para os dutos coletores das pirâmides renais.

52 RESUMO Daí a urina flui para os cálices renais, para a pélvis renal e, finalmente, por meio dos ureteres, chega a bexiga onde fica armazenada até ser excretada pela uretra. O fluido reabsorvido retorna pelas veias renais e a urina formada flui para os ductos coletores das pirâmides renais. Daí a urina flui para os cálices renais, pélvis renal e, finalmente, por meio dos ureteres, chega a bexiga onde fica armazenada até ser excretada pela uretra.

artéria renal arteríola aferente capilares glomerulares artéria renal capilares glomerulares veia renal

artéria renal arteríola aferente capilares glomerulares artéria renal capilares glomerulares veia renal FUNÇÕES DOS RINS Controle da osmolaridade dos fluidos corporais Regulação do volume dos fluidos corporais (controle a longo prazo da pressão arterial) Regulação da concentração de eletrólitos: Na +, K

Leia mais

Sistema Renal. Profa Msc Melissa Kayser

Sistema Renal. Profa Msc Melissa Kayser Sistema Renal Profa Msc Melissa Kayser Componentes anatômicos Rins Ureteres Bexiga urinária Uretra O sangue é filtrado nos rins, onde os resíduos são coletados em forma de urina, que flui para pelve renal,

Leia mais

artéria renal arteríola aferente capilares glomerulares artéria renal capilares glomerulares veia renal

artéria renal arteríola aferente capilares glomerulares artéria renal capilares glomerulares veia renal FUNÇÕES DOS RINS Controle da osmolaridade dos fluidos corporais Regulação do volume dos fluidos corporais (controle a longo prazo da pressão arterial) Regulação da concentração de eletrólitos: Na +, K

Leia mais

Biofísica renal. Estrutura e função dos rins

Biofísica renal. Estrutura e função dos rins Biofísica renal Estrutura e função dos rins Múltiplas funções do sistema renal Regulação do balanço hídrico e eletrolítico (volume e osmolaridade) Regulação do equilíbrio ácidobásico (ph) Excreção de produtos

Leia mais

Anatomia funcional do rim Função renal

Anatomia funcional do rim Função renal Anatomia funcional do rim Função renal Ganho Balanço diário Perda Ingestão Equilíbrio osmótico Bebidas e comidas Suor Pulmões Ingestão Metabolismo Metabolismo Urina Fezes Perdas Fluido extracelular Fluido

Leia mais

FISIOLOGIA HUMANA. Sistema Renal - Filtração Glomerular - Prof. Fernando Zanoni

FISIOLOGIA HUMANA. Sistema Renal - Filtração Glomerular - Prof. Fernando Zanoni FISIOLOGIA HUMANA Sistema Renal - Filtração Glomerular - Prof. Fernando Zanoni fzanoni@prof.ung.br Função geral dos rins Homeostasia dos líquidos e eletrólitos Filtração, reabsorção, secreção e excreção

Leia mais

Fisiologia do Sistema Urinário

Fisiologia do Sistema Urinário Sistema Urinário Fisiologia do Sistema Urinário Funções do sistema urinário Anatomia fisiológica do aparelho urinário Formação de urina pelos rins Filtração glomerular Reabsorção e secreção tubular Funções:

Leia mais

SISTEMA URINÁRIO QUAIS SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS?

SISTEMA URINÁRIO QUAIS SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS? SISTEMA URINÁRIO SISTEMA URINÁRIO QUAIS SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS? Conjunto de órgãos responsáveis pela filtração do sangue e eliminação de substâncias tóxicas, desnecessárias ou em excesso através

Leia mais

Fisiologia do Sistema Urinário

Fisiologia do Sistema Urinário Sistema Urinário Fisiologia do Sistema Urinário Funções do sistema urinário Anatomia fisiológica do aparelho urinário Formação de urina pelos rins Filtração glomerular Reabsorção e secreção tubular Equilíbrio

Leia mais

Sistema excretor. Profº Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS

Sistema excretor. Profº Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS Sistema excretor Profº Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS introdução Elimina as excretas, isto é, as substâncias tóxicas. Principalmente das substâncias que contêm nitrogênio (excretas nitrogenadas) A quebra

Leia mais

Estrutura néfron e vascularização

Estrutura néfron e vascularização 1 Estrutura néfron e vascularização 1 = Cápsula de Bowman's, 2 = glomérulo, 3 = arteríola aferente, 4 = arteríola eferente, 5 = túbulo proximal convoluto, 6 = túbulo distal convoluto, 7 = ducto coletor,

Leia mais

Fisiologia Renal. Filtração e hemodinâmica renal e transporte no néfron. Prof Ricardo M. Leão FMRP-USP

Fisiologia Renal. Filtração e hemodinâmica renal e transporte no néfron. Prof Ricardo M. Leão FMRP-USP Fisiologia Renal Filtração e hemodinâmica renal e transporte no néfron. Prof Ricardo M. Leão FMRP-USP Berne Fisiologia,capitulo 34 (5 a edição)/32 (6 a edição) Para que serve o rim? Regulação do balanço

Leia mais

Apostila de Biologia 06 Sistema Excretor Fábio Henrique

Apostila de Biologia 06 Sistema Excretor Fábio Henrique 1.0 Excreção Apostila de Biologia 06 Sistema Excretor Fábio Henrique É a Eliminação de subprodutos do metabolismo celular. 1.1 Homeostase É uma condição na qual o meio interno do corpo permanece dentro

Leia mais

Reabsorção tubular. substâncias. reabsorção tubular.

Reabsorção tubular. substâncias. reabsorção tubular. Reabsorção tubular Tanto a filtração glomerular quanto a reabsorção tubular ocorrem em muito maior escala do que a excreção da maioria das substâncias. Reabsorção tubular é altamente seletiva. Como a filtração

Leia mais

Aparelho Urinário. Prof. Dr. Leonardo Augusto Kohara Melchior Disciplina de Histologia UFAC / CCBN / CCSD

Aparelho Urinário. Prof. Dr. Leonardo Augusto Kohara Melchior Disciplina de Histologia UFAC / CCBN / CCSD Aparelho Urinário Prof. Dr. Leonardo Augusto Kohara Melchior Disciplina de Histologia UFAC / CCBN / CCSD Introdução Composição e funcionamento Funções Produção de urina e manutenção da homeostase pela

Leia mais

META Oferecer ao aluno os meios necessários para o entendimento das funções do sistema urinário.

META Oferecer ao aluno os meios necessários para o entendimento das funções do sistema urinário. FISIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO Aula 10 Márcio Roberto Viana dos Santos Lucindo José Quintans Júnior META Oferecer ao aluno os meios necessários para o entendimento das funções do sistema urinário. OBJETIVOS

Leia mais

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Fisiologia Renal Função Tubular Formação da Urina Clearance (Depuração) Prof. Wagner de Fátima Pereira Departamento de Ciências Básicas

Leia mais

INTRODUÇÃO À FISIOLOGIA RENAL4

INTRODUÇÃO À FISIOLOGIA RENAL4 INTRODUÇÃO À FISIOLOGIA RENAL4 Hamilton Haddad Junior Maria Aparecida Visconti 4.1 Introdução: os desafios da vida terrestre 4.2 Anatomia do sistema renal 4.3 Os três processos básicos renais 4.4 Conclusão

Leia mais

Fisiologia do Sistema Urinário

Fisiologia do Sistema Urinário Esse sistema é responsável pela maior parte da excreção. Este conceito define os processos pelos quais o organismo se livra de substâncias tóxicas (ou em excesso) resultantes do metabolismo celular, denominadas

Leia mais

Prof. Hélder Mauad 2012

Prof. Hélder Mauad 2012 Prof. Hélder Mauad 2012 FORMAÇÃO DE URINA CONCENTRADA E DILUÍDA REGULAÇÃO DA OSMOLARIDADE DO LIQUIDO EXTRACELULAR E DA CONCENTRAÇÃO DE SÓDIO As células do corpo são banhadas por LEC com concentração constante

Leia mais

Fisiologia Renal. Fisiologia Renal. FUNÇÕES RENAIS A manutenção do meio interno através da: Órgãos responsáveis pela manutenção do meio interno

Fisiologia Renal. Fisiologia Renal. FUNÇÕES RENAIS A manutenção do meio interno através da: Órgãos responsáveis pela manutenção do meio interno isiologia Renal isiologia Renal Profa. Ana Maria da Silva Curado Lins, M.Sc. Departamento de Biologia Primeira parte: Conceitos gerais e filtração glomerular Atenção: Esta apresentação possui animações.

Leia mais

Excreção. Expulsão de produtos residuais da actividade celular e de outras substâncias presentes em excesso no sangue.

Excreção. Expulsão de produtos residuais da actividade celular e de outras substâncias presentes em excesso no sangue. Sistema Urinário Excreção Expulsão de produtos residuais da actividade celular e de outras substâncias presentes em excesso no sangue. Como eliminar os produtos tóxicos que se formam nas células? Vias

Leia mais

APARELHO URINÁRIO I (Funções, anátomo-fisiologia, FG e DR)

APARELHO URINÁRIO I (Funções, anátomo-fisiologia, FG e DR) APARELHO URINÁRIO I (Funções, anátomo-fisiologia, FG e DR) Mário Gomes Marques Instituto de Fisiologia da FML 1 RINS Órgãos retroperitoniais, correspondendo em conjunto a cerca de 0,5% do peso corporal,

Leia mais

Fisiologia Renal. Arqueada. Interlobar. Segmentar. Renal

Fisiologia Renal. Arqueada. Interlobar. Segmentar. Renal Fisiologia Renal Arqueada Interlobar Segmentar Renal 1 Arteríola aferente Glomérulo Interlobular Arteríola aferente 2 3 Visão de um podócito pela cápsula de Bowman Anatomia do glomérulo: US (espaço urinário);

Leia mais

BA.17: Homeostase, excreção e homeotermia BIOLOGIA

BA.17: Homeostase, excreção e homeotermia BIOLOGIA ATIVIDADES. (UFPE 006) Com relação ao processo de formação da urina, no homem, é correto afirmar que: ( ) Como a filtração glomerular é um processo de alta seletividade, as vitaminas e os aminoácidos não

Leia mais

1 - Excreção de substâncias. 2 - Regulação do equilíbrio eletrolítico. 3 - Regulação do equilíbrio ácido-básico

1 - Excreção de substâncias. 2 - Regulação do equilíbrio eletrolítico. 3 - Regulação do equilíbrio ácido-básico Funções dos rins Fisiologia Renal 1 - Excreção de substâncias 2 - Regulação do equilíbrio eletrolítico 3 - Regulação do equilíbrio ácido-básico 4 - Regulação do volume e da osmolalidade do LEC 5 - Secreção

Leia mais

Filtração Glomerular. Entregue Sua Apresentação

Filtração Glomerular. Entregue Sua Apresentação Filtração Glomerular Entregue Sua Apresentação Reabsorção e Excreção Córtex Renal Medula Renal Reabsorção Urina produzida Todo processo de filtração glomerular SUBSTÂNCIAS NITROGENADAS A creatina é produzida

Leia mais

APARELHO URINÁRIO (III)

APARELHO URINÁRIO (III) APARELHO URINÁRIO (III) (Reabsorção e secreção tubulares) Mário Gomes Marques Instituto de Fisiologia da FML (Director: Prof. Luis Silva-Carvalho) 1 RIM (reabsorção e secreção tubulares) Qualquer substância

Leia mais

Disciplina de Fisiologia Veterinária FISIOLOGIA RENAL. Prof. Prof. Fabio Otero Ascoli

Disciplina de Fisiologia Veterinária FISIOLOGIA RENAL. Prof. Prof. Fabio Otero Ascoli Disciplina de Fisiologia Veterinária FISIOLOGIA RENAL Prof. Prof. Fabio Otero Ascoli OBJETIVOS DA AULA Revisão da anatomia do sistema urinário, principalmente do rim Aprender sobre as porções vascular

Leia mais

Nos diferentes tecidos do corpo, um dos produtos da degradação das proteínas e dos ácidos nucléicos é a amônia, substância muito solúvel e

Nos diferentes tecidos do corpo, um dos produtos da degradação das proteínas e dos ácidos nucléicos é a amônia, substância muito solúvel e SISTEMA EXCRETOR 1 Nos diferentes tecidos do corpo, um dos produtos da degradação das proteínas e dos ácidos nucléicos é a amônia, substância muito solúvel e extremamente tóxica para as células, esmo em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA E FARMACOLOGIA. Fisiologia Renal

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA E FARMACOLOGIA. Fisiologia Renal UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA E FARMACOLOGIA Fisiologia Renal Thaylise Vey Parodi Localização: 2 Rim 3 Rins unilobulares/unipiramidais - gato, cachorro, cavalo e pequenos

Leia mais

O que é a excreção? As células produzem substâncias tóxicas que têm de ser removidas do organismo. Excreção. efectuada por. Órgãos de excreção.

O que é a excreção? As células produzem substâncias tóxicas que têm de ser removidas do organismo. Excreção. efectuada por. Órgãos de excreção. Sistema excretor O que é a excreção? As células produzem substâncias tóxicas que têm de ser removidas do organismo. Excreção efectuada por Órgãos de excreção Pele (glândulas sudoríparas) Pulmões Suor Dióxido

Leia mais

Filtração Glomerular. Prof. Ricardo Luzardo

Filtração Glomerular. Prof. Ricardo Luzardo Filtração Glomerular Prof. Ricardo Luzardo O que é a filtração glomerular? Passagem de líquido plasmático, através de uma membrana filtrante, para o espaço de Bowman. O que é a filtração glomerular? Primeira

Leia mais

Filtração Glomerular

Filtração Glomerular Filtração Glomerular Profa. Jennifer Lowe O que é a filtração glomerular? Passagem de líquido plasmático, através de uma membrana filtrante, para o espaço de Bowman. 1 O que é a filtração glomerular? Primeira

Leia mais

Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4. , K +, Mg 2+, etc...)

Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4. , K +, Mg 2+, etc...) Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4 2-, K +, Mg 2+, etc...) Regulação do equilíbrio hidrossalino e da pressão arterial; Regulação do ph sanguíneo (H +, HCO 3- ); Síntese

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL (Continuação)

FISIOLOGIA RENAL (Continuação) Disciplina de Fisiologia Veterinária FISIOLOGIA RENAL (Continuação) Prof. Fabio Otero Ascoli REGULAÇÃO DA OSMOLARIDADE Definição: Osmolaridade número de partículas osmoticamente ativas de soluto contidas

Leia mais

BIOQUÍMICA II SISTEMAS TAMPÃO NOS ORGANISMOS ANIMAIS 3/1/2012

BIOQUÍMICA II SISTEMAS TAMPÃO NOS ORGANISMOS ANIMAIS 3/1/2012 BIOQUÍMICA II Professora: Ms. Renata Fontes Medicina Veterinária 3º Período O conteúdo de Bioquímica II utiliza os conhecimentos adquiridos referentes ao estudo do metabolismo celular e fenômenos físicos

Leia mais

Fisiologia Renal. Profa. JENNIFER LOWE Bloco G Sala aulas teóricas 1 avaliação

Fisiologia Renal. Profa. JENNIFER LOWE Bloco G Sala aulas teóricas 1 avaliação Fisiologia Renal Profa. JENNIFER LOWE Bloco G Sala 37 6 aulas teóricas 1 avaliação Fisiologia Renal Bacharelado Educação Física 2010/1 FISIOLOGIA RENAL Profa. Jennifer Lowe 01/07 5ª f. 18:00 20:00 Anatomia

Leia mais

Sistema excretor. Professora Mariana Peixoto

Sistema excretor. Professora Mariana Peixoto Sistema excretor Professora Mariana Peixoto Eliminação de excretas nos seres humanos Unidade básica dos rins: néfrons (Cápsula de Bowman) (alça de Henle) Formação da urina Filtração glomerular Glóbulos

Leia mais

SISTEMA URINÁRIO. Funções do Sistema Urinário

SISTEMA URINÁRIO. Funções do Sistema Urinário SISTEMA URINÁRIO Funções do Sistema Urinário Remover da corrente sangüínea produtos tóxicos e eliminá-los pela urina > funciona como um filtro do sangue; Conservar sais, glicose, proteínas e água, regulando

Leia mais

Sistema Urinário Capítulo 10

Sistema Urinário Capítulo 10 Sistema Urinário Capítulo 10 1 RINS Figura 10.1 - Representação do sistema urinário. Baseado em Snell, R. S. Histologia clínica. Rio de Janeiro: Discos CBS, Interamericana, 1985. p. 413. O sistema urinário

Leia mais

Mantém pressão sanguínea e garante adequada perfusão e função dos tecidos corporais

Mantém pressão sanguínea e garante adequada perfusão e função dos tecidos corporais Mantém pressão sanguínea e garante adequada perfusão e função dos tecidos corporais Pressão Arterial = Débito Cardíaco x Resistência Vascular Periférica Débito Cardíaco = Frequência Cardíaca x Volume Sistólico

Leia mais

Sistema Urinário. Carla Beatriz Silva. Introdução

Sistema Urinário. Carla Beatriz Silva. Introdução Sistema Urinário Carla Beatriz Silva Introdução O aparelho urinário é formado pelos dois rins, dois ureteres, a bexiga e a uretra. A urina é produzida nos rins, passa pelos ureteres até a bexiga e é lançada

Leia mais

Filtração Glomerular. Prof. Ricardo Luzardo

Filtração Glomerular. Prof. Ricardo Luzardo Filtração Glomerular Prof. Ricardo Luzardo O que é a filtração glomerular? Passagem de líquido plasmático, através de uma membrana filtrante, para o espaço de Bowman. O que é a filtração glomerular? Primeira

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL. propelem a urina para a bexiga, onde esta é armazenada até ser eliminada pela micção. 1. Introdução à Fisiologia Renal:

FISIOLOGIA RENAL. propelem a urina para a bexiga, onde esta é armazenada até ser eliminada pela micção. 1. Introdução à Fisiologia Renal: I. : 1. Introdução à Fisiologia Renal: Funções dos Rins na Homeostasia: o Excreção de produtos indesejáveis do metabolismo, substâncias químicas estranhas, drogas e metabólitos hormonais (ex.: Uréia, creatinina,

Leia mais

Organização Morfofuncional do Sistema Renal e sua participação na manutenção da homeostasia

Organização Morfofuncional do Sistema Renal e sua participação na manutenção da homeostasia Organização Morfofuncional do Sistema Renal e sua participação na manutenção da homeostasia O Sistema Renal Introdução O sistema vascular renal A unidade funcional dos rins As funções do sistema renal

Leia mais

CONTROLE HIDROELETROLÍTICO

CONTROLE HIDROELETROLÍTICO CONTROLE HIDROELETROLÍTICO Profa. Dra. Monica Akemi Sato CONCEITO DE MEIO INTERNO E SUA HOMEOSTASE MEIO INTERNO: MEIO INTERSTICIAL- VASCULAR CONCEITO DESENVOLVIDO POR CLAUDE BERNARD (1813-1878) HOMEOSTASE:

