REFERENCIAIS PARA UMA PRÁTICA EDUCATIVA SINGULAR E PLURAL:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REFERENCIAIS PARA UMA PRÁTICA EDUCATIVA SINGULAR E PLURAL:"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO LINHA DE PESQUISA: EDUCAÇÃO, ARTE E DIVERSIDADE GRUPO DE ESTUDO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO E LUDICIDADE GEPEL W ASHINGTON C ARLOS F ERREIRA O LIVEIRA REFERENCIAIS PARA UMA PRÁTICA EDUCATIVA SINGULAR E PLURAL: LUDICIDADANIA NO ACAMPAMENTO VERDE TESE DE DOUTORADO Salvador 2007

2

3 W ASHINGTON C ARLOS F ERREIRA O LIVEIRA REFERENCIAIS PARA UMA PRÁTICA EDUCATIVA SINGULAR E PLURAL: LUDICIDADANIA NO ACAMPAMENTO VERDE Tese apresentada ao Programa de Pós-graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, como requisito parcial para obtenção do grau de Doutor em Educação. Linha de Pesquisa: Educação, Arte e Diversidade. Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação e Ludicidade Gepel. Orientador: Prof. Dr. Cipriano Carlos Luckesi Salvador 2007

4 O48 Oliveira, Washington Carlos Ferreira Referenciais para uma prática educativa singular e plural: ludicidadania no Acampamento Verde / Washington Carlos Ferreira Oliveira Salvador, p. Tese (Doutorado em Educação) Universidade Federal da Bahia, Orientador:Prof. Dr. Cipriano Carlos Luckesi 1. Prática educativa. 2. Educação-ludicidade 3. ludicidadania. I. Universidade Federal da Bahia. II. Título. CDU

5 TERMO DE APROVAÇÃO WASHINGTON CARLOS FERREIRA OLIVEIRA REFERENCIAIS PARA UMA PRÁTICA EDUCATIVA SINGULAR E PLURAL: LUDICIDADANIA NO ACAMPAMENTO VERDE Tese aprovada como requisito parcial para obtenção do grau de Doutor em Educação, Universidade Federal da Bahia, pela seguinte banca examinadora: Bernadete de Souza Porto Doutora em Educação, Universidade Federal do Ceará (UFC) Faculdade 7 de Setembro, CE Cipriano Carlos Luckesi (orientador) Doutor em Educação, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC) Universidade Federal da Bahia Dante Augusto Galeffi Doutor em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) Universidade Federal da Bahia Roberto Sanches Rabêllo Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo (USP) Universidade Federal da Bahia Noemi Salgado Soares Doutora em Educação, Universidade Federal da Bahia (UFBA) Faculdade Visconde de Cairu, BA Salvador, 05 de outubro de 2007

6

7 DEDICATÓRIA A Odile, companheira amorosa e co-construtora de todos os meus projetos e realizações significativas nos últimos 21 anos. A Amanda e Alex, filhos queridos, pela inspiração e por me ajudarem nas ressignificações das lacunas lúdicas. Aos colegas coordenadores do Acampamento Verde, atuais e antigos, (Patrícia, Alexandre, Zezito, Ísis, Rosângela, Flávia, Carol, Zuarte, Jair, Rossana...), aos pais e aos jovens com os quais temos acampado, pela oportunidade que vocês me oferecem de aprofundar a ludicidadania na educação. Aos que participaram do Núcleo Espaço de Investigação de Vida Grupal/BA e do Centro de Vivência de Nazaré Paulista/SP, pela oportunidade de acreditar, construir e compartilhar profundas experiências comunitária-espirituais. Aos educandos, educadores, funcionários e conselheiros do Liceu de Artes e Ofícios da Bahia (da unidade educacional e das unidades negociais), centenária instituição baiana cujo compromisso histórico com jovens e famílias em situação de vulnerabilidade social contribuiu para aprofundar meus vínculos com minha ancestralidade. Aos que fazem a Fundação Clemente Mariani, cuja opção por apoiar o fortalecimento do ensino público e gratuito de qualidade ampliou minha compreensão sobre a importância da parceria entre os setores público e privado. Aos que vivem o Projeto Axé, cujo curso de direitos humanos para policiais, professores e ong s, revolucionou meu olhar sobre o vínculo entre meninos de rua, forças da ordem e democracia. A todos que contribuem para possibilitar a solidária e criativa convivência cotidiana da luz e sombra e outros matizes..

8 HOMENAGEM À saudosa memória do pajé Felippe Serpa, professor da Faced Pela inspiração Pela diferença Pela vivência de entre-lugares Pela crença na igualdade na potência Pela estimulante participação no Rascunho Digital Pela lembrança de que nada do que é humano me é estranho Pela desconstrução das ilusões das grandes narrativas totalizantes, estáveis e lineares Pela sensibilidade e ousadia de propor e realizar Universidade, Nação e Solidariedade Pelo eterno aprendiz

