AULA DE PORTUGUÊS : UM OLHAR CRÍTICO SOB O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AULA DE PORTUGUÊS : UM OLHAR CRÍTICO SOB O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA"

Transcrição

1 AULA DE PORTUGUÊS : UM OLHAR CRÍTICO SOB O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA Carolina Moreira Iório Thiago Leonardo Ribeiro (Gdos CLCA UENP/CJ) Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora CLCA UENP/CJ) Introdução A Língua Portuguesa (LP), com mais de 220 milhões de falantes, é a quinta língua mais falada no mundo, a mais falada no hemisfério sul, a terceira mais falada no mundo ocidental, e oficialmente falada em Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e no Timor-Leste. Por uma abrangência tão ampla, ou seja, por ser utilizada por milhões de pessoas em lugares tão diferentes, algumas diferenças se constituem como sotaques, expressões variadas, entre outros. Porém, problemas também se formam, por vezes, não por fatores geográficos ou quantitativos, mas históricos. Como é o caso da confusão, histórica, de considerar a língua portuguesa como a gramática da língua portuguesa, ou mais especificamente, de conceber que estudar/aprender a língua portuguesa é o mesmo que estudar/aprender a gramática dessa língua. Evidentemente, o estudo da primeira, da língua em si, é muito mais amplo que o da segunda, da gramática da língua, conforme preleciona Raupp (2009), Pensar que o estudo de uma língua reduz-se ao estudo de sua gramática é um pensamento equivocado; primeiramente porque a língua é uma entidade complexa, o que implica uma composição de subsistemas que se integram e se interdependem e, em segundo lugar, porque a língua é veículo de comunicação e, por conseguinte, é uma atividade interativa, portanto, envolve uma série de outros componentes, além do meramente gramatical (p. 15). No entanto, Batista (apud MORAES, online) expõe, o que fazem também muitos estudiosos e pesquisas acadêmicas, que na escola "ensina-se, fundamentalmente, a disciplina gramatical". Mesmo que os professores explorem diversos saberes como leitura, escrita, oralidade, escuta, como regem os documentos oficiais orientadores das práticas pedagógicas, como as Diretrizes Curriculares Estaduais do Estado do Paraná (DCE) (2010), o que é, ainda, muitas vezes, priorizado é o ensino da gramática tradicional, a gramática 398

2 normativa, em que as regras são apresentadas para serem decoradas e bem utilizadas na fala e na escrita. O ensino da língua portuguesa por professores atualizados, reciclados e preocupados com as mudanças na educação, está pautado na prática diária de atividades de fala, escuta, escrita e interpretação de textos, permitindo o desenvolvimento de habilidades necessárias para se transitar pelo mundo da escrita, reconhecendo os textos que circulam socialmente, e destinando-se a formar pessoas capazes de usar adequadamente a língua, para participar das práticas sociais, seja para aprender, informar-se, divertir-se, ou para se relacionar com outros indivíduos. Entretanto, ainda encontramos muitos alunos que encaram a LP como uma língua estrangeira, pois não condiz com a língua empregada em seu convívio social. Tal fato acaba por ridicularizar o aluno que fala de maneira diversa da língua padrão, sendo alvo de correção a todo momento, e ficando exposto às humilhações dos próprios colegas. Especula-se que muitos estudantes não sabem falar, muito menos escrever. No entanto, tal afirmação relacionada com o domínio da tradição gramatical já vem sendo combatida com inúmeros estudos. Portanto, é claro que o ensino da Língua Portuguesa está passando por mudanças, mas é preciso que se acabe com a ideia de que se deve corrigir o aluno que fala errado para que ele passe a escrever corretamente, visão pautada ainda, por alguns professores, nos preceitos da gramática normativa. O que deve ser feito é a conscientização dos alunos de que eles já sabem o português, e em relação aos professores, que se lembrem disso durante as aulas. Desta feita, segundo apontamentos de Neves (online), o bom ensino da LP leva o aluno a reconhecer a necessidade da leitura do letreiro do ônibus aos nomes das ruas, das fachadas das lojas, leituras fundamentais para a sua sobrevivência e orientação numa civilização construída a partir da língua escrita; ler o jornal, que vai relacioná-lo com o mundo; ler os poemas, que vão dar concretude, qualificar e expandir os limites de seus sentimentos; ler narrativas, que vão organizar sua relação com a complexidade da vida social, ler as leis e os regulamentos que regem a sua cidadania; ler os ensaios que apelam à sua racionalidade e a desenvolvem. E, uma boa escola disposta a olhar para frente e não para a repetição do passado, entende que trabalhar com o texto implica lidar com a incerteza e com o erro e não com a resposta certa, porque escrever é produzir e não reproduzir velhas certezas, pois certezas nos deixam estagnados, e errando, aperfeiçoando e aprimorando chegamos às novidades. 399

3 A pesquisa acerca do ensino da LP deve ocorrer sempre para se saber onde se está falhando, acertando, o que se deve fazer para melhorar, buscar conhecimento. Assim, nos propomos a analisar um poema, a fim de refletirmos sobre como, já há muito tempo, tal tema vem sendo objeto de discussão e estudos. Análise do poema pautada nas teorias conceituais de língua portuguesa e seu ensino Aula de Português (Carlos Drummond de Andrade) A linguagem na ponta da língua, tão fácil de falar e de entender A linguagem na superfície estrelada de estrelas, sabe lá o que ela quer dizer? Professor Carlos Góis, ele é quem sabe, e vai desmatando o amazonas de minha ignorância. Figuras de gramática, esquipáticas, atropelam-me, aturdem-me, seqüestram-me. Já esqueci a língua em que comia, em que pedia para ir lá fora, em que levava e dava pontapé, a língua, breve língua entrecortada do namoro com a prima. O português são dois; o outro, mistério. Estudando o poema de Carlos Drummond de Andrade, um dos principais poetas da literatura brasileira, em sua primeira estrofe: A linguagem/ na ponta da língua,/ tão fácil de falar/ e de entender, podemos compreender que o poeta faz uma referência à linguagem do cotidiano, o que podemos relacionar ao conceito de Gramática Internalizada, que é o conjunto de regras dominadas pelos falantes, as quais lhes permitem o uso cotidiano da língua. São os conhecimentos que habilitam o falante a produzir frases ou sequências de palavras de maneira tal que essas frases e sequências são compreensíveis e reconhecidas como pertencendo a uma língua (POSSENTI, 1996, p. 69). Nesse viés, encontra-se o ensino escolar classificado por Travaglia (2002) como um ensino produtivo, uma vez que a escola, 400

4 não quer alterar padrões que o aluno já adquiriu, mas aumentar os recursos que possui e fazer isso de modo tal que tenha a seu dispor, para uso adequado, a maior escala possível de potencialidades de sua língua, em todas as diversas situações em que tem necessidade delas (p. ). A segunda estrofe: A linguagem/ na superfície estrelada de estrelas,/ sabe lá o que ela quer dizer?, versa sobre a norma culta da língua, no sentido de uma visão predominante de que a linguagem, a constituída pela norma culta ou língua padrão, é muito distante das pessoas, é quase que incompreensível para a maioria das pessoas. Visão que não pode ser considerada errada, pois a norma padrão da língua, realmente, não é utilizada em muitas situações comunicativas. Ela é mais exclusiva de ambientes ou veículos que exigem uma formalidade maior. O problema é que como, muitas vezes, se acredita que a língua é sinônimo de gramática, ou seja, que falar a língua é só falar a norma padrão cria-se um distanciamento. A língua fica na superfície estrelada, isto é, em algum lugar distante que não o cotidiano das pessoas. É nesse sentido que os estudos de Bagno (1999) se encaminham, em uma tentativa de desfazer a ideia preconceituosa de que somente quem fala de acordo com a norma culta é que fala a nossa língua. O referido autor afirma que "o preconceito lingüístico se baseia na crença de que só existe uma única língua portuguesa digna deste nome e que seria a língua ensinada nas escolas, explicada nas gramáticas e catalogadas nos dicionários" (BAGNO, 1999, p.40). Esses versos da segunda estrofe, portanto, fazem referência à Gramática Normativa que é o conjunto de regras que devem ser seguidas, [...] relativamente explícitas e relativamente coerentes, que, se dominadas, poderão produzir como efeito o emprego da variedade padrão (escrita e/ou oral) (POSSENTI, 1996, p ). Dessa forma, a Gramática Normativa seria aquela que expõe apenas os fatos da língua padrão, da norma culta de uma língua, norma essa que se tornou oficial, baseandose mais nos fatos da língua escrita. Essa, segundo reportagem da Revista Multidisciplinar da Uniesp Saber Acadêmico (2009, p. 112) é a forma como a Língua Portuguesa é encarada no contexto escolar, norteado quase sempre por regras enfadonhas e sem reflexão, não contemplando a linguagem como o meio em que as pessoas existem e agem. Para completar a ênfase dada ao ensino da gramática normativa que se realiza na escola, Drummond expõe na terceira estrofe: Professor Carlos Góis, ele é quem sabe,/ e vai desmatando o amazonas de minha ignorância./ Figuras de gramática, esquipáticas,/ atropelam-me, aturdem-me, seqüestram-me. É possível compreender que a 401

5 figura do Professor Carlos Góis, ilustre professor, escritor, poeta e filólogo, que publicou inúmeros trabalhos didáticos como Dicionário de Raízes e Cognatos (premiado pela Academia Brasileira de Letras), é exaltada. É o professor quem esclarece as grandes dúvidas de Drummond em sua vida escolar. Contudo, é apresentada uma ideia de que é o professor de Língua Portuguesa o único detentor do conhecimento acerca do uso da referida língua. Nesse sentido, há uma menção a um dos mitos presentes no livro Preconceito Lingüístico: o que é e como se faz de Marcos Bagno (1999, p. 34), qual seja, português é uma língua difícil: porque temos de decorar conceitos e fixar regras que não significam nada para nós. Ou seja, conceitos e regras só teriam mesmo sentido para a vida do professor de português que é tem convive diariamente com esses fatores. E a crítica à abordagem da língua como sinônimo de gramática nos dois últimos versos da terceira estrofe que caracterizam a atitude de abandono da língua cotidiana, da não consideração das muitas variantes da língua, para se aprender, se privilegiar apenas a norma padrão, a gramática normativa. Tal abandono, que ainda ocorre na atualidade, acontece, muitas vezes, por estímulo dos professores, principalmente os das primeiras séries, que desconsideram a bagagem não só linguística como cultural do aluno, promovendo uma ruptura entre a escola e a realidade (VIEIRA, 2010). Corroborando com o explanado, vale destacar os excertos seguintes retirados das Diretrizes Curriculares do Estado do Paraná (2008), É na escola que um imenso contingente de alunos que frequentam as redes públicas de ensino tem a oportunidade de acesso à norma culta da língua, ao conhecimento social e historicamente construído e à instrumentalização que favoreça sua inserção social e exercício da cidadania. Contudo, a escola não pode trabalhar só com a norma culta, porque não seria democrática, seria a-histórica e elitista (p. 53). Devemos lembrar que a criança, quando chega à escola, já domina a oralidade, pois cresce ouvindo e falando a língua, seja por meio das cantigas, das narrativas, dos causos contados no seu grupo social, do diálogo dos falantes que a cercam ou até mesmo pelo rádio, TV e outras mídias. Ao apresentar a hegemonia da norma culta, a escola muitas vezes desconsidera os fatores que geram a imensa diversidade linguística: localização geográfica, faixa etária, situação socioeconômica, escolaridade, etc. (POSSENTI,1996). O professor precisa ter clareza de que tanto a norma padrão quanto as outras variedades, embora apresentem diferenças entre si, são igualmente lógicas e bem estruturadas (p ). Contudo, o que se prega como é na escola que [...], compreendemos que muitas vezes o que ocorre efetivamente é deveria ser na escola que.... Isto é, o que deveria 402

6 ocorrer, de acordo com Travaglia (2002) seria além de um ensino produtivo, o qual já abordamos, também e de forma entrelaçada um ensino descritivo, o qual objetiva mostrar como a linguagem funciona e como determinada língua em particular funciona. Fala de habilidades já adquiridas sem procurar alterá-las, porém mostrando como podem ser utilizadas. Trata de todas as variedades linguísticas. (p. 39). Assim, todas as variantes seriam estudadas de forma a não privilegiar uma sobre as outras, mas entender como elas se constituem, como funcionam, em que situações comunicativas são adequadas. Tal ensino pauta-se, principalmente, sobre a Gramática Descritiva, conceituada como conjunto de regras que são seguidas é a que orienta o trabalho dos lingüistas, cuja preocupação é descrever e/ou explicar as línguas tais como elas são faladas. (...) Pode haver diferenças entre as regras que devem ser seguidas e as que são seguidas, em parte como conseqüência do fato de que as línguas mudam e as gramáticas normativas podem continuar propondo regras que os falantes não seguem mais (POSSENTI, 1996, p. 65). Como mencionado, o que ocorre, então, é o trabalho com todas as variedades da língua e não apenas com a variedade culta, dando-se também atenção para a forma oral da língua. Vale ainda destacar que a gramática descritiva tem como ponto característico o fato de não possuir pretensão prescritiva. Não se preocupa em apontar erros, mas pode ir além da constatação de que essas formas existem, verificando, por exemplo, que elas são utilizadas por pessoas de diferentes grupos sociais ou, eventualmente, pelas mesmas pessoas em situações diferentes (POSSENTI, 1996, p. 68). A quarta estrofe: Já esqueci a língua em que comia,/ em que pedia para ir lá fora,/ em que levava e dava pontapé, / a língua, breve língua entrecortada/ do namoro com a prima. retrata uma linguagem sentimentalista e saudosista que se remete às variantes que o sujeito utilizava antes de chegar à escola, sua variante natural, familiar. Ao chegar à escola, conforme os versos demonstram, o que ocorre é um encontro com um ensino prescritivo, o qual leva o aluno a substituir seus próprios padrões de atividade lingüística considerados errados/inaceitáveis por outros considerados corretos/aceitáveis. É, portanto, um ensino que interfere com as habilidades lingüísticas existentes (TRAVAGLIA, 2002, p. 38). Fato que contribui para que os alunos, não se interessem pelo estudo da língua que se realiza na escola, que não gostem da disciplina de Língua Portuguesa, que considerem a língua portuguesa como difícil, cheia de regras. O que pode ser constatado igualmente na sociedade contemporânea. 403

7 Por fim, no último verso: O português são dois; o outro, mistério, o autor explicita que o português é aquele que se usa no dia-a-dia, em casa com a família, na rua com as pessoas, o outro, ou seja, o misterioso, é o português da escola, porque é cheio de normas e regras, fazendo menção a Gramática Normativa. Considerações Finais Percebe-se que a insatisfação com a escola, não raras vezes, vem do descontentamento com o ensino da língua materna, em que o ensino por tornar-se muito custoso, reflete em total descontentamento com a escola, tanto por parte do aluno que se torna indisciplinado por não acompanhar a turma, quanto pelo professor que se frustra por não conseguir alcançar seu objetivo que é a passagem de conhecimento ao aluno. Mister se faz reconhecer o aluno como cidadão, garantir sua inserção ativa e crítica na sociedade, e consequentemente a valorização de seus conhecimentos prévios como cultura, linguagem e experiências diversas, para o pleno desenvolvimento do ensino da Língua Portuguesa. Cabe à escola, mais especificamente ao professor, enfrentar os preconceitos linguísticos, ensinando o respeito à diferença e libertando-se de mitos quanto à língua, como o da existência de uma única forma correta de se falar, a fim de conscientizar os alunos sobre a necessidade de adequação da linguagem utilizada ao contexto de comunicação. Os estudos a respeito do tema em voga servem para manter os professores em contato permanente com as questões atuais relacionadas a sua ação e ao processo de ensino-aprendizagem. Vale ressaltar que por vezes torna-se muito difícil ao profissional da educação manter-se atualizado e motivado a buscar melhorias tendo em vista as condições de vida e trabalho, bem como a interferência de fatores de ordem social, econômica e política que influem diretamente na ação em sala de aula. Assim sendo, de todo o exposto extraímos que o ensino-aprendizagem de Língua Portuguesa resulta do bom relacionamento entre os itens envolvidos no processo educacional, ou seja, boa articulação entre aluno, conteúdo, professor e escola. 404

8 Referências bibliográficas BAGNO, Marcos. Preconceito lingüístico. 49ª ed. São Paulo: Loyola, MORAES, Eliana Melo Machado. A Gramática na Aula de Português. Disponível em: Acesso em: 16 de maio de NEVES, Iara C. B. et alli.(orgs.) Ler e escrever: compromisso de todas as áreas. Porto Alegre: Ed da Universidade/UFRGS, Disponível em: Acesso em: 16 de maio de PARANÁ. SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO. Diretrizes Curriculares na Educação Básica Língua Portuguesa. Curitiba: SEED, POSSENTI, Sílvio. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas-SP: Mercado das Letras, RAUPP, Eliane Santos. Língua Portuguesa. Ponta Grossa: Ed. UEPG, REVISTA MULTIDISCIPLINAR DA UNIESP SABER ACADÊMICO - n º 08 - Dez. 2009/ FAILI, Valmir Rogério. ISSN , pág Disponível em: Acesso em: 24 de abril de SANTOMAURO, Beatriz. O papel das letras na interação social. Revista Nova Escola. Ed Abril, Disponível em: fundamentos/papel-letras-interacao-social shtml. Acesso em: 16 de maio de TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Gramática e interação: uma proposta para ensino de gramática no 1.º e 2.º graus. 8 ed. São Paulo: Cortez, VIEIRA, Débora. O que é ensinar Português? Disponível em: Acesso em: 24 de abril de Para citar este artigo: IÓRIO, Carolina Moreira; RIBEIRO, Thiago Leonardo. Aula de português : um olhar crítico sob o ensino da língua materna. In: VII SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA SÓLETRAS - Estudos Linguísticos e Literários Anais... UENP Universidade Estadual do Norte do Paraná Centro de Letras, Comunicação e Artes. Jacarezinho, ISSN p

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO REVELADO SOB UM OLHAR POÉTICO

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO REVELADO SOB UM OLHAR POÉTICO O PRECONCEITO LINGUÍSTICO REVELADO SOB UM OLHAR POÉTICO Carina Pereira de Paula Cristina Monteiro da Silva Juliana Aparecida Chico de Morais (Gdas-CLCA-UENP/CJ) Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (Orientadora-

Leia mais

A PRÁTICA DA LEITURA, PRODUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO PARA GRADUANDOS DE DIREITO

A PRÁTICA DA LEITURA, PRODUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO PARA GRADUANDOS DE DIREITO 112 A PRÁTICA DA LEITURA, PRODUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO PARA GRADUANDOS DE DIREITO FAILI, Valmir Rogério 1 Aula de Português Carlos Drummond de Andrade A linguagem na ponta da língua, tão fácil de

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 O EMPREGO GRAMATICAL NO LIVRO DIDÁTICO Desiree Bueno TIBÚRCIO (G-UENP/campus Jac.) desiree_skotbu@hotmail.com Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora-uenp/campus Jac.) marilucia.ss@uol.com.br

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

CONCEPÇÕES DE GRAMÁTICA QUE SE CONSTITUEM NOS INDIVÍDULOS ESCOLARIZADOS

CONCEPÇÕES DE GRAMÁTICA QUE SE CONSTITUEM NOS INDIVÍDULOS ESCOLARIZADOS CONCEPÇÕES DE GRAMÁTICA QUE SE CONSTITUEM NOS INDIVÍDULOS ESCOLARIZADOS Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (GP Leitura e Ensino - CLCA-UENP/CJ e PG-UEL) Introdução Vinte anos atrás, o então Currículo

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES RESUMO Cleuma Regina Ribeiro da Rocha Lins (UEPB) cleumaribeiro@yahoo.com.br Orientador: Prof. Dr. Juarez Nogueira

Leia mais

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO 1 POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO SOUSA, Grazielle de Jesus Leal de 1 RESUMO O ensino de língua portuguesa ainda é visto por muitas pessoas como um ensino mecânico, cheio de regras e

Leia mais

Esperamos que este pequeno material seja esclarecedor e que possa levar mais gente a se interessar pela língua que falamos.

Esperamos que este pequeno material seja esclarecedor e que possa levar mais gente a se interessar pela língua que falamos. Apresentação Será que a Língua Portuguesa é mesmo difícil? Por que é comum ouvir brasileiros dizerem que não sabem falar português? Será que a experiência escolar com o ensino de Língua Portuguesa causa

Leia mais

A CONCEPÇÃO DE GRAMÁTICA PELOS ALUNOS DO CURSO DE LETRAS

A CONCEPÇÃO DE GRAMÁTICA PELOS ALUNOS DO CURSO DE LETRAS A CONCEPÇÃO DE GRAMÁTICA PELOS ALUNOS DO CURSO DE LETRAS Marilúcia dos Santos Domingos STRIQUER (UNEP/campus Jac.) marilucia.ss@uol.com.br INTRODUÇÃO Diversos estudos já foram realizados sobre o conceito

Leia mais

UMA REFLEXÃO TEÓRICA ACERCA DO PRECONCEITO LINGUÍSTICO E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA

UMA REFLEXÃO TEÓRICA ACERCA DO PRECONCEITO LINGUÍSTICO E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas Volume 01. Nº 01. 1º Semestre de 2013 UMA REFLEXÃO TEÓRICA ACERCA DO PRECONCEITO LINGUÍSTICO E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA Kátia Simone Costa VIEIRA 1 Resumo O

Leia mais

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO Extensão, docência e investigação. Danielle Gomes Mendes Theciana Silva Silveira Orientadora: Prof.ª Dr.ª Marize Barros Rocha

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a questão da alfabetização como conceito presente nas políticas educacionais que

Leia mais

Base Nacional Comum Curricular

Base Nacional Comum Curricular Área de Linguagens: Componente Curricular Língua portuguesa SEC/UEFS Para que se dá aulas de Português a falantes nativos do Português? Desenvolver a competência comunicativa dos usuários da língua (progressiva

Leia mais

XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A GRAMÁTICA DE USOS DO PORTUGUÊS NA CONTEMPORANEIDADE: UMA PROPOSTA DE ENSINO Camila Rodrigues da Silva (UFT) Kmila-rodriguess@hotmail.com Luiz Roberto Peel Furtado de Oliveira (UFT) luizpeel@mail.uft.edu.br

Leia mais

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa 7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa As críticas ao ensino tradicional de língua portuguesa não são recentes. Nos anos trinta, Olavo Bilac já se posicionava contra o

Leia mais

Anais do X Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN 18089216 UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR

Anais do X Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN 18089216 UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR Marta Aline Buckta (G-CLCA-UENP/CJ) Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (Orientadora CLCA-UENP/CJ) Introdução Motivada pelo desejo e pela necessidade,

Leia mais

TÍTULO: A DESCONSTRUÇÃO DO PRECONCEITO NO FALAR DO PORTUGUÊS NO BRASIL ORIENTADOR(ES): ILZA ALVES FERREIRA GONÇALVES DA SILVA, JOÃO ANGELO SEGANTIN

TÍTULO: A DESCONSTRUÇÃO DO PRECONCEITO NO FALAR DO PORTUGUÊS NO BRASIL ORIENTADOR(ES): ILZA ALVES FERREIRA GONÇALVES DA SILVA, JOÃO ANGELO SEGANTIN TÍTULO: A DESCONSTRUÇÃO DO PRECONCEITO NO FALAR DO PORTUGUÊS NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: LETRAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): DULCELENA RIBEIRO

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS GAROPABA Aprovação do curso e Autorização da oferta

Leia mais

Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português

Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português Paulo Coimbra Guedes e Jane Mari de Souza A tarefa de ensinar a ler e a escrever um texto de história é do professor de história

Leia mais

A ABORDAGEM DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA

A ABORDAGEM DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA A ABORDAGEM DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA Joseilson Jales Alves (graduando em Letras/Espanhol na UERN) Maria Graceli de Lima (Pós-graduanda em Letras PPGL/UERN) Maria Lúcia

Leia mais

Palavras-chave: Ensino/Aprendizagem; Variações Linguísticas; Relação Professor/Aluno.

Palavras-chave: Ensino/Aprendizagem; Variações Linguísticas; Relação Professor/Aluno. ALFABETIZAÇÃO: UMA REFLEXÃO SOBRE A REALIDADE ESCOLAR Andréia de Fátima Freire Maia, UNICENTRO, PIBID CAPES Marieli Zviezykoski, UNICENTRO, PIBID CAPES Ângela Bona Josefi (Orientadora - UNICENTRO) Resumo:

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DEPARTAMENTO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO

INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DEPARTAMENTO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO AA 285 ESTÁGIO SUPERVISIONADO I LÍNGUA PORTUGUESA NO 6º E 7º ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Língua Portuguesa. Elaborar propostas de trabalho com diferentes gêneros textuais que contemplem também textos literários.

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Março 2015 REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA Adenilton Santos Moreira* RESUMO Este trabalho analisa a Inclusão social como a capacidade

Leia mais

O SEU DIA COMO PROFESSOR : UMA ATIVIDADE QUE EXTRAPOLA A SALA DE AULA.

O SEU DIA COMO PROFESSOR : UMA ATIVIDADE QUE EXTRAPOLA A SALA DE AULA. O SEU DIA COMO PROFESSOR : UMA ATIVIDADE QUE EXTRAPOLA A SALA DE AULA. Ana Paula Carvalho Nogueira Faculdade de Formação de Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. anacarvalhonogueira@gmail.com

Leia mais

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA Fernanda Mara Cruz (SEED/PR-PG-UFF) Introdução Os processos de ensinar e aprender estão a cada dia mais inovadores e com a presença de uma grande variedade

Leia mais

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO ÂMBITO ESCOLAR BREVENSE

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO ÂMBITO ESCOLAR BREVENSE O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO ÂMBITO ESCOLAR BREVENSE Cherma Miranda PEREIRA (UFPA) 1 Celso FRANCÊS JÚNIOR (UFPA) Resumo: Este trabalho tem por objetivo apresentar os resultados da pesquisa sobre o preconceito

Leia mais

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA CENTRO MUNICIPAL DE REFERÊNCIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PROFESSORA FABÍOLA DANIELE DA SILVA A lingüística moderna

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

PROJETO LER E ESCREVER É DA HORA! : LEITURA E PRODUÇÃO TEXTUAL SOB A PERSPECTIVA INTERACIONISTA

PROJETO LER E ESCREVER É DA HORA! : LEITURA E PRODUÇÃO TEXTUAL SOB A PERSPECTIVA INTERACIONISTA PROJETO LER E ESCREVER É DA HORA! : LEITURA E PRODUÇÃO TEXTUAL SOB A PERSPECTIVA INTERACIONISTA Patrícia Cristina de Oliveira (UEM UENP/Jacarezinho) Vera Maria Ramos Pinto (UEL UENP/Jacarezinho) Introdução

Leia mais

13º CONGRESSO BRASILEIRO DE LÍNGUA PORTUGUESA DO IP/PUC-SP 4º CONGRESSO INTERNACIONAL DE LUSOFONIA

13º CONGRESSO BRASILEIRO DE LÍNGUA PORTUGUESA DO IP/PUC-SP 4º CONGRESSO INTERNACIONAL DE LUSOFONIA 13º CONGRESSO BRASILEIRO DE LÍNGUA PORTUGUESA DO IP/PUC-SP 4º CONGRESSO INTERNACIONAL DE LUSOFONIA Mônica Vicente Marinho Gerhardt (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo) Mestranda em Língua Portuguesa

Leia mais

CONSIDERAÇÕE SOBRE A RENOVAÇÃO DO PLANEJAMENTO ATRAVÉS DA MUDANÇA DO LIVRO DIDÁTICO

CONSIDERAÇÕE SOBRE A RENOVAÇÃO DO PLANEJAMENTO ATRAVÉS DA MUDANÇA DO LIVRO DIDÁTICO CONSIDERAÇÕE SOBRE A RENOVAÇÃO DO PLANEJAMENTO ATRAVÉS DA MUDANÇA DO LIVRO DIDÁTICO Elizabeth Christina Rodrigues Bittencourt, EE Rui Bloem e EE Alberto Levy. exrbittencourt@yahoo.com.br Introdução Nos

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO SILVA, Hayana Crislayne Benevides da. Graduanda Pedagogia - UEPB/Campus I hayana_benevides@yahoo.com.br SILVA, Alzira Maria Lima da. Graduanda

Leia mais

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação.

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação. Karen Alves de Andrade 1 RESUMO A inserção dos gêneros textuais no ensino vem mudando a dinâmica da educação em língua portuguesa em nosso país. A importância de se trabalhar a língua em uso, através de

Leia mais

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 Gabriel Ferrão Moreira 2 Prof. Dr. Sérgio Luiz Ferreira de Figueiredo 3 Palavras-chave:

Leia mais

POESIA NO ENSINO MÉDIO: ANÁLISE DE RECEITAS RESUMO

POESIA NO ENSINO MÉDIO: ANÁLISE DE RECEITAS RESUMO POESIA NO ENSINO MÉDIO: ANÁLISE DE RECEITAS Caroline Orlandini Moraes (Bolsista Fundação Araucária / G CLCA UENP/CJ) (Integrante do GP Literatura e Ensino - UENP/CJ) Rafaela Stopa (Orientadora - CLCA-UENP/CJ)

Leia mais

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual RESENHA CRÍTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: PRÁTICAS DE ANÁLISE E PRODUÇÃO DE TEXTOS Valdisnei Martins de CAMPOS Letras - CAC/UFG; valdis_martins@hotmail.com Erislane Rodrigues RIBEIRO Letras - CAC/UFG;

Leia mais

OS PCNs E A ANÁLISE LINGUÍSTICA COMO OBJETO DE ENSINO NA EDUCAÇÃO BÁSICA. Sueilton Junior Braz de Lima (graduando Letras/Língua Portuguesa UERN)

OS PCNs E A ANÁLISE LINGUÍSTICA COMO OBJETO DE ENSINO NA EDUCAÇÃO BÁSICA. Sueilton Junior Braz de Lima (graduando Letras/Língua Portuguesa UERN) OS PCNs E A ANÁLISE LINGUÍSTICA COMO OBJETO DE ENSINO NA EDUCAÇÃO BÁSICA Sueilton Junior Braz de Lima (graduando Letras/Língua Portuguesa UERN) Josefa Lidianne de Paiva (graduanda Letras/Língua Portuguesa

Leia mais

O QUE É ENSINAR LÍNGUA PORTUGUESA? CONCEPÇÕES DE EDUCADORES DO ENSINO FUNDAMENTAL DE TEIXEIRA DE FREITAS

O QUE É ENSINAR LÍNGUA PORTUGUESA? CONCEPÇÕES DE EDUCADORES DO ENSINO FUNDAMENTAL DE TEIXEIRA DE FREITAS O QUE É ENSINAR LÍNGUA PORTUGUESA? CONCEPÇÕES DE EDUCADORES DO ENSINO FUNDAMENTAL DE TEIXEIRA DE FREITAS Helania Thomazine Porto Veronez Em 2002 foi realizada uma pesquisa intitulada: A prática pedagógica

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DEPARTAMENTO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO

INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DEPARTAMENTO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO AA 285 ESTÁGIO SUPERVISIONADO I LÍNGUA PORTUGUESA NO 6º E 7º ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Língua Portuguesa. Elaborar propostas de trabalho com diferentes gêneros textuais que contemplem também textos literários.

Leia mais

Análise da influência dos manuais de norma culta nos referenciais teóricos do professor de Língua Portuguesa

Análise da influência dos manuais de norma culta nos referenciais teóricos do professor de Língua Portuguesa Análise da influência dos manuais de norma culta nos referenciais teóricos do professor de Língua Portuguesa Prof a. Esp. Josicarla Mendonça UnB Resumo: Desde que a língua passou a ser comercializada como

Leia mais

HABILIDADES DE LEITURA

HABILIDADES DE LEITURA HABILIDADES DE LEITURA QUESTÃO 1 Os PCNs Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa prescrevem como se deve organizar o ensino de Língua Portuguesa. Assinale a alternativa cuja afirmação está

Leia mais

LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA RESUMO Edena Carla Dorne Cavalli UNIOESTE CAPES ed-cavalli@uol.com.br

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE ARTIGO DE OPINIÃO : UM OLHAR INCLUSIVO E UM SER MAIS CIDADÃO

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE ARTIGO DE OPINIÃO : UM OLHAR INCLUSIVO E UM SER MAIS CIDADÃO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SEQUÊNCIA

Leia mais

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO: CONTRIBUIÇÕES DA SOCIOLINGUÍSTICA PARA A SALA DE AULA

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO: CONTRIBUIÇÕES DA SOCIOLINGUÍSTICA PARA A SALA DE AULA 1 VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO: CONTRIBUIÇÕES DA SOCIOLINGUÍSTICA PARA A SALA DE AULA INTRODUÇÃO Ariosvaldo Leal de Jesus (FSLF) 1 Considerando que não é mais possível pensar o ensino de uma língua, hoje,

Leia mais

ORTOGRAFIA: CONTRADIÇÃO ENTRE CONCEITOS E PROCEDIMENTOS

ORTOGRAFIA: CONTRADIÇÃO ENTRE CONCEITOS E PROCEDIMENTOS V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ORTOGRAFIA: CONTRADIÇÃO ENTRE CONCEITOS E PROCEDIMENTOS Kelly Priscilla Lóddo CEZAR 1 ; Prof.ª Dr.ª Geiva Carolina

Leia mais

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 V. 01, N. 02 (2013) A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Patrícia

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Ensino. Aprendizagem. Formação docente.

PALAVRAS-CHAVE Ensino. Aprendizagem. Formação docente. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento Leonardo Rocha de Almeida Mestrando Profissional em Gestão Educacional Universidade

Leia mais

O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ

O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ Daniele Reinke 1 ; Cristian Rolin de Moura 2 ; Mary Neiva Surdi da Luz 3. RESUMO: Objetivamos com este projeto identificar quais são as teorias

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

RESUMO: INTRODUÇÃO EDIÇÃO Nº 12, SETEMBRO DE 2013 ARTIGO RECEBIDO ATÉ 10/09/2013 ARTIGO APROVADO ATÉ 20/09/2013

RESUMO: INTRODUÇÃO EDIÇÃO Nº 12, SETEMBRO DE 2013 ARTIGO RECEBIDO ATÉ 10/09/2013 ARTIGO APROVADO ATÉ 20/09/2013 A IMPORTÂNCIA DA SOCOLINGUÍSTICA PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA Dirlene Santos de Araujo 1 Adriana Lúcia de Escobar Chaves de Barros 2 RESUMO: Este trabalho visa discorrer sobre a

Leia mais

Prêmio Victor Civita 2010 Educador Nota 10

Prêmio Victor Civita 2010 Educador Nota 10 1 Prêmio Victor Civita 2010 Educador Nota 10 LÍNGUAS ESTRANGEIRAS Relatório analítico do processo de seleção de trabalhos Selecionadora: Sandra Baumel Durazzo Com a crescente intergração dos diferentes

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NO ENSINO MÉDIO

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NO ENSINO MÉDIO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NO ENSINO MÉDIO LARSON, Sandra PUCPR. slarson@terra.com.br MATHEUSSI, Elisa Machado - PUCPR elisa.matheussi@pucpr.br Resumo Esta pesquisa objetiva discutir o projeto político

Leia mais

Etec Monsenhor Antonio Magliano

Etec Monsenhor Antonio Magliano Etec Monsenhor Antonio Magliano Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC Grupo de Supervisão Educacional GSE / Gestão Pedagógica GEPED Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico

Leia mais

A ABORDAGEM DA CRÔNICA NO LIVRO DIDÁTICO

A ABORDAGEM DA CRÔNICA NO LIVRO DIDÁTICO A ABORDAGEM DA CRÔNICA NO LIVRO DIDÁTICO Andréia Soardi (G -CLCA-UENP/CJ) Rita de Cássia Lamino de Araújo (Orientadora-CLCA-UENP/CJ) Grupo de Pesquisa Literatura e Ensino A crônica no ensino: objeto de

Leia mais

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa Propostas para aquisição da língua escrita. Oralidade e comunicação. A escola e o desenvolvimento da linguagem. O ensino da escrita.

Leia mais

LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS

LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS Aline Almeida de Araújo 1 RESUMO A sociolinguística estuda as variações do meio social, procura entender e explicar as várias maneiras de expressão dos falantes.

Leia mais

O GÊNERO TEXTUAL HISTÓRIAS EM QUADRINHOS NO PIBID LETRAS ESPANHOL

O GÊNERO TEXTUAL HISTÓRIAS EM QUADRINHOS NO PIBID LETRAS ESPANHOL O GÊNERO TEXTUAL HISTÓRIAS EM QUADRINHOS NO PIBID LETRAS ESPANHOL RESUMO Ana Raquel Abelha Cavenaghi (UEL) anaraquel@uel.br Valdirene Zorzo-Veloso valdirene@uel.br As histórias em quadrinhos (HQ) são lidas

Leia mais

ANÁLISE DO TEXTO NASCER NO CAIRO, SER FÊMEA DE CUPIM DE RUBEM BRAGA

ANÁLISE DO TEXTO NASCER NO CAIRO, SER FÊMEA DE CUPIM DE RUBEM BRAGA ANÁLISE DO TEXTO NASCER NO CAIRO, SER FÊMEA DE CUPIM DE RUBEM BRAGA Caroline Soares Nogueira Cardoso Franciele Aparecida Gonçalves de Oliveira Vanessa Varasquim (Gdas CLCA UENP/CJ) Marilúcia dos Santos

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA

FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA BELÉM 2010 FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA Trabalho apresentado à disciplina Teoria e Técnica da Tradução

Leia mais

2 A escrita no Ensino Médio

2 A escrita no Ensino Médio 2 A escrita no Ensino Médio A língua existe para que seus usuários se expressem e se compreendam, participando como cidadãos dotados de direitos e deveres, da vida social em sua plenitude, entendendo o

Leia mais

PLANO DE ENSINO. CURSO: Licenciatura em Pedagogia ANO/TRIMESTRE: 2014/1 DISCIPLINA: Alfabetização e Letramento: métodos de alfabetização

PLANO DE ENSINO. CURSO: Licenciatura em Pedagogia ANO/TRIMESTRE: 2014/1 DISCIPLINA: Alfabetização e Letramento: métodos de alfabetização PLANO DE ENSINO CURSO: Licenciatura em Pedagogia ANO/TRIMESTRE: 2014/1 DISCIPLINA: Alfabetização e Letramento: métodos de alfabetização CARGA HORÁRIA: 90h PROFESSOR: Lourival José Martins Filho 1 EMENTA

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO

ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO Cristina Maria da Silva Lima cris86lima@yahoo.com.br Diana Gonçalves dos Santos dianasantos07@gmail.com (IEMCI/UFPA) Este estudo apresenta um relato

Leia mais

Guia de livros didáticos PNLD 2012

Guia de livros didáticos PNLD 2012 Guia de livros didáticos PNLD 2012 Veja nas páginas a seguir um excerto do documento publicado pela FNDE contendo uma resenha da coleção Quanta Física recentemente aprovada como uma das obras didáticas

Leia mais

A Prática do Inglês nas Escolas Públicas Brasileiras

A Prática do Inglês nas Escolas Públicas Brasileiras A Prática do Inglês nas Escolas Públicas Brasileiras Luciana Virgília Amorim de Souza¹ RESUMO O trabalho busca questionar os métodos ensinados para praticar a Língua Inglesa nas escolas. O inglês, no Brasil,

Leia mais

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA Dayane Ribeiro da Silva (PICV/PRPPG/ UNIOESTE), Greice da Silva Castela (Orientadora), e-mail: greicecastela@yahoo.com.br

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

A LITERATURA COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA: O GÊNERO POEMA

A LITERATURA COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA: O GÊNERO POEMA A LITERATURA COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA: O GÊNERO POEMA Adailton Almeida Barros adailton.almeida.barros@gmail.com (UNESPAR/FECILCAM) Maiara Rodrigues - terror-rodrigues18@hotmail.com

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL APRESENTAÇÃO Segundo as Diretrizes Curricular o ensino da Língua Estrangeira na Educação Básica esta pautado

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Encontro 2 Coordenadores Pedagógicos CEFOR 05 de Junho 2013 Pauta Acolhimento Leitura deleite Apresentação / entrevista

Leia mais

Nos últimos anos, ocorreram várias discussões, debates e publicação de obras

Nos últimos anos, ocorreram várias discussões, debates e publicação de obras O TRATAMENTO DO CONCEITO DE GRAMÁTICA NOS LIVROS DIDÁTICOS Clécio Bunzen * Resumo: Este trabalho pretende investigar qual o conceito de gramática subjacente em três coleções de livros didáticos e como

Leia mais

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Rita de Cássia Rangel Alves Rita.alves_2007@hotmail.com Paula Sabrina Barbosa de Albuquerque Paulasabrina.ba@hotmail.com

Leia mais

A LEITURA CRÍTICA NA AULA DE LÍNGUA INGLESA

A LEITURA CRÍTICA NA AULA DE LÍNGUA INGLESA A LEITURA CRÍTICA NA AULA DE LÍNGUA INGLESA NATÁLIA MORALES FERREIRA (UEL). Resumo Esta comunicação visa compartilhar o trabalho desenvolvido pelos alunos do terceiro ano do curso de Letras Estrangeiras

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC em Espanhol Básico. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC em Espanhol Básico. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES 1 VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES INTRODUÇÃO Francieli Motta da Silva Barbosa Nogueira (Mestranda em Língua e Cultura UFBA/CAPES) A variação linguística é um fenômeno

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA A PRODUÇÃO TEXTUAL

A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA A PRODUÇÃO TEXTUAL A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA A PRODUÇÃO TEXTUAL REBECCA TAVARES DE MELO TOSCANO DE BRITO (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA). Resumo Nos dias atuais a prática da leitura está se tornando cada vez mais rara

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru Curso: Licenciatura em Pedagogia Departamento: Educação-FC IDENTIFICAÇÃO Código: 4419 Disciplina: CONTEÚDOS E METODOLOGIA DO

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico. 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 Educação A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: A LINGUAGEM ORAL DOMINADA E SUA CORRELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM DA ESCRITA GIOVANNA GAGGINI RODON Curso de Pedagogia

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E A SUA RELAÇÃO COM A INCLUSÃO/EXCLUSÃO SOCIAL

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E A SUA RELAÇÃO COM A INCLUSÃO/EXCLUSÃO SOCIAL 1 O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E A SUA RELAÇÃO COM A INCLUSÃO/EXCLUSÃO SOCIAL Jéssica Teixeira de MENDONÇA Universidade Federal de Uberlândia (UFU) E-mail: jessicaufu@hotmail.com Resumo: Pretendemos refletir

Leia mais

Elaboração de projetos

Elaboração de projetos Ano: 2013 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ARLINDO RIBEIRO Professor: ELIANE STAVINSKI PORTUGUÊS Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA / LITERATURA Série: 2ª A e B CONTEÚDO ESTRUTURANTE: DISCURSO COMO

Leia mais

LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E SUAS VARIAÇÕES: UM ESTUDO SOBRE AS VARIANTES UTILIZADAS NAS ESCOLAS DE SURDOS

LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E SUAS VARIAÇÕES: UM ESTUDO SOBRE AS VARIANTES UTILIZADAS NAS ESCOLAS DE SURDOS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E SUAS VARIAÇÕES: UM ESTUDO SOBRE AS VARIANTES UTILIZADAS NAS ESCOLAS DE SURDOS Karina Ávila Pereira (UFPEL) Apoio financeiro: Capes - bolsa de Mestrado A pesquisa de mestrado

Leia mais

COTIDIANO DAS SALAS DE AULA DA SÉRIE INICIAL DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA ANÁLISE SOBRE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA DE ENSINO

COTIDIANO DAS SALAS DE AULA DA SÉRIE INICIAL DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA ANÁLISE SOBRE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA DE ENSINO COTIDIANO DAS SALAS DE AULA DA SÉRIE INICIAL DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA ANÁLISE SOBRE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA DE ENSINO LEITE, Sandra Regina Mantovani UEL sleite@uel.br OLIVEIRA, Daiane Carine S. de UEL

Leia mais