Leia mais

CASO CLÍNICO. O fim do mundo está próximo José Costa Leite Juazeiro do Norte Ceará

CASO CLÍNICO. O fim do mundo está próximo José Costa Leite Juazeiro do Norte Ceará CASO CLÍNICO Leitor nosso mundo velho Já está vai ou não vai Uma banda pendurada E a outra cai não cai Daqui pro fim da era Nada de bom se espera Vem castigos de Deus Pai O fim do mundo está próximo José

Leia mais

Homeostase do potássio, cálcio e fosfato

Homeostase do potássio, cálcio e fosfato Homeostase do potássio, cálcio e fosfato Regulação dos eletrólitos Homeostase do potássio Intracellular ADP ATP P Extracellular Hipocalemia: baixo Repolarização mais lenta do potencial de membrana. - Fraqueza

Leia mais

Sistema geniturinário SISTEMA URINÁRIO SISTEMA GENITAL MASCULINO SISTEMA GENITAL FEMININO

Sistema geniturinário SISTEMA URINÁRIO SISTEMA GENITAL MASCULINO SISTEMA GENITAL FEMININO Sistema geniturinário SISTEMA URINÁRIO SISTEMA GENITAL MASCULINO SISTEMA GENITAL FEMININO SISTEMA URINÁRIO SISTEMA GENITURINÁRIO FUNÇÕES DO SISTEMA URINÁRIO SISTEMA URINÁRIO HUMANO Excreção Maior parte.

Leia mais

Sistema urinário. Aparelho Urinário. Órgãos urinários. Órgãos urinários. Rins. Ureteres. Bexiga urinária. Uretra. Sistema urogenital

Sistema urinário. Aparelho Urinário. Órgãos urinários. Órgãos urinários. Rins. Ureteres. Bexiga urinária. Uretra. Sistema urogenital Sistema urinário Aparelho Urinário Sistema urogenital - Órgãos urinários - Órgãos genitais -- Origem embriológica comum (mesoderma intermediário) -- Anatomicamente ligados Profa. Rosane Silva cadela ovário

Leia mais

Tarefas 17, 18 e 19 Professor Fabrício

Tarefas 17, 18 e 19 Professor Fabrício Tarefas 17, 18 e 19 Professor Fabrício TAREFA 17 01. Em relação à forma predominante de excreção dos animais, é correto afirmar que a) peixes são animais amoniotélicos, aves e répteis são ureotélicos e

Leia mais

Funções renais, anatomia e processos básicos

Funções renais, anatomia e processos básicos 1 Funções renais, anatomia e processos básicos Objetivos O estudante deve entender o papel dos rins na manutenção da saúde. Estabelecer as sete principais funções dos rins. Definir o conceito de equilíbrio.

Leia mais

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 24 SISTEMA EXCRETOR

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 24 SISTEMA EXCRETOR BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 24 SISTEMA EXCRETOR bexiga poro excretor na base da antena reabsorção de substâncias úteis ao organismo tubo excretor sais, água e produtos nitrogenados da hemolinfa câmara

Leia mais

e) decréscimo da osmolaridade plasmática

e) decréscimo da osmolaridade plasmática e) decréscimo da osmolaridade plasmática Lista de Revisão Sistema Excretor Prof: Marcus Ferrassoli Questão 01 Água, gás carbônico e excretas nitrogenados são produtos do metabolismo que os animais devem

Leia mais

1. A figura 1 representa a transmissão de um impulso nervoso ao longo do axónio de um neurónio.

1. A figura 1 representa a transmissão de um impulso nervoso ao longo do axónio de um neurónio. BIOLOGIA E GEOLOGIA 11º ANO ANO LECTIVO 2009/2010 NOME DO ALUNO PROFESSORA: Isabel Dias N.º Classificação: Mini-teste 2 1. A figura 1 representa a transmissão de um impulso nervoso ao longo do axónio de

Leia mais

OS RINS FISIOLOGIA RENAL

OS RINS FISIOLOGIA RENAL OS RINS FISIOLOGIA RENAL Prof.Msc.Moisés Mendes professormoises300@hotmail.com www.moisesmendes.com É o órgão responsável pela filtração do sangue e pela produção de urina. Situado na região dorsal do

Leia mais

Funções renais, anatomia e processos básicos 1

Funções renais, anatomia e processos básicos 1 Funções renais, anatomia e processos básicos 1 OBJETIVOS YY YY YY YY YY YY YY YY YY Estabelecer as nove funções principais dos rins. Definir o conceito de equilíbrio. Definir as estruturas básicas e suas

