Os Princípios da Animação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os Princípios da Animação"

Transcrição

1 Os Princípios da Animação 1. Squash and Stretch 2. Anticipation 3. Staging 4. Straight Ahead Action and Pose to Pose 5. Follow Through and Overlapping Action 6. Slow In and Slow Out 7. Arcs 8. Secondary Action 9. Timing 10. Exaggeration 11. Solid Drawing 12. Appeal 1. Squash and Stretch Este principio enfatiza a natureza não rígida dos objectos. Na realidade, quando uma personagem ou um objecto é animado, este apresenta contrações e estensões na sua forma de acordo com a sua a acção e/ou movimento. Na imagem acima, podemos observar como a pressão exercida pelo maxilar é exagerada. A boca, os olhos, as orelhas e o nariz (e a própria expressão) da personagem são deformados pelo mastigar. Apesar de ocorrer alteração da forma é importante considerar que o volume de um objecto animado, com squash and stretch, não é alterado significativamente. No exemplo da esquerda, a bola mantem a sua forma. No entanto, podemos observar que a variação da sua posição de imagem para imagem (a sua velocidade) é menor quando atinge o topo e que aumenta até colidir com o chão. Á direita, a bola é esticada à medida que que ganha velocidade (movimento 1 7

2 acelerado). Quando a sua velocidade tende a estabilizar (igual a zero), esta recupera a sua forma original. Por outro lado, quando colide com chão (interação com outros objectos) esta é achatada sem alterar significativamente do seu volume. 2. Antecipation Uma animação é composta por uma sequência de acções/eventos que conduz, de forma clara, uma actividade para outra. O observador tem que receber informação que o prepare para a próxima acção. Esta é fornecida, através de um movimento concreto que permite antecipar uma situação, mesmo antes de esta realmente acontecer. A personagem acima prepara-se para correr, com o corpo agachado e contraído, ganha balanço e acumula energia, como uma mola, antes de a libertar sob a forma de movimento (cinética). Antes de agarrar o objecto, a personagem fixa o olhar, ergue o braço e roda a mão para o seu bolso (alvo). Estas acções são exageradas de modo a obter uma maior compreensão sobre personagem e clareza da acção, indicando o objecto da motivação, e a preparação e o percurso para alcançar esse fim. O movimento que antecipa uma acção pode ser útil para criar situações cómicas, isto é, induzir o público para uma uma ideia e supreender com uma outra acção. 2 7

3 3. Staging Este príncipio incide sobre como as acções são apresentadas, como uma personalidade é reconhecível, como uma expressão é observada, e como um ambiente específico afecta o observador. O objectivo central é saber qual a importância de cada coisa na construção da narrativa e qual será o melhor modo de a apresentar. Questões como: Será melhor aplicar um movimento de camara? Utilizo um grande plano ou um plano geral? Com qual ponto de vista? Com camara picada ou contrapicada? Muito iluminado ou pouco iluminado? Luz ou contra-luz? Se o nosso objectivo é destacar uma determinada acção, a câmara estar colocada à distância ideal para capturar essa mesma acção. Se estiver demasiado próxima, o público não tem toda a informação e, se estiver demasiado afastada, a acção pode deixar de ter visibilidade, ou seja, o observador pode-se distrair com o cenário e/ou com as outras personagens. Dave Hand afirmava que com grandes planos, nós podemos eliminar, da mente do público, tudo o que não é importante, num determinado momento, para evidênciar o foco da nossa atenção. 4. Straight Ahead Action and Pose to Pose Existem dois métodos de animação, o primeiro é denominado por Straight Ahead (traduzido significa Avanço Directo) e outro por Pose to Pose (traduzido significa De Pose a Pose). Na primeira técnica, o animador parte do primeiro desenho para desenhar o seguinte. Antes de ser desenhada, é definido o contexto inicial e final, assim como, a acção que ocorre na cena, contudo, durante a produção do desenhos, surgem ideias que são introduzidas na animação até esta terminar. Esta abordagem é mais criativa, imprevisível e a acção das animações é mais fluída, expontânea e oscilante. O método Pose to Pose, o animador planeia a acção, o número de desenhos necessários, produz os desenhos com as posições prinipais e entrega-os a um assistente para que este produza o desenhos de transição. Este processo, permite o animador investir mais tempo na criação de desenhos Keyframe e no estudo e controle do movimento, onde cada posição apresente a máxima clareza, apelo e comunicação,. Esta técnica permite articular melhor a acções entre o background, diferentes personagens e objectos Ambos os métodos são usados nos nossos dias porque em determinadas situações são mais vantajosos do que o outro e muitas a sua utilização é alternada ou mesmo combinada. 3 7

4 5. Follow Through and Overlapping Action Quando uma personagem termina uma acção e começa outra, não existe uma pausa total de movimento. Este príncipio salienta que o corpo é composto por partes e cada uma inicia e termina os seu movimento em momentos específicos e com velocidades diferentes. Existem 5 tipos de categorias: - Quando a caracterização de uma personagem incluí penas, orelhas que pendem, caudas, roupas longas (como um casaco), etc, o movimento destes elementos é prelongado mesmo quando o corpo da figura pára totalmente. A velocidade, duração e amplitude do movimento têm de ser definidas de acordo com o peso, a dureza e a elasticidade dos respectivos materiais. - As diversas partes do corpo não se movem em simultaneo, ou seja, enquanto algumas partes atingem a sua posição final, outras continuam em movimento. Por exemplo: Um braço ou uma mão poderá continuar a mover-se num acção mesmo quando o corpo alcançou a sua pose final. - A carne e a gordura de uma personagem demora mais tempo a começar ou a terminar um movimento que a estruturas mais sólidas do corpos (esqueleto). Existe um desfasamento no movimento das diferentes partes que formam o corpo, onde as partes menos rígidas criam um certo arrastamento do movimento da acção (drag). - O modo como uma acção se prolonga no tempo dá-nos muito mais pistas sobre a personagem do que a acção em si. Por exemplo: Para desenhar a acção de uma personagem a dar uma tacada de golf são necessários poucos desenhos, no entanto, após essa acção, o movimento continua, e durante esse periódo, esta pode demonstrar graciosidade ou ser desastrosa. - Para alcançar uma pose estática, são necessários, oito a desasseis desenhos (em tempo é equivalente a 1/ 3 a 2/3 de um segundo) para criar uma pausa (hold) que permita o público assimilar a atitude da personagem, contudo, esta pausa também é resposável por uma quebra na acção. 6. Slow In and Slow Out Com a criação dos dois desenhos finais com as poses da personagem (os extremos ) e definido o tempo necessário para a sua transição, é iniciada a produção desenhos intermédios. Um destes encontra-se a meio caminho da transição e o restantes subdividem a transição e acumulam-se cada vez mais próximos dos dois desenhos iniciais. A concentração de desenhos é maior junto aos extremos, significa que na animação, a variação dos desenhos é inicialmente reduzida, aumentando gradualmente até a meio da sequência, e depois volta a diminuir até ao final da transição, isto significa que a animação começa lenta, acelera e depois desacelera. 4 7

