Os Princípios da Animação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os Princípios da Animação"

Transcrição

1 Os Princípios da Animação 1. Squash and Stretch 2. Anticipation 3. Staging 4. Straight Ahead Action and Pose to Pose 5. Follow Through and Overlapping Action 6. Slow In and Slow Out 7. Arcs 8. Secondary Action 9. Timing 10. Exaggeration 11. Solid Drawing 12. Appeal 1. Squash and Stretch Este principio enfatiza a natureza não rígida dos objectos. Na realidade, quando uma personagem ou um objecto é animado, este apresenta contrações e estensões na sua forma de acordo com a sua a acção e/ou movimento. Na imagem acima, podemos observar como a pressão exercida pelo maxilar é exagerada. A boca, os olhos, as orelhas e o nariz (e a própria expressão) da personagem são deformados pelo mastigar. Apesar de ocorrer alteração da forma é importante considerar que o volume de um objecto animado, com squash and stretch, não é alterado significativamente. No exemplo da esquerda, a bola mantem a sua forma. No entanto, podemos observar que a variação da sua posição de imagem para imagem (a sua velocidade) é menor quando atinge o topo e que aumenta até colidir com o chão. Á direita, a bola é esticada à medida que que ganha velocidade (movimento 1 7

2 acelerado). Quando a sua velocidade tende a estabilizar (igual a zero), esta recupera a sua forma original. Por outro lado, quando colide com chão (interação com outros objectos) esta é achatada sem alterar significativamente do seu volume. 2. Antecipation Uma animação é composta por uma sequência de acções/eventos que conduz, de forma clara, uma actividade para outra. O observador tem que receber informação que o prepare para a próxima acção. Esta é fornecida, através de um movimento concreto que permite antecipar uma situação, mesmo antes de esta realmente acontecer. A personagem acima prepara-se para correr, com o corpo agachado e contraído, ganha balanço e acumula energia, como uma mola, antes de a libertar sob a forma de movimento (cinética). Antes de agarrar o objecto, a personagem fixa o olhar, ergue o braço e roda a mão para o seu bolso (alvo). Estas acções são exageradas de modo a obter uma maior compreensão sobre personagem e clareza da acção, indicando o objecto da motivação, e a preparação e o percurso para alcançar esse fim. O movimento que antecipa uma acção pode ser útil para criar situações cómicas, isto é, induzir o público para uma uma ideia e supreender com uma outra acção. 2 7

3 3. Staging Este príncipio incide sobre como as acções são apresentadas, como uma personalidade é reconhecível, como uma expressão é observada, e como um ambiente específico afecta o observador. O objectivo central é saber qual a importância de cada coisa na construção da narrativa e qual será o melhor modo de a apresentar. Questões como: Será melhor aplicar um movimento de camara? Utilizo um grande plano ou um plano geral? Com qual ponto de vista? Com camara picada ou contrapicada? Muito iluminado ou pouco iluminado? Luz ou contra-luz? Se o nosso objectivo é destacar uma determinada acção, a câmara estar colocada à distância ideal para capturar essa mesma acção. Se estiver demasiado próxima, o público não tem toda a informação e, se estiver demasiado afastada, a acção pode deixar de ter visibilidade, ou seja, o observador pode-se distrair com o cenário e/ou com as outras personagens. Dave Hand afirmava que com grandes planos, nós podemos eliminar, da mente do público, tudo o que não é importante, num determinado momento, para evidênciar o foco da nossa atenção. 4. Straight Ahead Action and Pose to Pose Existem dois métodos de animação, o primeiro é denominado por Straight Ahead (traduzido significa Avanço Directo) e outro por Pose to Pose (traduzido significa De Pose a Pose). Na primeira técnica, o animador parte do primeiro desenho para desenhar o seguinte. Antes de ser desenhada, é definido o contexto inicial e final, assim como, a acção que ocorre na cena, contudo, durante a produção do desenhos, surgem ideias que são introduzidas na animação até esta terminar. Esta abordagem é mais criativa, imprevisível e a acção das animações é mais fluída, expontânea e oscilante. O método Pose to Pose, o animador planeia a acção, o número de desenhos necessários, produz os desenhos com as posições prinipais e entrega-os a um assistente para que este produza o desenhos de transição. Este processo, permite o animador investir mais tempo na criação de desenhos Keyframe e no estudo e controle do movimento, onde cada posição apresente a máxima clareza, apelo e comunicação,. Esta técnica permite articular melhor a acções entre o background, diferentes personagens e objectos Ambos os métodos são usados nos nossos dias porque em determinadas situações são mais vantajosos do que o outro e muitas a sua utilização é alternada ou mesmo combinada. 3 7

4 5. Follow Through and Overlapping Action Quando uma personagem termina uma acção e começa outra, não existe uma pausa total de movimento. Este príncipio salienta que o corpo é composto por partes e cada uma inicia e termina os seu movimento em momentos específicos e com velocidades diferentes. Existem 5 tipos de categorias: - Quando a caracterização de uma personagem incluí penas, orelhas que pendem, caudas, roupas longas (como um casaco), etc, o movimento destes elementos é prelongado mesmo quando o corpo da figura pára totalmente. A velocidade, duração e amplitude do movimento têm de ser definidas de acordo com o peso, a dureza e a elasticidade dos respectivos materiais. - As diversas partes do corpo não se movem em simultaneo, ou seja, enquanto algumas partes atingem a sua posição final, outras continuam em movimento. Por exemplo: Um braço ou uma mão poderá continuar a mover-se num acção mesmo quando o corpo alcançou a sua pose final. - A carne e a gordura de uma personagem demora mais tempo a começar ou a terminar um movimento que a estruturas mais sólidas do corpos (esqueleto). Existe um desfasamento no movimento das diferentes partes que formam o corpo, onde as partes menos rígidas criam um certo arrastamento do movimento da acção (drag). - O modo como uma acção se prolonga no tempo dá-nos muito mais pistas sobre a personagem do que a acção em si. Por exemplo: Para desenhar a acção de uma personagem a dar uma tacada de golf são necessários poucos desenhos, no entanto, após essa acção, o movimento continua, e durante esse periódo, esta pode demonstrar graciosidade ou ser desastrosa. - Para alcançar uma pose estática, são necessários, oito a desasseis desenhos (em tempo é equivalente a 1/ 3 a 2/3 de um segundo) para criar uma pausa (hold) que permita o público assimilar a atitude da personagem, contudo, esta pausa também é resposável por uma quebra na acção. 6. Slow In and Slow Out Com a criação dos dois desenhos finais com as poses da personagem (os extremos ) e definido o tempo necessário para a sua transição, é iniciada a produção desenhos intermédios. Um destes encontra-se a meio caminho da transição e o restantes subdividem a transição e acumulam-se cada vez mais próximos dos dois desenhos iniciais. A concentração de desenhos é maior junto aos extremos, significa que na animação, a variação dos desenhos é inicialmente reduzida, aumentando gradualmente até a meio da sequência, e depois volta a diminuir até ao final da transição, isto significa que a animação começa lenta, acelera e depois desacelera. 4 7

