Renan André Barbosa dos Santos (UFF) Amanda Costa da Silva (CEFET-RJ) Priscilla Yuka Kuroba (CEFET-RJ) Rafael Paim Cunha Santos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Renan André Barbosa dos Santos (UFF) Amanda Costa da Silva (CEFET-RJ) Priscilla Yuka Kuroba (CEFET-RJ) Rafael Paim Cunha Santos"

Transcrição

1 A contribuição de Ferramentas Enxutas ao processo de Oferta de Órgãos e Tecidos em um Hospital Potencial Gerador de Morte Encefálica do Estado do Rio de Janeiro Renan André Barbosa dos Santos (UFF) Amanda Costa da Silva (CEFET-RJ) Priscilla Yuka Kuroba (CEFET-RJ) Rafael Paim Cunha Santos (CEFET-RJ) Resumo: A filosofia de pensamento enxuto apresenta bons resultados em diversos setores, dentre eles o hospitalar. O estudo foi desenvolvido visando ponderar a aplicação de diversos princípios e ferramentas do sistema Toyota de Produção e da Filosofia Lean nos sistemas de saúde. O foco foi o processo de doação de órgãos e tecidos para fins de transplante, em função da baixa performance apresentada pelo estado do Rio de Janeiro quando confrontado com outras referências, tanto nacionais, quanto internacionais. A metodologia foi realizada através de pesquisa bibliográfica, entrevistas com profissionais de saúde e visitas à instalações envolvidas com o processo de doação. Além disso, foi instalado um quadro de gestão à vista em um hospital potencial gerador de morte encefálica, o Hospital Estadual Adão Pereira Nunes (HEAPN). Através desse estudo foi possível mapear o processo de doação, analisar cada etapa do processo e identificar as principais causas que desfavorecem a doação de órgãos. A pesquisa possibilitou a verificação da aplicabilidade de conceitos e ferramentas do pensamento enxuto ao processo de doação de órgãos e tecidos para fins de transplantes, através da utilização da ferramenta de gestão à vista. A ferramenta viabilizou o entendimento dos principais problemas relacionados ao processo de doação, através de elaboração e análise de indicadores e facilitação de comunicação entre os profissionais que atuam no processo de doação na unidade hospitalar. Palavras-chaves: Filosofia Lean, Gestão à Vista, Processo de Doação de Órgãos e Tecidos.

2 1. Introdução O transplante de órgãos e tecidos é a melhor alternativa, ou até mesmo a única, para o tratamento de pacientes que possuem esgotamento de algum órgão. Avanços científicos, técnicos e organizacionais relacionados ao processo de transplante vêm possibilitando que essa alternativa ocorra com maior frequência, permitindo assim que quantidade considerável de pacientes possa aproveitá-la como modalidade terapêutica. (MANYALICH, 1999). Dentro desse contexto, atualmente, o Brasil dispõe de expressivo programa público de transplantes de órgãos e tecidos, quando comparado internacionalmente. Com 548 estabelecimentos de saúde e equipes médicas autorizadas a realizar transplante, o Sistema Nacional de Transplantes (SNT) está presente em 25 estados do país, por meio das Centrais Estaduais de Transplantes (CNCDO's) (MINISTÉRIO DA SAÚDE,2011). Entretanto, mesmo o Brasil possuindo o maior programa público de transplantes do mundo (MARINHO, 2006) ainda não alcançou índices de referência como os da Espanha e Portugal, que possuíram em 2011 índices de 35,3 pmp e 28,5 pmp, respectivamente. Nos últimos anos, o Brasil obteve melhoria quanto ao índice de doação e transplante de órgãos, tendo 12,6 doadores por milhão de população (pmp) em 2012 (ABTO, 2012). Contudo, há disparidades consideráveis nos índices dos diferentes estados. Se por um lado Santa Catarina, Ceará e São Paulo obtiveram índices expressivos, sendo 26,4 pmp, 21,4 pmp e 18,3 pmp respectivamente, o Rio de Janeiro alcançou em 2012 o índice de 13,8 pmp (ABTO, 2012). Nesse contexto, o investimento em processos enxutos ajuda na eliminação de perdas no processo de doação e pode ser realizado através de princípios do Sistema Toyota de Produção, mais tarde conhecido como Lean Thinking (WOMACK & JONES, 1996). Esse pensamento orienta a melhora dos processos de produção e de serviços, resultando em maior qualidade, eficiência e excelência operacional. Partindo do fato que todo cidadão é potencial ofertante ou demandante de órgão e/ou tecido o tema abordado torna-se significativamente interessante à sociedade. O processo de doação de órgãos para fins de transplantes é de extrema importância para o salvar e/ou melhorar a qualidade de vida das pessoas que esperam a oferta de um órgão compatível, além de gerar um efeito simbólico positivo tanto na sociedade, quanto nos sistemas de produção de saúde. (ASSIS, 2009). A doação de órgãos, de acordo com a Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948 e a Constituição Federal de 1988, é tida como um direto à vida, à medida que a saúde é

3 definida como um direito de todos, sendo dever do Estado, indicando princípios e diretrizes legais do Sistema Único de Saúde, conforme a Lei n /90, que regulamenta esses princípios, ratificando que a saúde é um direito universal e fundamental do ser humano. (ARAÚJO, 2008). Quanto ao aspecto financeiro o assunto é relevante visto que quando não disponível um sistema de transplantes eficiente há considerável perda financeira, pois o gasto indireto do governo é elevado quando não são efetivados os transplantes. Considerando os casos renais, as terapias renais substitutivas, que muitas vezes podem ser substituídas por transplantes, geraram um custo, em 2005, ao governo de R$ ,23. No mesmo ano, o gasto com transplantes, já considerando os medicamentos necessários foi de R$521,8 milhões. (MARINHO, 2007) O estudo aqui apresentado oferece considerável contribuição à sociedade, devido à limitação do acervo encontrado que trate da aplicação do pensamento enxuto no processo de doação de órgãos e tecidos para fins de transplante. 2. Objetivo O artigo teve como objetivo abordar aplicabilidades de princípios e técnicas enxutas, tanto do Sistema Toyota de Produção, quanto do Lean Thinking, ao processo de doação de órgãos e tecidos para fins de transplante. A finalidade da aplicação é conseguir a principal meta do processo de doação, que consiste em melhorar a oferta de órgãos e/ou tecidos para geração de sobrevida e/ou qualidade de vida aos pacientes que demandam por esses enquanto aguardam na lista de espera de transplantes. 3. Metodologia A metodologia foi realizada em três etapas. Na primeira etapa foi feita uma leitura exploratória, através de material selecionado para referência, objetivando reaver estudos anteriores, entendimento do emprego da ferramenta e sua aplicabilidade e contextualização do processo de doação de órgãos no Estado. Na segunda etapa foram investigadas, de forma intensa, as localidades que obtinham bom desempenho no processo de doação. Nesta etapa, foram feitas entrevistas com profissionais ligados ao processo de doação e também visitas a algumas estruturas que dão suporte ao processo de doação e transplante, nos estados Rio de Janeiro, São Paulo e Santa Catarina. Na terceira etapa o quadro de gestão à vista foi planejado

4 e confeccionado objetivando validar sua utilização em um hospital potencial gerador de morte encefálica. Posteriormente foi escolhido o hospital que implementaria o quadro de gestão à vista, com a missão de colaborar com a melhora da eficiência do desempenho do processo de doação de órgãos e tecidos para fins de transplante. Foi realizada visita ao hospital, com a finalidade de apresentar a proposta de utilização do quadro de gestão à vista, em encontro com a enfermeira da Comissão Intra-hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante, CIHDOTT, e à direção do hospital. Tendo a proposta e o registro de pesquisa sido aprovados foi então iniciada a implementação do quadro. Durante o trabalho foi realizada a obtenção e acompanhamento dos dados através de visitas quinzenais ao Hospital Estadual Adão Pereira Nunes (HEAPN). As entrevistas eram realizadas junto a enfermeira responsável pela CIHDOTT do HEAPN e, quando viável, das assistentes sociais de sua equipe.por meio dos dados obtidos com a enfermeira tornou-se viável acompanhar e avaliar certas etapas do processo de doação de órgãos e tecidos que ocorreram no período entre janeiro e junho de Através desses dados, juntamente as informações obtidas nas visitas ao hospital e nas entrevistas com a enfermeira já citada, tornou-se viável realização da averiguação das perdas existentes nas diversas etapas do processo de doação, assim como a análise da evolução durante os meses estudados. 4. Referencial Teórico 4.1 Sistema Toyota de Produção(STP) O Sistema Toyota de Produção foi idealizado e desenvolvido no Japão em um cenário que demandava a otimização de recursos. Foi elaborado então um padrão de produção em que seria gerado apenas o que realmente era necessário, no momento correto, limitando o quanto possível o uso de estoques, além da busca pela eliminação das perdas do processo de produção. Com a pretensão de alcançar esse objetivo foram elaborados os 14 princípios do STP, o qual deveriam ser entendidos e adotados por todos seus colaboradores, desde os fornecedores até a presidência. (LIKER, 2005) Um ponto crítico que caracterizou o pensamento da Toyota foi a atenção destinada à identificação e eliminação das perdas de processo. A empresa definiu que qualquer atividade que não agregasse valor, tanto em processos produtivos quanto administrativos, seria considerada como perda. Essas perdas foram estratificadas em sete grupos, sendo eles:

5 Superprodução; Esperas; Transporte Desnecessário; Processamento incorreto; Estoque em excesso; Movimentação desnecessária; Defeitos ou Erros. Após determinado tempo a bibliografia que aborda produção enxuta tomou conhecimento e aceitou uma nova perda: subutilização do potencial e criatividade do empregado. Por meio da identificação e eliminação dessas oito perdas é viável diminuir, ou até mesmo extinguir, as atividades que não agregam valor e tornar o processo enxuto. 4.2 Filosofia Lean A filosofia Lean surgiu baseada na exclusão de perdas, desenvolvido por Ohno(1997) de forma que viabilizasse a Toyota a competir em um cenário instável, com demandas com baixa previsibilidade e baixo crescimento econômico. Para isso foram elaborados os princípios que norteariam o Lean Thinking, sendo eles: Definir Valor, Definir a Cadeia de Valor, Otimizar o Fluxo, O Sistema Pull, Perfeição (WOMACK & JONES,2004) Ao longo do tempo a popularidade do Lean Thinking teve avanços expressivos. Ao longo dos anos a filosofia Lean deixou de ser restrito ao setor industrial e avançou para outros setores, como prestação de serviços, o comercial e o setor público. (WOMACK & JONES, 2005). No setor de saúde o uso de filosofias e ferramentas utilizadas tradicionalmente no setor industrial torna-se uma opção a ser discutida e implementada, quanto a sua viabilidade, diante do número de processos com baixo rendimento em ambientes hospitalares. (KIM et al., 2006). E dentre essas opções está o Lean Thinking, originado do Sistema Toyota de Produção, que aumenta gradualmente sua participação no setor de saúde. Já ocorreu a implementação de algumas versões do Lean, em determinados hospitais, objetivando melhores resultados, dentre eles: oferecimento de melhores efeitos aos pacientes (saúde), obtenção de melhor desempenho do sistema (cuidado) e alcance de um desenvolvimento profissional aprimorado, o aprendizado. (BATALDEN & DAVIDOFF, 2007). 5. Pesquisa-Ação No presente trabalho foram estudados três modos de aplicação de sistemas enxutos aplicados ao processo de doação de órgãos e tecidos para fins de transplantes. 5.1 Princípios do Sistema Toyota aplicados ao processo de doação O pensamento enxuto, por ser baseado na melhoria de processos, pode ser aplicado, de

6 maneira viável, a organizações de diferentes meios, dentre elas as de saúde. (IHI, 2005) A figura 1 apresenta a aplicação dos quatorze princípios do Sistema Toyota de Produção ao processo de doação de órgãos e tecidos para fins de transplantes, através de propostas de melhoria. Do lado esquerdo é apresentado cada um dos princípios, enquanto que do lado direito são disponibilizadas as devidas propostas. Através desse estudo foi abordada a viabilidade de cada um dos princípios enxutos ao processo de doação. Para que alguns desses princípios sejam implementados, contudo, é necessário, com certa frequência, que ocorram as devidas adaptações, objetivando assim que o cliente tenha melhor qualidade de vida e maior satisfação com o serviço prestado. Figura 1 - Princípios do Sistema Toyota aplicados ao processo de doação

7

8 Fonte: Autores

9 5.2. Lean aplicado ao processo de doação O processo de doação é conceituado como conjunto de ações e métodos que viabilizam a transformação de um potencial doador em um doador efetivo (ABTO, 2009). Entretanto, para que os profissionais ligados ao processo de doação possam obter os órgãos e tecidos de pessoas falecidas com intenção de utilização desses para transplantes é necessário que seja realizada uma sequência de procedimentos organizados para que se garanta: a identificação do doador potencial, o diagnóstico de morte encefálica, a manutenção clínica e farmacológica, o consentimento familiar, a locação dos órgãos e tecidos doados, as cirurgias de retirada e a realização dos transplantes e implantes (BONI,s.d.). A figura 2 relaciona sequencialmente as principais etapas do processo de doação (PESTANA et al., 2012). Figura 2: Processo de doação de órgãos

10 Fonte: Adaptado de Pestana et al. (2012) Quando analisada as etapas que constituem o processo de doação de órgãos e tecidos para fins de transplante foi constatado, que além do fato de alguns envolvidos certas vezes não realizarem a notificação, também existe um conjunto de causas que afetam negativamente a disponibilidade de doadores efetivos, que vai desde a etapa de notificação até o término da cirurgia de capacitação. A tabela 1 demonstra as principais causas de perda de doadores efetivos no processo de doação, vinculando-as às classes conceituadas 6M por Ishikawa. Tabela 1: Análise das Causas da Perda de Doadores Efetivos no Processo de Doação de Órgãos e Tecidos por Ishikawa Análise das Causas da Perda de Doadores Efetivos no Processo de Doação de Órgãos e Tecidos para fins de Transplante Etapa do Processo Causas da Perda M1 M2 M3 M4 M5 M6 Baixo nível de capacitação dos profissionais intensivistas para realizar diagnóstico Diagnóstico de ME Avaliação do potencial doador Manutenção do Potencial Doador Indisponibilidade de neurologista para realizar diagnóstico Indisponibilidade de equipamentos para realizar exame complementar Atraso da equipe da CNCDO para realizar exame complementar Demora na coleta da Sorologia Demora no resultado da Sorologia Baixo nível de capacitação dos profissionais para manter potencial doador

