LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES:"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - CES Concurso Público (Aplicação: 27/09/2009) Cargo: Operador de Câmera de Cinema e TV LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: Verifique, nos espaços devidos do CARTÃO-RESPOSTA, se o número de controle é o mesmo que está ao lado do seu nome na folha de chamada. Caso o número de controle não corresponda ao que está nessa folha, comunique imediatamente ao fiscal de prova. Não se esqueça de assinar seu nome no primeiro retângulo. Marque as respostas das questões no CARTÃO-RASCUNHO, a fim de transcrevê-las, com caneta esferográfica preta ou azul, de ponta grossa, posteriormente, no CARTÃO-RESPOSTA. Não pergunte nada ao fiscal, pois todas as instruções estão na prova. Lembre-se de que uma leitura competente é requisito essencial para a realização da prova. Não rasure, não amasse nem dobre o CARTÃO-RESPOSTA, para que ele não seja rejeitado pela leitora.

2

3 Língua Portuguesa O texto a seguir servirá de base para a resolução das questões de 01 a 08. NOSSA FAMÍLIA ANIMAL A relação milenar entre homens e bichos de estimação entrou numa nova fase. Mais do que amigos, eles agora são como filhos. E a convivência pode ser tão complicada quanto a dos pais com um adolescente temperamental Marcelo Marthe Eduardo Monteiro Iniciada entre e anos atrás, a relação entre homens e bichos domesticados teve, a princípio, fins essencialmente utilitários. Cães vigiavam aldeias, ajudavam a caçar e pastorear. Gatos eram bem-vindos por exterminar ratos e outras pragas. Provavelmente a afeição, desde cedo, teve um papel nesse relacionamento. O primeiro indício concreto de um elo de emoção entre um humano e um animal data de anos: são restos fossilizados de uma mulher abraçada a um filhote de cão, encontrados no Oriente Médio. O certo é que o afeto remodelou, ao longo dos séculos, os laços que nos ligam a cães e gatos. E continua a remodelá-los. É o que revelam pesquisas de comportamento ao mostrar que, mais até do que amigos, os bichos de estimação são hoje vistos como filhos ou irmãos em boa parte dos lares que os acolhem. Na Europa e nos Estados Unidos, o porcentual de donos que consideram seus bichos como familiares já chega a 30%. No Brasil, de acordo com pesquisas da multinacional francesa Evialis, uma das maiores fabricantes de alimentos para animais de estimação no mundo, esse índice é de 10% mas aponta para cima. Como todas as relações ancoradas na emoção, essa não é imune a crises. Os donos muitas vezes não sabem impor os devidos limites ao comportamento de seus companheiros de quatro patas e o drama ganha cores semelhantes ao dos pais que enfrentam adolescentes revoltosos. Em meio à crescente indústria de produtos e serviços para bichos, emergiu até mesmo uma nova categoria profissional a dos psicólogos de animais, adestradores especializados em lidar com cães e gatos neuróticos. Não, a neurose não é uma exclusividade humana. "Pessoas que aboliram a simplicidade de sua vida procuram, por meio de seus cães, reencontrá-la", diz o mais famoso desses adestradores, o mexicano Cesar Millan. "Elas precisam, no entanto, se educar para isso." Das pinturas rupestres aos ratos e cachorros antropomórficos de Walt Disney, os animais são vistos com um misto de estranhamento e familiaridade. Nas fábulas mais tradicionais, são espelhos das qualidades e defeitos morais do homem. Mas a literatura também já os representou como forças indomáveis e irredutíveis da natureza. No século XIX, a teoria da evolução de Darwin desbancou o homem do ápice da criação para reposicioná-lo como apenas mais um dos animais moldados pela seleção natural. Essa revisão tem implicações éticas radicais. O filósofo australiano Peter Singer defende a igualdade plena de direitos entre homens e animais. Para ele, o "especismo" a ideia de que os humanos são superiores aos demais seres é uma forma de discriminação tão insustentável quanto o racismo. De certo modo, gatos e cachorros já galgaram um lugar privilegiado nas considerações morais das pessoas. (...) A Radar Pet numa pesquisa recém-concluída com pessoas de oito metrópoles, idealizada por uma entidade do setor, a Comissão Animais de Companhia (Comac) fornece uma visão da intimidade dos brasileiros com seus cães e gatos. Eles estão presentes em 44% dos lares das classes A, B e C e em lugares como Porto Alegre, Curitiba e Campinas já figuram em mais de metade das casas. O novo status que cães e gatos estão assumindo nos lares tem pelo menos duas razões sociais distintas. A primeira diz respeito ao encolhimento das famílias. Hoje são raros os casais que optam por ter mais de um ou dois filhos o terceiro, que costuma desembarcar em casa quando esses já estão mais crescidos, é quase sempre um cão ou gato. Como demonstra o Radar Pet, as famílias em que os filhos adolescentes ou adultos ainda moram com os pais são aquelas em que a presença dos bichos é mais forte. O segundo fator é o crescimento do contingente de pessoas que vivem sozinhas nas grandes cidades e buscam um companheiro animal. Cães e gatos têm chances menores de obter abrigo nos lares formados por casais com filhos pequenos. "Nessa fase, as crianças monopolizam as atenções. Não sobra tempo para os animais", diz o executivo Luiz Luccas, presidente da Comac. Revista Veja, 18 de julho de 2009 Cargo: Operador de Câmera de Cinema e TV - 3 / 9

4 01 A afirmação, presente na segunda parte do título, Mais do que amigos, eles agora são como filhos. E a convivência pode ser tão complicada quanto a dos pais com um adolescente temperamental, transmite a ideia de que I) bichos de estimação podem se comportar como um filho adolescente temperamental. II) a convivência entre amigos e filhos na adolescência é tão complicada que os pais preferem os bichos de estimação. III) a convivência entre pais e filhos adolescentes temperamentais pode ser tão complicada quanto a convivência entre bichos de estimação e seus donos. Está(ão) correta(s) (a) I e II apenas. (b) I e III apenas. (c) II e III apenas. (d) I, II e III. (e) II apenas. 02 Tomando como base os resultados da pesquisa expressos no último parágrafo do texto, é correto afirmar que (a) uma das razões para a grande presença de cães e gatos nos lares do Brasil é a redução do número de filhos. (b) crianças pequenas não convivem bem com cães e gatos, por isso as famílias esperam o crescimento dos filhos para abrigar os animais em casa. (c) a busca por um companheiro animal é pequena nas metrópoles brasileiras, pelo pequeno número de pessoas que vivem sozinhas. (d) o número de lares com filhos pequenos convivendo com cães e gatos é maior que o número de lares com filhos grandes abrigando esses animais. (e) as famílias das classes A, B e C preferem ter cães e gatos quando os filhos são pequenos, para ter mais tempo para os animais. 03 Segundo o texto, as relações estabelecidas entre o homem e os animais são (a) prejudiciais à saúde, uma vez que o homem pode ser contaminado com doenças transmitidas por seus bichos de estimação. (b) muito antigas e visavam, primordialmente, ao aproveitamento dos animais nas atividades domésticas. (c) responsáveis pelo crescimento desenfreado de cães e gatos com a consequente saturação do mercado de alimentos. (d) emotivas, por isso devem ser evitadas entre pessoas com problemas mentais ou em situações que envolvam crianças. (e) semelhantes àquelas em que os pais têm de conviver com um adolescente temperamental e neurótico. 04 Das afirmações abaixo, I) A população brasileira de cães e gatos de estimação é a segunda maior do mundo só perde para a dos Estados Unidos. II) Na literatura, os bichos já eram pares dos seres humanos como hoje o são nos lares. III) A preocupação exacerbada com a saúde é outro desdobramento da humanização dos bichos. IV) Os animais de estimação demonstram grande capacidade de assimilar o estilo de vida do homem, estabelecendo, hoje em dia, laços familiares com a circunstância em que vivem. estão explícitas no texto, apenas (a) III e IV. (b) I e II. (c) II e IV. (d) I e III. (e) I, II e III. Cargo: Operador de Câmera de Cinema e TV - 4 / 9

5 05 Observa-se, ao longo do texto, o uso de vários recursos de coesão, dentre os quais, encontram-se os pronomes. Partindo do exposto, analise as seguintes afirmativas. I) O pronome eles (linha 29) retoma o vocábulo brasileiros. II) Em os representou (linha 20), o pronome os refere-se a animais. III) Em remodelá-los (linha 6), o pronome los retoma cães e gatos IV) Em reposicioná-lo (linha 21), o pronome lo retoma o vocábulo homem. Corretamente relaciona(m) o recurso coesivo ao seu referente a(s) afirmação(ões) (a) I, II, III e IV. (b) II e IV apenas. (c) I, II e III apenas. (d) III e IV apenas. (e) I apenas O fragmento entre travessões a ideia de que os humanos são superiores aos demais seres (linhas 23 e 24) funciona como (a) uma explicação. (b) um exemplo. (c) uma comparação. (d) um argumento. (e) uma negação. 08 Na frase Como todas as relações ancoradas na emoção, essa não é imune a crises., as palavras sublinhadas podem ser substituídas, sem alteração de sentido, por, respectivamente, (a) fundadas sujeita. (b) encontradas livre. (c) iniciadas refratária. (d) calcadas propícia. (e) baseadas isenta. No 1º parágrafo do texto, tem-se a seguinte frase: Provavelmente a afeição, desde cedo, teve um papel nesse relacionamento. Analise as propostas de reescritura a seguir. I) Seguramente a afeição, iniciada há milhares de anos, teve uma função nesse relacionamento. II) Certamente a afeição, desde o princípio, teve um papel nessa relação. III) É quase certo que a afeição, desde cedo, teve uma função nessa relação. A(s) que preserva(m) o sentido original da frase é(são) a(s) proposta(s) (a) I, II e III. (b) I e II apenas. (c) II e III apenas. (d) I apenas. (e) III apenas. Cargo: Operador de Câmera de Cinema e TV - 5 / 9

6 Conhecimentos específicos 09 As câmeras de vídeo possuem sensores chamados de CCD ou CMOS, responsáveis pelo registro das imagens que chegam através da objetiva, e são a versão digital da película fotográfica/cinematográfica. Sobre esses sensores, é correto afirmar que (a) a leitura da imagem é feita em linhas horizontais da esquerda para a direita e de cima para baixo, e é produzida uma sequência de valores de insensidades de correntes. (b) são dispositivos que captam e armazenam as imagens eletrônicas e digitais. (c) o CCD capta imagens eletrônicas, e o CMOS capta as imagens digitais. (d) a captação feita com 3 CCD s necessita de menos luz que a captação feita com 1 CCD. (e) todos os sensores têm o mesmo tamanho das películas cinematográficas e fotográficas. 10 Um dos ajustes importantes na câmera de vídeo é o balanço de branco (ou white-balance) que, primordialmente, (a) serve para medir a quantidade de luz branca que chega até a objetiva da câmera. (b) tem ajuste obrigatoriamente manual e está presente em todas as câmeras tanto no segmento amador como semi-profissional e profissional. (c) serve para medir a temperatura de cor captada pela câmera. (d) não pode ser usado sem o vetorscópio para correção das cores em uma imagem de vídeo. (e) tem a função de fazer com que o circuito da câmera possa analisar as porcentagens das cores que compõem a luz branca no ambiente e, se houver desvio na proporção, é feita a correção. 11 Com relação a suportes de armazenamento para vídeo, é correto afirmar que (a) o vídeo digital pode ser armazenado em suportes de estado sólido, como os cartões PCMCIA e ExpressCard, mídias em disco, como DVD s e CD s, e fitas de vídeo DVCAM ou Mini-DV. (b) DVD s e CD s são utilizados como suporte de armazenamento com baixa compressão em câmeras do segmento semi-profissional e profissional. (c) tanto sinais de vídeo analógicos como digitais são captados e codificados em formato digital (binário) e armazenados como tal. (d) câmeras do segmento profissional e semiprofissional necessitam, obrigatoriamente, de uma unidade externa de armazenamento. (e) as fitas de vídeo são exclusivas dos formatos analógicos e não são utilizadas para vídeo digital. 12 Os planos cinematográficos são classificados de acordo com a proximidade da câmera e do objeto. Dentre os diversos planos existentes, possuem maior dramaticidade (a) primeiro plano, primeiríssimo plano, plano meio aproximado. (b) plano meio aproximado e primeiro plano, plano médio. (c) plano conjunto, primeiro plano, plano detalhe. (d) plano geral, plano meio aproximado, primeiro plano. (e) plano médio, primeiríssimo plano, primeiro plano. 13 As angulações, no cinema, são os aspectos diversos pelos quais são vistos os personagens, os cenários, as paisagens, dando-lhes novas perspectivas, expressões sentimentais, emocionais e etc. Considera-se subjetiva a câmera que (a) fica numa posição superior ao cenário. (b) está na altura dos olhos do personagem. (c) está numa posição inferior ao cenário. (d) está ao lado do personagem. (e) assume o papel do personagem. 14 O vetorscópio é um instrumento que permite (a) fazer a captação do som direto em produções de vídeo. (b) capturar imagens e áudio externos à câmera. (c) transformar sinais de vídeo NTSC em PAL-M. (d) identificar o padrão do sinal de vídeo. (e) identificar e corrigir problemas com crominância e luminância em imagens de vídeo. Cargo: Operador de Câmera de Cinema e TV - 6 / 9

7 15 Com relação ao processo de linhas de varredura do vídeo, é correto afirmar que (e) é montado com calhas paralelas de lâmpadas fluorescentes, lâmpadas comuns de gases nobres, mas com um controle rígido de temperatura de cor. (a) o sistema de varredura entrelaçada é exclusivo de formatos standard de vídeo, enquanto que o sistema de varredura progressiva é exclusivo dos formatos de alta definição. 18 São todas digitais as conexões (b) tanto no sistema entrelaçado como no progressivo a imagem é dividida em dois campos, com linhas pares e ímpares. (c) não há diferenças no processo de varredura entre os sistemas entrelaçado e progressivo. (d) no sistema de varredura progressiva as linhas são lidas uma a uma, de cima para baixo, e se tornam menos visíveis do que no sistema de varredura entrelaçada. (e) o flickering ou cintilação é um problema mais recorrente no sistema progressivo do que no processo entrelaçado. 16 Existem diversos tipos de tripés que são utilizados para vídeo. É considerado componente de tripés o (a) dolly. (b) tilt. (c) spreader ou estrela de solo. (d) roll. (e) line level. 17 (a) Firewire e RCA. (b) S-Video e BNC. (c) S-Video e RCA. (d) Firewire e HDMI. (e) RCA e BNC. 19 As câmeras de captação em película de cinema, assim como câmeras fotográficas, possuem um mecanismo chamado obturador que é o responsável por regular o tempo de exposição da película. Utilizam CCD ou CMOS, câmeras de vídeo que (a) têm o obturador eletronicamente incorporado ao chip do CCD ou CMOS. (b) têm obturador mecânico como nas câmeras de película, dentro do corpo da câmera. (c) não possuem nenhuma função semelhante ao obturador. (d) têm obturador mecânico incorporado à objetiva da câmera. (e) possuem obturador mecânico, característica das câmeras com objetiva intercambiável. Fresnel é considerado um dos mais antigos tipos de refletores para iluminação de cenas. É correto afirmar que esse refletor (a) é uma espécie de calha de luz, na qual uma série de faróis são dispostos em série ou paralelo, de 2 em 2, de 3 em 3, de 6 em 6 e até mais, promovendo uma luz intensa e aberta. (b) é de mão móvel, ou seja, uma fonte de luz muito intensa usada para iluminar caminhos e cenas em movimento. (c) utiliza lâmpada halógena, mas possui um rebatedor na sua estrutura, emitindo luz já com características difusas. (d) é caracterizado por uma lente na frente da lâmpada de filamento (tungstênio), possibilitando ao iluminador escolher um foco de luz, mais aberto ou mais fechado. 20 No dia 30 de julho de 2009, durante o Festival Internacional de Linguagem Eletrônica 2009, em São Paulo, foi realizada a primeira exibição de um longametragem em definição 4K no Brasil. É correto afirmar que tal definição (a) gera imagens com frames de 2 megapixels. (b) ainda não pode ser comparada à da película cinematográfica em padrões usuais de exibição. (c) tem um frame ou quadro de 2048x1080 pixels. (d) atualmente, pode ser captada por câmeras de cinema digital como a câmera RED ONE, já em uso no mercado de produção profissional brasileiro. (e) pode ser exibida com definição integral em qualquer televisor do tipo Full HD. Cargo: Operador de Câmera de Cinema e TV - 7 / 9

8 21 O filtro de efeito para a câmera que reduz o brilho e reflexos, satura as cores, tornando-as mais vivas, e escurece o céu azul, denomina-se (a) Fog. (b) Low Contrast. (c) Pró Mist. (d) Polarizador. (e) Soft/FX. 22 A técnica básica de iluminação chama-se iluminação de três pontos. São tipos de luz que fazem parte desse sistema (a) set light, luz difusa e contra-luz. (b) luz frontal, lateral 45 e lateral 90. (c) key light, fill light e backlight. (d) luz lateral modeladora, contra- luz e luz principal. (e) backlight, iluminação inferior e key light. 23 O balanço entre as diversas cores do espectro visível varia de um tipo de fonte de luz para outro (natural ou artificial). Normalmente, expressa-se a composição de uma luz em termos de temperatura de cor registrada em graus Kelvin ( K). Uma gravação em estúdio, no qual se queira representar o céu e o sol no fim de tarde, a temperatura de luz deve ser utilizada entre (a) 5500 K e 6500 K (b) 2000 K e 3000 K (c) 3000 K e 4500 K (d) 6500 K e 8000 K (e) 4500 K e 5500 K 24 No que diz respeito a objetivas de câmera, é correto afirmar que (a) quanto mais longa a distância focal, mais estreito seu ângulo de visão. (b) a objetiva zoom distorce menos que a aproximação da câmera em relação ao objeto ou personagem. (c) a objetiva zoom não possibilita a variação da distância focal. (d) quanto mais curta a distância focal, mais estreito o ângulo de visão. (e) as objetivas zoom dão sua imagem mais natural nas laterais da imagem. 25 Denomina-se conjugado o movimento cuja câmera (a) gira em seu próprio eixo. (b) acompanha, lateralmente, o movimento da cena. (c) desloca-se e gira, simultaneamente, sua base em movimento de até 360º. (d) avança, em relação ao objeto ou personagem. (e) recua, em relação ao objeto ou personagem. 26 O fotômetro de luz incidente (de mão) serve para (a) fazer a leitura da luz que é refletida do assunto a ser registrado. (b) medir a temperatura de cor da cena. (c) fazer a leitura da luz que incide sobre o assunto a ser registrado. (d) apenas para fotografia, não é utilizado no cinema. (e) armazenar as informações de luz da câmera. 27 Em uma produção audiovisual, o diretor de fotografia é (a) o responsável pelas fotografias que são feitas das cenas (foto still). (b) o responsável pela imagem captada e pela utilização e controle da luz utilizada na produção audiovisual. (c) o responsável pelo cenário, pelos objetos de cena e pelo figurino dos personagens. (d) apenas o operador da câmera e não tem influência estética nos projetos. (e) mais importante que o diretor da produção. Cargo: Operador de Câmera de Cinema e TV - 8 / 9

9 28 Com relação ao Chroma-key, é correto afirmar que (a) é o único processo de keying utilizado em vídeo digital. (b) permite que uma imagem seja recortada e colada em um outro fundo com base em um critério de luminância. (c) funciona apenas quando os assuntos são gravados sob fundos verdes. (d) somente é possível em processos digitais de edição e finalização. (e) não é utilizado em cinema, apenas em televisão. 29 A steadycam é um aparato utilizado na produção de audiovisual, quando há necessidade de (a) aproximar ou afastar a imagem sem haver movimento na câmera. (b) estabilizar a imagem contra solavancos e trepidações de câmera, quando operada na mão. (c) acompanhar a ação lateralmente em um sistema de trilhos. (d) diminuir o ângulo de visão da cena. (e) aumentar o ângulo de visão da cena. 30 A gelatina é usada para corrigir a luz (temperatura de cor), alterar a cor para criar efeitos diferenciados durante a captação, entre outras funções. As gelatinas dos tipos Hallf Blue e Quarter Blue, convertem as temperaturas, respectivamente, (a) de 3200 K para 4700 K; de 3200 K para 3500ºK. (b) de 3200 K para 4100 K; de 3200 K para 3500 K. (c) de 3200 K para 4100 K, de 3200 K para 3800 K. (d) de 3200 K para 3500 K; de 3200 K para 4100 K. (e) de 3200 K para 3800 K; de 3200 K para 3500 K. Cargo: Operador de Câmera de Cinema e TV - 9 / 9

PROVA DE PORTUGUÊS (Itens 26 a 41) Instrução: Os itens 26 a 37 devem ser respondidos de acordo com o texto 1.

PROVA DE PORTUGUÊS (Itens 26 a 41) Instrução: Os itens 26 a 37 devem ser respondidos de acordo com o texto 1. PROVA DE PORTUGUÊS (Itens 26 a 41) Instrução: Os itens 26 a 37 devem ser respondidos de acordo com o texto 1. Texto 1 NOSSA FAMÍLIA ANIMAL Marcelo Marthe e Eduardo Monteiro 1 5 10 15 20 25 30 Iniciada

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES:

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - CES Concurso Público (Aplicação: 27/09/2009) Cargo: Técnico em Radiologia LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: Verifique, nos espaços devidos

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES:

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - CES Concurso Público (Aplicação: 27/09/2009) Cargo: Técnico em Laboratório/Área: Cartografia LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: Verifique,

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES:

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - CGIC Concurso Público (Aplicação: 27/05/2012) Cargo: Operador de Câmera de Cinema e TV/Classe D-101 LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: Verifique,

Leia mais

(PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA DO CONCURSO DE ADMISSÃO AO 6º ANO CMB 2009 / 2010) MÚLTIPLA-ESCOLHA. (Marque com um X a única alternativa certa) TEXTO I

(PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA DO CONCURSO DE ADMISSÃO AO 6º ANO CMB 2009 / 2010) MÚLTIPLA-ESCOLHA. (Marque com um X a única alternativa certa) TEXTO I MÚLTIPLA-ESCOLHA (Marque com um X a única alternativa certa) TEXTO I A DISCIPLINA DO AMOR 01 05 10 15 20 Foi na França, durante a segunda grande guerra. Um jovem tinha um cachorro que todos os dias, pontualmente,

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES:

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - CGIC Concurso Público (Aplicação: 01/04/2012) Cargo: Assistente de Câmera/Classe B-101 LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: Verifique, nos

Leia mais

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1 DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1 Mauricio Baggio ÍRIS / DIAFRAGMA Dispositivo que permite o controle da quantidade de luz que atinge o filme ou o sensor no interior da câmera. Este controle é realizado definindo-se

Leia mais

Câmera de vídeo PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STRS 1 MOURA LACERDA

Câmera de vídeo PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STRS 1 MOURA LACERDA MATÉRIA: STRS 1 MOURA LACERDA Câmera de vídeo Filmadora, câmera de vídeo ou câmara de filmar, também conhecida simplesmente por câmara ou câmera, é um dispositivo dotado de mecanismos que capturam imagens

Leia mais

Glossário de Fotopublicidade

Glossário de Fotopublicidade Glossário de Fotopublicidade Câmera analógica: câmera que captura as imagens em filme/película. Câmera digital: câmera que salva imagens como arquivos digitais em algum tipo de disco de memória em vez

Leia mais

CÂMERAS. fotográficas

CÂMERAS. fotográficas CÂMERAS fotográficas Quanto ao suporte: Digital Analógico Como classificar e diferenciar os tipos de Câmeras? Quanto a automação: Automáticas Semi-automáticas Auto e manual Quanto ao visor: Visor direto

Leia mais

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão 1 Diferenças entre o CCD e o Filme: O filme como já vimos, é uma película de poliéster, coberta em um dos lados por uma gelatina de origem animal com partículas

Leia mais

TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos?

TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos? 1 TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos? Willians Cerozzi Balan Setembro/2009 Autores, pesquisadores e profissionais da área de produção em televisão reconhecem que a imagem exerce

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES:

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - CGIC Concurso Público (Aplicação: 27/05/2012) Cargo: Editor de Imagens/Classe D-101 LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: Verifique, nos espaços

Leia mais

Luz, Câmera e Paixão

Luz, Câmera e Paixão Luz, Câmera e Paixão Fotografia, linguagem e arte Registro da realidade através da luz. Luz é cor, forma, movimento, intensidade, brilho, etc linguagem e arte. Se a luz é linguagem nós sabemos interpretar

Leia mais

O vídeo. O vídeo. Sistemas analógicos de vídeo. O vídeo. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho

O vídeo. O vídeo. Sistemas analógicos de vídeo. O vídeo. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho O vídeo O vídeo Interfaces de vídeo Sistemas de televisão: as características do sinal de vídeo são determinadas pelos padrões de televisão principais padrões existentes: televisão em preto-e-branco televisão

Leia mais

A Temperatura de cor - Texto extraído de:

A Temperatura de cor - Texto extraído de: 77 A Temperatura de cor - Texto extraído de: BALAN, W.C. A iluminação em programas de TV: arte e técnica em harmonia. Bauru, 1997. 137f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Poéticas Visuais) Faculdade

Leia mais

Fotografia Digital no Brasil

Fotografia Digital no Brasil 1 Fotografia Digital no Brasil Hoje temos uma grande variedade de câmaras digitais, mas como elas captam a imagem e a transformam em informação digital é o que vamos ver a seguir. Um Pouco de História

Leia mais

GUIA BÁSICO PARA PRODUÇÃO DE UM FILME DIGITAL

GUIA BÁSICO PARA PRODUÇÃO DE UM FILME DIGITAL A Filmagem O roteiro foi preparado, a câmera está pronta e então chegou o grande dia de se começar a filmar. Ótimo, mas antes de ligar a câmera, temos que atentar para alguns detalhes básicos. Mas espere

Leia mais

Ao se falar sobre fotografia cinematográfica estão envolvidos diversos elementos que devem ser levados em consideração:

Ao se falar sobre fotografia cinematográfica estão envolvidos diversos elementos que devem ser levados em consideração: 1 OBJETIVAS E COMPOSIÇÃO Ao se falar sobre fotografia cinematográfica estão envolvidos diversos elementos que devem ser levados em consideração: 1 - AS LENTES: As objetivas são comumente chamadas de lentes,

Leia mais

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo ANEXO VII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 009/2013

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo ANEXO VII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 009/2013 ANEXO VII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 009/2013 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DO OBJETO LOTE 01: EQUIPAMENTOS DE ILUMINAÇÃO Kit fundo Chroma Key Tecido cor azul (B255, G0, R0) 01 01 Montável em estrutura de alumínio

Leia mais

Características do vídeo. Aquisição, síntese, edição e reprodução de vídeo. Características do vídeo analógico. Características do vídeo analógico

Características do vídeo. Aquisição, síntese, edição e reprodução de vídeo. Características do vídeo analógico. Características do vídeo analógico Características do vídeo Aquisição, síntese, edição e reprodução de vídeo Vídeo media dinâmico Vídeo corresponde a um movimento sequencial de um conjunto de imagens, chamados fotogramas ou frames. Frame

Leia mais

A LINGUAGEM DA LUZ Fotografia

A LINGUAGEM DA LUZ Fotografia ILUMINAÇÃO A LINGUAGEM DA LUZ Fotografia a luz vem de várias fontes; tem muitas qualidades; características que afetam todo o processo. A LINGUAGEM DA LUZ Fotografia Medíocre X Fotografia Grandiosa Depende

Leia mais

Iluminação Fotográfica

Iluminação Fotográfica 1 Iluminação Fotográfica Primeiramente, deveríamos lembrar da necessidade da luz para a realização de uma fotografia. Sem a luz, não há fotografia, expressão que significa gravar com a luz. Logo, a principal

Leia mais

CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL COMPLETO

CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL COMPLETO CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL COMPLETO Módulos 1. Câmaras e Imagens Digitais. 2. Controlar a Exposição. 3. Controlar a Nitidez. 4. Captar Luz e Cor. 5. Compreender as Objectivas. 6. Fotografia com o Flash

Leia mais

DSR - PD 150. Características da Câmara:

DSR - PD 150. Características da Câmara: DSR - PD 150 Características da Câmara: A câmara DSR-PD150 incorpora três CCD's 1/3" contendo 380.000 pixels (340.000 efetivos). Os CCD's de 1/3" contribuem para alta sensibilidade e melhor relação Sinal/Ruído.

Leia mais

A CÂMARA DIGITAL A CAPTURA DE UMA IMAGEM NUMA CÂMARA DIGITAL ENVOLVE OS SEGUINTES PROCESSOS:

A CÂMARA DIGITAL A CAPTURA DE UMA IMAGEM NUMA CÂMARA DIGITAL ENVOLVE OS SEGUINTES PROCESSOS: A CÂMARA DIGITAL A CAPTURA DE UMA IMAGEM NUMA CÂMARA DIGITAL ENVOLVE OS SEGUINTES PROCESSOS: EXISTEM TRÊS TIPOS DE SENSORES UTILIZADOS NAS CÂMARAS DIGITAIS: CCD - Charge Coupled Device CMOS - Complimentary

Leia mais

Modelo de VTR S-VHS Panasonic lançado na década de 1990

Modelo de VTR S-VHS Panasonic lançado na década de 1990 Camcorder Betacam SP. VTR Betacam SP São décadas de desenvolvimento e centenas de produtos e formatos diferentes, segue abaixo alguns dos formatos de vídeo domésticos e profissionais mais comuns: VHS -

Leia mais

Technologies Explained LEGRIA HF R series

Technologies Explained LEGRIA HF R series Technologies Explained LEGRIA HF R series Sistema de Câmara HD da Canon Para assegurar uma boa qualidade de imagem nas suas câmaras de vídeo HD, a Canon desenvolve e fabrica três componentes de imagem

Leia mais

EXPERIMENTAÇÃO CENOGRÁFICA COM ÊNFASE EM ILUMINAÇÃO

EXPERIMENTAÇÃO CENOGRÁFICA COM ÊNFASE EM ILUMINAÇÃO PROCESSO SELETIVO DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL 2014 EXPERIMENTAÇÃO CENOGRÁFICA COM ÊNFASE EM ILUMINAÇÃO EDITAL N.º 1- UFPA de 13/01/2014 30 de março de 2014 Nome: N.º de Inscrição: BOLETIM DE QUESTÕES

Leia mais

Codec. Finalização de audiovisual. Bit Rate (Taxa de Bits) formatos de exportação. Pro res. ProRes 16/05/13. Sigla de COmpressor/DEcompressor.

Codec. Finalização de audiovisual. Bit Rate (Taxa de Bits) formatos de exportação. Pro res. ProRes 16/05/13. Sigla de COmpressor/DEcompressor. Codec Finalização de audiovisual Sigla de COmpressor/DEcompressor. Conjunto de instruções que permite comprimir um sinal de vídeo ou áudio, para armazenamento, e descomprimir, para reprodução. Bit Rate

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES:

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - CGIC Teste de Competência em Leitura em Língua Estrangeira INGLÊS Edital 109/2012 (Aplicação: 21/10/2012) LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES:

Leia mais

Fotografia digital. Aspectos técnicos

Fotografia digital. Aspectos técnicos Fotografia digital Aspectos técnicos Captura CCD (Charge Coupled Device) CMOS (Complementary Metal OxideSemiconductor) Conversão de luz em cargas elétricas Equilíbrio entre abertura do diafragma e velocidade

Leia mais

Conectores de Vídeo Radiofreqüência (RF)

Conectores de Vídeo Radiofreqüência (RF) 15 Conectores de Vídeo Existem vários tipos de conexões de vídeo que você pode encontrar no PC e em aparelhos eletrônicos como TVs, aparelhos de DVD e videoprojetores. Apesar de a finalidade geral desses

Leia mais

Apostila Artes Audiovisuais

Apostila Artes Audiovisuais INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CAMPUS SERTÃOZINHO Apostila Artes Audiovisuais ROTEIRO Cinema,Televisão e Vídeo 3a. Revisão 2010 Prof. MS. Ricardo Stefanelli 1 Projeto para Roteiro Audiovisual Vídeo Artes

Leia mais

Hardware Básico. Conectores de Vídeo. Professor: Wanderson Dantas

Hardware Básico. Conectores de Vídeo. Professor: Wanderson Dantas Hardware Básico Conectores de Vídeo Professor: Wanderson Dantas Introdução Nesta aula nós discutiremos os tipos mais comuns de conectores de vídeo existentes. A conexão da placa de vídeo pode ser feita

Leia mais

NORMA DE FORMATO PADRÃO DE ENTREGA DE CONTEÚDO AUDIOVISUAL EM ALTA DEFINIÇÃO - NOR 704

NORMA DE FORMATO PADRÃO DE ENTREGA DE CONTEÚDO AUDIOVISUAL EM ALTA DEFINIÇÃO - NOR 704 MANUAL DE TECNOLOGIA COD. 700 ASSUNTO: FORMATO PADRÃO DE ENTREGA DE CONTEÚDO AUDIOVISUAL EM ALTA DEFINIÇÃO APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 079/2014, de 19/05/2014 VIGÊNCIA: 05/06/2014 NORMA DE FORMATO PADRÃO

Leia mais

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo?

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo? Pré-Vestibular Social Grupo SOA Suporte à Orientação Acadêmica Ela faz cinema Ela faz cinema Ela é demais (Chico Buarque) CINEMA Chegou o momento de escolher um curso. Diante de tantas carreiras e faculdades

Leia mais

Realizado por: Nuno Barros nº27283 Filipe Gonçalves nº27285 Ângelo Sousa nº28158 André Martins nº28531

Realizado por: Nuno Barros nº27283 Filipe Gonçalves nº27285 Ângelo Sousa nº28158 André Martins nº28531 Realizado por: Nuno Barros nº27283 Filipe Gonçalves nº27285 Ângelo Sousa nº28158 André Martins nº28531 Também conhecido por digitalizador Scanner é um periférico de entrada Leitura de textos e imagens

Leia mais

SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO)

SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO) SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO) Há vários tipos de sistemas de gravações digitais. Os mais baratos consistem de uma placa para captura de vídeo, que

Leia mais

Iluminação e equipamentos fotográficos

Iluminação e equipamentos fotográficos Iluminação e equipamentos fotográficos Iluminação: A luz natural é proporcionada pelo sol, que pode incidir diretamente ou indiretamente sobre o assunto. O aspecto da luz solar pode variar de acordo o

Leia mais

Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico)

Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico) CÂMERA FOTOGRÁFICA Foto analógica Foto digital Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico) O DIAFRAGMA OBJETO DIAFRAGMA EM IRIS OBJETO IRIS RETINA ABERTURA PUPILA LENTE CRISTANILO

Leia mais

CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL

CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL formação em imagem www.100iso.pt Módulos 1. Câmaras e Imagens Digitais. 2. Controlar a Exposição. 3. Controlar a Nitidez. 4. Captar Luz e Cor. 5. Compreender as Objectivas.

Leia mais

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STR1 MOURA LACERDA. TIPOS DE RECEPTORES DE TV e SISTEMAS

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STR1 MOURA LACERDA. TIPOS DE RECEPTORES DE TV e SISTEMAS PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STR1 MOURA LACERDA TIPOS DE RECEPTORES DE TV e SISTEMAS Como tudo em nossa vida e em nosso mundo evolui, com a tecnologia não é diferente, agora você pode contar com alta definição

Leia mais

Estes filtros devem estar na lista de prioridade de suas compras pois eles protegem sua lente contra poeira, umidade e arranhões.

Estes filtros devem estar na lista de prioridade de suas compras pois eles protegem sua lente contra poeira, umidade e arranhões. Venda Locação! """ Os filtro podem ser divididos em famílias e sub famílias: Proteção Correção Filmes Coloridos Filmes P & B Efeito: Difusores Contraste Efeitos ópticos Polarizador Cor Cor/Graduados PROTEÇÃO:

Leia mais

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL O FEST CURT CELU Guia Curta Fácil 2 A câmera de cinema funciona como se fosse uma máquina fotográfica que dispara milhares de foto em um espaço muito

Leia mais

Oficina de Edição Atividade Extensiva

Oficina de Edição Atividade Extensiva Oficina de Edição Atividade Extensiva 1. Introdução A oficina de edição é uma atividade extensiva, pois dá continuidade ao trabalho realizado nas oficinas básicas, onde aprendemos a fazer um vídeo passo

Leia mais

Principais controles de operação e suas funções

Principais controles de operação e suas funções AVISO PARA EVITAR O RISCO DE INCÊNDIO OU CHOQUE ELÉTRICO NÃO EXPONHA ESTE APARELHO À CHUVA OU UMIDADE. Geral Esta é uma câmera para circuito fechado de televisão que usa um dispositivo de reprodução de

Leia mais

Sumário do livro 1. APRESENTAÇÃO. 1.1. A Fotografi a é Necessária

Sumário do livro 1. APRESENTAÇÃO. 1.1. A Fotografi a é Necessária Sumário do livro 1. APRESENTAÇÃO 1.1. A Fotografi a é Necessária 1.2. Problema Léxico: Câmera ou Câmara Fotográfica? 1.3. Da Prata ao Silício 2. DICAS 2.1. 25 Questões Básicas sobre Fotografi a Digital

Leia mais

A IMAGEM ELETRÔNICA: O VÍDEO Por Filipe Salles

A IMAGEM ELETRÔNICA: O VÍDEO Por Filipe Salles A IMAGEM ELETRÔNICA: O VÍDEO Por Filipe Salles 1. O que é Vídeo Existe uma grande diferença entre a imagem fotográfica convencional, de suporte químico (que é a base tradicional do cinema), e a imagem

Leia mais

São Paulo, SP Brasil Todos os direitos reservados!

São Paulo, SP Brasil Todos os direitos reservados! Sua Câmera fotográfica Digital Mód03Bas_Cs00B01 www.fotomboe.com São Paulo, SP Brasil Todos os direitos reservados! 2014 Vivaldo Armelin Júnior www.fotomboe.com Lembretes A Proposta do curso Chegamos ao

Leia mais

Visão Computacional. Alessandro L. Koerich. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Visão Computacional. Alessandro L. Koerich. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal do Paraná (UFPR) Visão Computacional Alessandro L. Koerich Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal do Paraná (UFPR) Câmeras para Visão Computacional Agenda Tipos de Câmeras Câmeras Lentes

Leia mais

Tecnologias PowerShot G1 X Mark II, PowerShot SX700 HS, IXUS 155 e PowerShot D30

Tecnologias PowerShot G1 X Mark II, PowerShot SX700 HS, IXUS 155 e PowerShot D30 Tecnologias PowerShot G1 X Mark II, PowerShot SX700 HS, IXUS 155 e PowerShot D30 EMBARGO: 12 de fevereiro de 2014, 04:00 (UCT) Este documento explica as novas tecnologias que não se encontram nos modelos

Leia mais

Aprender a fotografar não é difícil quando temos um material de apoio e muita vontade de pesquisar e treinar. Este é somente um ponto de partida!

Aprender a fotografar não é difícil quando temos um material de apoio e muita vontade de pesquisar e treinar. Este é somente um ponto de partida! Introdução e índice Eu sou a Claudia Regina (www.claudiaregina.com) e resolvi criar este pequeno Manual Básico de Fotografia para ajudar quem procura por bom conteúdo para iniciantes, em português. Aprender

Leia mais

DICAS DE FOTOGRAFIAS Material retirado do curso da National Geographic e de diversos materiais disponibilizados na Internet

DICAS DE FOTOGRAFIAS Material retirado do curso da National Geographic e de diversos materiais disponibilizados na Internet DICAS DE FOTOGRAFIAS Material retirado do curso da National Geographic e de diversos materiais disponibilizados na Internet 1 Usar a regra dos 2 3 da imagem. 2 - Lembre-se que o flash tem um alcance limitado,

Leia mais

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté 1 Conteúdo TIPOS DE PLANOS... 3 PLANO GERAL... 3 PLANO MÉDIO... 3 PLANO AMERICANO... 4 PRIMEIRO PLANO OU CLOSE-UP... 4 PRIMEIRÍSSIMO PLANO... 4 MOVIMENTOS DE CÂMERA... 5 PANORÂMICAS - PANS... 5 PANORÂMICA

Leia mais

Acessórios Para os flashes que farão a iluminação principal, temos algumas opções de acessórios que você pode usar:

Acessórios Para os flashes que farão a iluminação principal, temos algumas opções de acessórios que você pode usar: Iluminação e Montagem de Estúdio Na hora de escolher a melhor opção para montar o seu estúdio, surgem as dúvidas. Por onde devo começar? Qual a melhor configuração para o meu estúdio? Que tipo de luz eu

Leia mais

ARTES PLÁSTICAS - LICENCIATURA (NOTURNO)

ARTES PLÁSTICAS - LICENCIATURA (NOTURNO) assinatura do(a) candidato(a) ADMISSÃO PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR 2.ª DCS/2011 ARTES PLÁSTICAS - LICENCIATURA (NOTURNO) LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. Prova Dissertativa 1 Ao receber

Leia mais

Aula 01. Vídeo de bolso: captação

Aula 01. Vídeo de bolso: captação Aula 01 Vídeo de bolso: captação Captação Dispositivos de Captação de Vídeo Atualmente existem muitos dispositivos que tem a capacidade de capturar imagens em movimento, como câmeras digitais de vários

Leia mais

TUTORIAL WINDOWS MOVIE MAKER

TUTORIAL WINDOWS MOVIE MAKER TUTORIAL WINDOWS MOVIE MAKER 1. Abra o Windows Movie Maker clique em Iniciar > Programas > Windows Movie Maker. Esta será a sua área de trabalho no Editor: Capturar Filme: 2. Capturar vídeo: A captura

Leia mais

Câmeras VM 300 IR25, VM 300 IR50. guia de instalação

Câmeras VM 300 IR25, VM 300 IR50. guia de instalação Câmeras VM 300 IR25, VM 300 IR50 guia de instalação Câmeras VM 300 IR25 e VM 300 IR50 Você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança INTELBRAS. As câmeras VM 300 IR25 e VM 300 IR50 apresentam

Leia mais

New Plasma 60/50PZ570B

New Plasma 60/50PZ570B New Plasma 60/50PZ570B Diferenciais LG------------------------------ - Smart TV¹: A evolução da TV. Interface com internet, conteúdos e aplicativos incríveis - Magic Motion Ready²: Compatível com controle

Leia mais

TUTORIAL. Passo a passo de como criar um vídeo usando o Windows Movie Maker.

TUTORIAL. Passo a passo de como criar um vídeo usando o Windows Movie Maker. TUTORIAL Passo a passo de como criar um vídeo usando o Windows Movie Maker. Abra o Windows Movie Maker clicando em Iniciar > Programas > Windows Movie Maker. Essa será a sua área de trabalho no Editor:

Leia mais

Regulamento das oficinas

Regulamento das oficinas Regulamento das oficinas As oficinas oferecidas pelo Cine Festival Inconfidentes Festival Nacional de Cinema e Vídeo de Mariana são gratuitas e abertas à participação da comunidade; Cada pessoa poderá

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CINEMA E AUDIOVISUAL Missão O Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Estácio de Sá tem como missão formar um profissional humanista, com perfil técnico e artístico

Leia mais

Publisher. Publisher. versão 2012.2

Publisher. Publisher. versão 2012.2 versão 2012.2 Publisher Publisher Para diagramar, vamos utilizar o Publisher, do pacote de programas Microsoft Office. As instruções valem para as versões 2003, 2007 e 2010 do pacote. Vamos aprender através

Leia mais

GUIA PRÁTICO NET DIGITAL HD MAX

GUIA PRÁTICO NET DIGITAL HD MAX ÍNDICE Bem-vindo à máxima experiência em TV 1 1. Assistindo à sua NET DIGITAL HD MAX 3 2. Gravando seus programas favoritos 6 2.1. Minha NET 6 2.2. Adicionar uma nova gravação 6 2.3. Agenda de gravações

Leia mais

KX-VC300 Unidade de Videoconferência HD

KX-VC300 Unidade de Videoconferência HD Quebrando todas as barreiras da distância Essa compacta Unidade de videoconferência HD KX-VC300, foi projetada para diminuir a distancia, e agilizar reuniões e atividades em grupos, ajudando a diminuir

Leia mais

ANIMAÇÃO DIGITAL O CURSO

ANIMAÇÃO DIGITAL O CURSO ANIMAÇÃO DIGITAL O CURSO Através dos dois maiores softwares para criação de personagens e edição de filmes aprenda a dar os primeiros passos no universo cinematográfico. Este curso aborda também toda técnica

Leia mais

Publisher. Publisher. versão 2012.2

Publisher. Publisher. versão 2012.2 versão 2012.2 Publisher Publisher Para diagramar, vamos utilizar o Publisher, do pacote de programas Microsoft Office. As instruções valem para as versões 2003, 2007 e 2010 do pacote. Vamos aprender através

Leia mais

Documento técnico. No melhor da iluminação Os desafios da iluminação mínima

Documento técnico. No melhor da iluminação Os desafios da iluminação mínima Documento técnico No melhor da iluminação Os desafios da iluminação mínima Índice 1. Introdução 3 2. O quebra-cabeça da sensibilidade de luz 3 3. Não seja enganado! 5 4. Como fazer a escolha mais inteligente

Leia mais

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico.

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. Introdução Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. A confecção do experimento permitirá também a observação da dispersão

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

Programa Nas Ondas do Rádio EQUIPAMENTOS: CÂMERAS E ACESSÓRIOS. Vídeo

Programa Nas Ondas do Rádio EQUIPAMENTOS: CÂMERAS E ACESSÓRIOS. Vídeo Vídeo Há alguns anos apenas, as câmeras eram equipamentos caros e volumosos. Os equipamentos domésticos de filmagem em película encontraram no padrão Super 8 sua expressão mais popular. Ainda assim, não

Leia mais

Sistema irá modular até 32 câmeras: Você pode conectar de 1 até 32 câmeras.

Sistema irá modular até 32 câmeras: Você pode conectar de 1 até 32 câmeras. MANUAL DO SISTEMA Introdução Apresentação Requisitos mínimos Instalação do programa Acessando o Secullum DVR Tela Principal Indicador de espaço em disco Disposição de telas Status de Gravação Usuário atual

Leia mais

Aula 2 Aquisição de Imagens

Aula 2 Aquisição de Imagens Processamento Digital de Imagens Aula 2 Aquisição de Imagens Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira mvieira@sc.usp.br EESC/USP Fundamentos de Imagens Digitais Ocorre a formação de uma imagem quando

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino-Americana. Termo de Adjudicação do Pregão Eletrônico Nº 00024/2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino-Americana. Termo de Adjudicação do Pregão Eletrônico Nº 00024/2014 Pregão Eletrônico MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino-Americana Termo de Adjudicação do Pregão Eletrônico Nº 00024/2014 Às 15:03 horas do dia 31 de outubro de 2014, após analisado

Leia mais

Roxio Easy CD & DVD Burning

Roxio Easy CD & DVD Burning Roxio Easy CD & DVD Burning Guia de Introdução 2 Começando a usar o Easy CD & DVD Burning Neste guia Bem-vindo ao Roxio Easy CD & DVD Burning 3 Sobre este guia 3 Sobre o conjunto Easy CD & DVD Burning

Leia mais

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2 2- Câmaras Fotogramétricas Generalidades (fotografia) Elementos Fotografia aérea Espectro Eletromagnético 1 Fotogrametria é a arte, ciência, e tecnologia de obtenção

Leia mais

SESC Petrolina 09, 10 e 11 de agosto de 2010. Marcus Ramos UNIVASF

SESC Petrolina 09, 10 e 11 de agosto de 2010. Marcus Ramos UNIVASF SESC Petrolina 09, 10 e 11 de agosto de 2010 Marcus Ramos UNIVASF Engenheiro elétrico (USP/82); Mestre em Sistemas Digitais (USP/91); Professor do curso de Engenharia de Computação da UNIVASF em Juazeiro-BA

Leia mais

MONTAGEM DE SISTEMAS DE IMAGENS TRIDIMENSIONAIS

MONTAGEM DE SISTEMAS DE IMAGENS TRIDIMENSIONAIS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FÍSICA GLEB WATAGHIN PROGRAMA DE FORMAÇÃO INTERDICIPLINAR SUPERIOR - PROFIS RELATORIO FINAL DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MONTAGEM DE SISTEMAS

Leia mais

No manual da webcam, ele descobriu que seu sensor de imagem tem dimensão total útil de 2

No manual da webcam, ele descobriu que seu sensor de imagem tem dimensão total útil de 2 1. (Ufsc 2015) Fotografar é uma arte que se popularizou com os celulares e se intensificou com as redes sociais, pois todos querem postar, publicar os seus registros, suas selfies. Talvez alguns celulares

Leia mais

Modelos de Iluminação

Modelos de Iluminação Universidade Católica de Pelotas Centro Politécnico Modelos de Iluminação por Flávia Santos Computação Gráfica Prof. Dr. Paulo Roberto Gomes Luzzardi Universidade Católica de Pelotas Centro Politécnico

Leia mais

DE JOIAS. Guia de Melhores Práticas FOTOGRAFIA. Domine a Técnica de Fotografia de Anéis em Apenas 4 Passos EDIÇÃO Nº 11 GRÁTIS

DE JOIAS. Guia de Melhores Práticas FOTOGRAFIA. Domine a Técnica de Fotografia de Anéis em Apenas 4 Passos EDIÇÃO Nº 11 GRÁTIS FOTOGRAFIA EDIÇÃO Nº 11 GRÁTIS DE JOIAS SOLUÇÕES PARA IMAGENS DE PRODUTO QUE CONQUISTARAM OS LÍDERES DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Guia de Melhores Práticas Domine a Técnica de Fotografia de Anéis em Apenas 4

Leia mais

Afotografia de casamento é uma. O equipamento certo para

Afotografia de casamento é uma. O equipamento certo para Técnica&Prática Fotografia Social O equipamento certo para clicar casamentos Do cartão de memória à câmera: saiba em quais objetivas investir, o tipo de luz ideal e o que não pode ficar de fora da bolsa

Leia mais

IP Camera Tutorial. CNet Technology Jan 2008

IP Camera Tutorial. CNet Technology Jan 2008 IP Camera Tutorial CNet Technology Jan 2008 O que é Câmera IP? Camera IP é a combinação entre câmera e computador. As câmeras podem ser conectadas diretamente na sua rede. Ela possui internamente software

Leia mais

A câmera As lentes A exposição

A câmera As lentes A exposição A câmera As lentes A exposição 1 Corpo da câmera: a caixa sem as objetivas e os demais acessórios. Objetiva: as lentes intercambiáveis. Diafragma: dispositivo que controla a quantidade de luz que passa

Leia mais

Contando os Pontos Números Binários

Contando os Pontos Números Binários Atividade 1 Contando os Pontos Números Binários Sumário Os dados são armazenados em computadores e transmitidos como uma série de zeros e uns. Como podemos representar palavras e números usando apenas

Leia mais

2.0 A Técnica: A luz e a formação da imagem na TV

2.0 A Técnica: A luz e a formação da imagem na TV 63 Texto extraído de BALAN, W.C. A iluminação em programas de TV: arte e técnica em harmonia. Bauru, 1997. 137f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Poéticas Visuais) Faculdade de Arquitetura, Artes

Leia mais

Primeiras Informações

Primeiras Informações Primeiras Informações Para que um trabalho escolar fique com melhor qualidade é importante registrálo, não apenas para ser apresentado aos pais, mas principalmente como arquivo. Guardar o registro de trabalhos

Leia mais

ANALÓGICA X DIGITAL. Vamos começar essa aula estabelecendo os dois tipos de eletrônica: Eletrônica Analógica. Eletrônica Digital

ANALÓGICA X DIGITAL. Vamos começar essa aula estabelecendo os dois tipos de eletrônica: Eletrônica Analógica. Eletrônica Digital ANALÓGICA X DIGITAL Vamos começar essa aula estabelecendo os dois tipos de eletrônica: Eletrônica Analógica Eletrônica Digital ANALÓGICA X DIGITAL A eletrônica analógica é caracterizada por um sinal que

Leia mais

1. Analisa a seguinte imagem e responde às questões que se seguem:

1. Analisa a seguinte imagem e responde às questões que se seguem: C.F.Q. 8ºA Outubro 1 1. Analisa a seguinte imagem e responde às questões que se seguem: 1.1. Qual é o detetor de luz? O olho. 1.2. Qual é o recetor de luz? A bola. 1.3. De que cor veremos a bola se ela

Leia mais

Introdução à MULTIMÍDIA E REALIDADE VIRTUAL

Introdução à MULTIMÍDIA E REALIDADE VIRTUAL Introdução à MULTIMÍDIA E REALIDADE VIRTUAL Processo de Comunicação Emissor Mensagem Receptor Canal / Meio Processo de Comunicação Interpretação da Mensagem pode sofrer distorção (ruídos) Após interpretação,

Leia mais

Bancada de CFTV - XI 102 -

Bancada de CFTV - XI 102 - T e c n o l o g i a Bancada de CFTV - XI 102 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Bancada de CFTV - XI 102 - INTRODUÇÃO As instalações prediais nos novos

Leia mais

Breve introdução. Attilio Grecchi

Breve introdução. Attilio Grecchi 1 Breve introdução Por ocasião da montagem de uma de minhas exposições fotográficas, fiz a seguinte afirmação: O ato de fotografar é, antes de tudo, um exercício de aprender a ver. É um aprendizado que

Leia mais

REGULAMENTO TOUR DA TAÇA DA COPA DO MUNDO FIFA TROPHY TOUR BRASIL 2014

REGULAMENTO TOUR DA TAÇA DA COPA DO MUNDO FIFA TROPHY TOUR BRASIL 2014 REGULAMENTO TOUR DA TAÇA DA COPA DO MUNDO FIFA TROPHY TOUR BRASIL 2014 Dispõe sobre a regulamentação do Concurso de Redação e a produção de vídeo do Tour da Taça Copa do Mundo da FIFA - Trophy Tour Brasil

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas LIGADORES DE VIDEO: VGA, DVI, S-VIDEO E COMPONENTE VIDEO José Vitor Nogueira Santos FT2-0749 Mealhada, 2009 Introdução

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO Ano lec.2013-2014. Curso Profissional de Técnico de Multimédia. Planificação

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO Ano lec.2013-2014. Curso Profissional de Técnico de Multimédia. Planificação ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO Ano lec.2013-2014 Curso Profissional Técnico Multimédia Planificação Disciplina: Design, Comunicação e Audiovisuais Ano: 11º Conteúdos Objetivos Estratégias/Atividas

Leia mais

I. Conhecendo sua Câmera 1. Conhecendo e instalação

I. Conhecendo sua Câmera 1. Conhecendo e instalação I. Conhecendo sua Câmera 1. Conhecendo e instalação 1 Botão Exibição 2 Botão LED LIG/DESL 3 Botão Modo (DV / DSC) 4 Botão Obturador 5 Botão para cima 6 Botão Ok 7 Porta AV/USB 8 Botão Direito 9 Botão Menu

Leia mais

FÍSICA. e. Impede a saída de água, por ser menor que a

FÍSICA. e. Impede a saída de água, por ser menor que a FÍSICA 01. CA 5 ENEM Nossa pele possui células que reagem à incidência de luz ultravioleta e produzem uma substância chamada melanina, responsável pela pigmentação da pele. Pensando em se bronzear, uma

Leia mais

Mídias Contínuas. Mídias Contínuas

Mídias Contínuas. Mídias Contínuas Mídias Contínuas Processamento da Informação Digital Mídias Contínuas Mídias Contínuas (dinâmicas ou dependentes do tempo) Digitalização de Sinais Áudio Vídeo 1 Digitalização de Sinais Codificadores de

Leia mais