Canal de Isabel II Gestão comercial e atenção ao cliente; Novas tecnologias aplicadas à gestão do abastecimento de água; Visita à EDAR da Reguera

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Canal de Isabel II Gestão comercial e atenção ao cliente; Novas tecnologias aplicadas à gestão do abastecimento de água; Visita à EDAR da Reguera"

Transcrição

1 Relatório da Missão do PNQS 2010 à Espanha Canal de Isabel II Gestão comercial e atenção ao cliente; Novas tecnologias aplicadas à gestão do abastecimento de água; Visita à EDAR da Reguera Madri Quarta feira, 15 Dez 2009

2 Contatos Organização responsável Canal de Isabel II Assuntos apresentados 1. Gestão Comercial e atenção ao cliente 2. Sistemas de Informaçõies 3. Novas tecnologias aplicados à gestão do abastecimento de água 4. Visita à EDAR- Estação de Depuralção de Água Residuais da Reguera Lista de apresentadores, cargo, , fone 1.Sr. Juan Ignácio Zubizarreta Diretor Comercial 2. Sr. Angel Rodriguez Subdretor de sistemas de informação 3.Sr. Francisco Javier Fernández Subdiretor de Telecontrole 4. Sra. Regina Garcia- Peñuela Chefe da divisão de depuração metropolitana periférica Lista de outros contatos, cargo, , fone 1. Blanca Estévez Tamiriz-Martel Departamento Imagen y Relaciones Públicas Tel.: Fax:

3 Relatores Nome Domingo Sávio Cardoso Braga Leornard Canargio Freire de Almeida Glazielu Gloria Aragones Milton de Oliveira Sandr o Reolon Zanella Rita Ivone Camana Rodrigo Varella Bastos Francisco de Macedo Fraietta Zoé Aparecida Fontes Pereira Sr. Leitor, em caso de dúvida sobre esse relatório, entre em contato com algum dos relatores acima, informando os propósitos.

4 Site do Canal de Isabel II Esquema de Saneamento Canal de Isabel II

5 Relações com os Clientes 1 10 Condominiais Individualizadas 7 Imoveis Individuais - Casas Sr. Juan Ignácio Zubizarreta Diretor Comercial Tel.: Fax.: Condominiais convencionais Comerciais Industriais Outras Dados Comerciais Gerais Municipios Atendidos (de 183 existentes) 179 Habitantes na Área de Atuação Clientes Ligações condominiais individualizadas por economia, normatizada no país. 6 milhões 1,3 milhão após 1992

6 Relações com os Clientes Agência Móvel Relação Clientes Atendimento Personalizado 12 escritórios de atendimento fixo; 02 Atendimentos móveis (em pequenas aldeias ou bairros dispersos); Call Center Center (Atendimento separado por segmentos) Informações sobre manutenção, danos, auto leitura e tira dúvidas sobre site - 24 Horas ; Informações, reclamações e dados cadastrais horário comercial 08:00 às 20:00); Atendimento via web 24 horas ( clientes com fatura via web, dados 2009);

7 Relações com os Clientes Agência Móvel Atendimento mediante protocolo 52% dos protocolos referem-se à modificação de dados cadastrais; Toda demanda deverá ter resposta em até 05 dias, conforme regulamentação, sob pena de multas pecuniárias por dia de atraso.

8 Relações com os Clientes Adesão aos Serviços Entrada da Solicitação: Adesão (10 dias para execução); Inspeção Condições da prestação de serviço, locação do hidrômetro, necessidade de obras e afins. Execução de obras pertinentes; Reativação (03 dias para execução); Formalização do Contrato Todo atraso na execução dos serviços, conforme regulamentação, sob pena de multavcontratual pecuniárias por dia de atraso.

9 Relações com os Clientes Processo de faturamento Leitura 50 % da atividade de leitura é terceirizada; Leituras realizadas bimestralmente; 350 mil hidrômetros eletrônicos, com leitura por descarga de dados; Grandes consumidores com alto consumo (5 a 6 clientes) Medição através de telemetria, com leitura semanal para acompanhamento; 26% das leituras são informadas por telefone(autoleitura); Todas as leituras são analisadas antes da emissão da fatura.

10 Relações com os Clientes Faturas Faturas emitidas até o terceiro dia após a leitura do hidrometro; Em média, ocorrem 24 mil retificações de faturas/ano; Fatura apresenta de forma discriminada todos serviços prestados(adução, Distribuição, Coleta e Tratamento; Incetivo ao cliente através de desconto para as faturas encaminhadas por , e solicitações por internet. Obs: Verificado que os clientes possuem dificuldade compreensão dos dados da fatura;

11 Relações com os Clientes Estrutura Tarifária Em média, o valor do serviço corresponde a 1,50 / m³; Tarifas definidas pelo governo; Tarifação uniforme para todos os municípios conveniados; Tarifas diferenciadas : Por categoria (Doméstica, Comercial e industrial); Por período (No verão mais elevada em relação ao restante do ano); Por faixas de consumo: 0 a 25m³ 25 a 50 m³ Mais de 50m³ Por critérios cumulativos Tarifa Fixa Em função do diâmetro do hidrômetro; Tarifa Variável Em função do consumo bimestral;

12 Relações com os Clientes Informações Gerais Em caso de inadimplência, busca-se negociar e oferecer oportunidades para regularização antes do inicio do processo de corte; Alta acuidade na determinação do ø mais adequado para cada ligação; Política de renovação do parque de hidrômetros de 12 anos; Não há obrigações regulamentares sobre pressões mínimas para o abastecimento e sim para os construtores; Não há reservatórios de água nos imóveis; Topografia da cidade, permite o abastecimento praticamente todo por gravidade; Em andamento estudos para: Aplicação de hidrômetros volumétricos; Ampliação de medições por telemetria;

13 Resultados Comerciais Tempo Médio de Espera de Atendimento nas Agências Tempo Médio de Atendimento nas Agências 3 minutos 17 minutos Consumo das Ligações Domiciliares em relação ao total 72 % Nota de Avaliação do Atendimento (1 a 10) ,52 Leituras com êxito 95,7 % Débito Automático / Bancário 94 % Alteração Cadastral representam a maiores reclamações 52 % Novas Ligações realizadas dentro do prazo 96,46 % Reativações realizadas dentro do prazo 99,58 %

14 Sistemas de Informação Sr. Ángel Rodrígues García Sundiretor de Sistemas de Informação Tel.: Fax.: A Empresa utiliza um único sistema (SAP) para Gestão das principais Informações. Dados Sistemas de Informação Mainframe Z/OS IBM 2096 de 150 MIPS + V2X2 Storage Tek (4x3 TB) Natural, ADABAS, Entire X de Software AG Servidores Físicos 77 Servidores Virtuais (VMWare) 324 Armazenamento NAS cluster Armazenamento San (B.D) 89 TeraByte 4 TeraByte

15 Sistemas de Informação Sistema Comercial GRECO - Sistema de Gestão de Relações Comerciais, integrando vários sistemas vinculados às atividades comerciais, permitindo uma gestão unificada das informações para os clientes. Os principais sistemas integrados são:. Sistema de Informações Georeferenciadas (GIS) Gestão das Ligações Sistema de Informação Municipal Gestão de Documentos Sistemas Móveis de Informações em Campo.

16 Sistemas de Informação Outros Sistemas Sistema de Reclamações SYREDE (Lotus Notes) CRM-SAP queixas, solicitações e marketing (campanhas) Sistema MOVILIDAD aplicações/módulos SYLCO leituras dos hidrômetros GRAFO - revisão das ligações SUBYTO geolocalização de ligações TEMPO ordens de inspeção Sistema de informação BIW de SAP Sistema para gestão de relações institucionais (convênios e contratos) GRYNS (sobre BIW, WAS e Notes) e Portal Municipal Gestão com ayuntamientos (Notes)

17 Sistemas de Informação Processos Econômicos Financeiros Dispensa de licitação para processos até 18 mil euros com provisão pelas próprias áreas. Acima de 18 mil euros a Contratação por licitação ocorre pelo Sistema GEXAP SAP, que publica edital, controla o processo e emite os resultados e pareceres. Financeiro : Contabilidade, Finanças e patrimônio utilizam o Sistema SAP com interface ao GIS; as faturas de consumo elétrico, expropiação e indenizações (em implementação no sistema SAP) e tesouraria utiliza o Sistema TAYA. Atualmente usuários trabalhando no sistema SAP (62% do total da força de trabalho)

18 Gestão de Recursos Humanos Sistema HUMANYA SAP HCN ECC 6 Administração de pessoal Gestão de tempo Normas Seleção (concorrência, concurso) Formação (port folio de cursos de formação) Desenvolvimento profissional carreira profissional Ação social Autosserviço para empregado portal SAP, acesso a suas informações pela intranet Sistema de Saúde e prevenção laboral (PREVENCS 32 migrando para EH&S de SAP)

19 Gestão de Recursos Humanos Colaboração (outros sistemas) Sistema de Qualidade e meio Ambiente (Lotus Notes) Sistema de Segurança e Saúde - OHSAS (Lotus Notes) Sistema de Reuniões e comissões (Lotus Notes) Notificações de acidentes (Lotus Notes) Gestão de registro e tramitação de documento (GREYSER, InvesDoc, InvesSicres) Intranet (Open CMS) Blogs tecnologia mais campanhas de idéias (GENIAL) Lotus Notes Sistema de Gestão de expediente (jurídico, sansões, etc) - INFOLEX

20 Outros Sistemas Gestão de projetos e obras (ABYSPA) em desenvolvimento em JAVA Manutenção de infraestrutura GESMAN GOMA GAYTA GIMDEI SIGMA Gestão de laboratório LIMS

21 Informações Relevantes Os funcionários subcontratados tem acesso aos sistemas por redes virtuais com a empresa por meio de senhas de acesso com firewall e conexão por internet (fire pass ff5) navegador com conexão segura WAP ou desktop (citrix); As Empresas projetistas têm acesso ao inventário de ativos e há empresas que lançam informações diretamente nos sistemas; O desenvolvimento de sistemas de informação é normalmente subcontratado. O papel da área de informação é entender a necessidade da informação do cliente, como traduzir em bons projetos, com requisitos claros;

22 Outros Sistemas PMBok é a metodologia utilizada para projetos de informação; Para contratação de empresas são exigidas Certificações ISO , certificado de PMI e dos profissionais que trabalharão com a empresa.

23 Sr. Fco Javier Fernández Delgado Sundiretor de Telecontrol Tel.: Fax.: Gestão Abastecimento de Água Aspectos da operação: Sistema de Informação: Utilização como Suporte 650 setores automatizados; instrumentos de medição; alarmes de monitoramento por mês; A automatização é preconcebida desde o projeto; Gestão por Setor de Abastecimento; Sistema gera automático informações para o sistema nacional de saúde(qualidade da Água); Adequação de sistemas para padronização; Utilização de modelagem matemática para ampliação de setores;

24 Gestão Abastecimento de Água Aspectos da operação: Gestão de manutenção e distribuição Sistema Integrado Geográfico; Utiliza a automatização com controle remoto (80%); Sistema gera resultados para priorização de atuação; A análise da capacidade de produção com a demanda de distribuição; A utilização de sistemas subterraneo(81 Poço) Reserva Estratégica Minicentrais Hidroelétricas controle produção de energia Sistemas se integram e interagem garantindo a confiabilidade e pronto atendimento

25 Visita à EDAR- Estação de Depuração de Água Residuais da Reguera Dados Operacionais População atendida Vazão média tratada Investimento (ETE e coletores) habitantes m³/dia Euros Início de operação 21/11/2008 implementação de todos os processos Nov/2009 Turnos de operação com 2 empregados cada 3 Empregados para Manutenção Mecânica e Elétrica 5

26 Visita à EDAR- Estação de Depuração de Água Residuais da Reguera Processo Preliminar com grades e caixas de detenção para remoção de sólidos, areia, óleos e graxas Tanque de aeração com as fases anóxida onde ocorre a remoção do nitrogênio, aerada para remoção do material orgânico em suspensão, facultativa para remoção do fósforo. Decantador secundário onde inicia o processo de separação das fases sólida e líquida, com a recirculação do lodo para o tanque de aeração. O lodo excedente segue para o processo de desidratação por flotação, centrifugação e higienização dentro da linha de tratamento do lodo. Com umidade de 25% é disponibilizado para a utilização na agricultura.

27 Visita à EDAR- Estação de Depuração de Água Residuais da Reguera Quanto a parte líquida, após o decantador secundário, é realizada a a desinfecção por ultravioleta e hipoclorito. O efluente tratado é utilizado internamente e está em estudo a sua utilização para a irrigação de parques e jardins. O gás gerado é aproveitado para aquecimento do digestor. O volume excedente é queimado. Na desodorização dos gases são utilizadas três torres, onde na primeira é feita a lavagem com solução ácida, na segunda solução alcalina e na última uma solução oxidante. Este processo é totalmente automatizado. O sistema de esgotamento sanitário não é do tipo separador absoluto. O preliminar da ETE está preparado para promover o desvio do caudal para o rio, automaticamente, assim que parâmetros de vazão forem atingidos,

28 Visita à EDAR- Estação de Depuração de Água Residuais da Reguera Resultados Estação Depuradora Nível de automação 100 % Tempo de Detenção da Fase Liquída Idade do lodo Relação do custo de energia necessário para o processo de desodorização Parâmetro do esgoto aflluente DBO Parâmetro do efluente - DBO DQO médio * Fósforo Nitrogênio 12 a 14 horas 11 dias 23% do total Entre 300 a 500 mg/l Entre 5 a 8 mg/l 25 a 30 mg/l 1 mg/l 5 mg/l * Limite estabelecido pela Comunidade Européia é de 125 mg/l

29

30

31

ABESI N F O R M A. Missão do PNQS já de volta da Espanha

ABESI N F O R M A. Missão do PNQS já de volta da Espanha 21 de dezembro de 2010 Missão do PNQS já de volta da Espanha Já estão voltando ao Brasil os 45 representantes de empresas e serviços de saneamento que foram à Espanha em missão de estudos do PNQS Prêmio

Leia mais

O processo de tratamento da ETE-CARIOBA é composto das seguintes unidades principais:

O processo de tratamento da ETE-CARIOBA é composto das seguintes unidades principais: 1.0 ETE CARIOBA A Estação de Tratamento de Esgotos Sanitários denominada ETE- CARIOBA é responsável pelo tratamento de esgotos coletados pelo sistema publico de esgotos sanitários na principal bacia da

Leia mais

Relatório da Missão do PNQS 2010 à Espanha. Seminário de Apresentação: Uma Visão Geral do Saneamento na Espanha GRUPO 1

Relatório da Missão do PNQS 2010 à Espanha. Seminário de Apresentação: Uma Visão Geral do Saneamento na Espanha GRUPO 1 Relatório da Missão do PNQS 2010 à Espanha Seminário de Apresentação: Uma Visão Geral do Saneamento na Espanha GRUPO 1 Dezembro 2010 Relatório da Missão do PNQS 2009 à Espanha Seminário de Apresentação:

Leia mais

Um pouco da nossa história

Um pouco da nossa história Um pouco da nossa história Possui 250 empresas Presente 57 países 119 mil empregados Produtos presente 175 países US$ 63,4 bilhões faturamento Instalada em SP em 1933 Em 1954 mudou-se para SJC 1 milhão

Leia mais

Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais.

Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais. Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais. ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS ETE JESUS NETTO ETE JESUS NETTO BACIA DE ESGOTAMENTO HISTÓRICO Estação Experimental de Tratamento

Leia mais

ETE do Baldo - Natal/RN

ETE do Baldo - Natal/RN ETE do Baldo - Natal/RN A Estação de Tratamento de Esgoto do Sistema Central de Natal, localizada no bairro do Baldo, na rua Capitão Silveira Barreto S/N, constitui-se num investimento de aproximadamente

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2011, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

Relatório da Missão do PNQS 2013 a Portugal

Relatório da Missão do PNQS 2013 a Portugal Relatório da Missão do PNQS 2013 a Portugal Abastecimento de Água de Lisboa EPAL - Empresa Portuguesa das Águas Livres S/A ETA ASSEICEIRA Fotos opcionais Lisboa Quinta feira, 12 Dez 2013 Grupo 4 Nome Empresa

Leia mais

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO CAPIVARI II CAMPINAS - SP

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO CAPIVARI II CAMPINAS - SP ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO CAPIVARI II CAMPINAS - SP Objetivos principais do tratamento de esgoto O futuro e as próximas gerações na bacia PCJ INVESTIMENTO MACIÇO EM TRATAMENTO DE ESGOTO CONCEPÇÕES

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

GSAN. Sistema de Gestão Comercial para empresas de saneamento. Versão Atual do GSAN. Módulos

GSAN. Sistema de Gestão Comercial para empresas de saneamento. Versão Atual do GSAN. Módulos GSAN Sistema de Gestão Comercial para empresas de saneamento Versão Atual do GSAN A PROCENGE é líder nacional no fornecimento de softwares de gestão para companhias de Água e Saneamento, com base na sua

Leia mais

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Projeto de Reuso de Água Eng. Juliano Saltorato Fevereiro 2008 1) Identificação da Empresa: Endereço completo

Leia mais

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32 Sumário Apresentação... 15 Capítulo 1 Qualidade da água e saneamento... 17 Referências bibliográficas...24 Capítulo 2... 25 Resumo geral da teoria... 25 2.1 Poluição e contaminação dos recursos hídricos...25

Leia mais

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES OBTER ÁGUA DE REUSO DE BOA QUALIDADE COMEÇA POR UM SISTEMA TRATAMENTO DE ESGOTOS DE ALTA PERFORMANCE TRATAMENTO PRIMÁRIO: CONSISTE NA SEPARAÇÃO

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: Pré-tratamento (gradeamento e desarenação), Tratamento primário (floculação e sedimentação),

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

PL 146/2009 Processo 347/2009 SAAE DE PORTO FELIZ

PL 146/2009 Processo 347/2009 SAAE DE PORTO FELIZ LEI Nº. 4.785 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2009. DISPÕE SOBRE O DESPEJO DE EFLUENTES SANITÁRIOS NA REDE PÚBLICA, PROCEDENTES DA UTILIZAÇÃO DE FONTES ALTERNATIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA, CONFORME ESPECIFICA,

Leia mais

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência O princípio de transmissão de dados de telemetria por rádio freqüência proporciona praticidade, agilidade,

Leia mais

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS Apresentação A Companhia de Saneamento de Minas Gerais, COPASA, criada em 1963, é uma empresa vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Regional e Política

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS Drenagem de Bacias SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS PROGRAMA Nº - 035 Garantir a captação e drenagem das bacias hidrográficas; Eliminar pontos de alagamento junto a córregos e canais; Proteger as margens

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 195

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 195 Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 195 Manutenção e Operacionalização da Administração SUB-FUNÇÃO: 122 ADMINISTRAÇÃO GERAL Prover o SAAE de recursos materiais e humanos para o bom desenvolvimento

Leia mais

Seminário Nacional AESBE 30 anos

Seminário Nacional AESBE 30 anos Experiências de Sucesso nas Empresas Estaduais de Saneamento TELEMETRIA 26/08/2015 Silvana Corsaro Candido da Silva de Franco, Gerente do Departamento de Planejamento, Gestão e Operação da Produção Seminário

Leia mais

RESPOSTA Nº 02 DO EDITAL ADG 002/2015 - Contratação de prestação dos serviços de Service Desk.

RESPOSTA Nº 02 DO EDITAL ADG 002/2015 - Contratação de prestação dos serviços de Service Desk. RESPOSTA Nº 02 DO EDITAL ADG 002/2015 - Contratação de prestação dos serviços de Service Desk. PERGUNTA 1: Sobre o Item Minuta Contratual: CONSIDERANDO QUE O ONS É UMA PESSOA JURÍDICA DE DIREITO PRIVADO

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL Hugo Renan Bolzani 1, Sandro Rogério Lautenschlager

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

SETOR COMERCIAL E DE RELAÇÕES COM OS CLIENTES DO SISTEMA DE ÁGUA

SETOR COMERCIAL E DE RELAÇÕES COM OS CLIENTES DO SISTEMA DE ÁGUA Relatório da Missão do PNQS 2012 ao Canadá SETOR COMERCIAL E DE RELAÇÕES COM OS CLIENTES DO SISTEMA DE ÁGUA Hamilton - Canadá Sexta-feira, 14 Dez 2012 Grupo 5 Nome Adriana Altoé Pigatti Cláudio Vieira

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Valério da Silva Ramos (*) Administrador de Empresas, pós-graduado em Gestão Econômica e Financeira

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A ISO 9001:2000

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A ISO 9001:2000 CONTRATO ESPECIAL DE FIDELIDADE PARA FORNECIMENTO DE ÁGUA POTÁVEL, COLETA/ AFASTAMENTO E TRATAMENTO DE ESGOTO, QUE ENTRE SI CELEBRAM A SOCIEDADE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO - SANASA CAMPINAS

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 015, de 24 de janeiro de 2012.

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 015, de 24 de janeiro de 2012. RESOLUÇÃO 015, de 24 de janeiro de 2012. Homologa a Norma Técnica T.187/4 Lançamento de Efluentes não Domésticos no Sistema de Esgotamento Sanitário da Companhia de Saneamento de Minas Gerais COPASA MG.

Leia mais

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL Ernane Vitor Marques (1) Especialista em Engenharia Sanitária e Meio Ambiente

Leia mais

TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO PALESTRANTE: ENG. JOSÉ ANTONIO MONTEIRO FERREIRA. www.mcleodferreira.com.br

TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO PALESTRANTE: ENG. JOSÉ ANTONIO MONTEIRO FERREIRA. www.mcleodferreira.com.br TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO PALESTRANTE: ENG. JOSÉ ANTONIO MONTEIRO FERREIRA McLEOD FERREIRA CONSULTORIA TÉCNICA E COMERCIAL S/C LTDA. www.mcleodferreira.com.br Limpando o Ar Pittsburgh Fonte: AWMA

Leia mais

Química das Águas - parte 3

Química das Águas - parte 3 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 3 Aula S07 - Purificação de águas poluídas (Tratamento de esgoto) Prof. Rafael Arromba de Sousa Departamento de Química UFJF 2º período de 2013 Recapitulando...

Leia mais

SISTEMA DE NORMAS RD Nº 05/2007 de 18/04/07 1 de 7

SISTEMA DE NORMAS RD Nº 05/2007 de 18/04/07 1 de 7 Nº RD e Data de aprovação: PÁGINA : SISTEMA DE NORMAS RD Nº 05/2007 de 18/04/07 1 de 7 CÓDIGO : GECOM/D.C. - 01 TÍTULO DA NORMA : SUBSTITUI : SISTEMA DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA 1. PROPÓSITOS: Estabelecer

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão de Serviços de Saneamento

Sistema Integrado de Gestão de Serviços de Saneamento Sistema Integrado de Gestão de Serviços de Saneamento Mudança de paradigma softwarepublico.gov.br Empresas De Saneamento Empresas De TI Usuários Características Características de Propriedade - Software

Leia mais

Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto da ETE Penha - CEDAE. Edição 26/03/08

Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto da ETE Penha - CEDAE. Edição 26/03/08 Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto da ETE Penha - CEDAE Edição 26/03/08 1 Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto

Leia mais

SAN.T.IN.NT 33. A.R.T.: Anotação de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura CREA;

SAN.T.IN.NT 33. A.R.T.: Anotação de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura CREA; 1 / 5 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. DEFINIÇÕES 4. PROCEDIMENTOS 5. REFERÊNCIAS 6. ANEXOS 1. FINALIDADE Esta Norma tem como finalidade disciplinar e padronizar os procedimentos para liberação

Leia mais

Email: deboracyklig@gmail.com. Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP), Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ)

Email: deboracyklig@gmail.com. Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP), Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) AUTORES: DÉBORA CYNAMON KLIGERMAN 1 WILLIAM ZAMBONI DE MELLO 2 ARIANE COELHO BROTTO 2 RENATO PEREIRA RIBEIRO 1 ANDREZZA DE SOUZA PICCOLI 1 Email: deboracyklig@gmail.com 1 Escola Nacional de Saúde Pública

Leia mais

ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO

ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO PEDRO ALEM SOBRINHO ESCOLA POLITÉCNICA - USP TRATAMENTO DE ESGOTO O INÍCIO 1.850 1.900 MOTIVO

Leia mais

SOFTWARES DA ELIPSE SÃO UTILIZADOS NOS PROCESSOS DE REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA E EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DA ÁGUAS GUARIROBA

SOFTWARES DA ELIPSE SÃO UTILIZADOS NOS PROCESSOS DE REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA E EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DA ÁGUAS GUARIROBA SOFTWARES DA ELIPSE SÃO UTILIZADOS NOS PROCESSOS DE REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA E EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DA ÁGUAS GUARIROBA Soluções E3 e Elipse Mobile são utilizadas pela concessionária Águas Guariroba

Leia mais

Livro: Água pague menos água Engenheiro Plinio Tomaz pliniotomaz@uol.com.br 11/12/2010. Capítulo 2. Nitro PDF Trial

Livro: Água pague menos água Engenheiro Plinio Tomaz pliniotomaz@uol.com.br 11/12/2010. Capítulo 2. Nitro PDF Trial Capítulo 2 Medição individualizada e Monitoramento do consumo Estima-se que 80% de todas as moléstias e mais de um terço dos óbitos dos países em desenvolvimento sejam causados pelo consumo de águas contaminadas

Leia mais

LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007

LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007 LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007 CRIA, no município de Manaus, o Programa de Tratamento e Uso Racional das Águas nas edificações PRO-ÁGUAS. O PREFEITO DE MANAUS, usando das atribuições que lhe são

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 148

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 148 PROGRAMA Nº- 148 GESTÃO E CONTROLE DE PERDAS FUNÇÃO: 17 SANEAMENTO SUB-FUNÇÃO: 512 SANEAMENTO BÁSICO URBANO - Reduzir perdas de água reais e aparentes; reduzir os custos de exploração, produção e distribuição

Leia mais

Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de

Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de satisfação, de forma sustentável. Solução analítica para

Leia mais

Audiência Pública. Piedade. 20 de Junho de 2013

Audiência Pública. Piedade. 20 de Junho de 2013 Audiência Pública Piedade 20 de Junho de 2013 Objetivo do Encontro Audiência Pública sobre o Convênio com o Governo do Estado, Contrato de Programa com a Sabesp e Plano Municipal de Saneamento do município

Leia mais

Localização: margem esquerda do ribeirão Arrudas (região outrora conhecida como Marzagânia) Tratamento preliminar: perímetro urbano de Belo Horizonte

Localização: margem esquerda do ribeirão Arrudas (região outrora conhecida como Marzagânia) Tratamento preliminar: perímetro urbano de Belo Horizonte ETE ARRUDAS DADOS GERAIS Localização: margem esquerda do ribeirão Arrudas (região outrora conhecida como Marzagânia) Tratamento preliminar: perímetro urbano de Belo Horizonte Demais unidades: município

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação TÍTULO: Estudo de reúso para Efluente de ETE s da SANASA/Campinas Nome dos Autores: Renato Rossetto Cargo atual: Coordenador de Operação e Tratamento de Esgoto. Luiz Carlos Lima Cargo atual: Consultor

Leia mais

Softwares da Elipse são utilizados nos processos de redução de perdas de água e eficientização energética da Águas Guariroba

Softwares da Elipse são utilizados nos processos de redução de perdas de água e eficientização energética da Águas Guariroba Softwares da Elipse são utilizados nos processos de redução de perdas de água e eficientização energética da Águas Guariroba Soluções E3 e Elipse Mobile são utilizadas pela concessionária Águas Guariroba

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR-12.209 ABNT

CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR-12.209 ABNT CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NORMA BRASILEIRA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDRAULICO SANITÁRIOS DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS NBR-12.209 ABNT Eduardo Pacheco Jordão, Dr.Eng.

Leia mais

CAPÍTULO 3: ESGOTO SANITÁRIO

CAPÍTULO 3: ESGOTO SANITÁRIO CAPÍTULO 3: ESGOTO SANITÁRIO 155 1. Infraestrutura de Esgotamento Sanitário do município de Vinhedo 1.1. ETE Pinheirinho O município de Vinhedo conta com uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) denominada

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA.

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. Nilton de Paula da Silva 1 Ederaldo Godoy Junior 2 José Rui

Leia mais

Centro de Controle Operacional, Laboratório Águas de Barcelona, Gestão Comercial e Gestão de Perdas

Centro de Controle Operacional, Laboratório Águas de Barcelona, Gestão Comercial e Gestão de Perdas Relatório da Missão do PNQS 2014 à Espanha Centro de Controle Operacional, Laboratório Águas de Barcelona, Gestão Comercial e Gestão de Perdas Barcelona Terça-feira, 19 Maio de 2015 Aline Martins Brito

Leia mais

Centros de Operação do Segmento de Missão Critica Sala de Controle de Gás Natural

Centros de Operação do Segmento de Missão Critica Sala de Controle de Gás Natural Centros de Operação do Segmento de Missão Critica Sala de Controle de Gás Natural 15/04/2014 1 Quem somos A maior distribuidora de gás natural canalizado do Brasil Responsável por cerca de 1/4 das vendas

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E OPERACIONAL EM EMPRESAS DE SANEAMENTO

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E OPERACIONAL EM EMPRESAS DE SANEAMENTO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E OPERACIONAL EM EMPRESAS DE SANEAMENTO MARCOS ANTONIO DANELLA Quem Somos Engenheiro, Administrador, professor PUC Campinas Gerente Regional de Operações no Setor Elétrico (29 anos)

Leia mais

Implantação da plataforma ESRI na Sabesp Desafios/Soluções/Oportunidades

Implantação da plataforma ESRI na Sabesp Desafios/Soluções/Oportunidades Implantação da plataforma ESRI na Sabesp Desafios/Soluções/Oportunidades A Sabesp STATUS: PATRIMÔNIO LÍQUIDO: R$ 10,5 bilhões* EMPREGADOS: 14.896 Fundada em 1973 como sociedade de participação acionária

Leia mais

Fábio Marques dos Passos Analista de Gestão SABESP Brasil

Fábio Marques dos Passos Analista de Gestão SABESP Brasil Fábio Marques dos Passos Analista de Gestão SABESP Brasil 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL A Sabesp STATUS: PATRIMÔNIO LÍQUIDO: L EMPREGADOS: 15.095 Fundada

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO QUANTITATIVA DE ESGOTOS E CARGAS POLUIDORAS. Profa. Margarita Maria Dueñas O.

CARACTERIZAÇÃO QUANTITATIVA DE ESGOTOS E CARGAS POLUIDORAS. Profa. Margarita Maria Dueñas O. CARACTERIZAÇÃO QUANTITATIVA DE ESGOTOS E CARGAS POLUIDORAS Profa. Margarita Maria Dueñas O. CONTEÚDO Introdução e conceitos Vazão de esgoto Vazão doméstica Consumo de água Consumo per cápita de água Faixas

Leia mais

LANÇAMENTO DE EFLUENTES

LANÇAMENTO DE EFLUENTES NORMA TÉCNICA T. 187/ 5 LANÇAMENTO DE EFLUENTES NÃO DOMÉSTICOS NO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA COPASA S I N O R T E Sistema de Normalização Técnica Copasa NORMA TÉCNICA LANÇAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS

Leia mais

II-068 EMISSÃO ZERO EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO DOMÉSTICO

II-068 EMISSÃO ZERO EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO DOMÉSTICO II-068 EMISSÃO ZERO EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO DOMÉSTICO Natal de Avila Antonini (1) Engenheiro Mecânico e Mestre na área de Energia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Engenheiro

Leia mais

Introdução. Sistemas. Tecnologia. Produtos e Serviços

Introdução. Sistemas. Tecnologia. Produtos e Serviços Introdução Apresentamos nosso catálogo técnico geral. Nele inserimos nossa linha de produtos que podem ser padronizados ou de projetos desenvolvidos para casos específicos. Pedimos a gentileza de nos contatar

Leia mais

Anexo I QT D ESPECIFICAÇÃO. Vl unit total ITEM UNID.

Anexo I QT D ESPECIFICAÇÃO. Vl unit total ITEM UNID. Anexo I ITEM 01 ESPECIFICAÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DO SOFTWARE GESTÃO COMERCIAL para faturamentos, cadastros, controle de contas e consumos, dívida ativa, atendimento ao público e auto-atendimento via

Leia mais

Capacitação das empresas de tecnologias e fabricantes de água e esgoto por nossas associadas. Palestrante: Valdir Folgosi

Capacitação das empresas de tecnologias e fabricantes de água e esgoto por nossas associadas. Palestrante: Valdir Folgosi Capacitação das empresas de tecnologias e fabricantes de água e esgoto por nossas associadas Palestrante: Valdir Folgosi Maio-2010 Índice Abimaq / Sindesam Relação do nosso setor com o setor industrial

Leia mais

Departamento de Tecnologia da Informação

Departamento de Tecnologia da Informação Departamento de Tecnologia da Informação Objetivos O DTI é o departamento responsável por toda a arquitetura tecnológica do CRF- SP, ou seja, compreende todo o conjunto de hardware/software necessário

Leia mais

CONVITE Nº 000012-09. DATA E HORÁRIO PARA RECEBIMENTO E ABERTURA DOS ENVELOPES Dia 06 / 07 / 2009 às 10 horas

CONVITE Nº 000012-09. DATA E HORÁRIO PARA RECEBIMENTO E ABERTURA DOS ENVELOPES Dia 06 / 07 / 2009 às 10 horas CONVITE Nº 000012-09 DATA E HORÁRIO PARA RECEBIMENTO E ABERTURA DOS ENVELOPES Dia 06 / 07 / 2009 às 10 horas 01. DISPOSIÇÕES INICIAIS 1.1 O Senac - torna público que, na Seção de Material, localizada na

Leia mais

CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETIVO

CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETIVO CONTRATO DE INDIVIDUALIZAÇÃO DE LIGAÇÕES DE ÁGUA EM ATENDIMENTO AO ---------------------- -------------------------- DECORRENTE DO PROTOCOLO SANASA Nº. -------- --------/-------. Pelo presente instrumento

Leia mais

Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos

Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos IV Curso de Controle de Qualidade na Indústria de Alimentos Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos Por: Djalma Dias da Silveira Eng. Químico Centro de Tecnologia - UFSM A

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMBORIÚ EDITAL DE CONCORRÊNCIA PÚBLICA CONCORRÊNCIA Nº XX/2014 PROCESSO Nº XX/2014

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMBORIÚ EDITAL DE CONCORRÊNCIA PÚBLICA CONCORRÊNCIA Nº XX/2014 PROCESSO Nº XX/2014 ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMBORIÚ EDITAL DE CONCORRÊNCIA PÚBLICA CONCORRÊNCIA Nº XX/2014 PROCESSO Nº XX/2014 ANEXO II INFORMAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA PROPOSTA TÉCNICA ALÍNEA A)

Leia mais

READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3

READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3 READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3 1 - Vazões e Cargas de Dimensionamento População = Vazão média = Q k1 = Q k1k2 = CO = So = 49974 hab 133.17 L/s 156.31

Leia mais

Sistema de de Gerenciamento, Automação e Economia de Água PROJETO 3T (SCADA + GIS + MODELAGEM) "UM MUNDO NOVO EM SUAS MÃOS"

Sistema de de Gerenciamento, Automação e Economia de Água PROJETO 3T (SCADA + GIS + MODELAGEM) UM MUNDO NOVO EM SUAS MÃOS Sistema de de Gerenciamento, Automação e Economia de de Água ABINEE TEC - Minas Gerais 2006 PROJETO 3T (SCADA + GIS + MODELAGEM) "UM MUNDO NOVO EM SUAS MÃOS" COPASA DIRETORIA METROPOLITANA AGOSTO / 2006

Leia mais

Luiz Celso Pinto Gerente de Controle de Perdas CAGECE Brasil. 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL

Luiz Celso Pinto Gerente de Controle de Perdas CAGECE Brasil. 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL Luiz Celso Pinto Gerente de Controle de Perdas CAGECE Brasil 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL Desenvolvimento Interno de Soluções AMI/AMR Advanced Metering

Leia mais

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014 ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014 Objetivos principais do tratamento de esgoto Necessidade...A

Leia mais

Controle operacional em lodos ativados

Controle operacional em lodos ativados Controle operacional em lodos ativados Prof. Dr. Peterson B. Moraes Departamento de Tecnologia em Saneamento Ambiental Centro Superior de Educação Tecnológica UNICAMP - Limeira Controle de efluente industrial

Leia mais

SISTEMA PRÓPRIO DE GESTÃO INTEGRADO NA ÁREA COMERCIAL E 0800

SISTEMA PRÓPRIO DE GESTÃO INTEGRADO NA ÁREA COMERCIAL E 0800 SISTEMA PRÓPRIO DE GESTÃO INTEGRADO NA ÁREA COMERCIAL E 0800 Mauricio Kato da Silva Graduado em Administração pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Campus Poços de Caldas em 2001. Atua

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO DE LODOS BIOLÓGICOS. Gonçalves Maria Carolina, de Andrade Aguiar Vera Lucia RESUMO

FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO DE LODOS BIOLÓGICOS. Gonçalves Maria Carolina, de Andrade Aguiar Vera Lucia RESUMO FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO DE LODOS BIOLÓGICOS Gonçalves Maria Carolina, de Andrade Aguiar Vera Lucia EMPRESA: SABESP - COMPANHIA DE SANEAMENTO BÁSICO DE SÃO PAULO AV. 1º DE MAIO S/Nº VILA ALDEINHA BARUERI

Leia mais

II-008 AFINAL, QUAL É MELHOR, AERAÇÃO MECÂNICA OU AERAÇÃO POR AR DIFUSO EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS. O CASO DE JUNDIAÍ SP.

II-008 AFINAL, QUAL É MELHOR, AERAÇÃO MECÂNICA OU AERAÇÃO POR AR DIFUSO EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS. O CASO DE JUNDIAÍ SP. II-008 AFINAL, QUAL É MELHOR, AERAÇÃO MECÂNICA OU AERAÇÃO POR AR DIFUSO EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS. O CASO DE JUNDIAÍ SP. Gilberto Berzin Engenheiro Civil EESC-USP 1971 Pós Graduado em Saneamento

Leia mais

INDICADORES GERENCIAIS PRÓ-ATIVOS DE SEGURANÇA E SAÚDE. DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE UTILIZAÇÃO NOS VEÍCULOS DO GRUPO CEEE.

INDICADORES GERENCIAIS PRÓ-ATIVOS DE SEGURANÇA E SAÚDE. DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE UTILIZAÇÃO NOS VEÍCULOS DO GRUPO CEEE. INDICADORES GERENCIAIS PRÓ-ATIVOS DE SEGURANÇA E SAÚDE. DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE UTILIZAÇÃO NOS VEÍCULOS DO GRUPO CEEE. Autores João Carlos Lindau Roberto de Azevedo Ferreira GRUPO CEEE RESUMO Cada

Leia mais

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX São Carlos, 31 de Janeiro de 2011. PROJETO REUSO DE ÁGUA - ELECTROLUX 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Electrolux do Brasil S/A Unidade: São Carlos

Leia mais

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 86, DE 22 DE MAIO DE 2015

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 86, DE 22 DE MAIO DE 2015 RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 86, DE 22 DE MAIO DE 2015 Dispõe sobre a revisão dos valores das Tarifas de Água e Esgoto e dos Preços Públicos dos serviços prestados pelo SAMAE, a serem aplicadas no Município de

Leia mais

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Ricardo Franci Gonçalves Giovana Martinelli da Silva Tratamento de Esgoto Procedimentos

Leia mais

Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos

Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos 28/05/2013 Ana Silvia Pereira Santos anasilvia.santos@ufjf.edu.br Temas Poluição da Água Níveis de atendimento no Brasil em relação ao esgotamento

Leia mais

SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAMENTO DO ALGARVE ETAR DA BOAVISTA

SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAMENTO DO ALGARVE ETAR DA BOAVISTA SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAMENTO DO ALGARVE ETAR DA BOAVISTA Paginação.indd 1 10/03/18 16:21 SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAME 1. CONCEPÇÃO DA INFRAESTRUTURA A ETAR da Boavista contempla o tratamento

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL. Aspectos Legais. Usos da Água e Geração de Efluentes. Abastecimento Doméstico

Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL. Aspectos Legais. Usos da Água e Geração de Efluentes. Abastecimento Doméstico Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL Noções BásicasB Aspectos Legais Tecg.º Jair Fernandes de Macedo Prolab Ambiental Ltda. Usos da Água e Geração de Efluentes Abastecimento Doméstico Água potável

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Faculdade Barão de Mauá. Graduando em Engenharia Civil

Leia mais

PODER LEGISLATIVO DO MUNICÍPIO DE CAPIVARI DO SUL. EDITAL No 003/2015

PODER LEGISLATIVO DO MUNICÍPIO DE CAPIVARI DO SUL. EDITAL No 003/2015 PODER LEGISLATIVO DO MUNICÍPIO DE CAPIVARI DO SUL EDITAL No 003/2015 REFERENTE AO PROCESSO ADMINISTRATIVO No 001/2015 EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS No 001/2015 Art. 1º. DO TERMO DE ADJUDICAÇÃO Através do

Leia mais

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável nos núcleos rurais com mais de 10 economias nas áreas quilombolas nas áreas indígenas Planilha de Objetivos, Indicadores e Ações Viabilizadoras GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: "Que até

Leia mais

CONCESSÃO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA NOVOS EMPREENDIMENTOS ENG.006.03.2015

CONCESSÃO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA NOVOS EMPREENDIMENTOS ENG.006.03.2015 CONCESSÃO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA NOVOS EMPREENDIMENTOS ENG.006.03.2015 OBJETIVO Estabelecer as regras e procedimentos para concessão de viabilidade técnica, aprovação de projetos e acompanhamento

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL ANO - 7 NOVEMBRO/2014

RELATÓRIO MENSAL ANO - 7 NOVEMBRO/2014 RELATÓRIO MENSAL ANO - 7 NOVEMBRO/2014 TERMO DE CONTRATO DE PARCERIA PÚBLICO PRIVADA CONTRATANTE: SAEG Companhia de Serviços de Água, Esgoto e Resíduos de Guaratinguetá. OBJETO: Prestação de Serviços público

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS 3ª AUDIÊNCIA PÚBLICA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS 3ª AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS 3ª AUDIÊNCIA PÚBLICA - Propostas para o Esgotamento Sanitário - Sistema de Informações em Saneamento Responsabilidades da Concessionária: - Realizar o

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Secretaria dos Transportes Metropolitanos ESTRADA DE FERRO CAMPOS DO JORDÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Secretaria dos Transportes Metropolitanos ESTRADA DE FERRO CAMPOS DO JORDÃO AN EXO II I DE SCRI ÇÃO DOS CARGOS 1. DF - DIRETORIA FERROVIÁRIA 1.1 Analista Ferroviário (Expediente / Assistência Jurídica) Atividades de nível superior relacionadas com a preparação de correspondência

Leia mais

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Formulário de Entrada de Dados - PARTE A - IDENTIFICAÇÃO DO SISTEMA OU SOLUÇÃO ALTERNATIVA

Leia mais

Tecitec implanta Estação de Tratamento Biológico

Tecitec implanta Estação de Tratamento Biológico Matéria de Capa Tecitec implanta Estação de Tratamento Biológico Este sistema de tratamento de efluentes desenvolvido pela empresa constitui um passo importante rumo ao reuso não-potável de água, com baixos

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais

Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais Disciplina : Tratamento de Resíduos Professor : Jean Carlo Alanis Peneiras : Utilizadas para remoção de sólidos finos e/ou fibrosos; Possuem abertura de

Leia mais

APRESENTAÇÃO QUEM SOMOS... MISSÃO... VISÃO... POLÍTICA DA QUALIDADE... VALORES...

APRESENTAÇÃO QUEM SOMOS... MISSÃO... VISÃO... POLÍTICA DA QUALIDADE... VALORES... APRESENTAÇÃO QUEM SOMOS... A L3 Engenharia Ambiental é uma empresa de consultoria, serviços, desenvolvimento e execução de projetos ambientais, que possui como foco o desenvolvimento sustentável e desenvolve

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE NATAL

AGÊNCIA REGULADORA DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE NATAL AGÊNCIA REGULADORA DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE NATAL RESOLUÇÃO Nº 002/2011, de 25 de maio de 2011. Dispõe sobre determinações a serem cumpridas pela CAERN, no âmbito do Município do

Leia mais

MONTAGEM DE COI CENTRO DE OPERAÇÃO INTEGRADA

MONTAGEM DE COI CENTRO DE OPERAÇÃO INTEGRADA MONTAGEM DE COI CENTRO DE OPERAÇÃO INTEGRADA Wilson Luiz de Castro Diretor Técnico 29/julho/2015 LINEDATA - Empresa brasileira, com atuação há 8 anos, com foco em empresas de Saneamento Públicas e Privadas,

Leia mais

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE 1) APRESENTAÇÃO A Delta Ambiental oferece diversas opções de, com o intuito de poder adequar a melhor solução em termos de custo/benefício para cada situação

Leia mais

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água A adução é feita por gravidade, partindo da barragem que garante a submergência de duas tubulações que encaminham a água captada a duas estruturas de controle (Foto 2), ambas construídas em concreto armado,

Leia mais

Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso

Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso QUESTIONAMENTO 01 BRUNA APARECIDA SOUZA AO SR. PREGOEIRO RESPONSÁVEL PELO CERTAME DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO, PREGÃO ELETRÔNICO Nº 100/2015 - SRP, MANUTENÇÃO DE VEÍCULOS. Prezados, bom dia! A

Leia mais