5 7. Arcs A maior parte dos organismos vivos produzem movimentos que definem arcos porque contêm uma estrutura (um esqueleto com ossos) constituída por segmentos que são articulados entre si através de rotações. À medida que as keyframes são desenhadas, também os arcos são esboçados para servirem como guia na produção dos desenhos intermédios. 8. Secondary Action Frequentemente, uma determinada acção pode ser reforçada com acções subcidiárias dentro do prórprio corpo. Quando bem utilizadas, as acções secundárias acrescentam valor a uma cena, naturalidade à acção, e uma dimensão mais sólida à personalidade da figura. Por exemplo: Uma personagem triste limpa as suas lágrimas, enquanto se vira de costas e se afasta. Uma acção secundária entra em conflito a acção principal quando é mais interessante ou dominante, significa que a subacção não é a mais adequada ou que o seu enquadramento (staging) não foi efectuado correctamente. Por exemplo: Se a expressão do olhar é o elemento principal que descreve o estado de tristeza da personagem, quando esta coloca a mão para remover as lágrimas, temos que ter cuidado para não ocultar a acção principal. Para aplicarmos este principio da animação, primeiro devemos definir e animar a acção principal de modo a comunicar a ideia da melhor maneira. Posteriormente, repete-se o processo com a introdução da animação secundária, verificando-se qual a relação entre estas duas. Alterações e ajustes são aplicados até todas as partes desenhadas funcionarem em conjunto de modo natural. 9. Timing A quantidade de desenhos utilizados no movimento determina a duração de uma acção. Quando a aparência das personagens deixa de ser suficiente para descrever o seu estado psicológico, o tempo e a variação de velocidade do seu movimento é fundamental para exprimir apatia, exitação, nervosismo, relaxamento. A acção e a atitude não podem ser correctamente retratadas sem prestarmos a devida atenção ao tempo. 5 7

6 Observação: A duração e a distribuição do tempo entre dois desenhos podem definir acções e ideias muito diferentes. 10. Exaggeration Para exprimirmos o estado emocional de uma personagem é necessário definir e desenvolver a essência do seu estado de espírito. Sublinhamos que exagerar, não significa que temos de distorcer/estilizar o desenho, mas acentuar a expressão e o movimento que define uma emoção, isto é, quando queremos demonstrar que uma personagem está triste, exageramos a sua expressão e postura de modo a acentuar a sua tristeza. 11. Solid Drawing A destreza de desenho, a compreensão das formas, dos volumes e da mecânica do corpo permutem o animador desenhar a personagem, na sua diversas posições e ângulos, mais rápidamente e com menos restrições. Uma personagem é tridimensionalmente credível quando o seu desenho apresenta peso, profundidade e balanço. Um aspecto a evitar é a duplicação (twins) porque não acrescenta nada e introduz ruído na interpretação das personagens. Quando não prestamos a devida atenção ao movimento de uma personagem, existe a tedência de replicar a acção dos braços e/ou das pernas, mesmo quando estão orientadas para direcções diferentes. O objectivo consiste em criar uma forma animável, que tenha volume e seja flexível, 6 7

7 que possua força sem ser rígida, que permita movimentos que materialize as nossas ideias. 12. Appeal O apelo de uma personagem é expressa através qualidade do seu charme, um design agradável, uma elegante simplicidade, uma rica comunicação, e um forte magnetismo. Uma figura apelativa atrai e mantem o nosso olhar, não porque choca o observador, mas porque contém uma força narrativa intrinseca. Desenhos com fraca qualidade ou confusos, design pobre, formas toscas e movimentos desconexos não comunicam apelo. A atenção dos espectadores é determinada pelo apelo da expressão, da personagem, do movimento e/ou da narrativa em si. Um grande actor tem de ter carisma, assim como, uma boa personagem ter de ter apelo. Bibliografia - JOHNSTON, Ollie, (1995). The Illusion of Life: Disney Animation, Disney Editions. 7 7

Os 12 Princípios Fundamentais da Animação (por Disney) Prof. Mario Mancuso

Os 12 Princípios Fundamentais da Animação (por Disney) Prof. Mario Mancuso Os 12 Princípios Fundamentais da Animação (por Disney) Prof. Mario Mancuso Os 12 Princípios Fundamentais da Animação São 12 conceitos estabelecidos pro Walt Disney como essenciais para a criação de uma

Leia mais

Animação. Técnicas e princípios

Animação. Técnicas e princípios Animação Técnicas e princípios Animação tradicional (animação por célula ou animação desenhada à mão): é a mais velha e historicamente a mais popular forma de animação. Num desenho animado de forma tradicional,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES DEPARTAMENTO DE CINEMA, RÁDIO E TELEVISÃO. ALICE ANDREOLI HIRATA Número USP: 8544057

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES DEPARTAMENTO DE CINEMA, RÁDIO E TELEVISÃO. ALICE ANDREOLI HIRATA Número USP: 8544057 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES DEPARTAMENTO DE CINEMA, RÁDIO E TELEVISÃO ALICE ANDREOLI HIRATA Número USP: 8544057 Os Doze Princípios Básicos da Animação no século XXI Projeto

Leia mais

Instituto Politécnico do Cávado e Ave Produção Audiovisual Professor Leonardo Pereira Programa

Instituto Politécnico do Cávado e Ave Produção Audiovisual Professor Leonardo Pereira Programa 01 Programa Programa A Unidade Curricular Produção Audiovisual concentrar-se-à na abordagem aos elementos e linguagem básicos da concepção e produção de grafismo animado para o mundo audiovisual nos seus

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Este arquivo contém o número de aulas, a carga horária de cada curso, descrição e temas das aulas. Curso: XSI Master Número de Aulas: 233 Carga Horária: 78 horas DESCRIÇÃO DO CURSO

Leia mais

TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO EM AMBIENTES TRIDIMENSIONAIS

TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO EM AMBIENTES TRIDIMENSIONAIS TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO EM AMBIENTES TRIDIMENSIONAIS Walter Dutra da Silveira Neto. M.Sc. 1, Adrei Krepsky de Melo 2 1,2 Grupo de Pesquisa de Modelagem Virtual, Universidade do Estado de Santa Catarina, Av.

Leia mais

INSIDE OUT. Volley. Análise Técnica da Base ao Topo

INSIDE OUT. Volley. Análise Técnica da Base ao Topo INSIDE OUT Análise Técnica da base ao topo 12 Volley INSIDE OUT Análise Técnica da Base ao Topo 1 O VOLLEY Aspectos abordados neste capítulo Volleys - Fase de Preparação 1. Pega Continental 2. Braço dominante

Leia mais

2012 / Programa Nestum Rugby nas Escolas. Introdução ao Tag-Rugby e ao Bitoque

2012 / Programa Nestum Rugby nas Escolas. Introdução ao Tag-Rugby e ao Bitoque 2012 / 2013 Programa Nestum Rugby nas Escolas Introdução ao Tag-Rugby e ao Bitoque Introdução O que é o TAG RUGBY? O Tag Rugby é usado como uma alternativa de ensino do rugby de XV nas escolas, ou como

Leia mais

Escola de Salto com Vara de Leiria. Princípios do salto com vara

Escola de Salto com Vara de Leiria. Princípios do salto com vara Princípios do salto com vara Caros amigos treinadores e atletas, Nesta breve exposição sobre os princípios do salto com vara pretendo expor o que entendo serem os princípios básicos do salto com vara.

Leia mais

Física I 2010/2011. Aula 13 Rotação I

Física I 2010/2011. Aula 13 Rotação I Física I 2010/2011 Aula 13 Rotação I Sumário As variáveis do movimento de rotação As variáveis da rotação são vectores? Rotação com aceleração angular constante A relação entre as variáveis lineares e

Leia mais

C u r s o d e F o r m a ç ã o PROGRAMA

C u r s o d e F o r m a ç ã o PROGRAMA 1.- Introdução: C u r s o d e F o r m a ç ã o 2 0 1 1 TAI CHI CHUAN PROGRAMA Para entrar pela porta e ver o caminho, é imperioso ser ensinado oralmente. A prática é ininterrupta e a técnica é conseguida

Leia mais

LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa

LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa PREPARATION GLIDE DELIVERY RECOVERY DESCRIÇÃO DAS VÁRIAS FASES A Técnica Rectilínea do Lançamento do Peso está dividida nas seguintes fases:,, e.

Leia mais

F O R M A Ç Ã O E S P E C Í F I C A PROGRAMA

F O R M A Ç Ã O E S P E C Í F I C A PROGRAMA C u r s o d e T A I C H I C H U A N 2 0 1 2 F O R M A Ç Ã O E S P E C Í F I C A PROGRAMA O Curso terá como base a forma Olímpyca de 42 movimentos que é uma forma de sintese moderna de todos os principais

Leia mais

MANUTENÇÃO BÁSICA VALE A PENA! SOLUÇÕES PARA PROBLEMAS DE CORTE ÍNDICE DE CONTEÚDOS G U I A PA R A S E R R A S D E F I TA

MANUTENÇÃO BÁSICA VALE A PENA! SOLUÇÕES PARA PROBLEMAS DE CORTE ÍNDICE DE CONTEÚDOS G U I A PA R A S E R R A S D E F I TA MANUTENÇÃO BÁSICA VALE A PENA! São necessárias manutenções periódicas nas máquinas de serras de fita para manter um corte apropriado e eficiente, para as superligas atuais, isto é mais importante do que

Leia mais

Cinemática de Mecanismos

Cinemática de Mecanismos Cinemática de Mecanismos C. Glossário de Termos Paulo Flores J.C. Pimenta Claro Universidade do Minho Escola de Engenharia Guimarães 2007 In language, clarity is everything. Confucius C. GLOSSÁRIO DE

Leia mais

Unidade: Equilíbrio de Corpos Rígidos

Unidade: Equilíbrio de Corpos Rígidos Unidade: Equilíbrio de Corpos Rígidos Mecânica Geral Caros alunos, neste arquivo de apresentação, você encontrará um resumo dos tópicos estudados na Unidade IV. Use-o como guia para complementar o estudo

Leia mais

Exame Mecânica e Ondas Curso: MIEET data: 02/05/12. Nome:... Número:... Grupo I (10 valores)

Exame Mecânica e Ondas Curso: MIEET data: 02/05/12. Nome:... Número:... Grupo I (10 valores) Exame Mecânica e Ondas Curso: MIEET data: 02/05/12 Nome:... Número:... Pode utilizar uma calculadora e uma folha A4 (duas páginas) com fórmulas. Utilize g = 9,80 m/s 2. Grupo I (10 valores) Assinalar a

Leia mais

Ain Soph Aur - Academia de Artes Orientais. Curso de Formação 2014 PROGRAMA

Ain Soph Aur - Academia de Artes Orientais. Curso de Formação 2014 PROGRAMA Curso de Formação 2014 Tai Chi PROGRAMA O Curso tem como base a forma de 24 movimentos do estilo Yang de Tai Chi. Também são ensinadas as 3 primeiras formas de Tai Chi com leque. 1.- Introdução: Para entrar

Leia mais

The Helium Frog Animator Manual e Guia de exploração do The Helium Frog Animator para utilização em contexto de Educação Visual e Tecnoló gica

The Helium Frog Animator Manual e Guia de exploração do The Helium Frog Animator para utilização em contexto de Educação Visual e Tecnoló gica Estudo sobre a integração de ferramentas digitais no currículo da disciplina de Educação Visual e Tecnológica The Helium Frog Animator Manual e Guia de exploração do The Helium Frog Animator para utilização

Leia mais

CONTEÚDOS TÉCNICOS E TÁCTICOS DOS ESCALÕES DE FORMAÇÃO

CONTEÚDOS TÉCNICOS E TÁCTICOS DOS ESCALÕES DE FORMAÇÃO CONTEÚDOS TÉCNICOS E TÁCTICOS DOS ESCALÕES DE FORMAÇÃO Técnico/táctica individual ofensiva com e sem bola (procedimentos gerais) a) Os aspectos da técnica e táctica ofensiva prevalecem sobre os defensivos

Leia mais

Aula 1 Leis de conservação da energia

Aula 1 Leis de conservação da energia Universidade Federal do ABC P O S M E C Aula 1 Leis de conservação da energia MEC202 Problema para discussão O estranho caso do refrigerador aberto na sala adiabática O que acontece com a temperatura do

Leia mais

QUESTÕES OBJETIVAS. a) 1 b) h 1 h 2 c) h 1 + h 2 d) h 1 /h 2 e) h 2 /h 1

QUESTÕES OBJETIVAS. a) 1 b) h 1 h 2 c) h 1 + h 2 d) h 1 /h 2 e) h 2 /h 1 Triênio 007-009 QUESTÕES OBJETIVAS Use se necessário: 1L = 10-3 m 3. sen 45 = cos 45 = ; 1 sen 30 = cos 60 = ; sen 60 = cos 30 = 3 Questão 9: Em uma brincadeira numa piscina, uma pessoa observa o esforço

Leia mais

Lista4: Trabalho e Energia

Lista4: Trabalho e Energia Lista 4: Trabalho e Energia NOME: Matrícula: Turma: Prof. : Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para se resolver e entregar. ii. Ler os enunciados com atenção. iii.responder a questão

Leia mais

Animação comportamental. Controlo de grupos de objectos. Sistemas de partículas Comportamento de grupos (Flocks, Herds, Schools) Agentes autónomos

Animação comportamental. Controlo de grupos de objectos. Sistemas de partículas Comportamento de grupos (Flocks, Herds, Schools) Agentes autónomos Controlo de grupos de objectos Sistemas de partículas Comportamento de grupos (Flocks, Herds, Schools) Agentes autónomos Controlo de grupos de objectos Considera-se um número moderado de membros (muito

Leia mais

INSTRUMENTO DE COLHEITA DE DADOS

INSTRUMENTO DE COLHEITA DE DADOS INSTRUMENTO DE COLHEITA DE DADOS 1 Sexo: - Masculino. (1) - Feminino.. (2) 2 Idade: 3 Estado Civil: - Solteiro (1) - Casado.. (2) - União de Facto (3) - Divorciado..... (4) - Separado..... (5) - Viúvo...

Leia mais

Ficha Informativa A banda desenhada

Ficha Informativa A banda desenhada Ficha Informativa A banda desenhada A banda desenhada é um modo de contar uma história com desenhos. Os desenhos vão-se seguindo uns aos outros, formando uma sequência. Podem ser acompanhados de texto

Leia mais

LISTA PARA RECUPERAÇÃO DE FÍSICA 1 PROFESSOR GUSTAVO SABINO

LISTA PARA RECUPERAÇÃO DE FÍSICA 1 PROFESSOR GUSTAVO SABINO LISTA PARA RECUPERAÇÃO DE FÍSICA 1 PROFESSOR GUSTAVO SABINO 1. Sobre uma partícula P agem quatro forças, representadas na figura abaixo. O módulo da força resultante sobre a partícula é de: a) 5 N b) 24

Leia mais

DISCIPLINA: ESTAFETAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

DISCIPLINA: ESTAFETAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ESTAFETAS 192 DOMÍNIO DAS TÉCNICAS III FASE - APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO B FASES / NÍVEIS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS I- Ensino / Aprendizagem - Aquisição da noção de transmissão, através de jogos. - Aquisição

Leia mais

Aplicações Informáticas B 12º Ano

Aplicações Informáticas B 12º Ano Aplicações Informáticas B 12º Ano Prof. Adelina Maia 2010/2011 AIB_U4C 1 TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO EM COMPUTADOR A animação por computador pode ser definida como a produção do movimento de imagens utilizando

Leia mais

Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para se resolver e entregar. ii. Ler os enunciados com atenção.

Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para se resolver e entregar. ii. Ler os enunciados com atenção. Lista 10: Energia NOME: Turma: Prof. : Matrícula: Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para se resolver e entregar. ii. Ler os enunciados com atenção. iii. Responder a questão de

Leia mais

Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para se resolver e entregar.

Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para se resolver e entregar. Lista 6: Conservação da Energia NOME: Turma: Prof. : Matrícula: Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para se resolver e entregar. ii. Ler os enunciados com atenção. iii.responder

Leia mais

TER AS IDEIAS CLARAS!!!

TER AS IDEIAS CLARAS!!! TER AS IDEIAS CLARAS!!! O jogo de Andebol poderá resumir-se a uma atividade acíclica cujos principais movimentos são abertos e realizados com intervalos de pausas de recuperação incompleta (3 a7 ), a uma

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FERNANDO NAMORA 2014/2015

ESCOLA SECUNDÁRIA FERNANDO NAMORA 2014/2015 Parte Introdutória ESCOLA SECUNDÁRIA FERNANDO NAMORA 2014/2015 Etapa: 3ª Etapa Unidade de Ensino:10ª UE Aula nº: 64-65,66 Professor: Bernardo Tavares Data: 13/04/2015 + 16/04/2015 Turma: 7 Nº previsto

Leia mais

EGR7249 Animação 01. Exercício Braço Mecânico

EGR7249 Animação 01. Exercício Braço Mecânico EGR7249 Animação 01 EGR7249 - Animação 01 Para aprendar como funciona a animação de cadeias IK e como interpolamos entre IK e FK faremos um rig simples de um braço mecânico. Depois então animaremos este

