ETAPAS. 1. Contextualização; 2. Abrangência; 3. Pregão Nº 811/2012 DNIT; 4. TED Nº 290/2014 DNIT/COTER; 5. Situação Atual; 6.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ETAPAS. 1. Contextualização; 2. Abrangência; 3. Pregão Nº 811/2012 DNIT; 4. TED Nº 290/2014 DNIT/COTER; 5. Situação Atual; 6."

Transcrição

1 Brasília, 2014

2 ETAPAS 1. Contextualização; 2. Abrangência; 3. Pregão Nº 811/2012 DNIT; 4. TED Nº 290/2014 DNIT/COTER; 5. Situação Atual; 6. Encerramento

3 CONTEXTUALIZAÇÃO Histórico 1975 Programa de Contagem Sistemática de Trânsito (RJ,SP e MG) 14 Postos 1977 Início do PNCT 120 Postos 1989 PNCT 235 Postos 1998 PNCT 285 Postos 2001 PNCT Paralisação das Contagens

4 CONTEXTUALIZAÇÃO anos 11 anos Construção do Modelo de Rede Representando o Comportamento dos Usuários na Malha Rodoviária Federal Determinação dos Fatores de Correção Sazonal Determinação do Volume Médio Diário Anual para toda Malha Rodoviária Federal Quebra da Continuidade das Pesquisas de Tráfego Perda da Memória Operacional nas Rodovias Federais

5 CONTEXTUALIZAÇÃO Atualmente existe uma carência de dados sobre o comportamento do tráfego nas rodovias brasileiras!

6 ABRANGÊNCIA Projetos do Novo PNCT: 1. Contagem de Tráfego Pregão Nº 811/2012 DNIT 2. Pesquisa Origem Destino Termo de Execução Descentralizada TED Nº 290/2014 DNIT/COTER

7 ABRANGÊNCIA Edital: Pregão Nº 811/2012 DNIT: Total: 5 lotes 4 lotes - atividade de contagem permanente: 320 postos fixos de coleta permanente 1 lote - gestão do sistema PNCT e contagens de coberturas: 288 Faixas monitoradas

8 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT

9 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT COLETA PERMANENTE Os equipamentos consistem em um dispositivo receptor e utilizam laços indutivos e sensores piezo elétricos.

10 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT COLETA PERMANENTE Dados gerados: Volume; Classificação; Velocidade de Operação; Peso Estatístico (PBT e p/eixo).

11 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT COLETA DE COBERTURA Validação da metodologia aplicada para a localização dos postos de coleta permanente. Funcionamento: 24 horas por dia; 7 dias por semana, consecutivos; Utiliza tecnologia pneumática.

12 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT COLETA DE COBERTURA Dados gerados: Volume; Classificação; Velocidade de Operação.

13 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT Empresas Envolvidas: Lotes 1, 2 e 4 - Velsis Sistema e Tecnologia Viária Ltda. Lote 3 - Fiscaltech Tráfego e Automação Ltda. Lote 5 -VETEC Engenharia Ltda.

14 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT Equipe DNIT: Fiscais: Carlos Alberto Abramides; Nilo Flávio Rosa Campos Júnior. Colaboradores: Daiane Maciel Correia; Erich Wolff.

15 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT FASE DA IMPLANTAÇÃO COLETA PERMANENTE: Vistoria; Aprovação do local proposto; Instalação do equipamento; Certificação; Inicio de Operação.

16 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT SIG PNCT Sistema de Dados Recebimento e publicação da composição estatística dos dados recebidos dos equipamentos de contagem. Auxilio a FISCALIZAÇÃO nos processos de medições.

17 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT SIG PNCT Sistema de Dados Validação dos dados enviados (consistência e integridade); Qualidade dos dados (tratamento e avaliação).

18 PREGÃO Nº 811/2012 DNIT SIG PNCT Sistema de Dados

19 TED Nº 290/2014 DNIT/COTER OBJETIVOS: Caracterização do fluxo de veículos nas rodovias federais, identificando o comportamento do usuário; Elaboração de Modelo Matemático de Estimativa de Tráfego Médio Diário Anual; Assessoria especializada na implantação do PNCT; Capacitação de corpo técnico do DNIT em temas e ferramentas relacionadas a Engenharia de Tráfego.

20 TED Nº 290/2014 DNIT/COTER Abrangência: 300 pontos de contagem para realização da Pesquisa Origem e Destino, divididos em 4 campanhas de levantamento ( ); 4 Fases de Trabalho: Fase I Planejamento das Pesquisas de Campo; Fase II Realização das Pesquisas de Campo; Fase III Formação de Base de Dados e Modelagem de Transportes; Fase IV Assessoria Especializada à Implantação do PNCT.

21 TED Nº 290/2014 DNIT/COTER SITUAÇÃO ATUAL: Definido fluxograma de dados para compor as perguntas da Pesquisa Origem e Destino; Definição dos primeiros 60 pontos para o início da 1ª campanha de 2014: Goiás e Mato Grosso do Sul; Minas Gerais (triângulo mineiro e divisa com SP); São Paulo (região oeste). Padronização das classes de veículos entre a contagem do PNCT e a Pesquisa de Origem e Destino; Assessoria a demandas do DNIT.

22 SITUAÇÃO ATUAL RESUMO: CONTAGEM DE TRÁFEGO - PNCT Pontos Previstos 320 Em análise - DNIT % Aguardando Intervenção - DNIT 18 6% Autorizado (DNIT) 71 22% Aguardando relatório de vistoria 0 0% Instalação programada - EMPRESA 21 7% Vandalizado ou inoperante 2 1% Instalados-Em certificação 38 12% Pontos em Operação 69 22%

23 MAPA DA SITUAÇÃO ATUAL Pregão Nº 811/2012 DNIT - PNCT

24 ENCERRAMENTO O pleno funcionamento do PNCT representa ganhos para as atividades de planejamento da infraestrutura de transportes do país!

25 ENCERRAMENTO OBRIGADO! Carlos Albeto Abramides

DIRETORIA DE INFRA-ESTRUTURA RODOVIÁRIA - DIR COORDENAÇÃO-GERAL DE OPERAÇÕES RODOVIÁRIAS CGPERT/DIR. Brasília Setembro de 2008

DIRETORIA DE INFRA-ESTRUTURA RODOVIÁRIA - DIR COORDENAÇÃO-GERAL DE OPERAÇÕES RODOVIÁRIAS CGPERT/DIR. Brasília Setembro de 2008 DIRETORIA DE INFRA-ESTRUTURA RODOVIÁRIA - DIR COORDENAÇÃO-GERAL DE OPERAÇÕES RODOVIÁRIAS CGPERT/DIR PROGRAMA DE SEGURANÇA NAS RODOVIAS FEDERAIS Brasília Setembro de 2008 Sumário 1. Características do Problema

Leia mais

PROJETO BÁSICO E EXECUTIVO DE ENGENHARIA PARA RESTAURAÇÃO/MANUTENÇÃO DE RODOVIA - C.R.E.M.A 2ª ETAPA

PROJETO BÁSICO E EXECUTIVO DE ENGENHARIA PARA RESTAURAÇÃO/MANUTENÇÃO DE RODOVIA - C.R.E.M.A 2ª ETAPA R E P Ú B L I C A F E D E R A T I V A D O B R A S I L M I N I S T É R I O D O S T R A N S P O R T E S DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES-DNIT SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO DNIT NO ESTADO

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos DESAFIOS PARA TRATAMENTO E DISPOSIÇÃO FINAL RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAUDE- MG Cenário resíduos de serviços de saúde em Minas Gerais Regulamentação

Leia mais

2 o. Relatório de Acompanhamento dos Estudos BR-101/ES, BR-101/BA e BR-470/SC. 22 de abril de 2009

2 o. Relatório de Acompanhamento dos Estudos BR-101/ES, BR-101/BA e BR-470/SC. 22 de abril de 2009 2 o. Relatório de Acompanhamento dos Estudos BR-101/ES, BR-101/BA e BR-470/SC 22 de abril de 2009 Fases e principais atividades dos estudos Estudo de tráfego Estudo de engenharia Estudo jurídicoregulatório

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidades 06 Recebimento de materiais Conceito de qualidade Padrões de qualidade Inspeção de qualidade Recebimento quantitativo Procedimentos operacionais

Leia mais

Pesquisa Nacional de Tráfego

Pesquisa Nacional de Tráfego Pesquisa Nacional de Tráfego Secretaria de Política Nacional de Transportes Departamento de Informações em Transportes DEINT Junho de 2015 Ministério dos Transportes Agenda 1. Processo de Planejamento

Leia mais

Sistema de Transporte Inteligente de Pessoas - ITS- Distrito Federal

Sistema de Transporte Inteligente de Pessoas - ITS- Distrito Federal Sistema de Transporte Inteligente de Pessoas - ITS- Distrito Federal Sistema de Transporte Inteligente de Pessoas ITS Conceito Solução / Monitorar e controlar o tráfego / Região Conjunto de Sistemas inteligentes

Leia mais

SOLUÇÕES TÉCNICAS, CUSTO E QUALIDADE

SOLUÇÕES TÉCNICAS, CUSTO E QUALIDADE VISÃO GLOBAL CONSULTORIA EM GESTÃO INDUSTRIAL; ADEQUAÇÕES AS NORMAS REGULAMENTADORAS; CONSULTORIA INDUSTRIAL RELAÇÃO SINDICAL E COM O M.T.E. GESTÃO DE PESSOAS EFICIÊNCIA PRODUTIVIDADE ORGANIZAÇÃO PRODUÇÃO

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS BDI

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS BDI PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS BDI Professora: Eng. Civil Mayara Custódio, Msc. Definições BDI: Uma taxa que se adiciona ao custo de uma obra para cobrir as despesas indiretas que tem o construtor, mais

Leia mais

Rodrigo Passos Cunha Gerente Divisão da Divisão de Avaliação de Empreendimentos de Transportes -IET

Rodrigo Passos Cunha Gerente Divisão da Divisão de Avaliação de Empreendimentos de Transportes -IET Avaliação dos níveis de ruído no licenciamento ambiental de sistemas lineares de transporte no estado de São Paulo Aplicação das Decisões de Diretoria CETESB DD n 100/2009/P e DD nº 389/2010/P Rodrigo

Leia mais

As Fases de um Projeto

As Fases de um Projeto Mesa Redonda Fatores Críticos de Engenharia e Projeto na Indústria Siderúrgica 1 Fases de um Projeto 2 Fases de um Projeto 3 Identificação do negócio Fase Conceitual Determinação dos investidores Pré-dimensionamento

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA PLANO DE TRABALHO Bacabeira-MA 2015 1. INTRODUÇÃO O presente Plano de Trabalho refere-se ao contrato firmado entre a Prefeitura Municipal de Bacabeira e a empresa de consultoria especializada de razão

Leia mais

Determinação Volume Tráfego

Determinação Volume Tráfego Departamento de Eng. Produção Engenharia de Tráfego Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 Determinação Volume Tráfego 2 1 - VMDa (AADT) - Volume médio diário

Leia mais

Aplicação de Sistemas de Pesagem em Movimento no Brasil

Aplicação de Sistemas de Pesagem em Movimento no Brasil Aplicação de Sistemas de Pesagem em Movimento no Brasil Autor: LUIZ CLÁUDIO DOS SANTOS VAREJÃO, Econ. Coordenador Geral de Operações Rodoviárias - CGPERT DNIT - Departamento Nacional de Infraestrutura

Leia mais

A Copel Atua em 10 estados

A Copel Atua em 10 estados Copel Distribuição A Copel Atua em 10 estados Copel Holding Copel Geração e Transmissão Copel Renováveis Copel Distribuição Copel Telecomunicações Distribuição 4º maior distribuidora de energia do Brasil

Leia mais

IAR 01: RELATÓRIOS PERIÓDICOS RP

IAR 01: RELATÓRIOS PERIÓDICOS RP GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE TRANSPORTES E PAVIMENTAÇÃO URBANA Gerência de Estudos e Projetos IAR 01: RELATÓRIOS PERIÓDICOS RP 1 CONTEÚDO Os Relatórios Periódicos RP, devem

Leia mais

Pesquisa de Araranguá sobre Pesagem em Movimento

Pesquisa de Araranguá sobre Pesagem em Movimento Pesquisa de Araranguá sobre Pesagem em Movimento Autor: MARCIO ROBERTO DE LIMA PAIVA, DSc Engenheiro Pesquisador em Transportes FAPEU Fundação de Amparo à Pesquisa e Extensão Universitária UFSC - Universidade

Leia mais

Conforme Resolução 396/11 CONTRAN O preenchimento de cada item deverá seguir as instruções em vermelho. 36 ANEXO I A - ESTUDO TÉCNICO: INSTALAÇÃO DE INSTRUMENTOS OU EQUIPAMENTOS MEDIDORES DE VELOCIDADE

Leia mais

Departamento de Estradas de Rodagem

Departamento de Estradas de Rodagem Departamento de Estradas de Rodagem Planos e Ações Transporte Rodoviário de Carga MISSÃO Administrar o sistema rodoviário estadual, sua integração com as rodovias municipais e federais e sua interação

Leia mais

COMUNICAÇÕES TÉCNICAS 21º CONGRESSO BRASILEIRO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO SÃO PAULO 28, 29 E 30 DE JUNHO DE 2017

COMUNICAÇÕES TÉCNICAS 21º CONGRESSO BRASILEIRO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO SÃO PAULO 28, 29 E 30 DE JUNHO DE 2017 COMUNICAÇÕES TÉCNICAS 21º CONGRESSO BRASILEIRO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO SÃO PAULO 28, 29 E 30 DE JUNHO DE 2017 A ANTP convida a todos os integrantes das entidades associadas, seus membros individuais e

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO NT-16

PLANO DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO NT-16 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Definições 4 Referências normativas 5 Procedimentos ANEXOS A Planilha de levantamento de dados B Fluxograma do Plano de Intervenção de Incêndio 1 Objetivo Esta Norma Técnica

Leia mais

Segurança de Máquinas e Equipamentos NR12

Segurança de Máquinas e Equipamentos NR12 Segurança de Máquinas e Equipamentos NR12 www.eteck.com.br -1- As zonas de perigo das máquinas e equipamentos devem possuir sistemas de segurança, caracterizados por proteções fixas, proteções móveis e

Leia mais

Elaboração do Plano de Mobilidade Urbana Segurança de Trânsito

Elaboração do Plano de Mobilidade Urbana Segurança de Trânsito Elaboração do Plano de Mobilidade Urbana Segurança de Trânsito Parauapebas, 11 de novembro de 2014 Apoio: Realização: Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Ministério das Cidades Caracterização

Leia mais

ENGENHARIA DE TRÁFEGO

ENGENHARIA DE TRÁFEGO ENGENHARIA DE TRÁFEGO Capítulo 1: A ENGENHARIA DE TRÁFEGO trata de atividades presentes no nosso dia a dia: a mobilidade das pessoas, o transporte de bens e sua relação com o ambiente tem importante função

Leia mais

ANEXO III PROJETOS EXECUTIVOS DE ENGENHARIA DOS LAGOS ARTIFICIAIS E DAS OBRAS DE INFRAESTRUTURA DA FASE 01 DO SAPIENS PARQUE

ANEXO III PROJETOS EXECUTIVOS DE ENGENHARIA DOS LAGOS ARTIFICIAIS E DAS OBRAS DE INFRAESTRUTURA DA FASE 01 DO SAPIENS PARQUE ANEXO III PROJETOS EXECUTIVOS DE ENGENHARIA DOS LAGOS ARTIFICIAIS E DAS OBRAS DE INFRAESTRUTURA DA FASE 01 DO SAPIENS PARQUE Sumário 1 Objetivo... 4 2 Características Principais... 4 2.1 Área de Intervenção...

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. Estradas 2 Numero N

Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. Estradas 2 Numero N Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas FACET Curso: Bacharelado em Engenharia Civil Estradas 2 Numero N Prof. Me. Arnaldo Taveira Chioveto AASHTO - American

Leia mais

VOLUME 3A ESTUDOS GEOTÉCNICOS

VOLUME 3A ESTUDOS GEOTÉCNICOS R E P Ú B L I C A F E D E R A T I V A D O B R A S I L M I N I S T É R I O D O S T R A N S P O R T E S DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO DNIT NO ESTADO

Leia mais

Eficiência Energética em Iluminação Estudo de Caso na Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Cleber Correa AEAMESP

Eficiência Energética em Iluminação Estudo de Caso na Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Cleber Correa AEAMESP Eficiência Energética em Iluminação Estudo de Caso na Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Cleber Correa 21ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA AEAMESP TRABALHO ESTE TRABALHO FOI SELECIONADO COMO

Leia mais

ISF 221: PROJETO DE PASSAGEM EM NÍVEL. O projeto de passagem em nível será desenvolvido em duas fases:

ISF 221: PROJETO DE PASSAGEM EM NÍVEL. O projeto de passagem em nível será desenvolvido em duas fases: ISF 221: PROJETO DE PASSAGEM EM NÍVEL 1. OBJETIVO Definir os requisitos de projeto na área de abrangência da travessia, no mesmo plano horizontal, da via férrea com a via rodoviária, bem como promover

Leia mais

SEDE DA PETROBRAS EM SANTOS. 20 de outubro de 2011 SEDE DE SANTOS. Organograma

SEDE DA PETROBRAS EM SANTOS. 20 de outubro de 2011 SEDE DE SANTOS. Organograma SEDE DA PETROBRAS EM SANTOS 2º SEMINÁRIO BIM SINDUSCON / SP 20 de outubro de 2011 SEDE DE SANTOS Organograma Visão SEDE Geral do Projeto DE SANTOS Perspectiva principal Visão Geral do Projeto 2011 2007

Leia mais

SUMÁRIO. Prefácio Autores do Livro Capítulo 1 - Aspectos Hidráulicos e Elétricos Básicos

SUMÁRIO. Prefácio Autores do Livro Capítulo 1 - Aspectos Hidráulicos e Elétricos Básicos SUMÁRIO Prefácio Autores do Livro Capítulo 1 - Aspectos Hidráulicos e Elétricos Básicos 1.1 - Introdução 1.2 - Mecânica dos Fluidos e Hidráulica 1.3 - Viscosidade e Outras Propriedades 1.3.1 - Viscosidade

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 340, de 06 de novembro de 2007.

Leia mais

Aplicação da Tecnologia GI 2 S para diagnóstico de Rodovias, Sistemas Metro-Ferroviários e Sítios Urbanos

Aplicação da Tecnologia GI 2 S para diagnóstico de Rodovias, Sistemas Metro-Ferroviários e Sítios Urbanos Aplicação da Tecnologia GI 2 S para diagnóstico de Rodovias, Sistemas Metro-Ferroviários e Sítios Urbanos Por Paulo Benites 9ª Semana de Tecnologia Metroviária APRESENTAÇÃO Ferramenta gerencial de controle

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE DISPOSITIVOS DE SINALIZAÇÃO VERTICAL E HORIZONTAL PARA REDUÇÃO DE ACIDENTES: ESTUDO DE CASO DE INTERVENÇÕES NA RODOVIA MG

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE DISPOSITIVOS DE SINALIZAÇÃO VERTICAL E HORIZONTAL PARA REDUÇÃO DE ACIDENTES: ESTUDO DE CASO DE INTERVENÇÕES NA RODOVIA MG AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE DISPOSITIVOS DE SINALIZAÇÃO VERTICAL E HORIZONTAL PARA REDUÇÃO DE ACIDENTES: ESTUDO DE CASO DE INTERVENÇÕES NA RODOVIA MG 050 Rogério D Avila UFMG - Brasil Guilherme Cardoso

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL CONCESSIONÁRIA: RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO: BR-116 SP/PR 402,6 KM SÃO PAULO SP RÉGIS BITTENCOURT SÃO PAULO - CURITIBA

RELATÓRIO MENSAL CONCESSIONÁRIA: RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO: BR-116 SP/PR 402,6 KM SÃO PAULO SP RÉGIS BITTENCOURT SÃO PAULO - CURITIBA RELATÓRIO MENSAL CONCESSIONÁRIA: RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO: RÉGIS BITTENCOURT BR-116 SP/PR SÃO PAULO - CURITIBA 402,6 KM SÃO PAULO SP FEVEREIRO DE 2016 ÍNDICE ITEM DESCRIÇÃO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1

Leia mais

PLANO DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS COPA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA. DEZEMBRO DE 2015

PLANO DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS COPA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA. DEZEMBRO DE 2015 PLANO DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS DA COPA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA. DEZEMBRO DE 2015 1. INTRODUÇÃO 1.1. Objetivo As atividades desenvolvidas pela Copa Gestão de Investimentos Ltda. ( Copa Investimentos

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES 2º Seminário de OPERAÇÃO DE RODOVIAS Centro Nacional de Supervisão Operacional CNSO e Uso de Sistemas Inteligentes de Transportes-ITS nas Rodovias sob Concessão

Leia mais

Sistema de Gestão de Protocolo Eletrônico

Sistema de Gestão de Protocolo Eletrônico Sistema de Gestão de Protocolo Eletrônico Secretaria de Estado da Administração - SEA Gestão de Pessoas Sistemas administrativos Gestão de Materiais e Serviços Gestão Patrimonial Ouvidoria Gestão de Tecnologia

Leia mais

DEFESA ANTIAÉREA. Encerramento do Projeto. Conteúdo Nacional C 2. Empregos Gerados. Empresas Envolvidas. Proteção das estruturas estratégicas

DEFESA ANTIAÉREA. Encerramento do Projeto. Conteúdo Nacional C 2. Empregos Gerados. Empresas Envolvidas. Proteção das estruturas estratégicas DEFESA ANTIAÉREA Encerramento do Projeto DEFESA ANTIAÉREA Conteúdo Nacional C 2 Empregos Gerados Empresas Envolvidas Proteção das estruturas estratégicas Mão de obra altamente especializada Domínio da

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO E LEGISLAÇÃO DE TRANSPORTES URBANOS (PARA O CARGO DE AUXILIAR DE FISCAL DE

LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO E LEGISLAÇÃO DE TRANSPORTES URBANOS (PARA O CARGO DE AUXILIAR DE FISCAL DE LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO E LEGISLAÇÃO DE TRANSPORTES URBANOS (PARA O CARGO DE AUXILIAR DE FISCAL DE TRANSPORTES URBANOS de acordo com o Edital do concurso da Secretaria Municipal de Transporte do Rio de

Leia mais

VULNERABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL

VULNERABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL VULNERABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL Uso de SIG no Ministério dos Transportes CONSTRUCTION AND INFRASTRUCTURE Rio de Janeiro, 12 de Setembro de 2013 Ministério dos Transportes

Leia mais

Manutenção Revisão: 02 Página 1 de 6

Manutenção Revisão: 02 Página 1 de 6 Manutenção Revisão: 02 Página 1 de 6 1. HISTÓRICO DE REVISÕES DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20.08.2013 00 Emissão inicial. Revisão para maior clareza no texto do documento. Adequação da responsabilidade

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE PROJETO AUTOR(ES) : João

ESPECIFICAÇÃO DE PROJETO AUTOR(ES) : João AUTOR(ES) : João AUTOR(ES) : João NÚMERO DO DOCUMENTO : VERSÃO : 1.1 ORIGEM STATUS : c:\projetos : Acesso Livre DATA DO DOCUMENTO : 22 novembro 2007 NÚMERO DE PÁGINAS : 13 ALTERADO POR : Manoel INICIAIS:

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS

INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS Objetivos Gerais do Trabalho Contratação de empresa especializada para realizar a Pesquisa

Leia mais

Para sua frota, desempenho e economia

Para sua frota, desempenho e economia DESENPENHO E ECONOMIA PARA SEUS VEÍCULOS Tecnologia em sistemas inovadores Para sua frota, desempenho e economia Para você, tranquilidade NOSSOS SERVIÇOS Tecnologia em sistemas inovadores Softwares Suporte

Leia mais

Sistema Radioestrada FM

Sistema Radioestrada FM Sistema Radioestrada FM O que é o Serviço Radiovias.. Trata-se de Sistema inédito por apresentar características exclusivas. É o primeiro serviço em FM Sincronizado, via satélite, dedicado a uma única

Leia mais

Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais

Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais 1. Objetivo: O presente Procedimento, visa estabelecer critérios e diretrizes para a implantação de

Leia mais

CCR MSVIA Novembro de IV Seminário A aplicação do SIG na Gestão Pública Municipal

CCR MSVIA Novembro de IV Seminário A aplicação do SIG na Gestão Pública Municipal CCR MSVIA Novembro de 2015 IV Seminário A aplicação do SIG na Gestão Pública Municipal O Negócio da CCR Viabilizar Soluções de Investimentos e Serviços em Infraestrutura, contribuindo para o Desenvolvimento

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM FABRICAÇÃO MECÂNICA. Faculdade SENAI Antônio Adolpho Lobbe São Carlos

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM FABRICAÇÃO MECÂNICA. Faculdade SENAI Antônio Adolpho Lobbe São Carlos CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM FABRICAÇÃO MECÂNICA Faculdade SENAI Antônio Adolpho Lobbe São Carlos SITE MEC CATÁLOGO NACIONAL O QUE É UM CURSO DE TECNOLOGIA? Proposta do CST Formação específica (especializada)

Leia mais

Projeto DNIT PNCT. Panorama do projeto. (Modelo de trabalho, dificuldades e resultados) Velsis Sistemas e Tecnologia Viária

Projeto DNIT PNCT. Panorama do projeto. (Modelo de trabalho, dificuldades e resultados) Velsis Sistemas e Tecnologia Viária Projeto DNIT PNCT Panorama do projeto (Modelo de trabalho, dificuldades e resultados) Velsis Sistemas e Tecnologia Viária 1 Sediada em Curitiba PR, às margens da BR 277, a VELSIS atua no segmento de ITS

Leia mais

Atendimento do Governo às Reivindicações dos Caminhoneiros. Fórum Permanente do Transporte Rodoviário de Cargas

Atendimento do Governo às Reivindicações dos Caminhoneiros. Fórum Permanente do Transporte Rodoviário de Cargas Atendimento do Governo às Reivindicações dos Caminhoneiros Fórum Permanente do Transporte Rodoviário de Cargas Brasília, 28/10/2015 Ata de Reunião Ata da reunião realizada em 25 de fevereiro de 2015, no

Leia mais

Plano de mobilidade urbana de carga: proposta e desafios para as cidades brasileiras. Leise Kelli de Oliveira UFMG

Plano de mobilidade urbana de carga: proposta e desafios para as cidades brasileiras. Leise Kelli de Oliveira UFMG Plano de mobilidade urbana de carga: proposta e desafios para as cidades brasileiras Leise Kelli de Oliveira UFMG Distribuição Urbana de Mercadorias n Entrega ou Coleta de mercadorias no ambiente urbano

Leia mais

Como contratar TI com riscos baixos. Carlos Mamede Sefti/TCU

Como contratar TI com riscos baixos. Carlos Mamede Sefti/TCU Como contratar TI com riscos baixos Carlos Mamede Sefti/TCU Contratação de TI Riscos envolvidos na contratação Mitigação dos riscos Como contratar TI com riscos baixos 2 Agenda 1. Contratações públicas

Leia mais

25 anos de experiência

25 anos de experiência Fundada em 1990, são mais de 25 anos de experiência Focados exclusivamente no Segmento Registral e Notarial R R A P 21 ESTADOS ATENDIDOS A C A M P A T O M A P I C E P E R N P B A L R O M T DF B A S E Mais

Leia mais

PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA PARA IMPLANTAÇÃO DO CONTORNO DE ITAPERUNA

PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA PARA IMPLANTAÇÃO DO CONTORNO DE ITAPERUNA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTE DNIT SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO DNIT NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PROJETO EXECUTIVO DE

Leia mais

Engenharia de Produção

Engenharia de Produção Engenharia de Produção 4ª SÉRIE Campus Mossoró MECÂNICA DOS FLUIDOS MECÂNICA TÉCNICA Propriedades dos fluidos.- Estática dos fluidos.- Teoremas de Pascal e Stevin. - Força hidrostática- Flutuação e estabilidade-

Leia mais

Realização Execução Apoio

Realização Execução Apoio Realização Execução Apoio Aguimar Mendes Ferreira Gerente de Unidade de Negócio Consultor Sênior FORMAÇÃO 1994, Mestrado em Economia e Política Florestal, Universidade Federal do Paraná, Brasil; 1989,

Leia mais

EMISSÃO ACÚSTICA EM OBRAS DE ARTE DA CONSTRUÇÃO CIVIL

EMISSÃO ACÚSTICA EM OBRAS DE ARTE DA CONSTRUÇÃO CIVIL EMISSÃO ACÚSTICA EM OBRAS DE ARTE DA CONSTRUÇÃO CIVIL Certificada ISO 9001:2008 MONITORAMENTO COM EMISSÃO ACÚSTICA EM OBRAS DE ARTE 2 Bases técnicas e normas de referências FONTE:Revista da ABENDI Bases

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Eduardo Saraiva Borges

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Eduardo Saraiva Borges INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Eduardo Saraiva Borges São José dos Campos, 15 de outubro de 2012 FOLHA DE APROVAÇÃO Relatório Final de Estágio

Leia mais

Diagnóstico Estratégico: Encontros com a comunidade. Instituto Federal do Maranhão (IFMA) STEINBEIS-SIBE do Brasil

Diagnóstico Estratégico: Encontros com a comunidade. Instituto Federal do Maranhão (IFMA) STEINBEIS-SIBE do Brasil Diagnóstico Estratégico: Encontros com a comunidade Instituto Federal do Maranhão (IFMA) STEINBEIS-SIBE do Brasil Objetivos e Produtos Previstos 1. Objetivo do dia Levantamento de propostas/demandas da

Leia mais

Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte. Prefeitura de Belo Horizonte

Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte. Prefeitura de Belo Horizonte Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte Prefeitura de Belo Horizonte Belo Horizonte, fevereiro/2011 ASPECTOS GERAIS DA CIDADE DE BELO HORIZONTE Área superficial : 330 km 2 População : 2,5 milhões

Leia mais

Seminário Internacional Pré-COSALFA. Assunção-Paraguai, 7 de maio de Tema III: Vacinação

Seminário Internacional Pré-COSALFA. Assunção-Paraguai, 7 de maio de Tema III: Vacinação BRASIL Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa Seminário Internacional Pré-COSALFA Assunção-Paraguai, 7 de maio de 2012 Tema III: Vacinação Secretaria de Defesa Agropecuária Departamento

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0220, de 24 de agosto de 2010

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0220, de 24 de agosto de 2010 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria Inmetro/Dimel n.º 0220, de

Leia mais

TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA

TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA Objetivo Formar profissional com habilitação Técnica de Nível Médio em Eletrotécnica, para atuar nos diversos segmentos do mercado, tais como: concessionárias de energia elétrica,

Leia mais

O que é instrumentação INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Tubo de venturi. Ultrassônico carretel 22/2/2011. Introdução

O que é instrumentação INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Tubo de venturi. Ultrassônico carretel 22/2/2011. Introdução O que é instrumentação INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE Éaciênciaquedesenvolveeaplicatécnicasde medição, indicação, registro e controle de processos, visando a otimização e eficiência destes processos. Introdução

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS Sistemas Prediais: (Instalações Elétricas e Hidrossanitárias)

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS Sistemas Prediais: (Instalações Elétricas e Hidrossanitárias) GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS Sistemas Prediais: (Instalações Elétricas e Hidrossanitárias) AGENDA 1 2 3 Apresentação Palestrante Informações necessárias no projeto Sistemas Prediais: Especialidades 4

Leia mais

Dossiê de Apresentação

Dossiê de Apresentação Dossiê de Apresentação SEGURANÇA ACIMA DE TUDO SUMÁRIO 1. A EMPRESA Pg 03 2. DADOS CADASTRAIS Pg 04 3. IDENTIDADE ORGANIZACIONAL Pg 05 4. ÁREAS DE ATUAÇÃO Pg 06 5. OBRAS REALIZADAS Pg 10 6. NOSSOS CLIENTES

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição Ambiental

Leia mais

2.1. Projeto de Monitoramento Batimétrico. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.1. Projeto de Monitoramento Batimétrico. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.1 Projeto de Monitoramento Batimétrico NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 2. Justificativa... 1 3. Objetivos... 2 4. Área de Abrangência...

Leia mais

O Roubo de Cargas no TRC. ExpoGPS 2009 Seminário GRISTEC

O Roubo de Cargas no TRC. ExpoGPS 2009 Seminário GRISTEC O Roubo de Cargas no TRC ExpoGPS 29 Seminário GRISTEC São Paulo / SP 23 / Jul / 29 1º Seminário de Gerenciamento de Riscos 1. ROUBO / FURTO DE CARGAS 1.1- Panorama Nacional ROUBO DE CARGAS - BRASIL (Índices

Leia mais

SERVIÇO VORTEX DE REENGENHARIA ANTIPOLUIÇÃO

SERVIÇO VORTEX DE REENGENHARIA ANTIPOLUIÇÃO A.RESUMO EXECUTIVO Definições: O Controle de Poluição Atmosférica Industrial é composto pelo Desempoeiramento Industrial e pelo Tratamento Químico de Gases Efluentes. Um Sistema Antipoluição para Desempoeiramento

Leia mais

PREFEITURA DE JUIZ DE FORA

PREFEITURA DE JUIZ DE FORA PREFEITURA DE JUIZ DE FORA P R I M E I R O T E R M O D E R E T I F I C A Ç Ã O D O E D I T A L D E A B E R T U R A D E C O N C U R S O P Ú B L I C O N º 0 2 / 2 0 6 O Exmo. Sr. Bruno Siqueira, Prefeito

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Nível Médio

Leia mais

FLUXOS DE CONTÊINERES VAZIOS

FLUXOS DE CONTÊINERES VAZIOS MOVIMENTAÇÃO DE VAZIOS NO ANO DE 2007 EM TEUS (Fonte: Estatísticas Codesp) LIBRA (T35 E T37) 189 MIL TECONDI 68 MIL RODRIMAR 78 MIL OUTROS 9 MIL Total da Margem Direita do Porto de Santos 344 MIL SANTOS

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO 36211 Fundação Nacional de Saúde AL 10.512.0122.002L.0027 / 2005 - APOIO A IMPLANTACAO, AMPLIACAO OU MELHORIA DE SISTEMA PUBLICO DE ESGOTAMENTO SANITARIO EM MUNICIPIOS INTEGRANTES DE REGIOES METROPOLITANAS

Leia mais

6 O Projeto da MG-050

6 O Projeto da MG-050 61 6 O Projeto da MG-050 Em 2006, foi lançado o edital do Projeto PPP da MG-050 com o objetivo de recuperação, ampliação e manutenção da Rodovia MG-050. O projeto engloba ainda trechos da BR-265 (entre

Leia mais

Controle de imobilizado

Controle de imobilizado Controle de imobilizado São apresentadas as regras de validação e controle de acesso do controle de imobilizado, nas telas que são as 1160, 1162, 1163 e 1165. 1. Devem ser cadastradas as permissões de

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Mecatrônica

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Mecatrônica : Técnico em Mecatrônica Descrição do Perfil Profissional: Auxiliam os engenheiros em projetos, programas de controle, instalação e manutenção de sistemas de Analisam especificações para aquisição de componentes

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO SETOR SANEAMENTO PARA REALIZAÇÃO DE DIAGNÓSTICOS HIDROENERGÉTICOS

CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO SETOR SANEAMENTO PARA REALIZAÇÃO DE DIAGNÓSTICOS HIDROENERGÉTICOS CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO SETOR SANEAMENTO PARA REALIZAÇÃO DE DIAGNÓSTICOS HIDROENERGÉTICOS Buenos Aires, 13 de Novembro de 2013 Sumário 1 - Procel Sanear - Atividades Principais 2 - Procel Sanear

Leia mais

Portfólio de Serviços PSX Tecnologia Ltda 2016 BR R9b

Portfólio de Serviços PSX Tecnologia Ltda 2016 BR R9b www.psxtecnologia.com.br Portfólio de Serviços PSX Tecnologia Ltda 2016 BR R9b O que fazemos QUEM SOMOS Nossa empresa A PSX Tecnologia é uma empresa especializada em consultoria no segmento empresarial.

Leia mais

Cobrança pelo uso da Água, através da Agência de Água PCJ:

Cobrança pelo uso da Água, através da Agência de Água PCJ: Tema: Retrospectiva de atuação como Entidade Equiparada AGB / PJ Autores: Francisco Carlos Castro Lahóz Coordenador de Projetos do Consórcio PCJ e Coordenador do Contrato de Gestão do Comitê PJ Jussara

Leia mais

Benchmarking de consumo energético em edificações

Benchmarking de consumo energético em edificações Benchmarking de consumo energético em edificações Edward Borgstein CT Energia, CBCS BENCHMARKING E DESEMPENHO ENERGÉTICO OPERACIONAL (DEO) Etapas de etiquetagem energética #1 Etiqueta de projeto PBE Edifíca

Leia mais

MODELAGEM DE SISTEMAS Unidade 1 Conceitos Básicos de Modelagem. Luiz Leão

MODELAGEM DE SISTEMAS Unidade 1 Conceitos Básicos de Modelagem. Luiz Leão Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático A Importância da Modelagem Princípios de Modelagem Atividades de Análise e Projeto Análise e Projeto Orientados a Objeto Procura

Leia mais

Semana da Mata Atlântica

Semana da Mata Atlântica Mobilização e Capacitação para Elaboração dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica Região Sudeste Semana da Mata Atlântica Conservar e recuperar a Mata Atlântica é questão de

Leia mais

OFERTA DE SERVIÇOS DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA PARA A CADEIA DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL

OFERTA DE SERVIÇOS DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA PARA A CADEIA DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL Lançamento do PROMINP na Bahia Auditório FIEB OFERTA DE SERVIÇOS DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA PARA A CADEIA DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL SENAI - IEL OFERTA DE SERVIÇOS DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA PARA A CADEIA

Leia mais

Posicionamento Consultoria De Segmentos Norma Regulamentadora Nº 9 - Descrição das medidas de controles já existentes

Posicionamento Consultoria De Segmentos Norma Regulamentadora Nº 9 - Descrição das medidas de controles já existentes Norma Regulamentadora Nº 9 - Descrição das medidas de controles já existentes 04/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação...

Leia mais

O CMMI no Eldorado: a experiência com o nível n primeiros passos para o nível n. Josiane Banov, MSc,PMP Gerente da Qualidade

O CMMI no Eldorado: a experiência com o nível n primeiros passos para o nível n. Josiane Banov, MSc,PMP Gerente da Qualidade O CMMI no Eldorado: a experiência com o nível n 3 e os primeiros passos para o nível n 4 Josiane Banov, MSc,PMP Gerente da Qualidade Agenda Introdução Cenário Objetivos do Instituto Eldorado Modelo de

Leia mais

DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE

DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE Diagnóstico Perturbações na fluidez Grandes dimensões Manobras lentas Raio de giro restrito Remoção difícil em caso de

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EMENTAS º PERÍODO

CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EMENTAS º PERÍODO CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE FÍSICA DISCIPLINA: REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DISCIPLINA:

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL- INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/ Nº 134, de 14 de agosto de 2003.

Leia mais

BEM-VINDO. Ao Seminário Estadual sobre Segurança em Máquinas com NR 12. TEMA Conceitos Fundamentais

BEM-VINDO. Ao Seminário Estadual sobre Segurança em Máquinas com NR 12. TEMA Conceitos Fundamentais BEM-VINDO Ao Seminário Estadual sobre Segurança em Máquinas com NR 12 TEMA Conceitos Fundamentais Marcelo Vandresen, Dr.Eng.Mec. 1989 - Tecnico em Mecânica Manutenção 1994 - Engenheiro Mecânico 1995 -

Leia mais

CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE

CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE ITEM PONTOS I IMPLANTAÇÃO DO EDIFÍCIO MAX. 10 A) MOVIMENTAÇÃO DO SOLO Implantação do projeto adequada ao perfil natural do terreno, com

Leia mais

REGULAMENTO. Pacotes de serviços Longa Distância Internacional: Longa. Distância USA 500, Longa Distância Internacional Mundo

REGULAMENTO. Pacotes de serviços Longa Distância Internacional: Longa. Distância USA 500, Longa Distância Internacional Mundo REGULAMENTO Pacotes de serviços Longa Distância Internacional: Longa Distância USA 500, Longa Distância Internacional Mundo 100 Estes planos são comercializados pela NEXTEL TELECOMUNICAÇÕES Ltda., prestadora

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PO Procedimento Operacional

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PO Procedimento Operacional E AÇÃO PREVENTIVA PO. 09 10 1 / 5 1. OBJETIVO Descrever a forma como o produto ou serviço não conforme deve ser controlado, a fim de se prevenir a sua utilização ou entrega não intencional ao cliente.

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE ESTUDOS E RELATÓRIOS AMBIENTAIS; INSTRUÇÃO PROCESSUAL PARA O LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DRAGUEIRA;

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE ESTUDOS E RELATÓRIOS AMBIENTAIS; INSTRUÇÃO PROCESSUAL PARA O LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DRAGUEIRA; TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE ESTUDOS E RELATÓRIOS AMBIENTAIS; INSTRUÇÃO PROCESSUAL PARA O LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DRAGUEIRA; FORMULÁRIO CARACTERIZAÇÃO EMPREENDIMENTO; DE DO FORMULÁRIO DE

Leia mais

III Fórum de Governança de TI. Governança de TI nos Correios

III Fórum de Governança de TI. Governança de TI nos Correios III Fórum de Governança de TI Governança de TI nos Correios Outubro / 2016 COBIT 5: Governança e Gestão de TI Governança Corporativa Governança de TI Gestão de TI Vice-Presidência Corporativa - Áreas Composição

Leia mais

Planejamento de aquisição de bens e serviços na Administração Pública. Magno Subtil

Planejamento de aquisição de bens e serviços na Administração Pública. Magno Subtil Planejamento de aquisição de bens e serviços na Administração Pública Magno Subtil Registro de Preços Decreto Estadual 7.437/2011 Sistema de Registro de Preços é o conjunto de procedimentos para registro

Leia mais