História da Mídia Impressa na Educação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "História da Mídia Impressa na Educação"

Transcrição

1 História da Mídia Impressa na Educação LUSTOSA, Elem Acadêmica do Curso de Pedagogia Iniciação Científica MACIEL, Margareth de Fátima Doutorado em Educação UNICENTRO - PARANÁ RESUMO Esse texto aborda a história da mídia impressa na educação, a partir do jornal escolar utilizado na elaboração e divulgação de textos escritos por alunos que frequentavam as escolas onde se aplicavam as técnicas propostas por Celestin Freinet. Considerado o pai do jornal escolar, até hoje essa técnica de ensino vem motivando a leitura e a escrita em algumas poucas escolas que adotam o seu método. Devido ao surgimento de novos meios de comunicação, principalmente a partir da década de 1980, o jornal escolar assumiu um caráter diferenciado da técnica anteriormente proposta, ora configura-se como um recurso para formar o cidadão crítico das informações veiculadas, ora para complementar os estudos de uma determinada área do conhecimento. PALAVRAS-CHAVE: mídia impressa; mídia educacional; história; educação; cultura. Mídia breve conceito A palavra Mídia é originária do latim medium e significa meio. É um termo que passou a ser utilizado freqüentemente na área da Comunicação a partir da década de 1990 quando iniciaram em grande escala, as pesquisas de opinião. A mídia com essas características está relacionada ao termo imprensa, veículo de comunicação ou jornalismo. Entendemos por mídia todo recurso que possui som, imagem, movimento, cores e texto. As mídias podem ser classificadas em mídias informativas, TV, vídeo, livro, filme, revista, rádio, jornais e, mídias interativas como a internet e vídeo games. São esses últimos que agradam e chamam mais a atenção dos jovens, adolescentes e crianças diante do computador. A mídia educacional se refere ao uso pedagógico desses meios, sendo muito 1

2 comum hoje, o professor variar os recursos a serem utilizados de acordo com as necessidades e os objetivos propostos. Para incorporar as novas formas de ensinar usando as mídias, é comum o professor desenvolver em sala de aula uma prática tradicional, ou seja, aquela consolidada com sua experiência profissional transmitindo o conteúdo para os alunos e, num outro momento, utilizando os recursos tecnológicos como um apêndice da aula. São procedimentos que revelam intenções e tentativas de integração de mídias na prática pedagógica. Revelam, também, um processo de transição entre a prática tradicional e as novas possibilidades de reconstruções. No entanto, neste processo de transição, pode ocorrer muito mais uma justaposição (ação ou efeito de justapor = pôr junto, aproximar) das mídias na prática pedagógica do que a integração. (PRADO, online, p.01) Em muitas escolas, a sala de aula é o local onde há, ainda, o constante uso da escrita e da leitura de conteúdos em que os meios mais utilizados se resumem ao livro didático e ao quadro de giz. Em muitos casos, são quase que, exclusivos, em outros predominantes e outros ainda são mesclados com recursos audiovisuais ou informáticos. Mas o material impresso é considerado o recurso mais presente no sistema escolar. Podemos até afirmar, que os materiais impressos representam a tecnologia dominante e hegemônica em grande parte dos processos de ensino e aprendizagem que ocorrem nas escolas. E, a maioria de seu uso se deve à incorporação da imprensa como recurso pedagógico, técnica de ensino apresentada por Celestin Freinet nos anos de 1930 e disseminada nas escolas européias a partir da década de 1960, foi esse movimento que, de certo modo, deu origem ao jornal escolar. A mídia impressa na educação A pedagogia de Freinet defendia a espontaneidade das crianças e por isso, difundiu várias técnicas de ensino que valorizasse a expressão livre de cada aluno o que, significava uma recusa ao intelectualismo, ao academicismo e ao excesso de racionalismo, existentes na escola tradicional. Começou a utilizar a imprensa para registrar e divulgar essa forma de expressão dos alunos em que o texto devia surgir naturalmente a partir das impressões de cada um, seja após um passeio pelo campo, uma visita a uma praça ou por meio da observação da natureza. 2

3 Freinet não foi o criador do jornal escolar, antes dele, Decroly havia realizado algumas experiências educativas com jornais, mas foi com Freinet que esse recurso ganhou amplitude e coerência, por isso é considerado referência nesse tema. Foi em 1924 que Freinet inseriu em sua prática pedagógica a técnica da impressão por meio da tipografia. Os textos livres eram copiados, lidos, enviados aos correspondentes de outras escolas, arquivados nos Livros da Vida e publicados no Jornal Escolar. A princípio todo este processo era feito à mão até o educador conseguir uma pequena imprensa pertencente a um dos tantos artesãos que existiam na época. Depois de adquirir e aprender a utilizá-la, Freinet introduziu a imprensa na sala de aula e deu início ao texto impresso. Estava criada uma nova técnica de divulgação da leitura e da escrita escolar que envolvia o método global e natural. Nesse método, primeiro a criança produz um texto com sentido, proveniente de uma descrição ou de uma narrativa com significado social, depois o texto é lido aos outros em sala. Da leitura coletiva surgia o aperfeiçoamento do texto com o auxílio do professor e dos colegas e, em seguida, o texto manuscrito passa a texto impresso. Depois da impressão, o repositório natural das produções dos alunos era o Livro da Vida, no qual as produções eram reunidas num volume com uma capa cartonada. Esses Livros continham toda documentação produzida pelos alunos com temas variados como, por exemplo, sobre a natureza, a comunidade local, a sociedade e a história. Pode-se se considerar o livro da vida como um diário, em que o registro das idéias era livre, o aluno escrevia no momento em que estivesse com vontade e sobre o assunto que quisesse, não precisava ser especificamente um assunto escolar. O registro poderia ocorrer de diversas maneiras, com desenhos, com textos manuscritos, colagens de figuras, recortes de textos ou outra forma que encontrassem. Essas informações eram utilizadas pedagogicamente como recurso de aprendizagem e todo esse processo foi sistematizado em seu livro A imprensa na escola, publicado em A imprensa escolar assume-se, na pedagogia Freinet, como o principal utensílio pedagógico e o mais importante meio de ensino, por isso referindo-se a ela, Freinet estabeleceu uma lista de oito vantagens de se utilizar a imprensa na sala de aula. (...) agilidade manual e coordenação harmoniosa de gestos; acabamento mais perfeito do trabalho; exercício progressivo da memória visual; aprendizagem natural, sem esforço, da leitura e da 3

4 escrita; sentido permanente da construção de frases correctas (sic); aprendizagem da ortografia por globalização e análise das palavras e das frases simultaneamente; sentido de responsabilidade pessoal e colectiva (sic); clima novo de uma comunidade fraterna e dinâmica. (MARQUES, online, p. 01.) Atualmente o texto impresso se faz mais presente que nunca nos meios escolares, os recursos existentes hoje proporcionam ampliar cada vez mais essas vantagens apontadas por Freinet no século passado. A produção e divulgação de material impresso passaram a ser quase que, obrigatório, em todos os níveis de ensino. Por isso queremos destacar a importância e a responsabilidade que se deve ter na utilização desse material em sala de aula. Assim como, o seu uso pode favorecer a leitura e a escrita quando utilizada para desenvolver os processos cognitivos, é importante observar o resultado obtido quando utilizada para desenvolver a reflexão e a crítica, bem como a criatividade no que tange às conseqüências sociais. Os materiais impressos em sala de aula Mesmo com o surgimento de outros recursos didáticos como os livros textos ou recursos tecnológicos como a internet, ainda é muito predominante a utilização do material impresso em sala de aula. Podemos citar entre esses, os livros de consulta (enciclopédias, dicionários, atlas, manuais), os cadernos de exercícios e fichas de trabalho, os livros de consulta (livros com imagens, livros de contos), os polígrafos, as publicações periódicas (jornais, revistas) e as histórias em quadrinhos. (AREA, 1998). Nosso interesse aqui é abordar especificamente a utilização do jornal escolar. Do ponto de vista educativo a formação do leitor nos diversos níveis da escolaridade ocorre através da leitura de textos que tratam da realidade mais próxima. Por isso o jornal, seja ele escolar ou não, acaba por si mesmo aproximando os alunos da escrita e da leitura pelo fato de estar em contato com algo do seu interesse e de forma sempre atualizada. O professor pode utilizar o jornal em sala de aula como objeto de estudo para promover conhecimento dos meios de comunicação de maneira que desenvolvam as habilidades e atitudes como consumidores críticos dos meios de comunicação de massa (AREA, 1998, p.101). Poderá ainda utilizar o jornal como um recurso complementar aos estudos das diversas áreas do conhecimento. Em ambos os casos, o uso do jornal escolar na atualidade se diferencia 4

5 significativamente da proposta apresentada por Freinet, em que o aluno era incentivado a construir o jornal a partir da sua experiência diária. Esse tipo de atividade ainda é realizada, em parte, nas escolas de modo aleatório, como por exemplo, ao se propor a criação de um jornal para alertar os riscos para a saúde de determinadas doenças, ou informar sobre o período de eleições, em que os alunos recolhem informações de outros jornais ou periódicos para divulgar o assunto, sem que esse assunto tenha feito parte diretamente do seu cotidiano. Isso ocorre devido a grande quantidade de informação veiculada diariamente e pelo fato do jornal ser um recurso fácil de se adquirir ou se ter acesso. A título de conclusão O jornal escolar, como parte dos materiais impressos, ainda utilizados na escola, não tem a mesma repercussão e objetivos que teve se analisarmos o trabalho realizado por Celestin Freinet na década de Entendemos que hoje a maioria da população, tendo acesso aos diversos veículos de comunicação e as informações que chegam de forma quase que simultânea sobre os acontecimentos próximos e distantes, acaba afastando a busca por essas informações através do jornal. Antigamente, quando algo acontecia, todos iam para a rua comprar jornais e saber o que houve. Hoje, quando algo ocorre, todos vão para dentro de casa ligar a TV. (LAZAREFF, ap. DINES, 1986, p.65) Na escola não é diferente, especialmente se os alunos têm acesso à internet. A história se altera continuamente e com ela a comunicação, os meios de comunicação e a forma de utilizá-la. Com a informatização criou-se novas possibilidades de produção e divulgação de textos que precisam ser mais bem elaborados e explorados no contexto educacional para desenvolver qualquer forma de aprendizagem, em especial, aquela que privilegie a reflexão e o senso crítico e criativo dos alunos. REFERÊNCIAS AREA, Manoel Moreira. Os meios e os materiais impressos no currículo. In: SANCHO, Juana Maria (org.). Para uma tecnologia educacional. Porto Alegre: ARTMED, p

6 DINES, Alberto. O papel do jornal: uma releitura. 4. ed. São Paulo: Summus, MARQUES, Ramiro. Célestin Freinet. Disponível em < Acessado em abr PRADO, Maria Elisabette Brisola Brito. Salto Para O Futuro / TV ESCOLA. Disponível em <http://www.tvebrasil.com.br/salto> Acessado em abr SILVA, Andreza Alves da. Assim foi a vida de Célestin Freinet. Disponível em < codigo_leitura=61&codigo_idioma=3> Acessado em abr. de

Projeto Jornal Educativo Municipal

Projeto Jornal Educativo Municipal Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Santa Bárbara de Goiás Secretaria Municipal da Educação Santa Bárbara de Goiás - GO Projeto Jornal Educativo Municipal Santa Bárbara de Goiás Janeiro/2013 Estado

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS E A RECONSTRUÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS E A RECONSTRUÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA Tema debatido na série Integração de tecnologias, linguagens e representações, apresentado no programa Salto para o Futuro/TV Escola, de 2 a 6 de maio de 2005 (Programa 1) INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS E A RECONSTRUÇÃO

Leia mais

PEDAGOGIA EM ESPAÇOS SOCIAIS: OLHARES E REFLEXÕES EM CAMPOS DE ESTÁGIO¹

PEDAGOGIA EM ESPAÇOS SOCIAIS: OLHARES E REFLEXÕES EM CAMPOS DE ESTÁGIO¹ PEDAGOGIA EM ESPAÇOS SOCIAIS: OLHARES E REFLEXÕES EM CAMPOS DE ESTÁGIO¹ ALVES, T. C.²; RENK, E. F.³; LEÃO, T.J.E. 4 ¹ Trabalho desenvolvido na disciplina de Estágio Curricular Supervisionado II Espaços

Leia mais

Autoria Multimídia: o uso de ferramentas multimídia no campo educacional

Autoria Multimídia: o uso de ferramentas multimídia no campo educacional Autoria Multimídia: o uso de ferramentas multimídia no campo educacional Douglas Vaz, Suelen Silva de Andrade Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, 141 95520-000 Osório RS Brasil {doug.vaz,

Leia mais

MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Introdução Mídias na educação

MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Introdução Mídias na educação MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Michele Gomes Felisberto; Micheli de Oliveira; Simone Pereira; Vagner Lean dos Reis Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha Introdução O mundo em que vivemos

Leia mais

CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1

CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Camila Lacerda Ortigosa Pedagogia/UFU mila.lacerda.g@gmail.com Eixo Temático: Educação Infantil Relato de Experiência Resumo

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos O JORNAL ONLINE COMO RECURSO NO ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA Tania Valéria Ajala Moreno (UEMS) taniavaleria.moreno@hotmail.com Nataniel dos Santos Gomes (UEMS) natanielgomes@uol.com.br 1. Introdução É perceptível

Leia mais

LETRA DE PROFESSOR: IMPLICAÇÕES EM AULAS DE MATEMÁTICA

LETRA DE PROFESSOR: IMPLICAÇÕES EM AULAS DE MATEMÁTICA LETRA DE PROFESSOR: IMPLICAÇÕES EM AULAS DE MATEMÁTICA Nilson de Matos Silva Fundação Helena Antipoff nilson.ise@gmail.com Resumo: Algumas universidades do mundo oferecem a disciplina de caligrafia em

Leia mais

apresentação Imagens em Movimento oficinas teóricas e práticas de iniciação ao cinema para estudantes de escolas da rede pública

apresentação Imagens em Movimento oficinas teóricas e práticas de iniciação ao cinema para estudantes de escolas da rede pública apresentação Imagens em Movimento teve início em Fevereiro de 2011, e promove gratuitamente, desde então, oficinas teóricas e práticas de iniciação ao cinema para estudantes de escolas da rede pública,

Leia mais

Leya Leituras Projeto de Leitura

Leya Leituras Projeto de Leitura Leya Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: JAPĨĨ E JAKÃMĨ Uma história de amizade Autor: Yaguarê Yamã Nacionalidade do autor: Brasileira Currículo do autor: Escritor, professor e artista plástico

Leia mais

Índice. 1. Os desafios das Novas Tecnologias de Informação e Comunicação (NTICs)...3. Grupo 7.3 - Módulo 17

Índice. 1. Os desafios das Novas Tecnologias de Informação e Comunicação (NTICs)...3. Grupo 7.3 - Módulo 17 GRUPO 7.3 MÓDULO 17 Índice 1. Os desafios das Novas Tecnologias de Informação e Comunicação (NTICs)...3 2 1. OS DESAFIOS DAS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTICS) Chamam-se Novas Tecnologias

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA ESCRITA COMO INSTRUMENTO NORTEADOR PARA O ALFABETIZAR LETRANDO NAS AÇÕES DO PIBID DE PEDAGOGIA DA UFC

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA ESCRITA COMO INSTRUMENTO NORTEADOR PARA O ALFABETIZAR LETRANDO NAS AÇÕES DO PIBID DE PEDAGOGIA DA UFC AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA ESCRITA COMO INSTRUMENTO NORTEADOR PARA O ALFABETIZAR LETRANDO NAS AÇÕES DO PIBID DE PEDAGOGIA DA UFC Antônia Fernandes Ferreira; Gessica Nunes Noronha; Marielle Sâmia de Lima

Leia mais

Projeto: TE Conhecer, aprender, saber...

Projeto: TE Conhecer, aprender, saber... Colégio Pe. João Bagozzi Formação de Educadores Tecnologias da Informação e da Comunicação - TICs http://blog.portalpositivo.com.br/ticbagozzi Projeto: TE Conhecer, aprender, 1 Objetivos e Atividades:

Leia mais

Retomando o fio da meada: a história dos métodos de alfabetização no Brasil

Retomando o fio da meada: a história dos métodos de alfabetização no Brasil Retomando o fio da meada: a história dos métodos de alfabetização no Brasil Marlene Coelho Alexandroff Analisando o panorama educacional do Brasil desde o final do século XIX, percebese que, ao se falar

Leia mais

AMBIENTAÇÃO EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E AÇÃO TUTORIAL AULA 01: AMBIENTAÇÃO TÓPICO 03: HISTÓRIA E FUNDAMENTOS DA EAD VERSÃO TEXTUAL DO FLASH Você conhece a origem da Educação a Distância? Como se iniciaram

Leia mais

CURRÍCULO 1º ANO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM

CURRÍCULO 1º ANO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM CURRÍCULO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM ORALIDADE Formar frases com seqüência e sentido. Relacionar palavras que iniciam com vogais. Associar primeira letra/som em palavras iniciadas por vogal. Falar

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 3 Jogo Limpo

Valores Educacionais. Aula 3 Jogo Limpo Valores Educacionais Aula 3 Jogo Limpo Objetivos 1 Apresentar o valor Jogo Limpo. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Jogo Limpo. Introdução Esta aula apresenta definições e sugestões

Leia mais

A VIVÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

A VIVÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO A VIVÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Autor (1) Sergio Morais Cavalcante Filho Universidade Estadual da Paraíba (UEPB CCEA Patos) email: sergio.smcf@gmail.com RESUMO O presente artigo expõe uma experiência

Leia mais

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA Escola de Ensino Médio João Barbosa Lima PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA DESPERTANDO O GOSTO PELA LEITURA E A ARTE DE ESCREVER Projeto na Sala de PCA da Área de Linguagens e Códigos PROEMI -Programa

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS REFLEXÕES PEDAGÓGICAS A forma como trabalhamos, colaboramos e nos comunicamos está evoluindo à medida que as fronteiras entre os povos se tornam mais diluídas e a globalização aumenta. Essa tendência está

Leia mais

O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula

O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula Título: Uso do jornal na sala de aula: uma análise do ponto de vista do aluno do ensino fundamental II Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e

Leia mais

LEITURA E ESCRITA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA PROPOSTA DE APRENDIZAGEM COM LUDICIDADE

LEITURA E ESCRITA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA PROPOSTA DE APRENDIZAGEM COM LUDICIDADE LEITURA E ESCRITA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA PROPOSTA DE APRENDIZAGEM COM LUDICIDADE Martyhellen Maria Monteiro da Silva - Acadêmica do 8º período do Curso de Pedagogia-UVA, Bolsista do PIBID/UVA-Pedagogia

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS II SIMPÓSIO DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS 13 e 14 de junho de 2013 O PROJETO DE EXTENSÃO MATEMÁTICA LEGAL

Leia mais

DA CALIGRAFIA À ESCRITA: EXPERIÊNCIAS DE SALA DE AULA. COMO MELHORAR A ESCRITA NO CADERNO?

DA CALIGRAFIA À ESCRITA: EXPERIÊNCIAS DE SALA DE AULA. COMO MELHORAR A ESCRITA NO CADERNO? DA CALIGRAFIA À ESCRITA: EXPERIÊNCIAS DE SALA DE AULA. COMO MELHORAR A ESCRITA NO CADERNO? Fábia da Silva de Oliveira Educadora do Ensino Fundamental I na Escola La Salle, Águas Claras/DF, Pedagoga com

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA INICIANDO A CONVERSA APROFUNDANDO O TEMA Por que ensinar gêneros textuais na escola? Registro

Leia mais

Projeto CIC Centro de Informação e Cultura: o nascimento de uma biblioteca

Projeto CIC Centro de Informação e Cultura: o nascimento de uma biblioteca Projeto CIC Centro de Informação e Cultura: o nascimento de uma biblioteca Andreza Ferreira Félix Bibliotecária do Colégio Bernoulli andreza.felix@colegiobernoulli.com.br Descreve a criação da Biblioteca

Leia mais

AULA 1 Os primeiros contatos da criança com a linguagem escrita. CURSO Alfabetização Linguística e Matemática na Educação Infantil

AULA 1 Os primeiros contatos da criança com a linguagem escrita. CURSO Alfabetização Linguística e Matemática na Educação Infantil AULA 1 Os primeiros contatos da criança com a linguagem escrita Meta Retomar alguns conceitos importantes relativos à alfabetização na educação. Infantil. Sugerir práticas que aproximem a criança do código

Leia mais

GESTÃO DE PROCESSO PARA SOCIALIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO AUDIOVISUAL EM SAÚDE

GESTÃO DE PROCESSO PARA SOCIALIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO AUDIOVISUAL EM SAÚDE GESTÃO DE PROCESSO PARA SOCIALIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO AUDIOVISUAL EM SAÚDE Viviane Almeida da Silva 1, Rosinalva Alves de Souza 1, Maria Cristina Soares Autores Guimarães 1, Cícera Henrique da Silva 1, Rosemary

Leia mais

DIÁRIO DE BORDO E PROCESSOFÓLIO. INSTRUMENTOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

DIÁRIO DE BORDO E PROCESSOFÓLIO. INSTRUMENTOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DIÁRIO DE BORDO E PROCESSOFÓLIO. INSTRUMENTOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES Mercedes Bêtta Quintano de Carvalho Pereira dos Santos ( Centro Universitário São Camilo) GT 02 Formação de Professores As alunas

Leia mais

Palavras - chave: Ensino de História, Ensino de Literatura, Metodologia de Ensino, Histórias em Quadrinhos.

Palavras - chave: Ensino de História, Ensino de Literatura, Metodologia de Ensino, Histórias em Quadrinhos. O USO DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS COMO RECURSO DIDÁTICO- PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DE HISTÓRIA E LITERATURA Edna Antunes Afonso João Paulo da Silva Andrade 1 Resumo: Este trabalho parte de pesquisas através

Leia mais

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Unidade I Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Introdução A disciplina Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil tem o objetivo de provocar reflexões

Leia mais

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA PROJETO: ARTES NA EDUCAÇÃO ESPECIAL O CORPO E A MENTE EM AÇÃO LUCAS DO RIO VERDE 2009 APRESENTAÇÃO Em primeiro lugar é preciso compreender

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE FURG PIBID 2014 SUBPROJETO: Interdisciplinar Coordenador de área: Profª. Dra. Elaine Corrêa Pereira

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE FURG PIBID 2014 SUBPROJETO: Interdisciplinar Coordenador de área: Profª. Dra. Elaine Corrêa Pereira UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE FURG PIBID 2014 SUBPROJETO: Interdisciplinar Coordenador de área: Profª. Dra. Elaine Corrêa Pereira Projeto de trabalho Toda criança tem um repertório de conhecimentos

Leia mais

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS Educação Matemática na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental (EMEIAIEF) GT 09 RESUMO

Leia mais

GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS

GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS TESTE 2 SEGUNDO SEMESTRE 2010 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Presidência do Instituto Nacional

Leia mais

Indaial SC Abril 2012. Setor Educacional: 3. Educação Universitária

Indaial SC Abril 2012. Setor Educacional: 3. Educação Universitária MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO A DISTÂNCIA: PRODUÇÃO E CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS DIDÁTICOS UTILIZADOS PELOS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO EAD DA UNIASSELVI Indaial SC Abril 2012 Hiandra Bárbara Götzinger

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL E TECNOLOGIA

GESTÃO EDUCACIONAL E TECNOLOGIA www.uniube.brpropepmestradorevista GESTÃO EDUCACIONAL E TECNOLOGIA SILVA, Eduardo Alex Carvalho Ribeiroi Lívia Rodrigues Acadêmico do Curso de Licenciatura Plena em Ciências Biológicas do Centro Federal

Leia mais

Conhecendo o Aluno com Deficiência Intelectual

Conhecendo o Aluno com Deficiência Intelectual I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL] Usar letra de forma É importante considerarmos que o aluno com deficiência intelectual da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro possui

Leia mais

GRÁFICO DE SETORES - O TRABALHO COM TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

GRÁFICO DE SETORES - O TRABALHO COM TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL GRÁFICO DE SETORES - O TRABALHO COM TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Giancarla Giovanelli de Camargo 1 RESUMO A publicação do Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil,em 1998,

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIACÃO

CRITÉRIOS DE AVALIACÃO CRITÉRIOS DE AVALIACÃO Educação Visual 5º Ano Educação Visual 6º Ano Educação Tecnológica 5º Ano Educação Tecnológica 6º Ano ANO ESCOLAR 2015 / 2016 Ano letivo de 2015 / 2016 INTRODUÇÃO Sendo a avaliação

Leia mais

ARTE-EDUCADORES E EDUCAÇÃO MUSICAL: ANÁLISE DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MÚSICA NA REGIÃO DE GUARAPUAVA (PR)

ARTE-EDUCADORES E EDUCAÇÃO MUSICAL: ANÁLISE DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MÚSICA NA REGIÃO DE GUARAPUAVA (PR) ARTE-EDUCADORES E EDUCAÇÃO MUSICAL: ANÁLISE DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MÚSICA NA REGIÃO DE GUARAPUAVA (PR) Resumo GOMES, Érica Dias 1 - UNICENTRO Grupo de Trabalho Formação de professores e profissionalização

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL DE PROFESSORAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL ALUNAS DA PEDAGOGIA/PARFOR

PERFIL PROFISSIONAL DE PROFESSORAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL ALUNAS DA PEDAGOGIA/PARFOR PERFIL PROFISSIONAL DE PROFESSORAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL ALUNAS DA PEDAGOGIA/PARFOR Tânia Aparecida Rodrigues de Oliveira Faculdade de Educação CCHSA tania.aro@puccampinas.edu.br Profa. Dra. Heloisa Helena

Leia mais

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula.

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Sabrine Denardi de Menezes da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - Campus São Vicente do Sul RESUMO: A

Leia mais

A ORALIZAÇÃO COMO MANIFESTAÇÃO LITERÁRIA EM SALA DE AULA

A ORALIZAÇÃO COMO MANIFESTAÇÃO LITERÁRIA EM SALA DE AULA A ORALIZAÇÃO COMO MANIFESTAÇÃO LITERÁRIA EM SALA DE AULA. AÇÕES DO PIBID/CAPES UFG (SUBPROJETO: LETRAS: PORTUGUÊS) NO COLÉGIO ESTADUAL LYCEU DE GOIÂNIA Bolsistas: SILVA, Danila L.; VAZ, Paula R. de Sena.;

Leia mais

Relatório Projeto Fênix 2010

Relatório Projeto Fênix 2010 Relatório Projeto Fênix 2010 Relatório Projeto Fênix 2010 Relatório elaborado por Edcleide Nascimento Fotos e imagens: Arquivo pessoal e da escola Apresentação Este relatório refere-se às atividades desenvolvidas

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

A COMPETÊNCIA LEITORA NOS ESPAÇOS DA COMUNIDADE DO PARANANEMA-PARINTINS/AM

A COMPETÊNCIA LEITORA NOS ESPAÇOS DA COMUNIDADE DO PARANANEMA-PARINTINS/AM 00092 A COMPETÊNCIA LEITORA NOS ESPAÇOS DA COMUNIDADE DO PARANANEMA-PARINTINS/AM Maria Valcirlene de Souza Bruce 1 Monica Silva Aikawa 2 Resumo: O artigo apresenta o resultado de uma intervenção pedagógica

Leia mais

Introdução: 1. Objetivo: 2. Período de inscrição. 3. Cronograma

Introdução: 1. Objetivo: 2. Período de inscrição. 3. Cronograma Introdução: Este concurso nacional, promovido pela ABRACOPEL Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade, entidade sem fins econômicos, visa estimular as crianças e os jovens

Leia mais

PESQUISANDO O QUARTEL DO XX:

PESQUISANDO O QUARTEL DO XX: PESQUISANDO O QUARTEL DO XX: Um Olhar Sobre a Experiência de Integração Curricular no Curso de Conservação e Restauro na Modalidade EJA Renata Tavares de Brito Falleti* Diante do contexto pedagógico conflitante

Leia mais

Objetivo. Letras Profa. Dra. Leda Szabo. Prática de Ensino de Língua Portuguesa. Prática de ensino: uma prática social

Objetivo. Letras Profa. Dra. Leda Szabo. Prática de Ensino de Língua Portuguesa. Prática de ensino: uma prática social Letras Profa. Dra. Leda Szabo Prática de Ensino de Língua Portuguesa Objetivo Apresentar um breve panorama do ensino e aprendizagem da língua portuguesa. Abordar o ensino e a aprendizagem da língua portuguesa

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA 11ª, 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Metodologia do Ensino de Educação

Leia mais

TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE SÃO VICENTE AUTOR(ES): MARIA DE FATIMA

Leia mais

CURSO MÍDIAS NA EDUCAÇÃO. ALUNA: Rosane Lima Alves Rodrigues. TUTORA: Tânia Vigorito

CURSO MÍDIAS NA EDUCAÇÃO. ALUNA: Rosane Lima Alves Rodrigues. TUTORA: Tânia Vigorito CURSO MÍDIAS NA EDUCAÇÃO ALUNA: Rosane Lima Alves Rodrigues TUTORA: Tânia Vigorito 2007 Objetivos: Debater assuntos do interesse dos alunos. Incentivar a produção textual. Estimular o trabalho em grupo.

Leia mais

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Prof. Dr. Luis Paulo Leopoldo Mercado Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal de Alagoas Conteúdos

Leia mais

Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento

Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento Maio/2010 AMARAL, Rita de Cássia Borges de Magalhães

Leia mais

TEC - EAD PRESSUPOSTOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONCEPÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS

TEC - EAD PRESSUPOSTOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONCEPÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS TEC - EAD PRESSUPOSTOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONCEPÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS O que é mesmo Educação a Distância (EAD)? Você está fazendo um curso a distância, mas já parou para pensar no conceito

Leia mais

9º ANO O progresso da criança

9º ANO O progresso da criança 1 2 3 4 1 2 3 4 6 7 8 PREPARAÇÃO PARA O SUCESSO NO 9º ANO O progresso da criança Uma fonte de recursos para os pais para entender o que a criança deve aprender este ano e sugestões úteis para apoiar o

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Mestrado Profissional em Ensino de Ciências Campus Nilópolis Ana Paula Inacio Diório AS MÍDIAS

Leia mais

Palavras-chave: Formação inicial de professores. Ensino a distância. Metodologia de Ensino.

Palavras-chave: Formação inicial de professores. Ensino a distância. Metodologia de Ensino. AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DAS DISCIPLINAS TÓPICOS ESPECIAIS EM MATEMÁTICA DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA A DISTÂNCIA Maria da Conceição Alves Bezerra Universidade Federal da Paraíba UFPB VIRTUAL

Leia mais

O USO DAS REDES SOCIAIS EM SALA DE AULA: REFERÊNCIAS AO MODELO SÓCIO INTERACIONISTA PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM

O USO DAS REDES SOCIAIS EM SALA DE AULA: REFERÊNCIAS AO MODELO SÓCIO INTERACIONISTA PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM 1 O USO DAS REDES SOCIAIS EM SALA DE AULA: REFERÊNCIAS AO MODELO SÓCIO INTERACIONISTA PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM Lygia de Assis Silva (lygia1@hotmail.com) - UFPE Rayanne Angela Albuquerque dos Santos

Leia mais

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos 44 5. Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos As rodas de conversa tiveram como proposta convidar os participantes a debater o tema da violência

Leia mais

METODOLOGIA PARA CONSTRUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS NA EAD: DO PLANO DE ENSINO AO ROTEIRO DE TUTORIA.

METODOLOGIA PARA CONSTRUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS NA EAD: DO PLANO DE ENSINO AO ROTEIRO DE TUTORIA. 1 METODOLOGIA PARA CONSTRUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS NA EAD: DO PLANO DE ENSINO AO ROTEIRO DE TUTORIA. Maio/2008 Mara Yáskara Nogueira Paiva Cardoso Uniararas, marayaskara@uniararas.br Ana Carolina Castelli

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUED CURSO DE INTRODUÇÃO A EDUCAÇÃO DIGITAL

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUED CURSO DE INTRODUÇÃO A EDUCAÇÃO DIGITAL 1 NRE: TOLEDO 2 COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO VEREADOR SAMUEL BENCK EFM 3 AUTOR: Fernanda Mesquita Santiago 4 DOCENTE: Nilton Sérgio Rech 5 TÍTULO: Salvando imagens do Portal Dia a Dia no Pendrive para uso

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 13/2015 LETRAS/PEDAGOGIA/LIBRAS Campus São João del-rei

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 13/2015 LETRAS/PEDAGOGIA/LIBRAS Campus São João del-rei Questão 01 O reconhecimento oficial da Língua Brasileira de Sinais como meio legal de comunicação se deu a partir: a) da publicação da Lei n o 10.436, em 2002. b) da elaboração do Dicionário de Língua

Leia mais

ARTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL

ARTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL ARTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Ione Rossi Ribeiro Professora de Artes da APAE de Tupaciguara, graduada em Artes Plásticas pela Universidade Federal de Uberlândia e pós-graduada em Educação Especial pelas Faculdades

Leia mais

FICHA DE INSCRIÇÃO PRÊMIO PROFESSORES DO BRASIL 2015

FICHA DE INSCRIÇÃO PRÊMIO PROFESSORES DO BRASIL 2015 Bem - vindo ao Prêmio Professores do Brasil! FICHA DE INSCRIÇÃO PRÊMIO PROFESSORES DO BRASIL 2015 O processo de inscrição foi pensado para ajudá-lo a refletir sobre práticas de ensino e aprendizagem desenvolvidas

Leia mais

JOGOS MATEMÁTICOS E AS HABILIDADES DE CÁLCULO MENTAL 1

JOGOS MATEMÁTICOS E AS HABILIDADES DE CÁLCULO MENTAL 1 JOGOS MATEMÁTICOS E AS HABILIDADES DE CÁLCULO MENTAL 1 Ana Paula Alves Ribeiro Graziela Regina Bossi da Silva Leislaine Mota Silva 2 Vanessa A. Silva³ Viviane A. Zacheu Viana 4 RESUMO O presente artigo

Leia mais

AS MÍDIAS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA RESUMO

AS MÍDIAS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA RESUMO 571 AS MÍDIAS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA 1 Evelize Krüger Peres RESUMO O referido artigo vai tratar do uso das mídias digitais, como metodologia pedagógica nas aulas das ciências exatas e em outras áreas

Leia mais

O papel das TIC acessíveis para a educação inclusiva das Pessoas com Deficiência. Rita Bersch Assistiva Tecnologia e Educação www.assistiva.com.

O papel das TIC acessíveis para a educação inclusiva das Pessoas com Deficiência. Rita Bersch Assistiva Tecnologia e Educação www.assistiva.com. O papel das TIC acessíveis para a educação inclusiva das Pessoas com Deficiência Rita Bersch Assistiva Tecnologia e Educação www.assistiva.com.br Educação e Desenho Universal FATO: NA ESCOLA SOMOS TODOS

Leia mais

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena.

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena. JUQUERIQUERÊ Resumo Neste breve documentário, um índio faz uma retrospectiva de como ele vivia na região do Rio Juqueriquerê, localizada no litoral norte do Estado de São Paulo. Em seu relato, compara

Leia mais

O LÚDICO NA APRENDIZAGEM

O LÚDICO NA APRENDIZAGEM O LÚDICO NA APRENDIZAGEM RESUMO Aline Hahn Affeldt Prof. Janaina de Souza Aragão Centro Universitário Leonardo da Vinci-UNIASSELVI Pedagogia (PED 7051) Metodologia e Conteúdos Básicos de Comunicação e

Leia mais

WEBQUEST: UM RECURSO TECNOLÓGICO NA EDUCAÇÃO MATEMÃTICA

WEBQUEST: UM RECURSO TECNOLÓGICO NA EDUCAÇÃO MATEMÃTICA WEBQUEST: UM RECURSO TECNOLÓGICO NA EDUCAÇÃO MATEMÃTICA Patrícia Sândalo Pereira UNIOESTE Foz do Iguaçu patriciasandalop@uol.com.br Cleonice Salateski Colégio Estadual Alberto Santos Dumont maucleo@seed.pr.gov.br

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: DO PLANEJAMENTO À AÇÃO.

PROJETOS DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: DO PLANEJAMENTO À AÇÃO. PROJETOS DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: DO PLANEJAMENTO À AÇÃO. LETICIA VICENTE PINTO TEIXEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIAS). Resumo É sabido o quanto é grande o esforço das escolas em ensinar a leitura

Leia mais

DA LITERATURA AO TEATRO: LEITURA E CRIAÇÃO NO ESPAÇO ESCOLAR

DA LITERATURA AO TEATRO: LEITURA E CRIAÇÃO NO ESPAÇO ESCOLAR DA LITERATURA AO TEATRO: LEITURA E CRIAÇÃO NO ESPAÇO ESCOLAR MARINA COELHO PEREIRA (FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE NITERÓI), KAREN CERDEIRA BECK (FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE NITERÓI), TATIANA

Leia mais

A PRODUÇÃO DE VÍDEOS COMO RECURSO METODOLÓGICO INTERDISCIPLINAR

A PRODUÇÃO DE VÍDEOS COMO RECURSO METODOLÓGICO INTERDISCIPLINAR A PRODUÇÃO DE VÍDEOS COMO RECURSO METODOLÓGICO INTERDISCIPLINAR Maria Aparecida Monteiro Deponti (cida_mw@yahoo.com.br) Carlos Henrique Campanher (carloscampanher@oi.com.br ) Resumo O presente trabalho

Leia mais

INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLAS DE ENSINO REGULAR. Palavras chave: Deficiência auditiva; Educação; Inclusão; LIBRAS.

INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLAS DE ENSINO REGULAR. Palavras chave: Deficiência auditiva; Educação; Inclusão; LIBRAS. 1 INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLAS DE ENSINO REGULAR Palavras chave: Deficiência auditiva; Educação; Inclusão; LIBRAS. 1 INTRODUÇÃO Susana Michels 1 Maria Preis Welter 2 O presente

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias 2015

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias 2015 Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias 2015 Índice 1. Objetivos gerais:... 4 2. Objetivos específicos:... 5 3. Estratégias Educativas e Pedagógicas... 6 4. Atividades Sócio-Educativas... 7

Leia mais

A COMUNICAÇÃO ENTRE O ORIENTADOR DE MONOGRAFIAS E O ORIENTANDO DE PÓS-GRADUAÇÃO NOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

A COMUNICAÇÃO ENTRE O ORIENTADOR DE MONOGRAFIAS E O ORIENTANDO DE PÓS-GRADUAÇÃO NOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM A COMUNICAÇÃO ENTRE O ORIENTADOR DE MONOGRAFIAS E O ORIENTANDO DE PÓS-GRADUAÇÃO NOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Resumo ANDRADE, VALTER ZOTTO DE FAEL valterzotto@uol.com.br Eixo temático: Comunicação

Leia mais

JOGOS E O ENSINO DE MATEMÁTICA. META Apresentar como os jogos podem ser utilizados para abordar os conteúdos matemáticos.

JOGOS E O ENSINO DE MATEMÁTICA. META Apresentar como os jogos podem ser utilizados para abordar os conteúdos matemáticos. JOGOS E O ENSINO DE MATEMÁTICA Aula 5 META Apresentar como os jogos podem ser utilizados para abordar os conteúdos matemáticos. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: identificar formas de como

Leia mais

TÍTULO: COMO INTERLIGAR OS LIVROS DE LITERATURA INFANTIL COM OS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS TRABALHADOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL?

TÍTULO: COMO INTERLIGAR OS LIVROS DE LITERATURA INFANTIL COM OS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS TRABALHADOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL? Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: COMO INTERLIGAR OS LIVROS DE LITERATURA INFANTIL COM OS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS TRABALHADOS NA

Leia mais

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO)

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) De acordo com o Edital de produção de conteúdo digitais multimídia, alguns aspectos

Leia mais

TEMAS AMBIENTAIS NA INTERNET

TEMAS AMBIENTAIS NA INTERNET ATAS - Seminário Ensinar com Pesquisa (Ensinar, Pesquisar e Aprender) - ANO V 1 TEMAS AMBIENTAIS NA INTERNET Ana C. B. da Silva 1, Natália F. da Silva², Maria R. D. Kawamura 3 1 Instituto de Física/Ensino/USP,

Leia mais

Jogos online: construindo conceitos matemáticos

Jogos online: construindo conceitos matemáticos Jogos online: construindo conceitos matemáticos Tania Elisa Seibert Universidade Luterana do Brasil Brasil taniaseibert@hotmail.com Lucas Gabriel Seibert 1 Universidade Luterana do Brasil Brasil lucasseibert@hotmail.com

Leia mais

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: UM ESTUDO DE METODOLOGIAS FACILITADORAS PARA O PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: UM ESTUDO DE METODOLOGIAS FACILITADORAS PARA O PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: UM ESTUDO DE METODOLOGIAS FACILITADORAS PARA O PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA Bruna Tayane da Silva Lima; Eduardo Gomes Onofre 2 1 Universidade Estadual

Leia mais

Vivência em Quadrinhos Artigo Inscrito no grupo Comunicação e Novas Mídias *

Vivência em Quadrinhos Artigo Inscrito no grupo Comunicação e Novas Mídias * Vivência em Quadrinhos Artigo Inscrito no grupo Comunicação e Novas Mídias * Alberto Ricardo Pessoa Mestre em Artes Visuais UNESP SP Professor do Depto. Comunicação e Artes da Universidade Presbiteriana

Leia mais

Objetivos. Pressupostos da Inclusão. Pedagogia Profa. Ms. Maria José de Oliveira Russo (Marjô)

Objetivos. Pressupostos da Inclusão. Pedagogia Profa. Ms. Maria José de Oliveira Russo (Marjô) Pedagogia Profa. Ms. Maria José de Oliveira Russo (Marjô) Formação de professores para a escola inclusiva: uma reflexão sobre culturas, políticas e práticas inclusivas Objetivos Discutir a importância

Leia mais

PROGRAMA WEBFAMÍLIA APRENDE BRASIL 2015

PROGRAMA WEBFAMÍLIA APRENDE BRASIL 2015 PROGRAMA WEBFAMÍLIA APRENDE BRASIL 2015 Programa de Webfamília Sistema de Ensino Aprende Brasil O Centro de Formação e o Sistema de Ensino Aprende Brasil oferecem um como A Criança e o Adolescente em Foco,

Leia mais

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO por Wesley José Silva Setembro, 2004 A informática hoje vem sendo uma das soluções a ser implantada na didática de ensino aprendizagem, tendo como

Leia mais

IFA MIRIM PROJETO: LEIA PARA MIM!

IFA MIRIM PROJETO: LEIA PARA MIM! IFA MIRIM PROJETO: LEIA PARA MIM! Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever - inclusive a sua própria história.

Leia mais

Possibilidades de uso na sala de aula

Possibilidades de uso na sala de aula Capítulo3 Possibilidades de uso na sala de aula As possibilidades de uso da lousa digital são inúmeras. Segundo a Revista Nova Escola, da Editora Abril, o professor pode preparar apresentações em PowerPoint,

Leia mais

Plano Editorial Julho 2006

Plano Editorial Julho 2006 Plano Editorial Julho 2006 Missão Uma agência que noticia processos ocorridos no espaço público político (governo, Estado e cidadania), com foco nos interesses do cidadão brasileiro. Público-Alvo Cidadãos

Leia mais

COLÉGIO DE LAMEGO (70%-89%) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ESPECÍFICA Do 1º Ciclo

COLÉGIO DE LAMEGO (70%-89%) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ESPECÍFICA Do 1º Ciclo COLÉGIO DE LAMEGO (70%-89%) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ESPECÍFICA Do 1º Ciclo 2014/2015 Avaliar é um conceito que se utiliza com frequência na sociedade actual. Ao fazer-se uma avaliação queremos apreciar

Leia mais

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005.

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. 1 RESENHA Mónica Santos Pereira Defreitas 1 SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. O livro de Lúcia Santaella, Por que as comunicações e as artes estão

Leia mais

Papel do Professor no Ensino Superior

Papel do Professor no Ensino Superior Papel do Professor no Ensino Superior Leonardo Alvim Hauck 1, Paulo César de Faria 2, Thiago dos Santos Maciel 3, Maria Thereza De Juste 4 Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP), Instituto de Pesquisa

Leia mais

ANÁLISE DO USO DAS MÍDIAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO DO ESTADO DE ALAGOAS

ANÁLISE DO USO DAS MÍDIAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO DO ESTADO DE ALAGOAS ANÁLISE DO USO DAS MÍDIAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO DO ESTADO DE ALAGOAS Olindina maria moura da silva (UFAL) hollyn.moura@hotmail.com RESUMO:

Leia mais