UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Denise Akemi Avelar Makiyama

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Denise Akemi Avelar Makiyama"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Denise Akemi Avelar Makiyama ESTUDO SOBRE OS DEFEITOS TÉCNICOS EM PRÓTESES AUDITIVAS CONCEDIDAS PELO SUS NA CLÍNICA-ESCOLA DA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. CURITIBA 2011

2 2 ESTUDO SOBRE OS DEFEITOS TÉCNICOS EM PRÓTESES AUDITIVAS CONCEDIDAS PELO SUS NA CLÍNICA-ESCOLA DA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. Curitiba 2011

3 3 Denise Akemi Avelar Makiyama ESTUDO SOBRE OS DEFEITOS TÉCNICOS EM PRÓTESES AUDITIVAS CONCEDIDAS PELO SUS NA CLÍNICA-ESCOLA DA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. Trabalho apresentado ao Departamento de Pós- Graduação em Ciências Biológicas e de Saúde, como requisito para conclusão do Curso de Especialização em Audiologia Clínica: Enfoque Prático e Ocupacional, da Universidade Tuiuti do Paraná. Orientadora: Profa. Dra. Ângela Ribas. CURITIBA 2011

4 4 TERMO DE APROVAÇÃO Denise Akemi Avelar Makiyama ESTUDO SOBRE OS DEFEITOS TÉCNICOS EM PRÓTESES AUDITIVAS CONCEDIDAS PELO SUS NA CLÍNICA-ESCOLA DA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. Esta monografia foi julgada e aprovada para conclusão do curso de Especialização em Audiologia Clínica: Enfoque Prático e Ocupacional, no Programa de Pós-Graduação Lato Sesu do Departamento em Ciências Biológicas e Humanas da Universidade Tuiuti do Paraná. Curitiba, 15 de Julho de Especialização em Audiologia Clínica: Enfoque Prático e Ocupacional Universidade Tuiuti do Paraná Orientadora: Profª. Dra. Ângela Ribas Universidade Tuiuti do Paraná Departamento de Pós-Graduação

5 5 RESUMO Esta pesquisa teve por objetivo determinar as causas dos defeitos técnicos e os custos para o conserto das próteses auditivas concedidas pelo Programa de Atenção à Saúde Auditiva de uma clínica-escola, credenciada pelo SUS. Foram analisados os prontuários de 80 pacientes com idade entre 4 e 86 anos, que compareceram na clinica para o serviço de acompanhamento, no período de junho a dezembro de No total, foram encaminhados para assistência técnica 94 aparelhos com problemas no funcionamento, sendo a maioria deles do modelo intracanal, que utilizavam a tecnologia Tipo C, com o tempo de uso inferior a 12 meses. Segundo o laudo técnico, a maioria das causas dos problemas encontrados foi devido ao mau uso do AASI, sendo o custo da manutenção inferior a R$100,00, para o serviço de limpeza e revisão. Dos aparelhos solicitados a reposição, foi aceita a hipótese de que o custo médio da manutenção é significantemente menor que o custo da reposição. Contudo, sugerimos a necessidade da revisão das portarias referentes à saúde auditiva no Brasil, para que haja previsão de destinação de verba à manutenção, o que geraria menor ônus ao governo e acarretaria em maior vida útil dos aparelhos já concedidos. Palavras-chave: prótese auditiva, defeitos técnicos, manutenção, SUS.

6 6 LISTA DE GRÁFICOS GRÁFICO 1 DISTRIBUIÇÃO DA AMOSTRA SEGUNDO A IDADE (ANOS)...30 GRÁFICO 2 RELAÇÃO SEGUNDO O TIPO DE ADAPTAÇÃO E GÊNERO DA AMOSTRA...31 GRÁFICO 3 DISTRIBUIÇÃO DA AMOSTRA SEGUNDO O TIPO DE PRÓTESE AUDITIVA ADAPTADA,...,,,,,,,...32 GRÁFICO 4 - DISTRIBUIÇÃO DA AMOSTRA SEGUNDO O TIPO DE TECNOLOGIA DA PRÓTESE AUDITIVA...34 GRÁFICO 5 DISTRIBUIÇÃO DA AMOSTRA SEGUNDO O TEMPO DE USO DA PRÓTESE AUDITIVA...35 GRÁFICO 6 RELAÇÃO ENTRE O TEMPO DE USO E TECNOLOGIA DA PRÓTESE AUDITIVA...36 GRÁFICO 7 DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DAS CAUSAS DOS DEFEITOS NAS PRÓTESES AUDITIVAS...37 GRÁFICO 8 DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DOS PROBLEMAS TÉCNICOS ENCONTRADOS NAS PRÓTESES AUDITIVAS...39 GRÁFICO 9 DISTRIBUIÇÃO DA AMOSTRA SEGUNDO AUTORIZAÇÃO PARA MANUTENÇÃO...41

7 7 LISTA DE TABELAS TABELA 1 RELAÇÃO ENTRE IDADE E TIPO DE PRÓTESE AUDITIVA ADAPTADA...33 TABELA 2 RELAÇÃO ENTRE IDADE DA AMOSTRA E TECNOLOGIA DA PRÓTESE AUDITIVA...34 TABELA 3 - DISTRIBUIÇÃO DA AMOSTRA SEGUNDO O CUSTO DA MANUTENÇÃO DA PRÓTESE AUDITIVA...39 TABELA 4 RELAÇÃO ENTRE TEMPO DE USO E CUSTO DA MANUTENÇÃO...40 TABELA 5 PLANILHA DO CUSTO DA REPOSIÇÃO DA PRÓTESE AUDITIVA...42

8 8 LISTAS DE SIGLAS AASI APARELHO DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAL CEP COMISSÃO DE ESTUDO E PESQUISA GM GABINETE DO MINISTRO IBGE INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA MS MINISTÉRIO DA SAÚDE OMS ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE SAS SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE SUS SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE UTP UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ

9 9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA PRÓTESE AUDITIVA Componentes da Prótese Auditiva Microfone Amplificador Receptor Pilhas Moldes Diferentes Tecnologias das Próteses Auditivas Prótese Auditiva Analógica Prótese Auditiva Híbrida Prótese Auditiva Digital Modelos da Próteses Auditivas Prótese Auditiva de Condução Óssea Prótese Auditiva de Condução Aérea Orientação ao usuário da prótese auditiva PROGRAMA DE SAÚDE AUDITIVA NO BRASIL Classificação das Próteses Auditivas de Acordo com a Portaria nº 587/ Acompanhamento e Manutenção da Prótese Auditiva MATERIAL E MÉTODO RESULTADOS E DISCUSSÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS...46 REFERÊNCIAS...48

10 10 1. INTRODUÇÃO A audição é um dos sentidos essenciais na vida humana. Segundo Russo (1997), durante toda a vida o homem recebe fluxos constantes de informações sonoras captadas pelas orelhas, classificadas e arquivadas na memória do cérebro. Como se fosse um radar, nossa audição estende-se em todas as direções e a grandes extensões, provendo-nos de informações sobre a localização e distância da fonte sonora, constituindo, assim, um mecanismo de defesa e alerta extremamente importante para a segurança pessoal e participação social do ser humano. No entanto, com o passar do tempo, nossa acuidade auditiva pode diminuir em decorrência de doenças, exposição ao ruído, uso indiscriminado de medicamentos, estresse, predisposição genética, fatores nutricionais, além da poluição sonora (RUSSO, 1997). Para Iório e Menegotto (1997), aquele que sofre uma perda auditiva tem, na maioria das vezes, dificuldade em escutar sons de baixa intensidade e quanto mais grave é a perda auditiva, mais intensos são os sons perdidos, até que na perda auditiva total, nenhum som é capaz de gerar sensação auditiva no indivíduo. De acordo com Iervolino, Castiglioni e Almeida (2003), as consequências da deficiência auditiva na infância acarretam não apenas alterações no desenvolvimento de linguagem, mas também nos aspectos cognitivos, social, emocional e educacional. Essas implicações serão mais ou menos acentuadas conforme o grau da perda auditiva, porém, poderão ser minimizadas com o uso precoce da amplificação. Ross (1998), menciona sobre a necessidade da habilitação auditiva em crianças com perda auditiva começar o mais cedo possível, pela razão de impedir

11 11 qualquer probabilidade de privação sensorial auditiva, aproveitar o andamento normal e rápido do desenvolvimento da linguagem e fala nos primeiros anos de vida, pois evidências revelam que aquelas que receberam amplificação sonora precocemente e envolvidas em programas escolares, estas estão normalmente acima daquelas cujas perdas são detectadas tardiamente. Para Iervolino, Castiglioni e Almeida (2003), o adulto portador de uma perda auditiva adquirida, é comum apresentar a reação de negação, isto é, acredita que os problemas de comunicação estejam no outro (ouvinte). Com a perda da audição surgem sentimentos de insegurança, medo e até de incapacidade. As dificuldades de comunicação fazem com que duvide de suas capacidades e habilidades, tanto no âmbito profissional, quanto no pessoal, levando à mudança na qualidade de vida, depressão e isolamento. Campos, Russo e Almeida (2003), comentam que na população adulta, são dois os aspectos que determinam a procura do uso da prótese auditiva: a autopercepção do handicap auditivo (desvantagem auditiva) e o grau da perda auditiva. Assim, o objetivo da reabilitação auditiva para o adulto é recuperar a maior habilidade possível de compreensão e produção da fala. Ross (1998), refere sobre a necessidade de um programa adequado de orientação e acompanhamento do aparelho auditivo, pois desta maneira pode ser reduzido o número de usuários que deixam de usá-los no primeiro ano de adaptação. Este programa inclui uma programação a longo prazo, como também a curto prazo, que inclui possíveis mudanças no padrão de amplificação e/ou tipo de sistema, problemas quanto aos moldes e experiências com o ajuste inicial. No caso dos idosos, Russo (2004) comenta que de todas as privações sensoriais, a perda auditiva é a que produz efeito mais devastador no processo de

12 12 comunicação. Com o avanço da idade há o decréscimo fisiológico da audição ou presbiacusia (perda auditiva no idoso). Em consequência dessa deficiência auditiva adquirida, ele passa por frustrações devido a inabilidade em compreender ou dar respostas inapropriadas ao que seus familiares e amigos estão dizendo. Por esse motivo, o idoso geralmente opta em afastar-se das situações na quais a comunicação ocorre, sendo frequentemente descrito como indivíduo confuso, desorientado, distraído, não comunicativo, não colaborador, zangado, velho e senil. Segundo a autora citada acima, para os idosos, ela também menciona sobre a adaptação dos aparelhos de amplificação sonora para minimizar os efeitos negativos da deficiência auditiva. Porém, a adaptação do aparelho auditivo não pode ser encarada como essência do programa de reabilitação audiológica, mas como parte integrante dele, sendo imprescindível a orientação ao usuário e familiares, aconselhamento, criação de expectativas adequadas relacionadas aos benefícios e possíveis limitações. Para a população idosa, Russo, Almeida e Freire (2003), recomendam que para a escolha do modelo da prótese auditiva sejam realizadas as avaliações de acuidade visual, sensibilidade tátil e da destreza manual, pois devido ao envelhecimento há um declínio sensorial. Assim, a dificuldade de manipulação e ajuste do aparelho podem estar relacionados ao motivo de rejeição no uso do aparelho auditivo O Brasil, na perspectiva em atender a população que tem dificuldade ao acesso nos serviços em saúde auditiva e, principalmente aos custos elevados dos procedimentos da reabilitação auditiva, que neste item está incluso a aquisição da prótese auditiva, resolve instituir no ano de 2004, a Política Nacional de Atenção à Saúde Auditiva (BRASIL. Ministério da Saúde, 2006a).

13 13 Nos últimos anos, tem-se discutido sobre as ações deste Programa, em que um dos questionamentos, de acordo com Bevilacqua (2009), consiste na manutenção do AASI, pois como veremos a seguir, o governo faz a concessão da prótese auditiva, porém, após a adaptação, o usuário fica encarregado na realização da manutenção e cuidados do equipamento. No entanto, com o decorrer do tempo, os aparelhos podem apresentar problemas no funcionamento, em que muitas vezes eles são deixados de uso, devido a falta de condições financeiras do usuário para a manutenção do equipamento ou pela insuficiência de conhecimento sobre os cuidados e manuseio dos mesmos. É neste ponto que se insere a pesquisa empírica desenvolvida nesta monografia. Procuramos verificar, em uma clínica-escola de Fonoaudiologia credenciada pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no Programa de Atenção à Saúde Auditiva, quantos pacientes num período de seis meses, tiveram problemas com suas próteses auditivas, quais foram as causas das falhas técnicas e que valores foram orçados para o conserto. Assim, esta pesquisa teve o seu desenvolvimento nos seguintes questionamentos: Quais são as possíveis causas dos defeitos que estão acometendo o funcionamento da prótese auditiva? Será que os defeitos gerados nas próteses auditivas são em consequência da tecnologia utilizada? Será pela falta de conhecimento na manipulação do AASI, por parte do usuário? Será em decorrência do desgaste natural do aparelho auditivo? Qual é o defeito que mais ocorre nos aparelhos auditivos? Será que vale investir na manutenção técnica ou solicitar a reposição do aparelho auditivo? Deste modo, o presente trabalho teve por objetivo determinar as causas dos defeitos técnicos apresentados nas próteses auditivas concedidas pelo Programa de

14 14 Atenção à Saúde Auditiva de uma clínica-escola, credenciada como alta complexidade pelo SUS, na cidade de Curitiba.

15 15 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1. PRÓTESE AUDITIVA Conforme a revisão citada anteriormente, tanto crianças, quanto os adultos e idosos portadores de deficiência auditiva, são candidatos a adaptação de prótese auditiva. Iório e Menegotto (1997), especificam que um aparelho auditivo, ou denominados de prótese auditiva, ou aparelho de amplificação sonora individual (AASI), é essencialmente um sistema que aumenta a intensidade dos sons do ambiente de forma que estes possam ser percebidos pelo deficiente auditivo; assim, quanto maior a perda auditiva, maior será a necessidade de amplificação. Campos, Russo e Almeida (2003), descrevem que o uso da prótese auditiva tem como objetivo principal proporcionar ao usuário a amplificação sonora, da forma mais adequada e satisfatória possível, não se restringindo apenas aos sinais de fala, mas incluem também os sons ambientais, os sinais de perigo e de alerta, bem como os sons que melhoram a qualidade de vida do individuo. Além disso, é o instrumento usado para facilitar a educação e o desenvolvimento psicossocial e intelectual do deficiente auditivo. Na abordagem médica, é fundamental a identificação precoce, as avaliações completas, o diagnóstico preciso e um tratamento adequado da deficiência auditiva. Segundo o ponto de vista audiológico, todo indivíduo portador de uma perda auditiva permanente ou que possa persistir por um período prolongado, pode ser considerado um candidato em potencial ao uso de próteses auditivas, de tal modo, deve-se iniciar o processo de habilitação ou de reabilitação aural (CAMPOS, RUSSO E ALMEIDA, 2003).

16 16 Segundo as autoras supracitadas, o processo de habilitação ocorre quando o início precoce da deficiência auditiva impede o desenvolvimento da linguagem e de outras habilidades da comunicação. A reabilitação é realizada quando pretendese o restabelecimento das habilidades comunicativas adquiridas antes do acometimento da deficiência auditiva Componentes da Prótese Auditiva A prótese auditiva, de acordo com Menegotto, Almeida e Iório (2003), é um sistema que capta o som do meio ambiente, aumenta sua intensidade e o fornece amplificado ao usuário. Este fenômeno ocorre devido à funcionalidade dos três itens básicos, que compõem a parte interna das próteses auditivas, descritos a seguir Microfone é um transdutor de entrada. Ele transforma o sinal acústico em um sinal elétrico, ou seja, um transdutor acústico mecano - elétrico. Diversos tipos de microfones já foram utilizados, atualmente, o mais usado é o de eletreto, por suas diversas vantagens em relação aos demais, cujo material é sintético com propriedades elétricas. No entanto, a desvantagem deste microfone está em sua sensibilidade à umidade. Quanto a resposta à direcionalidade da fonte sonora, os microfones podem ser divididos em omnidirecionais e direcionais. Os omnidirecionais captam a incidência da onda sonora igualmente em todos os ângulos e possuem uma abertura de entrada do som. Já os direcionais, captam de forma variável a onda sonora vinda de diferentes ângulos e possui duas aberturas para entrada do som.

17 Amplificador a sua função fundamental é aumentar a amplitude do sinal elétrico captado pelo microfone, sendo o responsável pela capacidade de amplificação/ganho da prótese auditiva. Os circuitos de amplificação podem ser analógicos, analógicos digitalmente programáveis (híbridos) ou digitais, assim, a partir do modo que o som é processado é que se define o tipo de prótese auditiva. Os amplificadores são agrupados em classes, sendo os mais utilizados os da Classe A, Classe B, Classe D e Classe H. O amplificador da Classe A é usado em próteses auditivas de pequeno ganho e saída máxima reduzida; possui um nível importante de distorção quando atinge alta intensidade de saída; tem alto consumo de pilha e baixo custo. A Classe B (push-pull) possui baixa distorção, sendo capaz de fornecer melhor resposta de frequência e maior saída máxima, com baixo consumo de pilhas. A Classe D e Classe H são de excelente qualidade sonora, pois fornecem uma melhor resposta de frequência, maior ganho e saída máxima, com menor consumo de pilha. Suas vantagens estão no tamanho pequeno dos seus componentes, desta forma, permitem que próteses intracanais tenham os benefícios anteriormente descritos Receptor é um transdutor de saída da prótese auditiva, pois transforma o sinal elétrico amplificado em sinal acústico e transmite-o à orelha do usuário Pilhas é um reservatório de energia química que pode ser convertida em energia elétrica quando desejado. A maioria das pilhas utilizadas em próteses auditivas no Brasil, são do tipo zinco-ar. Elas possuem longa durabilidade,

18 18 desempenho satisfatório com custo financeiro baixo. Porém, sob determinadas condições atmosféricas, estas pilhas podem deixar seus componentes químicos vazarem através dos seus orifícios, danificando o aparelho Moldes - Além dos componentes mencionados acima, Almeida e Taguchi (2003), expõem que as próteses necessitam dos moldes auriculares, que são peças individualmente confeccionadas, inseridas no meato acústico externo, apresenta como função primária conduzir o som amplificado pela prótese auditiva até a membrana timpânica, incrementam o ganho acústico, promovem melhor inteligibilidade de fala e facilitam o processo de adaptação do usuário, tornando a amplificação mais natural. Os moldes auriculares podem ser fabricados em diferentes materiais com estilos e configurações diferentes. Os tipos de moldes existentes são os seguintes: Molde Direto: utilizado com prótese de caixa ou convencional. Molde Invisível: é utilizado nas próteses retroauriculares. A conexão entre o aparelho e o molde é feita através de um tubo plástico. Algumas modificações podem ser realizadas neste tipo de molde, resultando nas seguintes variações: molde invisível simples, molde passarinho, molde canal e molde concha. Molde Intra-Aural: são utilizados para próteses auditivas intra-aurais. Há grande variação neste tipo de molde, pois as caixas do aparelho são individualizadas e o estilo do molde é dependente da forma e do tamanho do meato acústico externo e da concha do paciente.

19 19 Juntamente com os componentes básicos, Menegotto, Almeida e Iório (2003), mencionam que outros sistemas podem estar presentes nas próteses auditivas, tais como, os controles acessíveis aos usuários (chave liga/desliga e controle de volume); controles das características de amplificação do aparelho (saída, compressão, tonalidade e outros); entradas alternativas (bobina telefônica e entrada direta de áudio) ou conexões com sistemas externos (programadores e controle remoto) Diferentes Tecnologias das Próteses Auditivas De acordo com Sandlin (2003), como o desenvolvimento na tecnologia das próteses auditivas têm sido contínuo, os usuários podem ser beneficiados. Almeida, Iório e Dishtchekenian (2003), referem sobre as tecnologias nas próteses auditivas e citam que uma mudança significativa ocorreu com o uso da tecnologia digital, que até então, era empregada a tecnologia analógica Prótese Auditiva Analógica - Este tipo de aparelho utiliza a eletrônica convencional para converter a onda sonora captada pelo microfone, em um sinal elétrico equivalente. Esse sinal elétrico, dentro do circuito de amplificação é equivalente em aparência à onda sonora captada pelo microfone. Esse sinal é amplificado, filtrado, logo reconvertido em sinal acústico pelo receptor e transmitido ao usuário. A vantagem desta tecnologia está no seu baixo custo e as suas limitações estão na menor versatilidade dos circuitos, tornando a adaptação do individuo mais difícil e quanto às restrições no processamento de sinal.

20 Prótese Auditiva Híbrida - Com a introdução de novas tecnologias, houve o desenvolvimento das próteses com o uso combinado de dois processos diferentes, a analógica e a digital, denominadas de híbridas ou digitalmente programáveis. Essas próteses são essencialmente analógicas, mas possuem um ou mais componentes digitais, utilizam o melhor do circuito analógico e os aperfeiçoam incorporando os benefícios da eletrônica digital. Nas próteses analógicas os ajustes nos controles são feitos com o auxilio de uma pequena chave de fenda; enquanto que nas digitalmente programáveis, é necessária uma conexão com uma unidade de programação, permitindo que estes sejam reprogramados ou ajustados rapidamente. Além destas vantagens, com a junção da tecnologia analógica e digital, também foi possível desenvolver próteses auditivas menores e mais eficientes. Algumas das suas limitações encontram-se no custo um pouco elevado e com o ruído interno acima, em comparação com os aparelhos auditivos analógicos Prótese Auditiva Digital - Tanto o processamento do sinal sonoro, quanto o controle desse processamento são realizados por meios inteiramente digitais. Desta forma, para o processamento sonoro digital, ele necessita de circuitos eletrônicos e transdutores (hardware) e de uma programação (software). São inúmeras as vantagens do aparelho digital, pois apresentam: a possibilidade de ser programado, a miniaturização, baixo consumo de energia, menor ruído interno, maior estabilidade, melhor reprodutibilidade e complexidade de processamento. Sobre a utilização dos três tipos de tecnologias mencionadas, Campos e Almeida (2008), realizaram uma pesquisa comparativa no índice de satisfação dos usuários dos aparelhos analógicos, programáveis e digitais, por meio de um questionário. Dos grupos pesquisados, o maior nível de satisfação encontra-se nos

21 21 usuários dos aparelhos programáveis, seguido dos digitais e com menor pontuação, estão os das próteses analógicas. Os usuários das próteses auditivas analógicas referem insatisfação devido à compreensão de fala na presença de ruído, amplificação de ruído ambiental, presença de realimentação acústica e uso ao telefone. De acordo com Kobata (2003), com o avanço tecnológico houve a busca de aparelhos auditivos com desempenho superior, possuindo maior número de controles (canais) na obtenção de melhores ajustes e modificações para tornar mais fácil a adaptação, houve do mesmo modo, a preocupação na parte estética das próteses auditivas Modelo das Próteses Auditivas Existem disponíveis no mercado, vários modelos de próteses auditivas, cada qual destinado às necessidades específicas do usuário, considerando-se as características anatômicas do pavilhão auricular e meato acústico externo, destreza manual do usuário, contraindicação médica para a oclusão do meato acústico externo, configuração audiométrica, grau da perda auditiva, idade e necessidades especiais do futuro usuário da prótese auditiva (KOBATA, 2003). Menegotto, Almeida e Iório (2003), referem que as próteses auditivas são divididas em dois grupos conforme a transmissão do som amplificado seja por condução óssea ou condução aérea Prótese auditiva de condução óssea - utiliza o mecanismo de audição por via óssea para fornecer o som amplificado ao individuo com deficiência auditiva. O

22 22 sinal elétrico amplificado é transformado em vibração mecânica e transmitido ao usuário através de um vibrador, em vez de um receptor Prótese auditiva de condução aérea - fornece o som amplificado ao usuário por meio do receptor. Os modelos disponíveis são: Prótese auditiva retroauricular - Tem todos os seus componentes colocados numa caixa pequena em forma de vírgula, que se adapta atrás do pavilhão auricular. A abertura do microfone localiza-se na parte superior da orelha e, um tubo em forma de gancho contorna o pavilhão auricular e acopla o receptor ao molde auricular. Esse tipo de prótese adapta-se a graus de perda auditiva que variam de leve a profundo. Prótese auditiva intra-aural - Possui seus componentes inseridos na área da concha e/ou meato acústico externo, onde todo o circuito eletrônico do aparelho é montado dentro do molde auricular do usuário. Conforme o espaço ocupado na orelha externa, o aparelho intra-aural pode ser intra-auricular e intracanal ou microcanal. As próteses intra-auriculares ocupam parte do meato acústico externo e da concha do pavilhão auricular, de forma completa ou incompleta. Quando a prótese preenche o meato acústico externo sem invadir a concha, ela é denominada de intracanal e se ele ocupar somente uma porção mais profunda do meato, a prótese é chamada de microcanal ou CIC. Próteses auditivas convencionais - Possuem o microfone, o circuito amplificador e os demais componentes localizados em uma caixa presa na roupa do usuário, que se conecta por um fio a um receptor externo, que por sua vez é acoplado à orelha por um molde auricular. Atualmente, este tipo de aparelho tem

23 23 sido cada vez menos utilizado, ficando a sua indicação aos indivíduos com limitações motoras importantes, pelo fato dos seus controles serem grandes e robustos, de fácil manipulação e adaptação Orientação ao Usuário da Prótese Auditiva Segundo Penteado e Bento (2010), o AASI possui um ciclo de vida reduzido entre três a cinco anos. Qualquer aparelho tem um tempo de vida útil que dependerá da manutenção recebida e dos cuidados dispensados por seu usuário, podendo ser maior se houver manutenção e cuidados apropriados. Porém, em casos que os avanços tecnológicos beneficiem o usuário ou novos achados audiológicos podem determinar a necessidade de troca do aparelho. É fundamental que o usuário e/ou sua família entendam a forma de operação do aparelho e conheçam seus componentes, localização e função de cada controle, a fim de utilizá-lo como um instrumento efetivo no aproveitamento dos resíduos auditivos (IERVOLINO, CASTIGLIONI E ALMEIDA 2003). Hodgson (1998), comenta que o paciente deve entender a necessidade de aprender a usar e cuidar a prótese auditiva adequadamente, para que o aparelho tenha um bom funcionamento e os usuários fiquem satisfeitos com a amplificação. Com relação a orientação e cuidados quanto ao uso do aparelho auditivo, isto inclui o conhecimento dos aspectos físicos, como a colocação e retirada da prótese e pilha; manipulação dos controles; cuidado e manutenção sobre a limpeza dos moldes auriculares e casos de AASI intra-aurais; uso do tipo de pilha corretamente; evitar exposição da prótese ao calor ou à umidade excessiva e quedas.

24 24 Iervolino, Castiglioni e Almeida (2003), comentam sobre os problemas que podem ocorrer nas próteses auditivas e suas possíveis causas são: aparelhos sem amplificação podem ser ocasionados pelo mau uso da pilha, cera no molde/ orifício da cápsula ou umidade no tubo plástico; som fraco pode estar relacionado à pilha, sujeira ou umidade no microfone, conexões soltas, piora da audição, molde sujo ou conduto auditivo externo com cera; som intermitente em consequência de sujeira nos contatos de pilha, tubo torcido ou conexões soltas; microfonia devido ao ajuste do molde, tubo partido, acúmulo de cerume no meato; entre outros PROGRAMA DE SAÚDE AUDITIVA NO BRASIL No Brasil, de acordo com os resultados do Censo 2000 (IBGE, 2002) aproximadamente 24,5 milhões de pessoas, ou seja, 14,5% da população total, apresentaram algum tipo de incapacidade ou deficiência. Nos casos declarados das deficiências, 16,7% eram portadores de deficiência auditiva, sendo que entre esta população, brasileiros são incapazes de ouvir. O Ministério da Saúde do Brasil ao considerar que a deficiência auditiva na população brasileira é uma questão de saúde pública, devido à falta de condições de acesso da população brasileira aos procedimentos da saúde auditiva e principalmente, aos custos elevados dos procedimentos da reabilitação auditiva resolve instituir pela Portaria MS/GM nº 2073, em 28 de setembro de 2004, a Política Nacional de Atenção à Saúde Auditiva (BRASIL. Ministério da Saúde, 2006a). Este Programa (Brasil. Ministério da Saúde, 2006a), foi estabelecido em todas as unidades federadas, respeitando as competências das três esferas de gestão, nas quais são constituídas a partir dos componentes fundamentais, que são:

25 25 atenção básica, média complexidade e alta complexidade; seguindo os princípios e diretrizes de universalidade, regionalização, hierarquização e integralidade da atenção à saúde. Para complementar a Portaria nº 2073/2004, devido à necessidade de definir as Ações de Atenção à Saúde Auditiva e de auxiliar os gestores na regulamentação, controle e avaliação do programa, é estabelecida a Portaria MS/SAS nº 587, em 07 de outubro de Esta portaria, num dos seus cinco anexos que definem as ações em saúde auditiva, o Anexo IV, traz as diretrizes para o fornecimento de Aparelho de Amplificação Sonora Individual (AASI). O referido anexo menciona os critérios de indicação do uso do AASI; a avaliação diagnóstica necessária para indicação e seleção da amplificação; seleção e adaptação de aparelho auditivo, de acordo com as características audiológicas e necessidades acústicas do indivíduo; acompanhamento periódico e terapia fonoaudiológica para o desenvolvimento das habilidades auditivas e de linguagem do usuário (BRASIL. Ministério da Saúde, 2006b) Sobre o acompanhamento periódico, o serviço é responsável pelo monitoramento da perda auditiva e a efetividade do uso do AASI, realizando as avaliações audiológicas, otorrinolaringológica, testes de percepção de fala, questionários de avaliação do beneficio e satisfação do AASI, avaliação e orientação do manuseio do AASI e reposição do molde auricular. O Anexo IV prescreve 01 acompanhamento por ano para os adultos; para pacientes com até 3 anos de idade, são destinados até 04 atendimentos; para os que estão acima desta idade, são autorizados até 02 acompanhamentos anualmente (BRASIL. Ministério da Saúde, 2006b).

PROTOCOLO DE ADAPTAÇÃO DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAIS AASI- EM ADULTOS

PROTOCOLO DE ADAPTAÇÃO DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAIS AASI- EM ADULTOS PROTOCOLO DE ADAPTAÇÃO DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAIS AASI- EM ADULTOS 1 Introdução: Dentre as diversas áreas de atuação do profissional fonoaudiólogo, a audiologia compreende desde o

Leia mais

Texto apresentado para consulta pública. PROTOCOLO DE ADAPTAÇÃO DE AASI EM ADULTOS (com adendo para idosos)

Texto apresentado para consulta pública. PROTOCOLO DE ADAPTAÇÃO DE AASI EM ADULTOS (com adendo para idosos) Fórum: AASI / Protocolo de Adaptação de AASI em Adultos Data: 15 de abril de 2012 EIA Bauru 10h30 as 12h00 Coordenadores: Maria Cecilia Bevilacqua, Thelma Costa, Sonia Bortoluzzi Convidados: Deborah Ferrari,

Leia mais

ATA DO FÓRUM DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAL 27º. ENCONTRO INTERNACIONAL DE AUDIOLOGIA, BAURU SÃO PAULO - 15 DE ABRIL DE 2012

ATA DO FÓRUM DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAL 27º. ENCONTRO INTERNACIONAL DE AUDIOLOGIA, BAURU SÃO PAULO - 15 DE ABRIL DE 2012 ATA DO FÓRUM DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAL 27º. ENCONTRO INTERNACIONAL DE AUDIOLOGIA, BAURU SÃO PAULO - 15 DE ABRIL DE 2012 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23

Leia mais

Relações entre handicap

Relações entre handicap Relações entre handicap auditivo, desempenho dos aparelhos de amplificação sonora individuais, benefício e satisfação em adultos atendidos por um programa de saúde auditiva credenciado ao SUS. Palavras

Leia mais

APARELHO DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAL: ESTUDO DOS FATORES DE ATRASO E DE ADIAMENTO DA ADAPTAÇÃO... 272

APARELHO DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAL: ESTUDO DOS FATORES DE ATRASO E DE ADIAMENTO DA ADAPTAÇÃO... 272 APARELHO DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAL: ESTUDO DOS FATORES DE ATRASO E DE ADIAMENTO DA ADAPTAÇÃO.... 272 APARELHO DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAL: ESTUDO DOS FATORES DE ATRASO E DE ADIAMENTO DA ADAPTAÇÃO.

Leia mais

TEMA: Intervenção cirúrgica para tratamento de otosclerose coclear

TEMA: Intervenção cirúrgica para tratamento de otosclerose coclear NTRR 79/2014 Solicitante: Juiz Dr Eduardo Soares de Araújo Comarca de Andradas Número do processo: 0019642-3.2014.8.13.0026 Réu: Estado de Minas Data: 03/05/2014 Medicamento Material Procedimento x Cobertura

Leia mais

PORTARIA Nº 589, DE 08 DE OUTUBRO DE 2004

PORTARIA Nº 589, DE 08 DE OUTUBRO DE 2004 PORTARIA Nº 589, DE 08 DE OUTUBRO DE 2004 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria GM nº 2.073, de 28 de setembro de 2004, que institui a Política Nacional de

Leia mais

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM O que o sistema processamento auditivo

Leia mais

SISTEMA FREQUENCIA MODULADA (FM)

SISTEMA FREQUENCIA MODULADA (FM) SISTEMA FREQUENCIA MODULADA (FM) CONCEITO: O Sistema de Frequência Modulada (Sistema FM) consiste de um transmissor com uma frequência de rádio específica, com uma antena e um receptor compatível, sendo

Leia mais

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos auditivos Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia Karlin Fabianne Klagenberg Fonoaudióloga Doutorado em Distúrbios

Leia mais

file:///w:/fono_usp/texto/conteudo/5_politicas_publicas_ok/legislaca... Portaria nº 432 de 14 de novembro de 2000.

file:///w:/fono_usp/texto/conteudo/5_politicas_publicas_ok/legislaca... Portaria nº 432 de 14 de novembro de 2000. 1 de 5 7/7/2009 14:02 Portaria nº 432 de 14 de novembro de 2000. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando ser do âmbito ambulatorial o diagnóstico e o acompanhamento

Leia mais

A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo.

A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo. A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo. Porém, traz para o surdo consequências sociais, educacionais e emocionais amplas e intangíveis.

Leia mais

ESTUDO DA PREVALÊNCIA DA INDICAÇÃO DE PRÓTESE AUDITIVA BINAURAL NA CIDADE DE TERESINA

ESTUDO DA PREVALÊNCIA DA INDICAÇÃO DE PRÓTESE AUDITIVA BINAURAL NA CIDADE DE TERESINA ESTUDO DA PREVALÊNCIA DA INDICAÇÃO DE PRÓTESE AUDITIVA BINAURAL NA CIDADE DE TERESINA INTRODUÇÃO Aline de Miranda Santos Graduanda em Fonoaudiologia - NOVAFAPI Mirian da Silva Rios Graduando em Fonoaudiologia

Leia mais

OBJETIVO. Palavras-chave: Saúde pública, perda auditiva e linguagem

OBJETIVO. Palavras-chave: Saúde pública, perda auditiva e linguagem LEVANTAMENTO DOS ASPECTOS RELACIONADOS AO USO E MANUTENÇÃO DO AASI E À TERAPIA FONOAUDIOLÓGICA EM CRIANÇAS E JOVENS COM PERDA AUDITIVA NA CIDADE DE SÃO PAULO. Palavras-chave: Saúde pública, perda auditiva

Leia mais

AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA

AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA Laboratório de Psicofísica e Percepção AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA Fga. Joseane dos Santos Piola Doutoranda do Programa de Pós graduação em Psicobiologia 2009 AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA CLÍNICA: sentimentos-k-sinto-no-coraxao.blogspot.com

Leia mais

Manual de Operações CIC ITC ITE

Manual de Operações CIC ITC ITE Manual de Operações CIC ITC ITE ÍNDICE CIC Parabéns O seu aparelho auditivo Funções e controles Identificação Baterias Inserção e remoção Liga, desliga e nível de volume Funções opcionais Utilizando o

Leia mais

Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS

Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS 01.01.01.001-0 01.01.01.002-8 01.01.01.003-6 01.01.03.002-9

Leia mais

Centro Auditivo Teuto Brasileiro

Centro Auditivo Teuto Brasileiro Centro Auditivo Teuto Brasileiro É com imenso prazer que o Centro Auditivo Teuto Brasileiro HANSATON tem como objetivo disponibilizar a Associação Brasileira de Agência de Regulação, uma marca forte no

Leia mais

Apresentação do projecto alusivo ao Mês da Perda Auditiva Audiologia Psicologia Clinica Terapia da Fala

Apresentação do projecto alusivo ao Mês da Perda Auditiva Audiologia Psicologia Clinica Terapia da Fala A Perda Auditiva como um Problema de Saúde Pública em Angola Apresentação do projecto alusivo ao Mês da Perda Auditiva Audiologia Psicologia Clinica Terapia da Fala Sumário I. Introdução II. Objectivos

Leia mais

http://www.kwiksurveys.com/results-overview.php?mode=1&survey_id...

http://www.kwiksurveys.com/results-overview.php?mode=1&survey_id... Results Area Página 1 de 7 Invitations Invitations Sent: 0 Invitations Accepted: 0 Untracked Responses: 49 Total Completed s Received: 49 Total Incomplete s Received: 0 Total Responses Received: 49 Results

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

sac.brasil@phonak.com www.phonak.com.br SAC 0800 701 8105

sac.brasil@phonak.com www.phonak.com.br SAC 0800 701 8105 Life is on A Phonak tem como objetivo melhorar, substancialmente a qualidade de vida de pessoas com deficiência auditiva e das que convivem com elas. As desafiar de maneira criativa os limites da tecnologia,

Leia mais

EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS TRANSIENTES (EOET):

EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS TRANSIENTES (EOET): EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS É a energia mecânica produzida vibração de células ciliadas externas na cóclea que voltará de forma reversa pela orelha média e será captada no condutivo auditivo externo.

Leia mais

Unidade interna SONATA ti100, Mi1000 (CONCERTO) e SYNCHRONY (em breve) Unidade Externa Opus 2 Variações: OPUS 2XS - RONDO - SONNET (em breve)

Unidade interna SONATA ti100, Mi1000 (CONCERTO) e SYNCHRONY (em breve) Unidade Externa Opus 2 Variações: OPUS 2XS - RONDO - SONNET (em breve) MEDEL Unidade interna SONATA ti100, Mi1000 (CONCERTO) e SYNCHRONY (em breve) Unidade Externa Opus 2 Variações: OPUS 2XS - RONDO - SONNET (em breve) 1. UNIDADE INTERNA - Plataforma Eletrônica I¹ Altas taxas

Leia mais

Ouvir melhor é viver melhor. Descobrindo sua audição

Ouvir melhor é viver melhor. Descobrindo sua audição Ouvir melhor é viver melhor Descobrindo sua audição O mundo o está chamando A capacidade de ouvir é uma parte tão importante da nossa vida e a maioria das pessoas nem se dá conta disso. Ouvir é um dom,

Leia mais

Olá, Pessoal!!! Tenhamos todos olhos e ouvidos bem abertos. AUDITORIA EM ALTA COMPLEXIDADE SAÚDE AUDITIVA

Olá, Pessoal!!! Tenhamos todos olhos e ouvidos bem abertos. AUDITORIA EM ALTA COMPLEXIDADE SAÚDE AUDITIVA Olá, Pessoal!!! Tenhamos todos olhos e ouvidos bem abertos. AUDITORIA EM ALTA COMPLEXIDADE SAÚDE AUDITIVA FONTES: TREINAMENTO DE AUDITORIA EM ALTA COMPLEXIDADE - (SAÚDE AUDITIVA) BRASÍLIA / DF 10 a 14/03/2008

Leia mais

DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE (H60 H95) Justificativa Tipos N máximo de sessões Pedido médico + Laudo médico + Exames complementares

DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE (H60 H95) Justificativa Tipos N máximo de sessões Pedido médico + Laudo médico + Exames complementares DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE (H60 H95) Guias SP/SADT Protocolo Conduta Indicação Clinica Perda Auditiva Justificativa Tipos N máximo de sessões Pedido médico + Laudo médico + Exames complementares

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Gerencia de Ensino e Pesquisa Coordenação de Informática Estágio supervisionado curricular.

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Gerencia de Ensino e Pesquisa Coordenação de Informática Estágio supervisionado curricular. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Gerencia de Ensino e Pesquisa Coordenação de Informática Estágio supervisionado curricular Relatório Final João Pedro Cavasin Estagiário André Luis Schwerz Orientador

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 Dispõe sobre o atendimento obrigatório aos portadores da Doença de Alzheimer no Sistema Único de Saúde - SUS, e dá outras providências.

Leia mais

Rede de Atenção Psicossocial

Rede de Atenção Psicossocial NOTA TÉCNICA 62 2011 Rede de Atenção Psicossocial Altera a portaria GM nº 1.169 de 07 de julho de 2005 que destina incentivo financeiro para municípios que desenvolvem Projetos de Inclusão Social pelo

Leia mais

Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre

Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul -

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

IMPLANTE COCLEAR: CURA OU POSSIBILIDADE? RESUMO

IMPLANTE COCLEAR: CURA OU POSSIBILIDADE? RESUMO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 IMPLANTE COCLEAR: CURA OU POSSIBILIDADE? Luciane Fernandes Vieira (lufernandes@seed.pr.gov.br) RESUMO O surdo vive a margem da sociedade, como excluído e

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO

AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO Armigliato ME; Prado DAG; Melo TM; Lopes AC; Martinez MANS; Amantini RCB; Bevilacqua MC. Palavras-chaves: Avaliação

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

Procedimentos de Garantia Empório Shop

Procedimentos de Garantia Empório Shop Procedimentos de Garantia Empório Shop Instruções e normas referentes ao procedimento de garantia: 1) Devolução e/ou arrependimento da compra Devolução do produto e o ressarcimento só serão aceitos para

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA ROSA

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA ROSA CONTRATO Nº 19/2015 CONTRATO DE COMPRA E VENDA QUE ENTRE SI CELEBRAM A FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTA ROSA E STARKEY DO BRASIL LTDA. CONTRATANTE: FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTA ROSA, pessoa

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição Indicadores de Saúde Definição PROFª FLÁVIA NUNES É a quantificação da realidade, que permite avaliar/comparar níveis de saúde entre diferentes populações ao longo do tempo. Tipos de indicadores IMPORTÂNCIA

Leia mais

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo O tabagismo é, reconhecidamente, uma doença crônica, resultante da dependência à droga nicotina, e um fator de risco para cerca

Leia mais

A questão está em quais os principais objetivos pretendidos com uma reconversão do sistema operacional.

A questão está em quais os principais objetivos pretendidos com uma reconversão do sistema operacional. De IBM DOS/VSE para z/os num instante A expansão das capacidades é uma das maiores intervenções entre os processos diários de um centro de computação. Mais de metade de todo o trabalho relacionado com

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA ROSA

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA ROSA CONTRATO Nº 17/2015 CONTRATO DE COMPRA E VENDA QUE ENTRE SI CELEBRAM A FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTA ROSA E ADVANCED BIONICS INSTRUMENTOS AUDITIVOS DO BRASIL LTDA. CONTRATANTE: FUNDAÇÃO MUNICIPAL

Leia mais

Lição 5. Instrução Programada

Lição 5. Instrução Programada Instrução Programada Lição 5 Na lição anterior, estudamos a medida da intensidade de urna corrente e verificamos que existem materiais que se comportam de modo diferente em relação à eletricidade: os condutores

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Ana Luiza Collares Xavier JULIA FERRAZ DUAYER Thalita Gaspar Telles Light Serviços de

Leia mais

Informação do Produto

Informação do Produto Informação do Produto Aparelhos Digitais Smile Plus Retroauriculares: Faixa de adaptação de acordo com a NAL-NL1 Smile Plus // BTE 1 Smile Plus 115 BTE DM com Tecnologia de Dois Microfones Os aparelhos

Leia mais

PROJETO JOVEM DOUTOR BRASIL UMA ESTRATEGIA DE EDUCAÇÃO EM SAUDE. Wanderléia Blasca

PROJETO JOVEM DOUTOR BRASIL UMA ESTRATEGIA DE EDUCAÇÃO EM SAUDE. Wanderléia Blasca PROJETO JOVEM DOUTOR BRASIL UMA ESTRATEGIA DE EDUCAÇÃO EM SAUDE Wanderléia Blasca Colaboradores: Andressa da Silva, Ana C. Spinardi, Thaís Gonçalves, Giédre Berretin-Félix, Deborah Ferrari, Alcione Brasolotto,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LAUDO AUDIOLÓGICO NA SAÚDE DO TRABALHADOR FGA DRA MARCIA MENDES

A IMPORTÂNCIA DO LAUDO AUDIOLÓGICO NA SAÚDE DO TRABALHADOR FGA DRA MARCIA MENDES A IMPORTÂNCIA DO LAUDO AUDIOLÓGICO NA SAÚDE DO TRABALHADOR FGA DRA MARCIA MENDES LAUDO AUDIOLÓGICO LAUDO: peça escrita fundamentada, onde os peritos expõem suas observações.. PARECER: opinião fundamentada

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Marco Tebaldi) Dispõe sobre o Programa de agendamento de consultas e entrega domiciliar de medicamentos de uso contínuo às pessoas portadoras de necessidades especiais

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho 6 Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho José Cicero Mangabeira Da Silva Gestor Em Recursos Humanos - Anhanguera Educacional - Campinas-SP Especialista Em Gestão Da Qualidade

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM Terapia Fonoaudiológica com Ênfase na Estimulação do Processamento Auditivo Fonoaudióloga. Mestra. Adriana de Souza Batista Ouvir é... Habilidade que

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS Renata Lívia Silva F. M. de Medeiros (UFPB) Zirleide Carlos Felix (UFPB) Mariana de Medeiros Nóbrega (UFPB) E-mail: renaliviamoreira@hotmail.com

Leia mais

Manual de Suporte para Candidatos com Necessidades Especiais

Manual de Suporte para Candidatos com Necessidades Especiais Manual de Suporte para Candidatos com Necessidades Especiais INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO O preenchimento dos formulários de solicitação é essencial para a liberação das acomodações especiais. Abaixo, algumas

Leia mais

Perda Auditiva Induzida pelo Ruído - PAIR

Perda Auditiva Induzida pelo Ruído - PAIR Perda Auditiva Induzida Disciplina Medicina Social e do Trabalho MLS 0412 Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Graduação 3º Ano Grupo A1 Trata-se de uma perda auditiva do tipo neuro-sensorial,

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA. Claudson Santana Almeida

OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA. Claudson Santana Almeida OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA Claudson Santana Almeida Junho 2012 Introdução O que o leitor encontrará neste artigo? Uma apresentação do sistema de Ensino a Distância (EAD), conhecer as vantagens e

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROCESSO DE CONFECÇÃO DA CÁPSULA DO APARELHO DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAL INTRA-AURAL POR MEIO DE DIGITALIZAÇÃO

APRESENTAÇÃO DO PROCESSO DE CONFECÇÃO DA CÁPSULA DO APARELHO DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAL INTRA-AURAL POR MEIO DE DIGITALIZAÇÃO APRESENTAÇÃO DO PROCESSO DE CONFECÇÃO DA CÁPSULA DO APARELHO DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAL INTRA-AURAL POR MEIO DE DIGITALIZAÇÃO Presenting the process of making the capsule of intra-aural hearing

Leia mais

Surg Light. Manual do Usuário

Surg Light. Manual do Usuário Surg Light Manual do Usuário FINALIDADE O Surg Light é um equipamento utilizado como fonte de luz, nas especialidades médicas (otorrinolaringologia, dermatologia), odontológicas (cirurgias bucomaxilo facial,

Leia mais

CONDERG - CONSÓRCIO DE DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO DE GOVERNO DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA CONDERG HOSPITAL REGIONAL. Divinolândia, 07 de maio de 2010

CONDERG - CONSÓRCIO DE DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO DE GOVERNO DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA CONDERG HOSPITAL REGIONAL. Divinolândia, 07 de maio de 2010 Divinolândia, 07 de maio de 2010 Prezados senhores interessados, Esta comissão de Julgamento de Licitação do Conderg Hospital Regional de Divinolândia, esclarece através deste, alteração feita no Edital

Leia mais

Headphone com Microfone sem Fio USB

Headphone com Microfone sem Fio USB Headphone com Microfone sem Fio USB Manual do Usuário Você acaba de adquirir um produto Goldship, testado e aprovado por diversos consumidores em todo Brasil. Neste manual estão contidas todas as informações

Leia mais

Introdução à perda auditiva

Introdução à perda auditiva Introdução à perda auditiva A importância da audição Ser capaz de ouvir é uma parte importante para uma vida ativa e agradável. A audição normal nos permite conectar-se com o mundo ao nosso redor, para

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DE RIBEIRÃO PRETO. Portaria HCRP 179, de 27-9-2004

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DE RIBEIRÃO PRETO. Portaria HCRP 179, de 27-9-2004 Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Volume 114 - Número 186 - São

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

Manual de Instruções Bebedouro Stilo Eletrônico. Imagem meramente ilustrativa.

Manual de Instruções Bebedouro Stilo Eletrônico. Imagem meramente ilustrativa. Manual de Instruções Bebedouro Stilo Eletrônico Imagem meramente ilustrativa. Bebedouro Stilo LIBELL Eletrônico 1- MANUAL DE USUÁRIO Parabéns por ter escolhido a Libell Eletrodomésticos Ltda. para fazer

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

Planejando uma política de segurança da informação

Planejando uma política de segurança da informação Planejando uma política de segurança da informação Para que se possa planejar uma política de segurança da informação em uma empresa é necessário levantar os Riscos, as Ameaças e as Vulnerabilidades de

Leia mais

O que fazemos com o que ouvimos? Danos auditivos para uma sociedade contemporânea

O que fazemos com o que ouvimos? Danos auditivos para uma sociedade contemporânea O que fazemos com o que ouvimos? Danos auditivos para uma sociedade contemporânea Ms Andréa Carla Lima Coelho Fgª Coordenadora do Núcleo de Acessibilidade e Profª nos Cursos da Escola de Saúde e Educação

Leia mais

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA PRÁTICA 1) TÍTULO O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Ouvidoria da Caixa, responsável pelo atendimento, registro,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

Instruções para Implementadores

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Curitiba, Brazil Instruções para Implementadores Data Grupo Edição Pág. 8.2011 95 01 1( 6 ) Eletricidade Instalação de sistemas de rastreamento/monitoramento não instalados/desenvolvidos

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

SURDEZ NO IDOSO. Dr. Décio Gomes de Souza Prof. da Fac. de Med. da PUC

SURDEZ NO IDOSO. Dr. Décio Gomes de Souza Prof. da Fac. de Med. da PUC SURDEZ NO IDOSO www.sorocaba.pucsp.br/atn/apostilas/otorrino/index.htm www.dgsotorrinolaringologia.med.br Imagens particulares e de livros e artigos de vários autores. Dr. Décio Gomes de Souza Prof. da

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga O QUE É? A Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR), relacionada ao trabalho, é uma diminuição gradual da acuidade auditiva

Leia mais

Deficiência Auditiva. Definição. Definição, Classificação, Características e Causas

Deficiência Auditiva. Definição. Definição, Classificação, Características e Causas Deficiência Auditiva Definição, Classificação, Características e Causas Definição Impossibilidade total ou parcial de ouvir, e possui níveis de graduação que vão do leve ao profundo. Diferença existente

Leia mais

Memorial Técnico para Aquisição de Solução modular escalável e móvel de Contêiner para Data Center

Memorial Técnico para Aquisição de Solução modular escalável e móvel de Contêiner para Data Center MUNICÍPIO DE SANTO ÂNGELO Memorial Técnico para Aquisição de Solução modular escalável e móvel de Contêiner para Data Center Projeto DATA CENTER José Fioravante Schneider 01/06/2015 Página 1 de 9 ÍNDICE

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA 1-INTRODUÇÃO (1) (1).

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA 1-INTRODUÇÃO (1) (1). TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR NA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA E INCLUSÃO SOCIAL DE INDIVÍDUOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS ASSISTIDOS PELA APAE DE VIÇOSA, MG. AUTORES: André

Leia mais

SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento

SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento CONTROLE DE PROJETO PR.00 00 1 / 5 1. OBJETIVO Estabelecer as condições, características e responsabilidades para o desenvolvimento de projetos. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

VII CIERTEC TÍTULO DO TRABALHO: COBRANÇA UTILIZANDO CÓDIGO DE BARRAS: CARTA E SMS TORPEDO

VII CIERTEC TÍTULO DO TRABALHO: COBRANÇA UTILIZANDO CÓDIGO DE BARRAS: CARTA E SMS TORPEDO TÍTULO DO TRABALHO: COBRANÇA UTILIZANDO CÓDIGO DE BARRAS: CARTA E SMS TORPEDO Tema: Gestão Comercial - Comunicação com clientes Autores: ADRIANO GONÇALVES DE SOUZA JÚNIOR LUIZ CLÁUDIO TEIXEIRA NUNES BRUNO

Leia mais

Com o objetivo de manter um alto nível de qualidade, nossos colaboradores são rigorosamente selecionados e treinados.

Com o objetivo de manter um alto nível de qualidade, nossos colaboradores são rigorosamente selecionados e treinados. A MBS SERVIÇOS possui o conhecimento necessário e indispensável para oferecer qualidade e agilidade nas realizações dos serviços prestados. Possuímos sede própria com toda infraestrutura necessária para

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

Proteção Auditiva Moderna e Aparelhos Auditivos Modernos Eles Podem Funcionar Bem Juntos

Proteção Auditiva Moderna e Aparelhos Auditivos Modernos Eles Podem Funcionar Bem Juntos Proteção Auditiva Moderna e Aparelhos Auditivos Modernos Eles Podem Funcionar Bem Juntos Por Robert M. Ghent, Jr., Au.D. Honeywell Safety Products. Introdução Você alguma vez se deparou com um trabalhador

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PO-CL-AT-003 ATENDIMENTO DE AUDIOMETRIA

CONTROLE DE COPIA: PO-CL-AT-003 ATENDIMENTO DE AUDIOMETRIA 1/6 1. OBJETIVO Realizar o exame para detectar possíveis doenças otológicas, bem como direcionar o atendimento para que seja seguido o padrão da empresa para a realização do exame. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

Estratégias de e-learning no Ensino Superior

Estratégias de e-learning no Ensino Superior Estratégias de e-learning no Ensino Superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias da Anhanguera Educacional (Jacareí) RESUMO Apresentar e refletir

Leia mais

Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem

Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem 1) COMO FUNCIONA? O PROBLEMA OU SITUAÇÃO ANTERIOR Anteriormente, todos os resíduos recicláveis ou não (com exceção do papelão), ou seja, papel, plásticos, vidros,

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Karina Angel Bento

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Karina Angel Bento UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Karina Angel Bento ESTUDO SOBRE O PERFIL SOCIOHISTÓRICO DE PACIENTES ATENDIDOS NA CLÍNICA DE FONOAUDIOLOGIA DA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. CURITIBA, 2010 1 ESTUDO SOBRE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

M A N U A L DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Compressores de ar D 1 / D 2 / D 3

M A N U A L DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Compressores de ar D 1 / D 2 / D 3 Rev.03-06/23 M A N U A L DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Compressores de ar D 1 / D 2 / D 3 Rua Major Carlos Del Prete, 19 - Bairro Cerâmica CEP 09530-0 - São Caetano do Sul - SP - Brasil Fone/Fax: (11) 4224-3080

Leia mais