FOTOMETRIA E EXPOSIÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FOTOMETRIA E EXPOSIÇÃO"

Transcrição

1 GRAPHOS LABORATÓRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM JORNALISMO GRÁFICO FOTOMETRIA E EXPOSIÇÃO FOTOGRAFIA BÁSICA: EQUIPAMENTOS

2 Controles básicos da câmera OBTURADOR Tempo de exposição velocidade de disparo AFETA O MOVIMENTO DA CENA DIAFRAGMA Furo por onde a luz penetra na câmera AFETA A PROFUNDIDADE DE CAMPO

3 GRAPHOS LABORATÓRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM JORNALISMO GRÁFICO O OBTURADOR: TEMPO OU VELOCIDADE DE DISPARO

4 Velocidade A Velocidade do disparo também é responsável pela quanvdade de luz que incide no sensor, mas diferentemente da Abertura do diafragma, que está na lente, esta se encontra na câmera e trabalha como se fossem as corvnas de um teatro. É através do tempo de exposição que ela controla a luz que incide no sensor. Portanto, quanto mais rápido for o disparo, ou seja, quanto mais rápido as corvnas se abrem e se fecham, menos luz avnge o sensor e quanto mais lento é o disparo, maior é o tempo em que o sensor fica exposto à luz. Além de controlar a exposição para uma imagem bem iluminada a velocidade é responsável também por outras caracterísvcas preocupantes na fotografia, como os rastros de luz, os tremidos e os congelamentos. Estas caracterísvcas, se bem uvlizadas, podem criar imagens magníficas, prazerosas, impactantes, velozes, arasvcas, etc., como também podem destruir toda a sua imagem. Nada pode ser considerado um erro se não soubermos a intenção da foto e isso somente o autor o sabe e pode explicar. GRAPHOS LABORATÓRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM JORNALISMO GRÁFICO

5 Velocidade Geralmente todas as câmeras possuem sua menor velocidade de disparo em 30s (30 segundos) e além deste tempo é denominado o modo BULB, onde você pode manter pressionado o botão disparador por horas! Há também um limite de velocidade de disparo e este vai depender da câmera. Geralmente este tempo mínimo fica entre 1/4000s e 1/8000s dependendo da câmera. Quando fotografamos com velocidades muito baixas (1/20s ou menos), mesmo estando parados, segurando a câmera com firmeza, é comum a imagem não ficar tão nívda, pois qualquer movimento provoca pequenos tremidos na imagem. Para possibilitar fotografias com velocidades muito baixas é extremamente importante o uso de um bom tripé, pois é ele que fará com que a câmera permaneça realmente imóvel e não provoque tremidos ou rastros na imagem. GRAPHOS LABORATÓRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM JORNALISMO GRÁFICO

6 Velocidade Quando fotografamos com velocidades muito altas (1/500 ou mais) é comum congelarmos a cena, ou seja, um esguicho d água é registrado com as gotas paradas, um pneu de um carro em movimento aparece como se o carro esvvesse parado. Aqui não há chance para rastros ou tremidos, porém, a imagem fica muito estávca e dependendo do propósito da imagem isso pode ser ruim. Há várias técnicas que brincam com este valor em parvcular de modo a provocar efeitos realmente interessantes nas imagens, como o Panning, Light PainVng, Congelamento e o Time Lapse. Todos eles apenas controlando o melhor tempo de exposição para determinado Vpo de cena ou ação a ser fotografada. Outra caracterísvca interessante sobre a Velocidade de disparo é sua sincronização com o Flash da câmera. Hoje em dia esta sincronização está entre 1/200s e 1/250s, embora possa- se uvlizar com um maior tempo de exposição (controlado pela câmera) ou até com tempos menores, como 1/800, 1/1600, mas já são caracterísvcas dos flashes realizarem ou não este sincronismo, bem como dos disparadores remotos se esvverem sendo uvlizados. Mais adiante abordaremos melhor estas possibilidades. GRAPHOS LABORATÓRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM JORNALISMO GRÁFICO

7 GRAPHOS LABORATÓRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM JORNALISMO GRÁFICO REGRA DA EXPOSIÇÃO F/16

8 REGRA DA EXPOSIÇÃO F/16 Esta é uma regra fundamental na fotografia. Se não for a mais importante, em termos gerais, não conheço outra ainda. Mas no que consiste esta regra? A regra do f16 consiste na padronização de que, em um dia ensolarado, ao meio dia, se sua câmera esvver com a abertura fixada em f16 o ISO será igual à velocidade que deve ser usada e vice versa. Exemplo: f16 ISO 100 velocidade 1/100 f16 ISO 400 velocidade 1/400 f16 ISO 1600 velocidade 1/1600 Agora você deve estar se perguntando: Mas era só isso? Esta é a grande regra da fotografia? GRAPHOS LABORATÓRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM JORNALISMO GRÁFICO Sim, é ela mesma. Mas não acaba por aqui.

9 REGRA DA EXPOSIÇÃO F/16 Há somente duas exceções a esta regra, que são: 1 Quando você está fotografando na neve, na praia ou na água, por causa da luz reflevda na superwcie esta regra da abertura f16 se torna a regra de f22, também seguindo os mesmos padrões de ISO = velocidade, por isso se altera a abertura nestas situações. 2 Quando o dia não está ensolarado ela também não se aplicará, visto que a luz que incide nos objetos ou superwcie não será a mesma. Porém, é esta regra que cria a base para uvlização de outras regras, como demonstra a tabela abaixo. Neve, areia e água Dia ensolarado Ligeiramente nublado Nublado Nuvens de chuva Sombra/Pôr do sol f22 f16 f11 f8 f5.6 f4 Nestas situações, se manvdo as respecvvas aberturas, o ISO é recíproco à velocidade. Outra informação importante é que esta regra só se aplica a arquivos em JPG. Porque? GRAPHOS LABORATÓRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM JORNALISMO GRÁFICO

10 REGRA DA EXPOSIÇÃO F/16 Porque a norma 2720:1974 da padronização do ISO é que determina como sua câmera medirá a exposição da luz. Já a tradução desta medição feita pelo medidor em brilho através do sensor de imagem da câmera é padronizada pela norma 1232:2006. Estas padronizações do ISO (InternaVonal Standards for OrganizaVon) devem ser capazes de serem observadas pelos usuários dos equipamentos e como os arquivos RAW (crus) possuem caracterísvcas diferentes na construção da imagem (CR2 na Canon, NEF na Nikon, etc.), é na revelação que se encontra a padronização efevva, ou seja, quando ela vira JPEG. Essas padronizações são importantes ao passo que as diferenciações ocorrem justamente na interpretação dos sinais e na escrita dos mesmos. É no formato JPEG que se encontra a padronização de cores RGB, por exemplo. Outro fator interessante atrelado ao formato JPEG é que a Especificação de Saída Padrão (SOS) determina que o brilho médio de uma imagem de saída deve ser de 18%. (AnVgamente exisva um Cartão Cinza 18%)? E saber, por exemplo, que uma câmera que grava as imagens em formato TIFF possui o brilho médio de saída de 12,7%, ou seja, meio ponto de exposição a menos (foto mais escura). GRAPHOS LABORATÓRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM JORNALISMO GRÁFICO

11 REGRA DA EXPOSIÇÃO F/16 Portanto, se está fotografando em RAW, saiba que podem haver alterações nos resultados de câmera para câmera, mesmo as do mesmo fabricante, pois a captura da imagem através dos arquivos RAW podem ser melhoradas com a tecnologia, desde que, ao serem reveladas as imagens sigam a padronização internacional (ISO) para que possamos ter a certeza visual do que está acontecendo com nossa imagem/arquivo. Com o tempo e muita právca você acabará se acostumando a esses valores e passará a acertar mais rápido, se não de primeira, uma exposição correta em várias situações. E isto se torna necessário ao passo em que nosso equipamento pode estar configurado de várias maneiras, de forma a conseguir medições de luz diferentes dependendo da forma de medição escolhida. Sua câmera também pode confundir as coisas como no exemplo da neve, areia e água, que refletem a luz e faz aumentar a incidência de luz na medição. GRAPHOS LABORATÓRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM JORNALISMO GRÁFICO

12 GRAPHOS LABORATÓRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM JORNALISMO GRÁFICO A EXPOSIÇÃO

13 Exposição É a adequação da luz no registro da imagem. Trabalha- se a exposição uvlizando os 4 elementos básicos da fotografia, que são a Abertura, Velocidade, ISO e Luz. Uma imagem pode ser considerada, em termos de exposição, de três formas: Sub- exposta Menos iluminada que o ideal Superexposta Mais iluminada que o ideal Equilibrada Com iluminação adequada É preciso porém, reforçar aqui de que não são todos os casos em que a subexposição ou a superexposição caracterizará um erro na fotografia, pois pode- se conseguir vários efeitos e intensões em uma imagem trabalhando- se a exposição. Por um movvo didávco nós vamos apenas considerar exposição equilibrada como sendo a adequada. GRAPHOS LABORATÓRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM JORNALISMO GRÁFICO

14 Exposição Além da cena em si na imagem é preciso observar o movvo ou outros elementos que estejam incluídos na mesma para se pensar na exposição. Por exemplo, se o fundo (uma parede branca) está superexposto e a pessoa que está sendo fotografada ainda esvver mais escura, é preciso aumentar a exposição, pois o movvo principal não seria a parede mas sim a pessoa e a exposição deve estar corretamente balanceada de acordo com o movvo principal da cena. Se a cena pode ser trabalhada em termos de luz já é outra história, mas à princípio o mais importante é o movvo principal da foto. GRAPHOS LABORATÓRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM JORNALISMO GRÁFICO

15 E como controlamos a Exposição? Veremos agora o Triângulo da Exposição. Este triângulo é formado pela Abertura, Velocidade e o ISO. São eles os ajustes responsáveis por balancear a luz que o sensor receberá. Fotografando em uma área aberta, objetos brancos ou bem claros e reluzentes, com o sol bem forte, teremos muita luz, portanto, podemos usar um ISO baixo (ISO 100, por exemplo), uma abertura menor como f9, f11 e uma velocidade maior como 1/500. Se fôssemos fotografar à noite teríamos que aumentar o ISO (ISO 1600), uma velocidade menor como 1/80 e uma abertura maior como f3.5, f2.8, etc. Tudo para fazer com que a exposição fique adequada de acordo com a luz que há na cena. GRAPHOS LABORATÓRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM JORNALISMO GRÁFICO

16 E como controlamos a Exposição? Para facilitar este balanceamento temos algumas dicas: Primeiro escolha o ISO a ser trabalhado com a cena em questão. Depois você pode escolher um dos modos de prioridade na câmera: TV ou S (respecvvamente Canon = Time Value / Nikon = Speed) que terá como prioridade a Velocidade do disparo, ou seja, você escolhe a velocidade e a câmera determina qual a abertura adequada para uma correta exposição. Ou ao contrário, você pode usar o modo AV ou A (respecvvamente Canon = Aperture Value / Nikon = Aperture), onde você controlará a abertura e a câmera determinará a velocidade adequada para uma correta exposição. Para ter total controle sobre todos os valores é preciso colocar no modo M de Manual. Aqui você controla a Velocidade e a Abertura individualmente, seguindo o mostrador da câmera que indicará se a cena se encontra sub- exposta, superexposta ou equilibrada. GRAPHOS LABORATÓRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM JORNALISMO GRÁFICO

17 E como controlamos a Exposição? Mas você só usará estes dois controles apenas quando o ISO já esvver determinado, pois você pode pré- determinar a Velocidade e a Abertura para uma determinada cena e ajustar o ISO para que a imagem fique equilibrada. Não se costuma fazer isso pelo fato de querermos sempre a melhor imagem possível, então, mesmo que você tenha que alterar o ISO, convnue nos modos M, TV ou S e AV ou A, assim terá certeza de que as fotos sairão com a mesma qualidade em relação ao ISO. Sendo assim, se você deseja fotografar algo com a velocidade baixa, deverá diminuir o ISO e/ou a Abertura. Se deseja congelar uma imagem terá que aumentar a Velocidade e, por consequência, aumentar a Abertura e/ou o ISO para equilibrar. Faça os testes e fotografe em vários locais. Na sombra, debaixo do sol, dentro de casa, à noite, etc. Terá várias situações para treinar estes ajustes. VER: hp://www.canonoutsideofauto.ca/ GRAPHOS LABORATÓRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM JORNALISMO GRÁFICO