5 7. Arcs A maior parte dos organismos vivos produzem movimentos que definem arcos porque contêm uma estrutura (um esqueleto com ossos) constituída por segmentos que são articulados entre si através de rotações. À medida que as keyframes são desenhadas, também os arcos são esboçados para servirem como guia na produção dos desenhos intermédios. 8. Secondary Action Frequentemente, uma determinada acção pode ser reforçada com acções subcidiárias dentro do prórprio corpo. Quando bem utilizadas, as acções secundárias acrescentam valor a uma cena, naturalidade à acção, e uma dimensão mais sólida à personalidade da figura. Por exemplo: Uma personagem triste limpa as suas lágrimas, enquanto se vira de costas e se afasta. Uma acção secundária entra em conflito a acção principal quando é mais interessante ou dominante, significa que a subacção não é a mais adequada ou que o seu enquadramento (staging) não foi efectuado correctamente. Por exemplo: Se a expressão do olhar é o elemento principal que descreve o estado de tristeza da personagem, quando esta coloca a mão para remover as lágrimas, temos que ter cuidado para não ocultar a acção principal. Para aplicarmos este principio da animação, primeiro devemos definir e animar a acção principal de modo a comunicar a ideia da melhor maneira. Posteriormente, repete-se o processo com a introdução da animação secundária, verificando-se qual a relação entre estas duas. Alterações e ajustes são aplicados até todas as partes desenhadas funcionarem em conjunto de modo natural. 9. Timing A quantidade de desenhos utilizados no movimento determina a duração de uma acção. Quando a aparência das personagens deixa de ser suficiente para descrever o seu estado psicológico, o tempo e a variação de velocidade do seu movimento é fundamental para exprimir apatia, exitação, nervosismo, relaxamento. A acção e a atitude não podem ser correctamente retratadas sem prestarmos a devida atenção ao tempo. 5 7

6 Observação: A duração e a distribuição do tempo entre dois desenhos podem definir acções e ideias muito diferentes. 10. Exaggeration Para exprimirmos o estado emocional de uma personagem é necessário definir e desenvolver a essência do seu estado de espírito. Sublinhamos que exagerar, não significa que temos de distorcer/estilizar o desenho, mas acentuar a expressão e o movimento que define uma emoção, isto é, quando queremos demonstrar que uma personagem está triste, exageramos a sua expressão e postura de modo a acentuar a sua tristeza. 11. Solid Drawing A destreza de desenho, a compreensão das formas, dos volumes e da mecânica do corpo permutem o animador desenhar a personagem, na sua diversas posições e ângulos, mais rápidamente e com menos restrições. Uma personagem é tridimensionalmente credível quando o seu desenho apresenta peso, profundidade e balanço. Um aspecto a evitar é a duplicação (twins) porque não acrescenta nada e introduz ruído na interpretação das personagens. Quando não prestamos a devida atenção ao movimento de uma personagem, existe a tedência de replicar a acção dos braços e/ou das pernas, mesmo quando estão orientadas para direcções diferentes. O objectivo consiste em criar uma forma animável, que tenha volume e seja flexível, 6 7

7 que possua força sem ser rígida, que permita movimentos que materialize as nossas ideias. 12. Appeal O apelo de uma personagem é expressa através qualidade do seu charme, um design agradável, uma elegante simplicidade, uma rica comunicação, e um forte magnetismo. Uma figura apelativa atrai e mantem o nosso olhar, não porque choca o observador, mas porque contém uma força narrativa intrinseca. Desenhos com fraca qualidade ou confusos, design pobre, formas toscas e movimentos desconexos não comunicam apelo. A atenção dos espectadores é determinada pelo apelo da expressão, da personagem, do movimento e/ou da narrativa em si. Um grande actor tem de ter carisma, assim como, uma boa personagem ter de ter apelo. Bibliografia - JOHNSTON, Ollie, (1995). The Illusion of Life: Disney Animation, Disney Editions. 7 7

Os 12 Princípios Fundamentais da Animação (por Disney) Prof. Mario Mancuso

Os 12 Princípios Fundamentais da Animação (por Disney) Prof. Mario Mancuso Os 12 Princípios Fundamentais da Animação (por Disney) Prof. Mario Mancuso Os 12 Princípios Fundamentais da Animação São 12 conceitos estabelecidos pro Walt Disney como essenciais para a criação de uma

Leia mais

2012 / Programa Nestum Rugby nas Escolas. Introdução ao Tag-Rugby e ao Bitoque

2012 / Programa Nestum Rugby nas Escolas. Introdução ao Tag-Rugby e ao Bitoque 2012 / 2013 Programa Nestum Rugby nas Escolas Introdução ao Tag-Rugby e ao Bitoque Introdução O que é o TAG RUGBY? O Tag Rugby é usado como uma alternativa de ensino do rugby de XV nas escolas, ou como

Leia mais

Instituto Politécnico do Cávado e Ave Produção Audiovisual Professor Leonardo Pereira Programa

Instituto Politécnico do Cávado e Ave Produção Audiovisual Professor Leonardo Pereira Programa 01 Programa Programa A Unidade Curricular Produção Audiovisual concentrar-se-à na abordagem aos elementos e linguagem básicos da concepção e produção de grafismo animado para o mundo audiovisual nos seus

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES DEPARTAMENTO DE CINEMA, RÁDIO E TELEVISÃO. ALICE ANDREOLI HIRATA Número USP: 8544057

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES DEPARTAMENTO DE CINEMA, RÁDIO E TELEVISÃO. ALICE ANDREOLI HIRATA Número USP: 8544057 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES DEPARTAMENTO DE CINEMA, RÁDIO E TELEVISÃO ALICE ANDREOLI HIRATA Número USP: 8544057 Os Doze Princípios Básicos da Animação no século XXI Projeto

Leia mais

Animação. Técnicas e princípios

Animação. Técnicas e princípios Animação Técnicas e princípios Animação tradicional (animação por célula ou animação desenhada à mão): é a mais velha e historicamente a mais popular forma de animação. Num desenho animado de forma tradicional,

Leia mais

Aplicações Informáticas B 12º Ano

Aplicações Informáticas B 12º Ano Aplicações Informáticas B 12º Ano Prof. Adelina Maia 2010/2011 AIB_U4C 1 TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO EM COMPUTADOR A animação por computador pode ser definida como a produção do movimento de imagens utilizando

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ 1 ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima. Princípios a considerar Um barreirista é também um velocista Correr rápido

Leia mais

TER AS IDEIAS CLARAS!!!