Leia mais

Engenharia Multimédia Correcção do exame de SMII e TAGI

Engenharia Multimédia Correcção do exame de SMII e TAGI Data :24-7-28 Este tem 9 perguntas e está cotado para 2 valores. Cada pergunta tem a seu valor expresso entre parêntesis a seguir ao seu número. Responda às perguntas de uma forma sintética. (3 Valores)

Leia mais

PROGRAD / COSEAC Padrão de Respostas Física Grupos 05 e 20

PROGRAD / COSEAC Padrão de Respostas Física Grupos 05 e 20 1 a QUESTÃO: Dois blocos estão em contato sobre uma mesa horizontal. Não há atrito entre os blocos e a mesa. Uma força horizontal é aplicada a um dos blocos, como mostra a figura. a) Qual é a aceleração

Leia mais

Animação Digital. Processo de Acabamento Virtual Professor: João Humberto Camelini /MSN:

Animação Digital. Processo de Acabamento Virtual Professor: João Humberto Camelini  /MSN: Animação Digital Processo de Acabamento Virtual Professor: João Humberto Camelini Email/MSN: camelini@gmail.com O que é uma Animação Gráfica tradicional? Em sua essência, a animação consiste no concatenamento

Leia mais

Projecto Com a Cabeça na Lua OASA - Observatório Astronómico de Santana, Açores. Astrolábio

Projecto Com a Cabeça na Lua OASA - Observatório Astronómico de Santana, Açores. Astrolábio Projecto Com a Cabeça na Lua OASA - Observatório Astronómico de Santana, Açores Astrolábio O astrolábio é um instrumento antigo que serve para medir a altura dos astros acima do horizonte. Atribui-se a

Leia mais

Desenvolvimento de um modelo de ensino da Física

Desenvolvimento de um modelo de ensino da Física Desenvolvimento de um modelo de ensino da Física Modelação ou desenvolvimento de um modelo Processo cognitivo de aplicação dos princípios de uma teoria para produzir um modelo de um objecto físico ou de

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ 1 ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima. Princípios a considerar Um barreirista é também um velocista Correr rápido

Leia mais

Parte 1 Cena Simples Interativa com Câmara Fixa

Parte 1 Cena Simples Interativa com Câmara Fixa Computação Gráfica 2017/18 Parte 1 Cena Simples Interativa com Câmara Fixa Breve Introdução ao Tema O jogo Micro Machines foi o primeiro de uma série de jogos baseados nos famosos carros de brinquedo com

Leia mais

Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!.

Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!. Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!. 1ª Etapa (Movimentos de olhos e cabeça, primeiro lentos, depois rápidos). Participante em pé sobre um colchonete, olhar para cima e para baixo.

Leia mais

APÊNDICE A2. FICHAS DOS ALUNOS

APÊNDICE A2. FICHAS DOS ALUNOS APÊNDICE A2. FICHAS DOS ALUNOS 175 176 Actividade 2: Caixa Preta 3.º Ano Nome: Bombarral, de _ de Folha de registos (individual) A minha caixa é a A B C D O que contém a caixa no interior? O que me permitiu

Leia mais

INTRODUÇÃO À TRIDIMENSIONALIDADE Step by step Maja`s House

INTRODUÇÃO À TRIDIMENSIONALIDADE Step by step Maja`s House PARTE II: Câmaras. Animações. INTRODUÇÃO À TRIDIMENSIONALIDADE Step by step Maja`s House 16 11 2015 CÂMARAS O comando camera permite definir e gravar perspetivas específicas referentes a um determinado

Leia mais

Abordagem Ergonómica. dos Sistemas

Abordagem Ergonómica. dos Sistemas Abordagem Ergonómica dos Sistemas Conceito de ergonomia A ergonomia é o estudo científico da relação entre o homem e seus meios, métodos e espaços de trabalho. O seu objectivo é elaborar, mediante a contribuição

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora Curso Profissional de Técnico de Multimédia Informação Prova da Disciplina de Física - Módulo: 1 Forças e Movimentos; Estática Modalidade da Prova: Escrita Ano

Leia mais

CIR CIR CIR m CIR 12 CIR 1. Problema

CIR CIR CIR m CIR 12 CIR 1. Problema roblema C B 4 A 3 4 m Calcule todas as reacções externas. As forças aplicadas actuam no meio das barras. Resolução (verificação da estatia: Estática) H A : libertação e a introdução da reacção incógnita

Leia mais

17/11/2009. ROM: Range Of Movement (amplitude de movimento)

17/11/2009. ROM: Range Of Movement (amplitude de movimento) BASES BIOMECÂNICAS DO ALONGAMENTO Conceitos Técnicas de alongamento Características dos tecidos biológicos Fundamentos mecânicos Resposta e adaptação dos tecidos Objetivos do alongamento Prevenção de lesões

Leia mais

Pilotagem Squeak no computador Magalhães. Projecto: Geometria Básica

Pilotagem Squeak no computador Magalhães. Projecto: Geometria Básica Pilotagem Squeak no computador Magalhães Projecto: Geometria Básica (versão 1.0) Autor: Luís Valente (CC Universidade do Minho) Criar um Projecto 1 Clique no menu Projecto 2 Clique em criar um projecto

Leia mais

Problemas de Mecânica e Ondas 1

Problemas de Mecânica e Ondas 1 Problemas de Mecânica e Ondas 1 P 1.1 ( Introdução à Física J. Dias de Deus et al., Mc Graw Hill, 2000) Considere uma rã a a saltar. a) Qual será o ângulo de lançamento preferido da rã? Porquê? b) Se,

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 12.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 706/7 Págs. Duração da prova: 150 minutos 2007 1.ª FASE PROVA PRÁTICA DE DESENHO A V.S.F.F.

Leia mais

Formação Pessoal e Social-Independência/Autonomia

Formação Pessoal e Social-Independência/Autonomia Formação Pessoal e Social-Independência/Autonomia 9% 91% EA- em aquisição A- adquirido Gráfico 2 Formação Pessoal e Social- Convivência Democrática/ Cidadania 9% 91% EA- em aquisição A- adquirido Gráfico

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CONTEÚDOS

ORGANIZAÇÃO CONTEÚDOS ENERGIA POTENCIAL PROPOSTA A proposta é que todos os tópicos do CBC que compõem o currículo sejam apresentados aos alunos já no primeiro ano do ensino médio. Esses tópicos não devem ser esgotados em profundidade.

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS Nº 5

LISTA DE EXERCÍCIOS Nº 5 LISTA DE EXERCÍCIOS Nº 5 Questões 1) Na Figura 1, forças F 1 e F 2 são aplicadas em um bloco a medida que este desliza sem atrito com velocidade constante sobre uma superfície. O ângulo θ é decrementado

Leia mais

NOME: Matrícula: Turma: Prof. : Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para serem resolvidos e entregues.

NOME: Matrícula: Turma: Prof. : Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para serem resolvidos e entregues. Lista 7: Colisões NOME: Matrícula: Turma: Prof. : Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para serem resolvidos e entregues. ii. Ler os enunciados com atenção. iii. Responder a questão

Leia mais

Colégio Drummond/Anglo Cultura Artística e Literária 8º ano HARMONIA DE CORES OU ESQUEMA DE CORES

Colégio Drummond/Anglo Cultura Artística e Literária 8º ano HARMONIA DE CORES OU ESQUEMA DE CORES HARMONIA DE CORES OU ESQUEMA DE CORES As cores harmoniosas são aquelas que funcionam bem em conjunto ou justapostas, e que produzem um esquema de cores atrativo. O círculo cromático ou roda das cores pode

Leia mais

7. Movimentos Oscilatórios

7. Movimentos Oscilatórios 7.1. Uma massa m = 90 g ligada a uma mola é largada com velocidade inicial zero de um ponto a 2 cm da posição de equilíbrio. A constante da mola é k = 81 N /m. Considere o movimento no plano horizontal

Leia mais

Algumas constantes físicas:

Algumas constantes físicas: Algumas constantes físicas: 1. O diagrama ao lado mostra ondas numa superfície de água. Se a frequência com que estas ondas são produzidas for, qual é a sua velocidade? 4 m/s 100 cm/s 100 m/s 0.1 m/s 2.

Leia mais

ZS Rest. Manual Profissional. BackOffice Mapa de Mesas. v2011

ZS Rest. Manual Profissional. BackOffice Mapa de Mesas. v2011 Manual Profissional BackOffice Mapa de Mesas v2011 1. Índice 2. INTRODUÇÃO... 2 3. INICIAR O ZSRest Backoffice... 3 1 4. Confirmar desenho de mesas...... 4 b) Activar mapa de mesas... 4 c) Zonas... 4 5.

Leia mais

Válvula de Governo Modelo: 200-FM-VGRA

Válvula de Governo Modelo: 200-FM-VGRA Válvula de Governo Modelo: 200-FM-VGRA 1 Geral: A Válvula de Alarme, Modelo 200-FM-VGRA atua como uma válvula de retenção, mantendo a água sob pressão abaixo da portinhola e evitando o fluxo de água no

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS Ficha - FQA 2. OUTUBRO. 205 Versão.º Ano Turma A Professor: Anjo Albuquerque e Cármen Oliveira Duração da prova: 90 minutos. Esta ficha é constituído por 9 páginas e termina

Leia mais

CRIAÇÃO DE ANIMAÇÕES. 5.1 Tipos de animação. Frame-by-frame

CRIAÇÃO DE ANIMAÇÕES. 5.1 Tipos de animação. Frame-by-frame 5 CRIAÇÃO DE ANIMAÇÕES Neste capítulo iremos aprender os diferentes tipos de animações que podemos criar no Flash; para facilitar a sua aprendizagem serão acompanhados de exercícios. 5.1 Tipos de animação

Leia mais

DISCIPLINA: ALTURA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

DISCIPLINA: ALTURA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ALTURA 207 DISCIPLINA: ALTURA DOMÍNIO DAS TÉCNICAS I FASE - ENSINO / APRENDIZAGEM FASES / NÍVEIS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS I- Ensino/Aprendizagem Aquisição da noção de saltar para cima, com chamada a um

Leia mais

Apostila Impress 01. Partes da Janela Principal do Impress

Apostila Impress 01. Partes da Janela Principal do Impress 1 Apostila Impress 01 Partes da Janela Principal do Impress A janela principal do Impress tem três partes: - o Painel de Slides; - Área de Trabalho; - e Painel de Tarefas. Adicionalmente, diversas barras

Leia mais

3. SENTADO SEM SUPORTE PARA AS COSTAS MAS COM OS PÉS APOIADOS SOBRE O CHÃO OU SOBRE UM BANCO

3. SENTADO SEM SUPORTE PARA AS COSTAS MAS COM OS PÉS APOIADOS SOBRE O CHÃO OU SOBRE UM BANCO Escala de Equilíbrio de Berg 1.SENTADO PARA EM PÉ INSTRUÇÕES: Por favor, fique de pé. Tente não usar suas mãos como suporte. ( ) 4 capaz de permanecer em pé sem o auxílio das mãos e estabilizar de maneira

Leia mais

OpenOffice.org. tutorial apresentação

OpenOffice.org. tutorial apresentação tutorial apresentação Criar uma nova apresentação Assistente Apresentação Inserir diapositivos Seleccionar diapositivos Formatar uma página Formatar diapositivos Vistas do espaço de trabalho Iniciar apresentação

Leia mais

Gravitação Universal, Trabalho e Energia. COLÉGIO SÃO JOSÉ FÍSICA - 3º ano Livro Revisional Capítulos 5 e 6

Gravitação Universal, Trabalho e Energia. COLÉGIO SÃO JOSÉ FÍSICA - 3º ano Livro Revisional Capítulos 5 e 6 Gravitação Universal, Trabalho e Energia COLÉGIO SÃO JOSÉ FÍSICA - 3º ano Livro Revisional Capítulos 5 e 6 UNIVERSO Andrômeda - M31. Galáxia espiral distante cerca de 2,2 milhões de anos-luz, vizinha da

Leia mais

Física I 2010/2011. Aula 18. Mecânica de Fluidos I

Física I 2010/2011. Aula 18. Mecânica de Fluidos I Física I 2010/2011 Aula 18 Mecânica de Fluidos I Sumário Capítulo 14: Fluidos 14-1 O que é um Fluido? 14-2 Densidade e Pressão 14-3 Fluidos em Repouso 14-4 A Medida da pressão 14-5 O Princípio de Pascal

Leia mais

Capítulo 4 Criando uma animação

Capítulo 4 Criando uma animação Capítulo 4 Criando uma animação Índice 1. Animação Quadro a Quadro (Frame by Frame)...3 1.1 A barra Onion Skin...5 1.1.1 Onion Skin Outlines...5 1.1.2 Edit Multiple Frames...5 2. Animações com Tweening...6

Leia mais

Rega por sulcos. a) Sulcos curtos b) Sulcos longos

Rega por sulcos. a) Sulcos curtos b) Sulcos longos Rega por sulcos a) Sulcos curtos b) Sulcos longos Forma e dimensão dos sulcos Espaçamento Camalhão Profundidad e Infiltração Sulco Depende de: 1. Caudal de alimentação O sulco é um canal que deve conseguir

Leia mais

OSSOS VIVOS, OSSOS FORTES

OSSOS VIVOS, OSSOS FORTES Missão X Treinar como um Astronauta OSSOS VIVOS, OSSOS FORTES Nome do aluno Esta lição ajudar-te-á a identificar as formas de manter os ossos saudáveis e a observar os efeitos da gravidade reduzida nos

Leia mais

Mecânica dos Fluidos I Trabalho Prático «Caudal de quantidade de movimento e equação de Bernoulli»

Mecânica dos Fluidos I Trabalho Prático «Caudal de quantidade de movimento e equação de Bernoulli» Mecânica dos Fluidos I Trabalho Prático «Caudal de quantidade de movimento e equação de Bernoulli» Este trabalho consta de uma série de demonstrações no laboratório com o objectivo de: ilustrar a relação

Leia mais

Lista 10: Energia. Questões. encontrar razões plausíveis para justificar suas respostas sem o uso de equações.

Lista 10: Energia. Questões. encontrar razões plausíveis para justificar suas respostas sem o uso de equações. Lista 10: Energia Importante: 1. Ler os enunciados com atenção. 2. Responder a questão de forma organizada, mostrando o seu raciocínio de forma coerente. 3. Siga a estratégia para resolução de problemas

Leia mais

Associação de Futebol da Guarda

Associação de Futebol da Guarda Cronograma: Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Aulas Teóricas Dezembro/08 Janeiro/09 As Capacidades Motoras 17 / Janeiro 19 / Janeiro 21 / Janeiro Avaliação Teórica Avaliação Prática 04 / Fevereiro

Leia mais

FORÇA e INTERAÇÕES. Forças de contacto Quando uma força envolve o contacto direto entre dois corpos

FORÇA e INTERAÇÕES. Forças de contacto Quando uma força envolve o contacto direto entre dois corpos FORÇA e INTERAÇÕES Forças de contacto Quando uma força envolve o contacto direto entre dois corpos Forças de longo alcance Acuam mesmo quando os corpos não estão em contacto, como por exemplo as forças

Leia mais

SALTO EM COMPRIMENTO

SALTO EM COMPRIMENTO SALTO EM COMPRIMENTO 1. Regras Básicas do Salto em Comprimento Caixa de areia Corredor de Balanço Tábua de Chamada A prova do salto em comprimento disputa-se na pista de atletismo numa zona específica

Leia mais

Guia do C.a.R. para Alunos do Terceiro Ciclo

Guia do C.a.R. para Alunos do Terceiro Ciclo Guia do C.a.R. para Alunos do Terceiro Ciclo Núcleo de estágio 2008-2009 Professores associados: Dr. José Carlos Santos Maria José Carvalho Escola Básica de Santa Marinha Faculdade de Ciências da Universidade

Leia mais

APL 2.1 ENERGIA CINÉTICA AO LONGO DE UM PLANO INCLINADO

APL 2.1 ENERGIA CINÉTICA AO LONGO DE UM PLANO INCLINADO APL 2.1 ENERGIA CINÉTICA AO LONGO DE UM PLANO INCLINADO Questão Problema: Um carro encontra-se parado no cimo de uma rampa. Acidentalmente, é destravado e começa a descer a rampa. Como se relaciona a energia

Leia mais

Reflexões e Sombras em Superfícies Planares Animação e Visualização Tridimensional Prof. João Madeiras Pereira Instituto Superior Técnico 2005/2006

Reflexões e Sombras em Superfícies Planares Animação e Visualização Tridimensional Prof. João Madeiras Pereira Instituto Superior Técnico 2005/2006 Reflexões e Sombras em Superfícies Planares Animação e Visualização Tridimensional Prof. João Madeiras Pereira Instituto Superior Técnico 2005/2006 Reflexões - Motivação Ainda não é possível usar algoritmos

Leia mais

Mecânica dos Fluidos I

Mecânica dos Fluidos I Mecânica dos Fluidos I Aula prática 1 EXERCÍCIO 1 Em Mecânica dos Fluidos é muito frequente que interesse medir a diferença entre duas pressões. Os manómetros de tubos em U, que são um dos modelos mais

Leia mais

Tecnologias IXUS 130 e IXUS 105

Tecnologias IXUS 130 e IXUS 105 Tecnologias IXUS 130 e IXUS 105 Estabilizador de Imagem Óptico O Estabilizador de Imagem Óptico da Canon evita a desfocagem, reduzindo drasticamente os efeitos das trepidações da câmara. Em situações onde

Leia mais

Lista 5: Trabalho e Energia

Lista 5: Trabalho e Energia Lista 5: Trabalho e Energia NOME: Matrícula: Turma: Prof. : Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para se resolver e entregar. ii. Ler os enunciados com atenção. iii. Responder a

Leia mais

Interpolação no flash Nuno Machado

Interpolação no flash Nuno Machado Revista de Ciência Elementar Volume 2 Número 2 Interpolação no flash Nuno Machado É relativamente simples produzir a alteração gradual das propriedades de um objeto no flash. Propriedades como posição,

