A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS"

Transcrição

1 DADOS ESTATÍSTICOS A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas I. DADOS NACIONAIS 1. POPULAÇÃO 1.1 População Residente por Sexo e Grupo Etário: Censos População Residente - Estimativas 1 2. CONTAS NACIONAIS 2.1 PIB - Óptica da Despesa Produção - Valor Acrescentado Bruto Consumo das Famílias no Território Económico, por Função de Consumo Consumo Público Formação Bruta de Capital Formação Bruta de Capital Fixo por Produto e Sectores Institucionais Repartição do Rendimento Nacional Rendimento Disponível dos Particulares Rendimento Disponível das Sociedades Capacidade(+) ou Necessidade(-) de Financiamento, por Sectores Institucionais MERCADO DE TRABALHO 3.1 População, Emprego e Desemprego Taxas de Emprego e Desemprego Emprego por Sectores de Actividade, percentagem do total População em Idade Activa, segundo o Nível de Instrução, por Grupo Etário Salários PREÇOS 4.1 Preços COMÉRCIO EXTERNO 5.1 Importações - Principais Parceiros Comerciais Exportações - Principais Parceiros Comerciais Importações - Principais Produtos Exportações - Principais Produtos Comércio Internacional - Indicadores diversos Comércio Intra-Industrial Turismo Indicador de Competitividade-Custo* BALANÇA DE PAGAMENTOS 6.1 Balança de Pagamentos - Principais Componentes Balança de Pagamentos - Principais Componentes Investimento Directo - Por Zona Económica Investimento de Carteira - Por Zona Económica Posição do Investimento Directo e do Investimento de Carteira Fluxos financeiros com a União Europeia 28 MFAP GPEARI Unidade de Política Económica

2 7. FINANÇAS PÚBLICAS 7.1 Agregados das Administrações Públicas (Contabilidade Nacional) Défice e Variação da Dívida das Administrações Públicas (Contabilidade Nacional)* Contas das Administrações Públicas (Contabilidade Nacional)(milhões de euros) Contas das Administrações Públicas (Contabilidade Nacional)(em % do PIB) Contas das Administrações Públicas (Contabilidade Nacional)(variação em %) Contas das Administrações Públicas por Subsector (Contabilidade Nacional)(milhões de euros) Contas das Administrações Públicas por Sector (Contabilidade Nacional)(em % do PIB) Contas das Administrações Públicas por Sector (Contabilidade Nacional)(variação em %) Despesa das Administrações Públicas e da Administração Central por Função (Contabilidade Nacional) Despesa das Administrações Públicas e da Administração Central por Função Execução Orçamental do Estado (Contabilidade Pública) Dívida Directa do Estado Despesa em Benefícios Fiscais Conta da Segurança Social Financiamento das Administrações Públicas Financiamento das Administrações Públicas por Sector* ** Aplicação das Receitas de Privatizações Principais Privatizações* CONDIÇÕES MONETÁRIAS E FINANCEIRAS 8.1 Taxas de Juro, Índices Bolsistas e Taxas de Câmbio Situação financeira dos particulares e sociedades não financeiras 51 II. COMPARAÇÕES INTERNACIONAIS A. CONVERGÊNCIA REAL A.1 PIB per capita em Paridades de Poder de Compra (UE-27 = 100) 52 A.2 Produtividade do trabalho (PIB per capita em Paridades de Poder de Compra por trabalhador) (UE 27=100) 53 B. QUALIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DA POPULAÇÃO B.1 Qualificação e Formação 54 C. INDICADORES DE COMPETITIVIDADE C.1 Índice Global de Crescimento da Competitividade 55 Cont. de C.1 e C.2 Índice de Utilização de Tecnologias de Informação e Comunicação 56 D. FINANÇAS PÚBLICAS D.1 Saldo Orçamental das Administrações Públicas (PDE) 57 D.2 Saldo Primário 58 D.3 Dívida Pública das Administrações Públicas 59 D.4 Formação Bruta de Capital Fixo 60 D.5 Juros (PDE) 61 D.6 Carga Fiscal da Economia 62 D.7 Despesa Corrente Primária 63 MFAP GPEARI Unidade de Política Económica

3 MFAP GPEARI Unidade de Política Económica A Economia Portuguesa Dados Estatísticos

4 1. POPULAÇÃO 1.1 População Residente por Sexo e Grupo Etário: Censos A Economia Portuguesa Dados Estatísticos 1950* * Milhares Percentagem 0-14 anos 2.488, , , , , ,6 29,5 29,2 28,5 25,5 20,0 16,0 Homens 1.266, , , , ,6 847,6 15,0 14,8 14,5 13,0 10,2 8,2 Mulheres 1.221, , , ,9 963,8 809,0 14,5 14,3 14,0 12,5 9,8 7, anos 1.572, , , , , ,6 18,6 16,3 15,8 16,6 16,3 14,3 Homens 784,5 702,8 653,4 819,5 814,9 751,5 9,3 7,9 7,6 8,3 8,3 7,3 Mulheres 788,2 749,7 705,5 808,6 795,9 728,1 9,3 8,4 8,2 8,2 8,1 7, anos 3.791, , , , , ,4 44,9 46,5 46,1 46,5 50,1 53,4 Homens 1.777, , , , , ,9 21,1 22,0 21,6 22,2 24,1 26,0 Mulheres 2.013, , , , , ,6 23,9 24,6 24,5 24,3 26,0 27,4 65 e mais anos 589,5 708,6 832, , , ,5 7,0 8,0 9,7 11,4 13,6 16,4 Homens 231,7 280,5 332,5 456,8 557,6 708,2 2,7 3,2 3,9 4,6 5,7 6,8 Mulheres 357,8 428,1 500,2 668,7 785,2 985,3 4,2 4,8 5,8 6,8 8,0 9,5 Total 8.441, , , , , ,1 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Homens 4.060, , , , , ,1 48,1 47,9 47,5 48,2 48,2 48,3 Mulheres 4.381, , , , , ,0 51,9 52,1 52,5 51,8 51,8 51,7 Fonte: INE, "Censos". * População presente. 1. POPULAÇÃO 1.2 População Residente - Estimativas Milhares Total , , , , , , , , , , , , ,7 Homens 4.874, , , , , , , , , , , , ,2 Mulheres 5.235, , , , , , , , , , , , ,5 Taxa de variação, em % Total 0,4 0,4 0,5 0,6 1,0 0,5 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 0,1 Homens 0,4 0,4 0,5 0,7 1,0 0,6 0,7 0,6 0,4 0,3 0,2 0,1 0,1 Mulheres 0,4 0,4 0,4 0,6 0,9 0,4 0,6 0,5 0,3 0,3 0,2 0,1 0,1 Fonte: INE, "Estatísticas intercensitárias" e "Estatísticas demográficas". MFAP GPEARI Unidade de Política Económica 1

5 2. CONTAS NACIONAIS 2.1 PIB - Óptica da Despesa Estrutura 2006 A Economia Portuguesa Dados Estatísticos 1995R 1996R 1997R 1998R 1999R 2000R 2001R 2002R 2003R 2004R D 2007D 2008P Preços correntes, milhões de euros Consumo privado 65, , , , , , , , , , , , , , ,2 Consumo público 20, , , , , , , , , , , , , , ,1 Formação bruta de capital 23, , , , , , , , , , , , , , ,9 Exportações de bens e serviços 31, , , , , , , , , , , , , , ,2 Importações de bens e serviços 39, , , , , , , , , , , , , , ,7 Produto Interno Bruto 100, , , , , , , , , , , , , , ,7 Taxa de variação em valor, em percentagem Consumo privado : 6,1 6,8 7,5 7,9 7,5 4,8 4,1 2,7 5,3 4,4 4,9 5,6 4,6 Consumo público : 7,3 8,3 9,7 9,0 12,4 8,1 5,7 3,8 5,5 7,5 1,1 1,8 2,9 Formação bruta de capital : 7,1 17,6 16,9 9,8 6,2 3,0-2,9-6,9 6,3 1,4 2,1 4,2 2,7 Exportações de bens e serviços : 6,3 10,7 9,8 4,3 14,6 2,5 2,8 2,1 5,7 1,9 16,5 9,7 2,5 Importações de bens e serviços : 7,6 13,3 13,0 8,2 14,5 1,4-2,1-2,1 9,9 5,3 11,4 6,8 7,5 Produto Interno Bruto : 6,1 8,5 9,0 7,5 7,3 5,6 4,5 2,0 4,1 3,3 4,3 5,3 1,9 Taxa de variação em volume, em percentagem Consumo privado : 3,2 3,7 5,0 5,5 3,8 1,3 1,3-0,2 2,7 1,7 1,8 2,5 1,8 Consumo público : 2,9 2,6 6,2 3,8 4,2 3,8 1,6 0,4 2,4 3,3-0,7 0,5 1,1 Formação bruta de capital : 4,0 13,3 14,1 7,8 1,6 1,2-5,1-7,9 3,7-0,9-0,6 2,0-0,5 Exportações de bens e serviços : 7,2 7,2 8,2 3,8 8,8 1,8 2,8 3,6 4,1 0,2 11,6 7,6-0,3 Importações de bens e serviços : 5,8 10,6 14,6 9,0 5,6 1,0-0,5-0,5 7,6 2,3 7,2 5,5 2,8 Produto Interno Bruto : 3,7 4,4 5,0 4,1 3,9 2,0 0,7-0,9 1,6 0,8 1,4 2,4 0,0 Taxa de variação dos preços, em percentagem Consumo privado : 2,8 3,0 2,4 2,3 3,5 3,5 2,8 3,0 2,5 2,7 3,0 3,0 2,7 Consumo público : 4,2 5,6 3,3 5,0 7,9 4,2 4,0 3,4 3,0 4,0 1,7 1,2 1,8 Formação bruta de capital : 2,9 3,9 2,4 1,9 4,6 1,8 2,3 1,1 2,5 2,4 2,7 2,1 3,3 Exportações de bens e serviços : -0,8 3,2 1,5 0,4 5,4 0,7 0,0-1,4 1,5 1,7 4,4 1,9 2,8 Importações de bens e serviços : 1,7 2,5-1,4-0,8 8,5 0,4-1,6-1,7 2,2 3,0 3,9 1,3 4,6 Produto Interno Bruto : 2,3 3,9 3,8 3,3 3,2 3,6 3,7 3,0 2,5 2,5 2,8 2,8 1,9 Fonte: INE, Contas Nacionais Anuais, SEC 95 base 2006 e Contas Nacionais Trimestrais 3.º trimestre de R - Dados retropolados, resultantes do rebaseamento da base 2000 de acordo com os resultados da base D - Contas Nacionais Definitivas. P - Contas Nacionais Preliminares. MFAP GPEARI Unidade de Política Económica 2

6 2. CONTAS NACIONAIS 2.2 Produção - Valor Acrescentado Bruto A Economia Portuguesa Dados Estatísticos 1995R 1996R 1997R 1998R 1999R 2000R 2001R 2002R 2003R 2004R 2005R 2006D 2007D 2008P 2009P Preços correntes, milhões de euros Agricultura, silvicultura e pesca 4.273, , , , , , , , , , , , , , ,3 Energia, água e saneamento 2.320, , , , , , , , , , , , , , ,8 Indústria , , , , , , , , , , , , , , ,0 Construção 5.415, , , , , , , , , , , , , , ,1 Comércio e reparação de veículos; restaurantes e alojamento , , , , , , , , , , , , , , ,4 Transportes; actividades de informação e comunicação 5.691, , , , , , , , , , , , , , ,1 Act. Fin.e Imobil , , , , , , , , , , , , , , ,3 Outras actividades de serviços , , , , , , , , , , , , , , ,0 VAB Total , , , , , , , , , , , , , , ,0 Em percentagem do total Agricultura, silvicultura e pesca 5,5 5,3 4,5 4,1 3,8 3,6 3,4 3,2 3,1 3,1 2,8 2,7 2,4 2,3 2,3 Energia, água e saneamento 3,0 3,1 2,9 3,0 2,8 2,7 2,6 2,7 3,1 3,1 3,0 3,3 3,4 3,4 3,8 Indústria 18,8 19,5 19,5 18,8 18,5 17,7 17,2 16,7 16,0 15,5 15,1 14,9 14,6 14,0 13,0 Construção 7,0 7,1 7,6 7,9 7,9 8,2 8,4 8,2 7,7 7,7 7,5 7,3 7,3 7,4 6,6 Comércio e reparação de veículos; restaurantes e alojamento 18,9 18,6 18,9 19,1 18,7 18,9 18,9 19,0 18,7 19,0 18,8 18,6 18,4 18,5 18,8 Transportes; actividades de informação e comunicação 7,4 7,4 7,4 7,3 7,5 7,6 7,7 7,8 7,8 7,9 7,9 8,1 8,4 8,6 8,1 Act. Fin.e Imobil. 13,3 12,7 13,1 13,3 13,7 13,5 13,7 13,6 14,2 14,0 14,3 15,1 15,7 16,0 16,0 Outras actividades de serviços 26,1 26,3 26,2 26,5 27,0 27,9 28,1 28,8 29,4 29,7 30,6 30,0 29,8 29,9 31,3 VAB Total 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Taxa de variação em volume, em percentagem Agricultura, silvicultura e pesca : 4,7-9,1-4,1 5,0-4,7-3,5 3,0-2,4 5,7-5,5 2,4-4,6 4,7 0,9 Energia, água e saneamento : 6,9 3,4 7,2 4,5 10,0 3,4 0,9 8,7 3,1-2,1 11,0 1,1 0,4 1,2 Indústria : 9,7 6,4 2,2 1,5 2,4 1,5-0,1-1,2 0,4-1,1 0,9 3,0-3,4-10,7 Construção : 1,5 6,7 5,2 2,4 6,0 2,5-3,7-8,6-0,4-2,9-2,6 2,0-4,0-9,2 Comércio e reparação de veículos; restaurantes e alojamento : 1,3 6,6 5,2 3,7 5,6 1,3-0,2-1,8 2,9 0,7 1,9 1,3 0,9-1,0 Transportes; actividades de informação e comunicação : 1,8 1,9 3,7 8,9 7,8 4,5 3,4 0,9 5,7 1,7 4,8 7,3 3,7-6,3 Act. Fin.e Imobil. : 3,2 7,2 8,0 7,7 1,1 6,2 2,5 3,4 1,3 1,7 5,1 4,8 3,2 2,4 Outras actividades de serviços : 2,0 2,0 3,6 1,7 3,6 1,7 1,6-0,1 1,0 2,5-0,3 2,3 0,8 0,6 VAB Total : 3,4 4,2 4,2 3,5 3,8 2,4 0,8-0,6 1,7 0,6 1,7 2,7 0,5-2,3 Fonte: INE, Contas Nacionais Anuais, SEC 95 base R - Dados retropolados, resultantes do rebaseamento da base 2000 de acordo com os resultados da base 2006; D - Dados das Contas Nacionais Definitivas. MFAP GPEARI Unidade de Política Económica 3

7 2. CONTAS NACIONAIS 2.3 Consumo das Famílias no Território Económico, por Função de Consumo A Economia Portuguesa Dados Estatísticos 2000R 2001R 2002R 2003R 2004R 2005R 2006D 2007D Preços correntes, milhões de euros Alimentação bebidas e tabaco , , , , , , , ,0 Vestuário e calçado 5.175, , , , , , , ,0 Habitação água electricidade e combustíveis , , , , , , , ,0 Mobiliário, equipamento e despesas domésticas 5.751, , , , , , , ,0 Cuidados médicos e despesas de saúde 3.764, , , , , , , ,0 Transportes e comunicações , , , , , , , ,0 Recreio distracções educação e cultura 6.796, , , , , , , ,0 Bens e serviços diversos , , , , , , , ,0 Total , , , , , , , ,2 Em percentagem do total Alimentação bebidas e tabaco 20,2 20,8 20,7 21,0 20,5 19,9 19,9 19,3 Vestuário e calçado 6,3 6,2 6,5 6,3 6,2 6,1 6,0 5,8 Habitação água electricidade e combustíveis 13,0 13,2 13,5 14,1 14,3 14,4 14,3 14,3 Mobiliário, equipamento e despesas domésticas 7,0 6,8 6,9 6,8 6,5 6,5 6,4 6,4 Cuidados médicos e despesas de saúde 4,6 4,6 4,8 5,0 5,0 5,0 5,0 5,3 Transportes e comunicações 19,1 18,6 18,0 17,2 17,6 17,9 17,6 17,4 Recreio distracções educação e cultura 8,3 8,1 7,9 7,6 7,6 7,7 7,5 7,3 Bens e serviços diversos 21,6 21,7 21,7 22,0 22,3 22,5 23,3 24,3 Total 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Taxa de variação, em percentagem Alimentação bebidas e tabaco : 8,1 3,5 4,2 2,7 1,1 5,2 2,3 Vestuário e calçado : 3,7 8,4-0,1 4,0 1,2 3,5 2,7 Habitação água electricidade e combustíveis : 6,4 6,9 7,0 6,4 5,3 3,8 6,0 Mobiliário, equipamento e despesas domésticas : 2,3 5,5 0,2 1,1 3,4 4,3 5,1 Cuidados médicos e despesas de saúde : 5,0 7,9 6,7 7,2 4,0 5,0 10,7 Transportes e comunicações : 2,6 0,5-2,1 7,7 6,2 3,1 4,8 Recreio distracções educação e cultura : 2,4 1,3-1,0 4,6 5,8 3,3 2,3 Bens e serviços diversos : 5,5 4,2 3,6 7,0 5,1 8,5 10,5 Total : 5,0 4,0 2,5 5,4 4,1 5,1 5,8 Fonte: INE, Contas Nacionais Anuais, SEC 95 base R - Dados retropolados, resultantes do rebaseamento da base 2000 de acordo com os resultados da base D - Contas Nacionais Definitivas. MFAP GPEARI Unidade de Política Económica 4

8 2. CONTAS NACIONAIS 2.4 Consumo Público Preços correntes, milhões de euros Remunerações 10957, , , , , , , , , , , , , , ,3 Ordenados e salários 8878,0 9497, , , , , , , , , , , , , ,1 Contribuições sociais 2079,3 2280,1 2468,1 2949,3 2961,8 3497,0 3552,8 4086,8 4579,9 5173,5 5851,4 5815,7 5616,3 5540,3 5790,2 Efectivas 101,8 130,0 109,5 149,5 157,3 221,9 178,3 217,3 300,5 305,5 519,7 382,5 418,8 510,4 860,0 Imputadas 1977,5 2150,1 2358,6 2799,8 2804,5 3275,0 3374,5 3869,4 4279,4 4868,0 5331,7 5433,2 5197,5 5029,9 4930,2 Bens e serviços 4313,2 4603,1 4946,2 5181,5 5627,3 6548,2 7321,9 7502,0 8912,8 9715, , , , , ,5 Consumo intermédio 3651,7 3943,6 4191,8 4389,8 4913,0 5599,1 5927,4 5992,1 5588,5 6043,7 6660,6 6641,4 7047,6 7392,8 7806,4 Consumo de capital fixo 1509,9 1633,5 1790,9 1934,1 2075,6 2283,4 2429,4 2582,2 2658,4 2795,0 2985,9 3146,3 3257,2 3396,2 3349,4 Transferências sociais em espécie 1361,8 1565,8 1709,2 1886,8 2143,4 2282,1 2549,5 2721,1 4380,7 4765,5 5205,3 5907,9 6672,8 7173,3 8337,6 Excedente de exploração -230,2-347,0-333,0-374,9-452,2-277,0-321,7-399,8-390,1-391,0-401,7-412,6-397,1-371,4-543,2 Vendas (-) 1980,0 2192,8 2412,8 2654,2 3052,4 3339,4 3262,8 3393,6 3324,7 3498,3 3683,0 3673,2 3852,3 3929,3 3831,7 Consumo final das administrações públicas 15270, , , , , , , , , , , , , , ,8 Em percentagem do total Remunerações 71,8 71,9 72,1 73,4 73,5 72,5 71,6 72,5 68,5 67,4 66,4 64,2 61,4 59,8 57,8 Ordenados e salários 58,1 58,0 58,2 58,2 59,5 57,8 57,8 57,5 52,3 50,1 48,2 46,3 44,4 43,5 41,6 Contribuições sociais 13,6 13,9 13,9 15,2 14,0 14,7 13,8 15,0 16,2 17,3 18,2 17,9 17,0 16,3 16,2 Efectivas 0,7 0,8 0,6 0,8 0,7 0,9 0,7 0,8 1,1 1,0 1,6 1,2 1,3 1,5 2,4 Imputadas 12,9 13,1 13,3 14,4 13,2 13,7 13,1 14,2 15,1 16,3 16,6 16,8 15,8 14,8 13,8 Bens e serviços 28,2 28,1 27,9 26,6 26,5 27,5 28,4 27,5 31,5 32,6 33,6 35,8 38,6 40,2 42,2 Consumo intermédio 23,9 24,1 23,6 22,6 23,2 23,5 23,0 22,0 19,8 20,3 20,8 20,5 21,4 21,8 21,8 Consumo de capital fixo 9,9 10,0 10,1 9,9 9,8 9,6 9,4 9,5 9,4 9,4 9,3 9,7 9,9 10,0 9,3 Transfererências sociais em espécie 8,9 9,6 9,6 9,7 10,1 9,6 9,9 10,0 15,5 16,0 16,2 18,2 20,2 21,1 23,3 Excedente de exploração -1,5-2,1-1,9-1,9-2,1-1,2-1,2-1,5-1,4-1,3-1,3-1,3-1,2-1,1-1,5 Vendas (-) 13,0 13,4 13,6 13,6 14,4 14,0 12,7 12,5 11,8 11,7 11,5 11,3 11,7 11,6 10,7 Consumo final das administrações públicas 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Fonte: INE, Contas Nacionais Anuais, SEC 95 base MFAP GPEARI Unidade de Política Económica 5

9 2. CONTAS NACIONAIS 2.5 Formação Bruta de Capital A Economia Portuguesa Dados Estatísticos 1995R 1996R 1997R 1998R 1999R 2000R 2001R 2002R 2003R 2004R 2005R 2006D 2007D 2008P 2009P Preços correntes, milhões de euros Animais e plantações 292,3 259,4 291,2 306,9 364,6 309,6 312,5 363,0 346,5 414,8 349,6 328,8 326,8 333,8 334,2 Outras máq. e equipamentos 4398,9 4906, , , , , , , , , , , , , ,8 Equipamento de transporte 1937,6 2211, , , , , , , , , , , , , ,6 Construção 12975, , , , , , , , , , , , , , ,5 Act. fixos incorpóreos 655,6 729,2 829, , , , , , , , , , , , ,8 Formação bruta de capital fixo 20260, , , , , , , , , , , , , , ,9 Aquisição líquida de cessões de objectos de valor 66,8 78,3 78,6 86,8 108,3 131,3 125,2 123,5 102,1 102,9 143,9 148,1 119,3 136,0 112,8 Variação de existências 751, , , ,0 825,9 876,8 81,4-248, ,7 768, ,0 885, ,8 282,0 Formação bruta de capital 21078, , , , , , , , , , , , , , ,7 Em percentagem do total Animais e plantações 1,4 1,1 1,1 1,0 1,1 0,9 0,8 1,0 1,0 1,2 1,0 0,9 0,8 0,8 1,0 Outras máq. e equipamentos 20,9 21,7 21,6 21,9 21,5 22,6 22,3 21,4 21,5 21,5 21,5 21,7 22,5 22,7 23,1 Equipamento de transporte 9,2 9,8 10,9 11,3 11,2 11,3 9,8 9,2 8,9 8,3 8,5 8,9 9,3 8,5 7,6 Construção 61,6 61,6 61,5 58,8 57,8 59,0 60,6 63,3 63,9 61,2 61,5 60,1 59,3 58,1 59,9 Act. fixos incorpóreos 3,1 3,2 3,1 3,3 3,4 3,7 3,8 4,6 5,1 4,9 5,0 5,2 5,5 5,9 7,2 Formação bruta de capital fixo 96,1 97,5 98,2 96,2 94,9 97,4 97,3 99,4 100,4 96,9 97,5 96,8 97,4 96,2 98,8 Aquisição líquida de cessões de objectos de valor 0,3 0,3 0,3 0,3 0,3 0,4 0,3 0,3 0,3 0,3 0,4 0,4 0,3 0,3 0,3 Variação de existências 3,6 2,1 1,5 3,5 4,8 2,3 2,4 0,2-0,7 2,8 2,1 2,8 2,3 3,5 0,9 Formação bruta de capital 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Taxa de variação em volume, em percentagem Animais e plantações : 6,5 18,4-0,1 24,4-17,6-1,7 12,1-7,3 20,8-18,1-7,5-0,5 1,3 0,7 Outras máq. e equipamentos : 21,3 13,6 18,2 9,8 5,7 3,7-5,9-2,0 7,0 3,3 5,4 7,9 6,9-10,1 Equipamento de transporte : 43,0 27,0 21,8 5,0 3,9-14,0-11,2-10,2-1,8 2,4 4,6 8,0-4,3-23,7 Construção : 17,8 12,9 8,8 4,8 3,6 2,3-2,4-8,6-2,0-1,8-4,6-0,4-5,9-11,7 Act. fixos incorpóreos : 14,1 7,0 15,9 9,1 7,6 1,9 12,7 0,6-0,6 0,7 3,4 7,1 8,2-0,8 Formação bruta de capital fixo : 20,3 14,2 11,8 6,0 3,9 0,6-3,2-7,1 0,0-0,5-1,3 2,6-1,8-11,6 Aquisição líquida de cessões de objectos de valor : -6,7-17,0 11,6 36,6 12,0-1,5-6,0-19,1-1,9 29,3-5,3-21,0 7,4-20,9 Variação de existências : -47,8-22,8 163,7 53,4-45,7 25,3-86,1-346,7-506,0-19,7 33,0-15,7 53,0-78,2 Formação bruta de capital : 17,8 13,3 14,1 7,8 1,6 1,2-5,1-7,9 3,7-0,9-0,6 2,0-0,5-14,0 Fonte: INE, Contas Nacionais Anuais, SEC 95 base R - Dados retropolados, resultantes do rebaseamento da base 2000 de acordo com os resultados da base 2006; D - Dados das Contas Nacionais Definitivas. MFAP GPEARI Unidade de Política Económica 6

10 2. CONTAS NACIONAIS 2.6 Formação Bruta de Capital Fixo por Produto e Sectores Institucionais 2002R 2003R 2004R 2005R 2006D 2007D 2008P 2009P 2002R 2003R 2004R 2005R 2006D 2007D 2008P 2009P 2002R 2003R 2004R 2005R 2006D 2007D 2008P 2009P Preços correntes, milhões de euros Famílias e ISFLSF Sociedades Administrações Públicas Activos fixos corpóreos , , , , , ,6 : : , , , , , ,0 : : 4.842, , , , , ,6 : : Animais e plantações 225,0 222,0 278,0 227,0 216,4 205,1 : : 138,0 124,0 137,0 122,0 112,4 121,6 : : 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 : : Outras máquinas e equipamentos 527,0 508,0 490,0 564,0 675,5 713,4 : : 6.379, , , , , ,2 : : 694,0 791,0 936,0 839,0 634,5 667,3 : : Equipamento de transporte 132,0 130,0 131,0 137,0 139,9 179,5 : : 3.037, , , , , ,0 : : 132,0 88,0 149,0 98,0 169,4 63,1 : : Total construção , , , , , ,6 : : 7.409, , , , , ,2 : : 4.016, , , , , ,1 : : Habitação 9.558, , , , , ,1 : : 8,0 15,0 7,0 7,0 7,2 7,0 : : 829,0 537,0 284,0 220,0 197,8 201,1 : : Outras construções 873,0 814,0 669,0 490,0 629,8 503,5 : : 7.401, , , , , ,2 : : 3.187, , , , , ,1 : : Activos fixos incorpóreos 5,0 5,0 6,0 7,0 5,0 6,2 : : 1.556, , , , , ,7 : : 52,0 52,0 52,0 54,0 163,5 173,8 : : Total , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,7 Em percentagem do total Activos fixos corpóreos 100,0 99,9 99,9 99,9 99,9 99,9 : : 91,6 91,2 91,0 91,2 91,5 91,6 : : 98,9 98,9 98,9 98,8 95,8 95,8 : : Animais e plantações 2,0 2,2 2,7 2,2 2,2 2,1 : : 0,7 0,7 0,8 0,6 0,6 0,5 : : 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 : : Outras máquinas e equipamentos 4,7 5,1 4,8 5,4 6,8 7,4 : : 34,4 32,1 33,9 32,1 33,6 31,8 : : 14,2 17,4 19,3 18,3 16,2 16,3 : : Equipamento de transporte 1,2 1,3 1,3 1,3 1,4 1,9 : : 16,4 15,1 14,7 14,6 15,0 15,1 : : 2,7 1,9 3,1 2,1 4,3 1,5 : : Total construção 92,1 91,3 91,1 91,0 89,6 88,6 : : 40,0 43,3 41,7 43,9 42,3 44,2 : : 82,1 79,6 76,6 78,4 75,3 78,0 : : Habitação 84,4 83,1 84,5 86,3 83,3 83,3 : : 0,0 0,1 0,0 0,0 0,0 0,0 : : 16,9 11,8 5,8 4,8 5,1 4,9 : : Outras construções 7,7 8,2 6,6 4,7 6,3 5,2 : : 40,0 43,2 41,7 43,9 42,3 44,1 : : 65,1 67,8 70,7 73,6 70,2 73,1 : : Activos fixos incorpóreos 0,0 0,1 0,1 0,1 0,1 0,1 : : 8,4 8,8 9,0 8,8 8,5 8,4 : : 1,1 1,1 1,1 1,2 4,2 4,2 : : Total 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 : : 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 : : 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 : : Taxa de variação, em percentagem Activos fixos corpóreos 0,7-12,2 2,4 2,3-4,2-3,3 : : -3,6-1,7-1,2 7,6 1,6 12,9 : : -4,2-6,9 6,6-5,5-17,5 4,9 : : Animais e plantações 21,0-1,3 25,2-18,3-4,7-5,2 : : 9,5-10,1 10,5-10,9-7,8 8,2 : : 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 : : Outras máquinas e equipamentos -7,7-3,6-3,5 15,1 19,8 5,6 : : -6,7-7,9 4,4 1,7 6,0 6,8 : : -10,7 14,0 18,3-10,4-24,4 5,2 : : Equipamento de transporte -21,9-1,5 0,8 4,6 2,1 28,3 : : -9,7-9,1-3,7 6,5 4,2 13,5 : : 28,2-33,3 69,3-34,2 72,8-62,7 : : Total construção 1,2-13,0 2,2 2,3-5,7-4,5 : : 1,8 6,8-4,6 13,0-2,4 17,6 : : -3,8-9,7 2,5-3,1-18,3 8,7 : : Habitação 1,5-13,6 4,2 4,5-7,5-3,3 : : 0,0 87,5-53,3 0,0 3,0-3,3 : : -19,7-35,2-47,1-22,5-10,1 1,7 : : Outras construções -2,6-6,8-17,8-26,8 28,5-20,1 : : 1,8 6,8-4,5 13,0-2,4 17,7 : : 1,5-3,0 11,1-1,5-18,9 9,2 : : Activos fixos incorpóreos 0,0 0,0 20,0 16,7-28,6 24,9 : : 17,4 3,7 0,8 5,2-2,6 11,3 : : 2,0 0,0 0,0 3,8 202,8 6,3 : : Total 0,7-12,2 2,4 2,3-4,2-3,3 : : -2,2-1,3-1,0 7,4 1,2 12,8 : : -4,1-6,9 6,5-5,4-14,9 4,9 : : Fonte: INE, Contas Nacionais Anuais, SEC 95 base ISFLSF = Instituições sem fim lucrativo ao serviço das famílias. MFAP GPEARI Unidade de Política Económica 7

11 2. CONTAS NACIONAIS 2.7 Repartição do Rendimento Nacional 1995R 1996R 1997R 1998R 1999R 2000R 2001R 2002R 2003R 2004R 2005R 2006D 2007D 2008P 2009P Preços correntes, milhões de euros Ordenados e salários , , , , , , , , , , , , ,6 : : Administrações Públicas 8.878, , , , , , , , , , , , ,8 : : Outros , , , , , , , , , , , , ,8 : : Contribuições sociais dos empregadores 8.530, , , , , , , , , , , , ,0 : : Efectivas :: Imputadas :: Remunerações dos empregados , , , , , , , , , , , , ,6 : : Excedente de exploração e rendimento misto , , , , , , , , , , , , ,1 : : Impostos sobre a produção e a importação , , , , , , , , , , , , ,7 : : Subsídios sobre a produção e a importação (-) 1.861, , , , , , , , , , , , ,4 : : PIB a preços de mercado , , , , , , , , , , , , , , ,1 Rendimentos do Resto do Mundo (saldo) -1,5-454,6-942, , , , , , , , , , ,6 : : Impostos pagos ao Resto do Mundo (-) 778,5 615,1 691,4 689,1 674,7 709,2 619,4 476,0 440,9 385,7 362,8 408,6 454,4 : : Subsídios recebidos do Resto do Mundo 956, , , , ,8 867, , , , , , , ,9 : : Rendimento Nacional Bruto , , , , , , , , , , , , , , ,8 Transferências Correntes do Resto do mundo (saldo) 2.703, , , , , , , , , ,0 898, , ,8 : : Rendimento Nacional Disponível Bruto , , , , , , , , , , , , , , ,4 Famílias e ISFLSF , , , , , , , , , , , , , , ,2 Administrações Públicas , , , , , , , , , , , , , , ,0 Sociedades , , , , , , , , , , , , , , ,2 Fonte: INE, Contas Nacionais Anuais, SEC 95 base ISFLSF=Instituições sem fim lucrativo ao serviço das famílias. R - Dados retropolados, resultantes do rebaseamento da base 2000 de acordo com os resultados da base D - Contas Nacionais Definitivas. P - Contas Nacionais Preliminares. MFAP GPEARI Unidade de Política Económica 8

12 2. CONTAS NACIONAIS 2.8 Rendimento Disponível dos Particulares 1995R 1996R 1997R 1998R 1999R 2000R 2001R 2002R 2003R 2004R 2005R 2006D 2007D 2008P 2009P Preços correntes, milhões de euros Remunerações , , , , , , , , , , , , , , ,5 Rendimento de propriedade , , , , , , , , , , , , ,6 : : Transferências , , , , , , , , , , , , ,9 : : Impostos correntes sobre o rendimento e património 5.077, , , , , , , , , , , , , , ,2 Contribuições sociais , , , , , , , , , , , , ,8 : : Rendimento Disponível , , , , , , , , , , , , , , ,2 Despesa de Consumo final , , , , , , , , , , , , , , ,9 Ajust. pela var. liq. famílias fundos de pensões 916, , ,5 954,8 729,9 839,7 573,7 443,5 308,8 367, , ,6 568,7 646,5 622,2 Poupança bruta 8.285, , , , , , , , , , , , , , ,5 Taxa de poupança (%) 12,8 11,9 11,0 10,4 10,8 10,7 10,7 10,6 10,8 10,0 10,1 8,1 7,0 7,9 11,0 Taxa de variação, em percentagem Remunerações : 7,3 8,6 9,2 7,2 8,6 5,4 3,9 3,7 3,3 5,0 3,0 4,2 3,7 1,7 Rendimento de propriedade : 1,5 0,7 1,6 10,1 4,9 1,9 2,1 5,6 3,4 4,3-0,2 5,0 : : Transferências : 6,5 8,0 9,6 7,1 10,9 9,3 4,4 3,0 5,1 3,4 9,5 6,4 : : Impostos correntes sobre o rendiemnto e património : 10,3 2,3 4,6 7,3 11,7 6,2 0,1 3,1 0,6 5,0 6,8 9,5-2,7 0,7 Contribuições sociais : 6,1 10,4 9,3 3,9 10,8 5,8 5,6 5,1 1,6 8,8 5,8 2,8 : : Rendimento Disponível : 4,9 5,8 7,1 8,8 7,3 5,2 3,3 4,0 4,4 3,6 2,9 5,0 5,5 0,1 Despesa de Consumo final : 6,1 6,8 7,5 7,9 7,5 4,8 3,2 3,6 5,3 4,4 4,9 5,6 4,6-3,3 Ajust. pela var. liq. famílias fundos de pensões : 9,7 2,3-7,1-23,6 15,0-31,7-22,7-30,4 19,0 255,7-15,7-48,4 13,7-3,8 Poupança bruta : -2,7-1,9 1,2 12,6 6,4 5,0 2,5 5,6-2,8 4,4-17,5-8,7 18,5 39,0 Fonte: INE, Contas Nacionais Anuais, SEC 95 base R - Dados retropolados, resultantes do rebaseamento da base 2000 de acordo com os resultados da base D - Contas Nacionais Definitivas. MFAP GPEARI Unidade de Política Económica 9

13 2. CONTAS NACIONAIS 2.9 Rendimento Disponível das Sociedades A Economia Portuguesa Dados Estatísticos 1995R 1996R 1997R 1998R 1999R 2000R 2001R 2002R 2003R 2004R 2005R 2006D 2007D 2008P 2009P Preços correntes, milhões de euros VABpm , , , , , , , , , , , , , , ,8 Subsídios de exploração 471,7 680,3 690,6 858, ,7 997, ,0 997, ,6 853,7 879,6 867,1 912,0 894,5 991,9 Impostos sobre produção e importação 244,0 268,2 318,9 359,5 386,8 436,9 514,1 821, ,2 520,8 560,4 609,0 682,1 705,4 781,0 Remunerações dos empregados , , , , , , , , , , , , , , ,2 Excedente bruto de exploração , , , , , , , , , , , , , , ,6 Rendimentos de propriedade , , , , , , , , , , , , , , ,4 Transferências correntes, liquídas -336,5-436,9-533,9-560,8-924, , , ,5-980, , , , , , ,7 Impostos correntes sobre rendimento e património 2.163, , , , , , , , , , , , , , ,5 Poupança bruta , , , , , , , , , , , , , , ,0 Transferências de capital, líquidas 136,3 891, , , ,1 299, , ,0-64, ,9-264, , ,3 258, ,1 Investimento , , , , , , , , , , , , , , ,4 Aquisição liquída de activos não financ. não prod. 710,1 745,7 798,6 911, , , , , , , , , , , ,9 Capacidade (+) ou necessidade (-) de financiamento -128,5-78, , , , , , , , , , , , , ,3 em % do PIB -0,1-0,1-1,3-2,7-4,7-7,3-7,0-6,2-4,0-5,7-5,9-6,9-7,2-10,6-4,7 Taxa de variação, em percentagem VABpm : 5,3 11,2 9,0 6,4 7,5 6,2 3,8 2,2 4,9 1,8 6,4 8,4 3,2-1,8 Subsídios de exploração : 44,2 1,5 24,3 24,1-6,4 6,7-6,3 12,0-23,6 3,0-1,4 5,2-1,9 10,9 Impostos sobre produção e importação : 9,9 18,9 12,8 7,6 12,9 17,7 59,7 60,8-60,6 7,6 8,7 12,0 3,4 10,7 Remunerações dos empregados : 7,5 9,1 8,5 5,8 7,6 4,9 4,3 4,8 3,4 5,0 5,1 6,6 4,7 1,7 Excedente bruto de exploração : 2,9 14,0 10,2 8,0 6,7 7,8 1,7-2,9 9,2-3,0 8,2 11,2 0,8-7,3 Rendimentos de propriedade : 1,7 27,6-1,0 27,4 20,7 6,5-9,3 2,2 11,7 18,4 20,6 10,2 18,0-17,4 Transferências correntes, liquídas : 29,8 22,2 5,0 64,9 25,8 34,0 13,5-44,5 24,7-17,0 13,2 42,5 1,1-17,7 Impostos correntes sobre rendimento e património : 23,0 23,2 7,5 22,2 14,3-6,9 6,6-14,5 7,4-3,1 14,0 28,1 14,1-21,4 Poupança bruta : -1,4 6,3 16,4-5,5-4,5 12,1 5,6 3,3 7,4-13,8-3,4 3,2-22,7 19,5 Transferências de capital, líquidas : 554,0 57,2-6,2 19,3-80,9-436,2 33,2-95, ,5-89,8-513,0 41,3-83,2 370,4 Investimento : 4,8 20,7 24,9 12,0 7,1 2,1-4,6-3,6 7,5 2,4 8,8 7,6 3,4-21,8 Aquisição liquída de activos não financ. não prod. : 5,0 7,1 14,2 12,2 45,2-8,7 53,0-26,9 0,8 6,7 66,5 4,3 30,5-46,3 Capacidade (+) ou necessidade (-) de financiamento : : : : : : : : : : : : : : : em % do PIB : : : : : : : : : : : : : : : Fonte: INE, Contas Nacionais Anuais, SEC 95 base R - Dados retropolados, resultantes do rebaseamento da base 2000 de acordo com os resultados da base D - Contas Nacionais Definitivas. P - Contas Nacionais Preliminares. MFAP GPEARI Unidade de Política Económica 10

14 2. CONTAS NACIONAIS 2.10 Capacidade(+) ou Necessidade(-) de Financiamento, por Sectores Institucionais A Economia Portuguesa Dados Estatísticos 1995R 1996R 1997R 1998R 1999R 2000R 2001R 2002R 2003R 2004R 2005R 2006D 2007D 2008P 2009P Preços correntes, milhões de euros Poupança Privada , , , , , , , , , , , , , , ,1 Famílias e ISFLSF 8.285, , , , , , , , , , , , , , ,0 Sociedades , , , , , , , , , , , , , , ,1 Poupança das Administrações Públicas ,3-650,6 673,8 977, ,0 666,0-863,1-525, , , , ,9-767, , ,7 Poupança Interna , , , , , , , , , , , , , , ,4 em % do PIB 20,6% 19,8% 20,1% 20,6% 19,9% 17,8% 17,2% 17,3% 16,9% 15,8% 13,3% 12,4% 12,7% 10,7% 9,4% Poupança Externa 833, , , , , , , , , , , , , , ,3 Poupança Bruta = Investimento , , , , , , , , , , , , , , ,7 Formação Bruta de Capital Fixo , , , , , , , , , , , , , , ,0 Famílias e ISFLSF 6.961, , , , , , , , , , , , , , ,5 Sociedades , , , , , , , , , , , , , , ,8 Administrações Públicas 3.276, , , , , , , , , , , , , , ,7 Variação de existências e aq. liq. objectos de valor 818,2 558,2 483, , ,4 957, ,1 205,0-146, ,8 912, , ,0 n.d. n.d. Famílias e ISFLSF 81,7 83,6 84,5 112,5 140,3 147,9 95,9 98,7 35,7 166,3 212,0 232,2 183,8 n.d. n.d. Sociedades 736,4 474,1 398, , ,3 809,1 906,0 106,2-187,6 937,4 694,5 950,4 811,3 n.d. n.d. Administrações Públicas 0,0 0,5 0,6 0,7 0,8 0,3 0,2 0,2 5,6 7,1 6,1 5,4 9,9 5,7 6,9 Aqui. Liq. de activos não fnanceiros não produzidos Famílias e ISFLSF -738,8-842,1-866, , , , , , , , , , , , ,9 Sociedades 710,1 745,7 798,6 911, , , , , , , , , , , ,4 Administrações Públicas 28,7 96,4 48,1 88,1 43,5-237,9 4,5-642,0 45,8 127,0-50,7 120,5-79, ,5 100,9 Resto do Mundo 0,0-0,1 19,6 13,4-8,7 17,6-16,6 1,9 13,1 38,3 48,5 7,2 159,8 422,4-14,3 Tranferências de capital Famílias e ISFLSF 1.813,8 865, , , , , , , , , ,4 819,5 499, , ,3 Sociedades 1.901, , , , ,6 746, , , , , , , , , ,5 Administrações Públicas 1.090, , , , , , , , , , , , , , ,1 Resto do Mundo 31,0 99,6 134,0 133,9 129,1 147,2 187,6 201,2 171,0 188,9 164,3 173,2 240,7 333,2 258,4 Capacidade (+) ou necessidade (-) de financiamento -833, , , , , , , , , , , , , , ,6 Famílias e ISFLSF 3.712, , ,9 889, , , , , , , , , , , ,9 Sociedades -128,5-78, , , , , , , , , , , , , ,6 Administrações Públicas , , , , , , , , , , , , , , ,9 Total em % do PIB -0,9% -2,2% -3,5% -5,3% -6,6% -9,2% -9,0% -6,7% -4,4% -6,6% -8,9% -9,5% -8,9% -11,0% -9,2% Fonte: INE, Contas Nacionais Anuais, SEC 95 base ISFLSF=Instituições sem fim lucrativo ao serviço das famílias. R - Dados retropolados,de acordo com os resultados da base D - Contas Nacionais Definitivas. P - Contas Nacionais Preliminares. MFAP GPEARI Unidade de Política Económica 11

15 3. MERCADO DE TRABALHO 3.1 População, Emprego e Desemprego População e População Activa População (Milhares) 9.356, , , , , , , , , , , , , , ,4 Homens 4.494, , , , , , , , , , , , , , ,2 Mulheres 4.862, , , , , , , , , , , , , , ,2 População Activa (Milhares) 4.550, , , , , , , , , , , , , , ,7 Homens 2.491, , , , , , , , , , , , , , ,9 Mulheres 2.059, , , , , , , , , , , , , , ,9 Taxa de Actividade (Percentagem) 48,6 48,9 49,5 50,3 50,5 51,1 51,7 52,2 52,3 52,2 52,5 52,8 53,0 53,0 52, anos 67,2 67,5 68,5 70,4 70,6 71,2 72,0 72,6 72,8 72,9 73,4 73,9 74,1 74,2 73,7 Homens 55,4 55,6 56,6 57,4 57,5 57,9 58,4 58,7 58,4 58,1 57,9 58,2 58,2 58,2 57,3 Mulheres 42,4 42,7 43,0 43,7 44,0 44,8 45,5 46,1 46,6 46,7 47,4 47,7 48,1 48,0 48,0 Emprego e Desemprego - Milhares Emprego (Milhares) 4.225, , , , , , , , , , , , , , ,1 Por Conta de Outrém 3.040, , , , , , , , , , , , , , ,8 Por Conta Própria 1.099, , , , , , , , , , , , , , ,7 Homens 2.331, , , , , , , , , , , , , , ,6 Mulheres 1.894, , , , , , , , , , , , , , ,5 Desemprego (Milhares) 325,4 332,3 313,1 251,9 225,8 205,5 213,6 270,5 342,3 365,0 422,3 427,8 448,6 427,1 528,6 Homens 160,3 162,1 153,7 110,6 108,9 89,3 91,6 121,4 160,9 172,9 198,1 194,8 196,8 194,4 261,3 Mulheres 165,1 170,2 159,4 141,3 116,9 116,2 122,0 149,2 181,4 192,2 224,2 233,1 251,8 232,7 267,4 Desemprego de Longa Duração (DLD), % do Total 39,3 42,0 43,6 45,6 41,3 43,8 40,0 37,2 37,8 46,3 49,9 51,7 48,9 49,8 46,5 Homens (% do Total DLD) 47,9 48,0 48,5 42,9 46,3 45,0 42,7 43,3 43,5 46,2 46,0 46,4 44,1 46,1 45,9 Mulheres (% do Total DLD) 52,1 52,0 51,5 57,1 53,7 55,0 57,4 56,7 56,5 53,8 54,0 53,6 55,9 53,9 54,1 Fonte: INE, "Inquérito ao Emprego". - quebra de série. MFAP GPEARI Unidade de Política Económica 12

16 3. MERCADO DE TRABALHO 3.2 Taxas de Emprego e Desemprego Taxas de Emprego e Desemprego Taxa de Emprego (15-64 anos) 62,2 62,3 63,7 66,7 67,3 68,3 68,9 68,7 68,0 67,8 67,5 67,9 67,8 68,2 66,3 Homens 70,3 70,3 71,5 75,6 75,5 76,3 76,7 76,3 74,8 74,1 73,4 73,9 73,8 74,0 71,1 Mulheres 54,5 54,8 56,3 58,2 59,4 60,5 61,3 61,4 61,4 61,7 61,7 62,0 61,9 62,5 61,6 Taxa de Emprego (55-64 anos) 45,2 46,5 47,6 49,7 50,3 50,7 50,2 51,4 51,6 50,3 50,5 50,1 50,9 50,8 49,7 Homens 57,8 33,7 58,9 63,0 61,5 62,1 61,6 61,9 62,1 59,1 58,1 58,2 58,6 58,5 57,5 Mulheres 58,9 35,6 37,6 38,0 40,4 40,8 40,3 42,2 42,4 42,5 43,7 42,8 44,0 43,9 42,7 Taxa de Desemprego 7,2 7,3 6,7 4,9 4,4 3,9 4,0 5,0 6,3 6,7 7,6 7,7 8,0 7,6 9,5 Homens 6,4 6,5 6,1 3,9 3,9 3,1 3,2 4,1 5,5 5,8 6,7 6,5 6,6 6,5 8,9 Mulheres 8,0 8,2 7,6 6,2 5,0 4,9 5,0 6,0 7,2 7,6 8,7 9,0 9,6 8,8 10,1 Fonte: INE, "Inquérito ao Emprego". - quebra de série. 3. MERCADO DE TRABALHO 3.3. Emprego por Sectores de Actividade, percentagem do total Emprego por Sectores de Actividade, percentagem do total Agricultura 11,3 12,2 13,6 13,5 12,7 12,7 12,8 12,4 12,5 12,1 11,8 11,7 11,6 11,5 11,2 Indústria Extractiva 0,4 0,4 0,4 0,3 0,3 0,3 0,3 0,3 0,3 0,3 0,4 0,3 0,4 0,3 0,4 Indústria Transformadora 23,0 22,2 21,5 23,5 22,5 21,8 21,4 20,5 19,9 19,6 18,9 19,0 18,5 17,6 16,8 Construção 8,1 8,1 9,0 10,6 10,9 11,8 11,3 12,0 11,4 10,7 10,8 10,7 11,0 10,7 10,0 Electricidade, gás e água 0,8 0,7 0,8 0,7 0,7 0,6 0,7 0,8 0,7 0,6 0,5 0,5 0,7 0,6 1,0 Transportes e comunicações 4,3 4,1 3,9 3,8 3,6 3,7 4,0 4,0 4,2 4,2 4,3 4,6 4,3 4,3 5,3 Comércio 19,4 19,7 18,8 19,2 19,7 20,0 20,2 20,3 20,2 20,4 20,5 20,0 20,1 21,1 20,9 Intermediação financeira e seguros 3,3 3,2 3,1 5,7 6,1 6,1 6,3 6,4 6,8 7,6 7,4 7,5 8,1 8,3 8,5 Serviços pessoais 29,5 29,4 29,0 22,8 23,5 23,1 22,9 23,3 24,0 24,6 25,4 25,6 25,3 25,5 25,9 Total 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Fonte: INE, "Inquérito ao Emprego". - quebra de série. MFAP GPEARI Unidade de Política Económica 13

17 3. MERCADO DE TRABALHO 3.4 População em Idade Activa, segundo o Nível de Instrução, por Grupo Etário População em Idade Activa, segundo o Nível de Instrução, por Grupo Etário Nenhum Básico 3º ciclo (9 anos de escolaridade) ,6 2, ,5 186, ,4 13, ,2 407, ,6 24, ,2 287, ,0 81, ,6 297,5 Básico 1º ciclo (4 anos de escolaridade) Secundário (12 anos de escolaridade) ,8 11, ,0 142, ,3 71, ,0 353, ,6 264, ,7 250, ,7 864, ,2 187,5 Básico 2º ciclo (6 anos de escolaridade) Superior ,8 82, ,8 42, ,7 244, ,7 353, ,1 373, ,2 234, ,4 272, ,6 213,0 Fonte: INE, "Inquérito ao Emprego". MFAP GPEARI Unidade de Política Económica 14

18 3. MERCADO DE TRABALHO 3.5 Salários Taxa de variação, em percentagem Ordenados e Salários : 7,8 8,2 8,3 8,5 7,7 6,0 4,8 2,3 3,2 3,5 2,9 4,2 : : : Sector Público : 7,0 8,7 9,7 11,3 9,3 8,1 5,1-5,6 1,2 3,4-3,0-2,3 : : : Sector Privado : 8,0 8,0 7,9 7,5 7,0 5,2 4,7 5,5 3,9 3,5 4,9 6,3 : : : Ordenados e Salários por Trabalhador : 6,3 5,3 4,3 6,2 4,4 3,9 4,1 6,4 4,0 3,8 4,8 6,4 : : : Sector Público : 5,4 7,0 4,7 7,7 7,0 7,4 2,4 1,7 0,4 3,2-0,4 1,5 : : : Sector Privado : 6,0 5,3 5,0 7,6 4,9 4,5 4,6 2,2 3,4 3,8 2,3 3,7 : : : Índice de Custo do Trabalho : : : : : : 4,3 1,9 2,4 1,5 4,1 1,4 4,5 4,2 2,9 : Remunerações por Trabalhador na Indústria : 5,8 6,0 4,3 5,1 6,0 5,1 4,5 2,9 2,9 3,4 5,0 4,1 3,2 0,3 : Contratação Colectiva a 4,6 4,4 3,6 3,2 3,6 3,4 4,0 3,7 2,9 2,9 2,7 2,7 2,9 3,1 2,8 : Tabela Salarial da Função Pública 4,0 4,3 3,0 2,8 3,0 2,5 3,7 2,8 1.5 b 2.0 b 2,2 1,5 1,5 2,1 2,9 0,0 Salário Mínimo 5,5 5,0 3,8 3,9 4,1 4,1 5,0 4,1 2,5 2,5 2,5 3,0 4,4 5,7 5,6 5,6 em Euros 245,9 259,4 272,3 293,8 305,8 318,2 334,2 348,0 356,6 365,6 374,7 385,9 403,0 426,0 450,0 475,0 Salário Mínimo, em Euros Bélgica : : : : Grécia : : : : Espanha : : : : França : : : : Irlanda : : : : Luxemburgo : : : : Países Baixos : : : : Portugal : : : : Reino Unido : : : : EUA : : : : Fontes: Eurostat, INE, Ministério das Finanças e da Administração Pública e Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social. - quebra de série. MFAP GPEARI Unidade de Política Económica 15

19 4. PREÇOS 4.1 Preços Preços no Consumidor, taxa de variação em percentagem Índice Harmonizado de Preços no Consumidor Portugal Total : 2,9 1,9 2,2 2,2 2,8 4,4 3,7 3,3 2,5 2,1 3,0 2,4 2,7-0,9 Dif. vs EUR-12 (p.p.) : 0,8 0,3 1,0 1,0 0,6 2,0 1,4 1,1 0,3-0,1 0,8 0,3-0,6-1,2 Índice de Preços no Consumidor Bens : : : : : 2,1 4,2 2,5 2,7 1,6 1,9 3,2 2,2 2,4-2,3 Serviços : : : : : 4,0 4,7 5,4 4,4 3,8 3,0 2,9 2,9 3,0 1,7 Subjacente 5,2 3,6 2,8 2,9 2,9 2,7 3,6 4,5 3,2 2,4 1,8 2,5 2,2 2,4 0,4 Total 4,1 3,1 2,2 2,8 2,3 2,9 4,4 3,6 3,3 2,4 2,3 3,1 2,5 2,6-0,8 Preços na Produção, taxa de variação em percentagem Indústrias Extractivas 0,5 1,2 1,4 1,7 1,5 2,2 0,9 0,9-1,2-0,4 0,1 0,3 0,9 0,4 0,1 Produção, Distribuição de Electricidade, Gás, Água -1,1-2,9-0,5-0,3-6,3-0,2 3,1 0,4 2,2 2,2 6,0 5,7 4,3 4,9 4,7 Indústria Transformadora 5,1 5,2 3,7-4,7 3,6 20,5 2,7 0,4 0,4 2,9 3,5 4,2 2,5 5,3-5,6 Bens de Consumo, Duradouros : 3,4 2,2 1,8 1,4 2,4 0,5 2,0-0,1 0,8 2,2 2,2 1,0 1,4 1,2 Bens de Consumo, Não Duradouros 5,2 4,3 2,3 0,7 0,7 2,8 4,0 1,1 0,8 0,9 0,9 1,8 0,9 3,5-1,3 Energia : 7,3 3,5-11,1 4,4 39,3 3,8 0,5 1,9 4,9 9,6 9,0 3,6 10,4-6,3 Bens Intermédios 3,1-0,1 0,9 0,3-0,8 5,0 1,1-0,5-0,1 2,4 1,2 3,1 3,6 4,7-5,6 Bens de Investimento : : : : : : 1,7 0,7 0,6 1,4 1,8 3,8 4,5-1,1 0,2 Total 3,8 3,7 2,3-3,7 1,4 16,1 2,7 0,4 0,8 2,7 4,1 4,4 2,8 5,2-3,8 Fontes: Ministério das Finanças e da Administração Pública, INE e Banco Central Europeu. - quebra de série. MFAP GPEARI Unidade de Política Económica 16

20 5. COMÉRCIO EXTERNO 5.1 Importações - Principais Parceiros Comerciais A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Preços correntes, milhões de euros Total , , , , , , , , , , , , , , ,9 UE , , , , , , , , , , , , , , ,4 Espanha 5.624, , , , , , , , , , , , , , ,3 Alemanha 3.837, , , , , , , , , , , , , , ,5 França 3.046, , , , , , , , , , , , , , ,1 Reino Unido 3.369, , , , , , , , , , , , , , ,6 Itália 2.157, , , , , , , , , , , , , , ,4 Países Baixos 1.204, , , , , , , , , , , , , , ,7 Bélgica n.d. n.d. n.d. n.d , , , , , , , , , , ,8 OPEP 1.212, , ,4 892, , , , , , , , , , , ,1 China 148,6 178,4 217,9 268,9 280,5 382,5 351,0 344,6 371,5 458,6 567,2 769, , , ,5 Brasil 384,4 362,7 515,3 466,4 368,1 479,4 557,7 657,4 660,6 857,5 978, , , ,4 880,1 EUA 821,8 849,9 965,2 945, , , ,2 883,5 789, , ,6 778,7 939, ,1 862,5 Japão 554,4 585,0 733,5 944, , ,7 814,5 721,2 669,7 651,3 581,8 547,0 564,4 582,3 279,1 Em percentagem do Total UE-27 82,4 84,3 84,9 86,5 83,4 80,5 79,9 83,1 82,6 81,2 81,6 80,8 79,9 77,7 81,7 Espanha 21,8 23,3 24,1 25,1 25,9 26,4 28,0 29,9 30,8 31,2 30,7 30,9 31,1 30,8 32,6 Alemanha 14,9 15,7 15,2 15,5 15,1 14,3 14,4 15,2 15,1 14,5 14,3 14,3 13,9 13,3 13,2 França 11,8 11,2 10,9 11,4 11,6 10,8 10,3 10,3 9,8 9,3 8,7 8,5 8,7 8,1 8,3 Reino Unido 13,0 13,2 14,2 13,3 13,3 11,8 10,0 10,2 9,6 9,3 8,6 8,3 7,4 6,6 6,6 Itália 8,4 8,4 8,0 7,9 7,7 7,2 6,9 6,8 6,5 6,2 5,9 5,9 5,5 5,4 5,8 Países Baixos 4,7 4,7 5,0 5,0 4,9 4,7 4,9 4,6 4,7 4,7 4,5 4,7 4,7 4,6 5,5 Bélgica n.d. n.d. n.d. n.d. 3,2 3,1 3,0 3,1 2,9 2,9 2,9 2,8 2,9 2,9 2,8 OPEP 4,7 4,2 4,1 2,5 2,7 4,6 4,1 3,6 4,0 4,5 6,4 6,3 5,8 7,9 5,4 China 0,6 0,6 0,7 0,7 0,7 0,8 0,8 0,8 0,8 0,9 1,1 1,4 1,7 2,1 2,2 Brasil 1,5 1,3 1,6 1,3 0,9 1,0 1,2 1,5 1,5 1,7 1,9 2,2 2,3 2,1 1,7 MFAP GPEARI Unidade de Política Económica 17

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010 Evolução 2004-2010 Actualizado em Dezembro de 2010 Unid. Fonte 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Notas 2010 População a Milhares Hab. INE 10.509 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.638 3º Trimestre

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas Evolução 2007-2013 Actualizado em Março 2013 Unid. Fonte 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Notas População a Milhares Hab. INE 10.604 10.623 10.638 10.636 10.647 10.600 População tvh % INE 0,2 0,2 0,1

Leia mais

Boletim de Estatísticas. Fevereiro Banco de Cabo Verde

Boletim de Estatísticas. Fevereiro Banco de Cabo Verde Boletim de Estatísticas Fevereiro 2016 Banco de Cabo Verde BANCO DE CABO VERDE Departamento de Estudos Económicos e Estatísticas Avenida Amílcar Cabral, 27 CP 7600-101 - Praia - Cabo Verde Tel: +238 260

Leia mais

Necessidade de financiamento da economia diminui. Poupança das famílias aumenta.

Necessidade de financiamento da economia diminui. Poupança das famílias aumenta. 29 de junho de 2012 Contas Nacionais Trimestrais Por Sector Institucional (Base 2006) 1º Trimestre de 2012 Necessidade de financiamento da economia diminui. Poupança das famílias aumenta. No ano terminado

Leia mais

A necessidade de financiamento da economia fixou-se em 5,1% do PIB em 2011

A necessidade de financiamento da economia fixou-se em 5,1% do PIB em 2011 Contas Nacionais Trimestrais Por Sector Institucional (Base 2006) 4º Trimestre de 2011 e Ano 2011 30 de março de 2012 A necessidade de financiamento da economia fixou-se em 5,1% do PIB em 2011 Em 2011,

Leia mais

Indicadores Económicos & Financeiros

Indicadores Económicos & Financeiros Indicadores Económicos & Financeiros Banco de Cabo Verde BANCO DE CABO VERDE Indicadores Económicos & Financeiros Maio 2001 INDICADORES ECONÓMICOS E FINANCEIROS ÍNDICE Indicadores Internacionais Área do

Leia mais

Produto Interno Bruto diminuiu 3,5% em volume

Produto Interno Bruto diminuiu 3,5% em volume 1ºT 2001 3ºT 2001 1ºT 2002 3ºT 2002 1ºT 2003 3ºT 2003 1ºT 2004 3ºT 2004 1ºT 2005 3ºT 2005 1ºT 2006 3ºT 2006 1ºT 2007 3ºT 2007 1ºT 2008 3ºT 2008 1ºT 2009 3ºT 2009 1ºT 2010 3ºT 2010 1ºT 2011 3ºT 2011 1ºT

Leia mais

Poupança e Investimento

Poupança e Investimento Poupança e Investimento Fernando Alexandre Ordem dos Economistas, Lisboa 19 de abril 2017 Poupança e Financiamento da Economia Portuguesa 1. A importância da poupança 2. Desequilíbrios e estagnação: uma

Leia mais

BALANÇA DE PAGAMENTOS Balança de Pagamentos Externos de Portugal Valores Líquidos Base de transacções Balança de Pagamentos Externos

BALANÇA DE PAGAMENTOS Balança de Pagamentos Externos de Portugal Valores Líquidos Base de transacções Balança de Pagamentos Externos ÍNDICE DE QUADROS Parte I ESTATÍSTICAS MONETÁRIAS E FINANCEIRAS Balanço do Banco de Portugal Dez 1947-Dez 1956... 11 Balanço do Banco de Portugal Dez 1957-Dez 1965... 12 Balanço do Banco de Portugal Mar

Leia mais

Em 2005, o PIB aumentou 0,9 em volume e 3,5% em valor

Em 2005, o PIB aumentou 0,9 em volume e 3,5% em valor Contas Nacionais Definitivas 2005 18 de Janeiro de 2008 Em 2005, o PIB aumentou 0,9 em volume e 3,5% em valor Em 2005, o PIB apresentou um crescimento nominal de 3,5%, fixando-se em cerca 149,1 mil milhões

Leia mais

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação. taxa de variação

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação. taxa de variação Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas 2013 2013 2014 2015 2016 2017 nível (10 6 euros) 1. PIB (real) 1 B1*g 162852,2-1,4 1,2 1,5 1,7 1,8 1,8 2. PIB (nominal) B1*g 165666,3 0,3 2,0 2,4 3,4 3,7 3,7 Componentes

Leia mais

D Informações particulares sobre a. Economia e a Sociedade Espanhola. e alguns indicadores do mesmo tipo para Portugal

D Informações particulares sobre a. Economia e a Sociedade Espanhola. e alguns indicadores do mesmo tipo para Portugal D Informações particulares sobre a Economia e a Sociedade Espanhola e alguns indicadores do mesmo tipo para Portugal Oferta e Procura de água em Espanha, 1992-2012 1992 2002 2012 Hm 3 /ano % Hm 3 /ano

Leia mais

Aula Teórica nº 2. Medição do produto

Aula Teórica nº 2. Medição do produto Aula Teórica nº 2 Medição do produto Produto Interno Bruto, PIB Valor dos bens e serviços finais produzidos num país durante um certo período A utilização de preços de mercado para os diversos bens e serviços

Leia mais

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas 2012 2012 2013 2014 2015 2016 nível (10 6 euros) 1. PIB (real) 1 B1*g 165644,9-3,2-2,3 0,6 1,5 1,8 2,2 2. PIB (nominal) B1*g 165409,2-3,3-0,6 1,8 2,7 3,5 3,7 Componentes

Leia mais

Aula Teórica nº 2 Sumário:

Aula Teórica nº 2 Sumário: Aula Teórica nº 2 Sumário: 2. Medição da Actividade Económica e das Variáveis Macroeconómicas Medição do produto Objectivos da aula: No final desta aula o aluno deverá ser capaz de: Compreender os conceitos

Leia mais

Em março de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.3 pontos na União Europeia e +1.2 pontos na Área Euro.

Em março de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.3 pontos na União Europeia e +1.2 pontos na Área Euro. Mar-04 Mar-05 Mar-06 Mar-07 Mar-08 Mar-09 Mar-10 Mar-11 Mar-12 Análise de Conjuntura Abril 2014 Indicador de Sentimento Económico Em março de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.3 pontos

Leia mais

Portugal. Principais Indicadores Económicos

Portugal. Principais Indicadores Económicos Portugal Principais Indicadores Económicos janeiro de 2016 Índice 1 - Indicadores Macroeconómicos 2 - Previsões Macroeconómicas 3 - Valor Acrescentado Bruto 4 - Estatísticas de Emprego 5 - Indicadores

Leia mais

Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública. Vítor Gaspar

Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública. Vítor Gaspar Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública Vítor Gaspar Lisboa, 24 de outubro 2012 Figura 1. Progressos significativos nos mercados de financiamento Taxas de juro das Obrigações do Tesouro

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 4º Trimestre de 2010 Coordenação de Contas Nacionais 03 de março de 2010 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais

Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Paulo Lobo Viana do Castelo - 11 de fevereiro 1 Segmentos de Atividade da Construção e Imobiliário VAB Volume de Negócios

Leia mais

Disciplina Economia A Módulo 4,5,6

Disciplina Economia A Módulo 4,5,6 Escola Secundária Cacilhas-Tejo MATRIZ DE EXAME (AVALIAÇÃO DO REGIME NÃO PRESENCIAL E AVALIAÇÃO DE RECURSO) Disciplina Economia A Módulo 4,5,6 ENSINO RECORRENTE MÓDULOS CAPITALIZÁVEIS Duração da Prova:

Leia mais

Crescimento Económico: experiência recente e perspectivas

Crescimento Económico: experiência recente e perspectivas Sessão de Homenagem ao Dr. Silva Lopes Crescimento Económico: experiência recente e perspectivas VÍTOR CONSTÂNCIO Maio de 2003 ÍNDICE I. Recessões e crises passadas de Balança de Pagamentos II. Problemas

Leia mais

Indicador de Sentimento Económico. 80 Portugal. Dez-08. Dez-07

Indicador de Sentimento Económico. 80 Portugal. Dez-08. Dez-07 Dez-03 Dez-04 Dez-05 Dez-06 Dez-07 Dez-08 Dez-09 Dez-10 Análise de Conjuntura Janeiro 2014 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico manteve em Dezembro, a tendência de melhoria

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais por Sector Institucional

Contas Nacionais Trimestrais por Sector Institucional 29 de Junho de 2010 Contas Nacionais Trimestrais por Sector Institucional (Base 2006) (Versão corrigida em 29-06-2010, às 18H) 1º Trimestre de 2010 No parágrafo sob a epígrafe 1º trimestre 2010 Principais

Leia mais

Poupança e financiamento da economia portuguesa

Poupança e financiamento da economia portuguesa Poupança e financiamento da economia portuguesa Fernando Alexandre (U Minho), Luís Aguiar-Conraria (U Minho), Miguel Portela (U Minho) e Pedro Bação (U Coimbra) Associação Portuguesa de Seguradores 21

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Cascais

Agrupamento de Escolas de Cascais 1º PERÍODO -74 TEMPOS LETIVOS ENSINO SECUNDÁRIO Disciplina: Economia A 11.º Ano Planificação Apresentação mútua e da disciplina Estabelecimento de regras e de métodos de trabalho Apresentação/negociação

Leia mais

CAE 16 - INDÚSTRIA DO TABACO ESTATÍSTICA DAS EMPRESAS

CAE 16 - INDÚSTRIA DO TABACO ESTATÍSTICA DAS EMPRESAS CAE Rev. 2.1 CAE 16 - INDÚSTRIA DO TABACO ESTATÍSTICA DAS EMPRESAS Totais Nacionais % no total da Indústria Transformadora 2000 2001 2002 2003 2004* 2005* 2006* 2007* 2008 2000 2001 2002 2003 2004* 2005*

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 2º Trimestre de 2013 Coordenação de Contas Nacionais 30 de agosto de 2013 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

G PE AR I. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 03 março 2011

G PE AR I. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 03 março 2011 Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 3 março 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

Estatísticas como factor de Conhecimento e de Liberdade: a contribuição da Pordata Maria João Valente Rosa/Pordata-FFMS

Estatísticas como factor de Conhecimento e de Liberdade: a contribuição da Pordata Maria João Valente Rosa/Pordata-FFMS Para que servem as ESTATÍSTICAS? Que uso diário lhes damos? Estatísticas como factor de Conhecimento e de Liberdade: a contribuição da Pordata Maria João Valente Rosa/Pordata-FFMS Seminário 21.10.2013

Leia mais

Capacidade de financiamento da economia atingiu de 2,0% do PIB no 1º trimestre de 2015

Capacidade de financiamento da economia atingiu de 2,0% do PIB no 1º trimestre de 2015 Contas Nacionais Trimestrais Por Setor Institucional (Base 2011) 1º Trimestre de 2015 24 de junho de 2015 Capacidade de financiamento da economia atingiu de 2,0% do PIB no 1º trimestre de 2015 A economia

Leia mais

Fundos estruturais e convergência real: Um estudo de caso O plano operacional da Região do Norte Rui Monteiro Vasco Leite

Fundos estruturais e convergência real: Um estudo de caso O plano operacional da Região do Norte Rui Monteiro Vasco Leite Fundos estruturais e convergência real: Um estudo de O plano operacional da Região do Norte 2000-2006 Rui Monteiro Vasco Leite Índice I. Convergência e divergência real da Região do Norte 2. Distribuição

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/12 Págs. Duração

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais Por Sector Institucional (Base 2006) 1º Trimestre de 2013

Contas Nacionais Trimestrais Por Sector Institucional (Base 2006) 1º Trimestre de 2013 Contas Nacionais Trimestrais Por Sector Institucional (Base 2006) 1º Trimestre de 2013 28 de junho de 2013 Capacidade de financiamento da Economia portuguesa aumenta No ano acabado no 1º trimestre de 2013,

Leia mais

Portugal : Retrato Económico e Social em gráficos

Portugal : Retrato Económico e Social em gráficos Portugal 198-1: Retrato Económico e Social em gráficos E.E.F. Mercados Financeiros Setembro 15 Perante o processo de ajustamento efectuado nos últimos quatro anos, é nosso propósito mostrar e realçar que

Leia mais

10- Produtividades e Crescimento

10- Produtividades e Crescimento Formação Livre II O Valor da Tecnologia e a Inovação 10- Produtividades e Crescimento IST MEE (1º ano curricular) 2012/2013, 1º semestre Prof. responsável António S. Carvalho Fernandes Conteúdo 1. O VAB

Leia mais

Produto Interno Bruto aumentou 1,5% em volume no ano de 2015 e 1,3% no 4º trimestre de 2015

Produto Interno Bruto aumentou 1,5% em volume no ano de 2015 e 1,3% no 4º trimestre de 2015 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 29 de Fevereiro de 2016 Contas Nacionais Trimestrais e Anuais Preliminares (Base 2011) 4º Trimestre de

Leia mais

A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO

A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO MANUEL CALDEIRA CABRAL UNIVERSIDADE DO MINHO FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO 29 DE SETEMBRO 2010 INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA Porque é que é importante Crescimento

Leia mais

Produto Interno Bruto

Produto Interno Bruto DESIGNAÇÃO Valores em 10^6 STD, a Preços Correntes TOTAL PRODUTO INTERNO BRUTO 638668 731901 900583 1043317 1332354 1673609 1974030 2786141 3121072 3610485 4229269 5064433 5638912 6230813 VALOR ACRESCENTADO

Leia mais

Capacidade de financiamento da Economia portuguesa aumentou para 1,9% do PIB

Capacidade de financiamento da Economia portuguesa aumentou para 1,9% do PIB 23 de dezembro de 2014 Contas Nacionais Trimestrais Por Setor Institucional (Base 2011) Versão retificada em 11-02-2015 3º Trimestre de 2014 Na pág. 11, terceiro parágrafo, onde se lia (SEC95) deve ler-se

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 14.12.2005 COM(2005) 653 final 2005/0253 (COD) Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n.º 2223/96 do Conselho

Leia mais

Capacidade de financiamento da Economia portuguesa manteve-se em crescimento

Capacidade de financiamento da Economia portuguesa manteve-se em crescimento Contas Nacionais Trimestrais por Setor Institucional (Base 2006) 3º Trimestre de 2013 27 de dezembro de 2013 Capacidade de financiamento da Economia portuguesa manteve-se em crescimento No ano acabado

Leia mais

Contas Nacionais Anuais: Resultados Finais Para 2014

Contas Nacionais Anuais: Resultados Finais Para 2014 Contas Nacionais Anuais (Base 2011) 2014 23 de setembro de 2016 Contas Nacionais Anuais: Resultados Finais Para 2014 Em 2014, o Produto Interno Bruto (PIB) ascendeu a cerca de 173,1 mil milhões de euros.

Leia mais

Plano de Apresentação

Plano de Apresentação Plano de Apresentação Nota introdutória Objectivos Metodologia Principais resultados Perspectivas Nota introdutória As Contas Nacionais de um país apresentam, de forma resumida, o Produto Interno Bruto

Leia mais

3º Trimestre de 2011

3º Trimestre de 2011 Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 3º Trimestre de 2011 Coordenação de Contas Nacionais 06 de dezembro de 2011 Revisões nas Contas Nacionais Trimestrais No 3º trimestre

Leia mais

AS DESIGUALDADES ENTRE HOMENS E MULHERES NÃO ESTÃO A DIMINUIR EM PORTUGAL

AS DESIGUALDADES ENTRE HOMENS E MULHERES NÃO ESTÃO A DIMINUIR EM PORTUGAL A situação da mulher em Portugal Pág. 1 AS DESIGUALDADES ENTRE HOMENS E MULHERES NÃO ESTÃO A DIMINUIR EM PORTUGAL RESUMO DESTE ESTUDO No 8 de Março de 2008, em que se comemora o Dia Internacional da Mulher,

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

PRODUTO INTERNO BRUTO CRESCEU EM VOLUME 0,9% NO 1º TRIMESTRE DE 2008

PRODUTO INTERNO BRUTO CRESCEU EM VOLUME 0,9% NO 1º TRIMESTRE DE 2008 09 de Junho de 2008 Contas Nacionais Trimestrais (Base 2000) 1º Trimestre de 2008 PRODUTO INTERNO BRUTO CRESCEU EM VOLUME 0,9% NO 1º TRIMESTRE DE 2008 No 1º trimestre de 2008, o Produto Interno Bruto (PIB)

Leia mais

CAE 27 - INDÚSTRIAS METALÚRGICAS DE BASE ESTATÍSTICA DAS EMPRESAS

CAE 27 - INDÚSTRIAS METALÚRGICAS DE BASE ESTATÍSTICA DAS EMPRESAS CAE Rev. 2.1 - INDÚSTRIAS METALÚRGICAS DE BASE ESTATÍSTICA DAS EMPRESAS Totais Nacionais % no total da Indústria Transformadora 2000 2001 2002 2003 2004* 2005* 2006* 2007* 2008 2000 2001 2002 2003 2004*

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal dezembro 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

DIA INTERNACIONAL DA MULHER 30 ANOS ( ) QUARTA CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE AS MULHERES 10 ANOS (1995, PEQUIM)

DIA INTERNACIONAL DA MULHER 30 ANOS ( ) QUARTA CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE AS MULHERES 10 ANOS (1995, PEQUIM) Dia Internacional da Mulher (8 de Março) 1995-2005 04 de Março de 2005 DIA INTERNACIONAL DA MULHER 30 ANOS (1975 2005) QUARTA CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE AS MULHERES 10 ANOS (1995, PEQUIM) No momento em

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SINES DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SINES DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 1 INDICADOR: População residente e taxa de variação, 1991 e 2001 População Variação 1991 2001 Portugal 9867147 10356117 5,0 Alentejo 782331 776585-0,7 Alentejo Litoral

Leia mais

Capacidade de financiamento da economia manteve-se em 1,0% do PIB

Capacidade de financiamento da economia manteve-se em 1,0% do PIB 22 de setembro de 2017 Contas Nacionais Trimestrais Por Setor Institucional (Base 2011) 2º Trimestre de 2017 Capacidade de financiamento da economia manteve-se em 1,0% do PIB A capacidade de financiamento

Leia mais

Situação final do agente económico perante as outras unidades e que dispõe de recursos para emprestar a outras unidades.

Situação final do agente económico perante as outras unidades e que dispõe de recursos para emprestar a outras unidades. ÁREA TEMÁTICA DESIGNAÇÃO CONTEÚDO AUTOCONSUMO Bens e serviços produzidos por agregados familiares e consumidos por eles mesmos. CAPACIDADE LÍQUIDA DE FINANCIAMENTO Situação final do agente económico perante

Leia mais

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 9.7.2002 PT L 179/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 1221/2002 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 10 de Junho de 2002 relativo às contas não financeiras

Leia mais

DOS MAIORES DE 23 ANOS NOME:

DOS MAIORES DE 23 ANOS NOME: Notas: Apresente o seu documento de identificação. Coloque o nome em todas as folhas. Leia atentamente cada questão antes de iniciar a sua resposta. Grupo 1 [10 VALORES] Relativamente a cada questão, assinale

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais 30 de Dezembro de 206 3º Trimestre 206 Contacto (s): Próxima edição: 3 Março de 207 José Fernandes Joses.Fernandes@ine.gov.cv Produto Interno Bruto aumentou 4,0% em volume

Leia mais

PRODUTO INTERNO BRUTO E ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR

PRODUTO INTERNO BRUTO E ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR PRODUTO INTERNO BRUTO E ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Q. 70 - PIB a Preços correntes da REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Unidade: 1000 Contos Sectores/Ramos de Actividade 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986

Leia mais

O contexto macroeconómico e a economia do mar

O contexto macroeconómico e a economia do mar O contexto macroeconómico e a economia do mar João Cadete de Matos Diretor Departamento de Estatística 3 abril 2014 MAREECOFIN PwC Economia e Finanças do Mar Reunião de Primavera Iniciativas de difusão

Leia mais

Projeto de Pesquisa: Importância Sócio-Econômica da Cadeia de Serviços de Saneamento Básico no Estado de São Paulo

Projeto de Pesquisa: Importância Sócio-Econômica da Cadeia de Serviços de Saneamento Básico no Estado de São Paulo Projeto de Pesquisa: Importância Sócio-Econômica da Cadeia de Serviços de Saneamento Básico no Estado de São Paulo Sabesp NEIT (IE/UNICAMP) SABESP, São Paulo, 15 de Fevereiro de 2008 Estrutura da Pesquisa

Leia mais

DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO DO COMÉRCIO E DO INVESTIMENTO DA EMBAIXADA DA POLÓNIA EM LISBOA. Bogdan Zagrobelny Primeiro Conselheiro

DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO DO COMÉRCIO E DO INVESTIMENTO DA EMBAIXADA DA POLÓNIA EM LISBOA. Bogdan Zagrobelny Primeiro Conselheiro DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO DO COMÉRCIO E DO INVESTIMENTO DA EMBAIXADA DA POLÓNIA EM LISBOA Bogdan Zagrobelny Primeiro Conselheiro INFORMAÇÃO GERAL População: 8º na Europa, 29º no mundo (38.2 milhões) Área:

Leia mais

Cifras da Catalunha Generalitat de Catalunya Governo de Catalunha

Cifras da Catalunha Generalitat de Catalunya Governo de Catalunha www.idescat.cat Cifras da Generalitat de Catalunya Governo de POPULAÇÃO 5 Densidade (hab./km ) 3, 9,5 6, População (.) () 448 46 438 5 53 homens 49, 49, 48,8 mulheres 5, 5,9 5, Estrutura () -4 anos 5,

Leia mais

Ambiente econômico nacional e internacional

Ambiente econômico nacional e internacional Ambiente econômico nacional e internacional Apresentação para elaboração do documento referencial 2015-19 no Ministério do Turismo Manoel Pires - MF Cenário internacional O mundo se recupera da crise,

Leia mais

INE Divulga Estatísticas das Empresas em Seminário Internacional

INE Divulga Estatísticas das Empresas em Seminário Internacional Seminário Processos de Reengenharia nas Estatísticas das Empresas 2007 11 de Outubro de 2007 INE Divulga Estatísticas das Empresas em Seminário Internacional Os resultados preliminares das Estatísticas

Leia mais

MACROECONOMIA I Curso de Gestão 2008/09

MACROECONOMIA I Curso de Gestão 2008/09 MACROECONOMIA I Curso de Gestão 2008/09 Exercícios Esta compilação de exercícios foi gentilmente cedida pelo Prof. Doutor João Loureiro EXERCÍCIO 1 Os dados que se seguem dizem respeito ao PIB observado

Leia mais

Inquérito aos Orçamentos Familiares 2000 Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto

Inquérito aos Orçamentos Familiares 2000 Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto Informação à Comunicação Social 18 de Julho de 2002 Inquérito aos Orçamentos Familiares 2000 Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto Após uma primeira divulgação sintética em Março de 2002, os principais

Leia mais

Economia e Sociologia. Agentes e Circuito Económico

Economia e Sociologia. Agentes e Circuito Económico Economia e Sociologia Agentes e Circuito Económico Agentes Económicos numa economia simplificada Famílias Empresas Engloba as famílias enquanto unidades de consumo e de fornecimento de trabalho e capital

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º ou 12.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 10 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Capacidade de financiamento da economia manteve-se em 1,1% do PIB

Capacidade de financiamento da economia manteve-se em 1,1% do PIB 24 de março de 2016 Contas Nacionais Trimestrais por Setor Institucional (Base 2011) 4º Trimestre de 2015 Capacidade de financiamento da economia manteve-se em 1,1% do PIB A capacidade de financiamento

Leia mais

,8 15,1 INE, Censos /2009-7,4-8,7

,8 15,1 INE, Censos /2009-7,4-8,7 TERRITÓRIO E DEMOGRAFIA 1. Área, km² 8543 1106,8 INE, Censos 2011 2. Área por freguesia, km² STª Maria Salvador Brinches Vila Verde de Ficalho Vila Nova S. Bento Pias Vale de Vargo 154,9 287,8 93,4 103,8

Leia mais

O potencial analítico da balança de pagamentos para a compreensão da economia portuguesa

O potencial analítico da balança de pagamentos para a compreensão da economia portuguesa O potencial analítico da balança de pagamentos para a compreensão da economia portuguesa ISEG - LISBON SCHOOL OF ECONOMICS & MANAGEMENT 16 maio 2017 1 Enquadramento metodológico 2 Indicadores de vulnerabilidades

Leia mais

Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE. Samuel Fernandes de Almeida

Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE. Samuel Fernandes de Almeida Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE Samuel Fernandes de Almeida 1 ÍNDICE Dados macroeconómicos / Caracterização das receitas fiscais Estrutura das receitas fiscais no Orçamento do Estado

Leia mais

E depois da troika? Viver com o memorando. Fernando Faria de Oliveira. Caixa Geral de Depósitos

E depois da troika? Viver com o memorando. Fernando Faria de Oliveira. Caixa Geral de Depósitos E depois da troika? Viver com o memorando. Fernando Faria de Oliveira Caixa Geral de Depósitos Centro de Congressos de Lisboa, 4 de Julho 2011 A comportamento do mercado em relação ao risco da dívida soberana

Leia mais

Exame de Economia. de zero a esta. questão.

Exame de Economia. de zero a esta. questão. Provas de Acesso ao Ensino Superiorr Para Maiores de 23 Anos Candidatura de 2011 Exame de Economia Tempo para realização da prova: 2 horas Tolerância: 30 minutos Material admitido: O examinando apenas

Leia mais

Comércio Internacional Português

Comércio Internacional Português Comércio Internacional Português Exportações Portuguesas de Bens - eiro a embro (resultados preliminares) Informação Portugal, 7 de eiro de 2011 Comércio Internacional Português em 2010 (eiro a embro)

Leia mais

2. A Medição da Actividade Económica

2. A Medição da Actividade Económica 2. A Medição da Actividade Económica Setembro 2007, inesdrum@fep.up.pt Slides baseados no guião disponível no site da cadeira 1 2.1. Agentes, Operações, Fluxos e Stocks A Macroeconomia analisa o comportamento

Leia mais

Sistema de Contas Nacionais Brasil

Sistema de Contas Nacionais Brasil Diretoria de Pesquisas Sistema de Contas Nacionais Brasil 2004-2008 Coordenação de Contas Nacionais Rio, 05/11/2010 Divulgações do SCN Já divulgados os dois primeiros trimestres de 2010, HOJE - ano 2008

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal março 2017 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

PROVA-MODELO DE EXAME 2

PROVA-MODELO DE EXAME 2 Prova-modelo de Exame 191 PROVA-MODELO DE EXAME I As questões que se seguem são de escolha múltipla. Das quatro respostas (A a D), apenas uma está correta. Assinale -a com uma cruz sobre a letra correspondente

Leia mais

Mercado de Trabalho da Região Norte Eduardo Pereira

Mercado de Trabalho da Região Norte Eduardo Pereira Mercado de Trabalho da Região Norte Eduardo Pereira 1 a sessão NORTE & PESSOAS 12 MAIO Instituto de Design de Guimarães www.ccdr-n.pt/norte-pessoas O Mercado de Trabalho da Região Norte 1. Da viragem do

Leia mais

DE - INDÚSTRIA DE PASTA, DE PAPEL E DE CARTÃO E SEUS ARTIGOS; EDIÇÃO E IMPRESSÃO ESTATÍSTICA DAS EMPRESAS E DAS SOCIEDADES (1)

DE - INDÚSTRIA DE PASTA, DE PAPEL E DE CARTÃO E SEUS ARTIGOS; EDIÇÃO E IMPRESSÃO ESTATÍSTICA DAS EMPRESAS E DAS SOCIEDADES (1) CAE Rev. 2.1 - INDÚSTRIA PASTA, PAPEL E CARTÃO E SEUS ARTIGOS; EDIÇÃO E IMPRESSÃO ESTATÍSTICA DAS EMPRESAS E DAS SOCIEDAS (1) Totais Nacionais % no total da Indústria Transformadora 2000 2001 2002 2003

Leia mais

Comércio Internacional Português

Comércio Internacional Português Evolução das Exportações Portuguesas de Bens eiro a o de 2012 Comércio Internacional Português Exportações Portuguesas de Bens eiro a o de 2012 Informação Portugal, 10 de ho de 2012 Evolução das Exportações

Leia mais

ÍNDICE DE QUADROS... ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE GRÁFICOS... NOTA INTRODUTÓRIA... 1

ÍNDICE DE QUADROS... ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE GRÁFICOS... NOTA INTRODUTÓRIA... 1 ÍNDICE DE QUADROS ÍNDICE ÍNDICE DE QUADROS... ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE GRÁFICOS... ix xiii xiv NOTA INTRODUTÓRIA... 1 Parte 1O «ACIDENTE TÍPICO» EM TODOS OS SECTORES DE ACTIVIDADE (PERÍODO 2001-2003)...

Leia mais

GRÁFICO 1 PRODUTIVIDADE DO TRABALHO NO PERÍODO E PRODUTIVIDADE MULTIFACTORIAL NO PERIODO

GRÁFICO 1 PRODUTIVIDADE DO TRABALHO NO PERÍODO E PRODUTIVIDADE MULTIFACTORIAL NO PERIODO A OCDE acabou de apresentar o seu relatório sobre Portugal referente ao ano de 2008. Esta organização que agrupa 36 países, e que gosta de se apresentar como uma organização independente, neutral e com

Leia mais

1º Caderno de Exercícios

1º Caderno de Exercícios 1º Caderno de Exercícios Exercícios Referentes aos Capítulos 1 e 2 do Programa 1. Considere os seguintes elementos referentes ao Capital e o valor da Produção na empresa do Sr. A, ao longo dos últimos

Leia mais

Economia Não Registada: conceitos, causas, dimensão, implicações e o caso português. ÓSCAR AFONSO

Economia Não Registada: conceitos, causas, dimensão, implicações e o caso português. ÓSCAR AFONSO Economia Não Registada: conceitos, causas, dimensão, implicações e o caso português ÓSCAR AFONSO (oafonso@fep.up.pt) Nota Prévia O Observatório de Economia e Gestão de Fraude (OBEGEF) constituiu-se no

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal março 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

As exportações e importações aumentaram 7,6% e 8,4%, respetivamente, em termos nominais

As exportações e importações aumentaram 7,6% e 8,4%, respetivamente, em termos nominais Estatísticas do Comércio Internacional Novembro 09 de janeiro de 2017 As exportações e importações aumentaram 7,6% e 8,4%, respetivamente, em termos nominais Em novembro de, as exportações e as importações

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011 Banco de Portugal divulga as Estatísticas da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento Internacional referentes a 2010 O Banco de

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal julho 2017 - Newsletter ÍNDICE ÍNDICE... 1 EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global.......2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio

Leia mais

Caracterização Sócio-Económica do Concelho de Mondim de Basto Actividade Económica

Caracterização Sócio-Económica do Concelho de Mondim de Basto Actividade Económica 6. Em 2001 a taxa de actividade em Mondim de Basto ascendeu a 35,8%, valor este, ligeiramente inferior à média registada na NutIII-Tâmega e Região Norte. No concelho registou-se um acréscimo na taxa de

Leia mais

Índice Principais alterações face à edição de Principais resultados da CSES 2013 Por atividade Por grupo de entidades

Índice Principais alterações face à edição de Principais resultados da CSES 2013 Por atividade Por grupo de entidades Índice 1. Principais alterações face à edição de 2010 2. Principais resultados da CSES 2013 - Por atividade - Por grupo de entidades - Por setor institucional - Comparação com a economia nacional - Apuramentos

Leia mais

Resumo do Relatório de Política Monetária

Resumo do Relatório de Política Monetária Resumo do Relatório de Política Monetária Produto Interno Bruto real cresceu 3,9% em 2016. Previsão para 2017 aponta para o intervalo entre 3% e 4%, de acordo com o Relatório de Política Monetária do Banco

Leia mais

Economia do País. Análise de conjuntura económica trimestral. Investimento. Variações trimestrais homólogas

Economia do País. Análise de conjuntura económica trimestral. Investimento. Variações trimestrais homólogas Investimento Variações trimestrais homólogas Entre 2013 e o 3º trimestre de 2015, o Investimento em Portugal superou o existente na Zona Euro, devido não só às perspectivas de crescimento económico, mas

Leia mais

BANCO DE PORTUGAL Eurosistema CENTRAL DE BALANÇOS CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA

BANCO DE PORTUGAL Eurosistema CENTRAL DE BALANÇOS CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA BANCO DE PORTUGAL Eurosistema ESTATÍSTICAS STICAS DA CENTRAL DE BALANÇOS CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA, TÓPICOS 1. A do 2. Resultados da intervenção do sobre os dados individuais das empresas 3. Principais

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal outubro 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR (*) E ÍNDICE HARMONIZADO DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Janeiro de 2003

ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR (*) E ÍNDICE HARMONIZADO DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Janeiro de 2003 Informação à Comunicação Social 21 de Fevereiro de 2003 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR (*) E ÍNDICE HARMONIZADO DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Janeiro de 2003 Tema: Economia e Finanças Preços no consumidor aumentam

Leia mais

Provas de Acesso ao Ensino Superior

Provas de Acesso ao Ensino Superior Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 3 Anos Candidatura de 05 Exame de Economia Tempo para a realização da prova: horas Tolerância: 30 minutos Material admitido: material de escrita, caneta

Leia mais