Industrial. Centro-Oeste. celeiro do País ou patinho feio? REGIÃO PRECISA SE UNIR PARA DEFENDER SUA ECONOMIA, DO AGRONEGÓCIO À INDÚSTRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Industrial. Centro-Oeste. celeiro do País ou patinho feio? REGIÃO PRECISA SE UNIR PARA DEFENDER SUA ECONOMIA, DO AGRONEGÓCIO À INDÚSTRIA"

Transcrição

1 ADIAL 58_Layout 1 07/11/ :40 Page 1 Pró Industrial REVISTA DE NEGÓCIOS DA ADIAL Novembro 2014 ANO VI edição 58 Centro-Oeste celeiro do País ou patinho feio? REGIÃO PRECISA SE UNIR PARA DEFENDER SUA ECONOMIA, DO AGRONEGÓCIO À INDÚSTRIA INCENTIVOS FISCAIS Avança convalidação no Senado EMPRESA MITSUBISHI PRODUZ LANCER EM GOIÁS ENTREVISTA RYAN MCGONIGLE FALA SOBRE PATENTES

2 ADIAL 58_Layout 1 07/11/ :40 Page 2 Responsabilidade em transformar conhecimentos em soluções seguras. A KBL Accounting é uma empresa de soluções contábeis, consultoria tributária e auditorias de arquivos eletrônicos, que vem se destacando no mercado por oferecer serviços desenhados especificamente para clientes que buscam tranquilidade em relação à complexidade da legislação tributária brasileira. A KBL atende a clientes do segmento industrial, comercial e prestadores de serviços, em alguns casos é montada uma estrutura própria dentro do cliente, combinando eficiência operacional com alto desempenho. OUTSOURCING CONTABIL SERVIÇOS GOVERNANÇA & CONSULTORIA TRIBUTARIA AUDITORIA DE ARQUIVOS ELETRONICOS (speds, efd, e-social, outros) DUE DILIGENCE CONSULTORIA PARA ADEQUAÇÃO ÀS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE IFRS (62)

3 ADIAL 58_Layout 1 07/11/ :40 Page 3 PRÓ-INDUSTRIAL Expediente Presidente do Conselho de Administração Cesar Helou Vice Presidente Financeiro Rodrigo Penna de Siqueira Conselho Nato Cyro Miranda Gifford Júnior, José Alves Filho e Alberto Borges de Souza Vices Presidentes e Conselheiros Domingos Sávio Gomes de Oliveira, Valdo Marques, Angelo Tomaz Landim, Alberto Borges de Souza, Maximiliani Liubomir Slivnik, Vanderlan Vieira Cardoso, Ananias Jus no Jayme, Ricardo Vivolo, Heribaldo Egídio da Silva, Paulo Sérgio Guimarães dos Santos, Wilson Luiz da Costa, Marley Antônio da Rocha, Márcio Botelho Teixeira, Olympio José Abrão, Pedro Henrique Pessoa Cunha, Sandro Scodro, Domingos Vilefort Orzil, Alfredo Ses ni Filho, Carlos Luciano Mar ns Ribeiro, Rivas Rezende da Costa, José Alves Filho, José Carlos Garrote de Souza, Juliana Nunes, Evaristo Lira Baraúna, Romar Mar ns Pereira, André Luiz Bap sta Lins Rocha, Antonio Benedito dos Santos e Luiz Alberto Rassi. Diretor Execu vo Edwal Freitas Por lho Chequinho Projeto Gráfico Gráfica Contemporânea PUC COMERCIAL ANÚNCIOS (62) ou (62) ADIAL Rua Dr. Olinto Manso Pereira, 837, 4º andar Ed. Rizzo Plaza, Setor Sul, Goiânia Goiás. CEP: Fone: (62) Editorial O novo ciclo Ofim do processo eleitoral abre um novo ciclo na gestão pública no País, que não será de mudança, mas sim de continuidade. Mas a reeleição não implica em repetir no ciclo ( ) o mesmo projeto econômico adotado no anterior ( ). Neste aspecto, o governo Dilma Rousseff se comprometeu a fazer diferente sinal de que apesar de defender seu projeto e legado, acredita que erros antigos precisam ser evitados no futuro. Menos mal. Algumas sinalizações claras dadas pela presidente: trocar o ministro da Fazenda, ter maior diálogo com os agentes públicos e econômicos, atacar a inflação e estimular investimentos. Apesar de previsíveis, é preciso esperar para ver se de fato serão concretizadas. A votação no Senado do projeto de lei que convalida os incentivos fiscais, alvo de várias ações no Supremo, é um caminho de reorganização tributária e um novo pacto federativo. Abordamos o tema nesta edição. A necessidade de união e ação conjunta dos Estados do Centro Oeste na defesa de maiores investimentos públicos na região é essencial o que deverá unir também suas bancadas. A entrevista desta edição é com o consultor americano Ryan McGonigle, com uma visão global sobre patentes. Na coluna empresa, acompanhamos o anúncio da Mitsubishi, que começa a produzir o novo Lancer em Goiás. Boa leitura a todos. SUMÁRIO Novembro 2014 Nº 58 Ano VI EDITORIAL O novo ciclo 3. // INTEGRAÇÃO REGIONAL O hora do Centro Oeste 4 7. // ENTREVISTA Ryan McGonigle 8 10.// INCENTIVOS FISCAIS Aprovada convalidação de bene cios // MARKETING & PRO DUTOS Novidades na indústria //LEITURA Livros Empresariais 18.// OPINIÃO Cesar Helou 19.// EMPRESA Mitsubishi EMPRESAS E INSTITUIÇÕES CITADAS NA EDIÇÃO KBL Accou ng (2), Mitsubishi (3, 16 e 17), IBGE (4 a 6), Conab (6), Esalq (6), Cfem (6), Baker and Rammells PA (8 e 9), Asipi (9), INTA (9), INPI (9 e 10), Senado (12, 13 e 19), CAE (12, 13 e 19), Confaz (12, 13 e 19), STF (12), O Popular (13), Bonduelle (14), Nestlé (14), La Fru a (14), Unilever (14), Sadia (14), Fugini (14), Mabel (15), PepsiCo (15), GSA (15), Piracanjuba (15), Guepa (15), E (15), Sensorial (15), Salão do Automóvel de São Paulo (16), MMC Automotores (17), FGV Empreza (20) e Empreza Educação (20). 3 Pró-Industrial

4 ADIAL 58_Layout 1 07/11/ :40 Page 4 INTEGRAÇÃO REGIONAL A hora do Centro-Oeste se unir e reagir Em Brasília, no Congresso e nos Estados, Região Centro Oeste terá de exigir mais politicamente, mesmo porque seu fortalecimento econômico, como celeiro do País, permite maior poder de negociação

5 ADIAL 58_Layout 1 07/11/ :40 Page 5 OCentro Oeste brasileiro é apontado por analistas econômicos como o celeiro do País. Os números confirmam esta vocação da produção agropecuária. Entre as 20 cidades com maiores PIBs do agronegócio do País, com dado do IBGE, 14 são da Região Centro Oeste a grande maioria no Mato Grosso e Goiás. Avaliando pelo ângulo da produção, o PIB regional é forte, com quatro unidades da federação em franca expansão e melhoria nas últimas duas décadas, no ranking de maiores Estados do País. Com a atualização dos dados, a região responde por quase 10% do PIB nacional. Distrito Federal é o 7º (R$ 170 bilhões); Goiás é o 9º maior Estado do País (quase R$ 120 bilhões); Mato Grosso, 14º (R$ 75 bilhões); Mato Grosso do Sul, 17º (R$ 50 bilhões). Apesar de realidades econômicas diferentes, são unidades da federação com fatores de crescimento semelhantes exceto Brasília que é focada em comércio e serviços privados e públicos. No entanto, apesar da recente evolução econômica, a região pouco atua em conjunto politicamente. Seja no Congresso ou entre os poderes executivos estaduais, neste novo ciclo político que se inicia agora em janeiro de 2015, existe uma possibilidade maior de integração entre os Estados, com um fortalecimento de um bloco econômico e político para enfrentar os desafios que, isolados, ficam mais difíceis para os Estados. São quatro Estados que compõem 10% do PIB. O Sul e Sudeste, regiões também compostas de poucos Estados, tiveram uma evolução econômica muito antecedente ao Centro Oeste quase um século antes e se consolidaram como centros de produção e consumo do País. Na Câmara dos Deputados, a bancada do Centro Oeste é composta por 41 deputados que representa 8% dos votos da Casa. O Estado do Rio de Janeiro, por exemplo, conta, sozinho, com uma bancada de 46 parlamentares. Todo Sudeste, soma 179 deputados, mais do que o quádruplo do Centro Oeste. Ainda assim, a nova bancada de parlamentares do Centro Oeste, além de reduzida, é bem dividida, sendo que 40% de deputados de situação e de 40% de oposição com 20% de neutros. No Senado, a situação se equilibra, pois o número de parlamentares por Estado é limitada a três. No entanto, se o Centro Oeste é compatível com Sul e Sudeste, não se compara a quantidade de senadores nordestinos. A tendência é que nos próximos anos, o Bloco do Centro Oeste no Congresso amadureça sua atuação conjunta, independente a que partido pertença o parlamentar e que governe o País, mas construindo uma força política que acompanhe o desenvolvimento econômico da região. As ações de defesa das economias regionais precisam ser estrategicamente planejadas.

6 ADIAL 58_Layout 1 07/11/ :40 Page 6 INTEGRAÇÃO REGIONAL Centro-Oeste: fronteira do desenvolvimento O Centro Oeste pode facilmente ser classificado no mesmo texto como a nova fronteira do crescimento nacional, com safras recordes, alta produtividade e fenômeno da exportação de alimentos mundial, e, mas também, ter solenemente ignorado seu papel na condução política e decisões estratégicas mesmo em áreas que detém esse poderio econômico. Mas, há muito tempo, a região se mostra incomodada com isso, deixando claro que não ser um mero quintal da Região Sudeste. A independência e autonomia econômica construída dão aos agentes locais importância nesta mesa de discussão. O Centro Oeste não é funcionário do Sudeste. Exercer sua emancipação requer altruísmo, desobediência e habilidade. Algumas gerações de bancadas de congressistas abnegados e com autoestima e espírito de soberania vão construir esta desejável autoridade do Centro Oeste. A demanda mundial crescente por alimentos, principalmente de soja, milho, carne bovina, leite, frango e canade açúcar, coloca o Centro Oeste brasileiro na posição de protagonista na economia brasileira. Em vários rankings, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul estão entre líderes nacionais de produção e produtividade quando não estão em primeiro e segundo lugar. Medir esta importância é simples, basta tentar responder a seguinte questão: O que seria da economia nacional sem a produção de alimentos do Centro Oeste? Movidas por tratores e colheitadeiras, fábricas e mercado consumidor, o Centro Oeste do País registrou o maior crescimento do consumo per capita do País, com avanço de 78%, entre 2005 e 6 CARNE BOVINA 1º) MT 2º) MS 3º) SP 4º) GO 5º) MG Fonte: IBGE (2013) SOJA 1º) MT 2º) PR 3º) RS 4º) GO 5º) MS Fonte: Conab (2013) MILHO 1º) PR 2º) MT 3º) GO 4º) MG 5º) MS Fonte: IBGE (2012/2013) LEITE 1º) MG 2º) RS 3º) PR 4º) GO 5º) SP Fonte: IBGE (2013) Ranking dos rankings ETANOL 1º) SP 2º) GO 3º) MG 4º) MS 5º) PR Fonte: Esalq (2013) CARNE SUÍNA 1º) SC 2º) RS 3º) PR 4º) MG 5º) MT Fonte: IBGE (2013) MINÉRIOS 1º) MG 2º) PA 3º) GO 4º) SP 5º) BA Fonte: Cfem (2010) COURO 1º) MT 2º) MS 3º) SP 4º) RS 5º) GO Fonte: IBGE (2013) Parcela importante dos 5,1 milhão de empregos gerados no Brasil, entre 2003 e 2014, ocorreu no Centro Oeste apontado por especialistas pelo ciclo irtuoso dos efeitos multiplicadores da renda e emprego, associado aos efeitos aceleradores dos investimentos regionais, sobretudo em infraestrutura. Pró-Industrial

7 ADIAL 58_Layout 1 07/11/ :40 Page 7 Agronegócio Indústria Comércio e serviços O ponto forte da economia dos Estados do Centro Oeste é o agronegócio. É a origem da formação desde os primeiros negócios, ainda na era subsistência. E como a grande commodity do mundo é o alimento, a região profissionaliza cada vez mais sua produção, atendendo fortemente os mercados internos e externos. A fronteira agrícola passou pela região e ainda avança no Norte do Mato Grosso e de Goiás, deixando bons números. Os três Estados agrícolas da região estão em expansão. O modelo já se tornou empresarial. Mesmo as atividades de suporte à produção e ao produtor rural, por mais simples que sejam, são atendidas por profissionais liberais qualificados e/ou empresas especializadas. O campo se modernizou e dialoga com a atividade empresarial urbana. O ganho de produtividade coloca o Centro Oeste como uma das regiões mais modernas para produzir alimentos no mundo. 7 Multinacionais e empresas locais, que cresceram na era do agronegócio, hoje respondem pelo aproveitamento e processamento de grande parte da produção agropecuária. Se parte ainda é exportada in natura, que é uma realidade, esta é realizada por grandes indústrias. Assim, seja o produto processado ou não, entre os produtores e os grandes mercados mundiais têm sempre uma empresa atuando. Estas indústrias modificaram o panorama de negócios no Estado. O setor, na década de 70, representava 5% do PIB. Atualmente, ultrapassa 35%. Mais de 60% dos alimentos consumidos no País, do leite à carne, arroz, feijão e açúcar, são produzidos no Centro Oeste. As indústrias instalaram, por isso, suas fábricas na região. E, pelos números, não arrependeram. É muito baixo o índice de fechamento de indústria, sendo que a maioria passa por expansão cinco anos após a inauguração. Se o agronegócio é a grande marca do Centro Oeste, não se pode esquecer que o Distrito Federal, a unidade federativa que não tem a produção agrícola como força, é destaque nacional no setor de serviços. Goiás, é bom destacar, é forte no comércio e, principalmente, no comércio atacadista distribuidor. Essa heterogeneidade econômica da região a fortalece. O setor de serviços é uma marca do Distrito Federal por estar em Brasília o centro administrativo federal do País, que atrai, por exemplo, parte do setor financeiro e todos sub setores para se instalarem na região e o de turismo. A renda per capita é de longe a maior do País e o PIB da capital fica atrás apenas de São Paulo e Rio. Com isso, o eixo de consumo Goiânia Anápolis Brasília é apontado como um dos mais promissores do País, atraindo investimentos em comércio, indústria e construção. Pró-Industrial

8 ADIAL 58_Layout 1 07/11/ :40 Page 8 ENTREVISTA Nome: Ryan McGonigle Área de atuação: advogado norte americano, da Baker and Rammells, PA 8 Pró-Industrial

9 ADIAL 58_Layout 1 07/11/ :40 Page 9 Visão externa sobre patente PRÓ INDUSTRIAL ENTREVISTA ESPECIALISTA AMERICANO SOBRE MARCAS E PATENTES, QUE ABORDA COMO A INDÚSTRIA DEVE CUIDAR DE SUA MARCA Oadvogado norte americano Ryan McGonigle é um dos especialistas mais respeitados na área empresarial nos EUA, principalmente, na gestão de marcas e patentes, propriedade industrial, nas áreas de marcas, copyright e trade dress. McGonigle, que é sócio no escritório de Baker and Rannells, PA com sede no estado de New Jersey (EUA), respondeu aos questionamentos da Pró Industrial por e mail. Fluente em português e espanhol, ele é membro da Associação Inter Americana de Propriedade Intelectual (ASIPI) e International Trademark Association (INTA). Ryan está admitido a praticar nos tribunais estatais e federais dos Estados de New York e New Jersey. O especialista, na entrevista a seguir, trata do tema marcas industrial nos mercados americano, brasileiro e europeu e recomenda: Antecipe se, registre e evite problemas futuros. Confira a seguir os principais trechos da entrevista: Michal Gartenkraut 9 O registro de patentes e ideias não é, historicamente, uma preocupação do empresário brasileiro. Essa situação tem mudado nos últimos anos? Sim, começando com a ratificação do Tratado de Cooperação em Matéria de Patentes (conhecido pela sua sigla em inglês, PCT ) em 1978, a perspectiva do empresário brasileiro vis à vis patentes tinha mudado bastante. O PCT, entre outros tratados ou convenções em vigor no Brasil, tem a vantagem de conceder ao empresário brasileiro o direito de prioridade em outros países que mantenham acordo com o Brasil. Hoje em dia, o PCT tem 148 estados membros. Com um simples clique, o empresário brasileiro pode reivindicar no pedido brasileiro, essa prioridade em outros países sem a necessidade de rentabilizar a sua invenção. Há pouco tempo, o INPI inaugurou o sistema epctfiling para racionalizar o processo. Com tudo em conta, isso lhe confere ao empresário brasileiro a habilidade de estabelecer o valor prático da sua invenção fora do território nacional com um influxo O empresário brasileiro deve adotar uma estratégia orientada para o fabricante chinês para evitar problemas antes que eles começem a surgir. moderado de capital. O setor industrial, por adotar constantes práticas de desenvolvimento de produtos e marcas, é um dos mais afetados por ações contra propriedade intelectual. Pró-Industrial

