REFERENCIAIS PARA UMA PRÁTICA EDUCATIVA SINGULAR E PLURAL:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REFERENCIAIS PARA UMA PRÁTICA EDUCATIVA SINGULAR E PLURAL:"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO LINHA DE PESQUISA: EDUCAÇÃO, ARTE E DIVERSIDADE GRUPO DE ESTUDO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO E LUDICIDADE GEPEL W ASHINGTON C ARLOS F ERREIRA O LIVEIRA REFERENCIAIS PARA UMA PRÁTICA EDUCATIVA SINGULAR E PLURAL: LUDICIDADANIA NO ACAMPAMENTO VERDE TESE DE DOUTORADO Salvador 2007

2

3 W ASHINGTON C ARLOS F ERREIRA O LIVEIRA REFERENCIAIS PARA UMA PRÁTICA EDUCATIVA SINGULAR E PLURAL: LUDICIDADANIA NO ACAMPAMENTO VERDE Tese apresentada ao Programa de Pós-graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, como requisito parcial para obtenção do grau de Doutor em Educação. Linha de Pesquisa: Educação, Arte e Diversidade. Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação e Ludicidade Gepel. Orientador: Prof. Dr. Cipriano Carlos Luckesi Salvador 2007

4 O48 Oliveira, Washington Carlos Ferreira Referenciais para uma prática educativa singular e plural: ludicidadania no Acampamento Verde / Washington Carlos Ferreira Oliveira Salvador, p. Tese (Doutorado em Educação) Universidade Federal da Bahia, Orientador:Prof. Dr. Cipriano Carlos Luckesi 1. Prática educativa. 2. Educação-ludicidade 3. ludicidadania. I. Universidade Federal da Bahia. II. Título. CDU

5 TERMO DE APROVAÇÃO WASHINGTON CARLOS FERREIRA OLIVEIRA REFERENCIAIS PARA UMA PRÁTICA EDUCATIVA SINGULAR E PLURAL: LUDICIDADANIA NO ACAMPAMENTO VERDE Tese aprovada como requisito parcial para obtenção do grau de Doutor em Educação, Universidade Federal da Bahia, pela seguinte banca examinadora: Bernadete de Souza Porto Doutora em Educação, Universidade Federal do Ceará (UFC) Faculdade 7 de Setembro, CE Cipriano Carlos Luckesi (orientador) Doutor em Educação, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC) Universidade Federal da Bahia Dante Augusto Galeffi Doutor em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) Universidade Federal da Bahia Roberto Sanches Rabêllo Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo (USP) Universidade Federal da Bahia Noemi Salgado Soares Doutora em Educação, Universidade Federal da Bahia (UFBA) Faculdade Visconde de Cairu, BA Salvador, 05 de outubro de 2007

6

7 DEDICATÓRIA A Odile, companheira amorosa e co-construtora de todos os meus projetos e realizações significativas nos últimos 21 anos. A Amanda e Alex, filhos queridos, pela inspiração e por me ajudarem nas ressignificações das lacunas lúdicas. Aos colegas coordenadores do Acampamento Verde, atuais e antigos, (Patrícia, Alexandre, Zezito, Ísis, Rosângela, Flávia, Carol, Zuarte, Jair, Rossana...), aos pais e aos jovens com os quais temos acampado, pela oportunidade que vocês me oferecem de aprofundar a ludicidadania na educação. Aos que participaram do Núcleo Espaço de Investigação de Vida Grupal/BA e do Centro de Vivência de Nazaré Paulista/SP, pela oportunidade de acreditar, construir e compartilhar profundas experiências comunitária-espirituais. Aos educandos, educadores, funcionários e conselheiros do Liceu de Artes e Ofícios da Bahia (da unidade educacional e das unidades negociais), centenária instituição baiana cujo compromisso histórico com jovens e famílias em situação de vulnerabilidade social contribuiu para aprofundar meus vínculos com minha ancestralidade. Aos que fazem a Fundação Clemente Mariani, cuja opção por apoiar o fortalecimento do ensino público e gratuito de qualidade ampliou minha compreensão sobre a importância da parceria entre os setores público e privado. Aos que vivem o Projeto Axé, cujo curso de direitos humanos para policiais, professores e ong s, revolucionou meu olhar sobre o vínculo entre meninos de rua, forças da ordem e democracia. A todos que contribuem para possibilitar a solidária e criativa convivência cotidiana da luz e sombra e outros matizes..

8 HOMENAGEM À saudosa memória do pajé Felippe Serpa, professor da Faced Pela inspiração Pela diferença Pela vivência de entre-lugares Pela crença na igualdade na potência Pela estimulante participação no Rascunho Digital Pela lembrança de que nada do que é humano me é estranho Pela desconstrução das ilusões das grandes narrativas totalizantes, estáveis e lineares Pela sensibilidade e ousadia de propor e realizar Universidade, Nação e Solidariedade Pelo eterno aprendiz

9 AGRADECIMENTOS A Léa, mãe querida, mulher coragem cuja disposição, alegria e confronto nunca me faltaram. A dona Dalva, avó materna, cujos sentimentos de afeto e sintonia sempre me acompanham em sonhos, loucura e lucidez. Ao meu pai Fernando, que com todas as suas peripécias, ausente-presente, deixou-me a fé relaxada de que tudo vale à pena. A Ana Selma, irmã solidária, cuja força, integridade e disponibilidade têm me acompanhado em diversos momentos, inclusive nas maratonas para conclusão desta tese. A Jaime, padrasto e pai referência de autoridade, perseverança e suporte familiar. A Formosinho, Olga, Francisca e Dilú, por possibilitarem um afetuoso reencontro com uma ancestralidade impulsionadora. A Hélio, Beatriz, Lika, Jorge, Shaddai e Aisha, pela oportunidade de ampliar a vivência de família amorosa. A Josélio, Guiomar e Ana Iara, pela amizade familiar alegre, poética e festeira. A Vitória e Adriano, pelo vigoroso suporte no âmbito doméstico. A Plácida, Eliana, Conceição e Eliésio, pelo prestativo apoio no suprir as necessidades do cotidiano. Aos que vivem a FACED/UFBA estudantes, professores, funcionários, biblioteca, livraria, escadas e corredores pela religação com um novo referencial de academia. Aos meus alunos de Educação e Ludicidade na UFBA, e de Cidadania e Direitos Humanos na Polifucs, parceiros de descobertas e redescobertas no prazer de ensinar e aprender muitas formas de vivenciar nossas autoridades internas.

10 A Capes, pelo apoio financeiro, através da bolsa, durante os dois primeiros anos de pesquisa. Ao Espaço Gaia, ambiente de cura e crescimento, cujas conversas, aparentemente fortuitas, com alguns de seus profissionais estimulavam pesquisas e reflexões. A Hernandes, pela solícita e competente disponibilidade nas atividades de manutenção elétrica, hidráulica e correlatas, fundamental em diversos momentos. A Lucas, prestativo técnico em computadores, pelo suporte em momentos essenciais desta tese. A Carmem, pela amizade histórica, fé e presença nos momentos essenciais. A Ana Miranda, instigante amiga pensadora, que me permite viajar para saberes e lugares novos, renovados e cheios de ângulos criativos. A Ísis e Karl, pela interlocução, estímulo à autoridade interna e exemplo de transparência contagiante. A Regina, amiga suporte, sempre atenciosa e receptiva, cuja sinceridade, disponibilidade e disposição na busca de significados também me impulsiona na construção do caminho do meio. A Patrícia Falcão, amiga de jornadas sintonizadas em sonhos, concretudes e múltipla confiança. A Albertina, terapeuta infantil e de casal, cuja sensibilidade, escuta, firmeza, inteireza e interatividade foram essenciais para alguns dos meus renascimentos enquanto adulto. A Terezinha, psicóloga do Serviço Médico da UFBA, cuja dedicação amorosa aos estudantes nos permitia reconhecer e assumir a força da nossa juventude. A Áureo, pela fé numa medicina integrada, o que me permitiu chegar aqui mais inteiro.

11 Aos amigos do grupo de homens Guerreiros do Coração, pela cumplicidade honesta, viril e sensível em nossa reconstrução compartilhada do ser masculino hoje. Aos que freqüentam os cursos de Logos Grupo de Casais, Grupo de Profissionais, Prática Quinzenal, Core e Ciclo de Palestras pelo muito que aprendo e compartilho com vocês. A Aidda, amiga mestra, cuja convivência muito me ajudou na abertura das percepções. Aos colegas dos grupos de Pathwork, pelo compromisso com a profundidade na direção de integração dos caminhos. Aos co-terapeutas da Vivência Curando a Criança Ferida Dentro de Nós, pelas saudáveis parcerias de serviço amoroso na ressignificação do passado que amplia aberturas no presente. Ao Vale do Capão e ao Riachinho, pelas cachoeiras, rios, trilhas, grutas, montanhas, fogueiras e céus estrelados que me fizeram apreender o sentido de beleza contempla-ativa. A Zezito e Marli, cuidadores do Riachinho, um espaço acolhedor que integra natureza e estímulo à partilha e ao autoconhecimento, pelos momentos de renovação do sonho. Aos vizinhos, Gilberto, Rose, Gilbertinho, Rita, Júlia, Hans, filhos e netos, cuja proximidade de residências tem fortalecido respeito, tranqüilidade e confiança mútuas. Aos que sustentaram os movimentos de renovação da Federação das Bandeirantes do Brasil, cuja abertura para grupos mistos me agraciou com o despertar para uma cidadania participativa, alegre e comprometida com a natureza planetária. A Aparecida Nadaes, pelos profundos e diversos mergulhos nas aventuras juvenis que propiciaram maduros aprendizados para os nos novos ciclos. À Fundação Cidade Mãe, Fundação Miguel Calmon, Fundação Clemente Mariani, Senai, Síntese, Jornal Movimento, Tribuna da Bahia, Secretaria Estadual de Planejamento, Polifucs e Liceu, pela rica experiência profissional vivida nestas organizações. Aos professores, funcionários e pais da Escola Girassol e do Colégio Cândido Portinari, onde meus filhos estudam, pela interlocução e por buscarem criar uma atmosfera saudável para a construção do conhecimento infanto-juvenil.

12 Às escolas públicas que freqüentei Escola Azevedo Fernandes, Escolas Reunidas Maria Teófila, Escola Técnica Federal da Bahia, Faculdade de Comunicação da UFBA e FACED, por terem me ajudado a aprender conteúdos e convivências. A Rosângela Gouveia, educadora sensível, pela maneira lúdica que iniciou a alfabetização de meus filhos e continua a praticá-la com muitas outras felizardas crianças. Aos instrutores da Ginga Mundo Capoeira, por onde passaram meus filhos, pela maneira lúdica como transmitem a capoeira e o afeto às nossas raízes culturais. A Marta Leone, amiga de muitas jornadas e cúmplice das mais diversas formas de luta em busca de nossos progressivos ideais mutantes. A Ana Bianchi, consultora educacional competente e íntegra, cuja visão e prática de avaliação institucional participativa muito me ensina a, realmente, valorizar o saber do outro. A Cléverson, parceiro do mestrado-doutorado cuja inteligência, sensibilidade, senso de oportunidade e militância democrática fortaleceram nossa amizade e a crença numa educação pública e gratuita de qualidade. A Menandro, imagético professor da Faced, colega do doutorado, cujo impulso investigativo, generoso (supostamente ateu) e comprometido com a construção da utopia solidária, revelou-me um admirado amigo-interlocutor, de muitas identidades sustentadas na valorização das diferenças. Aos colegas do doutorado da turma de 2002, ambiente de aprendizados, aprofundamento, ampliação e revisão de conceitos, pela intensidade, leveza, amizades e o novo olhar acadêmico. Aos membros do Gepel (valorosos batalhadores brincantes Vera Bacelar, Rita Carvalho, Ana Paula, Cilene, Dulciene, Antônia Lúcia, Adilton, Sueli e tantos outros), laboratório de ludicidade, cidadania, autoconhecimento, amizades e de um fazer científico sintonizado com a construção de uma educação singular e plural. A Bernadete Porto, professora de educação e ludicidade, cujo comprometimento, disponibilidade, sinceridade, poesia e coerência entre teoria e prática muito contribui para inspirar minha prática educativa.