TER AS IDEIAS CLARAS!!! TER AS IDEIAS CLARAS!!! O jogo de Andebol poderá resumir-se a uma atividade acíclica cujos principais movimentos são abertos e realizados com intervalos de pausas de recuperação incompleta (3 a7 ), a uma

Leia mais

LITERACIA DA INFORMAÇÃO: GUIÃO

LITERACIA DA INFORMAÇÃO: GUIÃO LITERACIA DA INFORMAÇÃO: GUIÃO APRESENTAÇÃO ORAL. O que é uma apresentação oral? Uma apresentação oral é uma exposição, feita oralmente, sobre um tema, para um público mais ou menos restrito.. Como deve

Leia mais

Cinemática de Mecanismos

Cinemática de Mecanismos Cinemática de Mecanismos C. Glossário de Termos Paulo Flores J.C. Pimenta Claro Universidade do Minho Escola de Engenharia Guimarães 2007 In language, clarity is everything. Confucius C. GLOSSÁRIO DE

Leia mais

Interpolação no flash Nuno Machado

Interpolação no flash Nuno Machado Revista de Ciência Elementar Volume 2 Número 2 Interpolação no flash Nuno Machado É relativamente simples produzir a alteração gradual das propriedades de um objeto no flash. Propriedades como posição,

Leia mais

Gravitação Universal, Trabalho e Energia. COLÉGIO SÃO JOSÉ FÍSICA - 3º ano Livro Revisional Capítulos 5 e 6

Gravitação Universal, Trabalho e Energia. COLÉGIO SÃO JOSÉ FÍSICA - 3º ano Livro Revisional Capítulos 5 e 6 Gravitação Universal, Trabalho e Energia COLÉGIO SÃO JOSÉ FÍSICA - 3º ano Livro Revisional Capítulos 5 e 6 UNIVERSO Andrômeda - M31. Galáxia espiral distante cerca de 2,2 milhões de anos-luz, vizinha da

Leia mais

Problemas de Mecânica e Ondas 1

Problemas de Mecânica e Ondas 1 Problemas de Mecânica e Ondas 1 P 1.1 ( Introdução à Física J. Dias de Deus et al., Mc Graw Hill, 2000) Considere uma rã a a saltar. a) Qual será o ângulo de lançamento preferido da rã? Porquê? b) Se,

Leia mais

1. Introdução O que é um relatório Organização de um relatório Identificação As 4 questões...

1. Introdução O que é um relatório Organização de um relatório Identificação As 4 questões... Cabeçalho da secção 1 Índice 1. Introdução...1 1.1. O que é um relatório...1 2. Organização de um relatório...2 2.1. Identificação...2 2.2. As 4 questões...2 2.3. Informação adicional...2 2.4. Estrutura...2

Leia mais

psicologia da percepção visual

psicologia da percepção visual psicologia da percepção visual 1º Ano, Design de Comunicação 1º Ano, Imagem Animada Formas e conteúdos perceptivos Percepção da forma Percepção da profundidade Indícios de profundidade Fisológicos Psicológicos

Leia mais

Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!.

Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!. Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!. 1ª Etapa (Movimentos de olhos e cabeça, primeiro lentos, depois rápidos). Participante em pé sobre um colchonete, olhar para cima e para baixo.

Leia mais

INTRODUÇÃO. Noções preliminares. Um pouco de matemática. 100 Pb

INTRODUÇÃO. Noções preliminares. Um pouco de matemática. 100 Pb INTRODUÇÃO Este artigo pretende criar no leitor uma percepção física do funcionamento de um controle PID, sem grandes análises e rigorismos matemáticos, visando introduzir a técnica aos iniciantes e aprimorar

Leia mais

CONTEÚDOS TÉCNICOS E TÁCTICOS DOS ESCALÕES DE FORMAÇÃO

CONTEÚDOS TÉCNICOS E TÁCTICOS DOS ESCALÕES DE FORMAÇÃO CONTEÚDOS TÉCNICOS E TÁCTICOS DOS ESCALÕES DE FORMAÇÃO Técnico/táctica individual ofensiva com e sem bola (procedimentos gerais) a) Os aspectos da técnica e táctica ofensiva prevalecem sobre os defensivos

Leia mais

5ª Lista de Exercícios Fundamentos de Mecânica Clássica Profº. Rodrigo Dias

5ª Lista de Exercícios Fundamentos de Mecânica Clássica Profº. Rodrigo Dias 5ª Lista de Exercícios Fundamentos de Mecânica Clássica Profº. Rodrigo Dias Obs: Esta lista de exercícios é apenas um direcionamento, é necessário estudar a teoria referente ao assunto e fazer os exercícios

Leia mais

1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de con

1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de con SESSÃO DE TREINO 1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de concentração nela envolvidos. Pode ser

Leia mais

Exame Mecânica e Ondas Curso: MIEET data: 02/05/12. Nome:... Número:... Grupo I (10 valores)

Exame Mecânica e Ondas Curso: MIEET data: 02/05/12. Nome:... Número:... Grupo I (10 valores) Exame Mecânica e Ondas Curso: MIEET data: 02/05/12 Nome:... Número:... Pode utilizar uma calculadora e uma folha A4 (duas páginas) com fórmulas. Utilize g = 9,80 m/s 2. Grupo I (10 valores) Assinalar a

Leia mais

MANUTENÇÃO BÁSICA VALE A PENA! SOLUÇÕES PARA PROBLEMAS DE CORTE ÍNDICE DE CONTEÚDOS G U I A PA R A S E R R A S D E F I TA

MANUTENÇÃO BÁSICA VALE A PENA! SOLUÇÕES PARA PROBLEMAS DE CORTE ÍNDICE DE CONTEÚDOS G U I A PA R A S E R R A S D E F I TA MANUTENÇÃO BÁSICA VALE A PENA! São necessárias manutenções periódicas nas máquinas de serras de fita para manter um corte apropriado e eficiente, para as superligas atuais, isto é mais importante do que

Leia mais

DISCIPLINA: ESTAFETAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

DISCIPLINA: ESTAFETAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ESTAFETAS 192 DOMÍNIO DAS TÉCNICAS III FASE - APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO B FASES / NÍVEIS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS I- Ensino / Aprendizagem - Aquisição da noção de transmissão, através de jogos. - Aquisição

Leia mais

Introdução ao Projeto de Máquinas Elementos de Máquinas 1. Prof. Alan Dantas

Introdução ao Projeto de Máquinas Elementos de Máquinas 1. Prof. Alan Dantas Introdução ao Projeto de Máquinas Elementos de Máquinas 1 Prof. Alan Dantas Ein Mann der konstruieren will, der schaue erst mal und denke Gustav Niemann Aspectos de projeto Analisar Resultados; Fatores

Leia mais

Colégio Drummond/Anglo Cultura Artística e Literária 8º ano HARMONIA DE CORES OU ESQUEMA DE CORES

Colégio Drummond/Anglo Cultura Artística e Literária 8º ano HARMONIA DE CORES OU ESQUEMA DE CORES HARMONIA DE CORES OU ESQUEMA DE CORES As cores harmoniosas são aquelas que funcionam bem em conjunto ou justapostas, e que produzem um esquema de cores atrativo. O círculo cromático ou roda das cores pode

Leia mais

Prever qual é a altura máxima atingida após o ressalto de uma bola que é deixada cair de uma determinada altura.

Prever qual é a altura máxima atingida após o ressalto de uma bola que é deixada cair de uma determinada altura. ACTIVIDADE LABORATORIAL FÍSICA 0.º ANO ALF 2.2 BOLA SALTITONA O que se pretende Prever qual é a altura máxima atingida após o ressalto de uma bola que é deixada cair de uma determinada altura. Para tal

Leia mais

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 22 TRABALHO E POTÊNCIA

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 22 TRABALHO E POTÊNCIA FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 22 TRABALHO E POTÊNCIA k x Como pode cair no enem (ENEM) Um motor só poderá realizar trabalho se receber uma quantidade de energia de outro sistema. No caso, a energia

Leia mais

2 Energia em movimentos

2 Energia em movimentos 2 Energia em movimentos Lei da conservação de energia Se se considerar todas as contribuições energéticas, macroscópicas e microscópicas, total p macroscópica c macroscópica Sistema isolado 2 Sistemas

Leia mais

Biblioteca Escolar António Bento Franco MANUAL DE UTILIZADOR WINDOWS LIVE MOVIE MAKER

Biblioteca Escolar António Bento Franco MANUAL DE UTILIZADOR WINDOWS LIVE MOVIE MAKER MANUAL DE UTILIZADOR WINDOWS LIVE MOVIE MAKER Criar o vídeo - início Para iniciar a criação de um filme, devemos em primeiro lugar criar uma pasta, onde colocaremos todos os objetos que pretendemos inserir

Leia mais

Transferência/Transformação de energia

Transferência/Transformação de energia Transferência/Transformação de energia As tranferências e as transformações de energia podem esquematizar-se recorrendo, por exemplo, a diagramas de Sankey. Transferência de energia Transformação de energia

Leia mais

20/01/2014 ONDAS 1. INTRODUÇÃO

20/01/2014 ONDAS 1. INTRODUÇÃO ONDAS 1. INTRODUÇÃO Quando uma pessoa liga um aparelho de rádio ou de televisão, imediatamente recebe a mensagem emitida pela estação de rádio ou TV (música, voz do locutor, imagens). Esses aparelhos foram

Leia mais

Engenharia Multimédia Correcção do exame de SMII e TAGI

Engenharia Multimédia Correcção do exame de SMII e TAGI Data :24-7-28 Este tem 9 perguntas e está cotado para 2 valores. Cada pergunta tem a seu valor expresso entre parêntesis a seguir ao seu número. Responda às perguntas de uma forma sintética. (3 Valores)

Leia mais

Modelamento Biomecânico. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Modelamento Biomecânico. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Modelamento Biomecânico Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior O que é um Modelo Biomecânico? O Modelamento Biomecânico se refere à construção de um objeto (real ou virtual) a partir de conhecimentos

Leia mais

IDENTIDADE VISUAL manual

IDENTIDADE VISUAL manual IDENTIDADE VISUAL manual Em conformidade com a Lei 3.527/11 que obriga o Poder Executivo de Parnaíba a utilizar como símbolo da administração municipal apenas a bandeira, o brasão e o selo municipal. objetivo

Leia mais

Questões Conceituais

Questões Conceituais Questões em Sala de Aula Módulo 3 Parte B Questões Conceituais QC.1) Num oscilador harmônico simples, massa-mola, a velocidade do bloco oscilante depende (a) da constante elástica k da mola e da amplitude;

Leia mais

Lifting da Face - Terço Médio

Lifting da Face - Terço Médio Lifting da Face - Terço Médio A identidade humana é determinada primeiramente pelo rosto sua estrutura, aparência e expressões. As alterações determinadas pela idade que afetam a aparência do rosto podem

Leia mais

Nível 4 Nível Operacional. Tema 7 Controlo do Veículo

Nível 4 Nível Operacional. Tema 7 Controlo do Veículo FICHA TÉCNICA ADAPTAÇÃO DO CONDUTOR AO VEÍCULO Níveis GDE: Nível 4 Nível Operacional Temas Transversais: Tema 7 Controlo do Veículo Síntese informativa: Posição do condutor ao volante Utilização dos pedais

Leia mais

Cores na Inteface Gráfica

Cores na Inteface Gráfica Cores na Inteface Gráfica Ana Paula Costa Fabiano Gonçalves Maria Cristina Díez Renato Pantel Introdução O uso correto da cor, facilita a formação do modelo mental. O uso adequado da cor pode facilitar

Leia mais

Abordagem Ergonómica. dos Sistemas

Abordagem Ergonómica. dos Sistemas Abordagem Ergonómica dos Sistemas Conceito de ergonomia A ergonomia é o estudo científico da relação entre o homem e seus meios, métodos e espaços de trabalho. O seu objectivo é elaborar, mediante a contribuição

Leia mais

Encontrar Falsas Soluções

Encontrar Falsas Soluções Encontrar Falsas Soluções ID: 8109 Tempo necessário 45 minutos Descrição Geral da Actividade Os estudantes resolverão passo a passo e graficamente diferentes tipos de equações. Poderão observar que algumas

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora Curso Profissional de Técnico de Multimédia Informação Prova da Disciplina de Física - Módulo: 1 Forças e Movimentos; Estática Modalidade da Prova: Escrita Ano

Leia mais

BE066 Fisiologia do Exercício. Prof. Sergio Gregorio da Silva. É a habilidade de uma articulação se mover através de sua amplitude articular

BE066 Fisiologia do Exercício. Prof. Sergio Gregorio da Silva. É a habilidade de uma articulação se mover através de sua amplitude articular BE066 Fisiologia do Exercício Flexibilidade Prof. Sergio Gregorio da Silva Flexibilidade É a habilidade de uma articulação se mover através de sua amplitude articular É altamente adaptável e é! aumentada

Leia mais

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERMOGRAFIA ATIVA NA INSPEÇÃO NÃO-DESTRUTIVA DE TAMBORES DE REJEITO NUCLEAR

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERMOGRAFIA ATIVA NA INSPEÇÃO NÃO-DESTRUTIVA DE TAMBORES DE REJEITO NUCLEAR APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERMOGRAFIA ATIVA NA INSPEÇÃO NÃO-DESTRUTIVA DE TAMBORES DE REJEITO NUCLEAR Aluno: Igor Szczerb Orientador: Marcos Venicius Soares Pereira Introdução A termografia ativa é um método

Leia mais

OFICINA DE FORMAÇÃO GEOGEBRA UMA VISITA AOS PROGRAMAS DE MATEMÁTICA DOS 2º E 3º CICLOS. Professora: Elsa Maria Sousa Dias

OFICINA DE FORMAÇÃO GEOGEBRA UMA VISITA AOS PROGRAMAS DE MATEMÁTICA DOS 2º E 3º CICLOS. Professora: Elsa Maria Sousa Dias OFICINA DE FORMAÇÃO GEOGEBRA UMA VISITA AOS PROGRAMAS DE MATEMÁTICA DOS 2º E 3º CICLOS Professora: Elsa Maria Sousa Dias Actividade: Estudo do gráfico da Função Afim Formador: Luís Roçadas Enquadramento

Leia mais

PROJECTO CRIAR EMPRESA

PROJECTO CRIAR EMPRESA PROJECTO CRIAR EMPRESA Plano de Negócios Pedro Vaz Paulo 1. PROJECTO CRIAR EMPRESA 1. Projecto Definição 1. Âmbito do negócio 2. Inovação 3. Concorrência 4. Análise SWOT 5. Plano de Negócios 2. PLANO DE

Leia mais

PODEM. Fernando Lang da Silveira Instituto de Física UFRGS Rolando Axt Depto. de Física, Estatística e Matemática UNIJUÍ

PODEM. Fernando Lang da Silveira Instituto de Física UFRGS Rolando Axt Depto. de Física, Estatística e Matemática UNIJUÍ PODEM MOLAS EM QUEDA LIVRE TER ACELERAÇÃO MAIOR DO QUE A DA GRAVIDADE? PUBLICADO NA REVISTA FÍSICA NA ESCOLA, SÃO PAULO, V. 6, N. 2, P. 5 7, 2005. Fernando Lang da Silveira Instituto de Física UFRGS lang@if.ufrgs.br

Leia mais

Unidade 1 SOM E LUZ. Ciências Físico-químicas - 8º ano de escolaridade. Reflexão da Luz e Espelhos. Objetivos. Unidade 1 Som e Luz

Unidade 1 SOM E LUZ. Ciências Físico-químicas - 8º ano de escolaridade. Reflexão da Luz e Espelhos. Objetivos. Unidade 1 Som e Luz Ciências Físico-químicas - 8º ano de escolaridade Unidade 1 SOM E LUZ Reflexão da Luz e Espelhos Objetivos Interpretar e reconhecer a importância da reflexão e difusão da luz. Distinguir e reconhecer a

Leia mais

Mecânica dos Fluidos I

Mecânica dos Fluidos I Mecânica dos Fluidos I Aula prática 1 EXERCÍCIO 1 Em Mecânica dos Fluidos é muito frequente que interesse medir a diferença entre duas pressões. Os manómetros de tubos em U, que são um dos modelos mais

Leia mais

Física I 2010/2011. Aula 01. Forças e Movimentos I

Física I 2010/2011. Aula 01. Forças e Movimentos I Física I 2010/2011 Aula 01 Forças e Movimentos I Sumário Força e movimento Mecânica Newtoniana A 1.ª Lei de Newton Força Referenciais inerciais Massa A 2.ª Lei de Newton Alguns tipos de forças A força

Leia mais

Desenho Técnico. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Desenho Técnico. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 O QUE VIMOS AULA PASSADA?? Traçados das projeções - VF Traçados das projeções - VS Traçados das projeções - VS Traçados das projeções - VS Traçados das projeções VLE

Leia mais

Como fazer uma apresentação em público

Como fazer uma apresentação em público Como fazer uma apresentação em público Princípios e técnicas 1. Conheça os destinatários Identifique-os caracterize-os para definir as suas expectativas relativamente à apresentação 2.Defina o objectivo

Leia mais

2012 / Arbitrar o Tag-Rugby. Programa Nestum Rugby nas Escolas

2012 / Arbitrar o Tag-Rugby. Programa Nestum Rugby nas Escolas 2012 / 2013 Arbitrar o Tag-Rugby Programa Nestum Rugby nas Escolas AS LEIS DE JOGO DO TAG RUGBY Tamanho da Bola Escalão Infantis (A e B) a bola a utilizar deverá ser a nº3 Escalão Iniciados e Juvenis a

