Poupança e Investimento

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Poupança e Investimento"

Transcrição

1 Poupança e Investimento Fernando Alexandre Ordem dos Economistas, Lisboa 19 de abril 2017

2

3 Poupança e Financiamento da Economia Portuguesa 1. A importância da poupança 2. Desequilíbrios e estagnação: uma perspetiva global 3. O declínio da poupança 4. Poupança e endividamento das famílias 5. A riqueza das famílias 6. Poupança, investimento e endividamento das empresas 7. Políticas públicas e poupança

4 1. A importância da poupança Taxa de poupança (% RNB, média no período ) Fonte: AMECO.

5 Poupança, investimento e balança corrente (% PIB) Fonte: Banco de Portugal. 1. A importância da poupança Resgate I Resgate II Resgate III Taxa de investimento Taxa de poupança Saldo da balança corrente

6 Poupança e Financiamento da Economia Portuguesa 1. A importância da poupança 2. Desequilíbrios e estagnação: uma perspetiva global 3. O declínio da poupança 4. Poupança e endividamento das famílias 5. A riqueza das famílias 6. Poupança, investimento e endividamento das empresas 7. Políticas públicas e poupança

7 2. Desequilíbrios e estagnação: uma perspetiva global 2.1. A circulação internacional da poupança: oportunidades e riscos 2.2. Zona do euro: equilíbrio externo vs. desequilíbrios internos

8 2. Desequilíbrios e estagnação: uma perspetiva global 2.1. A circulação internacional da poupança: oportunidades e riscos China Japão Euro-12 EUA Balança corrente nas principais áreas económicas (% PIB) Fontes: Banco Mundial no caso da China e AMECO para os restantes.

9 Taxas de juro dívida pública (%) Fontes: OCDE Desequilíbrios e estagnação: uma perspetiva global 2.1. A circulação internacional da poupança: oportunidades e riscos M M M M M M M M M M M M M M01-2 Japão R.U. EUA Alemanha

10 2. Desequilíbrios e estagnação: uma perspetiva global 2.1. A circulação internacional da poupança: oportunidades e riscos 2.2. Zona do euro: equilíbrio externo vs. desequilíbrios internos

11 2. Desequilíbrios e estagnação: uma perspetiva global 2.2. Zona do euro: equilíbrio externo vs. desequilíbrios internos Holanda Bélgica Alemanha Balança corrente em países do euro excedentários (% PIB) Fontes: AMECO.

12 2. Desequilíbrios e estagnação: uma perspetiva global 2.2. Zona do euro: equilíbrio externo vs. desequilíbrios internos Holanda Bélgica Alemanha Taxa de poupança países do euro excedentários (% PIB) Fontes: AMECO.

13 2. Desequilíbrios e estagnação: uma perspetiva global 2.2. Zona do euro: equilíbrio externo vs. desequilíbrios internos Irlanda Espanha Portugal Grécia Balança corrente em países do euro deficitários (% PIB) Fontes: AMECO.

14 2. Desequilíbrios e estagnação: uma perspetiva global 2.2. Zona do euro: equilíbrio externo vs. desequilíbrios internos Irlanda Espanha Portugal Grécia Taxa de poupança dos países do euro deficitários (% PIB) Fonte: AMECO.

15 2. Desequilíbrios e estagnação: uma perspetiva global 2.2. Zona do euro: equilíbrio externo vs. desequilíbrios internos Portugal Grécia Espanha Irlanda Taxa de investimento dos países do euro deficitários (% PIB) Fonte: AMECO.

16 Poupança e Financiamento da Economia Portuguesa 1. A importância da poupança 2. Desequilíbrios e estagnação: uma perspetiva global 3. O declínio da poupança 4. Poupança e endividamento das famílias 5. A riqueza das famílias 6. Poupança, investimento e endividamento das empresas 7. Políticas públicas e poupança

17 3. O declínio da poupança 3.1. Poupança e endividamento externo 3.2. O contexto 3.3. Demografia

18 3. O declínio da poupança 3.1. Poupança e endividamento externo 3.2. O contexto 3.3. Demografia

19 O declínio da poupança 3.1 Poupança e endividamento externo Taxa de investimento Taxa de poupança Saldo da balança corrente Poupança, investimento e balança corrente (% PIB) Fonte: Banco de Portugal.

20 3. O declínio da poupança Poupança e endividamento externo Posição líquida de investimento internacional (% PIB) Fonte: AMECO.

21 10 3. O declínio da poupança 3.1 Poupança e endividamento externo Famílias Empresas Estado Total PORTUGAL - Capacidade líquida de financiamento (% PIB) Fonte: AMECO.

22 O declínio da poupança 3.1 Poupança e endividamento externo Famílias Empresas Estado GRÉCIA - Capacidade líquida de financiamento (% PIB) Fonte: AMECO.

23 15 3. O declínio da poupança 3.1 Poupança e endividamento externo Famílias Empresas Estado ESPANHA - Capacidade líquida de financiamento (% PIB) Fonte: AMECO.

24 O declínio da poupança 3.1 Poupança e endividamento externo Famílias Empresas Estado IRLANDA - Capacidade líquida de financiamento (% PIB) Fonte: AMECO.

25 3. O declínio da poupança 3.1. Poupança e endividamento externo 3.2. O contexto 3.3. Demografia

26 3. O declínio da poupança 3.2. O contexto: expectativas Taxa de crescimento do PIB real per capita Diferencial face à UE15 Taxa de crescimento do PIB per capita e diferencial de crescimento anual do produto per capita em volume Portugal-UE15 (pp) Fonte: AMECO.

27 O declínio da poupança 3.2. O contexto: estabilização nominal e desenvolvimento do sistema financeiro Portugal Alemanha Taxas de juro de longo prazo (%) Fonte: AMECO.

28 55 3. O declínio da poupança 3.2. O contexto: endividamento público receita despesa saldo Receitas, despesas e saldo orçamental (% do PIB) Fonte: AMECO.

29 3. O declínio da poupança 3.2. O contexto: Estado Social Saúde Educação Segurança Social Despesas do Estado em Saúde, Educação e Segurança Social (% PIB) Fonte: PORDATA.

30 3. O declínio da poupança 3.1. Poupança e endividamento externo 3.2. O contexto 3.3. Demografia

31 3. O declínio da poupança Demografia M ,3 M 8,5 M [18;24] [25;29] [30;44] [45;64] [65;74] >=75 Projeção da população residente Fonte: INE.

32 O declínio da poupança 3.3. Demografia [18;24] [25;29] [30;44] [45;64] [65;74] >=75 Projeção da distribuição etária da população residente (% ) Fonte: INE.

33 Poupança e Financiamento da Economia Portuguesa 1. A importância da poupança 2. Desequilíbrios e estagnação: uma perspetiva global 3. O declínio da poupança 4. Poupança e endividamento das famílias 5. A riqueza das famílias 6. Poupança, investimento e endividamento das empresas 7. Políticas públicas e poupança

34 4. A poupança e o endividamento das famílias 4.1. Poupança ou consumo 4.2. Onde está a poupança? 4.3. Onde está o endividamento?

35 4. A poupança e o endividamento das famílias 4.1. Poupança ou consumo PRT GRC ESP ITA EA19 DEU Poupança das famílias (% do PIB) Fonte: AMECO.

36 4. A poupança e o endividamento das famílias 4.1. Poupança ou consumo Taxa de poupança das famílias Fonte: Banco de Portugal.

37 4. A poupança e o endividamento das famílias 4.1. Poupança ou consumo A tendência de descida da taxa de poupança é explicada pela facilidade de acesso ao crédito. A procura de crédito por parte das famílias foi sustentada pelas expectativa de crescimento e pela confiança na capacidade do Estado em cumprir os compromissos assumidos.

38 4. A poupança e o endividamento das famílias 4.1. Poupança ou consumo 4.2. Onde está o endividamento? 4.3. Onde está a poupança?

39 4. A poupança e o endividamento das famílias 4.2. Onde está o endividamento? % Endividamento das famílias em 2013 (% RDB) Fonte: OCDE.

40 4. A poupança e o endividamento das famílias 4.2. Onde está o endividamento? % Endividamento das famílias (% RD) Fonte: Banco de Portugal.

41 4. A poupança e o endividamento das famílias 4.2. Onde está o endividamento? 3,36% 6,20% 2,35% 7,32% 80,77% Cartão de crédito Crédito à habitação Crédito ao consumo Crédito automóvel Outros Endividamento por tipo de crédito, dez (%) Fonte: CRC, Banco de Portugal.

42 4. A poupança e o endividamento das famílias 4.2. Onde está o endividamento? 60 56% [18,25[ [25,30[ [30,45[ [45,65[ [65,75[ [>=75[ Distribuição do crédito à habitação por faixa etária, 2009 e 2015 (%) Fonte: CRC, Banco de Portugal.

43 4. A poupança e o endividamento das famílias 4.1. Poupança ou consumo 4.2. Onde está o endividamento? 4.3. Onde está a poupança?

44 4. A poupança e o endividamento das famílias 4.3. Onde está a poupança? Distribuição da poupança, em percentagem da poupança total, por decis de poupança (%) Fonte: IDEF 2005, 2010.

45 4. A poupança e o endividamento das famílias 4.3. Onde está a poupança? % Distribuição da poupança em percentagem da poupança total, por decis de rendimento (%) Fonte: IDEF 2005, 2010.

46 4. A poupança e o endividamento das famílias 4.3. Onde está a poupança? % % Taxa de poupança em percentagem do rendimento, por decis de rendimento (%) Fonte: IDEF 2005, 2010.

47 4. A poupança e o endividamento das famílias 4.3. Onde está a poupança? % 20 19% 13% 17% 10 0 [18;24[ [25;29[ [30;44[ [45;64[ [65;74[ [>=75[ Distribuição da poupança por escalões etários Fonte: IDEF 2005, 2010.

48 4. A poupança e o endividamento das famílias 4.3. Onde está a poupança? Grupo etário do indivíduo de referência Quintil de rendimento [18;25[ [25;30[ [30;45[ [45;65[ [65;75[ [>=75[ Quintil, agregado Quintil + pobre -0,2-0,1-1,3-2,8-0,0 1,7-2,7 Quintil 2 0,0-0,4-1,5-1,3 1,3 3,0 1,1 Quintil 3 0,4 0,3 1,0 2,0 2,5 1,8 8,0 Quintil 4 1,0 1,6 5,1 8,2 3,2 2,5 21,5 Quintil + rico 0,9 2,0 16,0 38,9 9,9 4,4 72,1 Etário, agregado 2,1 3,4 19,4 44,9 16,8 13,4 100,0 Distribuição da poupança por rendimento e escalões etários Fonte: IDEF 2010.

49 4. A poupança e o endividamento das famílias 4.3. Onde está a poupança? Grupo etário do indivíduo de referência Quintil de rendimento [18;25[ [25;30[ [30;45[ [45;65[ [65;75[ [>=75[ Quintil, agregado Quintil + pobre 0,1-0,1 0,7 3,0 1,4 1,0 6,1 Quintil 2-0, 5 1,4 4,2 5,4 2,4-2,0 11,0 Quintil 3-0,8 0,8 7,3 4,3 0,2 1,7 13,4 Quintil 4-0,1 0,5 11,2 5,8 1,6-2,8 16,3 Quintil + rico 1,1 5,1 26,5 27,5-3,9-3,0 53,3 Etário, agregado -0,2 7,8 49,9 46,0 1,7-5,1 100,0 Contribuição para a variação da taxa de poupança (%) Fonte: IDEF 2005 e 2010.

50 Poupança e Financiamento da Economia Portuguesa 1. A importância da poupança 2. Desequilíbrios e estagnação: uma perspetiva global 3. O declínio da poupança 4. Poupança e endividamento das famílias 5. A riqueza das famílias 6. Poupança, investimento e endividamento das empresas 7. Políticas públicas e poupança

51 5. A riqueza das famílias 5.1. A composição da riqueza das famílias 5.2 As aplicações financeiras

52 A riqueza das famílias 5.1. A composição da riqueza das famílias Moeda e depósitos Acções e outras participaçoes UP Fundos Investimento Regimes de seguros e pensões outros activos fin. habitacao Composição da riqueza das famílias (% da riqueza total) Fonte: Banco de Portugal.

53 5. A riqueza das famílias 5.1. A composição da riqueza das famílias 15,52% 8,16% 76,32% Imóveis Outros activos não financeiros Activos Financeiros Composição da riqueza das famílias Fonte: ISFF (2010), Banco de Portugal e INE.

54 Riqueza líquida média por escalão etário (euros) Fonte: ISFF (2010), Banco de Portugal e INE. 5. A riqueza das famílias 5.1. A composição da riqueza das famílias [18;24[ [25;30[ [30;45[ [45;65[ [65;75[ [>=75[ Activos Dívida Riqueza líquida

55 5. A riqueza das famílias 5.1. A composição da riqueza das famílias Q1_pobres Quintil_2 Quintil_3 Quintil_4 Q5_ricos Activos Dívida Riqueza líquida Riqueza líquida média por quintil de rendimento (euros) Fonte: ISFF (2010), Banco de Portugal e INE.

56 5. A riqueza das famílias 5.1. A composição da riqueza das famílias 5.2. As aplicações financeiras

57 5. A riqueza das famílias 5.2. As aplicações financeiras 3,7% 3,8% 7,1% 12,7% 5,1% 6,0% 61,6% Depósitos à ordem Ações Depósitos a prazo Pensões Fundos Títulos Outros Composição da riqueza financeira (%) Fonte: ISFF (2010), Banco de Portugal.

58 5. A riqueza das famílias 5.2. As aplicações financeiras Grupo etário do indivíduo de referência Quintil de rendimento [18;25[ [25;30[ [30;45[ [45;65[ [65;75[ [>=75[ Quintil, agregado Quintil + pobre 0,0% 0,0% 0,4% 1,9% 0,7% 0,9% 3,9% Quintil 2 0,0% 0,1% 0,4% 1,9% 2,7% 1,8% 6,9% Quintil 3 0,0% 0,2% 2,0% 3,8% 1,6% 1,9% 9,6% Quintil 4 0,0% 0,1% 2,5% 6,3% 3,0% 2,5% 14,3% Quintil + rico 0,0% 0,2% 7,9% 43,0% 7,7% 6,4% 65,3% Etário, agregado 0,1% 0,6% 13,2% 57,0% 15,7% 13,4% 100,0% Riqueza financeira por quintis de rendimento e escalões etários Fonte: ISFF (2010), Banco de Portugal e INE.

59 5. A riqueza das famílias 5.2. As aplicações financeiras Dez 1993 Dez 1997 Dez 2001 Dez 2005 Dez 2009 Dez 2013 Dez Depósitos com pré-aviso Outros depósitos e equiparados - Até 1 ano Outros depósitos e equiparados - A mais de 2 anos Responsabilidades à vista Outros depósitos e equiparados - De 1 a 2 anos Composição dos depósitos das famílias (% dos depósitos totais) Fonte: Banco de Portugal.

60 5. A riqueza das famílias 5.2. As aplicações financeiras Grupo etário do indivíduo de referência Quintil de rendimento [18;25[ [25;30[ [30;45[ [45;65[ [65;75[ [>=75[ Quintil, agregado Quintil + pobre 0,0% 0,0% 0,3% 1,9% 0,8% 0,9% 4,0% Quintil 2 0,0% 0,0% 0,3% 1,8% 3,5% 2,3% 7,9% Quintil 3 0,0% 0,1% 1,3% 3,5% 1,7% 2,5% 9,1% Quintil 4 0,0% 0,0% 2,1% 5,9% 3,5% 2,6% 14,2% Quintil + rico 0,0% 0,2% 7,1% 42,2% 7,3% 7,9% 64,7% Etário, agregado 0,1% 0,4% 11,1% 55,3% 16,9% 16,2% 100,0% Depósitos a prazo por quintis de rendimento e escalões etários Fonte: ISFF (2010), Banco de Portugal e INE.

61 5. A riqueza das famílias 5.2. As aplicações financeiras Grupo etário do indivíduo de referência Quintil de rendimento [18;25[ [25;30[ [30;45[ [45;65[ [65;75[ [>=75[ Quintil, agregado Quintil + pobre 0,0% 0,0% 0,5% 3,5% 0,2% 0,2% 4,5% Quintil 2 0,0% 0,0% 1,1% 1,8% 0,8% 0,5% 4,2% Quintil 3 0,0% 0,4% 1,4% 2,7% 1,6% 0,2% 6,4% Quintil 4 0,0% 0,4% 4,8% 8,5% 2,1% 0,2% 16,0% Quintil + rico 0,0% 0,3% 10,8% 52,9% 2,5% 2,4% 68,9% Etário, agregado 0,0% 1,1% 18,6% 69,5% 7,3% 3,5% 100,0% Fundos de pensões por quintis de rendimento e escalões etários Fonte: ISFF (2010), Banco de Portugal e INE.

62 Poupança e Financiamento da Economia Portuguesa 1. A importância da poupança 2. Desequilíbrios e estagnação: uma perspetiva global 3. O declínio da poupança 4. Poupança e endividamento das famílias 5. A riqueza das famílias 6. Poupança, investimento e endividamento das empresas 7. Políticas públicas e poupança

63 6. Poupança, investimento e endividamento das empresas 6.1. Investimento e necessidades de financiamento 6.2. O endividamento das empresas 6.3 A poupança das empresas

64 6. Poupança, investimento e endividamento das empresas 6.1. Investimento e necessidades de financiamento Poupança FBC CLFinanciamento Poupança, Investimento e Capacidade líquida de financiamento das empresas (não financeiras) (% PIB) Fonte: Banco de Portugal.

65 6. Poupança, investimento e endividamento das empresas 6.1. Investimento e necessidades de financiamento Formação Bruta de Capital Fixo das Empresas (% do PIB) Fonte: INE.

66 6. Poupança, investimento e endividamento das empresas 6.1. Investimento e necessidades de financiamento 100% 80% 60% 40% 20% 0% Sectores Transaccionáveis Sectores Não Transaccionáveis Peso dos ST e dos STN no investimento privado (%) Fonte: Cálculos dos autores com base em dados do INE.

67 6. Poupança, investimento e endividamento das empresas 6.1. Investimento e necessidades de financiamento 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 60% 70% 72% 76% 40% 30% 28% 24% Transaccionáveis Não Transaccionáveis Peso dos sectores transacionáveis e não transacionáveis no VAB (%) Fonte: INE.

68 6. Poupança, investimento e endividamento das empresas 6.1. Investimento e necessidades de financiamento 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 14% 36% 18% 15% 34% 16% 18% 14% 12% 22% 21% 10% 14% 5% 25% 4% 19% 17% 9% 8% Construção Actividades Imobiliárias Comércio por grosso, etc Indústria Transformadora Peso no crédito total às SNF (%) Fonte: INE.

69 6. Poupança, investimento e endividamento das empresas 6.1. Investimento e necessidades de financiamento Peso da construção de habitações no PIB (%) Fonte: INE

70 6. Poupança, investimento e endividamento das empresas 6.1. Investimento e necessidades de financiamento PRT GRC ESP R.U. E.U.A. ALE Índice do preço real da habitação com base em 1995 Fonte: Cálculos dos autores com base em dados do Banco de Pagamentos Internacionais e da AMECO.

71 6. Poupança, investimento e endividamento das empresas 6.1. Investimento e necessidades de financiamento Total Ocupados Alojamentos familiares clássicos (milhões) Fonte: INE

72 6. Poupança, investimento e endividamento das empresas 6.1. Investimento e necessidades de financiamento Construção Actividades Imobiliárias 40% 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% 17% 28% % crédito total % crédito vencido no sector 35% % crédito vencido total 25% 20% 15% 10% 5% 0% 14% 21% % crédito total % crédito vencido no sector 20% % crédito vencido total Crédito total e crédito vencido SNF, 2014 (%) Fonte: INE.

73 6. Poupança, investimento e financiamento das empresas 6.1. Investimento e necessidades de financiamento 6.2. O endividamento das empresas 6.3. A poupança das empresas

74 6. Poupança, investimento e endividamento das empresas 6.2. O endividamento das empresas Endividamento das SNF, 2012 (% do PIB) Fonte: OCDE.

75 6. Poupança, investimento e endividamento das empresas 6.2. O endividamento das empresas % Endividamento (títulos de dívida, empréstimos e outros débitos e créditos do património financeiro) das SNF em % do PIB Fonte: Banco de Portugal

76 6. Poupança, investimento e endividamento das empresas 6.2. O endividamento das empresas Endividamento: alguns factos (SCIE, INE): (i) Entre 2006 e 2014, a percentagem de empresas com endividamento aumentou de 38% para 44%; (ii) Naquele período, os 5% de empresas mais endividadas representavam entre 90% e 92% do endividamento total; (iii) Em 2014, os 1% de empresas mais endividadas representavam 80% do endividamento total; (iv) Entre 2006 e 2014, as grandes empresas aumentaram o endividamento em 34%. Entre 2009 e 2014, as médias empresas reduziram o endividamento em (v) cerca de 30%; Entre 2006 e 2008, o rácio de dívida, Passivo total / Ativo total, aumentou de 66% para 71% e manteve-se nesse nível até 2014; (vi) O peso dos juros, Juros / EBITDA, em termos médios, aumentou de 5%, entre 2006 e 2010, para 38% entre 2011 e 2014.

77 6. Poupança, investimento e endividamento das empresas 6.1. Investimento e necessidades de financiamento 6.2. O endividamento das empresas 6.3. A poupança das empresas

78 Poupança, investimento e endividamento das empresas 6.3. A poupança das empresas ,4% % Contributo das empresas para a poupança (% RDB) Fonte: Banco de Portugal.

79 6. Poupança, investimento e endividamento das empresas 6.3. A poupança das empresas poup_snf poup_sf Poupança das sociedades não financeiras (SNF) e das sociedades financeiras (SF) (milhões de euros) Fonte: INE.

80 6. Poupança, investimento e endividamento das empresas 6.3. A poupança das empresas Juros Rend.distribuídos Lucros IDE reinvestidos Rendas Rendimentos de propriedade pagos (sociedades não financeiras, milhões de euros) Fonte: INE.

81 6. Poupança, investimento e endividamento das empresas 6.3. A poupança das empresas Poupança: alguns factos (SCIE, INE): (i) Entre 2008 e 2015 os encargos com juros das empresas diminuíram de 8,6 mil milhões para 4,7 mil milhões. (ii) Em 2014, os 5% de empresas que pagaram mais juros representavam 95% do total dos juros (86% em 2006). (iii) Os dividendos distribuídos diminuíram de 14 mil milhões, em 2010, para 11,5 mil milhões, em 2015 (um valor semelhante ao do investimento). (iv) Em 2013, os 5% de empresas que pagaram mais dividendos representavam 99,8% dos dividendos totais (34% do volume de negócios e 24% do emprego total). (v) Sobreposição entre empresas que pagam juros e distribuem dividendos (as 10 empresas que pagaram mais dividendos representavam 25% dos dividendos e 17% dos juros totais).

82 Poupança e Financiamento da Economia Portuguesa 1. A importância da poupança 2. Desequilíbrios e estagnação: uma perspetiva global 3. O declínio da poupança 4. Poupança e endividamento das famílias 5. A riqueza das famílias 6. Poupança, investimento e endividamento das empresas 7. Políticas públicas e poupança

83 7. Políticas públicas e poupança 7.1. Políticas direcionadas 7.2. Dinâmica demográfica e poupança 7.3. Dinâmica demográfica e crédito 7.4. Poupança e Segurança Social

84 7. Políticas públicas e poupança 7.1. Políticas direcionadas Grupo etário do indivíduo de referência Quintil de rendimento [18;25[ [25;30[ [30;45[ [45;65[ [65;75[ [>=75[ Quintil, agregado Quintil + pobre -46,8-21,2-28,2-22,3-0,3 10,8-5,8 Quintil 2 2,9-14,7-12,1-6,0 6,9 17,8 1,5 Quintil 3 15,0 5,4 3,7 5,0 16,0 15,7 7,8 Quintil 4 25,5 18,8 11,2 13,6 19,3 30,5 15,1 Quintil + rico 30,3 18,4 22,2 27,8 35,1 40,4 27,2 Etário, agregado 19,2 12,2 11,9 16,4 18,6 21,2 15,9 Taxas de poupança por distribuição do rendimento e escalão etário (%) Fonte: IDEF, 2010, INE.

85 7. Políticas públicas e poupança 7.1. Políticas direcionadas 22% 20% 18% 16% 14% 12% 10% Taxa de poupança Q1: +6pp Q5: +4pp Q4 e Q5 sem poupanças negativa Q4 e Q5 combinado com [30, 64]

86 7. Políticas públicas e poupança 7.1. Políticas direcionadas 7.2. Dinâmica demográfica e poupança 7.3. Dinâmica demográfica e crédito 7.4. Poupança e Segurança Social

87 7. Políticas públicas e poupança 7.2. Dinâmica demográfica e poupança 22,5 18,5 20,0 18,0 17,5 17,5 15,0 12,5 10,0 7,5 5,0 17,0 16,5 16,0 15,5 2,5 15,0 0,0 [18;24] [25;29] [30;44] [45;64] [65;74] >=75 14, Taxas de poupança por escalão etário (%) Fonte: IDEF Impacto da alteração da estrutura etária na taxa de poupança (%) Fonte: Cálculos dos autores.

88 7. Políticas públicas e poupança 7.1. Políticas direcionadas 7.2. Dinâmica demográfica e poupança 7.3. Dinâmica demográfica e crédito 7.4. Poupança e Segurança Social

89 7. Políticas públicas e poupança 7.3. Dinâmica demográfica e crédito Dívida se a população se reduzisse mantendo a mesma pirâmide etária Impacto das mudanças projectadas da estrutura etária na dívida global Projeção da dívida global das famílias (milhões de euros) Fonte: CRC, Banco de Portugal e Cálculos dos autores.

90 7. Políticas públicas e poupança 7.3 Dinâmica demográfica e crédito (à habitação) Evolução do crédito à habitação sem novos empréstimos (milhões de euros) Fonte: CRC, Banco de Portugal.

91 7. Políticas públicas e poupança 7.3 Dinâmica demográfica e crédito (à habitação) [18,25[ [25,30[ [30,45[ [45,65[ [65,75[ [>=75[ Projeção da repartição do crédito à habitação por escalão etário (%) Fonte: CRC, Banco de Portugal.

92 7. Políticas públicas e poupança 7.1. Políticas direcionadas 7.2. Dinâmica demográfica e poupança 7.3. Dinâmica demográfica e crédito 7.4. Poupança e Segurança Social

93 7. Políticas públicas e poupança 7.4. Poupança e Segurança Social

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS DADOS ESTATÍSTICOS A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas I. DADOS NACIONAIS 1. POPULAÇÃO 1.1 População Residente por Sexo e Grupo Etário: Censos 1 1.2 População Residente - Estimativas 1 2.

Leia mais

Estatísticas sobre o endividamento das famílias

Estatísticas sobre o endividamento das famílias Estatísticas sobre o endividamento das famílias Filipa Lima 26 de março de 2015 Conselho Superior de Estatística Reunião Conjunta SPES e SPEE Estatísticas sobre o endividamento das famílias ESQUEMA DA

Leia mais

E depois da troika? Viver com o memorando. Fernando Faria de Oliveira. Caixa Geral de Depósitos

E depois da troika? Viver com o memorando. Fernando Faria de Oliveira. Caixa Geral de Depósitos E depois da troika? Viver com o memorando. Fernando Faria de Oliveira Caixa Geral de Depósitos Centro de Congressos de Lisboa, 4 de Julho 2011 A comportamento do mercado em relação ao risco da dívida soberana

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010 Evolução 2004-2010 Actualizado em Dezembro de 2010 Unid. Fonte 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Notas 2010 População a Milhares Hab. INE 10.509 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.638 3º Trimestre

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas Evolução 2007-2013 Actualizado em Março 2013 Unid. Fonte 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Notas População a Milhares Hab. INE 10.604 10.623 10.638 10.636 10.647 10.600 População tvh % INE 0,2 0,2 0,1

Leia mais

Portugal : Retrato Económico e Social em gráficos

Portugal : Retrato Económico e Social em gráficos Portugal 198-1: Retrato Económico e Social em gráficos E.E.F. Mercados Financeiros Setembro 15 Perante o processo de ajustamento efectuado nos últimos quatro anos, é nosso propósito mostrar e realçar que

Leia mais

UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia MACROECONOMIA II. Ficha de Exercícios 1 Revisão de Conceitos

UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia MACROECONOMIA II. Ficha de Exercícios 1 Revisão de Conceitos UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia MACROECONOMIA II Ficha de Exercícios 1 Revisão de Conceitos 1. Considere uma família que decide vender a casa onde vivia há 2 anos. Na venda, a

Leia mais

A evolução do crédito e dos depósitos - Portugal no contexto europeu

A evolução do crédito e dos depósitos - Portugal no contexto europeu E.E.F. Mercados Financeiros Setembro 215 A evolução do crédito e dos depósitos - Portugal no contexto europeu De forma a obter o retrato comparativo da evolução do crédito e dos depósitos, optámos por

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE. Samuel Fernandes de Almeida

Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE. Samuel Fernandes de Almeida Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE Samuel Fernandes de Almeida 1 ÍNDICE Dados macroeconómicos / Caracterização das receitas fiscais Estrutura das receitas fiscais no Orçamento do Estado

Leia mais

O Valor da Informação no Turismo

O Valor da Informação no Turismo Vê Portugal 3.º Fórum Turismo Interno O Valor da Informação no Turismo João Cadete de Matos Diretor Departamento de Estatística 30 de maio de 2016 1 O valor da informação 2 Caraterização das empresas dosetor

Leia mais

Análise das empresas da indústria das bebidas. Mário Lourenço Núcleo de Análise Setorial 24 de fevereiro de 2017

Análise das empresas da indústria das bebidas. Mário Lourenço Núcleo de Análise Setorial 24 de fevereiro de 2017 Análise da indústria bebi Mário Lourenço Núcleo de Análise Setorial 24 de fevereiro de 2017 I. Estrutura e dinâmica II. Atividade e rendibilidade III. Situação financeira 2 24 fevereiro 2017 Estrutura

Leia mais

1º Caderno de Exercícios

1º Caderno de Exercícios 1º Caderno de Exercícios Exercícios Referentes aos Capítulos 1 e 2 do Programa 1. Considere os seguintes elementos referentes ao Capital e o valor da Produção na empresa do Sr. A, ao longo dos últimos

Leia mais

A necessidade de financiamento da economia fixou-se em 5,1% do PIB em 2011

A necessidade de financiamento da economia fixou-se em 5,1% do PIB em 2011 Contas Nacionais Trimestrais Por Sector Institucional (Base 2006) 4º Trimestre de 2011 e Ano 2011 30 de março de 2012 A necessidade de financiamento da economia fixou-se em 5,1% do PIB em 2011 Em 2011,

Leia mais

Caracterização das empresas do setor agrícola com base na informação estatística do Banco de Portugal

Caracterização das empresas do setor agrícola com base na informação estatística do Banco de Portugal Caracterização das empresas do setor agrícola com base na informação estatística do Banco de Portugal João Cadete de Matos Diretor Departamento de Estatística junho de 2016 I. Estrutura e dinâmica II.

Leia mais

Economia do País. Análise de conjuntura económica trimestral. Investimento. Variações trimestrais homólogas

Economia do País. Análise de conjuntura económica trimestral. Investimento. Variações trimestrais homólogas Investimento Variações trimestrais homólogas Entre 2013 e o 3º trimestre de 2015, o Investimento em Portugal superou o existente na Zona Euro, devido não só às perspectivas de crescimento económico, mas

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/12 Págs. Duração

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 2º Trimestre de 2013 Coordenação de Contas Nacionais 30 de agosto de 2013 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

Ambiente econômico nacional e internacional

Ambiente econômico nacional e internacional Ambiente econômico nacional e internacional Apresentação para elaboração do documento referencial 2015-19 no Ministério do Turismo Manoel Pires - MF Cenário internacional O mundo se recupera da crise,

Leia mais

concedidos pelo setor financeiro residente

concedidos pelo setor financeiro residente NOTA DE INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA 22 2016 Novas estatísticas sobre empréstimos concedidos pelo setor financeiro residente 22 de fevereiro de 2016 O Banco de Portugal apresenta hoje novas estatísticas sobre

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de fevereiro de 2013

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de fevereiro de 2013 Nota de Informação Estatística Lisboa, de fevereiro de 3 Banco de Portugal divulga estatísticas da balança de pagamentos e da posição de investimento internacional referentes a O Banco de Portugal publica

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal dezembro 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

BALANÇA DE PAGAMENTOS Balança de Pagamentos Externos de Portugal Valores Líquidos Base de transacções Balança de Pagamentos Externos

BALANÇA DE PAGAMENTOS Balança de Pagamentos Externos de Portugal Valores Líquidos Base de transacções Balança de Pagamentos Externos ÍNDICE DE QUADROS Parte I ESTATÍSTICAS MONETÁRIAS E FINANCEIRAS Balanço do Banco de Portugal Dez 1947-Dez 1956... 11 Balanço do Banco de Portugal Dez 1957-Dez 1965... 12 Balanço do Banco de Portugal Mar

Leia mais

Capacidade de financiamento da economia atingiu de 2,0% do PIB no 1º trimestre de 2015

Capacidade de financiamento da economia atingiu de 2,0% do PIB no 1º trimestre de 2015 Contas Nacionais Trimestrais Por Setor Institucional (Base 2011) 1º Trimestre de 2015 24 de junho de 2015 Capacidade de financiamento da economia atingiu de 2,0% do PIB no 1º trimestre de 2015 A economia

Leia mais

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A.

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BALANÇO INDIVIDUAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2001 E 2000 2001 ACTIVO Notas Activo Amortizações Activo 2000 Bruto e Provisões líquido 1. Caixa e disponibilidades

Leia mais

Capacidade de financiamento da Economia portuguesa manteve-se em crescimento

Capacidade de financiamento da Economia portuguesa manteve-se em crescimento Contas Nacionais Trimestrais por Setor Institucional (Base 2006) 3º Trimestre de 2013 27 de dezembro de 2013 Capacidade de financiamento da Economia portuguesa manteve-se em crescimento No ano acabado

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa em 2016

Projeções para a economia portuguesa em 2016 Projeções para a economia portuguesa em 2016 95 Projeções para a economia portuguesa em 2016 As projeções para a economia portuguesa apontam para uma desaceleração do PIB, de 1,6 por cento em 2015 para

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Teste Intermédio

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Teste Intermédio NOVA SCHOOL OF BUSINESS AND ECONOMICS INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Teste Intermédio Ana Balcão Reis Catarina Ângelo 24 de Novembro de 2012 Inácia Pimentel Simão Arouca Duração Total: 1h45m I ( 8,1 val) Nos

Leia mais

Repartição dos rendimentos

Repartição dos rendimentos Repartição dos rendimentos Repartição primária do rendimento rendimentos primários Rendimentos primários e rendimentos secundários Os rendimentos do trabalho (salários) e do capital (juros, lucros e rendas)

Leia mais

DESPOUPANÇA E MALPOUPANÇA CONDENAM PORTUGUESES A

DESPOUPANÇA E MALPOUPANÇA CONDENAM PORTUGUESES A DESPOUPANÇA E MALPOUPANÇA CONDENAM PORTUGUESES A PAUPERIZAÇÃO Panorama Europeu da Poupança 2016 Lisboa, 24 de Outubro de 2016 1. Despoupança: uma taxa de poupança constantemente negativa nos últimos 5

Leia mais

Estatísticas da Globalização

Estatísticas da Globalização Estatísticas da Globalização 28-213 28 de março de 214 Indicadores da globalização revelam integração internacional da economia portuguesa No período 28-213, em particular a partir do ano 21, a economia

Leia mais

Perspectivas para 2012

Perspectivas para 2012 Abiplast Perspectivas para 2012 Antonio Delfim Netto 2 de Dezembro de 2011 São Paulo, SP 1 I.Mundo: Década de 80 e 2010 (% do PIB) 30% 23% 31% 24% 37% 22% 3,7% 3,3% 8% 7% 4,2% 4,0% 1,5% 1,2% Fonte: FMI,

Leia mais

DOS MAIORES DE 23 ANOS NOME:

DOS MAIORES DE 23 ANOS NOME: Notas: Apresente o seu documento de identificação. Coloque o nome em todas as folhas. Leia atentamente cada questão antes de iniciar a sua resposta. Grupo 1 [10 VALORES] Relativamente a cada questão, assinale

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal outubro 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011 Banco de Portugal divulga as Estatísticas da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento Internacional referentes a 2010 O Banco de

Leia mais

Caraterização da indústria das bebidas em Portugal. Mário Lourenço Núcleo de Análise Setorial 27 janeiro 2017 Vila Real

Caraterização da indústria das bebidas em Portugal. Mário Lourenço Núcleo de Análise Setorial 27 janeiro 2017 Vila Real Caraterização da indústria bebi em Portugal Mário Lourenço Núcleo de Análise Setorial 27 janeiro 2017 Vila Real I. Estrutura e dinâmica II. Indicadores económico-financeiros III. O caso do Vinho do Porto

Leia mais

Estatísticas do Banco de Portugal. João Cadete de Matos Diretor 28 novembro 2016

Estatísticas do Banco de Portugal. João Cadete de Matos Diretor 28 novembro 2016 Estatísticas do Banco de Portugal João Cadete de Matos Diretor 28 novembro 2016 Conferência na Universidade da Madeira Missão do Banco de Portugal Política monetária Gestão de ativos e reservas Supervisão

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais Por Sector Institucional (Base 2006) 1º Trimestre de 2013

Contas Nacionais Trimestrais Por Sector Institucional (Base 2006) 1º Trimestre de 2013 Contas Nacionais Trimestrais Por Sector Institucional (Base 2006) 1º Trimestre de 2013 28 de junho de 2013 Capacidade de financiamento da Economia portuguesa aumenta No ano acabado no 1º trimestre de 2013,

Leia mais

Balanço de pagamentos. Reinaldo Gonçalves

Balanço de pagamentos. Reinaldo Gonçalves Balanço de pagamentos Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com 1 Sumário 1. BOP: Definição 2. BOP: Estrutura básica 3. BOP: Determinantes de curto prazo 4. BOP: Brasil 5. Posição do investimento

Leia mais

VAB das empresas não financeiras aumenta 3,7%, em termos nominais, em 2014

VAB das empresas não financeiras aumenta 3,7%, em termos nominais, em 2014 Empresas em Portugal 2010-28 de setembro de 2015 VAB das empresas não financeiras aumenta 3,7%, em termos nominais, em Os dados preliminares de das estatísticas das empresas reforçam os sinais positivos

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal março 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes 2.º trimestre de 2016

Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes 2.º trimestre de 2016 Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes.º trimestre de 1 Redigido com informação disponível até 3 de setembro de 1 Índice Sistema bancário português Avaliação global Indicadores macroeconómicos

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 09 setembro 2011 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

Capacidade de financiamento da economia manteve-se em 1,1% do PIB

Capacidade de financiamento da economia manteve-se em 1,1% do PIB 24 de março de 2016 Contas Nacionais Trimestrais por Setor Institucional (Base 2011) 4º Trimestre de 2015 Capacidade de financiamento da economia manteve-se em 1,1% do PIB A capacidade de financiamento

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Fevereiro 2016 ISEG Síntese de Conjuntura, fevereiro 2016 1 SUMÁRIO O crescimento em volume da economia portuguesa ao longo de 2015 (1,5%) mostrou sinais de desaceleração na segunda

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal julho 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO

A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO MANUEL CALDEIRA CABRAL UNIVERSIDADE DO MINHO FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO 29 DE SETEMBRO 2010 INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA Porque é que é importante Crescimento

Leia mais

3º Trimestre de 2011

3º Trimestre de 2011 Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 3º Trimestre de 2011 Coordenação de Contas Nacionais 06 de dezembro de 2011 Revisões nas Contas Nacionais Trimestrais No 3º trimestre

Leia mais

Características gerais. Características gerais. Características gerais. Crise Europeia Crise Grega. Apresentação. Características gerais

Características gerais. Características gerais. Características gerais. Crise Europeia Crise Grega. Apresentação. Características gerais Crise Europeia Crise Grega Área agricultável: 63,8% do país; Principais produtos agrícolas: trigo, milho, cevada, beterraba, azeitona, uva, tabaco, batata, tomate e banana. Recursos naturais: linhito,

Leia mais

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação. taxa de variação

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação. taxa de variação Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas 2013 2013 2014 2015 2016 2017 nível (10 6 euros) 1. PIB (real) 1 B1*g 162852,2-1,4 1,2 1,5 1,7 1,8 1,8 2. PIB (nominal) B1*g 165666,3 0,3 2,0 2,4 3,4 3,7 3,7 Componentes

Leia mais

G PE AR I. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 03 março 2011

G PE AR I. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 03 março 2011 Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 3 março 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

BANCO DE PORTUGAL Eurosistema CENTRAL DE BALANÇOS CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA

BANCO DE PORTUGAL Eurosistema CENTRAL DE BALANÇOS CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA BANCO DE PORTUGAL Eurosistema ESTATÍSTICAS STICAS DA CENTRAL DE BALANÇOS CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA, TÓPICOS 1. A do 2. Resultados da intervenção do sobre os dados individuais das empresas 3. Principais

Leia mais

COSMÉTICA AEP / DEPARTAMENTO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO

COSMÉTICA AEP / DEPARTAMENTO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO COSMÉTICA AEP / DEPARTAMENTO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO MARÇO DE 2003 Índice Panorama Nacional... 3 Panorama comunitário... 7 Anexo Estatístico... 8 2 Panorama Nacional O fabrico de produtos cosméticos

Leia mais

Contabilidade Avançada Prof. João Domiraci Paccez Exercício Nº 17

Contabilidade Avançada Prof. João Domiraci Paccez Exercício Nº 17 Exercício Nº 17 1 Elaboração do Balanço Patrimonial de em moeda de ATIVO Valores Históricos Valores ajustados Quant. de Valores na moeda de Ativo circulante 350.000 105.132,3249 416.324 Caixa 80.000 80.000

Leia mais

A Competitividade Externa da Economia Portuguesa

A Competitividade Externa da Economia Portuguesa Universidade de Aveiro DEGEI Departamento de Economia, Gestão e Engenharia Industrial Trabalho Individual Análise de dados 24 De Abril de 2014 A Competitividade Externa da Docente: João Paulo Bento Discente:

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMETO INTERNATIONAL DE 2012

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMETO INTERNATIONAL DE 2012 Em Percentagem (%) RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMETO INTERNATIONAL DE 212 I. Balança de Pagamentos 1. A Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 4º Trimestre de 2010 Coordenação de Contas Nacionais 03 de março de 2010 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

Em parceria com: Os desafios dos Sistemas Públicos de Pensões em Portugal

Em parceria com: Os desafios dos Sistemas Públicos de Pensões em Portugal Em parceria com: Os desafios dos Sistemas Públicos de Pensões em Portugal 2 Nota Introdutória O presente documento resulta de uma parceria entre a Nova Finance Center, Knowledge Center da Nova School of

Leia mais

Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes 3.º trimestre de 2016

Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes 3.º trimestre de 2016 Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes 3.º trimestre de 16 Redigido com informação disponível até 3 de dezembro de 16 Índice Sistema bancário português Avaliação global Indicadores macroeconómicos

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal abril 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

PROVA-MODELO DE EXAME 2

PROVA-MODELO DE EXAME 2 Prova-modelo de Exame 191 PROVA-MODELO DE EXAME I As questões que se seguem são de escolha múltipla. Das quatro respostas (A a D), apenas uma está correta. Assinale -a com uma cruz sobre a letra correspondente

Leia mais

Atividade Turística manteve resultados positivos em 2015

Atividade Turística manteve resultados positivos em 2015 Estatísticas do Turismo 2015 28 de julho de 2016 Atividade Turística manteve resultados positivos em 2015 Segundo os dados mais recentes publicados pela Organização Mundial de Turismo, as chegadas de turistas

Leia mais

(AVALIAÇÃO DO REGIME NÃO PRESENCIAL E AVALIAÇÃO DE RECURSO)

(AVALIAÇÃO DO REGIME NÃO PRESENCIAL E AVALIAÇÃO DE RECURSO) Escola Secundária Cacilhas-Tejo MATRIZ DE EXAME (AVALIAÇÃO DO REGIME NÃO PRESENCIAL E AVALIAÇÃO DE RECURSO) Disciplina: Economia A Módulo 1,2,3 (Um, Dois, Três) ENSINO RECORRENTE MÓDULOS CAPITALIZÁVEIS

Leia mais

Uma visão geral do processo de reforma da previdência. Manoel Pires SPE/MF

Uma visão geral do processo de reforma da previdência. Manoel Pires SPE/MF Uma visão geral do processo de reforma da previdência Manoel Pires SPE/MF 1 Estrutura Temas em debate no Fórum da Previdência Impactos Econômicos do realinhamento da política previdenciária 2 Temas do

Leia mais

Uma visão geral do processo de reforma da previdência. Manoel Pires SPE/MF

Uma visão geral do processo de reforma da previdência. Manoel Pires SPE/MF Uma visão geral do processo de reforma da previdência Manoel Pires SPE/MF 1 Estrutura Temas em debate no Fórum da Previdência Impactos Econômicos do realinhamento da política previdenciária 2 Temas do

Leia mais

Portugal Enquadramento Económico

Portugal Enquadramento Económico Portugal Enquadramento Económico Fonte: INE PIB e Procura Interna em Volume (Tvh) em % do PIB 40 35 30 25 20 15 10 5 0 Formação bruta de capital fixo (total economia) FBCF excepto Construção FBCF Construção

Leia mais

Estatísticas do Banco de Portugal

Estatísticas do Banco de Portugal abril 2017 ISEG - LISBON SCHOOL OF ECONOMICS & MANAGEMENT Seminário da Licenciatura em Economia Missão do Banco de Portugal Política monetária Gestão de ativos e reservas Supervisão prudencial Resolução

Leia mais

Economia do País. Análise de conjuntura económica trimestral. Investimento. Variações trimestrais homólogas

Economia do País. Análise de conjuntura económica trimestral. Investimento. Variações trimestrais homólogas Investimento Variações trimestrais homólogas Entre 2013 e o 3º trimestre de 2015, o Investimento em Portugal superou o existente na Zona Euro, devido não só às perspectivas de crescimento económico, mas

Leia mais

O Financiamento das PME s em tempos de crise

O Financiamento das PME s em tempos de crise O Financiamento das PME s em tempos de crise CENFIM - Arcos de Valdevez 29 de Novembro 2010 Prólogo O Impensável Pouco provável Quase impossível Acontecem The Economist 20 Novembro 2010 2 CENFIM Arcos

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO SETOR - Restauração e Hotelaria -

CARACTERIZAÇÃO DO SETOR - Restauração e Hotelaria - CARACTERIZAÇÃO DO SETOR - Restauração e Hotelaria - julho.2015 DESTAQUES 1. Desde o 3º trimestre de 2014 até ao 1º trimestre de 2015, a Restauração e a Hotelaria perderam 52.900 postos de trabalho (Fonte:

Leia mais

ÍNDICE GERAL. Agradecimentos.i Resumo.iii Abstract vi Índice...ix Índice de Quadros.xiv Índice de Figuras. xviii Índice de Gráficos...

ÍNDICE GERAL. Agradecimentos.i Resumo.iii Abstract vi Índice...ix Índice de Quadros.xiv Índice de Figuras. xviii Índice de Gráficos... ÍNDICE GERAL Agradecimentos.i Resumo.iii Abstract vi Índice...ix Índice de Quadros.xiv Índice de Figuras. xviii Índice de Gráficos... xviii CAPÍTULO I-INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO II-RACIONALIDADE DAS RESTRIÇÕES

Leia mais

ANÚNCIO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS EM 2003

ANÚNCIO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS EM 2003 CIMPOR-CIMENTOS DE PORTUGAL, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Alexandre Herculano, 35 1250-009 LISBOA Capital Social: 672.000.000 Euros Registada na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa, sob

Leia mais

Plano de Apresentação

Plano de Apresentação Plano de Apresentação Nota introdutória Objectivos Metodologia Principais resultados Perspectivas Nota introdutória As Contas Nacionais de um país apresentam, de forma resumida, o Produto Interno Bruto

Leia mais

INDICADORES DE I&D - COMPARAÇÕES INTERNA CIONAIS OCT Observatório das Ciências e das Tecnologias

INDICADORES DE I&D - COMPARAÇÕES INTERNA CIONAIS OCT Observatório das Ciências e das Tecnologias INDICADORES DE I&D - COMPARAÇÕES INTERNA CIONAIS 1999 OCT Observatório das Ciências e das Tecnologias 2001 Índice Comparações Internacionais Despesa total em I&D em percentagem do PIB (1982-1999) (Gráfico)

Leia mais

Outubro/2011. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Outubro/2011. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Outubro/2011 Cenário para as Micro e Pequenas Empresas Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Números das Micro e Pequenas Empresas no Brasil 2 Micro e pequenas empresas (até 99 funcionários)

Leia mais

Sector do Imobiliário no contexto da Economia Portuguesa

Sector do Imobiliário no contexto da Economia Portuguesa Sector do Imobiliário no contexto da Economia Portuguesa Fórum Schindler Perspectivas de Futuro a Curto, Médio e Longo Prazo Francisco Mendes Palma 24 de Maio 211 1 Agenda I. Whirlpool Económico II. Indicadores

Leia mais

Moçambique, entre a crise financeira e uma nova economia

Moçambique, entre a crise financeira e uma nova economia Observatório do Meio Rural Universidade Politécnica Moçambique, entre a crise financeira e uma nova economia João Mosca Lisboa, 28 de Março de 2017 Apresentação 1. Análise macroeconómica: aspectos essenciais.

Leia mais

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas 2012 2012 2013 2014 2015 2016 nível (10 6 euros) 1. PIB (real) 1 B1*g 165644,9-3,2-2,3 0,6 1,5 1,8 2,2 2. PIB (nominal) B1*g 165409,2-3,3-0,6 1,8 2,7 3,5 3,7 Componentes

Leia mais

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Publicação anual Outubro 2016 Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Comunidade em gráficos Área terrestre Milhares de km 2 População Milhões de habitantes, PIB EUR, mil milhões, preços

Leia mais

Comércio Internacional Português

Comércio Internacional Português Evolução das Exportações Portuguesas de Bens eiro a o de 2012 Comércio Internacional Português Exportações Portuguesas de Bens eiro a o de 2012 Informação Portugal, 10 de ho de 2012 Evolução das Exportações

Leia mais

Macroeconomia. 5. O Mercado de Bens e Serviços. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Macroeconomia. 5. O Mercado de Bens e Serviços. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Macroeconomia 5. O Mercado de Bens e Serviços Francisco Lima 2º ano 1º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Modelo Macroeconómico Procura Agregada Políticas macroeconómicas

Leia mais

Crise global e vulnerabilidade externa estrutural do Brasil

Crise global e vulnerabilidade externa estrutural do Brasil Crise global e vulnerabilidade externa estrutural do Brasil Reinaldo Gonçalves Professor titular Instituto de Economia - UFRJ 1 2 3 Hipótese central apesar de haver melhoras nos indicadores de vulnerabilidade

Leia mais

COMUNICADO PUBLICAÇÃO INAUGURAL DE ESTATÍSTICAS DE TAXAS DE JURO DAS IFM DA ÁREA DO EURO 1

COMUNICADO PUBLICAÇÃO INAUGURAL DE ESTATÍSTICAS DE TAXAS DE JURO DAS IFM DA ÁREA DO EURO 1 10 de Dezembro de 2003 COMUNICADO PUBLICAÇÃO INAUGURAL DE ESTATÍSTICAS DE TAXAS DE JURO DAS IFM DA ÁREA DO EURO 1 O Banco Central Europeu (BCE) publica hoje um novo conjunto de estatísticas harmonizadas

Leia mais

SECTOR AGRO-ALIMENTAR

SECTOR AGRO-ALIMENTAR SECTOR AGRO-ALIMENTAR AEP / Gabinete de Estudos Março de 2007 A indústria alimentar e das bebidas ( 15 1 ) é um sector com forte expressividade na economia nacional, o que não é de estranhar dada a sua

Leia mais

O sistema Financeiro Europeu e Português novos ou velhos riscos? João Costa Pinto Maio 2016

O sistema Financeiro Europeu e Português novos ou velhos riscos? João Costa Pinto Maio 2016 O sistema Financeiro Europeu e Português novos ou velhos riscos? João Costa Pinto Maio 2016 1 I. OS MERCADOS FINANCEIROS DA ZONA EURO Estrutura dos mercados Impacto da crise financeira sub-prime Lançamento

Leia mais

Aula 01 Balanço de Pagamentos e Contas Nacionais

Aula 01 Balanço de Pagamentos e Contas Nacionais Aula 01 Balanço de Pagamentos e Contas Nacionais 1. (ESAF- AFRF- 2005) Considere as seguintes informações para uma economia hipotética (em unidades monetárias): Exportações de bens e serviços não fatores:

Leia mais

Provas de Acesso ao Ensino Superior

Provas de Acesso ao Ensino Superior Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 3 Anos Candidatura de 06 Exame de Economia Tempo para a realização da prova: horas Tolerância: 30 minutos Material admitido: material de escrita, caneta

Leia mais

Componente Específica de Economia

Componente Específica de Economia PROVA PARA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS 2013/2014 Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo Licenciaturas em Gestão, Gestão Hoteleira e Marketing

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/Época Especial 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

Como foi possível chegar a este ponto?

Como foi possível chegar a este ponto? Como foi possível chegar a este ponto? Como se explica que Portugal tenha que recorrer a um resgate financeiro, quando é membro de uma importante união económica e monetária? Terá sido um erro a adopção

Leia mais

Para onde foi a Economia Portuguesa? A Crise através dos Números

Para onde foi a Economia Portuguesa? A Crise através dos Números Para onde foi a Economia Portuguesa? A Crise através dos Números Pedro Nogueira Ramos GEMF e Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011 Taxa de Analfabetismo (nos

Leia mais

Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial

Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial XIX Congresso Brasileiro de Economia Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda aclacerda@pucsp.br Bonito, 09 de Setembro de 2011. Page 1 Economia

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2007

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2007 INAPA INVESTIMENTOS, PARTICPAÇÕES E GESTÃO, SA ( Sociedade Aberta ) Sede: Rua do Salitre, n.º 142, freguesia de São Mamede, Lisboa Capital social: 150 000 000 NIPC: 500 137 994 Matrícula n.º 36 338 da

Leia mais

Mercado de Trabalho da Região Norte Eduardo Pereira

Mercado de Trabalho da Região Norte Eduardo Pereira Mercado de Trabalho da Região Norte Eduardo Pereira 1 a sessão NORTE & PESSOAS 12 MAIO Instituto de Design de Guimarães www.ccdr-n.pt/norte-pessoas O Mercado de Trabalho da Região Norte 1. Da viragem do

Leia mais

A Situação Financeira Portuguesa 1986-2009. 1986-2010: a Economia Portuguesa na União Europeia Universidade de Coimbra 28 de Abril 2010

A Situação Financeira Portuguesa 1986-2009. 1986-2010: a Economia Portuguesa na União Europeia Universidade de Coimbra 28 de Abril 2010 A Situação Financeira Portuguesa 1986-29 1986-21: a Economia Portuguesa na União Europeia Universidade de Coimbra 28 de Abril 21 Estrutura de Balanço Como evoluiu em Portugal PORTUGAL (1986) APLICAÇÃO

Leia mais

SETOR EXTERNO EM MAIO DE 2002

SETOR EXTERNO EM MAIO DE 2002 SETOR EXTERNO EM MAIO DE 22 O PESO DA CONTA DE SERVIÇOS E RENDA Em maio de 22, o balanço de pagamentos mostrou um déficit em transações correntes abaixo daquele registrado em maio do ano passado. O resultado

Leia mais

AS DESIGUALDADES ENTRE HOMENS E MULHERES NÃO ESTÃO A DIMINUIR EM PORTUGAL

AS DESIGUALDADES ENTRE HOMENS E MULHERES NÃO ESTÃO A DIMINUIR EM PORTUGAL A situação da mulher em Portugal Pág. 1 AS DESIGUALDADES ENTRE HOMENS E MULHERES NÃO ESTÃO A DIMINUIR EM PORTUGAL RESUMO DESTE ESTUDO No 8 de Março de 2008, em que se comemora o Dia Internacional da Mulher,

Leia mais