13 Aos que fazem a Presente, revista de educação, editada na Bahia, cuja qualidade e ousadia, em cada edição, compartilha experiências e aprofunda reflexões que muito me tem estimulado a prosseguir. A Vivina, cuja crença compartilhada e dedicação a uma educação profissional, com ética e cidadania, muito contribuiu para que eu ampliasse minhas percepções e para o andamento desta tese. A Rossana e Luciano, parceiros de um projeto coletivo que, ainda, não vingou mas serviu para reforçar nossos vínculos. A Bernadete Caldas e Isis Malheiros, pela inteireza com que se dedicaram para realizar a maioria das entrevistas da pesquisa A Rafaela e Moacir, competentes transcritores das fitas gravadas com as entrevistas para esta tese. A Alexandre Santa Ritta, colega coordenador do Acampamento Verde, que foi de fundamental importância na etapa final de conclusão da tese, tanto digitando, ajudando na criação e aprofundando reflexões. Aos jovens entrevistados e aos adultos que responderam esta pesquisa sobre o Acampamento Verde, a sinceridade e o entusiasmo de vocês colaboraram para ampliar a compreensão da importância dessa experiência. Aos membros da banca de mestrado, qualificação e de defesa da tese, pela qualidade das contribuições e pela experiência que exames também podem ser lúdicos. A Cipriano, orientador firme e paciente, que soube acolher, nutrir, sustentar e confrontar, criando várias oportunidades para que eu exercitasse minha autoridade interna e para que pudesse reconhecer e superar os mais diversos tipos de obstáculos. E a todos os outros (muitos e muitos) que me deram suporte, estímulo e reforçaram a crença na possibilidade de uma convivência mais humana/transpessoal, uma das principais motivações desta tese considero que, direta ou indiretamente, cada um de vocês participou na manifestação concreta deste produto/processo exteriorizo, aqui, o reconhecimento da minha profunda gratidão....um abraço amigo, um canto pra dormir e sonhar. E aprendi que se depende, sempre, de tanta muita diferente gente Toda pessoa sempre é a marca das lições diárias de outras tantas pessoas... (Gonzaguinha Caminhos do Coração, 1982)

14

15 2006 FELIZ OLHAR NOVO 2007 Um dos grandes baratos da vida é olhar para trás e sentir gratidão e orgulho por sua história - pessoal e coletiva (orgulho sem soberba, mas como reconhecimento da própria dignidade construída). Poder reverenciar, no presente, a trajetória ancestral. O grande lance é viver cada momento como se a receita da felicidade fosse o AQUI e o AGORA. Claro que a vida prega peças. É lógico que, por vezes, o pneu fura, a fila demora, a grana está curta, chove demais...mas, pensa só: tem graça viver sem rir de gargalhar pelo menos uma vez ao dia? Tem sentido ficar chateado durante o dia todo por causa de uma discussão na ida pro trabalho? Acredito que podemos viver bem, apesar do que está visível na superfície. O ano que passou foi um ano cheio. Foi cheio de coisas boas e realizações, mas também cheio de problemas e desilusões. Acontece. Às vezes se espera demais das pessoas. Acontece. A grana que não veio, um amigo que decepcionou, um político que frustrou, um amor machucou... Acontece. Nesses aspectos, o próximo ano não vai ser diferente e, ao mesmo tempo, poderá ser muito diferente. Muda o século, o milênio muda, mas o homem mantém determinadas características incômodas; a natureza tem sua personalidade, que nem sempre é a que a gente deseja, mas e aí? Fazer o quê? Acabar com seu dia? Com seu bom humor? Com sua esperança? O que eu desejo para todos nós é sabedoria amorosa! Abertura para apreciar e lidar com as personalidades e os desafios da natureza, do jeito que se apresentarem. E que todos saibamos transformar tudo em uma boa experiência de aprendizado e que, tal saber, se converta em pontes cooperativas para ser, fazer e conviver consigo e com os outros. Que todos consigamos perdoar a grosseria do desconhecido, o momento infeliz. Ele passou em nossa vida. Não pode ser responsável por um dia ruim. Entender o amigo que não nutriu nossa melhor parte. Se ele decepcionou muito, passe-o, temporariamente, para a categoria três, a dos colegas. E pergunte-se: qual parte minha ele está refletindo? Além do mais, a gente, também, já decepcionou alguém. O nosso desejo não se realizou? Que frustração, hem! Mas, ao mesmo tempo: Beleza, não tava na hora, não deveria ser a melhor coisa pra este momento (me lembro, sempre, de um lance que eu adoro: CUIDE BEM DE SEUS DESEJOS, ELES PODEM SE TORNAR REALIDADE). Sintonizar pensamentos, sentimentos e ações (quando possível) é uma das melhores maneiras de cuidar dos desejos; incluir pausa e silêncio no cotidiano, também. Momentos de hesitação, doença e ceticismo podem não ser inimigos da ousadia, vigor e determinação. Chorar de dor, de solidão, de tristeza faz parte do ser humano, do fluxo da vida. Não adianta lutar contra isso. Mas, se a gente se entende um pouco e permite olhar o outro e o mundo com generosidade, podemos ampliar a visão e apreciar os desafios da adversidade. Desejo para todo mundo esse olhar especial: um contínuo focar e ampliar a visão. O próximo ano pode ser especial, muito legal, se entendermos uma parte de nossas fragilidades e egoísmos, e não ficarmos demasiados presos aos mecanismos condicionados da mente. Somos inseguros e dispersos, mas podemos prosseguir. Temos momentos de autoritarismo, rigidez e permissividade mas não precisamos paralisar. Somos egoístas, mas podemos entender um pouco mais o outro. Em algum momento, podemos perceber o quanto eu, os outros, o céu e a terra estamos, intimamente, conectados; e, daí, reconhecer nosso mutante lugar, singular, no coletivo. É isto que podemos chamar de autoconhecimento inclusivo pessoal e social. O próximo ano pode ser o máximo, maravilhoso, lindo, espetacular, suave, pleno... ou... Depende de mim, de você! Pode ser. E que seja! Feliz olhar novo!!! Para o próximo ano e para cada agora. (Anônimo - via internet)