10 ADIAL 58_Layout 1 07/11/ :40 Page 10 Já foram registrados casos em que o concorrente passa a fabricar produtos e nomes semelhantes, citando na embalagem ou no marketing similar a tal produto (nome do concorrente). Como a indústria deve agir e se proteger? A lei brasileira dispõe que a propriedade da marca adquire se pelo registro validamente expedido. Por isso, por um lado, a indústria tem de apresentar o quanto antes possível pedidos de registro de marca para as suas propriedades intelectuais. Após o registro da marca, se o concorrente vai demasiado longe, a lei brasileira também prevê como crime contra registro de marca quem: reproduz, sem autorização do titular, no todo ou em parte, marca registrada, ou imita a de modo que possa induzir confusão ou altera marca registrada de outrem já investe em produto colocado no mercado. No que se refere ao marketing similar, a publicidade não pode ser enganosa. Se é enganosa, deve ser proibida. Nos EUA, é completamente ilícita, citar na embalagem ou no marketing algo como, compare este produto com qualquer outra marca. Algumas empresas usam o fabricante chinês para importar produtos que, muitas vezes, foram encomendados com modelo préedefinido, uma cópia de um produto local. Essa operação pode ser coibida já que o produto é feito fora do País, ou seja, vem Made in China? O empresário brasileiro deve adotar uma estratégia orientada pelo fabricante chinês a evitar problemas antes que eles começem a surgir. Primeiramente, faz uma 10 A maior ofensiva é uma boa defesa. Se se preparar com antecedência para os males, você pode evitá los. auditoria do seu fabricante chinês para averiguar a origem dos modelos que esta utilizando para fabricar produtos destinados para o Brasil. Segundo, garanta que as suas marcas estejam apresentadas em todos os países. E o contrário, como proteger uma invenção, produto ou marca brasileira em mercados como Estados Unidos e Europa? Tal como mencionei antes, o empresário brasileiro pode utilizar o PCT para estender as suas patentes aos EUA e Europa. Nos EUA, o empresário brasileiro pode apresentar as suas marcas sob: uma intenção de uso; uso atual no território dos EUA; ou um pedido ou registro brasileiro. É imperativo lembrar que o empresário brasileiro tem de utilizar as suas marcas no território dos EUA para mantêlas. Mas, o início das vendas nos EUA, podia ser modesto crescendo aos poucos porque até o próprio Starbucks começou com apenas uma loja. A situação na União Europeia é diferente. O empresário brasileiro pode registrar as suas marcas sem a prova de uso. Sendo assim, uso no mercado comunitário é essencial para evitar um contra ataque sob a base de um abandono presumido. É importante destacar que antes de vender/exportar produtos para o exterior, é aconselhavel que o empresário realize uma busca prévia para determinar a disponibilidade da sua marca fora do Brasil. Um registro é a proteção obtida junto ao INPI e apenas produz efeitos no território brasileiro. Esse preceito se chama "territorialidade." Se for o caso que a marca esta disponível em outros países (e antes de exportá lo), seria recomendável depositar um novo pedido no país ou território onde você pretende vender. Sempre é recomendável efetuar um registro de antemão, antes de se lancar em negociações com distribuidores, exportadores ou clientes no exterior. Isso, inclui situações de contratos de industrialização de produtos no exterior (p.e., private label) para exportação e venda no Brasil. Já vimos situações nos EUA (e em outros países através de acordos "private label") no que um distribuidor/importador/industrial praticar um tipo de "concorrência desleal" através da apresentação de pedidos de marcas alheias de companhias conhecidas ou de companhias a quem está fabricando produtos. O preceito de territorialidade pode isolar esse terceiro de acusações de infringir e fraudar. Assim sendo, me faz lembrar de um dito famoso daqui: "A maior ofensiva e uma boa defesa." Se se preparar com antecedência para os males, você pode evitá los. Um jeito certo de evitar problemas antes de que surjam é realizar o registro da marca. Pró-Industrial

11 ADIAL 58_Layout 1 07/11/ :40 Page 11

12 ADIAL 58_Layout 1 07/11/ :40 Page 12 INCENTIVOS FISCAIS Projeto pode ir ao Plenário na próxima semana Senado aprova convalidação dos incentivos fiscais PROJETO DE LEI JÁ PASSOU POR COMISSÃO E DEVE SER VOTADO EM PLENÁRIO. ACORDO PARA APROVAÇÃO SAIU APÓS RISCO DO STF VOTAR SÚMULA AComissão de Assuntos Econômicos (CAE) aprovou, nesta terça feira (4), projeto que permite aos estados e ao Distrito Federal (DF) a convalidação dos incentivos fiscais, alvos de várias ações no Supremo Tribunal Federal (STF). A decisão foi precedida de uma rodada de negociações no gabinete do relator, senador Luiz Henrique (PMDB SC), com alguns secretários estaduais de Fazenda e o coordenador do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), José Tostes. O texto aprovado é o quinto substitutivo apresentado por Luiz Henrique este ano e incorporou parcialmente emendas dos senadores Ricardo Ferraço (PMDB ES) e Romero Jucá (PMDB RR) ao projeto original (PLS 130/2014) da senadora Lúcia Vânia (PSDB GO). A proposta deverá ser votada pelo Plenário, onde poderá receber novas emendas. Os entendimentos, que envolveram também o secretário da Fazenda de São Paulo, Andrea Calabi, levaram o senador Eduardo Suplicy (PT SP) a retirar voto em separado pela rejeição da proposta. Foi decisiva na votação desta terça feira a possibilidade de o Supremo Tribunal Federal (STF) colocar em pauta este mês a Proposta de Súmula Vinculante 69, que considera inconstitucionais os incentivos fiscais relativos ao ICMS concedidos sem prévia aprovação do Confaz. Para Romero Jucá, a edição dessa súmula poderá causar "um verdadeiro terremoto econômico" nos estados menos desenvolvidos. Ricardo Ferraço observou que o projeto aprovado pela CAE pode ajudar a superar a insegurança jurídica responsável pela paralisia nos investimentos. O substitutivo permite aos estados e ao DF a celebração de convênios para a remissão (perdão) dos créditos tributários decorrentes de incentivos instituídos em desacordo com a Constituição. Ao mesmo tempo, faculta a recriação desses benefícios. Atualmente, qualquer convênio com esse objetivo requer a adesão dos 27 secretários estaduais de Fazenda. A nova regra, aplicável apenas às convalidações, torna válido o convênio que tiver a assinatura dos representantes de dois terços dos estados e um terço das unidades federadas integrantes de cada uma das cinco regiões do país. Os estados e o DF terão de publicar, nos respectivos diários oficiais, relação de todos os atos normativos referentes a isenções, incentivos e benefícios fiscais. Além disso, se obrigam a depositar na secretaria executiva do Confaz todos os documentos relativos a essas operações, sob pena de tê las revogadas. Conforme o substitutivo, os estados 12 Pró-Industrial

13 ADIAL 58_Layout 1 07/11/ :40 Page 13 e o DF poderão prorrogar os incentivos fiscais desde que sejam cumpridos alguns prazos limite para as empresas tirarem proveito desses benefícios: 15 anos para atividades agropecuárias e industriais e investimentos em infraestrutura rodoviária, aquaviária, ferroviária, portuária, aeroportuária e de transporte urbano; oito para manutenção ou incremento de atividades portuárias e aeroportuárias vinculadas ao comércio internacional; e três anos para operações interestaduais com produtos agropecuários e extrativos vegetal in natura. Os Estados e o DF poderão estender a concessão dos incentivos a outros contribuintes estabelecidos em seu território, sob as mesmas condições e nos prazos limite anteriormente estabelecidos. Também é permitido a um estado aderir a benefícios fiscais instituídos por outro na mesma região. O substitutivo de Luiz Henrique tira do caminho da convalidação restrições da Lei Complementar 101/2000. Um dos pontos visados pelo texto é o artigo 14 dessa norma, conhecida como Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que prevê a elaboração de estimativa de impacto orçamentário financeiro da concessão ou ampliação de incentivo fiscais. Uma medida também afastada é a obrigatoriedade de compensação pela perda de receita decorrente do benefício fiscal, como aumento ou criação de tributo. Vários senadores, como Ana Amélia (PP RS), Lúcia Vânia, Cyro Miranda (PSDB GO), Gleisi Hoffmann (PT PR), Waldemir Moka (PMDB MS) e Vanessa Grazziotin (PCdoB AM), destacaram a importância da decisão da CAE para os investimentos nos estados. SEFAZ GO José Taveira, secretário de Fazenda de Goiás, celebrou a aprovação, como disse ao Popular. Segundo ele, foi aberto caminho para um grande acordo entre os Estados para discutir a reforma tributária. Mas é preciso aguardar um pouco mais antes de se falar na redução das alíquotas estaduais. Também favorável à convalidação 13 A nova regra proposta para as decisões do Confaz vai obrigar os Estados mais poderosos a pensar o quanto é importante para o Brasil e as futuras gerações o desenvolvimento regional. senador Cyro Miranda A guerra não acabou, mas a vitória de agora é importante Flávio Rodovalho, tributarista e consultor da ADIAL dos incentivos, o senador Walter Pinheiro (PT BA) anunciou a intenção de retomar a discussão da reforma do ICMS e da criação de dois fundos um para compensar os estados por eventual É um projeto muito importante para os nossos Estados porque dá segurança jurídica para as empresas que estão dependendo desses incentivos. senadora Lúcia Vânia, autora do PLS 130/2014 perda de receita com a unificação das alíquotas e outro para estimular o desenvolvimento regional que integravam um conjunto de medidas propostas em 2013 pelo Executivo. Pró-Industrial

14 ADIAL 58_Layout 1 07/11/ :40 Page 14 MARKETING & PRODUTOS Bonduelle Bonduelle amplia linha de vegetais congelados. A marca está ampliando seu portfólio de vegetais congelados e lança três novas opções de misturas: Vegetais à Oriental, Vegetais à Grega e Vegetais à Russa, além de já contar com a Couve Manteiga. Os produtos são distribuídos em embalagens nas versões 300g e 1,02kg, exceto a couve manteiga que estará disponível apenas na versão de 1,02kg. Nestlé A marca apresenta três sabores de sorvete que vão integrar a linha La Frutta durante o verão: morango com framboesa, manga com maracujá e coco com abacaxi. Todos os sabores são vendidos em embalagens para consumo coletivo. Segundo a Nestlé, os sorvetes são feitos à base de água e com textura mais leve do que os tradicionais produzidos com leite. Outra aposta são os novos sabores de picolés: +Manga e +Coco. Unilever O Brasil será o primeiro dos 150 países onde a Unilever atua a receber a linha infantil da marca Dove, que deve chegar ao mercado neste mês. A Baby Dove é uma extensão da marca principal, assim como a Dove Men Care, voltada para os homens. A linha infantil dos produtos será o maior investimento da Unilever no segmento de cuidados pessoais no Brasil desde A marca Dove, como um todo, responde por 25% das vendas da empresa no Brasil nessa área. Sadia A linha Soltíssimo da Sadia terá cinco opções de fatiados: queijo prato, presunto cozido, mortadela defumada, queijo mussarela e peito de Peru, todos com embalagens de 200 g. A linha conta com a tecnologia S Fresh, que oferece maior praticidade e frescor ao produto, segundo a marca, além de contar com embalagens abre e fecha. Segundo a empresa, os frios serão produzidos na fábrica de Tatuí, em São Paulo, e inicialmente comercializados apenas no Rio de Janeiro e São Paulo, com possibilidade de ampliação para os demais Estados. Fugini A Fugini Alimentos apresenta a linha de condimentos em stand up pouch (bolsa plástica flexível que fica em pé) com bico dosador. A linha conta com cinco produtos: Ketchup, nas versões 340 gramas e 200 gramas, Maionese, também nas mesmas versões e Mostarda, na versão 200 gramas. Segundo a Fugini, as novas embalagens apresentam como vantagens a facildade de uso e armazenagem; shape anatômico, proporcionando fácil aplicação do produto; conceito utilização até a última gota ; e evita a entrada de ar, prevenindo a oxidação e contaminação do produto. 14 Pró-Industrial

15 ADIAL 58_Layout 1 07/11/ :40 Page 15 Mabel Os biscoitos Toddy Wafer e as rosquinhas Mabel, da PepsiCo, apresentam novas embalagens para o consumo individual. Os produtos estão disponíveis nas versões de 29 gramas e de 60 gramas respectivamente. Segundo a PepsiCo, as novas embalagens têm o tamanho ideal para o consumo rápido e conveniente. E O produto ganhou nova formulação feita com ingredientes naturais, segundo a empresa. Outra novidade é a embalagem upside down, que possui a tampa na parte inferior, com válvula para controle do fluxo e formato ergonômico. Segundo a pesquisa realizada com consumidores pela Sensenova, instituto de pesquisa especializado em desenvolvimento e pesquisa Sensorial, o lançamento obteve 95% de aceitação geral e intenção de compra. O produto atende a demanda de uma categoria, que segundo o Consumer Book Kantar 2014, cresce 13% em volume. GSA A GSA amplia a linha de refrescos com o sabor Caju. O produto será distribuído em todo o país, nas opções 2L e 10L e deve chegar às gôndolas dos supermercados neste mês de outubro. Além da novidade, a linha conta com os sabores goiaba, frutas vermelhas, salada de frutas, abacaxi, manga, uva, morango, laranja, limão, maracujá e tangerina na versão 1L, goiaba, jabuticaba, frutas vermelhas, salada de frutas, manga, uva, morango, tangerina, maracujá, laranja, frutas roxas e abacaxi, na versão 2L e salada de frutas, morango, maracujá e laranja, na versão 10L. Piracanjuba A Piracanjuba unificou os produtos da marca destinados ao público infantil na família Pirakids. A linha Pirakids agora contempla as bebidas lácteas Pirakids e Piracanjuba zero lactose, e o leite UHT Integral Piracanjuba Crescer. A nova identidade visual da família Pirakids foi idealizada pela Guepa, agência de design especializada na gestão de marcas. O destaque foi a mascote, que ganhou contornos lúdicos. As embalagens ficaram mais coloridas. A intenção é dar destaque nos pontos de vendas e promover a identificação do público com o produto. Nosso intuito foi tornar o contato com o consumidor mais claro e fácil, sempre ressaltando o conceito de família, afirma Lisiane Guimarães, gerente de marketing da Piracanjuba. 17 Pró-Industrial

16 ADIAL 58_Layout 1 07/11/ :40 Page 16 EMPRESA Mitsubishi vai produzir novo Lancer em Goiás MODELO FOI APRESENTADO NO SALÃO DO AUTOMÓVEL DE SÃO PAULO. SEDAN SERÁ FABRICADO EM GOIÁS, ASSIM COM JÁ SÃO O PAJEROS TR4 E DAKAR, A L200 E O ASX Visual arrojado com espaço de sobra para toda a família. O Lancer já conquistou as ruas de todo o Brasil com seu visual inovador e muito conforto. Agora esse sedan ganha as cores do Brasil e passa a ser produzido na fábrica da Mitsubishi Motors, em Catalão (GO), onde mantém operação há 16 anos. "A nacionalização do Lancer é um grande marco para a Mitsubishi Motors do Brasil. É o primeiro sedan a ser produzido em nossa fábrica, o que nos deixa muito orgulhosos. Junto com a inauguração da linha do Lancer, estamos finalizando a construção da nova fábrica de pintura com equipamentos de última geração. Tudo isso faz parte do investimento de R$ 1 bilhão do programa Anhanguera II, onde também lançamos a fábrica de motores e novas linhas de produção", garante Robert Rittscher, presidente da Mitsubishi Motors do Brasil. Além do Lancer, as picapes L200 Triton, os SUVs Pajero TR4 e Pajero Dakar e o crossover ASX são fabricados em Catalão. As principais características deste sedan foram mantidas e o Lancer 2015 ganha o novo sistema multimídia com recursos inéditos e uma tela Black Glass Touch Screen de 7". Repleto de recursos e sensível ao toque, tem uma navegação intuitiva, similar aos mais modernos tablets e smartphones, e vem com um acabamento cromado, oferecendo ainda mais requinte ao interior. O sistema multimídia é equipado com navegador GPS, Bluetooth com transmissão de áudio, dual vídeo zone, USB com interface para smartphones, CD/DVD, rádio, entrada auxiliar e para cartões SD, e o Dynamic Information System (DIS), com acelerômetro, aceleração lateral, bússola, inclinação frontal e altitude. O Lancer 2015 passa a ser oferecido em oito cores e ganha o novo Rear Lip Spoiler nas versões GT e AWD, conferindo ainda mais sofisticação no visual do veículo. As versões CVT e MT recebem um novo parachoque dianteiro, que resultam em menor ruído, melhor aerodinâmica e aparência mais esportiva. O Lancer é um veículo completo e vem 16 Pró-Industrial

17 ADIAL 58_Layout 1 07/11/ :40 Page 17 equipado com novas rodas aro 18", únicas no segmento e com design exclusivo para o modelo, sensor de acendimento de faróis, sensor de chuva, piloto automático e controle de áudio integrados ao volante, ar condicionado automático e computador de bordo no centro do painel, que reúne as informações que podem ser facilmente visualizadas com um simples toque no botão. Nas versões com câmbio CVT, os Paddle Shifters oferecem a possibilidade da troca manual de marchas, assim como na alavanca no console central, dando um toque ainda mais esportivo ao veículo. Com a produção nacional, o Lancer recebeu uma nova calibração no sistema de suspensão, deixando o veículo ainda adequado para as ruas e estradas brasileiras, além do novo pacote antirruído, que traz conforto para o motorista e passageiros. O Lancer tem um sistema de abertura do porta malas com braços pantográficos, que não ocupam espaço interno, não interferem no fechamento da tampa e não causam danos às bagagens. O Lancer é um carro versátil, capaz de levar toda a família com muito conforto. O interiorpremium Black traz bancos com couro nas versões GT e AWD, além do computador de bordo com tela de LCD colorida de alto contraste, que traz todas as informações do veículo com um simples toque no botão. HISTÓRIA DE SUCESSO NO BRASIL Em 1990, o mercado brasileiro se abria para as importações. Em 1991, os primeiros veículos Mitsubishi desembarcaram no País e a cidade de São Paulo inaugurou o primeiro ponto de venda da marca para comercializar a L200. A escolha deste segmento e o início da importação do Pajero Full, em 1992, foram um sucesso. Em apenas dois anos, a empresa já contava com 20 concessionárias Mitsubishi em 18 cidades do País. Uma rede diversificada que importava e distribuía os modelos Lancer, Space Wagon, Eclipse, 3000GT, Colt e Pajero Full. Nascia a MMC Automotores do Brasil. Alguns anos depois, em 1998, foi inaugurada a fábrica da Mitsubishi Motors Brasil, localizada em Catalão, em Goiás, promovendo o desenvolvimento da região. Em meio a uma ampla área ambiental, a unidade da Mitsubishi Brasil nasceu pautada pela excelência da qualidade e pela sustentabilidade, com a utilização responsável da água e a destinação adequada de seus resíduos sólidos desde o início. Com uma área construída de 14 mil metros quadrados, no dia 15 de julho saía da linha de montagem a primeira Mitsubishi L200. Cabine dupla, motor a diesel e tração nas quatro rodas. Em 2004, uma nova marca entraria para a história: já eram 100 mil veículos Mitsubishi vendidos no Brasil. Três anos depois, em 2010, a Mitsubishi anunciava o projeto Anhanguera II, que previa expansão para 247 mil metros quadrados de área construída até Atualmente, a fábrica de Catalão libera mais de 300 veículos por dia, com os mais altos padrões de qualidade em seus processos, desde o projeto de desenvolvimento do produto até a Auditoria Final pósmontagem. São fabricados, em Catalão, os modelos do Pajero TR4, Pajero Dakar, linha L200 Triton e ASX com o Lancer entrando agora em linha. A montadora importa os modelos do Pajero Full, Outlander, Lancer Sedan, Lancer Sportback Ralliart e Lancer Evolution X. Fábrica da Mitsubishi, em Catalão 17 Pró-Industrial

