Boletim de Estatísticas. Fevereiro Banco de Cabo Verde

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Boletim de Estatísticas. Fevereiro Banco de Cabo Verde"

Transcrição

1 Boletim de Estatísticas Fevereiro 2016 Banco de Cabo Verde

2 BANCO DE CABO VERDE Departamento de Estudos Económicos e Estatísticas Avenida Amílcar Cabral, 27 CP Praia - Cabo Verde Tel: / Fax:

3 ÍNDICE A. Estatísticas das Contas Nacionais A.1. Contas Nacionais Anuais - Ótica da Despesa A.1.1. Produto Interno Bruto a preços correntes (em milhões de escudos) 5 A.1.2. Produto Interno Bruto a preços correntes (taxa de variação em percentagem) 5 A.1.3. Produto Interno Bruto a preços do ano anterior (em milhões de escudos) 6 A.1.4. Produto Interno Bruto a preços do ano anterior (taxa de variação) 6 A.1.5. Deflatores Implícitos 7 A.2. Contas Nacionais Anuais - Ótica da Oferta A.2.1. Produto Interno Bruto a preços correntes (em milhões de escudos) 8 A.2.2. Produto Interno Bruto a preços correntes (taxa de variação em percentagem) 8 A.2.3. Produto Interno Bruto a preços do ano anterior (em milhões de escudos) 9 A.2.4. Produto Interno Bruto a preços do ano anterior (taxa de variação em percentagem) 9 A.2.5. Deflatores Implícitos 10 A.3. Estimativa das Contas Nacionais Trimestrais - Ótica da Oferta A.3.1. Produto Interno Bruto a preços correntes (em milhões de escudos) 11 A.3.2. Produto Interno Bruto a preços encadeados (em milhões de escudos) 12 A.3.3. Produto Interno Bruto a preços encadeados (variação em cadeia) 13 A.3.4. Produto Interno Bruto a preços encadeados (variação homóloga) 14 B. Estatísticas do Mercado de Trabalho B.1. Situação da População em Idade Ativa perante a Atividade Económica 16 B.2. Indicadores de Ocupação 17 B.3. Indicadores de Desemprego 18 C. Inflação C.1. Índice de Preços no Consumidor por Grupo de Produtos (taxa de variação mensal) 20 C.2. Índice de Preços no Consumidor por Grupo de Produtos (taxa de variação homóloga) 21 C.3. Índice de Preços no Consumidor por Grupo de Produtos (taxa variação média 12 meses) 22 C.4. Índice de Preços no Consumidor de Agregados Especiais (taxa de variação homóloga) 23 C.5. Índice de Preços no Consumidor por Regiões 24 Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro 2016

4 D. Estatísticas do Sector Externo D.1. Balança de Pagamentos 26 D.2. Importação de Mercadorias por Categoria Económica (em milhões de escudos) 28 D.3. Importação de Mercadorias por Categoria Económica (estrutura em percentagem) 29 D.4. Exportação de Mercadorias por Tipo de Produtos 30 D.5. Distribuição Geográfica do Comércio Externo de Mercadorias 31 D.6. Procura Turística Internacional 32 D.7. Ajuda Externa ao Governo de Cabo Verde 33 D.8. Remessas de Emigrantes em Divisas 34 D.9. Investimento Direto Estrangeiro em Cabo Verde 35 D.10. Posição do Investimento Internacional Líquida 36 D.11. Posição de Investimento Internacional Líquida por Setor Institucional 37 D.12. Posição da Dívida Externa Líquida 38 D.13. Posição Monetária Externa Líquida 38 D.14 Taxas de Câmbio do Escudo Cabo-Verdiano 39 D.15. Índices de Câmbios Efetivos Nominal e Real do Escudo Cabo-Verdiano 40 E. Sector Monetário e Financeiro E.1. Balanço Monetário do Banco de Cabo Verde 42 E.2. Balanço Consolidado dos Bancos de Depósitos 43 E.3. Síntese Monetária 44 E.4. Componentes dos Agregados Monetários 45 E.5. Crédito à Economia 46 E.6. Distribuição do Crédito no Sistema Bancário por Ramo de Atividade 47 E.7. Distribuição do Crédito no Sistema Bancário por Ramo de Atividade (estrutura em percentagem) 48 E.8. Taxas de Referência do Banco de Cabo Verde 49 E.9. Taxas de Rentabilidade dos Bilhetes do Tesouro 49 E.10. Taxas de Rentabilidade das Obrigações do Tesouro 49 E.11. Taxas de Juro Efetivas de Empréstimos Bancários 50 E.12. Taxas de Juro Efetivas de Depósitos Bancários 51 Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro 2016

5 F. Estatísticas das Finanças Públicas F.1. Receitas do Governo Central 53 F.2. Despesas do Governo Central 54 F.3. Financiamento do Governo Central 55 F.4. Dívida Interna do Governo Central por Tomador 56 F.5. Dívida Externa do Governo Central por Credor 57 F.6. Desembolsos da Dívida Externa do Governo Central por Credor 58 F.7. Pagamentos da Dívida Externa do Governo Central por Credor 59 Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro 2016

6 Estatísticas das Contas Nacionais

7 A - ESTATÍSTICAS DAS CONTAS NACIONAIS A.1. Contas Nacionais Anuais - Ótica da Despesa A.1.1. Produto Interno Bruto a preços correntes Ano Base = 2007 Em milhões de escudos. Consumo Formação Bruta de Capital Fixo Privado Público Total Privado Público Total Variação de existências Exportações Importações PIB , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,2 Fonte: Instituto Nacional de Estatística. A.1.2. Produto Interno Bruto a preços correntes Ano Base = 2007 Taxa de variação em percentagem. Consumo Formação Bruta de Capital Fixo Privado Público Total Privado Público Total Variação de existências Exportações Importações PIB ,6 6,8 6,7-3,2 47,0 6,2 19,2 13,1 5,2 10, ,1 8,7 6,6-10,7-2,9-8,6-11,5-15,0-8,9 0, ,6 3,4 1,2 2,0 66,2 19,7-52,6 7,2 10,6 2, ,3 7,3 6,6 29,0-19,6 10,4-66,2 16,1 11,2 6, ,2-5,2 2,8-38,8 16,0-23,6 167,8 15,7-5,4 1, ,7 3,4 2,9-26,1 6,5-12,3-25,7 2,4-6,3 2,2 Fonte: Instituto Nacional de Estatística. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

8 A - ESTATÍSTICAS DAS CONTAS NACIONAIS A.1. Contas Nacionais Anuais - Ótica da Despesa A.1.3. Produto Interno Bruto a preços do ano anterior em volume Ano Base = 2007 Em milhões de escudos. Consumo Formação Bruta de Capital Fixo Privado Público Total Privado Público Total Variação de existências Exportações Importações PIB , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , Fonte: Instituto Nacional de Estatística. A.1.4. Produto Interno Bruto a preços do ano anterior em volume Ano Base = 2007 Taxa de variação em percentagem. Consumo Formação Bruta de Capital Fixo Privado Público Total Privado Público Total Variação de existências Exportações Importações PIB ,6 3,8 2,1-6,2 40,4 2,5 14,5 7,9-0,3 6, ,1 7,3 6,3-10,1-4,0-8,5-12,7-16,8-7,0-1, ,2 2,0-0,5 1,4 65,2 19,0-53,9 6,9 8,3 1, ,2 6,0 3,0 23,3-23,1 5,6-69,0 10,9 4,7 4, ,3-5,9 1,2-38,8 16,0-23,5 162,2 13,5-7,8 1, ,8 1,9 1,8-25,8 6,9-12,0-25,3 0,6-6,4 0,8 Fonte: Instituto Nacional de Estatística. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

9 A - ESTATÍSTICAS DAS CONTAS NACIONAIS A.1. Contas Nacionais Anuais - Ótica da Despesa A.1.5. Deflatores Implícitos Taxa de variação em percentagem. Ano de Referência = 2007 Consumo Formação Bruta de Capital Fixo Privado Público Total Privado Público Total Variação de existências Exportações Importações PIB ,9 2,8 4,5 3,2 4,7 3,6 4,1 4,9 5,6 3, ,0 1,3 0,3-0,6 1,2-0,1 1,5 2,2-2,1 2, ,8 1,3 1,7 0,6 0,6 0,6 2,9 0,3 2,2 0, ,1 1,2 3,4 4,6 4,6 4,6 9,1 4,6 6,2 2, ,8 0,7 1,5 0,0 0,0 0,0 2,2 2,0 2,6 0, ,9 1,4 1,0-0,3-0,3-0,3-0,5 1,8 0,1 1,4 Fonte: Instituto Nacional de Estatística. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

10 A - ESTATÍSTICAS DAS CONTAS NACIONAIS A.2. Contas Nacionais Anuais - Ótica da Oferta A.2.1. Produto Interno Bruto a preços correntes Ano Base = 2007 Em milhões de escudos. Agric., prod. animal, caça, Pesca e floresta e aquacultura extração Indústria Construção Alojamento e Transportes e Outros serv. Serviços não VAB Comércio Total restauração comunicações mercantis mercantis Imp. s/ produtos líq. de subsídios , , , , , , , , , , , , , ,5 786, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,2 Fonte: Instituto Nacional de Estatística. Serviços PIB A.2.2. Produto Interno Bruto a preços correntes Ano Base = 2007 Taxa de variação em percentagem. Agric., prod. animal, caça, Pesca e floresta e aquacultura extração Serviços Indústria Construção Alojamento e Transportes e Outros serv. Serviços não VAB Comércio Total restauração comunicações mercantis mercantis Impostos s/ produtos líq. de subsídios ,7-21,6 21,8 22,7 1,0 10,7 10,8 14,4 4,4 8,3 10,3 11,2 10, ,4 60,4 12,4 1,1 8,3-1,3-5,3-2,6 10,5 1,6 2,6-10,1 0, ,7 8,4 7,4-9,7 4,6 3,0 0,6 4,0 5,9 3,6 1,4 5,9 2, ,7-26,5 7,9 3,2 7,9 23,0-3,6 3,0 12,8 5,8 5,4 15,9 6, ,9 3,5 15,7-14,6-1,1 46,7-3,2 6,8 1,8 4,3 3,3-8,7 1, ,8 28,3 9,3 1,6-8,0 4,8 5,9 1,0 5,7 1,7 2,3 2,2 2,2 Fonte: Instituto Nacional de Estatística. PIB Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

11 A - ESTATÍSTICAS DAS CONTAS NACIONAIS A.2. Contas Nacionais Anuais - Ótica da Oferta A.2.3. Produto Interno Bruto a preços do ano anterior Ano Base = 2007 Em milhões de escudos. Agric., prod. animal, caça, Pesca e floresta e aquacultura extração Indústria Construção Comércio Alojamento e restauração Transportes e comunicações Outros serv. mercantis Serviços não mercantis , , , , , , , , , , , , , ,6 784, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,9 930, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,3 Fonte: Instituto Nacional de Estatística. Serviços Total VAB Imp. s/ produtos líq. de subsídios PIB A.2.4. Produto Interno Bruto a preços do ano anterior Ano Base = 2007 Taxa de variação em percentagem. Agric., prod. animal, caça, Pesca e floresta e aquacultura extração Indústria Construção Comércio Alojamento e restauração Transportes e comunicações Outros serv. mercantis Serviços não mercantis ,0-21,8 16,3 19,1-3,7 5,9 6,7 10,1 1,8 4,3 6,7 6,2 6, ,2 39,0 1,8-7,7 5,9-4,5-4,0-4,3 8,6 0,4 0,1-9,8-1, ,0 5,7 11,0-11,0 2,4-4,3 6,6 1,4 4,4 3,3 1,2 3,7 1, ,9-32,0 3,4 0,6 2,2 20,7-7,4 2,6 12,5 3,3 3,0 10,6 4, ,1 30,9 15,4-13,0-2,1 34,4 3,7 3,3 1,1 3,8 3,0-10,8 1, ,9 20,7 4,7 0,5-8,0 3,7 3,0 0,4 4,3 0,5 0,7 1,3 0,8 Fonte: Instituto Nacional de Estatística. Serviços Total VAB Impostos s/ produtos líq. de subsídios PIB Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

12 A - ESTATÍSTICAS DAS CONTAS NACIONAIS A.2. Contas Nacionais Anuais - Ótica da Oferta A.2.5. Deflatores Implícitos Ano de Referência = 2007 Taxa de variação em percentagem. Agric., prod. animal, caça, Pesca e floresta e aquacultura extração Serviços Indústria Construção Alojamento e Transportes e Outros serv. Serviços não VAB Comércio Total restauração comunicações mercantis mercantis Imp. s/ produtos líq. de subsídios ,3 0,2 4,8 3,0 4,9 4,6 3,9 3,9 2,5 3,8 3,4 4,8 3, ,6 15,4 10,4 9,5 2,3 3,4-1,4 1,8 1,7 1,1 2,5-0,3 2, ,4 2,5-3,2 1,4 2,2 7,7-5,7 2,6 1,4 0,3 0,3 2,1 0, ,3 8,0 4,3 2,6 5,6 2,0 4,1 0,4 0,3 2,4 2,3 4,8 2, ,7-20,9 0,3-1,8 1,0 9,1-6,7 3,4 0,7 0,5 0,3 2,3 0, ,1 6,3 4,4 1,1 0,0 1,0 2,8 0,5 1,4 1,2 1,5 0,8 1,4 Fonte: Instituto Nacional de Estatística. PIB Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

13 A - ESTATÍSTICAS DAS CONTAS NACIONAIS A.3. Estimativa das Contas Nacionais Trimestrais - Ótica da Oferta A.3.1. Produto Interno Bruto a preços correntes Ano Base= 2007 Em milhões de escudos º Trim 2º Trim 3º Trim 4º Trim 1º Trim 2º Trim 3º Trim Ramos de Atividade Agricultura Pesca Indústrias Extrativas Indústrias Transformadoras Electricidade e Água Construção Comércio Transportes Alojamento e Restauração Telecomunicações e Correios Serviços Financeiros Imobiliária e Outros Serviços Serviços às Empresas Administração Pública Valor Acrescentado Bruto Impostos Líquidos de Subsídios Produto Interno Bruto Fonte: Instituto Nacional de Estatística. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

14 A - ESTATÍSTICAS DAS CONTAS NACIONAIS A.3. Estimativa das Contas Nacionais Trimestrais - Ótica da Oferta A.3.2. Produto Interno Bruto a preços encadeados Ano Base= 2007 Em milhões de escudos º Trim 2º Trim 3º Trim 4º Trim 1º Trim 2º Trim 3º Trim Ramos de Atividade Agricultura Pesca Indústrias Extrativas Indústrias Transformadoras Electricidade e Água Construção Comércio Transportes Alojamento e Restauração Telecomunicações e Correios Serviços Financeiros Imobiliária e Outros Serviços Serviços às Empresas Administração Pública Valor Acrescentado Bruto Impostos Líquidos de Subsídios Produto Interno Bruto Fonte: Instituto Nacional de Estatística. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

15 A - ESTATÍSTICAS DAS CONTAS NACIONAIS A.3. Estimativa das Contas Nacionais Trimestrais - Ótica da Oferta A.3.3. Produto Interno Bruto a preços encadeados Ano Base= 2007 Taxa de variação em cadeia em percentagem º Trim 2º Trim 3º Trim 4º Trim 1º Trim 2º Trim 3º Trim Ramos de Atividade Agricultura 40,6 2,7-47,8 20,9 34,3 7,7-40,8 Pesca 0,5 17,7 18,3-7,6-21,4 26,9 19,3 Indústrias Extrativas 29,4 5,2 5,1-19,0 12,4-1,9 6,3 Indústrias Transformadoras -25,7 11,4 4,1-3,7-2,3-2,3 3,8 Electricidade e Água -9,8 11,2 3,5 15,0-7,0-0,6 18,0 Construção 30,5 5,0 5,5-17,1 15,8-0,3 1,1 Comércio 2,3 1,4-8,7 11,8-17,2 8,3-1,3 Transportes -11,4 5,4 4,1 2,3-5,1 0,8 1,4 Alojamento e Restauração -7,0-12,1-17,4 36,6 23,0-22,3-16,1 Telecomunicações e Correios -9,8-3,5 4,5 6,7-6,1-4,1 2,2 Serviços Financeiros -0,6-0,2 0,3 2,2 2,0-1,9 2,2 Imobiliária e Outros Serviços -0,5 3,0-8,5 6,3-1,1 2,6-5,8 Serviços às Empresas -2,0 13,0-8,3 5,7-14,7 21,8-5,3 Administração Pública -4,8 6,6-10,9 11,7-7,1 8,6-9,1 Valor Acrescentado Bruto -0,1 3,3-8,3 6,6-0,4 1,6-5,9 Impostos Líquidos de Subsídios -13,5 1,9 1,0 12,7-10,1 6,6-6,9 Produto Interno Bruto -1,8 3,2-7,3 7,3-1,6 2,2-6,0 Fonte: Instituto Nacional de Estatística. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

16 A - ESTATÍSTICAS DAS CONTAS NACIONAIS A.3. Estimativa das Contas Nacionais Trimestrais - Ótica da Oferta A.3.4. Produto Interno Bruto a preços encadeados Ano Base= 2007 Taxa de variação homóloga em percentagem º Trim 2º Trim 3º Trim 4º Trim 1º Trim 2º Trim 3º Trim Ramos de Atividade Agricultura -15,0-3,0 3,2-8,9-13,0-8,7 3,6 Pesca 17,2 20,3 31,6 29,2 1,0 8,9 9,9 Indústrias Extrativas 7,9-4,0 11,6 15,9 0,6-6,2-5,2 Indústrias Transformadoras 0,9-7,7-5,0-17,1 9,1-4,3-4,6 Electricidade e Água 13,2 17,9 13,8 19,4 23,2 10,1 25,5 Construção 13,4-1,0 14,0 19,9 6,4 1,0-3,2 Comércio 7,5 13,7-4,2 5,9-14,3-8,5-1,1 Transportes 13,4-4,6 2,1-0,4 6,6 1,9-0,8 Alojamento e Restauração 0,0-4,7-24,1-7,8 22,0 7,7 9,5 Telecomunicações e Correios 16,4 15,5-3,2-2,9 1,1 0,4-1,9 Serviços Financeiros 6,4 6,4 3,2 1,8 4,3 2,5 4,4 Imobiliária e Outros Serviços 4,5 2,3-0,3-0,4-1,0-1,4 1,6 Serviços às Empresas 32,2 17,0 29,5 7,4-6,5 0,7 4,0 Administração Pública 5,5 4,9 2,0 1,0-1,4 0,4 2,4 Valor Acrescentado Bruto 5,4 3,2 0,7 0,9 0,6-1,1 1,5 Impostos Líquidos de Subsídios 1,1-3,1-9,5 0,5 4,4 9,1 0,6 Produto Interno Bruto 4,8 2,4-0,7 0,8 1,0 0,1 1,4 Fonte: Instituto Nacional de Estatística. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

17 Estatísticas do Mercado de Trabalho

18 B - ESTATÍSTICAS DO MERCADO DE TRABALHO B.1. Situação da População em Idade Ativa perante a Atividade Económica População em Idade Ativa Total População Ativa Empregada Desempregada População Inativa Taxa de Atividade (em percentagem) 59,1 59,1 62,6 60,1 57,9 Por Meio: Urbano ,1 63,7 64,3 Rural ,1 53,3 45,3 Por Sexo: Homens ,0 67,1 65,0 Mulheres ,6 53,5 51,2 Por Faixa Etária: anos ,7 37,4 35, anos ,3 56,6 54, anos ,8 75,0 72,6 65 & ,6 16,2 10,9 Fonte: Instituto Nacional de Estatística. Nota: A população em idade ativa é aquela com idade mínima de 15 anos. População ativa é a população em idade ativa que está efetivamente empregada ou está à procura ativamente de emprego. A taxa de atividade indica o nível geral de participação da população em idade ativa no mercado de trabalho.população inativa é a parcela da população em idade ativa que não está empregada e não procura emprego. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

19 B - ESTATÍSTICAS DO MERCADO DE TRABALHO B.2. Indicadores de Ocupação População Ocupada Taxa de Ocupação (em percentagem) - 51,9 52,1 50,3 48,8 Por Meio: Urbano ,7 67,6 72,8 Rural ,3 32,4 27,2 Por Sexo: Homens ,6 45,8 54,3 Mulheres ,4 54,2 45,7 Por Faixa Etária: anos ,7 24,4 22, anos ,8 42,3 41, anos ,1 69,4 67, ,5 10,8 Por Sector de Atividade: Primário ,5 23,0 16,7 Secundário ,3 16,6 17,8 Terciário 57,2 60,4 65,5 Por Sector Institucional: Público Administrativo ,5 20,1 - Privado não agrícola ,2 56,8 - Privado agrícola ,9 21,7 - Outro - - 1,4 1,3 - Por Nível de Instrução: - - Sem qualificação - - 8,2 6,8 5,1 Alfabetização - - 2,1 2,0 2,1 Ensino Básico ,4 43,4 40,8 Ensino Secundário ,4 34,1 36,4 Curso Médio - - 2,6 2,7 1,7 Curso Superior - - 9,3 11,0 13,9 Fonte: Instituto Nacional de Estatística Nota:A população ocupada é a população com 15 anos ou mais anos empregada. A taxa de ocupação representa a relação entre a população ativa ocupada e a população em idade de trabalhar. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

20 B - ESTATÍSTICAS DO MERCADO DE TRABALHO B.3. Indicadores de Desemprego População Desempregada Taxa de Desemprego (em percentagem) 10,7 12,2 16,8 16,4 15,8 Por Meio: Urbano 11,8 13,7 19,1 19,2 17,0 Rural 8,4 9,4 12,1 10,0 12,4 Por Sexo: Homens 9,6 11,4 17,2 16,9 16,3 Mulheres 12,1 13,2 16,4 15,7 15,2 Por Faixa Etária: anos ,1 25,1 23, anos - - 8,7 7,4 7,8 65 & ,3 4,2 0,7 Por Nível de Instrução: Sem qualificação - 2,4 6,0 7,2 8,3 Primário - 7,7 15,3 13,9 13,5 Secundário - 19,4 21,2 21,3 20,6 Pós-Secundário ,3 15,6 12,0 Outras Características dos Desempregados Idade média (anos) ,2 29,1 29,6 Número médio de anos de estudo (anos) - - 8,2 8,2 8,4 Percentagem dos que procuram o primeiro emprego ,0 23,8 23,4 Percentagem dos que já trabalharam ,0 76,2 76,6 Duração no desemprego (meses) ,9 16,9 16,8 Percentagem dos que já estão há mais de 1 ano no desemprego ,6 36,1 34,8 Fonte: Instituto Nacional de Estatística. Nota: A taxa de desemprego é o numero total de desempregados em relação a população ativa, enquanto a taxa de emprego é o número total de empregados em relação à população ativa. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

21 Inflação

22 C - INFLAÇÃO C.1. Índice de Preços no Consumidor por Grupo de Produtos Taxa de Variação Mensal. NACIONAL Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Total 0,5 0,2-0,2-0,4-0,3 0,2 0,0 0,3 0,1 0,3-0,1-0,2-0,2-0,5-0,5 Produtos Alimentares e Bebidas não Alcoólicas 0,6 0,6 0,0-1,0 0,3 0,1-0,2 0,7 0,7 1,0-0,5-0,2 0,0-0,6-0,6 Bebidas Alcoólicas e Tabaco 0,4 0,3-0,1-0,2 0,7 0,2-0,1-0,4 0,7-0,3 0,1 0,1-0,1 0,1-0,7 Vestuário e Calçado -0,2 2,1 0,5 0,7-0,5 0,4-0,1-0,2-0,8 0,3-0,2-0,7 0,5 1,3-0,7 Rendas, Habit. Água, Elect., Gás e Outros Combustíveis 0,8-1,3-2,4 0,0-3,8 0,1-1,0 0,0-1,0 0,0 0,0 0,0-2,4-0,6-1,2 Acessórios, Equip. Doméstico e Manutenção Corrente de Habitação 0,2-0,1-0,1 0,1 0,5 0,0 0,1-0,2 0,5 0,1 2,5-0,3-0,1-0,2 0,5 Saúde 0,0 0,1 0,1 0,1 0,3 0,0 0,0 0,2 0,3-0,1 0,1 0,2 0,1 0,0 0,1 Transportes 0,6 0,1 0,7 0,1 2,1 0,4 3,1-0,5-0,1-1,6-1,7 0,0 0,7-2,3-1,1 Comunicações 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Lazer, Recreação e Cultura 0,2 0,1 0,3-0,2 0,8-0,2-0,3 0,5-0,5 0,8-0,9 0,2 0,3 0,5-0,1 Ensino 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0-0,1-0,3 0,0 0,0 0,0 Hotéis, Restaurantes Cafés e Similares -0,2 0,5 1,2-0,1-0,4 0,1-0,3 0,0 0,4 0,5-0,3 0,6 1,2 1,0 0,0 Bens e Serviços Diversos 0,4 0,4 0,3 0,1 0,0 0,1-0,1 0,3 0,1-0,1 1,3-0,1 0,3 0,1 0,3 Fonte: Instituto Nacional de Estatística. Nota: A estrutura de consumo da atual série do IPC foi inferido com base no Inquérito às Despesas e Rendimentos das Famílias realizado entre Outubro de 2001 e Outubro de Valores dos anos 2012,2013, e 2014 referem-se a Dezembro dos respetivos anos. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

23 C - INFLAÇÃO C.2. Índice de Preços no Consumidor por Grupo de Produtos Taxa de Variação Homóloga. NACIONAL Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Total 0,1-0,4-0,5-0,2 0,3 0,3 0,3 0,3 0,3 0,6 0,4-0,2-0,5-1,2-1,3 Produtos Alimentares e Bebidas não Alcoólicas -1,9-0,2 0,6 0,5 2,1 1,7 1,2 1,6 2,5 3,2 2,5 1,2 0,6 0,6-0,2 Bebidas Alcoólicas e Tabaco 2,3 1,2 1,0 1,7 2,1 2,4 1,9 1,3 2,5 1,7 1,6 1,4 1,0 0,9 0,1 Vestuário e Calçado 0,3 2,8-1,0 2,1 0,8 2,1 1,0 0,4 0,3 1,2 1,1 0,6-1,0 0,5 0,1 Rendas, Habit. Água, Elect., Gás e Outros Combustíveis 4,4-2,9-8,5-3,9-5,9-5,7-6,1-6,0-7,6-7,8-7,6-7,6-8,5-9,7-9,6 Acessórios, Equip. Doméstico e Manutenção Corrente de Habitação 2,6 0,7 7,5 4,1 4,7 5,3 5,5 5,1 5,7 5,7 8,0 7,5 7,5 3,0 3,4 Saúde 1,0 1,1 0,8 1,5 1,5 1,3 1,2 0,9 0,6 0,5 0,6 0,8 0,8 0,6 0,6 Transportes -3,8-2,2-2,3-5,0-3,2-2,7 0,1-1,7-1,7-1,9-2,9-2,9-2,3-3,0-1,0 Comunicações 4,5 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Lazer, Recreação e Cultura -4,1-0,9 1,7 1,7-0,4 0,0-0,2 1,8 1,2 1,8 0,6 1,4 1,7 2,1 0,9 Ensino 0,2-1,7-0,4-1,7-1,7-0,8-0,8-0,8-0,8 0,1 0,0-0,4-0,4-0,4-0,4 Hotéis, Restaurantes Cafés e Similares -0,6 1,5 2,3 1,7 1,1 1,1 0,6-0,2 0,4 1,1 0,8 1,6 2,3 2,8 2,7 Bens e Serviços Diversos 5,4 3,8 3,6 4,9 4,9 4,9 4,8 5,2 5,0 2,9 4,1 3,6 3,6 2,2 2,3 Fonte: Instituto Nacional de Estatística. Nota: A estrutura de consumo da atual série do IPC foi inferido com base no Inquérito às Despesas e Rendimentos das Famílias realizado entre Outubro de 2001 e Outubro de Valores dos anos 2012,2013 e 2014 referem-se a Dezembro dos respetivos anos. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

24 C - INFLAÇÃO C.3. Índice de Preços no Consumidor por Grupo de Produtos Taxa de Variação dos 12 Meses. NACIONAL Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Total 1,5-0,2 0,1-0,4-0,3-0,3-0,2-0,2-0,1 0,0 0,1 0,1 0,1 0,0-0,1 Produtos Alimentares e Bebidas não Alcoólicas 0,7-1,2 1,4-1,0-0,8-0,6-0,4-0,1 0,4 0,9 1,2 1,4 1,4 1,5 1,5 Bebidas Alcoólicas e Tabaco 4,3 1,3 1,7 1,2 1,2 1,3 1,4 1,4 1,6 1,7 1,7 1,7 1,7 1,7 1,5 Vestuário e Calçado 1,3 1,5 0,9 1,6 1,4 1,5 1,4 1,3 1,2 1,2 1,3 1,3 0,9 0,8 0,8 Rendas, Habit. Água, Elect., Gás e Outros Combustíveis 5,0-0,2-6,0-1,2-1,6-2,0-2,6-3,2-3,8-4,5-5,0-5,6-6,0-6,7-7,1 Acessórios, Equip. Doméstico e Manutenção Corrente de Habitação 3,5 1,2 5,6 1,5 1,7 2,1 2,5 2,9 3,3 3,8 4,5 5,0 5,6 5,5 5,4 Saúde 0,7 1,3 1,0 1,4 1,4 1,4 1,4 1,3 1,2 1,1 1,1 1,1 1,0 1,0 0,9 Transportes -3,7-1,8-2,6-2,5-2,5-2,5-2,4-2,5-2,5-2,4-2,5-2,6-2,6-2,7-2,4 Comunicações 3,7 0,7 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Lazer, Recreação e Cultura -5,6-1,2 1,0 0,2 0,0-0,1-0,2 0,1 0,2 0,5 0,6 0,7 1,0 1,1 1,0 Ensino 0,0-0,7-0,9-1,2-1,4-1,4-1,4-1,4-1,4-1,3-1,1-1,0-0,9-0,8-0,7 Hotéis, Restaurantes Cafés e Similares 6,5-0,1 1,2 0,7 0,9 1,1 1,1 1,1 1,0 1,1 1,1 1,1 1,2 1,2 1,3 Bens e Serviços Diversos 4,9 4,8 4,5 4,8 4,8 4,8 4,8 4,8 4,8 4,5 4,5 4,5 4,5 4,2 4,0 Fonte: Instituto Nacional de Estatística. Nota: A estrutura de consumo da atual série do IPC foi inferido com base no Inquérito às Despesas e Rendimentos das Famílias realizado entre Outubro de 2001 e Outubro de Valores dos anos 2012,2013 e 2014 referem-se a Dezembro dos respetivos anos. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

25 C - INFLAÇÃO C.4. Índice de Preços no Consumidor de Agregados Especiais Taxa de Variação Homóloga. NACIONAL Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev 2016 Bens -0,8-0,7-1,3-0,6-0,1 0,0-0,5-0,1 0,0 0,4 0,0-0,7-1,3-1,7-1,8 Energias -2,7-6,5-16,5-13,2-12,8-12,8-12,7-12,7-15,5-15,5-16,8-16,8-16,5-16,6-14,5 Serviços 2,6 0,6 1,6 1,2 1,2 1,5 2,2 1,5 1,7 1,1 1,7 1,6 1,6 0,7 0,3 Produtos alimentares não transformados 3,5-1,9 3,8 2,4 1,9 3,8 4,1 4,4 7,4 9,4 7,4 6,1 3,8 3,6 2,1 Serviços relacionados com a Habitação 3,6 1,2 1,4 2,0 0,0 2,0 2,0 1,8 2,1 1,5 1,5 1,3 1,4-1,0-2,3 TOTAL excluindo Produtos Sazonais 0,1-0,4-0,6-0,2 0,0 0,3 0,3 0,2 0,3 0,5 0,4-0,2-0,6-1,1-1,2 TOTAL excluindo Energia 0,3 0,3 0,9 1,2 1,5 1,6 1,5 1,5 1,9 2,2 2,1 1,5 0,9 0,3-0,1 TOTAL excluindo Energia, Aliment. e Bebidas Alcoólicas e Tabaco 2,4 0,7 1,2 1,9 1,1 1,6 1,8 1,5 1,5 1,3 1,7 1,6 1,2 0,1-0,1 TOTAL excluindo Energia e Alimentares não transformados -0,2 0,7 0,3 1,0 0,8 1,2 1,1 1,0 0,9 0,8 1,1 0,6 0,3-0,3-0,5 TOTAL excluindo Educação, Saúde e Proteção social -0,2-0,4-0,8-0,3 0,1 0,2 0,1 0,2 0,3 0,6 0,3-0,3-0,8-1,3-1,4 Fonte: Instituto Nacional de Estatística. Nota: A estrutura de consumo da atual série do IPC foi inferido com base no Inquérito às Despesas e Rendimentos das Famílias realizado entre Outubro de 2001 e Outubro de Valores dos anos 2012,2013 e 2014 referem-se a Dezembro dos respetivos anos. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

26 C - INFLAÇÃO C.5. Índice de Preços no Consumidor por Regiões Índices e Taxas de Variação Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Santo Antão Índice 126,5 125,1 124,5 124,2 124,3 124,6 124,4 124,8 124,7 124,8 124,7 124,3 124,5 123,5 123,5 Variação Mensal -0,2-0,3 0,2 0,0 0,1 0,2-0,2 0,3-0,1 0,1-0,1-0,3 0,2-0,8 0,0 Variação Homóloga -2,0-1,1-0,5-2,4-1,7-1,5-1,4-1,6-1,2-1,3-0,6-1,0-0,5-2,1-0,6 Variação Média 12 Meses 0,0-1,0-1,3-0,9-1,0-1,0-1,1-1,3-1,3-1,4-1,3-1,3-1,3-1,4-1,3 São Vicente Índice 120,3 120,1 117,2 118,5 117,4 118,0 117,4 117,5 117,8 117,9 117,1 117,5 117,2 116,9 115,6 Variação Mensal 0,5 0,8-0,3-0,3-0,9 0,5-0,5 0,1 0,3 0,1-0,7 0,3-0,3-0,3-1,1 Variação Homóloga 2,3-0,2-2,4-0,8-0,3-0,3-0,3-0,8-0,2-0,2-1,5-1,4-2,4-2,0-2,7 Santiago Variação Média 12 Meses 2,8-0,1-0,8-0,7-0,6-0,7-0,6-0,7-0,6-0,5-0,5-0,6-0,8-0,9-1,1 Índice 119,9 119,6 119,7 119,1 119,0 119,0 119,2 119,5 119,7 120,2 120,2 120,0 119,7 119,1 118,6 Variação Mensal 0,5 0,1-0,2-0,4-0,1 0,0 0,2 0,3 0,2 0,4 0,0-0,2-0,2-0,5-0,4 Variação Homóloga -0,5-0,3 0,1 0,5 0,8 0,8 0,7 0,9 0,8 1,1 1,2 0,4 0,1-0,7-0,8 Variação Média 12 Meses 1,3-0,2 0,7-0,2-0,1 0,0 0,0 0,2 0,3 0,4 0,6 0,6 0,7 0,6 0,5 Fonte: Instituto Nacional de Estatística. Nota: A estrutura de consumo da atual série do IPC foi inferido com base no Inquérito às Despesas e Rendimentos das Famílias realizado entre Outubro de 2001 e Outubro de Os Valores referente a 2012,2013 e 2014 corresponde a Dezembro dos respetivos anos. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

27 Estatísticas do Sector Externo

28 D - ESTATÍSTICAS DO SECTOR EXTERNO D.1. Balança de Pagamentos Em milhões de escudos P 2014 P P 2014 P P 3º Trim 4º Trim 1º Trim 2º Trim 3º Trim 4º Trim Balança Corrente , , , , ,8-866, ,5-231, ,2 Bens , , , , , , , , ,6 Mercadorias Gerais , , , , , , , , ,4 Bens para Transformação 403,2 247,2 274,9 71,9 63,4 56,2 69,4 80,5 68,7 Outros Bens 7.793, , , , , , , , ,1 Serviços , , , , , , , , ,3 Transportes Marítimos , , , , ,9-963, ,2-868, ,3 Transportes Aéreos 7.926, , , , , , , , ,0 Viagens de Turismo , , , , , , , , ,1 Rendimentos , , , , , , , ,6-838,9 Rendimentos de Investimento , , , , , , , ,7-845,6 Rendimentos Investimento Direto , , ,2-853, ,7-382,0-284,4-458,2-414,6 Juros Dívida Externa Pública , , ,7-62,7-229,5-466,3-586,7-426,9 160,2 Juros Dív. Ext. Priv. (bancos e outros sect.) , , ,5-933,8-892,9-757,9-764,0-726,9-609,7 Transferências Correntes , , , , , , , , ,0 Transferências Oficiais 4.947, , ,2 721, , ,4 871, , ,7 Remessas de Emigrantes , , , , , , , , ,5 Outras Transferências Privadas 4.067, , ,9 496,2 626,0 553,3 338,0 65,9 291,8 Balança de Capital 533,4 658, ,8 129,0 59,8 798,0 421,1 222,8 441,9 Transferências Oficiais 461,7 551, ,9 96,4 31,5 767,9 385,4 184,6 406,1 Balança Financeira 8.481, , , , , , , , ,3 Investimento Direto 4.627, , , , , , , , ,0 Investimento de Carteira , , ,8-637,8-632,1-521,3-523,2-521,1-523,2 Outros Investimentos , , ,6 836, ,2 13,1-144,2-385, ,8 Créditos Comerciais 876, ,3 371,6-98,0-223,8 133,6 205,9-278,8 310,8 Empréstimos , , , , , ,4 311, , ,9 Dívida Externa Pública (Governo) , , , , , ,9 828, , ,2 Dívida Externa Privada (bancos e outros sect.) -895, , , , , ,5-500,2-816, ,3 Moeda e Depósitos , , , ,2 298, ,5 54, , ,2 Outros Ativos Líquidos -959,8 782,8-126,8-169,6 50,3 333,6-715,7 884,5-629,1 Ativos de Reserva , , , , ,9-855, , , ,9 Erros e Omissões -117, ,3-688, ,1-419, ,5 180, , ,6 Fonte: Banco de Cabo Verde. Notas: P - Provisório. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

29 D - ESTATÍSTICAS DO SECTOR EXTERNO D.2. Importação de Mercadorias por Categoria Económica* Em milhões de escudos Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Bens de Consumo , , , , , , , , , , , , , , ,2 Produtos alimentares primários 3.500, , ,3 208,4 353,5 237,2 307,3 255,4 200,9 207,7 297,1 500,9 289,9 267,1 298,4 Produtos alimentares transformados , , , , , , , ,4 952,6 947, , , , , ,7 Material de transporte 930, , ,4 41,9 93,5 96,4 95,5 128,1 147,6 83,5 93,2 106,8 144,0 156,5 90,5 Outros bens consumo duradouros 1.711, , ,7 137,9 131,0 92,2 129,5 127,5 103,4 116,2 151,6 161,8 236,4 109,1 165,7 Out. bens consumo, semi-duradouro 1.160, , ,5 138,6 107,5 82,4 132,5 124,8 103,4 80,6 148,3 253,7 148,4 120,6 126,6 Out. bens consumo, não duradouro 2.223, , ,8 186,8 144,3 122,7 210,8 164,2 174,5 90,7 351,2 187,7 126,5 118,8 255,2 Bens Intermédios , , , , , , , , ,7 756, , , , , ,7 Produtos alimentares primários 725,7 631,9 464,6 123,4 0,1 123,4 0,1 0,4 109,9 0,3 106,6 0,1 0,2 111,7 0,2 Produtos alimentares transformados 339,6 357,7 374,2 39,4 33,1 20,7 46,1 34,3 29,1 21,0 38,7 32,3 27,9 50,5 28,2 Produtos primários não especificados 163,0 161,1 177,3 32,0 15,2 3,6 3,4 15,2 13,6 1,3 13,2 35,9 19,9 7,6 16,2 Produtos transformados p/ agricultura 41,1 38,1 42,1 6,2 1,1 1,6 5,9 1,8 4,4 0,1 1,1 6,7 1,7 4,7 6,2 Prod transf. p/ indústria alimentar 299,0 316,5 345,9 37,6 29,3 37,6 39,9 55,6 25,3 19,5 24,1 24,2 14,8 23,0 33,1 Prod transf. p/ confecção e calçado 110,5 104,2 138,7 12,0 11,0 20,0 9,3 12,1 11,5 9,6 13,8 15,8 14,4 6,3 11,9 Prod transf. p/ indústrias várias 549,8 564,9 505,7 42,1 38,2 43,7 40,1 49,5 54,1 32,9 49,8 32,2 55,4 41,6 38,9 Prod transformados p/ construção 5.374, , ,4 531,0 665,7 573,0 543,9 531,4 451,9 371,4 483,4 499,1 430,1 442,2 420,3 Cimento 1.933, , ,4 154,5 197,6 170,8 127,5 159,3 163,7 158,8 151,2 59,7 211,0 120,7 145,3 Ferro 2.090, , ,0 201,8 251,6 220,0 199,2 199,8 146,0 119,6 188,0 284,8 112,1 211,4 155,0 Produtos transformados p/carpintaria 803, ,4 986,9 97,9 85,2 66,5 86,9 94,9 68,8 65,9 107,9 118,9 65,6 82,3 100,7 Material eléctrico 1.276, , ,7 250,1 218,8 133,3 199,9 282,9 130,4 64,9 114,4 125,4 165,7 98,0 122,0 Produtos transformados, n.e 2.369, , ,1 257,5 170,6 235,3 220,6 210,2 181,9 136,1 244,2 240,6 237,4 208,1 241,1 Peças e acessórios p/mat. transporte 342,1 330,0 341,4 39,9 29,7 22,8 21,2 42,9 16,7 33,1 23,9 41,6 16,6 20,7 28,9 Fonte: Direção Geral das Alfândegas e Instituto Nacional de Estatística. * Dados das Importações de mercadorias em valor CIF, segundo as estatísticas de comércio externo. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

30 B - ESTATÍSTICAS DO SECTOR EXTERNO D.2. Importação de Mercadorias por Categoria Económica (continuação)* Em milhões de escudos Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Bens de Capital 6.558, , , ,3 978,7 714,7 560,4 594,6 559,9 443,5 729,5 772,6 496,1 504, ,1 Máquinas 4.418, , ,8 670,7 494,8 446,6 428,7 398,4 436,0 362,6 539,6 438,7 368,7 335,8 951,1 Máquinas agrícolas 41,4 7,9 39,5 0,1 1,7 12,8 7,0 13,5 1,1 0,3 0,4 0,5 1,2 0,4 3,5 Máquinas industriais 211,7 230,8 373,7 149,1 20,4 14,9 70,7 10,0 34,6 7,1 12,1 15,1 8,3 11,7 18,8 Máquinas para construção 150,1 137,3 229,8 48,7 49,1 10,4 13,2 21,9 10,1 13,2 18,2 15,5 14,0 4,9 26,5 Instrumento de telecomunicações 918, , ,0 133,7 101,7 113,9 46,5 35,9 168,6 11,5 217,7 114,8 64,9 45,4 179,5 Outras Máquinas e Instrumentos 3.096, , ,8 339,1 322,0 294,7 291,3 317,2 221,6 330,6 291,2 292,9 280,4 273,4 116,1 Meios de transporte 1.686, , ,5 630,4 328,5 220,7 87,2 117,4 102,8 67,9 167,9 187,3 103,0 149,0 19,7 Autocarros 276,9 282,0 379,0 12,4 19,4 101,5 8,3 22,3 20,9 7,1 30,2 82,6 22,1 57,2 0,1 Aviões 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,6 Barcos 214, ,9 798,6 513,6 131,9 1,2 0,7 8,3 2,6 0,4 21,3 2,9 0,7 0,7 62,0 Tratores e veículos p/transp. carga 717,6 564,3 687,6 75,0 110,8 91,2 38,2 52,7 50,7 34,1 72,6 49,0 51,9 51,6 41,9 Motores 452,9 422,8 621,9 22,2 155,5 47,4 44,5 78,8 21,2 13,1 22,0 146,5 24,3 19,3 432,2 Combustíveis , , ,9 454,5 831,0 344,9 919,0 691,2 634,9 473,7 604,6 675,2 574,8 584,6 432,2 Diesel oil 7.236, , ,6 198,2 473,8 172,0 531,1 401,7 373,5 265,4 268,0 341,9 299,7 317,8 256,3 Fuel-oil 3.466, , ,3 50,0 203,9 8,2 262,7 118,8 190,8 128,8 202,0 223,8 175,5 141,7 75,5 Gasolina 583,1 611,3 564,8 102,4 61,9 68,4 50,9 63,3 17,5 60,3 60,2 34,3 35,8 28,5 35,3 Petróleo 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Artigos diversos n.e 5.669, , ,2 628,7 482,9 569,6 531,9 423,6 405,4 349,2 546,3 556,7 470,5 395,8 613,2 Total Geral , , , , , , , , , , , , , , ,5 Fonte: Direcção Geral das Alfândegas e Instituto Nacional de Estatísticas. * Dados das Importações de mercadorias em valor CIF, segundo as estatísticas de comércio externo Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

31 D - ESTATÍSTICAS DO SECTOR EXTERNO D.3. Importação de Mercadorias por Categoria Económica* Estrutura em percentagem Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Bens de Consumo 38,2 36,0 39,6 31,8 35,2 38,5 39,8 38,6 38,4 43,0 46,6 43,7 47,7 44,0 39,1 Produtos alimentares primários 5,8 4,8 5,1 3,7 6,4 5,0 5,7 5,2 4,6 5,9 5,1 8,9 5,9 5,8 5,7 Produtos alimentares transformados 22,4 20,1 21,6 19,2 20,2 25,1 23,5 22,5 21,7 26,7 28,7 22,2 28,6 27,2 21,3 Material de transporte 1,5 1,6 1,9 0,7 1,7 2,0 1,8 2,6 3,4 2,4 1,6 1,9 2,9 3,4 1,7 Outros bens de consumo duradouros 2,8 3,8 2,8 2,4 2,4 1,9 2,4 2,6 2,4 3,3 2,6 2,9 4,8 2,4 3,2 Out. bens de consumo, semi-duradouro 1,9 2,3 2,4 2,4 1,9 1,7 2,5 2,5 2,4 2,3 2,6 4,5 3,0 2,6 2,4 Out. bens de consumo, não duradouro 3,7 3,4 3,1 3,3 2,6 2,6 3,9 3,3 4,0 2,6 6,0 3,3 2,6 2,6 4,9 Bens Intermédios 20,6 21,8 21,7 25,8 23,4 27,1 22,7 26,9 25,1 21,3 21,0 20,8 21,2 23,8 19,9 Produtos alimentares primários 1,2 1,0 0,7 2,2 0,0 2,6 0,0 0,0 2,5 0,0 1,8 0,0 0,0 2,4 0,0 Produtos alimentares transformados 0,6 0,6 0,6 0,7 0,6 0,4 0,9 0,7 0,7 0,6 0,7 0,6 0,6 1,1 0,5 Produtos primários não especificados 0,3 0,2 0,3 0,6 0,3 0,1 0,1 0,3 0,3 0,0 0,2 0,6 0,4 0,2 0,3 Produtos transformados p/ agricultura 0,1 0,1 0,1 0,1 0,0 0,0 0,1 0,0 0,1 0,0 0,0 0,1 0,0 0,1 0,1 Prod transf. p/ indústria alimentar 0,5 0,5 0,5 0,7 0,5 0,8 0,7 1,1 0,6 0,6 0,4 0,4 0,3 0,5 0,6 Prod transf. p/ confecção e calçado 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 0,4 0,2 0,2 0,3 0,3 0,2 0,3 0,3 0,1 0,2 Prod transf. p/ indústrias várias 0,9 0,9 0,8 0,7 0,7 0,9 0,7 1,0 1,2 0,9 0,9 0,6 1,1 0,9 0,7 Prod transformados p/ construção 8,9 9,7 9,6 9,3 12,0 12,1 10,1 10,7 10,3 10,5 8,3 8,8 8,7 9,6 8,0 Cimento 3,2 3,2 2,9 2,7 3,6 3,6 2,4 3,2 3,7 4,5 2,6 1,1 4,3 2,6 2,8 Ferro 3,5 3,8 3,6 3,6 4,5 4,6 3,7 4,0 3,3 3,4 3,2 5,0 2,3 4,6 2,9 Produtos transformados p/carpintaria 1,3 1,6 1,5 1,7 1,5 1,4 1,6 1,9 1,6 1,9 1,9 2,1 1,3 1,8 1,9 Material elétrico 2,1 2,8 3,1 4,4 4,0 2,8 3,7 5,7 3,0 1,8 2,0 2,2 3,3 2,1 2,3 Produtos transformados, não especificados 3,9 3,9 3,9 4,5 3,1 5,0 4,1 4,2 4,2 3,8 4,2 4,3 4,8 4,5 4,6 Peças e acessórios p/mat transporte 0,6 0,5 0,5 0,7 0,5 0,5 0,4 0,9 0,4 0,9 0,4 0,7 0,3 0,4 0,5 Bens de Capital 10,9 17,2 13,1 23,3 17,7 15,1 10,5 12,0 12,8 12,5 12,6 13,7 10,0 10,9 21,1 Máquinas 7,3 13,0 8,6 11,8 8,9 9,4 8,0 8,0 10,0 10,2 9,3 7,8 7,4 7,3 18,1 Meios de transporte 2,8 3,5 3,6 11,1 5,9 4,7 1,6 2,4 2,3 1,9 2,9 3,3 2,1 3,2 0,4 Motores 0,8 0,7 1,0 0,4 2,8 1,0 0,8 1,6 0,5 0,4 0,4 2,6 0,5 0,4 8,2 Combustíveis 20,9 15,1 11,8 8,0 15,0 7,3 17,1 13,9 14,5 13,4 10,4 12,0 11,6 12,7 8,2 Diesel oil 12,0 8,2 6,1 3,5 8,6 3,6 9,9 8,1 8,5 7,5 4,6 6,1 6,1 6,9 4,9 Fuel-oil 5,8 4,0 3,3 0,9 3,7 0,2 4,9 2,4 4,4 3,6 3,5 4,0 3,5 3,1 1,4 Gasolina 1,0 0,9 0,9 1,8 1,1 1,4 0,9 1,3 0,4 1,7 1,0 0,6 0,7 0,6 0,7 Petróleo 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Artigos diversos não especificados 9,4 9,9 9,4 11,1 8,7 12,0 9,9 8,5 9,3 9,8 9,4 9,9 9,5 8,6 11,7 Total Geral 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Fonte: Direção Geral das Alfândegas e Instituto Nacional de Estatística; Cálculos do Banco de Cabo Verde. * Dados das Importações de mercadorias em valor CIF, segundo as estatísticas de comércio externo Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

32 D - ESTATÍSTICAS DO SECTOR EXTERNO D.4. Exportação de Mercadorias por Tipo de Produtos* Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev 2016 em milhões de escudos Produtos tradicionais 4.835, , ,7 411,0 460,1 470,2 458,4 606,0 481,4 401,2 563,5 524,1 736,4 587,3 269,9 Produtos do Mar 4.835, , ,7 411,0 460,1 470,2 458,4 606,0 481,4 401,2 563,5 524,1 736,4 587,3 269,9 Enlatados 2.233, , ,1 49,9 213,1 150,8 311,0 249,5 257,5 285,6 285,3 325,5 272,0 267,6 106,3 Congelados 2.470, , ,8 354,3 243,9 319,4 147,4 356,6 224,0 115,6 278,2 198,7 464,4 319,7 163,7 Frescos 27,2 1,2 0,1 0,1 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Crustáceos 104,6 18,5 15,7 6,6 3,1 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Produtos transformados 774,4 934,4 915,1 75,5 84,8 84,8 78,9 71,4 47,8 64,3 77,8 103,1 82,1 68,8 95,3 Calçados 419,6 458,3 375,8 37,6 27,5 30,9 30,6 39,7 31,8 21,1 28,2 33,2 25,3 33,8 33,9 Vestuários 354,8 476,2 539,3 37,9 57,3 53,9 48,3 31,7 16,0 43,2 49,6 70,0 56,7 35,1 61,4 Outros Produtos 103,7 105,6 111,3 6,6 4,8 10,5 5,0 12,1 8,5 5,8 37,2 10,8 5,9 0,1 13,1 Total 5.713, , ,0 493,1 549,7 565,5 542,3 689,5 537,7 471,3 678,5 638,1 824,3 656,3 378,3 estrutura em percentagem Produtos tradicionais 84,6 84,5 84,6 83,3 83,7 83,2 84,5 87,9 89,5 85,1 83,0 82,1 89,3 89,5 71,4 Produtos do Mar 84,6 84,5 84,6 83,3 83,7 83,2 84,5 87,9 89,5 85,1 83,0 82,1 89,3 89,5 71,4 Enlatados 39,1 40,2 40,4 10,1 38,8 26,7 57,4 36,2 47,9 60,6 42,0 51,0 33,0 40,8 28,1 Congelados 43,2 44,0 44,0 71,9 44,4 56,5 27,2 51,7 41,7 24,5 41,0 31,1 56,3 48,7 43,3 Frescos 0,5 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Crustáceos 1,8 0,3 0,2 1,3 0,6 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Produtos transformados 13,6 13,9 13,7 15,3 15,4 15,0 14,5 10,4 8,9 13,6 11,5 16,2 10,0 10,5 25,2 Calçados 7,3 6,8 5,6 7,6 5,0 5,5 5,6 5,8 5,9 4,5 4,2 5,2 3,1 5,1 9,0 Vestuários 6,2 7,1 8,1 7,7 10,4 9,5 8,9 4,6 3,0 9,2 7,3 11,0 6,9 5,3 16,2 Outros Produtos 1,8 1,6 1,7 1,3 0,9 1,9 0,9 1,8 1,6 1,2 5,5 1,7 0,7 0,0 3,4 Total 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Fonte: Direção Geral das Alfândegas e Instituto Nacional de Estatística; Cálculos do Banco de Cabo Verde. * Dados das Exportações de Mercadorias segundo as estatísticas de comércio externo. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

33 D - ESTATÍSTICAS DO SECTOR EXTERNO D.5. Distribuição Geográfica do Comércio Externo de Mercadorias Em milhões de escudos º Trim 4º Trim 1º Trim 2º Trim 3º Trim 4º Trim 1º Trim 2º Trim 3º Trim 4º Trim p Exportação de Mercadorias EUA 60,1 72,1 121,9 17,7 27,5 5,9 16,2 20,7 29,3 15,0 29,7 26,6 50,6 Área do Euro 5.306, , , , , , , , , , , , ,6 dos quais: Alemanha 9,0 24,3 20,5 0,0 0,6 0,9 22,9 0,0 0,5 0,0 0,0 0,0 20,5 Espanha 3.849, , , ,1 963, ,0 884, ,3 960,8 825, , , ,9 França 196,0 11,8 1,2 167,7 1,2 6,1 1,1 1,5 3,1 0,0 0,0 1,2 0,0 Países Baixos 12,0 20,0 21,3 3,3 2,9 1,4 6,5 6,8 5,2 1,4 4,2 7,9 7,7 Portugal 924,0 988,8 938,4 186,7 254,4 299,0 229,8 217,2 242,7 231,9 254,4 185,5 266,7 CEDEAO 6,3 2,3 20,6 0,0 5,4 0,2 0,0 1,2 0,9 0,0 2,1 4,2 14,3 dos quais: Gana 3,6 0,3 0,2 0,0 3,4 0,2 0,0 0,1 0,0 0,0 0,2 0,0 0,0 Guiné-Bissau 0,8 0,9 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,9 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Outros Países 0,0 203,3 841,2 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 203,3 77,9 40,2 407,8 315,4 Total 5.714, , , , , , , , , , , , ,9 Importação de Mercadorias EUA 734,6 805,9 870,0 188,2 211,4 161,2 191,1 199,0 254,6 185,8 223,1 230,5 230,6 Área do Euro , , , , , , , , , , , , ,7 dos quais: Alemanha 820,2 381,9 607,2 101,6 71,7 66,3 89,8 128,1 97,7 185,7 129,7 153,8 138,0 Espanha 4.737, , , , ,2 988, , , , , ,6 878, ,8 França 818, , ,8 271,9 275,2 430,8 101,9 479,6 264,8 273,6 469,9 301,1 270,2 Itália 892,0 847,3 991,0 147,4 226,8 196,5 197,4 197,1 256,3 269,3 213,6 232,2 275,9 Países Baixos , , , , , , , , , , , , ,9 Portugal , , , , , , , , , , , , ,8 Reino Unido 510,0 358,6 460,1 262,5 129,3 36,7 36,6 52,9 232,3 149,0 90,2 68,5 152,3 Suécia 55,7 106,3 64,6 6,5 16,3 14,0 27,9 32,3 32,2 20,3 16,5 20,1 7,7 Brasil 2.158, , ,6 665,0 430,6 440,1 484,4 588,2 617,1 405,0 737,6 567,4 564,5 CEDEAO 887,1 853, ,0 402,5 140,5 52,9 111,1 401,8 288,1 403,4 306,9 794,1 784,6 dos quais: Gana 68,6 90,8 137,7 12,4 42,5 0,0 13,9 26,1 50,8 10,9 36,6 44,3 46,0 Guiné-Bissau 8,0 6,2 7,2 2,6 3,0 0,3 2,4 1,8 1,8 1,6 3,2 1,3 1,1 Senegal 762,5 711,6 833,9 351,4 92,6 45,8 83,6 363,4 218,8 379,6 170,5 125,2 158,5 Outros Países 9.053, , , , , , , , , , , , ,5 Total , , , , , , , , , , , , ,8 Fonte: Direção Geral das Alfândegas e Instituto Nacional de Estatística. Nota: CEDEAO-Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental. P-Provisório Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

34 D - ESTATÍSTICAS DO SECTOR EXTERNO D.6. Procura Turística Internacional º Trim 4º Trim 1º Trim 2º Trim 3º Trim 4º Trim 1º Trim 2º Trim 3º Trim 4º Trim Dormidas por país de origem África do Sul Alemanha Áustria Bélgica e Holanda Espanha Estados Unidos França Reino Unido Itália Portugal Suíça Outros Dormidas por ilha São Vicente Sal Boa Vista Santiago Restantes ilhas Por memória:* Hóspedes entrados nos EH Dormidas nos EH Estadia média (nº de noites) 5,9 6,1 6,3 5,8 5,9 5,8 6,0 6,7 5,8 6,0 6,2 6,8 6,2 Taxa de ocupação (em %) Fonte: Instituto Nacional de Estatística. Nota: EH - Estabelecimentos Hoteleiros. * Informações referem-se a procura turística, incluindo o turismo interno feito por cabo-verdianos e estrangeiros residentes em Cabo Verde. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

35 D - ESTATÍSTICAS DO SECTOR EXTERNO D.7. Ajuda Externa ao Estado de Cabo Verde (por beneficiário direto) Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Nov Dez em milhões de escudos Governo 2.965, , ,5 423,9 224,5 510,7 155,2 111,3 135,7 278,4 166,0 73,8 239,8 239,8 253,5 258,9 Câmaras Municipais 234,3 215,0 248,2 9,0 17,6 5,9 41,6 8,4 18,3 34,2 13,5 1,6 11,5 11,5 10,7 64,3 ONG 989, , ,7 101,8 93,7 454,4 75,0 85,9 87,1 121,6 89,2 56,8 60,1 60,1 101,6 92,2 Total 4.190, , ,4 534,7 335,9 971,0 271,8 205,6 241,1 434,3 268,7 132,3 311,4 311,4 365,8 415,3 estrutura em percentagem Governo 70,8 76,9 64,0 79,3 66,8 52,6 57,1 54,1 56,3 64,1 61,8 55,8 77,0 77,0 69,3 62,3 Câmaras Municipais 5,6 3,5 5,2 1,7 5,2 0,6 15,3 4,1 7,6 7,9 5,0 1,2 3,7 3,7 2,9 15,5 ONG 23,6 19,6 30,8 19,0 27,9 46,8 27,6 41,8 36,1 28,0 33,2 43,0 19,3 19,3 27,8 22,2 Total 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Fonte: Bancos Comerciais, Ministério das Finanças e do Planeamento e Direção Geral das Alfândegas; Cálculos do Banco de Cabo Verde. Nota: ONG - Organizações Não Governamentais. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

36 D - ESTATÍSTICAS DO SECTOR EXTERNO D.8. Remessas de Emigrantes em Divisas Em milhões de escudos Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Total de Remessas , , , , , , , , , , , , , , ,7 Países de Origem Alemanha 160,4 180,1 209,0 11,9 13,6 20,6 17,4 19,6 20,1 17,6 14,9 18,2 23,2 15,1 16,8 Angola 38,1 67,6 73,7 3,2 5,4 6,6 6,7 5,7 7,5 7,5 2,2 9,8 6,5 3,5 8,9 Espanha 208,9 216,7 280,3 17,9 17,6 26,0 21,9 29,4 27,6 27,4 22,9 24,1 27,1 12,9 25,4 EUA 2.208, , ,1 197,8 201,0 257,0 238,4 211,2 221,5 227,8 211,8 211,9 196,2 182,5 225,0 França 3.125, , ,5 316,0 249,2 282,8 277,6 281,2 325,9 452,1 420,0 275,9 270,4 230,7 353,6 Itália 925,5 882, ,0 103,0 78,6 84,7 86,0 83,9 93,1 105,3 123,2 94,4 76,7 67,5 98,6 Luxemburgo 402,2 423,1 577,8 39,9 36,6 47,5 47,2 46,1 51,5 57,5 50,0 45,4 47,9 45,4 62,9 Países Baixos 1.185, , ,9 113,5 116,0 132,2 138,8 129,7 147,5 134,0 111,6 106,8 87,8 84,8 123,4 Portugal 4.342, , ,4 495,6 354,5 415,6 456,6 441,5 473,2 611,3 529,2 445,0 380,4 373,4 562,0 Reino Unido 248,2 322,4 352,6 36,2 22,6 32,1 29,9 33,0 38,3 32,4 23,8 25,7 25,5 29,5 23,7 Suíça 490,6 525,9 651,4 84,1 48,7 57,9 48,7 47,5 49,7 64,2 43,0 43,7 44,7 40,6 78,6 Outros 404,9 561,9 742,2 38,4 49,2 55,7 87,7 66,8 69,6 72,9 38,2 58,3 99,4 51,4 54,6 Concelho de Destino Ribeira Grande 584,6 544,6 604,7 43,0 45,4 49,2 48,3 42,8 48,5 56,6 65,8 47,5 53,2 41,8 62,5 Porto Novo 382,3 371,2 430,2 33,2 30,0 33,7 35,3 31,1 38,6 39,7 51,6 33,1 34,3 25,6 44,0 S.Vicente 2.630, , ,3 255,7 233,0 276,9 269,9 264,0 299,5 338,5 339,8 268,3 261,9 240,7 306,0 Sal 488,6 574,3 733,0 76,7 51,7 64,8 71,1 61,8 61,1 59,5 58,3 55,6 59,6 49,0 63,9 S.Nicolau 1.011, , ,7 94,0 90,0 105,3 94,7 86,1 108,1 117,6 120,9 92,7 85,6 80,0 98,6 Boa Vista 444,9 466,7 445,3 42,2 28,8 39,8 39,4 33,9 37,1 44,8 43,1 35,1 32,3 26,5 42,4 Maio 317,0 387,0 393,8 33,2 31,7 33,3 32,3 33,7 33,8 34,6 31,0 31,4 31,5 26,1 41,2 Praia 3.266, , ,3 346,6 304,2 365,6 430,5 437,0 425,7 502,6 349,1 411,9 338,2 294,1 414,9 Sta Catarina 1.908, , ,4 233,3 153,7 168,9 176,1 166,2 196,5 268,4 211,8 148,8 146,6 152,0 255,0 Sta Cruz 404,0 421,9 477,7 32,5 30,8 37,4 34,2 30,5 44,8 70,1 56,7 33,0 37,5 25,7 44,6 Tarrafal 1.182, , ,7 173,5 95,3 117,9 118,3 102,7 121,7 168,3 155,5 102,3 106,4 84,3 156,6 Fogo 834,8 921,3 961,3 72,6 76,6 98,9 81,0 83,4 82,6 82,2 83,1 76,6 76,3 69,0 79,1 Brava 284,85 293,61 289,63 21,1 21,8 27,2 25,7 22,3 27,4 27,1 24,0 23,0 22,5 22,6 24,8 Fonte: Bancos Comerciais e Direção Geral das Alfândegas; Cálculos do Banco de Cabo Verde. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

37 D - ESTATÍSTICAS DO SECTOR EXTERNO D.9. Investimento Direto Estrangeiro em Cabo Verde Em milhões de escudos º Trim 4º Trim 1º Trim 2º Trim 3º Trim 4º Trim 1º Trim 2º Trim 3º Trim 4º Trim em milhões Total de IDE* 5.777, , , , ,3-488, , , , , , , ,7 Total de Participações** 6.022, , ,3 421, ,7 335,3 315, , , ,1 829,3 503,9 783,0 País de Origem ** Espanha 166,8 88,6 112,0 32,7 75,2 60,7 6,7 14,7 6,4 0,0 0,0 112,0 0,0 Itália 47,0 8,7 0,0 1,1 5,0 0,0 2,4 5,8 0,5 0,0 0,0 0,0 0,0 Reino Unido 3.489, , ,3 26, ,2 38,9 3, , ,2 650,6 110,7 292,6 132,3 Irlanda 35,6 57,3 25,8 11,3 9,1 4,8 46,2 1,9 4,4 4,0 2,8 12,2 6,9 Portugal 811,0 875,5 684,0 143,3 115,2 167,8 153,9 334,6 219,1 156,4 136,3 77,7 313,6 Outros 1.472,3 683, ,2 206,5 674,1 63,0 103,1 390,7 126,6 243,2 579,4 9,3 330,2 Ilhas de Destino ** Maio 11,1 0,0 0,0 9,0 2,1 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Boa Vista 66,7 70,9 0,0 16,8 19,4 55,5 1,9 8,2 5,3 0,0 0,0 0,0 0,0 Sal 3.678, , ,7 50, ,9 167,3 88, , ,8 741,2 114,5 344,3 427,7 Santiago 1.569,0 618,4 363,7 258,9 587,6 89,5 130,5 136,9 261,5 83,1 133,4 129,2 18,0 São Vicente 188,6 181,4-117,9 27,5 62,2 31,0 53,1 41,0 56,4 17,9 33,3-199,0 29,9 Outros 508,2 354, ,9 59,3 176,6-8,1 41,6 260,0 61,2 211,9 548,2 229,4 307,4 Setores ** Indústria 226,7 108,7 86,9 82,2 60,2 15,7 21,0 27,1 44,8 13,5 20,9 38,2 14,4 Comércio 320,2 120,3 0,0 75,7 71,6 75,9 11,4 28,9 4,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Turismo e Imobiliária 4.276, , ,2 91, ,9 206,8 201, , ,7 770,2 258,7 335,0 487,3 Serviços Financeiros 411,2 48,4 51,0 0,3 407,5 1,0 41,6 0,7 5,2 50,7 0,1 0,1 0,0 Outros Serviços 458,4 35,7-231,5 73,3 13,5 0,0 8,1 4,9 22,7 0,1 0,0-231,6 0,0 Outros Sectores 329,4 244, ,7 98,3 156,9 35,9 32,0 76,9 99,8 219,7 549,6 362,1 281,3 Fonte: Banco de Cabo Verde e Cabo Verde Investimentos. Notas: IDE - Investimento Direto Estrangeiro. * Total de IDE em Cabo Verde, inclui Participações, Lucros Reinvestidos e Crédito/Obrigações com Investidor Direto. ** Inclui Ações e Outras Participações de Capital e Investimento Imobiliário, exclui Investimento Emigrantes e Créditos/Obrigações entre empresas coligadas. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

38 D - ESTATÍSTICAS DO SECTOR EXTERNO D.10. Posição de Investimento Internacional Líquida Em milhões de escudos º Trim 2º Trim 3º Trim 4º Trim 1º Trim 2º Trim 3º Trim 4º Trim Posição de Investimento Internacional Líquida* , , , , , , , , , ,7 Ativos , , , , , , , , , ,2 Investimento Direto no Estrangeiro 2.096, , , , , , , , , ,3 Ações e outras Partic. de Capital e Lucros Reinvestidos 2.096, , , , , , , , , ,3 Outro Capital 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Investimento de Carteira 3.892, , , , , , , , , ,8 Títulos de Participação no Capital 43,9 43,9 43,9 43,9 43,9 43,9 43,9 43,9 43,9 43,9 Títulos de Dívida 3.848, , , , , , , , , ,9 Outros Investimentos , , , , , , , , , ,0 Créditos Comerciais 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 12,2 0,2 0,2 Empréstimos 3.495, , , , , , , , , ,5 Moeda e Depósitos , , , , , , , , , ,1 Outros Ativos , , , , , , , , , ,1 Ativos de Reserva , , , , , , , , , ,1 Passivos , , , , , , , , , ,9 Investimento Direto na Economia Declarante , , , , , , , , , ,7 Ações e outras Partic. de Capital e Lucros Reinvestidos , , , , , , , , , ,8 Outro Capital ,3-950, , , ,3-950,0-38,4 696,7 624,7 578,9 Investimento de Carteira 1.409,3 874, , , ,6 874,0 876,0 876,0 878,1 878,1 Títulos de Participação no Capital 356,5 356,5 356,5 356,5 356,5 356,5 356,5 356,5 356,5 356,5 Títulos de Dívida 1.052,9 517, , ,5 783,2 517,6 519,5 519,5 521,7 521,7 Outros Investimentos , , , , , , , , , ,1 Créditos Comerciais 5.009, , , , , , , , , ,0 Empréstimos , , , , , , , , , ,7 Moeda e Depósitos , , , , , , , , , ,7 Outros Passivos 1.129, , , , , , , , , ,7 Fonte: Banco de Cabo Verde; Empresas; Bancos Comerciais; Ministério das Finanças e do Planeamento. Notas: * ativos - passivos; tratando-se de saldos, o valor referente a é igual ao de Dezembro de. O sinal (+) indica um aumento dos ativos ou passivos e o sinal (-) indica uma diminuição: a convenção de registo em termos de sinais difere da convenção aplicada pelas estatísticas da balança de pagamentos. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

39 D - ESTATÍSTICAS DO SECTOR EXTERNO D.11. Posição de Investimento Internacional Líquida por Sector Institucional Em milhões de escudos Variação de Posição devido a: Transações** Outros*** Ativos , , ,9 701, ,2 Autoridade Monetária , , ,4 189, ,0 Governo , ,5 0,0 0, ,5 Bancos , , ,7 594, ,7 Outros Sectores , , ,8-81, ,9 Passivos , , , , ,9 Autoridade Monetária 1.483, ,1-30,8 91, ,6 Governo , , , , ,1 Bancos , ,4 492,6 506, ,6 Outros Sectores , , ,9-26, ,6 Posição Internacional Líquida* , , , , ,7 Autoridade Monetária , , ,1 98, ,4 Governo , , , , ,5 Bancos , , ,1 87,3 855,1 Outros Sectores , , ,1-54, ,7 Fonte: Banco de Cabo Verde. Notas: * ativos - passivos; tratando-se de saldos, o valor referente a é igual ao de Dezembro de. ** O sinal (+) indica um aumento dos ativos ou passivos e o sinal (-) indica uma diminuição: a convenção de registo em termos de sinais difere da convenção aplicada pelas estatísticas da balança de pagamentos. *** Alterações de preços, de câmbios e outros ajustes. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

40 D - ESTATÍSTICAS DO SECTOR EXTERNO D.12. Posição da Dívida Externa Líquida Em milhões de escudos Variação de Posição devido a: Transações* Outros** Posição da Dívida Externa Líquida , , , , ,0 Créditos Comerciais , ,3-371,6 8, ,8 Empréstimos Financeiros , , , , ,2 Dos quais: Governo , , , , ,1 Outros Sectores , , ,0 0, ,4 Fonte: Banco de Cabo Verde. Notas: * Inclui outros ajustes.** Alterações de preços, de câmbios e outros ajustes.p - Provisório D.13. Posição Monetária Externa Líquida Em milhões de escudos. Variação de Posição devido a: Transações** Outros*** Posição Monetária Externa Líquida* , , ,9 185, ,1 Autoridade Monetária , , ,1 98, ,4 Empréstimos Financeiros -170,3-87,1 34,6-8,0-60,6 Ativos de Reservas , , ,6 178, ,1 Outros Ativos Líquidos , ,3-4,0-72, ,1 Bancos , , ,7 87, ,7 Investimento Direto , ,0 0,6 0, ,4 Investimento de Carteira -510,3-244,7 0,0 0,0-244,7 Empréstimos Financeiros ,1-751,3 194,2 0,0-557,2 Outros Activos Líquidos 1.625,7 614, ,0 87, ,0 Fonte: Banco de Cabo Verde. Notas: * ativos - passivos; tratando-se de saldos, o valor referente a é igual ao de Dezembro de. ** O sinal (+) indica um aumento dos ativos ou passivos e o sinal (- ) indica uma diminuição: a convenção de registo em termos de sinais difere da convenção aplicada pelas estatísticas da balança de pagamentos. *** Alterações de preços, de câmbios e outros ajustes. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

41 D - ESTATÍSTICAS DO SECTOR EXTERNO D.14. Taxas de Câmbio do Escudo Cabo-Verdiano Moeda estrangeira por escudo cabo-verdiano. Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Valores Médios Coroas Dinamarquesas 14,8 14,8 14,8 14,8 14,8 14,8 14,8 14,8 14,8 14,8 14,8 14,8 14,8 14,8 14,8 Coroas Suecas 12,8 12,1 11,8 11,9 11,8 11,8 11,9 11,8 11,6 11,7 11,8 11,8 11,9 11,6 11,7 Coroas Norueguesas 14,2 13,2 12,4 12,8 12,9 13,1 12,6 12,4 12,0 11,9 11,9 11,9 11,7 11,5 11,5 Yen (100) 85,3 78,6 82,1 84,4 85,6 81,9 79,4 81,3 80,4 81,7 81,7 83,7 83,3 85,9 86,4 Franco Suíço 89,6 90,8 103,3 103,9 106,2 105,9 105,4 105,2 102,4 101,1 101,3 101,8 101,8 100,9 100,0 Libra Esterlina 129,9 136,5 151,9 152,4 152,8 152,6 153,0 155,9 154,7 150,9 150,3 155,9 152,2 146,6 142,4 Dólar dos EUA 83,1 83,1 99,4 101,6 102,5 98,8 98,4 100,2 99,1 98,3 98,1 102,5 101,5 101,6 99,5 Dólar Canadiano 80,7 75,2 77,9 80,7 82,7 81,2 79,6 78,2 75,5 74,1 75,0 77,3 74,3 71,6 71,9 Rand 8,6 7,7 7,8 8,4 8,5 8,3 8,0 8,1 7,7 7,2 7,3 7,3 6,8 6,2 6,3 Euro 110,3 110,3 110,3 110,3 110,3 110,3 110,3 110,3 110,3 110,3 110,3 110,3 110,3 110,3 110,3 Valores em Fim do Período Coroas Dinamarquesas 14,8 14,8 14,8 14,8 14,8 14,8 14,8 14,8 14,8 14,8 14,8 14,8 14,8 14,8 14,8 Coroas Suecas 12,4 11,6 12,0 11,8 11,9 11,9 11,9 11,6 11,6 11,7 11,8 11,9 12,0 11,9 11,8 Coroas Norueguesas 13,1 12,2 11,5 12,7 13,2 13,0 12,5 12,3 11,8 11,6 11,8 12,0 11,5 11,7 11,6 Yen (100) 76,0 75,8 83,7 84,8 84,0 81,5 80,6 80,9 81,0 82,1 83,3 85,0 83,7 85,1 88,6 Franco Suíço 89,9 91,7 102,0 105,6 105,1 106,6 106,3 103,7 102,0 101,2 101,6 101,2 102,0 99,8 100,9 Libra Esterlina 131,8 140,9 149,4 150,5 154,0 154,8 155,6 157,3 150,6 149,2 153,9 156,9 149,4 144,7 140,0 Dólar dos EUA 80,0 90,7 100,9 101,7 100,2 101,2 99,0 100,7 97,9 98,4 100,9 104,2 100,9 101,1 100,2 Dólar Canadiano 74,7 78,0 72,7 80,4 83,1 81,1 80,0 77,5 73,7 73,5 76,5 78,1 72,7 71,8 74,0 Rand 7,6 7,8 6,5 8,4 8,4 8,4 8,1 7,9 7,4 7,1 7,3 7,3 6,5 6,2 6,4 Euro 110,3 110,3 110,3 110,3 110,3 110,3 110,3 110,3 110,3 110,3 110,3 110,3 110,3 110,3 110,3 Fonte: Banco de Cabo Verde Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

42 D - ESTATÍSTICAS DO SECTOR EXTERNO D.15. Índices de Câmbios Efetivos do Escudo Cabo-Verdiano Moeda estrangeira por escudo cabo-verdiano, = Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Índice de Câmbio Efetivo Nominal (TEN) * 104,54 104,43 102,42 102,19 102,10 102,46 102,50 102,27 102,40 102,54 102,57 102,05 102,20 102,28 102,55 Índice de Câmbio Efetivo Real (TER) ** 114,03 112,88 110,85 131,13 130,35 130,70 130,76 131,38 131,67 132,16 131,94 131,23 131,26 132,07 131,63 Fonte: Banco de Cabo Verde, Instituto Nacional de Estatística, EUROSTAT e U.S. Department of Labor (Bureau of Labor Statistics). Notas: * Índice de Câmbio Efetivo Nominal (TEN) está definida como média geométrica das taxas de câmbio nominais bilaterais da moeda doméstica relativamente à moeda dos países parceiros. ** A Taxa de Câmbio Efetiva Real (TER) é calculada deflacionando a TEN utilizando a inflação nacional e a dos principais parceiros. A partir do mês de Março de o ano base do cálculo do Índice Harminizado do Preço do Consumidor da Área do Euro e do Índice de Preço do Reino Unido foi alterado, passando de 2007 para. Em consequência, a série de janeiro a Dezembro de foi alisada de modo a permitir a comparabilidade com a serie anterior Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

43 Estatísticas Monetárias e Financeiras

44 E- ESTATÍSTICAS MONETÁRIAS E FINANCEIRAS E.1. Balanço Monetário do Banco de Cabo Verde* Saldos de fim de período, em milhões de escudos P Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ativos Externos , , , , , , , , , , , , , ,9 Ativos Externos Líquidos , , , , , , , , , , , , , ,0 dos quais: Reservas Internacionais Líquidas , , , , , , , , , , , , , ,0 Passivos Externos 354,0 95,6 72,9 84,2 87,2 86,3 86,9 67,9 76,4 67,2 135,4 134,7 136,7 72,9 Curto Prazo 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 7,5 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Médio e Longo Prazos 354,0 95,6 72,9 84,2 87,2 86,3 86,9 67,9 68,9 67,2 135,4 134,7 136,7 72,9 Ativos Internos Líquidos , , , , , , , , , , , , , ,9 Crédito Bruto ao Governo Central 7.247, , , , , , , , , , , , , ,9 dos quais: TCMF 4.872, , , , , , , , , , , , , ,5 Depósitos do Governo Central 3.778, , , , , , , , , , , , , ,2 dos quais: Conta Corrente do Tesouro 1.838, , , , , , , , , , ,9 458,2 457, ,8 Crédito às OIM , , , , , , , , , , , , , ,6 Crédito ao Sector Privado 626,1 654,2 618,1 651,6 655,6 650,3 647,3 646,4 642,8 638,6 631,5 626,2 622,9 618,1 Outros Ativos Líquidos , , , , , , , , , , , , , ,2 Passivo Interno , , , , , , , , , , , , , ,5 Base Monetária , , , , , , , , , , , , , ,5 Emissão Monetária , , , , , , , , , , , , , ,0 Depósitos de OIM , , , , , , , , , , , , , ,5 Depósitos de IFnM 6,3 46,3 9,5 46,3 44,3 40,8 105,8 33,8 33,0 21,2 21,0 34,0 29,9 9,5 Outros Passivos 202,9 504,6 368,5 424,6 283,0 368,1 353,7 365,0 360,5 365,1 370,2 373,8 359,1 368,5 Contas de Capital , , , , , , , , , , , , , ,4 Fonte: Bancos Comerciais e Banco de Cabo Verde. Notas: TCMF - Títulos Consolidados de Mobilização Financeira; OIM - Outras Instituições Monetárias; IFnM - Instituições Financeiras não Monetárias. * Tratando-se de saldos, o valor referente a é igual ao de Dezembro de. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

45 E- ESTATÍSTICAS MONETÁRIAS E FINANCEIRAS E.2. Balanço Consolidado dos Bancos de Depósitos* Saldos de fim de período, em milhões de escudos P Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ativos Externos Líquidos , ,3-68,6-626, ,2-972, ,7-403, , ,3 648,8 428, ,9-68,6 Ativos Externos de Curto Prazo , , , , , , , , , , , , , ,8 Outros Ativos Externos 2.543, , , , , , , , , , , , , ,5 Passivos Externos , , , , , , , , , , , , , ,9 Curto Prazo , , , , , , , , , , , , , ,4 Médio e Longo Prazos 1.579, , , , , , , , , , , , , ,5 Ativo Interno , , , , , , , , , , , , , ,4 Reservas Bancárias , , , , , , , , , , , , , ,4 Crédito ao Governo Central , , , , , , , , , , , , , ,8 TCMF 6.818, , , , , , , , , , , , , ,0 Crédito aos Governos Locais 2.578, , , , , , , , , , , , , ,4 Crédito às EPnF 864,6 839, , , , , , , , , , , , ,5 Crédito ao Sector Privado , , , , , , , , , , , , , ,1 Outros Ativos Internos Líquidos , , , , , , , , , , , , , ,8 Passivo Interno , , , , , , , , , , , , , ,8 Depósitos do SPA 4.463, , , , , , , , , , , , , ,6 Depósitos a Ordem em Moeda Nacional , , , , , , , , , , , , , ,1 Depósitos de Poupança 3.431, , , , , , , , , , , , , ,3 Depósitos a Prazo em Moeda Nacional , , , , , , , , , , , , , ,5 Depósitos em Divisas de Residentes 3.541, , , , , , , , , , , , , ,5 Depósito de Emigrantes , , , , , , , , , , , , , ,6 Cheques e Ordens a pagar 114,5 161,0 85,8 133,0 189,4 78,9 807,4 156,5 143,0 63,6 121,0 116,2 102,9 85,8 Depósitos de Caução 62,1 34,0 22,9 43,1 29,6 30,7 30,7 30,6 18,3 20,3 24,2 17,7 21,9 22,9 Acordos de Recompra de Títulos 5.861, , , , , , , , , , , , , ,0 Outras Responsabilidades 383,8 335,9 365,8 330,6 334,9 337,0 333,8 331,8 332,6 333,1 331,2 333,0 336,5 365,8 Fonte: Bancos Comerciais; Cálculos do Banco de Cabo Verde. Notas: P - Provisório; TCMF - Títulos Consolidados de Mobilização Financeira; SPA - Sector Público Administrativo; EPnF - Empresas Públicas não Financeiras. *Tratando-se de saldos, o valor referente a é igual ao de Dezembro de. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

46 E- ESTATÍSTICAS MONETÁRIAS E FINANCEIRAS E.3. Síntese Monetária* Saldos de fim de período, em milhões de escudos P Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ativos Externos Líquidos , , , , , , , , , , , , , ,4 Banco de Cabo Verde , , , , , , , , , , , , , ,0 Bancos Comerciais , ,3-68,6-626, ,2-972, ,7-403, , ,3 648,8 428, ,9-68,6 Crédito Interno Líquido , , , , , , , , , , , , , ,4 Crédito Líquido ao SPA** , , , , , , , , , , , , , ,6 Empréstimos Bancários à Economia** , , , , , , , , , , , , , ,8 dos quais: Crédito ao Sector Privado , , , , , , , , , , , , , ,0 Outros Ativos Líquidos , , , , , , , , , , , , , ,4 Massa Monetária (M2) , , , , , , , , , , , , , ,4 Moeda (M1) , , , , , , , , , , , , , ,9 Quase-Moeda , , , , , , , , , , , , , ,5 Fonte: Bancos Comerciais; Cálculos do Banco de Cabo Verde. Notas: P - Provisório; SPA - Sector Público Administrativo. EPNF-Empresas Públicas Não Financeiras. *Tratando-se de saldos, o valor referente a é igual ao de Dezembro de. **O crédito Líquido ao SPA excluiu as Empresas Públicas Não Financeiras. Os emprestimoas Bancários à Economia incluiu EPNF. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

47 E- ESTATÍSTICAS MONETÁRIAS E FINANCEIRAS E.4. Componentes dos Agregados Monetários* Saldos de fim de período, em milhões de escudos P Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Massa Monetária , , , , , , , , , , , , , ,4 Moeda (M1) , , , , , , , , , , , , , ,9 Circulação Monetária 8.216, , , , , , , , , , , , , ,3 Depósitos a Ordem da Moeda Nacional , , , , , , , , , , , , , ,6 Quase-Moeda , , , , , , , , , , , , , ,5 Depósitos de Poupança 3.431, , , , , , , , , , , , , ,3 Depósitos a Prazo da Moeda Nacional , , , , , , , , , , , , , ,5 Depósitos em Divisas de Residentes 3.541, , , , , , , , , , , , , ,5 Depósitos de Emigrantes , , , , , , , , , , , , , ,6 Cheques e Ordens a Pagar 114,5 161,0 85,8 133,0 189,4 78,9 807,4 156,5 143,0 63,6 121,0 116,2 102,9 85,8 Depósitos de Caução 62,1 34,0 22,9 43,1 29,6 30,7 30,7 30,6 18,3 20,3 24,2 17,7 21,9 22,9 Acordos de Recompra de Títulos 5.861, , , , , , , , , , , , , ,0 Outros Quase-Moeda 383,8 335,9 365,8 330,6 334,9 337,0 333,8 331,8 332,6 333,1 331,2 333,0 336,5 365,8 Fonte: Bancos Comerciais; Cálculos do Banco de Cabo Verde. Nota: P - Provisório. * Tratando-se de saldos, o valor referente a é igual ao de Dezembro de. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

48 E- ESTATÍSTICAS MONETÁRIAS E FINANCEIRAS E.5. Crédito à Economia* Saldos de fim de período, em milhões de escudos Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Total do Crédito à Economia , , , , , , , , , , , , , ,7 Stock Dívida Titulada (Mercado Primário) , , , , , , , , , , , , , ,9 Empréstimos Bancários à Economia , , , , , , , , , , , , , ,8 Por memória: Dívida Titulada / Crédito à Economia Total 10,3% 11,7% 12,2% 11,7% 11,7% 11,6% 12,5% 12,5% 12,5% 12,5% 12,4% 12,4% 12,2% 12,2% Empréstimos Bancários / Crédito à Economia Total 89,7% 88,3% 87,8% 88,3% 88,3% 88,4% 87,5% 87,5% 87,5% 87,5% 87,6% 87,6% 87,8% 87,8% Fonte: Bolsa de Valores de Cabo Verde; Cálculos do Banco de Cabo Verde. * De acordo com as regras de compilação das estatísticas monetárias e financeiras. Inclui saldos consolidados dos créditos concedidos a empresas não financeiras públicas e privadas, particulares e emigrantes. Tratando-se de saldos, o valor referente a é igual ao de Dezembro de. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

49 E- ESTATÍSTICAS MONETÁRIAS E FINANCEIRAS E.6. Distribuição dos Empréstimos Bancários por Ramos de Atividade* Saldos de fim de período, em milhões de escudos Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Crédito Concedido a Empresas não Financeiras , , , , , , , , , , , , , ,3 Agricultura, Silvicultura, Caça e Pesca 199,0 259,9 190,1 254,4 253,3 255,2 254,9 266,2 272,8 271,5 275,3 268,5 265,2 190,1 Indústrias Extrativas 45,9 59,0 74,1 56,7 55,6 54,4 53,2 52,0 50,8 49,6 48,4 47,2 76,0 74,1 Indústrias Transformadoras 3.645, , , , , , , , , , , , , ,3 Eletricidade, Água e Gás 2.312, , , , , , , , , , , , , ,2 Construção e Obras Públicas 6.798, , , , , , , , , , , , , ,1 Comércio, Restaurante e Hotéis , , , , , , , , , , , , , ,4 Transportes e Comunicações 8.593, , , , , , , , , , , , , ,9 Serviços Prestados às Empresas 6.934, , , , , , , , , , , , , ,3 Serviços Sociais e Pessoais 9.544, , , , , , , , , , , , , ,9 Crédito Concedido a Particulares (inclui créd. a emigrantes) , , , , , , , , , , , , , ,6 Habitação , , , , , , , , , , , , , ,4 Outros fins , , , , , , , , , , , , , ,1 Total , , , , , , , , , , , , , ,9 Fonte: Bancos Comerciais; Cálculos do Banco de Cabo Verde. * Inclui além dos empréstimos bancários às empresas não financeiras públicas e privadas, aos particulares e emigrantes, os empréstimos concedidos a não residentes, bem como os juros de créditos vencidos. Tratando-se de saldos, o valor referente a é igual ao de Dezembro de. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

50 E- ESTATÍSTICAS MONETÁRIAS E FINANCEIRAS E.7. Distribuição dos Empréstimos Bancários por Ramos de Atividade* Estrutura em percentagem Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Crédito Concedido a Empresas não Financeiras 50,1 49,5 49,9 49,5 49,7 50,0 49,7 49,5 49,5 49,5 49,3 50,2 49,9 49,9 Agricultura, Silvicultura, Caça e Pesca 0,2 0,3 0,2 49,5 0,3 0,3 0,3 0,3 0,3 0,3 0,3 0,3 0,3 0,2 Indústrias Extrativas 0,0 0,1 0,1 0,3 0,1 0,1 0,1 0,1 0,1 0,1 0,0 0,0 0,1 0,1 Indústrias Transformadoras 3,7 3,0 3,3 0,1 3,5 3,3 3,1 3,1 3,0 3,2 3,3 3,4 3,3 3,3 Eletricidade, Água e Gás 2,3 2,3 1,9 3,2 2,2 2,2 2,1 2,2 2,1 2,0 2,0 2,0 1,9 1,9 Construção e Obras Públicas 6,8 5,1 4,6 2,2 4,8 4,8 4,9 4,7 5,2 5,3 5,3 5,1 5,1 4,6 Comércio, Restaurante e Hotéis 11,8 12,3 12,2 4,8 12,5 12,7 12,7 11,9 12,5 12,6 12,5 12,6 12,4 12,2 Transportes e Comunicações 8,6 7,9 9,2 12,4 7,6 7,9 7,5 8,8 7,7 7,8 7,6 8,4 9,0 9,2 Serviços Prestados às Empresas 7,0 9,6 9,4 7,6 10,2 10,2 10,4 10,0 10,0 9,6 9,6 9,7 9,6 9,4 Serviços Sociais e Pessoais 9,6 9,0 9,1 10,1 8,7 8,6 8,6 8,6 8,6 8,6 8,6 8,6 8,4 9,1 Crédito Concedido a Particulares (inclui créd. a emigrantes) 49,9 50,5 50,1 50,5 50,3 50,0 50,3 50,5 50,5 50,5 50,7 49,8 50,1 50,1 Habitação 34,8 35,3 35,1 35,5 35,4 35,2 35,4 35,3 35,2 35,1 35,1 34,7 35,2 35,1 Outros fins 15,1 15,1 14,9 15,0 15,0 14,9 14,9 15,1 15,3 15,4 15,6 15,1 14,9 14,9 Total 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Fonte: Bancos Comerciais; Cálculos do Banco de Cabo Verde. * Inclui além dos empréstimos bancários às empresas não financeiras públicas e privadas, aos particulares e emigrantes os empréstimos concedidos a não residentes.tratando-se de saldos, o valor referente a é igual ao de Dezembro de. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

51 E- ESTATÍSTICAS MONETÁRIAS E FINANCEIRAS E.8. Taxas de Referência do Banco de Cabo Verde Taxa de fim de período, em percentagem Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev 2016 Taxa Diretora 5,75 3,75 3,50 3,50 3,50 3,50 3,50 3,50 3,50 3,50 3,50 3,50 3,50 3,50 3,50 Taxa de Facilidade Permanente de Cedência de Liquidez 8,75 6,75 6,50 6,50 6,50 6,50 6,50 6,50 6,50 6,50 6,50 6,50 6,50 6,50 6,50 Taxa de Facilidade Permanente de Absorção de Liquidez 2,50 0,50 0,25 0,25 0,25 0,25 0,25 0,25 0,25 0,25 0,25 0,25 0,25 0,25 0,25 Taxa de Redesconto 9,75 7,75 7,50 7,50 7,50 7,50 7,50 7,50 7,50 7,50 7,50 7,50 7,50 7,50 7,50 Fonte: Banco de Cabo Verde. E.9. Taxas de Rentabilidade dos Bilhetes do Tesouro Médias ponderadas, em percentagem Prazos Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan dias 3,43 1,67 0,99 1,44 1,44 0,88 0,81 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0, dias 3,39 1,57 1,15 1,44 1,31 1,00 1,00 1,00 1,00 1,00 1,00 1,00 1,00 0, dias 4,50 4,50 4,50 4,50 4,50 4,50 4,50 4,50 4,50 4,50 4,50 4,50 4,50 4,50 Fonte: Ministério das Finanças e do Planeamento; Cálculos do Banco de Cabo Verde. E.10. Taxas de Rentabilidade das Obrigações do Tesouro Médias ponderadas, em percentagem. Prazos Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan 3 anos 5,60 5,58 4,83 5,58 5,58 5,58 4,69 4,69 4,13 4,13 4,13 4,13 4,13 4,13 4 anos 5,58 5,64 5,16 5,59 5,59 5,59 5,59 5,59 5,59 4,31 4,31 4,31 4,31 4,31 5 anos 5,84 5,79 5,19 5,75 5,75 5,00 5,00 5,00 5,00 5,00 4,63 4,81 4,81 5,00 6 anos 5,83 5,90 5,49 5,88 5,88 5,88 5,88 5,88 5,88 4,38 4,63 4,63 5,25 5,25 7 anos 5,91 5,89 5,13 5,38 5,38 5,38 5,38 4,75 4,75 4,75 4,63 4,81 5,00 5,00 8 anos 5,81 5,97 5,12 5,50 5,50 5,50 4,81 4,81 4,81 4,81 4,81 4,81 4,81 4,81 9 anos 5,87 5,89 5,57 5,94 5,44 5,44 5,44 5,44 5,44 5,44 5,44 5,44 5,44 5,44 10 anos 5,94 5,94 5,53 5,94 5,44 5,38 5,38 5,38 5,38 5,38 5,38 5,38 5,38 5,38 Fonte: Ministério das Finanças e do Planeamento; Cálculos do Banco de Cabo Verde Fev Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

52 E- ESTATÍSTICAS MONETÁRIAS E FINANCEIRAS E.11. Taxas de Juro Efetivas de Empréstimos Bancários Médias ponderadas, em percentagem Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Prazos De 7 a 30 dias 12,1 13,1 11,4 11,9 12,2 11,7 11,8 11,3 12,6 11,6 9,0 12,3 11,3 10,6 10,2 De 31 a 90 dias 11,7 11,8 11,0 10,6 11,1 12,1 11,3 10,5 11,0 10,7 10,7 12,0 10,3 10,9 10,3 De 91 a 180 dias 10,5 10,9 10,4 10,9 11,0 10,0 9,6 10,2 10,2 10,0 10,1 10,6 10,6 11,0 10,5 De 181 dias a 1 ano 9,1 8,9 8,7 8,5 8,6 8,7 8,7 8,9 8,8 8,8 8,8 8,6 8,3 8,3 9,3 De 1 a 2 anos 10,6 11,0 10,4 11,5 11,6 11,4 11,0 10,4 10,4 10,2 9,8 9,7 9,7 9,5 9,5 De 2 a 5 anos 10,2 10,8 10,6 10,8 10,7 10,7 10,6 10,9 10,8 10,6 10,7 10,6 10,6 10,6 10,2 De 5 a 10 anos 9,4 9,8 9,9 9,9 9,9 9,9 9,9 9,9 10,0 10,1 10,1 10,0 9,9 9,9 9,5 Superior a 10 anos 8,9 8,9 8,8 8,8 8,8 8,8 8,6 8,8 8,8 8,8 9,1 8,7 8,7 8,7 8,5 Descoberto 17,0 17,4 17,0 16,9 17,7 16,9 16,5 17,0 17,4 17,4 17,1 17,0 16,9 17,0 15,9 Fonte: Bancos Comerciais; Cálculos do Banco de Cabo Verde. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

53 E- ESTATÍSTICAS MONETÁRIAS E FINANCEIRAS E.12. Taxas de Juro Efetivas de Depósitos Bancários Médias ponderadas, em percentagem Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Residentes Prazos De 7 dias a 30 dias 3,8 2,8 2,3 2,6 2,6 2,5 2,5 2,5 2,1 2,1 2,1 2,1 2,1 2,1 2,1 De 31 a 90 dias 4,2 3,5 2,9 2,9 3,0 2,9 2,8 2,9 2,8 2,9 2,9 2,7 2,8 2,9 2,6 De 91 a 180 dias 4,1 3,6 3,4 3,3 3,3 3,4 3,5 3,6 3,6 3,6 3,5 3,4 3,4 3,5 3,1 De 181 dias a 1 ano 4,3 4,3 4,2 4,3 4,3 4,3 4,2 4,3 4,3 4,2 4,2 4,2 4,1 4,1 4,0 De 1 a 2 anos 5,2 4,8 4,6 4,7 4,7 4,7 4,7 4,6 4,6 4,6 4,6 4,6 4,6 4,6 4,6 Não Residentes Prazos De 7 dias a 30 dias 2,8 2,9 2,3 2,5 2,6 2,4 1,9 2,4 2,3 2,2 2,1 2,2 2,2 2,2 2,2 De 31 a 90 dias 3,7 2,5 2,0 2,2 2,1 2,0 2,0 1,9 2,0 1,8 2,0 2,1 2,0 1,9 1,9 De 91 a 180 dias 4,0 3,4 2,7 2,7 2,7 2,7 2,7 2,8 2,7 2,7 2,6 2,6 2,6 2,6 3,1 De 181 dias a 1 ano 4,0 4,0 3,9 3,9 4,0 4,0 4,0 4,0 3,9 3,9 3,7 3,7 3,7 3,7 3,7 De 1 a 2 anos 5,3 4,9 4,7 4,7 4,8 4,8 4,8 4,8 4,7 4,7 4,6 4,6 4,6 4,6 4,6 Emigrantes Prazos De 7 dias a 30 dias 2,6 2,8 2,3 2,6 2,5 2,5 2,5 2,5 2,4 2,1 2,1 2,1 2,1 2,1 2,1 De 31 a 90 dias 5,1 3,4 3,0 3,1 3,1 3,0 3,0 3,4 3,1 2,7 2,7 3,0 3,4 3,1 2,5 De 91 a 180 dias 4,4 4,0 3,7 3,8 3,8 3,8 3,8 3,8 3,8 3,7 3,8 3,7 3,6 3,6 3,5 De 181 dias a 1 ano 4,2 4,2 4,1 4,2 4,2 4,2 4,1 4,2 4,2 4,1 4,1 4,1 4,1 4,1 4,1 De 1 a 2 anos 5,6 5,2 4,8 5,0 5,0 4,4 5,0 4,9 4,8 4,8 4,7 4,7 4,7 4,6 4,6 Fonte: Bancos Comerciais; Cálculos do Banco de Cabo Verde. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

54 Estatísticas das Finanças Públicas

55 F - ESTATÍSTICAS DAS FINANÇAS PÚBLICAS F.1. Receitas do Governo Central Valores acumulados intra-anuais, em milhões de escudos. IUR IVA Imposto s/ o consumo Impostos Imposto s/ as transac. internacionais Receitas Correntes Outros impostos Segurança social Transferências º Trim , ,2 338, ,8 354, ,7 7,6 852, ,7 797, ,9 2º Trim , ,6 792, ,4 667, ,5 15, , , , ,6 3º Trim , , , ,7 992, ,9 24, , , , ,2 4º Trim , , , , , ,7 36, , , , , º Trim , ,1 328, ,4 290, ,2 5,6 954, ,6 354, ,1 2º Trim , ,0 690, ,3 582, ,1 8, , ,0 591, ,3 3º Trim , , , ,3 881, ,5 10, , ,1 632, ,3 4º Trim , , , , , ,8 41, , , , , º Trim , ,0 409, ,1 326, ,8 8, , ,2 419, ,2 2º Trim , ,7 827, ,8 644, ,6 14, , ,0 882, ,2 3º Trim , , , , , ,4 26, , , , ,0 4º Trim. P 8.595, , , , , ,0 43, , , , , º Trim. P 2.110, ,4 363, ,4 507, ,8 10, , ,4 225, ,2 2º Trim. P 4.074, ,7 721, ,6 936, ,9 29, , ,1 480, ,1 3º Trim. P 5.942, , , , , ,9 42, , , , ,7 4º Trim. P 7.747, , , , , ,1 55, , , , ,9 1º Trim. P 2.656, ,3 311, ,7 498, ,6 11, , ,0 636, ,7 2º Trim. P 4.530, ,0 715, , , ,6 24, , , , ,6 3º Trim. P 6.887, , , , , ,7 32, , , , ,1 4º Trim. P 9.561, , , , , ,4 44, , , , ,2 Fonte: Ministério das Finanças e do Planeamento. Notas: P - Provisório, sujeito ainda a alterações e regularizações pelo Ministério das Finanças e do Planeamento; IUR - Imposto Único sobre o Rendimento; IVA - Imposto sobre o Valor Acrescentado. Total Outras receitas Total Receitas Totais Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

56 F - ESTATÍSTICAS DAS FINANÇAS PÚBLICAS F.2. Despesas do Governo Central Valores acumulados intra-anuais, em milhões de escudos. Despesas Correntes Transferências Pessoal Bens e serviços Juros Subsidios correntes º Trim ,2 679,4 521,5 117, ,9 916,9 525, , , ,4 2º Trim , , ,5 406, , ,6 917, , , ,3 3º Trim , , ,2 631, , , , , , ,3 4º Trim , , ,3 994, , , , , , , º Trim ,0 497,7 788,3 21,3 887,9 959,0 292, , , ,9 2º Trim , , ,5 179, , ,5 751, , , ,4 3º Trim , , ,2 210, , , , , , ,8 4º Trim , , ,7 274, , , , , , , º Trim ,8 667,4 703,0 38,4 887, ,4 273, , , ,4 2º Trim , , ,1 59, , ,6 617, , , ,1 3º Trim , , ,4 80, , , , , , ,2 4º Trim. P , , ,3 101, , , , , , , º Trim. P 4.082,0 720,8 743,2 29,4 861, ,5 210, , , ,1 2º Trim. P 8.361, , ,5 55, , ,8 601, , , ,9 3º Trim. P , , ,7 80, , ,1 899, , , ,7 4º Trim. P , , ,0 106, , , , , , ,8 1º Trim. P 4.176,6 987, ,6 20, , ,7 408, ,1 916, ,7 2º Trim. P 8.499, , ,2 74, , ,9 778, , , ,1 3º Trim. P , , ,6 127, , , , , , ,0 4º Trim. P , , ,8 161, , , , , , ,9 Fonte: Ministério das Finanças e do Planeamento. Notas: P - Provisório, sujeito ainda a alterações e regularizações pelo Ministério das Finanças e do Planeamento. * Inclui os valores a regularizar e atrasados. Beneficios sociais Outras desp. correntes Total* Ativos não Financeiros Despesas Totais Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

57 F - ESTATÍSTICAS DAS FINANÇAS PÚBLICAS F.3. Financiamento do Governo Central Valores acumulados intra-anuais, em milhões de escudos. Ativos Financeiros Passivos Financeiros Saldo Global Reembolso empréstimos retrocessão Concessão empréstimos Acções e outras participações Total Bancário Crédito interno líquido Não bancário Total* Crédito externo líquido Desembolsos Amortizações Total Total Gap de Financiamento º Trim ,5 0, ,6-41, , ,6-403,0 628, ,2-397, , ,5-247,8 2º Trim ,7 0, ,5-41, , , ,1-67, ,9-874, , ,9-410,3 3º Trim ,9 15, ,0-46, , , , , , , , ,5 810,5 4º Trim ,3 57, ,7-46, , ,1 253, , , , , ,2 273, º Trim ,7 0, ,1-60, ,1 552,4-309,7-406, ,7-519, , ,3-219,5 2º Trim ,1 0, ,0-64, ,3 758, , , ,8-922, , ,2 251,8 3º Trim ,5 8, ,7-78, ,0 612, , , , , , ,9-430,7 4º Trim ,0 0, , , , , , , , , , ,4 507, º Trim ,9 0,0-990,4-553, , ,0-489,5 572, ,5-623, , ,3 284,9 2º Trim ,5 16, ,3-553, , , , , ,6-875, , ,0 728,4 3º Trim ,2 16, ,6-587, , , , , , , , ,7 446,3 4º Trim ,6 127, ,1-809, , ,0-688, , , , , ,2-218, º Trim. P ,1 0, ,5-11, , ,9-505,0-233, ,6-611, , ,7-497,7 2º Trim. P ,3 8, ,6-34, , , , , ,5-942, , ,6 370,5 3º Trim. P ,2 11, ,5-59, , ,1-346, , , , , ,4-189,3 4º Trim. P ,6 126, ,1-118, , ,1-600, , , , , ,8-840,3 1º Trim. P -538,6 11, ,1-47, ,1-227,8 702,7 618, ,9-882, , ,8 151,1 2º Trim. P ,6 133, ,2-215, , , , , , , , ,1 66,7 3º Trim. P ,4 151, ,2 202, , , , , , , , ,7-210,5 4º Trim. P ,7 13, ,0-32, ,7 587, , , , , , ,6 342,1 Fonte: Ministério das Finanças e do Planeamento. Notas: P - Provisório, sujeito ainda a alterações e regularizações pelo Ministério das Finanças e do Planeamento. * Inclui outros itens não especificados. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

58 F - ESTATÍSTICAS DAS FINANÇAS PÚBLICAS F.4. Dívida Interna do Governo Central por Tomador Saldos em fim de período, em milhões de escudos Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Dívida do Governo Central , , , , , , , , , , , , , ,2 Sistema Bancário , , , , , , , , , , , , , ,7 Bilhetes de Tesouro 984,0 493,1 298,1 926, , , , , , ,1 593,1 298,1 298,1 895,1 Obrigações de Tesouro , , , , , , , , , , , , , ,0 Títulos Consolidados de Mobilização Financeira , , , , , , , , , , , , , ,1 Outros Créditos 1.616, , , , , , , , , , , , , ,4 Outras Entidades , , , , , , , , , , , , , ,6 Bilhetes de Tesouro 0,0 0,0 0,0 62,3 62,3 209,6 209,6 173,2 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Obrigações de Tesouro , , , , , , , , , , , , , ,1 Títulos Consolidados de Mobilização Financeira 350,4 350,4 352,4 350,4 350,4 350,4 350,4 350,4 350,4 350,4 351,4 351,4 352,4 352,4 Fonte: Ministério das Finanças e do Planeamento; Banco de Cabo Verde. Notas: TCMF - Títulos Consolidados de Mobilização Financeira; SPA - Sector Público Adminstrativo. P:Provisório. * Tratando-se de saldos, o valor referente a é igual ao de Dezembro de. P 2016 P Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

59 F - ESTATÍSTICAS DAS FINANÇAS PÚBLICAS F.5. Dívida Externa do Governo Central por Credor Em milhões de escudos. Multilateral Bilateral Comercial* Stock inicial Desembolsos Pagamentos Stock final Stock inicial Desembolsos Pagamentos Stock final Stock inicial Desembolsos Pagamentos Stock final Dívida total 1º Trim ,2 939,7 167, , ,0 696,3 155, , , ,0 63, , ,7 2º Trim ,7 303,3 248, , , ,0 111, , , ,2 128, , ,0 3º Trim ,2 254,6 217, , , ,2 301, , , ,6 0, , ,6 4º Trim , ,6 261, , , ,8 123, , , ,6 0, , ,4 1º Trim ,3 141,3 379, , , ,2 139, , , ,7 0, , ,5 2º Trim ,3 300,0 270, , , ,8 95, , , ,7 37, , ,8 3º Trim , ,8 203, , , ,6 151, , , ,6 0, , ,7 4º Trim , ,6 315, , , ,5 130, , , ,0 0, , ,6 1º Trim ,9 669,0 490, , ,8 911,2 132, , , ,8 0, , ,3 2º Trim ,0 287,7 175, , , ,1 76, , , ,1 0, , ,1 3º Trim ,8 277,8 349, , , ,2 123, , , ,5 0, , ,0 4º Trim , ,5 373, , , ,2 101, , , ,4 0, , ,9 1º Trim ,5 535,5 514, , , ,3 96, , , ,0 0, , ,7 2º Trim ,6 446,4 255, , ,4 410,3 76, , , ,5 0, , ,0 3º Trim , ,1 441, , ,6 924,8 157, , , ,1 95, , ,1 4º Trim , ,9 297, , ,6 539,7 101, , , ,9 0, , ,7 1ª Trim , ,0 622, , ,7 414,1 144, , ,1 453,8 115, , ,1 2ª Trim ,0 505,5 358, , ,2 528,9 124, , ,9 277,5 0, , ,0 3ª Trim , ,6 422, , ,1 735,1 114, , ,4 60,0 0, , ,1 4ª Trim , ,2 347, , ,5 271,8 125, , , ,9 0, , ,1 Fonte: Ministério das Finanças e do Planeamento. Notas: * Contratos subvencionados pelo Governo Português; P -Provisório. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

60 F - ESTATÍSTICAS DAS FINANÇAS PÚBLICAS F.6. Desembolsos da Dívida Externa do Governo Central por Credor Em milhões de escudos P P 1º Trim 2º Trim 3º Trim 4º Trim 1º Trim 2º Trim 3º Trim 4º Trim Multilaterais 4.696, , ,3 535,5 446, , , ,0 505, , ,2 Banco Árabe para o Desenvolvimento Económico em África (BADEA) 296,1 555,1 491,1 66,9 193,1 239,4 55,7 226,9 137,3 127,0 0,0 Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) 1.654, , ,1 0,0 0,0 0, ,0 0,0 0,0 30, ,4 Banco Europeu de Investimento (BEI) 0,0 0, ,9 0,0 0,0 0,0 0, ,9 0,0 0,0 0,0 Associação Internacional de Desenvolvimento (IDA) 695, , ,0 136,7 10, ,3 237,3 125,3 28, ,4 28,8 Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD) 1.428, ,8 557,6 198,7 199,9 569, ,3 131,3 213,5 147,2 65,6 Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) 136,2 88,1 144,0 88,1 0,0 0,0 0,0 80,5 6,0 57,6 0,0 Fundo Africano para o Desenvolvimento (FAD) 52,0 0,0 323,4 0,0 0,0 0,0 0,0 61,1 71,2 179,8 11,4 Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) 87,6 6,8 0,0 6,8 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEC) 345,9 331,5 532,2 38,3 42,9 115,6 134,7 375,1 49,2 107,9 0,0 Bilaterais 4.749, , , ,3 410,3 924,8 539,7 414,1 528,9 735,1 271,8 Governo 2.906,5 655,0 422,5 232,1 99,9 214,1 109,0 75,3 101,5 110,1 135,6 Arábia Saudita (Fundo Saudita) 345,4 340,4 40,8 92,9 55,9 152,0 39,6 25,7 15,1 0,0 0,0 Áustria 156,4 181,9 320,9 99,2 0,0 19,8 62,9 49,6 62,9 72,8 135,6 China 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Kuwait (Fundo Kuwait) 203,0 130,5 60,8 40,0 41,7 42,3 6,5 0,0 23,5 37,3 0,0 Portugal 2.201,7 2,2 0,0 0,0 2,2 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Agência de Crédito de Exportação 1.843, , ,5 813,2 310,4 710,7 430,7 338,8 427,4 625,0 136,2 Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) 375,4 232,2 44,4 95,2 73,4 58,2 5,4 44,4 0,0 0,0 0,0 Instituto de Crédito Oficial (ICO) 515, ,4 220,2 114,6 141,8 526,2 397,9 14,7 152,2 27,8 25,5 Agência Japonesa de Cooperação Internacional (JICA) 951,9 852, ,9 603,3 95,2 126,4 27,4 279,7 275,2 597,2 110,8 Comercial (*) 9.945, , , , , , ,9 453,8 277,5 60, ,9 Banco Português de Investimentos (BPI) 897,5 545,4 224,7 226,4 319,0 0,0 0,0 0,0 224,7 0,0 0,0 Caixa Geral de Depósitos (CGD) 9.048, , , , , , ,9 453,8 52,9 60, ,9 Total Dívida Externa , , , , , , , , , , ,0 Fonte: Ministério das Finanças e do Planeamento. Nota: * Contratos subvencionados pelo Governo Português; P -Provisório. Banco de Cabo Verde / Boletim de Estatísticas Fevereiro

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS DADOS ESTATÍSTICOS A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas I. DADOS NACIONAIS 1. POPULAÇÃO 1.1 População Residente por Sexo e Grupo Etário: Censos 1 1.2 População Residente - Estimativas 1 2.

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas Evolução 2007-2013 Actualizado em Março 2013 Unid. Fonte 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Notas População a Milhares Hab. INE 10.604 10.623 10.638 10.636 10.647 10.600 População tvh % INE 0,2 0,2 0,1

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal dezembro 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010 Evolução 2004-2010 Actualizado em Dezembro de 2010 Unid. Fonte 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Notas 2010 População a Milhares Hab. INE 10.509 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.638 3º Trimestre

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal abril 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal julho 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal outubro 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal março 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de fevereiro de 2013

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de fevereiro de 2013 Nota de Informação Estatística Lisboa, de fevereiro de 3 Banco de Portugal divulga estatísticas da balança de pagamentos e da posição de investimento internacional referentes a O Banco de Portugal publica

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,46 0,46 6,27 0,48 0,48 5,84 Fev. 0,27 0,73 5,52 0,55 1,03 5,90 Mar. 0,40 1,14 6,28

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS

INDICADORES ECONÔMICOS INDICADORES ECONÔMICOS Índice de Preços IGP-M IGP-DI Mensal No ano Em 12 meses Mensal No ano Em 12 meses Jan. 0,39 0,39 11,87 0,33 0,33 11,61 Fev. 0,30 0,69 11,43 0,40 0,74 10,86 Mar. 0,85 1,55 11,12 0,99

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,52 0,52 4,27 0,54 0,54 4,56 Fev. 0,19 0,71 4,12 0,49 1,03 4,61 Mar. 0,31 1,02 4,33

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 2º Trimestre de 2013 Coordenação de Contas Nacionais 30 de agosto de 2013 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 4º Trimestre de 2010 Coordenação de Contas Nacionais 03 de março de 2010 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

BALANÇA DE PAGAMENTOS Balança de Pagamentos Externos de Portugal Valores Líquidos Base de transacções Balança de Pagamentos Externos

BALANÇA DE PAGAMENTOS Balança de Pagamentos Externos de Portugal Valores Líquidos Base de transacções Balança de Pagamentos Externos ÍNDICE DE QUADROS Parte I ESTATÍSTICAS MONETÁRIAS E FINANCEIRAS Balanço do Banco de Portugal Dez 1947-Dez 1956... 11 Balanço do Banco de Portugal Dez 1957-Dez 1965... 12 Balanço do Banco de Portugal Mar

Leia mais

VARIAÇÃO ANUAL DO PIB BRASILEIRO (%)

VARIAÇÃO ANUAL DO PIB BRASILEIRO (%) PIB 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 VARIAÇÃO ANUAL DO PIB BRASILEIRO (%) 9.0 8.0 7.6 7.0 6.0 5.0 4.0 3.0 2.0 1.0-1.0 4.4 1.3 3.1 1.2 5.7 3.1 4.0 6.0

Leia mais

O novo Norte Conjuntura Eduardo Pereira

O novo Norte Conjuntura Eduardo Pereira O novo Norte Conjuntura Eduardo Pereira 2 a sessão NORTE & TERRITÓRIO 30 setembro Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro www.ccdr-n.pt/norte-territorio O Norte Conjuntura ao 11º ano de publicação:

Leia mais

Dinamarca Junho Mercado em números

Dinamarca Junho Mercado em números Junho 2016 Mercado em números Designação oficial: Reino da Capital: Copenhaga Localização: Norte da Europa Fronteiras terrestres: 140 km com a Alemanha Holanda Alemanha Bélgica Luxemburgo Rep. Checa Polónia

Leia mais

3º Trimestre de 2011

3º Trimestre de 2011 Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 3º Trimestre de 2011 Coordenação de Contas Nacionais 06 de dezembro de 2011 Revisões nas Contas Nacionais Trimestrais No 3º trimestre

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

PIB BRASILEIRO (variação anual, %)

PIB BRASILEIRO (variação anual, %) PIB PIB BRASILEIRO (variação anual, %) 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 7.5 7.0 5.0 3.0 1.0 4.4 1.4 3.1 1.1 5.8 3.2 4.0 6.1 5.1 4.0 1.9 3.0

Leia mais

Portugal. Turismo Interno. Mercados em Números. Rodapé

Portugal. Turismo Interno. Mercados em Números. Rodapé Turismo Interno Mercados em Números 1 Rodapé Designação oficial: República Portuguesa Capital: Lisboa Localização: Sudoeste da Europa Fronteiras terrestres: Espanha (1.241 km) Fronteiras marítimas: Madeira(1076,6

Leia mais

VARIAÇÃO ANUAL DO PIB BRASILEIRO (%)

VARIAÇÃO ANUAL DO PIB BRASILEIRO (%) PIB 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 VARIAÇÃO ANUAL DO PIB BRASILEIRO (%) 7.5 7.0 5.0 3.0 1.0 4.4 1.4 3.1 1.1 5.8 3.2 4.0 6.1 5.1 3.9 1.9 3.0

Leia mais

Série Longa do Índice de Preços no Consumidor

Série Longa do Índice de Preços no Consumidor Série Longa do Índice de Preços no Consumidor 1948-2013 DCN 10.04.2014 Índice Introdução: o que é o IPC Cronologia do IPC Construção da série longa Principais resultados Conclusão O que é o IPC? Indicador

Leia mais

Portugal. Turismo Interno. Mercado em Números. Rodapé

Portugal. Turismo Interno. Mercado em Números. Rodapé Turismo Interno Mercado em Números 1 Rodapé Designação oficial: República Portuguesa Capital: Lisboa Localização: Sudoeste da Europa Fronteiras terrestres: Espanha (1.241 km) Fronteiras marítimas: Madeira(1076,6

Leia mais

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE CGD 2015

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE CGD 2015 INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE CGD 2015 INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE 2015 G4-10 NÚMERO TOTAL DE COLABORADORES Discriminados por contrato de trabalho e género - por região (2015) (em número) 2 CGD,SA

Leia mais

Projeto desenvolvido por:

Projeto desenvolvido por: Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Equipe Técnica Kennya Beatriz Siqueira - Pesquisadora Embrapa Gado de Leite Alziro Vasconcelos Carneiro - Analista Embrapa Gado de

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

Bélgica Dezembro Mercado em números

Bélgica Dezembro Mercado em números Dezembro 2016 Mercado em números Designação oficial: Reino da Capital: Bruxelas Localização: Europa Ocidental Fronteiras terrestres: 1.297 km com a Alemanha (133 km), França (556 km), Holanda (478 km)

Leia mais

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial Estudos Económicos Maio 2016 Índice 1. Situação Monetária... 1 1.1. Base Monetária (BM)... 1 1.2. Massa Monetária (M3)... 2 1.2.2. Activo Externo Líquido...

Leia mais

A taxa de variação média do IPC foi 0,3% em 2013 e a taxa de variação homóloga situou-se em 0,2% em dezembro

A taxa de variação média do IPC foi 0,3% em 2013 e a taxa de variação homóloga situou-se em 0,2% em dezembro 13 de janeiro de 2014 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2013 A taxa de variação média do IPC foi 0,3% em 2013 e a taxa de variação homóloga situou-se em 0,2% em dezembro Em 2013, o Índice de Preços

Leia mais

Plano de Apresentação

Plano de Apresentação Plano de Apresentação Nota introdutória Objectivos Metodologia Principais resultados Perspectivas Nota introdutória As Contas Nacionais de um país apresentam, de forma resumida, o Produto Interno Bruto

Leia mais

Em 2010 a taxa de variação média aumentou para 1,4% e em Dezembro a taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 2,5%

Em 2010 a taxa de variação média aumentou para 1,4% e em Dezembro a taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 2,5% Índice de Preços no Consumidor Dezembro de 2010 12 de Janeiro de 2011 Em 2010 a taxa de variação média aumentou para 1,4% e em Dezembro a taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 2,5% Em 2010, o Índice

Leia mais

Produto Interno Bruto

Produto Interno Bruto DESIGNAÇÃO Valores em 10^6 STD, a Preços Correntes TOTAL PRODUTO INTERNO BRUTO 638668 731901 900583 1043317 1332354 1673609 1974030 2786141 3121072 3610485 4229269 5064433 5638912 6230813 VALOR ACRESCENTADO

Leia mais

Bélgica Junho Mercado em números

Bélgica Junho Mercado em números Junho 2016 Mercado em números Designação oficial: Reino da Capital: Bruxelas Localização: Europa Ocidental Fronteiras terrestres: 1.297 km com a Alemanha (133 km), França (556 km), Holanda (478 km) e Luxemburgo

Leia mais

Taxa de variação média dos últimos doze meses do IPC diminuiu para 1,7%

Taxa de variação média dos últimos doze meses do IPC diminuiu para 1,7% 13 de Maio de 2013 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Abril de 2013 Taxa de variação média dos últimos doze meses do IPC diminuiu para 1,7% Em abril de 2013, a taxa de variação média dos últimos doze meses

Leia mais

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial Estudos Económicos Fevereiro 2016 Índice 1. Política Monetária e Financeira... 1 1.1. Evolução dos Agregados Monetários... 1 1.2. Base Monetária (BM)... 1 1.3.

Leia mais

Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 0,6%

Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 0,6% 10 de agosto de 2016 Índice de Preços no Consumidor Julho de 2016 Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 0,6% A variação homóloga do IPC passou de 0,5% em junho para 0,6% em julho de 2016. O indicador

Leia mais

Angola. Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras. Junho 2013

Angola. Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras. Junho 2013 Angola Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 28 e 212 e perspectivas futuras Junho 213 Sumário da apresentação Produto Interno Bruto Inflação Exportações e Reservas Internacionais

Leia mais

A taxa de variação média do IPC foi 2,8% em 2012 e a taxa de variação homóloga situou-se em 1,9% em dezembro

A taxa de variação média do IPC foi 2,8% em 2012 e a taxa de variação homóloga situou-se em 1,9% em dezembro 11 de janeiro de 2013 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2012 A taxa de variação média do IPC foi 2,8% em 2012 e a taxa de variação homóloga situou-se em 1,9% em dezembro Em 2012, o Índice de Preços

Leia mais

Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 0,9%

Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 0,9% 10 de novembro de 2016 Índice de Preços no Consumidor Outubro de 2016 Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 0,9% A variação homóloga do IPC passou de 0,6% em setembro para 0,9% em outubro de 2016.

Leia mais

Suíça Junho Mercado em números

Suíça Junho Mercado em números Junho 2016 Mercado em números Mercado em números junho 2016 Designação oficial: Confederação Capital: Berna Localização: Europa Central Fronteiras terrestres: 1.770 km com a Alemanha (348 km), Áustria

Leia mais

A taxa de variação média do IPC foi 0,5% em 2015 e a taxa de variação homóloga situou-se em 0,4% em dezembro

A taxa de variação média do IPC foi 0,5% em 2015 e a taxa de variação homóloga situou-se em 0,4% em dezembro 13 de janeiro de 2016 Índice de Preços no Consumidor Dezembro de 2015 A taxa de variação média do IPC foi 0,5% em 2015 e a taxa de variação homóloga situou-se em 0,4% em dezembro Em 2015, o Índice de Preços

Leia mais

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO SÍNTESE SETEMBRO-2007 SETEMBRO/06 AGOSTO/07 SETEMBRO/07 VARIAÇÃO % V.A. % V.A. % V.A. % Mês Homólogo Mês Anterior DESEMPREGO REGISTADO 7946

Leia mais

Sistema de Contas Nacionais Brasil

Sistema de Contas Nacionais Brasil Diretoria de Pesquisas Sistema de Contas Nacionais Brasil 2004-2008 Coordenação de Contas Nacionais Rio, 05/11/2010 Divulgações do SCN Já divulgados os dois primeiros trimestres de 2010, HOJE - ano 2008

Leia mais

Holanda Junho Mercado em números

Holanda Junho Mercado em números Junho 2016 Mercado em números Designação oficial: Reino da Capital: Amesterdão Localização: Europa Ocidental Fronteiras terrestres: 1.027 km com a Bélgica (450 km) e a Alemanha (577 km) Alemanha Bélgica

Leia mais

Hungria Setembro Mercado em números

Hungria Setembro Mercado em números Setembro 2016 Mercado em números Mercado em números setembro 2016 Designação oficial: Capital: Budapeste Localização: Europa Central Fronteiras terrestres: 2.106 km com a Áustria (321 km), Croácia (348

Leia mais

Comércio Internacional de bens: exportações aumentaram 6,3% e as importações 2,1%

Comércio Internacional de bens: exportações aumentaram 6,3% e as importações 2,1% 09 de agosto de 2013 Estatísticas do Comércio Internacional Junho 2013 Comércio Internacional de bens: exportações aumentaram 6,3 e as importações 2,1 As exportações de bens aumentaram 6,3 e as importações

Leia mais

Taxa de variação homóloga do IPC manteve-se em 0,4%

Taxa de variação homóloga do IPC manteve-se em 0,4% 12 de abril de 2016 Índice de Preços no Consumidor Março de 2016 Taxa de variação homóloga do IPC manteve-se em 0,4% Em março de 2016, a variação homóloga do IPC manteve-se em 0,4%. O indicador de inflação

Leia mais

Itália Junho Mercado em números

Itália Junho Mercado em números Junho 2016 Mercado em números Designação oficial: República Italiana Capital: Roma Localização: Sul da Europa. Península que se estende pelo Mar Mediterrâneo a nordeste da Tunísia Fronteiras terrestres:

Leia mais

Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 0,6%

Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 0,6% 11 de dezembro de 2015 Índice de Preços no Consumidor Novembro de 2015 Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 0,6% Em novembro de 2015, a variação homóloga do IPC manteve-se em 0,6%. O indicador

Leia mais

Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 3,6%

Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 3,6% 12 de março de 2012 ÍNDCE DE PREÇOS NO CONSUMDOR Fevereiro de 2012 Taxa de variação homóloga do PC situou-se em 3,6% Em fevereiro de 2012, o Índice de Preços no Consumidor (PC) registou uma variação homóloga

Leia mais

Itália Março Mercado em números

Itália Março Mercado em números Março 2016 Mercado em números Designação oficial: República Italiana Capital: Roma Localização: Sul da Europa. Península que se estende pelo Mar Mediterrâneo a nordeste da Tunísia Fronteiras terrestres:

Leia mais

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Realizado para: Última Atualização 11/03/2016 Próxima Atualização 11/04/2016 I. Principais indicadores macroeconómicos entre Portugal-Brasil 2016 População,

Leia mais

Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 0,7%

Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 0,7% 10 de setembro de 2015 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Agosto de 2015 Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 0,7% Em agosto de 2015, a variação homóloga do IPC situou-se em 0,7%, taxa inferior em

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes, 3º Trimestre 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes, 3º Trimestre 2015 1 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Método e Gestão de Informação Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços

Leia mais

Áustria Junho Mercado em números

Áustria Junho Mercado em números Junho 2016 Mercado em números Designação oficial: República da Capital: Viena Localização: Europa Central Alemanha Rep. Checa Eslováquia Liechtenstein Hungria Suíça Eslovénia Itália Fronteiras terrestres:

Leia mais

INDICE HARMONIZADO DOS PREÇOS NO CONSUMIDOR (IHPC) PAISES MEMBROS DA UEMOA BISSAU Dezembro 2014

INDICE HARMONIZADO DOS PREÇOS NO CONSUMIDOR (IHPC) PAISES MEMBROS DA UEMOA BISSAU Dezembro 2014 Republica da Guine-Bissau Ministerio de Economia e Finanças Instituto Nacional de Estatistica-INE Av. Amilcar Lopes Cabral, Porta N.37 A, CP 06 INDICE HARMONIZADO DOS PREÇOS NO CONSUMIDOR (IHPC) PAISES

Leia mais

Coreia do Sul Março Mercado em números

Coreia do Sul Março Mercado em números Março 2017 Mercado em números Designação oficial: República da Coreia Capital: Seul Localização: Ásia Oriental Fronteiras terrestres: Sua única fronteira terrestre é com a Coreia do Norte Área total: 99

Leia mais

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação. taxa de variação

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação. taxa de variação Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas 2013 2013 2014 2015 2016 2017 nível (10 6 euros) 1. PIB (real) 1 B1*g 162852,2-1,4 1,2 1,5 1,7 1,8 1,8 2. PIB (nominal) B1*g 165666,3 0,3 2,0 2,4 3,4 3,7 3,7 Componentes

Leia mais

AUTORIDADE E SEGREDO ESTATÍSTICO Lei 15/V/96 de 11 de Novembro, artigos 6º e 7º respectivamente VALOR TOTAL (ESC.)

AUTORIDADE E SEGREDO ESTATÍSTICO Lei 15/V/96 de 11 de Novembro, artigos 6º e 7º respectivamente VALOR TOTAL (ESC.) IIIº RECENSEAMENTO EMPRESARIAL 2007 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE Av. Amilcar Cabral, CP 116 Praia; Telef: 261 38 27/261 39 60; Fax: 261 16 56; Email: inecv@ine.gov.cv QUESTIONÁRIO ESPECIFICO

Leia mais

GRUPO DE CONJUNTURA CAIO PRATES 29 MAI 2012

GRUPO DE CONJUNTURA CAIO PRATES 29 MAI 2012 GRUPO DE CONJUNTURA CAIO PRATES 29 MAI 2012 Tabela 1 - Projeções para 2011 e 2012 Mercado 2012 2013 PIB (%) 2,99 4,50 Indústria Geral (%) 1,58 4,20 IPCA (%) 5,17 5,60 Taxa Selic fim de ano 8,00 9,50 Taxa

Leia mais

Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 0,4%

Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 0,4% 10 de março de 2016 Índice de Preços no Consumidor Fevereiro de 2016 Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 0,4% Em fevereiro de 2016, a variação homóloga do IPC situou-se em 0,4%, taxa inferior

Leia mais

Holanda Setembro Mercado em números

Holanda Setembro Mercado em números Setembro 2016 Mercado em números Designação oficial: Reino da Capital: Amesterdão Localização: Europa Ocidental Fronteiras terrestres: 1.027 km com a Bélgica (450 km) e a Alemanha (577 km) Alemanha Bélgica

Leia mais

PRODUTO INTERNO BRUTO E ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR

PRODUTO INTERNO BRUTO E ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR PRODUTO INTERNO BRUTO E ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Q. 70 - PIB a Preços correntes da REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Unidade: 1000 Contos Sectores/Ramos de Actividade 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

ÍNDICE HARMONIZADO DE PREÇOS NO CONSUMIDOR (IHPC)

ÍNDICE HARMONIZADO DE PREÇOS NO CONSUMIDOR (IHPC) Informação à Comunicação Social 22 de Fevereiro de 2001 ÍNDICE HARMONIZADO DE PREÇOS NO CONSUMIDOR (IHPC) Indicador para a comparação da inflação entre os Estados-membros da União Europeia Janeiro de 2001

Leia mais

Taxa de variação homóloga do IPC manteve-se em -0,4%

Taxa de variação homóloga do IPC manteve-se em -0,4% 10 de outubro de 2014 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Setembro de 2014 Taxa de variação homóloga do IPC manteve-se em -0,4% Em setembro de 2014, a variação homóloga do IPC situou-se em -0,4%, taxa igual

Leia mais

Indicadores Económicos & Financeiros. Fevereiro Banco de Cabo Verde

Indicadores Económicos & Financeiros. Fevereiro Banco de Cabo Verde Indicadores Económicos & Financeiros Fevereiro 2014 Banco de Cabo Verde BANCO DE CABO VERDE Departamento de Estudos Económicos e Estatísticas Avenida Amílcar Cabral, 27 CP 7600-101 - Praia - Cabo Verde

Leia mais

CIP-Brasil. Catalogação-na-publicação. Embrapa Gado de Leite

CIP-Brasil. Catalogação-na-publicação. Embrapa Gado de Leite Ano 7, n. 44 - Dezembro/2016 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 - Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7400 Fax: (32) 3311-7424 www.embrapa.br www.embrapa.br/fale-conosco/sac

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS Fevereiro/2013 Faturamento Bruto mensal R$ milhões constantes (defl. Col. 32/FGV) Média Jan-Fev 2008 6.188 2009 4.446 2010 5.178

Leia mais

Coreia do Sul Junho Mercado em números

Coreia do Sul Junho Mercado em números Junho 2016 Mercado em números Designação oficial: República da Coreia Capital: Seul Localização: Ásia Oriental Fronteiras terrestres: Sua única fronteira terrestre é com a Coreia do Norte Área total: 99

Leia mais

Síntese Económica de Conjuntura - Abril de 2015

Síntese Económica de Conjuntura - Abril de 2015 ...... Síntese Económica de Conjuntura - Abril de 2015 Na Área Euro (AE), o PIB em termos reais registou uma variação homóloga de 1,0% no 1º trimestre de 2015 (0,9% no trimestre anterior). Em abril, os

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS Dezembro/2011 jan/07 mar/07 mai/07 jul/07 set/07 nov/07 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09

Leia mais

Taxa de desemprego em relativa estabilidade

Taxa de desemprego em relativa estabilidade PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 PED ABC JUNHO 2 DE 2016 DIVULGAÇÃO N o 62 Taxa de desemprego em relativa estabilidade Aumenta o nível de ocupação nos Serviços e se reduz na Indústria

Leia mais

A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO

A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO MANUEL CALDEIRA CABRAL UNIVERSIDADE DO MINHO FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO 29 DE SETEMBRO 2010 INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA Porque é que é importante Crescimento

Leia mais

Contas Nacionais Anuais: Resultados Finais Para 2014

Contas Nacionais Anuais: Resultados Finais Para 2014 Contas Nacionais Anuais (Base 2011) 2014 23 de setembro de 2016 Contas Nacionais Anuais: Resultados Finais Para 2014 Em 2014, o Produto Interno Bruto (PIB) ascendeu a cerca de 173,1 mil milhões de euros.

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira

Panorama da Economia Brasileira Panorama da Economia Brasileira Nelson Barbosa Secretário de Política Econômica Brasília, 23 de novembro de 2009 1 PRODUÇÃO INDUSTRIAL Índice com ajuste sazonal (jan/2007 = 100) 115 110 110,9 105 101,89

Leia mais

Comércio Internacional de bens: as exportações aumentaram 1,7% e as importações 6,0%

Comércio Internacional de bens: as exportações aumentaram 1,7% e as importações 6,0% Estatísticas do Comércio Internacional Março 2014 09 de maio de 2014 Comércio Internacional de bens: as exportações aumentaram 1,7% e as importações 6,0% As exportações de bens aumentaram 1,7% e as importações

Leia mais

Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial

Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial Estudos Económicos Índice 1. Situação Monetária... 4 1.1. Base Monetária... 4 1.2. Massa Monetária... 5 1.2.1. Crédito à Economia... 6 1.2.2. Activo Externo

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A GUINÉ-BISSAU

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A GUINÉ-BISSAU BALANÇA COMERCIAL 2005 2006 2007 2008 Var % a 05/09 Var % b 09/10 Exportações 24.078 27.067 34.532 40.401 33.466 10,0 27.576 34.044 23,5 Importações 996 1.164 508 580 1.376 27,9 1.254 314-75,0 Saldo 23.081

Leia mais

OBSERVATÓRIO. Exportações e Investimento Externo. Novembro 2016

OBSERVATÓRIO. Exportações e Investimento Externo. Novembro 2016 OBSERVATÓRIO Exportações e Investimento Externo Novembro O presente documento constitui uma análise do desempenho recente das relações económicas de Portugal com o estrangeiro, ao nível das exportações

Leia mais

DESTAQUE ELEMENTOS DE CARACTERIZAÇÃO ELEMENTOS AUXILIARES PONTOS FORTES PONTOS FRACOS

DESTAQUE ELEMENTOS DE CARACTERIZAÇÃO ELEMENTOS AUXILIARES PONTOS FORTES PONTOS FRACOS INDICADORES GLOBAIS DA EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE ECONÓMICA 7,4% 20,4% 11,1% 25,9% 16,7% 13,0% 5,6% Indicador de Confiança dos Consumidores da região do (3º trimestre de 2003): - 41 Variação homologa do Índice

Leia mais

Atividade Turística manteve resultados positivos em 2015

Atividade Turística manteve resultados positivos em 2015 Estatísticas do Turismo 2015 28 de julho de 2016 Atividade Turística manteve resultados positivos em 2015 Segundo os dados mais recentes publicados pela Organização Mundial de Turismo, as chegadas de turistas

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

ESTATÍSTICAS DO TURISMO TOURISM STATISTICS

ESTATÍSTICAS DO TURISMO TOURISM STATISTICS ESTATÍSTICAS DO TURISMO TOURISM STATISTICS 2006-2010 Secretaria Regional do Turismo e Transportes Avenida Arriaga, 18 9004-519 Funchal Madeira Telf: 351-291 211 900 Fax: 351-291 232 151 e-mail: info@madeiratourism.com

Leia mais

Acumulado até novembro registra IED de US$ 52,7 bilhões

Acumulado até novembro registra IED de US$ 52,7 bilhões São Paulo, 18 de janeiro de 2016 NOVEMBRO DE 2015 Acumulado até novembro registra IED de US$ 52,7 bilhões No acumulado até novembro, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil totalizaram

Leia mais

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Realizado para: Última Atualização 19/05/2016 Próxima Atualização 15/06/2016 Copyright 2016 Portugal Economy Probe PE Probe Preparado pelo PE Probe para

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego Retrospectiva 2003-2011 9 anos 1 1, 26/01/2012 1 Produz indicadores mensais sobre a força de trabalho que permitem avaliar as flutuações e a tendência, a médio e a longo prazos,

Leia mais

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO SÍNTESE JANEIRO/07 DEZEMBRO/07 JANEIRO/08 VARIAÇÃO % V.A. % V.A. % V.A. % Mês Homólogo Mês Anterior DESEMPREGO REGISTADO 8895 100,0 8773

Leia mais

O Papel da Indústria de Fundos Brasileira na Promoção do Desenvolvimento Econômico Sustentado. São Paulo, 06 de julho de 2006

O Papel da Indústria de Fundos Brasileira na Promoção do Desenvolvimento Econômico Sustentado. São Paulo, 06 de julho de 2006 O Papel da Indústria de Fundos Brasileira na Promoção do Desenvolvimento Econômico Sustentado São Paulo, 06 de julho de 2006 Relação Moedas x Ouro - 01/1999=100 Cotação Ouro (onça-troy) - 100=12/2000 270

Leia mais

Gráfico 1: Taxas de juro dos depósitos de curto prazo das IFM e uma taxa de juro de mercado equivalente

Gráfico 1: Taxas de juro dos depósitos de curto prazo das IFM e uma taxa de juro de mercado equivalente - 5 - Gráfico 1: Taxas de juro dos depósitos de curto prazo das IFM e uma taxa de juro de 2.5 1.5 0.5 à ordem das famílias com prazo até 1 ano das famílias com pré-aviso até 3 meses das famílias à ordem

Leia mais

Hóspedes do estrangeiro compensam redução de dormidas pelos residentes

Hóspedes do estrangeiro compensam redução de dormidas pelos residentes Atividade Turística Fevereiro 2013 16 de Abril de 2013 Hóspedes do estrangeiro compensam redução de dormidas pelos residentes As dormidas na hotelaria atingiram 1,9 milhões, o que correspondeu a uma variação

Leia mais

Manteigas em Números. Designação do indicador Valor Unidade Ano Fonte. Território. População

Manteigas em Números. Designação do indicador Valor Unidade Ano Fonte. Território. População Designação do indicador Valor Unidade Ano Fonte Território Área total 122 km 2 2012 INE Anuário Estatístico da Região Centro - 2012 Perímetro 65 km2 2012 INE Anuário Estatístico da Região Centro - 2012

Leia mais

A taxa de variação média anual do IPC foi 0,6% em 2016 e a taxa de variação homóloga situou-se em 0,9% em dezembro

A taxa de variação média anual do IPC foi 0,6% em 2016 e a taxa de variação homóloga situou-se em 0,9% em dezembro 11 de janeiro de 2017 Índice de Preços no Consumidor Dezembro de 2016 A taxa de variação média anual do IPC foi 0,6% em 2016 e a taxa de variação homóloga situou-se em 0,9% em dezembro Em 2016, o Índice

Leia mais

Competitividade e Comércio Internacional da Região Norte Eduardo Pereira

Competitividade e Comércio Internacional da Região Norte Eduardo Pereira Competitividade e Comércio Internacional da Região Norte Eduardo Pereira 3 a sessão NORTE & ECONOMIA 30 novembro Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões Matosinhos www.ccdr-n.pt/norte-economia Competitividade

Leia mais

Poupança e Investimento

Poupança e Investimento Poupança e Investimento Fernando Alexandre Ordem dos Economistas, Lisboa 19 de abril 2017 Poupança e Financiamento da Economia Portuguesa 1. A importância da poupança 2. Desequilíbrios e estagnação: uma

Leia mais

Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 0,8%

Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 0,8% 10 de fevereiro de 2016 Índice de Preços no Consumidor Janeiro de 2016 Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 0,8% Em janeiro de 2016, a variação homóloga do IPC situou-se em 0,8%, taxa superior

Leia mais

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas 2012 2012 2013 2014 2015 2016 nível (10 6 euros) 1. PIB (real) 1 B1*g 165644,9-3,2-2,3 0,6 1,5 1,8 2,2 2. PIB (nominal) B1*g 165409,2-3,3-0,6 1,8 2,7 3,5 3,7 Componentes

Leia mais

Índices de preços base: ago. 94 = 100

Índices de preços base: ago. 94 = 100 Índices de preços base: ago. 94 = 100 ÍNDICE GERAL DE PREÇOS DISPONIBILIDADE INTERNA (IGP-DI) ÍNDICE GERAL DE PREÇOS DO MERCADO (IGP-M) ÍNDICE DE PREÇOS AO PRODUTOR AMPLO DISPONIBILIDADE INTERNA (IPA-DI)

Leia mais