SICONV UM NOVO PARADIGMA NAS TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS DA UNIÃO: TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL DOS GASTOS PÚBLICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SICONV UM NOVO PARADIGMA NAS TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS DA UNIÃO: TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL DOS GASTOS PÚBLICOS"

Transcrição

1 SICONV UM NOVO PARADIGMA NAS TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS DA UNIÃO: TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL DOS GASTOS PÚBLICOS TAHOMA NEGRITO 16 ASSINATURAS

2 SICONV O SICONV inaugurou uma nova era na gestão pública, pois renovou a relação entre a Administração Pública Federal e com Estados, Distrito Federal, Municípios e as Organizações da Sociedade Civil, pois automatizou os processos de transferências uma vez que todos os procedimentos da apresentação de projetos, execução, monitoramento e prestação de contas são realizados e registrados nesse Sistema.

3 CONSTRUÇÃO DO SISTEMA Sistema Norma Suporte

4 Portal das Transferências da União SISTEMA SICONV

5 OBJETIVOS DO SICONV Operacional Registrar todas as fases das transferências voluntárias, desde a formalização até a prestação de contas final, padronizando todas as atividades do processo de transferência de recursos da União. Gestão Possibilitar a gestão das transferências voluntárias operacionalizadas por meio de convênios, contratos de repasse e termos de parceria. Transparência Prover informações necessárias a fiscalização, e possibilitar o controle social por meio do acesso livre a todos os cidadãos.

6 Lei nº , de 2014 NO SICONV

7 MARCO REGULATÓRIO DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL Estabelece o regime jurídico das parcerias voluntárias, envolvendo ou não transferências de recursos financeiros, entre a Administração Pública e as organizações da sociedade civil, em regime de mútua cooperação, para a consecução de finalidades de interesse público; define diretrizes para a política de fomento e de colaboração com organizações da sociedade civil; institui o termo de colaboração e o termo de fomento; e altera as Leis nº 8.429, de 2 de junho de 1992, e nº 9.790, de 23 de março de 1999 Publicada em 01 de agosto de 2014 Entraria em vigor em 01 de novembro de 2014, foi prorrogado para 27 de julho de 2015

8 ALTERAÇÕES NO SICONV ATUAL Inclusão dos instrumentos Termo de Colaboração e Termo de Fomento (integrado ao SIAFI) Adequação às novas regras do Chamamento Público Resultado do Chamamento Público Cadastro da Comissão de Seleção Cadastro da Comissão de Monitoramento e Avaliação Modo e Periodicidade das Prestações de contas Regulamento de Compras Adequação das nomenclaturas do Sistema para as OSC

9 Novo Portal das Transferências da União

10 Cidadão Municípios Estados e Distrito Federal Organizações da Sociedade Civil União PÚBLICO ALVO TAHOMA 17 ASSINATURAS

11 O Novo Portal de Convênios 7 O Portal dos Convênios é o sítio eletrônico que abriga o Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse SICONV, bem como todo o conjunto de informações relacionadas à Convênios e Contratos de Repasse tais como: Legislação (Leis, Decretos, Portarias, Instruções Normativas e Jurisprudência) Manuais, Glossário, Perguntas Frequentes, Tutoriais e informações sobre treinamentos no SICONV Comunicados, Informações Gerenciais, Atas e Diretrizes da Comissão Gestora do SICONV ASSINATURAS

12 NOVIDADES Compatível com os principais navegadores de internet do mercado Mais intuitivo, maior usabilidade e acessibilidade Inclusão de uma caixa de busca, possibilitando ao usuário localizar qualquer informação, inclusive dentro de arquivos PDF Filtro de informações por perfil (Organizações da Sociedade Civil, Estados, Municípios e União) TAHOMA 17 ASSINATURAS

13 Navegação por Perfis ASSINATURAS

14 #RedeSICONV

15 A #RedeSICONV COMITÊ GESTOR Cidadão e Sociedade

16 OBJETIVOS DA #RedeSICONV

17 VANTAGENS DA #RedeSICONV

18 Como Participar da #RedeSICONV? Assinando Acordo de Cooperação Técnica

19 Quem são os parceiros da #RedeSICONV? Ministério do Planejamento Municípios ENAP Estados Organizações da Sociedade Civil

20 Compromisso do MP/SLTI na #RedeSICONV Intercâmbio de Conhecimento Comitê Gestor para Acompanhamento e Diretrizes Eventos de Integração Capacitação de Multiplicadores Banco de Profissionais Certificados Canal de Comunicação Direta

21 Compromisso da ENAP na #RedeSICONV Prover Infraestrutura para os Cursos em EaD e Presenciais Realizar Ações de Divulgação

22 Compromisso dos Estados e GDF na #RedeSICONV Prover Infraestrutura para os Cursos Comitê de Integração e Comitês Setoriais Canal de Comunicação Direta Disponibilizar Servidores para Multiplicação Acesso a Banco de Profissionais Certificado Realizar Ações de Divulgação

23 Reuniões Semanais Na UGE Reuniões Mensais No Estado Reuniões Mensais No Estado Reuniões Bimestrais Brasília MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO SISTEMA DE GOVERNANÇA DA REDE SICONV Comitê Gestor Tomada de decisão Cobrança de Resultados Orienta a gestão de uso Comitê da Rede Siconv Secretário SLTI Gestor Geral da REDE SICONV Diretora do DETRV Gerenciamento da Mudança Monitoramento e avaliação de resultados Articulação e integração Comitê de Integração Coordenador Geral da UGE Secretário de Planejamento Secretário da Fazenda Participação do TCE e CGE Representantes dos Comitês Setoriais. Comitê Setorial de Transferências Voluntárias Municípios Comitê Setorial de Transferências Voluntárias Estado Comitê Setorial de Transferências Voluntárias Sociedade Civil Usuários do sistema dos municípios. Usuários do sistema que são dos órgãos estaduais. Usuários do sistema que integram as Instituições da Sociedade Civil. Equipe Técnica da UGE (Coordenador Geral Coord. Estado Coord. Municípios Coord. Sociedade Civil)

24 ESTRUTURA DE MONITORAMENTO 1 PREPARAÇÃO PARA REUNIÃO BIMESTRAL DO COMITÊ DA REDE SICONV CGCAT/DETRV/SLTI Consolidação das informações obtidas nas reuniões mensais de monitoramento do Programa. Preparação da Reunião de Avaliação. Envio do relatório para o Secretário da SLTI 5 dias antes da reunião bimestral da REDE SICONV. RELATÓRIO BIMESTRAL DE MONITORAMENTO Avaliação do desempenho global do programa, do nível de alcance das metas, dos obstáculos encontrados, bem como elaboração de propostas de readequação e identificação de oportunidades de melhorias. PREPARAÇÃO DA REUNIÃO BIMESTRAL COM O A REDE DE COORDENADORES GERAIS DOS UGE S DOS 27 ESTADOS Elaboração de apresentação padronizada em PowerPoint do resultado de monitoramento do plano.

25 ESTRUTURA DE MONITORAMENTO 2 REUNIÕES MENSAIS DO COMITÊ DE INTEGRAÇÃO (Estado) Reuniões coordenadas pela equipe da UGE Análise dos resultados obtidos, do cumprimento das metas e dos obstáculos identificados; Cobrança dos encaminhamentos constantes em atas anteriores; Discussão de questões que envolvem a intersetorialidade. Coordenador Estadual da UGE Secretário Estadual de Fazenda Secretário Estadual de Planejamento ATA DE PROVIDÊNCIAS Propostas de encaminhamentos para solução dos problemas identificados. Relatório Mensal de Monitoramento Representantes dos Órgãos envolvidos (à convite) Coordenadores dos Comitês Setoriais Estaduais Representantes do TCE e CGE

26 ESTRUTURA DE MONITORAMENTO 3 ACOMPANHAMENTO AO LONGO DO MÊS Equipe UGE (Estado) Coordenador da UGE UGE/SEPLAN Usuários do Sistema Promove a articulação com os secretários/gestores dos órgãos e sociedade civil; Atua na resolução de problemas e impasse; Colabora na tomada de decisão; Informa ao Secretário sobre medidas urgentes. Monitoramento Diário Executam as ações no sistema Solicitam informações e Acompanham as metas do Plano treinamentos junto a equipe Produzem relatórios gerenciais de da UGE. monitoramento. Propõem ajustes e soluções. Treinamento Abertura de chamados CITSmart Execução Prestação de Contas Coordenações Setoriais

27 ESTRUTURA DE MONITORAMENTO 4 REUNIÕES MENSAIS DOS COMITÊS SETORIAIS Apresentação Formatada do Resultado do Monitoramento Análise conjunta dos pontos críticos Tomada de decisão Encaminhamentos Encaminhamento de solicitações de novas funcionalidades, proposição de normas, soluções de problemas e agenda de treinamentos. CONSTRUÇÃO DA AGENDA DE COMPROMISSOS Pactuação de providências e encaminhamentos. Definição de Responsáveis e prazos.

28 ESTRUTURA DE MONITORAMENTO 5 REUNIÃO SEMANAL NA UGE Apresentação do resultado do monitoramento e análise dos resultados da semana anterior. CONTEÚDO DO PAS Pactuação de providências e encaminhamentos. Definição de responsáveis e prazos. Análise conjunta Tomada de decisão Relatórios via para a equipe de monitoramento CGCAT/DETRV/SLTI/MP Coordenador Geral da UCE e Coordenadores Setoriais

29 ESTRUTURA DE MONITORAMENTO 6 REALIZAÇÃO DE ACOMPANHAMENTO SEMANAL NO PROPONENTE USUÁRIO DO SISTEMA Realizar treinamentos. Fazer uso do sistema SICONV no acompanhamento dos instrumentos. Realizar Prestação de Contas. GESTOR DO PROPONENTE Identificar/atuar nos instrumentos com problemas. Resolver pendências de execução. Acompanhar os processos de prestação de contas. USUÁRIO MASTER Esclarecimento de dúvidas. Abertura de chamados através do CITSmart. Acompanhamento do da evolução dos instrumentos de transferências voluntárias. Identificação dos elementos dificultadores do uso do SICONV e da execução dos instrumentos.

30 #RedeSiconv Departamento de Transferências Voluntárias DETRV/SLTI/MP

Portal dos Convênios SICONV

Portal dos Convênios SICONV Portal dos Convênios SICONV O Novo Paradigma das Transferências Voluntárias da União Departamento de Suporte à Gestão do Sistema de Transferências Voluntárias da União Coordenação Geral de Sistema e Informação

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia AGESPI AGESPI 12. AGESPI A Assessoria na Gestão de Projetos e Convênios Institucionais AGESPI trabalha na perspectiva de obter linhas de financiamento através

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DO SICONV SISTEMA DE GESTÃO DE CONVÊNIO PORTAL DOS CONVÊNIOS CONCEDENTE

ORIENTAÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DO SICONV SISTEMA DE GESTÃO DE CONVÊNIO PORTAL DOS CONVÊNIOS CONCEDENTE ORIENTAÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DO SICONV SISTEMA DE GESTÃO DE CONVÊNIO PORTAL DOS CONVÊNIOS CONCEDENTE 1 APRESENTAÇÃO Convênios são acordos firmados por entidades públicas de qualquer espécie, ou entre estas

Leia mais

EVENTO PÚBLICO ALVO OBJETIVO

EVENTO PÚBLICO ALVO OBJETIVO EVENTO O curso enfoca as diversas etapas do SICONV Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse, criado e desenvolvido pelo Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão com o objetivo de propiciar

Leia mais

SICONV MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Sistema de Gestão o de Convênios nios e Contratos de Repasses Ferramenta para Captaçã

SICONV MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Sistema de Gestão o de Convênios nios e Contratos de Repasses Ferramenta para Captaçã SICONV Sistema de Gestão o de Convênios nios e Contratos de Repasses Ferramenta para Captaçã ção o de Recursos Federais pelos Municípios José Antonio de Aguiar Neto Brasília, 18 março de 2014 ENCONTRO

Leia mais

EVENTO PÚBLICO ALVO OBJETIVO

EVENTO PÚBLICO ALVO OBJETIVO EVENTO O curso enfoca as diversas etapas do SICONV Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse, criado e desenvolvido pelo Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão com o objetivo de propiciar

Leia mais

Portal dos Convênios

Portal dos Convênios Portal dos Convênios Um novo paradigma nas tranferências voluntárias da União Rogério Santanna dos Santos São Paulo, 10 de novembro de 2008 Roteiro Apresentação Metas do Portal dos Convênios Contexto Transferências

Leia mais

Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento Unidade de Apoio a Projetos Especiais. durante o Estágio Probatório.

Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento Unidade de Apoio a Projetos Especiais. durante o Estágio Probatório. Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento Unidade de Apoio a Projetos Especiais REGULAMENTO 001, DE 10 DE OUTUBRO DE 2013. Regula o Monitoramento da Inserção e das Atividades

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DO SICONV SISTEMA DE GESTÃO DE CONVÊNIO PORTAL DOS CONVÊNIOS PROPONENTE - CONVENENTE

ORIENTAÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DO SICONV SISTEMA DE GESTÃO DE CONVÊNIO PORTAL DOS CONVÊNIOS PROPONENTE - CONVENENTE ORIENTAÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DO SICONV SISTEMA DE GESTÃO DE CONVÊNIO PORTAL DOS CONVÊNIOS PROPONENTE - CONVENENTE 1 APRESENTAÇÃO Convênios são acordos firmados por entidades públicas de qualquer espécie,

Leia mais

Portal dos Convênios. Um novo modelo para gestão das Transferências Voluntárias da União. SLTI/MP Brasília, ago/2008

Portal dos Convênios. Um novo modelo para gestão das Transferências Voluntárias da União. SLTI/MP Brasília, ago/2008 Portal dos Convênios Um novo modelo para gestão das Transferências Voluntárias da União SLTI/MP Brasília, ago/2008 Roteiro da apresentação Histórico Distribuição das Transferências Voluntárias O novo Sistema

Leia mais

Anexo 7 Demandas oriundas das recomendações da Estratégia Geral de Tecnologia da Informação. Indicadores. Descrição 2011 2012

Anexo 7 Demandas oriundas das recomendações da Estratégia Geral de Tecnologia da Informação. Indicadores. Descrição 2011 2012 Plano Diretor Tecnologia da Informação 2012-2013 146 Anexo 7 Demandas oriundas das recomendações da Estratégia Geral Tecnologia da Informação Objetivos Objetivo 1 - Aprimorar a Gestão Pessoas TI (Cobit

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

Portal dos Convênios SICONV CONCEITOS

Portal dos Convênios SICONV CONCEITOS Portal dos Convênios SICONV CONCEITOS Julho de 2014 Edercio Bento Órgão Gestor do SICONV MP, Orçamento e Gestão. SLTI Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação. DETRV- Departamento de Transferências

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 01, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2004.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 01, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2004. INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 01, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2004. Institui o Regimento Interno do Programa Saúde no Serviço Público. O COORDENADOR DO PROGRAMA SAÚDE NO SERVIÇO PÚBLICO, usando das prerrogativas conferidas

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 03, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 03, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 03, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o regulamento do Núcleo de Direitos Humanos das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades Ponta

Leia mais

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL REGULAMENTO DO PROCESSO SELETIVO Nº 10.15 A FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU BRASIL (FPTI-BR) torna público que serão recebidas as inscrições para o Processo Seletivo nº 10.15 sob contratação em regime

Leia mais

Fórum IPv6 Plano de Disseminação do Uso IPv6

Fórum IPv6 Plano de Disseminação do Uso IPv6 Fórum IPv6 Plano de Disseminação do Uso IPv6 Novembro 2014 Competência da SLTI Propor políticas, planejar, coordenar, supervisionar e orientar normativamente as atividades: de administração dos recursos

Leia mais

EDITAL Nº 019/2015 Chamamento para Inscrição no Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil - Lei 13.019 Aspectos Jurídicos e Práticos

EDITAL Nº 019/2015 Chamamento para Inscrição no Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil - Lei 13.019 Aspectos Jurídicos e Práticos EDITAL Nº 019/2015 Chamamento para Inscrição no Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil - Lei 13.019 Aspectos Jurídicos e Práticos 1. OBJETIVO DO CURSO Capacitar os participantes acerca das

Leia mais

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 INDICE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. implementação...2 4. Referência...2 5. Conceitos...2 6. Políticas...3

Leia mais

Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre

Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre FÓRUM DE SOFTWARE LIVRE - 2010 Valdir Barbosa Agenda Plano estratégico 2011 para uso de Software Livre Diretrizes Objetivos e indicadores

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

SUMÁRIO. Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX.

SUMÁRIO. Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX. Procedimento de Gestão OGX PG.SMS.017 Denominação: Análise Crítica SUMÁRIO Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX. ÍNDICE

Leia mais

Cadastro Nacional das Entidades de Assistência Social CNEAS

Cadastro Nacional das Entidades de Assistência Social CNEAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Assistencia Social SNAS Departamento da Rede Socioassistencial Privada do SUAS DRSP Cadastro Nacional das Entidades de Assistência

Leia mais

Portal dos Convênios

Portal dos Convênios Portal dos Convênios Um novo paradigma nas transferências voluntárias da União Carlos Henrique de Azevedo Moreira Brasília, junho de 2009 Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Apresentação

Leia mais

Portal dos Convênios SICONV

Portal dos Convênios SICONV Portal dos Convênios SICONV O Novo Paradigma das Transferências Voluntárias da União José Antonio de Aguiar Neto Seminário : Captaçã ção o de Recursos Voluntários, uma Parceria Estratégica Quanto à limitaçã

Leia mais

LEGISLAÇÃO E EXECUÇÃO DE

LEGISLAÇÃO E EXECUÇÃO DE LEGISLAÇÃO E EXECUÇÃO DE CONVÊNIOS SICONV E OBTV Carga Horária de 16 Horas 27 e 28 de Outubro Cuiabá - MT Apresentação: O curso enfoca as diversas etapas do SICONV Sistema de Gestão de Convênios e Contratos

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

Programa Integrado de Desenvolvimento e Qualificação de Fornecedores REALIZAÇÃO

Programa Integrado de Desenvolvimento e Qualificação de Fornecedores REALIZAÇÃO Programa Integrado de Desenvolvimento e Qualificação de Fornecedores REALIZAÇÃO OBJETIVO GERAL ESTABELECER E IMPLEMENTAR UM MODO INTEGRADO PARA O DESENVOLVIMENTO E QUALIFICAÇÃO DOS FORNECEDORES DAS PRINCIPAIS

Leia mais

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país.

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. OBJETIVO GERAL Estabelecer cooperação técnica para desenvolver e implementar ações que visem a fortalecer o ciclo da gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. IMPORTANTE:

Leia mais

OUVIDORIA GERAL DO ESTADO DE MATO GROSSO OPERAÇÃO EM REDE

OUVIDORIA GERAL DO ESTADO DE MATO GROSSO OPERAÇÃO EM REDE OUVIDORIA GERAL DO ESTADO DE MATO GROSSO OPERAÇÃO EM REDE OUVIDORIA PÚBLICA Canal de escuta que tem como foco a aproximação do cidadão com o poder público visando a garantia de direitos e promoção da cidadania.

Leia mais

CAPÍTULO XX DA UNIDADE DE APOIO A GESTÃO ESTRATÉGICA UAGE. Seção I Da Finalidade

CAPÍTULO XX DA UNIDADE DE APOIO A GESTÃO ESTRATÉGICA UAGE. Seção I Da Finalidade CAPÍTULO XX DA UNIDADE DE APOIO A GESTÃO ESTRATÉGICA UAGE Seção I Da Finalidade Art. 1º A Unidade de Apoio à Gestão Estratégica (UAGE) tem como finalidade promover o gerenciamento estratégico setorial

Leia mais

Orientações sobre Convênios e Contratos de Repasse

Orientações sobre Convênios e Contratos de Repasse Orientações sobre Convênios e Contratos de Repasse Ministério do Turismo Secretaria Executiva Subsecretaria Planejamento, Orçamento e Administração Grupo de Trabalho de Convênios Surge após a publicação

Leia mais

Orientações necessárias à celebração de Convênios no âmbito do Governo Federal

Orientações necessárias à celebração de Convênios no âmbito do Governo Federal Estado do Ceará 24/04/13 Orientações necessárias à celebração de Convênios no âmbito do Governo Federal Zizete Nogueira BASE LEGAL Decreto Federal nº 6.170/2007 e suas alterações Portaria Interministerial

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA

REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA Art. 1º. A Secretaria de Tecnologia de Informação e Comunicação SETIC é um Órgão Suplementar Superior

Leia mais

Orientações para o. Alexandre Lages Cavalcante Controlador Geral do Estado. Juliana Barros da Cruz Oliveira Superintendente de Controle Financeiro

Orientações para o. Alexandre Lages Cavalcante Controlador Geral do Estado. Juliana Barros da Cruz Oliveira Superintendente de Controle Financeiro Orientações para o Controle de Convênios Alexandre Lages Cavalcante Controlador Geral do Estado Juliana Barros da Cruz Oliveira Superintendente de Controle Financeiro Maio/2010 Devolução de recursos de

Leia mais

Regimento Interno da Comissão de Avaliação e Gestão de Projetos de Pesquisa e Inovação - CAGPPI

Regimento Interno da Comissão de Avaliação e Gestão de Projetos de Pesquisa e Inovação - CAGPPI Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Farroupilha Regimento Interno da Comissão de Avaliação

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE

Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE O Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE visa fortalecer a missão de desenvolver a nossa terra e nossa gente e contribuir para

Leia mais

Com André Luiz Freitas Leite

Com André Luiz Freitas Leite LEGISLAÇÃO E EXECUÇÃO DE Com André Luiz Freitas Leite 05 e 06 de Novembro de 2014 - Rio de Janeiro - RJ Apresentação: O curso enfoca as diversas etapas do SICONV Sistema de Gestão de Convênios e Contratos

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Dezembro/2010 2 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Missão: Prover soluções efetivas de tecnologia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05 DE MARÇO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05 DE MARÇO DE 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05

Leia mais

Organograma do Pronatec/CEDAF 2014

Organograma do Pronatec/CEDAF 2014 Organograma do Pronatec/CEDAF 2014 Supervisor Financeiro Coordenação Geral Apoio Administrativo Supervisor de TI Apoio Financeiro Orientador Pedagógico Apoio Administrativo Avaliação dos Cursos Coordenação

Leia mais

Senhor Gestor, CCDQV/DRH/PRAD

Senhor Gestor, CCDQV/DRH/PRAD Memo Circular nº 001/CCDQV Porto Velho, 18 de fevereiro de 2013 Senhor Gestor, A UNIR, procurando manter o desenvolvimento contínuo de seus servidores para melhorar a eficiência, eficácia e qualidade no

Leia mais

Mapeamento de Processos

Mapeamento de Processos Agência Nacional de Vigilância Sanitária Mapeamento de Processos Projeto a ser desenvolvido no âmbito da Gerência de Sistemas/GGTIN Brasília, agosto de 2006. 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO 1.1. Título do

Leia mais

CARGOS E FUNÇÕES APEAM

CARGOS E FUNÇÕES APEAM CARGOS E FUNÇÕES APEAM 1. PRESIDÊNCIA A Presidência possui por finalidades a representação oficial e legal da associação, coordenação e integração da Diretoria Executiva, e o acompanhamento, avaliação,

Leia mais

SICONV. Sistema de Gestão o de Convênios nios e Contratos de Repasses Ferramenta para Captaçã. ção o de Recursos Federais. XI Semana de Administraçã

SICONV. Sistema de Gestão o de Convênios nios e Contratos de Repasses Ferramenta para Captaçã. ção o de Recursos Federais. XI Semana de Administraçã SICONV Sistema de Gestão o de Convênios nios e Contratos de Repasses Ferramenta para Captaçã ção o de Recursos Federais ABOP Slide 1 O SICONV Administra as transferências voluntárias da União firmadas

Leia mais

ACOMPANHAMENTO FÍSICO E FINANCEIRO CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE FEDERAIS (SICONV)

ACOMPANHAMENTO FÍSICO E FINANCEIRO CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE FEDERAIS (SICONV) 4/11/2013 SEF/SC ACOMPANHAMENTO FÍSICO E FINANCEIRO CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE FEDERAIS (SICONV) Orientações Diretoria de Planejamento Orçamentário DIOR Diretoria de Captação de Recursos e da Dívida

Leia mais

Metodologia para construção dos Escritórios Virtuais dos Fundos Setoriais. Brasília, maio/2002 Prof. Simone Alencar (alencar@prossiga.

Metodologia para construção dos Escritórios Virtuais dos Fundos Setoriais. Brasília, maio/2002 Prof. Simone Alencar (alencar@prossiga. Metodologia para construção dos Escritórios Virtuais dos Fundos Setoriais Brasília, maio/2002 Prof. Simone Alencar (alencar@prossiga.br) Escritórios Virtuais dos Fundos Setoriais Objetivos: servir de instrumental

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE 19/03/14

ESTADO DE SERGIPE 19/03/14 ESTADO DE SERGIPE 19/03/14 OBJETIVO METODOLOGIA Celebração de Convênios no âmbito do Governo Federal Zizete Nogueira BASE LEGAL Decreto Federal nº 6.170/2007 e suas alterações Portaria Interministerial

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para apoiar a gestão de projetos e o monitoramento da estratégia institucional.

Estabelecer critérios e procedimentos para apoiar a gestão de projetos e o monitoramento da estratégia institucional. APOIAR E MONITORAR A GESTÃO ESTRATÉGICA E DE PROJETOS DO PJERJ Proposto por: Equipe do Departamento de Gestão Estratégica e Projetos (DGDIN/DEGEP) Analisado por: Diretor do Departamento de Gestão Estratégica

Leia mais

21/04/2013. O uso de um software de gerenciamento de serviços de bibliotecas produz, no dia a dia, ocorrências das mais variadas naturezas:

21/04/2013. O uso de um software de gerenciamento de serviços de bibliotecas produz, no dia a dia, ocorrências das mais variadas naturezas: um processo em construção na Superintendência de Documentação UFF O uso de um software de gerenciamento de serviços de bibliotecas produz, no dia a dia, ocorrências das mais variadas naturezas: Questões

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 016/2013

NOTA TÉCNICA Nº 016/2013 NOTA TÉCNICA Nº 016/2013 Brasília, 3 de maio de 2013. ÁREA: Educação TÍTULO: Prestação de contas na Educação. REFERÊNCIA(S): Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 Lei Complementar nº 101,

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Banco Cooperativo Sicredi S.A. Versão: Julho/2015 Página 1 de 1 1 INTRODUÇÃO O Sicredi é um sistema de crédito cooperativo que valoriza a

Leia mais

NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. PARCERIA MDA / CNPq. Brasília, 13 de maio de 2014

NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. PARCERIA MDA / CNPq. Brasília, 13 de maio de 2014 NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL PARCERIA MDA / CNPq Brasília, 13 de maio de 2014 A política de desenvolvimento territorial Desde 2004 a SDT implementa a estratégia de desenvolvimento

Leia mais

A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma:

A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma: CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA ATORES RESPONSÁVEIS PELA GESTÃO A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma:» Intersetorial: com os responsáveis

Leia mais

e) visa estabelecer diretrizes aplicáveis ao posicionamento estratégico de comunicação e marketing das entidades integrantes do Sicoob.

e) visa estabelecer diretrizes aplicáveis ao posicionamento estratégico de comunicação e marketing das entidades integrantes do Sicoob. 1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing: Política Institucional de Comunicação e Marketing a) é elaborada por proposta da área de Comunicação e Marketing da Confederação Nacional das

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa Governança Corporativa POLÍTICA DE INTEGRIDADE A política de integridade (conformidade), parte integrante do programa de governança corporativa. Mais do que nunca as empresas necessitam de estruturas consistentes

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*)

RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*) RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*) Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente Dispõe sobre os Procedimentos e critérios para a aprovação de projetos a serem financiados com recursos

Leia mais

PORTARIA Nº 1.849, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005

PORTARIA Nº 1.849, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005 PORTARIA Nº 1.849, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005 O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições e considerando o disposto na Lei nº 10.933, de 11 de agosto de 2004, que dispõe sobre o Plano Plurianual

Leia mais

Agendas Estaduais de Desenvolvimento Integrado de Alfabetização e de Educação de Jovens e Adultos

Agendas Estaduais de Desenvolvimento Integrado de Alfabetização e de Educação de Jovens e Adultos Agendas Estaduais de Desenvolvimento Integrado de Alfabetização e de Educação de Jovens e Adultos PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO As Agendas Estaduais de Desenvolvimento Integrado de Alfabetização e Educação

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA EXECUTIVA COMITÊ DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA EXECUTIVA COMITÊ DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA EXECUTIVA COMITÊ DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES NORMA OPERACIONAL/DTI/ Nº 01, DE 1 DE SETEMBRO DE 2014. Dispõe sobre a governança e

Leia mais

NOR - PRO - 506 BAIXA DE BENS MÓVEIS EM DECORRÊNCIA DE EXTRAVIO OU DANO ADMINISTRAÇÃO DIRETA

NOR - PRO - 506 BAIXA DE BENS MÓVEIS EM DECORRÊNCIA DE EXTRAVIO OU DANO ADMINISTRAÇÃO DIRETA 1. OBJETIVO 1.1. Estabelecer normas e procedimentos para a baixa de bens móveis do patrimônio de um ente deste Município, em decorrência de extravio ou dano. 2. AMPLITUDE 2.1. No âmbito da Administração

Leia mais

Plano de Gerenciamento do Projeto (PGP)

Plano de Gerenciamento do Projeto (PGP) 1.JUSTIFICATIVA A administração pública vem nos últimos anos sofrendo mudanças estruturais em sua forma de atuação, saindo de um modelo patrimonialista e burocrático para um modelo gerencial, focando nos

Leia mais

ANEXO X REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE

ANEXO X REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE (Portaria GM-MP nº 220, de 25 de junho de 2014 ) ANEXO X REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º À Secretaria de Logística e Tecnologia

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica Edital 1/2014 Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica A (PoloSul.org) torna pública a presente chamada e convida os interessados para apresentar propostas de incubação

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS ABORDAGEM Conceitos relacionados ao tema; Legislação aplicável à execução; Modelo de gestão e processo adotado pela Fundep. O que é o SICONV? CONCEITOS

Leia mais

CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS, TERMOS DE COOPERAÇÃO E ACORDOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA NACIONAIS NO ÂMBITO DA FIOCRUZ BAHIA. Órgão Gestor

CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS, TERMOS DE COOPERAÇÃO E ACORDOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA NACIONAIS NO ÂMBITO DA FIOCRUZ BAHIA. Órgão Gestor 18/11/2009 Órgão Elaborador 13:35 Núcleo de Planejamento Órgão Gestor Núcleo de Planejamento Órgão Aprovador Diretoria REVISÃO 00 DATA: SUMÁRIO 1. Objetivo 2. Campo de Aplicação 3. Siglas Utilizadas 4.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional CONSULTOR SÊNIOR Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo

Leia mais

Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoas

Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoas Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoas Decreto n 5.707/2006 Marco Legal Decreto nº 5.707, de 23/02/2006 Instituiu a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto - Nacional Número e Título do Projeto: BRA/ 09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo de internacionalização

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE MULTIPLICADORES DE CONHECIMENTO

CURSO DE FORMAÇÃO DE MULTIPLICADORES DE CONHECIMENTO CURSO DE FORMAÇÃO DE MULTIPLICADORES DE CONHECIMENTO Convênios entre a União e os Municípios Portal dos Convênios Um novo modelo para gestão das Transferências Voluntárias da União SISTEMA SICONV SLTI/MP

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 010/13.

ORDEM DE SERVIÇO Nº 010/13. ORDEM DE SERVIÇO Nº 010/13. Porto Alegre, 1º de agosto de 2013. AOS SECRETÁRIOS MUNICIPAIS, PROCURADOR-GERAL DO MUNICÍ- PIO, DIRETOR DO DEPARTAMEN- TO DE ESGOTOS PLUVIAIS, DIRE- TORES-GERAIS DE AUTARQUIAS,

Leia mais

ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Chyara Sales Pereira Dezembro de 2013

ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Chyara Sales Pereira Dezembro de 2013 ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Chyara Sales Pereira Dezembro de 2013 Governo de Minas ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Atua na coordenação das Relações Internacionais

Leia mais

TERMO DE ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA

TERMO DE ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA TERMO DE ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA ENTRE O CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO CEARÁ - CRC E O CENTRO DE INTEGRAÇÃO EMPRESA ESCOLA CIEE O CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO CEARÁ CRC inscrita no

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, DECRETO Nº 36670 DE 1º DE JANEIRO DE 2013 Institui o modelo de governança para execução do Plano Estratégico 2013-2016 da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e dá outras providências. O PREFEITO DA

Leia mais

COMUNICADO PERFIL DESCRIÇÃO FUNCIONALIDADES. Perfil atribuído ao usuário responsável por elaborar pareceres técnicos no convênio.

COMUNICADO PERFIL DESCRIÇÃO FUNCIONALIDADES. Perfil atribuído ao usuário responsável por elaborar pareceres técnicos no convênio. COMUNICADO Informamos aos senhores usuários do SICONV- Sistema de Gestão de Convênios e Contrato de Repasse as alterações dos perfis do concedente bem como suas atribuições, conforme demonstra a tabela

Leia mais

Gestão de Segurança a da. Estadual da Bahia

Gestão de Segurança a da. Estadual da Bahia Gestão de Segurança a da Informação no Governo Estadual da Bahia 1 www.fortic.ba.gov.br Fatores motivadores. Crescente aumento das ameaças eletrônicas e o maior uso de Tecnologia da Informação nas transações

Leia mais

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS PORTO ALEGRE EM AÇÃO É ESPORTE E EDUCAÇÃO O esporte não é educativo a priori, é o educador que precisa fazer dele ao mesmo tempo um objeto e meio

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica INTRODUÇÃO O Grupo Telefônica, consciente de seu importante papel na construção de sociedades mais justas e igualitárias, possui um Programa de

Leia mais

REGULAMENTO DA ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO

REGULAMENTO DA ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO REGULAMENTO DA ASSESSORIA PLANEJAMENTO (RES. Nº 280/99-CAD) CAPÍTULO I DA FINALIDA Art. 1º - A Assessoria de Planejamento (ASP), órgão da reitoria, é responsável pela análise da evolução da Universidade

Leia mais

ESPLANADA DOS MINISTÉRIOS, BLOCO K - AUDITÓRIO DO SUBSOLO, BRASÍLIA- DF. DATA: 20, 21 e 22 DE AGOSTO DE 2012 DIA 20/08/12 (SEGUNDA- FEIRA)

ESPLANADA DOS MINISTÉRIOS, BLOCO K - AUDITÓRIO DO SUBSOLO, BRASÍLIA- DF. DATA: 20, 21 e 22 DE AGOSTO DE 2012 DIA 20/08/12 (SEGUNDA- FEIRA) PROGRAMAÇÃO DA CAPACITAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DE CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE SICONV PARA OS REPRESENTANTES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ESTADUAL LOCAL: MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

- Geração de Relatórios. - Geração de Gráficos. - Geração de Consultas

- Geração de Relatórios. - Geração de Gráficos. - Geração de Consultas - Geração de Consultas - Geração de Relatórios - Geração de Gráficos Para sua Prefeitura atender as Leis 4.320/1964, LC 101/2000 (LRF) e LC 131/2009 (Transparência Pública), a LOGUS está colocando à disposição

Leia mais

REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO

REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Art. 1º - A Organização Administrativa corresponde à estrutura da REDE PETRO-BC que tem como finalidade garantir

Leia mais

O impacto da Lei de Acesso à Informação (LAI) no ambiente SISP

O impacto da Lei de Acesso à Informação (LAI) no ambiente SISP 6ª Governança Aplicada ISACA Capítulo Brasília O impacto da Lei de Acesso à Informação (LAI) no ambiente SISP João Batista Ferri de Oliveira Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015/PRODIN de 01 de Julho de 2015.

PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015/PRODIN de 01 de Julho de 2015. PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015/PRODIN de 01 de Julho de 2015. Assunto: Dispõe sobre a elaboração do Planejamento Estratégico e do Plano de Desenvolvimento

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ GESTOR INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DO MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE

Leia mais

Apresentação Conselho Nacional dos Direitos da Mulher. 02 de outubro de 2013. Secretaria-Geral da Presidência da República

Apresentação Conselho Nacional dos Direitos da Mulher. 02 de outubro de 2013. Secretaria-Geral da Presidência da República Apresentação Conselho Nacional dos Direitos da Mulher 02 de outubro de 2013 Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Desafio Aperfeiçoar o ambiente jurídico e institucional relacionado às

Leia mais

RECURSOS DO FNDE PARA EDUCAÇÃO

RECURSOS DO FNDE PARA EDUCAÇÃO RECURSOS DO FNDE PARA EDUCAÇÃO DA PROPOSTA ATÉ A PRESTAÇÃO DE CONTAS Novo PAR 2014, SIMEC, SIGARP e SIGPC LOCAL: UBERLÂNDIA/MG, 16 e 17 de Outubro de 2014 APRESENTAÇÃO A elaboração do Plano de Ações Articuladas

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO MÓDULO DE TRANSFERÊNCIA DE ARQUIVOS APLICATIVO UPLOAD /DOWNLOAD VERSÃO 1.1 BRASÍLIA DF Agosto/2015 2011 Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos sistemas e demais aplicações informatizadas do TJAC.

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos sistemas e demais aplicações informatizadas do TJAC. Código: MAP-DITEC-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Sistemas Aprovado por: Diretoria de Tecnologia da Informação 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento

Leia mais

Oficina G-Transp. Embasamento legal e usabilidade da ferramenta

Oficina G-Transp. Embasamento legal e usabilidade da ferramenta Oficina G-Transp Embasamento legal e usabilidade da ferramenta Quem somos? Programa de Formação de Agentes para Sustentabilidades do Software Público Brasileiro (PRO-SPB) Objetivo: Desenvolver ações coordenadas

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

Portal dos Convênios - SICONV. Acompanhamento e Fiscalização Concedente, Instituição Mandatária e Convenente. Manual do Usuário

Portal dos Convênios - SICONV. Acompanhamento e Fiscalização Concedente, Instituição Mandatária e Convenente. Manual do Usuário MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO Portal dos Convênios - SICONV Acompanhamento e Fiscalização

Leia mais

PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011)

PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011) PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011) Dispõe sobre as competências da Secretaria de Infraestrutura de Tecnologia da

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP Nº X.XX.XXX.XX

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP Nº X.XX.XXX.XX Versão:.0 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP Nº X.XX.XXX.XX MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ NUCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO Versão Nº.0 Data da Revisão 05/06/05 Data de

Leia mais