Portugal. Principais Indicadores Económicos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Portugal. Principais Indicadores Económicos"

Transcrição

1 Portugal Principais Indicadores Económicos janeiro de 2016

2 Índice 1 - Indicadores Macroeconómicos 2 - Previsões Macroeconómicas 3 - Valor Acrescentado Bruto 4 - Estatísticas de Emprego 5 - Indicadores de Risco

3 1. Indicadores Macroeconómicos PIB PIB milhões tcr % 1,9-1,8-4,0-1,1 0,9 1, n.d. PIB per Capita tvh % 2,5-1,9-4,0 1,7 2,4 n.d. UE 28 = n.d. Hiato do PIB (% PIB Potencial) -1,9-2,1-4,9-5,1-3,9-2,3 (a) Fontes: INE - Instituto Nacional de Estatística; Eurostat; CE - Comissão Europeia Preços correntes Nota: (a) Previsão CE para ano n.d. - Informação não disponível; tcr - taxa crescimento real; tvh - taxa variação homóloga Componentes do PIB Consumo Privado (a) % PIB (b) 65,8 65,8 66,3 65,3 65,9 65,9 tcr % 2,4-3,6-5,5-1,2 2,2 2,7 Consumo Público Saldo FBCF Exportações Importações % PIB (b) 20,7 19,9 18,5 19,1 18,5 18,1 tcr % -1,3-3,8-3,3-2,0-0,5 0,2 % PIB (b) 20,5 18,4 15,8 14,8 14,9 15,1 tcr % -0,9-12,5-16,6-5,1 2,8 5,4 % PIB (b) 31,5 34,3 36,9 40,0 41,2 42,6 tcr % 9,5 7,0 3,4 7,0 3,9 6,0 % PIB (b) 37,4 38,6 38,2 38,5 39,7 39,6 tcr % 7,8-5,8-6,3 4,7 7,2 8,0 Fontes: INE - Instituto Nacional de Estatística (a) Inclui Consumo Privado das famílias residentes e das Instituições Sem Fim Lucrativo ao Serviço das Famílias (ISFLSF) (b) PIB a Preços correntes tcr - taxa crescimento real, FBCF - Formação Bruta de Capital Fixo Indicadores Administração Pública (a) Carga Fiscal da Economia Saldo Sector Público Dívida Pública 30,3 32,2 31,7 34,0 34,1 n.d. -11,2-7,4-5,7-4,8-7,2-3,0 94,0 111,4 126,2 129,0 130,2 128,2 Fontes: INE - Instituto Nacional de Estatística; CE - Comissão Europeia Unidade: % do PIB, Preços correntes Nota: (a) Previsão CE para ano n.d. - Informação não disponível

4 Indicadores Monetários e Câmbiais Taxa de Juro ref. EUA (3 meses) Taxa de Juro ref. Zona Euro (3 meses) Taxa de Câmbio (EUR/USD) 0,3436 0,3372 0,4301 0,2672 0,2337 0,3710 0,8143 1,3934 0,5752 0,2205 0,2085-0,0876 1,3268 1,3920 1,2848 1,3281 1,3285 1,1095 Fontes: Banco de Portugal, Banco Central Europeu Unidade: %, excepto quando indicado Indicadores de Comércio Internacional Balança Corrente (% do PIB) Grau de Abertura (b) (%) Taxa de Cobertura (c) (%) -10,1-6,0-2,0 1,4 0,5 0,5 (a) 67,3 72,9 75,9 78,0 79,7 80,0 79,8 88,9 98,7 102,6 100,9 101,9 Fontes: Eurostat, CE - Comissão Europeia Comércio Internacional de Bens e Serviços, a Preços Correntes (a) Previsão CE para ano (b) (Exportações + Importações) / PIB *100 (c) (Exportações / Importações)*100 Outros Indicadores Taxa de Poupança Bruta (% do PIB) Taxa de Inflação (c) (%) 10,7 13,1 13,7 15,4 15,4 15,7 (a) 1,4 3,6 2,8 0,4-0,2 0,6 (b) Fontes: Eurostat; CE - Comissão Europeia; World Economic Forum Taxa de Inflação (c) Zona Euro (%) Índice Global de Competitividade (Posição Portugal / Nº Total Países) (a) Previsão CE para ano (b) Previsão relativa ao mês de novembro (c) Baseada no Índice Harmonizado de Preços ao Consumidor (IHPC) 1,6 2,7 2,5 1,3 0,4 0,2 (b) 45 / / / / / / 140 Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E.P.E. (AICEP) Contact Center: ;

5 2. Previsões Macroecómicas Economia Portuguesa FMI CE OCDE BdP MF out-15 (a) nov-15 (a) nov-15 (a) out-15 (a) abr-15 (a) PIB (tcr %) 0,9 1,6 1,5 1,7 1,7 1,7 1,6 1,7 1,9 1,6 2,0 Consumo Privado (tcr %) 2,2 1,7 1,6 2,6 1,7 2,5 1,6 2,6 1,7 1,9 1,9 Consumo Público (tcr %) -0,5-0,5 0,9 0,5 0,3 0,5 0,5 0,1 0,2-0,7 0,1 FBCF (tcr %) 2,8 4,2 2,5 5,6 3,9 6,0 3,0 6,2 4,4 3,8 4,4 Exportações (b) (tcr %) 3,9 4,9 4,9 5,3 4,8 6,8 5,9 6,1 6,0 4,8 5,5 Importações (b) (tcr %) 7,2 6,0 3,7 6,7 5,3 9,2 6,0 7,9 5,5 4,6 5,3 Balança Corrente (% PIB) 0,6 0,7 1,6 0,5 0,5 0,6 0,5 2,3 3,2 0,5 0,4 Dívida Pública (% PIB) 130,2 127,8 125,0 128,2 124,7 128,2 127,9 n.d. n.d. 124,2 121,5 Taxa de Inflação (c) (%) -0,2 0,6 1,3 0,5 1,1 0,5 0,7 0,5 1,3-0,2 1,3 Saldo Sector Público (% PIB) -7,2-3,1-2,7-3,0-2,9-3,0-2,8 n.d. n.d. -2,7-1,8 Taxa de Desemprego (%) 13,9 12,3 11,3 12,6 11,7 12,3 11,3 n.d. n.d. 13,2 12,7 Fontes: FMI - Fundo Monetário Internacional; CE - Comissão Europeia; OCDE - Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico; BdP - Banco de Portugal; MF - Ministério das Finanças (Programa de Estabilidade -2019) (a) Data de atualização das últimas previsões (b) de Bens e Serviços (c) Baseada no Índice Harmonizado de Preços ao Consumidor (IHPC) n.d. - Informação não disponível; tcr - taxa crescimento real; FBCF - Formação Bruta de Capital Fixo Enquadramento Internacional FMI CE OCDE BdP MF out-15 (a) nov-15 (a) nov-15 (a) out-15 (a) abr-15 (a) PIB Zona Euro (tcr %) 0,9 1,5 1,6 1,6 1,8 1,5 1,8 1,4 n.d. 1,5 1,6 PIB UE 28 (tcr %) 1,4 1,9 1,9 1,9 2,0 n.d. n.d. n.d. n.d. 1,8 1,9 PIB EUA (tcr %) 2,4 2,6 2,8 2,6 2,8 2,4 2,5 n.d. n.d. 3,1 3,1 PIB Mundo (tcr %) 3,3 3,1 3,6 3,1 3,5 2,9 3,3 n.d. n.d. 3,5 3,8 Taxa de Inflação (b) Zona Euro (%) Preço do Petróleo - brent (média anual - USD/barril) Euribor - 3 meses (média anual - %) 0,4 0,2 1,0 0,1 1,0 0,1 0,9 0,1 n.d. 0,1 1,0 99,5 51,6 50,4 54,8 54,2 54,1 50,0 55,3 n.d. 59,7 68,2 0,2 0,0 0,0 0,0-0,1 0,1 0,1 0,0 n.d. 0,0 0,1 Taxa de Câmbio (EUR/USD) 1,3 1,1 1,1 1,1 1,1 1,1 1,1 1,1 n.d. 1,2 1,2 Fontes: FMI - Fundo Monetário Internacional; CE - Comissão Europeia; OCDE - Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico; BdP - Banco de Portugal; MF - Ministério das Finanças (Programa de Estabilidade -2019) (a) Data de atualização das últimas previsões (b) Baseada no Índice Harmonizado de Preços ao Consumidor (IHPC) n.d. - Informação não disponível; tcr - taxa crescimento real Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E.P.E. (AICEP) Contact Center: ;

6 3. Valor Acrescentado Bruto Milhões de Euros Setor de Atividade Agricultura, Silvicultura e Pesca Indústria, Construção, Energia e Água Indústria Energia, água e saneamento Construção Serviços Comércio e rep. de veículos; alojamento e restauração Transportes e armazenagem; informação e comunicação Atividades financeiras, de seguros e imobiliárias Outras atividades de serviços VAB total Fonte: INE - Instituto Nacional de Estatística Unidade: Milhões de Euros Preços correntes Taxa de Variação Homóloga Setor de Atividade Agricultura, Silvicultura e Pesca Indústria, Construção, Energia e Água 1,6-7,4 0,1 10,3-0,4 3,2 2,8-4,9-5,5 0,0 1,7 4,2 Indústria 6,7-4,3-3,9 2,3 2,2 4,1 Energia, água e saneamento 3,5-1,6 4,2-0,8 0,6 2,2 Construção -5,5-8,3-15,3-5,9 0,8 6,0 Serviços 1,5-1,7-4,3 1,9 1,2 1,7 Comércio e rep. de veículos; alojamento e restauração Transportes e armazenagem; informação e comunicação Atividades financeiras, de seguros e imobiliárias 0,7 1,5 0,0 1,4 1,8 3,9 1,3-2,2-4,1 0,6 1,6 1,3 3,8 0,7-2,6 0,5 1,8 1,8 Outras atividades de serviços 0,9-4,8-7,9 3,3 0,5 0,3 VAB total 1,8-2,6-4,5 1,6 1,3 2,3 Fonte: INE - Instituto Nacional de Estatística Unidade: % Preços correntes

7 % do VAB Total Setor de Atividade Agricultura, Silvicultura e Pesca Indústria, Construção, Energia e Água 2,2 2,1 2,2 2,4 2,3 2,3 22,6 22,1 21,8 21,5 21,5 21,9 Indústria 13,6 13,4 13,4 13,5 13,6 13,8 Energia, água e saneamento 3,2 3,2 3,5 3,4 3,4 3,4 Construção 5,8 5,5 4,9 4,5 4,5 4,6 Serviços 75,2 75,8 76,0 76,2 76,1 75,8 Comércio e rep. de veículos; alojamento e restauração Transportes e armazenagem; informação e comunicação Atividades financeiras, de seguros e imobiliárias 18,1 18,9 19,7 19,7 19,8 20,1 8,3 8,4 8,4 8,3 8,3 8,2 17,2 17,8 18,1 17,9 18,0 18,0 Outras atividades de serviços 31,6 30,9 29,8 30,3 30,0 29,6 Fonte: INE - Instituto Nacional de Estatística Unidade: % do VAB Total Preços correntes Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E.P.E. (AICEP) Contact Center: ;

8 4. Estatísticas de Emprego População e Emprego (a) (b) População Total População Ativa Milhares Hab tvh % 0,0-0,8-0,4-0,4-0,6-0,5 Milhares Hab tvh % 0,1-1,1-0,8-1,8-1,1-1,1 Taxa de Actividade (d) (%) Taxa de Emprego (d) (%) Taxa de Desemprego (%) 61,2 60,5 60,2 59,3 58,8 58,6 54,6 52,8 50,8 49,7 50,7 51,6 10,8 12,7 15,5 16,2 13,9 12,4 (c) Fonte: INE - Instituto Nacional de Estatística (a) Quebra de série (b) Valor referente ao 3º Trimestre (c) Valor referente a Novembro (d) População > 15 anos tvh - taxa variação homóloga Indicadores do Mercado de Trabalho Salário Mínimo Mensal ( ) Custo Real Unitário do Trabalho (tvh %) Produtividade do trabalho por pessoa empregada (UE 28 =100) ,9-1,7-2,8-0,5-1,8-1,5 (a) 78,7 77,0 78,9 80,2 80,1 n.d. Fontes: DGERT - Direção Geral do Emprego e Relações de Trabalho; CE - Comissão Europeia, Eurostat Nota: (a) Previsão CE para ano n.d. - Informação não disponível; tvh - taxa variação homóloga Emprego por Setor de Atividade Setor de Atividade Agricultura, Produção Animal, Caça, Floresta e Pesca Indústria, Construção, Energia e Água Indústria Transformadora Construção Serviços Comércio e reparação de veículos; alojamento e restauração Transportes e armazenagem; atividades de informação e comunicação Atividades financeiras, de seguros e imobiliárias Administração pública e defesa; segurança social; educação; saúde e atividades de apoio social Outras atividades de serviços ,2 10,8 10,2 8,6 7,5 26,9 25,1 23,7 23,9 24,5 16,5 16,3 15,9 16,4 17,0 8,9 7,5 6,5 6,1 6,1 62,9 64,0 66,1 67,5 68,1 20,7 20,6 21,1 21,0 21,3 5,3 5,5 6,1 6,3 6,0 2,7 2,7 2,6 2,9 2,9 21,7 22,6 22,9 23,4 23,8 12,6 12,7 13,4 13,9 14,0 Fonte: INE - Instituto Nacional de Estatística Unidade: % do total de População Empregada Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E.P.E. (AICEP) Contact Center: ;

9 5. Indicadores de Risco Portugal Agência de Rating S&P - Standard & Poor's Moody's Fitch DBRS - Dominion Bond Rating Service Nível de Rating BB+ Ba1 BB+ BBB(low) Fonte: TradingEconomics Escala Agências de Rating: Descrição S&P Moody's Fitch DBRS (a) Prime AAA Aaa AAA AAA High grade Upper medium grade Lower medium grade Non-investment grade speculative Highly speculative AA+ Aa1 AA+ AA(high) AA Aa2 AA AA AA- Aa3 AA- AA(low) A+ A1 A+ A(high) A A2 A A A- A3 A- A(low) BBB+ Baa1 BBB+ BBB(high) BBB Baa2 BBB BBB BBB- Baa3 BBB- BBB(low) BB+ Ba1 BB+ BB(high) BB Ba2 BB BB BB- Ba3 BB- BB(low) B+ B1 B+ B(high) B B2 B B B- B3 B- B(low) Substantial risks CCC+ Caa1 CCC CCC(high) Extremely speculative CCC Caa2 CCC In default with little In default Fonte: TradingEconomics CCC- Caa3 CCC(low) CC Ca CC C C C D / DDD D / DD Nota: (a) Escala aproximadamente igual às usada pelas Agências S&P and Fitch. No entanto, usa (high) e (low) em vez de "+" e "-" D Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E.P.E. (AICEP) Contact Center:

10

Portugal. Principais Indicadores Económicos

Portugal. Principais Indicadores Económicos Portugal Principais Indicadores Económicos Julho de Índice 1 - Indicadores Macroeconómicos 2 - Previsões Macroeconómicas 3 - Valor Acrescentado Bruto 4 - Estatísticas de Emprego 5 - Indicadores de Risco

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas Evolução 2007-2013 Actualizado em Março 2013 Unid. Fonte 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Notas População a Milhares Hab. INE 10.604 10.623 10.638 10.636 10.647 10.600 População tvh % INE 0,2 0,2 0,1

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010 Evolução 2004-2010 Actualizado em Dezembro de 2010 Unid. Fonte 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Notas 2010 População a Milhares Hab. INE 10.509 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.638 3º Trimestre

Leia mais

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS DADOS ESTATÍSTICOS A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas I. DADOS NACIONAIS 1. POPULAÇÃO 1.1 População Residente por Sexo e Grupo Etário: Censos 1 1.2 População Residente - Estimativas 1 2.

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Realizado para: Última Atualização 18/4/217 Próxima Atualização 15/5/217 1. Principais indicadores macroeconómicos entre Portugal-Brasil 216 População, Produto

Leia mais

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ).

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ). O Sistema de Metas de Inflação No Brasil - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil (1999-2007). - Desempenho recente: a relação juros-câmbio. - Aceleração do crescimento econômico

Leia mais

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Realizado para: Última Atualização 11/03/2016 Próxima Atualização 11/04/2016 I. Principais indicadores macroeconómicos entre Portugal-Brasil 2016 População,

Leia mais

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Realizado para: Última Atualização 19/05/2016 Próxima Atualização 15/06/2016 Copyright 2016 Portugal Economy Probe PE Probe Preparado pelo PE Probe para

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal março 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Produto Interno Bruto diminuiu 3,5% em volume

Produto Interno Bruto diminuiu 3,5% em volume 1ºT 2001 3ºT 2001 1ºT 2002 3ºT 2002 1ºT 2003 3ºT 2003 1ºT 2004 3ºT 2004 1ºT 2005 3ºT 2005 1ºT 2006 3ºT 2006 1ºT 2007 3ºT 2007 1ºT 2008 3ºT 2008 1ºT 2009 3ºT 2009 1ºT 2010 3ºT 2010 1ºT 2011 3ºT 2011 1ºT

Leia mais

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Realizado para: Última Atualização 11/03/2016 Próxima Atualização 11/04/2016 I. Principais indicadores macroeconómicos entre Portugal-Brasil 2016 População,

Leia mais

CAE 16 - INDÚSTRIA DO TABACO ESTATÍSTICA DAS EMPRESAS

CAE 16 - INDÚSTRIA DO TABACO ESTATÍSTICA DAS EMPRESAS CAE Rev. 2.1 CAE 16 - INDÚSTRIA DO TABACO ESTATÍSTICA DAS EMPRESAS Totais Nacionais % no total da Indústria Transformadora 2000 2001 2002 2003 2004* 2005* 2006* 2007* 2008 2000 2001 2002 2003 2004* 2005*

Leia mais

2 Enquadramento Económico

2 Enquadramento Económico 2 Enquadramento Económico Economia internacional Economia da União Europeia Economia portuguesa Economia internacional 1. Em 2008, o crescimento da economia mundial desacelerou significativamente. O ritmo

Leia mais

Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais

Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Paulo Lobo Viana do Castelo - 11 de fevereiro 1 Segmentos de Atividade da Construção e Imobiliário VAB Volume de Negócios

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal dezembro 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Região Autónoma da Madeira

Região Autónoma da Madeira Região Autónoma da Madeira Área () km 2 801,0 Densidade populacional () Hab/Km 2 309,0 População residente (31.12.) Nº 247.568 População < 15 anos Nº 42.686 População > 65 anos Nº 32.188 Taxa conclusão

Leia mais

CAE 27 - INDÚSTRIAS METALÚRGICAS DE BASE ESTATÍSTICA DAS EMPRESAS

CAE 27 - INDÚSTRIAS METALÚRGICAS DE BASE ESTATÍSTICA DAS EMPRESAS CAE Rev. 2.1 - INDÚSTRIAS METALÚRGICAS DE BASE ESTATÍSTICA DAS EMPRESAS Totais Nacionais % no total da Indústria Transformadora 2000 2001 2002 2003 2004* 2005* 2006* 2007* 2008 2000 2001 2002 2003 2004*

Leia mais

Fundos estruturais e convergência real: Um estudo de caso O plano operacional da Região do Norte Rui Monteiro Vasco Leite

Fundos estruturais e convergência real: Um estudo de caso O plano operacional da Região do Norte Rui Monteiro Vasco Leite Fundos estruturais e convergência real: Um estudo de O plano operacional da Região do Norte 2000-2006 Rui Monteiro Vasco Leite Índice I. Convergência e divergência real da Região do Norte 2. Distribuição

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal março 2017 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SINES DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SINES DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 1 INDICADOR: População residente e taxa de variação, 1991 e 2001 População Variação 1991 2001 Portugal 9867147 10356117 5,0 Alentejo 782331 776585-0,7 Alentejo Litoral

Leia mais

Em março de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.3 pontos na União Europeia e +1.2 pontos na Área Euro.

Em março de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.3 pontos na União Europeia e +1.2 pontos na Área Euro. Mar-04 Mar-05 Mar-06 Mar-07 Mar-08 Mar-09 Mar-10 Mar-11 Mar-12 Análise de Conjuntura Abril 2014 Indicador de Sentimento Económico Em março de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.3 pontos

Leia mais

NT-Assessoria da Bancada do PT no Senado Esclarecimentos sobre a Retirada do Grau de Investimento

NT-Assessoria da Bancada do PT no Senado Esclarecimentos sobre a Retirada do Grau de Investimento NT-Assessoria da Bancada do PT no Senado Esclarecimentos sobre a Retirada do Grau de Investimento A retirada do grau de investimento dos papéis da dívida brasileira pela agência Standard and Poors, uma

Leia mais

Indicadores Económicos & Financeiros

Indicadores Económicos & Financeiros Indicadores Económicos & Financeiros Banco de Cabo Verde BANCO DE CABO VERDE Indicadores Económicos & Financeiros Maio 2001 INDICADORES ECONÓMICOS E FINANCEIROS ÍNDICE Indicadores Internacionais Área do

Leia mais

MERCADO SECUNDÁRIO DATA DE VENCIMENTO DATA DE VENCIMENTO INDEXADOR DATA DE VENCIMENTO

MERCADO SECUNDÁRIO DATA DE VENCIMENTO DATA DE VENCIMENTO INDEXADOR DATA DE VENCIMENTO MERCADO SECUNDÁRIO INFORMAÇÕES DO MERCADO 09/10/2017 Taxa de Juros Data Última Taxa Meta SELIC (a.a) 6-set-17 8,25 Taxa over Selic anualizada 9-out-17 8,15 SELIC - Over 9-out-17 0,031100 CDI - CETIP 9-out-17

Leia mais

DE - INDÚSTRIA DE PASTA, DE PAPEL E DE CARTÃO E SEUS ARTIGOS; EDIÇÃO E IMPRESSÃO ESTATÍSTICA DAS EMPRESAS E DAS SOCIEDADES (1)

DE - INDÚSTRIA DE PASTA, DE PAPEL E DE CARTÃO E SEUS ARTIGOS; EDIÇÃO E IMPRESSÃO ESTATÍSTICA DAS EMPRESAS E DAS SOCIEDADES (1) CAE Rev. 2.1 - INDÚSTRIA PASTA, PAPEL E CARTÃO E SEUS ARTIGOS; EDIÇÃO E IMPRESSÃO ESTATÍSTICA DAS EMPRESAS E DAS SOCIEDAS (1) Totais Nacionais % no total da Indústria Transformadora 2000 2001 2002 2003

Leia mais

Implicações da subida do IVA no sector alimentar

Implicações da subida do IVA no sector alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares Implicações da subida do IVA no sector alimentar Junho 2011 Agenda 1. Enquadramento estratégico do sector 2. Análise de competitividade da Indústria

Leia mais

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação. taxa de variação

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação. taxa de variação Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas 2013 2013 2014 2015 2016 2017 nível (10 6 euros) 1. PIB (real) 1 B1*g 162852,2-1,4 1,2 1,5 1,7 1,8 1,8 2. PIB (nominal) B1*g 165666,3 0,3 2,0 2,4 3,4 3,7 3,7 Componentes

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal julho 2017 - Newsletter ÍNDICE ÍNDICE... 1 EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global.......2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal maio 2017 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal maio 2017 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO 11/09/12 11/10/12 11/11/12 11/12/12 11/01/13 11/02/13 11/03/13 11/04/13 11/05/13 11/06/13 11/07/13 11/08/13 11/09/13 11/10/13 11/11/13 11/12/13 11/01/14 11/02/14 11/03/14

Leia mais

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon Avaliação de Empresas RISCO PAÍS Aula 9 Lembrando... uso do modelo CAPM no Brasil Dada a dificuldade de encontrar títulos livres de risco em mercados emergentes, acadêmicos e práticos sugerem o uso do

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO ENCONTRO BRADESCO-APIMEC CENÁRIO MACROECONÔMICO 20 DE AGOSTO DE 2015 FABIANA D ATRI Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos - DEPEC 2 Ambiente Internacional AMBIENTE INTERNACIONAL Fim do longo ciclo

Leia mais

Produto Interno Bruto

Produto Interno Bruto DESIGNAÇÃO Valores em 10^6 STD, a Preços Correntes TOTAL PRODUTO INTERNO BRUTO 638668 731901 900583 1043317 1332354 1673609 1974030 2786141 3121072 3610485 4229269 5064433 5638912 6230813 VALOR ACRESCENTADO

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,5%

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,5% abr-08 ago-08 dez-08 abr-09 ago-09 dez-09 abr-10 ago-10 dez-10 abr-11 ago-11 dez-11 abr-12 ago-12 dez-12 abr-13 ago-13 dez-13 abr-14 ago-14 dez-14 abr-15 ago-15 dez-15 META DA TAXA SELIC Cenário básico

Leia mais

Indicador de Sentimento Económico. 80 Portugal. Dez-08. Dez-07

Indicador de Sentimento Económico. 80 Portugal. Dez-08. Dez-07 Dez-03 Dez-04 Dez-05 Dez-06 Dez-07 Dez-08 Dez-09 Dez-10 Análise de Conjuntura Janeiro 2014 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico manteve em Dezembro, a tendência de melhoria

Leia mais

Análise de Demonstrativos Financeiros. Luiz Ozorio

Análise de Demonstrativos Financeiros. Luiz Ozorio Análise de Demonstrativos Financeiros Luiz Ozorio Rio de Janeiro, 23 de maio de 2017 jeto nome Metodologia para análise A análise dos demonstrativos financeiros pode auxiliar tanto no entendimento do que

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 14,25% 13,75% 13,75% 13,5% 13,00% 13,25% 12,75% 12,25% 11,75% 12,75% 12,25% 12,75% 12,50% 12,5% 12,00%

META DA TAXA SELIC 14,5% 14,25% 13,75% 13,75% 13,5% 13,00% 13,25% 12,75% 12,25% 11,75% 12,75% 12,25% 12,75% 12,50% 12,5% 12,00% abr-08 ago-08 dez-08 abr-09 ago-09 dez-09 abr-10 ago-10 dez-10 abr-11 ago-11 dez-11 abr-12 ago-12 dez-12 abr-13 ago-13 dez-13 abr-14 ago-14 dez-14 abr-15 ago-15 dez-15 abr-16 ago-16 dez-16 META DA TAXA

Leia mais

Disciplina Economia A Módulo 4,5,6

Disciplina Economia A Módulo 4,5,6 Escola Secundária Cacilhas-Tejo MATRIZ DE EXAME (AVALIAÇÃO DO REGIME NÃO PRESENCIAL E AVALIAÇÃO DE RECURSO) Disciplina Economia A Módulo 4,5,6 ENSINO RECORRENTE MÓDULOS CAPITALIZÁVEIS Duração da Prova:

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,25%

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,25% mar-08 jul-08 nov-08 mar-09 jul-09 nov-09 mar-10 jul-10 nov-10 mar-11 jul-11 nov-11 mar-12 jul-12 nov-12 mar-13 jul-13 nov-13 mar-14 jul-14 nov-14 mar-15 jul-15 nov-15 META DA TAXA SELIC Cenário básico

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal abril 2017 - Newsletter ÍNDICE ÍNDICE... 1 EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio

Leia mais

Quebras de Produção Intensificam-se

Quebras de Produção Intensificam-se Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas ANEOP Associação Nacional dos Empreiteiros

Leia mais

Sistema de Contas Integradas das Empresas Aspetos da estrutura empresarial

Sistema de Contas Integradas das Empresas Aspetos da estrutura empresarial «Sistema de Contas Integradas das Empresas Instituto Nacional de Estatística Lisboa, 11 de Dezembro de 2014 «sofia.rodrigues@ine.pt As estatísticas oficiais sobre as empresas: 1. O Sistema de Contas Integradas

Leia mais

Contas Económicas da Silvicultura 1990 2001

Contas Económicas da Silvicultura 1990 2001 Informação à Comunicação Social 27 de Dezembro de 22 Contas Económicas da Silvicultura 199 21 O Valor Acrescentado Bruto da Silvicultura decresceu,4% em termos reais, mas aumentou 35% em valor entre 199

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal janeiro 2017 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Cenário Macro. Dezembro, Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação

Cenário Macro. Dezembro, Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação Cenário Macro Dezembro, 2014 Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação Internacional EUA: Economia em sólida recuperação; Zona do Euro: Economia fraca e risco de deflação.

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal abril 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal julho 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

PEDRO REIS DE ALMEIDA APT SESSÃO DE ABERTURA

PEDRO REIS DE ALMEIDA APT SESSÃO DE ABERTURA PEDRO REIS DE ALMEIDA APT SESSÃO DE ABERTURA Caracterização Nacional BI de Portugal 1960 1981 2001 2011 2015 População (milhares) 8.865,0 9.851,3 10.362,7 10.557,6 10.358,1 Idosos por cada 100 jovens -

Leia mais

Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE. Samuel Fernandes de Almeida

Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE. Samuel Fernandes de Almeida Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE Samuel Fernandes de Almeida 1 ÍNDICE Dados macroeconómicos / Caracterização das receitas fiscais Estrutura das receitas fiscais no Orçamento do Estado

Leia mais

Consumo de cimento em 2012: o menor dos últimos 39 anos

Consumo de cimento em 2012: o menor dos últimos 39 anos FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Cascais

Agrupamento de Escolas de Cascais 1º PERÍODO -74 TEMPOS LETIVOS ENSINO SECUNDÁRIO Disciplina: Economia A 11.º Ano Planificação Apresentação mútua e da disciplina Estabelecimento de regras e de métodos de trabalho Apresentação/negociação

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal outubro 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Determinantes e impactos dos ratings soberanos brasileiros

Determinantes e impactos dos ratings soberanos brasileiros FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS Determinantes e impactos dos ratings soberanos brasileiros Rafael Camargo de Pauli * Karlo Marques Junior * RESUMO Nos dias 30 de abril e 29 de maio os títulos da dívida

Leia mais

Brasil - Síntese País

Brasil - Síntese País Informação Geral sobre o Brasil Área (km 2 ): 8 547 400 Vice-Presidente: Michel Temer População (milhões hab.): 202,8 (estimativa 2014) Risco de crédito: 3 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital: Brasília

Leia mais

Desempregados da Construção já ultrapassam os 110 mil

Desempregados da Construção já ultrapassam os 110 mil Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 67 Fevereiro

Leia mais

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões 1. Introdução A mensuração, mitigação e controlo do nível de risco assumido pelos investidores institucionais (e

Leia mais

1º Caderno de Exercícios

1º Caderno de Exercícios 1º Caderno de Exercícios Exercícios Referentes aos Capítulos 1 e 2 do Programa 1. Considere os seguintes elementos referentes ao Capital e o valor da Produção na empresa do Sr. A, ao longo dos últimos

Leia mais

GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 02 fevereiro 2017

GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 02 fevereiro 2017 Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 02 fevereiro 2017 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Crescimento Económico: experiência recente e perspectivas

Crescimento Económico: experiência recente e perspectivas Sessão de Homenagem ao Dr. Silva Lopes Crescimento Económico: experiência recente e perspectivas VÍTOR CONSTÂNCIO Maio de 2003 ÍNDICE I. Recessões e crises passadas de Balança de Pagamentos II. Problemas

Leia mais

PRINCIPAIS FATORES DE ANÁLISES. INVESTIMENTOS e RISCOS

PRINCIPAIS FATORES DE ANÁLISES. INVESTIMENTOS e RISCOS PRINCIPAIS FATORES DE ANÁLISES INVESTIMENTOS e RISCOS RENTABILIDADE A rentabilidade é a variação entre um preço inicial e um preço final em determinado período. É o objetivo máximo de qualquer investidor,

Leia mais

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas 2012 2012 2013 2014 2015 2016 nível (10 6 euros) 1. PIB (real) 1 B1*g 165644,9-3,2-2,3 0,6 1,5 1,8 2,2 2. PIB (nominal) B1*g 165409,2-3,3-0,6 1,8 2,7 3,5 3,7 Componentes

Leia mais

Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola

Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola PART Angola: Indicadores de Relevo 1 Angola: Indicadores de Relevo Informação Global * Angola 2010 População 18,5M Capital Luanda (aprox. 6 M habitantes)

Leia mais

O Financiamento da Economia e as Empresas

O Financiamento da Economia e as Empresas O Financiamento da Economia e as Empresas Banco de Portugal Apresentação na CIP em 17/2/2009 Vítor Constâncio O FINANCIAMENTO DA ECONOMIA O FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS O SISTEMA BANCÁRIO E O FINANCIAMENTO

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 11.75% 13.00% 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.00% 8.50% 9.00%

Leia mais

Para onde foi a Economia Portuguesa? A Crise através dos Números

Para onde foi a Economia Portuguesa? A Crise através dos Números Para onde foi a Economia Portuguesa? A Crise através dos Números Pedro Nogueira Ramos GEMF e Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011 Taxa de Analfabetismo (nos

Leia mais

Actividade e Resultados em 2010

Actividade e Resultados em 2010 Actividade e Resultados em 2010 Ponto 1 da Ordem de Trabalhos Assembleia Geral de Accionistas 27 de Abril de 2011 I. Enquadramento II. Capital, Liquidez, Riscos III. Negócio e Reputação IV. Resultados

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.50% 9.00% 10.00% 10.50% 11.00%

Leia mais

Debate temático A Economia na Cidade e o Trabalho

Debate temático A Economia na Cidade e o Trabalho Debate temático A Economia na Cidade e o Trabalho Francisco Vala Gabinete para a Cordenação das Estatísticas Territoriais Assembleia Municipal de 11 de Outubro de 216 1 População Evolução da População

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MERCADO DE OBRIGAÇÕES

INTRODUÇÃO AO MERCADO DE OBRIGAÇÕES INTRODUÇÃO AO MERCADO DE OBRIGAÇÕES Objectivos Fornecer informação base sobre o funcionamento do mercado de obrigações; Tipos de Emitentes; Interpretar uma cotação; Calcular o yield de uma obrigação; O

Leia mais

Desemprego na Construção atinge novo máximo

Desemprego na Construção atinge novo máximo Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 59 Fevereiro

Leia mais

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles As mudanças estruturais da economia brasileira Henrique de Campos Meirelles Julho de 20 Inflação 18 16 14 12 8 6 4 2 IPCA (acumulado em doze meses) projeção de mercado 0 03 06 11 Fontes: IBGE e Banco Central

Leia mais

PROJECÇÕES MACROECONÓMICAS PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA

PROJECÇÕES MACROECONÓMICAS PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA PROJECÇÕES MACROECONÓMICAS PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA Com base na informação disponível até 20 de Maio de 2005, os especialistas do Eurosistema prepararam projecções

Leia mais

Crise da construção acentua-se, embora com quebras menos pronunciadas

Crise da construção acentua-se, embora com quebras menos pronunciadas Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 70 Julho

Leia mais

Indicadores de Conjuntura 4 2009. Disponível em www.bportugal.pt Publicações

Indicadores de Conjuntura 4 2009. Disponível em www.bportugal.pt Publicações Indicadores de Conjuntura 2009 Disponível em www.bportugal.pt Publicações ENQUADRAMENTO DA ECONOMIA PORTUGUESA Na reunião de 2 de Abril, o Conselho do Banco Central Europeu (BCE) reduziu as taxas de juro

Leia mais

A necessidade de financiamento da economia fixou-se em 5,1% do PIB em 2011

A necessidade de financiamento da economia fixou-se em 5,1% do PIB em 2011 Contas Nacionais Trimestrais Por Sector Institucional (Base 2006) 4º Trimestre de 2011 e Ano 2011 30 de março de 2012 A necessidade de financiamento da economia fixou-se em 5,1% do PIB em 2011 Em 2011,

Leia mais

Previsões macroeconómicas subjacentes ao Programa de Estabilidade 2016-2020. Parecer do Conselho das Finanças Públicas

Previsões macroeconómicas subjacentes ao Programa de Estabilidade 2016-2020. Parecer do Conselho das Finanças Públicas Previsões macroeconómicas subjacentes ao Programa de Estabilidade 2016-2020 Parecer do Conselho das Finanças Públicas 20 de abril de 2016 O Conselho das Finanças Públicas é um órgão independente, criado

Leia mais

GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 01 janeiro 2017 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Em 2015, o Algarve foi a região com maior crescimento, impulsionado pelo setor do turismo

Em 2015, o Algarve foi a região com maior crescimento, impulsionado pelo setor do turismo Contas Regionais 2014 e 2015Pe 16 de dezembro de 2016 Em 2015, o Algarve foi a região com maior crescimento, impulsionado pelo setor do turismo De acordo com os resultados preliminares de 2015, no Algarve

Leia mais

Produto Interno Bruto aumentou 1,5% em volume no ano de 2015 e 1,3% no 4º trimestre de 2015

Produto Interno Bruto aumentou 1,5% em volume no ano de 2015 e 1,3% no 4º trimestre de 2015 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 29 de Fevereiro de 2016 Contas Nacionais Trimestrais e Anuais Preliminares (Base 2011) 4º Trimestre de

Leia mais

A RAA em números. Geografia

A RAA em números. Geografia 09 Foto: Espectro A RAA em números Geografia O arquipélago dos Açores é constituído por nove ilhas dispersas no Atlântico Norte ao longo de 600 km, segundo uma orientação noroeste-sudeste e enquadrado

Leia mais

Poupança e Investimento

Poupança e Investimento Poupança e Investimento Fernando Alexandre Ordem dos Economistas, Lisboa 19 de abril 2017 Poupança e Financiamento da Economia Portuguesa 1. A importância da poupança 2. Desequilíbrios e estagnação: uma

Leia mais

Mercados e Investimentos Financeiros. Calibração de estruturas temporais para diferentes níveis de Rating. Grupo 6

Mercados e Investimentos Financeiros. Calibração de estruturas temporais para diferentes níveis de Rating. Grupo 6 Calibração de estruturas temporais para diferentes níveis de Rating Grupo 6 Enquadramento Crescimento em termos de volume e modalidade de operações de crédito. É cada vez mais importante a correcta avaliação

Leia mais

Contas Nacionais Anuais: Resultados Finais Para 2014

Contas Nacionais Anuais: Resultados Finais Para 2014 Contas Nacionais Anuais (Base 2011) 2014 23 de setembro de 2016 Contas Nacionais Anuais: Resultados Finais Para 2014 Em 2014, o Produto Interno Bruto (PIB) ascendeu a cerca de 173,1 mil milhões de euros.

Leia mais

INE Divulga Estatísticas das Empresas em Seminário Internacional

INE Divulga Estatísticas das Empresas em Seminário Internacional Seminário Processos de Reengenharia nas Estatísticas das Empresas 2007 11 de Outubro de 2007 INE Divulga Estatísticas das Empresas em Seminário Internacional Os resultados preliminares das Estatísticas

Leia mais

Atividade económica acelerou até setembro. Indicador de clima económico, já disponível para outubro, diminuiu ligeiramente

Atividade económica acelerou até setembro. Indicador de clima económico, já disponível para outubro, diminuiu ligeiramente mm3m/%... Síntese Económica de Conjuntura Outubro de 2016 18 de novembro de 2016 Atividade económica acelerou até setembro. Indicador de clima económico, já disponível para outubro, diminuiu ligeiramente

Leia mais

ÍNDICE DE QUADROS... ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE GRÁFICOS... NOTA INTRODUTÓRIA... 1

ÍNDICE DE QUADROS... ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE GRÁFICOS... NOTA INTRODUTÓRIA... 1 ÍNDICE DE QUADROS ÍNDICE ÍNDICE DE QUADROS... ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE GRÁFICOS... ix xiii xiv NOTA INTRODUTÓRIA... 1 Parte 1O «ACIDENTE TÍPICO» EM TODOS OS SECTORES DE ACTIVIDADE (PERÍODO 2001-2003)...

Leia mais

Eslováquia - Síntese País

Eslováquia - Síntese País Informação Geral sobre a Eslováquia Área (km 2 ): 49 037 Primeiro-Ministro: Robert Fico População (milhões hab.): 5,4 (estimativa EIU, ) Risco do país: A (AAA = risco menor; D = risco maior) Capital: Bratislava

Leia mais

abrimos mercados. 2015: Um Ano Perdido para o Brasil?

abrimos mercados. 2015: Um Ano Perdido para o Brasil? abrimos mercados. 2015: Um Ano Perdido para o Brasil? Lígia Heise Panorama Geral Brasil: Crise política agrava problemas econômicos Recessão Melhora da balança comercial Pautas-bomba Aumento do risco país

Leia mais

Tel.: (21)

Tel.: (21) 14ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA FÓRUM TÉCNICO AEAMESP 05/09/2008 CUSTO DE CAPITAL NO BRASIL E A CAPTAÇÃO DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA PROJETOS METROFERROVIÁRIOS BRASILEIROS AUTOR: Eng.

Leia mais

COSMÉTICA AEP / DEPARTAMENTO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO

COSMÉTICA AEP / DEPARTAMENTO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO COSMÉTICA AEP / DEPARTAMENTO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO MARÇO DE 2003 Índice Panorama Nacional... 3 Panorama comunitário... 7 Anexo Estatístico... 8 2 Panorama Nacional O fabrico de produtos cosméticos

Leia mais

Previsões macroeconómicas subjacentes à Proposta de Orçamento do Estado Parecer do Conselho das Finanças Públicas

Previsões macroeconómicas subjacentes à Proposta de Orçamento do Estado Parecer do Conselho das Finanças Públicas Previsões macroeconómicas subjacentes à Proposta de Orçamento do Estado 2017 Parecer do Conselho das Finanças Públicas 13 de outubro de 2016 O Conselho das Finanças Públicas é um órgão independente, criado

Leia mais

Nova Zelândia - Síntese País

Nova Zelândia - Síntese País Informação Geral sobre a Nova Zelândia Área (km 2 ): 270 534 Primeiro-Ministro: John Key População (milhões hab.): 4,6 () Risco de crédito: (*) Capital: Wellington Risco do país: AA (AAA = risco menor;

Leia mais

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO JOÃO CRUZ REIS FILHO SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Brasília/DF JULHO DE 2015 22 CENÁRIO POPULACIONAL

Leia mais

Namíbia - Síntese País

Namíbia - Síntese País Informação Geral sobre a Namíbia Área (km 2 ): 824 269 Primeiro-Ministro: Saara Kuugongelwa-Amadhila População (milhões hab.): 2,2 (estimativa ) Risco de crédito: 3 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital:

Leia mais

Desemprego da Construção em máximo histórico

Desemprego da Construção em máximo histórico Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 62 Agosto

Leia mais

SECTOR AGRO-ALIMENTAR

SECTOR AGRO-ALIMENTAR SECTOR AGRO-ALIMENTAR AEP / Gabinete de Estudos Março de 2007 A indústria alimentar e das bebidas ( 15 1 ) é um sector com forte expressividade na economia nacional, o que não é de estranhar dada a sua

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 76 junho / 2014 CONSTRUÇÃO CAI 6% NO 1.º TRIMESTRE COM PERSPETIVAS MAIS FAVORÁVEIS PARA O 2.

Conjuntura da Construção n.º 76 junho / 2014 CONSTRUÇÃO CAI 6% NO 1.º TRIMESTRE COM PERSPETIVAS MAIS FAVORÁVEIS PARA O 2. Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 76 junho

Leia mais