Contas Nacionais Trimestrais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contas Nacionais Trimestrais"

Transcrição

1 Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 4º Trimestre de 2010 Coordenação de Contas Nacionais 03 de março de 2010

2 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado TABELA I.1 - Principais resultados do PIB a preços de mercado do 4º Trimestre de 2009 ao 4º Trimestre de 2010 Taxas (%) 4º Trim º Trim º Trim º Trim º Trim 2010 Acumulado ao longo do ano / mesmo período do ano anterior < Anexo: Tabela 3 > Últimos quatro trimestres / quatro trimestres imediatamente anteriores < Anexo: Tabela 4 > Trimestre / mesmo trimestre do ano anterior < Anexo: Tabela 2 > Trimestre / trimestre imediatamente anterior (com ajuste sazonal) < Anexo: Tabela 7 > (-) 0,6 9,3 9,2 8,4 7,5 (-) 0,6 2,2 5,3 7,5 7,5 5,0 9,3 9,2 6,7 5,0 2,5 2,2 1,6 0,4 0,7 Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Contas Nacionais

3 4º Trimestre de 2010 Série com ajuste sazonal (em relação ao trimestre anterior)

4 Taxa (%) trimestre em relação ao trimestre anterior (série com ajuste sazonal) PIB a preços de mercado 0,7 Ótica da produção Agropecuária -0,8 Indústria -0,3 Serviços 1,0 Valor Adicionado pb 0,6 Ótica da demanda Despesa de Consumo das Famílias Despesa de Consumo do Governo Formação Bruta de Capital Fixo Exportações de Bens e Serviços (-) Importações de Bens e Serviços 2,5-0,3 0,7 3,6 3,9

5 Ótica da produção 4 (%) Taxa (%) trimestre em relação ao trimestre anterior (série com ajuste sazonal) GRÁFICO II.1 - PIB e setores (com ajuste sazonal) Taxa (%) do trimestre em relação ao trimestre imediatamente anterior 3, ,6 1,4 1,7 1,4 1,10,9 1,0 1,9 1,7 0,1 0,6 2,2 1,6 0,4 0,7-1 -0,8-0,6-0,3-2 -1,6 Agropecuária Indústria Serviços VApb PIB 2010.I 2010.II 2010.III 2010.IV

6 Ótica da demanda Taxa (%) trimestre em relação ao trimestre anterior (série com ajuste sazonal) 10 GRÁFICO I.2 - Componentes da Demanda (com ajuste sazonal) Taxa (%) do trimestre em relação ao trimestre imediatamente anterior 8 8,1 7,1 6 5, ,2 1,6 0,4 0,7 1,8 1,1 1,8 2,5 1,8 4,0 3,9 3,1 0,7 3,4 1,2 4,2 3,6 3,9 0-0,2-0,1-0,3-2 PIB Consumo das Famílias Consumo da Administração Pública FBCF Exportação de Bens e Serviços Importação de Bens e Serviços 2010.I 2010.II 2010.III 2010.IV

7 4º Trimestre de 2010 Taxa trimestral (em relação ao mesmo trimestre do ano anterior)

8 Taxa (%) trimestral (em relação ao mesmo trimestre do ano anterior) PIB a preços de mercado 5,0 Ótica da produção Agropecuária 1,1 Indústria 4,3 Serviços 4,6 Valor Adicionado pb 4,2 Impostos sobre produtos 10,1 Ótica da demanda Despesa de Consumo das Famílias Despesa de Consumo do Governo Formação Bruta de Capital Fixo Exportações de Bens e Serviços (-) Importações de Bens e Serviços 7,5 1,2 12,3 13,5 27,2

9 Ótica da produção Taxa (%) trimestral (em relação ao mesmo trimestre do ano anterior) 20 GRÁFICO I.6 - PIB e subsetores Taxa (%) do trimestre em relação ao mesmo trimestre do ano anterior 16 14, , ,5 6,2 5,3 5,1 5,0 4,8 3,7 2,4 1,9 1,5 1,1 0 Ext. Mineral Intermed. financeira, prev. complem. e serv. Rel. Comércio Construção civil Transporte, armazenagem e correio Prod. e distrib. de eletricidade, gás e água PIB Serviços de informação Outros Serv. Transformação Ativ. imobiliárias e aluguel Adm., saúde e educação públicas Agropecuária

10 Agropecuária (4º tri 2010 em relação ao 4º tri 2009) 1,1% Trigo Cana de Açúcar Laranja Mandioca 20,1% 5,7% 4,1% -4,6% Fumo -10,0% Variação da Quantidade Produzida LSPA janeiro/2011

11 Indústria (4º tri 2010 em relação ao 4º tri 2009) 4,3% Extrativa mineral Construção civil Prod. e distrib. de eletricidade, gás e água Transformação 14,8% 6,2% 5,1% 2,4%

12 Serviços (4º tri 2010 em relação ao 4º tri 2009) 4,6% Intermediação financeira e seguros (11,4%) Comércio (atacadista e varejista) (7,5%) Transporte, armazenagem e correio (5,3%) Serviços de informação (4,8%) Outros serviços (3,7%) Serviços imobiliários e aluguel (1,9%) Administração, saúde e educação públicas (1,5%) Destaques do Crescimento

13 Resultados do Ano de 2010

14 PIB x PIB per capita em décadas 10 9 PIB x PIB per capita - variação (%) em volume (médias anuais) ,7 8 7, ,2 6,0 5 4,3 PIB 4 3 3,2 2,6 3,6 2,4 PIB per capita 2 1 1,7 1, , Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Contas Nacionais

15 Taxa (%) acumulada no ano (em relação ao mesmo período do ano anterior) PIB a preços de mercado 7,5 Ótica da produção Agropecuária 6,5 Indústria 10,1 Serviços 5,4 Valor Adicionado pb 6,7 Impostos sobre produtos 12,5 Ótica da demanda Despesa de Consumo das Famílias Despesa de Consumo do Governo Formação Bruta de Capital Fixo Exportações de Bens e Serviços (-) Importações de Bens e Serviços 7,0 3,3 21,8 11,5 36,2

16 Ótica da produção Taxa (%) de variação em relação ao ano anterior GRÁFICO II.2 - PIB e subsetores Taxa (%) de variação em relação ao ano anterior 15,7 11,6 10,7 10,7 9,7 8,9 7,8 7,5 6,5 3,8 3,6 2,3 1,7 Ext. Mineral Construção civil Comércio Intermed. financeira, prev. complem. e serv. rel. Transformação Transporte, armazenagem e correio Prod. e distrib. de eletricidade, gás e água PIB Agropecuária Serviços de informação Outros Serv. Adm., saúde e educação públicas Ativ. imobiliárias e aluguel

17 Agropecuária (2010 em relação a 2009) 6,5% Soja Trigo Café Milho Cana Laranja 20,2% 20,1% 17,6% 9,4% 5,7% 4,1% Variação da Quantidade Produzida LSPA janeiro/2011

18 Indústria (2010 em relação a 2009) 10,1% Extrativa mineral Construção civil Transformação Prod. e distrib. de eletricidade, gás e água 15,7% 11,6% 9,7% 7,8%

19 Construção Civil (2010 em relação a 2009) 11,6% Crescimento nominal do crédito com recursos direcionados 31,1%* Ocupação na construção 5,8%** * Segundo nota para imprensa do BACEN ** Segundo a PME/IBGE

20 Indústria Transformação (2010 em relação a 2009) 9,7% Destaques do Crescimento Máquinas e equipamentos Produtos de metal Siderurgia e metalurgia Indústria automotiva Artigos de borracha e plástico Produtos químicos

21 Taxa (%) de variação em relação ao ano anterior Impostos sobre Produtos crescimento, em volume, de 12,5% ICMS: + 11,3% Imposto de Importação: + 42,0% IPI: + 17,3%

22 Consumo das Famílias (2010 em relação a 2009) 7,0% 7º crescimento consecutivo Elevação de 8,2% da massa salarial real* Crescimento nominal de 17,6% do saldo de operações de crédito do sistema financeiro com recursos livres para pessoas físicas** * Segundo a PME/IBGE ** Segundo nota para imprensa do BACEN

23 Formação Bruta de Capital Fixo TABELA II.1 - Componentes da Formação Bruta de Capital Fixo a Preços Correntes * 2010 * Especificação Variação em volume (%) Variação em volume (%) Variação em volume (%) % dos componentes na FBCF Variação em volume (%) % dos componentes na FBCF Formação bruta de capital fixo 13,9 13,6-10,3 100,0 21,8 100,0 Construção 5,5 9,3-7,2 39,4 12,9 37,8 Máquinas e equipamentos 22,0 18,3-13,1 52,9 30,5 55,2 Outros 3,8 1,7-3,8 7,7 8,2 7,0 Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Contas Nacionais * Resultados preliminares calculados a partir das Contas Nacionais Trimestrais

24 Setor Externo (2010 em relação a 2009) Exportação de bens e serviços 11,5% Importação de bens e serviços 36,2% Taxa de câmbio (média anual das taxas R$/US$ de compra e venda) 2010: 1, : 2,00

25 Destaques na Pauta de Importações Máquinas e equipamentos Material eletrônico e equipamentos de comunicações Material elétrico Siderurgia Produtos da indústria automotiva Produtos químicos Produtos do refino de petróleo

26 Contribuição da demanda interna e setor externo 2010: 7,5% Demanda interna: 10,3 Setor externo: -2,8 2009: -0,6% Demanda interna: -0,8 Setor externo: 0,2

27 Taxa (%) acumulada no semestre (em relação ao mesmo período do ano anterior) GRÁFICO II.5 - PIB - Taxa de variação semestre contra mesmo semestre ano anterior 10 9, ,1 4,1 4,3 2,5 1,1-1,0-0,1 0,6 4,3 4,3 2,9-0,2 1,0 4,3 1,6 0,7 5,2 6,2 4,2 2,1 3,1 4,8 5,8 6,4 6,4 3,9 1,5 5, ,9 1º semestre 2º semestre

28 Taxa (%) acumulada nos últimos 4 trimestres (contra os 4 trimestres imediatamente anteriores) 2,2 4,2 GRÁFICO II.3 - PIB a preços de mercado Taxa (%) acumulada em quatro trimestres 2,4 4,3 5,7 5,2 3,2 3,2 4,0 6,1 6,7 5,2 2,9 2,2 5,3 7,5 7,5 1,8 1,8 1,1 1,3 0,5-0,6-0,6-1,7 96.I 96.III 97.I 97.III 98.I 98.III 99.I 99.III 00.I 00.III 01.I 01.III 02.I 02.III 03.I 03.III 04.I 04.III 05.I 05.III 06.I 06.III 07.I 07.III 08.I 08.III 09.I 09.III 10.I 10.III

29 Comparação internacional

30 PIB no 4º tri/2010: Brasil x países selecionados Taxa em relação ao trimestre anterior (com ajuste sazonal) PIB per capita (US$ PPC, 2009) -0,3% -0,3% 0,8% 0,7% 0,6% 0,6% 0,5% 0,4% 0,3% 0,2% 0,2% 0,1% 1,3% 2,4% Noruega México EUA Brasil Áustria Holanda Coréia do Sul Alemanha França UE Espanha Itália Japão Portugal 58,6 mil 13,5 mil 46,4 mil 10,3 mil 39,4 mil 39,2 mil 28,0 mil 34,1 mil 32,8 mil 32,6 mil 33,7 mil 30,3 mil 32,6 mil 21,8 mil -1,4% -0,5% Reino Unido Grécia 35,2 mil 32,1 mil -2,0% -1,5% -1,0% -0,5% 0,0% 0,5% 1,0% 1,5% 2,0% 2,5% Fonte: Institutos de Estatística / Banco Central / Banco Mundial

31 PIB dos BRICS no 4º tri/ Taxa (%) do trimestre em relação ao mesmo trimestre do ano anterior PIB per capita (US$ PPC, 2009) 9,8 US$ 6,6 mil 8,2 US$ 3,1 mil 5,0 US$ 10,3 mil 5,0 US$ 15,1 mil 3,8 US$ 10,4 mil I 2007.II 2007.III 2007.IV 2008.I 2008.II 2008.III 2008.IV 2009.I 2009.II 2009.III 2009.IV 2010.I 2010.II 2010.III 2010.IV China Brasil Índia Rússia África do Sul Fonte: Institutos de Estatística / Banco Mundial

32 PIB no ano de 2010: Brasil x países selecionados 12,0% Taxa (%) de variação do PIB em 2010 (em relação a 2009) 10,0% 10,3% 8,6% 8,0% 7,5% 6,0% 6,1% 5,5% 4,0% 3,9% 3,8% 3,6% 2,9% Mundo = 5,0% 2,0% 1,7% 1,5% 1,4% 1,4% 1,1% Espanha Grécia 0,0% China Índia Brasil Coréia do Sul México Japão Rússia Alemanha EUA União Européia França Portugal Reino Unido Itália -0,1% -2,0% -4,0% -4,5% -6,0% Fontes: Dados países. Institutos de Estatística. Média Mundo. Projeção do FMI (jan/2011).

33 4º Trimestre de 2010 Valores correntes e Conta Econômica Integrada

34 Valores correntes (R$ milhões) Tabela III.1 Classes de atividade no valor adicionado a preços básicos e componentes do PIB pela ótica da despesa Valores Correntes (R$ milhõ es) Ano 2010 Ano Especificação 2009 (1) I II III IV 2010 (1) Agropecuária In d úst r ia Ser v iço s Valor Adicionado a Preços Básicos Impostos sobre produtos PIB a Preços de Mercado Despesa de Consumo das Famílias Despesa de Consumo do Governo Formação Bruta de Capital Fixo Exportações de Bens e Serviços Importações de Bens e Serviços (-) Variação de Estoque (-) (-) Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Contas Nacionais. (1) Resultados calculados a partir das Contas Nacionais Trimestrais.

35 Taxas de Investimento e Poupança (em % PIB) 20, a 2010 GRÁFICO III.1 - Taxa de Investimento e Taxa de Pupança Bruta (% do PIB) 19,0 18,0 17,0 16,0 15,0 14,0 13,0 16,8 14,0 17,0 13,5 16,4 14,7 16,0 15,3 18,5 16,1 17,3 15,9 17,6 16,4 19,1 18,1 18,8 17,4 16,9 14,7 18,4 16,5 12,0 11,0 10, Taxa de Investimento (FBCF) Taxa de Poupança Bruta

36 Capacidade/ Necessidade de Financiamento por ano: (R$ milhões) 2000 (50.101) 2001 (58.855) 2002 (20.994) Houve um aumento da necessidade de financiamento de R$ 56,9 bilhões, em 2009, para R$ 97,7 bilhões, em (5.045) 2008 (56.129) 2009 (56.918) 2010 (97.686)

37 Conta Econômica Trimestral Comparação anual (R$ bilhões) Conta Econômica Trimestral ( ) PIB ,1 489,8 Remuneração dos Empregados não Residentes Recebidas (-) Enviadas ao Resto do Mundo 0,9 1,2 (0,3) Rendas de Propriedade Recebidas (-) Enviadas ao Resto do Mundo (69) (65,3) (3,7) Renda Nacional Bruta 3.606, ,0 485,8 Transferências correntes Recebidas (-) Enviadas ao Resto do Mundo 5 6,7 (1,7) Renda Disponível Bruta 3.611, ,7 484,1 Despesa de Consumo Final (3.004,1) (2.661,1) (343) Poupança Bruta 607,8 466,6 141,1 Formação Bruta de Capital (707,4) (525,8) (181,6) Transferências de Capital Recebidas (-) Enviadas ao Resto do Mundo Capacidade (+) ou Necessidade (-) de Financiamento 2 2,3 (0,3) (97,7) (56,9) (40,8)

38 Participação % das Atividades Econômicas no Valor Adicionado a Preços Básicos Tabela III.2- Participação percentual das classes e respectivas atividades no valor adicionado a preços básicos- 2000/10 Em % Especificação (1) 2010 (1) Agropecuária 5,6 6,0 6,6 7,4 6,9 5,7 5,5 5,6 5,9 6,1 5,8 Indústria 27,7 26,9 27,1 27,8 30,1 29,3 28,8 27,8 27,9 25,4 26,8 Extrativa Mineral 1,6 1,5 1,6 1,7 1,9 2,5 2,9 2,3 3,2 1,3 2,5 Transformação 17,2 17,1 16,9 18,0 19,2 18,1 17,4 17,0 16,6 15,8 15,8 Construção Civil 5,5 5,3 5,3 4,7 5,1 4,9 4,7 4,9 4,9 4,9 5,3 Prod. e distrib. de eletricidade, gás, água, esgoto e limp.urb. 3,4 3,0 3,3 3,4 3,9 3,8 3,8 3,6 3,1 3,4 3,3 Serviços 66,7 67,1 66,3 64,8 63,0 65,0 65,8 66,6 66,2 68,5 67,4 Comércio 10,6 10,7 10,2 10,6 11,0 11,2 11,5 12,1 12,5 11,8 11,9 Transporte, armazenagem e correio 4,9 5,0 4,8 4,7 4,7 5,0 4,8 4,8 5,0 5,1 5,3 Serviços de informação 3,6 3,5 3,6 3,6 3,8 4,0 3,8 3,8 3,8 3,7 3,4 Intermed. financeira, seguros, prev. complem. e serv.rel. 6,0 6,8 7,5 7,1 5,8 7,1 7,2 7,7 6,8 7,3 7,7 Outros Serviços 15,4 14,9 14,6 14,0 13,8 13,8 14,5 14,2 14,1 15,1 14,7 Ativ. imobiliárias e aluguéis 11,3 10,7 10,2 9,6 9,1 9,0 8,7 8,5 8,2 8,4 7,9 Adm., saúde e educação públicas 14,9 15,5 15,5 15,1 14,7 15,0 15,3 15,5 15,8 17,0 16,5 Valor adicionado a Preços Básicos 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Impostos sobre Produtos 15,4 16,4 16,1 15,6 16,5 16,6 16,5 16,3 17,5 16,2 17,2 PIB a Preços de Mercado 115,4 116,4 116,1 115,6 116,5 116,6 116,5 116,3 117,5 116,2 117,2 Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Contas Nacionais.

39 Participação % dos Componentes da Demanda no PIB Tabela III.3- Componentes da demanda no PIB / 2010 Em % Especificação (1) 2010 (1) Consumo das Famílias 64,3 63,5 61,7 61,9 59,8 60,3 60,3 59,9 58,9 61,7 60,6 Consumo da Administração Pública 19,2 19,8 20,6 19,4 19,2 19,9 20,0 20,3 20,2 21,8 21,2 FBCF + Variação de Estoque 18,3 18,0 16,2 15,8 17,1 16,2 16,8 18,3 20,7 16,5 19,2 Exportações de Bens e Serviços 10,0 12,2 14,1 15,0 16,4 15,1 14,4 13,4 13,7 11,1 11,2 Importações de Bens e Serviços (11,7) (13,5) (12,6) (12,1) (12,5) (11,5) (11,5) (11,8) (13,5) (11,2) (12,1) PIB a Preços de Mercado 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Contas Nacionais. (1) Resultados preliminares calculados a partir das Contas Nacionais Trimestrais.

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 2º Trimestre de 2013 Coordenação de Contas Nacionais 30 de agosto de 2013 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

3º Trimestre de 2011

3º Trimestre de 2011 Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 3º Trimestre de 2011 Coordenação de Contas Nacionais 06 de dezembro de 2011 Revisões nas Contas Nacionais Trimestrais No 3º trimestre

Leia mais

Sistema de Contas Nacionais Brasil

Sistema de Contas Nacionais Brasil Diretoria de Pesquisas Sistema de Contas Nacionais Brasil 2004-2008 Coordenação de Contas Nacionais Rio, 05/11/2010 Divulgações do SCN Já divulgados os dois primeiros trimestres de 2010, HOJE - ano 2008

Leia mais

PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%).

PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%). PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%). O PIB encerrou o ano de 2014 com variação de 0,1%. Nessa comparação, a Agropecuária (0,4%) e os Serviços (0,7%) cresceram e a Indústria caiu (- 1,2%).

Leia mais

Produto Interno Bruto 2º trimestre de de agosto de 2015

Produto Interno Bruto 2º trimestre de de agosto de 2015 Produto Interno Bruto 2º trimestre de 2015 28 de agosto de 2015 Crescimento do PIB no 2º Trimestre de 2015 2 Var. % pela ótica da produção 2º tri 2015 contra 1º tri 2015 2º tri 2015 contra 2º tri 2014

Leia mais

PIB - Taxa (%) trimestral (em relação ao trimestre do ano anterior) PIB a preços de mercado -2,6

PIB - Taxa (%) trimestral (em relação ao trimestre do ano anterior) PIB a preços de mercado -2,6 PIB - Taxa (%) trimestral (em relação ao trimestre do ano anterior) PIB a preços de mercado -2,6 Ótica da produção Ótica da despesa Agropecuária (5,6)% 1,8 Despesa de Consumo das Famílias -2,7 Indústria

Leia mais

Indicadores IBGE. Contas Nacionais Trimestrais. Indicadores de Volume e Valores Correntes. Outubro / Dezembro 2010

Indicadores IBGE. Contas Nacionais Trimestrais. Indicadores de Volume e Valores Correntes. Outubro / Dezembro 2010 Indicadores IBGE Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes Outubro / Dezembro 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff

Leia mais

Comentário. A Economia Brasileira no 4º Trimestre de 2015: Visão Geral

Comentário. A Economia Brasileira no 4º Trimestre de 2015: Visão Geral Comentário A Economia Brasileira no 4º Trimestre de 2015: Visão Geral O Produto Interno Bruto (PIB) apresentou queda de 1,4% na comparação do quarto trimestre de 2015 contra o terceiro trimestre do ano,

Leia mais

PIB do terceiro trimestre de 2015 apresentou queda de 1,7% contra o trimestre anterior

PIB do terceiro trimestre de 2015 apresentou queda de 1,7% contra o trimestre anterior ECONÔMICA Conjuntura PIB do terceiro trimestre de 2015 apresentou queda de 1,7% contra o trimestre anterior Dados publicados pelo IBGE informam que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil caiu 1,7% no

Leia mais

PERÍODO DE COMPARAÇÃO PIB AGROPEC INDUS SERV FBCF CONS. FAM CONS. GOV

PERÍODO DE COMPARAÇÃO PIB AGROPEC INDUS SERV FBCF CONS. FAM CONS. GOV ECONÔMICA Conjuntura Economia brasileira encolhe 5,4 % e 0,3% no primeiro trimestre de 2016 no comparativo com o mesmo período do ano anterior e no confronto com o semestre anterior respectivamente PRIMEIRO

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Fevereiro/2017 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Dez16/Nov16 (%) dessaz. Dez16/Dez15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 1º Trimestre de 2015 Coordenação de Contas Nacionais 29 de maio de 2015 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria de Comércio Exterior

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria de Comércio Exterior Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior O comércio exterior brasileiro e o desempenho do setor industrial Welber Barral Secretário SÃO PAULO (SP), 27

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Dezembro/2017 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Out17/Set17 (%) dessaz. Out17/Out16 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Dezembro/2016 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Out16/Set16 (%) dessaz. Out16/Out15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Junho/2017 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Abr17/Mar17 (%) dessaz. Abr17/Abr16 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até abril

Leia mais

COSAG. Cenário Macroeconômico. 02 de junho de 2014

COSAG. Cenário Macroeconômico. 02 de junho de 2014 COSAG Cenário Macroeconômico 02 de junho de 2014 1 1. Economia Internacional 2. Economia Brasileira 2 EUA Maior contribuição do governo e do consumo para o crescimento; Os indicadores macroeconômicos de

Leia mais

O DESEMPENHO MACROECONÔMICO NO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2003 ECONOMIA, INDÚSTRIA E INVESTIMENTO EM QUEDA

O DESEMPENHO MACROECONÔMICO NO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2003 ECONOMIA, INDÚSTRIA E INVESTIMENTO EM QUEDA O DESEMPENHO MACROECONÔMICO NO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2003 ECONOMIA, INDÚSTRIA E INVESTIMENTO EM QUEDA No segundo trimestre de 2003, o PIB brasileiro apresentou queda tanto em relação ao trimestre anterior

Leia mais

Vale do Aço. Fevereiro/2016

Vale do Aço. Fevereiro/2016 Fevereiro/2016 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

GRUPO DE CONJUNTURA CAIO PRATES 29 MAI 2012

GRUPO DE CONJUNTURA CAIO PRATES 29 MAI 2012 GRUPO DE CONJUNTURA CAIO PRATES 29 MAI 2012 Tabela 1 - Projeções para 2011 e 2012 Mercado 2012 2013 PIB (%) 2,99 4,50 Indústria Geral (%) 1,58 4,20 IPCA (%) 5,17 5,60 Taxa Selic fim de ano 8,00 9,50 Taxa

Leia mais

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO JOÃO CRUZ REIS FILHO SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Brasília/DF JULHO DE 2015 22 CENÁRIO POPULACIONAL

Leia mais

Desempenho da Indústria Catarinense

Desempenho da Indústria Catarinense FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA Desempenho da Indústria Catarinense Florianópolis, 28 de março de 2016 SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2016 INDICADOR SANTA CATARINA

Leia mais

Projeto de Pesquisa: Importância Sócio-Econômica da Cadeia de Serviços de Saneamento Básico no Estado de São Paulo

Projeto de Pesquisa: Importância Sócio-Econômica da Cadeia de Serviços de Saneamento Básico no Estado de São Paulo Projeto de Pesquisa: Importância Sócio-Econômica da Cadeia de Serviços de Saneamento Básico no Estado de São Paulo Sabesp NEIT (IE/UNICAMP) SABESP, São Paulo, 15 de Fevereiro de 2008 Estrutura da Pesquisa

Leia mais

Desempenho da Indústria Catarinense

Desempenho da Indústria Catarinense FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA Desempenho da Indústria Catarinense Florianópolis, 21 de Agosto de 2015 SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2015 INDICADOR SANTA CATARINA

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DO MATO GROSSO Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 903.386 10,63% 56,24% População

Leia mais

A ECONOMIA NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2003 CRESCIMENTO MODESTO PUXADO PELA INDÚSTRIA

A ECONOMIA NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2003 CRESCIMENTO MODESTO PUXADO PELA INDÚSTRIA A ECONOMIA NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 23 CRESCIMENTO MODESTO PUXADO PELA INDÚSTRIA O PIB brasileiro registrou crescimento de,4% no terceiro trimestre de 23, na comparação com o trimestre anterior (ajustado

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Junho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Junho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Junho 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JUNHO Exportações A forte redução no mês foi causada pela contabilização como exportação da

Leia mais

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Rio Grande

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Rio Grande PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG Vale do Rio Grande Julho/2016 Objetivo Prover informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria no Estado de Minas Gerais e nas Regionais

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

I Cenário Mundial. II Contexto Internacional e o Brasil. III Brasil: Situação Externa e Interna. Tendências. IV Paraná em Destaque V Brasil:

I Cenário Mundial. II Contexto Internacional e o Brasil. III Brasil: Situação Externa e Interna. Tendências. IV Paraná em Destaque V Brasil: I Cenário Mundial. II Contexto Internacional e o Brasil. III Brasil: Situação Externa e Interna. Tendências. IV Paraná em Destaque V Brasil: Projeções e Reflexões Fonte: FMI G7: EUA. Alemanha, Japão,

Leia mais

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS DADOS ESTATÍSTICOS A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas I. DADOS NACIONAIS 1. POPULAÇÃO 1.1 População Residente por Sexo e Grupo Etário: Censos 1 1.2 População Residente - Estimativas 1 2.

Leia mais

A Economia Brasileira em 2007 e Perspectivas para 2008

A Economia Brasileira em 2007 e Perspectivas para 2008 A Economia Brasileira em 2007 e Perspectivas para 2008 Francisco E. P. de Souza Rio de Janeiro, 17/01/2008 Tabela 2 - Projeções do mercado e do Grupo de Conjuntura para 2007 Mercado Grupo de Conjuntura

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA Nível de Atividade - PIB 2T/12

CONJUNTURA ECONÔMICA Nível de Atividade - PIB 2T/12 CONJUNTURA ECONÔMICA Nível de Atividade - PIB 2T/12 CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado, reproduzido,

Leia mais

FINDES Federação das Indústrias do Espírito Santo

FINDES Federação das Indústrias do Espírito Santo FINDES Federação das Indústrias do Espírito Santo 30 de novembro de 2017 Leo de Castro Presidente do Sistema Findes Crescimento Econômico Capixaba e Brasileiro Evolução do PIB Trimestral Variação (%) acumulada

Leia mais

Setembro/2014. Resultados do PIB e da PIM e Perspectivas para os Próximos Trimestres. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Setembro/2014. Resultados do PIB e da PIM e Perspectivas para os Próximos Trimestres. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Setembro/2014 Resultados do PIB e da PIM e Perspectivas para os Próximos Trimestres Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Resultados do PIB no 2º Trimestre: Economia Brasileira em Recessão 2

Leia mais

COLÔMBIA. Comércio Exterior

COLÔMBIA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COLÔMBIA Comércio Exterior Janeiro de 2016 Principais indicadores

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010 Evolução 2004-2010 Actualizado em Dezembro de 2010 Unid. Fonte 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Notas 2010 População a Milhares Hab. INE 10.509 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.638 3º Trimestre

Leia mais

ESTADOS UNIDOS. Comércio Exterior

ESTADOS UNIDOS. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ESTADOS UNIDOS Comércio Exterior Março de 2016 Principais Indicadores

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2016 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações O principal destaque negativo ficou por conta do impacto contracionista

Leia mais

A Produtividade e a Competitividade da Indústria Naval e de BK Nacional. Fernanda De Negri Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA

A Produtividade e a Competitividade da Indústria Naval e de BK Nacional. Fernanda De Negri Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA A Produtividade e a Competitividade da Indústria Naval e de BK Nacional Fernanda De Negri Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA Produtividade e sustentabilidade do crescimento econômico Decomposição

Leia mais

MÉXICO. Comércio Exterior

MÉXICO. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC MÉXICO Comércio Exterior Março de 2016 Principais indicadores socioeconômicos

Leia mais

Desempenho da Indústria Catarinense

Desempenho da Indústria Catarinense FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA Desempenho da Indústria Catarinense Florianópolis, 20 de março de 2015 SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2015 INDICADOR SANTA CATARINA

Leia mais

Agosto/2014. Cenário Econômico: Mais um Ano de Baixo Crescimento. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Agosto/2014. Cenário Econômico: Mais um Ano de Baixo Crescimento. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Agosto/2014 Cenário Econômico: Mais um Ano de Baixo Crescimento Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Diversos Indicadores mostram uma Piora da Atividade Econômica no 2º Trimestre 2 A produção

Leia mais

CHILE. Comércio Exterior

CHILE. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC CHILE Comércio Exterior Fevereiro de 2016 Principais indicadores

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Fevereiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Fevereiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Fevereiro 2013 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM FEVEREIRO Exportações Apesar da queda nos embarques para a Argentina (6%), trata-se do melhor

Leia mais

Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial

Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial XIX Congresso Brasileiro de Economia Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda aclacerda@pucsp.br Bonito, 09 de Setembro de 2011. Page 1 Economia

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro 2012 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM SETEMBRO Exportações A queda de 28% na comparação mensal pode ser explicada por: 1) Dois

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Dezembro/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

Cenário macroeconômico e a construção civil 29/5/2012

Cenário macroeconômico e a construção civil 29/5/2012 Cenário macroeconômico e a construção civil 29/5/2012 O papel da construção no desenvolvimento sustentado Há cinco anos, o setor da construção iniciou um ciclo virtuoso de crescimento: Esse ciclo foi pavimentado

Leia mais

PAINEL DA INDÚSTRIA MINEIRA. Minas Gerais

PAINEL DA INDÚSTRIA MINEIRA. Minas Gerais PAINEL DA INDÚSTRIA MINEIRA Minas Gerais Julho/2016 Objetivo Prover informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria no Estado de Minas Gerais e nas Regionais FIEMG. Ficha Técnica Elaboração:

Leia mais

ISRAEL. Comércio Exterior

ISRAEL. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ISRAEL Comércio Exterior Abril de 2016 Principais indicadores socioeconômicos

Leia mais

A Política Fiscal Brasileira em Tempos de Crise

A Política Fiscal Brasileira em Tempos de Crise Ministério da A Política Fiscal Brasileira em Tempos de Crise Encontro de Política Fiscal - FGV Ministro Guido Mantega Brasília, 7 de novembro de 2014 Antes de 2008, Brasil tinha Situação Fiscal Confortável

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Além da forte queda da indústria (-18,5%), ressalta-se o fato de que somente

Leia mais

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti Reunião Mensal Plenária CIESP - Campinas Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil Prof. Dr. Fernando Sarti NEIT-IE IE-UNICAMP fersarti@eco.unicamp. @eco.unicamp.br Campinas, 18 de fevereiro de 2009

Leia mais

As estimativas preliminares da FEE para o ano de 2001 no Estado indicam

As estimativas preliminares da FEE para o ano de 2001 no Estado indicam . AS COI^ÍTAS REGIOXAIS A economia gaúcha em 2001: terceiro ano consecutivo de crescimento* Adalberto A. Mala Neto** As estimativas preliminares da FEE para o ano de 2001 no Estado indicam um crescimento

Leia mais

INDÚSTRIA. Dezembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

INDÚSTRIA. Dezembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA Dezembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DESEMPENHO DA INDÚSTRIA A indústria está com os níveis de estoques mais ajustados e vem apontando melhora do nível de confiança

Leia mais

PIB trimestral tem crescimento em relação ao mesmo período do ano anterior após 3 anos

PIB trimestral tem crescimento em relação ao mesmo período do ano anterior após 3 anos PIB trimestral tem crescimento em relação ao mesmo período do ano anterior após 3 anos No 2º tri./2017, o PIB brasileiro a preços de mercado apresentou crescimento de 0,23% quando comparado ao 2º tri./2016,

Leia mais

ÁFRICA DO SUL. Comércio Exterior

ÁFRICA DO SUL. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ÁFRICA DO SUL Comércio Exterior Fevereiro de 2016 Principais Indicadores

Leia mais

PAINEL DA INDÚSTRIA MINEIRA

PAINEL DA INDÚSTRIA MINEIRA PAINEL DA INDÚSTRIA MINEIRA Fevereiro/2017 Objetivo Prover informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria no Estado de Minas Gerais e nas Regionais FIEMG. Ficha Técnica Elaboração:

Leia mais

PERU. Comércio Exterior

PERU. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PERU Comércio Exterior Março de 2016 Principais indicadores socioeconômicos

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO 2017:

CENÁRIO ECONÔMICO 2017: CENÁRIO ECONÔMICO 2017: Lenta recuperação após um longo período de recessão Dezembro 2016 AVALIAÇÃO CORRENTE DA ATIVIDADE ECONÔMICA A RECUPERAÇÃO DA CONFIANÇA DO EMPRESARIADO E DO CONSUMIDOR MOSTRAM ACOMODAÇÃO

Leia mais

EXPECTATIVA MÉDIA ANUAL DO MERCADO PARA A ECONOMIA BRASILEIRA: PIB, JUROS, CÂMBIO E INFLAÇÃO TAXA DE JUROS SELIC

EXPECTATIVA MÉDIA ANUAL DO MERCADO PARA A ECONOMIA BRASILEIRA: PIB, JUROS, CÂMBIO E INFLAÇÃO TAXA DE JUROS SELIC Indicadores EXPECTATIVA MÉDIA ANUAL DO MERCADO PARA A ECONOMIA BRASILEIRA: PIB, JUROS, CÂMBIO E INFLAÇÃO - 2010-2014 ANO TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB TAXA DE JUROS SELIC TAXA DE CÂMBIO R$/US$ TAXA DE INFLAÇÃO

Leia mais

Balanço Anual 2016 e Perspectivas Coletiva de Imprensa 06/02/2017

Balanço Anual 2016 e Perspectivas Coletiva de Imprensa 06/02/2017 Balanço Anual 2016 e Perspectivas 2017 Coletiva de Imprensa 06/02/2017 O PANO DE FUNDO INTERNACIONAL: PIB TRIMESTRAL Comparativo Internacional (Variação % em volume em relação aos 4 trimestres imediatamente

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente A economia brasileira e o financiamento do investimento 24 de Maio 2012 Luciano Coutinho Presidente 1 Mundo: Incertezas continuam Brasil: Indústria afeta expectativa de crescimento em 2012 Europa: risco

Leia mais

FRANÇA. Comércio Exterior

FRANÇA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC FRANÇA Comércio Exterior Março de 2016 Principais indicadores socioeconômicos

Leia mais

Projeto desenvolvido por:

Projeto desenvolvido por: Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Equipe Técnica Kennya Beatriz Siqueira - Pesquisadora Embrapa Gado de Leite Alziro Vasconcelos Carneiro - Analista Embrapa Gado de

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL Março/2014 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM AGOSTO Exportações As exportações da indústria registraram o nível mais baixo para o mês desde

Leia mais

Minas Gerais. Agosto de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Minas Gerais. Agosto de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Minas Gerais Agosto de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PERFIL DA POPULAÇÃO MINAS GERAIS 21,12 milhões* População 49,2% 50,8% Gênero 35,1 Minas Gerais 2017 2030 Idade média anos

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal dezembro 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JULHO Exportações As exportações da indústria atingiram o nível mais baixo desde 2006 para o

Leia mais

Cenário Econômico para Dezembro / Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Cenário Econômico para Dezembro / Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Cenário Econômico para 2010 Dezembro / 2009 Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 O Crescimento do PIB em 2009 2 PIB no 3º Tri/2009 : Crescimento trimestral de 1,3% O PIB do 3º Tri/09 registrou

Leia mais

ARGENTINA. Comércio Exterior

ARGENTINA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Janeiro de 2016 Principais Indicadores

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro 2012 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM OUTUBRO Exportações A exportação de produtos básicos registrou queda de 87,3% ante outubro

Leia mais

Alagoas. Agosto de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Alagoas. Agosto de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Alagoas Agosto de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PERFIL DA POPULAÇÃO ALAGOAS ALAGOAS 3,38 1,06 milhões* milhão* População Domicílios 47,8% 52,2% Gênero 30,7 35,7 2017 2030 Idade

Leia mais

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Diretoria Adjunta de Análise e Disseminação de Informações Gerência de Indicadores Econômicos Em fevereiro de 2016, no acumulado de 12 meses,

Leia mais

Grupo de Conjuntura Econômica

Grupo de Conjuntura Econômica Grupo de Conjuntura Econômica Grupo de Conjuntura Econômica - Economia Internacional - Nível de Atividade Econômica - Políticas Públicas Economia INTERNACIONAL Luiz Antônio de Lima Jr Indicadores Analisados

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS Dezembro/2011 jan/07 mar/07 mai/07 jul/07 set/07 nov/07 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09

Leia mais

Setembro/16. PIB do 2º Trimestre e conjuntura recente. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Setembro/16. PIB do 2º Trimestre e conjuntura recente. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Setembro/16 PIB do 2º Trimestre e conjuntura recente Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Resultados do PIB no 2º Trimestre de 2016 2 O PIB completa sexto trimestre seguido de queda Fonte:

Leia mais

URUGUAI. Comércio Exterior

URUGUAI. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC URUGUAI Comércio Exterior Janeiro de 2016 Principais indicadores

Leia mais

Marco Abreu dos Santos

Marco Abreu dos Santos Módulo 07 Capítulo 3 A atividade agropecuária e o comércio mundial Marco Abreu dos Santos marcoabreu@live.com www.professormarco.wordpress.com Principais produtos agropecuários O cultivo de cereais era

Leia mais

Agosto / Análise Conjuntural. Assessoria de Assuntos Estratégicos da Presidência

Agosto / Análise Conjuntural. Assessoria de Assuntos Estratégicos da Presidência Agosto / 2012 Análise Conjuntural Assessoria de Assuntos Estratégicos da Presidência 1 Mecanismos de crescimento da economia brasileira após 2003 2 Variação do PIB ((% a.a) China e Índia não acompanham

Leia mais

INDX apresenta queda de 4,07% em junho

INDX apresenta queda de 4,07% em junho 1-jun-11 2-jun-11 3-jun-11 4-jun-11 5-jun-11 6-jun-11 7-jun-11 8-jun-11 9-jun-11 10-jun-11 11-jun-11 12-jun-11 13-jun-11 14-jun-11 15-jun-11 16-jun-11 17-jun-11 18-jun-11 19-jun-11 20-jun-11 21-jun-11

Leia mais

A economia do Rio de Janeiro Estado e Capital

A economia do Rio de Janeiro Estado e Capital A economia do Rio de Janeiro Estado e Capital William Figueiredo Divisão de Estudo Econômicos do Rio de Janeiro (DIERJ) Gerência de Estudos Econômicos (GEE) Rio de Janeiro, 27 de junho de 2017 Estado do

Leia mais

Econômico Contabilidade Nacional

Econômico Contabilidade Nacional Tabela 3.7.1 - Produto Interno Bruto a preço de mercado corrente (milhões de R$), do e Estados da região Norte - 2008-2011 Acre Roraima 3.032.205 3.239.404 3.770.085 4.143.013 154.251 163.207 201.511 230.011

Leia mais

EXPECTATIVA MÉDIA ANUAL DO MERCADO PARA A ECONOMIA BRASILEIRA: PIB, JUROS, CÂMBIO E INFLAÇÃO TAXA DE JUROS SELIC

EXPECTATIVA MÉDIA ANUAL DO MERCADO PARA A ECONOMIA BRASILEIRA: PIB, JUROS, CÂMBIO E INFLAÇÃO TAXA DE JUROS SELIC Indicadores EXPECTATIVA MÉDIA ANUAL DO MERCADO PARA A ECONOMIA BRASILEIRA: PIB, JUROS, CÂMBIO E INFLAÇÃO - 2011-2014 ANO TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB TAXA DE JUROS SELIC TAXA DE CÂMBIO R$/US$ TAXA DE INFLAÇÃO

Leia mais

SENEGAL Comércio Exterior

SENEGAL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC SENEGAL Comércio Exterior Agosto de 2015 Principais Indicadores

Leia mais

Paraíba. Agosto de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Paraíba. Agosto de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Paraíba Agosto de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PERFIL DA POPULAÇÃO PARAÍBA 4,03 milhões* População Paraíba 1,27 milhão* Domicílios Classe B 1% Classe C 44% Classe A 4% Classe

Leia mais

Indicadores IBGE Contas Nacionais Trimestrais

Indicadores IBGE Contas Nacionais Trimestrais Indicadores IBGE Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes Abril / Junho 2017 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Michel Miguel Elias

Leia mais

Boletim da Balança Comercial do RS Dezembro de 2016

Boletim da Balança Comercial do RS Dezembro de 2016 Boletim da Balança Comercial do RS Dezembro de 2016 Tópicos 1. Exportações do Rio Grande do Sul Dezembro Setores de atividade CNAE 2.0 Principais destinos 2. Importações do Rio Grande do Sul Dezembro Setores

Leia mais

! " #$!! %&!

!  #$!! %&! '(! " #$!! %&! ) *+!!, -./( ) Fornecedores Siderurgia Metalurgia Plásticos Tintas Componentes eletrônicos Autopeças Pneus Produtos da cadeia automotiva Automóveis Comerciais leves Caminhões Ônibus Máquinas

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS Junho/2012 Faturamento Bruto mensal R$ milhões constantes (defl. Col. 32/FGV) Jun/12 = R$ 7.158 milhões -0,5% sobre Mai/12 3,8%

Leia mais

Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes

Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes ANEXO ESTATÍSTICO Crescimento anual do VTI e VTI per capita, 2005-2015, (em %, em U$ constante 2010). VTI total VTI per capita

Leia mais

A semente do cooperativismo no desenvolvimento competitivo do Estado do Paraná

A semente do cooperativismo no desenvolvimento competitivo do Estado do Paraná Fórum de Competitividade da Câmara Americana de Comércio - AMCHAM Curitiba 27/setembro/2017 Curitiba/PR A semente do cooperativismo no desenvolvimento competitivo do Estado do Paraná Eng. Agr. J O S É

Leia mais

Março/2016. Novas Projeções para Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Março/2016. Novas Projeções para Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Março/2016 Novas Projeções para 2016 Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Atividade econômica nos últimos meses e resultado do PIB no quarto trimestre e em 2015 2 A sequencia de resultados

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas Evolução 2007-2013 Actualizado em Março 2013 Unid. Fonte 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Notas População a Milhares Hab. INE 10.604 10.623 10.638 10.636 10.647 10.600 População tvh % INE 0,2 0,2 0,1

Leia mais

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Jequitinhonha

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Jequitinhonha PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG Vale do Jequitinhonha Julho/2016 Objetivo Prover informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria no Estado de Minas Gerais e nas

Leia mais

1. Economia. Evolução do PIB Trimestral Variação (%) acumulada ao longo do ano, mesmo período do ano anterior

1. Economia. Evolução do PIB Trimestral Variação (%) acumulada ao longo do ano, mesmo período do ano anterior Novembro/2017 1 1. Economia Evolução do PIB Trimestral Variação (%) acumulada ao longo do ano, mesmo período do ano anterior Evolução do PIB Trimestral Variação (%) trimestre contra o trimestre imediatamente

Leia mais