Leia mais

Aplicação da Equação do Método de NIOSH 91

Aplicação da Equação do Método de NIOSH 91 Estudo Ergonómico de postos de Manipulação Manual de Cargas em Linhas de Embalagem Aplicação da Equação do Método de NIOSH 91 Sumário Equação Niosh Restrições e limites Posição Standard e Multiplicadores

Leia mais

Aula 3 VETORES. Introdução

Aula 3 VETORES. Introdução Aula 3 VETORES Introdução Na Física usamos dois grupos de grandezas: as grandezas escalares e as grandezas vetoriais. São escalares as grandezas que ficam caracterizadas com os seus valores numéricos e

Leia mais

MARKETING DIGITAL. O briefing para campanhas de marketing digital

MARKETING DIGITAL. O briefing para campanhas de marketing digital MARKETING DIGITAL O briefing para campanhas de marketing digital Um pequeno passo para o homem, um gigantesco salto para a Humanidade Neil Armstrong, Mar da Tranquilidade, 20 de julho de 1969. O BRIEF

Leia mais

PRIORIDADES NO TREINO DE JOVENS SALTADORES. Leiria, 12 de Novembro de 2011

PRIORIDADES NO TREINO DE JOVENS SALTADORES. Leiria, 12 de Novembro de 2011 PRIORIDADES NO TREINO DE JOVENS SALTADORES Leiria, 12 de Novembro de 2011 Índice Objectivos do Treino -Gerais - Específicos - Prioritários Meios de Treino - Exemplos Objectivos do Treino GERAIS Gosto pelo

Leia mais

Unidade de Aprendizagem 1. Física I C. O que é a Física? Professor: Mário Forjaz Secca. Departamento t de Física

Unidade de Aprendizagem 1. Física I C. O que é a Física? Professor: Mário Forjaz Secca. Departamento t de Física Unidade de Aprendizagem 1 O que é a Física? Física I C Departamento t de Física Professor: Mário Forjaz Secca O Que é a Física? disciplina científica que estuda a energia e a matéria e as suas interacções

Leia mais

Génese das Rochas. Minerais. Rochas Sedimentares. Rochas Magmáticas. Rochas Metamórficas

Génese das Rochas. Minerais. Rochas Sedimentares. Rochas Magmáticas. Rochas Metamórficas Génese das Rochas Minerais Rochas Sedimentares Rochas Magmáticas Rochas Metamórficas As rochas são constituídas por... São substâncias inorgânicas, naturais, cristalinas e com uma composição química bem

Leia mais

Linhas de Exploração do Quadro de Competências da Disciplina de Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) 1º Ciclo do Ensino Básico

Linhas de Exploração do Quadro de Competências da Disciplina de Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) 1º Ciclo do Ensino Básico Escola Básica e Secundária de Velas Linhas de Exploração do Quadro de Competências da Disciplina de Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) 1º Ciclo do Ensino Básico 1 Conceitos Básicos No final

Leia mais

MECÂNICA AS LEIS DO MOVIMENTO. o estudo do movimento. Vamos estudar os movimentos se preocupando com suas causas.

MECÂNICA AS LEIS DO MOVIMENTO. o estudo do movimento. Vamos estudar os movimentos se preocupando com suas causas. MECÂNICA o estudo do movimento Vamos estudar os movimentos se preocupando com suas causas. AS LEIS DO MOVIMENTO AS LEIS DO MOVIMENTO DINÂMICA FORÇA E MOVIMENTO cinemática Grandezas da Cinemática: interação

Leia mais

Sessão nº 2 Visão geral do PowerPoint. 2.1 Como executar o PowerPoint. Netprof. Para executar o PowerPoint, existem diversas hipóteses:

Sessão nº 2 Visão geral do PowerPoint. 2.1 Como executar o PowerPoint. Netprof. Para executar o PowerPoint, existem diversas hipóteses: Sessão nº 2 Visão geral do PowerPoint 2.1 Como executar o PowerPoint Para executar o PowerPoint, existem diversas hipóteses: 1. Usar um atalho existente no ambiente de trabalho. Caso não exista, pode executar

Leia mais

a) Defina em Prolog iguais/1, um predicado que recebe um estado do jogo e que verifica que todas as pilhas têm o mesmo número de peças.

a) Defina em Prolog iguais/1, um predicado que recebe um estado do jogo e que verifica que todas as pilhas têm o mesmo número de peças. Introdução à Inteligência Artificial 2ª Época 29 Janeiro 2015 Nº Aluno: Nome Completo: Exame com consulta. Responda às perguntas nesta própria folha, nos espaços indicados. (I) O jogo do Nim (também chamado

Leia mais

Agrupamento de Escolas O Rouxinol Escola Básica 2, 3 de Corroios Matemática 8ºAno: Translações. Translações

Agrupamento de Escolas O Rouxinol Escola Básica 2, 3 de Corroios Matemática 8ºAno: Translações. Translações Translações 1 Se reparares com atenção, podes observar que certos elementos se repetem periodicamente, numa determinada direcção e sentido. 2 Nos azulejos, por exemplo, podes observar essa repetição. 3

Leia mais

Fundamentos de Gestão

Fundamentos de Gestão Fundamentos de Gestão Escolha estratégica LCI FEUP/FLUP 2009/10 Rui Padrão Vantagens competitivas Escolha da estratégia Identificação de mercado(s) alvo 1 Identificação de mercado(s) alvo: Quem? Que clientes

Leia mais

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS ESTRUTURA PROGRAMÁTICA DO CURSO MÓDULOS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Acolhimento dos formandos e Apresentação do Curso A entidade formadora;

Leia mais

Tarefa Orientada 14 Criação, alteração e utilização de índices

Tarefa Orientada 14 Criação, alteração e utilização de índices Tarefa Orientada 14 Criação, alteração e utilização de índices Conteúdos Criar um índice Alterar um índice 1. Criar índices gerais: Para a realização desta tarefa, utilize o ficheiro com o nome criação_de_índices.doc.

Leia mais

ESTATÍSTICA. Objectivo: recolha, compilação, análise e interpretação de dados. ESTATÍSTICA DESCRITIVA INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

ESTATÍSTICA. Objectivo: recolha, compilação, análise e interpretação de dados. ESTATÍSTICA DESCRITIVA INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 1 ESTATÍSTICA Objectivo: recolha, compilação, análise e interpretação de dados. ESTATÍSTICA DESCRITIVA INFERÊNCIA ESTATÍSTICA Estatística descritiva : o objectivo é sintetizar e representar de uma forma

Leia mais

Transmissão por correia e polia

Transmissão por correia e polia IFSP - instituto federal Nome: Yan Conrado Curso: automação industrial Período: noite Prontuário: 1310747 Transmissão por correia e polia São elementos de máquina que se movem com um movimento de rotação

Leia mais

ANEXO 9 REGISTO DOS DADOS

ANEXO 9 REGISTO DOS DADOS ANEXO 9 REGISTO DOS DADOS Tabela A1 Frequências/percentagens obtidas na análise do nível de abertura das AL s, por parâmetro, por manual e na globalidade dos manuais existentes de 23/24 a 26/27 PARÂMETRO

Leia mais

ALGORITMO DE DIJKSTRA

ALGORITMO DE DIJKSTRA LGORITMO IJKSTR por runo Miguel Pacheco Saraiva de arvalho epartamento de ngenharia Informática Universidade de oimbra oimbra, Portugal brunomig@student.dei.uc.pt Resumo escreve-se o funcionamento do algoritmo

Leia mais

Subtema III Planeta Terra. Forças Marés Massa e Peso. Ciências Físico-químicas - 7º ano de escolaridade. Subtema III PLANETA TERRA

Subtema III Planeta Terra. Forças Marés Massa e Peso. Ciências Físico-químicas - 7º ano de escolaridade. Subtema III PLANETA TERRA Ciências Físico-químicas - 7º ano de escolaridade Subtema III Planeta Terra COMPETÊNCIAS Identifica o significado físico de força e algumas classificações das forças; Caraterizar e representar forças por

Leia mais

O que é o VolleySLIDE? História e regras. Escolher o local Espaços e equipamentos. Começar a deslizar Posição inicial e movimentos

O que é o VolleySLIDE? História e regras. Escolher o local Espaços e equipamentos. Começar a deslizar Posição inicial e movimentos O Voleibol sentado é um dos desportos Paralímpicos mais entusiasmantes que está a atrair a atenção por ser competitivo e espetacular e pelo seu potencial para promover mudança social positiva. As próximas

Leia mais

Escola Secundária de Casquilhos FQA11 - APSA1 - Unidade 1- Correção

Escola Secundária de Casquilhos FQA11 - APSA1 - Unidade 1- Correção Escola Secundária de Casquilhos FQA11 - APSA1 - Unidade 1- Correção / GRUPO I (Exame 2013-2ª Fase) 1. (B) 2. 3. 3.1. Para que a intensidade média da radiação solar seja 1,3 x 10 3 Wm -2 é necessário que

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES No âmbito dos presentes Termos e Condições, as seguintes palavras assumem o significado apresentado:

TERMOS E CONDIÇÕES No âmbito dos presentes Termos e Condições, as seguintes palavras assumem o significado apresentado: TERMOS E CONDIÇÕES A Nanny Agency Portugal desenvolve a sua actividade com base nas condições definidas pelo presente documento. Por forma a proteger os seus interesses, leia atentamente este documento.

Leia mais

Apostila 2. Capítulo 11. Esses humanos e suas máquinas maravilhosas. Página 233

Apostila 2. Capítulo 11. Esses humanos e suas máquinas maravilhosas. Página 233 Apostila 2 Capítulo 11 Página 233 Esses humanos e suas máquinas maravilhosas Gnomo Máquinas O que seria do mundo moderno sem as máquinas? Por mais complexas que sejam as máquinas modernas todas utilizam

Leia mais

Meg Silva Gestora de Processos Contato: / Blog: Uberlândia - MG

Meg Silva Gestora de Processos Contato: / Blog:  Uberlândia - MG FLUXOGRAMA CONCEITO Fluxograma é um tipo de diagrama, e pode ser entendido como uma representação esquemática de um processo, muitas vezes feito através de gráficos que ilustram de forma descomplicada

Leia mais

A.L.1.2 ATRITO ESTÁTICO E CINÉTICO

A.L.1.2 ATRITO ESTÁTICO E CINÉTICO A.L.1.2 ATRITO ESTÁTICO E CINÉTICO FÍSICA 12.ºANO BREVE INTRODUÇÃO Por que será mais fácil empurrar um caixote depois de ele entrar em movimento do que quando está parado? Esta é uma questão que poderá

Leia mais

Cursos. Nível III. Vídeo. Constrói o teu Futuro Já! Profissionais. Perfil de Desempenho. Saídas Profissionais. Todos os Cursos Proporcionam

Cursos. Nível III. Vídeo. Constrói o teu Futuro Já! Profissionais. Perfil de Desempenho. Saídas Profissionais. Todos os Cursos Proporcionam Vídeo Perfil de Desempenho Produzir e realizar, na vertente técnica, produtos de diferentes géneros, representativos da realidade audiovisual actual Operar equipamentos e programas informáticos necessários

Leia mais

O que é? Como funciona?

O que é? Como funciona? A ideia deste trabalho é explicar como funciona a técnica de traçado de raios (raytracing), falando sobre os tipos de estratégias que podem ser tomadas, bem como iluminação, sombra e visibilidade. Será

Leia mais

Física I 2011/2012. Aula 11 Centro de Massa e Momento Linear I

Física I 2011/2012. Aula 11 Centro de Massa e Momento Linear I Física I 2011/2012 Aula 11 Centro de Massa e Momento Linear I Sumário O centro de massa A 2.ª Lei de Newton para sistemas de partículas O momento linear O momento linear de um sistema de partículas A conservação

Leia mais

SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO ANEXO III

SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO ANEXO III ANEXO III RECOMENDAÇÕES ERGONÔMICAS O mobiliário deve estar de acordo com as informações contidas nas determinações da Norma Regulamentadora 17, que estabelece: 17.4.2. Nas atividades que envolvam leitura

Leia mais

Planos e Ângulos Prof. Dr. Isaac A. Camargo

Planos e Ângulos Prof. Dr. Isaac A. Camargo Planos e Ângulos Prof. Dr. Isaac A. Camargo a- Conceito de Planos e características técnicas b- Angulação: Enquadramento e efeitos de sentido Conceito de Planos e características técnicas A idéia de Planificação

Leia mais

Lista 5: Trabalho e Energia

Lista 5: Trabalho e Energia Lista 5: Trabalho e Energia NOME: Matrícula: Turma: Prof. : Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para se resolver e entregar. ii. Ler os enunciados com atenção. iii. Responder a

Leia mais

Exposição Teórica de alguns conceitos da Pré-Impressão

Exposição Teórica de alguns conceitos da Pré-Impressão Exposição Teórica de alguns conceitos da Pré-Impressão Turma CEF de Pré- Impressão Objectivos Expor os conceitos de forma a que os alunos os vão interiorizando naturalmente, de uma forma bastante prática,

Leia mais

Dicas para um bom registro fotográfico

Dicas para um bom registro fotográfico Dicas para um bom registro fotográfico Manual de foto Enquadramento Tente fugir do clichê de colocar o assunto sempre no meio da foto. Deslocar o objeto principal de imagem pode fazer toda a diferença

Leia mais

Busca e Recuperação. Março José Carlos Bragança Adjunto Comando CB Paço de Arcos PADI Assistent Instructor # EFR Instructor

Busca e Recuperação. Março José Carlos Bragança Adjunto Comando CB Paço de Arcos PADI Assistent Instructor # EFR Instructor Março 2006 José Carlos Bragança Adjunto Comando CB Paço de Arcos PADI Assistent Instructor #963408 EFR Instructor No cumprimento das suas competências, os mergulhadores dos Corpos de Bombeiros poderão

Leia mais

Serão 8 rodadas de 1 minuto cada e as formações são pontuadas dentro de uma janela de tempo de trabalho de 35 segundos.

Serão 8 rodadas de 1 minuto cada e as formações são pontuadas dentro de uma janela de tempo de trabalho de 35 segundos. FQL 4-Way cat. Inter Pró 1 Regras da competição Organização ifly A competição será realizada sob a responsabilidade da DC10 Eventos em parceria com a ifly, usando como base, o Regulamento Específico Brasileiro

Leia mais

I - Projeto Gráfico Revista

I - Projeto Gráfico Revista I - Projeto Gráfico Revista Capa Primeiras Páginas Capa Como a capa de uma revista deve ser elaborada para despertar a atenção e o interesse do leitor? Capa Embalagem do produto; Destaca a manchete principal;

Leia mais

ANIMAÇÃO DE LEITURA THEKA

ANIMAÇÃO DE LEITURA THEKA THEKA O que é? Para que serve? Que objectivos queremos alcançar? Que iniciativas utilizar? Que actividades desenvolver? Que estratégias aplicar? Como avaliar? COMO ENTENDÊ-LA ENTUSIASMAR? ANIMAR? DINAMIZAR?

Leia mais

Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber.

Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. Mecânica é uma ciência física aplicada que trata dos estudos das forças e dos movimentos. A Mecânica descreve e prediz as condições de repouso ou movimento de

Leia mais

Sistema de monitorização da pressão dos pneus (TPMS)

Sistema de monitorização da pressão dos pneus (TPMS) Instrução n.º Versão Peça N.º 31330604 1.7 31414189, 31201481 Sistema de monitorização da pressão dos pneus (TPMS) Página 1 / 9 Ferramentas especiais T9513035 Ferramenta TPMS Número de ferramenta: T9513035

Leia mais

Trabalho, Energia e sua Conservação. Condigital: Mídias Digitais para a Educação

Trabalho, Energia e sua Conservação. Condigital: Mídias Digitais para a Educação Trabalho, Energia e sua Conservação Condigital: Mídias Digitais para a Educação CONTEXTO Quando tens trabalho o que dizes? Que o suor que da tua fronte escorreu, E que valeu a alegria do pão compatilhado.

Leia mais

Energia Cinética (Ec)

Energia Cinética (Ec) ENERGIA Mas que é Energia??? Energia não é uma grandeza tão fácil de se categorizar quanto as demais com que trabalhamos devido à sua extensa gama de formas. Além disso, ela não é uma grandeza palpável

Leia mais

Gestão dos Projectos Bartolomeu Soto

Gestão dos Projectos Bartolomeu Soto Banco Mundial Governo de Moçambique Gestão dos Projectos Bartolomeu Soto Revisão do Desempenho da Carteira de Projectos (CPPR) 18 de Setembro de 2009 Assuntos Críticos a Considerar Desafios e Recomendações

Leia mais

Atividade Prática Supervisionada - APS. Curso de Engenharia

Atividade Prática Supervisionada - APS. Curso de Engenharia Atividade Prática Supervisionada - APS Curso de Engenharia - 2014 Objetivo: Projetar e construir um carro que seja tracionado com mecanismo de propulsão a vapor e, que permita o transporte de massa padrão

Leia mais

Actividade Laboratorial Física Bloco 2 (11º / 12º ano) Escola Secundària Aurélia de Sousa

Actividade Laboratorial Física Bloco 2 (11º / 12º ano) Escola Secundària Aurélia de Sousa AL 1.2 Salto para a piscina O que se pretende Escola Secundària Aurélia de Sousa 1. Projectar um escorrega para um aquaparque, de modo que os utentes possam cair em segurança numa determinada zona da piscina.

Leia mais

Dulce Campos 4/28/2013

Dulce Campos 4/28/2013 1 2 Energia em movimentos 2.2 A energia de sistemas em movimento de translação 3 2.2 A energia de sistemas em movimento de translação 2.2.1 Energia potencial 2.2.2 Energia cinética 2.2.3 Teorema da Energia

Leia mais

MOVIMENTO OSCILATÓRIO

MOVIMENTO OSCILATÓRIO MOVIMENTO OSCILATÓRIO 1.0 Noções da Teoria da Elasticidade A tensão é o quociente da força sobre a área aplicada (N/m²): As tensões normais são tensões cuja força é perpendicular à área. São as tensões

Leia mais

Serra do Saber. Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Serra do Saber. Formação Pedagógica Inicial de Formadores Formação Pedagógica Inicial de Formadores Fundamentação Este curso apresenta de uma forma clara e recorrendo a uma metodologia teórico-prática, os conhecimentos necessários para a formação de formadores

Leia mais

Técnicas de animação em ambientes 3D Techniques of animation in 3D ambient

Técnicas de animação em ambientes 3D Techniques of animation in 3D ambient Técnicas de animação em ambientes 3D Techniques of animation in 3D ambient 1 Walter Dutra da Silveira Neto, 2 Andrei Krepsky de Melo Animação, Modelagem, 3D Este artigo faz um estudo dos princípios fundamentais

Leia mais