18 GRAPHOS LABORATÓRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM JORNALISMO GRÁFICO PRIORIZANDO A VELOCIDADE DO OBTURADOR

19

20

21

22

23

24 PRIORIZANDO A ABERTURA

25

26

27

28

29

30

31

32

33

O OBTURADOR 1. FUNCIONAMENTO:

O OBTURADOR 1. FUNCIONAMENTO: Esse anexo é um complemento do material didático exclusivo do Curso de Fotografia Digital - A fotografia sob uma nova óptica e função, com Célio Ricardo, constituindo uma parte que completa o total de

Leia mais

Guia para fotografar com pouca luz. Versão 1. Texto e fotografias de Christian Camilo. 2 Christian Camilo Camiloart.com 2015

Guia para fotografar com pouca luz. Versão 1. Texto e fotografias de Christian Camilo. 2 Christian Camilo Camiloart.com 2015 1 Christian Camilo Camiloart.com 2015 1 2 Guia para fotografar com pouca luz Versão 1 Texto e fotografias de Christian Camilo T 2 Christian Camilo Camiloart.com 2015 3 Índice FOTOGRAFANDO EM AMBIENTES

Leia mais

8 c o i s a s FOTOGRAFAR. Ana Flor www.anaflor.fot.br

8 c o i s a s FOTOGRAFAR. Ana Flor www.anaflor.fot.br 8 c o i s a s que vocêê precisa saber para FOTOGRAFAR Ana Flor www.anaflor.fot.br Introdução Esta apostila não pretende ser um manual de como ser um ótimo fotógrafo ou como usar sua câmera. Aqui você encontrará

Leia mais

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos VERSÃO FOTOGRAFIA 10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos Existem várias formas de alterar o resultado final de uma foto, seja através do ISO, da velocidade do obturador, da abertura

Leia mais

Distância focal DISTÂNCIA FOCAL

Distância focal DISTÂNCIA FOCAL Distância focal DISTÂNCIA FOCAL: Unidade de medida relativa à distância existente entre o centro óptico de uma lente e o plano de foco. A distância focal determina a relação de grandeza de um motivo e

Leia mais

Aprender a fotografar não é difícil quando temos um material de apoio e muita vontade de pesquisar e treinar. Este é somente um ponto de partida!

Aprender a fotografar não é difícil quando temos um material de apoio e muita vontade de pesquisar e treinar. Este é somente um ponto de partida! Introdução e índice Eu sou a Claudia Regina (www.claudiaregina.com) e resolvi criar este pequeno Manual Básico de Fotografia para ajudar quem procura por bom conteúdo para iniciantes, em português. Aprender

Leia mais

>>> Nos anos 60 foi estabelecida a escala EV, que foi adotada primeiramente pelos fotômetros e depois pelas câmeras com fotômetro incorporado.

>>> Nos anos 60 foi estabelecida a escala EV, que foi adotada primeiramente pelos fotômetros e depois pelas câmeras com fotômetro incorporado. Valor de exposição Em fotografia, rotulou-se valor de exposição, ou EV, o resultado das combinações possíveis entre o par conjugado velocidade de obturação e abertura de diafragma que levam a uma mesma

Leia mais

Primeiras Informações

Primeiras Informações Primeiras Informações Para que um trabalho escolar fique com melhor qualidade é importante registrálo, não apenas para ser apresentado aos pais, mas principalmente como arquivo. Guardar o registro de trabalhos

Leia mais

A câmera fotográfica. 1) Definição 2) Tipos de câmeras 3) Estrutura e funcionamento

A câmera fotográfica. 1) Definição 2) Tipos de câmeras 3) Estrutura e funcionamento A câmera fotográfica 1) Definição 2) Tipos de câmeras 3) Estrutura e funcionamento Definição Câmera fotográfica é uma câmara escura projetada segundo características específicas (quanto a ótica, mecânica

Leia mais

Iniciação à Fotografia Prof. Gust avo L. Pozza

Iniciação à Fotografia Prof. Gust avo L. Pozza Iniciação à Fotografia Prof. Gust avo L. Pozza Câm ara Escura Tipos de Câmeras A Câmera Básica Componentes comuns em todas as câmeras Visor Objetiva Plano do filme Diafragma Obturador Mecanismos de foco

Leia mais

LUZ. Esses três elementos combinados permitem que o fotógrafo escolha como a imagem será feita.

LUZ. Esses três elementos combinados permitem que o fotógrafo escolha como a imagem será feita. FOTOGRAFIA LUZ A luz é o elemento primordial de uma imagem. Para ter controle na entrada de luz na câmera, o fotógrafo controla o ISO, a velocidade da cortina e o diafragma da lente. Esses três elementos

Leia mais

A câmera As lentes A exposição

A câmera As lentes A exposição A câmera As lentes A exposição 1 Corpo da câmera: a caixa sem as objetivas e os demais acessórios. Objetiva: as lentes intercambiáveis. Diafragma: dispositivo que controla a quantidade de luz que passa

Leia mais

Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico)

Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico) CÂMERA FOTOGRÁFICA Foto analógica Foto digital Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico) O DIAFRAGMA OBJETO DIAFRAGMA EM IRIS OBJETO IRIS RETINA ABERTURA PUPILA LENTE CRISTANILO

Leia mais

SESC Petrolina 09, 10 e 11 de agosto de 2010. Marcus Ramos UNIVASF

SESC Petrolina 09, 10 e 11 de agosto de 2010. Marcus Ramos UNIVASF SESC Petrolina 09, 10 e 11 de agosto de 2010 Marcus Ramos UNIVASF Engenheiro elétrico (USP/82); Mestre em Sistemas Digitais (USP/91); Professor do curso de Engenharia de Computação da UNIVASF em Juazeiro-BA

Leia mais

aprenda a fotografar em 7 lições CLAUDIA REGINA dicasdefotografia.com.br

aprenda a fotografar em 7 lições CLAUDIA REGINA dicasdefotografia.com.br aprenda a fotografar em 7 lições CLAUDIA REGINA dicasdefotografia.com.br Prefácio à publicação de 2013 Publiquei este manual pela primeira vez em março de 2009, quando o blog Dicas de Fotografia estava

Leia mais

stacking focus a técnica de empilhamento de foco Nesta matéria, dividida em duas edições da revista Photos

stacking focus a técnica de empilhamento de foco Nesta matéria, dividida em duas edições da revista Photos stacking focus a técnica de empilhamento de foco Um outro modo de ver o mundo através da macrofotografia texto e fotos Tacio Philip Nesta matéria, dividida em duas edições da revista Photos & Imagens,

Leia mais

Fotografia digital. Aspectos técnicos

Fotografia digital. Aspectos técnicos Fotografia digital Aspectos técnicos Captura CCD (Charge Coupled Device) CMOS (Complementary Metal OxideSemiconductor) Conversão de luz em cargas elétricas Equilíbrio entre abertura do diafragma e velocidade

Leia mais

Acostumado a buscar sempre

Acostumado a buscar sempre Técnica&Prática Casamento Iluminação criativa em fotos de casamento Luz de vídeo, de lanterna, natural ou flash. Saiba como é possível usar de tudo um pouco para fazer fotos sociais Vinícius Matos Por

Leia mais

Fotografia: conceitos e técnicas

Fotografia: conceitos e técnicas ca leo Carlos Leonardo S Mendes wwwcaleocombr caleo Carlos Leonardo dos S Mendes Fotografia: conceitos e técnicas Exposição Setembro de 2008 Versão 10 Nota: os textos ou fotos contidos neste material não

Leia mais

Vivaldo Armelin Júnior

Vivaldo Armelin Júnior Foto & Viagem I FotoMBoé 2014 Vivaldo Armelin Júnior Foto & Viagem I FotoMBoé 3 Em viagens mais longas é recomendado levar um notebook para transferir as fotos armazenadas no cartão de memória. Um bom

Leia mais

Sumário do livro 1. APRESENTAÇÃO. 1.1. A Fotografi a é Necessária

Sumário do livro 1. APRESENTAÇÃO. 1.1. A Fotografi a é Necessária Sumário do livro 1. APRESENTAÇÃO 1.1. A Fotografi a é Necessária 1.2. Problema Léxico: Câmera ou Câmara Fotográfica? 1.3. Da Prata ao Silício 2. DICAS 2.1. 25 Questões Básicas sobre Fotografi a Digital

Leia mais

Técnica de Iluminação por Fernando Bagnola www.fotografia-dg.com

Técnica de Iluminação por Fernando Bagnola www.fotografia-dg.com FOTOS NOTURNAS COM FLASH PORTÁTIL SINCRONIZADO COM A LUZ DISPONÍVEL (com explicação do tratamento da imagem) A imagem a seguir é o resultado final que eu queria! Parte 1: A Técnica Fotográfica A Construção

Leia mais

10 Grandes Dicas de Fotografia

10 Grandes Dicas de Fotografia É fácil imprimir suas fotos. KODAK EASYSHARE Gallery*: A maneira mais fácil de imprimir suas fotos. Basta transferir suas fotos para o site www.kodakgallery.com, fazer seu pedido e, em poucos dias, suas

Leia mais

Os Elementos da máquina Fotográfica

Os Elementos da máquina Fotográfica Os Elementos da máquina Fotográfica Os Elementos da máquina Fotográfica 1. Obturador de velocidade 2. Diafragma 3. Objetiva 4. Visor 5. Sapata 6. Botão disparador 7. Sensor 8. LCD Os Elementos da máquina

Leia mais

Sumário. 1. Imagens de alta resolução com a D800E... 30 2. Abertura e assuntos complexos... 32 3. Graduação Gráfica de cor e ondulado...

Sumário. 1. Imagens de alta resolução com a D800E... 30 2. Abertura e assuntos complexos... 32 3. Graduação Gráfica de cor e ondulado... Guia Técnico Apresentação Este Guia Técnico detalha as principais técnicas usadas para criar duas das fotografias tecnicamente mais avançadas da brochura D800/D800E. Aproveite esta oportunidade para admirar

Leia mais

Fotografia Digital 1

Fotografia Digital 1 Fotografia Digital 1 Apresentação Constituída em 2007 é referência nacional no ensino da fotografia de paisagem natural 2 Uma das entidades que mais workshops lecciona anualmente em Portugal Cursos de

Leia mais

Foco e profundidade de campo

Foco e profundidade de campo Foco e profundidade de campo Foco Quando tiramos uma foto queremos que nosso destaque, no geral, esteja nítido e visível. O foco pode ser manual ou automático. Manualmente você gira o anel da sua lente.

Leia mais

Conceito Técnico de Fotografia

Conceito Técnico de Fotografia Fotografia Digital Conceito Técnico de Fotografia Fotografar é, por princípio, registrar a luz refletida pelo assunto (entende-se por assunto o que está sendo fotografado). Na câmara digital, como na convencional,

Leia mais

Foto de Henri Cartier-Bresson, Place de l Europe, 1932.

Foto de Henri Cartier-Bresson, Place de l Europe, 1932. Guia Fotográfico 1 Este guia fornece a base do conhecimento técnico necessário para o aproveitamento deste curso básico de fotografia. A necessária expansão do conhecimento enunciado nestas páginas passa

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica 3. Uso de diagonais 4. Regra dos terços 5. O Ponto Dourado Composição fotográfica 15 dicas para ter imagens com harmonia e proporção. Este tutorial vai ajudá-lo a usar melhor uma câmera fotográfica, compacta

Leia mais

CÂMERAS. fotográficas

CÂMERAS. fotográficas CÂMERAS fotográficas Quanto ao suporte: Digital Analógico Como classificar e diferenciar os tipos de Câmeras? Quanto a automação: Automáticas Semi-automáticas Auto e manual Quanto ao visor: Visor direto

Leia mais

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão 1 Diferenças entre o CCD e o Filme: O filme como já vimos, é uma película de poliéster, coberta em um dos lados por uma gelatina de origem animal com partículas

Leia mais

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 01

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 01 Oficina de fotografia e tratamento de imagem Facilitadora: Camila Silva Aula: 01 Histórico da Fotografia A fotografia surgiu do desejo do homem retratar o mundo a sua volta. Desde os primórdios, com a

Leia mais

São Paulo, SP Brasil Todos os direitos reservados!

São Paulo, SP Brasil Todos os direitos reservados! Sua Câmera fotográfica Digital Mód03Bas_Cs00B01 www.fotomboe.com São Paulo, SP Brasil Todos os direitos reservados! 2014 Vivaldo Armelin Júnior www.fotomboe.com Lembretes A Proposta do curso Chegamos ao

Leia mais

Sumário CAPÍTULO UM 1. Usando o flash como profissional, parte 2. Começando exatamente de onde o último livro parou CAPÍTULO DOIS 33

Sumário CAPÍTULO UM 1. Usando o flash como profissional, parte 2. Começando exatamente de onde o último livro parou CAPÍTULO DOIS 33 CAPÍTULO UM 1 Usando o flash como profissional, parte 2 Começando exatamente de onde o último livro parou Nove coisas que você gostaria de ter aprendido... 2...antes de ler este livro! 3 Foram apenas seis.

Leia mais

FOTOGRAFIA NA MONTANHA - Dicas

FOTOGRAFIA NA MONTANHA - Dicas FOTOGRAFIA NA MONTANHA - Dicas Tirar fotos não é apenas uma ação de apontar a máquina e apertar o botão (a menos que essa seja sua intenção artística). É necessário saber o que vai retratar e como vai

Leia mais

Documento técnico. No melhor da iluminação Os desafios da iluminação mínima

Documento técnico. No melhor da iluminação Os desafios da iluminação mínima Documento técnico No melhor da iluminação Os desafios da iluminação mínima Índice 1. Introdução 3 2. O quebra-cabeça da sensibilidade de luz 3 3. Não seja enganado! 5 4. Como fazer a escolha mais inteligente

Leia mais

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1 DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1 Mauricio Baggio ÍRIS / DIAFRAGMA Dispositivo que permite o controle da quantidade de luz que atinge o filme ou o sensor no interior da câmera. Este controle é realizado definindo-se

Leia mais

Tutorial de fotonovela

Tutorial de fotonovela Tutorial de fotonovela Registrar um experimento em fotonovela é um pouco diferente de fazer um relato fotográfico do trabalho. Elaboramos, aqui, algumas dicas técnicas para preparar, fotografar e montar

Leia mais

Iluminação com flashes portáteis para fotografia

Iluminação com flashes portáteis para fotografia WORKSHOP PEQUENOS FLASHES Iluminação com flashes portáteis para fotografia Objetivo: Aprender a utilizar as várias possibilidades de se trabalhar com flashes portáteis de maneira criativa e inteligente,

Leia mais

Técnicas de fotografia e tratamento de imagem FTZOO (BIOB40) Lucas Menezes Silva

Técnicas de fotografia e tratamento de imagem FTZOO (BIOB40) Lucas Menezes Silva Técnicas de fotografia e tratamento de imagem FTZOO (BIOB40) Lucas Menezes Silva Técnicas de fotografia Objetivos Conhecer a fotografia Reconhecer tipos de câmeras Aprender técnicas Conhecer assessórios

Leia mais

Tutorial de animação quadro a quadro

Tutorial de animação quadro a quadro Tutorial de animação quadro a quadro quadro a quadro é uma técnica que consiste em utilizar imagens ou fotografias diferentes de um mesmo objeto para simular o seu movimento. Nesse caso, trata-se de relatar

Leia mais

SD21 Manual de Consulta Rápida VÍDEO:

SD21 Manual de Consulta Rápida VÍDEO: SD21 Manual de Consulta Rápida Vídeo Fotografia Configurações Gerais VÍDEO: Exe No modo vídeo é possível escolher entre gravar vídeo ou apenas gravar áudio, audio only. O arquivo de vídeo tem a extensão.mov

Leia mais

Introdução à Fotografia Digital

Introdução à Fotografia Digital Introdução à Fotografia Digital Aula 1 Fundamentos, Câmeras, Obje3vas Disponível em www.ecoclics.com/wp- content/pdf/aula_ifd_1.pdf Roteiro da Aula Apresentações Programação do curso Câmeras Objetivas

Leia mais

CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL

CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL formação em imagem www.100iso.pt Módulos 1. Câmaras e Imagens Digitais. 2. Controlar a Exposição. 3. Controlar a Nitidez. 4. Captar Luz e Cor. 5. Compreender as Objectivas.

Leia mais

Escolha da Objectiva. Quais as principais características das objectivas que servem de base para a escolha das suas lentes?

Escolha da Objectiva. Quais as principais características das objectivas que servem de base para a escolha das suas lentes? Escolha da Objectiva Quais as principais características das objectivas que servem de base para a escolha das suas lentes? As lentes, também conhecidas como objectivas, são a parte mais importante do seu

Leia mais

Índice. Temos o Apoio:

Índice. Temos o Apoio: Página 2 de 18 Índice Historinha... 2 Definição... 4 Criação da Imagem... 4 Cores/Tons... 6 Dynamic Range... 7 Ruído (Noise)... 9 Recuperação... 10 Perda de Qualidade... 12 Balanço de Brancos (White Balance)...

Leia mais

Curso Básico de Edição de Vídeo - Windows Movie Maker. Windows Movie Maker

Curso Básico de Edição de Vídeo - Windows Movie Maker. Windows Movie Maker Windows Movie Maker 1.0. Introdução ao Windows Movie Maker O Windows Movie Maker é um programa desenvolvido pela Microsoft para a edição básica de vídeos digitais e está disponível nas versões do Windows

Leia mais

Shutter: É o tempo de exposição da foto. Pode ser fixo ou automático.

Shutter: É o tempo de exposição da foto. Pode ser fixo ou automático. TREINAMENTO ITSCAM Ajustes de imagens Shutter: É o tempo de exposição da foto. Pode ser fixo ou automático. Ganho: Amplificador analógico conectado ao sensor de imagem. Pode ser fixo ou automático. Auto

Leia mais

CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL COMPLETO

CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL COMPLETO CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL COMPLETO Módulos 1. Câmaras e Imagens Digitais. 2. Controlar a Exposição. 3. Controlar a Nitidez. 4. Captar Luz e Cor. 5. Compreender as Objectivas. 6. Fotografia com o Flash

Leia mais

DISPLAY Os indicadores mostrados no display variam de acordo com o modo de operação corrente. Abaixo são apresentadas descrições para os modos FOTO, VÍDEO e PLAY. Para mais informações, consultar a seção

Leia mais

Dia 21 (sábado de manhã, das 10 às 13h00) Saida para exterior Aula práctica de Fotografia num local a escolher)

Dia 21 (sábado de manhã, das 10 às 13h00) Saida para exterior Aula práctica de Fotografia num local a escolher) Local: Évora Hotel Av. Tulio Espanca, Apartado 93 Évora Tel: 266 403 315 Inscrições e Informações: Contactar Pedro Vilhena Site: Pedro Vilhena Fotografia Tm: 96 807 61 81 email: pedrovilhena.fotografo@gmail.com

Leia mais

Glossário de Fotopublicidade

Glossário de Fotopublicidade Glossário de Fotopublicidade Câmera analógica: câmera que captura as imagens em filme/película. Câmera digital: câmera que salva imagens como arquivos digitais em algum tipo de disco de memória em vez

Leia mais

Como obter Ajuda e Suporte

Como obter Ajuda e Suporte Como obter Ajuda e Suporte Durante a utilização dos Sistemas comercializados pela Domínio Sistemas, você e sua equipe poderão ter dúvidas sobre algum processo ou alguma tela em específico. Estas dúvidas

Leia mais

Astrofotografia com camera fixa

Astrofotografia com camera fixa Astrofotografia com camera fixa José Carlos Diniz - dinizfam@uninet.com.br Ao escrever sobre este tema pretendemos estimular o uso da astrofotografia, desmistificando e apresentando de forma simples e

Leia mais

Fotografia Digital Básica

Fotografia Digital Básica Escola de Belas Artes EBA UFMG Cursos de Extensão Alexandre Cruz Leão www.fotodearte.com.br/cursos/fotodigital e-mail: alexandre@fotodearte.com.br Maio 2014 Lançamento de câmeras digitais / ano 178 172

Leia mais

Iluminação e equipamentos fotográficos

Iluminação e equipamentos fotográficos Iluminação e equipamentos fotográficos Iluminação: A luz natural é proporcionada pelo sol, que pode incidir diretamente ou indiretamente sobre o assunto. O aspecto da luz solar pode variar de acordo o

Leia mais

Thales Trigo. Formatos de arquivos digitais

Thales Trigo. Formatos de arquivos digitais Esse artigo sobre Formatos de Arquivos Digitais é parte da Tese de Doutoramento do autor apresentada para a obtenção do titulo de Doutor em Engenharia Elétrica pela Escola Politécnica da USP. Thales Trigo

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Criação de Formulários no Google Drive Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Criação de Formulários no Google Drive Introdução...

Leia mais

Estes filtros devem estar na lista de prioridade de suas compras pois eles protegem sua lente contra poeira, umidade e arranhões.

Estes filtros devem estar na lista de prioridade de suas compras pois eles protegem sua lente contra poeira, umidade e arranhões. Venda Locação! """ Os filtro podem ser divididos em famílias e sub famílias: Proteção Correção Filmes Coloridos Filmes P & B Efeito: Difusores Contraste Efeitos ópticos Polarizador Cor Cor/Graduados PROTEÇÃO:

Leia mais

DICAS DE FOTOGRAFIAS Material retirado do curso da National Geographic e de diversos materiais disponibilizados na Internet

DICAS DE FOTOGRAFIAS Material retirado do curso da National Geographic e de diversos materiais disponibilizados na Internet DICAS DE FOTOGRAFIAS Material retirado do curso da National Geographic e de diversos materiais disponibilizados na Internet 1 Usar a regra dos 2 3 da imagem. 2 - Lembre-se que o flash tem um alcance limitado,

Leia mais

O QUE É A AURORA BOREAL

O QUE É A AURORA BOREAL E-mail: rudyfav@gmail.com Facebook: Rudy Fávero Instagram: @rudyfavero O QUE É A AURORA BOREAL As luzes se originam no sol, mas precisamente pelo contato de partículas emitidas pelo sol com a atmosfera.

Leia mais

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo Produzindo e divulgando fotos e vídeos Aula 1 Criando um vídeo Objetivos 1 Conhecer um pouco da história dos filmes. 2 Identificar a importância de um planejamento. 3 Entender como criar um roteiro. 4

Leia mais

NEX-3/NEX-5/NEX-5C A-DRG-100-52(1) 2010 Sony Corporation

NEX-3/NEX-5/NEX-5C A-DRG-100-52(1) 2010 Sony Corporation NEX-3/NEX-5/NEX-5C As funções 3D disponibilizadas por esta actualização de firmware são descritas neste folheto. Por favor consulte o Manual de instruções e o Manual da α que estão incluídos no CD-ROM

Leia mais

Guia de consulta rápida

Guia de consulta rápida Guia de consulta rápida DigiFlash Smart Trigger 1 2 3 4 5 17 Smart Trigger 6 7 8 9 16 15 14 13 12 11 10 O DigiFlash Smart Trigger é um dispositivo para disparar flashes a partir de um evento externo. Pode

Leia mais

Tecnologias IXUS 210. Ecrã Táctil LCD PureColor II

Tecnologias IXUS 210. Ecrã Táctil LCD PureColor II Tecnologias IXUS 210 Interface Táctil Avançada A IXUS 210 inclui o ecrã táctil IXUS com a interface de utilizador mais avançada até hoje, proporcionando acesso ao menu principal da câmara, bem como ícones

Leia mais

Windowns Live Movie Maker

Windowns Live Movie Maker Windowns Live Movie Maker PROGRAMA CONECTIVIDADE AMBIENTE VIRTUAL PARA APRENDIZAGEM COLABORATIVA CURSO DE TECNOLOGIAS EM EDUCAÇÃO Diretoria de Educação Assessoria de Tecnologias Educacionais Gerência de

Leia mais

Breve introdução. Attilio Grecchi

Breve introdução. Attilio Grecchi 1 Breve introdução Por ocasião da montagem de uma de minhas exposições fotográficas, fiz a seguinte afirmação: O ato de fotografar é, antes de tudo, um exercício de aprender a ver. É um aprendizado que

Leia mais

FOTOGRAFIA O MUNDO FOTOGRAFICO Hoje, as fotografias fazem parte do nosso mundo de uma maneira impressionante. Seja em computadores, smartphones, tablets, câmeras digitais, não importa, aonde olharmos

Leia mais

Dicas de uso - Render Up

Dicas de uso - Render Up Dicas de uso - Render Up (versão 3.6.7 ou superior) Desenvolvido por: Promob Software Solutions Rua dos Cinamomos - 517 - Cinquentenário CEP 95012-140 - Caxias do Sul - RS Brasil Fone/Fax: 54 3209 9200

Leia mais

A TRILHA para o Sucesso Com Allan Elly

A TRILHA para o Sucesso Com Allan Elly A TRILHA para o Sucesso Com Allan Elly 1988 2007 2008 o início dos problemas... 2009 Marketing Principais Ferramentas de Marketing (em ordem de importância) - Parcerias (cerimonialistas, casas de

Leia mais

Índice. Temos o Apoio:

Índice. Temos o Apoio: Página 2 de 25 Índice Introdução... 3 O Fotômetro da Câmera... 4 O Fotômetro de Mão... 7 O Histograma... 8 Latitude de Exposição... 11 Flash TTL... 15 Flash como luz de preenchimento... 18 Flash como luz

Leia mais

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté 1 Conteúdo TIPOS DE PLANOS... 3 PLANO GERAL... 3 PLANO MÉDIO... 3 PLANO AMERICANO... 4 PRIMEIRO PLANO OU CLOSE-UP... 4 PRIMEIRÍSSIMO PLANO... 4 MOVIMENTOS DE CÂMERA... 5 PANORÂMICAS - PANS... 5 PANORÂMICA

Leia mais

esags.edu.br Santo André > Av. Industrial, 1455 - Bairro Jardim (11) 4433-6161 Santos > Av. Conselheiro Nébias, 159 (13) 2127-0003

esags.edu.br Santo André > Av. Industrial, 1455 - Bairro Jardim (11) 4433-6161 Santos > Av. Conselheiro Nébias, 159 (13) 2127-0003 FOTOGRAFIA PARA INICIANTES APRESENTAÇÃO: A fotografia atinge vários segmentos da vida e do cotidiano humano, pois é o instrumento que permite registrar um momento, o eternizando. A imagem fotográfica contribui

Leia mais

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 02

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 02 Oficina de fotografia e tratamento de imagem Facilitadora: Camila Silva Aula: 02 Funções automatizadas A câmera fotográfica é hoje um objeto comum utilizado tanto por hobby quanto para trabalho. Isto faz

Leia mais

Atividade Prática: Fotografar Locais Históricos GUIA DO FACILITADOR

Atividade Prática: Fotografar Locais Históricos GUIA DO FACILITADOR GUIA DO FACILITADOR 1. Apresentar a atividade: Ao fotografar locais históricos é importante tirar fotos de alta qualidade, que mostrem com clareza os detalhes do local histórico. Ana tirou várias fotografias

Leia mais

NEX-3/NEX-5/NEX-5C A-DTQ-100-51(1) 2010 Sony Corporation

NEX-3/NEX-5/NEX-5C A-DTQ-100-51(1) 2010 Sony Corporation NEX-3/NEX-5/NEX-5C As novas funções disponibilizadas por esta actualização de firmware e respectivas operações são descritas aqui. Por favor consulte o Manual de instruções e o Manual da α o qual está

Leia mais

UM REGISTRO FOTOGRÁFICO DAS ETAPAS DO PROCESSO CRIATIVO: A ARTE FINAL 1

UM REGISTRO FOTOGRÁFICO DAS ETAPAS DO PROCESSO CRIATIVO: A ARTE FINAL 1 UM REGISTRO FOTOGRÁFICO DAS ETAPAS DO PROCESSO CRIATIVO: A ARTE FINAL 1 Luiz Henrique Oliveira Silva Carlos de PAIVA 2 Lamounier Lucas PEREIRA JÚNIOR 3 Centro Universitário Newton Paiva, Belo Horizonte,

Leia mais

Manual de uso PSIM Client 2010

Manual de uso PSIM Client 2010 MANUAL DE USO PSIM CLIENT VERSÃO 2010 ÍNDICE Manual de uso PSIM Client 2010 INSTALAÇÃO...2 INSTALAÇÃO LOCAL...2 INICIANDO O SISTEMA...13 UTILIZANDO O ÍCONE DA ÁREA DE TRABALHO...13 UTILIZANDO O MENU INICIAR...16

Leia mais

Dicas & Sugestões www.fotomboe.com. São Paulo - SP Brasil 2014

Dicas & Sugestões www.fotomboe.com. São Paulo - SP Brasil 2014 Módulo I Dicas & Sugestões www.fotomboe.com Este é o primeiro módulo do curso Dicas & Sugestões, do Site FotoMBoé, para não perder tempo comecemos com o curso para que seja possível você aprimorar suas

Leia mais

Sistema irá modular até 32 câmeras: Você pode conectar de 1 até 32 câmeras.

Sistema irá modular até 32 câmeras: Você pode conectar de 1 até 32 câmeras. MANUAL DO SISTEMA Introdução Apresentação Requisitos mínimos Instalação do programa Acessando o Secullum DVR Tela Principal Indicador de espaço em disco Disposição de telas Status de Gravação Usuário atual

Leia mais

MANUAL DE FOTOGRAFIA

MANUAL DE FOTOGRAFIA MANUAL DE FOTOGRAFIA 1. A máquina fotográfica. Breve história As primeiras fotografias tiradas, datam de 1826, mas só em 1870, é que foi possível obter um sistema que permitisse a comercialização de chapas

Leia mais

Passo 3: Posicionando a Câmera na Prova Didática Teórica ou na Prova de Defesa da Produção Intelectual

Passo 3: Posicionando a Câmera na Prova Didática Teórica ou na Prova de Defesa da Produção Intelectual Este manual descreve um procedimento para o registro de Concursos Públicos por meio de áudio e vídeo utilizando-se recursos tecnológicos básicos i. A gravação segue o disposto na Resolução 020/09 da UFSM

Leia mais

Dúvidas Frequentes FOTOGRAFIA

Dúvidas Frequentes FOTOGRAFIA Dúvidas Frequentes FOTOGRAFIA 01) Como devo escolher um fotógrafo? Lembrando que é um momento único e especial e que esse momento se eternizara por muitos anos e deve gerar lembranças agradáveis com belas

Leia mais

Tecnologias EOS 550D. Sensor CMOS Canon

Tecnologias EOS 550D. Sensor CMOS Canon Tecnologias EOS 550D Sensor CMOS Canon Desenhada pela Canon para se conjugar com os processadores DIGIC, a tecnologia CMOS integra circuitos avançados de redução de ruído em cada pixel proporcionando imagens

Leia mais

energia que vai longe

energia que vai longe Como melhorar seus Clicks energia que vai longe CLICK 2014 Introdução A fotografia é uma das principais ferramentas de comunicação da atualidade. Com o avanço tecnológico das câmeras fotográficas e celulares,

Leia mais

Manipulação Digital de Imagens Recursos Básicos de Tratamento

Manipulação Digital de Imagens Recursos Básicos de Tratamento Manipulação Digital de Imagens Recursos Básicos de Tratamento 1 Antes de mais nada, é extremamente necessário lembrar que para tratar uma imagem é necessário que o monitor de seu computador esteja calibrado

Leia mais

FOTOGRAFIA. Apostila das Oficinas do Projeto Olha a Gente Aqui

FOTOGRAFIA. Apostila das Oficinas do Projeto Olha a Gente Aqui FOTOGRAFIA Apostila das Oficinas do Projeto Olha a Gente Aqui 1500-1800 A evolução da câmera obscura Conhecida pelos árabes desde a antiguidade, a câmera obscura evoluiu de maneira constante a partir do

Leia mais

Ficha técnica CANON PowerShot D30

Ficha técnica CANON PowerShot D30 Ficha técnica CANON PowerShot D30 Tipo de produto Tipo de sensor óptico Dimensão do sensor óptico Zoom óptico Zoom digital Processador de Imagem Estabilizador de imagem Auto-foco Controle AE/AF Câmara

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO. Especial Empresas. www.olhares.com/academia

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO. Especial Empresas. www.olhares.com/academia CATÁLOGO DE FORMAÇÃO Especial Empresas 2013 www.olhares.com/academia CATÁLOGO DE FORMAÇÃO Especial Empresas 2013 www.olhares.com/academia 7 9 11 ÍNDICE Quem somos A nossa oferta formativa Curso Fotografia

Leia mais

Profissional. Guia de configuração

Profissional. Guia de configuração Profissional Guia de configuração i Sumário Tirar fotografias 1 Melhorar a resposta da câmera... 2 Configurações por assunto... 8 Corresponder as configurações com seus objetivos...14 Reduzir o desfoque

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Compartilhamento de Arquivos no Google Drive Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução...

Leia mais

Vídeo no link 1988 1988 2002 2005 23.11.2006 Allan Elly Produções 2007 - o Primeiro Casamento 2008 o início dos problemas... 2010 O que fazer para conseguir mudar minha carreira? Equipamento, será que

Leia mais

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL O FEST CURT CELU Guia Curta Fácil 2 A câmera de cinema funciona como se fosse uma máquina fotográfica que dispara milhares de foto em um espaço muito

Leia mais

câmera pinhole versão 2.0.4.0 montagem de papel autor Jaroslav Juřica

câmera pinhole versão 2.0.4.0 montagem de papel autor Jaroslav Juřica câmera pinhole versão 2.0.4.0 montagem de papel autor Jaroslav Juřica 2 edição especial http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/br/ rubikon câmera pinhole / montagem de papel Introdução A Rubikon

Leia mais

Guião fotográfico. Instituto Politécnico da Guarda. Escola Superior de Educação, Comunicação e Desporto. Discente: Joana Nunes

Guião fotográfico. Instituto Politécnico da Guarda. Escola Superior de Educação, Comunicação e Desporto. Discente: Joana Nunes Instituto Politécnico da Guarda Escola Superior de Educação, Comunicação e Desporto Guião fotográfico Discente: Joana Nunes Número de Aluno: 5007996 Ano Letivo: 2013/2014 Curso de Especialização Tecnológica

Leia mais

Introdução à Astrofotografia Sérgio D. Cabau Jr NASE-Brasil

Introdução à Astrofotografia Sérgio D. Cabau Jr NASE-Brasil Introdução à Astrofotografia Sérgio D. Cabau Jr NASE-Brasil Introdução A astrofotografía remonta desde os primórdios da humanidade quando a máxima tecnologia que o ser humano possuia eram apenas os próprios

Leia mais

TUTORIAL PARA CONFIGURAÇÃO DE SEU SITE SITES GRÁTIS

TUTORIAL PARA CONFIGURAÇÃO DE SEU SITE SITES GRÁTIS TUTORIAL PARA CONFIGURAÇÃO DE SEU SITE SITES GRÁTIS Prezado cliente, Parabéns por ter escolhido o SUPERMODULAR SITES GRÁTIS como primeiro site para você ou sua empresa. Temos certeza que, com a leitura

Leia mais

Guia de Instruções de Trabalho

Guia de Instruções de Trabalho Guia de Instruções de Trabalho Este guia foi desenvolvido para orientá-lo durante o processo de produção de arte para ser enviada à Gráfica Manchester. Siga as instruções para que não tenha problemas de

Leia mais

Aula 6 Fundamentos da fotografia digital

Aula 6 Fundamentos da fotografia digital Aula 6 Fundamentos da fotografia digital Fundamentos da fotografia digital: Câmeras digitais CCD e CMOS Resolução Armazenamento Softwares para edição e manipulação de imagens digitais: Photoshop e Lightroom

Leia mais