9 AGRADECIMENTOS A Léa, mãe querida, mulher coragem cuja disposição, alegria e confronto nunca me faltaram. A dona Dalva, avó materna, cujos sentimentos de afeto e sintonia sempre me acompanham em sonhos, loucura e lucidez. Ao meu pai Fernando, que com todas as suas peripécias, ausente-presente, deixou-me a fé relaxada de que tudo vale à pena. A Ana Selma, irmã solidária, cuja força, integridade e disponibilidade têm me acompanhado em diversos momentos, inclusive nas maratonas para conclusão desta tese. A Jaime, padrasto e pai referência de autoridade, perseverança e suporte familiar. A Formosinho, Olga, Francisca e Dilú, por possibilitarem um afetuoso reencontro com uma ancestralidade impulsionadora. A Hélio, Beatriz, Lika, Jorge, Shaddai e Aisha, pela oportunidade de ampliar a vivência de família amorosa. A Josélio, Guiomar e Ana Iara, pela amizade familiar alegre, poética e festeira. A Vitória e Adriano, pelo vigoroso suporte no âmbito doméstico. A Plácida, Eliana, Conceição e Eliésio, pelo prestativo apoio no suprir as necessidades do cotidiano. Aos que vivem a FACED/UFBA estudantes, professores, funcionários, biblioteca, livraria, escadas e corredores pela religação com um novo referencial de academia. Aos meus alunos de Educação e Ludicidade na UFBA, e de Cidadania e Direitos Humanos na Polifucs, parceiros de descobertas e redescobertas no prazer de ensinar e aprender muitas formas de vivenciar nossas autoridades internas.

10 A Capes, pelo apoio financeiro, através da bolsa, durante os dois primeiros anos de pesquisa. Ao Espaço Gaia, ambiente de cura e crescimento, cujas conversas, aparentemente fortuitas, com alguns de seus profissionais estimulavam pesquisas e reflexões. A Hernandes, pela solícita e competente disponibilidade nas atividades de manutenção elétrica, hidráulica e correlatas, fundamental em diversos momentos. A Lucas, prestativo técnico em computadores, pelo suporte em momentos essenciais desta tese. A Carmem, pela amizade histórica, fé e presença nos momentos essenciais. A Ana Miranda, instigante amiga pensadora, que me permite viajar para saberes e lugares novos, renovados e cheios de ângulos criativos. A Ísis e Karl, pela interlocução, estímulo à autoridade interna e exemplo de transparência contagiante. A Regina, amiga suporte, sempre atenciosa e receptiva, cuja sinceridade, disponibilidade e disposição na busca de significados também me impulsiona na construção do caminho do meio. A Patrícia Falcão, amiga de jornadas sintonizadas em sonhos, concretudes e múltipla confiança. A Albertina, terapeuta infantil e de casal, cuja sensibilidade, escuta, firmeza, inteireza e interatividade foram essenciais para alguns dos meus renascimentos enquanto adulto. A Terezinha, psicóloga do Serviço Médico da UFBA, cuja dedicação amorosa aos estudantes nos permitia reconhecer e assumir a força da nossa juventude. A Áureo, pela fé numa medicina integrada, o que me permitiu chegar aqui mais inteiro.

11 Aos amigos do grupo de homens Guerreiros do Coração, pela cumplicidade honesta, viril e sensível em nossa reconstrução compartilhada do ser masculino hoje. Aos que freqüentam os cursos de Logos Grupo de Casais, Grupo de Profissionais, Prática Quinzenal, Core e Ciclo de Palestras pelo muito que aprendo e compartilho com vocês. A Aidda, amiga mestra, cuja convivência muito me ajudou na abertura das percepções. Aos colegas dos grupos de Pathwork, pelo compromisso com a profundidade na direção de integração dos caminhos. Aos co-terapeutas da Vivência Curando a Criança Ferida Dentro de Nós, pelas saudáveis parcerias de serviço amoroso na ressignificação do passado que amplia aberturas no presente. Ao Vale do Capão e ao Riachinho, pelas cachoeiras, rios, trilhas, grutas, montanhas, fogueiras e céus estrelados que me fizeram apreender o sentido de beleza contempla-ativa. A Zezito e Marli, cuidadores do Riachinho, um espaço acolhedor que integra natureza e estímulo à partilha e ao autoconhecimento, pelos momentos de renovação do sonho. Aos vizinhos, Gilberto, Rose, Gilbertinho, Rita, Júlia, Hans, filhos e netos, cuja proximidade de residências tem fortalecido respeito, tranqüilidade e confiança mútuas. Aos que sustentaram os movimentos de renovação da Federação das Bandeirantes do Brasil, cuja abertura para grupos mistos me agraciou com o despertar para uma cidadania participativa, alegre e comprometida com a natureza planetária. A Aparecida Nadaes, pelos profundos e diversos mergulhos nas aventuras juvenis que propiciaram maduros aprendizados para os nos novos ciclos. À Fundação Cidade Mãe, Fundação Miguel Calmon, Fundação Clemente Mariani, Senai, Síntese, Jornal Movimento, Tribuna da Bahia, Secretaria Estadual de Planejamento, Polifucs e Liceu, pela rica experiência profissional vivida nestas organizações. Aos professores, funcionários e pais da Escola Girassol e do Colégio Cândido Portinari, onde meus filhos estudam, pela interlocução e por buscarem criar uma atmosfera saudável para a construção do conhecimento infanto-juvenil.

12 Às escolas públicas que freqüentei Escola Azevedo Fernandes, Escolas Reunidas Maria Teófila, Escola Técnica Federal da Bahia, Faculdade de Comunicação da UFBA e FACED, por terem me ajudado a aprender conteúdos e convivências. A Rosângela Gouveia, educadora sensível, pela maneira lúdica que iniciou a alfabetização de meus filhos e continua a praticá-la com muitas outras felizardas crianças. Aos instrutores da Ginga Mundo Capoeira, por onde passaram meus filhos, pela maneira lúdica como transmitem a capoeira e o afeto às nossas raízes culturais. A Marta Leone, amiga de muitas jornadas e cúmplice das mais diversas formas de luta em busca de nossos progressivos ideais mutantes. A Ana Bianchi, consultora educacional competente e íntegra, cuja visão e prática de avaliação institucional participativa muito me ensina a, realmente, valorizar o saber do outro. A Cléverson, parceiro do mestrado-doutorado cuja inteligência, sensibilidade, senso de oportunidade e militância democrática fortaleceram nossa amizade e a crença numa educação pública e gratuita de qualidade. A Menandro, imagético professor da Faced, colega do doutorado, cujo impulso investigativo, generoso (supostamente ateu) e comprometido com a construção da utopia solidária, revelou-me um admirado amigo-interlocutor, de muitas identidades sustentadas na valorização das diferenças. Aos colegas do doutorado da turma de 2002, ambiente de aprendizados, aprofundamento, ampliação e revisão de conceitos, pela intensidade, leveza, amizades e o novo olhar acadêmico. Aos membros do Gepel (valorosos batalhadores brincantes Vera Bacelar, Rita Carvalho, Ana Paula, Cilene, Dulciene, Antônia Lúcia, Adilton, Sueli e tantos outros), laboratório de ludicidade, cidadania, autoconhecimento, amizades e de um fazer científico sintonizado com a construção de uma educação singular e plural. A Bernadete Porto, professora de educação e ludicidade, cujo comprometimento, disponibilidade, sinceridade, poesia e coerência entre teoria e prática muito contribui para inspirar minha prática educativa.

13 Aos que fazem a Presente, revista de educação, editada na Bahia, cuja qualidade e ousadia, em cada edição, compartilha experiências e aprofunda reflexões que muito me tem estimulado a prosseguir. A Vivina, cuja crença compartilhada e dedicação a uma educação profissional, com ética e cidadania, muito contribuiu para que eu ampliasse minhas percepções e para o andamento desta tese. A Rossana e Luciano, parceiros de um projeto coletivo que, ainda, não vingou mas serviu para reforçar nossos vínculos. A Bernadete Caldas e Isis Malheiros, pela inteireza com que se dedicaram para realizar a maioria das entrevistas da pesquisa A Rafaela e Moacir, competentes transcritores das fitas gravadas com as entrevistas para esta tese. A Alexandre Santa Ritta, colega coordenador do Acampamento Verde, que foi de fundamental importância na etapa final de conclusão da tese, tanto digitando, ajudando na criação e aprofundando reflexões. Aos jovens entrevistados e aos adultos que responderam esta pesquisa sobre o Acampamento Verde, a sinceridade e o entusiasmo de vocês colaboraram para ampliar a compreensão da importância dessa experiência. Aos membros da banca de mestrado, qualificação e de defesa da tese, pela qualidade das contribuições e pela experiência que exames também podem ser lúdicos. A Cipriano, orientador firme e paciente, que soube acolher, nutrir, sustentar e confrontar, criando várias oportunidades para que eu exercitasse minha autoridade interna e para que pudesse reconhecer e superar os mais diversos tipos de obstáculos. E a todos os outros (muitos e muitos) que me deram suporte, estímulo e reforçaram a crença na possibilidade de uma convivência mais humana/transpessoal, uma das principais motivações desta tese considero que, direta ou indiretamente, cada um de vocês participou na manifestação concreta deste produto/processo exteriorizo, aqui, o reconhecimento da minha profunda gratidão....um abraço amigo, um canto pra dormir e sonhar. E aprendi que se depende, sempre, de tanta muita diferente gente Toda pessoa sempre é a marca das lições diárias de outras tantas pessoas... (Gonzaguinha Caminhos do Coração, 1982)

14

15 2006 FELIZ OLHAR NOVO 2007 Um dos grandes baratos da vida é olhar para trás e sentir gratidão e orgulho por sua história - pessoal e coletiva (orgulho sem soberba, mas como reconhecimento da própria dignidade construída). Poder reverenciar, no presente, a trajetória ancestral. O grande lance é viver cada momento como se a receita da felicidade fosse o AQUI e o AGORA. Claro que a vida prega peças. É lógico que, por vezes, o pneu fura, a fila demora, a grana está curta, chove demais...mas, pensa só: tem graça viver sem rir de gargalhar pelo menos uma vez ao dia? Tem sentido ficar chateado durante o dia todo por causa de uma discussão na ida pro trabalho? Acredito que podemos viver bem, apesar do que está visível na superfície. O ano que passou foi um ano cheio. Foi cheio de coisas boas e realizações, mas também cheio de problemas e desilusões. Acontece. Às vezes se espera demais das pessoas. Acontece. A grana que não veio, um amigo que decepcionou, um político que frustrou, um amor machucou... Acontece. Nesses aspectos, o próximo ano não vai ser diferente e, ao mesmo tempo, poderá ser muito diferente. Muda o século, o milênio muda, mas o homem mantém determinadas características incômodas; a natureza tem sua personalidade, que nem sempre é a que a gente deseja, mas e aí? Fazer o quê? Acabar com seu dia? Com seu bom humor? Com sua esperança? O que eu desejo para todos nós é sabedoria amorosa! Abertura para apreciar e lidar com as personalidades e os desafios da natureza, do jeito que se apresentarem. E que todos saibamos transformar tudo em uma boa experiência de aprendizado e que, tal saber, se converta em pontes cooperativas para ser, fazer e conviver consigo e com os outros. Que todos consigamos perdoar a grosseria do desconhecido, o momento infeliz. Ele passou em nossa vida. Não pode ser responsável por um dia ruim. Entender o amigo que não nutriu nossa melhor parte. Se ele decepcionou muito, passe-o, temporariamente, para a categoria três, a dos colegas. E pergunte-se: qual parte minha ele está refletindo? Além do mais, a gente, também, já decepcionou alguém. O nosso desejo não se realizou? Que frustração, hem! Mas, ao mesmo tempo: Beleza, não tava na hora, não deveria ser a melhor coisa pra este momento (me lembro, sempre, de um lance que eu adoro: CUIDE BEM DE SEUS DESEJOS, ELES PODEM SE TORNAR REALIDADE). Sintonizar pensamentos, sentimentos e ações (quando possível) é uma das melhores maneiras de cuidar dos desejos; incluir pausa e silêncio no cotidiano, também. Momentos de hesitação, doença e ceticismo podem não ser inimigos da ousadia, vigor e determinação. Chorar de dor, de solidão, de tristeza faz parte do ser humano, do fluxo da vida. Não adianta lutar contra isso. Mas, se a gente se entende um pouco e permite olhar o outro e o mundo com generosidade, podemos ampliar a visão e apreciar os desafios da adversidade. Desejo para todo mundo esse olhar especial: um contínuo focar e ampliar a visão. O próximo ano pode ser especial, muito legal, se entendermos uma parte de nossas fragilidades e egoísmos, e não ficarmos demasiados presos aos mecanismos condicionados da mente. Somos inseguros e dispersos, mas podemos prosseguir. Temos momentos de autoritarismo, rigidez e permissividade mas não precisamos paralisar. Somos egoístas, mas podemos entender um pouco mais o outro. Em algum momento, podemos perceber o quanto eu, os outros, o céu e a terra estamos, intimamente, conectados; e, daí, reconhecer nosso mutante lugar, singular, no coletivo. É isto que podemos chamar de autoconhecimento inclusivo pessoal e social. O próximo ano pode ser o máximo, maravilhoso, lindo, espetacular, suave, pleno... ou... Depende de mim, de você! Pode ser. E que seja! Feliz olhar novo!!! Para o próximo ano e para cada agora. (Anônimo - via internet)

16

17 RESUMO A partir do reconhecimento dos vínculos entre pedagogia e poder hegemônico, defendo que a ludicidadania, enquanto articulação de atitude lúdica, cidadania participativa, autoconhecimento inclusivo e conexão com a natureza planetária, pode constituir um foco integrador para uma prática educativa singular e plural, que tenha a intenção de propiciar o contato e a expressão da autoridade interna recíproca dos indivíduos envolvidos, em cada momento presente. Isto pode se concretizar através da assunção, simultânea, da identidade (singular de cada pessoa) e da admissão da diferença (pluralidade em relação a si mesmo, ao outro e ao meio que nos envolve) nos remetendo aos 4H: Honrar com Humor a História da Humanidade. Nesta tese busquei quatro objetivos: justificar a necessidade atual de uma prática educativa singular e plural, considerando as dinâmicas de identificação inerentes a cada indivíduo; aprofundar o conceito de ludicidadania enquanto conjunção de referenciais para esse tipo de prática educativa; sistematizar uma experiência vivencial, destinada a crianças e jovens, que apresenta elementos da prática citada; examinar a experiência educativa sistematizada, sob o olhar da ludicidadania. Metodologicamente, trabalhei com duas vertentes complementares, uma teórica e outra empírica. Enquanto conceito, a ludicidadania está ancorada na articulação e qualificação de seus quatro pilares: ludicidade, cidadania, autoconhecimento e natureza. Discorro sobre os significados de diferença, pluralidade, autoridade interna, anestesia social seletiva, video-política, antropocentrismo, egoturismo, natureza cultural, transdisciplinaridade, entre outros. Para o trabalho de campo, utilizei o referencial metodológico da etnopesquisa crítica, aplicando as técnicas de estudo de caso e da observação participante. O foco foi o Acampamento Verde, uma experiência de educação na natureza, para crianças e jovens, desenvolvida na Bahia há 20 anos, onde sou um dos coordenadores. Através de roteiros semi-estruturados, foram entrevistados 30 acampantes e 5 coordenadores. A partir do contexto de origem do Acampamento Verde, sua proposta central, de promover o contato consigo, com o outro e com a natureza, é apresentada através da perspectiva dos coordenadores, da enunciação dos dez princípios norteadores, da descrição das atividades, da percepção dos acampantes e da comparação entre a proposta e o que foi vivenciado pelos entrevistados. Pelos elementos investigados, concluo que uma prática educativa, com a dinâmica singular-plural, destina-se a nutrir valores sociais progressivos, referenciados na diversidade, cooperação, inclusão. Neste contexto, a ludicidadania pode ser um foco integrador, revelando os limites e potenciais que estão engendrados em tal experiência; o mesmo processo traz, em si, os recursos para explicitar possibilidades de superação, ruptura ou convivência entre os elementos tensionados. No caso do Acampamento Verde, sob o olhar da dança sensível da ludicidadania, a pesquisa revelou que muitos de seus princípios/atividades possuem elementos inspiradores para uma prática educativa singular e plural, mas, alguns outros princípios revelaram discrepâncias entre o que é proposto e o registrado pelos entrevistados. Destaco o papel determinante da afinidade de propósitos, entre os condutores do processo educativo, para a efetivação democrática de tal prática, e concluo que a ludicidadania, enquanto olhar investigativo, será melhor utilizada se vier agregada com um tipo de observação participante por parte dos membros do grupo estudado. Palavras chave: prática educativa; autoridade interna; ludicidade; cidadania; autoconhecimento; natureza; Acampamento Verde.

