COSMÉTICA AEP / DEPARTAMENTO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COSMÉTICA AEP / DEPARTAMENTO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO"

Transcrição

1 COSMÉTICA AEP / DEPARTAMENTO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO MARÇO DE 2003

2 Índice Panorama Nacional... 3 Panorama comunitário... 7 Anexo Estatístico

3 Panorama Nacional O fabrico de produtos cosméticos insere-se na CAE 245 Fabricação de sabões e detergentes, produtos de limpeza e de polimento, perfumes e produtos de higiene, que, de acordo com dados de 2000, engloba 196 empresas e 2746 postos de trabalho. Em média, cada empresa emprega 14 trabalhadores. O volume de negócios totalizou, naquele ano, 354,8 milhões de euros e o VAB atingiu 85,7 milhões de euros. Todos estes indicadores têm vindo a registar quebras ao longo dos últimos anos. CAE Taxas de crescimento 0,0% -5,0% ,0% -15,0% -20,0% -25,0% Ano Empresas V. Negócios VABpm Contrariamente, a produtividade tem apresentado sucessivos acréscimos, ainda que se tenham observado abrandamentos em 1998 e 2000, situando-se, neste último ano, em 31,2 mil euros (mais 1,3 por cento que em 1999). 3

4 20,0% 15,0% CAE Taxas de crescimento 15,4% 10,0% 5,0% 6,9% 7,0% 0,0% -5,0% 1,1% 0,5% 1,3% -0,6% ,8% Produtividade Ano Custos Médios Relativamente aos custos médios com o pessoal, verificou-se um aumento significativo em 1998 (de 15,4 por cento), passando-se para uma quebra no ano seguinte, tendo em 2000 apresentado um ligeiro acréscimo (de 0,5 por cento). Tanto a produtividade como os custos médios com o pessoal encontram-se a níveis superiores aos da média da indústria transformador (I.T.). Os restantes indicadores não se revestem de especial importância no cômputo da I.T. (0,3 por cento nos casos do nº de empresas e do pessoal ao serviço e 0,5 por cento no volume de negócios e no VAB). CAE Peso na Indústria Transformadora em ,6% 0,5% 0,5% 0,5% 0,4% 0,3% 0,2% 0,3% 0,3% Empresas 0,1% 0,0% 1 V. Negócios VABpm 4

5 As trocas comerciais do capítulo 33 da NC (Óleos essenciais e resinóides; produtos de perfumaria ou toucador preparados e preparações cosméticas) não têm sido favoráveis para Portugal, registando-se défices sistemáticos e que se têm vindo a agravar, tendo as importações excedido as importações em 296,6 milhões de euros, em A este saldo negativo correspondeu uma taxa de cobertura de apenas 11,1 por cento. De Janeiro a Novembro de 2002, o défice comercial foi de 275,5 milhões de euros, tendo a taxa de cobertura atingido 16,7 por cento. Evolução do comércio externo da NC 33 Milhares euros Jan-Nov ,0% 18,0% 16,0% 14,0% 12,0% 10,0% 8,0% 6,0% 4,0% 2,0% 0,0% Exportações Importações Tx. Cobertura Trata-se de produtos pouco relevantes no cômputo do comércio externo do nosso país, representando as vendas ao exterior somente 0,1 por cento das exportações portuguesas e as compras ao exterior apenas 0,8 por cento das importações portuguesas (dados de 2001). O ranking de países clientes de Portugal é liderado pela Espanha e pelo Reino Unido, responsáveis, em 2001, por 24,9 e 24,1 por cento, respectivamente, das exportações portuguesas destes produtos (de referir que em 2000 Espanha foi destino de 43,6 por 5

6 cento das nossas vendas). Os EUA, a Bélgica e a França ocupam também lugares de destaque. Quanto aos principais países fornecedores, o 1º lugar cabe à França, origem de 30,8 por cento das importações portuguesas, seguindo-se a Espanha, com uma quota de 21,6 por cento. Os lugares seguintes pertencem à Alemanha, Irlanda e Reino Unido. 6

7 Panorama comunitário A produção de sabões e detergentes, produtos de limpeza e de polimento, perfumes e produtos de higiene atinge cerca de 47 mil milhões de euros. É responsável por um valor acrescentado de aproximadamente 13,5 mil milhões de euros e por 233,5 mil postos de trabalho. Os maiores produtores são a Alemanha, Itália e o Reino Unido, com produções de 12,2 mil milhões de euros, 11,9 mil milhões de euros e 8,2 mil milhões de euros, respectivamente, sendo também estes os países com maior valor acrescentado e com maior volume de emprego. Por seu turno, a Finlândia, a Suécia e a Dinamarca são os países em que estes três indicadores assumem valores mais baixos. O saldo comercial tem sido sistematicamente positivo e crescente até 1997, ano em que atingiu 6,1 mil milhões de euros, baixando para 5,8 mil milhões de euros em 1998, ano em que a taxa de cobertura se situou em 397,6 por cento (o valor mais baixo dos últimos anos). Apesar da situação excedentária da UE, em muitos países os saldos são negativos (Dinamarca, Grécia, Países Baixos, Áustria, Portugal, Finlândia e Suécia). As trocas comerciais são mais favoráveis na França (4,2 mil milhões de euros), na Alemanha (1,6 mil milhões de euros) e no Reino Unido (mil milhões de euros). A Bélgica, a Itália e a França são os países em que a produtividade é maior (85,3 mil euros, 73,1 mil euros e 70,6 mil euros, respectivamente), em contraponto com a Finlândia, Grécia e Espanha, onde este indicador atinge os valores mais baixos. Os países com custos médios com pessoal maiores são a Alemanha (44 mil euros), Bélgica (43,9 mil euros) e a França (43,1 mil euros), sendo a Grécia, Espanha e Irlanda os países em que os valores são mais reduzidos. 7

8 Anexo Estatístico CAE Fabricação de sabões e detergentes, produtos de limpeza e de polimento, perfumes e produtos de higiene Ano Empresas / Empresas Custos Volume Negócios VABpm Produtividade Custos Médios milhões euros mil euros ,7 557,3 126,0 26,6 17, ,7 526,0 115,8 28,5 16, ,7 453,7 102,9 28,8 18, ,2 393,0 88,7 30,8 18, ,9 354,8 85,7 31,2 18,9 Fonte: INE Estatísticas das Empresas CAE Fabricação de sabões e detergentes, produtos de limpeza e de polimento, perfumes e produtos de higiene Peso na Indústria Transformadora Ano Empresas V. Negócios VABpm Produtividade Custos Médios ,3% 0,5% 0,9% 0,7% 156,0% 188,3% ,3% 0,4% 0,8% 0,6% 154,8% 174,2% ,3% 0,4% 0,7% 0,6% 152,2% 187,3% ,3% 0,3% 0,6% 0,5% 173,5% 178,7% ,3% 0,3% 0,5% 0,5% 161,7% 167,3% Fonte: Cálculos com base no INE CAE Fabricação de sabões e detergentes, produtos de limpeza e de polimento, perfumes e produtos de higiene Taxas de crescimento Custos Médios Ano Empresas V. Negócios VABpm Produtividade ,7% -14,1% -5,6% -8,2% 6,9% -3,8% ,4% -12,0% -13,8% -11,1% 1,1% 15,4% ,9% -19,5% -13,4% -13,8% 7,0% -0,6% ,2% -4,7% -9,7% -3,4% 1,3% 0,5% Fonte: Cálculos com base no INE 8

9 Evolução do comércio externo de NC 33 Óleos essenciais e resinóides; produtos de perfumaria ou de toucador preparados e preparações cosméticas Ano Exportações Importações Saldo Tx. Cob. Euros T.V.H. % nas export. nacionais Euros T.V.H. % nas import. nacionais Euros ,2% ,8% ,6% ,7% 0,1% ,0% 0,7% ,8% ,1% 0,2% ,7% 0,8% ,6% ,5% 0,2% ,9% 0,7% ,1% ,0% 0,1% ,2% 0,8% ,1% Jan-Nov ,2% ,9% ,7% Unidade: Euros; T.V.H. Taxa de variação homóloga Fonte: Cálculos com base no INE Principais países clientes de NC 33 Exportações Países Euros % no total Ranking Euros % no total Ranking Espanha ,98 1º ,62 1º R. Unido ,11 2º ,54 2º EUA ,81 3º ,45 4º Bélgica ,21 4º ,24 3º França ,4 5º ,91 5º Fonte: INE Principais países fornecedores de NC 33 Importações Países Euros % no total Ranking Euros % no total Ranking França ,88 1º ,51 1º Espanha ,6 2º ,48 2º Alemanha ,03 3º ,6 4º Irlanda ,33 4º ,21 6º R. Unido ,89 5º ,84 3º Fonte: INE Produção de sabões e detergentes, produtos de limpeza e de polimento, perfumes e produtos de higiene na UE Produção (10 6 euros) V. Acres. (10 6 euros) ao serviço (milhares) 238,5 245,1 247,4 245,3 238,4 232,1 223,9 233,5 Fonte: Eurostat - Panorama da Indústria Comunitária 9

10 Produção de sabões e detergentes, produtos de limpeza e de polimento, perfumes e produtos de higiene na UE (1998) Bl Din Ale Gre Esp Fr Irl Itl P.Bx. Aus Por Fin Sue RU Produção (10 6 euros) V. Acres. (10 6 euros) serviço Fonte: Eurostat - Panorama da Indústria Comunitária Produção de sabões e detergentes, produtos de limpeza e de polimento, perfumes e produtos de higiene na UE Expor. (10 6 euros) Impor. (10 6 euros) B. Com. (10 6 euros) Tx. Cob. (%) 461,5 484,8 481,3 435,1 421,3 426,4 423,4 410,6 439,2 452,4 397,6 Fonte: Eurostat - Panorama da Indústria Comunitária Produção de sabões e detergentes, produtos de limpeza e de polimento, perfumes e produtos de higiene na UE (1998) Bl/ Din Ale Gre Esp Fr Irl Itl P.Bx. Aus Por Fin Sue RU Lux B. Com (10 6 euros) Tx. Cob ,2 170,0 32,4 124,7 327,1 125,9 131,3 82,9 38,1 19,9 42,7 56,3 148 (%) Fonte: Eurostat - Panorama da Indústria Comunitária Produção de sabões e detergentes, produtos de limpeza e de polimento, perfumes e produtos de higiene na UE (1998; 10 6 euros) UE15 Bl Din Ale Gre Esp Fr Irl Itl P.Bx. Aus Fin Sue RU C. Md. 38,3 43,9 36,4 44,0 22,3 26,4 43,1 23,6 35,2 40,5 29,1 38,2 24,4 Produtividade 58,2 85,3 58,2 62,9 41,2 42,0 70,6 69,8 73,1 44,4 55,3 38,5 60,1 56,0 Fonte: Eurostat - Panorama da Indústria Comunitária 10

MÁQUINAS PARA TRABALHAR CERÂMICA, ROCHAS E PEDRA

MÁQUINAS PARA TRABALHAR CERÂMICA, ROCHAS E PEDRA MÁQUINAS PARA TRABALHAR CERÂMICA, ROCHAS E PEDRA AEP / DEPARTAMENTO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO MARÇO DE 2003 Índice Panorama Nacional... 3 Panorama Comunitário... 8 Anexo Estatístico... 9 2 Panorama

Leia mais

INDÚSTRIA DO MOBILIÁRIO

INDÚSTRIA DO MOBILIÁRIO INDÚSTRIA DO MOBILIÁRIO AEP / GABINETE DE ESTUDOS JANEIRO DE 2005 Indústria do Mobiliário A indústria do mobiliário (CAE 361 fabricação de mobiliário e de colchões) reunia, em 2002, 6933 empresas, responsáveis

Leia mais

EXPOCOSMÉTICA AEP / GABINETE DE ESTUDOS

EXPOCOSMÉTICA AEP / GABINETE DE ESTUDOS EXPOCOSMÉTICA AEP / GABINETE DE ESTUDOS JANEIRO DE 2010 Fabricação de Perfumes, Cosméticos e de Produtos de Higiene (CAE 2452) Índice 1. Variáveis das Empresas (CAE 2452)... 3 2. Comércio Inter... 6 2.1

Leia mais

SECTOR AGRO-ALIMENTAR

SECTOR AGRO-ALIMENTAR SECTOR AGRO-ALIMENTAR AEP / Gabinete de Estudos Março de 2007 A indústria alimentar e das bebidas ( 15 1 ) é um sector com forte expressividade na economia nacional, o que não é de estranhar dada a sua

Leia mais

DECORAÇÃO E AFINS (INDÚSTRIA)

DECORAÇÃO E AFINS (INDÚSTRIA) DECORAÇÃO E AFINS (INDÚSTRIA) AEP / GABINETE DE ESTUDOS FEVEREIRO DE 2004 Panorama Nacional CAE 262 Fabricação de produtos cerâmicos não refractários (excepto os destinados à construção) e refractários

Leia mais

OURIVESARIA RELOJOARIA

OURIVESARIA RELOJOARIA OURIVESARIA RELOJOARIA AEP / GABINETE DE ESTUDOS JULHO DE 2005 CAE 362 Fabricação de joalharia, ourivesaria e artigos similares O tecido empresarial da CAE 362 é caracterizado pelo predomínio de unidades

Leia mais

SERVIÇOS E EQUIPAMENTO DE ESCRITÓRIO RELATÓRIO DE CONJUNTURA

SERVIÇOS E EQUIPAMENTO DE ESCRITÓRIO RELATÓRIO DE CONJUNTURA SERVIÇOS E EQUIPAMENTO DE ESCRITÓRIO RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Novembro de 2006 O sector da fabricação de máquinas de escritório e de equipamento para o tratamento automático de

Leia mais

FIMAP AEP / GABINETE DE ESTUDOS

FIMAP AEP / GABINETE DE ESTUDOS FIMAP AEP / GABINETE DE ESTUDOS MARÇO DE 2010 1. Variáveis das empresas A fabricação de máquinas para trabalhar madeira insere-se na CAE 294 Fabricação de máquinas ferramentas, que, por sua vez, está contemplada

Leia mais

EXPOCOSMÉTICA AEP / GABINETE DE ESTUDOS

EXPOCOSMÉTICA AEP / GABINETE DE ESTUDOS EXPOCOSMÉTICA AEP / GABINETE DE ESTUDOS FEVEREIRO DE 2009 1. Indústria da cosmética: situação a nível mundial e tendências Segundo um relatório sobre o sector da cosmética a nível mundial, publicado, em

Leia mais

EXPOCOSMÉTICA AEP / GABINETE DE ESTUDOS

EXPOCOSMÉTICA AEP / GABINETE DE ESTUDOS EXPOCOSMÉTICA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Fevereiro de 2009 1. Indústria da cosmética: situação a nível mundial e tendências Segundo um relatório sobre o sector da cosmética a nível mundial, publicado, em

Leia mais

PORTOJÓIA AEP / Gabinete de Estudos

PORTOJÓIA AEP / Gabinete de Estudos PORTOJÓIA 2008 AEP / Gabinete de Estudos Maio de 2008 Índice 1. Variáveis e Indicadores das Empresas... 3 2. Alguma informação sobre o mercado do ouro... 4 3. Comércio Externo... 6 Anexo Estatístico...

Leia mais

OURIVESARIA RELOJOARIA

OURIVESARIA RELOJOARIA OURIVESARIA RELOJOARIA AEP / GABINETE DE ESTUDOS MARÇO DE 2004 Panorama Nacional CAE 362 Fabricação de joalharia, ourivesaria e artigos similares A fabricação de joalharia, ourivesaria e artigos similares

Leia mais

FABRICAÇÃO DE MOBILIÁRIO

FABRICAÇÃO DE MOBILIÁRIO FABRICAÇÃO DE MOBILIÁRIO AEP / GABINETE DE ESTUDOS JANEIRO DE 2004 1. Panorama Mundial O sector do mobiliário tem registado uma evolução bastante positiva, designadamente ao nível do processo produtivo,

Leia mais

EXPORTHOME AEP / GABINETE DE INFORMAÇÃO ECONÓMICA

EXPORTHOME AEP / GABINETE DE INFORMAÇÃO ECONÓMICA EXPORTHOME AEP / GABINETE DE INFORMAÇÃO ECONÓMICA JANEIRO DE 2012 1 Índice 1. Variáveis das empresas... 3 2. Comércio internacional de outros móveis e suas partes (NC 9403)... 11 2.1 Evolução das saídas

Leia mais

AGRICULTURA, PECUÁRIA E INDÚSTRIA TRANSFORMADORA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

AGRICULTURA, PECUÁRIA E INDÚSTRIA TRANSFORMADORA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AGRICULTURA, PECUÁRIA E INDÚSTRIA TRANSFORMADORA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2006 1. Sectores a montante da indústria agroalimentar Os sectores a montante da indústria agroalimentar

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas Evolução 2007-2013 Actualizado em Março 2013 Unid. Fonte 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Notas População a Milhares Hab. INE 10.604 10.623 10.638 10.636 10.647 10.600 População tvh % INE 0,2 0,2 0,1

Leia mais

Comércio Internacional Português de Vinhos (2009 a 2013 e jan-nov )

Comércio Internacional Português de Vinhos (2009 a 2013 e jan-nov ) Em Análise Walter Anatole Marques 1 Comércio Internacional Português de Vinhos (2009 a 2013 e jan-nov 2013-2014) 1 Nota Introdutória Ao longo dos últimos cinco anos e onze primeiros meses de 2014 as exportações

Leia mais

EXPORTHOME AEP / GABINETE DE ESTUDOS

EXPORTHOME AEP / GABINETE DE ESTUDOS EXPORTHOME AEP / GABINETE DE ESTUDOS JANEIRO DE 2010 FABRICAÇÃO DE MOBILIÁRIO Índice 1. Variáveis e Indicadores das Empresas (CAE 361)... 3 2. Comércio internacional de outros móveis e suas partes (NC

Leia mais

CERÂMICA E VIDRO AEP / GABINETE DE ESTUDOS

CERÂMICA E VIDRO AEP / GABINETE DE ESTUDOS CERÂMICA E VIDRO AEP / GABINETE DE ESTUDOS JULHO DE 2005 CAE 261 Fabricação de vidro e artigos de vidro A CAE 261 agregava, em 2002, 426 empresas, empregando cada uma, em média, 20 trabalhadores. Naquele

Leia mais

"Exportações" Subsecção da CAE. "Fabric. de Prod. Químicos e Fibras Sintéticas/Artificiais"

Exportações Subsecção da CAE. Fabric. de Prod. Químicos e Fibras Sintéticas/Artificiais "Exportações" Subsecção da CAE "Fabric. de Prod. Químicos e Fibras Sintéticas/Artificiais" 04-08-2009 "Exportações" [1] portuguesas por Subsecções da CAE "Fabric. de Prod. Químicos e Fibras Sintéticas/Artificiais"

Leia mais

FABRICO DE VINHO AEP / GABINETE DE ESTUDOS

FABRICO DE VINHO AEP / GABINETE DE ESTUDOS FABRICO DE VINHO AEP / GABINETE DE ESTUDOS JANEIRO DE 2004 Fabrico de vinho Portugal dispõe de condições edafo-climáticas que lhe permitem ser, por excelência, um produtor de vinhos com características

Leia mais

AGRICULTURA, PECUÁRIA E INDÚSTRIA TRANSFORMADORA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

AGRICULTURA, PECUÁRIA E INDÚSTRIA TRANSFORMADORA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AGRICULTURA, PECUÁRIA E INDÚSTRIA TRANSFORMADORA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho 2007 1 1. Sectores a montante da indústria agroalimentar De acordo com as Contas Económicas da Agricultura

Leia mais

As exportações e importações aumentaram 7,6% e 8,4%, respetivamente, em termos nominais

As exportações e importações aumentaram 7,6% e 8,4%, respetivamente, em termos nominais Estatísticas do Comércio Internacional Novembro 09 de janeiro de 2017 As exportações e importações aumentaram 7,6% e 8,4%, respetivamente, em termos nominais Em novembro de, as exportações e as importações

Leia mais

BPstat mobile inovação na difusão das estatísticas do Banco de Portugal

BPstat mobile inovação na difusão das estatísticas do Banco de Portugal BPstat mobile inovação na difusão das estatísticas do Banco de Portugal João Cadete de Matos Diretor do Departamento de Estatística 24 novembro 2015 Lisboa BPstat mobile Evolução da difusão estatística

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010 Evolução 2004-2010 Actualizado em Dezembro de 2010 Unid. Fonte 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Notas 2010 População a Milhares Hab. INE 10.509 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.638 3º Trimestre

Leia mais

OBSERVATÓRIO. Exportações e Investimento Externo. Novembro 2016

OBSERVATÓRIO. Exportações e Investimento Externo. Novembro 2016 OBSERVATÓRIO Exportações e Investimento Externo Novembro O presente documento constitui uma análise do desempenho recente das relações económicas de Portugal com o estrangeiro, ao nível das exportações

Leia mais

ROCHAS ORNAMENTAIS AEP / DEPARTAMENTO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO

ROCHAS ORNAMENTAIS AEP / DEPARTAMENTO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO ROCHAS ORNAMENTAIS AEP / DEPARTAMENTO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO MARÇO DE 2003 Índice Panorama Nacional... 3 Panorama Comunitário... 10 Anexo Estatístico... 12 2 Panorama Nacional O sector das rochas

Leia mais

"Exportações" Subsecção da CAE. "Indústria da Pasta de Papel, Papel e Cartão"

Exportações Subsecção da CAE. Indústria da Pasta de Papel, Papel e Cartão "Exportações" Subsecção da CAE "Indústria da Pasta de Papel, Papel e Cartão" 30-05-2008 "Exportações" [1] portuguesas por Subsecções da CAE "Indústria da Pasta de Papel, Papel e Cartão" Quota de Portugal

Leia mais

CONSTRUÇÃO RELATÓRIO DE CONJUNTURA

CONSTRUÇÃO RELATÓRIO DE CONJUNTURA CONSTRUÇÃO RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Abril de 2006 Construção civil e obras públicas Após vários anos de acentuado dinamismo, o sector da construção civil e obras públicas tem registado

Leia mais

Figura 1. Exportações [1] de veículos automóveis, tractores, ciclos, suas partes e acessórios e evolução do seu peso nas exportações totais

Figura 1. Exportações [1] de veículos automóveis, tractores, ciclos, suas partes e acessórios e evolução do seu peso nas exportações totais Em Análise Evolução das exportações 1 portuguesas de veículos automóveis e suas partes e acessórios Walter Anatole Marques 2 O sector automóvel ocupa uma posição de destaque no comércio internacional português

Leia mais

"Exportações" Subsecção da CAE. "Fabricação de Artigos de Borracha e Plástico"

Exportações Subsecção da CAE. Fabricação de Artigos de Borracha e Plástico "Exportações" Subsecção da CAE "Fabricação de Artigos de Borracha e Plástico" 30-05-2008 "Exportações" [1] portuguesas por Subsecções da CAE "Fabricação de Artigos de Borracha e Plástico" Quota de Portugal

Leia mais

SECTOR DOS TÊXTEIS E VESTUÁRIO 1 Parte II Evolução do comércio internacional de Vestuário

SECTOR DOS TÊXTEIS E VESTUÁRIO 1 Parte II Evolução do comércio internacional de Vestuário SECTOR DOS TÊXTEIS E VESTUÁRIO 1 Parte II Evolução do comércio internacional de 4. Subsector do 4.1 Balança Comercial do A Balança Comercial do é tradicionalmente favorável a Portugal. Após um vigoroso

Leia mais

PORTUGAL UMA NOVA CENTRALIDADE LOGÍSTICA. Dia Regional Norte do Engenheiro 2012

PORTUGAL UMA NOVA CENTRALIDADE LOGÍSTICA. Dia Regional Norte do Engenheiro 2012 Dia Regional Norte do Engenheiro 2012 Bragança, 29 de setembro de 2012 José António de Barros Presidente de AEP 1 Gráfico I 2 Tabela I 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Exportações Globais (Bens e Serviços),

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 6 Junho 2010 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

Índice: Gráfico 1 Gráficos 2 e 3 Gráfico 4 Gráfico 5 Gráficos 6 e 7 Gráficos 8 e 9 Gráficos 10 e 11 Metodologia

Índice: Gráfico 1 Gráficos 2 e 3 Gráfico 4 Gráfico 5 Gráficos 6 e 7 Gráficos 8 e 9 Gráficos 10 e 11 Metodologia Índice: Gráfico 1 - Despesa em I&D em percentagem do PIB - total nacional (todos os setores de execução)... 1 Gráficos 2 e 3 - Despesa em I&D em percentagem do PIB, por setores de execução... 2 Gráfico

Leia mais

E M A F 2012 AEP / GABINETE DE INFORMAÇÃO ECONÓMICA JULHO DE 2012 ÍNDICE

E M A F 2012 AEP / GABINETE DE INFORMAÇÃO ECONÓMICA JULHO DE 2012 ÍNDICE E M A F 2012 AEP / GABINETE DE INFORMAÇÃO ECONÓMICA JULHO DE 2012 ÍNDICE 1 1. Fabricação de Máquinas-Ferramentas, exceto portáteis (CAE 284)): variáveis das empresas... 2 2. Comércio Inter dos produtos

Leia mais

Comércio Internacional Português

Comércio Internacional Português Comércio Internacional Português Exportações Portuguesas de Bens - eiro a embro (resultados preliminares) Informação Portugal, 7 de eiro de 2011 Comércio Internacional Português em 2010 (eiro a embro)

Leia mais

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS DADOS ESTATÍSTICOS A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas I. DADOS NACIONAIS 1. POPULAÇÃO 1.1 População Residente por Sexo e Grupo Etário: Censos 1 1.2 População Residente - Estimativas 1 2.

Leia mais

PORTUGAL: COMÉRCIO INTERNACIONAL DE CONSERVAS DE FRUTOS E DE PRODUTOS HORTÍCOLAS

PORTUGAL: COMÉRCIO INTERNACIONAL DE CONSERVAS DE FRUTOS E DE PRODUTOS HORTÍCOLAS Balança Comercial de Conservas de Frutos e de Produtos Hortícolas (NC 20) (Milhares de Euros) Saídas 171.860 219.416 253.244 316.567 294.753 15,3-6,9 Entradas 186.911 215.700 237.052 246.592 256.774 8,4

Leia mais

DÉFICE DA BALANÇA COMERCIAL CONTINUA A DIMINUIR

DÉFICE DA BALANÇA COMERCIAL CONTINUA A DIMINUIR 09 de Maio de 2003 Estatísticas do Comércio Internacional Janeiro a Fevereiro de 2003 DÉFICE DA BALANÇA COMERCIAL CONTINUA A DIMINUIR O défice da balança comercial registou, nos dois primeiros meses de

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO AEP / DEPARTAMENTO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO AEP / DEPARTAMENTO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO AEP / DEPARTAMENTO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO ABRIL DE 2003 Índice Panorama Nacional... 3 Construção... 3 Materiais de Construção... 6 Panorama Europeu... 11 Anexo Estatístico...

Leia mais

Portugal e o Comércio Internacional com Marrocos

Portugal e o Comércio Internacional com Marrocos Em Análise Portugal e o Comércio Internacional com Marrocos Walter Anatole Marques 1 Introdução As exportações portuguesas, muito concentradas no espaço comunitário, têm sido objeto nos últimos anos de

Leia mais

Cork Information Bureau Pág. 1 CORTIÇA EM NÚMEROS. Cork Information Bureau 2015 CORTIÇA EM NÚMEROS. apcor.pt

Cork Information Bureau Pág. 1 CORTIÇA EM NÚMEROS. Cork Information Bureau 2015 CORTIÇA EM NÚMEROS. apcor.pt Pág. 1 Cork Information Bureau 2015 Cork Information Bureau 2015 CORTIÇA EM NÚMEROS apcor.pt Cork Information Bureau 2015 Pág. 2 Índice MONTADO... 3 ÁREA DE MONTADO... 3 PRODUÇÃO DA CORTIÇA... 4 INDÚSTRIA...

Leia mais

Comércio Internacional de bens: as exportações aumentaram 5,8% e as importações 4,8%

Comércio Internacional de bens: as exportações aumentaram 5,8% e as importações 4,8% Estatísticas do Comércio Internacional Janeiro 2014 12 de março de 2014 Comércio Internacional de bens: as exportações aumentaram 5,8% e as importações 4,8% As exportações de bens aumentaram 5,8% e as

Leia mais

"Exportações" Subsecção da CAE. "Fabricação de Máquinas e Equipamentos n.e."

Exportações Subsecção da CAE. Fabricação de Máquinas e Equipamentos n.e. "Exportações" Subsecção da CAE "Fabricação de Máquinas e Equipamentos n.e." 30-05-2008 "Exportações" [1] portuguesas por Subsecções da CAE "Fabricação de Máquinas e Equipamentos n.e." Quota de Portugal

Leia mais

Comércio Internacional Português

Comércio Internacional Português Evolução das Exportações Portuguesas de Bens eiro a o de 2012 Comércio Internacional Português Exportações Portuguesas de Bens eiro a o de 2012 Informação Portugal, 10 de ho de 2012 Evolução das Exportações

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL DE BENS RESULTADOS PROVISÓRIOS 1 ANO 2014

COMÉRCIO INTERNACIONAL DE BENS RESULTADOS PROVISÓRIOS 1 ANO 2014 30 de outubro de 2015 COMÉRCIO INTERNACIONAL DE BENS RESULTADOS PROVISÓRIOS 1 ANO 2014 De acordo com os dados provisórios de 2014 relativos ao Comércio Internacional de bens, aquele ano fica assinalado

Leia mais

Situação Actual da Indústria Portuguesa de Moldes

Situação Actual da Indústria Portuguesa de Moldes Situação Actual da Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa,

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal outubro 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal maio 2017 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal maio 2017 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Janeiro Dezembro 2015 Recuperação do peso do mercado intracomunitário 1. Análise global - Setor Elétrico e Eletrónico O período de Janeiro-Dezembro

Leia mais

A importância económica do sector do azeite

A importância económica do sector do azeite Seminário O SECTOR DO AZEITE EM PORTUGAL Crescimento e competitividade A importância económica do sector do azeite Francisco Avillez Prof. Emérito do ISA, UL e Coordenador científico da AGRO.GES Março

Leia mais

O contexto macroeconómico e a economia do mar

O contexto macroeconómico e a economia do mar O contexto macroeconómico e a economia do mar João Cadete de Matos Diretor Departamento de Estatística 3 abril 2014 MAREECOFIN PwC Economia e Finanças do Mar Reunião de Primavera Iniciativas de difusão

Leia mais

Portugal - Balança de Bens e Serviços

Portugal - Balança de Bens e Serviços Portugal - Balança de Bens e Serviços As trocas comerciais no semestre terminado em Fevereiro Neste tema analisamos a evolução da balança de bens e serviços tendo por base o acumulado das trocas comerciais

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 1ž 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 08/03 Economia 09/03 Comércio Internacional 14/03 Emprego 14/03 Inflação 15/03 Economia 15/03 Economia BCE divulgou projecções macroeconómicas para a Área Euro http://www.bportugal.pt/euro/emudocs/bce/march2007staffprojection_e.pdf

Leia mais

Fundamentação Económica da Proposta Sindical

Fundamentação Económica da Proposta Sindical Fundamentação Económica da Proposta Sindical CALÇADO CCT 2008 GABINETE DE ESTUDOS DA FESETE Enquadramento macroeconómico De acordo com a informação do Banco de Portugal 1 e com a estimativa rápida das

Leia mais

Newsletter Informação Semanal a

Newsletter Informação Semanal a EUR / Kg Peso Vivo CONJUNTURA SEMANAL - AVES Newsletter Informação Semanal 10-04 a 16-04- As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal Na semana

Leia mais

Comércio Internacional de bens: as exportações diminuíram 0,8% e as importações 0,1%

Comércio Internacional de bens: as exportações diminuíram 0,8% e as importações 0,1% Estatísticas do Comércio Internacional Abril 2014 09 de junho de 2014 Comércio Internacional de bens: as exportações diminuíram 0,8% e as importações 0,1% As exportações de bens diminuíram 0,8% e as importações

Leia mais

EVOLUÇÃO DA BALANÇA COMERCIAL DO SECTOR DA CARNE DE BOVINO

EVOLUÇÃO DA BALANÇA COMERCIAL DO SECTOR DA CARNE DE BOVINO EVOLUÇÃO DA BALANÇA COMERCIAL DO SECTOR DA CARNE DE BOVINO Observatório dos Mercados Agrícolas e das Importações Agro-Alimentares EVOLUÇÃO DA BALANÇA COMERCIAL DO SECTOR DA CARNE DE BOVINO O sector da

Leia mais

INE divulgou estatísticas da Actividade Turística Abril 2007

INE divulgou estatísticas da Actividade Turística Abril 2007 Data Tema Acontecimento 12/06 Turismo 14/06 Ciência & Tecnologia 14/06 Economia 18/06 Preços 21/06 Economia 21/06 Economia INE divulgou estatísticas da Actividade Turística Abril 2007 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2007/d070612-3/d070612-3.pdf

Leia mais

EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS NOS SECTORES DA CARNE DE AVES E OVOS

EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS NOS SECTORES DA CARNE DE AVES E OVOS EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS NOS SECTORES DA CARNE DE AVES E OVOS A produção de aves de capoeira tem registado, ao longo dos anos, um crescimento sustentado, quer em volume, quer em valor. Apenas

Leia mais

Filiais de Empresas Estrangeiras em Portugal

Filiais de Empresas Estrangeiras em Portugal Estatísticas das Filiais de Estrangeiras 2011 27 de setembro de 2013 Filiais de Estrangeiras em Portugal Em 2011 existiam 5 289 filiais de empresas estrangeiras em Portugal, representando 1,5% do total

Leia mais

CAE 16 - INDÚSTRIA DO TABACO ESTATÍSTICA DAS EMPRESAS

CAE 16 - INDÚSTRIA DO TABACO ESTATÍSTICA DAS EMPRESAS CAE Rev. 2.1 CAE 16 - INDÚSTRIA DO TABACO ESTATÍSTICA DAS EMPRESAS Totais Nacionais % no total da Indústria Transformadora 2000 2001 2002 2003 2004* 2005* 2006* 2007* 2008 2000 2001 2002 2003 2004* 2005*

Leia mais

As exportações e importações diminuíram 3,5% e 1,7%, respetivamente, em termos nominais

As exportações e importações diminuíram 3,5% e 1,7%, respetivamente, em termos nominais Estatísticas do Comércio Internacional Outubro 9 de dezembro de As exportações e importações diminuíram 3,5% e 1,7%, respetivamente, em termos nominais Em outubro de, as exportações e as importações de

Leia mais

Peso da construão no PIB aproximadamente entre 5 e 7%. ( em 2000 o volume de negcios da construão foi 8,2% do Vol. Total das empresas nacionais)

Peso da construão no PIB aproximadamente entre 5 e 7%. ( em 2000 o volume de negcios da construão foi 8,2% do Vol. Total das empresas nacionais) # Peso da construão no PIB aproximadamente entre 5 e 7%. ( em 2000 o volume de negcios da construão foi 8,2% do Vol. Total das empresas nacionais) Ano Escudos Contos Euros 1990 1,003583E+12 1,003583E+09

Leia mais

Impostos com relevância ambiental em 2014 representaram 6,5% do total das receitas de impostos e contribuições sociais

Impostos com relevância ambiental em 2014 representaram 6,5% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Impostos e taxas com relevância ambiental 2014 02 de outubro de 2015 Impostos com relevância ambiental em 2014 representaram 6,5% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Em 2014, o valor

Leia mais

Turismo no Espaço Rural. Análise Acumulada. Janeiro a Setembro 2015

Turismo no Espaço Rural. Análise Acumulada. Janeiro a Setembro 2015 Turismo no Espaço Rural Análise Acumulada Janeiro a Setembro 2015 Condições de Utilização Este documento é da exclusiva propriedade do Observatório do Turismo dos Açores Região Autónoma dos Açores. Nenhuma

Leia mais

Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil,

Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil, «Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil, Departamento de Estatísticas Demográficas e Sociais Serviço de Estatísticas Demográficas 07/10/2016

Leia mais

nº 4 Dezembro 2009 A VINHA E O VINHO CONJUNTURA MUNDIAL

nº 4 Dezembro 2009 A VINHA E O VINHO CONJUNTURA MUNDIAL nº 4 Dezembro 2009 A VINHA E O VINHO CONJUNTURA MUNDIAL 2005 A 2008 A VINHA E O VINHO CONJUNTURA MUNDIAL Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. ÁREA DE VINHA 3 3. PRODUÇÃO 5 4. CONSUMO GLOBAL 8 5. CONSUMO PER CAPITA

Leia mais

Máquinas- ferramentas AEP / GABINETE DE ESTUDOS

Máquinas- ferramentas AEP / GABINETE DE ESTUDOS Máquinas- ferramentas AEP / GABINETE DE ESTUDOS MAIO DE 2004 A fabricação de máquinas-ferramentas (CAE 294) reunia, em 2001, 156 empresas e 2323 trabalhadores, empregando, cada unidade de produção, em

Leia mais

OEm Observatório da Emigração

OEm Observatório da Emigração OEm Observatório da Emigração Ficha 2014.01 Emigração Portuguesa na União Europeia Os Dados dos Censos de 2011 Mais de um milhão de portugueses estavam emigrados nos países da União Europeia e da EFTA

Leia mais

EXPOCOSMÉTICA. AEP / Gabinete de Estudos

EXPOCOSMÉTICA. AEP / Gabinete de Estudos EXPOCOSMÉTICA AEP / Gabinete de Estudos Março de 2008 Índice I - Indicadores referentes à oferta... 3 1. 1 Variáveis das Empresas... 3 1.2 Comércio Externo... 3 II - Indicadores referentes à procura...

Leia mais

Impostos com relevância ambiental em 2012 representaram 9,4% do total das receitas de impostos e contribuições sociais

Impostos com relevância ambiental em 2012 representaram 9,4% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Impostos e taxas com relevância ambiental 2012 11 de outubro de 2013 Impostos com relevância ambiental em 2012 representaram 9,4% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Em 2012, o valor

Leia mais

DADOS ESTATÍSTICOS. EXPORTAÇÃO e EXPEDIÇÃO de VINHOS e PRODUTOS VÍNICOS JUNHO

DADOS ESTATÍSTICOS. EXPORTAÇÃO e EXPEDIÇÃO de VINHOS e PRODUTOS VÍNICOS JUNHO DADOS ESTATÍSTICOS EXPORTAÇÃO e EXPEDIÇÃO de VINHOS e PRODUTOS VÍNICOS JUNHO - 2010 Fonte: INE, IP Elaboração: IVV, IP - Departamento de Organização, Estudos de Mercado e Promoção (DOEMP) 1º semestre de

Leia mais

TÊXTEIS, VESTUÁRIO E CALÇADO RELATÓRIO DE CONJUNTURA

TÊXTEIS, VESTUÁRIO E CALÇADO RELATÓRIO DE CONJUNTURA TÊXTEIS, VESTUÁRIO E CALÇADO RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Setembro de 2006 CAE 17 Fabricação de têxteis e CAE 18 Indústria do vestuário; preparação, tingimento e fabricação de artigo

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal julho 2017 - Newsletter ÍNDICE ÍNDICE... 1 EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global.......2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio

Leia mais

CAE 27 - INDÚSTRIAS METALÚRGICAS DE BASE ESTATÍSTICA DAS EMPRESAS

CAE 27 - INDÚSTRIAS METALÚRGICAS DE BASE ESTATÍSTICA DAS EMPRESAS CAE Rev. 2.1 - INDÚSTRIAS METALÚRGICAS DE BASE ESTATÍSTICA DAS EMPRESAS Totais Nacionais % no total da Indústria Transformadora 2000 2001 2002 2003 2004* 2005* 2006* 2007* 2008 2000 2001 2002 2003 2004*

Leia mais

Comércio Internacional de bens: exportações aumentaram 1,0% e importações diminuíram 6,4%

Comércio Internacional de bens: exportações aumentaram 1,0% e importações diminuíram 6,4% Estatísticas do Comércio Internacional Janeiro 2013 12 de março de 2013 Comércio Internacional de bens: exportações aumentaram 1,0% e importações diminuíram 6,4% As exportações de bens aumentaram 1,0%

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

Newsletter Informação Semanal a

Newsletter Informação Semanal a CONJUNTURA SEMANAL - OVINOS Newsletter Informação Semanal 25-01 a 31-01- As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal Na semana em análise registou-se

Leia mais

1. Movimento de Passageiros no Aeroporto de Faro 1.1. Movimento total de passageiros 1.2. Movimento de passageiros por país de origem

1. Movimento de Passageiros no Aeroporto de Faro 1.1. Movimento total de passageiros 1.2. Movimento de passageiros por país de origem 1. Movimento de Passageiros no Aeroporto de Faro 1.1. Movimento total de passageiros 1.2. Movimento de passageiros por país de origem 2. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia

Leia mais

Comércio Internacional de bens: as exportações aumentaram 1,7% e as importações 6,0%

Comércio Internacional de bens: as exportações aumentaram 1,7% e as importações 6,0% Estatísticas do Comércio Internacional Março 2014 09 de maio de 2014 Comércio Internacional de bens: as exportações aumentaram 1,7% e as importações 6,0% As exportações de bens aumentaram 1,7% e as importações

Leia mais

14 de agosto de 2015 ATIVIDADE TURÍSTICA

14 de agosto de 2015 ATIVIDADE TURÍSTICA 14 de agosto de 2015 ATIVIDADE TURÍSTICA janeiro a junho 2015 Na Região Autónoma dos Açores, no mês de junho, os estabelecimentos hoteleiros registaram 148,5 mil dormidas, representando um acréscimo homólogo

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer pelo conjunto

Leia mais

movimentos aéreos movimentos marítimos dormidas hóspedes estada média taxas ocupação proveitos médios balança turística

movimentos aéreos movimentos marítimos dormidas hóspedes estada média taxas ocupação proveitos médios balança turística Variações entre os valores anuais de 2005 e 2006: +4,2% no movimento de passageiros desembarcados de voos internacionais clássicos; +38,6% movimento de passageiros desembarcados de voos low-cost; -0,8%

Leia mais

Relações Comerciais Brasil-Alemanha

Relações Comerciais Brasil-Alemanha Relações Comerciais Brasil-Alemanha Balança Comercial Brasil Alemanha / 2002 Mar 2015 (em mil US$ - FOB) Ano Exportação Importação Saldo Volume de Comércio 2002 2.539.954 4.418.971-1.879.016 6.958.926

Leia mais

Áreas de Educação e Formação dos Alunos e Diplomados do Ensino Superior: Comparação internacional

Áreas de Educação e Formação dos Alunos e Diplomados do Ensino Superior: Comparação internacional Áreas de Educação e Formação dos Alunos e Diplomados do Ensino Superior: Comparação internacional Rui Banha 5/11/2014 Sumário da Apresentação Classificação do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) Anos

Leia mais

Newsletter Informação Semanal a

Newsletter Informação Semanal a EUR / Kg Peso Carcaça CONJUNTURA SEMANAL Newsletter Informação Semanal 19-10 a 25-10- COTAÇÕES MÉDIAS NACIONAIS - SEMANAIS As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal

Leia mais

Rochas ornamentais. Gráfico 1: Evolução das exportações nacionais de Rochas Ornamentais

Rochas ornamentais. Gráfico 1: Evolução das exportações nacionais de Rochas Ornamentais Rochas ornamentais I. Caracterização geral da Fileira Portugal é o 7º maior exportador mundial de Rochas Ornamentais. Em 05, as vendas para o mercado externo ultrapassaram os 4 milhões de Euros, traduzindo

Leia mais

A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO

A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO MANUEL CALDEIRA CABRAL UNIVERSIDADE DO MINHO FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO 29 DE SETEMBRO 2010 INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA Porque é que é importante Crescimento

Leia mais

DIA INTERNACIONAL DA MULHER 30 ANOS ( ) QUARTA CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE AS MULHERES 10 ANOS (1995, PEQUIM)

DIA INTERNACIONAL DA MULHER 30 ANOS ( ) QUARTA CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE AS MULHERES 10 ANOS (1995, PEQUIM) Dia Internacional da Mulher (8 de Março) 1995-2005 04 de Março de 2005 DIA INTERNACIONAL DA MULHER 30 ANOS (1975 2005) QUARTA CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE AS MULHERES 10 ANOS (1995, PEQUIM) No momento em

Leia mais

Information Bureau 2016 CORTIÇA EM NÚMEROS

Information Bureau 2016 CORTIÇA EM NÚMEROS Information Bureau 2016 CORTIÇA EM NÚMEROS ÍNDICE MONTADO... 3 ÁREA DE MONTADO... 3 PRODUÇÃO DA CORTIÇA... 4 INDÚSTRIA... 5 TECIDO EMPRESARIAL... 5 PRINCIPAIS ACTIVIDADES... 5 MERCADO INTERNACIONAL DA

Leia mais

ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR (*) E ÍNDICE HARMONIZADO DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Janeiro de 2003

ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR (*) E ÍNDICE HARMONIZADO DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Janeiro de 2003 Informação à Comunicação Social 21 de Fevereiro de 2003 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR (*) E ÍNDICE HARMONIZADO DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Janeiro de 2003 Tema: Economia e Finanças Preços no consumidor aumentam

Leia mais

EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS NO SECTOR DO AZEITE ENTRE 2000 E 2009

EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS NO SECTOR DO AZEITE ENTRE 2000 E 2009 EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS NO SECTOR DO AZEITE ENTRE 2 E 29 Observatório dos Mercados Agrícolas e das Importações Agro-Alimentares Alimentares EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS DO SECTOR DO AZEITE

Leia mais

G PE AR I. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 03 março 2011

G PE AR I. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 03 março 2011 Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 3 março 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

Evolução dos preços das telecomunicações 1

Evolução dos preços das telecomunicações 1 Evolução dos preços das telecomunicações 1 Síntese Em setembro de 2015, os preços das telecomunicações 1 não sofreram qualquer alteração face ao mês anterior. Em comparação com o mês homólogo do ano anterior,

Leia mais

AGENDA CARACTERIZAÇÃO DA FILEIRA VINHO E AZEITE AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS ADERENTES DEBATE DE IDEIAS CONCLUSÕES

AGENDA CARACTERIZAÇÃO DA FILEIRA VINHO E AZEITE AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS ADERENTES DEBATE DE IDEIAS CONCLUSÕES AGENDA CARACTERIZAÇÃO DA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS ADERENTES DEBATE DE IDEIAS CONCLUSÕES ENQUADRAMENTO ECONÓMICO Portugal Norte Terras de Trás-os- Montes Douro Alto Tâmega

Leia mais