Leia mais

Fisiologia Renal. Mecanismos tubulares I ESQUEMAS SOBRE FISIOLOGIA RENAL. Profa. Ms Ana Maria da Silva Curado Lins Universidade Católica de Goiás

Fisiologia Renal. Mecanismos tubulares I ESQUEMAS SOBRE FISIOLOGIA RENAL. Profa. Ms Ana Maria da Silva Curado Lins Universidade Católica de Goiás ESQUEMAS SOBRE FISIOLOGIA RENAL. Mecanismos tubulares I Fisiologia Renal Profa. Ms Ana Maria da Silva Curado Lins Universidade Católica de Goiás Mecanismos de manipulação do filtrado pelos túbulos renais:

Leia mais

SISTEMA URINÁRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA URINÁRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA URINÁRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA URINÁRIO Conjunto de órgãos e estruturas responsáveis pela filtração do sangue e consequente formação da urina; É o principal responsável pela eliminação

Leia mais

Osmorregulação. Osmorregulação processo que permite a manutenção do equilíbrio da água e dos sais no organismo.

Osmorregulação. Osmorregulação processo que permite a manutenção do equilíbrio da água e dos sais no organismo. Osmorregulação Nos animais a manutenção do equilíbrio dinâmico interno deve-se às atividades coordenadas dos sistemas circulatório, nervoso e hormonal. Meio interno sangue, linfa, células. O tubo digestivo

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 10 EXCREÇÃO HUMANA

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 10 EXCREÇÃO HUMANA BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 10 EXCREÇÃO HUMANA Fixação 1) A ingestão de álcool inibe a liberação de ADH (hormônio antidiurético) pela hipófise. Assim sendo, espera-se que um homem alcoolizado: a)

Leia mais

Regulação do Volume e da Osmolaridade do LEC

Regulação do Volume e da Osmolaridade do LEC Regulação do Volume e da Osmolalidade do Líquido Extracelular (LEC) Água Corporal Total 45 75% do peso corporal total Regulação do Volume e da Osmolaridade do LEC Compartimentos líquidos corporais meq

Leia mais

Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio

Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio Recuperação do 4 Bimestre disciplina :Biologia Conteúdo: Variabilidade genética: fontes de variabilidade genética, fatores evolutivos, derivam genética, genética

Leia mais

SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados

SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados Regulação osmótica SISTEMA URINÁRIO HUMANO adrenal Veia cava

Leia mais

Intestino Delgado: Funções e porções: Mucosa aumento de superfície: Pregas: Vilosidades: Microvilosidades: Glândulas ou Criptas de Liberkuhn: Células absortivas: Célula caliciforme: Célula de Paneth: Células

Leia mais

SISTEMA EXCRETOR PROFª CLÁUDIA LOBO

SISTEMA EXCRETOR PROFª CLÁUDIA LOBO SISTEMA EXCRETOR PROFª CLÁUDIA LOBO Excreção Mecanismo pelo qual os seres vivos recolhem seu lixo celular, como a amônia (NH 3 ), CO 2, água e sais. Desta forma, os seres vivos mantém a homeostase, isto

Leia mais

Fluxo sanguíneo - 21% do débito cardíaco.

Fluxo sanguíneo - 21% do débito cardíaco. Função renal: excreção, controle do volume e composição dos líquidos corporais. Composto por um par de rins, um par de ureteres, pela bexiga urinária e pela uretra. Os rins situam-se na parte dorsal do

Leia mais

Sistema Excretor OSMORREGULAÇÃO

Sistema Excretor OSMORREGULAÇÃO Sistema Excretor OSMORREGULAÇÃO As formas mais simples de vida realizam as suas trocas directamente como meio. Os seres mais complexos estabelecem trocas através do sangue e fluidos intersticiais que banham

Leia mais

CONTROLE DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

CONTROLE DO SISTEMA CARDIOVASCULAR Disciplina de Fisiologia Veterinária CONTROLE DO SISTEMA CARDIOVASCULAR Prof. Prof. Fabio Otero Ascoli Mecanismos de Controle da Pressão Arterial Mecanismos Locais Mecanismos Neurais Mecanismos Humorais

Leia mais

Mantém pressão sanguínea e garante adequada perfusão e função dos tecidos corporais

Mantém pressão sanguínea e garante adequada perfusão e função dos tecidos corporais Mantém pressão sanguínea e garante adequada perfusão e função dos tecidos corporais Pressão Arterial = Débito Cardíaco x Resistência Vascular Periférica Débito Cardíaco = Frequência Cardíaca x Volume Sistólico

Leia mais

Funções renais, anatomia e processos básicos 1

Funções renais, anatomia e processos básicos 1 Funções renais, anatomia e processos básicos 1 OBJETIVOS Estabelecer as nove funções principais dos rins. Definir o conceito de equilíbrio. Definir as estruturas básicas e suas inter-relações: pelve renal,

Leia mais

Curso de Graduação Biologia BMW-360 Elementos de Fisiologia e Anatomia II 2015/2

Curso de Graduação Biologia BMW-360 Elementos de Fisiologia e Anatomia II 2015/2 Curso de Graduação Biologia BMW-360 Elementos de Fisiologia e Anatomia II 2015/2 Lídia Moreira Lima (Ph.D) Professora Associada, LASSBio, PPDF, ICB-UFRJ lidialima@ufrj.br lmlima23@gmail.com Bibliografia:

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA Portal Educação CURSO DE BIOQUÍMICA CLÍNICA

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA Portal Educação CURSO DE BIOQUÍMICA CLÍNICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA Portal Educação CURSO DE BIOQUÍMICA CLÍNICA Aluno: EaD - Educação a Distância Portal Educação 93 CURSO DE BIOQUÍMICA CLÍNICA MÓDULO III Atenção: O material deste

Leia mais

98% intracelular extracelular

98% intracelular extracelular DISTRIBUIÇÃO CORPORAL DE 98% intracelular extracelular 2% HOMEOSTASE DE POTÁSSIO BALANÇO EXTERNO vs BALANÇO INTERNO BALANÇO INTERNO BALANÇO EXTERNO HOMEOSTASE DE POTÁSSIO BALANÇO EXTERNO vs BALANÇO INTERNO

Leia mais

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL Bioquímica Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes Referências Bioquímica Clínica M A T Garcia e S Kanaan Bioquímica Mèdica J W Baynes e M H Dominiczack Fundamentos

Leia mais

SISTEMA URINÁRIO. Prof. André Maia. Funcionamento Renal

SISTEMA URINÁRIO. Prof. André Maia. Funcionamento Renal SISTEMA URINÁRIO Prof. André Maia Os aminoácidos resultantes da decomposição das proteínas constituintes do alimento são utilizados por nossas células tanto na fabricação de suas próprias proteínas como

Leia mais

Sistema Excretor / Urinário

Sistema Excretor / Urinário Sistema Excretor / Urinário Figura 1 Eliminando rejeitos Fonte: Microsoft CONTEÚDOS Órgãos do sistema excretor A regulação da excreção Influências hormonais sobre a ação dos rins A eliminação da urina

Leia mais

Diuréticos. Classificação da diurese. FUNÇÕES RENAIS A manutenção do meio interno através s da: Secreção de hormônios. Excreção de drogas

Diuréticos. Classificação da diurese. FUNÇÕES RENAIS A manutenção do meio interno através s da: Secreção de hormônios. Excreção de drogas Diuréticos Os diuréticos são fármacos f que tem a propriedade de causar Diuréticos aumento do volume urinário rio e cujo mecanismo é a inibição da reabsorção tubular de sódio s e água. Prof. Carlos Cezar

Leia mais

Órgãos responsáveis pela manutenção do meio interno

Órgãos responsáveis pela manutenção do meio interno ntrodução à Anatomia e Fisiologia do Sistema Urinário Profa. Dra. Janaína Duarte Conceito Sistema responsável pela formação (rins) e eliminação (ureteres, bexiga urinária e uretra) a urina. Funções Órgãos

Leia mais

Teste de Avaliação de Conhecimentos - Ciências Naturais 9.º ano

Teste de Avaliação de Conhecimentos - Ciências Naturais 9.º ano Teste de Avaliação de Conhecimentos - 9.º ano Nome N.º Data Turma Duração 45 minutos Classificação final Assinatura das professoras Rub. Do Enc. De Educação Competências Critérios Uso adequado de linguagens

Leia mais

Integração: Regulação da volemia e fisiopatologia da hipertensão arterial

Integração: Regulação da volemia e fisiopatologia da hipertensão arterial Integração: Regulação da volemia e fisiopatologia da hipertensão arterial Introdução Os mecanismos de regulação da pressão arterial a longo prazo são mecanismos hormonais e fundamentalmente ligados à volemia.

Leia mais

Controle da Osmolalidade dos Líquidos Corporais. Prof. Ricardo Luzardo

Controle da Osmolalidade dos Líquidos Corporais. Prof. Ricardo Luzardo Controle da Osmolalidade dos Líquidos Corporais Prof. Ricardo Luzardo Osmolalidade é uma função do número total de partículas em solução, independente de massa, carga ou composição química. As partículas

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Departamento de Fisiologia e Farmacologia Atividade de Monitoria

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Departamento de Fisiologia e Farmacologia Atividade de Monitoria Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Departamento de Fisiologia e Farmacologia Atividade de Monitoria Taxa de Filtração Glomerular - Marcadores A taxa de filtração glomerular (TFG) é considerada

Leia mais

Nas reações do metabolismo celular, são formadas subtâncias tóxicas chamadas de excretas.

Nas reações do metabolismo celular, são formadas subtâncias tóxicas chamadas de excretas. Sistema urinário Nas reações do metabolismo celular, são formadas subtâncias tóxicas chamadas de excretas. Esses catabólitos são principalmente compostos nitrogenados formados a partir da degradação de

Leia mais

Sistema Urinário Capítulo 10

Sistema Urinário Capítulo 10 Sistema Urinário Capítulo 10 1 FUNÇÕES O sistema urinário retira do organismo, através da urina, as substâncias em excesso e os produtos residuais do metabolismo, contribuindo para a manutenção da homeostasia,

Leia mais

a) I amônia; II Ureia

a) I amônia; II Ureia 1. No tratamento de hipertensos, os pacientes devem retirar o sal (cloreto de sódio) de sua alimentação, assim como tomar um medicamento diurético. Explique qual a relação entre esses dois procedimentos

Leia mais

Uma grande área da biologia é responsável pelo estudo das reações químicas que acontecem no nosso organismo, chamada Fisiologia Humana

Uma grande área da biologia é responsável pelo estudo das reações químicas que acontecem no nosso organismo, chamada Fisiologia Humana Aula 1 Fisiologia Humana Nosso organismo ele necessita de alguns elementos para manter o funcionamento perfeito, são eles: água, ar, alimento e etc, se alguns desses faltar no organismo, o mesmo vai reagir

Leia mais

Ciências Ensino Fundamental, 8º Ano Caracterização dos órgãos que constituem o sistema urinário, suas funções e os principais excretas

Ciências Ensino Fundamental, 8º Ano Caracterização dos órgãos que constituem o sistema urinário, suas funções e os principais excretas Ciências Ensino Fundamental, 8º Ano Caracterização dos órgãos que constituem o sistema urinário, suas funções e os principais excretas Imagem: Schlomo Wiggins/ This image is free to use for any purpose

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Sistema Urinário Conceito As atividades metabólicas resultam na decomposição de proteínas, lipídeos e carboidratos.

Leia mais

Os sistemas Respiratório e Excretor. Na aula desta semana, juntamos dois temas: Sistemas Excretório e Respiratório. O mecanismo de inspirar O 2

Os sistemas Respiratório e Excretor. Na aula desta semana, juntamos dois temas: Sistemas Excretório e Respiratório. O mecanismo de inspirar O 2 Fisiologia 3 Os sistemas Respiratório e Excretor Iniciando a conversa Na aula desta semana, juntamos dois temas: Sistemas Excretório e Respiratório. O mecanismo de inspirar O 2 e eliminar CO 2 controla

Leia mais

DIURÉTICOS 09/10/2016 CONCEITO INTRODUÇÃO FISIOLOGIA RENAL FISIOLOGIA RENAL FISIOLOGIA RENAL

DIURÉTICOS 09/10/2016 CONCEITO INTRODUÇÃO FISIOLOGIA RENAL FISIOLOGIA RENAL FISIOLOGIA RENAL CONCEITO DIURÉTICOS Diuréticos são drogas que promovem a excreção renal de água, sódio e outros eletrólitos, aumentando assim a formação de urina e o débito urinário. Prof. Karina Lemos Guedes Karinag@pitagoras.com.br

Leia mais

INTRODUÇÃO SISTEMA URINÁRIO RINS INTRODUÇÃO RINS. Formação: Funções: Formato. Excreção da urina. Coloração. Localização. Doisrins.

INTRODUÇÃO SISTEMA URINÁRIO RINS INTRODUÇÃO RINS. Formação: Funções: Formato. Excreção da urina. Coloração. Localização. Doisrins. : INTRODUÇÃO Doisrins Dois ureteres Bexiga Uretra Funções: Remoção resíduos SISTEMA URINÁRIO Filtração do plasma Funções hormonais INTRODUÇÃO Excreção da urina Sangueéfiltradonosrins Atravésdosureteresofiltradoélevadoatéabexiga

Leia mais

Regulação da tonicidade do FEC

Regulação da tonicidade do FEC Regulação da tonicidade do FEC Jackson de Souza Menezes Laboratório Integrado de Bioquímica Hatisaburo Masuda Núcleo de Pesquisas em Ecologia e Desenvolvimento Sócio-Ambiental Universidade Federal do Rio

Leia mais

ACERVO DIGITAL FASE II. Histologia do Sistema Urinário

ACERVO DIGITAL FASE II. Histologia do Sistema Urinário ACERVO DIGITAL FASE II Histologia do Sistema Urinário I-Rim Técnica: HE Observação com aumento total de 40x: Observe a região cortical mais acima, e a camada medular, que é a mais clara, mais abaixo. SU

Leia mais

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração Fisiologia Humana Sistema circulatório Componentes: - Sangue (elementos figurados e plasma) - Vasos sanguíneos - Coração Vasos sanguíneos Artérias Vasos com paredes espessas e elásticas por onde circula

Leia mais