Tabela Expectativa de vida dos indivíduos menores de 1 ano de idade segundo Brasil, Pará e Regiões de Integração

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tabela 1.1 - Expectativa de vida dos indivíduos menores de 1 ano de idade segundo Brasil, Pará e Regiões de Integração 2006-2010"

Transcrição

1 Apresentação

2 O Mapa de Exclusão Social do Pará elaborado pelo Instituto do Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará IDESP e pela Secretaria de Estado de Planejamento, Orçamento e Finanças - SEPOF, se constitui em uma referência para direcionamento de políticas públicas. A regionalização apresentada, especialmente no Mapa 2011, para grande parte das variáveis, possibilita a identificação das diferenças geoespacais. Além de fornecer importante instrumento de orientação para as decisões de gestão pública e de socializar os indicadores socioeconômicos, o Governo do Estado do Pará, cumpre o dever legal estabelecido pela Lei 6.836/2006 que determina a obrigatoriedade da apresentação do Mapa de Exclusão como anexo do Relatório de Prestação de Contas do poder executivo estadual. É fundamental esclarecer mais uma vez que o acompanhamento e as comparações entre indicadores propostos na referida Lei são impossíveis de serem cumpridos, por questões metodológicas que reiteramos abaixo, tendo em vista que como estatuído no art.2º da Lei, o Mapa é composto do diagnóstico anual e regionalizado da exclusão social no Estado, relativo ao ano de referência da prestação de contas governamental e ao ano imediatamente anterior para fins de comparação. O conjunto de indicadores que a lei propõe não está disponível anualmente, o que torna incompatível sua comparação nos anos de referência do Mapa e, por razões metodológicas e temporais das fontes que os produzem, não chegam ao nível de desagregação desejado. Alguns exemplos: PIB per capita a geração deste indicador por parte do IBGE/IDESP/SEPOF é concluída anualmente no segundo semestre de cada ano e com um hiato temporal de 02 anos. Isto ocorre por que na metodologia oficial utilizada para o cálculo do PIB de todos os Estados, são requeridos dados de outras pesquisas, as quais, pela amplitude de seu campo de atuação são finalizadas em média com um e dois anos posterior ao ano de referência. Para cálculo de diversos outros indicadores são utilizadas Pesquisas Amostrais como a Pesquisa Nacional Domiciliar PNAD/IBGE, cujos resultados são disponibilizados no segundo semestre do ano seguinte ao ano de referência. Neste ano, pela coincidência da divulgação de dados preliminares do Censo 2010, pudemos apresentar algumas informações que se aproximam da exigência legal, conforme o texto demonstra. A medida legal para sanar estas deficiências é a apresentação de Projeto de Lei à Assembléia Legislativa do Estado do Pará, que justifique e sugira as alterações necessárias ao saneamento das incongruências e que será encaminhado ainda neste exercício. Assim, os indicadores que compõem o diagnóstico foram definidos em consonância com o artigo 3º e a regionalização em atenção ao artigo 2º da referida lei, com as fragilidades acima mencionadas. O mapa de exclusão reúne indicadores representativos das condições de vida da população paraense, da Região Metropolitana e das Regiões de Integração do Pará, de acordo com as temáticas previamente definidas: expectativa de vida, renda, desemprego, educação, saúde, saneamento básico, habitação, segurança pública. Anualmente não tem sido possível apresentar os indicadores desagregados por região de integração, em função da indisponibilidade de dados. Mas, a realização do Censo 2010 e a divulgação de parte dos resultados permitiram, para alguns indicadores, a desagregação regional. Os microdados de renda ainda não estão disponíveis na integralidade, impossibilitando o cálculo da taxa de pobreza pelo critério adotado nos mapas anteriores. Por esta razão, excepcionalmente, a Linha de pobreza utilizada no mapa de exclusão deste ano, seguiu a definição conceitual do Governo Federal que

3 estabeleceu para efeito dos programas sociais como extremamente pobres a população que vive em renda domiciliar per capita de até R$70,00 (setenta reais) e considerados pobres acima de R$70,00 ( setenta reais) a R$ 140 ( cento e quarenta reais). Diferente dos mapas apresentados nos anos anteriores, cuja fonte principal de grande parte dos indicadores foi a PNAD, neste mapa foi utilizado o Censo Demográfico. Por serem pesquisas de abrangência e metodologia diferentes, estatisticamente não são recomendadas comparações entre as duas pesquisas. Para os indicadores gerados a partir das informações do Censo Demográfico, os resultados apresentados possibilitarão análises e estudos derivados mais qualificados, em função da comparação com a década anterior, registrada neste mapa de exclusão social. As variáveis apresentadas no item Inclusão digital do Mapa de Exclusão Social anterior, referente ao ano de 2009 (PNAD), estão impossibilitadas de atualização em função da não divulgação dessas variáveis por parte do IBGE referente ao Censo O Mapa agrega conhecimento ao Governo Estadual sobre o Estado e suas Regiões de Integração contribuindo para as decisões em direção ao objetivo macroestratégico do Governo de redução da pobreza e das desigualdades sociais e interregionais. Os indicadores que compõem o diagnóstico foram definidos em consonância com o artigo 2º e 3º da referida lei.

4 Indicadores Exigidos pela Lei Estadual Nº 6.836, de 13/02/ Expectativa de Vida (expectativa de vida em anos ao nascer) A Expectativa de vida indica o número médio de anos que um indivíduo pode esperar viver se submetido, desde o nascimento, às taxas de mortalidade observadas no momento (ano de observação). Esse indicador reflete o nível e a qualidade ao acesso à saúde, educação, cultura e lazer, envolvendo outras questões como a violência, criminalidade, poluição e situação econômica do lugar em questão. Portanto, a cada alteração na taxa indica que ocorreu mudança em pelo menos um desses aspectos. De 2006 a 2010 a expectativa de vida da população brasileira aumentou mais de um ano (1,08), o Pará cresceu 0,42 e Lago Tucuruí foi a Região de Integração que apresentou o maior crescimento, de quase três anos (2,86). Entre as demais regiões registraram aumento na expectativa de vida: Araguaia, Carajás, Guamá, Marajó, Rio Capim, Tocantins e Xingu. O Baixo Amazonas foi a região de integração com decréscimos mais significativos com perda de aproximadamente um ano (1,06). Nas regiões Metropolitana, Rio Caetés e Tapajós também ocorreram reduções do indicador neste período. Em 2010, a Região de Integração do Marajó apresentou a maior expectativa de vida (77,95) e Carajás a menor (70,44). O Marajó vem apresentando a maior expectativa de vida ao longo da série em análise. Tabela Expectativa de vida dos indivíduos menores de 1 ano de idade segundo Brasil, Pará e Regiões de Integração Brasil/Pará/Regiões de integração Fonte: DATASUS Expectativa de vida (em anos) Brasil 71,59 72,54 72,46 72,57 72,67 Pará 72,45 73,22 72,73 72,84 72,87 Araguaia 70,86 72,26 72,35 72,67 72,81 Baixo Amazonas 75,85 74,89 74,41 74,70 74,79 Carajás 69,32 69,55 69,45 69,43 70,44 Guamá 73,19 73,92 73,27 73,38 73,64 Lago Tucuruí 69,37 71,06 70,07 70,82 72,23 Marajó 77,02 77,56 77,91 77,90 77,95 Metropolitana 71,54 72,39 71,26 71,38 71,27 Rio Caeté 74,31 74,81 74,86 74,95 74,07 Rio Capim 72,68 73,94 73,35 73,66 73,57 Tapajós 73,44 73,03 74,05 74,44 72,70 Tocantins 73,72 74,97 74,97 74,57 74,64 Xingu 71,00 73,38 73,04 72,56 72,42

5 Figura Evolução da Expectativa de Vida ao nascer ,23 71,04 71,04 72,48 72,45 71,35 71,54 71,58 Fonte: DATASUS Nota: Em 2007 dados não disponíveis. 71,59 72,73 72,84 72,87 72,46 71,26 72,57 72,67 71,38 71, Brasil Pará Metropolitana Observa-se na Figura 1.1 uma evolução moderada do indicador, do ano de 2004 para 2010, tanto no Brasil quanto no Estado do Pará. Na Região Metropolitana de Belém houve redução na expectativa de vida de 2009 para 2010, passando de 71,38 anos para 71,27 anos. A Figura 1.2 apresenta as pirâmides etárias da população do estado do Pará, com base nos censos de 2000 e Fazendo um comparativo entre os gráficos, pode-se observar que ocorreram mudanças significativas entre os dois períodos, influenciando na estrutura das pirâmides. Em 2000, a população predominante encontrava-se nas faixas compreendidas entre 0 e 24 anos, configurando, assim, uma população mais jovem. Em 2010, a base da pirâmide reduziu (até 9 anos) apresentando uma concentração maior de indivíduos de 10 a 35 anos, evidenciando, portanto, um envelhecimento populacional neste período, implicação que acompanhou a tendência nacional, conforme as Sínteses de Indicadores Sociais do IBGE (2006 a 2009). A faixa acima de 65 anos também apresentou aumento na última década alertando para a necessidade de ampliação em políticas públicas voltadas para o idoso, principalmente no que diz respeito à área da previdência. 80 anos e mais 75 a 79 anos 70 a 74 anos 65 a 69 anos 60 a 64 anos 55 a 59 anos 50 a 54 anos 45 a 49 anos 40 a 44 anos 35 a 39 anos 30 a 34 anos 25 a 29 anos 20 a 24 anos 15 a 19 anos 10 a 14 anos 5 a 9 anos 0 a 4 anos Figura Pirâmide etária do Estado do Pará 2000/2010 Pirâmide etária da população do estado do Pará Masculino Fonte: IBGE/DATASUS Feminino População (por mil hab.) 80 anos e mais 75 a 79 anos 70 a 74 anos 65 a 69 anos 60 a 64 anos 55 a 59 anos 50 a 54 anos 45 a 49 anos 40 a 44 anos 35 a 39 anos 30 a 34 anos 25 a 29 anos 20 a 24 anos 15 a 19 anos 10 a 14 anos 5 a 9 anos 0 a 4 anos Pirâmide etária da população do estado do Pará População (por mil hab.) A Figura 1.3 apresenta os resultados da expectativa de vida ao nascer espacializada para as 12 Regiões de Integração, para os anos de 2009 e As variações ocorridas de um ano para o outro produziram mudanças de faixas somente nas regiões Lago do Tucuruí, Rio Caeté e Tapajós. As demais regiões mantiveram seus indicadores nas mesmas faixas no período. Masculino Feminino

6 Figura Expectativa de Vida da população menor de um ano por Região de Integração do estado do Pará, Renda (PIB per capita ajustado ao custo de vida local, indicadores de concentração de renda, número de pessoas abaixo da linha da pobreza). O indicador PIB per capita retrata a somatória dos bens e serviços finais produzidos num espaço geográfico para um ano de referência dividido pela população.

7 Os valores do PIB per capita no período 2007 a 2009, do estado do Pará, Região Norte e Brasil apresentaram evoluções positivas, porém com taxas decrescentes. Na Figura 2.1. o estado do Pará quando comparado a Região Norte e Brasil obteve a menor taxa (-4,7%) para o ano de Figura 2.1 Evolução do crescimento real do PIB per capita a preços (R$) de no Brasil, Região Norte e Estado do Pará , , , , , , , , , , , , , , ,9% 7,7% 6,6% 2,1% 1,3% 1,2% -4,7% Pará Região Norte Brasil -1,7% -1,3% Fonte: IBGE/IDESP No PIB per capita deflacionado a preços do ano anterior apresentado na Figura 2.2. verificou-se evolução nos dois períodos de 2007 a 2008 e entre 2008 e Em 2009 o PIB per capita constante do estado do Pará foi de R$7.620,90, enquanto PIB per capita nacional e regional foram R$15.783,35 e R$ ,63 respectivamente. O valor do estado do Pará representou 75,89% do valor per capita regional e 48,28% do nacional, em Figura PIB per capita deflacionado (R$) a preços do ano anterior no Brasil, Região Norte e Estado do Pará ,00 Fonte: IBGE/IDESP Pará Região Norte Brasil Considerando os valores correntes, no período entre 2008 e 2009 do PIB per capita observa-se queda para o estado do Pará de R$7.992,71 para R$7.859,19 e aumento no nacional de R$15.991,55 para R$16.917,66. A metodologia do cálculo do PIB municipal é impeditiva quanto a seu deflacionamento, portanto utilizou-se o indicador PIB per capita a preços de mercado correntes, para o Pará e Regiões de Integração, apresentados Tabela 2.1. Tabela 2.1 PIB per capita, a Preços de Mercado Correntes, segundo Regiões de Integração Estado do Pará Pará / Regiões PIB per capita (R$) de Integração Pará 7.006, , ,19 Araguaia 7.060, , ,85

8 Baixo Amazonas 5.526, , ,08 Carajás , , ,10 Guamá 3.816, , ,67 Lago de Tucuruí , , ,99 Marajó 2.537, , ,39 Metropolitana 8.613, , ,48 Rio Caeté 3.082, , ,43 Rio Capim 4.429, , ,49 Tapajós 3.847, , ,80 Tocantins 8.483, , ,90 Xingu 4.384, , ,27 Fonte: IBGE/IDESP ocorreram em Regiões de Integração que predominam essas atividades. Na Figura 2.1 é possível visualizar a espacialização do PIB per capita em que a região de Carajás apresentou indicador na maior faixa de valores para 2008 passando para a faixa imediatamente inferior em As demais regiões não apresentaram alterações significativas para alterar seus respectivos grupos. As Regiões de Integração que apresentaram os maiores valores de PIB per capita, em 2009, acima do indicador Estadual, foram: Carajás; Metropolitana e Lago de Tucuruí. (Tabela 2.1). São nessas regiões que se encontram grande parte dos municípios do Estado com maior capacidade industrial. Na região de Carajás destacaram-se Parauapebas e Marabá com a extração do minério de ferro e produção de ferro-gusa; na Metropolitana ressalta-se Belém com a construção civil e indústria de transformação; e Lago de Tucuruí com a hidrelétrica de Tucuruí. Os menores PIB per capita ocorreram nas regiões de integração do Marajó, Rio Caeté e Tapajós. O desempenho negativo do PIB per capita estadual em 2009 foi influenciado, em grande parte, pelo setor industrial cuja produção diminuiu em 2,6%, em função da queda da demanda e dos preços dos produtos das atividades de mineração e de transformação do estado do Pará Dessa forma, as maiores reduções do PIB per capita

9 Figura PIB Per Capita por Região de Integração do Estado do Pará

10 O Coeficiente de Gini é utilizado para medir o grau de desigualdade existente na distribuição de renda de um local, seu valor varia de zero, quando não há desigualdade entre a renda de todos os locais, a um, quando a desigualdade é máxima, ou seja, apenas um local detém toda a renda da sociedade. Neste mapa o indicador foi calculado a partir dos dados do PIB dos municípios paraenses, com a mesma periodicidade do PIB per capita, por serem as informações mais atualizadas disponíveis pelo IBGE/IDESP, fontes oficiais. Tabela 2.2 Coeficiente de Gini do PIB para o Estado do Pará e Regiões de Integração Pará / Regiões de Coeficiente de Gini Integração Pará 0,76 0,77 0,76 Araguaia 0,40 0,38 0,39 Baixo Amazonas 0,61 0,60 0,58 Carajás 0,74 0,78 0,77 Guamá 0,57 0,59 0,58 Lago de Tucuruí 0,62 0,63 0,58 Marajó 0,32 0,30 0,31 Metropolitana 0,68 0,68 0,68 Rio Caeté 0,51 0,50 0,50 Rio Capim 0,44 0,46 0,44 Tapajós 0,50 0,49 0,47 Tocantins 0,68 0,68 0,63 Xingu 0,43 0,43 0,43 Fonte: IBGE/IDESP Observando o Coeficiente de Gini (Tabela 2.2) constata-se que o Estado do Pará de 2008 para 2009 apresentou um decréscimo 0,01 em seu coeficiente, demonstrando uma leve diminuição da concentração de renda entre os municípios do Estado. Quanto ao indicador por Região de Integração, os maiores índices de desigualdades registrados no ano de 2009 foram nas regiões do Carajás (0,77), Metropolitana (0,68) e Tocantins (0,63), e os menores níveis de desigualdades, foram registrados nas regiões do Marajó (0,31) e Araguaia (0,39). No ano de 2009 em relação a 2008, foram observadas elevações nos graus de concentração nas Regiões de Integração Araguaia e Marajó (0,01). As regiões: Metropolitana, Rio Caeté e Xingu mantiveram os mesmos índices de concentrações de As demais reduziram a concentração Tocantins (0,05), Lago de Tucuruí (0,04), Rio Capim (0,02), Baixo Amazonas (0,02), Tapajós (0,02), Carajás (0,01) e Guamá (0,01). As Tabelas 2.1 e 2.2 mostram que, a Região de Carajás continua apresentando o maior PIB per capita do período de 2007 a 2009, mas também é a que mais evoluiu em termos de concentração (0.03) no mesmo período, o que evidencia que nem sempre o crescimento econômico proporciona a redução na desigualdade. A análise da Figura 2.4 permite notar que o Índice de Gini, para a maioria das Regiões de Integração se manteve nas mesmas faixas no período de 2008 a 2009, com exceção das Regiões Baixo Amazonas e Lago do Tucuruí que apresentaram melhorias no indicador fazendo com que integrassem um intervalo com menor concentração.

11 Figura Coeficiente de Gini por Região de Integração do estado do Pará A linha de pobreza utilizada neste mapa está voltada diretamente ao enfoque da pobreza absoluta, na qual a partir da fixação de padrões para o nível mínimo ou suficiente de necessidades foi definida uma linha ou limite de pobreza e determinada a percentagem da população que se encontra abaixo desse nível. Neste mapa, excepcionalmente, foi considerada como população abaixo da linha da pobreza todas as pessoas que vivem em 11

12 domicílios cuja renda domiciliar per capita é inferior a R$ 140,00. Este nível foi fixado pelo Governo Federal através do decreto n de 30 de julho de 2009, os cortes R$ 70,00 para famílias em situação de extrema pobreza e de R$ 140,00 como renda mínima para famílias em situação de pobreza foram estipulados para o programa de geração de renda de famílias atendidas pelo Bolsa Família. Esses dados foram disponibilizados pelo IBGE por município para subsidiar o programa junto ao Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), foram utilizados neste trabalho em função dos microdados relativos à renda no domicílio do Censo 2010 ainda não estarem disponíveis, impossibilitando a manutenção da linha utilizada em anos anteriores 1. Visando analisar a evolução do indicador o IDESP calculou para o ano de 2000, a partir do Censo 2000, utilizando o INPC e deflacionando os valores R$ 70,00 e R$ 140,00 resultando nos valores de R$ 35,30 e R$ 70,60 respectivamente. Os resultados apresentados neste Mapa de Exclusão Social do Pará 2011 não podem ser comparados com os resultados contidos nos mapas anteriores em função de terem sidos calculados a partir de pesquisas cujas metodologias são diferentes (PNAD e Censo), além de terem níveis de referência de renda distintos. Tabela 2.3 População Abaixo da Linha da Pobreza, para Brasil e Estado do Pará População abaixo da Abrangência Var% Taxa de Pobreza linha da pobreza Geográfica (00/10) Brasil ,84 29,25 20,19 Pará ,46 47,45 38,67 Fonte: IBGE/IDESP De acordo com a Tabela 2.3, tanto o Brasil quanto o estado do Pará apresentaram reduções no nº de pessoas abaixo da linha da pobreza na última década, sendo que o decréscimo brasileiro foi superior ao ocorrido no Pará, -22,84% e -0,46%, respectivamente. A taxa de pobreza do Brasil apresentou redução de 29,25% para 20,19%. A população considerada pobre no Pará diminuiu de 2000 para 2010, mesmo diante do aumento de 22% da população total no período, logo, a taxa de pobreza do estado, razão entre a parcela da população pobre e a população, reduziu 8,78 pontos percentuais passando de 47,45%, em 2000 para 38,67% em Tanto para o ano 2000, quanto para 2010, a região de integração do Marajó registrou as maiores taxas de pobreza entre as regiões do estado, com 68,35% e 64,14% respectivamente, em 2000 seguida pelas regiões do Rio Caeté (63,16%) e Tocantins (63,78%) e, em 2010 por essas mesmas regiões- Rio Caeté (53,23%) e Tocantins (52,87%). Enquanto que, a região Metropolitana apresentou as menores taxas de pobreza no período, 28,13% e 19,26% respectivamente. 1 Pessoas que convivem em domicílios com renda mensal inferior a ½ salário mínimo per capita (ano referência 2004).

13 Tabela 2.4 População de Pessoas Abaixo da Linha de Pobreza, segundo Região de Integração do Estado do Pará 2000/2010. Região de Integração Pop. Pobre Total pop. Taxa de pobreza Taxa de pobreza Pop. Pobre 2010 Total pop (%) 2010 (%) Araguaia , ,68 Baixo Amazonas , ,37 Carajás , ,48 Guamá , ,44 Lago Tucuruí , ,65 Marajó , ,14 Metropolitana , ,26 Rio Caeté , ,23 Rio Capim , ,83 Tapajós , ,39 Tocantins , ,87 Xingu , ,58 TOTAL , ,67 Fonte: IBGE/IDESP As maiores variações referentes às taxas de pobreza ocorreram nas regiões de integração do Carajás e Guamá, com redução de 14,79 pontos percentuais (p.p) e 13,32p.p, respectivamente, evidenciando um avanço no combate a pobreza nessas regiões. As menores variações foram registradas para região do Xingu que apresentou evolução de 1,30p.p. e o Marajó que reduziu apenas 4,21p.p. Segundo a Figura 2.5, a região de integração Metropolitana desponta com a maior redução na taxa geométrica de crescimento médio anual do número de pobres com -2,48%, seguida pela região do Guamá com -0,93%, contrapondo-se a região do Xingu que apresentou o maior incremento da média anual no número de pobres com 2,54%, seguida pela região do Marajó (1,91%). De maneira geral, o estado do Pará registrou decréscimo na população pobre (- 0,05%), um quantitativo na ordem de habitantes fora do quadro crítico de pobreza.

14 Figura 2.5 Taxa Geométrica de Crescimento Médio Anual da População Pobre 2000/2010 Xingu Tocantins Tapajós Rio Capim Rio Caeté Metropolitana -2,48 Marajó Lago Tucuruí Guamá Carajás Baixo Amazonas -0,80-0,93-0,39-0,63-0,24 0,42 1,18 1,33 1,91 2,54 Araguaia 0,25-3,00-2,00-1,00 0,00 1,00 2,00 3,00 Fonte: IBGE/IDESP. A partir da Figura 2.6 verifica-se que as reduções ocorridas na taxa de pobreza foram suficientes para que grande parte das regiões de integração alterassem positivamente o nível de estratificação, de modo que as regiões do Rio Caeté e Tocantins que se encontravam na pior faixa (5ª), em 2000 passaram para a 4ª faixa. O Baixo Amazonas, o Guamá, Lago de Tucuruí e Rio Capim também melhoraram uma faixa (da 4ª para a 3ª). A região do Araguaia e Carajás passaram de uma faixa intermediária para a segunda melhor faixa. As demais regiões Metropolitana, Tapajós e Xingu não apresentaram alterações suficientes para modificar seus grupos no período.

15 Figura 2.6 Taxa de Pobreza por Região de Integração do Estado do Pará e 2010 Quando se observa uma parcela mais crítica dentro da situação de pobreza, a extrema pobreza, o nº de pessoas nessa situação apresentou reduções tanto para Brasil, quanto para o estado do Pará, sendo que a diminuição na taxa brasileira foi maior.

16 A população paraense inserida nessa faixa de extrema pobreza, em número absoluto, registrou diferença de habitantes, fora dessa situação de indigência e, no caso brasileiro foram menos cerca de 6 milhões de habitantes. A taxa de extrema pobreza do Brasil reduziu de 14,42% (2000) para 9,63% em 2010 (Tabela 2.5). Tabela 2.5 População Abaixo da Linha de Extrema Pobreza, para Brasil e Estado do Pará 2000/2010. Abrangência Geográfica População abaixo da linha da extrema pobreza Taxa de crescimento da Ext. Pobre Taxa de Extrema Pobreza / Brasil ,36 14,42 9,63 Pará ,15 23,99 19,42 Fonte: IBGE/IDESP A região Metropolitana apresentou as menores taxas de extrema pobreza com 10,94% e 7,19% respectivamente no período em análise. Algumas regiões registraram aumentos em suas populações em extrema pobreza, como é o caso Marajó, Xingu, Tocantins, Lago Tucuruí, e Rio Caeté, sendo que na taxa de extrema pobreza somente a região do Xingu apresentou elevação passando de 21,78% para 25,38%. As melhores variações referentes às taxas de extrema pobreza ficaram por conta das regiões de integração do Carajás e Guamá, com -8,99% e -7,69%. Enquanto que, a região do Xingu registrou incremento de +3,6p.p, comportamento diferente das demais regiões, nas quais todas reduziram suas taxas de extrema pobreza no período de 10 anos. A população paraense em situação de extrema pobreza no Pará diminuiu na última década de (2000) para (2010) habitantes, logo, a taxa do estado, sofreu redução com diferença de 4,51 p.p, mesmo com o aumento da população no período. A Taxa de extrema pobreza no Pará diminuiu de 23,99% para 19,42% no período em análise. A partir dos dados da Tabela 2.6 observa-se que tanto para o ano 2000, quanto para 2010, a região de integração do Marajó foi a que registrou as maiores taxas de extrema pobreza entre as Regiões de Integração do estado, com 37,91% e 37,88% respectivamente. Em 2000 seguida pelas regiões do Rio Caeté (35,31%) e Tocantins (33,42%) e, para o ano de 2010 Rio Caeté (30,65%) e Tocantins (28,44%) para 2010, semelhante ao apresentado a população em situação de pobreza.

17 Tabela 2.6 População de Pessoas Abaixo da Linha de Extrema Pobreza, segundo Região de Integração do Estado do Pará 2000/2010 Taxa de Região de Pop. ext. pobre Total pop. Taxa de Extrema Pop. ext. Total pop. Extrema Integração pobreza 2000 pobre pobreza 2010 Araguaia , ,09 Baixo Amazonas , ,29 Carajás , ,01 Guamá , ,10 Lago Tucuruí , ,39 Marajó , ,88 Metropolitana , ,19 Rio Caeté , ,65 Rio Capim , ,58 Tapajós , ,17 Tocantins , ,44 Xingu , ,38 Total , ,42 Fonte: IBGE/IDESP Na Figura 2.7 verifica-se que as regiões do Xingu e Marajó apresentaram as maiores taxas de crescimento médio anual da população em extrema pobreza com 3,82% e 2,56%, superando a taxa média anual estadual de -0,12%. A região Metropolitana registrou a melhor redução com -2,88% entre 2000 e 2010, seguida pela região do Tapajós (-1,63%) e Guamá (-1,52%).

18 Figura 2.7 Taxa Geométrica de Crescimento Médio Anual da População em Extrema Pobreza 2000/2010. Xingu Tocantins Tapajós Rio Capim Rio Caeté Metropolitana Marajó Lago Tucuruí Guamá Carajás Baixo Amazonas Araguaia -2,88-1,63-1,52-1,48-0,65-0,93-0,37-4,00-3,00-2,00-1,00 0,00 1,00 2,00 3,00 4,00 5,00 Fonte: IBGE/IDESP A Figura 2.8 demonstra qual a participação que a população em extrema pobreza representa no total da população pobre, tanto em 2000 quanto em 2010, possibilitando identificar a concentração dessa população vulnerável. Em 2000, as regiões do Baixo Amazonas, Rio Caeté e Tapajós foram as que registraram as maiores proporções de populações extremamente pobres entre aqueles abaixo da linha da pobreza. Sete das doze Regiões de Integração em 2000 apresentavam mais de 50% da população pobre em situação de extrema pobreza. Em 2010, somente seis regiões encontravam-se nesta situação. Marajó, Rio Caeté e Baixo Amazonas foram as regiões, em 2010, que mais concentraram pessoas pobres abaixo da linha da 0,06 0,77 1,13 2,56 3,82 extrema pobreza, evidenciando-se como as regiões no estado com maiores vulnerabilidades quanto à pobreza extrema medida pelo nível de renda. Enquanto que, as regiões Metropolitana e Araguaia apresentam em suas populações pobres, as menores participações de populações em extrema pobreza, 37,35% e 42,66% respectivamente. Figura Participação de população extremamente pobre em relação à população pobre nas Regiões de Integração do Pará e Xingu Tocantins Tapajós Rio Capim Rio Caeté Metropolitana Marajó Lago Tucuruí Guamá Carajás Baixo Amazonas Araguaia 37,35 38,91 55,69 49,19 53,80 54,07 51,14 55,61 48,22 52,14 57,59 55,91 49,01 51,80 46,10 48,92 44,51 49,72 42,66 48,06 59,06 55,46 56,43 56,57 0,00 20,00 40,00 60,00 80,00 Fonte: IBGE/IDESP % de participação de pop. ext. pobreza/pop. Pobre 2010 % de participação de pop. ext. pobreza/pop. Pobre 2000

19 Figura 2.9 Taxa de Extrema Pobreza por Região de Integração do Estado do Pará e 2010

20 3. Desemprego (percentual médio de população economicamente ativa desempregada). Considerando a indisponibilidade dos dados referentes à taxa de desemprego, neste mapa utilizou-se a Taxa de Desocupação que representa o percentual da população economicamente ativa desocupada. Segundo o IBGE compreende-se como pessoas desocupadas na semana de referência, as pessoas sem trabalho que tomaram alguma providência efetiva de procura de trabalho neste período. Neste Mapa os dados referentes ao indicador do item foram analisados para os anos de 2000 e 2010, com base nos dois últimos censos com desagregação geográfica para o Brasil, Região Norte e Pará, considerando que os dados municipais ainda não foram divulgados pela fonte. A Tabela 3.1 demonstra que houve redução, nos últimos 10 anos, na Taxa de Desocupação de todas as regiões em estudo. As diminuições mais significativas ficaram por conta do Brasil e Região Norte que apresentaram decréscimos de 7,6 e 6,0 pontos percentuais, respectivamente. Neste mesmo período o Pará registrou redução de 4,5 pontos percentuais (p.p.) em sua taxa saindo de 13,7% para 9,2%. Na última década houve crescimento na PEA e na POC do Brasil, Região Norte e Pará e redução da população desocupada, por isso, a queda na taxa de desocupação destas regiões. Tabela 3.1 Percentual da População Economicamente Ativa desocupada (Taxa de Desocupação) no Brasil, Região Norte e Estado do Pará /2010 Indicadores BR RN PA BR RN PA PEA POC Pop Desocupada Tx Desocupação (%) 15,3 14,8 13,7 7,7 8,8 9,2 Fonte: IBGE/IDESP De acordo com a Tabela 3.2 no período de 2000 a 2010, a Região Norte apresentou o maior crescimento na POC (43,1%) o equivalente a uma taxa de incremento médio anual de 3,65%. A população ocupada estadual passou de pouco mais de dois milhões para quase 2,9 milhões representando um acréscimo em torno de 40% e uma taxa de incremento médio anual de 3,36%. A POC nacional apresentou incremento em torno de 32% com uma taxa de incremento médio anual de 2,78.

21 No Brasil as posições na ocupação que mais contribuíram para o crescimento da população ocupada foram dos empregados com carteira de trabalho assinada que representaram praticamente 70% do incremento nacional no período (Tabela 5.1) e dos trabalhadores por conta própria contando com 26% deste acréscimo, apenas as classes ocupacionais dos outros empregados (- 3%) e dos empregadores (-10%) sofreram redução neste período. Isto fez com que o grupo de trabalhadores com carteira de trabalho assinada deixasse de participar com 36,5% e passasse a representar 44,5% do total da POC. Os conta própria se mantiveram praticamente no mesmo patamar de participação (24%) no Brasil. Na Região Norte a elevação também ocorreu, principalmente, pela inserção de mais empregados com carteira de trabalho assinada (44,8%) e conta própria (29,9%) no mercado de trabalho, por outro lado os empregadores sofreram redução de 5,2% no período. A participação dos trabalhadores com carteira assinada no total da população ocupada subiu de 20,9% para 28,1% no período 2000 a 2010 e, apesar do incremento no número absoluto de trabalhadores por conta própria, sua participação se manteve a mesma no período (30%). O Pará seguiu a mesma tendência nacional e regional de crescimento da POC, entretanto, tanto os empregados com carteira de trabalho assinada (com 39,7%) quanto os trabalhadores por conta própria (com 37,2%) obtiveram participações próximas. Entre os empregadores no estado houve uma redução de 15% no período 2000 a No Pará, apesar do incremento de 18% para 24%, na participação de trabalhadores com carteira de trabalho assinada no total da POC esse percentual comparado ao Brasil continua baixo, em contrapartida os trabalhadores por conta própria passaram de 32% para 33,5% do total da POC estadual. Importante observar a evolução dos empregados com carteira de trabalho assinada o que mostra um número cada vez maior de pessoas com direitos previdenciários garantidos e contribuindo para a redução do déficit previdenciário, apesar da redução do número de empregadores. Também merece atenção o acréscimo do número absoluto de trabalhadores conta própria nos três níveis geográficos, sinalizando aumento de pessoas ocupadas no mercado de trabalho informal.

22 Tabela 3.2 População Ocupada por Posição na Ocupação para o Brasil, Região Norte e Pará Brasil Região Norte Pará Posição na Ocupação Total Empregados Com carteira de trabalho assinada Militares e funcionários públicos estatutários Outros Conta própria Empregadores Outros e sem declaração Fonte: IBGE

23 4. Educação (média entre a taxa de alfabetização de adultos e a taxa combinada de matrícula no ensino fundamental, médio e superior) Neste item o indicador analisado avalia a razão entre a taxa de alfabetização de adultos (15 anos ou mais) e a taxa combinada de matrículas nos três níveis de ensino em relação à população na faixa de 6 a 22 anos de idade (faixa em que as pessoas deveriam estar cursando os respectivos níveis). A taxa de alfabetização no período de 2000 a 2010 evoluiu nos três níveis geográficos analisados. A taxa brasileira passou de 86,37% para 90,38% (alta de 4 pontos percentuais) o que representa uma taxa de incremento médio geométrico anual de 0,45% enquanto que a taxa da Região Norte foi de 83,66% para 88,82% (+5,61 pontos percentuais) representando um incremento médio anual de 0,6%. No Pará a taxa de alfabetização subiu de 83,93% para 88,25% (elevação de 4,32 pontos percentuais) o equivalente a um incremento médio geométrico anual de 0,5%, ligeiramente superior ao nacional. Tabela 4.1 Taxa de Alfabetização e Taxa Combinada de Matrícula no Ensino Fundamental, Médio e Superior para o Brasil, Região Norte e Estado do Pará 2000/2010 Taxa de Taxa Média entre a taxa de Itens Ano Alfabetização Combinada de alfabetização e taxa de Geográficos (15 anos ou mais) Matrícula matrícula combinada ,37 78,93 1,09 Brasil ,38 87,36 1, ,66 74,97 1,12 Região Norte ,82 84,76 1,05 Estado do Pará Fonte: IBGE/IDESP ,93 74,82 1, ,25 83,78 1,05 Em relação à taxa combinada de matrícula para os níveis fundamental, médio e superior, os percentuais nas regiões observadas também apresentaram evolução no período analisado, (Tabela 4.1). A Região Norte obteve o melhor desempenho com uma elevação de 9,79 pontos percentuais (p.p.) em sua taxa, passando de 74,97%, em 2000, para 84,76%, em 2010, com uma taxa de incremento médio geométrico anual de 1,23%. O Pará apresentou acréscimos de 8,96 pontos percentuais, de 74,82% para 83,78% no período, à uma taxa de incremento anual de 1,14%, enquanto que o Brasil alcançou um aumento de 8,43 pontos percentuais com a taxa saindo de 78,93% para 87,36% o que representa uma taxa de incremento médio anual de 1,02%.

24 A razão entre a taxa de alfabetização e a taxa combinada de matrícula sofreu ligeira redução tanto no Brasil quanto na Região Norte e Pará. De acordo com a Figura 4.1 nota- se que, no Brasil, as taxas de alfabetização de homens e mulheres eram praticamente iguais em 2000 (em torno de 86%) e continuaram praticamente as mesmas em 2010 (em torno de 90%). Essas taxas, masculina e feminina, apresentaram elevação por volta de 4% e crescimento médio anual de 0,44% e 0,47%, respectivamente. Na Região Norte a taxa feminina foi superior em 2000 (diferença de 1,4 ponto percentual) e, em 2010, esta diferença aumentou ficando em torno de 2 pontos percentuais. No Norte a taxa masculina atingiu crescimento de 5 pontos e a feminina 5,3 pontos representando incremento médio anual de 0,59% e 0,61%, respectivamente. No Pará a disparidade entre a taxa de alfabetização dos homens e mulheres é a maior em análise. Em 2000 as mulheres apresentaram taxa de 84,4% enquanto que a dos homens foi de 82,1% (diferença próxima a 2 pontos percentuais) e, em 2010, a taxa feminina subiu para 89,6% e a masculina passou para 87%, passando a diferença entre as taxas para 2,5 pontos percentuais. No Período observado a taxa de alfabetização feminina obteve aumento de 5,2 pontos e a masculina 4,9 pontos denotando incremento médio anual de 0,60% e 0,58%, respectivamente. Figura Taxa de Alfabetização por gênero para o Brasil, Região Norte e Estado do Pará 2000/ ,5% 90,7% 84,4% 86,2% 90,1% 83,0% 89,7% 88,0% 84,4% 82,1% 89,6% BR 00 BR 10 RN 00 RN 10 PA 00 PA 10 87,0% Feminino Masculino Fonte: IBGE/IDESP A Figura 4.2 mostra a taxa de alfabetização desagregada segundo as áreas urbana e rural nos anos de 2000 e Observamse diferenças mais acentuadas entre estes dois recortes regionais em estudo. A taxa urbana brasileira passou de 89,8%, em 2000, para 92,7%, em 2010, (+ 3 p.p.) enquanto que a rural subiu de 70,2% para 76,8% no mesmo período (+ 6,6 p.p.), com isto a diferença entre as taxas das duas áreas que foi de 19,5 p.p. caiu para 15,9 p.p.. O incremento médio anual da taxa de alfabetização urbana brasileira foi de 0,33% e na área rural foi de 0,9%. Em relação à Região Norte a taxa de alfabetização na área urbana cresceu de 88,8%, em 2000, para 92,1%, em 2010, (+ 3,2 p.p.) e na área rural aumentou de 70,1% para 78,7% (+ 8,6 p.p.) neste mesmo intervalo de tempo, isto fez com que a diferença entre as esferas baixasse de 18,7 pontos percentuais para 13,4 p.p.. Nesta Região o crescimento médio geométrico anual da área rural foi de 1,16% bem superior ao da urbana que foi da ordem de 0,36%. No Pará a taxa de alfabetização urbana seguiu a mesma tendência do Brasil e Norte subindo de 88,8%, em 2000, para 91,9%,

25 em 2010, o que representa uma elevação de 3,1 p.p. e na área rural a taxa passou de 70,5% para 79,3% nos últimos 10 anos o que significa alta de 8,8 p.p., em vista disso a desigualdade entre as áreas urbana e rural que estava em 18,3 p.p. diminuiu para 12,6 p.p. No Pará o incremento médio anual da taxa urbana foi de 0,35% bem abaixo do rural que ficou em 1,18%. A menor diferença nas taxas de alfabetização, entre urbano e rural, no ano de 2010 ocorreu no Pará, além de apresentar a maior taxa de alfabetização rural. Destaca-se que em função das taxas urbana já serem mais elevadas que as rurais são prováveis que as variações no indicador urbano sejam menores que o indicador rural. Figura Taxa de Alfabetização por situação do domicílio para o Brasil, Região Norte e Estado do Pará 2000/ ,8% 70,2% Fonte: IBGE/IDESP 92,7% 76,8% 88,8% 70,1% 92,1% 78,7% 88,8% 70,5% 91,9% BR 00 BR 10 RN 00 RN 10 PA 00 PA 10 Urbana Rural 79,3% A partir da Figura 4.3 constata-se que as taxas de alfabetização dos brancos ultrapassou 90% no Brasil, Norte e Pará no ano de 2010 e diminuiu a desigualdade entre as taxas dos pretos/pardos e dos brancos nos três níveis geográficos na última década. No Brasil a taxa de alfabetização dos brancos subiu 2,4 p.p. passando de 91,7%, em 2000, para 94,1%, em 2010 e a dos pretos/pardos cresceu 5,5 p.p. saindo de 81,3% para 86,8% no mesmo período, o equivalente a um incremento médio anual de 0,26% para os brancos e 0,66% para as pessoas que se declararam pretas/pardas reduzindo a diferença entre as taxas dos dois grupos de 10,4 p.p. para 7,3 p.p. no período. Observando as informações para a Região Norte constata-se que entre os brancos a taxa de alfabetização aumentou 3,1 p.p. saindo de 89% para 92,1% na década em análise enquanto que a taxa dos pretos/pardos subiu 5,2 p.p. que foi 83%, em 2000, e chegou a 88,2, em O incremento médio anual dos brancos do Norte foi da ordem de 0,35% enquanto que o dos pretos/pardos foi de 0,61% o que proporcionou uma redução na desigualdade entre os grupos de 6 p.p. para 3,9 p.p.. Em relação ao Pará ocorreu um incremento de 3 p.p. na taxa dos brancos subindo de 88,4%, em 2000, para 91,4%, em 2010, enquanto que a taxa dos pretos/pardos cresceu 5 p.p. passando de 82,5% para 87,5% no mesmo período. O incremento médio anual dos brancos foi de 0,33% e dos pretos/pardos 0,58% reduzindo a disparidade entre os dois grupos de 5,9 p.p. para 3,9 p.p. no período em análise. Ressalta-se que o Pará apresenta a menor diferença entre estes dois grupos tanto em 2000 quanto em 2010.

26 Figura Taxa de Alfabetização por raça para o Brasil, Região Norte e Estado do Pará 2000/ ,7% 94,1% 92,1% 89,0% 88,4% 91,4% 86,8% 88,2% 87,5% 81,3% 83,0% 82,5% BR 00 BR 10 RN 00 RN 10 PA 00 PA 10 Fonte: IBGE/IDESP Branca Preta/pardos A Tabela 4.2 mostra a taxa de alfabetização nas Regiões de Integração do Pará nos anos de 2000 e A Região Metropolitana apresenta a maior proporção de pessoas com 15 anos ou mais alfabetizadas (94,87%, em 2000, e 96,45%, em 2010) avançando apenas 1,58 pontos percentuais em função do indicador da região já ser elevado e, consequentemente, a menor taxa de incremento médio geométrico anual (0,17%). Por outro lado, o Marajó que apresentava uma taxa de alfabetização baixa, em 2000 (67,91%) e continua com uma taxa baixa em relação as demais regiões em análise, em 2010 (77,10%), apresentou o maior acréscimo (9,19 pontos percentuais) e o maior incremento médio anual (1,28%). Tabela 4.2 Taxa de Alfabetização das pessoas de 15 anos ou mais nas Regiões de Integração do Pará 2000/2010 Taxa de Alfabetização Região de Integração (15 anos ou mais) Araguaia 79,79 86,35 Baixo Amazonas 85,81 89,58 Carajás 79,45 87,12 Guamá 84,38 88,43 Lago de Tucuruí 76,44 82,66 Marajó 67,91 77,10 Metropolitana 94,87 96,45 Rio Caeté 76,73 81,77 Rio Capim 73,90 81,05 Tapajós 77,26 84,66 Tocantins 79,20 86,02 Xingu 76,69 83,25 Fonte: IBGE/IDESP A Figura 4.4 mostra a taxa de alfabetização das pessoas de 15 anos ou mais espacializada no período de 2000 e 2010, na qual todas as regiões de Integração melhoraram de faixa, exceto a Metropolitana que desde 2000 se encontra na melhor faixa e o Baixo Amazonas que se manteve na segunda melhor estratificação. Destacam-se as regiões do Carajás e Tocantins que no período avançaram duas faixas. Outro fato relevante é que o avanço do indicador na década foi suficiente para que nenhuma das regiões ficassem na faixa de valores menores.

27 Figura 4.4 Taxa de alfabetização das pessoas de 15 anos ou mais por Região de Integração do Estado do Pará 2000/2010

28 5. Saúde (número de postos de saúde, de leitos hospitalares e de agentes comunitários de saúde em relação ao número de habitantes e à mortalidade infantil) O número de Postos e Centros de Saúde relativizados pelo total recursos físicos na área da saúde, neste mapa está demonstrado para de habitantes e expressa a cada dez mil habitantes e o número de de o estado do Pará e as Regiões de Integração. leitos hospitalares relativizados pelo total da população apresentado a cada mil habitantes representam, em parte, as disponibilidades de Tabela 5.1 Número de centros e postos de saúde por dez mil habitantes e de leitos hospitalares por mil habitantes para o Estado do Pará e Regiões de Integração Postos e Centros de Saúde por Leitos hospitalares por Pará / Regiões de habitantes Habitantes Integração Pará 2,22 2,24 2,25 2,29 2,33 2,21 2,21 2,21 2,19 2,19 Araguaia 3,13 3,07 3,10 2,92 2,81 2,6 2,62 2,61 2,61 2,61 Baixo Amazonas 3,26 3,25 3,32 3,12 3,04 1,69 1,7 1,73 1,72 1,72 Carajás 2,29 2,33 2,24 2,11 2,01 1,86 1,81 1,67 1,76 1,72 Guamá 4,00 3,93 3,95 3,98 4,05 1,74 1,72 1,76 1,68 1,62 Lago de Tucuruí 2,51 2,45 2,57 2,31 2,38 1,88 1,83 2,17 2,07 2,09 Marajó 2,69 2,72 2,89 3,26 3,49 0,88 0,85 0,85 0,87 1,04 Metropolitana 0,69 0,72 0,72 0,77 0,80 3,05 3,09 3,09 3,17 3,13 Rio Caeté 3,06 3,01 3,15 3,22 3,31 2,51 2,65 2,48 2,41 2,58 Rio Capim 2,19 2,38 2,33 2,36 2,43 2,14 2,28 2,27 1,87 2,09 Tapajós 1,84 1,82 1,82 2,53 2,65 1,94 1,94 2,09 2,72 2,70 Tocantins 2,62 2,54 2,51 2,53 2,63 1,48 1,4 1,40 1,30 1,27 Xingu 3,04 3,1 2,91 2,71 2,73 2,22 2,12 1,95 2,06 1,93 Fonte: DATASUS/IBGE Desde 2007 o Pará vem apresentando crescimento na disponibilidade de postos e centros de saúde para cada grupo de habitantes, conforme Tabela 5.1. Em 2007 a taxa foi de 2,22 e em 2011 o valor do indicador paraense chegou ao patamar de 2,33 postos e centros de saúde para cada habitantes. Dentre as Regiões de Integração, o Guamá é a que apresenta a maior proporção desde 2007, com uma leve redução nos anos

29 posteriores e alcançando 4,05 em A Metropolitana obteve a menor proporção com menos de um posto ou centro de saúde para cada grupo de dez mil habitantes, apesar do contínuo crescimento no seu índice desde É importante observar também que, de 2010 para 2011, ocorreram elevações nas proporções da maioria das Regiões sendo que o Marajó apresentou o crescimento mais expressivo neste período passando de 3,26 para 3,49 postos e centro de saúde para cada grupo de habitantes. Examinando o número de leitos por mil habitantes, ainda na Tabela 5.1, nota- se que até 2009 a taxa estadual vinha se mantendo no mesmo patamar (2,21) entretanto a partir de 2010 a proporção cai para 2,19 e se mantém a mesma em Em relação a este indicador, a região metropolitana destacase com os maiores índices desde 2007, ao contrário do indicador anterior, chegando a possuir 3,13 leitos hospitalares para cada grupo de mil habitantes em A Região do Marajó é a que vem apresentando o menor índice desde 2007 e apenas em 2011 atingiu o valor de um leito hospitalar para cada mil habitantes. Ainda em relação ao número de leitos por mil habitantes as Regiões de integração que apresentaram queda de 2010 para 2011 foram: Carajás, (1,76 para 1,72), Guamá (1,68 para 1,62), Metropolitana (3,17 para 3,13), Tapajós (2,72 para 2,70), Tocantins (1,30 para 1,27) e Xingu (2,06 para 1,93). A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda um mínimo de 4 leitos para cada mil habitantes, sendo assim, pode-se notar que todas as Regiões de integração e conseqüentemente o Pará apresentam déficit de leitos. O índice estadual é praticamente a metade do recomendado pela OMS e entre as Regiões de integração a que está mais próxima de alcançar o indicado pela Organização é a Região Metropolitana. A Figura 5.1 mostra a distribuição espacial do número de postos e centros de saúde para cada grupo de mil habitantes. A região do Carajás apresentou movimento contrário saindo de uma faixa intermediária para a faixa imediatamente menor (Figura 5.1). As demais regiões não apresentaram diferenças capazes de alterar seus respectivos grupos.

30 Figura Postos e Centros de Saúde por mil hab. por Região de Integração do Estado do Pará A Figura 5.2 apresenta o número de leitos para cada mil habitantes espacializado nos anos de 2010 e 2011 na qual observa-se que as diferenças apresentadas no indicador de todas as regiões de integração não foram suficientes para alterar a faixa a que cada uma delas pertenciam, respectivamente.

31 Figura 5.2 Leitos por mil hab por Região de Integração do Estado do Pará. 2010/2011 Os Agentes Comunitários de Saúde (ACS) são vinculados às políticas de atenção básica, tendo como principal atuação o programa federal Saúde da Família, que atende em grande parte a população mais carente. A Tabela 5.2 mostra o número de ACS para cada mil habitantes. Verifica-se que, no Estado do Pará, ocorreram incrementos no indicador de 2007 até 2009 quando passou de 1,59 para 1,83. Contudo, desde 2010 vêm acontecendo pequenas reduções e a taxa estadual chegou a 1,78 em Essa redução ocorreu também no número absoluto de agentes comunitários de saúde.

32 Tabela 5.2 Agentes comunitários de saúde por habitantes para o Estado do Pará e Regiões de Integração, Pará / Regiões de Agentes comunitários por mil habitantes Integração Pará 1,59 1,81 1,83 1,81 1,78 Araguaia 2,12 2,16 2,26 2,25 2,38 Baixo Amazonas 1,82 2,00 1,96 1,90 1,98 Carajás 1,37 1,70 1,81 1,69 1,62 Guamá 2,20 2,45 2,45 2,46 2,43 Lago de Tucuruí 1,90 2,31 2,24 2,14 1,98 Marajó 1,81 2,18 2,30 2,15 2,12 Metropolitana 0,74 0,90 0,90 0,88 0,85 Rio Caeté 1,91 2,63 2,73 2,65 2,62 Rio Capim 1,88 2,21 2,29 2,17 2,10 Tapajós 2,09 1,89 1,84 2,41 2,30 Tocantins 1,99 2,08 2,16 2,09 1,92 Xingu 2,39 2,34 2,03 2,06 2,21 Fonte: Datasus/IBGE A tendência estadual também pode ser observada na maioria das Regiões de Integração, com destaque para Araguaia e Baixo Amazonas que, obtiveram crescimento de 2011 em relação a 2010 passando de 2,25 para 2,38 e 1,90 para 1,98, respectivamente e, a Região do Xingu que apresentou comportamento contrário do Pará e vem alcançando aumento desde Já a região do Lago Tucuruí vem sofrendo sucessivas reduções desde De acordo com o Ministério da Saúde cada ACS acompanha, em média, 575 pessoas sendo assim, para mil habitantes seriam necessários em torno de 1,74 agentes. Partindo desta lógica, as regiões do Carajás e Metropolitana ainda estão aquém do que seria ideal. A partir da distribuição espacial dos agentes comunitários de saúde (ACS) para cada grupo de mil habitantes nos anos de 2010 e 2011, apresentada na Figura 5.3, observa-se que as Regiões de Integração Tapajós e Tocantins apresentaram reduções nas taxas ocasionando mudanças para a faixa inferior. As regiões do Baixo amazonas e Araguaia apresentaram evolução no indicador gerando alterações nas suas respectivas faixas para uma imediatamente melhor. As diferenças apresentadas nas demais Regiões de Integração não foram suficientes para alterar seus respectivos grupos, de 2010 para 2011 (Figura 5.3)..

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

3 O Panorama Social Brasileiro

3 O Panorama Social Brasileiro 3 O Panorama Social Brasileiro 3.1 A Estrutura Social Brasileira O Brasil é um país caracterizado por uma distribuição desigual de renda. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

erradicar a pobreza extrema e a fome

erradicar a pobreza extrema e a fome objetivo 1. erradicar a pobreza extrema e a fome Para a Declaração dos Direitos Humanos toda pessoa tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem-estar, inclusive

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS A POPULAÇÃO IDOSA NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE SETEMBRO - 2008 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

Leia mais

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* O idoso brasileiro no Mercado de Trabalho 30 1- Introdução A análise da participação do idoso nas atividades econômicas tem um caráter diferente das análises tradicionais

Leia mais

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina Secretaria da Saúde do Estado de Santa Catarina Diretoria de Planejamento e Coordenação Gerência de Estatística e Informática Setor de Mortalidadade Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Leia mais

Goiás e seu reflexo na sociedade

Goiás e seu reflexo na sociedade Os dados do Censo Escolar da Educação Básica de 2013, divulgado recentemente, apontaram a diminuição do número de matrículas em Goiás tendo como referência o ano de 2010. Notadamente, os decréscimos ocorreram

Leia mais

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Neste capítulo se pretende avaliar os movimentos demográficos no município de Ijuí, ao longo do tempo. Os dados que fomentam a análise são dos censos demográficos, no período 1920-2000,

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

Salário Mínimo e Mercado de Trabalho no Brasil no Passado Recente

Salário Mínimo e Mercado de Trabalho no Brasil no Passado Recente Salário Mínimo e Mercado de Trabalho no Brasil no Passado Recente João Saboia 1 1. Introdução A questão do salário mínimo está na ordem do dia. Há um reconhecimento generalizado de que seu valor é muito

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Assunto: O perfil da Extrema Pobreza no Brasil com base nos dados preliminares do universo do Censo 2010. 1. INTRODUÇÃO O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE?

SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE? SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** Daniele Fernandes** 1 INTRODUÇÃO Assume-se que idade avançada e invalidez resultam em perda da capacidade laboral, o que

Leia mais

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense Nº 23 Março 2012 Perfil da Raça da População Cearense Análise a partir dos dados do Censo Demográfico 2010 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

ipea PESQUISA MENSAL DE EMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA INTRODUÇÃO

ipea PESQUISA MENSAL DE EMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA INTRODUÇÃO PESQUISA MENSAL DE EMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA Sachiko Araki Lira* Paulo Roberto Delgado** INTRODUÇÃO O objetivo desta nota é fazer uma breve apresentação do comportamento do mercado de

Leia mais

PROGRAMA TÉMATICO: 6214 TRABALHO, EMPREGO E RENDA

PROGRAMA TÉMATICO: 6214 TRABALHO, EMPREGO E RENDA PROGRAMA TÉMATICO: 6214 TRABALHO, EMPREGO E RENDA OBJETIVO GERAL: Estimular o crescimento e o desenvolvimento econômico e social do DF, por meio do fortalecimento do Sistema Público de Emprego, garantindo

Leia mais

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007 O EMPREGO DOMÉSTICO Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Abril 2007 Perfil de um emprego que responde por 17,7% do total da ocupação feminina e tem 95,9% de seus postos de trabalho

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE COORDENAÇÃO ESTADUAL DO SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO SINE SETOR

Leia mais

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores Capítulo 3 Fichas de Qualificação de Indicadores A Demográficos População total A.1................................... 58 Razão de sexos A.2................................... 60 Taxa de crescimento da

Leia mais

ISSN 1519-9568. INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 20 Março de 2002 APRESENTAÇÃO

ISSN 1519-9568. INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 20 Março de 2002 APRESENTAÇÃO ISSN 119-968 INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número Março de APRESENTAÇÃO O Boletim apresenta uma síntese do documento Panorama Social de América Latina -1, uma publicação da Comissão Especial para a América

Leia mais

O espaço dos jovens e dos idosos no mercado de trabalho atual. Resumo

O espaço dos jovens e dos idosos no mercado de trabalho atual. Resumo O espaço dos jovens e dos idosos no mercado de trabalho atual Amilton Moretto Palavras-chave:,, Ocupação, Mercado de trabalho. Resumo O artigo analisa o espaço que jovens e as pessoas idosas têm ocupado

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ESPECIAL NEGROS Novembro de 2008 NOVEMBRO de 2008 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 Na Região Metropolitana de Belo Horizonte

Leia mais

MINAS, IDEB E PROVA BRASIL

MINAS, IDEB E PROVA BRASIL MINAS, IDEB E PROVA BRASIL Vanessa Guimarães 1 João Filocre 2 I I. SOBRE O 5º ANO DO EF 1. O IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) foi criado há um ano pelo MEC e adotado como indicador da

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 25º Edição - Abril de 2014 SUMÁRIO Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação 3 Seção Especial 5 Nível de Atividade 8 Emprego 9 Emprego direto em planos de saúde 10 Renda

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

Docente: Willen Ferreira Lobato willenlobato@yahoo.com.br

Docente: Willen Ferreira Lobato willenlobato@yahoo.com.br Docente: Willen Ferreira Lobato willenlobato@yahoo.com.br Natal 29/02/2012 1 Considerações Gerais; Principais conceitos demográficos; Gráficos de indicadores sociais; Estrutura das populações mundiais:

Leia mais

Perfil Municipal - Natal (RN)

Perfil Municipal - Natal (RN) Caracterização do Território Área: 169,9 km² Densidade Demográfica: 4.175,5 hab/km² Altitude da Sede: 30 m Ano de Instalação: 1.599 Distância à Capital: 0,0 km Microrregião: Natal Mesorregião: Leste Potiguar

Leia mais

PED ABC Novembro 2015

PED ABC Novembro 2015 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Novembro 2015 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO DO ABC Diferenciais de inserção de negros e não negros no mercado de trabalho em 2013-2014 Dia

Leia mais

POPULAÇÃO BRASILEIRA

POPULAÇÃO BRASILEIRA POPULAÇÃO BRASILEIRA É importante conhecer as características da população brasileira para o seu vestibular. Inicialmente vamos conhecer dois conceitos básicos para esse estudo: *População absoluta refere-se

Leia mais

ÍNDICE IPARDES DE DESEMPENHO MUNICIPAL - IPDM

ÍNDICE IPARDES DE DESEMPENHO MUNICIPAL - IPDM ÍNDICE IPARDES DE DESEMPENHO MUNICIPAL - IPDM CURITIBA 2010 2 1 ÍNDICE IPARDES DE DESEMPENHO MUNICIPAL - IPDM O Índice Ipardes de Desempenho Municipal (IPDM) procura avaliar a situação dos municípios paranaenses,

Leia mais

Perfil Municipal - Florianópolis (SC)

Perfil Municipal - Florianópolis (SC) Caracterização do Território Área: 436,5 km² Densidade Demográfica: 760,1 hab/km² Altitude da Sede: 3 m Ano de Instalação: 1.726 Distância à Capital: 0,0 km Microrregião: Florianópolis Mesorregião: Grande

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1. Palavras-chaves: desigualdade, pobreza, equações de rendimento, distribuição de renda.

DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1. Palavras-chaves: desigualdade, pobreza, equações de rendimento, distribuição de renda. DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1 Rodolfo Hoffmann 2 RESUMO Este trabalho analisa a distribuição da renda no Brasil e em seis regiões do país, utilizando os dados da PNAD de 1999. É examinada a

Leia mais

Avaliação Econômica. Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil

Avaliação Econômica. Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil Avaliação Econômica Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil Objetivo da avaliação: identificar o impacto do desempenho dos brasileiros na Educação Básica em sua renda futura. Dimensões

Leia mais

DIEESE e SEBRAE lançam Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa

DIEESE e SEBRAE lançam Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa São Paulo, 05 de dezembro de 2011 NOTA À IMPRENSA DIEESE e SEBRAE lançam Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa O aumento no número de estabelecimentos de micro e pequenas empresas no Brasil, bem

Leia mais

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística Área Temática: Emprego e Mercado de Trabalho, Demografia Econômica. 1 - Introdução Este texto

Leia mais

A Ampliação do Acesso à Comunicação, à Informação e ao Entretenimento nos Domicílios Cearenses

A Ampliação do Acesso à Comunicação, à Informação e ao Entretenimento nos Domicílios Cearenses Nº 82 dezembro 2014 A Ampliação do Acesso à Comunicação, à Informação e ao Entretenimento nos Domicílios Cearenses Uma Análise Comparativa com o Brasil e os Estados Nordestinos 2002-2013 GOVERNO DO ESTADO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO (SEPLAN) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE)

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO (SEPLAN) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO (SEPLAN) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) NOTA TÉCNICA Nº 17 UMA COMPARAÇÃO DA COBERTURA PREVIDENCIÁRIA

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2013: análise dos principais resultados de Goiás

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2013: análise dos principais resultados de Goiás Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2013: análise dos principais resultados de Goiás A 6ª edição do Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa é um dos produtos elaborados por meio da parceria

Leia mais

Análise do mercado de trabalho

Análise do mercado de trabalho Análise do mercado de trabalho 1 Introdução Esta análise tem como propósito a apresentação do desempenho do mercado de trabalho brasileiro no primeiro trimestre de 2010 com base, principalmente, nos indicadores

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Energia Elétrica como Proxy do Desenvolvimento. Econômico do Estado de Goiás. PIBIC/2010-2011

Energia Elétrica como Proxy do Desenvolvimento. Econômico do Estado de Goiás. PIBIC/2010-2011 como Proxy do Desenvolvimento Econômico do Estado de Goiás. PIBIC/2010-2011 Leonardo Ribeiro Gonçalves, Ana Cláudia Marques do Valle Universidade Federal de Goiás, GO, Brazil Escola de Engenharia Elétrica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

Sumário Executivo. Redistribuição à Brasileira: Ingredientes Trabalhistas

Sumário Executivo. Redistribuição à Brasileira: Ingredientes Trabalhistas Sumário Executivo Redistribuição à Brasileira: Ingredientes Trabalhistas Seguindo a analogia culinária tradicional, o bolo dos brasileiros pobres cresceu nos últimos dez anos, apesar do crescimento ter

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio

Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio Equipe: André Urani (editor responsável) Adriana Fontes Luísa Azevedo Sandro

Leia mais

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 José Cechin Superintendente Executivo Carina Martins Francine Leite Nos últimos meses, vários relatórios publicados por diferentes instituições

Leia mais

Fundação Seade. www.seade.gov.br

Fundação Seade. www.seade.gov.br Maio de N o Diminui a migração no Estado de São Paulo A divulgou mais um número do SP Demográfico, o terceiro de. Dessa vez, são apresentadas estimativas inéditas dos saldos migratórios e das taxas de

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Nº 56 Março 2013. Desequilíbrios Regionais no Brasil e a Distribuição Desigual de Recursos Entre os Estados

Nº 56 Março 2013. Desequilíbrios Regionais no Brasil e a Distribuição Desigual de Recursos Entre os Estados Nº 56 Março 2013 Desequilíbrios Regionais no Brasil e a Distribuição Desigual de Recursos Entre os Estados GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

Leia mais

Decomposição da Inflação de 2011

Decomposição da Inflação de 2011 Decomposição da de Seguindo procedimento adotado em anos anteriores, este boxe apresenta estimativas, com base nos modelos de projeção utilizados pelo Banco Central, para a contribuição de diversos fatores

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº59 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015 Supermercados mostram queda de -1,61% até novembro Desemprego e renda

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

O PAPEL DOS MUNICÍPIOS DO RIO GRANDE DO SUL NA AMPLIAÇÃO DO ATENDIMENTO EM CRECHE ÀS CRIANÇAS DE 0 A 3 ANOS

O PAPEL DOS MUNICÍPIOS DO RIO GRANDE DO SUL NA AMPLIAÇÃO DO ATENDIMENTO EM CRECHE ÀS CRIANÇAS DE 0 A 3 ANOS O PAPEL DOS MUNICÍPIOS DO RIO GRANDE DO SUL NA AMPLIAÇÃO DO ATENDIMENTO EM CRECHE ÀS CRIANÇAS DE 0 A 3 ANOS Débora Brondani da Rocha Bacharel em Direito e Auditora Pública Externa do TCERS Hilário Royer-

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade 1) Nos últimos dez anos a renda media dos brasileiros que caiu a taxa de 0.6% ao ano, enquanto o dos pobres cresceu 0.7%, já descontados o crescimento

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 1º fase

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 1º fase Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 1º fase Resumo: A pesquisa de Qualidade de Vida é organizada pela ACIRP e pela Fundace. Teve início em 2009, inspirada em outros projetos já desenvolvidos em grandes

Leia mais

O BRASIL SEM MISÉRIA E AS MUDANÇAS NO DESENHO DO BOLSA FAMÍLIA

O BRASIL SEM MISÉRIA E AS MUDANÇAS NO DESENHO DO BOLSA FAMÍLIA O BRASIL SEM MISÉRIA E AS MUDANÇAS NO DESENHO DO BOLSA FAMÍLIA Rafael Guerreiro Osorio e Sergei S. D. Soares O Programa Bolsa Família é uma transferência de renda mensal do governo federal para famílias

Leia mais

Perfil Municipal - Queimada Nova (PI)

Perfil Municipal - Queimada Nova (PI) Caracterização do Território Área: 1.438,4 km² Densidade Demográfica: 5,8 hab/km² Altitude da Sede: 410 m Ano de Instalação: 1.993 Distância à Capital: 416,7 km Microrregião: Alto Médio Canindé Mesorregião:

Leia mais

Mestre em Economia/UFMT e Gestor Governamental (SEPLAN/MT). Email: edmarvieira@seplan.mt.gov.br.

Mestre em Economia/UFMT e Gestor Governamental (SEPLAN/MT). Email: edmarvieira@seplan.mt.gov.br. Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação ET CAV/SP/SEPLAN nº 10/2013 Educação: o desafio da

Leia mais

Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e

Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e ERRATA A página 19 foi substituída pela página abaixo: Quadro de servidores públicos municipais 1999-2002 Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e passando por uma redistribuição de poderes

Leia mais

Como está a desigualdade de gênero entre os estados brasileiros?

Como está a desigualdade de gênero entre os estados brasileiros? Como está a desigualdade de gênero entre os estados brasileiros? Luísa Cardoso 1 Medir de forma multidimensional o quão desigual é a situação das mulheres em relação aos homens é uma iniciativa empreendida

Leia mais

BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53

BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53 CAPÍTULO6 BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53 Aspectos de gênero O Programa Bolsa Família privilegia como titulares as mulheres-mães (ou provedoras de cuidados), público que aflui às políticas de assistência

Leia mais

REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS

REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 E TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS m setembro, a Pesquisa de Emprego e Desemprego, realizada na Região Metropolitana de Salvador (RMS), apresentou

Leia mais

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer 2 Saúde reprodutiva: gravidez, assistência pré-natal, parto e baixo peso ao nascer SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE INTRODUÇÃO No Brasil, as questões relativas à saúde reprodutiva têm

Leia mais

Sistema de Gestão Estratégica

Sistema de Gestão Estratégica Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Índice de Desenvolvimento Sustentável Brasília, março de 2011 Índice de Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

Perfil Educacional SEADE 72

Perfil Educacional SEADE 72 Perfil Educacional A análise da situação educacional do Estado de Santa Catarina fundamentase nos indicadores de instrução da população (taxa de analfabetismo para 1991), de escolarização (taxa líquida

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Em geral as estatísticas sobre a economia brasileira nesse início de ano não têm sido animadoras

Leia mais

Será uma carta entregue em mãos após uma marcha que terá início em São Paulo logo após a eleição e terminará no Palácio do Planalto em Brasília.

Será uma carta entregue em mãos após uma marcha que terá início em São Paulo logo após a eleição e terminará no Palácio do Planalto em Brasília. Pesquisa de Opinião CONTEXTO Carta de um Brasileiro é um movimento de mobilização social com objetivo de entregar à Presidente da República eleita em outubro de 2010 os principais desejos e necessidades

Leia mais

A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS

A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS Título: A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS Projeto de pesquisa: ANÁLISE REGIONAL DA OFERTA E DA DEMANDA POR SERVIÇOS DE SAÚDE NOS MUNICÍPIOS GOIANOS: GESTÃO E EFICIÊNCIA 35434 Autores: Sandro Eduardo

Leia mais

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO E OS TRABALHADORES Pulverizado, com uma grande concentração de empresas de pequeno porte - mais de 60% dos trabalhadores estão

Leia mais

Brasil avança em duas áreas da Matemática

Brasil avança em duas áreas da Matemática PISA 2003 - BRASIL O Brasil mostrou alguns avanços na segunda edição do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa). Foi o que mais cresceu em duas das áreas avaliadas da Matemática, melhorou

Leia mais

Formalização das relações de trabalho

Formalização das relações de trabalho PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MAIO DE 2015 Formalização das relações de trabalho SÚMARIO EXECUTIVO O aumento da proporção de ocupações com relações de trabalho formalizadas,

Leia mais

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Julho de 2005 Risco Macroeconômico 2 Introdução: Risco Financeiro e Macroeconômico Um dos conceitos fundamentais na área financeira é o de risco, que normalmente

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA: O ENVELHECIMENTO E A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS

AUDIÊNCIA PÚBLICA: O ENVELHECIMENTO E A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS AUDIÊNCIA PÚBLICA: O ENVELHECIMENTO E A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS BRASÍLIA, Julho de 2014 1 Proteção Social entre os Idosos (pessoas com 60 anos ou mais de idade) - Brasil 2 Cobertura Social entre os

Leia mais

O TRABALHO POR CONTA PRÓPRIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL

O TRABALHO POR CONTA PRÓPRIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Nº 5 Fevereiro 2011 O TRABALHO POR CONTA PRÓPRIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL O desenvolvimento capitalista no Brasil alcançou um impulso formidável no século passado, dotando, em curto espaço de tempo, uma economia

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo sobre o perfil dos estudantes usuários dos programas de assistência estudantil da UAG/UFRPE

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo sobre o perfil dos estudantes usuários dos programas de assistência estudantil da UAG/UFRPE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo sobre o perfil dos estudantes usuários dos programas de assistência estudantil da UAG/UFRPE José Albuquerque Constantino 1 Joselya Claudino de Araújo

Leia mais

Rio Grande do Sul. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio Grande do Sul (1991, 2000 e 2010)

Rio Grande do Sul. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio Grande do Sul (1991, 2000 e 2010) Rio Grande do Sul Em 21, no estado do Rio Grande do Sul (RS), moravam 1,7 milhões de pessoas, onde parcela importante (9,3%, 989,9 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 496 municípios,

Leia mais

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 117 GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo*

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 117 GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo* GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo* Como deve ser estruturada a política social de um país? A resposta a essa pergunta independe do grau de desenvolvimento do país, da porcentagem

Leia mais

O Ensino Superior Brasileiro na Década de 90

O Ensino Superior Brasileiro na Década de 90 O Ensino Superior Brasileiro na Década de 90 Paulo Corbucci* O presente texto aborda alguns aspectos do desenvolvimento do ensino superior brasileiro na década de 90, tendo, como eixos de análise, a oferta,

Leia mais

ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB.

ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB. ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB.ORG/EVALUATION ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT 2014

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT 2014 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT Março 2015 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES CANAL INERNET AT AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT Autoridade

Leia mais

Sistema de Monitoramento e avaliação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio em Belo Horizonte

Sistema de Monitoramento e avaliação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio em Belo Horizonte Sistema de Monitoramento e avaliação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio em Belo Horizonte O Observatório do Milênio de Belo Horizonte é um espaço de produção, análise e disponibilização de informações

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

Diagnóstico da escolarização de crianças e adolescentes no Brasil

Diagnóstico da escolarização de crianças e adolescentes no Brasil Diagnóstico da escolarização de crianças e adolescentes no Brasil Alceu R. Ferraro(1) Objetivo e metodologia. O presente texto sintetiza os resultados do diagnóstico da escolarização de crianças e adolescentes

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais