ETAPAS. 1. Contextualização; 2. Abrangência; 3. Pregão Nº 811/2012 DNIT; 4. TED Nº 290/2014 DNIT/COTER; 5. Situação Atual; 6.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ETAPAS. 1. Contextualização; 2. Abrangência; 3. Pregão Nº 811/2012 DNIT; 4. TED Nº 290/2014 DNIT/COTER; 5. Situação Atual; 6."

Transcrição

1 Brasília, 2014

2 ETAPAS 1. Contextualização; 2. Abrangência; 3. Pregão Nº 811/2012 DNIT; 4. TED Nº 290/2014 DNIT/COTER; 5. Situação Atual; 6. Encerramento

3 CONTEXTUALIZAÇÃO Histórico 1975 Programa de Contagem Sistemática de Trânsito (RJ,SP e MG) 14 Postos 1977 Início do PNCT 120 Postos 1989 PNCT 235 Postos 1998 PNCT 285 Postos 2001 PNCT Paralisação das Contagens

4 CONTEXTUALIZAÇÃO anos 11 anos Construção do Modelo de Rede Representando o Comportamento dos Usuários na Malha Rodoviária Federal Determinação dos Fatores de Correção Sazonal Determinação do Volume Médio Diário Anual para toda Malha Rodoviária Federal Quebra da Continuidade das Pesquisas de Tráfego Perda da Memória Operacional nas Rodovias Federais

5 CONTEXTUALIZAÇÃO Atualmente existe uma carência de dados sobre o comportamento do tráfego nas rodovias brasileiras!

6 ABRANGÊNCIA Projetos do Novo PNCT: 1. Contagem de Tráfego Pregão Nº 811/2012 DNIT 2. Pesquisa Origem Destino Termo de Execução Descentralizada TED Nº 290/2014 DNIT/COTER

7 ABRANGÊNCIA Edital: Pregão Nº 811/2012 DNIT: Total: 5 lotes 4 lotes - atividade de contagem permanente: 320 postos fixos de coleta permanente 1 lote - gestão do sistema PNCT e contagens de coberturas: 288 Faixas monitoradas

8 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT

9 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT COLETA PERMANENTE Os equipamentos consistem em um dispositivo receptor e utilizam laços indutivos e sensores piezo elétricos.

10 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT COLETA PERMANENTE Dados gerados: Volume; Classificação; Velocidade de Operação; Peso Estatístico (PBT e p/eixo).

11 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT COLETA DE COBERTURA Validação da metodologia aplicada para a localização dos postos de coleta permanente. Funcionamento: 24 horas por dia; 7 dias por semana, consecutivos; Utiliza tecnologia pneumática.

12 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT COLETA DE COBERTURA Dados gerados: Volume; Classificação; Velocidade de Operação.

13 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT Empresas Envolvidas: Lotes 1, 2 e 4 - Velsis Sistema e Tecnologia Viária Ltda. Lote 3 - Fiscaltech Tráfego e Automação Ltda. Lote 5 -VETEC Engenharia Ltda.

14 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT Equipe DNIT: Fiscais: Carlos Alberto Abramides; Nilo Flávio Rosa Campos Júnior. Colaboradores: Daiane Maciel Correia; Erich Wolff.

15 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT FASE DA IMPLANTAÇÃO COLETA PERMANENTE: Vistoria; Aprovação do local proposto; Instalação do equipamento; Certificação; Inicio de Operação.

16 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT SIG PNCT Sistema de Dados Recebimento e publicação da composição estatística dos dados recebidos dos equipamentos de contagem. Auxilio a FISCALIZAÇÃO nos processos de medições.

17 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT SIG PNCT Sistema de Dados Validação dos dados enviados (consistência e integridade); Qualidade dos dados (tratamento e avaliação).

18 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT SIG PNCT Sistema de Dados

19 TED Nº 290/2014 DNIT/COTER OBJETIVOS: Caracterização do fluxo de veículos nas rodovias federais, identificando o comportamento do usuário; Elaboração de Modelo Matemático de Estimativa de Tráfego Médio Diário Anual; Assessoria especializada na implantação do PNCT; Capacitação de corpo técnico do DNIT em temas e ferramentas relacionadas a Engenharia de Tráfego.

20 TED Nº 290/2014 DNIT/COTER Abrangência: 300 pontos de contagem para realização da Pesquisa Origem e Destino, divididos em 4 campanhas de levantamento ( ); 4 Fases de Trabalho: Fase I Planejamento das Pesquisas de Campo; Fase II Realização das Pesquisas de Campo; Fase III Formação de Base de Dados e Modelagem de Transportes; Fase IV Assessoria Especializada à Implantação do PNCT.

21 TED Nº 290/2014 DNIT/COTER SITUAÇÃO ATUAL: Definido fluxograma de dados para compor as perguntas da Pesquisa Origem e Destino; Definição dos primeiros 60 pontos para o início da 1ª campanha de 2014: Goiás e Mato Grosso do Sul; Minas Gerais (triângulo mineiro e divisa com SP); São Paulo (região oeste). Padronização das classes de veículos entre a contagem do PNCT e a Pesquisa de Origem e Destino; Assessoria a demandas do DNIT.

22 SITUAÇÃO ATUAL RESUMO: CONTAGEM DE TRÁFEGO - PNCT Pontos Previstos 320 Em análise - DNIT % Aguardando Intervenção - DNIT 18 6% Autorizado (DNIT) 71 22% Aguardando relatório de vistoria 0 0% Instalação programada - EMPRESA 21 7% Vandalizado ou inoperante 2 1% Instalados-Em certificação 38 12% Pontos em Operação 69 22%

23 MAPA DA SITUAÇÃO ATUAL Pregão Nº 811/2012 DNIT - PNCT

24 ENCERRAMENTO O pleno funcionamento do PNCT representa ganhos para as atividades de planejamento da infraestrutura de transportes do país!

25 ENCERRAMENTO OBRIGADO! Carlos Albeto Abramides

A RETOMADA DA CONTAGEM DE TRÁFEGO RODOVIÁRIO E ATRIBUIÇÃO DOS COMPONENTES DO PLANO NACIONAL DE CONTAGEM DE TRÁFEGO

A RETOMADA DA CONTAGEM DE TRÁFEGO RODOVIÁRIO E ATRIBUIÇÃO DOS COMPONENTES DO PLANO NACIONAL DE CONTAGEM DE TRÁFEGO A RETOMADA DA CONTAGEM DE TRÁFEGO RODOVIÁRIO E ATRIBUIÇÃO DOS COMPONENTES DO PLANO NACIONAL DE CONTAGEM DE TRÁFEGO Leonel Antônio da Rocha Teixeira Júnior Carlos Alberto Abramides Nilo Flávio Rosa Campos

Leia mais

DIRETORIA DE INFRA-ESTRUTURA RODOVIÁRIA - DIR COORDENAÇÃO-GERAL DE OPERAÇÕES RODOVIÁRIAS CGPERT/DIR. Brasília Setembro de 2008

DIRETORIA DE INFRA-ESTRUTURA RODOVIÁRIA - DIR COORDENAÇÃO-GERAL DE OPERAÇÕES RODOVIÁRIAS CGPERT/DIR. Brasília Setembro de 2008 DIRETORIA DE INFRA-ESTRUTURA RODOVIÁRIA - DIR COORDENAÇÃO-GERAL DE OPERAÇÕES RODOVIÁRIAS CGPERT/DIR PROGRAMA DE SEGURANÇA NAS RODOVIAS FEDERAIS Brasília Setembro de 2008 Sumário 1. Características do Problema

Leia mais

Posto Integrado Automatizado de Fiscalização. 15 de setembro de 2015

Posto Integrado Automatizado de Fiscalização. 15 de setembro de 2015 Posto Integrado Automatizado de Fiscalização 15 de setembro de 2015 Objetivos da apresentação Visão Geral do PIAF Alteração da Legislação de pesagem Modelo de Contratação Anteprojeto Implementação e Futuro

Leia mais

PROJETO BÁSICO E EXECUTIVO DE ENGENHARIA PARA RESTAURAÇÃO/MANUTENÇÃO DE RODOVIA - C.R.E.M.A 2ª ETAPA

PROJETO BÁSICO E EXECUTIVO DE ENGENHARIA PARA RESTAURAÇÃO/MANUTENÇÃO DE RODOVIA - C.R.E.M.A 2ª ETAPA R E P Ú B L I C A F E D E R A T I V A D O B R A S I L M I N I S T É R I O D O S T R A N S P O R T E S DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES-DNIT SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO DNIT NO ESTADO

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE FAIXA ADICIONAL NA MG-354 NO TRECHO DE PATOS DE MINAS A PRESIDENTE OLEGARIO

IMPLANTAÇÃO DE FAIXA ADICIONAL NA MG-354 NO TRECHO DE PATOS DE MINAS A PRESIDENTE OLEGARIO IMPLANTAÇÃO DE FAIXA ADICIONAL NA MG-354 NO TRECHO DE PATOS DE MINAS A PRESIDENTE OLEGARIO Caio Cesar Silva Oliveira (1) ; Gustavo Pereira de Andrade (2), Diego Henrique Mota (3). (1) Graduando em Engenharia

Leia mais

2 o. Relatório de Acompanhamento dos Estudos BR-101/ES, BR-101/BA e BR-470/SC. 22 de abril de 2009

2 o. Relatório de Acompanhamento dos Estudos BR-101/ES, BR-101/BA e BR-470/SC. 22 de abril de 2009 2 o. Relatório de Acompanhamento dos Estudos BR-101/ES, BR-101/BA e BR-470/SC 22 de abril de 2009 Fases e principais atividades dos estudos Estudo de tráfego Estudo de engenharia Estudo jurídicoregulatório

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidades 06 Recebimento de materiais Conceito de qualidade Padrões de qualidade Inspeção de qualidade Recebimento quantitativo Procedimentos operacionais

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos DESAFIOS PARA TRATAMENTO E DISPOSIÇÃO FINAL RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAUDE- MG Cenário resíduos de serviços de saúde em Minas Gerais Regulamentação

Leia mais

Determinação Volume Tráfego

Determinação Volume Tráfego Departamento de Eng. Produção Engenharia de Tráfego Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 Determinação Volume Tráfego 2 1 - VMDa (AADT) - Volume médio diário

Leia mais

Seminário IBRE Infraestrutura no Brasilperspectivas. nas áreas de construção, saneamento, transporte e logística

Seminário IBRE Infraestrutura no Brasilperspectivas. nas áreas de construção, saneamento, transporte e logística Seminário IBRE Infraestrutura no Brasilperspectivas e desafios nas áreas de construção, saneamento, transporte e logística Projetos e Programas de Investimentos para o Setor de Infraestrutura no Brasil

Leia mais

A Copel Atua em 10 estados

A Copel Atua em 10 estados Copel Distribuição A Copel Atua em 10 estados Copel Holding Copel Geração e Transmissão Copel Renováveis Copel Distribuição Copel Telecomunicações Distribuição 4º maior distribuidora de energia do Brasil

Leia mais

As Fases de um Projeto

As Fases de um Projeto Mesa Redonda Fatores Críticos de Engenharia e Projeto na Indústria Siderúrgica 1 Fases de um Projeto 2 Fases de um Projeto 3 Identificação do negócio Fase Conceitual Determinação dos investidores Pré-dimensionamento

Leia mais

Secretaria de Política Nacional de Transportes. Pesquisa Nacional de Tráfego 2011

Secretaria de Política Nacional de Transportes. Pesquisa Nacional de Tráfego 2011 Secretaria de Política Nacional de Transportes Pesquisa Nacional de Tráfego 2011 Quem não mede, não gerencia. Quem não gerencia, não melhora." (J. Juran) Marcelo Sampaio Cunha Filho Agenda Introdução Objetivos

Leia mais

Conforme Resolução 396/11 CONTRAN O preenchimento de cada item deverá seguir as instruções em vermelho. 36 ANEXO I A - ESTUDO TÉCNICO: INSTALAÇÃO DE INSTRUMENTOS OU EQUIPAMENTOS MEDIDORES DE VELOCIDADE

Leia mais

Pesquisa de Araranguá sobre Pesagem em Movimento

Pesquisa de Araranguá sobre Pesagem em Movimento Pesquisa de Araranguá sobre Pesagem em Movimento Autor: MARCIO ROBERTO DE LIMA PAIVA, DSc Engenheiro Pesquisador em Transportes FAPEU Fundação de Amparo à Pesquisa e Extensão Universitária UFSC - Universidade

Leia mais

Investimentos em Infraestrutura de Transportes

Investimentos em Infraestrutura de Transportes Investimentos em Infraestrutura de Transportes AGOSTO/2015 Superintendência Regional do DNIT em Santa Catarina O DNIT é responsável por implementar a política de infraestrutura do Sistema Federal de Viação,

Leia mais

IAR 01: RELATÓRIOS PERIÓDICOS RP

IAR 01: RELATÓRIOS PERIÓDICOS RP GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE TRANSPORTES E PAVIMENTAÇÃO URBANA Gerência de Estudos e Projetos IAR 01: RELATÓRIOS PERIÓDICOS RP 1 CONTEÚDO Os Relatórios Periódicos RP, devem

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. Estradas 2 Numero N

Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. Estradas 2 Numero N Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas FACET Curso: Bacharelado em Engenharia Civil Estradas 2 Numero N Prof. Me. Arnaldo Taveira Chioveto AASHTO - American

Leia mais

Departamento de Estradas de Rodagem

Departamento de Estradas de Rodagem Departamento de Estradas de Rodagem Planos e Ações Transporte Rodoviário de Carga MISSÃO Administrar o sistema rodoviário estadual, sua integração com as rodovias municipais e federais e sua interação

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA PLANO DE TRABALHO Bacabeira-MA 2015 1. INTRODUÇÃO O presente Plano de Trabalho refere-se ao contrato firmado entre a Prefeitura Municipal de Bacabeira e a empresa de consultoria especializada de razão

Leia mais

SOLUÇÕES TÉCNICAS, CUSTO E QUALIDADE

SOLUÇÕES TÉCNICAS, CUSTO E QUALIDADE VISÃO GLOBAL CONSULTORIA EM GESTÃO INDUSTRIAL; ADEQUAÇÕES AS NORMAS REGULAMENTADORAS; CONSULTORIA INDUSTRIAL RELAÇÃO SINDICAL E COM O M.T.E. GESTÃO DE PESSOAS EFICIÊNCIA PRODUTIVIDADE ORGANIZAÇÃO PRODUÇÃO

Leia mais

DADOS: RODOVIA BR 235

DADOS: RODOVIA BR 235 DADOS: RODOVIA BR 235 CONSTRUTORA CONSÓRCIO EMPA/CCM/CCL SUPERVISÃO ETEL ESTUDOS TÉCNICOS LTDA Rodovia : BR 235/BA Trecho : Div. SE/BA Entr. BR 122/407/423/BA (Div. BA/PE) (Juazeiro/Petrolina Subtrecho

Leia mais

Elaboração do Plano de Mobilidade Urbana Segurança de Trânsito

Elaboração do Plano de Mobilidade Urbana Segurança de Trânsito Elaboração do Plano de Mobilidade Urbana Segurança de Trânsito Parauapebas, 11 de novembro de 2014 Apoio: Realização: Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Ministério das Cidades Caracterização

Leia mais

ENGENHARIA DE TRÁFEGO

ENGENHARIA DE TRÁFEGO ENGENHARIA DE TRÁFEGO Capítulo 1: A ENGENHARIA DE TRÁFEGO trata de atividades presentes no nosso dia a dia: a mobilidade das pessoas, o transporte de bens e sua relação com o ambiente tem importante função

Leia mais

1 - A capacidade de fluxo que corresponde a capacidade máxima que pode passar pelo arco.

1 - A capacidade de fluxo que corresponde a capacidade máxima que pode passar pelo arco. CONCEITOS DE REDE Uma rede é formada por um conjunto de nós, um conjunto de arcos e de parâmetros associados aos arcos. Nós Arcos Fluxo Interseções Rodovias Veículos Rodoviários Aeroportos Aerovia Aviões

Leia mais

Rodrigo Passos Cunha Gerente Divisão da Divisão de Avaliação de Empreendimentos de Transportes -IET

Rodrigo Passos Cunha Gerente Divisão da Divisão de Avaliação de Empreendimentos de Transportes -IET Avaliação dos níveis de ruído no licenciamento ambiental de sistemas lineares de transporte no estado de São Paulo Aplicação das Decisões de Diretoria CETESB DD n 100/2009/P e DD nº 389/2010/P Rodrigo

Leia mais

FIGURA PORCENTAGEM DAS ESTRADAS PAVIMENTADAS E NÃO-PAVIMENTADAS (MUNICIPAIS E ESTADUAIS) NO ESTADO DE SÃO PAULO.

FIGURA PORCENTAGEM DAS ESTRADAS PAVIMENTADAS E NÃO-PAVIMENTADAS (MUNICIPAIS E ESTADUAIS) NO ESTADO DE SÃO PAULO. 1 1 - Introdução As estradas não-pavimentadas representam um importante meio de ligação entre as áreas rurais e urbanas. Servem para escoar produtos e safras e proporcionam aos moradores do campo acesso

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS BDI

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS BDI PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS BDI Professora: Eng. Civil Mayara Custódio, Msc. Definições BDI: Uma taxa que se adiciona ao custo de uma obra para cobrir as despesas indiretas que tem o construtor, mais

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE MINAS GERAIS. Câmaras Temáticas de Rodovias Federais BR040, BR383, BR482, BR499 e BR265

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE MINAS GERAIS. Câmaras Temáticas de Rodovias Federais BR040, BR383, BR482, BR499 e BR265 SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE MINAS GERAIS Câmaras Temáticas de Rodovias Federais BR040, BR383, BR482, BR499 e BR265 Novembro - 2013 Mapa das Rodovias sob Jurisdição do DNIT BR 040 BR 265 BR 482 BR 499

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO E LEGISLAÇÃO DE TRANSPORTES URBANOS (PARA O CARGO DE AUXILIAR DE FISCAL DE

LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO E LEGISLAÇÃO DE TRANSPORTES URBANOS (PARA O CARGO DE AUXILIAR DE FISCAL DE LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO E LEGISLAÇÃO DE TRANSPORTES URBANOS (PARA O CARGO DE AUXILIAR DE FISCAL DE TRANSPORTES URBANOS de acordo com o Edital do concurso da Secretaria Municipal de Transporte do Rio de