11 Entrevista Familiar Captação Indisponibilidade de profissionais capacitados para manter potencial doador Indisponibilidade de recursos (leitos, equipamentos etc.) Falha na comunicação entre profissional e família (diagnóstico de ME) Local inadequado Baixo nível de capacitação dos profissionais intensivistas para realizar entrevista familiar Falha na comunicação entre profissional que realizará a entrevista familiar e o profissional intensivista Acompanhamento inadequado da família do potencial doador Atraso da equipe de captação Indisponibilidade de centro cirúrgico Indisponibilidade de recursos necessários ao procedimento Demora na comunicação entre CNCDO e equipe de captação Demora na comunicação entre hospital e CNCDO TOTAL Fonte: Autores Legenda: M1 M2 M3 M4 M5 M6 Máquina (Equipamentos) Matéria-prima (Recursos) Mão de obra (Pessoas) Método (Procedimentos) Medição (Qualidade e Produtividade) Meio Ambiente (Estrutura) Através da tabela é razoável analisar a relação entre as causas e suas categorias, demonstrando as oportunidades de melhorias. A tabela verifica que as categorias M3 e M4 têm destaque entre as causas que ocasionam a perda de doadores efetivos no processo de doação. A categoria M3 é vinculada, sobretudo, a indisponibilidade de profissionais ou ao

12 baixo nível de capacitação desses profissionais. Essa última causa, baixo nível de capacitação desses profissionais, também é responsável pelos itens relacionados ao M4. Após analisadas as causas atreladas ao atraso essas não foram relacionadas a nenhum M, tendo em vista que o atraso é efeito de um conjunto de motivos. É conhecida a perda de doadores efetivos durante o processo de doação, em especial, devido à espera, causada por demoras e/ou atrasos, e por subcompetência, provocada pelo reduzido nível de capacitação, originando falhas durante o processo. 5.3 Gestão à Vista aplicado ao processo de doação A sugestão de utilização do quadro Gestão à Vista, chamado de Gestão dá Vida, pretendeu colaborar para demonstrar os principais indicadores do processo de doação. Dessa forma, torna-se mais prático a percepção dos problemas e melhoria do panorama do processo de doação de órgãos e tecidos apresentado por esse estudo. Esse quadro deve ser utilizado em hospitais potenciais geradores de morte encefálica, sendo esse tipo de morte requisito necessário para que os órgãos do possível doador possam ser efetivamente doados. A ferramenta Gestão dá Vida tem como finalidade principal disponibilizar, em local adequado e visível, as informações que orientem o arranjo dos recursos que viabilizam a doação de órgãos para fins de transplante. Figura 3 Quadro Gestão Dá Vida Fonte: Autores

13 O quadro Gestão dá Vida ajuda no cálculo da estimativa do evento de morte encefálica na Unidade de Terapia Intensiva (UTI/CTI) no hospital Estadual Adão Pereira Nunes, principal hospital ofertador de doadores efetivos no estado do Rio de Janeiro. A finalidade da ferramenta é aumentar o número de beneficiados, sejam esses diretos ou indiretos, gerando assim um zelo distinto no que efetivamente gera valor, na lógica Lean, que é salvar vidas ou melhorar a sua qualidade através de maior disponibilização de órgãos para uma quantidade maior de seres humanos sobreviverem. E para que seja alcançada essa maximização de doações é necessária à eliminação de perdas do processo para que assim seja possível melhorar a qualidade e quantidade de notificações de ME, da aceitação e autorização de familiares e quantidade de captações efetivas de órgãos. Figura 4: Quadro Gestão Dá Vida implantado na sala da CIHDOTT Fonte: Autores O Hospital Estadual Adão Pereira Nunes (HEAPN), está localizado próximo a uma importante rodovia do estado do Rio de Janeiro, a Washington Luiz, fator esse que favorece a ocorrência de potenciais doadores de órgãos. Mas além do fator geográfico a escolha do hospital ocorreu, em especial, devido à atuação de uma CIHDOTT. De acordo com o Portal da Saúde, site da Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro, o HEAPN possui mais de 3200 profissionais. No ano de 2011, o hospital realizou quantidade superior a 222 mil atendimentos, sendo mais de 107 mil efetivados pela emergência. A CIHDOTT do HEAPN existe desde 2006, contudo só se tornou efetiva em

14 2010. Em 2009, a enfermeira selecionada para atuar diretamente nessa comissão também atuava no setor de emergência, porém no ano de 2011 tornou-se exclusiva da CIHDOTT. Em julho de 2013, a equipe da mesma era constituída por uma enfermeira e duas assistentes sociais. 6. Resultados A tabela 2 expõe a quantidade de perdas, vinculadas a respectiva causa, entre os meses de janeiro e junho de Através desses dados tornou-se viável calcular o peso de cada causa de perda em função do total de notificações mensais, achando assim as devidas porcentagens semestrais. Tabela 2: Quantidade de causas para as perdas por mês Causas Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Total Porcentagem Parada cardíaca ,14 % Recusa familiar ,43 % Idade do paciente ,14% Exclusão clínica ,29 % Total % Fonte: Autores O gráfico 1 apresenta a comparação entre a porcentagem de perdas de doações no estado do Rio de Janeiro e no HEAPN. Através do gráfico é visível a alta quantidade de perdas de doações. O cálculo dessas porcentagens foi realizado através da quantidade de não doações mensal em relação ao total de notificações mensal. Gráfico 1: Porcentagem de perdas em relação ao total de notificações mensal Fonte: Autores

15 Nas visitas e entrevistas efetivadas no HEAPN foram coletados dados e informações que serviram de inputs para o quadro de gestão à vista, implementado na sala do CIHDOTT. À medida que diversos valores do quadro eram completados mensalmente, como: nº de óbitos no hospital, estimativa de ocorrência de ME (morte encefálica) no hospital, nº de notificações à CNCDO, nº de entrevistas realizadas, nº de consentimento familiar, nº de doadores efetivos, nº de transplantados, nº de familiares beneficiados, tornou-se viável analisar as diferenças entre as colunas (eventos). Dessa forma foi possível identificar as perdas existentes durante o processo, no período analisado, como mostra a tabela 3. Tabela 3 Dados referentes ao quadro gestão Dá Vida Fonte: Autores O gráfico 2 expõe de forma estratificada a quantidade de doadores efetivos durante o período de janeiro a junho de 2013, no estado do Rio de Janeiro e no HEAPN. O gráfico aprecia um incremento no número de doações efetivadas no Rio de Janeiro e uma sutil melhora no HEAPN. Gráfico 2 Doadores efetivos no ano de 2013 Fonte: Autores

16 O gráfico 3 expõe a comparação entre a estimativa de ocorrência de morte encefálica no hospital, número de notificações à CNCDO e o número de doadores efetivos. Quando analisado o mesmo é possível constatar que a quantidade relativa às notificações se encontra durante todo o período avaliado acima da estimativa de ocorrência de morte encefálica no hospital. A quantidade de doadores efetivos está localizada abaixo da quantidade de notificações à CNCDO, na maior parte da amostra, entretanto uma relação ideal apresentaria valores similares para ambos os índices. Outra relação benéfica ocorreria caso o número de doadores efetivos e de notificações à CNCDO apresentassem valores iguais ou superiores ao índice de estimativa de ocorrência de morte encefálica no hospital. Uma vez que as descrições feitas anteriormente ocorressem seria possível obter significativa melhora nas notificações à CNCDO, assim como considerável aumento do número de doadores efetivos. Gráfico 3: Estimativa de ocorrência de ME, nº de notificações à CNCDO e nº de doadores efetivos. Fonte: Autores O gráfico 4 apresenta o aumento da quantidade de entrevistas realizadas junto aos familiares de potenciais doadores e também a constatação de uma melhora, a partir do mês de abril, em relação a quantidade de consentimentos desses familiares de potenciais doadores. Esse fato benéfico pode ter sido influenciado diretamente pela contratação de duas assistentes sociais, no mês de março. Essas profissionais são responsáveis por acompanhar a família do paciente que tem determinado quadro de saúde que pode vir a evoluir para o quadro de morte encefálica, podendo então ser um potencial doador. Todavia, caso ocorresse de maneira estruturada um acompanhamento prévio da família dos potenciais doadores, realizada de forma customizada e com auxílio de ferramentas como: Quadro de Gestão Dá Vida, quadros estratégicos e utilização de material audiovisual,

17 visando à conscientização e importância da doação, possivelmente haveria uma melhora ainda maior entre os índices de entrevistas realizadas e o consentimento familiar, reduzindo assim o número de perdas e melhorando o desempenho desta etapa do processo da doação. Gráfico 4: N entrevistas realizadas e n consentimento familiar Fonte: Autores O gráfico 5 apresenta comparação entre o número absoluto de doações no Rio de Janeiro e no HEAPN, sendo perceptível a considerável evolução ao longo dos anos. O HEAPN apresentou melhora considerável na quantidade de doações realizadas entre os anos de 2011 e Esse avanço pode ser justificado pelo início do trabalho exclusivo da enfermeira responsável pela CIHDOTT para esta comissão a partir do ano de A contratação de colaboradores para a CIHDOTT, com dedicação exclusiva pelo menos em um momento inicial, possivelmente geraria consideráveis benefícios ao processo de doação, como o aumento do número de doação de órgãos. Gráfico 5: Número absoluto de doadores efetivos Fonte: Autores

18 7. Conclusões Esse estudo foi realizado com o interesse de ajudar a aprimorar a desempenho no processo de doação de órgãos e tecidos do estado do Rio de Janeiro, de forma que sejam alcançados índices similares, ou com pequenas diferenças, em relação às referências nacionais e, em especial, internacionais, como Portugal e Espanha. Por meio da análise do pensamento enxuto verificou-se que suas técnicas e ferramentas viabilizam a redução, ou até mesmo eliminação, de atividades/etapas que não agregam valor, as perdas e desperdícios, ao processo de doação. Ao analisar os quatorze princípios do Sistema Toyota de Produção concluiu-se que a maioria dos princípios pode ser aplicado ao processo de doação, sendo necessária certas adaptações em alguns princípios. Tal aplicação possibilitaria melhores resultados, gerando maior eficiência no serviço oferecido e maior satisfação aos seus clientes, que são os pacientes receptores de órgãos e seus familiares, e também aos demais envolvidos no processo de doação, como os profissionais e organizações de saúde. Através da implementação da ferramenta gestão à vista tornou-se mais prática a compreensão e entendimento dos principais fatores envolvidos no processo de doação e os pontos de melhoria. Com consequência foi possível comprovar alguns benefícios de aplicações de ferramentas enxutas ao processo de doação ao aprimorar um processo de doação de órgãos e tecidos em um hospital que possui uma CIHDOTT. É importante destacar que o trabalho foi desenvolvido pelos autores com a intenção do quadro Gestão dá Vida não ter sua utilização limitada ao tempo de pesquisa. A intenção é que essa ferramenta seja reconhecida e empregada pelos profissionais de saúde, envolvidos no processo de doação de forma direta ou indireta, de forma que aumente gradativamente o desempenho no processo de doação de órgãos e tecidos. Assim sendo, será viável aumentar progressivamente a quantidade de pacientes e familiares beneficiados com o recebimento de um novo órgão, ocasionando então maior qualidade de vida para o paciente e seus familiares ou, de forma ainda mais especial, a oportunidade de sobrevivência de determinados pacientes que se encontravam em estado mais crítico. Por fim é interesse dos autores que a implementação e efetiva utilização do quadro Gestão dá Vida aconteça além do HEAPN. Também é interesse dos autores que ocorra em maior quantidade de hospitais envolvidos no processo de doação de órgãos e tecidos, com o objetivo de aumentar consideravelmente a quantidade de pacientes beneficiados, através do recebimento de um novo órgão ou tecido. Como consequência ocorreria à redução do

19 tamanho e do tempo de espera de transplante de órgãos e tecidos. Este fato expressaria um progresso expressivo para o sistema de saúde do estado do Rio de Janeiro e do Brasil. 8. Referências ABTO Associação Brasileira de Transplante de Órgãos. Registro Brasileiro de Transplantes. Disponível em: Acesso em: fev ABTO Associação Brasileira de Transplante de Órgãos. Diretrizes Básicas para Captação e Retirada de Múltiplos Órgãos. São Paulo: ABTO; ARAÚJO, F. N. A. Avaliação das Políticas Públicas de Transplante de Órgãos e Tecidos no Estado do Ceará. Dissertação apresentada ao curso de Mestrado Profissional em Planejamento e Políticas Públicas do Centro de Estudos Sociais Aplicados da Universidade Estadual do Ceará. Fortaleza, ASSIS, F. N. Dez anos de transplantes sob a Lei da Vida. Associação Brasileira pela Doação de órgãos e Tecidos ADOTE, BATALDEN, P. B. & DAVIDOFF, F. What is quality improvement and how can it transform healthcare? Quality & Safety in Health Care, s.d. Biblioteca Virtual do Ministério da Saúde. Disponível em: Acesso em: 27 jul BONI, R. Manual de Doação. Disponibilizado no Simpósio de Doação de Órgãos da Santa Casa de São Paulo no ano de LifesDonorSão Paulo, s.d. GARCIA, V. D.; FILHO, M. A.; NEUMANN, J.; PESTANA, J. O. M. Transplante de Órgãos e Tecidos. Editora Segmento Farma, IHI - Institute for Healthcare Improvement. Going Lean in Health Care.Innovation Series.Cambridge, KIM, C. S., SPAHLINGER, D. A., KIN, J. M., BILLI, J. E. Lean Health Care: What Can Hospitals Learn from a World-Class Automaker? Wiley InterScience, LIKER, J. K. O Modelo Toyota 14 Princípios de Gestão do Maior Fabricante do Mundo. Editora Bookman, Porto Alegre, MANYALICH, M. Organization of Organ Donation and Roles of Coordinators: Transplant Procurement Management. Saudi Journal of Kidney Diseases and Transplantation, Mapa da localização do Hospital Adão Pereira Nunes. Disponível em: https://maps.google.com.br/ Acesso em 23 jul

20 MARINHO, A. Um estudo sobre as filas para transplantes no Sistema Único de Saúde brasileiro. Cadernos de Saúde Pública, v.22, n.10, p , outubro, MARINHO, A.; CARDOSO, S. S.; ALMEIDA, V. V. Os transplantes de órgãos nos Estados brasileiros. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Sistema Nacional de Transplantes. Disponível em: Acesso em: dez. de OHNO, T. O Sistema Toyota de Produção: Além da Produção em Larga Escala. Bookman, Secretaria de Estado de Saúde do Estado do Rio de Janeiro. Disponível em: anos-de-atividade-e-comemora-realizacoes.html Acesso em 27 jul Silva, A. C. ; Kuroba, P. Y. ; Santos, R. A. B. Engenharia de Produção Aplicada à Saúde: a Filosofia Lean em um Hospital Potencial Gerador de Morte Encefálica visando Contribuir para o Aumento da Oferta de Órgãos e Tecidos do Estado do Rio de Janeiro Trabalho de conclusão de curso publicado em Anais de trabalhos premiados: IV Prêmio CREA-RJ Oscar Niemeyer de Trabalhos Científicos e Tecnológicos/ Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio de Janeiro; CEFET-RJ, 2013 WOMACK, J. P. & JONES, D. Lean thinking: Banish Waste and Create Wealth in your Corporation. FREE PRESS. New York, WOMACK, J. P. & JONES, D. A Mentalidade Enxuta nas Empresas Lean thinking: Elimine o Desperdício e Crie Riqueza. Editora Campus, WOMACK, J. P. & JONES, D. Lean Consumption. Harvard Business Review, 2005.

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante POR QUE CRIAR CIHDOTTs? 6294 hospitais no país Necessidade de descentralização Equipes localizadas dentro do hospital notificante

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Capítulo I

REGIMENTO INTERNO. Capítulo I REGIMENTO INTERNO Capítulo I Da constituição, localização, finalidade e missão da Comissão Intra- Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes Art. 1º A Comissão Intra-Hospitalar de Doação

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO INTRA HOSPITALAR DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTES

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO INTRA HOSPITALAR DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTES HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO INTRA HOSPITALAR DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTES 2014 REGIMENTO INTERNO Formatado: Fonte: Negrito, Sublinhado

Leia mais

Tema 1. Redução da Maioridade Penal

Tema 1. Redução da Maioridade Penal Tema 1 Redução da Maioridade Penal Questão que sazonalmente aparece nos meios de comunicação e é matéria de discussão acalorada na sociedade civil diz respeito à redução da idade de imputabilidade penal

Leia mais

EDUCAÇÃO EM TRANSPLANTES PROMOVIDA POR UMA LIGA ACADÊMICA

EDUCAÇÃO EM TRANSPLANTES PROMOVIDA POR UMA LIGA ACADÊMICA EDUCAÇÃO EM TRANSPLANTES PROMOVIDA POR UMA LIGA ACADÊMICA ALARCON, Bruna Santana 1 ; SANTOS, Dênis Ferreira dos 2 ; MAYNARDE, Israel Guilharde 2 ; DIAS, Raquel Vieira 2 ; ALMEIDA, Ricardo Araújo Meira

Leia mais

COMISSÃO INTRAHOSPITALAR DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTES

COMISSÃO INTRAHOSPITALAR DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTES COMISSÃO INTRAHOSPITALAR DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTES A Comissão Intra Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes-CIHDOTT tem por objetivo a organizar todo o processo

Leia mais

DO FIM AO RENASCIMENTO

DO FIM AO RENASCIMENTO Foto: Arquivo Sistema de Procura de Órgãos e Tecidos do Hospital das Clínicas (SPOT-HC) DO FIM AO RENASCIMENTO A MORTE DE UNS PODE SALVAR A VIDA DE OUTROS QUE ESTÃO EM RISCO 6 Não há lado bom quando uma

Leia mais

Você sabia que 56% dos órgãos ofertados não são aproveitados pelas equipes de transplantes?

Você sabia que 56% dos órgãos ofertados não são aproveitados pelas equipes de transplantes? Você sabia que 56% dos órgãos ofertados não são aproveitados pelas equipes de transplantes? O Sistema Nacional de s precisa de nossa ajuda. É chegada a hora de PULSAR VIDA. Através de ações estratégicas,

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CEFET/RJ

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CEFET/RJ CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CEFET/RJ Engenharia de Produção Aplicada à Saúde: a Filosofia Lean em um Hospital Potencial Gerador de Morte Encefálica visando Contribuir

Leia mais

Palavras-chaves: Árvore da Realidade Atual, Desempenho, Doação de Órgãos, Transplante

Palavras-chaves: Árvore da Realidade Atual, Desempenho, Doação de Órgãos, Transplante A UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA ÁRVORE DA REALIDADE ATUAL (ARA) PARA A IDENTIFICAÇÃO DOS PROBLEMAS PRESENTES NO PROCESSO DE CAPTAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTE Amanda Costa da Silva (CEFET ) dramandacosta@yahoo.com.br

Leia mais

Algumas ferramentas para a Logística Enxuta [8 de 11]

Algumas ferramentas para a Logística Enxuta [8 de 11] Algumas ferramentas para a Logística Enxuta [8 de 11] Rogério Bañolas Consultoria ProLean Logística Enxuta Nos artigos anteriores vimos que a Logística Enxuta é uma abordagem prática. Por isso, os profissionais

Leia mais

A morte cerebral é diferente da morte cardíaca: a primeira permite a doação de órgãos e tecidos; a segunda, só a doação de tecidos.

A morte cerebral é diferente da morte cardíaca: a primeira permite a doação de órgãos e tecidos; a segunda, só a doação de tecidos. Doação de órgãos A doação de órgãos é um ato de caridade e amor ao próximo. A cada ano, muitas vidas são salvas por esse gesto altruísta. A conscientização da população sobre a importância da doação de

Leia mais

DIFICULDADES E DESAFIOS NA DOAÇÃO Não faltam doadores. Falta doação.

DIFICULDADES E DESAFIOS NA DOAÇÃO Não faltam doadores. Falta doação. DIFICULDADES E DESAFIOS NA DOAÇÃO Não faltam doadores. Falta doação. Palestra realizada por Francisco N. de Assis, presidente da ADOTE no I Fórum sobre doação de órgãos e tecidos, promovido pelo Conselho

Leia mais

Transplantes de órgãos crescem 24,3% Qui, 24 de Setembro de 2009 00:00

Transplantes de órgãos crescem 24,3% Qui, 24 de Setembro de 2009 00:00 Qui, 24 de Setembro de 29 : Aumento é relativo ao número de procedimentos realizados com órgãos de doadores falecidos no primeiro semestre de 29 em relação ao primeiro semestre de 28. Ministério da Saúde

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES DEDICADOS PARA O DESENVOLVIMENTO E ELABORAÇÃO DO MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR (MFV) EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO ENXUTA LEAN PRODUCTION CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Da constituição, localização, finalidade e missão do Banco de Olhos capítulo III 1º.

REGIMENTO INTERNO Da constituição, localização, finalidade e missão do Banco de Olhos capítulo III 1º. REGIMENTO INTERNO Da constituição, localização, finalidade e missão do Banco de Olhos O Banco de Olhos da Santa Casa de Campo Grande é constituído de uma estrutura administrativa, conforme o capítulo III

Leia mais

1. Grupo 1 Remuneração das CIHDOTT s

1. Grupo 1 Remuneração das CIHDOTT s 1. Grupo 1 Remuneração das CIHDOTT s 1.1 Remuneração Fixa podendo ser ajustável conforme o potencial gerador de doadores de cada hospital; 1.2 Durante o trabalho na CIHDOTT a carga horária será exclusiva

Leia mais

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 NOTÍCIAS CARREIRAS & GESTÂO CURSOS & SEMINÁRIOS LIVROS DANÇA DAS CADEIRAS PESQUISAS COMPRAS ENTREVISTAS EM VÍDEO LAZER & TURISMO HOME Artigos Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six

Leia mais

APAR e CNCDO-SC. Estatísticas de Captação e Transplantes de Órgãos e Tecidos em Santa Catarina - 2006

APAR e CNCDO-SC. Estatísticas de Captação e Transplantes de Órgãos e Tecidos em Santa Catarina - 2006 APAR e CNCDO-SC Estatísticas de Captação e Transplantes de Órgãos e Tecidos em Santa Catarina - 26 Notificações Notificações ME e ME Doações e Doações em SC em / 26 SC / até 26 JULHO 26 Nro. De Notificações

Leia mais

Mesa redonda: TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS E TECIDOS

Mesa redonda: TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS E TECIDOS VI CONGRESSO DE BIOÉTICA DE RIBEIRÃO PRETO Mesa redonda: TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS E TECIDOS Maria Cristina Komatsu Braga Massarollo Escola de Enfermagem- USP massaro@usp.br TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS Modalidade

Leia mais

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 ORIENTAÇÕES PARA CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTO PARA TRANSPLANTES Formular o processo de

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES ATENDIDOS EM UM PRONTO ATENDIMENTO MUNICIPAL DA REGIÃO CENTRO-OESTE DO ESTADO DE MINAS GERAIS SEGUNDO A CLASSIFICAÇÃO DE RISCO André LUÍS RIBEIRO DOS SANTOS 1 ; Ricardo

Leia mais

Dez anos de transplantes sob a Lei da Vida

Dez anos de transplantes sob a Lei da Vida Dez anos de transplantes sob a Lei da Vida RESUMO: Em janeiro de 1998 entrou em vigor a Lei 9.434/97 intitulada pelo seu relator, Senador Lúcio Alcântara, como Lei da Vida. Este trabalho apresenta alguns

Leia mais

I CIHDOTT Curso para Implantação de Comissão Intra Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes. Central de Transplantes de Goiás

I CIHDOTT Curso para Implantação de Comissão Intra Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes. Central de Transplantes de Goiás I CIHDOTT Curso para Implantação de Comissão Intra Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes Central de Transplantes de Goiás Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Sistema

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS E REGULAÇÃO GERÊNCIA DE TRANSPLANTES

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS E REGULAÇÃO GERÊNCIA DE TRANSPLANTES PROJETO do I FORUM INTERNACIONAL DE COORDENADORES DE TRANSPLANTE DO BRASIL Dezembro de 2008 Objeto I Fórum Internacional de Coordenadores de Transplante do Brasil. Público Alvo 250 profissionais de saúde

Leia mais

www.transplante.rj.gov.br

www.transplante.rj.gov.br f AMOR E DOAÇÃO DE ÓRGÃOS S A N D R O M O N T E Z A N O 2 5 / 1 0 / 1 4 O que é transplante? O transplante é um procedimento cirúrgico que consiste na troca de um órgão (coração, rins, pulmão, e outros)

Leia mais

Logística da Captação de Múltiplos Órgãos

Logística da Captação de Múltiplos Órgãos Logística da Captação de Múltiplos Órgãos Introdução O Sistema Nacional de Transplante (SNT) adotado no Brasil tem a concepção de fila única de transplante com o propósito de garantir o acesso universal,

Leia mais

A Tecnologia da Informação e a saúde em Campinas.

A Tecnologia da Informação e a saúde em Campinas. A Tecnologia da Informação e a saúde em Campinas. BENATO, L. Informática dos Municípios Associados (IMA) Resumo Campinas-SP conta com mais de 1 milhão de usuários do SUS, incluindo os munícipes de Campinas

Leia mais

PORTARIA No- 845, DE 2 DE MAIO DE 2012

PORTARIA No- 845, DE 2 DE MAIO DE 2012 PORTARIA No- 845, DE 2 DE MAIO DE 2012 Estabelece estratégia de qualificação e ampliação do acesso aos transplantes de órgãos sólidos e de medula óssea, por meio da criação de novos procedimentos e de

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional Diário Oficial Imprensa Nacional REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF DOU de 28/09/2010 seção 1 Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 511, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2010 O Secretário

Leia mais

INTRODUÇÃO LM INNOMARITIME -2012. Página -1

INTRODUÇÃO LM INNOMARITIME -2012. Página -1 INTRODUÇÃO A CONSTRUÇÃO NAVAL AJUSTADA ( Lean Shipbuilding ) é o processo de construção de navios e unidades offshore, orientado e executado segundo os princípios do sistema de gestão LEAN. Como em muitas

Leia mais

Dra. Bartira de Aguiar Roza. Enfª Master do Transplante do Hospital I. Albert Einstein

Dra. Bartira de Aguiar Roza. Enfª Master do Transplante do Hospital I. Albert Einstein Entrevista Familiar Dra. Bartira de Aguiar Roza Enfª Master do Transplante do Hospital I. Albert Einstein Legislação dos transplantes - Brasil 1968 1988 1991 1992 1997 1998 2000 Lei 5479 Constituição proibição

Leia mais

Ato Normativo PORTARIA Nº 511, DE 27 DE SETEMBRO DE 2010

Ato Normativo PORTARIA Nº 511, DE 27 DE SETEMBRO DE 2010 Ato Normativo PT SAS nº 511 Publicação DOU Diário Oficial da União Data: 27/09/2010 Data: 28/09/2010 PORTARIA Nº 511, DE 27 DE SETEMBRO DE 2010 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições,

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional 1 O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional Andre Rodrigues da SILVA 1 Introdução A produção em massa revolucionou a fabricação na metade do século XIX e esta filosofia foi explorada por grandes

Leia mais

qualidade do cuidado em saúde A segurança

qualidade do cuidado em saúde A segurança A Segurança nos serviços de saúde é um problema tão grande e as causas tão diversas e complexas que não é mais possível não separar as práticas da Qualidade e as práticas da Segurança. A qualidade do cuidado

Leia mais

EDITAL PARA SELEÇÃO DE ACADÊMICOS PARA A LIGA ACADÊMICA ACRIANA DE ENFERMAGEM EM TRANSPLANTES

EDITAL PARA SELEÇÃO DE ACADÊMICOS PARA A LIGA ACADÊMICA ACRIANA DE ENFERMAGEM EM TRANSPLANTES EDITAL PARA SELEÇÃO DE ACADÊMICOS PARA A LIGA ACADÊMICA ACRIANA DE ENFERMAGEM EM TRANSPLANTES A (LAAET), fundada em 23 de Setembro de 2011, afiliada à Universidade Federal do Acre, Grupo HEPATO, Central

Leia mais

TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO

TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Apresentação. É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade

Apresentação. É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade Apresentação Projeto Cultura Doadora É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade e uma atitude proativa para a doação de órgãos e tecidos, bem como na

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

LEI Nº 9.434, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1997

LEI Nº 9.434, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1997 LEI Nº 9.434, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1997 Dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Lean; utilização otimizada de recursos garante sucesso na gestão de projetos.

Gerenciamento de Projetos Lean; utilização otimizada de recursos garante sucesso na gestão de projetos. Gerenciamento de Projetos Lean; utilização otimizada de recursos garante sucesso na gestão de projetos. Artigo apresentado para conclusão do curso de Pós-MBA em Gerenciamento Avançado de Projetos, na instituição

Leia mais

Londrina PR, de 09 a 12 de Junho de 2015. Ellana Barros Pinheiro 1

Londrina PR, de 09 a 12 de Junho de 2015. Ellana Barros Pinheiro 1 A INTERVENÇÃO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL EM MEIO A DINÂMICA AMBULATÓRIO DE TRANSPLANTE DE CÓRNEA E A FILA DE ESPERA POR UMA CÓRNEA NO ESTADO DO PARÁ Ellana Barros Pinheiro 1 Resumo: O presente artigo

Leia mais

EDUCAÇÃO EM TRANSPLANTES PROMOVIDA POR UMA LIGA ACADÊMICA FARIA,

EDUCAÇÃO EM TRANSPLANTES PROMOVIDA POR UMA LIGA ACADÊMICA FARIA, EDUCAÇÃO EM TRANSPLANTES PROMOVIDA POR UMA LIGA ACADÊMICA FARIA, William Macedo Lourenço de 1 ; SANTOS, Dênis Ferreira dos 1 ; MAYNARDE, Israel Guilharde 1 ; DIAS, Raquel Vieira 1 ; ALMEIDA, Ricardo Araújo

Leia mais

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Hospital de Clínicas de Porto Alegre Ministério da Educação Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING SUPPLY CHAIN (INCLUI LOGÍSTICA) 2 2 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING 3 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING Pensar fora da caixa... Lean

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

AUDITORIA PREVENTIVA COM FOCO EM RISCOS: A EXPERIÊNCIA DA CONTROLADORIA E OUVIDORIA GERAL DO ESTADO DO CEARÁ (CGE/CE)

AUDITORIA PREVENTIVA COM FOCO EM RISCOS: A EXPERIÊNCIA DA CONTROLADORIA E OUVIDORIA GERAL DO ESTADO DO CEARÁ (CGE/CE) Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 AUDITORIA PREVENTIVA COM FOCO EM RISCOS: A EXPERIÊNCIA DA CONTROLADORIA E OUVIDORIA GERAL DO ESTADO DO CEARÁ (CGE/CE) Marcelo

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 511, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2010

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 511, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2010 Ministério da Saú Secretaria Atenção à Saú PORTARIA Nº 511, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2010 O Secretário Atenção à Saú, no uso suas atribuições, Consirando a Lei Nº 9.434, 04 fevereiro 1997, que dispõe sobre

Leia mais

TÍTULO: FILAS PARA OS TRANSPLANTES DE ÓRGÃOS NO BRASIL UMA

TÍTULO: FILAS PARA OS TRANSPLANTES DE ÓRGÃOS NO BRASIL UMA TÍTULO: FILAS PARA OS TRANSPLANTES DE ÓRGÃOS NO BRASIL UMA QUESTÃO BIOÉTICA AUTORES Ana Cláudia Machado MACHADO, A. C. Thiago Rocha Cunha CUNHA, T. R. Jorge Alberto Cordón Portillo PORTILLO, J. A. C. Volnei

Leia mais

Percepção de estudantes de enfermagem sobre a doação de órgãos

Percepção de estudantes de enfermagem sobre a doação de órgãos PESQUISA Percepção de estudantes de enfermagem sobre a doação de órgãos Mariana Lara dos Reis Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Débora Cristina Silva Popov Docente do Curso de Graduação em Enfermagem.

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema: Elaborador: ENGENHARIA DE PROCESSOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO Fernando de Almeida Berlitz. Farmacêutico-Bioquímico (UFRGS). MBA Gestão Empresarial e Marketing (ESPM). Lean Six Sigma Master Black Belt.

Leia mais

Inédito! Hospital e Instituto mostram aplicação do Sistema Lean na gestão hospitalar

Inédito! Hospital e Instituto mostram aplicação do Sistema Lean na gestão hospitalar RELEASE À IMPRENSA: Inédito! Hospital e Instituto mostram aplicação do Sistema Lean na gestão hospitalar São Paulo, 9 de junho de 2009 *Hospital São Camilo e Lean Institute Brasil fazem workshop inédito

Leia mais

Discurso Proferido pelo Deputado Federal Dimas Ramalho PPS/SP na Tribuna da Câmara dos Deputados. Sr. Presidente, Sras. e Srs.

Discurso Proferido pelo Deputado Federal Dimas Ramalho PPS/SP na Tribuna da Câmara dos Deputados. Sr. Presidente, Sras. e Srs. Discurso Proferido pelo Deputado Federal Dimas Ramalho PPS/SP na Tribuna da Câmara dos Deputados. Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, O tema que me traz hoje à tribuna desta Casa, diz respeito à doação

Leia mais

CAMPANHA DE SUSTENTABILIDADE (mudança no título antes chamada de Campanha Indústria Farmacêutica & Iniciativas de Responsabilidade Corporativa)

CAMPANHA DE SUSTENTABILIDADE (mudança no título antes chamada de Campanha Indústria Farmacêutica & Iniciativas de Responsabilidade Corporativa) CAMPANHA DE SUSTENTABILIDADE (mudança no título antes chamada de Campanha Indústria Farmacêutica & Iniciativas de Responsabilidade Corporativa) A categoria SUSTENTABILIDADE é a antiga categoria Indústria

Leia mais

CÓRNEA O que você precisa saber...

CÓRNEA O que você precisa saber... CÓRNEA O que você precisa saber... Enf. Adriana Reña É a parte anterior do globo ocular.função de proteção e permitir uma perfeita visão pela sua transparência. CÓRNEA FLUXO PARA DOAÇÃO DE CÓRNEA Unidade

Leia mais

Prefeitura Municipal de Botucatu

Prefeitura Municipal de Botucatu I- Identificação: Projeto Empresa Solidária II- Apresentação : O Fundo Social de Solidariedade é um organismo da administração municipal, ligado ao gabinete do prefeito, que atua em diversos segmentos

Leia mais

RESULTADOS DA DOAÇÃO E TRANSPLANTE NO RS 2012/2013 CENTRAL DE TRANSPLANTES DO RS

RESULTADOS DA DOAÇÃO E TRANSPLANTE NO RS 2012/2013 CENTRAL DE TRANSPLANTES DO RS RESULTADOS DA DOAÇÃO E TRANSPLANTE NO RS 2012/2013 CENTRAL DE TRANSPLANTES DO RS Fontes: Central de Transplantes do RS/Secretaria Estadual da Saúde Sistema de Informações Gerenciais - Sistema Nacional

Leia mais

ENTREVISTA FAMILIAR. Milene Gonçalves Cobianchi. Enfermeira CNCDO/GO. A Família / Tarsila do Amaral

ENTREVISTA FAMILIAR. Milene Gonçalves Cobianchi. Enfermeira CNCDO/GO. A Família / Tarsila do Amaral ENTREVISTA FAMILIAR A Família / Tarsila do Amaral Milene Gonçalves Cobianchi Enfermeira CNCDO/GO COMUNICAÇÃO DE MÁS NOTÍCIAS A principal aliada é a COMUNICAÇÃO EFICAZ. A comunicação ocorre de forma verbal

Leia mais

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Resumo Com uma abordagem prática este trabalho proporcionará uma visão do projeto de implantação de um sistema LIMS com o objetivo de eliminar totalmente o

Leia mais

Teresa Maciel MSC, PhD Candidate. Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com

Teresa Maciel MSC, PhD Candidate. Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com Teresa Maciel MSC, PhD Candidate Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com Sobre a instrutora... Doutoranda em Engenharia de Software (métodos ágeis), Mestre em Engenharia de Software (melhoria de processos de

Leia mais

TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS: CONTRIBUIÇÃO DO IDOSO

TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS: CONTRIBUIÇÃO DO IDOSO Área temática: Qualidade de vida, envelhecimento ativo e bem sucedido. TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS: CONTRIBUIÇÃO DO IDOSO Ana Elza O. Mendonça 1 ; Izaura Luzia Silvério Freire 2 ; Gilson de Vasconcelos Torres

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

Projeto NCAP. Relatório. Semestral -

Projeto NCAP. Relatório. Semestral - Relatório 2015 Semestral - Projeto NCAP Relatório de atividades relacionadas ao Projeto NCAP, pertencente ao Projeto de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do SUS PROADISUS. Os dados apresentados neste

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

11 Sep 12. Comissão de Farmácia Hospitalar 2012

11 Sep 12. Comissão de Farmácia Hospitalar 2012 Curso de Atualização em Boas Práticas de Farmácia Hospitalar Heloisa Barreto Comissão de Farmácia Hospitalar 2012 Gestão da Farmácia Hospitalar Heloisa Arruda Gomm Barreto Comissão de Farmácia Hospitalar

Leia mais

CPI da OPME 6.Abr. 2015. Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil

CPI da OPME 6.Abr. 2015. Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil CPI da OPME 6.Abr. 2015 Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil SISTEMA UNIMED 351 Cooperativas contribuindo com a interiorização dos médicos da medicina de qualidade no Brasil. SISTEMA

Leia mais

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE)

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) INSTITUIÇÃO Nome Morada Código Postal CONTEXTO PRÁTICA CLÍNICA ou UNIDADE DE SAÚDE FUNCIONAL Nome CONTATOS Enfermeiro(a) Chefe

Leia mais

ANAIS MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR APLICADO AO SERVIÇO DE PÓS VENDA DE UMA CONCESSIONÁRIA DE AUTOMÓVEIS

ANAIS MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR APLICADO AO SERVIÇO DE PÓS VENDA DE UMA CONCESSIONÁRIA DE AUTOMÓVEIS MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR APLICADO AO SERVIÇO DE PÓS VENDA DE UMA CONCESSIONÁRIA DE AUTOMÓVEIS VILMAR NOGUEIRA DUARTE ( vilmarufms@yahoo.com.br ) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA MARLOS VINICIUS

Leia mais

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR As páginas que se seguem constituem as Declarações Europeias da Farmácia Hospitalar. As declarações expressam os objetivos comuns definidos para cada sistema

Leia mais

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DA QUALIDADE 1. OBJETIVO Estabelecer, documentar, implementar, aprimorar e manter um, que assegure a conformidade com os requisitos da norma de referência. 2. CONTROLE DE DOCUMENTOS E REGISTRO 2. CONTROLE DE DOCUMENTOS

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto TERMO DE REFERÊNCIA Nº. /2011 CAPA Projeto Agência:

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S Marcos Henrique Pazini (Pós-Graduado da UNICENTRO), Sílvio Roberto Stefano (Orientador),

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 Dispõe sobre o atendimento obrigatório aos portadores da Doença de Alzheimer no Sistema Único de Saúde - SUS, e dá outras providências.

Leia mais

O desafio é A Segurança do Paciente

O desafio é A Segurança do Paciente O desafio é A Segurança do Paciente CAISM - Fevereiro de 2011: Implantação do Segundo Desafio Global Cirurgias Seguras Salvam Vidas Profª Drª Roseli Calil Enfº Adilton Dorival Leite Conhecendo um pouco

Leia mais

Confederação das Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB FGV. Debates. As tendências do Sistema Único de Saúde

Confederação das Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB FGV. Debates. As tendências do Sistema Único de Saúde Confederação das Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Debates FGV As tendências do Sistema Único de Saúde Hospitais sem fins lucrativos Estabelecimentos de saúde que

Leia mais

Gestão da manutenção hospitalar

Gestão da manutenção hospitalar Gestão da manutenção hospitalar Rômulo Lessa Aragão (HGF) romulolessa@gmail.com João Luis Pianco de Oliveira (UFC) jotaehli@gmail.com Resumo O artigo trata de um plano de melhorias desenvolvido no Hospital

Leia mais

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR!

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! Eleições 2014 Faculdade de Odontologia UFRJ VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! PLANO DE TRABALHO EQUIPE - CHAPA 1: Diretor - Maria Cynésia Medeiros de Barros Substituto Eventual do Diretor - Ednilson

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

Como implementar melhoria contínua (Lean e Six Sigma) alinhado à orientação por processos. Viviane Salyna

Como implementar melhoria contínua (Lean e Six Sigma) alinhado à orientação por processos. Viviane Salyna Como implementar melhoria contínua (Lean e Six Sigma) alinhado à orientação por processos Viviane Salyna Estrutura da Apresentação Muitas abordagem de processos geram: Processos devem gerar resultados

Leia mais

Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares. 7o. Fórum do SIPD

Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares. 7o. Fórum do SIPD Informes gerais Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares SIPD 7o. Fórum do SIPD Rio de Janeiro, 14 de dezembro de 2009 SIPD resposta para as seguintes questões Como otimizar a aplicação dos recursos,

Leia mais

O Processo de Doação Transplante Introdução

O Processo de Doação Transplante Introdução O Processo de Doação Transplante Introdução Desde o início da história dos transplantes, inúmeras dificuldades são enfrentadas para efetiva implantação desta prática terapêutica, essencialmente no que

Leia mais

PORTARIA Nº 2.600, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 [...] ANEXO VI NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE EQUIPES ESPECIALIZADAS E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE

PORTARIA Nº 2.600, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 [...] ANEXO VI NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE EQUIPES ESPECIALIZADAS E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE PORTARIA Nº 2.600, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 Aprova o Regulamento Técnico do Sistema Nacional de Transplantes. [...] ANEXO VI NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE EQUIPES ESPECIALIZADAS E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

REVISÃO VACINAS 15/02/2013

REVISÃO VACINAS 15/02/2013 REVISÃO VACINAS 1. Conforme a Lei Federal n o 7.498/86, que dispõe sobre o exercício da enfermagem, são atividades privativas do enfermeiro: a) administrar medicamentos e prestar consultoria de b) observar

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO PENSAMENTO ENXUTO PARA O DIAGNÓSTICO E PROPOSIÇÃO DE MELHORIAS NO GERENCIAMENTO DE HOTÉIS

UTILIZAÇÃO DO PENSAMENTO ENXUTO PARA O DIAGNÓSTICO E PROPOSIÇÃO DE MELHORIAS NO GERENCIAMENTO DE HOTÉIS UTILIZAÇÃO DO PENSAMENTO ENXUTO PARA O DIAGNÓSTICO E PROPOSIÇÃO DE MELHORIAS NO GERENCIAMENTO DE HOTÉIS Karine Borges de Oliveira (UNISAL/LO) karineborges.eng@gmail.com Eduardo Ferro dos Santos (USP/EEL)

Leia mais

O PAPEL DO PROFESSOR DA REDE DE ENSINO NA ELABORAÇÃO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PAPEL DO PROFESSOR DA REDE DE ENSINO NA ELABORAÇÃO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL 1 O PAPEL DO PROFESSOR DA REDE DE ENSINO NA ELABORAÇÃO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL COORDENADOR: MOHAMED HABIB COLABORADORES: CARLOS FERNANDO S. ANDRADE, GIOVANNA GARCIA FAGUNDES & REJANE C. BRASSOLATTI

Leia mais