Leia mais

Superfícies Transparentes Planas e Esféricas

Superfícies Transparentes Planas e Esféricas Superfícies Transparentes Planas e Esféricas Superfícies Refratoras Planas: dioptro plano Vamos aplicar o que você aprendeu na Aula 2 sobre o fenômeno da refração e as leis que o descrevem. Você já deve

Leia mais

Modelamento Biomecânico. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Modelamento Biomecânico. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Modelamento Biomecânico Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior O que é um Modelo Biomecânico? O Modelamento Biomecânico se refere à construção de um objeto (real ou virtual) a partir de conhecimentos

Leia mais

defi departamento de física

defi departamento de física defi departamento de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt Diâmetro de um fio com laser Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Física Rua Dr. António Bernardino de Almeida,

Leia mais

Espaço A Terra, a Lua e forças gravíticas

Espaço A Terra, a Lua e forças gravíticas Espaço A Terra, a Lua e forças gravíticas Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nelson Alves Correia Escola Secundária de Maria Lamas Agrupamento de Escolas Gil Paes Rotação da Terra 4.1 Indicar o período de

Leia mais

FORÇA e INTERAÇÕES. Forças de contacto Quando uma força envolve o contacto direto entre dois corpos

FORÇA e INTERAÇÕES. Forças de contacto Quando uma força envolve o contacto direto entre dois corpos FORÇA e INTERAÇÕES Forças de contacto Quando uma força envolve o contacto direto entre dois corpos Forças de longo alcance Acuam mesmo quando os corpos não estão em contacto, como por exemplo as forças

Leia mais

Merchandising. O Merchandising é o conjunto de estudos e técnicas de aplicação,

Merchandising. O Merchandising é o conjunto de estudos e técnicas de aplicação, P U B L I C A Ç Ã O N º 2 2 3 N O V E M B R O 2 0 1 0 Merchandising PONTOS DE INTERESSE: Conceito e Tipos Objectivos O comportamento do consumidor A disposição das secções A organização do linear A animação

Leia mais

GABARITO SIMULADO DISCURSIVO 2 3ª SÉRIE 2014

GABARITO SIMULADO DISCURSIVO 2 3ª SÉRIE 2014 GABARITO SIMULADO DISCURSIVO 3ª SÉRIE 014 1) Os peixes da família Toxotidae, pertencentes à ordem dos Perciformes, naturais da Ásia e da Austrália, são encontrados em lagoas e no litoral. Eles são vulgarmente

Leia mais

Física I 2010/2011. Aula 19. Mecânica de Fluidos II

Física I 2010/2011. Aula 19. Mecânica de Fluidos II Física I 2010/2011 Aula 19 Mecânica de Fluidos II Fluidos Capítulo 14: Fluidos 14-7 Fluidos Ideais em Movimento 14-8 A Equação da Continuidade 14-9 O Princípio de Bernoulli 2 Tipos de Fluxo ou Caudal de

Leia mais

Lista: Energia e Impulso (Explosões, Choques)

Lista: Energia e Impulso (Explosões, Choques) Lista: Energia e Impulso (Explosões, Choques) 1) (MACK) Uma bola de borracha é abandonada de uma altura H e ao bater no chão realiza choque parcialmente elástico de coeficiente de restituição e (0 < e

Leia mais

Disciplina: Mecânica Geral - Estática

Disciplina: Mecânica Geral - Estática Disciplina: Mecânica Geral - Estática I. Introdução e revisão conceitual Prof. Dr. Eng. Fernando Porto 1. Conceitos gerais Pode ser definida como a ciência que descreve e prevê as condições de repouso

Leia mais

Exercícios de Programação e Computação para Arquitectura. António Menezes Leitão

Exercícios de Programação e Computação para Arquitectura. António Menezes Leitão Exercícios de Programação e Computação para Arquitectura António Menezes Leitão 7 de Novembro de 2008 Figura 1: Treliça composta por elementos triangulares iguais. b a 0 b 0 a 1 1 a 2 c 0 c 1 c 2 Figura

Leia mais

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 22 TRABALHO E POTÊNCIA

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 22 TRABALHO E POTÊNCIA FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 22 TRABALHO E POTÊNCIA k x Como pode cair no enem (ENEM) Um motor só poderá realizar trabalho se receber uma quantidade de energia de outro sistema. No caso, a energia

Leia mais

Se as partículas A e B são os átomos que formam uma molécula diatômica, a energia potencial do sistema pode ser expressa pela seguinte função:

Se as partículas A e B são os átomos que formam uma molécula diatômica, a energia potencial do sistema pode ser expressa pela seguinte função: Curvas de Energia Potencial Consideremos o sistema formado por duas partículas, A e B, cujos movimentos estão limitados à mesma linha reta, o eixo x do referencial. Além disso, vamos considerar que o referencial

Leia mais

Tensão Superficial INTRODUÇÃO

Tensão Superficial INTRODUÇÃO Tensão Superficial INTRODUÇÃO enômenos de superfície têm interesse multidisciplinar e são importantes tanto para a ísica quanto para a Química, a Biologia e as Engenharias. Além disso, há vários efeitos

Leia mais

DIREÇÃO DE MODELOS E PADRÕES DE ILUMINAÇÃO

DIREÇÃO DE MODELOS E PADRÕES DE ILUMINAÇÃO FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA DIREÇÃO DE MODELOS E PADRÕES DE ILUMINAÇÃO KAREN LYNNE DEJEAN Relatório apresentado como parte das exigências para conclusão do Módulo 3 do curso de Fotografia. Joinville, SC

Leia mais

Nível 4 Nível Operacional. Tema 7 Controlo do Veículo

Nível 4 Nível Operacional. Tema 7 Controlo do Veículo FICHA TÉCNICA ADAPTAÇÃO DO CONDUTOR AO VEÍCULO Níveis GDE: Nível 4 Nível Operacional Temas Transversais: Tema 7 Controlo do Veículo Síntese informativa: Posição do condutor ao volante Utilização dos pedais

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o da d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a AnimPixels M a

Leia mais