OURIVESARIA RELOJOARIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OURIVESARIA RELOJOARIA"

Transcrição

1 OURIVESARIA RELOJOARIA AEP / GABINETE DE ESTUDOS MARÇO DE 2004

2 Panorama Nacional CAE 362 Fabricação de joalharia, ourivesaria e artigos similares A fabricação de joalharia, ourivesaria e artigos similares reunia, em 2001, 1159 empresas e 4519 postos de trabalho. Trata-se de um sector em que predominam empresas de muito reduzida dimensão, empregando, em média, cada unidade de produção apenas 4 trabalhadores. Naquele ano, o volume de negócios foi de 309,9 milhões de euros e o VAB perfez 66,3 milhões de euros. A produtividade situou-se em 14,6 mil euros e os custos médios de pessoal em 9,1 milhões de euros. Tanto o número de empresas, como o pessoal ao serviço, o volume de negócios e o VAB registaram decréscimos em 1997 e 1998, recuperando em 1999, voltando em 2000 a apresentar quebras, que foram bastante acentuadas. Em 2001, estes indicadores evidenciaram variações positivas significativas. Com efeito, observaram-se crescimentos de 12,3% no número de empresas, de 15,2% no pessoal ao serviço, de 27,3% no volume de negócios e de 15,3% no VAB. No que diz respeito à produtividade, verificou-se a sua estagnação em 2001, que se seguiu a uma quebra de 8,8% em Quanto aos custos médios com o pessoal, têm visto o seu crescimento abrandar desde 1997, chegando mesmo a atingir uma variação negativa em 2001 (de 2%), que contrasta com o aumento de 7,4% contabilizado em Este sector apresenta uma importância pouco expressiva no cômputo da indústria transformadora (I.T.) nacional, com o número de empresas a corresponderem a 1,6% da I.T., o pessoal a apenas 0,5% e o volume de negócios e o VAB a 0,4%. A produtividade e os custos médios com o pessoal encontram-se abaixo da média da I.T. 2

3 A ourivesaria tem uma forte tradição em Portugal e está, sobretudo, concentrada no concelho de Gondomar. Depois de várias décadas de elevada procura, os artigos agora saídos das oficinas defrontam-se com algumas dificuldades de colocação no mercado. Para tal, contribuí não só o fraco crescimento económico dos últimos anos, mas também o desenvolvimento de produtos que concorrem com os de ouro e de algumas deficiências que ainda se sentem ao nível do design e que obstam à inovação. Apesar destas fraquezas, o sector da ourivesaria apresenta-se predisposto a lutar pelo seu relançamento. Assim, assume especial relevância o projecto de constituição do Parque de Negócios da Ourivesaria de Gondomar (PNOG), que permitirá aumentar a rentabilidade das empresas de menor dimensão, reforçando a sustentabilidade a longo prazo da concentração em Gondomar das competências e postos de trabalho específicos da indústria da ourivesaria. Os projectos para o sector estendem-se, ainda, à criação de um colégio ou de uma ordem representativa dos ourives ao nível regional; a uma carta da ourivesaria, que visa o estabelecimento de um quadro moral e ético para o sector; e à construção de uma marca colectiva. Neste último caso, pretende-se fomentar e defender a criatividade da produção nacional, através da aposta no design, sem, contudo, descurar as características tradicionais das peças portuguesas. Com o propósito de aumentar o investimento no design, o CINDOR (Centro de Formação Profissional para a Indústria da Ourivesaria e Relojoaria) desenvolveu uma parceria com a Universidade Católica para a realização de uma pós-graduação em Design de Ourivesaria, com início em Janeiro de O CINDOR foi criado em 1986 e, segundo o seu director, têm-se observado avanços consideráveis ao nível da formação e qualificação da mão-de-obra da indústria de ourivesaria nacional, persistindo, no entanto, a necessidade de qualificar mais pessoas. Neste sentido, o CINDOR tem encetado esforços tendentes a consciencializar os próprios empresários da importância da formação para os ganhos de competitividade do sector. 3

4 CAE 335 Fabricação de relógios e material de relojoaria A fabricação de relógios e de material de relojoaria tem um peso muito pouco significativo na I.T. nacional, abrangendo, em 2001, somente 16 empresas (um número que tem vindo a decrescer nos últimos anos) e 251 trabalhadores. Em média, cada unidade de produção tem 16 postos de trabalho. O volume de negócios iza 5,8 milhões de euros e o VAB perfaz 3 milhões de euros. A produtividade e os custos médios com o pessoal estão abaixo da média da I.T., situando-se em, respectivamente, 12 mil euros e 10,4 mil euros. De referir que o número de empresas tem apresentado quebras sucessivas desde 1997, tendo-se, em 2001, contabilizado uma diminuição de 11,1%. Observaram-se também variações negativas para alguns anos nos restantes indicadores, salientando-se as quebras, em 1997, de 50,4% no volume de negócios e de 36,8% no VAB. Em 2001, registaram-se diminuições de 2% no pessoal ao serviço e de 1,7% no volume de negócios, enquanto o VAB estagnou, a produtividade registou um ligeiro aumento (0,8%) e os custos médios com o pessoal aumentaram 6,1% Comércio Externo Pérolas naturais ou cultivadas, pedras preciosas ou semipreciosas e semelhantes, metais preciosos, metais folheados ou chapeados de metais preciosos, e suas obras; bijutarias, moedas (NC 71) Nestes produtos, Portugal tem vindo a apresentar défices comerciais sucessivos, que se agravaram de 1998 a 2000, passando de 138 milhões de euros para 305,8 milhões de euros, registando-se uma melhoria desde então, tendo-se atingido, em 2002, um saldo negativo de 230,3 milhões de euros. A este saldo correspondeu uma taxa de cobertura de 23,4%. De Janeiro a Novembro de 2003, o défice comercial izou 161,8 milhões de 4

5 euros e a taxa de cobertura situou-se em 32,6%. O peso do comércio destes produtos no comércio português não é significativo, representando as exportações 0,3% das exportações nacionais e as importações 0,9% das importações nacionais. Comércio externo da NC 71 Milhares de euros ,0% 40,0% 35,0% 30,0% 25,0% 20,0% 15,0% 10,0% 5,0% Jan-Nov ,0% Exportações Importações Tx. cobertura Entre os principais países clientes de Portugal, destaca-se claramente a Bélgica, responsável, em 2002, por 58% das exportações, seguindo-se os EUA, com uma quota de 12,7%. A França, Itália e Espanha desempenham, também, um papel importante, absorvendo, respectivamente, 9,7%, 6,2% e 4,3% das exportações portuguesas. Quanto aos principais fornecedores, e à semelhança do que ocorre no grupo dos clientes, realça-se a Espanha, origem de 25,2% das importações nacionais. Os quatro lugares seguintes no ranking de fornecedores cabem a países europeus: Itália (19%), Bélgica (13,4%), Suíça (12,4%) e Alemanha (10,4%). Relógios de pulso, relógios de bolso e relógios semelhantes (incluindo os contadores de tempo dos mesmos tipos), com caixa de metais preciosos ou de metais folheados ou chapeados de metais preciosos (NC 91) O saldo comercial apresentado por Portugal neste tipo de produtos tem sido negativo, verificando-se um agravamento de 1998 a 2001, passando de 79,1 milhões de euros para 5

6 97 milhões de euros, recuperando, em 2002, para 91,2 milhões de euros. Neste último ano, a taxa de cobertura fixou-se em 14,1% (mais 3,4 p.p. que em 2001), tendo-se registado um forte aumento das exportações (28,5%) e uma redução das importações (2,2%). De Janeiro a Novembro de 2003, o défice comercial estabeleceu-se em 64,1 milhões de euros e a taxa de cobertura atingiu 18,9%. O comércio destes produtos é muito pouco expressivo no cômputo do comércio externo português, representando as exportações 0,1% das vendas nacionais ao exterior e as importações 0,3% das compras nacionais ao exterior. Comércio externo da NC ,0% ,0% 16,0% Milhares de euros ,0% 12,0% 10,0% 8,0% 6,0% ,0% 2,0% Jan-Nov ,0% Exportações Importações Tx. cobertura A Suíça é o principal parceiro comercial de Portugal nestes produtos, sendo responsável por 41,5% das nossas exportações e por 34,3% das nossas importações. O segundo lugar, quer enquanto fornecedor quer enquanto cliente, cabe à Alemanha, destino de 18% das nossas exportações e origem de 22,4% das nossas importações. No ranking dos clientes, salienta-se, ainda, a França, a Espanha e o Panamá. No ranking de fornecedores, o terceiro lugar é ocupado pela Espanha (com uma quota de 12%), seguindo-se-lhe Hong- Kong e Itália. 6

7 Panorama Comunitário Indústria da joalharia e artigos relacionados A indústria da joalharia agrega um vasto conjunto de produtos, que vão desde a produção de pérolas trabalhadas, pedras preciosas e semi-preciosas, diamantes, metais preciosos a artigos de ourivesaria. O ouro tem diamantes. assumido um papel preponderante nesta indústria, seguindo-se-lhe os O tecido empresarial é caracterizado por uma considerável fragmentação, apresentando uma parte significativa das unidades um cariz familiar e artesanal. Trata-se de um sector que, no da indústria transformadora da UE, detém uma reduzida relevância no que se refere ao valor da produção, apresentando, no entanto, um forte peso ao nível do emprego. Com efeito, a joalharia é responsável por uma produção de 8,4 mil milhões de euros, o que equivale, apenas, a 0,2 por cento do output da indústria transformadora. Áustria, Bélgica, Itália e Portugal são os países que se destacam por evidenciarem quotas superiores e Itália realça-se por possuir o nível de produção mais elevado (3,1 mil milhões de euros). No que respeita o emprego, a contribuição da joalharia no da indústria transformadora atinge os 0,3 por cento, contra os 0,2 por cento registados nos EUA e os 0,1 por cento contabilizados no Japão. Na UE, Itália é o país que dispõe da maior força de trabalho, seguindo-se-lhe Espanha, França e Alemanha. 7

8 Como forma de responder à crescente concorrência dos produtos com preços bastante apetecíveis de economias que praticam baixos salários, como Hong-Kong, Coreia do Sul, Taiwan e Tailândia, tem-se assistido à introdução de novos processos de produção que, aliados a uma mão-de-obra mais qualificada e à utilização de novos materiais, possibilitam a obtenção de maiores níveis de eficiência e de produtividade. Os principais clientes comunitários são os EUA, para onde se dirigiram, em 1998, 37 por cento das exportações. A seguir, surge a Suíça (13 por cento), Hong-Kong (9 por cento), Israel (6 por cento) e Japão (5 por cento). As importações comunitárias provêm, sobretudo, dos EUA (16 por cento), da Suíça e Israel (ambos com uma quota de 12 por cento) e Hong-Kong (8 por cento). Indústria da relojoaria No da classe 33 da CAE Fabricação de aparelhos e instrumentos médicocirúrgicos, ortopédicos, de precisão, de óptica e de relojoaria, a indústria da relojoaria (CAE 335) é responsável por 2,3 por cento da produção, percentagem superior à verificada nos EUA (1,1 por cento), ainda que bastante inferior à registada no Japão (13,3 por cento). Contrariamente ao que tem ocorrido nos restantes subsectores da CAE 33, na relojoaria o emprego tem observado uma diminuição. Com feito, de 1988 a 1998, este indicador caiu 10,7 por cento por ano na Alemanha e 8,9 por cento em Itália. A Suíça aparece como o principal parceiro comercial da UE, responsável por 39 por cento das exportações e 51 por cento das importações comunitárias. Com um papel de destaque, ainda que bem menor que o detido pelos helvéticos, surgem, no grupo dos clientes, os EUA, Hong-Kong, Brunei e Japão e, no grupo dos fornecedores, a China, Hong-Kong, Japão e Brunei. 8

9 Anexo estatístico CAE Fabricação de joalharia, ourivesaria e artigos similares Ano Empresas / Empresas Custos Volume Negóc. VABpm Produtividade Custos Médios milhões euros mil euros ,4 611,0 96,1 14,7 7, ,6 570,4 94,5 14,8 7, ,1 523,2 92,1 14,7 8, ,7 549,5 104,2 16,0 9, ,5 243,5 57,5 14,6 9, ,2 309,9 66,3 14,6 9,1 Fonte: INE CAE Fabricação de relógios e material de relojoaria Ano Empresas / Empresas Custos Volume Negóc. VABpm Produtividade Custos Médios milhões euros mil euros ,1 10,5 3,4 11,2 7, ,6 5,2 2,1 8,9 10, ,2 5,4 2,3 9,1 8, ,6 5,7 2,7 11,2 10, ,5 5,9 3 11,9 9, ,6 5, ,4 Fonte: INE CAE Fabricação de joalharia, ourivesaria e artigos similares Peso na Indústria Transformadora Ano Empresas Volume Negócios VABpm Produtividade Custos Médios ,6% 0,6% 1,0% 0,5% 86,0% 80,0% ,6% 0,6% 0,9% 0,5% 80,5% 82,6% 9

10 1998 1,6% 0,6% 0,8% 0,5% 77,9% 82,5% ,7% 0,7% 0,8% 0,6% 90,2% 85,6% ,3% 0,4% 0,4% 0,3% 75,6% 82,3% ,6% 0,5% 0,4% 0,4% 74,1% 76,2% Fonte: Cálculos com base no INE CAE Fabricação de relógios e material de relojoaria Peso na Indústria Transformadora Ano Empresas Volume Negócios VABpm Produtividade Custos Médios ,0% 0,0% 0,0% 0,0% 65,7% 77,5% ,0% 0,0% 0,0% 0,0% 48,2% 113,4% ,0% 0,0% 0,0% 0,0% 48,2% 84,2% ,0% 0,0% 0,0% 0,0% 63,0% 101,2% ,0% 0,0% 0,0% 0,0% 61,7% 86,4% ,0% 0,0% 0,0% 0,0% 60,9% 86,6% Fonte: Cálculos com base no INE CAE Fabricação de joalharia, ourivesaria e artigos similares Taxas de Crescimento Ano Empresas Volume Negócios VABpm Produtividade Custos Médios ,6% -2,5% -6,6% -1,6% 0,9% 7,4% ,8% -1,9% -8,3% -2,6% -0,6% 7,1% ,2% 4,1% 5,0% 13,2% 8,7% 8,2% ,9% -39,7% -55,7% -44,8% -8,8% 3,2% ,3% 15,2% 27,3% 15,3% 0,0% -2,0% Fonte: Cálculos com base no INE CAE Fabricação de relógios e material de relojoaria Taxas de Crescimento Ano Empresas Volume Negócios VABpm Produtividade Custos Médios ,2% -20,1% -50,4% -36,8% -20,9% 52,1% ,3% 6,7% 3,8% 9,6% 2,8% -20,4% ,6% -5,1% 5,4% 16,5% 22,8% 25,2% ,3% 5,8% 3,0% 10,8% 6,3% -8,4% 10

11 ,1% -2,0% -1,7% 0,0% 0,8% 6,1% Fonte: Cálculos com base no INE Evolução do comércio externo de Pérolas naturais ou cultivadas, pedras preciosas ou semipreciosas e semelhantes, metais preciosos, metais folheados ou chapeados de metais preciosos, e suas obras; bijutarias, moedas (NC 71) Ano Exportações Importações Saldo Tx. Milhares de euros Tx. cresc. % no nacional Milhares de euros Tx. cresc. % no nacional Milhares de euros cobertura ,4% ,7% ,3% ,9% 0,4% ,2% 0,6% ,3% ,8% 0,3% ,9% 0,9% ,2% ,8% 0,3% ,0% 0,8% ,8% ,4% 0,3% ,9% 0,9% ,4% Jan-Nov ,3% ,7% ,6% Fonte: Cálculos com base no INE Evolução do comércio externo de Relógios de pulso, relógios de bolso e relógios semelhantes (incluindo os contadores de tempo dos mesmos tipos), com caixa de metais preciosos ou de metais folheados ou chapeados de metais preciosos (NC 91) Ano Exportações Importações Saldo Tx. Milhares de euros Tx. cresc. % no nacional Milhares de euros Tx. cresc. % no nacional Milhares de euros cobertura ,0% ,3% ,1% ,7% 0,0% ,7% 0,3% ,9% ,5% 0,0% ,4% 0,2% ,1% ,7% 0,0% ,9% 0,2% ,7% ,5% 0,1% ,2% 0,3% ,1% Jan-Nov ,1% ,2% ,9% Fonte: Cálculos com base no INE 11

12 Principais países clientes de Pérolas naturais ou cultivadas, pedras preciosas ou semipreciosas e semelhantes, metais preciosos, metais folheados ou chapeados de metais preciosos, e suas obras; bijutarias, moedas (NC 71) Exportações % no ranking % no ranking % no ranking Bélgica 58,12 1º 59,25 1º 58,51 1º EUA 12,78 2º 10,58 2º 6,34 5º França 9,7 3º 8,09 3º 7,72 4º Itália 6,23 4º 7,59 4º 9,4 2º Espanha 4,25 5º 5,89 5º 8,11 3º Fonte: INE Principais países fornecedores de Pérolas naturais ou cultivadas, pedras preciosas ou semipreciosas e semelhantes, metais preciosos, metais folheados ou chapeados de metais preciosos, e suas obras; bijutarias, moedas (NC 71) Importações % no ranking % no ranking % no ranking Espanha 25,24 1º 24,73 1º 24,99 1º Itália 19,17 2º 17,8 3º 19,54 3º Bélgica 13,41 3º 13,52 5º 14,58 4º Suiça 12,4 4º 14,86 4º 7,49 5º Alemanha 10,43 5º 19,23 2º 24,23 2º Fonte: INE 12

13 Principais países clientes de Relógios de pulso, relógios de bolso e relógios semelhantes (incluindo os contadores de tempo dos mesmos tipos), com caixa de metais preciosos ou de metais folheados ou chapeados de metais preciosos (NC 91) Exportações % no ranking % no ranking % no ranking Suiça 41,48 1º 30,92 1º 26,42 1º Alemanha 18,16 2º 18,28 2º 23,32 2º França 11,33 3º 14,42 3º 13,38 4º Espanha 7,39 4º 12,34 4º 18,43 3º Panamá 4,07 5º 5,66 5º 1,48 9º Fonte: INE Principais países fornecedores de Relógios de pulso, relógios de bolso e relógios semelhantes (incluindo os contadores de tempo dos mesmos tipos), com caixa de metais preciosos ou de metais folheados ou chapeados de metais preciosos (NC 91) Importações % no ranking % no ranking % no ranking Suíça 34,3 1º 39,62 1º 40,78 1º Alemanha 22,43 2º 18,94 2º 11,02 3º Espanha 12,16 3º 12,14 3º 11,3 2º Hong-Kong 6,46 4º 6,23 4º 8,79 4º Itália 6,24 5º 2,26 7º 1,88 10º Fonte: INE 13

TÊXTEIS, VESTUÁRIO E CALÇADO RELATÓRIO DE CONJUNTURA

TÊXTEIS, VESTUÁRIO E CALÇADO RELATÓRIO DE CONJUNTURA TÊXTEIS, VESTUÁRIO E CALÇADO RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Setembro de 2006 CAE 17 Fabricação de têxteis e CAE 18 Indústria do vestuário; preparação, tingimento e fabricação de artigo

Leia mais

Máquinas- ferramentas AEP / GABINETE DE ESTUDOS

Máquinas- ferramentas AEP / GABINETE DE ESTUDOS Máquinas- ferramentas AEP / GABINETE DE ESTUDOS MAIO DE 2004 A fabricação de máquinas-ferramentas (CAE 294) reunia, em 2001, 156 empresas e 2323 trabalhadores, empregando, cada unidade de produção, em

Leia mais

Quebras de Produção Intensificam-se

Quebras de Produção Intensificam-se Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas ANEOP Associação Nacional dos Empreiteiros

Leia mais

ARTIGOS GPEARI-MFAP. Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000 2001. Clara Synek * Resumo

ARTIGOS GPEARI-MFAP. Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000 2001. Clara Synek * Resumo ARTIGOS GPEARI-MFAP Abril, ART/ Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e Clara Synek * Resumo O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso

Leia mais

Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo

Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo Atividade Turística Julho de 20 15 de setembro de 20 Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo A hotelaria registou 5,8 milhões de dormidas em julho de 20, valor correspondente a

Leia mais

Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos

Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos Atividade Turística Junho 2013 14 de agosto de 2013 Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos A hotelaria registou 4,4 milhões de dormidas em junho de 2013, mais 8,6% do que em junho de 2012. Para

Leia mais

Crise da construção acentua-se, embora com quebras menos pronunciadas

Crise da construção acentua-se, embora com quebras menos pronunciadas Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 70 Julho

Leia mais

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA 1. Indicadores e Variáveis das Empresas A indústria metalomecânica engloba os sectores de fabricação de produtos metálicos, excepto máquinas e equipamento (CAE )

Leia mais

EMAF. AEP / Gabinete de Estudos

EMAF. AEP / Gabinete de Estudos EMAF AEP / Gabinete de Estudos Janeiro de 2008 1. Variáveis e Indicadores das Empresas 1 A fabricação de máquinas-ferramentas (CAE 294) reunia, em 2004, 126 empresas e 2176 trabalhadores, empregando, cada

Leia mais

Contas Económicas da Silvicultura 1990 2001

Contas Económicas da Silvicultura 1990 2001 Informação à Comunicação Social 27 de Dezembro de 22 Contas Económicas da Silvicultura 199 21 O Valor Acrescentado Bruto da Silvicultura decresceu,4% em termos reais, mas aumentou 35% em valor entre 199

Leia mais

ALIMENTAÇÃO AEP / GABINETE DE ESTUDOS

ALIMENTAÇÃO AEP / GABINETE DE ESTUDOS ALIMENTAÇÃO AEP / GABINETE DE ESTUDOS JUNHO DE 2003 Índice 1. Panorama... 3 1.1. Indústrias alimentares e de bebidas... 3 1.1.2. Alimentos compostos para animais... 9 1.1.3. Vinhos... 10 2. Panorama da

Leia mais

movimentos aéreos movimentos marítimos dormidas estada média taxas de ocupação proveitos médios/dormida receitas do turismo

movimentos aéreos movimentos marítimos dormidas estada média taxas de ocupação proveitos médios/dormida receitas do turismo movimentos aéreos movimentos marítimos dormidas estada média taxas de ocupação proveitos médios/dormida receitas do turismo Em Fevereiro de, o número de passageiros desembarcados de voos internacionais

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros como, por exemplo, do investimento em infra-estruturas de grande envergadura, do papel da RAEM como plataforma de serviços entre o Interior da China e os países de língua portuguesa, assim como da estratégia

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL. Exportações ganham importância para indústria brasileira. Comércio Exterior. Opinião CNI

SONDAGEM ESPECIAL. Exportações ganham importância para indústria brasileira. Comércio Exterior. Opinião CNI Indicadores CNI SONDAGEM ESPECIAL 64 Comércio Exterior Exportações ganham importância para indústria brasileira A queda na demanda doméstica e a desvalorização da moeda estão estimulando o aumento das

Leia mais

ROCHAS ORNAMENTAIS AEP / DEPARTAMENTO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO

ROCHAS ORNAMENTAIS AEP / DEPARTAMENTO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO ROCHAS ORNAMENTAIS AEP / DEPARTAMENTO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO MARÇO DE 2003 Índice Panorama Nacional... 3 Panorama Comunitário... 10 Anexo Estatístico... 12 2 Panorama Nacional O sector das rochas

Leia mais

EXPOZOO 2012 AEP / GABINETE DE INFORMAÇÃO ECONÓMICA

EXPOZOO 2012 AEP / GABINETE DE INFORMAÇÃO ECONÓMICA EXPOZOO 2012 AEP / GABINETE DE INFORMAÇÃO ECONÓMICA JULHO DE 2012 1 Índice 1. Introdução... 3 2. O setor Pet Care e Pet Food... 3 2.1. Situação a nível inter... 3 2.2. Situação em Portugal... 5 3. Comércio

Leia mais

ACTIVIDADE TURÍSTICA Janeiro a Outubro de 2001

ACTIVIDADE TURÍSTICA Janeiro a Outubro de 2001 Informação à Comunicação Social 25 de Janeiro de 2002 ACTIVIDADE TURÍSTICA Janeiro a Outubro de 2001 O INE apresenta os principais resultados preliminares relativos à Oferta Turística em 31 de Julho de

Leia mais

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2015

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2015 Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de abril de 2015 09 de junho de 2015 Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2015 De acordo com as intenções manifestadas pelas empresas

Leia mais

O COMBATE À POBREZA E ÀS DESIGUALDADES É UM DESAFIO IMEDIATO PARA PORTUGAL

O COMBATE À POBREZA E ÀS DESIGUALDADES É UM DESAFIO IMEDIATO PARA PORTUGAL O COMBATE À POBREZA E ÀS DESIGUALDADES É UM DESAFIO IMEDIATO PARA PORTUGAL I. ENQUADRAMENTO A pobreza e a desigualdade na distribuição de rendimentos são problemas que persistem na sociedade portuguesa,

Leia mais

!"# $% A pressão para o Estado mínimo e direitos mínimos estão a marcar, na Europa e em Portugal, os caminhos sobre o futuro do modelo social.

!# $% A pressão para o Estado mínimo e direitos mínimos estão a marcar, na Europa e em Portugal, os caminhos sobre o futuro do modelo social. Grupo Parlamentar!"# $% O sistema público de segurança social, universal e solidário, está a ser fortemente questionado, pelas condições da intensa globalização neoliberal, das transformações operadas

Leia mais

2.2 Ambiente Macroeconômico

2.2 Ambiente Macroeconômico Por que Ambiente Macroeconômico? Fundamentos macroeconômicos sólidos reduzem incertezas sobre o futuro e geram confiança para o investidor. A estabilidade de preços é uma condição importante para processos

Leia mais

ondagem Industrial Edição Especial Falta Trabalhador FALTA DE TRABALHADOR QUALIFICADO NA INDÚSTRIA

ondagem Industrial Edição Especial Falta Trabalhador FALTA DE TRABALHADOR QUALIFICADO NA INDÚSTRIA Edição Especial Falta Trabalhador ondagem O termômetro da indústria tocantinense Palmas, Tocantins abril de 2014 FALTA DE TRABALHADOR QUALIFICADO NA INDÚSTRIA Análise Econômica A conjuntura econômica recente

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de outubro de 2013

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de outubro de 2013 Nota de Informação Estatística Lisboa, 1 de outubro de 13 Novas estatísticas das não financeiras da Central de Balanços O Banco de Portugal passa a divulgar no Boletim Estatístico (secção A.19 e Capítulo

Leia mais

Gestão de resíduos no ArrábidaShopping

Gestão de resíduos no ArrábidaShopping Gestão de resíduos no ArrábidaShopping 1 Gestão de resíduos no ArrábidaShopping Entre 2009 e 2011, a taxa de reciclagem de resíduos no Centro Comercial ArrábidaShopping subiu de 59% para 63%. Apesar desta

Leia mais

HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho 2007 1 O sector do turismo assume um papel relevante na economia portuguesa, confirmado pelo peso que representa no PIB e no emprego, em

Leia mais

ACTIVIDADE TURÍSTICA 1999

ACTIVIDADE TURÍSTICA 1999 Informação à Comunicação Social 26 de Junho de 2000 ACTIVIDADE TURÍSTICA 1999 Em 31 de Julho de 1999, o número total de estabelecimentos na hotelaria tradicional recenseada (Hotéis, Hotéis-Apartamentos,

Leia mais

CORPORATE GOVERNANCE NO ESPAÇO LUSÓFONO. Normas, práticas e sustentabilidade no contexto global

CORPORATE GOVERNANCE NO ESPAÇO LUSÓFONO. Normas, práticas e sustentabilidade no contexto global CORPORATE GOVERNANCE NO ESPAÇO LUSÓFONO Normas, práticas e sustentabilidade no contexto global AGENDA Corporate governance no mundo A influência dos sistemas legais Sustentabilidade e corporate governance

Leia mais

Mercados. informação de negócios. Brasil Oportunidades e Dificuldades do Mercado

Mercados. informação de negócios. Brasil Oportunidades e Dificuldades do Mercado Mercados informação de negócios Brasil Oportunidades e Dificuldades do Mercado Novembro 2014 Brasil Oportunidades e Dificuldades do Mercado (novembro 2014) Índice 1. Oportunidades 3 1.1. Comércio 3 1.1.1

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Presidente António dos Reis Duarte

FICHA TÉCNICA. Presidente António dos Reis Duarte FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Divisão de Estatísticas do Turismo Av. Cidade

Leia mais

Acidentes de origem eléctrica em Portugal

Acidentes de origem eléctrica em Portugal 0. Introdução Este relatório é o resultado do registo dos acidentes e incidentes de origem eléctrica que foram noticiados pela imprensa nos serviços online a nível nacional no ano de 2011, à imagem dos

Leia mais

HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2006 A actividade da hotelaria insere-se na CAE 55 Alojamento e Restauração, que, por sua vez, integra o sector do turismo, um dos sectores

Leia mais

Dormidas de não residentes continuam a aumentar

Dormidas de não residentes continuam a aumentar Actividade Turística Novembro de 2010 10 de Janeiro de 2011 Dormidas de não residentes continuam a aumentar No mês de Novembro de 2010 a hotelaria registou cerca de dois milhões de dormidas, valor muito

Leia mais

AS EMPRESAS GAZELA E AS EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO

AS EMPRESAS GAZELA E AS EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO AS EMPRESAS GAZELA E AS EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO (2006 2009) Maio 2011 1 OBJECTIVOS Identificar as empresas gazela e as empresas de crescimento elevado (ECE) do tecido empresarial português. Caracterizar

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SINES DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SINES DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 1 INDICADOR: População residente e taxa de variação, 1991 e 2001 População Variação 1991 2001 Portugal 9867147 10356117 5,0 Alentejo 782331 776585-0,7 Alentejo Litoral

Leia mais

Estudos. População e Demografia

Estudos. População e Demografia População e Demografia Prof. Dr. Rudinei Toneto Jr. Guilherme Byrro Lopes Rafael Lima O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), desde 1991, divulga anualmente uma base com a população dos

Leia mais

Como foi possível chegar a este ponto?

Como foi possível chegar a este ponto? Como foi possível chegar a este ponto? Como se explica que Portugal tenha que recorrer a um resgate financeiro, quando é membro de uma importante união económica e monetária? Terá sido um erro a adopção

Leia mais

2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267)

2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) 2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) 2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) a) Universo, Dimensão e Emprego Empresarial do Trabalho da Pedra O trabalho da pedra tinha 2.001 empresas em 2004,

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS 1 Trimestre RESULTADOS OBTIDOS Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) PGA PB TOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL

Leia mais

Dificuldades no início de 2009 Comportamentos diferentes nas diversas áreas de actividade Bosch continua a ter uma base financeira muito sólida

Dificuldades no início de 2009 Comportamentos diferentes nas diversas áreas de actividade Bosch continua a ter uma base financeira muito sólida Press Release Recessão mundial arrasta vendas e resultados Fehrenbach: Seguimos com determinação a nossa estratégia institucional Dez mil milhões de euros investidos no futuro 23 Abril 2009 PI 6234 RB

Leia mais

Projeto de reflexão, investigação e debate: O papel das empresas na comunidade

Projeto de reflexão, investigação e debate: O papel das empresas na comunidade Projeto de reflexão, investigação e debate: O papel das empresas na comunidade Edição 2012 1 ÍNDICE 1. A METODOLOGIA UTILIZADA 3 2. SUMÁRIO EXECUTIVO 4 3. RESULTADOS FINANCEIROS 5 4. PRINCIPAIS CONCLUSÕES

Leia mais

Subsistema de Incentivos para o Fomento da base económica de exportação

Subsistema de Incentivos para o Fomento da base económica de exportação Dezembro de 2015 Proposta de prestação de serviços Candidatura ao Subsistema de Incentivos para o Fomento da base económica de exportação Construção de Hotel 4 ou 5 Estrelas S. Vicente A/C: A. Machado,

Leia mais

ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2008

ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2008 A?. dod- e PROPOSTA DE ALTERAÇÃO A PROPOSTA DE LEI N" 1621X ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2008 Exposição de Motivos Tem sido subestimado entre nós o contributo da política fiscal para a elevação do PIB potencial.

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto percapita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 80 % da média da União Europeia em 2010.

Em Portugal o Produto Interno Bruto percapita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 80 % da média da União Europeia em 2010. Paridades de Poder de Compra 2010 13 de dezembro de 2011 Em Portugal o Produto Interno Bruto percapita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 80 % da média da União Europeia em 2010. O INE

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

Bélgica-Bruxelas: Programa de informação e empresarial da UE em Hong Kong e Macau 2014/S 032-050737. Anúncio de concurso. Serviços

Bélgica-Bruxelas: Programa de informação e empresarial da UE em Hong Kong e Macau 2014/S 032-050737. Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:50737-2014:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Programa de informação e empresarial da UE em Hong Kong e Macau 2014/S 032-050737

Leia mais

II.12.1 - Estabelecimentos de Instituições Bancárias e Seguradoras e respectivo Pessoal ao Serviço, em 2000

II.12.1 - Estabelecimentos de Instituições Bancárias e Seguradoras e respectivo Pessoal ao Serviço, em 2000 II.2. - Estabelecimentos de Instituições Bancárias e Seguradoras e respectivo Pessoal ao Serviço, em 2000 Bancos e Caixas Económicas Estabelecimentos Caixas de Crédito Agrícola Mútuo Bancos, Caixas Económicas

Leia mais

EXPOCOSMÉTICA. AEP / Gabinete de Estudos

EXPOCOSMÉTICA. AEP / Gabinete de Estudos EXPOCOSMÉTICA AEP / Gabinete de Estudos Março de 2008 Índice I - Indicadores referentes à oferta... 3 1. 1 Variáveis das Empresas... 3 1.2 Comércio Externo... 3 II - Indicadores referentes à procura...

Leia mais

Inquérito de Conjuntura ao Sector Industrial Exportador 1º Trimestre de 2008

Inquérito de Conjuntura ao Sector Industrial Exportador 1º Trimestre de 2008 Inquérito de Conjuntura ao Sector Industrial Exportador 1º Trimestre de 2008 De acordo com os resultados do Inquérito de Conjuntura ao Sector Industrial Exportador (I.C.S.I.E.) no 1º trimestre de 2008,

Leia mais

Mercados emergentes precisam fazer mais para continuar a ser os motores do crescimento global

Mercados emergentes precisam fazer mais para continuar a ser os motores do crescimento global Mercados emergentes precisam fazer mais para continuar a ser os motores do crescimento global de janeiro de 1 Por Min Zhu Em nossa Reunião Anual de outubro de 13, travamos um longo debate sobre as perspectivas

Leia mais

RESULTADOS GLOBAIS PRELIMINARES Milhões de Euros

RESULTADOS GLOBAIS PRELIMINARES Milhões de Euros 00 99 DDEE FF EEVVEERREEI IIRROO DDEE 22000099 Estatísticas do Comércio Internacional Novembro de 2008 Comércio Internacional I Saídas diminuem 5,9 e Entradas 1,5 No trimestre terminado em Novembro de

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 1/VIII AUMENTO DO SALÁRIO MÍNIMO NACIONAL

PROJECTO DE LEI N.º 1/VIII AUMENTO DO SALÁRIO MÍNIMO NACIONAL PROJECTO DE LEI N.º 1/VIII AUMENTO DO SALÁRIO MÍNIMO NACIONAL Portugal continua a ser o País da União Europeia com mais baixos salários, onde se têm acentuado as desigualdades salariais e sociais e onde

Leia mais

Cluster Habitat Sustentável

Cluster Habitat Sustentável Workshop Territórios e Cidades Sustentáveis Coimbra, 28.01.2015 Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável 1 Cluster Habitat

Leia mais

Para onde foi a Economia Portuguesa? A Crise através dos Números

Para onde foi a Economia Portuguesa? A Crise através dos Números Para onde foi a Economia Portuguesa? A Crise através dos Números Pedro Nogueira Ramos GEMF e Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011 Taxa de Analfabetismo (nos

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

Atenção primária à saúde em Portugal experiências e desafios

Atenção primária à saúde em Portugal experiências e desafios Atenção primária à saúde em Portugal experiências e desafios Patrícia Barbosa Investigadora Escola nacional de Saúde Pública, Universidade Nova de Lisboa; Colaboradora do Observatório Português dos Sistemas

Leia mais

ABIH-RJ FECOMÉRCIO- RJ

ABIH-RJ FECOMÉRCIO- RJ 2014 ABIH-RJ FECOMÉRCIO- RJ ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Pesquisa mensal da ABIH-RJ que visa acompanhar a taxa de ocupação nas unidades de hospedagem da

Leia mais

SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS

SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS MARÇO DE 2009 1 MERCADO AUTOMÓVEL 1. Vendas de ligeiros de passageiros novos na Europa Tendo como fonte o Comunicado de 16 de Janeiro de 2009 divulgado pela ACAP,

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer pelo conjunto

Leia mais

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos HOTELARIA 2008 AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. INFORMAÇÃO SOBRE AS EMPRESAS Segundo os dados das Empresas em Portugal 2005, do INE, em 2005 o sector do Alojamento e Restauração compreendia

Leia mais

Projeto Euroace Invest

Projeto Euroace Invest Consejería de Economía, Competitividad e Innovación Registro. SV:3/3/15 Elaboração de estudos e análises de dados socioeconómicos da Eurorregião, incluindo o desenvolvimento de uma estratégia de especialização

Leia mais

Venezuela. Dossier de Mercado. Maio 2008

Venezuela. Dossier de Mercado. Maio 2008 Venezuela Dossier de Mercado Maio 2008 Venezuela Dossier de Mercado (Maio 2008) Índice 1. O País...3 1.1 Venezuela em Ficha...3 1.2 Organização Política e Administrativa...4 1.3 Situação Económica...5

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR GLOBAL BRASIL: janeiro-dezembro 2015

COMÉRCIO EXTERIOR GLOBAL BRASIL: janeiro-dezembro 2015 Secretaria-Geral ALADI/SEC/di 2668 12 de janeiro de 2016 COMÉRCIO EXTERIOR GLOBAL BRASIL: janeiro-dezembro 2015 Os fluxos globais do comércio exterior brasileiro contraíram-se significativamente em 2015

Leia mais

O Brasil e os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

O Brasil e os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio O Brasil e os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio O Brasil avançou muito em relação ao cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e pavimentou o caminho para cumprir as metas até 2015.

Leia mais

Mercado de trabalho e Situação Financeira das Empresas em degradação acentuada

Mercado de trabalho e Situação Financeira das Empresas em degradação acentuada FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

Ocean Business Week. Cláudia Teixeira de Almeida - BPI. 3de Junho de 2016

Ocean Business Week. Cláudia Teixeira de Almeida - BPI. 3de Junho de 2016 Ocean Business Week Cláudia Teixeira de Almeida - BPI 3de Junho de 2016 PORTUGAL SUBSECTOR MAR, BANCO DE PORTUGAL SÍNTESE DESTAQUES Diversidade de conceitos sobre sectores a incluir Peso no PIB (2013):

Leia mais

Características do professor brasileiro do ensino fundamental: diferenças entre o setor público e o privado

Características do professor brasileiro do ensino fundamental: diferenças entre o setor público e o privado Características do professor brasileiro do ensino fundamental: diferenças entre o setor público e o privado Luiz Guilherme Dácar da Silva Scorzafave RESUMO - Esse artigo realiza uma análise descritiva

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 95/VIII COMBATE À INSEGURANÇA E VIOLÊNCIA EM MEIO ESCOLAR

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 95/VIII COMBATE À INSEGURANÇA E VIOLÊNCIA EM MEIO ESCOLAR PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 95/VIII COMBATE À INSEGURANÇA E VIOLÊNCIA EM MEIO ESCOLAR A preocupação com o aumento e as características dos múltiplos episódios de violência vividos na e pela comunidade escolar

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

Administração de recursos de terceiros no Brasil e no mundo: evolução e perspectivas

Administração de recursos de terceiros no Brasil e no mundo: evolução e perspectivas Robert John van Dijk Diretor Superintendente Administração de recursos de terceiros no Brasil e no mundo: evolução e perspectivas Agosto de 2008 Agenda - Administração de recursos de terceiros: no Brasil

Leia mais

Contributos para o Conhecimento no Contexto Internacional do Sector OPMNM - Outros Produtos Minerais Não Metálicos

Contributos para o Conhecimento no Contexto Internacional do Sector OPMNM - Outros Produtos Minerais Não Metálicos Conttrri ibuttos parra o Conhecimentto no Conttextto Intterrnaci I ionall do Secttorr OPMNM -- Outtrros Prroduttos Miinerraiis Não Mettálliicos - Viddrroo ee Arrt tiggooss ddee Viddrroo - Prroodduut tooss

Leia mais

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 2012 ABIH-RJ FECOMÉRCIO-RJ ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Pesquisa mensal da ABIH-RJ que visa acompanhar a taxa de ocupação nas unidades de hospedagem da

Leia mais

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Janeiro Dezembro 2013 1. Análise global Setor Elétrico e Eletrónico Confirma-se uma tendência decrescente na evolução do comércio externo

Leia mais

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro.

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro. Julho 2012 Jun-02 Jun-03 Jun-04 Jun-05 Jun-06 Jun-07 Jun-08 Jun-09 Jun-10 Jun-11 Jun-12 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia

Leia mais

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 1 Portugal 2020, o Acordo de Parceria (AP) que Portugal irá submeter à Comissão Europeia estrutura as intervenções, os investimentos e as prioridades de financiamento

Leia mais

DOCUMENTO SÍNTESE UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA

DOCUMENTO SÍNTESE UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA IE13255 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA P. O. Box 3243, Addis Ababa, ETHIOPIA Tel.: (251-11) 5182402 Fax: (251-11) 5182400 Website: www.au.int CONFERÊNCIA DA CUA/AFCAC/AFRAA DE TRANSPORTES

Leia mais

A Fileira de Madeira em Portugal 2006. Caracterização estatística do Sector Madeira e Mobiliário

A Fileira de Madeira em Portugal 2006. Caracterização estatística do Sector Madeira e Mobiliário A Fileira de Madeira em Portugal 2006 Caracterização estatística do Sector Madeira e Mobiliário A economia portuguesa 2002 2003 2004 2005 2006 estimativa 2007 previsão Produto Interno Bruto 0,8-1,2 1,2

Leia mais

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações).

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações). Estatísticas do Comércio Internacional 214 7 de julho de 215 Resultados preliminares do Comércio Internacional em 214: em termos nominais, as exportações aumentaram 1,8% e as importações aumentaram 3,2%

Leia mais

Unidade Funcional de Estudos e Planeamento de Recursos Humanos

Unidade Funcional de Estudos e Planeamento de Recursos Humanos Unidade Funcional de Estudos e Planeamento de Recursos Humanos 1 UNIDADE FUNCIONAL DE ESTUDOS E PLANEAMENTO DE RECURSOS HUMANOS ACIDENTES DE TRABALHO ANO 2007 COORDENAÇÃO: Dr. José Carlos Amaral Coordenador

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013 I. Introdução O ano de 2013 foi um ano marcado por grandes investimentos na Comunidade Terapêutica, por forma a criar condições estruturais que possibilitem a formação e integração

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 Principais resultados da PNAD 2013 potencialmente relacionados às ações e programas do MDS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO E GESTÃO

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

INSTITUTOS NACIONAIS DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INCT 2º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETO Formulário para Consultor Ad hoc

INSTITUTOS NACIONAIS DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INCT 2º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETO Formulário para Consultor Ad hoc INSTITUTOS NACIONAIS DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INCT 2º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETO Formulário para Consultor Ad hoc PARTE I - IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO (CNPq) TÍTULO: INCT de Engenharia

Leia mais

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2005 A actividade da hotelaria insere-se na CAE 55 Alojamento e Restauração, que, por sua vez, integra o sector do turismo, um dos sectores

Leia mais

SAÚDE AEP / GABINETE DE ESTUDOS

SAÚDE AEP / GABINETE DE ESTUDOS SAÚDE AEP / GABINETE DE ESTUDOS ABRIL DE 2003 Sector da Saúde O sector da saúde reveste-se, actualmente, de uma elevada importância económica representa nos países da OCDE, em média, 9 por cento do PIB

Leia mais

Portugal. Principais Indicadores Económicos

Portugal. Principais Indicadores Económicos Portugal Principais Indicadores Económicos janeiro de 2016 Índice 1 - Indicadores Macroeconómicos 2 - Previsões Macroeconómicas 3 - Valor Acrescentado Bruto 4 - Estatísticas de Emprego 5 - Indicadores

Leia mais

Impactos da redução dos investimentos do setor de óleo e gás no PIB

Impactos da redução dos investimentos do setor de óleo e gás no PIB Impactos da redução dos investimentos do setor de óleo e gás no PIB 21 Outubro 2015 1. Apresentação Diversos fatores têm impactado o crescimento econômico do Brasil desde 2014. A mudança nos preços das

Leia mais

Projeto 10Envolver. Nota Técnica

Projeto 10Envolver. Nota Técnica Nota Técnica Referência: Análise dos dados do componente Educação do Índice de Desenvolvimento Humano dos municípios de 2013 (Atlas do Desenvolvimento Humano 2013, PNUD, IPEA, FJP) para os municípios incluídos

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Análise de Conjuntura Novembro 2006 Associação Industrial Portuguesa Confederação Empresarial Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico de Outubro de 2006 apresenta uma melhoria

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE DEZEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE DEZEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento DEZEMBRO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão

Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão IP/07/721 Bruxelas, 30 de Maio de 2007 Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão A política de coesão teve um efeito comprovado

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE JULHO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE JULHO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento JULHO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de 2006,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS INFORMAÇÃO Nº 46 EVOLUÇÃO DO MERCADO DOS COMBUSTÍVEIS RODOVIÁRIOS 1º TRIMESTRE DE 2016 - COTAÇÕES E PREÇOS GASOLINA 95, GASÓLEO RODOVIÁRIO E GPL AUTO INTRODUÇÃO

Leia mais

INFORME ETENE. INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO NORDESTE 2ª Edição 1. INTRODUÇÃO

INFORME ETENE. INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO NORDESTE 2ª Edição 1. INTRODUÇÃO Ano V Maio de 2011 Nº 8 INFORME ETENE Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste - ETENE Ambiente de Estudos, Pesquisas e Avaliação-AEPA Célula de Estudos e Pesquisas Macroeconômicas, Industriais

Leia mais

As PME. No comércio internacional português

As PME. No comércio internacional português As PME No comércio internacional português Novembro de 2008 1 Índice Nota Introdutória... 2 Caracterização geral das exportações nacionais... 3 Os grandes números... 3 Os principais mercados das empresas

Leia mais

REUNIÃO DO CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS. do dia 17 de Junho de 2011

REUNIÃO DO CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS. do dia 17 de Junho de 2011 REUNIÃO DO CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS do dia 17 de Junho de 2011 O Conselho Nacional de Supervisores Financeiros (CNSF) reuniu no dia 17 de Junho de 2011, sob a presidência do Governador

Leia mais

A Atividade das Empresas Agrícolas em Portugal 2004-2010

A Atividade das Empresas Agrícolas em Portugal 2004-2010 26 de setembro de 2012 A Atividade das Empresas Agrícolas em Portugal 2004-2010 Empresas agrícolas: o futuro da agricultura portuguesa? As 43 972 empresas da atividade agrícola (divisão 01 da CAE Rev.3)

Leia mais