16

17 RESUMO A partir do reconhecimento dos vínculos entre pedagogia e poder hegemônico, defendo que a ludicidadania, enquanto articulação de atitude lúdica, cidadania participativa, autoconhecimento inclusivo e conexão com a natureza planetária, pode constituir um foco integrador para uma prática educativa singular e plural, que tenha a intenção de propiciar o contato e a expressão da autoridade interna recíproca dos indivíduos envolvidos, em cada momento presente. Isto pode se concretizar através da assunção, simultânea, da identidade (singular de cada pessoa) e da admissão da diferença (pluralidade em relação a si mesmo, ao outro e ao meio que nos envolve) nos remetendo aos 4H: Honrar com Humor a História da Humanidade. Nesta tese busquei quatro objetivos: justificar a necessidade atual de uma prática educativa singular e plural, considerando as dinâmicas de identificação inerentes a cada indivíduo; aprofundar o conceito de ludicidadania enquanto conjunção de referenciais para esse tipo de prática educativa; sistematizar uma experiência vivencial, destinada a crianças e jovens, que apresenta elementos da prática citada; examinar a experiência educativa sistematizada, sob o olhar da ludicidadania. Metodologicamente, trabalhei com duas vertentes complementares, uma teórica e outra empírica. Enquanto conceito, a ludicidadania está ancorada na articulação e qualificação de seus quatro pilares: ludicidade, cidadania, autoconhecimento e natureza. Discorro sobre os significados de diferença, pluralidade, autoridade interna, anestesia social seletiva, video-política, antropocentrismo, egoturismo, natureza cultural, transdisciplinaridade, entre outros. Para o trabalho de campo, utilizei o referencial metodológico da etnopesquisa crítica, aplicando as técnicas de estudo de caso e da observação participante. O foco foi o Acampamento Verde, uma experiência de educação na natureza, para crianças e jovens, desenvolvida na Bahia há 20 anos, onde sou um dos coordenadores. Através de roteiros semi-estruturados, foram entrevistados 30 acampantes e 5 coordenadores. A partir do contexto de origem do Acampamento Verde, sua proposta central, de promover o contato consigo, com o outro e com a natureza, é apresentada através da perspectiva dos coordenadores, da enunciação dos dez princípios norteadores, da descrição das atividades, da percepção dos acampantes e da comparação entre a proposta e o que foi vivenciado pelos entrevistados. Pelos elementos investigados, concluo que uma prática educativa, com a dinâmica singular-plural, destina-se a nutrir valores sociais progressivos, referenciados na diversidade, cooperação, inclusão. Neste contexto, a ludicidadania pode ser um foco integrador, revelando os limites e potenciais que estão engendrados em tal experiência; o mesmo processo traz, em si, os recursos para explicitar possibilidades de superação, ruptura ou convivência entre os elementos tensionados. No caso do Acampamento Verde, sob o olhar da dança sensível da ludicidadania, a pesquisa revelou que muitos de seus princípios/atividades possuem elementos inspiradores para uma prática educativa singular e plural, mas, alguns outros princípios revelaram discrepâncias entre o que é proposto e o registrado pelos entrevistados. Destaco o papel determinante da afinidade de propósitos, entre os condutores do processo educativo, para a efetivação democrática de tal prática, e concluo que a ludicidadania, enquanto olhar investigativo, será melhor utilizada se vier agregada com um tipo de observação participante por parte dos membros do grupo estudado. Palavras chave: prática educativa; autoridade interna; ludicidade; cidadania; autoconhecimento; natureza; Acampamento Verde.

18 RESUMEN A partir del reconocimiento de los vínculos entre pedagogía y poder hegemónico, sostengo que la ludiciudadanía, como articulación de actitud lúdica, ciudadanía participativa, autoconocimiento inclusivo y conexión con la naturaleza planetaria, puede constituir un foco integrador para una práctica educativa singular y plural, que tenga la intención de propiciar el contacto y la expresión de la autoridad interna recíproca de los individuos envueltos, en cada momento presente. Esto puede concretizarse a través de la aceptación, simultánea, de la identidad (singular de cada persona) y de la admisión de la diferencia (pluralidad en relación a sí mismo, al otro y al medio que nos envuelve), remitiéndonos a las 4H: Honrar con Humor la Historia de la Humanidad. En esta tesis, busqué cuatro objetivos: justificar la necesidad actual de una práctica educativa singular y plural, considerando las dinámicas de identificación inherentes a cada individuo; profundizar el concepto de ludiciudadanía como conjunción de referenciales para este tipo de práctica educativa; sistematizar una experiencia vivencial, destinada a niños y jóvenes, que presente elementos de la práctica citada; examinar la experiencia educativa sistematizada, bajo la mirada de la ludiciudadanía. Metodológicamente, trabajé con dos vertientes complementarias, una teórica y otra empírica. Como concepto, la ludiciudadanía está basada en la articulación y calificación de sus cuatro pilares: ludicidad., ciudadanía, autoconocimiento y naturaleza. Reflexiono sobre los significados de diferencia, pluralidad, autoridad interna, anestesia social selectiva, videopolítica, antropocentrismo, egoturismo, naturaleza cultural, transdisciplinariedad, entre otros. Para el trabajo de campo, utilizé el referencial metodológico de etnoinvestigación crítica, aplicando las técnicas de estudio de caso y de la observación participante. El centro fue, el Campamento Verde, una experiencia de educación en la naturaleza, para niños y jóvenes, desarrollada en Bahía hace 20 años, donde soy uno de los coordinadores. A través de itinerarios semi-estructurados, fueron entrevistados 30 acampantes y 5 coordinadores. A partir del contexto de origen del Campamento Verde, su propuesta central de promover el ``contacto consigo, con el otro y con la naturaleza, es presentada a través de la perspectiva de los coordinadores, de la enunciación de los diez principios norteadores, de la descripción de las actividades, de la percepción de los acampantes y de la comparación entre la propuesta y lo que fue vivenciado por los entrevistados. Por los elementos investigados, concluyo, que una práctica educativa, con la dinámica singular-plural, se destina a nutrir valores sociales progresivos, referenciados en la diversidad, cooperación, e inclusión. En este contexto, la ludiciudadanía puede ser un centro integrador, revelando los límites y potenciales que están engendrados en tal experiencia; el mismo proceso trae en sí, los recursos para explicitar posibilidades de superación, ruptura o convivencia entre los elementos tensionados. En el caso del Campamento Verde, bajo la mirada de la danza sensible de la ludiciudadanía, la investigación reveló que muchos de sus principios/actividades poseen elementos inspiradores para una práctica educativa singular y plural, pero algunos otros principios revelaron discrepancias entre lo que es propuesto y lo registrado por los entrevistados. Destaco el papel determinante de la afinidad de propósitos, entre los conductores del proceso educativo, para la efectivización democrática de tal práctica, y finalizo que la ludiciudadanía como ojo investigador, será mejor utilizada si viniera agregada de un tipo de observación participante por parte de miembros del grupo estudiado. Palabras Claves: práctica educativa; autoridad interna; ludicidad, ciudadanía, autoconocimiento; naturaleza; Campamento Verde.

19 ABSTRACT Starting from the recognition of the bonds between pedagogy and hegemonic power, I defend that ludicitizenship*, whereas articulation of playful attitude, partaking citizenship, including selfknowledge and connection with the planetary nature, it can constitute an integrating focus for a singular and plural educational practice, whose intention is to propitiate the contact and the expression of the mutual inner authority of the involved individuals, in every present moment. This can be come through, simultaneously, from the assumption of the identity (singular of each person) and of the admission of the difference (plurality in relation to him or herself, to the other and the means involving us) which addresses us to the four H: to Honour with Humor Humanity's History. In this theory I looked for four objectives: to justify the current need of a singular and plural educational practice, considering the identification dynamics inherent to each individual; to deepen the ludicitizenship concept while a conjunction of referencials for that type of educational practice; to systematize a living experience that was created for children and young people and that presents elements of the mentioned practice; to examine the educational experience systematized under the approach the ludicitizenship. As to the methodolgy, worked with two complemental guidelines, a theoretical one and an empiric one. As a concept, ludicitizenship is anchored in the articulation and qualification of their four pillars: playfulness, citizenship, selfknowledge and nature. I discuss about the meanings of difference, plurality, inner authority, selective social numbness, video-politics, anthropocentrism, egotourismo, cultural nature, transdisciplinarity, among others. For the field work, I used the methodological reference of critic etnoresearch, applying the techniques of case study and of the participanting observation. The focus was on Acampamento Verde, an education experience in nature for children and young people developed in Bahia 20 years ago of which I am one of the coordinators. Using semi-structured itineraries, 30 participants and 5 coordinators were interviewed. Starting from the original context of Acampamento Verde, its central proposal of promoting contact with oneself, with the other and with nature is presented through the coordinators' perspective, from the enunciation of the ten guiding principles, the description of the activities, the perception of the camping participants and the comparison among the proposal and the experience lived by the interviewees. Through the investigated elements, I conclude that an educational practice, that includes singular-plural dynamics, is destined to nurture progressive social values, whose refference are on diversity, cooperation, inclusion. In this context, ludicitizenship can be an integrating focus, revealing the limits and potentials that are engendered in such experience; the same process brings, in itself, the resources for explicit overcoming of possibilities, rupture or coexistence among the tensioned elements. In the case of Acampamento Verde, under the approach the sensitive dance of the ludicitizenship, the research revealed that many of their principles/activities possess inspiring elements for a singular and plural educational practice, but, some other principles revealed discrepancies among what is proposed and the ones registered by the interviewees. I underline the decisive role of the affinity of purposes, among the guidelines of the educational process, for the democratic accomplishment of such practice, and I conclude that the ludicitizenship, as an investigating approach, will be better used if it is combined a type of participant observation on the part of the members of the studied group. Key-words: educational practice; inner authority; playfulness; citizenship; selfknowledge; nature; Acampamento Verde. * Ludicitizenship neologism formed by the words playfulness (ludicity) and citizenship

20 LISTA DE FOTOS (Chapada Diamantina-BA) Foto 1 Caminhando para acampamento selvagem em Águas Claras (grupo 3) Foto 2 Acampamento selvagem junto ao rio Ancorado (grupo 3) Foto 3 Rio que deságua na Cachoeira da Fumaça (grupo 3) Foto 4 Cozinhando no acampamento selvagem, junto ao Rio Ancorado (grupo 3) Foto 5 Reunião no salão de encontros do Riachinho-Ipuena (grupo 2) Foto 6 Exercícios lúdicos de alongamento matinal ao despertar, no Riachinho-Ipuena (grupo 1) Foto 7 Diversão e preparação para montar barracas no acampamento selvagem em Águas Claras (grupo 3) Foto 8 Reunião para avisos, antes de caminhada, junto ao salão de encontros no Riachinho-Ipuena (grupo 1) Foto 9 Mandala de acampantes nas pedras do Rio Preto (grupo 2) Foto 10 Caminhando nos gerais do Vieira, indo para o rio Ancorado (grupo 2) Foto 11 Alongamento nos gerais de Águas Claras (grupo 3) Foto 12 Cozinhando no acampamento selvagem, em Águas Claras (grupo 3) Foto 13 Abrindo valas junto à barraca no Riachinho-Ipuena (grupo 2) Foto 14 Atividade artística: pintando caixas de papelão, no Riachinho-Ipuena (grupo 1) Foto 15 Atividade artística: lixando madeira para montar caixa, no Riachinho-Ipuena (grupo 2) Foto 16 Exercício matinal de relaxamento em duplas, no Riachinho-Ipuena (grupo 2) Foto 17 Pausa na caminhada para Cachoeira da Fumaça, mirante do Vale do Capão (grupo 3)

A PEDAGOGIA DA FRATERNIDADE ECOLÓGICA: ENSINAR A ÉTICA DO GÊNERO HUMANO

A PEDAGOGIA DA FRATERNIDADE ECOLÓGICA: ENSINAR A ÉTICA DO GÊNERO HUMANO 0 A PEDAGOGIA DA FRATERNIDADE ECOLÓGICA: ENSINAR A ÉTICA DO GÊNERO HUMANO (1)Prof. Dr. Samir Cristino de Souza (IFRN) (2) Prof a. Dr a. Maria da Conceição Xavier de Almeida (UFRN) RESUMO A Pedagogia da

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

Faça amizades no trabalho

Faça amizades no trabalho 1 Faça amizades no trabalho Amigos verdadeiros ajudam a melhorar a saúde, tornam a vida melhor e aumentam a satisfação profissional. Você tem um grande amigo no local em que trabalha? A resposta para essa

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

INTRODUÇÃO. A fragilidade do cristal não é fraqueza, mas pureza. Frase do filme Na natureza selvagem

INTRODUÇÃO. A fragilidade do cristal não é fraqueza, mas pureza. Frase do filme Na natureza selvagem INTRODUÇÃO A fragilidade do cristal não é fraqueza, mas pureza. Frase do filme Na natureza selvagem Quero tocar as estrelas Mas já sei Que não poderei Senti-las Pois a viagem É sem volta. Nash Ngaïve,

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

Nós, alunos do 2º A, queremos tratar as pessoas com respeito e amor, estudar com muita dedicação e sempre pensar antes de tomar decisões.

Nós, alunos do 2º A, queremos tratar as pessoas com respeito e amor, estudar com muita dedicação e sempre pensar antes de tomar decisões. Como tratar as pessoas: de uma maneira boa, ajudar todas as pessoas. Como não fazer com os outros: não cuspir, empurrar, chutar, brigar, não xingar, não colocar apelidos, não beliscar, não mentir, não

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental RESUMO Rosa Maria Viana (Universidade Salgado Oliveira/rosamviana@yahoo.com.br) Sandra de Fátima Oliveira (Universidade Federal de Goiá/sanfaoli@iesa.ufg.br)

Leia mais

OFICINA DAS MENINAS. O homem sonha, Deus quer e a obra nasce. F. Pessoa.

OFICINA DAS MENINAS. O homem sonha, Deus quer e a obra nasce. F. Pessoa. OFICINA DAS MENINAS O homem sonha, Deus quer e a obra nasce. F. Pessoa. O fruto de experiências vividas por anos de trabalho na rede social de Araraquara, legou-nos uma bagagem de inquietações que foram

Leia mais

Uma enorme rodinha. Juntando Pedacinhos. Semana de Treinamento. Projeto de Formação Continuada. Carnaval 2014

Uma enorme rodinha. Juntando Pedacinhos. Semana de Treinamento. Projeto de Formação Continuada. Carnaval 2014 Semana de Treinamento Carnaval 2014 Projeto de Formação Continuada Uma enorme rodinha Juntando Pedacinhos Neste momento essa junção de cacos que são muitas de nossas experiências dos anos anteriores, nossas

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto de Vida MACHADO, Nilson José. Projeto de vida. Entrevista concedida ao Diário na Escola-Santo André, em 2004. Disponível em: .

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social O Projeto Social Luminando O LUMINANDO O Luminando surgiu como uma ferramenta de combate à exclusão social de crianças e adolescentes de comunidades

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 728 A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: O presente artigo trata da especificidade da ação pedagógica voltada

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

Carta pela Paz no Mundo

Carta pela Paz no Mundo Carta pela Paz no Mundo Marcus De Mario Esta carta é ao mesmo tempo um apelo à razão e à emoção, procurando falar às mentes e aos corações de todos os homens e mulheres da humanidade, da criança ao idoso,

Leia mais

ECKHART TOLLE O PODER DO AGORA

ECKHART TOLLE O PODER DO AGORA ECKHART TOLLE O PODER DO AGORA ECKHART TOLLE Eckhart Tolle nasceu na Alemanha, onde passou os primeiros treze anos de sua vida. Depois de se formar pela Universidade de Londres, tornou-se pesquisador e

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

ANIMAPROJ LIFE COACHING

ANIMAPROJ LIFE COACHING Valores Pessoais - O que são e como descobrir os seus? Como você tem vivido a sua vida? Para onde você está indo? O que é importante para você? A mais importante jornada da vida é percorrer o caminho entre

Leia mais

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais 14º Encontro Nacional do Congemas CRAS como unidade de gestão local do SUAS 14º Encontro Nacional do Congemas

Leia mais

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 15 2. COMUNICAÇÃO E DIÁLOGO ENTRE PAIS E FILHOS 23 2.1 O problema da comunicação entre pais

Leia mais

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância Instituto Mundo Melhor 2013 por um MUNDO MELHOR A Educação para a Paz como caminho da infância PROJETO O PROGRAMA INFÂNCIA MUNDO MELHOR O Projeto Infância Mundo Melhor investe na capacitação e na formação

Leia mais

Las escuelas de tempo integral: um recurso educativo em Brasil

Las escuelas de tempo integral: um recurso educativo em Brasil REVISTA EDUCACIÓN INCLUSIVA VOL. 5, N.º 3 Las escuelas de tempo integral: um recurso educativo em Brasil (Escolas de tempo integral: un recurso educativo en Brasil) (Integral time schools:an educational

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Cinthia Monteiro de Araújo. Formando sujeitos: as alianças entre o ensino de História e a Educação em Direitos Humanos. Dissertação de Mestrado

Cinthia Monteiro de Araújo. Formando sujeitos: as alianças entre o ensino de História e a Educação em Direitos Humanos. Dissertação de Mestrado Cinthia Monteiro de Araújo Formando sujeitos: as alianças entre o ensino de História e a Educação em Direitos Humanos Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção

Leia mais

Objetivo: Relatar a experiência do desenvolvimento do software Participar. Wilson Veneziano Professor Orientador do projeto CIC/UnB

Objetivo: Relatar a experiência do desenvolvimento do software Participar. Wilson Veneziano Professor Orientador do projeto CIC/UnB Transcrição do vídeo Projeto Participar Duração: 10 minutos e 43 segundos Objetivo: Relatar a experiência do desenvolvimento do software Participar Wilson Veneziano Professor Orientador do projeto CIC/UnB

Leia mais

Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade

Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade 1 Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade Maria Helena de Lima helenal@terra.com.br/helena.lima@ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo. Este artigo constitui

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL * Rita de Cássia Lindner Kaefer **Ana Eleonora Sebrão Assis RESUMO O objetivo do presente artigo é apresentar uma reflexão a respeito da importância

Leia mais

PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO

PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO CONTEXTUALIZAÇÃO DOUTRINA DA SITUAÇÃO IRREGULAR DOUTRINA DA PROTEÇÃO INTEGRAL. Código de menores;. Menores em situação irregular;. Carentes, abandonados,

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISCIPLNAR: EMRC PLANIFICAÇÕES 8º Ano ANO 2008/2009 1/7

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISCIPLNAR: EMRC PLANIFICAÇÕES 8º Ano ANO 2008/2009 1/7 8º Ano ANO 2008/2009 1/7 Módulo 1- O GOSTO PELA AVENTURA Tema 1 - A atracção ao desconhecido Experiência de aventuro. (Situações que exprimem experiências de aventura como a condução de veículos, iniciação

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

Projeto CIRCO-ESCOLA NA BAHIA

Projeto CIRCO-ESCOLA NA BAHIA Projeto CIRCO-ESCOLA NA BAHIA Objetivo geral do projeto O objetivo do projeto Circo-Escola na Bahia é oferecer às crianças e jovens de Serra Grande um espaço privilegiado para que possam desenvolver atividades

Leia mais

Representação no Brasil Caixa Postal 08563

Representação no Brasil Caixa Postal 08563 Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura SAS Quadra 5 Bloco H Lote 6 Telefone: (55-61)2106 3542 Ed. CNPq/IBICT/UNESCO 9 º andar Fax: (55-61) 3322-4261 70070-914 Brasília DF

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

Arte como conhecimento, patrimônio e identidade cultural

Arte como conhecimento, patrimônio e identidade cultural Arte como conhecimento, patrimônio e identidade cultural Rita de Cássia Demarchi Ao abraçar o campo de ensino e aprendizagem de arte é tomado como ponto de partida o princípio de que a arte é uma rica

Leia mais

Meus Valores, Minha Vida O que realmente move você?

Meus Valores, Minha Vida O que realmente move você? Meus Valores, Minha Vida O que realmente move você? Talvez você já tenha pensado a esse respeito, ou não. Se souber definir bem quais são os seus valores, terá uma noção clara de quais são suas prioridades.

Leia mais

Versão compacta para distribuição gratuita. Copyright 2014 Plenitude Soluções Empresariais. mecânicos, fotográficos, gravação ou quaisquer outros.

Versão compacta para distribuição gratuita. Copyright 2014 Plenitude Soluções Empresariais. mecânicos, fotográficos, gravação ou quaisquer outros. DESPERTE SEU PODER INTERIOR Marcia Luz www.marcialuz.com.br 1ª Edição Versão Beta 12/2014 Versão compacta para distribuição gratuita Copyright 2014 Plenitude Soluções Empresariais. Todos os direitos reservados

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões Nosso entrevistado é o Prof. Dr. Rogério da Costa, da PUC-SP. A partir de um consistente referencial teórico-filosófico, mas em uma linguagem simples,

Leia mais

sonhando nova escola nova sociedade com uma e uma Atividade de leitura de clássicos da literatura. Pai voluntário em sala de aula.

sonhando nova escola nova sociedade com uma e uma Atividade de leitura de clássicos da literatura. Pai voluntário em sala de aula. Atividade de leitura de clássicos da literatura. Pai voluntário em sala de aula. 01_IN_CA_FolderTecnico180x230_capa.indd 3 sonhando com uma nova escola e uma nova sociedade 7/24/13 2:16 PM comunidade de

Leia mais

O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Maikon dos Santos Silva 1 Mirian Pacheco Silva 2 RESUMO: Muitos alunos da Educação de Jovens e Adultos não relacionam

Leia mais

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA Familiares, amigos, técnicos administrativos, estudantes, professores, grupo gestor da UNEB, autoridades civis, militares, políticas

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Maribel Manfrim Rohden PUCPR Ana Maria Eyng PUCPR Este trabalho apresenta a reflexão desenvolvida num projeto de

Leia mais

2007 Para Francisco livro em 2008 cinemas em 2015 Hoje Vou Assim 2013, lançou o livro Moda Intuitiva

2007 Para Francisco livro em 2008 cinemas em 2015 Hoje Vou Assim 2013, lançou o livro Moda Intuitiva CR I S G U E R R A p u b l i c i tá r i a, e s c r i to r a e pa l e s t r a N t e PERFIL Começou sua trajetória na internet em 2007, escrevendo o blog Para Francisco, que virou livro em 2008 e irá para

Leia mais

Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio

Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio João Victor Maceno Lacerda 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância Resumo: Neste

Leia mais

O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO. Profa. Dra. Luci Bonini

O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO. Profa. Dra. Luci Bonini O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO Profa. Dra. Luci Bonini Desde a assinatura da Declaração Universal dos Direitos Humanos, alguns órgãos da sociedade têm se manifestado no sentido de promover as garantias

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO JAMILLE ARNAUT BRITO MORAES HABILIDADES METALINGUÍSTICAS E SUAS INTERCORRÊNCIAS NA ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS Salvador

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Para início de conversa 9. Família, a Cia. Ltda. 13. Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35. Cardápio de lembranças 53

Para início de conversa 9. Família, a Cia. Ltda. 13. Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35. Cardápio de lembranças 53 Rio de Janeiro Sumário Para início de conversa 9 Família, a Cia. Ltda. 13 Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35 Cardápio de lembranças 53 O que o homem não vê, a mulher sente 75 Relacionamentos: as Cias.

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO

O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO Trata-se do ponto de partida do processo de sistematização. Neste momento é importante considerar os elementos

Leia mais

PROGRAMA ESCOLA DA INTELIGÊNCIA - Grupo III ao 5º Ano

PROGRAMA ESCOLA DA INTELIGÊNCIA - Grupo III ao 5º Ano ... CEFF - CENTRO EDUCACIONAL FAZENDINHA FELIZ Rua Professor Jones, 1513 - Centro - Linhares / ES - CEP. 29.900-131 - Telefone: (27) 3371-2265 www.escolafazendinhafeliz.com.br... Ao colocar seu filho na

Leia mais

Luciléia Pereira. Dissertação de Mestrado

Luciléia Pereira. Dissertação de Mestrado Luciléia Pereira JUVENTUDE, PARTICIPAÇÃO E DIREITOS Um olhar para as percepções de jovens do Rio de Janeiro sobre sua participação no PROJOVEM (Programa Nacional de Inclusão de Jovens: Educação Qualificação

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

100 FRASES para um dia mais feliz. de Ana Flávia Miziara

100 FRASES para um dia mais feliz. de Ana Flávia Miziara 100 FRASES para um dia mais feliz de Ana Flávia Miziara Você está alegre? A vida está sorrindo para você? Você se lembrou de sorrir hoje? Lembre-se que a alegria é a fartura da vida e da mente. A vida

Leia mais

Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando

Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando Cipriano Carlos Luckesi 1 Recentemente participei, no Programa de Mestrado em Educação, da Universidade do Estado da Bahia --- UNEB, Campus de Salvador,

Leia mais

Medicina de corpo e alma

Medicina de corpo e alma Entrevista Revista 15 Medicina de corpo e alma A vontade inicial de ser engenheiro mudou no colégio, quando o jovem Ildefonso não aprovou o comportamento do pessoal que se preparava para a engenharia,

Leia mais

COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS

COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS OPÇÕES DE LOGO 1. Psicotraumatologia Clínica 2. PSICOTRAUMATOLOGIA CLÍNICA psicotraumatologia clínica Todos já perdemos ou perderemos pessoas queridas e, geralmente,

Leia mais

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS Irmgard Birmoser de Matos Ferreira 1 Apresento aqui algumas reflexões sobre aspectos presentes na experiência do brincar que me parecem merecer

Leia mais

E INTERVENÇÃO AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR: INVESTIGAÇÃO

E INTERVENÇÃO AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR: INVESTIGAÇÃO AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR: INVESTIGAÇÃO E INTERVENÇÃO Ponto de vista. Avaliar a aprendizagem é um ato de cuidar do estudante, tendo em vista a obtenção dos melhores resultados em termos de seu

Leia mais

ESTUDAR TUDO PARA QUÊ, SE OS PROFESSORES NÃO LEVAM TUDO EM CONSIDERAÇÃO? Cipriano Carlos Luckesi 1

ESTUDAR TUDO PARA QUÊ, SE OS PROFESSORES NÃO LEVAM TUDO EM CONSIDERAÇÃO? Cipriano Carlos Luckesi 1 ESTUDAR TUDO PARA QUÊ, SE OS PROFESSORES NÃO LEVAM TUDO EM CONSIDERAÇÃO? Cipriano Carlos Luckesi 1 Recentemente, na oportunidade de uma conferência na cidade do Rio de Janeiro, abordando o tema de uma

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

PRÁTICAS E VIVÊNCIAS 1

PRÁTICAS E VIVÊNCIAS 1 1 PRÁTICAS E VIVÊNCIAS 1 Cintia Taiza Klein 2 Patrícia Luiza Klein Santos 3 Marilete Staub 4 Jair André Turcatto 5 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho busca apresentar algumas atividades e vivências desenvolvidas

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programas Espaço de Convivência da Melhor Idade e LBV Criança: Futuro no Presente!

Mostra de Projetos 2011. Programas Espaço de Convivência da Melhor Idade e LBV Criança: Futuro no Presente! Mostra de Projetos 2011 Programas Espaço de Convivência da Melhor Idade e LBV Criança: Futuro no Presente! Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais.

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento

Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento 2 Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento 33 Na relação social é contar com uma presença humana positiva que seja capaz de ver a força e a beleza dessa presença e manifestação do

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Iniciação à PNL. www.cursosbrasil.com.br. Produção. Parte 2. Jimmy L. Mello. www.brasilpnl.com.br. www.brasilpnl.com.br

Iniciação à PNL. www.cursosbrasil.com.br. Produção. Parte 2. Jimmy L. Mello. www.brasilpnl.com.br. www.brasilpnl.com.br Serie: Cursos Profissionalizantes Brasil PNL Formação em "Programação neurolingüística" (PNL) Curso Gratuito Produção www.cursosbrasil.com.br Iniciação à PNL Parte 2 Jimmy L. Mello Distribuição gratuita

Leia mais

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas.

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas. ESCOLA MUNICIPAL BUENA VISTA Goiânia, 19 de junho de 2013. - Turma: Mestre de Obras e Operador de computador - 62 alunos 33 responderam ao questionário Orientador-formador: Marilurdes Santos de Oliveira

Leia mais

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL Viviane Cardoso¹ Resumo: O objetivo desse artigo é refletir como os ideais da pedagogia freireana tem contribuído para as práticas

Leia mais

AVANÇOS NAS CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DA AVALIAÇÃO

AVANÇOS NAS CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DA AVALIAÇÃO AVANÇOS NAS CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DA AVALIAÇÃO 1 Jussara Hoffmann Sobre a avaliação Para se debater o sistema de avaliação das aprendizagens, primeiro é preciso compreender o termo avaliar com a amplitude

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Às vezes eu tenho medo Autor: Michaelene Mundy Ilustrações: Anne Fitzgerald Coleção: Às vezes eu tenho medo Formato: 20,5 cm

Leia mais

NOSSO CURRÍCULO A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS. Adotamos uma pedagogia:

NOSSO CURRÍCULO A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS. Adotamos uma pedagogia: A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS NOSSO CURRÍCULO Adotamos uma pedagogia: - que faz da escola uma instância efetiva de assimilação crítica, sistemática e integradora do saber e da cultura geral; - que trata os

Leia mais

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú Catalogação: Cleide de Albuquerque Moreira Bibliotecária/CRB 1100 Revisão final: Karla Bento de Carvalho Projeto Gráfico: Fernando Selleri Silva Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO Autores: Rúbia Ribeiro LEÃO; Letícia Érica Gonçalves

Leia mais

XIII Congresso Estadual das APAEs

XIII Congresso Estadual das APAEs XIII Congresso Estadual das APAEs IV Fórum de Autodefensores 28 a 30 de março de 2010 Parque Vila Germânica, Setor 2 Blumenau (SC), BRASIL A IMPORTÂNCIA E SIGNIFICÂNCIA DO TRABALHO EM EQUIPE INTERDISCIPLINAR

Leia mais

Palavras chaves: espaço público, cidadania, educação, arte.

Palavras chaves: espaço público, cidadania, educação, arte. 1 ESPORTE, ARTE E EDUCAÇÃO INTERVENÇÕES EM UM ESPAÇO PÚBLICO Profª Ketlin Elisa Thomé Wenceslau Fiocco Resumo: Todos os anos o Colégio Arautos organiza um projeto interdisciplinar que tem como proposta

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais