O PRECONCEITO LINGUÍSTICO REVELADO SOB UM OLHAR POÉTICO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PRECONCEITO LINGUÍSTICO REVELADO SOB UM OLHAR POÉTICO"

Transcrição

1 O PRECONCEITO LINGUÍSTICO REVELADO SOB UM OLHAR POÉTICO Carina Pereira de Paula Cristina Monteiro da Silva Juliana Aparecida Chico de Morais (Gdas-CLCA-UENP/CJ) Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (Orientadora- CLCA UENP/CJ) Introdução A língua, acima de tudo, é um código social pelo qual os indivíduos interagem socialmente, ou seja, se estabelecem como cidadãos na sociedade da qual participam. Cidadãos atuantes, formadores de opiniões, transformadores para a existência de uma sociedade mais justa, humana, democrática. E é através do ensino da língua portuguesa que se pode, mais efetivamente, preparar o aluno para lidar com a língua/linguagem em suas diversas situações de uso e manifestações. Onde as capacidades de linguagem são trabalhadas, no desenvolvimento da leitura e escrita dos alunos, visando à necessidade de dominar as diversas variantes existentes, bem como, entre elas a norma-padrão e assim, os alunos, terem condições concretas de agirem e se defenderem do mundo. Contudo, o ensino da Língua Portuguesa, hoje, ainda é ineficiente, em muitas instituições de ensino, como revelam inúmeras pesquisas acadêmicas e estudos sobre a língua e de seu ensino. Diferentes pesquisas apontam que frequentemente alunos concluem o ciclo básico e obrigatório de ensino sem saberem sequer entender o que leram, ou, até mesmo, possuem dificuldades de utilizar os conteúdos que veem na escola os relacionando com as suas atividades cotidianas. Sendo, esses, considerados analfabetos funcionais, pois a compreensão do que observam ou produzem é limitada impossibilitando seu desenvolvimento pessoal e profissional. Esses alunos não conseguem produzir bons textos nem interpretar textos longos ou um pouco mais elaborados. Um dos motivos pode estar centrado na compreensão do que seja o processo de alfabetização e o processo de letramento, os quais são definidos por Soares (1998) como sendo, Alfabetização, corresponderia ao processo pelo qual se adquire uma tecnologia a escrita alfabética e as habilidades de utilizá-la para ler e escrever. Dominar tal tecnologia envolve conhecimentos e destrezas variados, como compreender o 454

2 funcionamento do alfabeto, memorizar as convenções letra-som e dominar seu traçado, usando instrumentos como lápis, papel ou outros que os substituam. (p. 47). Já o termo, letramento, relaciona-se ao exercício efetivo e competente daquela tecnologia da escrita, nas situações em que precisamos ler e produzir textos reais. Ainda segundo Soares (1998, p. 47), alfabetizar e letrar são duas ações distintas, mas não inseparáveis, ao contrário: o ideal seria alfabetizar letrando, ou seja: ensinar a ler e a escrever no contexto das práticas sociais da leitura e da escrita. Outro fator que tem influência na ineficiência do ensino de Língua Portuguesa é a postura do professor em relação a sua própria metodologia de trabalho e sem dúvida sobre a concepção que ele tem do que seja a língua portuguesa. Em uma abordagem tradicional, os professores apenas repetem conhecimento, transmitem informações e regras, os quais muitas vezes já estão estabelecidos como prontos e certos pelos livros didáticos. De acordo com Bagno (1999, p ), é necessário lançar dúvidas sobre o que está dito ali (ou seja, no livro didático) questionar a validade daquelas explicações, filtrá-las (grifos nossos). Não se pode trabalhar a língua como um pacote fechado, um embrulho pronto e acabado. Desde muito tempo, o ato de ensinar Português na escola está ainda atrelado ao ensino da gramática normativa. Essa conduta tradicional provoca nos alunos uma apatia em relação à disciplina, o que fortalece a errada crença de que brasileiros não sabem português e que português é muito difícil (BAGNO, 1999). Por isso, torna-se pertinente construir novas formas de se trabalhar a gramática na sala de aula, pois, o grande problema está na confusão que reina na mentalidade das pessoas que atribuem uma crise à língua, quando de fato, a crise existe é na escola, é no sistema educacional brasileiro (BAGNO, 1999, p. 173). O aluno não deveria terminar o ensino fundamental, o que por muitas acontece, entendendo português como sinônimo de gramática, sem ter a mínima ideia do que seja a linguística, e sem conhecer as variedades gramaticais existentes. Talvez seja por isso que muitos não gostam do português, pois ficaram anos recebendo nomenclaturas e classificações prontas e sendo obrigados a decorá-las, isso realmente traz ao aluno um repúdio pela língua que deveria ser amada, pois é a partir dela que se desenvolvem os demais conhecimentos. Até porque, ensinar bem é ensinar para o bem. Ensinar para o bem significa respeitar o conhecimento intuitivo dos alunos, valorizar o que ele já sabe do mundo, da vida, reconhecer na língua que ele fala a sua própria identidade como ser humano (BAGNO, 1999, p. 145). 455

3 A língua Portuguesa tem um papel imprescindível no processo de formação de qualquer indivíduo, sabendo dessa fundamental importância cabe a nós professores em formação fazermos pesquisas sobre como nossa língua é vista e ensinada hoje, afinal é com ela que iremos trabalhar, ela é nosso objeto de trabalho. Portanto, todo professor deveria ser um pesquisador, para ampliar seu conhecimento, aprofundar-se em um determinado assunto para desenvolver capacidades diferenciadas e assegurar o processo de amadurecimento intelectual. Dessa forma, nossa proposta é analisar o poema Aula de Português de Carlos Drummond de Andrade, para conhecer como o grande escritor nacional aborda a questão do ensino da língua portuguesa. Abordagem teórica e interpretativa Aula de Português (Carlos Drummond de Andrade) A linguagem na ponta da língua, tão fácil de falar e de entender A linguagem na superfície estrelada de estrelas, sabe lá o que ela quer dizer? Professor Carlos Góis, ele é quem sabe, e vai desmatando o amazonas de minha ignorância. Figuras de gramática, esquipáticas, atropelam-me, aturdem-me, seqüestram-me. Já esqueci a língua em que comia, em que pedia para ir lá fora, em que levava e dava pontapé, a língua, breve língua entrecortada do namoro com a prima. O português são dois; o outro, mistério. Ao abordarmos o poema pautados em um arcabouço teórico formado por estudos de autores como Possenti (1996), Travaglia (2002), Bagno (1999), os quais conceituam as gramáticas da língua portuguesa e ainda estudam a forma como elas são ensinadas e utilizadas por seus usuários, podemos compreender no poema um olhar sobre o 456

4 preconceito linguístico. Para compreender o que chamamos de preconceito linguístico é preciso entender o que é linguística, como ciência do estudo da linguagem. A linguística não tem como objetivo prescrever normas ou ditar regras de correção, mas valorizar a identidade e realidade linguística de cada pessoa, sendo a tarefa da escola levar os aprendizes a ampliar seu repertório linguístico e não substituí-lo por nomenclaturas profusas, confusas, muitas vezes incoerentes (BAGNO, 2008). Dessa forma, a visão da linguística é bem diferente da visão dos gramáticos tradicionais a respeito da concepção do que seja língua/linguagem. Para os gramáticos tradicionalistas, ou normativos, das variantes existentes a que deve ser privilegiada e considerada a correta é a norma padrão, o que gera preconceito social, pois o problema não é a língua em si, mas a pessoa que a utiliza. Isto é, aqueles que não utilizam à norma padrão, mas sim outras variantes, são considerados maus falantes da língua portuguesa. A diferenciação entre as duas visões, a tradicional e a pautada sobre a perspectiva linguística, se relaciona ao poema de Drummond, a nosso ver, no distanciamento entre o falar do personagem que se faz fora da escola e o que se faz dentro da instituição de ensino. Primeiramente, nos versos A linguagem/ Na ponta da língua/ Tão fácil de falar/ E de entender, há um primeiro momento da vida do personagem/narrador abordado. Momento marcado pela oralidade e espontaneidade própria da infância, em que o sujeito se expressa de forma natural, conhece intuitivamente e emprega com facilidade as regras básicas de funcionamento da língua materna, sem se preocupar com a Gramática Normativa, conceituada por Possenti (1996, p. 64) como sendo um conjunto de regras que devem ser seguidas - é a mais conhecida do professor de primeiro e segundo graus, porque é em geral a definição que se adota nas gramáticas pedagógicas e nos livros didáticos. Essa forma natural do uso da língua, evidentemente, se relaciona também ao uso de uma gramática, nenhum sujeito que usa a língua o faz sem a utilização de uma gramática, contudo, essa é uma outra gramática, a Gramática Internalizada, que segundo o conceito de Possenti (1996) é o, Conjunto de regras que o falante domina - refere-se a hipóteses sobre os conhecimentos que habilitam o falante a produzir frases ou sequências de palavras de maneira tal que essas frases e seqüências são compreensíveis e reconhecidas como pertencendo a uma língua (p. 69). Este uso, que o personagem/narrador expõe no poema, sem preocupações, natural e familiar, também relaciona-se à Gramática Descritiva, a qual conceitua-se como 457

5 sendo conjunto de regras que são seguidas é a que orienta o trabalho dos linguistas, cuja preocupação é descrever e/ou explicar as línguas tais como elas são faladas (POSSENTI, 1996, p. 65). Já na segunda e terceira estrofes: A linguagem na superfície estrelada de letras,/ sabe lá o que ela quer dizer? / Professor Carlos Góis, ele é quem sabe, e vai desmatando o amazonas de minha ignorância./ Figuras de gramática, esquipáticas, atropelam-me, aturdem-me, sequestram-me, vem o estágio da descoberta da gramática tradicional, no momento em que o personagem/narrador entra para a escola, que é quando o sujeito se depara com um enigma que para ele é indecifrável. Ele acredita que quem conhece essa língua apresentada pela escola é realmente o professor Carlos Góis, o professor de Português, que é visualizado como um detentor do conhecimento acerca da referida língua. O personagem/narrador demonstra se sentir diminuído, porque sua ignorância parece amazônica, expressão utilizada para exprimir a dimensão exagerada do desconhecimento diante das regras normativas que devem ser seguidas (POSSENTI, 1996). Esse fato relatado pelo personagem, de sua chegada à escola e encontro com uma visão de língua diferente do que ele conhecia, pode ser relacionado ao que Travaglia (2002) define como sendo o Ensino Prescritivo realizado pela escola, o qual, Objetiva levar o aluno a substituir seus próprios padrões de atividade linguística considerados errados/inaceitáveis por outros considerados corretos/aceitáveis. É, portanto, um ensino que interfere com as habilidades linguísticas existentes (p.38). Nota-se também que a sequência formada pelos verbos atropelar, aturdir e sequestrar que expressam o pânico que o personagem/narrador sente diante de tantos mistérios da língua escrita apresentados pela escola. Com isso, compreendemos que ele aborda, então, o ensino gramaticalista, o ensino da gramática normativa, o qual abafa justamente a linguagem natural, a linguagem trazida de sua variante familiar, incutindo nele uma insegurança no uso da linguagem, gerando aversão ao estudo do idioma, colocando medo à expressão livre e autêntica de si mesmo (LUFT, p. 21, apud BAGNO, 2009, p.79). Dessa forma constatamos a ineficiência de um sistema de ensino que visa a excelência ao ensino da gramática em si mesma e não como um meio de interação entre os sujeitos que se utilizam da língua. Já na quarta e quinta estrofes: Já esqueci a língua em que comia,/ em que pedia para ir lá fora,/ em que levava e dava pontapé,/ a língua, breve língua entrecortada do namoro com a prima./ O português são dois; o outro, mistério, está presente o fato de que 458

6 antes de ter entrado para a escola, o uso da língua fazia sentido para o personagem/narrador, mas logo se desfez com o contato com um ensino que deforma sua memória linguística e o sujeito confessa ter esquecido a língua que utilizava para se comunicar nas mais diversas situações, em seu convívio com a família e com a comunidade. Isso é decorrente do sujeito em questão ter sido obrigado a desprezar sua bagagem linguística pela chamada normapadrão que muitas vezes não corresponde a realidade da língua falada; esse fato seria solucionado se o ensino prescritivo fosse trocado pelo ensino produtivo, que objetiva ensinar novas habilidades linguísticas (TRAVAGLIA, 2002, p. 39), onde seriam somados novos conhecimentos a língua materna do falante, com isso o indivíduo aprenderia formas elegantes e sofisticadas de usar a língua e irregularidades para evitar no uso da escrita, e não a substituição do que o mesmo já adquiriu; dessa forma ele conseguiria aumentar os recursos que possui e estender o uso de sua língua materna de maneira mais eficiente. Até porque o que seria mais adequado: um guarda-roupa composto somente por belos e luxuosos vestidos de gala ou um composto somente por jeans e camisetas? Nenhum dos dois. É preciso que um guarda-roupa seja constituído dos dois estilos para que assim a pessoa possa transitar por diferentes lugares sociais Essa comparação equivale com o que ocorre com a língua o que importa é dominar muitas variantes para que o usuário possa ter acesso a diferentes situações comunicativas. Portanto, apoiadas nas concepções de Marcos Bagno sobre o que é a língua/linguagem, compreendemos que o fato do personagem/narrador ter que abandonar sua variante natural, familiar para dominar apenas a gramática da língua é um Preconceito Linguístico, pois o aluno deve continuar utilizando de sua variante, devendo sim aprender a escrever na modalidade padrão, contudo, essa seria uma variante a mais para seu domínio e não uma doutrina cheia de dogmas e verdades eternas que passam a ser reverenciadas. Diante dessa manifestação contra o ensino da língua como sinônimo de ensino de regras e normas, junto a diversos outros textos e estudos a respeito do assunto, surge a necessidade de reformular o conceito de o que seria ensinar português e reconstruir as formas de trabalhar a gramática na sala de aula. Até porque, segundo descrito por Marcos Bagno em seu livro Preconceito Linguístico (1999, p ), a função da escola é, em todo e qualquer campo de conhecimento, levar a pessoa a conhecer e dominar coisas que ela não sabe e, no caso específico da língua, conhecer e dominar, antes de mais nada, a leitura e a escrita e, junto com elas, outras formas de falar e escrever, outras variantes da língua, outros registros. [...] Só não quero que isso seja feito por meio de uma pedagogia repressora, 459

7 autoritária, baseada numa concepção de língua arcaica, que trate a heterogeneidade linguística como um mal social que deve ser extirpado a todo custo. Referências bibliográficas BAGNO, Marcos. Preconceito Linguístico: o que é, como se faz. 49º edição São Paulo: Edições Loyola, BAGNO, Marcos. Entrevista ao Jornal Extra Classe. Fevereiro de Disponível em < POSSENTI, Sírio. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas-SP: Mercado das Letras, SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. Belo horizonte: Autêntica, TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática de 1º e 2º graus. 8ª ed. São Paulo: Cortez, Para citar este artigo: PAULA, Carina Pereira de; SILVA, Cristina Monteiro da; MORAIS, Juliana Aparecida Chico de. O preconceito linguístico revelado sob um olhar poético. In: VII SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA SÓLETRAS - Estudos Linguísticos e Literários Anais... UENP Universidade Estadual do Norte do Paraná Centro de Letras, Comunicação e Artes. Jacarezinho, ISSN p

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Adriana M. das Virgens Chagas (adrianachagas3@hotmail.com) Aluna de graduação do curso de Pedagogia das Faculdades Integradas de Aracruz Luciana C.

Leia mais

Entrevista com Magda Becker Soares Prof. Universidade Federal de Minas Gerais

Entrevista com Magda Becker Soares Prof. Universidade Federal de Minas Gerais "LETRAR É MAIS QUE ALFABETIZAR" Entrevista com Magda Becker Soares Prof. Universidade Federal de Minas Gerais Nos dias de hoje, em que as sociedades do mundo inteiro estão cada vez mais centradas na escrita,

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 O EMPREGO GRAMATICAL NO LIVRO DIDÁTICO Desiree Bueno TIBÚRCIO (G-UENP/campus Jac.) desiree_skotbu@hotmail.com Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora-uenp/campus Jac.) marilucia.ss@uol.com.br

Leia mais

A Formação docente e o ensino da leitura e escrita por meio dos gêneros textuais

A Formação docente e o ensino da leitura e escrita por meio dos gêneros textuais A Formação docente e o ensino da leitura e escrita por meio dos gêneros textuais Dayanne Cristina Moraes de DEUS; Dulcéria TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES; Reila Terezinha da Silva LUZ Departamento de

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

Palavras-chave: Ensino/Aprendizagem; Variações Linguísticas; Relação Professor/Aluno.

Palavras-chave: Ensino/Aprendizagem; Variações Linguísticas; Relação Professor/Aluno. ALFABETIZAÇÃO: UMA REFLEXÃO SOBRE A REALIDADE ESCOLAR Andréia de Fátima Freire Maia, UNICENTRO, PIBID CAPES Marieli Zviezykoski, UNICENTRO, PIBID CAPES Ângela Bona Josefi (Orientadora - UNICENTRO) Resumo:

Leia mais

Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná

Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE METODOLOGIA PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS E ALFABETIZAÇÃO FORMAÇÃO DE DOCENTES

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NUMA ESCOLA DO CAMPO

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NUMA ESCOLA DO CAMPO eliane.enaile@hotmail.com Introdução Nos últimos anos, as reflexões realizadas sobre a alfabetização têm mostrado que a aquisição da escrita é um processo complexo e multifacetado. Nesse processo, considera

Leia mais

LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS

LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS Aline Almeida de Araújo 1 RESUMO A sociolinguística estuda as variações do meio social, procura entender e explicar as várias maneiras de expressão dos falantes.

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: ANÁLISE DO PLANO DE AULA

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: ANÁLISE DO PLANO DE AULA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: ANÁLISE DO PLANO DE AULA Adriana Rosicléia Ferreira CASTRO Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte/ UERN - CAMEAM Pós-graduanda em Psicopedagogia

Leia mais

AULA DE PORTUGUÊS : UM OLHAR CRÍTICO SOB O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA

AULA DE PORTUGUÊS : UM OLHAR CRÍTICO SOB O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA AULA DE PORTUGUÊS : UM OLHAR CRÍTICO SOB O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA Carolina Moreira Iório Thiago Leonardo Ribeiro (Gdos CLCA UENP/CJ) Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora CLCA UENP/CJ)

Leia mais

Alfabetização e letramento. Professora : Jackeline Miranda de Barros

Alfabetização e letramento. Professora : Jackeline Miranda de Barros Alfabetização e letramento Professora : Jackeline Miranda de Barros O que é alfabetização? O que é letramento? Qual o melhor método? Como alfabetizar? Para início de conversa, vamos exercitar nossa memória...

Leia mais

CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Bruna Mendes Muniz 1 Gislaine Aparecida Puton Zortêa 2 Jéssica Taís de Oliveira Silva

Leia mais

PROJETO LÍNGUA DE FORA

PROJETO LÍNGUA DE FORA DESCRIÇÃO PROJETO LÍNGUA DE FORA O, de responsabilidade dos professores da disciplina de estágio supervisionado das línguas espanhola, francesa e inglesa, corresponde a 50 horas de estágio, das 200 horas

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade I ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa A teoria construtivista: principais contribuições, possibilidades de trabalho pedagógico. Conceito de alfabetização: história e evolução.

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

Objetivo. Letras Profa. Dra. Leda Szabo. Prática de Ensino de Língua Portuguesa. Prática de ensino: uma prática social

Objetivo. Letras Profa. Dra. Leda Szabo. Prática de Ensino de Língua Portuguesa. Prática de ensino: uma prática social Letras Profa. Dra. Leda Szabo Prática de Ensino de Língua Portuguesa Objetivo Apresentar um breve panorama do ensino e aprendizagem da língua portuguesa. Abordar o ensino e a aprendizagem da língua portuguesa

Leia mais

CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1

CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E

Leia mais

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE Juliana Stedille 1 Richelly de Macedo Ramos 2 Edi Jussara Candido Lorensatti 3 Resumo Este artigo busca verificar quais os procedimentos adotados por professores da disciplina

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL ALUNOS DA TURMA 103 DA ESCOLA ESTADUAL MARANHÃO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Ensino. Aprendizagem. Formação docente.

PALAVRAS-CHAVE Ensino. Aprendizagem. Formação docente. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE

Leia mais

Fundamentos e Práticas em Libras II

Fundamentos e Práticas em Libras II Fundamentos e Práticas em Libras II Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA ATRAVÉS DO LUDICO

APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA ATRAVÉS DO LUDICO Santos, Neide Lopes dos Professora habilitada em Letras/Inglês EE Domingos Briante São José do Rio Claro-MT APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA ATRAVÉS DO LUDICO RESUMO O presente trabalho é resultado de estudos

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação

Universidade de Brasília Faculdade de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade de Brasília Faculdade de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação Relatório Final do Projeto Pontes M.Sc. Marli Vieira Lins de Assis Esp. Raimundo Nonato Damasceno Júnior Brasília DF

Leia mais

Letramento e Alfabetização. Alessandra Mara Sicchieri Pedagoga e Psicopedagoga, Formada em Letras. Tutora de Pró-Letramento-MEC.

Letramento e Alfabetização. Alessandra Mara Sicchieri Pedagoga e Psicopedagoga, Formada em Letras. Tutora de Pró-Letramento-MEC. Letramento e Alfabetização Alessandra Mara Sicchieri Pedagoga e Psicopedagoga, Formada em Letras. Tutora de Pró-Letramento-MEC. 13/04/2011 O ATO DE LER E ESCREVER DEVE COMEÇAR A PARTIR DE UMA COMPREENSÃO

Leia mais

Aula SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS NO ESTUDO DOS GÊNEROS TEXTUAIS. (Fonte: http://aprendafacil.files.wordpress.com).

Aula SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS NO ESTUDO DOS GÊNEROS TEXTUAIS. (Fonte: http://aprendafacil.files.wordpress.com). SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS NO ESTUDO DOS GÊNEROS TEXTUAIS Aula 9 META Destacar a importância da progressão no desenvolvimento dos comportamentos leitores e escritores. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno

Leia mais

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Patricia Andretta 1 Ana Maria P. Liblik 2 Resumo O presente projeto de pesquisa terá como objetivo compreender

Leia mais

Retomando o fio da meada: a história dos métodos de alfabetização no Brasil

Retomando o fio da meada: a história dos métodos de alfabetização no Brasil Retomando o fio da meada: a história dos métodos de alfabetização no Brasil Marlene Coelho Alexandroff Analisando o panorama educacional do Brasil desde o final do século XIX, percebese que, ao se falar

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 A LDB, no Titulo VI, trata dos Profissionais da Educação, considerando sob essa categoria não só os professores, que são responsáveis pela gestão da sala de aula, mas

Leia mais

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação.

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação. Karen Alves de Andrade 1 RESUMO A inserção dos gêneros textuais no ensino vem mudando a dinâmica da educação em língua portuguesa em nosso país. A importância de se trabalhar a língua em uso, através de

Leia mais

ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO

ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO 1 ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO Dóbia Pereira dos Santos NASCIMENTO Gisele da Paz NUNES Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão dobia@wgo.com.br

Leia mais

Aspectos importantes da realização de Feiras de Ciências na Educação Básica.

Aspectos importantes da realização de Feiras de Ciências na Educação Básica. Aspectos importantes da realização de Feiras de Ciências na Educação Básica. Identificação: Carolina Luvizoto Avila Machado, bióloga, coordenadora de projetos na Abramundo Educação em Ciências. Murilo

Leia mais

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS 1 1 Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS Rosimar Bortolini Poker A principal conseqüência da surdez refere-se aos prejuízos na comunicação natural dos sujeitos surdos que atingem

Leia mais

A DANÇA E O DEFICIENTE INTELECTUAL (D.I): UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA À INCLUSÃO

A DANÇA E O DEFICIENTE INTELECTUAL (D.I): UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA À INCLUSÃO A DANÇA E O DEFICIENTE INTELECTUAL (D.I): UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA À INCLUSÃO CARNEIRO, Trícia Oliveira / Centro Universitário Leonardo da Vinci SODRÉ, Marta Patrícia Faianca / Universidade do Estado do

Leia mais

A importância da audição e da linguagem

A importância da audição e da linguagem A importância da audição e da linguagem A linguagem não é apenas uma função entre muitas[...] mas uma característica muito difusa do indivíduo, a tal ponto que ele se torna um organismo verbal.(joseph

Leia mais

Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental

Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental Não se aprende por exercícios, mas por práticas significativas. Essa afirmação fica quase óbvia se pensarmos em como uma

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO, LETRAMENTO E AS PRÁTICAS DE ENSINO NO ESPAÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Alfabetização. Letramento. Formação. Métodos de alfabetização.

ALFABETIZAÇÃO, LETRAMENTO E AS PRÁTICAS DE ENSINO NO ESPAÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Alfabetização. Letramento. Formação. Métodos de alfabetização. ALFABETIZAÇÃO, LETRAMENTO E AS PRÁTICAS DE ENSINO NO ESPAÇO ESCOLAR Ana Claudia Rodrigues - Graduanda de Pedagogia - UEPB Aline Carla da Silva Costa - Graduanda de Pedagogia - UEPB Ana Paula Martins Costa

Leia mais

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3 3. A transversalidade da saúde Você já ouviu falar em Parâmetros Curriculares Nacionais? Já ouviu? Que bom! Não lembra? Não se preocupe, pois iremos, resumidamente, explicar o que são esses documentos.

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE DOCENTE DE LICENCIANDOS EM MATEMÁTICA

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE DOCENTE DE LICENCIANDOS EM MATEMÁTICA O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE DOCENTE DE LICENCIANDOS EM MATEMÁTICA Marília Lidiane Chaves da Costa Universidade Estadual da Paraíba marilialidiane@gmail.com Introdução

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Título do artigo: O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Área: Gestão Coordenador Pedagógico Selecionadora: Maria Paula Zurawski 16ª Edição do Prêmio Victor Civita Educador

Leia mais

UMA PROPOSTA DE LETRAMENTO COM FOCO NA MODALIDADE ORAL DE LINGUAGEM EM SUJEITOS COM SÍNDROME DE DOWN

UMA PROPOSTA DE LETRAMENTO COM FOCO NA MODALIDADE ORAL DE LINGUAGEM EM SUJEITOS COM SÍNDROME DE DOWN UMA PROPOSTA DE LETRAMENTO COM FOCO NA MODALIDADE ORAL DE LINGUAGEM EM SUJEITOS COM SÍNDROME DE DOWN RESUMO DANTAS 1, Leniane Silva DELGADO 2, Isabelle Cahino SANTOS 3, Emily Carla Silva SILVA 4, Andressa

Leia mais

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. Silvana da Silva Nogueira (FECLESC/UECE) Priscila Cavalcante Silva (FECLESC/UECE) Resumo O processo de aquisição

Leia mais

11º Congreso Argentino y 6º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias ABORDAGENS METODOLÓGICAS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

11º Congreso Argentino y 6º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias ABORDAGENS METODOLÓGICAS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR 11º Congreso Argentino y 6º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias ABORDAGENS METODOLÓGICAS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Claube Camile Soares Lima Universidade Federal de Santa

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA Elisa Cristina Amorim Ferreira Universidade Federal de Campina Grande elisacristina@msn.com RESUMO: O trabalho docente é uma atividade