18 RESUMEN A partir del reconocimiento de los vínculos entre pedagogía y poder hegemónico, sostengo que la ludiciudadanía, como articulación de actitud lúdica, ciudadanía participativa, autoconocimiento inclusivo y conexión con la naturaleza planetaria, puede constituir un foco integrador para una práctica educativa singular y plural, que tenga la intención de propiciar el contacto y la expresión de la autoridad interna recíproca de los individuos envueltos, en cada momento presente. Esto puede concretizarse a través de la aceptación, simultánea, de la identidad (singular de cada persona) y de la admisión de la diferencia (pluralidad en relación a sí mismo, al otro y al medio que nos envuelve), remitiéndonos a las 4H: Honrar con Humor la Historia de la Humanidad. En esta tesis, busqué cuatro objetivos: justificar la necesidad actual de una práctica educativa singular y plural, considerando las dinámicas de identificación inherentes a cada individuo; profundizar el concepto de ludiciudadanía como conjunción de referenciales para este tipo de práctica educativa; sistematizar una experiencia vivencial, destinada a niños y jóvenes, que presente elementos de la práctica citada; examinar la experiencia educativa sistematizada, bajo la mirada de la ludiciudadanía. Metodológicamente, trabajé con dos vertientes complementarias, una teórica y otra empírica. Como concepto, la ludiciudadanía está basada en la articulación y calificación de sus cuatro pilares: ludicidad., ciudadanía, autoconocimiento y naturaleza. Reflexiono sobre los significados de diferencia, pluralidad, autoridad interna, anestesia social selectiva, videopolítica, antropocentrismo, egoturismo, naturaleza cultural, transdisciplinariedad, entre otros. Para el trabajo de campo, utilizé el referencial metodológico de etnoinvestigación crítica, aplicando las técnicas de estudio de caso y de la observación participante. El centro fue, el Campamento Verde, una experiencia de educación en la naturaleza, para niños y jóvenes, desarrollada en Bahía hace 20 años, donde soy uno de los coordinadores. A través de itinerarios semi-estructurados, fueron entrevistados 30 acampantes y 5 coordinadores. A partir del contexto de origen del Campamento Verde, su propuesta central de promover el ``contacto consigo, con el otro y con la naturaleza, es presentada a través de la perspectiva de los coordinadores, de la enunciación de los diez principios norteadores, de la descripción de las actividades, de la percepción de los acampantes y de la comparación entre la propuesta y lo que fue vivenciado por los entrevistados. Por los elementos investigados, concluyo, que una práctica educativa, con la dinámica singular-plural, se destina a nutrir valores sociales progresivos, referenciados en la diversidad, cooperación, e inclusión. En este contexto, la ludiciudadanía puede ser un centro integrador, revelando los límites y potenciales que están engendrados en tal experiencia; el mismo proceso trae en sí, los recursos para explicitar posibilidades de superación, ruptura o convivencia entre los elementos tensionados. En el caso del Campamento Verde, bajo la mirada de la danza sensible de la ludiciudadanía, la investigación reveló que muchos de sus principios/actividades poseen elementos inspiradores para una práctica educativa singular y plural, pero algunos otros principios revelaron discrepancias entre lo que es propuesto y lo registrado por los entrevistados. Destaco el papel determinante de la afinidad de propósitos, entre los conductores del proceso educativo, para la efectivización democrática de tal práctica, y finalizo que la ludiciudadanía como ojo investigador, será mejor utilizada si viniera agregada de un tipo de observación participante por parte de miembros del grupo estudiado. Palabras Claves: práctica educativa; autoridad interna; ludicidad, ciudadanía, autoconocimiento; naturaleza; Campamento Verde.

19 ABSTRACT Starting from the recognition of the bonds between pedagogy and hegemonic power, I defend that ludicitizenship*, whereas articulation of playful attitude, partaking citizenship, including selfknowledge and connection with the planetary nature, it can constitute an integrating focus for a singular and plural educational practice, whose intention is to propitiate the contact and the expression of the mutual inner authority of the involved individuals, in every present moment. This can be come through, simultaneously, from the assumption of the identity (singular of each person) and of the admission of the difference (plurality in relation to him or herself, to the other and the means involving us) which addresses us to the four H: to Honour with Humor Humanity's History. In this theory I looked for four objectives: to justify the current need of a singular and plural educational practice, considering the identification dynamics inherent to each individual; to deepen the ludicitizenship concept while a conjunction of referencials for that type of educational practice; to systematize a living experience that was created for children and young people and that presents elements of the mentioned practice; to examine the educational experience systematized under the approach the ludicitizenship. As to the methodolgy, worked with two complemental guidelines, a theoretical one and an empiric one. As a concept, ludicitizenship is anchored in the articulation and qualification of their four pillars: playfulness, citizenship, selfknowledge and nature. I discuss about the meanings of difference, plurality, inner authority, selective social numbness, video-politics, anthropocentrism, egotourismo, cultural nature, transdisciplinarity, among others. For the field work, I used the methodological reference of critic etnoresearch, applying the techniques of case study and of the participanting observation. The focus was on Acampamento Verde, an education experience in nature for children and young people developed in Bahia 20 years ago of which I am one of the coordinators. Using semi-structured itineraries, 30 participants and 5 coordinators were interviewed. Starting from the original context of Acampamento Verde, its central proposal of promoting contact with oneself, with the other and with nature is presented through the coordinators' perspective, from the enunciation of the ten guiding principles, the description of the activities, the perception of the camping participants and the comparison among the proposal and the experience lived by the interviewees. Through the investigated elements, I conclude that an educational practice, that includes singular-plural dynamics, is destined to nurture progressive social values, whose refference are on diversity, cooperation, inclusion. In this context, ludicitizenship can be an integrating focus, revealing the limits and potentials that are engendered in such experience; the same process brings, in itself, the resources for explicit overcoming of possibilities, rupture or coexistence among the tensioned elements. In the case of Acampamento Verde, under the approach the sensitive dance of the ludicitizenship, the research revealed that many of their principles/activities possess inspiring elements for a singular and plural educational practice, but, some other principles revealed discrepancies among what is proposed and the ones registered by the interviewees. I underline the decisive role of the affinity of purposes, among the guidelines of the educational process, for the democratic accomplishment of such practice, and I conclude that the ludicitizenship, as an investigating approach, will be better used if it is combined a type of participant observation on the part of the members of the studied group. Key-words: educational practice; inner authority; playfulness; citizenship; selfknowledge; nature; Acampamento Verde. * Ludicitizenship neologism formed by the words playfulness (ludicity) and citizenship

20 LISTA DE FOTOS (Chapada Diamantina-BA) Foto 1 Caminhando para acampamento selvagem em Águas Claras (grupo 3) Foto 2 Acampamento selvagem junto ao rio Ancorado (grupo 3) Foto 3 Rio que deságua na Cachoeira da Fumaça (grupo 3) Foto 4 Cozinhando no acampamento selvagem, junto ao Rio Ancorado (grupo 3) Foto 5 Reunião no salão de encontros do Riachinho-Ipuena (grupo 2) Foto 6 Exercícios lúdicos de alongamento matinal ao despertar, no Riachinho-Ipuena (grupo 1) Foto 7 Diversão e preparação para montar barracas no acampamento selvagem em Águas Claras (grupo 3) Foto 8 Reunião para avisos, antes de caminhada, junto ao salão de encontros no Riachinho-Ipuena (grupo 1) Foto 9 Mandala de acampantes nas pedras do Rio Preto (grupo 2) Foto 10 Caminhando nos gerais do Vieira, indo para o rio Ancorado (grupo 2) Foto 11 Alongamento nos gerais de Águas Claras (grupo 3) Foto 12 Cozinhando no acampamento selvagem, em Águas Claras (grupo 3) Foto 13 Abrindo valas junto à barraca no Riachinho-Ipuena (grupo 2) Foto 14 Atividade artística: pintando caixas de papelão, no Riachinho-Ipuena (grupo 1) Foto 15 Atividade artística: lixando madeira para montar caixa, no Riachinho-Ipuena (grupo 2) Foto 16 Exercício matinal de relaxamento em duplas, no Riachinho-Ipuena (grupo 2) Foto 17 Pausa na caminhada para Cachoeira da Fumaça, mirante do Vale do Capão (grupo 3)

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto de Vida MACHADO, Nilson José. Projeto de vida. Entrevista concedida ao Diário na Escola-Santo André, em 2004. Disponível em: .

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA Familiares, amigos, técnicos administrativos, estudantes, professores, grupo gestor da UNEB, autoridades civis, militares, políticas

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social O Projeto Social Luminando O LUMINANDO O Luminando surgiu como uma ferramenta de combate à exclusão social de crianças e adolescentes de comunidades

Leia mais

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 15 2. COMUNICAÇÃO E DIÁLOGO ENTRE PAIS E FILHOS 23 2.1 O problema da comunicação entre pais

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

A PEDAGOGIA DA FRATERNIDADE ECOLÓGICA: ENSINAR A ÉTICA DO GÊNERO HUMANO

A PEDAGOGIA DA FRATERNIDADE ECOLÓGICA: ENSINAR A ÉTICA DO GÊNERO HUMANO 0 A PEDAGOGIA DA FRATERNIDADE ECOLÓGICA: ENSINAR A ÉTICA DO GÊNERO HUMANO (1)Prof. Dr. Samir Cristino de Souza (IFRN) (2) Prof a. Dr a. Maria da Conceição Xavier de Almeida (UFRN) RESUMO A Pedagogia da

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO

O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO Trata-se do ponto de partida do processo de sistematização. Neste momento é importante considerar os elementos

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO Autores: Rúbia Ribeiro LEÃO; Letícia Érica Gonçalves

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental RESUMO Rosa Maria Viana (Universidade Salgado Oliveira/rosamviana@yahoo.com.br) Sandra de Fátima Oliveira (Universidade Federal de Goiá/sanfaoli@iesa.ufg.br)

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

Blue Mind Desenvolvimento Humano

Blue Mind Desenvolvimento Humano Conhecendo o Coaching Por Fábio Ferreira Professional & Self Coach pelo Instituto Brasileiro de Coaching, com certificação internacional pela European Coaching Association e Global Coaching Community,

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

Para início de conversa 9. Família, a Cia. Ltda. 13. Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35. Cardápio de lembranças 53

Para início de conversa 9. Família, a Cia. Ltda. 13. Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35. Cardápio de lembranças 53 Rio de Janeiro Sumário Para início de conversa 9 Família, a Cia. Ltda. 13 Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35 Cardápio de lembranças 53 O que o homem não vê, a mulher sente 75 Relacionamentos: as Cias.

Leia mais

Resumo Aula-tema 08: Ideário ético. Desafios, questionamentos e propostas.

Resumo Aula-tema 08: Ideário ético. Desafios, questionamentos e propostas. Resumo Aula-tema 08: Ideário ético. Desafios, questionamentos e propostas. O ideário ético é um conjunto essencial de valores que deve ser conscientizado por todos na Organização para que se consiga implantar

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

Terapia Organizacional TEOR Método Chiorlin. Elisa Rosa Próspero Rute Cardoso. 1ª Fase: ago a dez/2009 2ª Fase: mar a jun/2010.

Terapia Organizacional TEOR Método Chiorlin. Elisa Rosa Próspero Rute Cardoso. 1ª Fase: ago a dez/2009 2ª Fase: mar a jun/2010. Terapia Organizacional TEOR Método Chiorlin Facilitadoras Elisa Rosa Próspero Rute Cardoso 1ª Fase: ago a dez/2009 2ª Fase: mar a jun/2010 Facilitadoras na Clínica Ngal-So de Reiki e Terapias Integrativas...

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

ANIMAPROJ LIFE COACHING

ANIMAPROJ LIFE COACHING Valores Pessoais - O que são e como descobrir os seus? Como você tem vivido a sua vida? Para onde você está indo? O que é importante para você? A mais importante jornada da vida é percorrer o caminho entre

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil. Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil. Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹ Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹ Resumo O presente texto tem por objetivo refletir e discutir sobre a integração entre ensino,

Leia mais

A Educação para e na Diversidade. 28 de abril 2009 São Paulo

A Educação para e na Diversidade. 28 de abril 2009 São Paulo A Educação para e na Diversidade 28 de abril 2009 São Paulo NOSSA MISSÃO Construir, articular, promover e implementar práticas e políticas inclusivas, com os diversos setores da sociedade, para garantir

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

MEDITANDO À LUZ DO PATHWORK. Clarice Nunes

MEDITANDO À LUZ DO PATHWORK. Clarice Nunes PROGRAMA PATHWORK DE TRANSFORMAÇÃO PESSOAL PATHWORK - RIO DE JANEIRO/ESPÍRITO SANTO HELPERSHIP FORMAÇÃO HELPER Coordenadora do PPTP HELPERSHIP MARIA DA GLÓRIA RODRIGUES COSTA MEDITANDO À LUZ DO PATHWORK

Leia mais

2007 Para Francisco livro em 2008 cinemas em 2015 Hoje Vou Assim 2013, lançou o livro Moda Intuitiva

2007 Para Francisco livro em 2008 cinemas em 2015 Hoje Vou Assim 2013, lançou o livro Moda Intuitiva CR I S G U E R R A p u b l i c i tá r i a, e s c r i to r a e pa l e s t r a N t e PERFIL Começou sua trajetória na internet em 2007, escrevendo o blog Para Francisco, que virou livro em 2008 e irá para

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

18 de junho 2013 Espaço Araguari São Paulo - SP

18 de junho 2013 Espaço Araguari São Paulo - SP 18 de junho 2013 Espaço Araguari São Paulo - SP PORQUE DIÁLOGOS ENTRE GERAÇÕES? Nesta 5 a. Edição do Café com Estratégia, o tema escolhido foi Diálogos entre Gerações. Diálogos porque não há um conflito

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 49 Discurso no encontro com grupo

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL.

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. Como sabemos o crescimento espiritual não acontece automaticamente, depende das escolhas certas e na cooperação com Deus no desenvolvimento

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Histórias do Senhor Urso. 2. EPISÓDIO TRABALHADO A Prima do Coelho. 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Os brinquedos ouvem batidos na porta: é

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

A Inclusão do Pedagogo no ambiente hospitalar - ainda uma conquista.

A Inclusão do Pedagogo no ambiente hospitalar - ainda uma conquista. A Inclusão do Pedagogo no ambiente hospitalar - ainda uma conquista. Jacyara Coy Souza Evangelista 1 Faz algum tempo, que os cuidados com os pacientes, não se concentram mais entre os profissionais de

Leia mais

Relatório Devolutivo 22 a 23/09/2014 Cascavel - PR

Relatório Devolutivo 22 a 23/09/2014 Cascavel - PR Projeto Rede Cidadania e Qualidade de Vida FIOCRUZ / MinC Relatório Devolutivo 22 a 23/09/2014 - PR Programa CEU - Centro de Artes e Esportes Unificados Projeto Rede Cidadania e Qualidade de Vida Ativação

Leia mais

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO E REPRESENTAÇÕES LTDA 4ª Oficina Data: 31/07/2012

Leia mais

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL Viviane Cardoso¹ Resumo: O objetivo desse artigo é refletir como os ideais da pedagogia freireana tem contribuído para as práticas

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento

Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento 2 Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento 33 Na relação social é contar com uma presença humana positiva que seja capaz de ver a força e a beleza dessa presença e manifestação do

Leia mais

Músicos, Ministros de Cura e Libertação

Músicos, Ministros de Cura e Libertação Músicos, Ministros de Cura e Libertação João Paulo Rodrigues Ferreira Introdução Caros irmãos e irmãs; escrevo para vocês não somente para passar instruções, mas também partilhar um pouco da minha experiência

Leia mais

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO Design & Saúde Financeira para maiores de 50 anos Vera Damazio Laboratório Design Memória Emoção :) labmemo (: O que Design tem a ver com Saúde Financeira para maiores de 50 anos? E o que faz um Laboratório

Leia mais

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br Realização e Organização www.vamaislonge.com.br Quem somos... Leonardo Alvarenga, tenho 23 anos, sou criador do Não Tenho Ideia e do #VáMaisLonge. Sou formado em Educação Física mas larguei tudo logo após

Leia mais

PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO

PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO CONTEXTUALIZAÇÃO DOUTRINA DA SITUAÇÃO IRREGULAR DOUTRINA DA PROTEÇÃO INTEGRAL. Código de menores;. Menores em situação irregular;. Carentes, abandonados,

Leia mais

Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013. Isabella Assunção Cerqueira Procópio

Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013. Isabella Assunção Cerqueira Procópio Proposta de Candidatura Diretoria da Presidência Agrobio Consultoria Júnior Gestão 2013 Isabella Assunção Cerqueira Procópio Janeiro de 2013 1 Sumário 1. Dados Básicos de Identificação...3 2. Histórico

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

Vamos explorar temas como:

Vamos explorar temas como: Esse curso tem o objetivo de aprofundar a prática e o estudo de desenho no formato cartoon para utilização em registros visuais, facilitação gráfica, ilustração e outras aplicações. Ao longo desses 2 meses

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida Resiliência Capacidade para superar os desafios da vida O que é resiliência? Resiliência pode ser definida como a capacidade de se renascer da adversidade fortalecido e com mais recursos. (...) Ela engloba

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

Uma Experiência Empreendedora da Educação Cooperativa

Uma Experiência Empreendedora da Educação Cooperativa Uma Experiência Empreendedora da Educação Cooperativa Prá colher, temos que plantar, compadre, temos que pensar no futuro. José Dionízio Leite É TICA L IDERANÇA L IBERDADE O RGANIZAÇÃO S OLIDARIEDADE

Leia mais

PROGRAMA ESCOLA DA INTELIGÊNCIA - Grupo III ao 5º Ano

PROGRAMA ESCOLA DA INTELIGÊNCIA - Grupo III ao 5º Ano ... CEFF - CENTRO EDUCACIONAL FAZENDINHA FELIZ Rua Professor Jones, 1513 - Centro - Linhares / ES - CEP. 29.900-131 - Telefone: (27) 3371-2265 www.escolafazendinhafeliz.com.br... Ao colocar seu filho na

Leia mais

Perguntaram à teóloga alemã. Dorothee Sölle: Como a senhora explicaria a um menino o que é felicidade?

Perguntaram à teóloga alemã. Dorothee Sölle: Como a senhora explicaria a um menino o que é felicidade? Perguntaram à teóloga alemã Dorothee Sölle: Como a senhora explicaria a um menino o que é felicidade? Não explicaria, Daria uma bola para que ele jogasse... ESPORTE EDUCAÇÃO CULTURA QUALIFICAÇÃO PLACAR

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Projeto Paz na Escola

Projeto Paz na Escola Projeto Paz na Escola Olímpia Terezinha da Silva Henicka Dariléia Marin Em uma sociedade como a nossa, na qual a riqueza é tão mal distribuída, a preocupação com a sobrevivência deve ser maior que as preocupações

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

SEMINÁRIO: ATITUDE 434

SEMINÁRIO: ATITUDE 434 SEMINÁRIO: ATITUDE 434 1 2 DEFINIÇÃO Um movimento de PUREZA SEXUAL conforme a vontade de Deus nas Escrituras. 3 Movimento vs Evento 4 BASE BÍBLICA A vontade de Deus é que vocês sejam santificados: abstenham-se

Leia mais

Coaching para pessoas disponíveis, ambos

Coaching para pessoas disponíveis, ambos Nota da Autora 1001 maneiras de ser Feliz, é o meu terceiro livro. Escrevi Coaching para mães disponíveis e Coaching para pessoas disponíveis, ambos gratuitos e disponíveis no site do Emotional Coaching.

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

Oficina de Educomunicação: Construção de um Fotodocumentário Histórico da Escola Augusto Ruschi

Oficina de Educomunicação: Construção de um Fotodocumentário Histórico da Escola Augusto Ruschi Oficina de Educomunicação: Construção de um Fotodocumentário Histórico da Escola Augusto Ruschi EJE: Comunicacion y Extensión AUTORES: Garcia, Gabriela Viero 1 Tumelero, Samira Valduga 2 Rosa, Rosane 3

Leia mais

FORMAÇÃO DE LIDERANÇAS E ASSESSORESCAMINHOS DE ESPERANÇA

FORMAÇÃO DE LIDERANÇAS E ASSESSORESCAMINHOS DE ESPERANÇA FORMAÇÃO DE LIDERANÇAS E ASSESSORESCAMINHOS DE ESPERANÇA A beleza de ser um eterno aprendiz. (Gonzaguinha) Por que pensar em formação de lideranças e assessores? A Pastoral da Juventude busca potencializar

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 81 Discurso no jantar oferecido pelo

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt. Nossas ações durante o ano de 2013. Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. Leitura livre.

]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt. Nossas ações durante o ano de 2013. Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. Leitura livre. ]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. ANO 2013-1ª EDIÇÃO A equipe gestora está sempre preocupada com o desempenho dos alunos e dos educadores, evidenciando

Leia mais