Velhos objetos, novas abordagens: o jornal como fonte para a história da literatura. Resumo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Velhos objetos, novas abordagens: o jornal como fonte para a história da literatura. Resumo"

Transcrição

1 Velhos objetos, novas abordagens: o jornal como fonte para a história da literatura. Socorro de Fátima P. Vilar UFPB/CNPQ 1 Resumo Este trabalho apresenta resultados parciais de um projeto sobre os jornais e folhetins paraibanos do século XIX. Trata-se de pesquisa para estágio de pós-doutoramento, desenvolvido na PUCRS, sob a supervisão da Professora Drª Regina Zilberman, com financiamento do CNPQ. O projeto não se restringe aos jornais ditos literários, mas aos vários periódicos publicados pela imprensa daquela província no século XIX. Além de tomar o jornal como acervo de um grande número de textos, esta pesquisa tenta estabelecer as relações existentes entre o jornal, a obra e os leitores, na tentativa de reconstituir práticas de leitura, produção e circulação de textos, bem como as práticas literárias as mais diversas. Assim, no que se refere ao jornal como fonte primária, tenta-se traçar uma perspectiva de abordagem para esse suporte, a despeito de limitar os exemplos aos jornais paraibanos, uma vez que vários estudos sugerem que essas práticas eram generalizáveis à imprensa da época, em várias províncias do Brasil. Jornais e folhetins Literatura Paraibana História da literatura 1 Professora Adjunta do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da UFPB.

2 Velhos objetos, novas abordagens: o jornal como fonte para a história da literatura 2. Socorro de Fátima P. Vilar UFPB/CNPQ 1. História da Literatura Brasileira: o jornal como fonte primária Não é dos dias de hoje que se observa a íntima relação que tinham o jornal e a literatura no século XIX. Sílvio Romero chama a atenção para o caminho que normalmente percorriam os escritores da época, que sempre partiam da literatura, passavam pelo jornal e desembocavam na política (1954). De certa forma, é certo afirmar que esse suporte sempre se constituiu como fonte para os historiadores da literatura, que o utilizavam e ainda o fazem, principalmente, para resgatar a matéria por excelência de seus estudos, romances e folhetins do século XIX. Nesse sentido, o jornal é um velho objeto, que tem se prestado muito bem ao papel de arquivo da historiografia literária. Na qualidade de arquivo, ele só vale para aquilo que guarda. Assim, como uma Torre do Tombo, ou uma Biblioteca Nacional, seus espaços são gavetas, estantes com textos, principalmente romances e folhetins, estes últimos, tesouros a serem desvendados, elevados que foram à categoria de objeto de estudo da história da literatura, desde que foram resgatados pela estudiosa Marlyse Meyer (1996, 1998) e retomados na perspectiva da leitura e dos leitores por Marisa Lajolo e Regina Zilberman (1999). Porém, a despeito de tamanha importância para os que hoje o buscam como fonte primária, o jornal em sua relação com a literatura não era algo tomado como valor positivo pelos seus contemporâneos, apresentando-se como um suporte de valor menor que o do livro, por se tratar de leitura ligeira e descartável, como assim acreditavam alguns escritores da época, entre os quais, Luiz Guimarães Júnior, quando afirma terem os folhetins o grande mérito de se fazerem esquecer depressa no borboletear prodigioso da imprensa diária; sem deixarem sequer na passagem o traço do aerólito, ou a espuma da vaga que se desfaz com a brisa! (Apud, Sales: 2004,126 ). José de Alencar, ao mesmo tempo em que compreendeu esse caráter efêmero da imprensa, filho dileto da musa industrial, e o seu efeito na produção e consumo daquilo que veiculava, foi além do que afirmavam alguns desses escritores, ao perceber que esse também desacredita quem o escreve. 2 Parte das idéias aqui discutidas foram apresentadas em exposição oral no VI Seminário Internacional de História da literatura, promovido pelo Programa de Pós-graduação da PUCRS. 2

3 Dizendo de outra forma, essa desvalorização do jornal como fonte primária para a história da literatura tem a ver com o fato de que durante muito tempo promoveu principalmente a difusão de um gênero menor, o romance/folhetim, difundido entre um público não especializado e em sua maioria feminino. Essa mentalidade foi ratificada em parte pelos próprios romancistas que raramente representam suas leitoras lendo os textos nesse suporte. Tome-se como exemplo de tantas dessas narrativas, A mão e a luva e Helena, de Machado de Assis, A normalista, de Adolfo Caminha, que quase nunca representam quaisquer dessas leitoras lendo o romance em seu suporte de origem, mas apenas na forma de livro, o que de certa forma ratifica essa posição marginal que o jornal tinha como suporte no século XIX. Talvez por isso, quando o romance foi alçado à categoria de gênero literário por excelência, essas relações tenham sido alijadas e a história da literatura tenha dado ao jornal pouca importância, a não ser aquela já mencionada de tomá-los como arquivo. Esse é o caso do resgate dos folhetins. Descobertos pela estudiosa Marlyse Meyer (1996, 1998), têm motivado várias pesquisas acadêmicas 3, sobre a sua presença em várias províncias durante o século XIX (Vaz et al.2005; Nadaf, 2002; Hohlfeldt, 2003; Sales, 2004). A despeito da importância desses estudos, há contudo algumas histórias que precisam ser resgatadas. A primeira diz respeito às transformações verificadas nos textos quando deixaram o jornal e migraram para o suporte livro; a outra precisa analisar as representações que os romances construíram do jornal na sua relação com a literatura. No que se refere ao jornal como fonte primária, a pesquisa que desenvolvemos sobre os jornais e os folhetins paraibanos do século XIX 4 tenta traçar uma perspectiva de abordagem para esse suporte, principalmente para esse século, época da consolidação da literatura brasileira e da sua íntima relação com a imprensa. Ironicamente, foi a partir da pesquisa que desenvolvo sobre os jornais e folhetins paraibanos do século XIX, quando buscava os textos sagrados e tesouros enterrados dessa literatura, que me dei conta do papel que o jornal desempenha como veículo onde se revelam as práticas literárias as mais diversas. Por isso, a despeito de limitarmos os exemplos aos jornais paraibanos, acredito que suas práticas sejam generalizáveis à imprensa da época, em várias províncias do Brasil. Primeiramente, porque favorece o conhecimento daquelas práticas que não foram valorizadas pelos historiadores; depois, porque desenham com maior verossimilhança a vida 3 Uma interessante amostra dessas novas abordagens em pesquisas com jornais e revistas do século XIX, que se desenvolvem atualmente no Brasil, revela-se através dos resumos das comunicações apresentadas no X Encontro Regional da Abralic. 4 Trata-se de pesquisa para estágio de pós-doutoramento, desenvolvido na PUCRS, sob a supervisão da Professora Drª Regina Zilberman, com financiamento do CNPQ. O projeto não se restringe aos jornais ditos literários, mas aos vários periódicos publicados pela imprensa daquela província no século XIX. 3

4 literária de um tempo distante, bem diversas da que propõem os livros e manuais, porém mais próximas da realidade daquela época. Tivéssemos, no entanto mais testemunhos como o de Bênção paterna, de José de Alencar, que além de associar sua imagem para a posteridade à imprensa, restitui aos jornais o seu verdadeiro significado para a nascente literatura brasileira, talvez não nos surpreendêssemos com as inúmeras possibilidades de apropriação desse suporte, que passo a discutir. 2. Novas abordagens para um velho objeto 2.1. Sobre o conceito de literatura, a permanência e o desaparecimento de alguns gêneros Márcia Abreu (2003, p.29), ao discutir o termo literatura no século XVIII, observa que sua autonomização só se dará no outro século, haja vista serem tão tênues as fronteiras entre as áreas que a definem, pois literatura era conhecimento. Esse percurso seguido pelo termo até a sua sedimentação revela-se, com bastante precisão, nas várias seções dos jornais que mostram como, durante o século XIX, a concepção de literatura diferia do que hoje consideramos como tal. Assim, Variedade, Letras e Artes, Folhetim, Escrínio das letras, Miscelânea e vários outros epítetos davam conta de uma série de gêneros, entre os quais o romance, o folhetim, a poesia, a biografia, a crítica literária, o sermão, a carta, etc. As colunas designadas pelo nome de Literatura abrigavam toda sorte de gênero. Entre esses, atualmente, alguns já não cabem nos limites desse conceito, como é o caso das biografias, das resenhas, dos ensaios, das cartas, dos prefácios, dos ditos, frases e aforismos, bem como os relatos de viagem. Mesmo quando havia a coluna com essa designação, pelo menos nos jornais paraibanos, elas não apresentavam firmeza, aparecendo e desaparecendo ao sabor do acaso. Paralela a essa discussão, pode-se levar adiante outra, que diz respeito à permanência e o desaparecimento de alguns gêneros. É o caso, por exemplo, de alguns tipos tais como as glosas, os acrósticos, as charadas, os anagramas e os logogrifos, as baladas e os necrológios, que se constituíam como legítimos e corriqueiros nos séculos XVII e XVIII e que foram banidos dos livros e antologias que nos chegaram, ou porque foram pouco cultivados pelos autores do cânone, ou porque foram desconsiderados pela história da literatura pois foram considerados gêneros menores e anacrônicos. O caso do soneto é exemplar: em um levantamento que fizemos, observamos que a partir de 1841, esse tipo de poesia aparece muito raramente até a década de 80, quando passa a ser basicamente predominante. Tem também a crônica, que deslizando de seção em seção, 4

5 vai aos poucos adquirindo o perfil que hoje conhecemos, como a prosa curta e ligeira, que captura o retrato do prosaico e do cotidiano. Percorrer os vários jornais do começo ao fim do século XIX possibilita, portanto, refazer os caminhos e os deslocamentos que a categoria do que era literatura sofreu, até chegar a uma definição mais ou menos pacífica para os historiadores do início do século XX. 2.2 Sobre a representação do lugar e da importância da poesia Uma das heranças dos românticos foi a áurea que imprimiram à poesia como objeto de valor estético. Essa mentalidade associada ao valor dado ao livro como suporte por excelência do texto literário, imprimiu à poesia apenas sua função deleitar o espírito. Essa representação, contudo, é anacrônica, uma vez que não revela os usos e as práticas literárias cotidianas verificadas na constante utilização da poesia em certames políticos e contendas literárias, quando é utilizada para defender pontos de vista que vão desde a defesa da libertação dos escravos e da república a fofocas e relações amorosas bem provincianas. O romance A normalista retrata bem essa função do jornal e da poesia na divulgação pela Matraca, do namoro de Maria do Carmo e Zuza, através do que o narrador chama de versos pé viola. Sim, porque mesmo uma província como Fortaleza tinha lá as suas muitas folhas, com destinações diversas, que abrigavam vários tipos de textos. As paródias, a sátira, os versos são apanágio dos pasquins, pequenas folhas, muitas vezes mantidas como apêndices dos grandes jornais, que se encarregavam de matéria nobre e séria. Esse uso prático e pouco nobre da poesia foi banido da historiografia literária, pois nos manuais as contendas parecem que são sempre feitas em prosa e são coisas de gigantes como Alencar e Magalhães. No caso dos jornais paraibanos, verifica-se que esse desvalor da poesia ocorre muitas vezes nos jornais mais importantes, onde sonetos de poetas consagrados são publicados indistintamente ao lado de anúncios para queda de cabelo; às vezes o são em coluna especializada, a depender da diagramação. Esses poemas, geralmente anônimos ou escritos com pseudônimos, revelam um número de escritores bem maior do que aquele elencado pelo cânone nas histórias da literatura. Assim, limitada à publicação dos livros da província que muitas vezes foram feitas em outros países a vida literária apresentada nos jornais é rica e movimentada e faz circular um número considerável de textos e gêneros literários que não são sequer mencionados nesses tratados. Além disso, infere-se em muitos deles a presença feminina escondida sob a máscara do pseudônimo e da inicial. Deixadas de lado por décadas, as mulheres aparecem nos jornais como alguém que não é apenas uma consumidora de folhetins, mas uma produtora de vários 5

6 gêneros textuais, sendo os mais comuns o amoroso contos, poemas, prosas poéticas e o religioso. Um outro uso para a poesia e as práticas literárias do século XIX, apresenta-se quando descobrimos na programação de um concerto musical a musicalização para Canção do Exílio de Gonçalves Dias. Ora, essa informação levanta uma série de questões que vão desde a apropriação do texto, como a da relação entre música e literatura e de questões de circulação e recepção desse e de outros textos. Pode-se então perguntar quais e que poetas tiveram seus poemas musicados. Quantas dessas partituras podem ser resgatadas? Como a musicalização promoveu a circulação dos textos literários? 2.3 Sobre a divulgação, os valores dos livros, a representação, a quantidade e o tipo de leitores A sacralização que os românticos deram ao texto impresso em livro levou à falsa percepção dos historiadores da literatura de que questões de preço não são dignas de serem avaliadas. Só agora estas questões passam a ser objeto de estudo e estão sendo trazidas à cena por Lajolo e Zilberman (2001), na medida em que se perguntam por direitos autorais, apropriação, preço, ou seja, a relação do texto e do seu autor, com o mercado e com os editores. Os jornais se constituem, em vários aspectos, fonte para a pesquisa dessas relações. José de Alencar refere muito bem a diferença entre sair uma nota com elogios no corpo do jornal, e o uso de reclames, que muitas vezes se revelavam falsos, quando não correspondiam à expectativa dos leitores. Seu maior orgulho era ter atingido sucesso entre os leitores com a publicação de Cinco minutos, que foram dados como brinde aos assinantes do Diário do Rio de Janeiro, depois de sua publicação em folhetins, sem fazer uso desse mecanismo: Tinha leitores e espontâneos, não iludidos por falsos anúncios. O reclame 5 muitas vezes tem o mérito de trazer o valor do livro, como podemos observar no exemplo abaixo, que é sugestivo, pois mostra alguns detalhes importantes na comercialização dos livros no século XIX. Primeiramente, o lugar onde eram vendidos uma botica o que já revela práticas que foram extintas com a criação das livrarias e surpreendemente retomadas por Monteiro Lobato; outra coisa é o valor atribuído ao responsável por esta nova figura do mundo das letras o 5 O romance O ateneu, de Raul Pompéia, traduz com muita propriedade a representação desse poder atribuído ao reclame, conseqüência dessa rede promovida pela circulação dos jornais: A irradiação do réclame alongava de tal modo os tentáculos através do país, que não havia família de dinheiro[...] que não reputasse um compromisso de honra com a posteridade doméstica mandar dentre seus jovens, um, dois, três representantes abeberar-se à fonte espiritual do Ateneu.(p.13) 6

7 tradutor, no caso mais importante até que o autor introduzida com a produção do livro no Rio de Janeiro. Inserir quadro 1 Pelos jornais também temos notícia de outra prática de circulação da literatura, que se dava através das associações, das sociedades literárias e dos grêmios que usavam o suporte para convidar e informar seus associados, possibilitando o resgate de muitas dessas comunidades de leitores. Outro dado importante diz respeito à venda de livros usados. Durante todo o século XIX, encontramos nos jornais paraibanos esse tipo de anúncio. Inclusive de pessoas que por motivo de viagem vendiam toda a biblioteca, como foi o caso do Dr.Cordeiro Júnior, que no mesmo jornal O Paraibano em que traduziu 6 os folhetins de Júlio de Gastine, O homem da noite e Pauline de Meriane, anunciou a venda de sua esplêndida livraria com mais de 1000 livros sobre ciências, artes, letras, viagens, indústria. No que se refere à história da leitura na Paraíba, é de um jornal a informação sobre a data da fundação da nossa primeira biblioteca popular, bem como da quantidade de leitores recebidos pelo estabelecimento durante um ano, informação publicada pelo jornal O Estado da Paraíba. Outro dado interessante refere-se às doações que foram feitas à biblioteca, cujos livros foram elencados pelo jornal, o que contribui para que saibamos o que liam, ou o que livros possuíam os paraibanos. Ainda com relação à circulação dos livros, era comum aos jornais fazerem referência à chegada de navios trazendo este ou aquele título bastante aguardado, como observamos no exemplo abaixo. Esse exemplo também é paradigma de um aspecto que esta pesquisa tem observado. Trata-se da importância que se dava à época às ilustrações. Como o exemplo abaixo, vários são os anúncios que fazem questão de detalhar uma a uma todas as ilustrações dessas revistas. Aliás, há casos em que as gravuras se sobrepujam aos temas trazidos por elas. Observe-se, que neste caso, o anúncio embora saliente a importância dos bem elaborados artigos, faz questão de numerar uma a uma todas as gravuras. Esse dado revela um novo modo de ler, mais próximo do atual, que consistia na nascente valorização das gravuras em revistas e jornais, e já se afasta daquele modo bastante representado pelos romances, onde alguém lia para uma platéia. Vários são os anúncios que tentam atrair a atenção do leitor para as gravuras das revistas, muitas vezes em detrimento dos próprios textos. 6 Algumas dessas traduções eram feitas na própria província, por encomenda dos jornais que faziam questão de salientar essa informação. Seria essa uma prática de todas as províncias? 7

8 Inserir quadro Sobre o trânsito e a circulação dos jornais e dos autores entre as várias províncias, a Capital e o Exterior Essa é na verdade uma das grandes possibilidades de se tomar o jornal como fonte para a história da literatura brasileira, deslocando sua ação do Rio de Janeiro para as províncias do país, revelando um movimento e circulação de textos e de escritos incapazes de serem resgatados apenas com as fontes tradicionais. De várias maneiras esse intercâmbio e as relações entre os vários jornais se faziam presentes, seja através de um gênero bastante comum que os jornais chamavam de Transcrição, quando retiravam toda a matéria de outros veículos tanto nacionais como estrangeiros, seja através de notas acusando o recebimento de jornais de outros lugares, até mesmo dentro de uma mesma província. Entre os exemplos temos que os leitores do jornal paraibano O Estado da Paraíba leram os artigos responsáveis pelo desterro de Pardal Mallet, que foram publicados no jornal carioca O combate. No mesmo jornal, observamos que o folheto Coração de José Rodrigues de Carvalho, em homenagem a estatua de José de Alencar, tem sua divulgação simultânea nos jornais Diário do Ceará e na Província do Recife. Na Paraíba, o jornal estrangeiro mais parafraseado foi o Le Figaro, principalmente com notícias referentes a alguns escritores, entre os quais se sobressaem Zola e Vitor Hugo. Muitas vezes, um pequeno parágrafo informava que aquele trecho fora retirado de determinado jornal. Assim, contos, poemas, crônicas e até mesmo folhetins circularam no Brasil através dos jornais que se constituíram enquanto fonte dessa literatura, que circulou pelas províncias não apenas no suporte livro, como faz crer a história da literatura. Tomemos outro exemplo da circulação de certas obras e autores na Paraíba reveladas através do jornal. Uma nota de O Estado da Paraíba, informando sobre o lançamento do livro de Edmund de Amcis, Fra Scuola e Casa, oferece-nos elementos para supor que o autor fosse conhecido e lido naquela província, pelo menos pelos leitores do jornal. Assim, não é difícil supor que Carlos Dias Fernandes, escritor paraibano, fosse leitor de De Amacis desde a juventude, vindo dessa época a sua relação com Cuore, exemplo e inspiração para seu livro, o primeiro livro de leitura da Paraíba. Além da presença, hão de se registrar as ausências, que sugerem uma série de perguntas que pode levar a novas perspectivas de resgate da história da literatura: por exemplo, por que apenas alguns autores e obras circularam em determinados estados? Que autores e obras circularam com maior freqüência nos estados que já desenvolvem pesquisas a esse respeito? E 8

9 mais, por que há um considerável número de autores de folhetim que circularam no Rio Grande do Sul e não o fizeram na Paraíba? Nesse caso, pergunta-se: quais as condições de circulação desses textos? Essa perspectiva amplia consideravelmente as listagens fornecidas pelas recentes pesquisas sobre os folhetins, os romances, obras e autores que foram publicados nos jornais do século XIX nesse país, pois levanta problemas, fomenta questões e revela relações complexas, que vão da leitura à comercialização dos textos. Nesse sentido, pode-se indagar se essas ausências não seriam motivadas por qualquer tipo de consciência dos direitos autorais, discutidos e levados à frente por Pardal Mallet desde 1890 (Lajolo e Zilberman) 7 ; ou pela pressão dos escritores, ou até mesmo o gosto do leitor, que determinava quais romances e folhetins deveriam ser publicados. Sobre a inegável predominância do folhetim e romance estrangeiros, o que pode ser dito? Trata-se da demanda do leitor ou da escolha dos próprios jornalistas e proprietários? Nesse sentido, a crítica literária, mesmo que precária, presente nesses jornais das províncias pode dar pistas, não só dessa atividade propriamente dita, mas de como ela foi responsável pelo que aqui circulou influenciando e formando o gosto dos leitores. Essa é só uma hipótese, que carece de mais pesquisa, pois não há nos jornais paraibanos nenhum texto de Machado de Assis, muito embora PUP, pseudônimo do responsável pela coluna Caleidoscópio, faça uma crítica bastante elogiosa e afirme categoricamente ter lido Quincas Borba? E o que como compreender a sua afirmação de que Quincas Borba é um folhetim espirituoso e simples, com importantes notas colhidas na vida cotidiana do Rio, um naturalismo a seu modo sem decotes, leitura para senhoras (Estado da Paraíba, Ano III, 01/12/1892, Grifos nossos). Pela data, está implícito que dá notícias do livro, cujo lançamento foi em 1892, mas insiste em chamá-lo de folhetim, o que sugere que talvez o tenha lido em folhetins, ou seja, em capítulos publicados no Folhetim do jornal. Tomar o romance como leitura para senhoras indicava marcas próprias com que os seus contemporâneos identificavam essas narrativas 8? O certo é que leitura para senhoras, como sugere PUP, não exclui a leitura masculina. Trata-se então da opinião equivocada de um crítico de província, ou diz respeito a uma concepção da época, de outros críticos de outras províncias? Um outro aspecto relacionado à circulação dos livros e revelado pelos jornais foi a presença da tipografia, que, como observa Regina Zilberman, 7 Sobre a luta de Pardal Mallet para conquistar e estabelecer no Brasil os direitos autorais, consultar o capítulo Direito, letras e números In Lajolo e Zilberman, Segundo Marlyse Meyer (1996, 31), é óbvio que as próprias condições de publicação devem ter influído na estrutura da narrativa. Sobre essa imprecisão do gênero, em uma nota, a autora manifesta o desejo de vir a publicar uma pequena antologia de definições de romance como gênero e de sua função [...], pois o que a espantava era a perfeita discrepância teórica dentro de uma quase esteriotipia de realização (p. 51) 9

10 deixou de ser um ofício artesanal, para se alinhar ao modelo em curso da população anônima e em série, raiz da massificação. Conseqüência dessas novidades foi a expansão de um meio de comunicação de desempenho até então discreto: o jornal(2001, 31). Um levantamento preliminar revela que a Paraíba possuiu um número considerável de tipografias ao longo do século XIX, responsável tanto pela impressão de cerca de 90 jornais e pequenas folhas, como pela fabricação de livros 9, como sugerem alguns reclames, e até mesmo a contrafação do romance Iracema, o folhetim Caturité, escrito por Irineu Jôffily e publicado primeiramente no jornal Gazeta do Sertão, em 1889 e logo transformado em folheto, bastante divulgado 10. Em 1892, o romance Iracema foi publicado em capítulos no jornal O campinense, o que parece sugerir um intercâmbio entre os textos. Isso nos leva a indagar em que medida os jornais das diversas províncias brasileiras contribuíram para a criação de um cânone local, ou para a criação/sedimentação do cânone nacional. Em síntese, essas são algumas questões que ainda precisam ser respondidas para que possamos construir a partir dos jornais numa perspectiva complexa, para além do mero arquivo, uma história da literatura que busque avançar no conhecimento do século XIX, reconstituindo práticas e relações, nem sempre pacíficas e idealizadas, como revelam Lajolo e Zilberman, entre o suporte, os leitores, os textos e todas as sua condições materiais. Referências Bibliográficas ABREU, Márcia. Letras, Belas-letras, Boas Letras. In BOLOGNINI, Carmem Zink (org.) História da literatura: o discurso fundador. Campinas: Mercado de Letras, ALB, Fapesp, (Coleção Histórias de Leitura) HOHLFELDT, Antonio. Deus escreve direito por linhas tortas: o romance-folhetim dos jornais de Porto Alegre entre 1850 e Porto Alegre: Edpucurs, (Coleção Memória das Letras, 12) JÔFFILY, Irineu. Notas sobre a Parahyba.Brasília: Thesaurus, 1979 LAJOLO, Marisa e Zilberman. A formação da leitura no Brasil. São Paulo: Ática, O preço da leitura. Leis e números por detrás das letras. São Paulo: Ática, MEYER, Marlyse. Folhetim: uma história. São Paulo: Companhia das Letras, Outro uso menos nobre das tipografias pode ser identificado no romance O ateneu, na passagem em que Sérgio encontra um pequeno folheto, misturado aos registros da lavanderia: Curioso folheto, versos e estampas...fechei-o convulsamente com o arrependimento de uma curiosidade perversa. Estranho folheto! [...] Um simples papel, entretanto, borrado na tiragem rápida dos delitos da imprensa (p.27). Destaque nosso. 10 Nota do editor do livro de Irineu Jôffily. Notas sobre a Parahyba.Brasília: Thesaurus, 1979, p

11 . Mil faces de um herói canalha. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, NADAF, Yasmin Jamil. Rodapé das miscelâneas o folhetim nos jornais de Mato Grosso (séculos XIX e XX). Rio de Janeiro: 7Letras, ROMERO, Sílvio. História da literatura brasileira. 5.ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1954, 5 V. SALES, Germana Maria Araújo. Palavra e sedução: uma leitura dos prefácios oitocentistas ( ).www.unicamp.Br/iel/memória/teses/index. htm. Sentidos dos lugares.x Encontro Regional da abralic. Instituto de Letras da UERJ. Rio de Janeiro, 7-9 de julho, VAZ, Artur Emilio Alarcon et al (org.). Literatura em revista (e jornal):periódicos do Rio Grande do Sul e de Minas Gerais.Belo Horizonte: Fl da UFMG; Rio Grande: Fundação da UFRG, ZILBERMAN, Regina. Fim do livro, fim dos leitores? São Paulo: SENAC,

RESENHA. A FORMAÇÃO DA LEITURA NO BRASIL Leonardo Barros Medeiros (UCP)

RESENHA. A FORMAÇÃO DA LEITURA NO BRASIL Leonardo Barros Medeiros (UCP) RESENHA A FORMAÇÃO DA LEITURA NO BRASIL Leonardo Barros Medeiros (UCP) Marisa Lajolo & Regina Zilberman. A formação da leitura no Brasil. São Paulo: Ática, 1996. (http://www.editoraatica.com.br) Trata-se

Leia mais

A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro.

A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro. A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro. Resumo: Doutoranda Juliana Maia de Queiroz 1 (UNICAMP). Em 1868, Joaquim Manuel de Macedo publicou o romance

Leia mais

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA Nenhuma questão com problema no gabarito. Nenhuma falha mais clamorosa. Logo, podemos considerar excelente

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

Cabra macho e cidadão do mundo

Cabra macho e cidadão do mundo Cabra macho e cidadão do mundo Uma poesia antilírica, dirigida ao intelecto, mais presa à realidade objetiva do poema enquanto criação; Cronologicamente pertence à geração de 45, mas dela se afasta pela

Leia mais

Governo da Paraíba Secretaria de educação do estado Prêmio mestres da educação Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Luiz Neto

Governo da Paraíba Secretaria de educação do estado Prêmio mestres da educação Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Luiz Neto Governo da Paraíba Secretaria de educação do estado Prêmio mestres da educação Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Luiz Neto Maria José Almeida Silva Projeto: A literatura de cordel como

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

Lições e artes que podemos aprender com Daniel Piza

Lições e artes que podemos aprender com Daniel Piza 1 www.oxisdaquestao.com.br Lições e artes que podemos aprender com Daniel Piza Texto de CARLOS CHAPARRO Entramos em 2012 sem Daniel Piza. Perdemo-lo aos 41 anos de idade, a 30 de dezembro de 2011. Mas

Leia mais

ARTES VISUAIS PROVA DE CRIAÇÃO. 2 a Etapa HABILIDADE ESPECÍFICA II SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Duração da prova: DUAS HORAS E 30 MINUTOS.

ARTES VISUAIS PROVA DE CRIAÇÃO. 2 a Etapa HABILIDADE ESPECÍFICA II SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Duração da prova: DUAS HORAS E 30 MINUTOS. ARTES VISUAIS - HABILIDADE ESPECÍFICA II - PROVA DE CRIAÇÃO - 2 a Etapa ARTES VISUAIS 2 a Etapa HABILIDADE ESPECÍFICA II PROVA DE CRIAÇÃO SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se

Leia mais

LEITURAS E LEITORES DA COLEÇÃO BIBLIOTECA DAS MOÇAS. PONTOS PARA UMA PESQUISA A PARTIR DAS MARCAS DE LEITURA FEITAS POR NORMALISTAS i

LEITURAS E LEITORES DA COLEÇÃO BIBLIOTECA DAS MOÇAS. PONTOS PARA UMA PESQUISA A PARTIR DAS MARCAS DE LEITURA FEITAS POR NORMALISTAS i LEITURAS E LEITORES DA COLEÇÃO BIBLIOTECA DAS MOÇAS. PONTOS PARA UMA PESQUISA A PARTIR DAS MARCAS DE LEITURA FEITAS POR NORMALISTAS i Cássia Aparecida Sales M Kirchner ii Faculdade de Educação Unicamp

Leia mais

400 anos do cavaleiro sonhador

400 anos do cavaleiro sonhador 400 anos do cavaleiro sonhador Há 400 anos, Miguel de Cervantes publicava a primeira parte de Dom Quixote, livro que marcou a história da literatura. Críticos e estudiosos retomam a efeméride para discutir

Leia mais

POESIA NO ENSINO MÉDIO: ANÁLISE DE RECEITAS RESUMO

POESIA NO ENSINO MÉDIO: ANÁLISE DE RECEITAS RESUMO POESIA NO ENSINO MÉDIO: ANÁLISE DE RECEITAS Caroline Orlandini Moraes (Bolsista Fundação Araucária / G CLCA UENP/CJ) (Integrante do GP Literatura e Ensino - UENP/CJ) Rafaela Stopa (Orientadora - CLCA-UENP/CJ)

Leia mais

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS ROMANTISMO O Romantismo foi uma estética artística surgida no início do século XVIII, que provocou uma verdadeira revolução na produção literária da época. Retratando a força dos sentimentos, ela propôs

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA Autora: Regina Coelli Gomes Nascimento - Professora do curso de História

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

Matéria: literatura Assunto: contexto histórico do romantismo Prof. IBIRÁ

Matéria: literatura Assunto: contexto histórico do romantismo Prof. IBIRÁ Matéria: literatura Assunto: contexto histórico do romantismo Prof. IBIRÁ Literatura CONTEXTO HISTÓRICO Precedentes: Período de Transição (1808-1836) Simultaneamente ao final das últimas produções do movimento

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

Unidade: O que é a Literatura comparada. Unidade I:

Unidade: O que é a Literatura comparada. Unidade I: Unidade: O que é a Literatura comparada Unidade I: 0 Unidade: O que é a Literatura comparada O que é a Literatura Comparada Quando nos deparamos com a expressão literatura comparada, não temos problemas

Leia mais

artigos sérios sobre tradução

artigos sérios sobre tradução 1 Introdução A principal motivação para este trabalho foi a redescoberta da seção Versão Brasileira, publicada mensalmente na revista Língua Portuguesa, após ter entrado em contato, durante o meu mestrado,

Leia mais

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18).

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18). SUGESTÕES PARA O APROVEITAMENTO DO JORNAL ESCOLAR EM SALA DE AULA 1ª a 5ª série A cultura escrita diz respeito às ações, valores, procedimentos e instrumentos que constituem o mundo letrado. Esse processo

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO Maria Angélica Zubaran Sabemos que, no âmbito das ciências humanas, a memória está relacionada aos processos da lembrança

Leia mais

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro CONSIDERAÇÕES FINAIS A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro de Andrade foi uma mulher bastante conhecida na sociedade brasileira, pelo menos entre a imprensa e

Leia mais

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO João Carlos da Silva 1 A produção da IPB reúne uma farta publicação de

Leia mais

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA Kellen Millene Camargos RESENDE (Faculdade de Letras UFG; kellenmil@gmail.com); Zênia de FARIA (Faculdade de Letras UFG; zenia@letras.ufg.br).

Leia mais

AVALIAÇÃO Testes escritos e seminários.

AVALIAÇÃO Testes escritos e seminários. CARGA HORÁRIA: 60 horas-aula Nº de Créditos: 04 (quatro) PERÍODO: 91.1 a 99.1 EMENTA: Visão panorâmica das literaturas produzidas em Portugal, Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São

Leia mais

PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO

PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO. Atividade 1 Antes de você iniciar a leitura

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE PESQUISA INSTITUIÇÕES E INTELECTUAIS DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: HISTÓRIA, IDEIAS E TRAJETÓRIAS Responsável: Prof. Dr. Mauro Castilho Gonçalves O projeto investiga a história de instituições educativas

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO COMO PRODUTORA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO

A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO COMO PRODUTORA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO COMO PRODUTORA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO Gisela Morena de Souza 1 Universidade Federal de Ouro Preto RESUMO: QUANDO FUNDADA EM 1876, A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO FEZ

Leia mais

SILVA, Mylton Severiano da. Realidade - História da revista que virou lenda. Florianópolis: Editora Insular, 2013. 320 p.

SILVA, Mylton Severiano da. Realidade - História da revista que virou lenda. Florianópolis: Editora Insular, 2013. 320 p. 219 SILVA, Mylton Severiano da. Realidade - História da revista que virou lenda. Florianópolis: Editora Insular, 2013. 320 p. 220 Não é lenda; é Realidade It's not legend; it's Reality Joaquim Francisco

Leia mais

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação.

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação. Karen Alves de Andrade 1 RESUMO A inserção dos gêneros textuais no ensino vem mudando a dinâmica da educação em língua portuguesa em nosso país. A importância de se trabalhar a língua em uso, através de

Leia mais

(In)visibilidades fotográficas do mundo do trabalho: representações visuais e lacunas do visível nas imagens da Revista do Globo.

(In)visibilidades fotográficas do mundo do trabalho: representações visuais e lacunas do visível nas imagens da Revista do Globo. Mesa 24 (In)visibilidades fotográficas do mundo do trabalho: representações visuais e lacunas do visível nas imagens da Revista do Globo. Cláudio de Sá Machado Júnior Dentre as várias tipologias fotográficas

Leia mais

Palavras-chave: LEITURA E ESCRITA, CIDADANIA, PROTAGONISMO SOCIAL. OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA

Palavras-chave: LEITURA E ESCRITA, CIDADANIA, PROTAGONISMO SOCIAL. OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA ELAINE CRISTINA TOMAZ SILVA (FUNDAÇÃO PALAVRA MÁGICA). Resumo A Oficina Palavra Mágica de Leitura e Escrita, desenvolvida pela Fundação Palavra Mágica, é um

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

Culturas e Imagens IMAGENS E REALIDADE. Alice Casimiro Lopes. Pinto o que sei, não o que vejo. [PABLO PICASSO]

Culturas e Imagens IMAGENS E REALIDADE. Alice Casimiro Lopes. Pinto o que sei, não o que vejo. [PABLO PICASSO] Culturas e Imagens IMAGENS E REALIDADE Alice Casimiro Lopes Pinto o que sei, não o que vejo. [PABLO PICASSO] Claude Monet, Impressão, sol nascente, Museu Marmottan, Paris Joan Miró, Noturno, coleção privada.

Leia mais

A arte do século XIX

A arte do século XIX A arte do século XIX Índice Introdução ; Impressionismo ; Romantismo ; Realismo ; Conclusão ; Bibliografia. Introdução Durante este trabalho irei falar e explicar o que é a arte no século XIX, especificando

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual RESENHA CRÍTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: PRÁTICAS DE ANÁLISE E PRODUÇÃO DE TEXTOS Valdisnei Martins de CAMPOS Letras - CAC/UFG; valdis_martins@hotmail.com Erislane Rodrigues RIBEIRO Letras - CAC/UFG;

Leia mais

Resenha: Pontes sobre o Atlântico. Resenha

Resenha: Pontes sobre o Atlântico. Resenha Resenha VENANCIO, Giselle Martins. Pontes sobre o Atlântico: ensaios sobre relações intelectuais e editoriais luso-brasileiras (1870-1930). Rio de Janeiro: Vício de Leitura, 2012. Mariana Rodrigues Tavares

Leia mais

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES): FELIPE

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

O CENTRO CULTURAL TAMBOLELÊ E A MÚSICA COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL

O CENTRO CULTURAL TAMBOLELÊ E A MÚSICA COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL O CENTRO CULTURAL TAMBOLELÊ E A MÚSICA COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL Denis ARAÚJO Fernando D AGOSTINI Márcia Regina FANTINI Orlando PINEL Pedro Alberto ANDRADE Shelber CRUZ Lamounier Lucas PEREIRA

Leia mais

ANÚNCIOS E FOLHETINS: ROMANCES CAMILIANOS NO JORNAL DIÁRIO DO GRAM-PARÁ Cláudia Gizelle Paiva( UFPA) 1 Germana Sales(UFPA) 2

ANÚNCIOS E FOLHETINS: ROMANCES CAMILIANOS NO JORNAL DIÁRIO DO GRAM-PARÁ Cláudia Gizelle Paiva( UFPA) 1 Germana Sales(UFPA) 2 ANÚNCIOS E FOLHETINS: ROMANCES CAMILIANOS NO JORNAL DIÁRIO DO GRAM-PARÁ Cláudia Gizelle Paiva( UFPA) 1 Germana Sales(UFPA) 2 RESUMO: a imprensa no Pará oitocentista teve acentuada relevância para a inserção

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

MODERNISMO. História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012)

MODERNISMO. História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012) MODERNISMO História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012) O século XX inicia-se no Brasil com muitos fatos que vão moldando a nova fisionomia do país. - progresso técnico - novas fábricas surgidas

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

PNBE Programa Nacional Biblioteca da Escola: análise descritiva e crítica de uma política de formação de leitores

PNBE Programa Nacional Biblioteca da Escola: análise descritiva e crítica de uma política de formação de leitores PNBE Programa Nacional Biblioteca da Escola: análise descritiva e crítica de uma política de formação de leitores EMENTA Apresentação e discussão do processo de avaliação e seleção de obras de literatura

Leia mais

Resumo. Palavras- chave: alfabetização, Ciclos de Alfabetização, leitura, escrita.

Resumo. Palavras- chave: alfabetização, Ciclos de Alfabetização, leitura, escrita. V SEMINÁRIO SOBRE LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO As práticas de ensino da leitura e escrita dos professores que participaram do Ciclo de Alfabetização (1986-1988) da Secretaria de Educação da cidade do Recife:

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Conteúdo. Como ler artigos científicos... 2

Conteúdo. Como ler artigos científicos... 2 Comol era r t i gos c i ent íc os Conteúdo Como ler artigos científicos... 2 Dicas de como ler o artigo... 4 Guia de como ler um artigo:... 5 Atividade 1... 7 Etapa 1... 7 Etapa 2... 8 Etapa 3... 8 Etapa

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras ÁREAS DE ORIENTAÇÕES DOS PROFESSORES DO CURSO DE LETRAS (Licenciatura e Bacharelado) DOCENTE Área(s) de orientação Temas preferenciais de orientação Alexandre - Literatura - Elaboração de propostas Huady

Leia mais

Cleide Tavares de Oliveira Araripe UNISO (Universidade de Sorocaba Sorocaba/SP) HÁBITOS DE LEITURA EM ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO

Cleide Tavares de Oliveira Araripe UNISO (Universidade de Sorocaba Sorocaba/SP) HÁBITOS DE LEITURA EM ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO 1 Cleide Tavares de Oliveira Araripe UNISO (Universidade de Sorocaba Sorocaba/SP) HÁBITOS DE LEITURA EM ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO Resumo Este trabalho apresenta os resultados de uma pesquisa realizada com

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A HISTÓRIA, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO. Antes de você iniciar a leitura do

Leia mais

Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros. (textos e fotos Maurício Pestana)

Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros. (textos e fotos Maurício Pestana) Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros (textos e fotos Maurício Pestana) Responsável pelo parecer do Conselho Nacional de Educação que instituiu, há alguns anos, a obrigatoridade do ensino

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

Jornal Marco Zero 1. Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5

Jornal Marco Zero 1. Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5 1 Jornal Marco Zero 1 Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5 Faculdade internacional de Curitiba (Facinter) RESUMO O jornal-laboratório Marco Zero 6 é

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR Crack: o drama de uma escolha 1 Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR RESUMO Esse trabalho se propõe a explicar o processo de produção da reportagem Crack: o drama

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

Pesquisa x Pesquisa. do Setor Editorial Brasileiro revelou uma venda de quatro bilhões de reais em livros, com

Pesquisa x Pesquisa. do Setor Editorial Brasileiro revelou uma venda de quatro bilhões de reais em livros, com A Bíblia Sagrada já vendeu, aproximadamente, 3,9 bilhões de cópias. O livro Ágape, do Padre Marcelo Rossi, já vendeu 8 milhões de exemplares. O livro erótico, Cinquenta Tons de Cinza, chegou ao número

Leia mais

Affonso Romano: A glória do autor é virar folclore

Affonso Romano: A glória do autor é virar folclore Affonso Romano: A glória do autor é virar folclore Com mais de 50 livros publicados, Affonso Romano de Sant Anna é uma das referências da literatura brasileira contemporânea. Agora mesmo, ele está saindo

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

A Direção Municipal da Cultura dispõe de um conjunto de exposições e de apresentações multimédia, sobre diversos temas, que poderá disponibilizar

A Direção Municipal da Cultura dispõe de um conjunto de exposições e de apresentações multimédia, sobre diversos temas, que poderá disponibilizar A Direção Municipal da Cultura dispõe de um conjunto de exposições e de apresentações multimédia, sobre diversos temas, que poderá disponibilizar através de empréstimo, a instituições, nomeadamente, de

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING TIME TO TIME IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM Marli Rudnik Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e uma delas é através do acervo e das exposições dos

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

Projeto Cultura Solidária

Projeto Cultura Solidária Projeto Cultura Solidária Concurso Literário Antônio Sérgio da Silva Arouca Tema: Vivências e Superação HOMENAGEM PÓSTUMA Nesta primeira edição do concurso pretendemos fazer uma justa homenagem ao médico

Leia mais

A partir das coisas. ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. Alda Mirian Augusto de Oliveira*

A partir das coisas. ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. Alda Mirian Augusto de Oliveira* ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. A partir das coisas Alda Mirian Augusto de Oliveira* Pensar a arquitetura reúne seis conferências de Peter Zumthor, proferidas

Leia mais

Entrevista com o antropólogo Luis Donisete Benzi Grupioni

Entrevista com o antropólogo Luis Donisete Benzi Grupioni 1 Guia Prático para Professores de Ensino Fundamental 1, publicação mensal da Editora Lua ( entrevista do mês da edição de abril de 2009. Ano 06, No. 62). ISBN 1679-9879. Entrevista com o antropólogo Luis

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

NOME DO PROJETO PROJETO MERGULHANDO NA LEITURA 2013 PÚBLICO ALVO Educação Infantil e Ensino Fundamental I

NOME DO PROJETO PROJETO MERGULHANDO NA LEITURA 2013 PÚBLICO ALVO Educação Infantil e Ensino Fundamental I NOME DO PROJETO PROJETO MERGULHANDO NA LEITURA 2013 PÚBLICO ALVO Educação Infantil e Ensino Fundamental I OBJETIVOS GERAIS: Promover o hábito da leitura entre os alunos; Proporcionar ao aluno o prazer

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO FACULDADE PIO XII REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ( 6º PERÍODO/2013-7º PERÍODO/2014-8º PERÍODO/2014 ) Cariacica 2013/2014 FACULDADE DE ESTUDOS

Leia mais

NÚCLEO DE AÇÃO EDUCATIVA MATERIAL EDUCATIVO OFICINA ARTÍSTICA E LITERÁRIA CAFEZINHO

NÚCLEO DE AÇÃO EDUCATIVA MATERIAL EDUCATIVO OFICINA ARTÍSTICA E LITERÁRIA CAFEZINHO NÚCLEO DE AÇÃO EDUCATIVA MATERIAL EDUCATIVO OFICINA ARTÍSTICA E LITERÁRIA CAFEZINHO Foto: Flávia Violim Este material servirá como modelo para que professores de Língua Portuguesa aproximem seus alunos

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 79 Memória Institucional - Documentação 17 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Por Raquel Recuero (*) Nos últimos anos, assistimos a um crescimento espantoso das chamadas tecnologias de comunicação. Essas tecnologias tornaram-se mais rápidas,

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público UNESCO Ministério da Educação Brasília 2006 Artigo publicado, em 06 de dezembro de 2006, no Observatório da Sociedade

Leia mais

Profª Drª Maria Aparecida Baccega

Profª Drª Maria Aparecida Baccega Profª Drª Maria Aparecida Baccega http://lattes.cnpq.br/8872152033316612 Elizabeth Moraes Gonçalves - UMESP Alguns dados de currículo Livre Docente em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da

Leia mais

Artigos Organização das fontes de informação jurídica na perspectiva do GIDJ/SP

Artigos Organização das fontes de informação jurídica na perspectiva do GIDJ/SP 27 Artigos Organização das fontes de informação jurídica na perspectiva do GIDJ/SP Andréia Gonçalves Silva Bibliotecária do escritório Lazzareschi Advogados Docente da Faculdade de Biblioteconomia e Ciência

Leia mais

Como elaborar um relatório de pesquisa

Como elaborar um relatório de pesquisa Como elaborar um relatório de pesquisa Profa. Dra. Maria José B. Finatto - UFRGS - Instituto de Letras www.ufrgs.br/textecc Seminários Temáticos PROPESQ - 2012 Preâmbulo - sério! O Programa Institucional

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí

Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí A produção literária referente à arquitetura e urbanismo sempre foi caracterizada pela publicação de poucos títulos, baixa diversidade

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

METODOLOGIA A.I.D.A.: SIMPLES E EFICIENTE

METODOLOGIA A.I.D.A.: SIMPLES E EFICIENTE 1 Sumário METODOLOGIA A.I.D.A.: SIMPLES E EFICIENTE... 3 Passo Um: OBTER A ATENÇÃO DO COMPRADOR... 4 Passo Dois: MANTER O INTERESSE NA MENSAGEM... 8 Passo Três: DESPERTAR NO CLIENTE O DESEJO DE COMPRAR

Leia mais

O PROCESSO DE FORMAÇÃO DO CÂNONE LITERÁRIO E AS SUAS CONTROVERSIAS

O PROCESSO DE FORMAÇÃO DO CÂNONE LITERÁRIO E AS SUAS CONTROVERSIAS O PROCESSO DE FORMAÇÃO DO CÂNONE LITERÁRIO E AS SUAS CONTROVERSIAS Profa. Esp. Aline Ferreira DURÃES i (UESSBA) Resumo: Este artigo objetiva expor as contradições sócio-históricas existentes na formação

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PARANÁ GOVERNO DO ESTADO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED DIRETORIA DE POLÍTICAS E PROGRAMAS EDUCACIONAIS - DPPE PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL PDE Anexo I Professor PDE FORMULÁRIO DE ACOMPANHAMENTO

Leia mais