>>> Nos anos 60 foi estabelecida a escala EV, que foi adotada primeiramente pelos fotômetros e depois pelas câmeras com fotômetro incorporado.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ">>> Nos anos 60 foi estabelecida a escala EV, que foi adotada primeiramente pelos fotômetros e depois pelas câmeras com fotômetro incorporado."

Transcrição

1 Valor de exposição Em fotografia, rotulou-se valor de exposição, ou EV, o resultado das combinações possíveis entre o par conjugado velocidade de obturação e abertura de diafragma que levam a uma mesma exposição. A escala em EV é decimal, com cada unidade correspondendo a um "ponto" fotográfico. O aumento de valor na escala EV significa uma exposição em dobro. O ponto de fixação do EV depende da sensibilidade ISO considerada. Geralmente, o EV está associado à sensibilidade ISO 100, em que o ponto 0 do EV corresponde a uma abertura f/ 1.0 à velocidade 1 s. A escala decimal do EV corresponde, aproximadamente, à percepção sensorial humana da luminosidade que é sensível ao dobramento do valor da intensidade luminosa. HISTÓRIA >>> Em meados da década de 30 o fotógrafo contava com a regra sunny 16 que diz que em dia ensolarado deve-se usar uma abertura 16 com velocidade de 1:ISO, ou seja, 1:50 s para filme de sensibilidade ISO 50; 1:100 s para ISO 100; 1:200 s para ISO 200. A regra era o suficiente para operar uma câmera box. Câmeras com mais recursos contavam com o auxílio de tabelas de exposição que vinham acompanhando o filme fotográfico. >>> Depois surgiram os fotômetros. A fama da Weston Master, atravessou a segunda metade do século passado, virou peça de colecionador e continua sendo anunciada em classificados como estando em bom estado de funcionamento. À época das Weston Masters, as escalas eram arbitrárias, com cada fabricante impondo a sua própria. >>> Nos anos 50 a Kodak introduziu uma escala de valores de exposição em uma câmera de sua fabricação, não como escala EV, mas ainda como escala LV (Light Value). >>> Nos anos 60 foi estabelecida a escala EV, que foi adotada primeiramente pelos fotômetros e depois pelas câmeras com fotômetro incorporado. >>> A década de 70 foi a década de consolidação do EV. As câmeras tipo point-and-shoot, que automatizaram a exposição deixando para o fotógrafo a tarefa de priorizar a abertura ou velocidade confortavelmente. >>> Na virada do milênio, o EV tem um valor relativo nas câmeras digitais (mesmo nas compactas). O valor de exposição medido pode ser alterado em 2, 3 ou mais EVs para mais e para menos, tirando da câmera a responsabilidade por uma foto bem exposta. >>> Nas câmeras digitais usadas em fotografia publicitária o EV é um valor que é posto à prova pela própria máquina. As câmeras digitais de estúdio possuem algoritmos para obter uma seqüência de várias fotos entornando o valor EV. >>> O avanço nos métodos de fotometria das câmeras computadorizadas e a precisão dos mecanismos internos não são suficientes para livrar a câmera de erros de exposição e da possibilidade de ocorrerem falhas de exposição devido a acúmulo de desvios tolerados. Definição Formal

2 onde >>> N é a abertura relativa (número f) >>> t é o tempo de exposição (velocidade de obturação) Se o EV é conhecido, ele pode ser usado para selecionar combinações de tempo de exposição e número f, como se mostra na Tabela 1. Tabela de EV x número f Correlação EV x luminância x iluminância Antigos fotômetros fotográficos apresentavam escalas graduadas em valores luminotécnicos como o lux e a candela/m2 e tinham, assim, um status de instrumento de medida como um luxímetro. Na realidade um bom fotômetro fotográfico deve indicar valores apropriados para obter de imagens. Podemos estabelecer uma correlação entre EV, densidade luminosa e brilhância por intermédio de equações matemáticas, mas o uso de um fotômetro fotográfico como instrumento de medida luminotécnica deve passar por aferição e ser aprovado para os propósitos a que for destinado. Como luxímetro, o fotômetro deixa a desejar por efetuar medida de lux com um domo por cobertura ao invés de medir a luz que incide sobre uma superfície plana.

3 Como medida de luz refletida, a leitura é mais confiável, mas alguns sensores são boleados em vez de planos e deve-se levar em conta que os diversos fabricantes concorrem entre si para produzir o melhor resultado em termos fotográficos e não para produzir um instrumento que prima pela precisão. É prática comum entre fabricantes de fotômetros fotográficos expressar a iluminância em EV para ISO 100. Assim, uma relação típica entre EV a ISO 100 e a iluminância pode ser expressa por: Luminância típica medida com fotômetro de sensor plano e luminância expressa em cd/m2. Tabela de equivalência EV x iluminância x luminância EV e seleção de modos de fotografia A maioria das câmeras digitais compactas se equipara a uma câmera point-and-shoot em modo automático e também nos modos Esportivo e Paisagem, que equivalem às prioridades de velocidade e abertura. Como nas point-and-shoot, ao selecionarmos o modo Esportivo no dial, condiciona-se o aumento da velocidade diminuindo a abertura; ao selecionar o modo Paisagem condicionamos o aumento da abertura diminuindo a velocidade.

4 Um exemplo de foto que mantém o EV inalterado é a foto de velocidade em panning em que o fotógrafo seleciona o modo Paisagem ao invés de modo Esportivo para ampliar automaticamente o aspecto velocidade. De outro modo, o fotógrafo tira a foto de uma paisagem com o modo Esportivo selecionado para restringir a profundidade de campo ao plano de interesse. Uma diminuição da sensibilidade ISO pode ser necessária no caso de digitais compactas. Foto em modo de paisagem Foto em modo esportivo Compensação de EV A compensação de EV já havia sido ensaiada em algumas câmeras analógicas que dispunham de um botão de compensação ainda que limitada. O recurso de compensação de EV é algo comum em câmeras digitais. A compensação de EV não é tão prática como a seleção de modos. É feita na configuração da câmera, tornando-se um parâmetro de uso modal, para ser usado na tomada de uma série de fotografias. A compensação também é possível com o dial de modos de fotografia. O modo Neve/Praia provoca uma compensação para mais; o modo Cena Noturna para menos. Os modos de fotografia Pôr-do-sol, Alvorada e Contraluz, produzem compensações maiores de EV. Bracketing de exposição O bracketing de exposição consiste em bater uma série de fotos de um mesmo cenário usando um mesmo valor nominal de EV. O bracketing evita que a foto seja prejudicada por mudanças repentinas de iluminação e acúmulo de erros próprios da câmera tais como: erros de velocidade, de abertura, de medição, oscilação de iluminação, etc. O bracketing de exposição é apenas um dos bracketings possíveis. Há bracketing de balanço de cores, de velocidade, de abertura, e outros mais. O uso do bracketing envolve, portanto, bom senso. Atribuição de valores de exposição (EV) O interessado em fazer experiências com uma câmera pinhole, pode recorre a valores tabelados para obter fotos corretamente expostas. Valores de EV podem ser atribuídos às várias condições de iluminação com relativa precisão. Do sol a pino até o interior de casa iluminada são 10 EVs. Daí até a foto ao luar são mais 10 EVs.

5 Tabela 3. Valores de exposição (sensibilidade ISO 100) para várias condições de iluminação[3]

6 >>> Valores para luz solar direta duas horas após a alvorada e duas horas antes do pôr-dosol, presumindo iluminação frontal. Como regra geral diminua EV em 1 para iluminação lateral, e diminua EV em 2 para iluminação por traseira >>> Isto é aproximadamente o valor dado pela regra sunny 16. >>> Estes valores são apropriados para fotos ao luar tomadas à noite com uma tele longa ou telescópio que renderiza a lua com um tom médio. Eles não são, em geral, apropriados para fotos da lua que incluam paisagens. A atribuição de EVs da Tabela 3 às condições de iluminação do mundo real produz resultados apenas aceitáveis. Levar em conta que eles foram arredondados para um número inteiro e que há omissões de considerações descritas no guia de exposições ANSI em que foi baseado. Os conhecidos desvios de cor ou falha de reciprocidade também não estão considerados. O uso apropriado dos valores de exposição tabulados é explicado em detalhes no guia de exposições ANSI, ANSI PH NOTAS >>> A constante K de calibração varia levemente entre fabricantes; um valor comum é 12,5 (Canon, Nikon, e Sekonic), outro valor é 14 (Minolta e Pentax). >>> A constante C apresenta uma variação maior entre os diversos fabricantes. A Minolta adota 320, a Sekonic 340, enquanto o valor comum é 250) >>> Valores de exposição na Tabela 3 foram tomados do guia de exposições da ANSI PH e PH ; há diferenças entre os guias, mas elas não são incoerentes. O guia ANSI é baseado nos estudos feitos por L.A. Jones e H.R. Condit, descritos no Jones e Condit (1941), Jones e Condit (1948), e Jones e Condit (1949).

7 ( Fonte: Wikipédia )

FOTOMETRIA E EXPOSIÇÃO

FOTOMETRIA E EXPOSIÇÃO GRAPHOS LABORATÓRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM JORNALISMO GRÁFICO FOTOMETRIA E EXPOSIÇÃO FOTOGRAFIA BÁSICA: EQUIPAMENTOS Controles básicos da câmera OBTURADOR Tempo de exposição velocidade de disparo AFETA

Leia mais

O OBTURADOR 1. FUNCIONAMENTO:

O OBTURADOR 1. FUNCIONAMENTO: Esse anexo é um complemento do material didático exclusivo do Curso de Fotografia Digital - A fotografia sob uma nova óptica e função, com Célio Ricardo, constituindo uma parte que completa o total de

Leia mais

Fotografia Digital 1

Fotografia Digital 1 Fotografia Digital 1 Apresentação Constituída em 2007 é referência nacional no ensino da fotografia de paisagem natural 2 Uma das entidades que mais workshops lecciona anualmente em Portugal Cursos de

Leia mais

CÂMERAS. fotográficas

CÂMERAS. fotográficas CÂMERAS fotográficas Quanto ao suporte: Digital Analógico Como classificar e diferenciar os tipos de Câmeras? Quanto a automação: Automáticas Semi-automáticas Auto e manual Quanto ao visor: Visor direto

Leia mais

Fotografia: conceitos e técnicas

Fotografia: conceitos e técnicas ca leo Carlos Leonardo S Mendes wwwcaleocombr caleo Carlos Leonardo dos S Mendes Fotografia: conceitos e técnicas Exposição Setembro de 2008 Versão 10 Nota: os textos ou fotos contidos neste material não

Leia mais

Guia para fotografar com pouca luz. Versão 1. Texto e fotografias de Christian Camilo. 2 Christian Camilo Camiloart.com 2015

Guia para fotografar com pouca luz. Versão 1. Texto e fotografias de Christian Camilo. 2 Christian Camilo Camiloart.com 2015 1 Christian Camilo Camiloart.com 2015 1 2 Guia para fotografar com pouca luz Versão 1 Texto e fotografias de Christian Camilo T 2 Christian Camilo Camiloart.com 2015 3 Índice FOTOGRAFANDO EM AMBIENTES

Leia mais

A câmera fotográfica. 1) Definição 2) Tipos de câmeras 3) Estrutura e funcionamento

A câmera fotográfica. 1) Definição 2) Tipos de câmeras 3) Estrutura e funcionamento A câmera fotográfica 1) Definição 2) Tipos de câmeras 3) Estrutura e funcionamento Definição Câmera fotográfica é uma câmara escura projetada segundo características específicas (quanto a ótica, mecânica

Leia mais

Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico)

Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico) CÂMERA FOTOGRÁFICA Foto analógica Foto digital Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico) O DIAFRAGMA OBJETO DIAFRAGMA EM IRIS OBJETO IRIS RETINA ABERTURA PUPILA LENTE CRISTANILO

Leia mais

Os Elementos da máquina Fotográfica

Os Elementos da máquina Fotográfica Os Elementos da máquina Fotográfica Os Elementos da máquina Fotográfica 1. Obturador de velocidade 2. Diafragma 3. Objetiva 4. Visor 5. Sapata 6. Botão disparador 7. Sensor 8. LCD Os Elementos da máquina

Leia mais

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1 DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1 Mauricio Baggio ÍRIS / DIAFRAGMA Dispositivo que permite o controle da quantidade de luz que atinge o filme ou o sensor no interior da câmera. Este controle é realizado definindo-se

Leia mais

Conceito Técnico de Fotografia

Conceito Técnico de Fotografia Fotografia Digital Conceito Técnico de Fotografia Fotografar é, por princípio, registrar a luz refletida pelo assunto (entende-se por assunto o que está sendo fotografado). Na câmara digital, como na convencional,

Leia mais

Iniciação à Fotografia Prof. Gust avo L. Pozza

Iniciação à Fotografia Prof. Gust avo L. Pozza Iniciação à Fotografia Prof. Gust avo L. Pozza Câm ara Escura Tipos de Câmeras A Câmera Básica Componentes comuns em todas as câmeras Visor Objetiva Plano do filme Diafragma Obturador Mecanismos de foco

Leia mais

Guia de consulta rápida

Guia de consulta rápida Guia de consulta rápida DigiFlash Smart Trigger 1 2 3 4 5 17 Smart Trigger 6 7 8 9 16 15 14 13 12 11 10 O DigiFlash Smart Trigger é um dispositivo para disparar flashes a partir de um evento externo. Pode

Leia mais

Eclipse solar observado em Lovania através de uma câmara escura, 1544

Eclipse solar observado em Lovania através de uma câmara escura, 1544 Eclipse solar observado em Lovania através de uma câmara escura, 1544 2 A luz entrava na câmara através de uma pequena abertura (pinhole ou buraco de agulha) projectando a imagem na parede oposta. 3 No

Leia mais

8 c o i s a s FOTOGRAFAR. Ana Flor www.anaflor.fot.br

8 c o i s a s FOTOGRAFAR. Ana Flor www.anaflor.fot.br 8 c o i s a s que vocêê precisa saber para FOTOGRAFAR Ana Flor www.anaflor.fot.br Introdução Esta apostila não pretende ser um manual de como ser um ótimo fotógrafo ou como usar sua câmera. Aqui você encontrará

Leia mais

A Evolução do Processamento Fotográfico na ESTEIO

A Evolução do Processamento Fotográfico na ESTEIO A Evolução do Processamento Fotográfico na ESTEIO Descrever o processo fotográfico é remeter-se a temas como: câmera, filme, papel fotográfico e processamento de imagens, assuntos tratados e estudados

Leia mais

FOTOGRAFIA NA MONTANHA - Dicas

FOTOGRAFIA NA MONTANHA - Dicas FOTOGRAFIA NA MONTANHA - Dicas Tirar fotos não é apenas uma ação de apontar a máquina e apertar o botão (a menos que essa seja sua intenção artística). É necessário saber o que vai retratar e como vai

Leia mais

CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL

CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL formação em imagem www.100iso.pt Módulos 1. Câmaras e Imagens Digitais. 2. Controlar a Exposição. 3. Controlar a Nitidez. 4. Captar Luz e Cor. 5. Compreender as Objectivas.

Leia mais

Shutter: É o tempo de exposição da foto. Pode ser fixo ou automático.

Shutter: É o tempo de exposição da foto. Pode ser fixo ou automático. TREINAMENTO ITSCAM Ajustes de imagens Shutter: É o tempo de exposição da foto. Pode ser fixo ou automático. Ganho: Amplificador analógico conectado ao sensor de imagem. Pode ser fixo ou automático. Auto

Leia mais

Aprender a fotografar não é difícil quando temos um material de apoio e muita vontade de pesquisar e treinar. Este é somente um ponto de partida!

Aprender a fotografar não é difícil quando temos um material de apoio e muita vontade de pesquisar e treinar. Este é somente um ponto de partida! Introdução e índice Eu sou a Claudia Regina (www.claudiaregina.com) e resolvi criar este pequeno Manual Básico de Fotografia para ajudar quem procura por bom conteúdo para iniciantes, em português. Aprender

Leia mais

LUZ. Esses três elementos combinados permitem que o fotógrafo escolha como a imagem será feita.

LUZ. Esses três elementos combinados permitem que o fotógrafo escolha como a imagem será feita. FOTOGRAFIA LUZ A luz é o elemento primordial de uma imagem. Para ter controle na entrada de luz na câmera, o fotógrafo controla o ISO, a velocidade da cortina e o diafragma da lente. Esses três elementos

Leia mais

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais:

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: A COR DE UM CORPO MÓDULO 9 A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: luz branca vermelho alaranjado amarelo verde azul anil violeta A cor que um corpo iluminado

Leia mais

Primeiras Informações

Primeiras Informações Primeiras Informações Para que um trabalho escolar fique com melhor qualidade é importante registrálo, não apenas para ser apresentado aos pais, mas principalmente como arquivo. Guardar o registro de trabalhos

Leia mais

Foco e profundidade de campo

Foco e profundidade de campo Foco e profundidade de campo Foco Quando tiramos uma foto queremos que nosso destaque, no geral, esteja nítido e visível. O foco pode ser manual ou automático. Manualmente você gira o anel da sua lente.

Leia mais

Atividade Prática: Fotografar Locais Históricos GUIA DO FACILITADOR

Atividade Prática: Fotografar Locais Históricos GUIA DO FACILITADOR GUIA DO FACILITADOR 1. Apresentar a atividade: Ao fotografar locais históricos é importante tirar fotos de alta qualidade, que mostrem com clareza os detalhes do local histórico. Ana tirou várias fotografias

Leia mais

Técnicas de fotografia e tratamento de imagem FTZOO (BIOB40) Lucas Menezes Silva

Técnicas de fotografia e tratamento de imagem FTZOO (BIOB40) Lucas Menezes Silva Técnicas de fotografia e tratamento de imagem FTZOO (BIOB40) Lucas Menezes Silva Técnicas de fotografia Objetivos Conhecer a fotografia Reconhecer tipos de câmeras Aprender técnicas Conhecer assessórios

Leia mais

Fotografia digital. Aspectos técnicos

Fotografia digital. Aspectos técnicos Fotografia digital Aspectos técnicos Captura CCD (Charge Coupled Device) CMOS (Complementary Metal OxideSemiconductor) Conversão de luz em cargas elétricas Equilíbrio entre abertura do diafragma e velocidade

Leia mais

A câmera As lentes A exposição

A câmera As lentes A exposição A câmera As lentes A exposição 1 Corpo da câmera: a caixa sem as objetivas e os demais acessórios. Objetiva: as lentes intercambiáveis. Diafragma: dispositivo que controla a quantidade de luz que passa

Leia mais

SD21 Manual de Consulta Rápida VÍDEO:

SD21 Manual de Consulta Rápida VÍDEO: SD21 Manual de Consulta Rápida Vídeo Fotografia Configurações Gerais VÍDEO: Exe No modo vídeo é possível escolher entre gravar vídeo ou apenas gravar áudio, audio only. O arquivo de vídeo tem a extensão.mov

Leia mais

Projeto Pintando um Sonho. www.fcci.art.br

Projeto Pintando um Sonho. www.fcci.art.br Projeto Pintando um Sonho www.fcci.art.br Foz do Iguaçu, Junho de 2012 Histórico φωτός + γράφειν Fotografia: arte ou processo de reproduzir imagens sobre uma superfície fotossensível, pela ação de energia

Leia mais

Iluminação com flashes portáteis para fotografia

Iluminação com flashes portáteis para fotografia WORKSHOP PEQUENOS FLASHES Iluminação com flashes portáteis para fotografia Objetivo: Aprender a utilizar as várias possibilidades de se trabalhar com flashes portáteis de maneira criativa e inteligente,

Leia mais

SESC Petrolina 09, 10 e 11 de agosto de 2010. Marcus Ramos UNIVASF

SESC Petrolina 09, 10 e 11 de agosto de 2010. Marcus Ramos UNIVASF SESC Petrolina 09, 10 e 11 de agosto de 2010 Marcus Ramos UNIVASF Engenheiro elétrico (USP/82); Mestre em Sistemas Digitais (USP/91); Professor do curso de Engenharia de Computação da UNIVASF em Juazeiro-BA

Leia mais

Introdução à Fotografia Digital

Introdução à Fotografia Digital Introdução à Fotografia Digital Aula 1 Fundamentos, Câmeras, Obje3vas Disponível em www.ecoclics.com/wp- content/pdf/aula_ifd_1.pdf Roteiro da Aula Apresentações Programação do curso Câmeras Objetivas

Leia mais

Astrofotografia com camera fixa

Astrofotografia com camera fixa Astrofotografia com camera fixa José Carlos Diniz - dinizfam@uninet.com.br Ao escrever sobre este tema pretendemos estimular o uso da astrofotografia, desmistificando e apresentando de forma simples e

Leia mais

Iluminação e equipamentos fotográficos

Iluminação e equipamentos fotográficos Iluminação e equipamentos fotográficos Iluminação: A luz natural é proporcionada pelo sol, que pode incidir diretamente ou indiretamente sobre o assunto. O aspecto da luz solar pode variar de acordo o

Leia mais

Foto de Henri Cartier-Bresson, Place de l Europe, 1932.

Foto de Henri Cartier-Bresson, Place de l Europe, 1932. Guia Fotográfico 1 Este guia fornece a base do conhecimento técnico necessário para o aproveitamento deste curso básico de fotografia. A necessária expansão do conhecimento enunciado nestas páginas passa

Leia mais

Introdução à Astrofotografia Sérgio D. Cabau Jr NASE-Brasil

Introdução à Astrofotografia Sérgio D. Cabau Jr NASE-Brasil Introdução à Astrofotografia Sérgio D. Cabau Jr NASE-Brasil Introdução A astrofotografía remonta desde os primórdios da humanidade quando a máxima tecnologia que o ser humano possuia eram apenas os próprios

Leia mais

aprenda a fotografar em 7 lições CLAUDIA REGINA dicasdefotografia.com.br

aprenda a fotografar em 7 lições CLAUDIA REGINA dicasdefotografia.com.br aprenda a fotografar em 7 lições CLAUDIA REGINA dicasdefotografia.com.br Prefácio à publicação de 2013 Publiquei este manual pela primeira vez em março de 2009, quando o blog Dicas de Fotografia estava

Leia mais

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão 1 Diferenças entre o CCD e o Filme: O filme como já vimos, é uma película de poliéster, coberta em um dos lados por uma gelatina de origem animal com partículas

Leia mais

esags.edu.br Santo André > Av. Industrial, 1455 - Bairro Jardim (11) 4433-6161 Santos > Av. Conselheiro Nébias, 159 (13) 2127-0003

esags.edu.br Santo André > Av. Industrial, 1455 - Bairro Jardim (11) 4433-6161 Santos > Av. Conselheiro Nébias, 159 (13) 2127-0003 FOTOGRAFIA PARA INICIANTES APRESENTAÇÃO: A fotografia atinge vários segmentos da vida e do cotidiano humano, pois é o instrumento que permite registrar um momento, o eternizando. A imagem fotográfica contribui

Leia mais

MANUAL DE FOTOGRAFIA

MANUAL DE FOTOGRAFIA MANUAL DE FOTOGRAFIA 1. A máquina fotográfica. Breve história As primeiras fotografias tiradas, datam de 1826, mas só em 1870, é que foi possível obter um sistema que permitisse a comercialização de chapas

Leia mais

NEX-3/NEX-5/NEX-5C A-DTQ-100-51(1) 2010 Sony Corporation

NEX-3/NEX-5/NEX-5C A-DTQ-100-51(1) 2010 Sony Corporation NEX-3/NEX-5/NEX-5C As novas funções disponibilizadas por esta actualização de firmware e respectivas operações são descritas aqui. Por favor consulte o Manual de instruções e o Manual da α o qual está

Leia mais

São Paulo, SP Brasil Todos os direitos reservados!

São Paulo, SP Brasil Todos os direitos reservados! Sua Câmera fotográfica Digital Mód03Bas_Cs00B01 www.fotomboe.com São Paulo, SP Brasil Todos os direitos reservados! 2014 Vivaldo Armelin Júnior www.fotomboe.com Lembretes A Proposta do curso Chegamos ao

Leia mais

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 01

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 01 Oficina de fotografia e tratamento de imagem Facilitadora: Camila Silva Aula: 01 Histórico da Fotografia A fotografia surgiu do desejo do homem retratar o mundo a sua volta. Desde os primórdios, com a

Leia mais

TECNOLOGIA RADIOLÓGICA

TECNOLOGIA RADIOLÓGICA TECNOLOGIA RADIOLÓGICA Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Aula 05 Qualidade Radiográfica Agenda Qualidade radiográfica, resolução, velocidade, d curva característica, ti densidade

Leia mais

FOTOGRAFIA O MUNDO FOTOGRAFICO Hoje, as fotografias fazem parte do nosso mundo de uma maneira impressionante. Seja em computadores, smartphones, tablets, câmeras digitais, não importa, aonde olharmos

Leia mais

Controlador Automatizador CAP-1

Controlador Automatizador CAP-1 Controlador Automatizador CAP-1 Guia de Referência 1 Sumá rio 1 Introdução... 3 2 Especificações Técnicas... 3 2.1 Itens Inclusos... 4 3 Controle Remoto... 4 3.1 Funcionalidades das Teclas... 4 4 Conexões...

Leia mais

ESTUDANDO A FOTOGRAFIA POR UMA ABORDAGEM ETNOMATEMÁTICA

ESTUDANDO A FOTOGRAFIA POR UMA ABORDAGEM ETNOMATEMÁTICA ISSN 2316-7785 ESTUDANDO A FOTOGRAFIA POR UMA ABORDAGEM ETNOMATEMÁTICA Luciane Bichet Luz UFPEL lbichet615@hotmail.com Amanda Prank UFPEL amandaprank@ymail.com RESUMO Esta pesquisa busca relacionar a Matemática

Leia mais

CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL COMPLETO

CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL COMPLETO CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL COMPLETO Módulos 1. Câmaras e Imagens Digitais. 2. Controlar a Exposição. 3. Controlar a Nitidez. 4. Captar Luz e Cor. 5. Compreender as Objectivas. 6. Fotografia com o Flash

Leia mais

câmera pinhole versão 2.0.4.0 montagem de papel autor Jaroslav Juřica

câmera pinhole versão 2.0.4.0 montagem de papel autor Jaroslav Juřica câmera pinhole versão 2.0.4.0 montagem de papel autor Jaroslav Juřica 2 edição especial http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/br/ rubikon câmera pinhole / montagem de papel Introdução A Rubikon

Leia mais

Ao se falar sobre fotografia cinematográfica estão envolvidos diversos elementos que devem ser levados em consideração:

Ao se falar sobre fotografia cinematográfica estão envolvidos diversos elementos que devem ser levados em consideração: 1 OBJETIVAS E COMPOSIÇÃO Ao se falar sobre fotografia cinematográfica estão envolvidos diversos elementos que devem ser levados em consideração: 1 - AS LENTES: As objetivas são comumente chamadas de lentes,

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II. Profa. Adriana Goulart dos Santos

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II. Profa. Adriana Goulart dos Santos Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II Profa. Adriana Goulart dos Santos Aerofotogrametria Fotogrametria é a ciência aplicada que se propõe a registrar,

Leia mais

-a evolução tecnológica levou àcriação da fotografia digital (foto digital e analógica escaneada)

-a evolução tecnológica levou àcriação da fotografia digital (foto digital e analógica escaneada) -a evolução tecnológica levou àcriação da fotografia digital (foto digital e analógica escaneada) -quantitativamente a fotografia constitui-se no principal tipo de imagem das coleções dos centros de informação

Leia mais

Dia 21 (sábado de manhã, das 10 às 13h00) Saida para exterior Aula práctica de Fotografia num local a escolher)

Dia 21 (sábado de manhã, das 10 às 13h00) Saida para exterior Aula práctica de Fotografia num local a escolher) Local: Évora Hotel Av. Tulio Espanca, Apartado 93 Évora Tel: 266 403 315 Inscrições e Informações: Contactar Pedro Vilhena Site: Pedro Vilhena Fotografia Tm: 96 807 61 81 email: pedrovilhena.fotografo@gmail.com

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO. Especial Empresas. www.olhares.com/academia

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO. Especial Empresas. www.olhares.com/academia CATÁLOGO DE FORMAÇÃO Especial Empresas 2013 www.olhares.com/academia CATÁLOGO DE FORMAÇÃO Especial Empresas 2013 www.olhares.com/academia 7 9 11 ÍNDICE Quem somos A nossa oferta formativa Curso Fotografia

Leia mais

MICROSCÓPIO ESPECULAR VOROCELL. Duvidas freqüentes a respeito do microscópio Vorocell, mitos e verdades.

MICROSCÓPIO ESPECULAR VOROCELL. Duvidas freqüentes a respeito do microscópio Vorocell, mitos e verdades. MICROSCÓPIO ESPECULAR VOROCELL Duvidas freqüentes a respeito do microscópio Vorocell, mitos e verdades. Porque o Microscópio Especular da Eyetec chama-se Vorocell? Vorocell é uma homenagem ao pesquisador

Leia mais

Sumário. 1. Imagens de alta resolução com a D800E... 30 2. Abertura e assuntos complexos... 32 3. Graduação Gráfica de cor e ondulado...

Sumário. 1. Imagens de alta resolução com a D800E... 30 2. Abertura e assuntos complexos... 32 3. Graduação Gráfica de cor e ondulado... Guia Técnico Apresentação Este Guia Técnico detalha as principais técnicas usadas para criar duas das fotografias tecnicamente mais avançadas da brochura D800/D800E. Aproveite esta oportunidade para admirar

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM DURÔMETROS PARA PESQUISA METROLÓGICA

DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM DURÔMETROS PARA PESQUISA METROLÓGICA DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM DURÔMETROS PARA PESQUISA METROLÓGICA Pires, Fábio de Souza Nascimento, Jôneo Lopes do Cardoso, Tito Lívio Medeiros* INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA INT 1. Introdução

Leia mais

Tecnologias PowerShot SX500 IS e PowerShot SX160 IS

Tecnologias PowerShot SX500 IS e PowerShot SX160 IS Tecnologias PowerShot SX500 IS e PowerShot SX160 IS EMBARGO: 21 Agosto 2012, 15:00 (CEST) Objetiva grande angular de 24mm com zoom ótico de 30x (PowerShot SX500 IS) Desenvolvida segundo os mesmos processos

Leia mais

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA.

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA. COMO CRIAR UM ELEMENTO DE DETECÇÃO DE ARCO VOLTAICO RÁPIDO E SELETIVO, UTILIZANDO ELEMENTOS DE SOBRECORRENTE E INTENSIDADE LUMINOSA Eduardo Zanirato / Geraldo Rocha Resumo - O guia apresenta a lógica para

Leia mais

Experimento de medição da intensidade sonora em campo ON/OFF para ligar ou desligar o aparelho. DECIBELÍMETRO Microfone Escala: 35 a 130 db em 3 faixas Precisão: ± 5 db Resolução: 0.1 db C/A Seleciona

Leia mais

Tutorial de animação quadro a quadro

Tutorial de animação quadro a quadro Tutorial de animação quadro a quadro quadro a quadro é uma técnica que consiste em utilizar imagens ou fotografias diferentes de um mesmo objeto para simular o seu movimento. Nesse caso, trata-se de relatar

Leia mais

UM REGISTRO FOTOGRÁFICO DAS ETAPAS DO PROCESSO CRIATIVO: A ARTE FINAL 1

UM REGISTRO FOTOGRÁFICO DAS ETAPAS DO PROCESSO CRIATIVO: A ARTE FINAL 1 UM REGISTRO FOTOGRÁFICO DAS ETAPAS DO PROCESSO CRIATIVO: A ARTE FINAL 1 Luiz Henrique Oliveira Silva Carlos de PAIVA 2 Lamounier Lucas PEREIRA JÚNIOR 3 Centro Universitário Newton Paiva, Belo Horizonte,

Leia mais

Realizando o ensaio de ultra-som

Realizando o ensaio de ultra-som Realizando o ensaio de ultra-som A UU L AL A Na aula anterior, você ficou sabendo que o ultra-som é uma onda mecânica que se propaga de uma fonte emissora até uma fonte receptora, através de um meio físico.

Leia mais

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS.

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Módulo 2 Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Conteúdos deste módulo Discriminação Decomposição da variação do sistema de medição Variação

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO A FOTOGRAFIA (INTRODUÇÃO) E TÉCNICA FOTOGRÁFICA EDIÇÃO Nº 01/2013

FICHA TÉCNICA DO CURSO A FOTOGRAFIA (INTRODUÇÃO) E TÉCNICA FOTOGRÁFICA EDIÇÃO Nº 01/2013 FICHA TÉCNICA DO CURSO A FOTOGRAFIA (INTRODUÇÃO) E TÉCNICA FOTOGRÁFICA EDIÇÃO Nº 01/2013 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO A fotografia (introdução) e Técnica Fotográfica. 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER - Reflectir

Leia mais

Glossário de Fotopublicidade

Glossário de Fotopublicidade Glossário de Fotopublicidade Câmera analógica: câmera que captura as imagens em filme/película. Câmera digital: câmera que salva imagens como arquivos digitais em algum tipo de disco de memória em vez

Leia mais

Distância focal DISTÂNCIA FOCAL

Distância focal DISTÂNCIA FOCAL Distância focal DISTÂNCIA FOCAL: Unidade de medida relativa à distância existente entre o centro óptico de uma lente e o plano de foco. A distância focal determina a relação de grandeza de um motivo e

Leia mais

Qualificação de Procedimentos

Qualificação de Procedimentos Qualificação de Procedimentos Os equipamentos em geral são fabricados por meio de uniões de partes metálicas entre si empregando-se soldas. Há, portanto a necessidade de se garantir, nestas uniões soldadas,

Leia mais

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 05

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 05 Oficina de fotografia e tratamento de imagem Facilitadora: Camila Silva Aula: 05 Objetivas É uma lente óptica ou conjunto de lentes usada em conjunto com um corpo de câmera e um mecanismo para reproduzir

Leia mais

stacking focus a técnica de empilhamento de foco Nesta matéria, dividida em duas edições da revista Photos

stacking focus a técnica de empilhamento de foco Nesta matéria, dividida em duas edições da revista Photos stacking focus a técnica de empilhamento de foco Um outro modo de ver o mundo através da macrofotografia texto e fotos Tacio Philip Nesta matéria, dividida em duas edições da revista Photos & Imagens,

Leia mais

Apontamentos AS OBJECTIVAS

Apontamentos AS OBJECTIVAS As objectivas actuais são constituídas por uma série de lentes, (elementos), montados em grupos, colocadas num tubo chamado barrilete. O facto de se agruparem lentes com caracteristicas diferentes, tem

Leia mais

Mini Workshop de Fotografia (+60 ) Marcos Semola. DSF BSM Latin America. 23-27 de Novembro de 2009 Shell CIPA Day

Mini Workshop de Fotografia (+60 ) Marcos Semola. DSF BSM Latin America. 23-27 de Novembro de 2009 Shell CIPA Day Mini Workshop de Fotografia (+60 ) Marcos Semola DSF BSM Latin America 23-27 de Novembro de 2009 Shell CIPA Day Agenda 1. Por que esta palestra? 2. Por que o hobby da fotografia 3. O que você precisa para

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

Fluxo Digital e Processamento RAW

Fluxo Digital e Processamento RAW Fluxo Digital e Processamento RAW Recomendações do UPDIG Guia Prático Universal para Imagens Fotográficas Digitais Fluxos Digitais: Alto Volume, Pouco Tempo Alto Volume, Tempo Médio Baixo Volume, Alta

Leia mais

Tecnologias PowerShot G1 X Mark II, PowerShot SX700 HS, IXUS 155 e PowerShot D30

Tecnologias PowerShot G1 X Mark II, PowerShot SX700 HS, IXUS 155 e PowerShot D30 Tecnologias PowerShot G1 X Mark II, PowerShot SX700 HS, IXUS 155 e PowerShot D30 EMBARGO: 12 de fevereiro de 2014, 04:00 (UCT) Este documento explica as novas tecnologias que não se encontram nos modelos

Leia mais

yarnmaster Classificação de fibras estranhas

yarnmaster Classificação de fibras estranhas Masters in Textile textile Quality Control Masters in textile Quality Control yarnmaster facts yarnmaster Classificação de fibras estranhas 045913/006p Classificação de fibras estranhas O sistema de depuração

Leia mais

O Light Painting como Recurso Visual na Fotografia Publicitária 1

O Light Painting como Recurso Visual na Fotografia Publicitária 1 O Light Painting como Recurso Visual na Fotografia Publicitária 1 Isaac Veloso NETO 2 Joseph LIMA 3 Amanda BARROS 4 Micael RODRIGUES 5 João COUTINHO 6 Vitor BRAGA 7 Resumo: Nesse trabalho, busca-se principalmente

Leia mais

Sumário CAPÍTULO UM 1. Usando o flash como profissional, parte 2. Começando exatamente de onde o último livro parou CAPÍTULO DOIS 33

Sumário CAPÍTULO UM 1. Usando o flash como profissional, parte 2. Começando exatamente de onde o último livro parou CAPÍTULO DOIS 33 CAPÍTULO UM 1 Usando o flash como profissional, parte 2 Começando exatamente de onde o último livro parou Nove coisas que você gostaria de ter aprendido... 2...antes de ler este livro! 3 Foram apenas seis.

Leia mais

Tecnologias PowerShot G16, PowerShot S120, PowerShot SX170 IS, PowerShot SX510 HS

Tecnologias PowerShot G16, PowerShot S120, PowerShot SX170 IS, PowerShot SX510 HS Tecnologias PowerShot G16, PowerShot S120, PowerShot SX170 IS, PowerShot SX510 HS EMBARGO: 22 Agosto 2013, 06:00 (CEST) Câmara mais fina do mundo 1 com uma objetiva grande angular de 24mm com abertura

Leia mais

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos VERSÃO FOTOGRAFIA 10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos Existem várias formas de alterar o resultado final de uma foto, seja através do ISO, da velocidade do obturador, da abertura

Leia mais

CSF FasTest SOLUÇÕES DE OUTPUT DE PAGAMENTO

CSF FasTest SOLUÇÕES DE OUTPUT DE PAGAMENTO CSF FasTest SOLUÇÕES DE OUTPUT DE PAGAMENTO CSF FasTest Reduzindo o esforço empregado nos testes Os testes são a faca de dois gumes da composição de documentos: durante o ciclo de vida de seu documento,

Leia mais

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO As vibrações afetam as pessoas de muitas formas causando desconforto, problemas de saúde, diminuição da

Leia mais

Linha de Módulos de Comando

Linha de Módulos de Comando RKM SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E CONTROLE LTDA. Rua Catão Coelho, 215 PORTO ALEGRE RS Fone: (51) 3029-3250 www.rkmautomacao.com.br Linha de Módulos de Comando RKM Aurora MANUAL DE CONFIGURAÇÃO Rev. 1.0 Abril

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL (Publicidade e Propaganda)

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL (Publicidade e Propaganda) CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL (Publicidade e Propaganda) NÚCLEO DE TECNOLOGIA E COMUNICAÇÃO FACULDADE DA CIDADE DE MACEIÓ Regulamento de Funcionamento do Laboratório de Comunicação I INTRODUÇÃO: O Núcleo

Leia mais

Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida

Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida 1 O que é o Protocolo em Rampa O protocolo em rampa é um protocolo para testes de esforço que não possui estágios. Nele o incremento da carga se dá de maneira

Leia mais

CLIQUE O TEMA "LUZ, CIÊNCIA E ACÃO NA SUA COMUNIDADE ESCOLAR E PARTICIPE DO MAIOR EVENTO CIENTÍFICO DA AMÉRICA LATINA!

CLIQUE O TEMA LUZ, CIÊNCIA E ACÃO NA SUA COMUNIDADE ESCOLAR E PARTICIPE DO MAIOR EVENTO CIENTÍFICO DA AMÉRICA LATINA! CLIQUE O TEMA "LUZ, CIÊNCIA E ACÃO NA SUA COMUNIDADE ESCOLAR E PARTICIPE DO MAIOR EVENTO CIENTÍFICO DA AMÉRICA LATINA! REUNIÃO ANUAL DA SBPC UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS 12 a 18 de julho de 2015

Leia mais

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Instrutor Gilberto Carlos Fidélis Eng. Mecânico com Especialização em Metrologia pelo NIST - Estados Unidos e NAMAS/UKAS

Leia mais

GUIA PADRONIZAÇÃO DE IMAGENS NO INDICADOR CRM

GUIA PADRONIZAÇÃO DE IMAGENS NO INDICADOR CRM GUIA PADRONIZAÇÃO DE IMAGENS NO INDICADOR CRM ÍNDICE ITEM Página 1. Objetivo... 3 2. Padrões de Proporção... 3 3. Qualidade das Imagens... 6 4. Fotos Panorâmicas... 7 5. Youtube... 8 Página 2 de 9 1. Objetivo

Leia mais

Testador de dureza de frutas

Testador de dureza de frutas Guia do Usuário Testador de dureza de frutas Modelo FHT200 Introdução Parabéns pela sua compra do Testador de Dureza de Frutas Modelo FHT200 da Extech. O testador é usado para medir a dureza (maturação)

Leia mais

A CÂMARA DIGITAL A CAPTURA DE UMA IMAGEM NUMA CÂMARA DIGITAL ENVOLVE OS SEGUINTES PROCESSOS:

A CÂMARA DIGITAL A CAPTURA DE UMA IMAGEM NUMA CÂMARA DIGITAL ENVOLVE OS SEGUINTES PROCESSOS: A CÂMARA DIGITAL A CAPTURA DE UMA IMAGEM NUMA CÂMARA DIGITAL ENVOLVE OS SEGUINTES PROCESSOS: EXISTEM TRÊS TIPOS DE SENSORES UTILIZADOS NAS CÂMARAS DIGITAIS: CCD - Charge Coupled Device CMOS - Complimentary

Leia mais

FOTOGRAFAR O CÉU (PARTE I)

FOTOGRAFAR O CÉU (PARTE I) FOTOGRAFAR O CÉU (PARTE I) Pedro Ré http://www.astrosurf.com/re Fotografar o céu é uma ambição natural de muitas pessoas, entre as quais se contam os entusiastas de fotografia e de astronomia, os amantes

Leia mais

Comunicado de imprensa

Comunicado de imprensa Comunicado de imprensa Regresso da pequena e potente série PowerShot S Lisboa, 19 de Agosto de 2009: A Canon anuncia a PowerShot S90 marcando o regresso da série PowerShot S. A PowerShot S90 segue a tradição

Leia mais

www.totemonline.com.br

www.totemonline.com.br Apresentação da Nova Linha Colosso Enduro - 2006 Em Outubro de 1999 apresentamos o Colosso no Salão Duas Rodas. Durante todos estes 6 anos o Colosso não sofreu alterações para o uso em moto e em 2004 o

Leia mais

A avaliação da incerteza do tipo B. Segundo o Guia para Expressão da Incerteza na Medição (Joint Commitee for Guides

A avaliação da incerteza do tipo B. Segundo o Guia para Expressão da Incerteza na Medição (Joint Commitee for Guides A avaliação da incerteza do tipo B Segundo o Guia para Expressão da Incerteza na Medição (Joint Commitee for Guides in Metrology, 2008a), em condições ideais, todas as incertezas em laboratório seriam

Leia mais

PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ

PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ INTRODUÇÃO: O microscópio de luz é um aparelho que destina-se a observação de objetos muito pequenos, difíceis de serem examinados em detalhes a olho nu. O tipo de microscópio

Leia mais

Calibração de Equipamentos

Calibração de Equipamentos Vídeo Conferência Calibração de Equipamentos Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Paraná Junho/2014 Diferença entre calibração e a verificação metrológica Calibração Estabelece o erro de medição e

Leia mais

O testo 480 oferece apoio integral a consultores, especialistas,

O testo 480 oferece apoio integral a consultores, especialistas, Compromisso com o futuro Profissionais no fluxo de ar Instrumento de medição para análise de VAC testo 480 O testo 480 lhe oferece: > Sondas digitais de elevada qualidade e conceito inteligente de calibração

Leia mais

PROJETO DE OPERAÇÕES DE USINAGEM

PROJETO DE OPERAÇÕES DE USINAGEM Tarefas Envolvidas no Projeto de Operações de Usinagem: Planejamento do roteamento operações para fabricar uma peça ordem lógica Instruções suficientemente detalhadas para execução da usinagem? Projeto

Leia mais