Leia mais

COMUNICAÇÕES TÉCNICAS 21º CONGRESSO BRASILEIRO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO SÃO PAULO 28, 29 E 30 DE JUNHO DE 2017

COMUNICAÇÕES TÉCNICAS 21º CONGRESSO BRASILEIRO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO SÃO PAULO 28, 29 E 30 DE JUNHO DE 2017 COMUNICAÇÕES TÉCNICAS 21º CONGRESSO BRASILEIRO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO SÃO PAULO 28, 29 E 30 DE JUNHO DE 2017 A ANTP convida a todos os integrantes das entidades associadas, seus membros individuais e

Leia mais

Aplicação de Sistemas de Pesagem em Movimento no Brasil

Aplicação de Sistemas de Pesagem em Movimento no Brasil Aplicação de Sistemas de Pesagem em Movimento no Brasil Autor: LUIZ CLÁUDIO DOS SANTOS VAREJÃO, Econ. Coordenador Geral de Operações Rodoviárias - CGPERT DNIT - Departamento Nacional de Infraestrutura

Leia mais

Sistema de Transporte Inteligente de Pessoas - ITS- Distrito Federal

Sistema de Transporte Inteligente de Pessoas - ITS- Distrito Federal Sistema de Transporte Inteligente de Pessoas - ITS- Distrito Federal Sistema de Transporte Inteligente de Pessoas ITS Conceito Solução / Monitorar e controlar o tráfego / Região Conjunto de Sistemas inteligentes

Leia mais

Pesquisa Nacional de Tráfego

Pesquisa Nacional de Tráfego Pesquisa Nacional de Tráfego Secretaria de Política Nacional de Transportes Departamento de Informações em Transportes DEINT Junho de 2015 Ministério dos Transportes Agenda 1. Processo de Planejamento

Leia mais

Aplicação da Tecnologia GI 2 S para diagnóstico de Rodovias, Sistemas Metro-Ferroviários e Sítios Urbanos

Aplicação da Tecnologia GI 2 S para diagnóstico de Rodovias, Sistemas Metro-Ferroviários e Sítios Urbanos Aplicação da Tecnologia GI 2 S para diagnóstico de Rodovias, Sistemas Metro-Ferroviários e Sítios Urbanos Por Paulo Benites 9ª Semana de Tecnologia Metroviária APRESENTAÇÃO Ferramenta gerencial de controle

Leia mais

CCR MSVIA Novembro de IV Seminário A aplicação do SIG na Gestão Pública Municipal

CCR MSVIA Novembro de IV Seminário A aplicação do SIG na Gestão Pública Municipal CCR MSVIA Novembro de 2015 IV Seminário A aplicação do SIG na Gestão Pública Municipal O Negócio da CCR Viabilizar Soluções de Investimentos e Serviços em Infraestrutura, contribuindo para o Desenvolvimento

Leia mais

APLICAÇÃO DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS PARA ESTIMAR MATRIZ ORIGEM-DESTINO DE CARGA

APLICAÇÃO DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS PARA ESTIMAR MATRIZ ORIGEM-DESTINO DE CARGA APLICAÇÃO DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS PARA ESTIMAR MATRIZ ORIGEM-DESTINO DE CARGA Daniel Neves Schmitz Gonçalves Luiz Antonio Silveira Lopes Marcelino Aurelio Vieira da Silva APLICAÇÃO DE REDES NEURAIS

Leia mais

4ª ANÁLISE EXPEDITA DAS OBRAS DE DUPLICAÇÃO DA BR-101/SC-Sul Trecho Palhoça - Divisa Estadual com o Rio Grande do Sul Dezembro/2011

4ª ANÁLISE EXPEDITA DAS OBRAS DE DUPLICAÇÃO DA BR-101/SC-Sul Trecho Palhoça - Divisa Estadual com o Rio Grande do Sul Dezembro/2011 4ª ANÁLISE EXPEDITA DAS OBRAS DE DUPLICAÇÃO DA BR-101/SC-SUL Trecho Palhoça - Divisa Estadual com o Rio Grande do Sul Dezembro/2011 Realização: Apoio: Execução: 4ª ANÁLISE EXPEDITA DAS OBRAS DE DUPLICAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 340, de 06 de novembro de 2007.

Leia mais

A Utilização de Redes Neurais Como Ferramenta de Auxílio no. Terminais de Sistemas Metroferroviários.

A Utilização de Redes Neurais Como Ferramenta de Auxílio no. Terminais de Sistemas Metroferroviários. A Utilização de Redes Neurais Como Ferramenta de Auxílio no Planejamento para a Implantação de Terminais de Sistemas Metroferroviários. Redes Neurais Primeiras pesquisas em 1943 Interesse recente na comunidade

Leia mais

DNIT - CALENDÁRIO DE LICITAÇÕES - OBRAS 30/10/2017

DNIT - CALENDÁRIO DE LICITAÇÕES - OBRAS 30/10/2017 30/10/17 9:00 GO 0376/17-12 Pregão Eletrônico - Contratação de empresa para a Execução dos Serviços de Conservação/Manutenção Rodoviária na BR- 364/GO, trecho: DIV. MG/GO DIV. GO/MT, subtrecho: ENTR. BR-359/GO-341(A)

Leia mais

Atendimento do Governo às Reivindicações dos Caminhoneiros. Fórum Permanente do Transporte Rodoviário de Cargas

Atendimento do Governo às Reivindicações dos Caminhoneiros. Fórum Permanente do Transporte Rodoviário de Cargas Atendimento do Governo às Reivindicações dos Caminhoneiros Fórum Permanente do Transporte Rodoviário de Cargas Brasília, 28/10/2015 Ata de Reunião Ata da reunião realizada em 25 de fevereiro de 2015, no

Leia mais

Oportunidades de Investimento no Brasil

Oportunidades de Investimento no Brasil Oportunidades de Investimento no Brasil 8º Encontro de Logística e Transportes A Hora do Investimento Privado DINO ANTUNES DIAS BATISTA Ministério dos Transportes Sumário Marinha Mercante PIL Programa

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES 2º Seminário de OPERAÇÃO DE RODOVIAS Centro Nacional de Supervisão Operacional CNSO e Uso de Sistemas Inteligentes de Transportes-ITS nas Rodovias sob Concessão

Leia mais

Implantação e Pavimentação da BR-285/RS/SC Obras e Programas Ambientais. Traçando novos horizontes

Implantação e Pavimentação da BR-285/RS/SC Obras e Programas Ambientais. Traçando novos horizontes Implantação e Pavimentação da BR-285/RS/SC Obras e Programas Ambientais Traçando novos horizontes Vídeo Serra da Rocinha antes das obras Fontes: www.youtube.com/watch?v=v9baakzbi2c, www.youtube.com/watch?v=86fmlmrf3fi,

Leia mais

PLANO DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS COPA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA. DEZEMBRO DE 2015

PLANO DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS COPA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA. DEZEMBRO DE 2015 PLANO DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS DA COPA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA. DEZEMBRO DE 2015 1. INTRODUÇÃO 1.1. Objetivo As atividades desenvolvidas pela Copa Gestão de Investimentos Ltda. ( Copa Investimentos

Leia mais

IV Workshop Rodovias Federais Região Central Alto Paraopeba BR 040, 265, 383, 482 e 499

IV Workshop Rodovias Federais Região Central Alto Paraopeba BR 040, 265, 383, 482 e 499 IV Workshop Rodovias Federais Região Central Alto Paraopeba BR 040, 265, 383, 482 e 499 Realização Apoio Câmaras Temáticas do CREAMG Conceito: esferas técnicas de articulação e planejamento do CREAMG,

Leia mais

equipamentos eletrônicos de trânsito e segurança pública

equipamentos eletrônicos de trânsito e segurança pública equipamentos eletrônicos de trânsito e segurança pública Nós somos a Splice, uma empresa com orgulho de ser brasileira. A empresa Splice Mobilidade Urbana (fundada inicialmente com o nome de Splice do

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. SDCD - Sistema Digital de Controle Distribuído

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. SDCD - Sistema Digital de Controle Distribuído Sistema Sistema Digital Digital de de Controle Controle Distribuído Distribuído SLIDE - 1 INTRODUÇÃO: AUTOMAÇÃO: Qualquer sistema, apoiado por computadores, que substitua o trabalho humano e que vise soluções

Leia mais

Sistema de Gestão de Protocolo Eletrônico

Sistema de Gestão de Protocolo Eletrônico Sistema de Gestão de Protocolo Eletrônico Secretaria de Estado da Administração - SEA Gestão de Pessoas Sistemas administrativos Gestão de Materiais e Serviços Gestão Patrimonial Ouvidoria Gestão de Tecnologia

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO NT-16

PLANO DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO NT-16 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Definições 4 Referências normativas 5 Procedimentos ANEXOS A Planilha de levantamento de dados B Fluxograma do Plano de Intervenção de Incêndio 1 Objetivo Esta Norma Técnica

Leia mais

PROJETO HUMANIZAÇÃO DAS RODOVIAS CATARINENSES PROPOSTA DO GT RODOVIAS OESTE SC DO FUTURO

PROJETO HUMANIZAÇÃO DAS RODOVIAS CATARINENSES PROPOSTA DO GT RODOVIAS OESTE SC DO FUTURO fiesc.com.br PROJETO HUMANIZAÇÃO DAS RODOVIAS CATARINENSES PROPOSTA DO GT RODOVIAS OESTE SC DO FUTURO fiesc.com.br MARIO CEZAR DE AGUIAR PRESIDENTE DA CÂMARA DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA DA FIESC Humanização

Leia mais

Seminário Internacional Pré-COSALFA. Assunção-Paraguai, 7 de maio de Tema III: Vacinação

Seminário Internacional Pré-COSALFA. Assunção-Paraguai, 7 de maio de Tema III: Vacinação BRASIL Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa Seminário Internacional Pré-COSALFA Assunção-Paraguai, 7 de maio de 2012 Tema III: Vacinação Secretaria de Defesa Agropecuária Departamento

Leia mais

Sistema de Análise dos Componentes da Qualidade da Água - ACQUA

Sistema de Análise dos Componentes da Qualidade da Água - ACQUA Sistema de Análise dos Componentes da Qualidade da Água - ACQUA Samara Fernanda da Silva Flávia Bezerra Amorim Arlinda Coelho Joana Paixão Josafá Soares de Souza Júnior Contextualização Parceria ente o

Leia mais

ISF 221: PROJETO DE PASSAGEM EM NÍVEL. O projeto de passagem em nível será desenvolvido em duas fases:

ISF 221: PROJETO DE PASSAGEM EM NÍVEL. O projeto de passagem em nível será desenvolvido em duas fases: ISF 221: PROJETO DE PASSAGEM EM NÍVEL 1. OBJETIVO Definir os requisitos de projeto na área de abrangência da travessia, no mesmo plano horizontal, da via férrea com a via rodoviária, bem como promover

Leia mais

CAPACITAÇÃO E ATRIBUIÇÃO PROFISSIONAL. Eng. Rodolfo More Diretor Financeiro do Crea-SP

CAPACITAÇÃO E ATRIBUIÇÃO PROFISSIONAL. Eng. Rodolfo More Diretor Financeiro do Crea-SP CAPACITAÇÃO E ATRIBUIÇÃO PROFISSIONAL Eng. Rodolfo More Diretor Financeiro do Crea-SP Lei 5194/1966 Art. 34 - São atribuições dos Conselhos Regionais: f) organizar o sistema de fiscalização do exercício

Leia mais

PROPOSTA DE EXECUÇÃO DE PLANO DE AÇÃO. Continuação dos Projetos Hidroambientais das Bacias dos Ribeirões Arrudas e Onça e do Ribeirão da Mata

PROPOSTA DE EXECUÇÃO DE PLANO DE AÇÃO. Continuação dos Projetos Hidroambientais das Bacias dos Ribeirões Arrudas e Onça e do Ribeirão da Mata PROPOSTA DE EXECUÇÃO DE PLANO DE AÇÃO Continuação dos Projetos Hidroambientais das Bacias dos Ribeirões Arrudas e Onça e do Ribeirão da Mata 1 - INTRODUÇÃO Durante o ano de 2012, foram contratados, entre

Leia mais

Realização Execução Apoio

Realização Execução Apoio Realização Execução Apoio Aguimar Mendes Ferreira Gerente de Unidade de Negócio Consultor Sênior FORMAÇÃO 1994, Mestrado em Economia e Política Florestal, Universidade Federal do Paraná, Brasil; 1989,

Leia mais

Robinson Silva. Resumo. Experiência. Consultor / Em busca de um novo projeto

Robinson Silva. Resumo. Experiência. Consultor / Em busca de um novo projeto Robinson Silva Consultor / Em busca de um novo projeto rls50@yahoo.com.br Resumo A mais de 20 anos, atuando no seguimento do vestuário, tendo como áreas de atuação, a área técnica de máquina equipamentos,

Leia mais

Eficiência Energética em Iluminação Estudo de Caso na Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Cleber Correa AEAMESP

Eficiência Energética em Iluminação Estudo de Caso na Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Cleber Correa AEAMESP Eficiência Energética em Iluminação Estudo de Caso na Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Cleber Correa 21ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA AEAMESP TRABALHO ESTE TRABALHO FOI SELECIONADO COMO

Leia mais

Sistema Radioestrada FM

Sistema Radioestrada FM Sistema Radioestrada FM O que é o Serviço Radiovias.. Trata-se de Sistema inédito por apresentar características exclusivas. É o primeiro serviço em FM Sincronizado, via satélite, dedicado a uma única

Leia mais

RECEITA LÍQUIDA ATINGE R$ 97,9 MILHÕES (+10,2%) NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2013 Tráfego, em eixos equivalentes, cresceu 5,2% no período

RECEITA LÍQUIDA ATINGE R$ 97,9 MILHÕES (+10,2%) NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2013 Tráfego, em eixos equivalentes, cresceu 5,2% no período RECEITA LÍQUIDA ATINGE R$ 97,9 MILHÕES (+10,2%) NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2013 Tráfego, em eixos equivalentes, cresceu 5,2% no período Itu (SP), 15 de maio de 2013 A Rodovias das Colinas S.A. ( Companhia

Leia mais

Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais

Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais 1. Objetivo: O presente Procedimento, visa estabelecer critérios e diretrizes para a implantação de

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Escritório de Gestão de Processos

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Escritório de Gestão de Processos - ANVISA Escritório de Gestão de Processos III Congresso Paraibano da Qualidade IV Seminário em Busca da Excelência João Pessoa - PB 25/08/2010 Cenário Desejado Cumprimento efetivo de sua missão Agência

Leia mais

ANÁLISE DAS ÁREAS IRRIGADAS POR PIVÔS CENTRAL EM ÁREA AMOSTRAL NO MUNICÍPIO DE UNAÍ - MG

ANÁLISE DAS ÁREAS IRRIGADAS POR PIVÔS CENTRAL EM ÁREA AMOSTRAL NO MUNICÍPIO DE UNAÍ - MG ANÁLISE DAS ÁREAS IRRIGADAS POR PIVÔS CENTRAL EM ÁREA AMOSTRAL NO MUNICÍPIO DE UNAÍ - MG Rafael Luís Silva (1) ; Dácio José Cambraia Filho (2), Gustavo Rodrigues Barbosa (3). (1) Graduando em Engenharia

Leia mais

SEDE DA PETROBRAS EM SANTOS. 20 de outubro de 2011 SEDE DE SANTOS. Organograma

SEDE DA PETROBRAS EM SANTOS. 20 de outubro de 2011 SEDE DE SANTOS. Organograma SEDE DA PETROBRAS EM SANTOS 2º SEMINÁRIO BIM SINDUSCON / SP 20 de outubro de 2011 SEDE DE SANTOS Organograma Visão SEDE Geral do Projeto DE SANTOS Perspectiva principal Visão Geral do Projeto 2011 2007

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE MINAS GERAIS. Câmara Temática de Rodovias Federais Anel Rodoviário de Belo Horizonte

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE MINAS GERAIS. Câmara Temática de Rodovias Federais Anel Rodoviário de Belo Horizonte SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE MINAS GERAIS Câmara Temática de Rodovias Federais Anel Rodoviário de Belo Horizonte MAIO - 2013 PROJETOS EM ANDAMENTO: - Aumento de Capacidade e Duplicação do Corredor Norte

Leia mais

PROGRAMA DE MELHORIA

PROGRAMA DE MELHORIA Sistema de Abastecimento de Água (SAA) PROGRAMA DE MELHORIA - do planejamento à aplicação real - Engª Priscila Faria CREA-RJ 2006129552 Agosto 2012 Quem Somos? Atendimento a 6.2 milhões de habitantes Planejamento

Leia mais

VULNERABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL

VULNERABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL VULNERABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL Uso de SIG no Ministério dos Transportes CONSTRUCTION AND INFRASTRUCTURE Rio de Janeiro, 12 de Setembro de 2013 Ministério dos Transportes

Leia mais

Dossiê de Apresentação

Dossiê de Apresentação Dossiê de Apresentação SEGURANÇA ACIMA DE TUDO SUMÁRIO 1. A EMPRESA Pg 03 2. DADOS CADASTRAIS Pg 04 3. IDENTIDADE ORGANIZACIONAL Pg 05 4. ÁREAS DE ATUAÇÃO Pg 06 5. OBRAS REALIZADAS Pg 10 6. NOSSOS CLIENTES

Leia mais

Como contratar TI com riscos baixos. Carlos Mamede Sefti/TCU

Como contratar TI com riscos baixos. Carlos Mamede Sefti/TCU Como contratar TI com riscos baixos Carlos Mamede Sefti/TCU Contratação de TI Riscos envolvidos na contratação Mitigação dos riscos Como contratar TI com riscos baixos 2 Agenda 1. Contratações públicas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP INFORMAÇÃO 113/2012 DAP/SUPCOL PROTOCOLO Nº 179163/2012 176799/2012 INTERESSADO: FRANCISCO JOSÉ VELA ASSUNTO: CONSULTA TÉCNICA 1. IDENTIFICAÇÃO E HISTÓRICO O profissional Engenheiro Civil Francisco José

Leia mais

Projeto DNIT PNCT. Panorama do projeto. (Modelo de trabalho, dificuldades e resultados) Velsis Sistemas e Tecnologia Viária

Projeto DNIT PNCT. Panorama do projeto. (Modelo de trabalho, dificuldades e resultados) Velsis Sistemas e Tecnologia Viária Projeto DNIT PNCT Panorama do projeto (Modelo de trabalho, dificuldades e resultados) Velsis Sistemas e Tecnologia Viária 1 Sediada em Curitiba PR, às margens da BR 277, a VELSIS atua no segmento de ITS

Leia mais

COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Aplicação dos recursos arrecadados e sustentabilidade financeira da entidade delegatária CBH- PARANAIBA

COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Aplicação dos recursos arrecadados e sustentabilidade financeira da entidade delegatária CBH- PARANAIBA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Aplicação dos recursos arrecadados e sustentabilidade financeira da entidade delegatária CBH- PARANAIBA 31/07/2014 - Brasília DF SERGIO RAZERA Diretor-Presidente Fundação Agência

Leia mais

APÊNDICE 01 PROJETOS EXECUTIVOS DE ENGENHARIA DAS OBRAS PARQUE DE INFRA-ESTRUTURA DA FASE ZERO DO SAPIENS

APÊNDICE 01 PROJETOS EXECUTIVOS DE ENGENHARIA DAS OBRAS PARQUE DE INFRA-ESTRUTURA DA FASE ZERO DO SAPIENS APÊNDICE 01 PROJETOS EXECUTIVOS DE ENGENHARIA DAS OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA DA FASE ZERO DO SAPIENS PARQUE Sumário 1 Objetivo... 3 2 Características Principais... 4 2.1 Área de Intervenção... 4 2.2 Projetos

Leia mais

PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA PARA IMPLANTAÇÃO DO CONTORNO DE ITAPERUNA

PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA PARA IMPLANTAÇÃO DO CONTORNO DE ITAPERUNA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTE DNIT SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO DNIT NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PROJETO EXECUTIVO DE

Leia mais

Municipalizaçã o e integração ao Sistema Nacional de Trânsito

Municipalizaçã o e integração ao Sistema Nacional de Trânsito Municipalizaçã o e integração ao Sistema Nacional de Trânsito Foto: Reprodução/EPTV Luiz Otávio Maciel Miranda Global Forum for Road Traffic Safety (WP.1/UNECE/ONU) Conselheiro representante do Ministério

Leia mais

PEA5918 Redes Elétricas Inteligentes e Microrredes (Smart Grids e Microgrids)

PEA5918 Redes Elétricas Inteligentes e Microrredes (Smart Grids e Microgrids) PEA5918 Redes Elétricas Inteligentes e Microrredes (Smart Grids e Microgrids) Métodos Avançados de Controle Giovanni Manassero Junior Depto. de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Escola Politécnica

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS

INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS Objetivos Gerais do Trabalho Contratação de empresa especializada para realizar a Pesquisa

Leia mais

Aquisição de dados Geográficos. Soluções para Gestão do Território. Planeamento e Análise Espacial

Aquisição de dados Geográficos. Soluções para Gestão do Território. Planeamento e Análise Espacial Aquisição de dados Geográficos Soluções para Gestão do Território 1999 Constituição com 60 Municípios 2001 1º Voo fotografia aérea 2004 Cartografia Cabo Verde 2004 153 Municípios como acionistas 2008 2ª

Leia mais

Planejamento de aquisição de bens e serviços na Administração Pública. Magno Subtil

Planejamento de aquisição de bens e serviços na Administração Pública. Magno Subtil Planejamento de aquisição de bens e serviços na Administração Pública Magno Subtil Registro de Preços Decreto Estadual 7.437/2011 Sistema de Registro de Preços é o conjunto de procedimentos para registro

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL NA SERRA DO MAR

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL NA SERRA DO MAR ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL NA SERRA DO MAR O caso do Parque Estadual do Cunhambebe(PEC) e seu entorno - RJ Kátia Regina Góes Souza DSc / MSc em Geografia Especialista em Análise Ambiental. OBJETIVO PRINCIPAL

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE DISPOSITIVOS DE SINALIZAÇÃO VERTICAL E HORIZONTAL PARA REDUÇÃO DE ACIDENTES: ESTUDO DE CASO DE INTERVENÇÕES NA RODOVIA MG

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE DISPOSITIVOS DE SINALIZAÇÃO VERTICAL E HORIZONTAL PARA REDUÇÃO DE ACIDENTES: ESTUDO DE CASO DE INTERVENÇÕES NA RODOVIA MG AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE DISPOSITIVOS DE SINALIZAÇÃO VERTICAL E HORIZONTAL PARA REDUÇÃO DE ACIDENTES: ESTUDO DE CASO DE INTERVENÇÕES NA RODOVIA MG 050 Rogério D Avila UFMG - Brasil Guilherme Cardoso

Leia mais

Para sua frota, desempenho e economia

Para sua frota, desempenho e economia DESENPENHO E ECONOMIA PARA SEUS VEÍCULOS Tecnologia em sistemas inovadores Para sua frota, desempenho e economia Para você, tranquilidade NOSSOS SERVIÇOS Tecnologia em sistemas inovadores Softwares Suporte

Leia mais

Automação do tráfego de veículos: sistema de busca de caminho de menor custo entre dois pontos

Automação do tráfego de veículos: sistema de busca de caminho de menor custo entre dois pontos Automação do tráfego de veículos: sistema de busca de caminho de menor custo entre dois pontos Richard Beyer Schroeder Orientador: Aurélio Faustino Hoppe 01/2012 SUMÁRIO 1. Motivação 2. Trabalhos relacionados

Leia mais

ANEXO III PROJETOS EXECUTIVOS DE ENGENHARIA DOS LAGOS ARTIFICIAIS E DAS OBRAS DE INFRAESTRUTURA DA FASE 01 DO SAPIENS PARQUE

ANEXO III PROJETOS EXECUTIVOS DE ENGENHARIA DOS LAGOS ARTIFICIAIS E DAS OBRAS DE INFRAESTRUTURA DA FASE 01 DO SAPIENS PARQUE ANEXO III PROJETOS EXECUTIVOS DE ENGENHARIA DOS LAGOS ARTIFICIAIS E DAS OBRAS DE INFRAESTRUTURA DA FASE 01 DO SAPIENS PARQUE Sumário 1 Objetivo... 4 2 Características Principais... 4 2.1 Área de Intervenção...

Leia mais

Processo Seletivo

Processo Seletivo Processo Seletivo 2017-1 1. Quem Somos O Engenheiros Sem Fronteiras ESF - é uma organização internacional que tem por objetivo incentivar o uso da capacitação em engenharia para auxiliar em carências existentes

Leia mais

Atos Normativos PORTARIA Nº , DE 03 DE AGOSTO DE LEI Nº. 1079, DE 29 DE AGOSTO DE LEI Nº. 1078, DE 29 DE AGOSTO DE 2012.

Atos Normativos PORTARIA Nº , DE 03 DE AGOSTO DE LEI Nº. 1079, DE 29 DE AGOSTO DE LEI Nº. 1078, DE 29 DE AGOSTO DE 2012. 2 PREFEITURA DE JACOBINA/BA Atos Normativos PORTARIA Nº. 365-2, DE 03 DE AGOSTO DE 2012. Nomeia membros da Comissão de Acompanhamento e Fiscalização do Levantamento Patrimonial pertencente ao Município

Leia mais

Pesagem em Movimento de Trens com Uso da Técnica B- WIM em um Viaduto de Concreto Armado

Pesagem em Movimento de Trens com Uso da Técnica B- WIM em um Viaduto de Concreto Armado Pesagem em Movimento de Trens com Uso da Técnica B- WIM em um Viaduto de Concreto Armado José Alves de Carvalho Neto - decarvalho@ufpa.br Luis Augusto Conte Mendes Veloso - lveloso@ufpa.br Universidade

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG DNIT - SREMG João Monlevade - 28/06/2012 ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG RODOVIA: BR-381MG TRECHO: DIVISA ES/MG - DIV. MG/SP

Leia mais

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO 1ª MEDIÇÃO

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO 1ª MEDIÇÃO RELATÓRIO FOTOGRÁFICO 1ª MEDIÇÃO OBRA: INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO NO FÓRUM TRABALHISTA DE CORNÉLIO PROCÓPIO. CONTRATADA: BIOS CONSTRUÇÕES E TRATAMENTO AMBIENTAL LTDA Considerando a instituição

Leia mais

O IPR E A INSERÇÃO DE NOVAS TECNOLOGIAS NO MERCADO NACIONAL DE INFRAESTRUTURAS RODOVIÁRIAS. São Paulo, 31 de março de 2016

O IPR E A INSERÇÃO DE NOVAS TECNOLOGIAS NO MERCADO NACIONAL DE INFRAESTRUTURAS RODOVIÁRIAS. São Paulo, 31 de março de 2016 O IPR E A INSERÇÃO DE NOVAS TECNOLOGIAS NO MERCADO NACIONAL DE INFRAESTRUTURAS RODOVIÁRIAS São Paulo, 31 de março de 2016 Importância do IPR para a Engenharia Rodoviária Nacional Criação do IPR, vinculado

Leia mais

Prefeitura do Município de Piracicaba Secretaria Municipal de Administração Departamento de Material e Patrimônio Divisão de Compras

Prefeitura do Município de Piracicaba Secretaria Municipal de Administração Departamento de Material e Patrimônio Divisão de Compras ANEXO IV - TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DA METODOLOGIA DE EXECUÇÃO Este Anexo tem por objetivo definir os requisitos a serem observados pela LICITANTE na elaboração da METODOLOGIA DE EXECUÇÃO, que

Leia mais

PAINEL 4 DESCONTO EFICIENTE MOTORES ELÉTRICOS REGRAS PARA PARTICIPAÇÃO. CPFL Energia Todos os direitos reservados.

PAINEL 4 DESCONTO EFICIENTE MOTORES ELÉTRICOS REGRAS PARA PARTICIPAÇÃO. CPFL Energia Todos os direitos reservados. PAINEL 4 DESCONTO EFICIENTE MOTORES ELÉTRICOS REGRAS PARA PARTICIPAÇÃO AGENDA 1- OBJETIVO 2- CAPTAÇÃO DE PROPOSTAS DE PROJETO 3- EXECUÇÃO DOS PROJETOS 4- CONCESSÃO DO BÔNUS 1- OBJETIVO 2- CAPTAÇÃO DE PROPOSTAS

Leia mais

INDICADORES DE GESTÃO AMBIENTAL E SUA IMPORTÂNCIA NA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL EM OBRAS RODOVIÁRIAS

INDICADORES DE GESTÃO AMBIENTAL E SUA IMPORTÂNCIA NA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL EM OBRAS RODOVIÁRIAS INDICADORES DE GESTÃO AMBIENTAL E SUA IMPORTÂNCIA NA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL EM OBRAS RODOVIÁRIAS Heberton Júnior dos Santos (*), Jaerton Santini, Nicole Becker Portela, Suane Wurlitzer Bonatto,

Leia mais

25 anos de experiência

25 anos de experiência Fundada em 1990, são mais de 25 anos de experiência Focados exclusivamente no Segmento Registral e Notarial R R A P 21 ESTADOS ATENDIDOS A C A M P A T O M A P I C E P E R N P B A L R O M T DF B A S E Mais

Leia mais

CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS AUDIÊNCIA PÚBLICA LOTES 4, 5 E 6 JOÃO MONLEVADE 28/06/12

CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS AUDIÊNCIA PÚBLICA LOTES 4, 5 E 6 JOÃO MONLEVADE 28/06/12 CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS AUDIÊNCIA PÚBLICA LOTES 4, 5 E 6 JOÃO MONLEVADE 28/06/12 Questionamento1: De Vera Monteiro Prefeitura: Gostaria de saber da previsão do início da obra do Viaduto do Cruzeiro

Leia mais

Submódulo 9.6. Acompanhamento e previsão meteorológica e climática

Submódulo 9.6. Acompanhamento e previsão meteorológica e climática Submódulo 9.6 Acompanhamento e previsão meteorológica e climática Rev. Nº. 0.0 0.1 1.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Atendimento à

Leia mais

BR 050, BR 365, BR 452 e BR 497

BR 050, BR 365, BR 452 e BR 497 V Workshop Rodovias Federais Região do Triângulo BR 050, BR 365, BR 452 e BR 497 Realização Apoio Câmaras Temáticas do CREAMG Conceito: esferas técnicas de articulação e planejamento do CREAMG, no intuito

Leia mais