Leia mais

MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER

MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER Nilton Cezar Ferreira 1 Por mais de dois séculos já se faz reformas curriculares no Brasil, no entanto nenhuma dessas reformas conseguiu mudar de forma

Leia mais

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças Deise Anne Terra Melgar (UNIPAMPA)¹ Vanessa David Acosta (UNIPAMPA)² Orientadora: Cristina Pureza Duarte Boéssio Temática:

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E A SUA RELAÇÃO COM A INCLUSÃO/EXCLUSÃO SOCIAL

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E A SUA RELAÇÃO COM A INCLUSÃO/EXCLUSÃO SOCIAL 1 O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E A SUA RELAÇÃO COM A INCLUSÃO/EXCLUSÃO SOCIAL Jéssica Teixeira de MENDONÇA Universidade Federal de Uberlândia (UFU) E-mail: jessicaufu@hotmail.com Resumo: Pretendemos refletir

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

Palavras-chave: Letramento. Alfabetização. Ensino-aprendizagem.

Palavras-chave: Letramento. Alfabetização. Ensino-aprendizagem. ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DA LEITURA E ESCRITA NAS SERIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL RESUMO: BARBOSA, Maria Julia de Araújo. Pedagogia - UEPB/Campus

Leia mais

BARBOSA, Maria Julia de Araújo. Pedagogia - UEPB/Campus I julia.araujo13@gmail.com

BARBOSA, Maria Julia de Araújo. Pedagogia - UEPB/Campus I julia.araujo13@gmail.com LIMITES E DIFICULDADES PARA ALFABETIZAR E LETRAR TURMA DA EJA: EXPERIÊNCIA DO PIBID SILVA, Alzira Maria Lima da. Graduanda Pedagogia - UEPB/Campus I alziralima37@hotmail.com BARBOSA, Maria Julia de Araújo.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E ORGANIZA- ÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO. META Descrever como proceder para melhor elaborar e organizar um trabalho científico.

DESENVOLVIMENTO E ORGANIZA- ÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO. META Descrever como proceder para melhor elaborar e organizar um trabalho científico. DESENVOLVIMENTO E ORGANIZA- ÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO Aula 3 META Descrever como proceder para melhor elaborar e organizar um trabalho científico. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno(a) deverá: ler

Leia mais

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES Aline Patrícia da Silva (Departamento de Letras - UFRN) Camila Maria Gomes (Departamento de Letras - UFRN) Orientadora: Profª Dra.

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS

A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS Adriana Cristina Cristianini (USP, UNIBAN) dricris@usp.br Márcia Regina Teixeira

Leia mais

PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE

PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE 1 PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE 1 Rochelle Lopes da Silva- UVA 2 Andrea Abreu Astigarraga- UVA INTRODUÇÃO De acordo

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA E INCLUSÃO DIGITAL NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB

FORMAÇÃO CONTINUADA E INCLUSÃO DIGITAL NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB FORMAÇÃO CONTINUADA E INCLUSÃO DIGITAL NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB Telma Cristina Gomes da Silva (PROLING/UFPB) telmapedist@hotmail.com Introdução A Cultura Digital impõe novos desafios pedagógicos

Leia mais

REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA

REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA 178 REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA FEBA, Berta Lúcia Tagliari 1... ler é solidarizar-se pela reflexão, pelo diálogo com o outro, a quem altera e que o altera (YUNES, 2002,

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

Papo com a Especialista

Papo com a Especialista Papo com a Especialista Silvie Cristina (Facebook) - Que expectativas posso ter com relação à inclusão da minha filha portadora da Síndrome de Down na Educação Infantil em escola pública? Quando colocamos

Leia mais

OS SENTIDOS DO LER E ESCREVER NA SOCIEDADE E NA ESCOLA

OS SENTIDOS DO LER E ESCREVER NA SOCIEDADE E NA ESCOLA OS SENTIDOS DO LER E ESCREVER NA SOCIEDADE E NA ESCOLA JOSE MABEL PEREIRA LOPES DAS NEVES (UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS). Resumo A pesquisa tem como objetivo conhecer quais os saberes que as ingressantes

Leia mais

PLANEJAMENTO ESCOLAR: ALFABETIZAÇÃO E ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA UNIDADE 2 ANO 1. Fevereiro de 2013

PLANEJAMENTO ESCOLAR: ALFABETIZAÇÃO E ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA UNIDADE 2 ANO 1. Fevereiro de 2013 PLANEJAMENTO ESCOLAR: ALFABETIZAÇÃO E ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA UNIDADE 2 ANO 1 Fevereiro de 2013 Iniciando a conversa Nesta unidade discutiremos a importância do planejamento das atividades, da organização

Leia mais

Letramento: considerações históricas e conceituais

Letramento: considerações históricas e conceituais Letramento: considerações históricas e conceituais Aluna: Gessélda Somavilla Farencena Disciplina: Seminário de Leituras Orientadas em Linguística Aplicada Professoras: Desirée Motha-Roth Graciela R. Hendges

Leia mais

AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA

AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA Eliane Aparecida Galvão dos Santos 1 Dóris Pires Vargas Bolzan 2 Resumo Este trabalho é um recorte da pesquisa de Mestrado

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA ALFABÉTICA: UMA ANÁLISE DA ESCRITA DE DISCENTES DO 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA ALFABÉTICA: UMA ANÁLISE DA ESCRITA DE DISCENTES DO 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA ALFABÉTICA: UMA ANÁLISE DA ESCRITA DE DISCENTES DO 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Francisca Roseneide Gurgel Campêlo Graduanda de Pedagogia CAMEAM/UERN Francisca Rozângela Gurgel

Leia mais

A Formação do Leitor no Contexto da Instituição Escolar. Palavras chave: leitura-leitor-texto-ensino-aprendizagem. Considerações Iniciais

A Formação do Leitor no Contexto da Instituição Escolar. Palavras chave: leitura-leitor-texto-ensino-aprendizagem. Considerações Iniciais A Formação do Leitor no Contexto da Instituição Escolar Palavras chave: leitura-leitor-texto-ensino-aprendizagem Considerações Iniciais Este artigo trata da formação do leitor-proficiente: aquele que,

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS ESPANHOL 2 Área: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Disciplina: Língua Espanhola carga horária: 60 horas

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS ESPANHOL 2 Área: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Disciplina: Língua Espanhola carga horária: 60 horas MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS ESPANHOL 2 Área: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias

Leia mais

1. Investigação Filosófica construir o sentido da experiência

1. Investigação Filosófica construir o sentido da experiência FILOSOFIA PARA CRIANÇAS 1. Investigação Filosófica construir o sentido da experiência O Prof. Dr. Matthew Lipman, filósofo e educador norte-americano, criou o Programa Filosofia para Crianças no final

Leia mais

LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Kelly Cristina Costa Martins 1 Simônica da Costa Ferreira 2 Introdução Nos dias atuais percebemos

Leia mais

Nos últimos anos, ocorreram várias discussões, debates e publicação de obras

Nos últimos anos, ocorreram várias discussões, debates e publicação de obras O TRATAMENTO DO CONCEITO DE GRAMÁTICA NOS LIVROS DIDÁTICOS Clécio Bunzen * Resumo: Este trabalho pretende investigar qual o conceito de gramática subjacente em três coleções de livros didáticos e como

Leia mais

Palavras-chave: Ambiente de aprendizagem. Sala de aula. Percepção dos acadêmicos.

Palavras-chave: Ambiente de aprendizagem. Sala de aula. Percepção dos acadêmicos. PERCEPÇÃO DE ACADÊMICOS DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UENP, EM RELAÇÃO AOS ASPECTOS QUE CARACTERIZAM UM AMBIENTE FAVORECEDOR DA APRENDIZAGEM RESUMO Maria Cristina SIMEONI 1 Este resumo

Leia mais

O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM A PARTIR DO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO

O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM A PARTIR DO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM A PARTIR DO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RESUMO: Maisa Cordeiro Tavares UFPB maisa_cordeiro@hotmail.com Thais Gomes de Vasconcelos UFPB thahis.vasconcelos@hotmail.com O Programa

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

As concepções de professoras alfabetizadoras acerca do conceito de letramento. PALAVRAS-CHAVE: Letramento. Alfabetização. Professoras. Concepções.

As concepções de professoras alfabetizadoras acerca do conceito de letramento. PALAVRAS-CHAVE: Letramento. Alfabetização. Professoras. Concepções. As concepções de professoras alfabetizadoras acerca do conceito de letramento RESUMO A recente incorporação do termo letramento no campo da educação brasileira associada com a ampliação do Ensino Fundamental

Leia mais

AQUISIÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA: LINGUAGEM ESCRITA E ORAL

AQUISIÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA: LINGUAGEM ESCRITA E ORAL AQUISIÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA: LINGUAGEM ESCRITA E ORAL Ana Virgínia Carvalho Moreira * Emanuela Maciel Cariri dos Santos * Fabiana Sousa dos Anjos * Geovânio Alves da Silva * Jardel Britto Ferreira *

Leia mais

RELATÓRIO MESA REVOLVER DESIGN (PESQUISA)

RELATÓRIO MESA REVOLVER DESIGN (PESQUISA) 1ª RODADA O QUE É PESQUISA? Por no google? Buscar conhecimento Ir a fundo nos interesses/ saber mais/ descobrir Faculdade: pesquisar coisas pelas quias você não necessariamente se interessa --> conhecimento

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS JOINVILLE PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO ESPAÑOL: INTERMEDIARIO

Leia mais

Guia prático do alfabetizador

Guia prático do alfabetizador Guia prático do alfabetizador Maristela Marques de Almeida Silva Graduanda Normal Superior UNIPAC E-mail: sms@ufsj.edu.br Fone: (32)3371-8331 Data de recepção: 17/11/2009 Data de aprovação:16/12/2009 Resenha

Leia mais

DESENVOLVENDO COMPETÊNCIAS MATEMÁTICAS Marineusa Gazzetta *

DESENVOLVENDO COMPETÊNCIAS MATEMÁTICAS Marineusa Gazzetta * DESENVOLVENDO COMPETÊNCIAS MATEMÁTICAS Marineusa Gazzetta * RESUMO: Neste texto apresento algumas considerações sobre as competências e habilidades matemáticas a serem desenvolvidas no Ensino Fundamental,

Leia mais

A ORALIZAÇÃO COMO MANIFESTAÇÃO LITERÁRIA EM SALA DE AULA

A ORALIZAÇÃO COMO MANIFESTAÇÃO LITERÁRIA EM SALA DE AULA A ORALIZAÇÃO COMO MANIFESTAÇÃO LITERÁRIA EM SALA DE AULA. AÇÕES DO PIBID/CAPES UFG (SUBPROJETO: LETRAS: PORTUGUÊS) NO COLÉGIO ESTADUAL LYCEU DE GOIÂNIA Bolsistas: SILVA, Danila L.; VAZ, Paula R. de Sena.;

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: REFLEXÃO SOBRE A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA Juliana Suelen Alves dos Santos* Maria da Conceição Pires**

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: REFLEXÃO SOBRE A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA Juliana Suelen Alves dos Santos* Maria da Conceição Pires** ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: REFLEXÃO SOBRE A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA Juliana Suelen Alves dos Santos* Maria da Conceição Pires** RESUMO Este artigo apresenta uma reflexão sobre a leitura e

Leia mais

permanência dos alunos na escola e as condições necessárias para garantir as aprendizagens indispensáveis para o desenvolvimento dos alunos e sua

permanência dos alunos na escola e as condições necessárias para garantir as aprendizagens indispensáveis para o desenvolvimento dos alunos e sua DESATANDO NÓS DA ORTOGRAFIA: um estudo com alunos da Educação de Jovens e Adultos Profa. Dra. Maria José dos Santos; Profa. Ms. Lívia Abrahão do Nascimento; Graduanda Ionice Barbosa de Campos; Graduanda

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: ORALIDADE

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: ORALIDADE PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PUCPR CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS DISCIPLINA: METODOLOGIA DO ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA II PROFESSORA: ÂNGELA MARI GUSSO SEQUÊNCIA DIDÁTICA: ORALIDADE BRUNA

Leia mais

A APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO. Ano 02 Unidade 03

A APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO. Ano 02 Unidade 03 CONCURSO DA EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE CARGO: PROFESSOR 1 / 2015 A APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Ano 02 Unidade 03 ( F

Leia mais

NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1

NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 Helker Silva Paixão 2 Universidade Federal de Lavras helkermeister@gmail.com Patrícia Nádia Nascimento Gomes 3 Universidade Federal de Lavras paty.ufla@yahoo.com.br

Leia mais

Índice. 1. Metodologia de Alfabetização...3. 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6

Índice. 1. Metodologia de Alfabetização...3. 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6 GRUPO 6.1 MÓDULO 6 Índice 1. Metodologia de Alfabetização...3 1.1. Qual o Conhecimento sobre o Sistema de Escrita dos Jovens e Adultos?... 3 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6

Leia mais

UM ESTUDO DAS POSSIBILIDADES DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA ESCOLAR DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DO NUMERAMENTO

UM ESTUDO DAS POSSIBILIDADES DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA ESCOLAR DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DO NUMERAMENTO UM ESTUDO DAS POSSIBILIDADES DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA ESCOLAR DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DO NUMERAMENTO FARIA, Juliana Batista. UFMG julianabmat@yahoo.com.br Membro do Grupo Estudos sobre Numeramento

Leia mais

A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA

A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA Lourdes Serafim da Silva 1 Joelma Aparecida Bressanin 2 Pautados nos estudos da História das Ideias Linguísticas articulada com Análise

Leia mais

COMUNICAÇÃO SOCIAL: Habilitação em Relações Públicas. Beatriz Alves Corrêa Nº USP: 7165852

COMUNICAÇÃO SOCIAL: Habilitação em Relações Públicas. Beatriz Alves Corrêa Nº USP: 7165852 COMUNICAÇÃO SOCIAL: Habilitação em Relações Públicas Beatriz Alves Corrêa Nº USP: 7165852 CBD0282 Formas, Estados e Processos da Cultura na Atualidade A USP hoje e daqui a 20 anos SÃO PAULO JULHO DE 2014

Leia mais

Esperamos que este pequeno material seja esclarecedor e que possa levar mais gente a se interessar pela língua que falamos.

Esperamos que este pequeno material seja esclarecedor e que possa levar mais gente a se interessar pela língua que falamos. Apresentação Será que a Língua Portuguesa é mesmo difícil? Por que é comum ouvir brasileiros dizerem que não sabem falar português? Será que a experiência escolar com o ensino de Língua Portuguesa causa

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO BUSCA DE UMA POSTURA METODOLÓGICA REFLEXIVA E INVESTIGADORA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO FUTURO DOCENTE

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO BUSCA DE UMA POSTURA METODOLÓGICA REFLEXIVA E INVESTIGADORA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO FUTURO DOCENTE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO BUSCA DE UMA POSTURA METODOLÓGICA REFLEXIVA E INVESTIGADORA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO FUTURO DOCENTE FIGUEIREDO, Katherine Medeiros¹; OLIVEIRA, Claudimary

Leia mais

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Gisllayne Rufino Souza UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM Kelly Cristina Sabadin kellysabadin@hotmail.com RESUMO A avaliação da aprendizagem escolar se faz presente em todas as instituições de ensino. É o tema mais

Leia mais

QUANTO VALE O MEU DINHEIRO? EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PARA O CONSUMO.

QUANTO VALE O MEU DINHEIRO? EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PARA O CONSUMO. RESUMO QUANTO VALE O MEU DINHEIRO? EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PARA O CONSUMO. Francinilda Raquel Cardoso Silva (1); José Jorge Casimiro dos Santos (2) Faculdade São Francisco da Paraíba raquelmk06@gmail.com ¹

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA E INTERDISCIPLINARIDADE NA CORREÇÃO DE FLUXO EM ITAJAÍ/SC

MODELAGEM MATEMÁTICA E INTERDISCIPLINARIDADE NA CORREÇÃO DE FLUXO EM ITAJAÍ/SC ISSN 2316-7785 MODELAGEM MATEMÁTICA E INTERDISCIPLINARIDADE NA CORREÇÃO DE FLUXO EM ITAJAÍ/SC Rafael Borini Martins Costa Borini Instituto Federal Catarinense - Campus Camboriú rborini@hotmail.com Resumo

Leia mais

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Luna Abrano Bocchi Laís Oliveira O estudante autônomo é aquele que sabe em que direção deve avançar, que tem ou está em

Leia mais

O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO

O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO Mayrla Ferreira da Silva; Flávia Meira dos Santos. Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mayrlaf.silva2@gmail.com

Leia mais