18 ADIAL 58_Layout 1 07/11/ :40 Page 18 LEITURA EMPRESARIAL REFORMA POLÍTICA O livro reúne alguns dos artigos de Murillo de Aragão, análises e propostas sobre a reforma política no Brasil. Ele não fica preso apenas ao imediato nem ao circunstancial, tenta com coragem mergulhar no caos da realidade política do Brasil, fazendo interpretações, tirando lições e apontando caminhos. O autor traz ao debate as principais propostas que estão sendo discutidas, as perspectivas reais para uma reforma política a curto e a médio prazo e para o futuro da nossa democracia. DÉCADA PERDIDA Este livro trata dos dez primeiros anos do Partido dos Trabalhadores no poder, de janeiro de 2003 a dezembro de Analisa, portanto, os dois mandatos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e os dois anos iniciais da gestão de Dilma Rousseff. Mais do que retrato definidor de uma Década perdida, o trabalho de Marco Antonio Villa desnuda padrões, revela modelos de comportamento, fixa estilos de conduta, o próprio modus operandi do PT no poder, o método, segundo o autor: aparelhar o Estado desde dentro e de forma que, progressivamente, não mais se distinga do partido. O NOVO CAPITAL Nenhum livro de economia publicado nos últimos anos foi capaz de provocar o furor internacional causado por O capital no século XXI, do francês Thomas Piketty. Seu estudo sobre a concentração de riqueza e a evolução da desigualdade ganhou manchetes nos principais jornais do mundo, gerou discussões nas redes sociais e colheu comentários e elogios de diversos ganhadores do Prêmio Nobel. Fruto de quinze anos de pesquisas incansáveis, o livro se apoia em dados que remontam ao século XVIII, provenientes de mais de vinte países, para chegar a conclusões explosivas. PELO MENOS, O BÁSICO Desconstrua o jargão e compreenda como você está envolvido na economia do dia a dia. Se você quer entender o básico de economia e compreender um assunto que nos afeta todo dia, então acabou de encontrar o que precisa no Economia Para Leigos. Este guia de fácil compreensão te leva através do mundo da Economia, dos conhecimentos sobre micro e macroeconomia e a desmistificação de tópicos complexos como capitalismo e recessão. CRASH!! Em Crash! Uma Breve História da Economia: Da Grécia Antiga ao Século XXI, o autor conta histórias curiosas e interessantes como a dos primeiros especuladores, que investiam em tulipas na Holanda, flor que caiu no gosto dos europeus no século XVII; a dos alemães, que precisavam sair carregados de dinheiro quando iam às compras, em meio a uma das maiores inflações que já existiram, perdendo apenas para a dos húngaros após a Segunda Guerra Mundial; e a dos brasileiros, que detêm até hoje o recorde de maior período de inflação da história.

19 ADIAL 58_Layout 1 07/11/ :40 Page 19 OPINIÃO CESAR HELOU Uma vitória dos incentivos fiscais Aaprovação na última semana do projeto de lei 130/2014, da senadora Lúcia Vânia (PSDB GO), que permite aos Estados e ao Distrito Federal convalidar os incentivos fiscais ilumina o turvo debate que se tornou a legislação dos incentivos fiscais. Sem respostas por décadas, o tema judicializou, quase virou alvo de súmula vinculante, e de uma mal sucedida reforma do ICMS, que o Congresso abortou para o bem do desenvolvimento regional do País. Ao ser aprovado na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, o que deve ocorrer nos próximos dias também no Plenário, a lei dará segurança jurídica ao investidor privado. Dezenas de grandes projetos industriais que cogitaram se instalar em Goiás não avançaram por conta deste temor que se criou no País uma indefinição tributária. A aprovação na comissão autoriza o Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) a aprovar incentivos sem unanimidade do colegiado de secretários estaduais de finanças. É o caminho da segurança jurídica, pois poderá validar incentivos fiscais no Confaz com voto de dois terços das unidades federadas e um terço das unidades federadas integrantes de cada uma das regiões do País. A unanimidade sempre fez com que as divergências sobre tributos estaduais, por mínima que fossem, se 19 tornassem casos de Justiça. Esta regra torna impraticável, no Confaz, a resolução de grandes disputas tributárias no País. Se um Estado firma posição sobre qualquer assunto, toda evolução do tema relativa a ele jamais chegará a uma definição. O fim da unanimidade dará ao Conselho Fazendário um papel dinâmico e de maior relevância no País. Essa proposta aprovada em Plenário garantirá também a manutenção dos incentivos, suprindo a falta de uma política de desenvolvimento nacional. A expectativa é que o diálogo do governo federal com toda sociedade, em busca de uma série de reformas necessárias, ocorra o mais breve possível. Agora, pode se iniciar e avançar um debate da reforma tributária sem a ameaça da Súmula Vinculante 69, que poderia extinguir todos incentivos fiscais e financeiros concedidos pelos Estados. Agora, com a possível anuência do Confaz, a ação no STF perde efeito. Após a aprovação em plenário do PLS 130, vamos discutir melhor o futuro dos incentivos fiscais, pois somos a favor de que eles jamais acabem, mas que sejam organizados e aperfeiçoados. Defendemos os incentivos ao setor produtivo como ferramenta de desenvolvimento industrial, pois, antes, os Estados que estão fora do eixo da tradicional indústria brasileira nunca tiveram acesso ou fizeram parte da estratégia de crescimento regional do País. Essa ascensão foi promovida somente quando foram criados, por iniciativa dos Estados menos desenvolvidos e com recursos de seu orçamento, os benefícios fiscais com o ICMS. Estados multiplicaram seu PIB, seu parque industrial e a geração de empregos além de ampliarem sua arrecadação tributária. Uma reforma dos tributos precisa dar condições de continuidade de crescimento para estes Estados. Deve ser o princípio base do projeto: preservar ou criar novas condições de expansão para os Estados emergentes, em benefício do País. A independência econômica de alguns Estados brasileiros foi alcançada por meio dos incentivos fiscais que eram deles e pelas suas vantagens competitivas, como localização, matéria prima, mão de obra, entre outros. Não existe vantagem maior para uma nação que disseminar e distribuir o crescimento econômico. As eras da concentração e discriminação fazem parte de um passado, do Brasil do atraso. O futuro do País é promover o desenvolvimento regional e estimular a modernização das nossas indústrias com uma política industrial corajosa. Cesar Helou é empresário e presidente da ADIAL Pró-Industrial

20 ADIAL 58_Layout 1 07/11/ :40 Page 20

INCENTIVOS FISCAIS EM RISCO. e GOIÂNIA, 28 DE JUNHO DE 2011

INCENTIVOS FISCAIS EM RISCO. e GOIÂNIA, 28 DE JUNHO DE 2011 Cenário Atual, Perspectivas s e Reflexões e GOIÂNIA, 28 DE JUNHO DE 2011 CONFAZ - Conselho Nacional de Política Fazendária - Constituição i Federal 1988 art. 155, 2º, XII, g - Cabe a Lei Complementar regular

Leia mais

Fiec entra na Justiça contra norma fiscal sobre importados

Fiec entra na Justiça contra norma fiscal sobre importados Fonte: Dr. Richard Dotoli (sócio do setor tributário na SCA Rio de Janeiro) MEDIDA DO CONFAZ Fiec entra na Justiça contra norma fiscal sobre importados 01.05.2013 A ação requer que indústrias importadoras

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 20, DE 2015

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 20, DE 2015 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 20, DE 2015 QUESTÕES FEDERATIVAS EM DEBATE NO SENADO EM 2015 Marcos Mendes 1 Diversas matérias que afetam as relações fiscais federativas estão em tramitação no Congresso Nacional,

Leia mais

Resolução do Senado nº 13/2012 ICMS nas Operações Interestaduais com bens importados

Resolução do Senado nº 13/2012 ICMS nas Operações Interestaduais com bens importados Resolução do Senado nº 13/2012 ICMS nas Operações Interestaduais com bens importados René de Oliveira e Sousa Júnior Diretor na Secretaria Executiva do Ministério da Fazenda e Presidente da COTEPE/ICMS,

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP

Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP A utilização do ICMS como instrumento de indução do desenvolvimento regional. Reforma tributária A questão regional é uma das questões

Leia mais

Departamento de Competitividade e Tecnologia

Departamento de Competitividade e Tecnologia Custos Econômicos e Sociais da Guerra Fiscal do ICMS na Importação DECOMTEC/FIESP Se não bastassem os efeitos da guerra cambial, dos elevados juros e da elevada carga, a indústria nacional enfrenta agora

Leia mais

1 Informações diversas Câmara aprova ampliação de parcelamento do Refis da crise O plenário da Câmara aprovou na noite desta quarta-feira (21) a medida provisória que amplia o parcelamento de débitos tributários,

Leia mais

INFORMATIVO CONTÁBIL/FISCAL OCB/ES Nº 13/2014

INFORMATIVO CONTÁBIL/FISCAL OCB/ES Nº 13/2014 INFORMATIVO CONTÁBIL/FISCAL OCB/ES Nº 13/2014 (01 de Agosto de 2014) 01. RECEITA ESTADUAL ALERTA SOBRE RISCO DE PENALIDADE RELACIONADA A EFD. Órgão: Secretaria da Fazenda do Estado do Espírito Santo -

Leia mais

Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato

Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato 1 Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato Estudos Técnicos CNM Introdução Em decorrência da surpresa dos dirigentes municipais com a atual dificuldade financeira vivida pelos

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 21 de março de 2013 1 A economia

Leia mais

Sistema tributário brasileiro: Distorções e necessidade de mudança

Sistema tributário brasileiro: Distorções e necessidade de mudança Sistema tributário brasileiro: Distorções e necessidade de mudança Bernard Appy maio de 2015 Sistema tributário brasileiro Características desejáveis Características desejáveis de um sistema tributário

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS Nota Técnica 7/13 (7 de Maio) Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Núcleo de Assuntos Econômico-Fiscais NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS IMPACTOS DA DIVISÃO DO

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

MANTEGA ANUNCIA REDUÇÃO DE ICMS INTERESTADUAL

MANTEGA ANUNCIA REDUÇÃO DE ICMS INTERESTADUAL MANTEGA ANUNCIA REDUÇÃO DE ICMS INTERESTADUAL A unificação das alíquotas do ICMS para acabar com a guerra fiscal será gradual e levará oito anos, anunciou nesta quarta-feira (7/11) o ministro da Fazenda,

Leia mais

OS POSSÍVEIS EFEITOS DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 683/2015

OS POSSÍVEIS EFEITOS DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 683/2015 OS POSSÍVEIS EFEITOS DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 683/2015 SÓCRATES ARANTES TEIXEIRA FILHO Consultor Legislativo da Área IV Finanças Públicas AGOSTO/2015 Sócrates Arantes Teixeira Filho 2 SUMÁRIO 1. Introdução...

Leia mais

Propostas do Governo para o ICMS

Propostas do Governo para o ICMS Propostas do Governo para o ICMS Audiência pública da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 11 de março de 2013 Avaliação geral Proposta do Governo vai na direção correta em termos

Leia mais

Vantagens do uso do Selo da Agricultura Familiar para os empreendimentos da Bahia

Vantagens do uso do Selo da Agricultura Familiar para os empreendimentos da Bahia Vantagens do uso do Selo da Agricultura Familiar para os empreendimentos da Bahia Guilherme Cerqueira Mateus e Souza 1 Daniel Costa Ferreira 2 Jeandro L. Ribeiro 3 1 Economista (UFBA), Consultor do PNUD/MDA/

Leia mais

TRANSPORTE ESCOLAR PROGRAMAS DE APOIO DO GOVERNO FEDERAL

TRANSPORTE ESCOLAR PROGRAMAS DE APOIO DO GOVERNO FEDERAL TRANSPORTE ESCOLAR PROGRAMAS DE APOIO DO GOVERNO FEDERAL PAULO DE SENA MARTINS Consultor Legislativo da Área XV Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia MAIO/2008 Paulo de Sena Martins 2 2008

Leia mais

Resolução do Senado Federal nº 13/2012: características, problemas e soluções. Marcelo Viana Salomão Mestre e doutorando PUC/SP

Resolução do Senado Federal nº 13/2012: características, problemas e soluções. Marcelo Viana Salomão Mestre e doutorando PUC/SP Resolução do Senado Federal nº 13/2012: características, problemas e soluções Marcelo Viana Salomão Mestre e doutorando PUC/SP ICMS - ICMS: imposto de conformação nacional exaustivamente regrado pela CF/88;

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

Klako Group. Incorporação, Contabilidade e Assessoria Tributária. Otimização e Controle de Qualidade. Beijing Hong Kong Shanghai Shenzhen

Klako Group. Incorporação, Contabilidade e Assessoria Tributária. Otimização e Controle de Qualidade. Beijing Hong Kong Shanghai Shenzhen Klako Group Incorporação, Contabilidade e Assessoria Tributária Otimização e Controle de Qualidade Beijing Hong Kong Shanghai Shenzhen Visite nossa site http://www.klakogroup.com Nossa Empresa Klako Group

Leia mais

REQUERIMENTO nº, de 2015. (Do Sr. Carlos Melles)

REQUERIMENTO nº, de 2015. (Do Sr. Carlos Melles) REQUERIMENTO nº, de 2015 (Do Sr. Carlos Melles) Requer a Convocação de Sessão Solene em 2016, em Homenagem ao vigésimo aniversário da Lei que criou o SIMPLES no Brasil. Senhor Presidente, Representando

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº512, DE 2010 NOTA DESCRITIVA

MEDIDA PROVISÓRIA Nº512, DE 2010 NOTA DESCRITIVA MEDIDA PROVISÓRIA Nº512, DE 2010 NOTA DESCRITIVA DEZEMBRO/2010 Nota Descritiva 2 SUMÁRIO I - MEDIDA PROVISÓRIA Nº 512, DE 2010...3 II EMENDAS PARLAMENTARES...4 III JUSTIFICATIVA DA MEDIDA PROVISÓRIA...6

Leia mais

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento A Reforma Tributária e o Desenvolvimento Por que a Reforma Tributária é Fundamental? Acelera o crescimento econômico Torna o crescimento mais sustentável É a reforma econômica mais importante Reforma Tributária

Leia mais

Apresentação Institucional Sistema Cooperativista

Apresentação Institucional Sistema Cooperativista Apresentação Institucional Sistema Cooperativista 2011 História do Cooperativismo 1844 1899 Déc. 50 Déc. 60 1969 Surge o cooperativismo moderno Inglaterra... Primeira cooperativa brasileira Ouro Preto/MG...

Leia mais

$ $ À espera da competitividade

$ $ À espera da competitividade etanol À espera da competitividade foi mais um ano de sufoco para o setor sucroalcooleiro, que ainda sente os reflexos da crise de 2008, que deixou as usinas sem crédito, justamente quando haviam assumido

Leia mais

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015 Investe São Paulo Campinas, 17 de março de 2015 Missão Ser a porta de entrada para novos investimentos e a expansão dos negócios existentes, gerando inovação tecnológica, emprego e renda. Promover a competitividade

Leia mais

Medidas anunciadas pelo governo afetam mercado imobiliário, cursinhos e servidores públicos federais

Medidas anunciadas pelo governo afetam mercado imobiliário, cursinhos e servidores públicos federais Fonte: O Globo Data: 16/09/2015 Seção: Economia Versão: Impresso (página 25) e Online Medidas anunciadas pelo governo afetam mercado imobiliário, cursinhos e servidores públicos federais Retomada de cobrança

Leia mais

Proposta de Reforma do ICMS. Nelson Barbosa 11 Dezembro de 2012

Proposta de Reforma do ICMS. Nelson Barbosa 11 Dezembro de 2012 Proposta de Reforma do ICMS Nelson Barbosa 11 Dezembro de 2012 1 Por que a reforma? A guerra fiscal se esgotou A incerteza jurídica sobre os incentivos do ICMS já prejudica realização de novos investimentos

Leia mais

ICMS: Guerra Fiscal e a Zona Franca de Manaus. Carlos Alberto de Moraes Ramos Filho

ICMS: Guerra Fiscal e a Zona Franca de Manaus. Carlos Alberto de Moraes Ramos Filho ICMS: Guerra Fiscal e a Zona Franca de Manaus Carlos Alberto de Moraes Ramos Filho Guerra Fiscal : Definição Práticas competitivas entre entes de uma mesma federação em busca de investimentos privados.

Leia mais

O Desempenho do Investimento Público do Ceará, 2007 2012, uma análise comparativa entre os Estados.

O Desempenho do Investimento Público do Ceará, 2007 2012, uma análise comparativa entre os Estados. Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

Financiamento ao Agronegócio. Internacionalização da Agroindústria

Financiamento ao Agronegócio. Internacionalização da Agroindústria Financiamento ao Agronegócio Internacionalização da Agroindústria BRF Visão Geral BRF Principais Key Brands Marcas Dados Financeiros 3 Uma das maiores empresas de alimentos do Brasil e do mundo 7 a maior

Leia mais

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL 01/10/2015 ATENÇÃO: Prorrogação dos incentivos fiscais ao esporte Os incentivos fiscais para fomento das atividades de caráter desportivo (originalmente

Leia mais

Aeconômica que nosso país

Aeconômica que nosso país 2 Informativo Sescon - Ano V - n 9 - Setembro 2015 A palavra do Presidente Caro leitor, instabilidade política e Aeconômica que nosso país atravessa neste ano, tem c a u s a d o p r e o c u p a ç õ e s,

Leia mais

MORTE DO ÍNDIO OZIEL GABRIEL: UMA TRAGÉDIA ANUNCIADA. Senhor Presidente,

MORTE DO ÍNDIO OZIEL GABRIEL: UMA TRAGÉDIA ANUNCIADA. Senhor Presidente, ** Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 05/06/2013. MORTE DO ÍNDIO OZIEL GABRIEL: UMA TRAGÉDIA ANUNCIADA Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, No dia

Leia mais

A Feira do Empreendedor 2014 em São Paulo faz parte de um circuito de feiras que será realizado em vários estados da federação.

A Feira do Empreendedor 2014 em São Paulo faz parte de um circuito de feiras que será realizado em vários estados da federação. 1 A Feira do Empreendedor é um evento de sucesso promovido pelo SEBRAE-SP, com o objetivo de oferecer informação, conhecimento e oportunidade para empresários e futuros empreendedores. A Feira do Empreendedor

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador WALTER PINHEIRO

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador WALTER PINHEIRO PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei do Senado n 689, de 2011, do Senador Vital do Rêgo, que acrescenta 3º ao art. 84 da Lei nº 9.279, de 14 de maio de 1996, para

Leia mais

Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas

Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas O governo brasileiro, por meio da Receita Federal do Brasil (RFB), está implantando mais um avanço na informatização da relação entre o fisco e os contribuintes.

Leia mais

C L I P P I N G DATA: 16.12.2015

C L I P P I N G DATA: 16.12.2015 C L I P P I N G DATA: 16.12.2015 Terceirização faz parte de estratégia de negócios das empresas A terceirização é uma realidade mundial e o Brasil não foge à regra. Ela está presente no processo de fabricação

Leia mais

PROJETO GOIÁS ASSOCIAÇÃO DOS JOVENS EMPREENDEDORES E EMPRESÁRIOS DE GOIÁS

PROJETO GOIÁS ASSOCIAÇÃO DOS JOVENS EMPREENDEDORES E EMPRESÁRIOS DE GOIÁS PROJETO GOIÁS PROJETO AGROJOVEM AJE-GOIÁS CONTEXTO Uma das principais preocupações da agricultura na atualidade é a sucessão nas propriedades rurais, não somente aqui no Brasil, mas como em grandes países

Leia mais

Análise Semanal. Edição nº 23 10/07/15 CONJUNTURA ECONÔMICA. Mais um plano

Análise Semanal. Edição nº 23 10/07/15 CONJUNTURA ECONÔMICA. Mais um plano Mais um plano CONJUNTURA ECONÔMICA A chave da agenda positiva tão perseguida pelo governo federal em tempos de crise política e volta da inflação parece ser a preservação dos empregos. Na última terça-feira

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

Finanças dos clubes de futebol do Brasil em 2011

Finanças dos clubes de futebol do Brasil em 2011 Finanças dos clubes de futebol do Brasil em 2011 Maio 2012 A BDO é a quinta maior empresa de auditoria e consultoria do Brasil, e realiza estudos e análises sobre a Indústria do Esporte, por meio de sua

Leia mais

A Resolução 13 do Senado Federal

A Resolução 13 do Senado Federal A Resolução 13 do Senado Federal Paulo Ayres Barreto Professor Associado - USP Aspectos gerais Investidores buscam ambiente seguro. Ambiente atual de negócios no Brasil afasta investidores. Custo Brasil

Leia mais

Programa Regionalização

Programa Regionalização Programa Regionalização Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Setembro/2010 Gestor: Henrique Villa da Costa Ferreira Secretário de Políticas de Desenvolvimento

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

GERENCIAMENTO TRIBUTÁRIO

GERENCIAMENTO TRIBUTÁRIO Dr. Erlanderson de O. Teixeira Planejamento Tributário Teses tributárias Gerenciamento de Passivos Parcelamento www.erlandeson.com.br GERENCIAMENTO TRIBUTÁRIO Carga Tributária Brasileira Porque pagar os

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ALVARO DIAS I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ALVARO DIAS I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 22, de 2011, do Senador Lindbergh Farias, que autoriza a União a conceder isenção fiscal,

Leia mais

Cliente: Sindicerv Veículo: www.parana-online.com.br Data: 19-10-2010 Imagem Corporativa Monopólio no setor de bebidas é alvo de críticas Helio Miguel Pequenas perdem espaço. A enorme concentração no setor

Leia mais

A TRIBUTAÇÃO NO SETOR DE ALIMENTOS

A TRIBUTAÇÃO NO SETOR DE ALIMENTOS A TRIBUTAÇÃO NO SETOR DE ALIMENTOS Estrutura Tributária Complexa e Confusa Múltiplos Impostos Federais, Estaduais, Municipais, com legislação inconstante. Insegurança Jurídica. Alto Custo de Gestão dos

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

Metas do PNE para a educação e os impactos no seu financiamento: o Fundeb e as matrículas nas creches

Metas do PNE para a educação e os impactos no seu financiamento: o Fundeb e as matrículas nas creches 15 Metas do PNE para a educação e os impactos no seu financiamento: o Fundeb e as matrículas nas creches 1. Competências de Estados e Municípios e os investimentos em educação no País O sistema educacional

Leia mais

Suposta Guerra Fiscal dos Portos e a Inconstitucionalidade da Resolução 72/2010 do Senado Federal

Suposta Guerra Fiscal dos Portos e a Inconstitucionalidade da Resolução 72/2010 do Senado Federal Suposta Guerra Fiscal dos Portos e a Inconstitucionalidade da Resolução 72/2010 do Senado Federal Rinaldo Maciel de Freitas 1 Não há como associar uma suposta desindustrialização, ou, a redução de empregos

Leia mais

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar AGENDA BAHIA Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar Além das reformas tributária e trabalhista, país precisa investir em infraestrutura eficaz, na redução do custo da energia

Leia mais

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013 Atuação das Instituições GTP- APL Sebrae Brasília, 04 de dezembro de 2013 Unidade Central 27 Unidades Estaduais 613 Pontos de Atendimento 6.554 Empregados 9.864 Consultores credenciados 2.000 Parcerias

Leia mais

CACB DISCUTE RETOMADA DE CRESCIMENTO EM REUNIÃO DO CDES

CACB DISCUTE RETOMADA DE CRESCIMENTO EM REUNIÃO DO CDES NOTÍCIAS CACB BBOOLLEETTI IIMM SSEEMM AANN AALL DDEE NNOOTTÍ ÍÍCCI II AASS DD AA CC OONNFFEEDDEERR AAÇÇ ÃÃOO DDAASS AASSSSOOCCI II AAÇÇÕÕEESS CCOOMMEERRCCI II AAI IISS EE EEMMPPRREESS AARRI IIAAI IISS

Leia mais

INDÚSTRIA NÃO PRECISA DISCRIMINAR IMPORTADO

INDÚSTRIA NÃO PRECISA DISCRIMINAR IMPORTADO Ano III Edição Nº 159 04/04/2013 INDÚSTRIA NÃO PRECISA DISCRIMINAR IMPORTADO Por Sérgio Ruck Bueno - de Porto Alegre A Justiça de Caxias do Sul (RS) concedeu liminar para uma "tradicional indústria" da

Leia mais

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015 Governança Pública O Desafio do Brasil Contra a corrupção e por mais desenvolvimento Governança de Municípios Março/2015 João Augusto Ribeiro Nardes Ministro do TCU Sumário I. Introdução-OTCUeocombateàcorrupção

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

1 Informações diversas Senado aprova MP que reabre prazo do Refis O plenário do Senado aprovou dia 29/10 a Medida Provisória (MP) 651/14 que traz uma série de medidas de incentivo ao setor produtivo. O

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Departamento da Cana-de-açúcar e Agroenergia MARÇO 2007 www.agricultura.gov.br daa@agricultura.gov.br

Leia mais

O controle de renúncia de receitas

O controle de renúncia de receitas Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul Escola Superior de Controle Externo O controle de renúncia de receitas Apresentação J.R. Caldas Furtado Junho2015 1 O controle externo na Constituição

Leia mais

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF Dezembro de 2013 OBJETIVO Promover a competitividade das micro e pequenas empresas

Leia mais

Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional. Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011

Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional. Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011 Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011 Quem ganha com a Guerra Fiscal? O país perde Porque grande parte dos incentivos é concedido a importações

Leia mais

http://diariodocongresso.com.br/novo/2011/09/expresso-livre-alcanca-20-mil-usuarios...

http://diariodocongresso.com.br/novo/2011/09/expresso-livre-alcanca-20-mil-usuarios... Page 1 of 8 Diário do Congresso Os Bastidores do Poder On-line Os Bastidores do Poder On-line Capa Senado Câmara Entrevistas Artigos Blogs Opinião Partidos Políticos Pesquise no DC 1ª Página Jornais 1ª

Leia mais

A Câmara Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal sanciono a seguinte Lei:

A Câmara Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal sanciono a seguinte Lei: REVOGADA PELA LEI Nº 1.152, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2007 Publicado na Tribuna São José Em, 22.05.1996 LEI Nº 18, DE 20 DE MAIO DE 1996 Dispõe sobre o Plano de Incentivo Empresarial, visando estimular a geração

Leia mais

Artigos de PN Como fazer Produtos e Serviços

Artigos de PN Como fazer Produtos e Serviços Artigos de PN Como fazer Produtos e Serviços Para fazer uma descrição adequada dos preços e serviços em seu plano de negócio, diga quais são os serviços da sua empresa, porque ela é capaz de fornecê-los,

Leia mais

INFORMATIVO. num num. Prezado leitor, Nesta edição do Informativo Mensal do Escritório Ribeiro da Luz advogados, trataremos de Direito Tributário.

INFORMATIVO. num num. Prezado leitor, Nesta edição do Informativo Mensal do Escritório Ribeiro da Luz advogados, trataremos de Direito Tributário. BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 2 11 / 2013 INFORMATIVO num Editorial - 5ª Edição num Prezado leitor, Nesta edição do Informativo Mensal do Escritório Ribeiro da Luz advogados, trataremos de Direito Tributário.

Leia mais

A Semana no Congresso Nacional

A Semana no Congresso Nacional A Semana no Congresso Nacional Brasília, 29/10/2012 CAE DO SENADO FINALIZA VOTAÇÃO DE PROJETO QUE BENEFICIA EMPRESAS EM ZPES COMISSÃO DO PACTO FEDERATIVO ENTREGA RELATÓRIO NO DIA 30 COMISSÃO ESPECIAL DA

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

Agronegócio Internacional

Agronegócio Internacional Boletim do Agronegócio Internacional Agronegócio Internacional Recordistas de vendas no valor total exportado pelo Brasil jan-jul 2014/2013 Edição 03 - Agosto de 2014 O agronegócio representou 44% das

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 05, ANO V MAIO DE 2013 1 IMPORTADORES ESTÃO DESOBRIGADOS DE INFORMAR VALOR DE COMPRA NAS NOTAS Obrigação, vigente desde o começo do ano,

Leia mais

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores.

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores. ECONOMIA - 19/08/14 BRIEFING DE POSICIONAMENTO SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS 1. CONTEXTO Posicionamento geral para quaisquer entrevistas realizadas no âmbito da terceira edição do projeto

Leia mais

S I N O P S E S I N D I C A L S E T E M B R O D E 2 0 0 6

S I N O P S E S I N D I C A L S E T E M B R O D E 2 0 0 6 S I N O P S E S I N D I C A L S E T E M B R O D E 2 0 0 6 ALIMENTAÇÃO. Com data-base em 1º de setembro, o Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Alimentação (Setor de Derivados de Milho e Soja), representando

Leia mais

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX SUMÁRIO 1 ICMS 1.1 CONTRIBUINTE 1.2 FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.3 BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO 1.4 REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO 1.5 CARTA DE CORREÇÃO 1.6 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015. As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal promulgam a seguinte emenda constitucional:

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015. As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal promulgam a seguinte emenda constitucional: PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 Dispõe sobre o Imposto Sobre Transmissão Causa Mortis e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos. As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal promulgam

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Janeiro de 2014

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Janeiro de 2014 Associação Brasileira de Supermercados Nº48 tou ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Janeiro de 2014 Vendas dos supermercados crescem 2,24% em 2014 Em dezembro, as

Leia mais

Novas vantagens do Supersimples poderão ser aprovadas ainda este ano

Novas vantagens do Supersimples poderão ser aprovadas ainda este ano Novas vantagens do Supersimples poderão ser aprovadas ainda este ano Ainda durante este ano, o Congresso Nacional poderá aprovar novas vantagens para as micro e pequenas empresas optantes do Simples Nacional,

Leia mais

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Prefeito Empreendedor Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Março/2012 Expediente Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Fernando

Leia mais

ConstruBusiness - Rumo a 2022

ConstruBusiness - Rumo a 2022 ConstruBusiness - Rumo a 2022 EXPRESS ANO 1/12 Nº44 DEZ/12 CONSTRUBUSINESS 2012 10º CONGRESSO BRASILEIRO DA CONSTRUÇÃO Em sua 10ª edição, o Construbusiness elaborou o programa Compete Brasil, com soluções

Leia mais

C L I P P I N G DATA: 18.09.2015

C L I P P I N G DATA: 18.09.2015 C L I P P I N G DATA: 18.09.2015 Setor de serviços cresceu 2,1% em julho, menor taxa da série para o mês Alta acumulada em 12 meses também é a menor da série histórica do IBGE. Rondônia teve maior alta,

Leia mais

COMPRA. certa. Treinamento para o profissional de compras. Tributação e seus impactos na rentabilidade. www.contento.com.br

COMPRA. certa. Treinamento para o profissional de compras. Tributação e seus impactos na rentabilidade. www.contento.com.br COMPRA certa Treinamento para o profissional de compras www.contento.com.br 503117 Tributação e seus impactos na rentabilidade editorial Calculando a rentabilidade Gerir uma farmácia requer conhecimentos

Leia mais

2013 José Carlos Guarino

2013 José Carlos Guarino José Carlos Guarino 2013 OBJETIVOS 1- Panorama Atual X Panorama Futuro ( O Que vai mudar?) 2-Aumento do COFINS de 1% em alguns itens importados (com similar nacional) Porque? Que devemos fazer? 3- Prestadores

Leia mais

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br REPRESENTATIVIDADE DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL 10 milhões de negócios formais (99%) e 9 milhões de informais 56,1% da força de trabalho que atua no setor formal urbano 26% da massa salarial 20% do

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

VERISOL - Colágeno hidrolisado que auxilia nos cuidados com a beleza da pele com apenas 2,5gr de consumo CESAR DIB - DIRETOR LINDOYA VERÃO.

VERISOL - Colágeno hidrolisado que auxilia nos cuidados com a beleza da pele com apenas 2,5gr de consumo CESAR DIB - DIRETOR LINDOYA VERÃO. Capa Crescimento sustentável O mercado de água mineral vem crescendo nos últimos anos, porém alguns estados crescem muito mais que outros no consumo percapita CESAR DIB - DIRETOR LINDOYA VERÃO *Redação

Leia mais

4278866 - O ESTADO DE S. PAULO - NOTAS E INFORMAÇÕES - SÃO PAULO - SP - 16/04/2014 - Pág A3

4278866 - O ESTADO DE S. PAULO - NOTAS E INFORMAÇÕES - SÃO PAULO - SP - 16/04/2014 - Pág A3 Investimentos em queda 4278866 - O ESTADO DE S. PAULO - NOTAS E INFORMAÇÕES - SÃO PAULO - SP - 16/04/2014 - Pág A3 As mudanças de atitude do governo em relação ao novo Código de Mineração tornaram mais

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa Índice de Confiança do Agronegócio Realização Parceiros Pesquisa Motivações Motivações Medir, trimestralmente, as expectativas dos diferentes agentes do agronegócio, como indústria de insumos, cooperativas,

Leia mais

TRIBUTAÇÃO ESTADUAL INCENTIVOS FISCAIS E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: REGRAS E LIMITES DE IMPLEMENTAÇÃO

TRIBUTAÇÃO ESTADUAL INCENTIVOS FISCAIS E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: REGRAS E LIMITES DE IMPLEMENTAÇÃO X Congresso de Direito Tributário em Questão TRIBUTAÇÃO ESTADUAL INCENTIVOS FISCAIS E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: REGRAS E LIMITES DE IMPLEMENTAÇÃO Gramado, julho de 2011 André Luiz Barreto de Paiva Filho

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NO BRASIL 2012 EXPORTAÇÕES US$ 43 Bilhões (23%) 23% Ásia 22% União Europeia FATURAMENTO

Leia mais

GUERRA FISCAL. Comitê Jurídico SWISSCAM 24 de maio de 2013

GUERRA FISCAL. Comitê Jurídico SWISSCAM 24 de maio de 2013 GUERRA FISCAL Comitê Jurídico SWISSCAM 24 de maio de 2013 I. Limites aos Incentivos de ICMS II. Guerra Fiscal e tipos de incentivos irregulares III. Medidas de Retaliação: Autos de Infração e outras IV.

Leia mais

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 Propostas para os candidatos Desde as eleições de 1994, a CNI apresenta à sociedade e aos candidatos sugestões para melhorar o desempenho da economia. Propostas

Leia mais

COMUNICADO AOS CLIENTES Lei De olho no Imposto

COMUNICADO AOS CLIENTES Lei De olho no Imposto São Paulo, 23 de Maio de 2013. COMUNICADO AOS CLIENTES Lei De olho no Imposto Conforme é de conhecimento de V. Sas., a Presidente Dilma Rousseff sancionou a Lei nº 12.741/12, publicada no DOU em 10/12/2012,

Leia mais

Seus serviços vão além das fronteiras?

Seus serviços vão além das fronteiras? Seus serviços vão além das fronteiras? Negócios Internacionais Oportunidades para o setor de serviços Globalização Transformações de ordem política, econômica e cultural mundial Mais intensidade nas últimas

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais