ETAPAS. 1. Contextualização; 2. Abrangência; 3. Pregão Nº 811/2012 DNIT; 4. TED Nº 290/2014 DNIT/COTER; 5. Situação Atual; 6.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ETAPAS. 1. Contextualização; 2. Abrangência; 3. Pregão Nº 811/2012 DNIT; 4. TED Nº 290/2014 DNIT/COTER; 5. Situação Atual; 6."

Transcrição

1 Brasília, 2014

2 ETAPAS 1. Contextualização; 2. Abrangência; 3. Pregão Nº 811/2012 DNIT; 4. TED Nº 290/2014 DNIT/COTER; 5. Situação Atual; 6. Encerramento

3 CONTEXTUALIZAÇÃO Histórico 1975 Programa de Contagem Sistemática de Trânsito (RJ,SP e MG) 14 Postos 1977 Início do PNCT 120 Postos 1989 PNCT 235 Postos 1998 PNCT 285 Postos 2001 PNCT Paralisação das Contagens

4 CONTEXTUALIZAÇÃO anos 11 anos Construção do Modelo de Rede Representando o Comportamento dos Usuários na Malha Rodoviária Federal Determinação dos Fatores de Correção Sazonal Determinação do Volume Médio Diário Anual para toda Malha Rodoviária Federal Quebra da Continuidade das Pesquisas de Tráfego Perda da Memória Operacional nas Rodovias Federais

5 CONTEXTUALIZAÇÃO Atualmente existe uma carência de dados sobre o comportamento do tráfego nas rodovias brasileiras!

6 ABRANGÊNCIA Projetos do Novo PNCT: 1. Contagem de Tráfego Pregão Nº 811/2012 DNIT 2. Pesquisa Origem Destino Termo de Execução Descentralizada TED Nº 290/2014 DNIT/COTER

7 ABRANGÊNCIA Edital: Pregão Nº 811/2012 DNIT: Total: 5 lotes 4 lotes - atividade de contagem permanente: 320 postos fixos de coleta permanente 1 lote - gestão do sistema PNCT e contagens de coberturas: 288 Faixas monitoradas

8 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT

9 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT COLETA PERMANENTE Os equipamentos consistem em um dispositivo receptor e utilizam laços indutivos e sensores piezo elétricos.

10 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT COLETA PERMANENTE Dados gerados: Volume; Classificação; Velocidade de Operação; Peso Estatístico (PBT e p/eixo).

11 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT COLETA DE COBERTURA Validação da metodologia aplicada para a localização dos postos de coleta permanente. Funcionamento: 24 horas por dia; 7 dias por semana, consecutivos; Utiliza tecnologia pneumática.

12 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT COLETA DE COBERTURA Dados gerados: Volume; Classificação; Velocidade de Operação.

13 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT Empresas Envolvidas: Lotes 1, 2 e 4 - Velsis Sistema e Tecnologia Viária Ltda. Lote 3 - Fiscaltech Tráfego e Automação Ltda. Lote 5 -VETEC Engenharia Ltda.

14 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT Equipe DNIT: Fiscais: Carlos Alberto Abramides; Nilo Flávio Rosa Campos Júnior. Colaboradores: Daiane Maciel Correia; Erich Wolff.

15 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT FASE DA IMPLANTAÇÃO COLETA PERMANENTE: Vistoria; Aprovação do local proposto; Instalação do equipamento; Certificação; Inicio de Operação.

16 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT SIG PNCT Sistema de Dados Recebimento e publicação da composição estatística dos dados recebidos dos equipamentos de contagem. Auxilio a FISCALIZAÇÃO nos processos de medições.

17 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT SIG PNCT Sistema de Dados Validação dos dados enviados (consistência e integridade); Qualidade dos dados (tratamento e avaliação).

18 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT SIG PNCT Sistema de Dados

19 TED Nº 290/2014 DNIT/COTER OBJETIVOS: Caracterização do fluxo de veículos nas rodovias federais, identificando o comportamento do usuário; Elaboração de Modelo Matemático de Estimativa de Tráfego Médio Diário Anual; Assessoria especializada na implantação do PNCT; Capacitação de corpo técnico do DNIT em temas e ferramentas relacionadas a Engenharia de Tráfego.

20 TED Nº 290/2014 DNIT/COTER Abrangência: 300 pontos de contagem para realização da Pesquisa Origem e Destino, divididos em 4 campanhas de levantamento ( ); 4 Fases de Trabalho: Fase I Planejamento das Pesquisas de Campo; Fase II Realização das Pesquisas de Campo; Fase III Formação de Base de Dados e Modelagem de Transportes; Fase IV Assessoria Especializada à Implantação do PNCT.

21 TED Nº 290/2014 DNIT/COTER SITUAÇÃO ATUAL: Definido fluxograma de dados para compor as perguntas da Pesquisa Origem e Destino; Definição dos primeiros 60 pontos para o início da 1ª campanha de 2014: Goiás e Mato Grosso do Sul; Minas Gerais (triângulo mineiro e divisa com SP); São Paulo (região oeste). Padronização das classes de veículos entre a contagem do PNCT e a Pesquisa de Origem e Destino; Assessoria a demandas do DNIT.

22 SITUAÇÃO ATUAL RESUMO: CONTAGEM DE TRÁFEGO - PNCT Pontos Previstos 320 Em análise - DNIT % Aguardando Intervenção - DNIT 18 6% Autorizado (DNIT) 71 22% Aguardando relatório de vistoria 0 0% Instalação programada - EMPRESA 21 7% Vandalizado ou inoperante 2 1% Instalados-Em certificação 38 12% Pontos em Operação 69 22%

23 MAPA DA SITUAÇÃO ATUAL Pregão Nº 811/2012 DNIT - PNCT

24 ENCERRAMENTO O pleno funcionamento do PNCT representa ganhos para as atividades de planejamento da infraestrutura de transportes do país!

25 ENCERRAMENTO OBRIGADO! Carlos Albeto Abramides

Pesquisa Nacional de Tráfego

Pesquisa Nacional de Tráfego Pesquisa Nacional de Tráfego Secretaria de Política Nacional de Transportes Departamento de Informações em Transportes DEINT Junho de 2015 Ministério dos Transportes Agenda 1. Processo de Planejamento

Leia mais

SEDE DA PETROBRAS EM SANTOS. 20 de outubro de 2011 SEDE DE SANTOS. Organograma

SEDE DA PETROBRAS EM SANTOS. 20 de outubro de 2011 SEDE DE SANTOS. Organograma SEDE DA PETROBRAS EM SANTOS 2º SEMINÁRIO BIM SINDUSCON / SP 20 de outubro de 2011 SEDE DE SANTOS Organograma Visão SEDE Geral do Projeto DE SANTOS Perspectiva principal Visão Geral do Projeto 2011 2007

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS BDI

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS BDI PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS BDI Professora: Eng. Civil Mayara Custódio, Msc. Definições BDI: Uma taxa que se adiciona ao custo de uma obra para cobrir as despesas indiretas que tem o construtor, mais

Leia mais

Sistema de Transporte Inteligente de Pessoas - ITS- Distrito Federal

Sistema de Transporte Inteligente de Pessoas - ITS- Distrito Federal Sistema de Transporte Inteligente de Pessoas - ITS- Distrito Federal Sistema de Transporte Inteligente de Pessoas ITS Conceito Solução / Monitorar e controlar o tráfego / Região Conjunto de Sistemas inteligentes

Leia mais

As Fases de um Projeto

As Fases de um Projeto Mesa Redonda Fatores Críticos de Engenharia e Projeto na Indústria Siderúrgica 1 Fases de um Projeto 2 Fases de um Projeto 3 Identificação do negócio Fase Conceitual Determinação dos investidores Pré-dimensionamento

Leia mais

PROJETO BÁSICO E EXECUTIVO DE ENGENHARIA PARA RESTAURAÇÃO/MANUTENÇÃO DE RODOVIA - C.R.E.M.A 2ª ETAPA

PROJETO BÁSICO E EXECUTIVO DE ENGENHARIA PARA RESTAURAÇÃO/MANUTENÇÃO DE RODOVIA - C.R.E.M.A 2ª ETAPA R E P Ú B L I C A F E D E R A T I V A D O B R A S I L M I N I S T É R I O D O S T R A N S P O R T E S DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES-DNIT SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO DNIT NO ESTADO

Leia mais

IAR 01: RELATÓRIOS PERIÓDICOS RP

IAR 01: RELATÓRIOS PERIÓDICOS RP GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE TRANSPORTES E PAVIMENTAÇÃO URBANA Gerência de Estudos e Projetos IAR 01: RELATÓRIOS PERIÓDICOS RP 1 CONTEÚDO Os Relatórios Periódicos RP, devem

Leia mais

Para sua frota, desempenho e economia

Para sua frota, desempenho e economia DESENPENHO E ECONOMIA PARA SEUS VEÍCULOS Tecnologia em sistemas inovadores Para sua frota, desempenho e economia Para você, tranquilidade NOSSOS SERVIÇOS Tecnologia em sistemas inovadores Softwares Suporte

Leia mais

ANEXO 2 ELABORAÇÃO DO PROJETO

ANEXO 2 ELABORAÇÃO DO PROJETO ANEXO 2 ELABORAÇÃO DO PROJETO 2. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO 2.1 Título do Projeto 2.2 Período de Execução 2.2.1 Início 2.2.2 Término LEVANTAMENTO DAS NECESSIDADES DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DOS TRABALHADORES

Leia mais

Conforme Resolução 396/11 CONTRAN O preenchimento de cada item deverá seguir as instruções em vermelho. 36 ANEXO I A - ESTUDO TÉCNICO: INSTALAÇÃO DE INSTRUMENTOS OU EQUIPAMENTOS MEDIDORES DE VELOCIDADE

Leia mais

Elaboração do Plano de Mobilidade Urbana Segurança de Trânsito

Elaboração do Plano de Mobilidade Urbana Segurança de Trânsito Elaboração do Plano de Mobilidade Urbana Segurança de Trânsito Parauapebas, 11 de novembro de 2014 Apoio: Realização: Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Ministério das Cidades Caracterização

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 340, de 06 de novembro de 2007.

Leia mais

Aplicação da Tecnologia GI 2 S para diagnóstico de Rodovias, Sistemas Metro-Ferroviários e Sítios Urbanos

Aplicação da Tecnologia GI 2 S para diagnóstico de Rodovias, Sistemas Metro-Ferroviários e Sítios Urbanos Aplicação da Tecnologia GI 2 S para diagnóstico de Rodovias, Sistemas Metro-Ferroviários e Sítios Urbanos Por Paulo Benites 9ª Semana de Tecnologia Metroviária APRESENTAÇÃO Ferramenta gerencial de controle

Leia mais

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRANSPORTE

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRANSPORTE Capítulo 1 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRANSPORTE Tecnologia dos Transportes 2 SISTEMAS DE TRANSPORTE E SOCIEDADE De extrema importância para o desenvolvimento de uma sociedade O desenvolvimento está diretamente

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Apresentação 2015 Prof. Dr. Carlos Fernando Jung carlosfernandojung@gmail.com Nosso Negócio Produtividade Rentabilidade Melhoria Contínua Otimização de Produtos e Processos

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS

INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS Objetivos Gerais do Trabalho Contratação de empresa especializada para realizar a Pesquisa

Leia mais

Realização Execução Apoio

Realização Execução Apoio Realização Execução Apoio Aguimar Mendes Ferreira Gerente de Unidade de Negócio Consultor Sênior FORMAÇÃO 1994, Mestrado em Economia e Política Florestal, Universidade Federal do Paraná, Brasil; 1989,

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO SETOR SANEAMENTO PARA REALIZAÇÃO DE DIAGNÓSTICOS HIDROENERGÉTICOS

CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO SETOR SANEAMENTO PARA REALIZAÇÃO DE DIAGNÓSTICOS HIDROENERGÉTICOS CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO SETOR SANEAMENTO PARA REALIZAÇÃO DE DIAGNÓSTICOS HIDROENERGÉTICOS Buenos Aires, 13 de Novembro de 2013 Sumário 1 - Procel Sanear - Atividades Principais 2 - Procel Sanear

Leia mais

Sistema Radioestrada FM

Sistema Radioestrada FM Sistema Radioestrada FM O que é o Serviço Radiovias.. Trata-se de Sistema inédito por apresentar características exclusivas. É o primeiro serviço em FM Sincronizado, via satélite, dedicado a uma única

Leia mais

PROPOSTA DE MELHORIA OBJETIVO

PROPOSTA DE MELHORIA OBJETIVO Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento / SEGPLAN Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado de Goiás / SEMARH PROCESSO 002 Outorga de Direito de Uso dos Recursos Hídricos Sob Domínio

Leia mais

Page 1 of 14 925158.162010.1872.4827.3062233820.860 Conselho Federal de Medicina Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00016/2010 Às 08:35 horas do dia 08 de fevereiro de 2011, reuniram-se o Pregoeiro

Leia mais

ISF 221: PROJETO DE PASSAGEM EM NÍVEL. O projeto de passagem em nível será desenvolvido em duas fases:

ISF 221: PROJETO DE PASSAGEM EM NÍVEL. O projeto de passagem em nível será desenvolvido em duas fases: ISF 221: PROJETO DE PASSAGEM EM NÍVEL 1. OBJETIVO Definir os requisitos de projeto na área de abrangência da travessia, no mesmo plano horizontal, da via férrea com a via rodoviária, bem como promover

Leia mais

CURSO DE ENCANADORES INDUSTRIAIS. Carlos Maurício Lima de Paula Barros

CURSO DE ENCANADORES INDUSTRIAIS. Carlos Maurício Lima de Paula Barros CURSO DE ENCANADORES INDUSTRIAIS Carlos Maurício Lima de Paula Barros PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS A B E M I / PROMINP OBJETIVO IMPLEMENTAR PROGRAMAS DE QUALIFICAÇÃO E/OU CERTIFICAÇÃO

Leia mais

Engenharia de Produção

Engenharia de Produção Engenharia de Produção 4ª SÉRIE Campus Mossoró MECÂNICA DOS FLUIDOS MECÂNICA TÉCNICA Propriedades dos fluidos.- Estática dos fluidos.- Teoremas de Pascal e Stevin. - Força hidrostática- Flutuação e estabilidade-

Leia mais

VOLUME 3A ESTUDOS GEOTÉCNICOS

VOLUME 3A ESTUDOS GEOTÉCNICOS R E P Ú B L I C A F E D E R A T I V A D O B R A S I L M I N I S T É R I O D O S T R A N S P O R T E S DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO DNIT NO ESTADO

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES 2º Seminário de OPERAÇÃO DE RODOVIAS Centro Nacional de Supervisão Operacional CNSO e Uso de Sistemas Inteligentes de Transportes-ITS nas Rodovias sob Concessão

Leia mais

TECNOLOGIAS DE ANÁLISE DE DADOS

TECNOLOGIAS DE ANÁLISE DE DADOS TECNOLOGIAS DE ANÁLISE DE DADOS PNLD 26-09-2013 Sumário 1. Análise de Dados 2. Tecnologias de Análise 3. LAB-LD Sumário 1. Análise de Dados 2. Tecnologias de Análise de Dados 3. LAB-LD Investigação: Pesquisas

Leia mais

COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO - METRÔ. Setembro/2004

COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO - METRÔ. Setembro/2004 COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO - METRÔ DIRETORIA ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA - DF GERÊNCIA DE CONTRATAÇÕES E COMPRAS - GCP Setembro/2004 Apresentação do tema Objetivo Exposição de planejamento

Leia mais

TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA

TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA Objetivo Formar profissional com habilitação Técnica de Nível Médio em Eletrotécnica, para atuar nos diversos segmentos do mercado, tais como: concessionárias de energia elétrica,

Leia mais

CCR MSVIA Novembro de IV Seminário A aplicação do SIG na Gestão Pública Municipal

CCR MSVIA Novembro de IV Seminário A aplicação do SIG na Gestão Pública Municipal CCR MSVIA Novembro de 2015 IV Seminário A aplicação do SIG na Gestão Pública Municipal O Negócio da CCR Viabilizar Soluções de Investimentos e Serviços em Infraestrutura, contribuindo para o Desenvolvimento

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

Disciplina de Impactos Ambientais Professor Msc. Leonardo Pivôtto Nicodemo. O ordenamento do processo de AIA

Disciplina de Impactos Ambientais Professor Msc. Leonardo Pivôtto Nicodemo. O ordenamento do processo de AIA Disciplina de Impactos Ambientais Professor Msc. Leonardo Pivôtto Nicodemo FOGLIATTI, Maria Cristina. Avaliação de impactos ambientais. Rio de Janeiro: Editora Interciência Ltda, 2004. SANCHEZ, Luis Henrique.

Leia mais

DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE

DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE Diagnóstico Perturbações na fluidez Grandes dimensões Manobras lentas Raio de giro restrito Remoção difícil em caso de

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO NT-16

PLANO DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO NT-16 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Definições 4 Referências normativas 5 Procedimentos ANEXOS A Planilha de levantamento de dados B Fluxograma do Plano de Intervenção de Incêndio 1 Objetivo Esta Norma Técnica

Leia mais

PLANEJAMENTO E MONITORAMENTO DE EVENTOS HIDROMETEOROLÓGICOS EXTREMOS

PLANEJAMENTO E MONITORAMENTO DE EVENTOS HIDROMETEOROLÓGICOS EXTREMOS PLANEJAMENTO E MONITORAMENTO DE EVENTOS HIDROMETEOROLÓGICOS EXTREMOS SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Palestrante: Jeane Dantas de Carvalho Instituto Mineiro de Gestão das Águas

Leia mais

Planejamento de aquisição de bens e serviços na Administração Pública. Magno Subtil

Planejamento de aquisição de bens e serviços na Administração Pública. Magno Subtil Planejamento de aquisição de bens e serviços na Administração Pública Magno Subtil Registro de Preços Decreto Estadual 7.437/2011 Sistema de Registro de Preços é o conjunto de procedimentos para registro

Leia mais

VIII ENCONTRO DE REDES METROLÓGICAS

VIII ENCONTRO DE REDES METROLÓGICAS VIII ENCONTRO DE REDES METROLÓGICAS 17 a 19 Abril de 2006 Murilo Prado Badaró Presidente - RMMG CONSELHOS ALTA ADMINISTRAÇÃO PRESIDENTE: VICE-PRESIDENTE SEC. EXECUTIVA: Murilo Prado Badaró Alexandre Magno

Leia mais

Departamento Nacional do SENAI

Departamento Nacional do SENAI do SENAI Rede SENAI de Serviços Técnicos e Tecnológicos Sérgio Motta 16 de Agosto de 2011 O que é o SENAI - Criado em 1942 por iniciativa do empresariado do setor industrial; - Maior complexo de educação

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS PERÍODO

CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS PERÍODO CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS 2016.1 1 PERÍODO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE FÍSICA DISCIPLINA: REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DISCIPLINA:

Leia mais

CONTROLE AUTOMATIZADO DA IRRIGAÇÃO UTILIZANDO UM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL ASSOCIADO A UM INVERSOR DE FREQUÊNCIA

CONTROLE AUTOMATIZADO DA IRRIGAÇÃO UTILIZANDO UM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL ASSOCIADO A UM INVERSOR DE FREQUÊNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIENCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA LEMA LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA E CONTROLE AUTOMATIZADO DA IRRIGAÇÃO UTILIZANDO UM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL

Leia mais

Conceitos da Central Faça Fácil

Conceitos da Central Faça Fácil Logomarca Conceitos da Central Faça Fácil Reunião de vários órgãos prestadores de serviços públicos, entidades da sociedade civil e empresas prestadoras deserviços de natureza pública, num único espaço;

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Nível Médio

Leia mais

Farinheira. Foto Geral dos Maquinários.

Farinheira. Foto Geral dos Maquinários. EDITAL 2011 EDITAL DE SELEÇAO DE INSTITUIÇAO SOCIAL PARA RECEBER DOAÇAO DE UMA FARINHEIRA (CONJUNTO DE EQUIPAMENTOS PARA A PRODUÇAO DE FARINHA) FUNDAÇÃO ANDRÉ MAGGI 1. Da Apresentação O presente edital

Leia mais

Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais

Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais 1. Objetivo: O presente Procedimento, visa estabelecer critérios e diretrizes para a implantação de

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 5ª. Série Programação Distribuída A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EDITAL N 04/2013 PROCC/POSGRAP PARA PÓS-DOUTORADO Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Aprovado em reunião do Colegiado do PROCC em 13/09/2013 O Coordenador do Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

Nacional noestadorio de Janeiro

Nacional noestadorio de Janeiro Sistema de Levantamento e Gestão do Inventário Florestal Nacional noestadorio de Janeiro Telmo Borges Silveira Filho Fábio L. O. Santos José Enilcio Rocha Collares Breve Histórico Fev/2009 Primeiro contato

Leia mais

APLICAÇÃO DE SIG NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LOCALIZAÇÃO DE ÁREA PARA ATERRO SANITÁRIO

APLICAÇÃO DE SIG NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LOCALIZAÇÃO DE ÁREA PARA ATERRO SANITÁRIO APLICAÇÃO DE SIG NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LOCALIZAÇÃO DE ÁREA PARA ATERRO SANITÁRIO Ilka Soares Cintra (1) Professora Assistente do Departamento de Cartografia do Instituto de Geo- Ciências

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PO Procedimento Operacional

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PO Procedimento Operacional E AÇÃO PREVENTIVA PO. 09 10 1 / 5 1. OBJETIVO Descrever a forma como o produto ou serviço não conforme deve ser controlado, a fim de se prevenir a sua utilização ou entrega não intencional ao cliente.

Leia mais

MAIS TRANQUILIDADE PARA SUA EMPRESA

MAIS TRANQUILIDADE PARA SUA EMPRESA MAIS TRANQUILIDADE PARA SUA EMPRESA Foi acreditando nos princípios éticos, morais e técnicos que a AVAM - AVALIAÇÃO AMBIENTAL S/S LTDA., consolidou-se como uma das mais respeitadas empresas de Consultoria

Leia mais

RESOLUÇÃO. Currículo revogado conforme Res. CONSEPE 71/2002, de 18 de dezembro de 2002.

RESOLUÇÃO. Currículo revogado conforme Res. CONSEPE 71/2002, de 18 de dezembro de 2002. RESOLUÇÃO CONSEPE 44/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, DO CÂMPUS ITATIBA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição que

Leia mais

Benchmarking de consumo energético em edificações

Benchmarking de consumo energético em edificações Benchmarking de consumo energético em edificações Edward Borgstein CT Energia, CBCS BENCHMARKING E DESEMPENHO ENERGÉTICO OPERACIONAL (DEO) Etapas de etiquetagem energética #1 Etiqueta de projeto PBE Edifíca

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a contratação de empresa Especializada de Consultoria para Planejamento da Estrutura Funcional e Organizacional

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES DE NÍVEL MÉDIO

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES DE NÍVEL MÉDIO CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQUENTE NA MODALIDADE A DISTÂNCIA e-tec Prof. Marcus Menezes Silveira Coordenador do curso http://etec.cg.ifms.edu.br/moodle/ Cursos técnicos Integrados

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO 104/14-A

RELATÓRIO TÉCNICO 104/14-A SPE FASHION CITY RUÍDO AMBIENTAL R.T 104/14-A PÁG. 1/20 RELATÓRIO TÉCNICO 104/14-A RUÍDO AMBIENTAL NATUREZA DO TRABALHO: AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE PRESSÃO SONORA CLIENTE: SPE FASHION CITY BRASIL S/A RODOVIA:

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS Saúde e Seguranca Ocupacional Prof. Carlos William de Carvalho 1 NR-1 Disposições Gerais Determina a aplicabilidade de todas as normas regulamentadoras, assim como os direitos e

Leia mais

Simpósio de Aplicações Operacionais em Áreas de Defesa

Simpósio de Aplicações Operacionais em Áreas de Defesa Simpósio de Aplicações Operacionais em Áreas de Defesa O Simpósio de Aplicações Operacionais em Áreas de Defesa (SIGE), realizado anualmente pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica ITA, é um evento internacional

Leia mais

FLUXOS DE CONTÊINERES VAZIOS

FLUXOS DE CONTÊINERES VAZIOS MOVIMENTAÇÃO DE VAZIOS NO ANO DE 2007 EM TEUS (Fonte: Estatísticas Codesp) LIBRA (T35 E T37) 189 MIL TECONDI 68 MIL RODRIMAR 78 MIL OUTROS 9 MIL Total da Margem Direita do Porto de Santos 344 MIL SANTOS

Leia mais

Procedimentos que o Grupo Arteseg Oferece com sua Consultoria NR10:

Procedimentos que o Grupo Arteseg Oferece com sua Consultoria NR10: Adequação e Consultoria à norma NR10 A NR10 é uma norma regulamentadora do Ministério do Trabalho e Emprego que estabelece uma série procedimentos e condutas para a realização de atividades que envolvem

Leia mais

EDITAL 086/2014 PRORROGAÇÃO DE PRAZO PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE IDEIAS NOS DIFERENTES SEGMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA

EDITAL 086/2014 PRORROGAÇÃO DE PRAZO PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE IDEIAS NOS DIFERENTES SEGMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA EDITAL 086/2014 PRORROGAÇÃO DE PRAZO PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE IDEIAS NOS DIFERENTES SEGMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA O Centro Universitário Metodista IPA e a Prefeitura Municipal de Porto Alegre, por

Leia mais

Classificação dos serviços de construção

Classificação dos serviços de construção Questões específicas da construção Classificação dos serviços de construção Construção pontual Construção permanente Atividades de construção de partes relacionadas Casos Especiais Banco de Dezembro de

Leia mais

9º Encontro Técnico DER-PR

9º Encontro Técnico DER-PR Técnicas de Sensoriamento Remoto aplicadas a rodovias. 9º Encontro Técnico DER-PR Sensoriamento Remoto É definido como, o conjunto de técnicas e equipamentos, utilizados para obter informações sobre um

Leia mais

Critérios específicos de avaliação HISTÓRIA 3.º ciclo Ano letivo

Critérios específicos de avaliação HISTÓRIA 3.º ciclo Ano letivo Objeto de avaliação Conhecimentos e Capacidades Específicos Critérios específicos de avaliação HISTÓRIA 3.º ciclo Ano letivo 2016-2017 Itens/Parâmetros Compreensão histórica (Temporalidade Espacialidade

Leia mais

Título do Slide Máximo de 2 linhas

Título do Slide Máximo de 2 linhas Título do Slide 13ª Seminário Internacional de Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Aplicado a Automação Industrial Nelson Chimentão Júnior 09/17/2013 Título Automação do Slide Aplicada

Leia mais

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09 MISSÃO O Serviço Social tem como missão dar suporte psico-social e emocional ao colaborador e sua família. Neste sentido, realiza o estudo de casos, orientando e encaminhando aos recursos sociais da comunidade,

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL CONCESSIONÁRIA: RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO: BR-116 SP/PR 402,6 KM SÃO PAULO SP RÉGIS BITTENCOURT SÃO PAULO - CURITIBA

RELATÓRIO MENSAL CONCESSIONÁRIA: RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO: BR-116 SP/PR 402,6 KM SÃO PAULO SP RÉGIS BITTENCOURT SÃO PAULO - CURITIBA RELATÓRIO MENSAL CONCESSIONÁRIA: RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO: RÉGIS BITTENCOURT BR-116 SP/PR SÃO PAULO - CURITIBA 402,6 KM SÃO PAULO SP FEVEREIRO DE 2016 ÍNDICE ITEM DESCRIÇÃO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1

Leia mais

CASES DE ESTUDOS MAIO/2014

CASES DE ESTUDOS MAIO/2014 Gerência Regional Centro-Sul CASES DE ESTUDOS MAIO/2014 CASE 1 CONCEPÇÃO DA OBRA Pedido de ligação provisória de obras Entrada no pedido feita em 28/08/13 Expectativa ti do cliente de estar ligado até

Leia mais

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DA PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 ÍNDICE GERAL 1. INTRODUÇÃO... 2 2. APLICAÇÃO... 2 3. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 3.1 DISPOSIÇÕES INICIAIS...

Leia mais

Atendimento do Governo às Reivindicações dos Caminhoneiros. Fórum Permanente do Transporte Rodoviário de Cargas

Atendimento do Governo às Reivindicações dos Caminhoneiros. Fórum Permanente do Transporte Rodoviário de Cargas Atendimento do Governo às Reivindicações dos Caminhoneiros Fórum Permanente do Transporte Rodoviário de Cargas Brasília, 28/10/2015 Ata de Reunião Ata da reunião realizada em 25 de fevereiro de 2015, no

Leia mais

Programa Paulista de Concessões. Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP

Programa Paulista de Concessões. Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP Programa Paulista de Concessões Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP Foz do Iguaçu, 13 de Maio de 2016 Sobre a ARTESP Criada pela Lei Complementar nº 914,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO EM ELETRÔNICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO EM ELETRÔNICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO EM ELETRÔNICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DC 4018 09/10/13 Rev. 01 1. Dados Legais Autorizado pelo Parecer 324 de 21/11/2006, Decreto 4.945 Publicado D.O 18.018 de 04/12/2006.

Leia mais

ANÁLISE DO NOVO PROCEDIMENTO DE OPERAÇÃO DE ECLUSAS NA HIDROVIA TIETÊ PARANÁ

ANÁLISE DO NOVO PROCEDIMENTO DE OPERAÇÃO DE ECLUSAS NA HIDROVIA TIETÊ PARANÁ ANÁLISE DO NOVO PROCEDIMENTO DE OPERAÇÃO DE ECLUSAS NA HIDROVIA TIETÊ PARANÁ Vinícius Delalibera Trindade Haroldo Silva Barbara Stolte Bezerra ANÁLISE DO NOVO PROCEDIMENTO DE OPERAÇÃO DE ECLUSAS NA HIDROVIA

Leia mais

É POSSÍVEL MEDIR A OCUPAÇÃO EFICIENTE DO ESPECTRO?

É POSSÍVEL MEDIR A OCUPAÇÃO EFICIENTE DO ESPECTRO? A OCUPAÇÃO DE ESPECTRO, O COMPARTILHAMENTO E OUTRAS QUESTÕES CONCEITUAIS É POSSÍVEL MEDIR A OCUPAÇÃO EFICIENTE DO ESPECTRO? SUPERINTENDÊNCIA DE OUTORGA E RECURSOS À PRESTAÇÃO 43º ENCONTRO TELE.SÍNTESE

Leia mais

Geógrafo Frank Gundim Assessora Especial de Planejamento do DER-RJ

Geógrafo Frank Gundim Assessora Especial de Planejamento do DER-RJ DER-RJ Geógrafo Frank Gundim Assessora Especial de Planejamento do DER-RJ O uso inapropriado do meio ambiente aceleram e ampliam alguns processos. Por exemplo, as inundações são agravadas pelo desmatamento

Leia mais

LIZANE SOARES FERREIRA. MBA em Gestão Empresarial - Fundação Getúlio Vargas (FGV)

LIZANE SOARES FERREIRA. MBA em Gestão Empresarial - Fundação Getúlio Vargas (FGV) Brasileira, solteira, 39 anos E-mail: lizaneferreira@hotmail.com LIZANE SOARES FERREIRA Formação: MBA em Gestão Empresarial - Fundação Getúlio Vargas (FGV) Especialista em Comércio Exterior com Ênfase

Leia mais

BEM-VINDO. Ao Seminário Estadual sobre Segurança em Máquinas com NR 12. TEMA Conceitos Fundamentais

BEM-VINDO. Ao Seminário Estadual sobre Segurança em Máquinas com NR 12. TEMA Conceitos Fundamentais BEM-VINDO Ao Seminário Estadual sobre Segurança em Máquinas com NR 12 TEMA Conceitos Fundamentais Marcelo Vandresen, Dr.Eng.Mec. 1989 - Tecnico em Mecânica Manutenção 1994 - Engenheiro Mecânico 1995 -

Leia mais

Controle de qualidade e fidedignidade das informações prestadas ao Censo Escolar e seus impactos nas políticas públicas.

Controle de qualidade e fidedignidade das informações prestadas ao Censo Escolar e seus impactos nas políticas públicas. Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Controle de qualidade e fidedignidade das informações prestadas ao Censo Escolar e seus impactos nas políticas

Leia mais

Plano de Segurança da Informação. Política de Segurança

Plano de Segurança da Informação. Política de Segurança Plano de Segurança da Informação Inicialmente, deve se possuir a percepção de que a segurança da informação deve respeitar os seguintes critérios: autenticidade, não repúdio, privacidade e auditoria. Também

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS Mensagem nº 20, de 2012. Canoas, 29 de março de 2012. A Sua Excelência o Senhor Vereador Dario Francisco da Silveira Presidente da Câmara Municipal de Canoas Canoas - RS Senhor Presidente, Na forma da

Leia mais

Implantando Pontos de Função com PSM

Implantando Pontos de Função com PSM Implantando Pontos de Função com PSM Diana Baklizky & Cecília Techy diana@metricas.com.br cecilia@metricas.com.br ti MÉTRICAS R. Domingos de Morais, 2243/36 São Paulo, SP Brasil www.metricas.com.br 1 Agenda

Leia mais

Os novos paradigmas da engenharia brasileira

Os novos paradigmas da engenharia brasileira Os novos paradigmas da engenharia brasileira Como compatibilizar as novas tecnologias, custos e preços Debatedor: André P. Baeta Disposições Legais sobre Preços de Obras Públicas 2 LDO 2012 Lei 12.465/2011

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS OBRAS ANEXO I DOCUMENTOS E PRAZOS

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS OBRAS ANEXO I DOCUMENTOS E PRAZOS TIPO Edital DOCUMENTOS DE CITAÇÃO DESCRIÇÃO Fase Interna GEO-OBRAS OBRAS ANEXO I DOCUMENTOS E PRAZOS Planilha de Orçamento elaborada pela Administração (em formato pdf e xls ou similar) Cronograma físico-financeiro

Leia mais

PMTI 01/2016 Painéis de Monitoramento da TI

PMTI 01/2016 Painéis de Monitoramento da TI PMTI 0/206 Painéis de Monitoramento da TI Diretoria de Tecnologia da Informação dti@ufca.edu.br Conteúdo Painel de Atendimentos Painel de Aquisições e Contratações Painel de Atas e Contratos Painel de

Leia mais

CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE

CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE ITEM PONTOS I IMPLANTAÇÃO DO EDIFÍCIO MAX. 10 A) MOVIMENTAÇÃO DO SOLO Implantação do projeto adequada ao perfil natural do terreno, com

Leia mais

Consultoria em Irrigação e Fertirrigação. 3ª Reunião do GIC. Ribeirão Preto-SP, 18 de Setembro de 2012

Consultoria em Irrigação e Fertirrigação. 3ª Reunião do GIC. Ribeirão Preto-SP, 18 de Setembro de 2012 3ª Reunião do GIC Ribeirão Preto-SP, 18 de Setembro de 2012 Acionamento de motores elétricos em sistemas de irrigação via Inversor de Frequência e Qualidade na Aplicação e Operação de Sistema Carretel

Leia mais

IX Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental da Regional São Paulo

IX Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental da Regional São Paulo (ISO Em Processo de Implantação) IX Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental da Regional São Paulo Vantagens de um sistema de gestão da qualidade nos serviços de saneamento básico Manoel Carlos

Leia mais

SISTEMA DE MATERIAIS DE RESERVA (SMR)

SISTEMA DE MATERIAIS DE RESERVA (SMR) Nº Comité de Estudio: 11 Nº IV SESEP: CE.11.08e SISTEMA DE MATERIAIS DE RESERVA (SMR) Irineu J. V. Finato ITAIPU BINACIONAL Ricardo Gonzalez Jacques ITAIPU BINACIONAL Edeltraut Eyng Thiel ITAIPU BINACIONAL

Leia mais

Sistemas de Medição e Metrologia. Aula 6. Organização da Aula 6. Contextualização. 6.Sistema de Medição e Metrologia. Profa. Rosinda Angela da Silva

Sistemas de Medição e Metrologia. Aula 6. Organização da Aula 6. Contextualização. 6.Sistema de Medição e Metrologia. Profa. Rosinda Angela da Silva Sistemas de Medição e Metrologia Aula 6 Profa. Rosinda Angela da Silva Organização da Aula 6 Implantação e Organização de um Sistema de Medição e Metrologia na empresa É necessário um Controle de Qualidade

Leia mais

Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade. Seminário SINAENCO / SC

Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade. Seminário SINAENCO / SC Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade Seminário SINAENCO / SC Guilherme Medeiros Engenheiro Coordenador Técnico SC Participações e Parcerias S.A.

Leia mais

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM Procedimento Página 1 de 10 RESUMO Este documento, que é uma norma técnica, define o procedimento a ser utilizado para a determinação da irregularidade de superfície de rodovias com emprego de sistemas

Leia mais

Dossiê de Apresentação

Dossiê de Apresentação Dossiê de Apresentação SEGURANÇA ACIMA DE TUDO SUMÁRIO 1. A EMPRESA Pg 03 2. DADOS CADASTRAIS Pg 04 3. IDENTIDADE ORGANIZACIONAL Pg 05 4. ÁREAS DE ATUAÇÃO Pg 06 5. OBRAS REALIZADAS Pg 10 6. NOSSOS CLIENTES

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação A Dataprev Data centers DF SP RJ Área 257 384 988 Capacidade elétrica (kva) 600 900 1200 Capacidade de processamento RISC 48 Tflop/s X86 116 Tflop/s Mainframe 153.000 RPM Capacidade

Leia mais

Cobrança de Pedágio por Trecho Percorrido

Cobrança de Pedágio por Trecho Percorrido Cobrança de Pedágio por Trecho Percorrido Giovanni Pengue Filho Assessor de Projetos Especiais e Coordenador do Sistema Ponto a Ponto Secretaria de Logística e Transportes Slide 1 Sobre a ARTESP Atribuições

Leia mais

SOBRE A POLLUX AUTOMATION

SOBRE A POLLUX AUTOMATION SOBRE A POLLUX AUTOMATION 15 anos de sólida experiência em engenharia de automação Fornecimento da solução completa turn-key Mais de 700 sistemas instalados com sucesso para mais de 200 clientes 80 profissionais

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO SETOR SANEAMENTO PARA REALIZAÇÃO DE DIAGNÓSTICOS HIDROENERGÉTICOS

CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO SETOR SANEAMENTO PARA REALIZAÇÃO DE DIAGNÓSTICOS HIDROENERGÉTICOS CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO SETOR SANEAMENTO PARA REALIZAÇÃO DE DIAGNÓSTICOS Campinas, 09 de Dezembro de 2015 Sumário 1 - Procel Sanear - Atividades Principais 2 - Procel Sanear Rede LENHS 3 Curso

Leia mais

Medição e Erro. Aminadabe dos Santos Pires Soares ¹. Prof. Adenauer Yamin ². Universidade Católica de Pelotas

Medição e Erro. Aminadabe dos Santos Pires Soares ¹. Prof. Adenauer Yamin ². Universidade Católica de Pelotas Medição e Erro Aminadabe dos Santos Pires Soares ¹ Prof. Adenauer Yamin ² Universidade Católica de Pelotas amifractal@gmail.com adenauer@gmail.com ¹ Aluno ² Professor da disciplina Instrumentação Eletrônica

Leia mais

Análise de Dados de Área dos índices de indústria e malha rodoviária para o estado de Minas Gerais

Análise de Dados de Área dos índices de indústria e malha rodoviária para o estado de Minas Gerais Análise de Dados de Área dos índices de indústria e malha rodoviária para o estado de Minas Gerais Adriana Maria Rocha Trancoso Santos 1 Gérson Rodrigues dos Santos 2 Nilcilene das Graças Medeiros 1 Eduardo

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL- INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/ Nº 134, de 14 de agosto de 2003.

Leia mais