Máquinas- ferramentas AEP / GABINETE DE ESTUDOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Máquinas- ferramentas AEP / GABINETE DE ESTUDOS"

Transcrição

1 Máquinas- ferramentas AEP / GABINETE DE ESTUDOS MAIO DE 2004

2 A fabricação de máquinas-ferramentas (CAE 294) reunia, em 2001, 156 empresas e 2323 trabalhadores, empregando, cada unidade de produção, em média, 15 pessoas. Naquele ano, o volume de negócios situou-se em 103,1 milhões de e o VAB atingiu 43,1 milhões de. A produtividade estabeleceu-se em 18,5 mil e os custos médios com o pessoal fixaram-se em 13,7 mil. Trata-se de um sector com pouca expressividade no da indústria transformadora (I.T.), representando as empresas 0,2% do da I.T., o pessoal ao serviço 0,3%, o volume de negócios 0,1% e o VAB 0,2%. A produtividade atinge níveis ligeiramente inferiores aos da média da I.T., enquanto os custos médios com o pessoal apresentam-se um pouco acima da média da I.T. Em 2001, verificaram-se taxas de crescimento positivas em todos os indicadores referidos, com excepção do número de empresas, que evidenciou uma quebra de 4,9%, que, por sua vez, se seguiu a um crescimento marginalmente positivo em 2000 (0,6%) e a reduções nos três anos anteriores. Tanto o pessoal ao serviço, como o volume de negócios e o VAB observaram quebras significativas em 1999, tendo recuperado nos dois anos seguintes, registando-se aumentos, em 2001, de 6,3%, 2,7% e 8,8%, respectivamente. Quanto à produtividade e aos custos médios com o pessoal, que assistiram a acréscimos sucessivos desde 1997, observaram, em 2001, aumentos de 2,2% e de 5,7%, respectivamente. Apesar destes aumentos, os maiores acréscimos verificaram-se, no primeiro caso, em 1998 (11,8%) e, no segundo, em 1999 (13,8%). No que diz respeito ao comércio externo, verifica-se que Portugal tem vindo a apresentar défices em todos os produtos considerados (NC 8459, 8460, 8461, 8462, 8463, 8464 e 8465). Em 2003, o défice comercial mais acentuado registou-se na NC 8465 (Máquinasferramentas para trabalhar madeira, cortiça, osso, borracha endurecida, plástico duro ou matérias duras semelhantes), tendo sido de 23,2 milhões de, a que correspondeu uma taxa de cobertura de 28,1%. De realçar, no entanto, que se tem observado, a partir de 2000, uma melhoria no saldo comercial destes produtos. 2

3 Na NC 8464 (Máquinas-ferramentas para trabalhar pedra, produtos cerâmicos, betão, fibrocimento ou matérias minerais semelhantes, ou para o trabalho a frio do vidro), o défice comercial foi, no ano passado, de 12,3 milhões de, prosseguindo a melhoria que se iniciou em 2001, ano em que o défice foi de 17 milhões de (contra 21,1 milhões de no ano anterior). Por seu turno, em 2003, a taxa de cobertura fixou-se em 15,9%. Relativamente à NC 8459 (Máquinas-ferramentas para furar, escarear, fresar ou roscar, interior ou exteriormente, metais ), constatou-se uma melhoria do défice comercial de 2001 a 2003, tendo passado de 18,4 milhões de para 7,7 milhões de. De referir, também, o aumento da taxa de cobertura de 2,4%, em 2002, para 12,5%, em 2004, na sequência de um forte aumento das exportações (318%), bem como de uma redução das importações (20%). Quanto à NC 8460 (Máquinas-ferramentas para rebarbar, afiar, amolar, rectificar, brunir ou polir, ou realizar outras operações de acabamento em metais ou ceramais ), é de destacar a melhoria verificada em 2003, com o défice a estabelecer-se em 5,7 milhões de, o que compara com os 10,2 milhões de verificados um ano antes, ainda que a taxa de cobertura tenha observado uma redução, devido a uma quebra das exportações (70%) mais acentuada que a das importações (46,6%). No caso da NC 8462 (Máquinas-ferramentas para forjar ou estampar, martelos, martelospilões e martinetes, para trabalhar metais; máquinas-ferramentas para enrolar, arquear, dobrar, endireitar, aplanar, cisalhar, puncionar ou chanfrar metais; prensas para trabalhar metais ), ocorreu um agravamento do respectivo défice comercial de 1998 a 2001, passando-se de 7,2 milhões de para 27,7 milhões de, registando-se uma clara melhoria em 2002, com o défice a fixar-se em 1,5 milhões de, agravando-se em 2003 para 5,1 milhões de. É nestes produtos que a taxa de cobertura atinge valores mais elevados, situando-se em 71,2% em No que diz respeito à NC 8461 (Máquinas-ferramentas para aplainar, plainas-limadoras, máquinas-ferramentas para escatelar, mandrilar, cortar ou acabar engrenagens, serrar, seccionar ), salienta-se o ano de 2001, em que o saldo comercial foi positivo, devido, sobretudo, a um expressivo aumento das exportações (592,6%), tendo, contudo, voltado a ser negativo nos anos seguintes, situando-se, em 2003, em 3,9 milhões de. 3

4 No que toca à NC 8463 (Outras máquinas-ferramentas para trabalhar metais ou ceramais, que trabalhem sem eliminação de matéria), contabilizou-se, em 2003, um défice comercial de 3,2 milhões de, o melhor desde 1998, com a taxa de cobertura a atingir 57,3% (o que compara com os 16,8% do ano anterior), tendo as exportações observado um aumento significativo (160,5%) e as importações uma quebra de 23,8%. Nenhum dos produtos considerados apresenta um peso significativo no cômputo do comércio externo português. Verifica-se uma considerável concentração geográfica dos fluxos comerciais dos produtos em causa, destacando-se, para além de alguns europeus, a Angola, presente no ranking dos cinco principais clientes de todos os produtos, e, em alguns casos, a China, Tunísia, Chile, Namíbia, Marrocos, EUA, Austrália, Brasil, Japão e Taiwan. No que diz respeito aos europeus, é de realçar, no grupo de clientes, a importância assumida por Espanha, primeiro destino das exportações portugueses em quatro dos produtos (na NC 8463, é responsável por 76,3% das exportações nacionais), sendo de enfatizar também os casos da França (primeiro destino das exportações da NC 8459), da Alemanha (primeiro destino das exportações da NC 8460) e da Itália (segundo destino das exportações da NC 8461, seguindo-se à Angola). No grupo dos fornecedores, a Alemanha ocupa a liderança em três dos produtos (NC 8460, 8461 e 8463), a Itália ocupa o primeiro lugar em dois dos produtos (NC 8462 e 8465) e a Espanha é a principal origem das importações da NC Anexo Estatístico 4

5 CAE Fabricação de máquinas ferramentas Ano Nº Empresas Pessoal ao Pessoal/ Empresas Vol. Negócios VAB Custos Pessoal C. Med. Pessoal Produtividade serviço Milhões ,0 35,6 25,1 10,2 14, ,7 38,1 26,3 10,5 15, ,1 42,2 27,8 11,2 17, ,7 36,7 26,4 12,8 17, ,4 39,6 28,4 13,0 18, ,1 43,1 31,9 13,7 18,5 CAE Fabricação de máquinas ferramentas Peso na Indústria Transformadora Ano Empresas Pessoal Volume Negócios VABpm Produtividade Custos Médios Pessoal ,2% 0,2% 0,2% 0,2% 84,7% 112,8% ,2% 0,2% 0,2% 0,2% 82,7% 111,4% ,2% 0,3% 0,2% 0,2% 90,0% 111,2% ,2% 0,2% 0,1% 0,2% 100,3% 121,4% ,2% 0,2% 0,1% 0,2% 93,8% 115,0% ,2% 0,3% 0,1% 0,2% 93,9% 114,8% Fonte: Cálculos com base no INE CAE Fabricação de máquinas ferramentas Taxas de crescimento Ano Empresas Pessoal Volume Negócios VABpm Produtividade Custos Médios Pessoal ,1% 1,8% 14,0% 7,2% 5,3% 2,7% ,5% -1,1% 2,4% 10,6% 11,8% 7,1% ,8% -16,8% -16,6% -12,9% 4,6% 13,8% ,6% 6,0% 14,5% 7,8% 1,6% 1,7% ,9% 6,3% 2,7% 8,8% 2,2% 5,7% Fonte: Cálculos com base no INE Evolução do comércio externo de NC Máquinas-ferramentas (incluídas as unidades com cabeça deslizante) para furar, escarear, fresar ou roscar, interior ou exteriormente, metais, por eliminação de matéria, excepto os tornos (incluídos os centros de torneamento), da posição

6 Ano Saldo % no % no Cresc. Cresc. cobertura ,0% ,0% ,8% ,4% 0,0% ,9% 0,0% ,5% ,5% 0,0% ,8% 0,0% ,4% ,9% 0,0% ,0% 0,0% ,6% ,6% 0,0% ,6% 0,0% ,4% ,8% 0,0% ,0% 0,0% ,5% Evolução do comércio externo de NC Máquinas-ferramentas para rebarbar, afiar, amolar, rectificar, brunir ou polir, ou realizar outras operações de acabamento em metais ou ceramais por meio de mós, de abrasivos ou de produtos polidores, excepto as máquinas de cortar ou de acabar engrenagens da posição Ano Saldo % no % no Cresc. Cresc. cobertura ,0% ,0% ,6% ,2% 0,0% ,5% 0,0% ,2% ,0% 0,0% ,1% 0,0% ,3% ,7% 0,0% ,3% 0,0% ,3% ,6% 0,0% ,1% 0,0% ,4% ,1% 0,0% ,6% 0,0% ,4% Evolução do comércio externo de NC Máquinas-ferramentas para aplainar, plainaslimadoras, máquinas-ferramentas para escatelar, mandrilar, cortar ou acabar engrenagens, serrar, seccionar e outras máquinas-ferramentas que trabalhem por eliminação de metal ou de ceramais, não especificadas nem compreendidas noutras posições Ano Saldo % no % no Cresc. Cresc. cobertura ,0% ,0% ,2% ,2% 0,0% ,2% 0,0% ,3% ,4% 0,0% ,5% 0,0% ,7% ,6% 0,0% ,4% 0,0% ,3% ,3% 0,0% ,5% 0,0% ,0% ,0% 0,0% ,3% 0,0% ,1% Evolução do comércio externo de NC Máquinas-ferramentas (incluídas as prensas) para forjar ou estampar, martelos, martelos-pilões e martinetes, para trabalhar metais; máquinasferramentas (incluídas as prensas) para enrolar, arquear, dobrar, endireitar, aplanar, cisalhar, puncionar ou chanfrar metais; prensas para trabalhar metais ou carbonetos metálicos não 6

7 especificados acima Ano Saldo Cresc. % no Cresc. % no cobertura ,1% ,1% ,0% ,7% 0,1% ,3% 0,1% ,1% ,7% 0,1% ,9% 0,1% ,9% ,9% 0,1% ,6% 0,1% ,7% ,0% 0,1% ,6% 0,1% ,2% ,8% 0,0% ,1% 0,0% ,2% Evolução do comércio externo de NC Outras máquinas-ferramentas para trabalhar metais ou ceramais, que trabalhem sem eliminação de matéria Ano Saldo % no % no cobertura Cresc. Cresc ,0% ,0% ,3% ,4% 0,0% ,5% 0,1% ,4% ,8% 0,0% ,2% 0,0% ,8% ,6% 0,0% ,6% 0,0% ,5% ,9% 0,0% ,2% 0,0% ,8% ,5% 0,0% ,8% 0,0% ,3% Evolução do comércio externo de NC Máquinas-ferramentas para trabalhar pedra, produtos cerâmicos, betão (concreto), fibrocimento ou matérias minerais semelhantes, ou para o trabalho a frio do vidro Ano Saldo % no % no Cresc. Cresc. cobertura ,0% ,1% ,6% ,0% 0,0% ,1% 0,1% ,7% ,3% 0,0% ,8% 0,1% ,4% ,2% 0,0% ,0% 0,0% ,4% ,5% 0,0% ,3% 0,1% ,1% ,1% 0,0% ,8% 0,0% ,9% Evolução do comércio externo de NC Máquinas-ferramentas (incluídas as máquinas para pregar, grampear, colar ou reunir por qualquer outro modo) para trabalhar madeira, cortiça, osso, borracha endurecida, plástico duro ou matérias duras semelhantes 7

8 Ano Saldo % no % no Cresc. Cresc. cobertura ,0% ,1% ,1% ,0% 0,0% ,3% 0,1% ,0% ,6% 0,0% ,0% 0,1% ,2% ,2% 0,0% ,7% 0,1% ,3% ,7% 0,0% ,2% 0,1% ,4% ,4% 0,0% ,9% 0,1% ,1% Principais clientes de NC máquinas-ferramentas (incluídas as unidades com cabeça deslizante) para furar, escarear, fresar ou roscar, interior ou exteriormente, metais, por eliminação de matéria, excepto os tornos (incluídos os centros de torneamento), da posição % no ranking % no ranking % no ranking França 27,98 1º Espanha 27,25 2º 20,34 3º 2,39 7º República Checa 21,39 3º 0,38 15º 15,97 3º Angola 4,92 4º 20,81 2º 10,82 4º Tunísia 4,32 5º Principais clientes de NC máquinas-ferramentas para rebarbar, afiar, amolar, rectificar, brunir ou polir, ou realizar outras operações de acabamento em metais ou ceramais por meio de mós, de abrasivos ou de produtos polidores, excepto as máquinas de cortar ou de acabar engrenagens da posição % no ranking % no ranking % no ranking Alemanha 31,96 1º 5,29 5º 6,18 5º Angola 17,17 2º 12,64 3º 6,78 3º Espanha 12,75 3º 8,22 4º 6,46 4º República Checa 7,5 4º Chile 5,1 5º 1,75 10º - - Principais clientes de NC Máquinas-ferramentas para aplainar, plainaslimadoras, máquinas-ferramentas para escatelar, mandrilar, cortar ou acabar engrenagens, serrar, seccionar e outras máquinas-ferramentas que trabalhem por eliminação de metal ou de ceramais, não especificadas nem compreendidas noutras 8

9 posições % no ranking % no ranking % no ranking Angola 39,35 1º 17,11 2º - - Itália 25,13 2º 3,55 6º 38,62 1º Espanha 11,32 3º 1,67 9º 19,73 3º Namíbia 3,89 4º Noruega 3,36 5º 16,78 3º - - Principais clientes de NC máquinas-ferramentas (incluídas as prensas) para forjar ou estampar, martelos, martelos-pilões e martinetes, para trabalhar metais; máquinas-ferramentas (incluídas as prensas) para enrolar, arquear, dobrar, endireitar, aplanar, cisalhar, puncionar ou chanfrar metais; prensas para trabalhar metais ou carbonetos metálicos não especificados acima % no ranking % no ranking % no ranking Espanha 33,76 1º 33,01 1º 28,33 1º EUA 14,49 2º 17,29 2º 19,95 2º França 10,54 3º 3,71 5º 5,05 5º Grécia 4,68 4º 2,57 9º 5,35 4º Angola 4,1 5º 3,25 6º 1,3 15º Principais clientes de NC outras máquinas-ferramentas para trabalhar metais ou ceramais, que trabalhem sem eliminação de matéria % no ranking % no ranking % no ranking Espanha 76,29 1º 53,52 1º - - Polónia 10,2 2º China 3,89 3º Angola 3,78 4º 7,84 4º 3,48 6º Alemanha 2,09 5º 0,08 11º 0,09 15º Principais clientes de NC máquinas-ferramentas para trabalhar pedra, produtos cerâmicos, betão (concreto), fibrocimento ou matérias minerais semelhantes, ou para o trabalho a frio do vidro 9

10 % no ranking % no ranking % no ranking Espanha 35,5 1º 25,8 2º 17,05 2º Angola 31,28 2º 23,65 3º 10 3º Itália 7,7 3º 0,45 10º 4,53 4º EUA 3,98 4º 6,59 4º 0,07 14º Marrocos 2,81 5º - - 1,35 5º Principais clientes de NC máquinas-ferramentas (incluídas as máquinas para pregar, grampear, colar ou reunir por qualquer outro modo) para trabalhar madeira, cortiça, osso, borracha endurecida, plástico duro ou matérias duras semelhantes % no ranking % no ranking % no ranking Espanha 19,88 1º 22,97 1º 23,37 1º EUA 11,16 2º 10,23 3º 14,17 2º França 9,47 3º 8,21 5º 2,62 9º Austrália 8,8 4º 0,71 17º 1,84 13º Angola 8,69 5º 8,56 4º 13,54 3º Principais fornecedores de NC máquinas-ferramentas (incluídas as unidades com cabeça deslizante) para furar, escarear, fresar ou roscar, interior ou exteriormente, metais, por eliminação de matéria, excepto os tornos (incluídos os centros de torneamento), da posição % no ranking % no ranking % no ranking Espanha 35,17 1º 36,8 1º 25,38 2º Itália 34,76 2º 23,49 2º 39,88 1º Alemanha 8,27 3º 12,07 3º 17,86 3º França 7,24 4º 11,07 4º 4,48 4º Holanda 4,79 5º 3,93 6º 4,13 5º Principais fornecedores de NC máquinas-ferramentas para rebarbar, afiar, amolar, rectificar, brunir ou polir, ou realizar outras operações de acabamento em metais ou ceramais por meio de mós, de abrasivos ou de produtos polidores, excepto as máquinas de cortar ou de acabar engrenagens da posição

11 % no ranking % no ranking % no ranking Alemanha 39,61 1º 25,49 2º 26,83 2º Itália 24,86 2º 27,9 1º 26,95 1º Japão 11,1 3º 3,85 5º 6,18 7º Brasil 4,52 4º 0,6 11º 0,03 16º Espanha 4,42 5º 25,2 3º 6,74 6º Principais fornecedores de NC Máquinas-ferramentas para aplainar, plainas-limadoras, máquinas-ferramentas para escatelar, mandrilar, cortar ou acabar engrenagens, serrar, seccionar e outras máquinas-ferramentas que trabalhem por eliminação de metal ou de ceramais, não especificadas nem compreendidas noutras posições % no ranking % no ranking % no ranking Alemanha 32,27 1º 27,06 2º - - Espanha 27,36 2º 22,98 3º 1,35 12º Itália 22,14 3º 42,52 1º - - Taiwan 6,09 4º 1,38 5º - - Suíça 3,14 5º 0,53 8º 1,55 11º Principais fornecedores de NC máquinas-ferramentas (incluídas as prensas) para forjar ou estampar, martelos, martelos-pilões e martinetes, para trabalhar metais; máquinas-ferramentas (incluídas as prensas) para enrolar, arquear, dobrar, endireitar, aplanar, cisalhar, puncionar ou chanfrar metais; prensas para trabalhar metais ou carbonetos metálicos não especificados acima % no ranking % no ranking % no ranking Itália 28,95 1º 25,55 2º 13,17 3º Espanha 28,95 1º 27,38 1º 26,48 2º Alemanha 10,12 2º 14,16 3º 5,03 4º Turquia 6,34 3º 8,03 4º 2,35 7º Holanda 5,77 4º 0,7 15º 0,25 16º Principais fornecedores de NC outras máquinas-ferramentas para trabalhar metais ou ceramais, que trabalhem sem eliminação de matéria 11

12 % no ranking % no ranking % no ranking Alemanha 35,45 1º 25,19 2º 20,13 3º Itália 30,26 2º 39,33 1º 34,03 1º Espanha 25,51 3º 7,19 4º 9 4º EUA 2,6 4º 4,89 5º 27,54 2º França 1,69 5º 15,29 3º 2,04 5º Principais fornecedores de NC máquinas-ferramentas para trabalhar pedra, produtos cerâmicos, betão (concreto), fibrocimento ou matérias minerais semelhantes, ou para o trabalho a frio do vidro % no ranking % no ranking % no ranking Japão 34,12 1º 11,55 4º 5,86 4º Itália 26,66 2º 41,41 1º 54,13 1º Espanha 12,41 3º 17 3º 13,39 3º França 10,06 4º 14,84 4º 16,91 2º EUA 8,72 5º 3,48 6º 0,03 19º Principais fornecedores de NC máquinas-ferramentas (incluídas as máquinas para pregar, grampear, colar ou reunir por qualquer outro modo) para trabalhar madeira, cortiça, osso, borracha endurecida, plástico duro ou matérias duras semelhantes % no ranking % no ranking % no ranking Itália 40,38 1º 50,89 1º 55,66 1º Alemanha 23,53 2º 25,96 2º 20,63 2º EUA 11,66 3º 5,15 4º 0,11 19º Espanha 11,16 4º 10,45 3º 9,59 3º Dinamarca 3,21 5º 0,14 14º 0,59 11º 12

EMAF. AEP / Gabinete de Estudos

EMAF. AEP / Gabinete de Estudos EMAF AEP / Gabinete de Estudos Janeiro de 2008 1. Variáveis e Indicadores das Empresas 1 A fabricação de máquinas-ferramentas (CAE 294) reunia, em 2004, 126 empresas e 2176 trabalhadores, empregando, cada

Leia mais

DECRETO Nº 8.224, DE 3 DE ABRIL DE 2014

DECRETO Nº 8.224, DE 3 DE ABRIL DE 2014 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação DECRETO Nº 8.224, DE 3 DE ABRIL DE 2014 Estabelece a aplicação de margem de preferência em licitações realizadas no âmbito da administração pública

Leia mais

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA 1. Indicadores e Variáveis das Empresas A indústria metalomecânica engloba os sectores de fabricação de produtos metálicos, excepto máquinas e equipamento (CAE )

Leia mais

CONSTRUÇÃO AEP / GABINETE DE ESTUDOS

CONSTRUÇÃO AEP / GABINETE DE ESTUDOS CONSTRUÇÃO AEP / GABINETE DE ESTUDOS MAIO DE 2004 Construção civil e obras públicas O sector da construção reveste-se de uma elevada importância na economia, sendo responsável por cerca de 12% do emprego,

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

FIMAP AEP / GABINETE DE ESTUDOS

FIMAP AEP / GABINETE DE ESTUDOS FIMAP AEP / GABINETE DE ESTUDOS MARÇO DE 2010 1. Variáveis das empresas A fabricação de máquinas para trabalhar madeira insere-se na CAE 294 Fabricação de máquinas ferramentas, que, por sua vez, está contemplada

Leia mais

EXPOCOSMÉTICA. AEP / Gabinete de Estudos

EXPOCOSMÉTICA. AEP / Gabinete de Estudos EXPOCOSMÉTICA AEP / Gabinete de Estudos Março de 2008 Índice I - Indicadores referentes à oferta... 3 1. 1 Variáveis das Empresas... 3 1.2 Comércio Externo... 3 II - Indicadores referentes à procura...

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

ALIMENTAÇÃO AEP / GABINETE DE ESTUDOS

ALIMENTAÇÃO AEP / GABINETE DE ESTUDOS ALIMENTAÇÃO AEP / GABINETE DE ESTUDOS JUNHO DE 2003 Índice 1. Panorama... 3 1.1. Indústrias alimentares e de bebidas... 3 1.1.2. Alimentos compostos para animais... 9 1.1.3. Vinhos... 10 2. Panorama da

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

As PME. No comércio internacional português

As PME. No comércio internacional português As PME No comércio internacional português Novembro de 2008 1 Índice Nota Introdutória... 2 Caracterização geral das exportações nacionais... 3 Os grandes números... 3 Os principais mercados das empresas

Leia mais

MÁQUINAS PARA TRABALHAR CERÂMICA, ROCHAS E PEDRA

MÁQUINAS PARA TRABALHAR CERÂMICA, ROCHAS E PEDRA MÁQUINAS PARA TRABALHAR CERÂMICA, ROCHAS E PEDRA AEP / DEPARTAMENTO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO MARÇO DE 2003 Índice Panorama Nacional... 3 Panorama Comunitário... 8 Anexo Estatístico... 9 2 Panorama

Leia mais

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações).

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações). Estatísticas do Comércio Internacional 214 7 de julho de 215 Resultados preliminares do Comércio Internacional em 214: em termos nominais, as exportações aumentaram 1,8% e as importações aumentaram 3,2%

Leia mais

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2005 A actividade da hotelaria insere-se na CAE 55 Alojamento e Restauração, que, por sua vez, integra o sector do turismo, um dos sectores

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Comércio externo de moldes: Portugal, os últimos dez anos

Comércio externo de moldes: Portugal, os últimos dez anos Escola de EngenhariaUniversidade do Minho Departamento de Sistemas de Informação»«MERCADOS E NEGÓCIOS: DINÂMICAS E ESTRATÉGIAS Comércio externo de moldes: Portugal, os últimos dez anos Eduardo Beira WP

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

Comércio Internacional Português

Comércio Internacional Português Comércio Internacional Português Exportações Portuguesas de Bens Janeiro a agosto de 2013 Direção de Informação, outubro de 2013 CIP bens 2013 (janeiro a agosto) - principais resultados Em 2013 (janeiro

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4% Estatísticas do Comércio Internacional Abril 215 9 de junho de 215 Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4% As exportações de bens aumentaram 8,2% e as importações

Leia mais

José Manuel Cerqueira

José Manuel Cerqueira José Manuel Cerqueira A Indústria cerâmica no contexto nacional A indústria portuguesa de cerâmica representou em 2013 um volume de negócios de 897,8 milhões de euros, um valor acrescentado bruto de 327,6

Leia mais

2.3. Subsectores CIMENTO E BETÃO (CAE 264-265)

2.3. Subsectores CIMENTO E BETÃO (CAE 264-265) 2.3. Subsectores CIMENTO E BETÃO (CAE 264-265) 2.3. Subsectores CIMENTO E BETÃO (CAE 264-265) a) Universo, Dimensão e Emprego Empresarial do Cimento e Betão O nº médio 1999-2004 de empresas no território

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas 7 de Novembro de 2014 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora Enquadramento Evolução Recente Comércio

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

O perfil exportador das PME em Portugal 2007/2009

O perfil exportador das PME em Portugal 2007/2009 Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2007-2009 30 de Junho de 2011 O perfil exportador das PME em Portugal 2007/2009 Em 2009, existiam em Portugal 348 552 PME, representando 99,7% do total

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 0,9% e as importações diminuíram 1,8%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 0,9% e as importações diminuíram 1,8% Estatísticas do Comércio Internacional Janeiro 2015 12 de Março de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 0,9% e as importações diminuíram 1,8% As exportações de bens aumentaram 0,9% e as importações

Leia mais

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014 Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã 26 de novembro de 2014 1. Empresas Alemãs em Portugal 2. Investimento Direto Alemão em Portugal 3. Exportação / Importação 1. Empresas Alemãs em Portugal Perspetiva

Leia mais

Angola Breve Caracterização. Julho 2007

Angola Breve Caracterização. Julho 2007 Breve Caracterização Julho 2007 I. Actividade e Preços. Após o final da guerra civil em 2002, e num contexto de relativa estabilidade política, tornou-se numa das economias de mais elevado crescimento

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL 2014

COMÉRCIO INTERNACIONAL 2014 EXPORTAÇÕES (POR CAPÍTULO) 2013 2014 50 Artigos de seda 462 282-38,9% 51 Artigos de lã 60.801 63.996 5,3% 52 Artigos de algodão 145.006 154.454 6,5% 53 Outras fibras têxteis vegetais 4.839 4.169-13,8%

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 03 março 2012 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012 Ação Cultural Externa Relatório Anual 0 Indicadores DSPDCE 0 .Iniciativas apoiadas pelo IC a) Número (total): 0 b) Montante global:.0,0,* Áreas Geográficas África América Ásia Europa Médio Oriente e Magrebe

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

OURIVESARIA RELOJOARIA

OURIVESARIA RELOJOARIA OURIVESARIA RELOJOARIA AEP / GABINETE DE ESTUDOS MARÇO DE 2004 Panorama Nacional CAE 362 Fabricação de joalharia, ourivesaria e artigos similares A fabricação de joalharia, ourivesaria e artigos similares

Leia mais

Golfe e Turismo: indústrias em crescimento

Golfe e Turismo: indústrias em crescimento CAPÍTULO I CAPÍTULO I Golfe e Turismo: indústrias em crescimento O universo do golfe, bem visível hoje em muitos territórios, tem desde logo ao nível de contribuição uma relação de causa consequência com

Leia mais

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa.

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 4 Abril 2008 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e da Inovação GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015 Desafios da Internacionalização O papel da AICEP APAT 10 de Outubro, 2015 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora 38º PORTUGAL TEM MELHORADO A SUA COMPETITIVIDADE

Leia mais

SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE FUTEBOL ( SRM) MELHORAMENTOS ANUAIS 2012

SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE FUTEBOL ( SRM) MELHORAMENTOS ANUAIS 2012 SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE ( SRM) MELHORAMENTOS ANUAIS 2012 Dezembro 2011 1- Introdução A metodologia do SRM estabelece que o modelo seja revisto no final de cada ano. As alterações resultantes

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer pelo conjunto

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

Portugal As exportações no primeiro trimestre de 2016

Portugal As exportações no primeiro trimestre de 2016 Portugal As exportações no primeiro trimestre de 2016 Na análise dos dados do comércio internacional importa ter presentes dois factores: o primeiro, que estes estão sujeitos a revisões consideráveis ao

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% Estatísticas do Comércio Internacional Fevereiro 2015 09 de abril de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% As exportações de bens aumentaram 2,1% e as

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

gabinete de estratégia e estudos

gabinete de estratégia e estudos Gabinete de Estratégia e Estudos Síntese Estatística gabinete de estratégia e estudos INVESTIMENTO DIRECTO Exterior em Portugal e Portugal no Exterior Agosto de 26 Índice Tratamento e análise dos dados

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 07 julho 2011 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

O valor da certificação acreditada

O valor da certificação acreditada Certificado uma vez, aceito em toda parte O valor da certificação acreditada Relatório de Pesquisa Publicado em maio de 212 Em 21/11, o IAF realizou uma pesquisa mundial para capturar o feedback de mercado

Leia mais

SECTOR AGRO-ALIMENTAR

SECTOR AGRO-ALIMENTAR SECTOR AGRO-ALIMENTAR AEP / Gabinete de Estudos Março de 2007 A indústria alimentar e das bebidas ( 15 1 ) é um sector com forte expressividade na economia nacional, o que não é de estranhar dada a sua

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Janeiro Dezembro 2013 1. Análise global Setor Elétrico e Eletrónico Confirma-se uma tendência decrescente na evolução do comércio externo

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação de

Leia mais

Prefixos dos destinos internacionais incluídos nos pacotes MEO

Prefixos dos destinos internacionais incluídos nos pacotes MEO País Tipo Destino ALASCA e Móvel ALEMANHA ANDORRA AUSTRÁLIA ÁUSTRIA BÉLGICA CANADA e Móvel CHILE CHINA e Móvel COREIA DO SUL CROÁCIA DINAMARCA ESLOVÉNIA ESPANHA EUA e Móvel FEDERAÇÃO RUSSA FINLÂNDIA FRANÇA

Leia mais

Venezuela. Dossier de Mercado. Maio 2008

Venezuela. Dossier de Mercado. Maio 2008 Venezuela Dossier de Mercado Maio 2008 Venezuela Dossier de Mercado (Maio 2008) Índice 1. O País...3 1.1 Venezuela em Ficha...3 1.2 Organização Política e Administrativa...4 1.3 Situação Económica...5

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 46.999, DE 11 DE FEVEREIRO DE 2010. (publicado no DOE nº 029, de 12 de fevereiro de 2010) Modifica o Regulamento

Leia mais

Mercados informação global

Mercados informação global Mercados informação global Relações Económicas Portugal - Paraguai Novembro 2010 Índice 1. Relações Económicas Portugal Paraguai 3 1.1 Comércio 3 1.1.1 Importância do Paraguai nos fluxos comerciais para

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais

PORTUGAL. A recente performance de Portugal enquanto destino turístico Mitos e realidades. João Cotrim de Figueiredo 05 dezembro 2015

PORTUGAL. A recente performance de Portugal enquanto destino turístico Mitos e realidades. João Cotrim de Figueiredo 05 dezembro 2015 PORTUGAL A recente performance de Portugal enquanto destino turístico Mitos e realidades João Cotrim de Figueiredo 05 dezembro 2015 Um ciclo de crescimento longo e a acelerar 12 000 000 10 000 000 Receitas

Leia mais

PLC 116/10. Eduardo Levy

PLC 116/10. Eduardo Levy PLC 116/10 Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania Comissão de Assuntos Econômicos Comissão de Educação, Cultura

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

LIGAMOS PEQUENAS EMPRESAS A GRANDES NEGÓCIOS.

LIGAMOS PEQUENAS EMPRESAS A GRANDES NEGÓCIOS. Soluções de Telecomunicações para Empresas LIGAMOS PEQUENAS EMPRESAS A GRANDES NEGÓCIOS. Permanência mínima para todos os serviços de 24 meses. IVA não incluido. Válido até Outubro de 2012 ZON Office ZON

Leia mais

ANEXO II Redução da Base de Cálculo (Previsto no artigo 28 deste regulamento)

ANEXO II Redução da Base de Cálculo (Previsto no artigo 28 deste regulamento) ANEXO II Redução da Base de Cálculo (Previsto no artigo 28 deste regulamento) TABELA II DO ANEXO II REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO CONCESSÕES POR TEMPO DETERMINADO 1 - VENCIDO E NÃO PRORROGADO VIDE ITEM 14

Leia mais

SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS

SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS MARÇO DE 2009 1 MERCADO AUTOMÓVEL 1. Vendas de ligeiros de passageiros novos na Europa Tendo como fonte o Comunicado de 16 de Janeiro de 2009 divulgado pela ACAP,

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A ALEMANHA

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A ALEMANHA Expedições 4.646.753 4.957.528 4.954.299 4.099.667 4.771.584 1,4 16,4 Chegadas 8.054.468 8.367.508 8.594.931 6.813.091 7.886.527 0,4 15,8 Saldo -3.407.716-3.409.980-3.640.632-2.713.423-3.114.943 -- --

Leia mais

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão 4Pro A oferta mais competitiva, desenhada para empresas e profissionais que lhe garante os melhores resultados 2 cartões de telemóvel com comunicações ilimitadas para todas as redes nacionais, para uma

Leia mais

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida 2 Sobre a COSEC Quem somos

Leia mais

Cork Information Bureau 2015. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015. EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor.

Cork Information Bureau 2015. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015. EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015 EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor.pt Exportações de Cortiça crescem 7,8% As exportações portuguesas de cortiça registaram, no primeiro

Leia mais

CERÂMICA E VIDRO AEP / GABINETE DE ESTUDOS

CERÂMICA E VIDRO AEP / GABINETE DE ESTUDOS CERÂMICA E VIDRO AEP / GABINETE DE ESTUDOS JULHO DE 2005 CAE 261 Fabricação de vidro e artigos de vidro A CAE 261 agregava, em 2002, 426 empresas, empregando cada uma, em média, 20 trabalhadores. Naquele

Leia mais

Estudo Europeu sobre a Satisfação com os serviços de Telecomunicações 2008

Estudo Europeu sobre a Satisfação com os serviços de Telecomunicações 2008 Estudo Europeu sobre a Satisfação com os serviços de Telecomunicações 8 Data: Julho 8 Preparado para: Apritel Equipa Client Service: Paulo Paula / João Marques PORQUÊ A MILLWARD BROWN? CONSISTÊNCIA Rede

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Vendas Novas - 02 de julho de 2013 aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro

Leia mais

PAÍSES PRESENTES. República Tcheca. Coreia do Sul. Alemanha. Inglaterra. Angola. Equador. Suiça. Israel. Argentina. Espanha. Itália. Taiwan.

PAÍSES PRESENTES. República Tcheca. Coreia do Sul. Alemanha. Inglaterra. Angola. Equador. Suiça. Israel. Argentina. Espanha. Itália. Taiwan. 1 O EVENTO 3 4 PAÍSES PRESENTES Alemanha Coreia do Sul Inglaterra República Tcheca Angola Equador Israel Suiça Argentina Espanha Itália Taiwan Áustria EUA Japão Turquia Brasil Finlândia México Uruguai

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

8443.32.34 A laser, LED (Diodos Emissores de Luz) ou LCS (Sistema de Cristal Líquido), monocromáticas, 15

8443.32.34 A laser, LED (Diodos Emissores de Luz) ou LCS (Sistema de Cristal Líquido), monocromáticas, 15 84.38 Máquinas e aparelhos não especificados nem compreendidos noutras posições do presente Capítulo, para preparação ou fabricação industrial de alimentos ou de bebidas, exceto as máquinas e aparelhos

Leia mais

Valor das Importações e das Exportações, nos Açores, por ano

Valor das Importações e das Exportações, nos Açores, por ano Q.10.01 - Resultados Globais, por ano Unidade: 1 000 Euros 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 Importações (CIF) 34 490 773 37 505 656 43 257 180 44 093 881 42 466 265 41 753 699 45

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

Cafés e Restaurantes. Telefone Internet Televisão

Cafés e Restaurantes. Telefone Internet Televisão Cafés e Internet A solução HORECA que lhe dá tudo O pacote é a solução para o segmento HORECA que conjuga os melhores conteúdos de desporto nacional e internacional, com telefone e internet. Chamadas ilimitadas

Leia mais

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA.

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida COSEC em resumo

Leia mais

BANCO POPULAR. Parceiro na Internacionalização

BANCO POPULAR. Parceiro na Internacionalização BANCO POPULAR Parceiro na Internacionalização Um Banco Ibérico com Presença Internacional Escritórios de representação Banco Popular Genebra Milão Munique Santiago do Chile Xangai Banco Pastor Buenos Aires

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

BANGLADESH Comércio Exterior

BANGLADESH Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BANGLADESH Comércio Exterior Fevereiro de 2015 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Náutica Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro para

Leia mais

Começar Global e Internacionalização

Começar Global e Internacionalização Começar Global e Internacionalização Artur Alves Pereira Assessor do Conselho de Administração, AICEP Portugal Global Fevereiro 06, 2014 1 A aicep Portugal Global Missão. A aicep Portugal Global é uma

Leia mais

RESULTADOS ANUAIS 2011

RESULTADOS ANUAIS 2011 RESULTADOS ANUAIS 2011 15 de Fevereiro de 2011 VAA - Vista Alegre Atlantis, SGPS, SA sociedade aberta com sede no Lugar da Vista Alegre em Ílhavo, com o número de contribuinte 500 978 654, matriculada

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

Comércio Internacional dos Açores

Comércio Internacional dos Açores VII Jornadas Ibero-Atlânticas de Estatística Regional 09/10/2015 Cristina Neves INE- Departamento de Estatísticas Económicas Comércio Internacional dos Açores Estrutura da apresentação Estatísticas do

Leia mais

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

Mercado em Foco: Chile

Mercado em Foco: Chile Mercado em Foco: Chile EXPOMIN, 2014 Breve estudo com informações sobre as perspectivas de negócios da economia do Chile. Apresentamos também uma análise do comércio exterior de máquinas e equipamentos

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 07 Julho 2015 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

TRÁFEGO MARÍTIMO DE MERCADORIAS PORTOS DO CONTINENTE 2 0 1 4

TRÁFEGO MARÍTIMO DE MERCADORIAS PORTOS DO CONTINENTE 2 0 1 4 TRÁFEGO MARÍTIMO DE MERCADORIAS PORTOS DO CONTINENTE 2 0 1 4 Setembro de 2015 Índice 0. Factos mais relevantes no tráfego marítimo de mercadorias em 2014... 3 1. Introdução... 5 2. Movimento geral de mercadorias...

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

VANUATU Comércio Exterior

VANUATU Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC VANUATU Comércio Exterior Abril de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

COREIA DO NORTE Comércio Exterior

COREIA DO NORTE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COREIA DO NORTE Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados

Leia mais