ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO PLANALTO DE ARAXÁ E MUNICÍPIOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO PLANALTO DE ARAXÁ E MUNICÍPIOS 1991-2000"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO PLANALTO DE ARAXÁ NÚCLEO DE PESQUISAS ECONÔMICAS E SOCIAIS INFORMATIVO ANO I N II ABRIL 2007 ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO PLANALTO DE ARAXÁ E MUNICÍPIOS Prof Dr. Vitor Alberto Matos ARAXÁ MG

2 Introdução Neste informativo o Núcleo de Pesquisas Econômicas e Sociais do Centro Universitário do Planalto de Araxá analisa a realidade de nossa Microrregião enfocando o desenvolvimento de sua população. Para que se obtivesse uma medida que pudesse ser expressa quantificadamente sem se ater aos aspectos puramente econômicos, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD criou o Índice de Desenvolvimento Humano, um indicador construído como tentativa de análise do desenvolvimento segundo variáveis que revelassem novos olhares da pesquisa sobre o desenvolvimento de uma região. Internacionalmente, o Índice de Desenvolvimento Humano é calculado a partir de dados produzidos por agências internacionais ou por instituições especializadas, e sempre que números recentes tornam-se disponíveis, os indicadores usados na elaboração do IDH (relacionados às dimensões longevidade, educação e renda) são revistos e atualizados. No que tange ao caso brasileiro, os Censos Demográficos nos permitem avaliar as várias dimensões do desenvolvimento de nossas regiões. Segundo o PNUD (pnud.org.br/idh), no Relatório de Desenvolvimento Humano 2002 o Brasil atingiu um padrão mediano no ranking do IDH em 2002 estava em 73 0 lugar com um índice de 0,766, no RDH 2005 as atualizações dos dados mostraram nosso País na 63 0 posição. Para o Brasil, o Índice de Desenvolvimento Humano é calculado através de uma metodologia simples que necessita exclusivamente de algumas variáveis obtidas a partir dos Censos Demográficos realizados a cada dez anos pelo IBGE. Os dados e análises apresentadas a seguir estão organizados de acordo com as seguintes seções: 1 O que é IDH/IDH-M; 2 Metodologia do IDH e os ajustes necessários ao cálculo do IDH-M; 3 Dados Gerais do Brasil e Comparações com a Microrregião do Planalto de Araxá; e 4 O IDH-M: Dados desagregados para a Microrregião do Planalto de Araxá. Todas as informações contidas neste informativo foram retiradas das estatísticas do IBGE (ibge.gov.br) e do Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil (ipea.gov.br). Um dos dados do Atlas é o IDH-M (Índice de Desenvolvimento Humano Municipal), uma adaptação do IDH aos indicadores dos municípios e dos estados brasileiros.

3 1 O que é o IDH / IDH-M Embora a grande maioria da literatura sobre desenvolvimento enfatize os aspectos econômicos, nos dias atuais este conceito experimenta um repensar de suas dimensões com vistas a melhor abarcar todas as suas especificidades. Resumidamente, esta releitura conceitual tem origem na discussão sobre a relevância da medida do desenvolvimento e do bem-estar de um país a partir de variáveis estritamente econômicas, como o PIB per capita. Se pensarmos mais ampliadamente o conceito de desenvolvimento, entendendo-o como a expansão das possibilidades de escolha das pessoas através de suas capacidades e do elenco de suas atividades, não nos será permitido analisá-lo unicamente como decorrência dos resultados de desempenho econômico; consequentemente o PIB per capita não deverá ser sua única variável de medida. Quadro 01 Dimensões e Indicadores considerados no cálculo do IDH Dimensões Indicadores Educação Taxa de Alfabetização de pessoas acima de 15 anos de idade (%). Taxa de Escolarização bruta combinada dos diversos níveis educacionais (%). Longevidade Esperança de Vida ao nascer (anos). Renda PIB per capita (dólares PPP) Fonte: PNUD Relatório do Desenvolvimento Humano 2003 Notas Técnicas. O IDH é uma medida que procura resumir o desenvolvimento humano de um país através de sua realização média avaliada em três dimensões básicas (Quadro 01): a) uma vida longa e saudável, medida pela esperança de vida ao nascer ou o número de anos que se espera um recém-nascido venha a viver, com base nos padrões correntes de mortalidade do país; b) o acesso ao conhecimento, medido pela taxa de alfabetização de adultos e pela taxa de escolarização bruta combinada do primário, secundário e superior. Esta dimensão do IDH procura observar a realização relativa de um país no tocante à aquisição de conhecimento disponibilizada a seus habitantes; c) um padrão digno de vida medido pelo PIB per capita. No cálculo do IDH esta variável é utilizada como uma medida substituta para todas as outras dimensões do desenvolvimento não contempladas por uma vida longa e saudável e por acesso ao conhecimento.

4 2 Metodologia do IDH e os Ajustes necessários ao cálculo do IDHM Para melhor compreensão do processo de cálculo do IDH e dos ajustes realizados para se criar o IDHM, detalharemos a seguir de forma bem simples e por etapas, todos os passos que devem ser seguidos. Passo 01: Normalização dos valores observados. Assumindo a existência de imensas disparidades nas condições de vida entre os diversos países, o cálculo do IDH se inicia com a normalização dos valores observados para cada um dos indicadores utilizados na avaliação de cada uma das suas dimensões. No caso brasileiro, os valores de cada indicador são obtidos a partir dos Censos Demográficos realizados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE. Para a normalização são fixados alguns valores máximos e mínimos (balizas apresentadas no Quadro 02) criados a partir das tendências de longo prazo (próximos 25 anos) que se esperam para cada um dos indicadores. Quadro 02 Valores das Balizas utilizadas no cálculo do Índice de Desenvolvimento Humano Indicador Valor Máximo* Valor Mínimo* Esperança de Vida ao Nascer (anos) Taxa de Alfabetização de Adultos (%) Taxa Combinada de Escolarização Bruta (%) PIB per capita (dólares PPP)** Fonte: PNUD Relatório do Desenvolvimento Humano 2003 Notas Técnicas. * Quando apresentarmos o resumo das fórmulas de cálculo, estas balizas receberão o nome de Parâmetro Máximo e Parâmetro Mínimo. **Como é sabido que o poder de compra de US$ 1 não é o mesmo em países diferentes, os valores dos PIBs per capita são convertidos em dólares pela taxa de câmbio que iguala o poder de compra do dólar entre os países (paridade do poder de compra PPC). O processo de normalização cria um subíndice para cada dimensão segundo a seguinte fórmula geral: Índice = (valor observado valor mínimo) / (valor máximo valor mínimo). A primeira parte da expressão ou a diferença entre o valor observado e o valor mínimo mostra o avanço realizado pelo país. A segunda parte ou a diferença entre o valor máximo e o valor mínimo representa a extensão total da trajetória a ser percorrida por esta sociedade. Este processo reduz todos os valores observados para cada um dos determinantes do IDH em um número puro situado no intervalo entre zero e 1. Ressalte-se que, no cálculo do indicador de renda, como os dados estão expressos em Reais (R$), para que obtenhamos um índice que também esteja compreendido no intervalo entre os

5 valores zero e 1, o processo exige a introdução de logaritmos visando a eliminar o componente moeda. No da dimensão Educação (IDH-E) e do índice geral (IDH) a importância da contribuição de cada um dos indicadores utilizados é captada através da introdução de uma ponderação. Passo 02: Ponderações O critério para a utilização do peso ao cálculo da dimensão Educação (IDH-E) procurou valorizar a contribuição da taxa de alfabetização da população com 15 anos ou mais (adultos) estabelecendo-se o peso de 2/3 (0,666). Desta forma enfatiza-se que para o processo de desenvolvimento humano o resgate de uma significativa parcela da população é relevante. Conseqüentemente, o indicador taxa combinada de escolarização bruta participará com o peso de 1/3 (0,333). A conjunção destes dois valores sintetiza a maturidade educacional observada em uma determinada região. Para a obtenção do IDH geral, utiliza-se este mesmo critério, mas admitindo-se que não exista superioridade de nenhum dos índices sobre os outros. Quadro 03 Fórmulas de Cálculo dos Componentes do IDH* Índice de Alfabetização de Índice = (TxAlf. 0) / (100 0) Adultos Índice de Escolarização Bruta Índice = (TxCEB 0) / (100 0) combinada IDH-E IDH-E = 2/3 (Índice Alfabetização de Adultos) + 1/3 (Índice de Escolarização Bruta) IDH-L IDH-L = (EspVida PMinL) / (PMaxL PMinL) IDH-R IDH-R = log (PIB) log (100) / log (40.000) log (100) IDH IDH = 1/3 (IDH-E) + 1/3 (IDH-L) + 1/3 (IDH-R) * As siglas utilizadas representam: TxAlf: Taxa de Alfabetização das Pessoas Acima de 15 anos; TxCEB: Taxa Combinada de Escolarização Bruta (%); EspVida: Esperança de Vida ao Nascer (em anos); PMinL: Parâmetro Mínimo de Longevidade (definido em 25 anos); PMaxL Parâmetro Máximo de Longevidade (definido em 85 anos); PIB: PIB per capita do país; PMaxR (definido em US$ ); PMinR (definido em US$ 100). Passo 03: Cálculo do IDH O valor do IDH geral é obtido ponderando-se cada um dos subíndices pelo valor 1/3 (0,333) indicando que cada uma das dimensões possui a mesma importância, considerada igualmente valiosa. Em outras palavras, a determinação do índice final se resume em uma média aritmética simples. Ao mesmo tempo, como cada um dos três indicadores varia entre zero e 1 e entra com o mesmo peso no cálculo final, o valor do IDH também variará entre zero e 1. Os processos de cálculo dos subíndices e do índice geral estão resumidos no Quadro 03 apresentado acima.

6 Uma vez determinado o IDH observou-se que os indicadores escolarização bruta e PIB per capita, quando utilizados em análises de núcleos populacionais menores, tornamse pouco explicativos estando sujeitos a críticas fortes quanto à sua aplicabilidade. Assim, em 1998, para que se pudesse calcular o IDHM, foi realizada uma parceria entre o PNUD, o IPEA, a FJP e o IBGE com o objetivo de adaptar o IDH calculado para países buscando captar a situação de desenvolvimento humano de estados e municípios. O procedimento de cálculo do IDHM segue os mesmos passos detalhados para o IDH, entretanto para que certas especificidades de municípios e estados pudessem ser captadas com maior clareza, algumas modificações foram introduzidas. Assim, no lugar do PIB per capita presente no IDH utiliza-se a renda familiar per capita que revela a renda média dos indivíduos residentes naquele município. Neste caso, os parâmetros utilizados no cálculo do IDH devem ser convertidos para Reais (R$). Em vez da taxa bruta de matrícula, utilizou-se a taxa bruta de freqüência à escola nos três níveis de ensino. Estas adaptações se justificam por razões teóricas. No caso da mudança do PIB per capita pela Renda Familiar per capita, a justificativa se prende ao fato de o PIB medir a riqueza gerada enquanto a renda é a medida da riqueza apropriada pela população. Sabe-se que nem sempre a riqueza gerada em um município é ali apropriada. Assim, quando se calcula o indicador de renda, o parâmetro básico máximo é o valor de referência máximo (definido em R$ 1560,17) e o parâmetro mínimo é o valor de referência mínimo (definido em R$ 3,90) 1. No caso da mudança da taxa bruta de matrícula pela taxa bruta de freqüência à escola, o argumento prende-se ao fato de as matrículas de uma determinada escola nem sempre refletirem o nível de escolaridade da população da cidade em que ela esta construída. Este caso ocorre com muita freqüência no nível universitário, onde muitas escolas atendem estudantes de várias outras comunidades. Apesar do cálculo destes dois índices não se diferenciar em nada, as alterações de indicadores mudam a conformação das fórmulas contidas no quadro-resumo (Quadro 03). Tais alterações foram novamente resumidas em um novo quadro (Quadro 04) 1 Os valores de referência máximo e mínimo utilizados no indicador renda do IDHM (R$1.560,17 e R$ 3,90) são obtidos convertendo-se para reais os valores expressos em US$ PPC (paridade do poder de compra) nos relatórios internacionais (US$ PPC e US$ PPC 100). Realiza-se este procedimento procurando eliminar diferenças de níveis de preços entre as nações (FJP, 1998).

7 onde se observa que nada ocorreu quanto ao processo de cálculo. A finalização da determinação dos valores numéricos dos subíndices e do índice geral introduz a questão da interpretação dos resultados obtidos que apresentaremos a seguir. Quadro 04 Fórmulas de Cálculo dos Componentes do IDH-M* Índice de Alfabetização de Índice = (Tx Alf. 0) / (100 0) Adultos Índice de Escolarização Índice = (Tx BFE 0) / (100 0) Bruta combinada IDHM-E IDHM-E = 2/3 (Índice Alfabetização de Adultos) + 1/3 (Índice de Escolarização Bruta) IDHM-L IDHM-L = (Esp Vida PMinL) / (PMaxL PMinL) IDHM-R IDHM-R = (log RMedM log VRefMin) / (log VRefMax log VRefMin) IDH-M IDFH-M = 1/3 (IDHM-E) + 1/3 (IDHM-L) + 1/3 (IDHM-R) * As siglas utilizadas representam: TxBFE: Taxa Bruta de Freqüência à Escola (%); TxAlf: Taxa de Alfabetização das Pessoas Acima de 15 anos; EspVida: Esperança de Vida ao Nascer (em anos); PMinL: Parâmetro Mínimo de Longevidade (definido em 25 anos); PMaxL Parâmetro Máximo de Longevidade (definido em 85 anos); RMedM: Renda Média Municipal per capita; VRefMin: Valor de Referência Mínimo (definido em R$ 3,90); VRefMax: Valor de Referência Máximo (definido em R$ 1560,17). A avaliação do esforço realizado no interior de uma determinada região visando a ampliação das condições de escolha da população está materializada nos valores dos índices IDH e IDHM e de suas três dimensões. Para a análise dos mesmos estabeleceram-se três classes dentro do intervalo zero e 1 correspondendo a níveis de desenvolvimento. Quadro 05 Distribuição dos Municípios segundo a Classificação do PNUD a partir do IDH e IDH-M Tipologia do IDH e IDH-M Intervalo dos Valores BAIXO IDH /IDH-M entre 0 e 0,499 MÉDIO IDH / IDH-M entre 0,5 e 0,799 ALTO IDH / IDH-M igual ou superior a 0,800 FONTE: Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD 2003 As localidades com índice entre 0 e 0,499 situam-se no nível de baixo desenvolvimento humano, os municípios com índices entre 0,500 e 0,799 possuem médio desenvolvimento humano e os iguais e acima de 0,800 estão no patamar de alto desenvolvimento humano. Assim, quanto mais aproximado da unidade estiver o índice de um município, maior será o seu nível de desenvolvimento humano (Quadro 05). Esta tipologia, além de propiciar maior confiabilidade ao processo analítico, permite comparações inter-regionais e no interior de uma região; possibilitando, principalmente ao gestor municipal, melhores condições de atendimento no esforço por sustentabilidade do processo de desenvolvimento.

8 Exemplo de cálculo do IDHM: Estimativa do IDHM para a cidade de Araxá Valores dos Indicadores utilizados no cálculo do IDHM referentes ao ano 2000 Indicador Valor Esperança de vida ao nascer (anos) 70,08 Taxa de Alfabetização de Adultos (%) 92,92 Taxa Bruta de Freqüência à Escola (%) 84,59 Renda per capita 337,69 Cálculo do IDHR IDHR = (log 337,69 log 3,9) / (log 1560,17 log 3,9) = 0,745 Cálculo do IDHL IDHL = (70,08 25) / (85 25) = 0,751 Cálculo do IDHE IDHE = 2/3 (0,9292) + 1/3 (0,8459) = 0,901 Cálculo IDH 2000Araxá = 1/3 (0,745) + 1/3 (0,751) + 1/3 (0,901) = 0,799 Utilizando os dados da cidade de Araxá referentes ao Censo Demográfico de 2000 e a metodologia para o cálculo do IDHM que apresentamos neste texto chegamos ao valor do IDHM desta cidade também calculado no Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil (ipea.gov.br). Desta forma, a partir da distribuição dos municípios de acordo com o IDH, o desenvolvimento humano na cidade de Araxá situa-se no limite superior do patamar médio de desenvolvimento humano municipal 2. 3 Dados Gerais do Brasil e Comparações com a Microrregião do Planalto de Araxá Analisando os resultados do IDH na Tabela 01 verificamos que o Brasil e Minas Gerais, tanto em 1991 como em 2000, apresentaram índices considerados medianos. Embora em ambos os casos, os números tenham melhorado e o estado apresente resultados acima, mas muito próximos do país, verifica-se que ainda deveremos melhorar muito. TABELA 01 - Brasil e Minas Gerais: Índice de Desenvolvimento Humano 1991 e Localidades IDH 1991 IDH 2000 Brasil 0,696 0,766 Minas Gerais 0,697 0,773 FONTE: IPEA Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Dados do Atlas de Desenvolvimento Humano A análise comparativa dos resultados, englobando os dados do País, do Estado e dos Municípios da Microrregião do Planalto de Araxá (Tabelas 01 e 02), não apresenta diferenças significativas em Embora alguns municípios da microrregião apresentem números melhores, eles ainda encontram-se na faixa de desenvolvimento mediano. 2 Apesar de o IDHM nos dar uma imagem do desempenho local médio em termos da busca por acelerar o desenvolvimento de forma sustentada, as médias podem esconder grandes disparidades existentes. As desigualdades que têm por base o rendimento, a riqueza, o sexo, a raça e outras formas de desvantagens herdadas, bem como a localização, podem tornar as médias obtidas um indicador de bem-estar humano fortemente ilusório.

9 TABELA 02 - Planalto de Araxá e Municípios: Ranking do Índice de Desenvolvimento Municipal (em %) 1991 e Localidades IDH Classificação* Localidades IDH Classificação* Santa Juliana 0,741 1º Nova Ponte 0, Araxá 0,736 2º Araxá 0, Nova Ponte 0,730 3º Sacramento 0, Ibiá 0,727 4º Ibiá 0, Tapira 0,720 5º Pedrinópolis 0, Perdizes 0,712 6º Santa Juliana 0, Sacramento 0,710 7º Campos Altos 0, Campos Altos 0,692 8º Tapira 0, Pedrinópolis 0,691 9º Perdizes 0, Pratinha 0,676 10º Pratinha 0, FONTE: IPEA Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Dados do Atlas de Desenvolvimento Humano *Classificação elaborada exclusivamente considerando os resultados da Microrregião Homogênea. No Censo de 2000 os resultados apresentaram-se bastante diferentes dos anteriores. Em todos os municípios houve crescimento nos indicadores demonstrando melhoria nas condições de bem-estar da população. Concomitantemente, Nova Ponte destacase dos demais como o único município cujos resultados são considerados altos. Em uma análise mais aprofundada, a partir da construção do ranking intermunicipal para 1991 e 2000 (Tabela 02), encontramos na microrregião cidades onde este crescimento dá-se por melhoria de posições; entretanto, em outros casos, apesar da melhora nos resultados, verificou-se queda na classificação. Apesar de os resultados sinalizarem avanços em seus indicadores, Araxá foi a única cidade que manteve sua posição no ranking o que demonstra que os esforços por dotarem a população local de melhor oferta de bem-estar devem crescer ainda mais. Os municípios de Campos Altos, Pedrinópolis e Pratinha, em 1991, situavam-se nas piores posições do ranking ; em 2000, apesar de estas localidades ainda apresentarem resultados pouco animadores, em algumas delas observam-se sensíveis melhoras. 4 O IDH-M: Dados desagregados para a Microrregião do Planalto de Araxá De acordo com os Censos de 1991 e 2000 as variáveis formadoras do IDHM e de suas dimensões educação, longevidade e renda (Tabela 03 e 04) demonstram que o desempenho de cada um dos municípios da região melhorou muito. Vários deles passaram da classificação média para a alta. Em algumas cidades encontramos resultados bem acima dos encontrados para o Brasil e para Minas Gerais. A decomposição do IDH mostra que a região, relativamente ao IDHM-E, dá grande ênfase à educação, uma vez que ela apresenta na grande maioria de seus municípios,

10 tanto em 1991 quanto em 2000, resultados bem acima daqueles relativos à longevidade e à renda. Se em 1991 as cidades de Pedrinópolis, Perdizes, Pratinha e Tapira não apresentaram esta característica, em 2000 isto não se verifica apenas nas duas últimas. O esforço de cada um dos municípios da região em direção a melhores resultados no acesso ao conhecimento é inegável, uma vez que, se em 1991 apenas a cidade de Araxá apresentava IDHM-E alto, em 2000 todas elas situavam-se nesta posição. Tabela 03 Brasil, Minas Gerais e Planalto de Araxá: Indicadores de Desenvolvimento Municipal Educação, Longevidade e Renda (em %) 1991 e IDHME IDHML IDHMR IDHME IDHML IDHMR Brasil 0,745 0,662 0,681 0,849 0,727 0,723 Minas Gerais 0,751 0,689 0,652 0,850 0,759 0,711 Araxá 0,825 0,707 0,676 0,901 0,751 0,745 Campos Altos 0,717 0,712 0,647 0,837 0,827 0,695 Ibiá 0,764 0,721 0,697 0,833 0,791 0,767 Nova Ponte 0,799 0,712 0,679 0,854 0,827 0,728 Pedrinópolis 0,719 0,744 0,609 0,859 0,800 0,707 Perdizes 0,719 0,751 0,667 0,820 0,800 0,710 Pratinha 0,685 0,712 0,631 0,802 0,827 0,692 Sacramento 0,769 0,727 0,634 0,876 0,806 0,709 Santa Juliana 0,781 0,775 0,668 0,849 0,800 0,710 Tapira 0,749 0,751 0,660 0,826 0,827 0,688 FONTE: IPEA Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Dados do Atlas de Desenvolvimento Humano Tabela 04 Brasil, Minas Gerais e Planalto de Araxá Componentes do IDHM Esperança de Vida ao Nascer (em anos) Tx. de Alfabetização (%) Tx. Bruta de Freqüência Escolar (%) Renda per capita (em R$ de 2000) Brasil 64,73 68,61 79,93 86,37 63,63 81,89 230,30 297,23 Minas Gerais 66,36 70,55 81,81 88,04 61,72 78,93 193,57 276,56 Araxá 67,41 70,08 88,95 92,92 69,75 84,59 224,20 337,69 Campos Altos 67,73 74,61 79,63 87,03 55,70 77,03 187,58 250,90 Ibiá 68,23 72,45 84,02 89,97 61,11 69,98 253,31 385,45 Nova Ponte 67,73 74,61 87,26 87,96 65,21 80,37 227,71 305,83 Pedrinópolis 69,63 72,99 79,25 89,34 57,13 79,07 149,47 269,18 Perdizes 70,07 72,99 82,32 87,63 51,03 70,79 211,74 273,63 Pratinha 67,73 74,61 76,25 84,66 52,95 71,32 170,54 246,01 Sacramento 68,61 73,33 84,95 90,02 60,95 82,66 173,99 272,41 Santa Juliana 71,48 72,99 87,15 89,10 59,96 76,45 213,76 275,09 Tapira 70,07 74,61 84,44 88,19 55,81 71,38 203,98 240,63 FONTE: IPEA Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Dados do Atlas de Desenvolvimento Humano Relativamente ao IDHM-L, observa-se que os esforços dos gestores municipais por dotar a população de melhores condições de bem-estar se materializaram nos índices obtidos. Se compararmos os resultados de 1991 e 2000 observar-se-á que a totalidade dos municípios apresentou índices crescentes e que somente em Ibiá o indicador não conseguiu atingir resultados que a classificação do PNUD classifica como alto.

11 Com relação ao IDHM-R não temos considerações muito diferentes das anteriores, uma vez que no período analisado observa-se crescimento nos índices de desempenho de cada um dos municípios. Embora para a região os números em 2000 se mostrem superiores aos do País e do Estado, eles escondem desigualdades profundas presentes quando se analisa a distribuição da renda gerada. Mesmo observando que a distribuição da renda melhorou entre 1991 e 2000, ainda encontramos um imenso fosso entre os 80% mais pobres e os 20% mais ricos. Em 1991, as cidades de Ibiá, Nova Ponte, Pratinha e Tapira eram as que mais se aproximavam de uma distribuição de renda mais equilibrada. Em 2000, os melhores resultados são encontrados somente nas cidades de Ibiá e Tapira (Tabela 05). Tabela 05 Planalto de Araxá: Desigualdades na Apropriação da Renda (em %) 1991 e Renda Apropriada 1991 Renda Apropriada % mais Pobres 80% mais Pobres 20% mais Ricos 20% mais Pobres 80% mais Pobres 20% mais Ricos Brasil 1,90 32,89 67,11 1,50 31,94 68,06 Minas Gerais 2,48 34,15 65,85 2,18 34,29 65,71 Araxá 3,73 40,90 59,10 3,33 37,67 62,33 Campos Altos 3,86 38,55 61,45 4,29 41,67 58,33 Ibiá 3,81 45,05 54,95 3,98 45,18 54,82 Nova Ponte 4,15 43,46 56,54 3,04 34,10 65,90 Pedrinópolis 5,62 50,19 49,81 3,01 37,31 62,69 Perdizes 3,19 34,37 65,63 3,57 37,80 62,60 Pratinha 3,86 41,03 58,97 4,08 39,95 60,05 Sacramento 3,22 38,38 61,62 3,99 41,06 58,94 Santa Juliana 3,58 35,72 64,28 3,96 40,06 59,94 Tapira 3,87 44,69 55,31 4,29 48,44 51,56 FONTE: IPEA Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Dados do Atlas de Desenvolvimento Humano Com relação ao segmento dos mais pobres de uma população, os números regionais são bem melhores do que os de Minas e do Brasil, no entanto, se verifica alguma desigualdade entre os municípios. No período entre os Censos de 1991 e 2000 o percentual de renda apropriada neste segmento da população aumentou somente nos municípios de Campos Altos, Ibiá, Perdizes, Pratinha, Sacramento, Santa Juliana e Tapira, indicando que somente em Araxá, Nova Ponte e Pedrinópolis ocorreram movimentos de concentração. Apesar da concentração existente em algumas cidades, em todos os municípios da região verifica-se melhora significativa nos indicadores de pobreza (Tabela 06). Estes números indicam que existe um esforço regional para que ocorram melhoras nas imensas desigualdades entre ricos e pobres, homens e mulheres, regiões rurais e urbanas etc que assolam este nosso mundo.

12 Tabela 06 Planalto de Araxá: Indicadores de Pobreza 1991 e % de Indigentes % de Pobres Intensidade de Indigência Intensidade de Pobreza % de Indigentes % de Pobres Intensidade de Indigência Intensidade de Pobreza Brasil 20,24 40,08 42,04 49,18 16,32 32,75 53,87 49,68 Minas Gerais 19,72 43,27 37,50 45,83 12,57 29,77 48,54 43,78 Araxá 7,10 26,76 32,95 35,17 4,20 15,71 57,75 34,53 C. Altos 9,86 36,11 35,09 36,58 5,28 19,99 44,90 32,03 Ibiá 13,76 35,46 27,79 40,06 5,59 19,00 51,39 34,54 N. Ponte 6,34 23,64 38,60 33,88 5,97 21,27 40,36 34,15 Pedrinópolis 11,71 39,02 26,61 34,96 6,41 23,73 49,60 33,71 Perdizes 10,85 37,33 26,17 37,55 5,63 21,01 50,16 33,13 Pratinha 11,03 37,12 33,42 39,21 5,54 23,40 42,27 31,44 Sacramento 15,42 42,20 35,38 41,09 3,87 20,20 40,49 28,36 Sta. Juliana 8,07 29,45 35,20 36,94 5,14 20,36 58,08 28,73 Tapira 7,28 23,80 35,47 35,99 6,52 23,80 40,31 33,25 FONTE: IPEA Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Dados do Atlas de Desenvolvimento Humano A ONU, através do PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, estabeleceu para todas as nações participantes um elenco de objetivos a serem atingidos, tendo em vista a redução das assimetrias entre ricos e pobres no mundo moderno. O combate à pobreza e à fome, a redução dos níveis de mortalidade infantil e materna, o alcance da igualdade entre mulheres e homens, a melhoria nas condições ambientais, a universalização do ensino básico e a busca de uma verdadeira parceria no desenvolvimento humano são apenas alguns deles. O RDH de 2005 assinalava que em países com condições similares às do Brasil e do México grande desigualdade e grande número de pobres uma modesta transferência de renda teria grande impacto na redução da pobreza. Indo mais além, o relatório salienta que em uma sociedade que dê mais peso ao ganho de bem-estar dos pobres do que ao dos ricos, uma pequena transferência de renda de 5% dos 20% mais ricos para os mais pobres, poderia ser considerada uma melhoria do bem-estar de toda a sociedade, mesmo que alguns percam. Referências: Fundação João Pinheiro FJP. Definição e Metodologia de Cálculo dos Indicadores e Índices de Desenvolvimento Humano e Condições de Vida. (disponível em http;//www.fjp.gov.br). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE. Censo Demográfico de 1991 e Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (2003). Relatório do Desenvolvimento Humano Oxford University Press. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (2005). Relatório do Desenvolvimento Humano Oxford University Press.

ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO ANÁLISES COMPLEMENTARES 1991 2000

ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO ANÁLISES COMPLEMENTARES 1991 2000 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO PLANALTO DE ARAXÁ NÚCLEO DE PESQUISAS ECONÔMICAS E SOCIAIS INFORMATIVO ANO I Nº III MAIO 2007 ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO ANÁLISES COMPLEMENTARES 1991 2000 Profº Dr. Vitor

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS 1 ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 28 de setembro de 2011 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil

Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil Entenda o cálculo do IDH Municipal (IDH-M) e saiba quais os indicadores usados O Índice de Desenvolvimento Humano foi criado originalmente para medir o nível de desenvolvimento humano dos países a partir

Leia mais

ALTO IGUAL OU MAIOR QUE 0,8 MÉDIO DE 0,5 A 0,79 BAIXO MENOS QUE 0,5 COLOCAÇÃO DO BRASIL NO RANKING MUNDIAL 69º CLASSIFICAÇÃO MÉDIA 0,792

ALTO IGUAL OU MAIOR QUE 0,8 MÉDIO DE 0,5 A 0,79 BAIXO MENOS QUE 0,5 COLOCAÇÃO DO BRASIL NO RANKING MUNDIAL 69º CLASSIFICAÇÃO MÉDIA 0,792 IDH ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO O IDH foi criado pelas Nações Unidas para medir o grau de desenvolvimento humano dos países. O índice é composto por uma série de indicadores sociais e econômicos,

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 24 de setembro de 2008 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

O Brasil e o IDH. No mês de setembro de 2005 o PNUD (Programa das Nações Unidas para o

O Brasil e o IDH. No mês de setembro de 2005 o PNUD (Programa das Nações Unidas para o O Brasil e o IDH No mês de setembro de 2005 o PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) divulgou o Relatório de Desenvolvimento Humano (RDH 2005), com a análise de 177 países. Com dados

Leia mais

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI Roland Anton Zottele 1, Friedhilde M. K. Manulescu 2 1, 2 Faculdade de Ciências

Leia mais

Tema: Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) Professor: Jonathan Kreutzfeld

Tema: Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) Professor: Jonathan Kreutzfeld Tema: Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) Professor: Jonathan Kreutzfeld O que é IDH? O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é uma medida comparativa de renda, escolaridade e longevidade para os diversos

Leia mais

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado pela ONU, parte do pressuposto de que para aferir o avanço de uma população não se deve considerar

Leia mais

FAQ - Perguntas Frequentes

FAQ - Perguntas Frequentes FAQ - Perguntas Frequentes Desenvolvimento Humano, IDH e IDHM O que é Desenvolvimento Humano? Difundido no primeiro Relatório de Desenvolvimento Humano Global do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL BANCO DE DADOS REGIONAL. Eixo temático: Indicadores Sociais 1. Variável: IDESE

OBSERVATÓRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL BANCO DE DADOS REGIONAL. Eixo temático: Indicadores Sociais 1. Variável: IDESE OBSERVATÓRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL BANCO DE DADOS REGIONAL Eixo temático: Indicadores Sociais 1 Variável: IDESE O Idese (Índice de Desenvolvimento Sócio-Econômico) é um índice sintético, inspirado

Leia mais

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina CH/EM Caro Aluno, Esta oficina tem por objetivo analisar as principais características de um dos principais indicadores socioeconômicos utilizados na

Leia mais

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil MÓDULO 4 - Relações Étnico-Raciais unidade 2 TEXTO 4 As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil Você já pensou em como as desigualdades raciais muitas vezes

Leia mais

Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender?

Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender? Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender? PIB - Produto Interno Bruto. Ele representa o montante de todas as riquezas do país, quanto maior o PIB, mais alto o nível

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

Como funciona o índice de Desenvolvimento humanos IDH

Como funciona o índice de Desenvolvimento humanos IDH Como funciona o índice de Desenvolvimento humanos IDH 1 Introdução 2 Metodologia 3 Resultados Introdução O propósito básico do desenvolvimento é ampliar as escolhas das pessoas, criando um ambiente capacitante

Leia mais

Índice de Gini e IDH. Prof. Antonio Carlos Assumpção

Índice de Gini e IDH. Prof. Antonio Carlos Assumpção Índice de Gini e IDH Prof. Antonio Carlos Assumpção Redução da pobreza e Desigualdade de Renda Redução da pobreza e Desigualdade de Renda A partir da estabilização da economia, em 1994, houve no Brasil

Leia mais

Centro de Estudos, Pesquisas e Projetos Econômico-Sociais INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO HUMANO PARA UBERLÂNDIA E MUNICÍPIOS SELECIONADOS (1991 2000)

Centro de Estudos, Pesquisas e Projetos Econômico-Sociais INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO HUMANO PARA UBERLÂNDIA E MUNICÍPIOS SELECIONADOS (1991 2000) Centro de Estudos, Pesquisas e Projetos Econômico-Sociais INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO HUMANO PARA UBERLÂNDIA E MUNICÍPIOS SELECIONADOS (1991 2000) Uberlândia MG Julho / 2005 INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PORTO ALEGRE DESIGUAL: OS VÁRIOS RETRATOS DE UMA METRÓPOLE

PORTO ALEGRE DESIGUAL: OS VÁRIOS RETRATOS DE UMA METRÓPOLE PORTO ALEGRE DESIGUAL: OS VÁRIOS RETRATOS DE UMA METRÓPOLE Valéria D.Sartori Bassani 1 Introdução Este artigo tem por objetivo apresentar uma descrição sintética socioeconômica da cidade de Porto Alegre,

Leia mais

TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO

TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO Teresina (PI), Setembro 2014 1 ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH-m) As informações deste estudo são extraídas do site do Programa das Nações Unidas - PNUD,

Leia mais

IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país

IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país Material embargado até dia 9 de novembro, às 11h do Brasil IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Brasil

Leia mais

Estudo Comparativo 1991-2000

Estudo Comparativo 1991-2000 Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Planejamento e Gestão Estratégica - SEMPLA Departamento de Estudos e Pesquisas Setor de Estatística e Informações DESENVOLVIMENTO HUMANO EM NATAL Estudo

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

2. DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO: UMA REVISÃO

2. DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO: UMA REVISÃO CARACTERÍSTICAS DO INDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ: COMPARATIVO ENTRE CASCAVEL E FOZ DO IGUAÇU Área: ECONOMIA Leila Fernanda Pedron UNIOESTE lfpedron@hotmail.com Marcia Rudy

Leia mais

Brasil. Valores de IDH e mudanças de classificação no Relatório de Desenvolvimento Humano 2011

Brasil. Valores de IDH e mudanças de classificação no Relatório de Desenvolvimento Humano 2011 Relatório de Desenvolvimento Humano 2011 Sustentabilidade e igualdade: Um futuro melhor para todos Nota explicativa sobre os índices compostos do IDH 2011 Brasil Valores de IDH e mudanças de classificação

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Índices de Desenvolvimento e de Desigualdade

Índices de Desenvolvimento e de Desigualdade Martin Handford, Where s Wally? População, Espaço e Ambiente Abordagens Espaciais em Estudos de População: Métodos Analíticos e Técnicas de Representação Índices de Desenvolvimento e de Desigualdade Antonio

Leia mais

A influência dos setores econômicos no Desenvolvimento Humano dos municípios Brasileiros

A influência dos setores econômicos no Desenvolvimento Humano dos municípios Brasileiros A influência dos setores econômicos no Desenvolvimento Humano dos municípios Brasileiros Leandro Sauer (leandrosauer@uol.com.br) Matemático e Doutor em Engenharia Elétrica, chefe e professor do Departamento

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Perfil Municipal - Rio Bom (PR)

Perfil Municipal - Rio Bom (PR) Caracterização do Território Área: 177,4 km² u Densidade Demográfica: 20,0 hab/km² Altitude da Sede: 680 m Ano de Instalação: 1.964 Distância à Capital: 284,5 km Microrregião: Faxinal Mesorregião: Norte

Leia mais

INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL: SIGNIFICADO E IMPORTÂNCIA PARA A GESTÃO PÚBLICA

INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL: SIGNIFICADO E IMPORTÂNCIA PARA A GESTÃO PÚBLICA INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL: SIGNIFICADO E IMPORTÂNCIA PARA A GESTÃO PÚBLICA Silvio A. F. Cario Prof. dos Cursos de Graduação e Pós-Graduação em Economia e Administração da Universidade

Leia mais

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL O Estado de São Paulo, especialmente nos grandes centros urbanos, apresenta enormes desigualdades sociais, com áreas de alto padrão de qualidade de vida e outras

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

Tabela 1.1 - Expectativa de vida dos indivíduos menores de 1 ano de idade segundo Brasil, Pará e Regiões de Integração 2006-2010

Tabela 1.1 - Expectativa de vida dos indivíduos menores de 1 ano de idade segundo Brasil, Pará e Regiões de Integração 2006-2010 Apresentação O Mapa de Exclusão Social do Pará elaborado pelo Instituto do Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará IDESP e pela Secretaria de Estado de Planejamento, Orçamento e Finanças

Leia mais

Módulo: Indicadores Sintéticos: IPRS e IPVS Parte 2 Palestrante: Maria Paula Ferreira

Módulo: Indicadores Sintéticos: IPRS e IPVS Parte 2 Palestrante: Maria Paula Ferreira Módulo: Indicadores Sintéticos: IPRS e IPVS Parte 2 Palestrante: Maria Paula Ferreira Roteiro da Apresentação Nova Forma de Atuação do Setor Público O papel das Estatísticas e Indicadores Indicadores O

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

Diagnóstico da Educação Municipal

Diagnóstico da Educação Municipal Diagnóstico da Educação Municipal Oneide Ferraz Alves Apoio Parceria Coordenação Técnica Iniciativa Temas 1º dia Planejamento Planejamento Educacional Plano Anual de Educação Diagnóstico da Educação no

Leia mais

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531. População segundo a Distribuição de Domicílios 2010 Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.834 14,66 FONTE: IPARDES/IBGE

Leia mais

Sistema de Monitoramento e avaliação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio em Belo Horizonte

Sistema de Monitoramento e avaliação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio em Belo Horizonte Sistema de Monitoramento e avaliação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio em Belo Horizonte O Observatório do Milênio de Belo Horizonte é um espaço de produção, análise e disponibilização de informações

Leia mais

Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE

Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE Brasília, 7 A pobreza extrema no país caiu a 2,8%

Leia mais

Crescimento e Desenvolvimento Econômico

Crescimento e Desenvolvimento Econômico FURG ICEAC UAB Especialização em Gestão Pública Municipal Disciplina Indicadores Socioeconômicos na gestão pública Crescimento e Desenvolvimento Econômico Prof. Tiarajú A. de Freitas Bem-vindo! É com grande

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia

1. Introdução. 2. Metodologia Mapeando a Mestre em Estatística Prefeitura Municipal do Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Finanças Departamento de Estudos e Pesquisas. Introdução O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: uma análise a partir do rendimento domiciliar per capita no período 2001-2006 Juliana Carolina Frigo

Leia mais

Questões Fundamentais do Desenvolvimento na CPLP: O Caso dos Países Africanos

Questões Fundamentais do Desenvolvimento na CPLP: O Caso dos Países Africanos Questões Fundamentais do Desenvolvimento na CPLP: O Caso dos Países Africanos João Estêvão ISEG Universidade Técnica de Lisboa Mestrado em Estudos Africanos e do Desenvolvimento IEE/UCP Colóquio CPLP e

Leia mais

ASPECTOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO NO RECIFE

ASPECTOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO NO RECIFE ASPECTOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO NO RECIFE Em 2000, três Unidades de Desenvolvimento Humano (UDHs) do Recife superam o IDH da Noruega, país com o mais alto índice no Relatório da ONU. Por outro lado,

Leia mais

Paraná. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Paraná (1991, 2000 e 2010)

Paraná. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Paraná (1991, 2000 e 2010) Paraná Em, no estado do Paraná (PR), moravam 1,4 milhões de pessoas, onde uma parcela considerável (7,5%, 786,6 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 399 municípios, dos quais 23

Leia mais

CADER NOS BDMG. Publicação do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais Departamento de Planejamento e Estudos Econômicos

CADER NOS BDMG. Publicação do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais Departamento de Planejamento e Estudos Econômicos CADER NOS BDMG Publicação do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais Departamento de Planejamento e Estudos Econômicos Nº 20 abril 2010 Belo Horizonte Periodicidade Semestral ISSN 1806-3187 Cad. BDMG

Leia mais

3 INDICADORES SOCIAIS

3 INDICADORES SOCIAIS 3 INDICADORES SOCIAIS Investigar o estágio de desenvolvimento de uma sociedade é uma tarefa extremamente desafiante, visto a inexistência de um indicador absoluto, consensual, inquestionável. Medir qualidade

Leia mais

Esta síntese apresenta a linha de base dos indicadores referentes às metas do PNE. O documento consiste em análises descritivas das séries históricas

Esta síntese apresenta a linha de base dos indicadores referentes às metas do PNE. O documento consiste em análises descritivas das séries históricas Esta síntese apresenta a linha de base dos indicadores referentes às metas do PNE. O documento consiste em análises descritivas das séries históricas dos indicadores selecionados pelo Ministério da Educação

Leia mais

Rio Grande do Sul. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio Grande do Sul (1991, 2000 e 2010)

Rio Grande do Sul. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio Grande do Sul (1991, 2000 e 2010) Rio Grande do Sul Em 21, no estado do Rio Grande do Sul (RS), moravam 1,7 milhões de pessoas, onde parcela importante (9,3%, 989,9 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 496 municípios,

Leia mais

Rio de Janeiro. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio de Janeiro (1991, 2000 e 2010)

Rio de Janeiro. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio de Janeiro (1991, 2000 e 2010) Rio de Janeiro Em, no estado do Rio de Janeiro (RJ), moravam 16 milhões de pessoas, onde 8,9% (1,4 milhões) tinham 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 92 municípios, dos quais sete (7,6%)

Leia mais

Perfil Municipal - Florianópolis (SC)

Perfil Municipal - Florianópolis (SC) Caracterização do Território Área: 436,5 km² Densidade Demográfica: 760,1 hab/km² Altitude da Sede: 3 m Ano de Instalação: 1.726 Distância à Capital: 0,0 km Microrregião: Florianópolis Mesorregião: Grande

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Indicadores sócio-econômicos. Campos Gerais. Paraná.

PALAVRAS-CHAVE Indicadores sócio-econômicos. Campos Gerais. Paraná. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO HUMANO NA FRONTEIRA BRASIL/BOLÍVIA E BRASIL/PARAGUAI. Palavras-Chave: Fronteira, Desenvolvimento Humano, Indicadores.

DESENVOLVIMENTO HUMANO NA FRONTEIRA BRASIL/BOLÍVIA E BRASIL/PARAGUAI. Palavras-Chave: Fronteira, Desenvolvimento Humano, Indicadores. DESENVOLVIMENTO HUMANO NA FRONTEIRA BRASIL/BOLÍVIA E BRASIL/PARAGUAI Jeniffer Fonseca da Silva Jean Carlos da Silva Américo Tito Carlos Machado de Oliveira 1 Aluna do curso de ciências econômicas da UFMS,

Leia mais

Retrato de Portugal alguns indicadores

Retrato de Portugal alguns indicadores Retrato de Portugal alguns indicadores Apresentação de Joel Felizes Resumo O Índice de Desenvolvimento Humano e o PIB A posição de Portugal vista em diversas dimensões Comparação a nível mundial e da UE

Leia mais

São Paulo. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de São Paulo (1991, 2000 e 2010)

São Paulo. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de São Paulo (1991, 2000 e 2010) São Paulo Em 21, no estado de São Paulo (SP), moravam 41,3 milhões de pessoas, onde uma parcela considerável (7,8%, 3,2 milhões) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 645 municípios,

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1)

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) 1 INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) Ernesto Friedrich de Lima Amaral Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia ESTRUTURA DO CURSO 2 1. Conceitos básicos relacionados a indicadores

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL Thaís Schmidt Salgado Vaz de Castro thaissalgado@hotmail.com; Felipe José

Leia mais

RESULTADO DO IDH-M DAS UNIDADES DE DESENVOLVIMENTO HUMANO DA REGIÃO METOPOLITANA DE SÃO LUÍS

RESULTADO DO IDH-M DAS UNIDADES DE DESENVOLVIMENTO HUMANO DA REGIÃO METOPOLITANA DE SÃO LUÍS RESULTADO DO IDH-M DAS UNIDADES DE DESENVOLVIMENTO HUMANO DA REGIÃO METOPOLITANA DE SÃO LUÍS GOVERNADORA DO ESTADO DO MARANHÃO Roseana Sarney SECRETÁRIO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO João Bernardo

Leia mais

Níveis de consumo energético e índices de desenvolvimento humano

Níveis de consumo energético e índices de desenvolvimento humano r Revista Brasileira de Energia Níveis de consumo energético e índices de desenvolvimento humano Antonio Carlos Bôa Nova 1. Introdução A existência de um vínculo estreito entre energia e desenvolvimento

Leia mais

Perfil Municipal - Natal (RN)

Perfil Municipal - Natal (RN) Caracterização do Território Área: 169,9 km² Densidade Demográfica: 4.175,5 hab/km² Altitude da Sede: 30 m Ano de Instalação: 1.599 Distância à Capital: 0,0 km Microrregião: Natal Mesorregião: Leste Potiguar

Leia mais

Santa Catarina. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Santa Catarina (1991, 2000 e 2010)

Santa Catarina. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Santa Catarina (1991, 2000 e 2010) Santa Catarina Em 21, no estado de Santa Catarina (SC), moravam 6,3 milhões de pessoas, onde parcela relevante (6,9%, 43,7 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 293 municípios,

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

I N F O R M E S E T O R I A L

I N F O R M E S E T O R I A L ÁREA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL I N F O R M E S E T O R I A L Gerência Setorial REALIDADE SOCIAL BRASILEIRA Principais Indicadores nº 1 janeiro de 2002 No final do ano de 2001 foram divulgados os estudos

Leia mais

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Neste capítulo se pretende avaliar os movimentos demográficos no município de Ijuí, ao longo do tempo. Os dados que fomentam a análise são dos censos demográficos, no período 1920-2000,

Leia mais

2 A Realidade Brasileira

2 A Realidade Brasileira 16 2 A Realidade Brasileira 2.1. A Desigualdade Social no Brasil De acordo com o levantamento do IBGE, embora a renda per capita no país seja relativamente elevada para os padrões internacionais, a proporção

Leia mais

Perfil Municipal - Queimada Nova (PI)

Perfil Municipal - Queimada Nova (PI) Caracterização do Território Área: 1.438,4 km² Densidade Demográfica: 5,8 hab/km² Altitude da Sede: 410 m Ano de Instalação: 1.993 Distância à Capital: 416,7 km Microrregião: Alto Médio Canindé Mesorregião:

Leia mais

Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S. Escola de Governo 22/09/2015

Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S. Escola de Governo 22/09/2015 Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S Escola de Governo 22/09/2015 Gerações dos Direitos Humanos 1ª Dimensão Direitos Civis e Políticos

Leia mais

CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL NO BRASIL

CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL NO BRASIL CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL NO BRASIL 1. JUSTIFICATIVA Paulo Ricardo de Avelar 1 Esther Grizende Garcia 2 Agnaldo Castilho dos Santos 3 O Brasil tem apresentado um significativo crescimento

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

11.3.7. Condições de Vida da População. 11.3.7.1. Introdução

11.3.7. Condições de Vida da População. 11.3.7.1. Introdução 11.3.7. Condições de Vida da População 11.3.7.1. Introdução Integram essa área de estudo para o meio socioeconômico, oito municípios, a saber: Apiaí, Barra do Chapéu, Itapirapuã Paulista e Ribeira, em

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO SÓCIOECONÔMICO: UM OLHAR A PARTIR DA REALIDADE LOCAL

INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO SÓCIOECONÔMICO: UM OLHAR A PARTIR DA REALIDADE LOCAL INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO SÓCIOECONÔMICO: UM OLHAR A PARTIR DA REALIDADE LOCAL Jordana de Souza Morais 1 Amélia Carla Sobrinho Bifano 2 Flávia Leão Almeida Silva 3 Luis Gustavo Ferreira Cabral 4 Maria

Leia mais

erradicar a pobreza extrema e a fome

erradicar a pobreza extrema e a fome objetivo 1. erradicar a pobreza extrema e a fome Para a Declaração dos Direitos Humanos toda pessoa tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem-estar, inclusive

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

II SEMINÁRIO: GESTÃO DA INFORMAÇÃO E MONITORAMENTO DE POLÍTICAS SOCIAIS

II SEMINÁRIO: GESTÃO DA INFORMAÇÃO E MONITORAMENTO DE POLÍTICAS SOCIAIS II SEMINÁRIO: GESTÃO DA INFORMAÇÃO E MONITORAMENTO DE POLÍTICAS SOCIAIS Painel 3 A Importância da Integração das Estatísticas Oficiais Paulo de Martino Jannuzzi IDH Data: 14 e 15 de abril de 2014. 1 Limitações

Leia mais

A EDUCAÇÃO INFANTIL NO GRANDE ABC E AS METAS DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO.

A EDUCAÇÃO INFANTIL NO GRANDE ABC E AS METAS DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. A EDUCAÇÃO INFANTIL NO GRANDE ABC E AS METAS DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Eixo 1: Políticas Públicas de Educação Infantil Nonato Assis de Miranda Universidade Municipal de São Caetano do Sul mirananonato@uol.com.br

Leia mais

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio 1- Erradicar a extrema pobreza e a fome Meta 1: Reduzir pela metade, entre 1990 e 2015, a proporção da população com renda

Leia mais

ID:1921 CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO PROGRAMA MÃE CORUJA PERNAMBUCANA

ID:1921 CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO PROGRAMA MÃE CORUJA PERNAMBUCANA ID:1921 CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO PROGRAMA MÃE CORUJA PERNAMBUCANA de Andrade Lima, Ana Elizabeth; Pinheiro Rodrigues, Cristina; da Fonseca Santa Cruz,

Leia mais

PNAD 2009 - Primeiras análises: Situação da educação brasileira - avanços e problemas

PNAD 2009 - Primeiras análises: Situação da educação brasileira - avanços e problemas Nº 66 PNAD 2009 - Primeiras análises: Situação da educação brasileira - avanços e problemas 18 de novembro de 2010 Governo Federal Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República Ministro

Leia mais

Especialização em Gestão Pública Programa Nacional de Formação em Administração Pública

Especialização em Gestão Pública Programa Nacional de Formação em Administração Pública 4 Especialização em Gestão Pública Programa Nacional de Formação em Administração Pública JOÃO RICARDO SPOSITO ANÁLISE SÓCIO-ECONÔMICO DO MUNICÍPIO DE UMUARAMA POR MEIO DE INDICADORES RELACIONADOS À DIMENSÃO

Leia mais

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO SIMÃO, Rosycler Cristina Santos Palavras chave: rede urbana; São Paulo; disparidades regionais; Censo Demográfico 2000. Resumo O objetivo do trabalho é mostrar

Leia mais

Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil

Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil José Eustáquio Diniz Alves i As eleições de 2 nem começaram de fato, mas já existe uma grande quantidade de textos circulando na

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF)

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) Márcia Ribeiro de Albuquerque 1 Ana Carolina Alves Gomes 2 A questão das

Leia mais

Indicadores Anefac dos países do G-20

Indicadores Anefac dos países do G-20 Indicadores Anefac dos países do G-20 O Indicador Anefac dos países do G-20 é um conjunto de resultantes de indicadores da ONU publicados pelos países: África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina,

Leia mais

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: UMA NOVA LEITURA DO DESEMPENHO DOS ESTUDANTES DA 8ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: UMA NOVA LEITURA DO DESEMPENHO DOS ESTUDANTES DA 8ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: UMA NOVA LEITURA DO DESEMPENHO DOS ESTUDANTES DA 8ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL Brasília Dezembro de 2003 2 SUMÁRIO Apresentação...5 Importância de avaliar as políticas públicas...5

Leia mais

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina Secretaria da Saúde do Estado de Santa Catarina Diretoria de Planejamento e Coordenação Gerência de Estatística e Informática Setor de Mortalidadade Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Leia mais