UMA ANÁLISE DE CO-INTEGRAÇÃO ENTRE O ÍNDICE BOVESPA E O ÍNDICE DOW JONES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA ANÁLISE DE CO-INTEGRAÇÃO ENTRE O ÍNDICE BOVESPA E O ÍNDICE DOW JONES"

Transcrição

1 UMA ANÁLISE DE CO-INTEGRAÇÃO ENTRE O ÍNDICE BOVESPA E O ÍNDICE DOW JONES Frederike Mette* Marco A. S. Martins** Resumo: Considerando o alto grau de globalização atingido pelo mercado de ações nos últimos anos, que gerou grandes possibilidades de diversificação e de arbitragem para os gestores de recursos de terceiros, este artigo visa analisar a relação entre o índice da Bolsa de Valores de São Paulo (IBOVESPA) e o índice da Bolsa de Nova Iorque (Índice DOW JONES). Com este fim, a metodologia de cointegração tem se mostrado muito importante no processo de análise de investimento, principalmente para gestores de longo prazo, facilitando o processo de seleção e alocação de ativos para portfólios globais. De outro lado, o mercado de capitais americano tem demonstrado ser o líder mundial, de forma a buscar analisar a cointegração dos demais mercados com o mercado americano, assumindo vital importância para os mercados. A proposta do presente trabalho é verificar a existência de um relacionamento de longo prazo entre o índice da Bolsa de Valores de São Paulo (IBOVESPA) e o índice Bolsa de Nova Iorque (Índice DOW JONES). O período analisado está compreendido entre 1 de janeiro de 1990 a 30 de novembro de 2008, pelos preços de fechamento de tais índices. Utiliza-se no trabalho um modelo de correção de erros a partir das metodologias desenvolvidas por Engle e Granger (1987) e Johansen (1988), com o objetivo de verificar a existência de relações de cointegração entre as variáveis dos dois mercados de ações. Palavras-chave: Ibovespa. Dow Jones. Co-integração INTRODUÇÃO Na última década, a performance macroeconômica do Brasil tem evoluído positivamente, buscando combinar um conjunto de políticas econômicas capazes de, ao mesmo tempo, aumentar as taxas de crescimento econômico e reduzir o seu nível de volatilidade. Além disso, o foco do crescimento econômico tem sido combinado com a constante vigilância e * Mestre em Administração pela UFRGS e Professora da ESPM ** Doutorando em Administração pela UFRGS e Professor da UNIFIN. 1

2 controle nas taxas de inflação, nas contas públicas e nas contas externas. Tais melhorias foram aliadas ao aperfeiçoamento dos mecanismos regulatórios do mercado financeiro e de capitais, resultando no aumento de nossa capacidade de atrair capitais internacionais. O resultado foi que na última década o mercado de capitais brasileiro experimentou um forte crescimento sob todos os aspectos, seja em volume negociado, quantidade de aberturas de capital, volume de captações ou em participação de capital estrangeiro. Dentro desse quadro, o mercado de ações brasileiro tem apresentado inúmeras oportunidades de diversificação de portfólio internacional, tendo recebido muita atenção por parte de investidores e empresas internacionais. Assim, o objetivo do presente trabalho é observar a existência de algum relacionamento de longo prazo entre o mercado de ações brasileiro e o mercado de ações americano, visando gerar elementos para melhorar a estruturação eficiente de portfólios com minimização dos riscos e aumento da capacidade de previsão dos investidores. As relações de cointegração de longo prazo serão investigadas a partir das metodologias desenvolvidas por Engle e Granger (1987) e Johansen (1988), em que se procura encontrar uma tendência comum entre as duas variáveis, a partir da aplicação dos dois métodos. Para atingir os objetivos propostos, o trabalho está estruturado em mais quatro seções além dessa. Na segunda, em que é apresentado um breve referencial sobre os testes de raízes unitárias de Dikey-Fuller (DF) e Dikey-Fuller Ampliado (ADF). A terceira seção é dedicada à metodologia desenvolvida por Engle e Granger (1987) e Johansen (1988) para detectar mecanismos de cointegração. No quarto tópico são apresentados os resultados empíricos do trabalho. A última parte do trabalho é dedicada às considerações finais, citando os principais resultados obtidos. A séries utilizadas foram as cotações de fechamento dos índices da Bolsa de Valores de São Paulo IBOVESPA e da Bolsa de Valores de Nova Iorque Índice Dow Jones, entre os períodos de 1 de janeiro de 1990 e 30 de novembro de 2008, que representam observações. 1 TESTE DA RAÍZ UNITÁRIA Para verificar a ordem de integração de cada série foram realizados os testes de raiz unitária. Os testes utilizados foram o Dickey Fuller (DF) e Dickey Fuller Ampliado (ADF), nos quais deseja-se testar a hipótese nula de raiz unitária contra a hipótese alternativa de estacionariedade ou estabilidade da variância residual. Deste modo, se Yt for denotado como variável sob análise, então o objetivo é testar a significância do coeficiente ligado à Yt-1 2

3 na regressão abaixo: (1) Com Tt denotando uma tendência determinística linear, sendo que as defasagens de ΔYt foram introduzidas visando eliminar possíveis problemas de autocorrelação serial existentes nos resíduos ε t. Visando testar a hipótese de que β = 0, utiliza-se a estatística t associada ao coeficiente ligado à equação (1) calculada através do método dos mínimos quadrados ordinários. Todavia, para escolher a defasagem p apropriada, foi aplicado o procedimento sugerido por Campbell e Perron (1991), em que parte-se do geral para o particular, estimando-se inicialmente a equação (1) com uma defasagem bastante grande. As defasagens de maior ordem que não forem significativas serão posteriormente eliminadas, uma a uma, até encontrar aquela em que seja mais significante. Contudo, esta adoção, através de um p elevado, pode reduzir de modo drástico o poder do teste Dickey Fuller, dado o fato de que dois graus de liberdade são perdidos a cada defasagem adicional introduzida no modelo: um grau de liberdade para o novo coeficiente estimado e outro para a perda de observações iniciais. Por toda a argumentação anterior, recomenda-se este procedimento para aqueles que trabalham com uma grande quantidade de observações. Para maiores detalhes ver Dickey e Fuller (1991) e Campbell e Perron (1991). 2 ANÁLISE DE COINTEGRAÇÃO Segundo Engle e Granger (1987) se as variáveis de um conjunto de séries temporais não são estacionárias de ordem um, I(1), mas se uma série temporal que é estacionária de ordem zero, I(0), pode ser gerada através de combinações lineares daquelas variáveis, as variáveis serão consideradas cointegradas. Engle e Granger interpretaram esta combinação linear como um equilíbrio de longo prazo e revelaram que a cointegração implica que este equilíbrio de longo prazo se sustente, apesar das séries temporais apresentarem componentes de curto prazo com especificações dinâmicas e flexíveis. (ENGLE; GRANGER, 1987) As séries financeiras possuem característica de não estacionariedade, como a grande maioria das variáveis econômicas, exigindo a diferenciação de 3

4 pelo menos primeira ordem, de modo a induzir a estacionariedade, tornandoas integradas de ordem zero ou I(0). Ao transformar todas as variáveis, tornando-as estacionárias, perdemse consequentemente, todas as relações de longo prazo sugeridas pela teoria econômica. Uma solução para tal problema é utilizar-se de um modelo de mecanismo de correção de erros (ECM), sugerido por Engle e Granger (1987), e posteriormente por Johansen (1988), que recuperam as relações perdidas com a diferenciação. Assim, seguindo a concepção de Engle e Granger (1987), duas variáveis Y1t e Y2t são ditas I(d), isto é integradas de ordem d, onde d é o número de diferenças requeridas para transformá-las em séries estacionárias, se existir um vetor ( δ ) dado por: (2) Onde et ~ I(d b) com b > 0, então Y1t e Y2t são ditas cointegradas de ordem (d, b). Se os resíduos et são estacionários, isto é, se d b = 0, então existirá cointegração entre as variáveis do modelo, denotada por uma relação de equilíbrio de longo prazo, em que poderá ser facilmente estimada pelo método dos mínimos quadrados ordinários. O teorema de representação Engle e Granger (1987) sugere a utilização do método de dois estágios ao se lidar com o mecanismo de correção de erros. No primeiro estágio, o modelo de cointegração, contendo os coeficientes de longo prazo, são estimados através de uma equação de regressão nos níveis das variáveis. Já no segundo estágio, o termo de correção, obtido a partir dos resíduos da equação estática, é utilizado na equação em diferenças visando obter os coeficientes de impacto, ou termo de correção de erro. Contudo, o inconveniente em tal metodologia está no fato da existência de diversos vetores de cointegração que podem ser negligenciados quando se trata de múltiplas variáveis. Visando evitar tais inconveniências, Johansen (1988) propôs uma nova metodologia para a obtenção de múltiplos vetores de cointegração. Ele sugere que se comece isolando a influência de Γk resíduos com o emprego de regressões particionadas. O resultado será utilizado para inferir sobre por procedimentos de máxima verossimilhança. Inicialmente, calcula-se a regressão de ΔYt, ΔYt-1, ΔYt-2, ΔYt-3,..., ΔYt-k+1 e, posteriormente, a regressão de Yt-k em ΔYt-1, ΔYt-2, ΔYt-3,..., ΔYt-k+1, com o objetivo de se obter os resíduos μ0t e μkt, respectivamente. Assim, ΔYt e ΔYt-k estarão livres da influência das demais variáveis envolvidas no modelo. 4

5 Além disso, uma possível regressão de μ0t em μkt será o mesmo que fazer a regressão de ΔYt em Yt, sem a influência das outras variáveis expressas em diferenças. Johansen e Juselius (1990) estabeleceram dois testes estatísticos visando descobrir o número de relações de cointegração de Yt: o teste de traço e o teste de autovalor máximo. O teste do traço ou razão de verossimilhança, tem como hipótese alternativa o fato de todas as séries serem estacionárias. Estes testes possuem uma distribuição X2, com (n r) graus de liberdade, dado por: (3) Onde: T = Tamanho da amostra; λi = Auto-valores. Aqui, a hipótese nula é de que o número de vetores de cointegração é menor ou igual a r, com r = 0, 1, 2, 3, A hipótese alternativa é, neste caso, genérica. Ou seja, H0: r r0 Ha: r > r0 Por outro lado, o teste alternativo chamado de autovalor máximo pode ser visto como a diferença entre sucessivas estatísticas traço, dado por: (4) Neste teste, a hipótese alternativa é explícita. Por exemplo, testa-se a hipótese nula r = 0 contra a hipótese alternativa r = 1, seguida da hipótese nula r = 1 contra a alternativa r = 2 e assim por diante. Ou seja: H0: r = r0 Ha: r = r0 + 1 O problema será, então, maximizar a função de máxima verossimilhança, dada pela seguinte expressão: (5) 5

6 A função acima pode então ser maximizada em função dos parâmetros de interesse, ou seja, da matriz vetorial ( β ) de cointegração. 3 RESULTADOS EMPRÍRICOS 3.1 FONTE DOS DADOS Os dados utilizados para a realização do presente trabalho foram coletados do banco de dados da Economática. Neste caso, buscou-se duas séries de indicadores do mercado acionário. A primeira é uma série do índice Dow Jones, um dos mais antigos e importantes indicadores do mercado acionário americano, formado por uma amostra de 30 grandes empresas americanas, negociadas no mercado de ações americano. A segunda é a série do Índice Bovespa, o mais antigo e importante indicador de performance do mercado de ações brasileiro. O período analisado representa uma amostra de dados diários compreendidos entre os dias 1 de janeiro de 1990 e 30 de novembro de 2008, contendo observações. Todas as observações do índice Bovespa foram extraídas com o ajuste da cotação do dólar norte-americano, permitindo assim uma análise mais consistente dos fatores de cointegração. Os gráficos de número 1 e 2 mostram a evolução dos índices Dow Jones e Ibovespa, indicando claramente a existência de uma característica de não-estacionariedade. Fonte: Banco de dados da Economática 6

7 Fonte: Banco de dados da Economática Por sua vez, quando se diferencia uma vez, se utiliza a série de retornos diários, extraídos a partir dos retornos log-normal, dados por: y1= Ln(P1/Pt-1)*100, com t= 1,...T, as séries dos dois índices ganham características claramente estacionárias, conforme pode ser evidenciado pelos gráficos 3 e 4. Fonte: Banco de dados da Economática 7

8 Fonte: Banco de dados da Economática 3.2 TESTES DE RAÍZES UNITÁRIAS A aplicação dos testes de raiz unitária de Dickey-Fuller (DF) e Dickey- Fuller Aumentado (ADF) validam a demonstração gráfica, pois quando aplicados em nível, as séries de preços do Índice Dow Jones e Ibovespa são não estacionárias, rejeitando a hipótese nula de estacionariedade, com os valores calculados ficando abaixo do valor crítico da estatística t., conforme as Tabelas 1 e 2. Tabela 1 Teste de Raiz Unitária ADF Ibovespa em nível Augmented Dickey - Fuller test statistic t-statistic 1% level Test critical values 5% level % level Prob.*

9 Augmented Dickey-Fuller Test Equation Method: Least Squares Variable Coefficient Std. Error t-statistic Prob. IBOVF(-1) C R-squared Mean dependent var Adjusted R- squared S.D. dependent var S.E of regression Akaike info criterion Sum squared resid 1.88E+08 Schwarz criterion Log likelihood F-statisc Durbin-Watson stat Prob (F-statistic) *Fonte: Elaborado pelos autores Teste de Raiz Unitária ADF - Índice Dow Jones em Nível Augmented Dickey-Fuller test statistic Test critical values t-statistic 1% level % level % level *MacKnnon (1996) onde-sided p-values. Prob.*

10 Augmented Dickey-Fuller Test Equation Method: Least Squares Variable Coefficient Std. Error t-statistic Prob. DJIAF (-1) C R-squared Mean dependent var Adjusted R- squared S.D. dependent var S.E. of regression Akaike info criterion Sum squared resid Schwarz criterion Log likelihood F-statistic Durbin-Watson Prob (F-statistic) stat *Fonte: Elaborado pelos autores. Nas tabelas 3 e 4 encontram-se os resultados dos testes de raiz unitária de Dickey-Fuller Aumentado, confirmando os resultados visualizados nos gráficos 3 e 4, ou seja, quando diferenciada em uma vez, tanto a série de Índice Dow Jones como a série do Ibovespa tornam-se estacionárias em primeira diferença e com característica heterocedástica, com os valores calculados ficando acima da estatística t. Teste de Raiz Unitária ADF - Ibovespa em primeira diferença t-statistic Prob.* Augmented Dickey-Fuller test statistic Test critical values 1% level % level % level *MacKinnon (1996) one-sided p-values. 10

11 Augmented Dickey-Fuller Test Equation Method: Least Squares Variable Coefficient Std. Error t-statistic Prob. D(IBOVF(-1) C R-squared Mean dependent var Adjusted R- squared S.D. dependent var S.E of regression Sum squared resid Akaike info criterion E+08 Schwarz criterion Log likelihood F-statisc Durbin-Watson Prob (F-statistic) stat *Elaborado pelos autores. Teste de Raiz Unitária ADF - Índice Dow Jones em Primeira Diferença t-statistic Prob.* Augmented Dickey-Fuller test statistic Test critical values 1% level % level % level *MacKinnon (1996) onde-siped p-values. 11

12 Augmented Dickey-Fuller Test Equation Method: Least Squares Variable Coefficient Std. Error t-statistic Prob. DJIAF(-1) C R-squared Mean dependent var Adjusted R- squared S.D. dependent var S.E of regression Akaike info criterion Sum squared resid Schwarz criterion Log likelihood F-statisc Durbin-Watson stat Prob (F-statistic) Fonte: Elaborado pelos autores. 3.3 TESTE DE COINTEGRAÇÃO Para evidenciar como os mercados se integram no longo prazo, utilizou-se a metodologia de cointegração, anteriormente descrita, e os resultados estão apresentados na tabela 5. Teste de Co-integração Dow Jones x Ibovespa Lags interval (in first differences): 1 to 4 Unrestricted Cointegration Rank Test (Trace) Hypothesized Trace 0.05 Nº of CE(s) Eigenvalue Statistic Critical Value Prob.** None At most Trace test indicates no cointegration at the 0,05 level *denotes rejection of the hypothesis at the 0.05 level **MacKinnon-Haug-Michelis (1999) p-values 12

13 Unrestricted Cointegration Rank Test (Maximum Eigenvalue) Hypothesized Max-Eigen 0.05 No. of CE(s) Eigenvalue Statistic Critical Value Prob.** None At most Max-eigenvalue test indicates no cointegration at the 0.05 level * denotes rejection of the hypothesis at the 0.05 level **MacKinnon-Haug-Michelis (1999) p-values Unrestricted Cointegrating Coefficients (normalized by b *S11*b=I): DJIAF IBOVF E-05 Unrestricted Adjustment Coefficients (alpha): D(DJIAF) D(IBOVF) Cointegrating Equation(s): Log likelihood Normalized cointegrating coefficients (standard error in parentheses) DJIAF IBOVF ( ) Adjustment coefficients (standard error in parentheses) D(DJIAF) ( ) D(IBOVF) Fonte: Elaborado pelos autores ( ) 13

14 Os resultados obtidos mostram que todas as especificações do VAR rejeitaram as hipóteses dos testes sobre traço e máximo autovalor (Eigenvalue) a um nível de significância de 1%. Os resultados mostram que o posto da matriz é igual ao número da série, denotando que ambas as séries são estacionárias e que, portanto, não ocorre cointegração. Em síntese, o sistema multivariado formado pela série do Índice Dow Jones e do Índice Bovespa não revelaram equilíbrio de longo prazo, com a estatística t ficando abaixo do valor crítico. CONCLUSÃO O presente trabalho teve por objetivo investigar o nível de integração entre os mercados acionários dos Estados Unidos e do Brasil, tomando-se como referência o comportamento médio do mercado, mensurado a partir da evolução diária do Índice Dow Jones e o Índice da Bolsa de Valores de São Paulo Ibovespa, ambos tidos como as principais referências do comportamento de seus respectivos mercados. A investigação visa fundamentalmente avaliar o nível de eficiência do comportamento destes mercados, identificando, assim, a existência da possibilidade de arbitragem entre os dois mercados. Por outro lado, considerando que um expressivo número de empresas brasileiras negociam suas ações no mercado americano e, ao contrário, uma quantidade relevante de investidores e gestores americanos estão comprando e vendendo posições acionárias na Bolsa de Valores de São Paulo, a mensuração adequada do nível de integração de longo prazo destes mercados abre a possibilidade para os gestores otimizarem suas alocações. Para mensurar o nível de integração, utilizou-se os mecanismos de cálculo e estimação de cointegração, recomendados com maior frequência na literatura econométrica, tais como os Testes de raízes unitárias Dickey- Fuller e Dickey-Fuller Aumentado e os mecanismos de correção de erros de Johansen e outros. Todos os testes e os cálculos foram apoiados com o uso da planilha eletrônica com o Excel da Microsoft e o software econométrico Eviews. A partir dos estudos realizados, é possível concluir que as duas variáveis só se tornam estacionárias em primeira diferença, e que não existe uma cointegração estatisticamente significativa entre o mercado de ações brasileiro, medido pelo Índice da Bolsa de Valores de São Paulo IBOVESPA, e o mercado de ações americano, medido pelo índice Dow Jones, tomando-se como referência uma janela de tempo compreendida entre 1 de janeiro de 1990 e 28 de novembro de Tais conclusões ajudam a fundamentar a estratégia dos investidores 14

15 internacionais de alocar uma parcela cada vez maior de seus portfólios em empresas brasileiras, como forma de minimizar o risco das carteiras e otimizar os resultados, aproveitando as possibilidades de arbitragem geradas entre o mercado brasileiro e o mercado americano. REFERÊNCIAS CAMPBELL, J. Y.; PERRON, P. Pitfalls and Opportunities: what macroeconomists should know about unit roots. Cambridge: National Bureau of Economic, DICKEY, D.; FULLER, W. Distribution of the estimators for autoregressive time series with a unit root. Journal of the American Statistical Association, v.74, p , ENDERS, W. Applied econometric time series. New York: John Wiley, ENGLE, R. F.; GRANGER, C. W. Cointegration and error correction: representation, estimation and testing. Econometrica, v. 55, n.2, p , FAMA, E. F. Efficient capital markets: A review of theory and empirical work. Journal of Finance, p , may GRÔPPO, G. S.; et al. Integração de mercados: Bovespa, Merval e Dow Jones. ENEGEP2001. In: Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 21., 2001, Salvador. Anais... Salvador: ENEGEP, JOHANSEN, S. Statistical analysis of cointegration factors. Journal of Economic Dinamic and Control, v.12, n.3, p , JOHANSEN, S.; JUSELIUS, K. Maximum likelihood estimation and inference on cointegration with applications to the demand for money. Oxford Bulletin of Economics and Statistics, v.52, p ,

TAXA DE CÂMBIO, TAXA DE JUROS E REGIMES DE ACUMULAÇÃO EM UM MODELO MACRO-DINÂMICO PÓS-KEYNESIANO: Teoria e evidência para o caso Brasileiro *

TAXA DE CÂMBIO, TAXA DE JUROS E REGIMES DE ACUMULAÇÃO EM UM MODELO MACRO-DINÂMICO PÓS-KEYNESIANO: Teoria e evidência para o caso Brasileiro * TAXA DE CÂMBIO, TAXA DE JUROS E REGIMES DE ACUMULAÇÃO EM UM MODELO MACRO-DINÂMICO PÓS-KEYNESIANO: Teoria e evidência para o caso Brasileiro * José Luis Oreiro ** Laura Díaz Abramo *** Pedro Garrido da

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS ÍNDICES DOW

INFLUÊNCIA DOS ÍNDICES DOW Faculdades ECONOMETRIA INFLUÊNCIA DOS ÍNDICES DOW JONES INDUSTRIAL AVERAGE E NIKKEI-225 SOBRE O IBOVESPA GUSTAVO ELIAS PENA IBMEC-MG BRENO GUELMAN IBMEC-MG HENRIQUE RABELLO IBMEC-MG Econometria 1 SUMÁRIO:

Leia mais

COMPORTAMENTO DA PRODUÇÃO, PREÇO E EXPORTAÇÃO DE CAFÉ NO BRASIL: ABORDAGEM PELA ANÁLISE ESPECTRAL E DE CO- INTEGRAÇÃO

COMPORTAMENTO DA PRODUÇÃO, PREÇO E EXPORTAÇÃO DE CAFÉ NO BRASIL: ABORDAGEM PELA ANÁLISE ESPECTRAL E DE CO- INTEGRAÇÃO COMPORTAMENTO DA PRODUÇÃO, PREÇO E EXPORTAÇÃO DE CAFÉ NO BRASIL: ABORDAGEM PELA ANÁLISE ESPECTRAL E DE CO- INTEGRAÇÃO RESUMO A cultura cafeeira foi e continua sendo de primordial importância para a economia

Leia mais

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DOS MERCADOS FUTUROS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS BRASILEIRAS UTILIZANDO CO-INTEGRAÇÃO

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DOS MERCADOS FUTUROS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS BRASILEIRAS UTILIZANDO CO-INTEGRAÇÃO ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DOS MERCADOS FUTUROS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS BRASILEIRAS UTILIZANDO CO-INTEGRAÇÃO ANDRÉ DE SOUZA MELO; RICARDO CHAVES LIMA; ANDRÉ STEFFENS MORAES; UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

Leia mais

Eficiência no Mercado Futuro de Commodity: Evidências Empíricas

Eficiência no Mercado Futuro de Commodity: Evidências Empíricas Documentos Técnico-Científicos Eficiência no Mercado Futuro de Commodity: Evidências Empíricas Resumo Verifica a existência de uma relação de longo prazo e testa a hipótese de eficiência de mercado entre

Leia mais

CICLOS DE PRODUÇÃO E PREÇO DA BORRACHA NATURAL NO BRASIL. PALAVRAS-CHAVE: Ciclos, raiz unitária, análise espectral

CICLOS DE PRODUÇÃO E PREÇO DA BORRACHA NATURAL NO BRASIL. PALAVRAS-CHAVE: Ciclos, raiz unitária, análise espectral CICLOS DE PRODUÇÃO E PREÇO DA BORRACHA NATURAL NO BRASIL Sérgio Gomes Tosto Patrícia Lopes Rosado Elaine Aparecida Fernandes RESUMO Diante da importância da borracha natural como fonte de renda, conservação

Leia mais

CAUSALIDADE E COINTEGRAÇÃO DAS PRINCIPAIS BOLSAS DE VALORES DO MUNDO E DA AMÉRICA LATINA

CAUSALIDADE E COINTEGRAÇÃO DAS PRINCIPAIS BOLSAS DE VALORES DO MUNDO E DA AMÉRICA LATINA CAUSALIDADE E COINTEGRAÇÃO DAS PRINCIPAIS BOLSAS DE VALORES DO MUNDO E DA AMÉRICA LATINA Autoria: Antônio Fernando O. A. Pereira, Newton C. A. da Costa Júnior e Anderson de Barros Dantas Resumo: Este artigo

Leia mais

Por que estudar econometria? Passos para uma análise econômica empírica. Por que estudar econometria? Tipos de dados Cross Section

Por que estudar econometria? Passos para uma análise econômica empírica. Por que estudar econometria? Tipos de dados Cross Section Por que estudar econometria? Inexistência de dados experimentais (experimentos controlados) em economia O que é Econometria? Necessidade de usar dados não experimentais, ou melhor, dados observados para

Leia mais

Evidências do processo de descoberta de preços de ADRs de empresas brasileiras

Evidências do processo de descoberta de preços de ADRs de empresas brasileiras III Fórum Baiano de Economia Aplicada 2014 Evidências do processo de descoberta de preços de ADRs de empresas brasileiras R. Ballini, Rodrigo L. F. Silveira, L. Maciel Instituto de Economia, Universidade

Leia mais

Instituto Superior de Economia e Gestão Universidade Técnica de Lisboa Econometria Época Normal 9/01/2013 Duração 2 horas

Instituto Superior de Economia e Gestão Universidade Técnica de Lisboa Econometria Época Normal 9/01/2013 Duração 2 horas Instituto Superior de Economia e Gestão Universidade Técnica de Lisboa Econometria Época Normal 9/01/2013 Duração 2 horas NOME: Turma: Processo Espaço Reservado para Classificações A utilização do telemóvel

Leia mais

ESTUDO SOBRE OS PREÇOS DO AÇÚCAR E ALCOÓIS E A SUA INFLUÊNCIA DE LONGO PRAZO NO VOLUME DOS ESTOQUES PÚBLICOS NO BRASIL

ESTUDO SOBRE OS PREÇOS DO AÇÚCAR E ALCOÓIS E A SUA INFLUÊNCIA DE LONGO PRAZO NO VOLUME DOS ESTOQUES PÚBLICOS NO BRASIL ESTUDO SOBRE OS PREÇOS DO AÇÚCAR E ALCOÓIS E A SUA INFLUÊNCIA DE LONGO PRAZO NO VOLUME DOS ESTOQUES PÚBLICOS NO BRASIL STUDY OF THE PRICES OF SUGAR AND ALCOHOL AND ITS INFLUENCE ON LONG-TERM PUBLIC STOCKS

Leia mais

Análise econômica e financeira do mercado brasileiro de combustíveis

Análise econômica e financeira do mercado brasileiro de combustíveis 143 Análise econômica e financeira do mercado brasileiro de combustíveis Recebimento dos originais: 27/08/2009 Aceitação para publicação: 18/11/2011 André Ribeiro de Oliveira Mestre em Administração pela

Leia mais

Definition of the relevant product market for gasoline fuel C, hydrated ethanol and natural gas

Definition of the relevant product market for gasoline fuel C, hydrated ethanol and natural gas DELIMITAÇÃO DO MERCADO RELEVANTE DE PRODUTO DOS COMBUSTÍVEIS GASOLINA C, ÁLCOOL HIDRATADO E GÁS NATURAL VEICULAR crikamarcia@hotmail.com APRESENTACAO ORAL-Comercialização, Mercados e Preços ROSANGELA APARECIDA

Leia mais

INVESTIMENTO DIRETO ESTRANGEIRO E DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA FINANCEIRO BRASILEIRO, UMA ANÁLISE EMPÍRICA

INVESTIMENTO DIRETO ESTRANGEIRO E DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA FINANCEIRO BRASILEIRO, UMA ANÁLISE EMPÍRICA INVESTIMENTO DIRETO ESTRANGEIRO E DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA FINANCEIRO BRASILEIRO, UMA ANÁLISE EMPÍRICA Elaine Aparecida Fernandes CPF 027576066-97 Estudante de pós-graduação da Universidade Federal de

Leia mais

O IMPACTO DA TAXA DE CÂMBIO E DA RENDA MUNDIAL NAS EXPORTAÇÕES DE CALÇADOS GAÚCHOS

O IMPACTO DA TAXA DE CÂMBIO E DA RENDA MUNDIAL NAS EXPORTAÇÕES DE CALÇADOS GAÚCHOS O IMPACTO DA TAXA DE CÂMBIO E DA RENDA MUNDIAL NAS EXPORTAÇÕES DE CALÇADOS GAÚCHOS Éverton Coelho Gomes 1 Vinícius Dias Fantinel 2 RESUMO O objetivo deste trabalho é conhecer a influência da taxa de câmbio

Leia mais

ESTRATÉGIAS COM CONTRATOS FUTUROS E PREVISÃO DOS PREÇOS DE CAFÉ ARÁBICA: UMA ABORDAGEM DE CO- INTEGRAÇÃO

ESTRATÉGIAS COM CONTRATOS FUTUROS E PREVISÃO DOS PREÇOS DE CAFÉ ARÁBICA: UMA ABORDAGEM DE CO- INTEGRAÇÃO ESTRATÉGIAS COM CONTRATOS FUTUROS E PREVISÃO DOS PREÇOS DE CAFÉ ARÁBICA: UMA ABORDAGEM DE CO- INTEGRAÇÃO CARLOS ANDRÉ DA SILVA MÜLLER; FRANCISCO CARLOS CUNHA CASSUCE; ALTAIR DIAS DE MOURA; UNIVERSIDADE

Leia mais

Este capítulo é divido em duas seções, a primeira seção descreve a base de

Este capítulo é divido em duas seções, a primeira seção descreve a base de 30 3. Metodologia Este capítulo é divido em duas seções, a primeira seção descreve a base de dados utilizada, identificando a origem das fontes de informação, apresentando de forma detalhada as informações

Leia mais

A Metodologia dos Testes de Causalidade em Economia

A Metodologia dos Testes de Causalidade em Economia A Metodologia dos Testes de Causalidade em Economia Francisco Galrão Carneiro Departamento de Economia Universidade de Brasilia Resumo. O texto apresenta uma introdução aos métodos de análise de causalidade

Leia mais

CO-INTEGRAÇÃO ENTRE OS PREÇOS DA SOJA COTADOS NOS MERCADOS BRASILEIRO E NORTE-AMERICANO: UMA ANÁLISE EMPÍRICA

CO-INTEGRAÇÃO ENTRE OS PREÇOS DA SOJA COTADOS NOS MERCADOS BRASILEIRO E NORTE-AMERICANO: UMA ANÁLISE EMPÍRICA CO-INTEGRAÇÃO ENTRE OS PREÇOS DA SOJA COTADOS NOS MERCADOS BRASILEIRO E NORTE-AMERICANO: UMA ANÁLISE EMPÍRICA ARTIGO Wesley Vieira da Silva Doutor em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de

Leia mais

Análise da transmissão de preços no setor sucroalcooleiro brasileiro

Análise da transmissão de preços no setor sucroalcooleiro brasileiro Análise da transmissão de preços no setor sucroalcooleiro brasileiro ÁREA TEMÁTICA: Estudos setoriais, cadeias produtivas, sistemas locais de produção. Alexander Souza Block lexblock@hotmail.com Mestrando

Leia mais

João Paulo Raabe Jefferson Andronio Ramundo Staduto

João Paulo Raabe Jefferson Andronio Ramundo Staduto A EFETIVIDADE DE HEDGE DO MERCADO FUTURO DE AÇÚCAR NA BOLSA DE NOVA YORK, BOLSA DE LONDRES E BM&F João Paulo Raabe Jefferson Andronio Ramundo Staduto RESUMO - O Brasil é o maior produtor e exportador de

Leia mais

Regressão Linear em SPSS

Regressão Linear em SPSS Regressão Linear em SPSS 1. No ficheiro Calor.sav encontram-se os valores do consumo mensal de energia, medido em milhões de unidades termais britânicas, acompanhados de valores de output, em milhões de

Leia mais

VALOR DE MERCADO VERSUS LIQUIDEZ: UM ESTUDO A PARTIR DOS ÍNDICES AMPLOS COMO REFERÊNCIA

VALOR DE MERCADO VERSUS LIQUIDEZ: UM ESTUDO A PARTIR DOS ÍNDICES AMPLOS COMO REFERÊNCIA VALOR DE MERCADO VERSUS LIQUIDEZ: UM ESTUDO A PARTIR DOS ÍNDICES AMPLOS COMO REFERÊNCIA Cíntia Oliveira Elias Bacharel em Ciências Contábeis Universidade Federal de Goiás FACE - Faculdade de Administração,

Leia mais

Complementaridade versus substituição entre investimento público e privado na economia brasileira: 1965-90*

Complementaridade versus substituição entre investimento público e privado na economia brasileira: 1965-90* Complementaridade versus substituição entre investimento público e privado na economia brasileira: 1965-90* Carlos Henrique Rocha** Joanílio Rodolpho Teixeira*** I. Introdução; 2. o modelo e algumas considerações

Leia mais

Estratégias na composição de blends no mercado internacional de café: uma análise de cointegração

Estratégias na composição de blends no mercado internacional de café: uma análise de cointegração Estratégias na composição de blends no mercado internacional de café: uma análise de cointegração Paula Sarita Bigio Schnaider Maria Sylvia Macchione Saes Universidade de São Paulo Faculdade de Economia,

Leia mais

Co-integração entre os mercados spot e futuro: evidências dos mercados de boi gordo e soja

Co-integração entre os mercados spot e futuro: evidências dos mercados de boi gordo e soja Co-integração entre os mercados spot e futuro: evidências dos mercados de boi gordo e soja Kleber Giovelli Abitante 1 Resumo: Uma das medidas de eficiência dos mercados futuros refere-se à sua ligação

Leia mais

IBMEC SÃO PAULO Faculdade de Economia e Administração. Natasha de Almeida Daher A DINÂMICA DA CONTA CORRENTE E DA TAXA REAL DE CÂMBIO NO BRASIL

IBMEC SÃO PAULO Faculdade de Economia e Administração. Natasha de Almeida Daher A DINÂMICA DA CONTA CORRENTE E DA TAXA REAL DE CÂMBIO NO BRASIL IBMEC SÃO PAULO Faculdade de Economia e Administração Natasha de Almeida Daher A DINÂMICA DA CONTA CORRENTE E DA TAXA REAL DE CÂMBIO NO BRASIL São Paulo 2009 2 Natasha de Almeida Daher A Dinâmica da Conta

Leia mais

Estimação do Pass-Through Cambial no Brasil referente aos Índices de Preços ao Consumidor

Estimação do Pass-Through Cambial no Brasil referente aos Índices de Preços ao Consumidor Estimação do Pass-Through Cambial no Brasil referente aos Índices de Preços ao Consumidor Luiz Armando dos Santos Aleixo - estudante do curso de Estatística - 3 o ano - Escola Nacional de Ciências Estatísticas

Leia mais

MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS APLICADOS AO SETOR DE EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE FLORES DE CORTE LILIAN CRISTINA ANEFALOS; MARIO ANTONIO MARGARIDO;

MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS APLICADOS AO SETOR DE EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE FLORES DE CORTE LILIAN CRISTINA ANEFALOS; MARIO ANTONIO MARGARIDO; MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS APLICADOS AO SETOR DE EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE FLORES DE CORTE LILIAN CRISTINA ANEFALOS; MARIO ANTONIO MARGARIDO; INSTITUTO DE ECONOMIA AGRÍCOLA SÃO PAULO - SP - BRASIL LCANEFAL@IEA.SP.GOV.BR

Leia mais

Júlio Delgado & Óscar Santos. Determinantes da Inflação em CaboVerde

Júlio Delgado & Óscar Santos. Determinantes da Inflação em CaboVerde Júlio Delgado & Óscar Santos Determinantes da Inflação em CaboVerde Praia 2006 Ficha Técnica Título: CADERNOS DO BANCO DE CABO VERDE Série: Working Papers, nº 4/2006 Editor: Banco de Cabo Verde Avenida

Leia mais

A RESTRIÇÃO EXTERNA COMO FATOR LIMITANTE DO CRESCIMENTO ECONÔMICO BRASILEIRO: UM TESTE EMPÍRICO

A RESTRIÇÃO EXTERNA COMO FATOR LIMITANTE DO CRESCIMENTO ECONÔMICO BRASILEIRO: UM TESTE EMPÍRICO A RESTRIÇÃO EXTERNA COMO FATOR LIMITANTE DO CRESCIMENTO ECONÔMICO BRASILEIRO: UM TESTE EMPÍRICO Antonio Tiago Loureiro Araújo dos Santos FEA-USP Gilberto Tadeu Lima FEA-USP Veridiana Ramos da Silva Carvalho

Leia mais

Integração Espacial entre os Preços das Cestas Básicas nas Capitais da Região Sudeste do Brasil

Integração Espacial entre os Preços das Cestas Básicas nas Capitais da Região Sudeste do Brasil Integração Espacial entre os Preços das Cestas Básicas nas Capitais da Região Sudeste do Brasil Henrique Duarte Carvalho Doutorando em Economia Aplicada, Universidade Federal de Viçosa (UFV), Brasil Paulo

Leia mais

MAE0325 - Séries Temporais

MAE0325 - Séries Temporais MAE0325 - Séries Temporais Fernando Henrique Ferraz Pereira da Rosa Vagner Aparecido Pedro Junior 26 de setembro de 2004 E7p80. Considere a série A (M-ICV): Lista 1 1 (a) teste a existência de tendência,

Leia mais

6 OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO NO BRASIL

6 OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO NO BRASIL 6 OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO NO BRASIL Este capítulo procurará explicar os movimentos do investimento, tanto das contas nacionais quanto das empresas abertas com ações negociadas em bolsa através

Leia mais

ECONOMETRIA EXERCÍCIOS DO CAPÍTULO 2

ECONOMETRIA EXERCÍCIOS DO CAPÍTULO 2 ECONOMETRIA EXERCÍCIOS DO CAPÍTULO 2 1. Exercício C7.8 de W (4th edition), apenas as alíneas i) a iv). 2. Exercício 7.7 de W. 3. Exercício C8.7 de W, com excepção da questão sobre WLS em ii). 4. Exercício

Leia mais

Evidências de Bolhas Especulativas no Mercado de Ações Brasileiro

Evidências de Bolhas Especulativas no Mercado de Ações Brasileiro Evidências de Bolhas Especulativas no Mercado de Ações Brasileiro Autoria: Otavio Ribeiro de Medeiros, Cecilio Elias Daher Resumo A eventual presença de bolhas de preços dos ativos financeiros é um fenômeno

Leia mais

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA PRELIMINAR DAS OFERTAS DE AÇÚCAR E ÁLCOOL PARANAENSES 1

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA PRELIMINAR DAS OFERTAS DE AÇÚCAR E ÁLCOOL PARANAENSES 1 UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA PRELIMINAR DAS OFERTAS DE AÇÚCAR E ÁLCOOL PARANAENSES 1 Pery Francisco Assis Shikida 2 Lucilio Rogerio Aparecido Alves 3 Elvanio Costa de Souza 4 Elizângela Mara Carvalheiro 5

Leia mais

Análise estatística do comportamento de preços da commodity cobre

Análise estatística do comportamento de preços da commodity cobre Análise estatística do comportamento de preços da commodity cobre Autores MARCIA ATHAYDE MATIAS Universidade de Brasília CÉSAR AUGUSTO TIBÚRCIO SILVA Universidade de Brasília LEONARDO VIEIRA Universidade

Leia mais

Combinação de Negócios, Mensuração ao Valor Justo e Instrumentos Financeiros

Combinação de Negócios, Mensuração ao Valor Justo e Instrumentos Financeiros Jorge Vieira Assessor Superintendência de Normas Contábeis e de Auditoria jorgev@cvm.gov.br Combinação de Negócios, Mensuração ao Valor Justo e Instrumentos Financeiros Uma questão inicial para reflexão:

Leia mais

Estimação de Equações de Exportação e Importação para o Brasil 1955/95 *

Estimação de Equações de Exportação e Importação para o Brasil 1955/95 * TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 469 Estimação de Equações de Exportação e Importação para o Brasil 1955/95 * Alexandre Samy de Castro** Marco Antônio F.H. Cavalcanti** Rio de Janeiro, março de 1997 * Os autores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA CAEN MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA MPE FRANCISCO WAGNER DE QUEIROZ ALMEIDA JÚNIOR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA CAEN MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA MPE FRANCISCO WAGNER DE QUEIROZ ALMEIDA JÚNIOR UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA CAEN MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA MPE FRANCISCO WAGNER DE QUEIROZ ALMEIDA JÚNIOR A CRISE DO SUBPRIME E O MERCADO FINANCEIRO NO BRASIL:

Leia mais

EFEITOS DE ACORDOS COMERCIAIS SOBRE A INTEGRAÇÃO DE PREÇOS DO ALGODÃO NOS MERCADOS INTERNO E EXTERNO 1

EFEITOS DE ACORDOS COMERCIAIS SOBRE A INTEGRAÇÃO DE PREÇOS DO ALGODÃO NOS MERCADOS INTERNO E EXTERNO 1 Eliane Pinheiro de Sousa & Antônio Carvalho Campos ISSN 1679-1614 EFEITOS DE ACORDOS COMERCIAIS SOBRE A INTEGRAÇÃO DE PREÇOS DO ALGODÃO NOS MERCADOS INTERNO E EXTERNO 1 Eliane Pinheiro de Sousa 2 Antônio

Leia mais

Análise da Efetividade de Políticas de Hedge no Mercado de Dólar Futuro no Brasil

Análise da Efetividade de Políticas de Hedge no Mercado de Dólar Futuro no Brasil Análise da Efetividade de Políticas de Hedge no Mercado de Dólar Futuro no Brasil Autoria: Marcelo Cabus Klotzle, Antonio Carlos Figueiredo Pinto, Mario D. Simões, Leonardo Lima Gomes Nos últimos anos,

Leia mais

Capítulo 5. Modelos de Confiabilidade. Gustavo Mello Reis José Ivo Ribeiro Júnior

Capítulo 5. Modelos de Confiabilidade. Gustavo Mello Reis José Ivo Ribeiro Júnior Capítulo 5 Modelos de Confiabilidade Gustavo Mello Reis José Ivo Ribeiro Júnior Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática Setor de Estatística Viçosa 007 Capítulo 5 Modelos de Confiabilidade

Leia mais

Resumo: Palavras-chave: Documentos Técnico-Científicos

Resumo: Palavras-chave: Documentos Técnico-Científicos Documentos Técnico-Científicos Mudança Estrutural na Relação Entre Emprego e Produção no Setor Automobilístico Lúcia Maria Góes Moutinho Profa. Dra. do Curso de Mestrado em Economia da Universidade Federal

Leia mais

Complementos de Econometria. Licenciatura em Economia. ISCTE-IUL, Dep. de Economia MODELOS EM TIME SERIES (PARTE 2) Luís Filipe Martins

Complementos de Econometria. Licenciatura em Economia. ISCTE-IUL, Dep. de Economia MODELOS EM TIME SERIES (PARTE 2) Luís Filipe Martins Complementos de Econometria Licenciatura em Economia ISCTE-IUL, Dep. de Economia MODELOS EM TIME SERIES (PARTE 2) Luís Filipe Martins luis.martins@iscte.pt http://iscte.pt/~lfsm Departamento de Métodos

Leia mais

EFICIÊNCIA DOS MERCADOS DA SOJA NO BRASIL (2004-2010)

EFICIÊNCIA DOS MERCADOS DA SOJA NO BRASIL (2004-2010) 1 EFICIÊNCIA DOS MERCADOS DA SOJA NO BRASIL (2004-2010) Prof. Ms. Ari Aloísio Justen Junior Profª. Drª. Kelmara Mendes Vieira Prof. Dr. Daniel Arruda Coronel Resumo: O objetivo deste estudo é testar a

Leia mais

Identificação dos Fatores Determinantes da Demanda por Publicidade em Jornais no Mercado do Rio de Janeiro

Identificação dos Fatores Determinantes da Demanda por Publicidade em Jornais no Mercado do Rio de Janeiro Identificação dos Fatores Determinantes da Demanda por Publicidade em Jornais no Mercado do Rio de Janeiro Autores: Claudio Alberto Netto Duek, Jorge Ferreira da Silva e Claudio R. Contador RESUMO O processo

Leia mais

DETERMINANTES DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO DIRETO NO BRASIL

DETERMINANTES DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO DIRETO NO BRASIL ISSN 2358-2138 DETERMINANTES DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO DIRETO NO BRASIL Paula Alves Gonella 1 ESPM-SP 1 RESUMO Raphael Almeida Videira 2 ESPM-SP Visto que o Investimento Externo Direto se tornou importante

Leia mais

Impactos do Índice Dow Jones, Commodities e Câmbio sobre o Ibovespa: uma Análise do Efeito Contágio (1)

Impactos do Índice Dow Jones, Commodities e Câmbio sobre o Ibovespa: uma Análise do Efeito Contágio (1) RAC - Revista de Administração Contemporânea ISSN: 1415-6555 rac@anpad.org.br Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração Brasil Vartanian, Pedro Raffy Impactos do índice Dow Jones,

Leia mais

A TAXA DE CÂMBIO DE PARIDADE PARA A SOJICULTURA

A TAXA DE CÂMBIO DE PARIDADE PARA A SOJICULTURA A TAXA DE CÂMBIO DE PARIDADE PARA A SOJICULTURA Regina Célia de Carvalho Ricardo Chaves Lima Resumo - Taxa de câmbio de equilíbrio é aquela garantida pelo ajuste do câmbio nominal na mesma proporção do

Leia mais

Previsão de vendas de materiais de construção civil na elaboração de planejamento estratégico

Previsão de vendas de materiais de construção civil na elaboração de planejamento estratégico Previsão de vendas de materiais de construção civil na elaboração de planejamento estratégico Natália da Silva Martins 1 2 Paulo Justiniano Ribeiro Junior 3 1 Introdução Atualmente, com a estabilização

Leia mais

Demanda residencial de energia elétrica em Minas Gerais:

Demanda residencial de energia elétrica em Minas Gerais: Demanda residencial de energia elétrica em Minas Gerais: 1970-2002 Leonardo Bornacki de Mattos Mestrando em Economia Aplicada pela Universidade Federal de Viçosa João Eustáquio de Lima Professor do Departamento

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VENDAS DE IMÓVEIS USANDO MODELO PROBIT

AVALIAÇÃO DE VENDAS DE IMÓVEIS USANDO MODELO PROBIT AVALIAÇÃO DE VENDAS DE IMÓVEIS USANDO MODELO PROBIT Francisco José Sales Rocha Professor Assistente III Universidade Federal do Ceará.Doutorando em Economia, PIMES - UFPE Manoel Estevão da Costa, 84, APTO.06,

Leia mais

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder Comentário Geral: Prova muito difícil, muito fora dos padrões das provas do TCE administração e Economia, praticamente só caiu teoria. Existem três questões (4, 45 e 47) que devem ser anuladas, por tratarem

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Risco de Mercado

Metodologia de Gerenciamento de Risco de Mercado Metodologia de Gerenciamento de Risco de Mercado O Gerenciamento de Risco de Mercado das Carteiras geridas pela Rio Verde Investimentos é efetuado pela Administradora dos Fundos, no caso BNY Mellon Serviços

Leia mais

IX O Pass-Through da Taxa Básica: Evidências para as Taxas de Juros Bancárias

IX O Pass-Through da Taxa Básica: Evidências para as Taxas de Juros Bancárias IX O Pass-Through da Taxa Básica: Evidências para as Taxas de Juros Bancárias Leonardo Soriano de Alencar * IX.1 Introdução Uma idéia amplamente aceita pelos economistas é que a política monetária afeta

Leia mais

Econometria Avançada 1o semestre de 2015

Econometria Avançada 1o semestre de 2015 Econometria Avançada 1o semestre de 2015 Hedibert Freitas Lopes www.hedibert.org hedibertfl@insper.edu.br INSPER - Sala 604 Horários Horário das aulas: Terça-feira das 9h45min às 11h45min Quinta-feira

Leia mais

PREVISÃO COM COINTEGRAÇÃO E MODELO A CORREÇÃO DE ERRO: APLICAÇÃO EMPÍRICA NO CONSUMO DE GASOLINA DO BRASIL.

PREVISÃO COM COINTEGRAÇÃO E MODELO A CORREÇÃO DE ERRO: APLICAÇÃO EMPÍRICA NO CONSUMO DE GASOLINA DO BRASIL. PREVISÃO COM COINTEGRAÇÃO E MODELO A CORREÇÃO DE ERRO: APLICAÇÃO EMPÍRICA NO CONSUMO DE GASOLINA DO BRASIL. ROBERT W. SAMOHYL Professor Ph.D. do PPGEP da UFSC UFSC/CT/PPGEP Caixa Postal 476 CEP: 88797,

Leia mais

VALIDAÇÃO DE MODELOS DE REGRESSÃO POR BOOTSTRAP. João Riboldi 1

VALIDAÇÃO DE MODELOS DE REGRESSÃO POR BOOTSTRAP. João Riboldi 1 VALIDAÇÃO DE MODELOS DE REGRESSÃO POR BOOTSTRAP João Riboldi 1 1. Introdução Na construção de um modelo de regressão, de uma maneira geral segue-se três etapas: executa-se o ajuste do modelo, obtendo-se

Leia mais

Análise da Transmissão Espacial de Preços no Mercado Internacional de Trigo. Mario Antonio Margarido Frederico Araujo Turolla

Análise da Transmissão Espacial de Preços no Mercado Internacional de Trigo. Mario Antonio Margarido Frederico Araujo Turolla 1 Análise da Transmissão Espacial de Preços no Mercado Internacional de Trigo Mario Antonio Margarido Frederico Araujo Turolla Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Escola Superior de Propaganda

Leia mais

Testes de racionalidade para loterias no Brasil*

Testes de racionalidade para loterias no Brasil* Testes de racionalidade para loterias no Brasil* Marcos A. M. Lima Marcelo Resende Resumo O artigo investiga a prevalência de expectativas racionais no caso de duas loterias brasileiras (Quina e Mega-

Leia mais

Novos Cadernos NAEA. Abstract. Resumo

Novos Cadernos NAEA. Abstract. Resumo Novos Cadernos NAEA v. 10, n. 1, p. 45-70, jun. 2007, ISSN 1516-6481 Análises dos testes de cointegração e de correção reção de erro ro dos preços do café e do cacau no mercado internacional nacional de

Leia mais

Manual de Risco Yield Capital

Manual de Risco Yield Capital Manual de Risco Yield Capital Introdução: O objetivo deste manual é apresentar a metodologia utilizada no sistema de risco da Yield Capital. Os fundos tem seu risco de mercado monitorado diariamente utilizando,

Leia mais

EFICIÊNCIA DOS MERCADOS FUTUROS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS APLICANDO- SE O TESTE DE COINTEGRAÇÃO

EFICIÊNCIA DOS MERCADOS FUTUROS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS APLICANDO- SE O TESTE DE COINTEGRAÇÃO DOI: 10.5902/198346595432 EFICIÊNCIA DOS MERCADOS FUTUROS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS APLICANDO- SE O TESTE DE COINTEGRAÇÃO EFFICIENCY OF THE AGRICULTURAL COMMODITY FUTURES MARKET BY APPLYING THE COINTEGRATION

Leia mais

FATORES MACROECONÔMICOS DETERMINANTES DO MERCADO IMOBILIÁRIO DO ESTADO DO CEARÁ

FATORES MACROECONÔMICOS DETERMINANTES DO MERCADO IMOBILIÁRIO DO ESTADO DO CEARÁ FATORES MACROECONÔMICOS DETERMINANTES DO MERCADO IMOBILIÁRIO DO ESTADO DO CEARÁ Marcelo Miranda Melo1 Resumo Essa pesquisa tem como principal objetivo medir o impacto de choques em relevantes variáveis

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA A GEOMETRIA DO VaR: (Value at risk) Aplicações computacionais AUTOR: RODOLFO VENDRASCO TACIN PROFESSOR

Leia mais

PRO FOR WINDOWS (FPW)

PRO FOR WINDOWS (FPW) INTRODUÇÃO OAO FORECAST PRO FOR WINDOWS (FPW) Considerações Básicas Introdução ao Forecast Pro Software para análise e previsão de séries temporais. Características importantes Roda sob as diversas versões

Leia mais

ECONOMETRIC VIEWS GUIA DO USUÁRIO (Versão preliminar)

ECONOMETRIC VIEWS GUIA DO USUÁRIO (Versão preliminar) WILDSON JUSTINIANO PINTO 1 ORLANDO MONTEIRO DA SILVA 2 ECONOMETRIC VIEWS GUIA DO USUÁRIO (Versão preliminar) 1 Economista, doutorando em Economia Aplicada pela Universidade Federal de Viçosa 2 Professor

Leia mais

Técnicas de Previsão de Box-Jenkins ARIMA 1

Técnicas de Previsão de Box-Jenkins ARIMA 1 Técnicas de Previsão de Box-Jenkins ARIMA 1 Introdução Metodologia Box-Jenkins Ou Método de Previsão ARIMA: Os modelos de previsão Box-Jenkins são baseados em conceitos e princípios estatísticos e são

Leia mais

Uma Análise da Eficiência dos Mercados Futuros Agrícolas Brasileiros

Uma Análise da Eficiência dos Mercados Futuros Agrícolas Brasileiros 1 Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Sociais Aplicadas Programa de Pós-graduação em Administração Uma Análise da Eficiência dos Mercados Futuros Agrícolas Brasileiros Carlos Flávio Pedroza

Leia mais

Custo de capital próprio e decisões de financiamento sob a perspectiva da teoria de market timing

Custo de capital próprio e decisões de financiamento sob a perspectiva da teoria de market timing Custo de capital próprio e decisões de financiamento sob a perspectiva da teoria de market timing Autoria: Renê Coppe Pimentel, Tatiana Albanez Resumo Com base na teoria de equity market timing este trabalho

Leia mais

ANÁLISE DA TRANSMISSÃO DE PREÇOS E DAS VOLATILIDADES NOS MERCADOS INTERNACIONAIS DE PETRÓLEO E SOJA

ANÁLISE DA TRANSMISSÃO DE PREÇOS E DAS VOLATILIDADES NOS MERCADOS INTERNACIONAIS DE PETRÓLEO E SOJA 1 ANÁLISE DA TRANSMISSÃO DE PREÇOS E DAS VOLATILIDADES NOS MERCADOS INTERNACIONAIS DE PETRÓLEO E SOJA Mario Antonio Margarido 1 Carlos Roberto Ferreira Bueno 2 Frederico Araujo Turolla 3 Resumo: A crescente

Leia mais

PREÇO INTERNACIONAL, TAXA DE CÂMBIO E O PREÇO PAGO AOS PRODUTORES BRASILEIROS DE SOJA 1

PREÇO INTERNACIONAL, TAXA DE CÂMBIO E O PREÇO PAGO AOS PRODUTORES BRASILEIROS DE SOJA 1 Lucas Oliveira de Sousa & Marcelo Dias Paes Ferreira ISSN 1679-1614 PREÇO INTERNACIONAL, TAXA DE CÂMBIO E O PREÇO PAGO AOS PRODUTORES BRASILEIROS DE SOJA 1 Lucas Oliveira de Sousa 2 Marcelo Dias Paes Ferreira

Leia mais

Título: Exportações, crescimento econômico e causalidade: evidências empíricas para o Brasil (1975:1-2008:2)

Título: Exportações, crescimento econômico e causalidade: evidências empíricas para o Brasil (1975:1-2008:2) Título: Exportações, crescimento econômico e causalidade: evidências empíricas para o Brasil (1975:1-2008:2) Área 6 - Crescimento econômico e desenvolvimento regional Felipe Mota Campos (PIMES/UFPE) Minicurrículos:

Leia mais

Palavras-chave: Lucros; Séries Temporais;Variáveis Macroeconômicas

Palavras-chave: Lucros; Séries Temporais;Variáveis Macroeconômicas A RELAÇÃO DE CURTO E LONGO PRAZO DAS VARIÁVEIS MACROECONÔMICAS E DOS LUCROS DAS EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO Thiago Rocha Fabris Universidade do Extremo Sul Catarinense UNESC thiagorfabris@unesc.net Maria

Leia mais

ESTUDO DA FORMAÇÃO DO PREÇO DA SOJA NAS PRAÇAS DE PASSO FUNDO/RS, MARINGÁ/PR E RONDONÓPOLIS/MT

ESTUDO DA FORMAÇÃO DO PREÇO DA SOJA NAS PRAÇAS DE PASSO FUNDO/RS, MARINGÁ/PR E RONDONÓPOLIS/MT Linha de Pesquisa: Microeconomia e Economia Industrial ESTUDO DA FORMAÇÃO DO PREÇO DA SOJA NAS PRAÇAS DE PASSO FUNDO/RS, MARINGÁ/PR E RONDONÓPOLIS/MT Elen Presotto 1 Nilson Luiz Costa 2 Resumo: Este estudo

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: UM ESTUDO DAS VARIÁVEIS DE CUSTOS MAIS REPRESENTATIVAS EM UMA INDÚSTRIA DE LATICÍNIO NO CARIRI PARAIBANO.

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: UM ESTUDO DAS VARIÁVEIS DE CUSTOS MAIS REPRESENTATIVAS EM UMA INDÚSTRIA DE LATICÍNIO NO CARIRI PARAIBANO. GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: UM ESTUDO DAS VARIÁVEIS DE CUSTOS MAIS REPRESENTATIVAS EM UMA INDÚSTRIA DE LATICÍNIO NO CARIRI PARAIBANO. André Luiz DE SOUZA UnB/UFPB/UFPE/UFRN (Brasil) Janieiry QUEIROGA

Leia mais

Marina Miotto Becker mestranda no Programa de Pós Graduação em Economia (PPGE) UFRGS miottobecker@yahoo.com.br

Marina Miotto Becker mestranda no Programa de Pós Graduação em Economia (PPGE) UFRGS miottobecker@yahoo.com.br A IMPORTÂNCIA DO INVESTIMENTO EM INOVAÇÕES E DA DIMENSÃO DA ESTRUTURA PRODUTIVA DAS EMPRESAS PARA O SEU DESEMPENHO: UMA ANÁLISE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA Área Temática 5: Economia industrial,

Leia mais

REGRESSÃO MÚLTIPLA: uma digressão sobre seus usos.

REGRESSÃO MÚLTIPLA: uma digressão sobre seus usos. REGRESSÃO MÚLTIPLA: uma digressão sobre seus usos. Autores: Istvan Karoly Kasznar, PhD Professor Titular da FGV e Presidente da IBCI Bento Mario Lages Gonçalves, MSc Consultor Senior da IBCI REGRESSÃO

Leia mais

Campo Grande, 25 a 28 de julho de 2010, Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural

Campo Grande, 25 a 28 de julho de 2010, Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural DETERMINANTES DA EXPORTAÇÃO MINEIRA DE CAFÉ glaupadrao@gmail.com APRESENTACAO ORAL-Comércio Internacional GLAUCIA DE ALMEIDA PADRÃO; GRACIELA APARECIDA PROFETA; MARÍLIA FERNANDES MACIEL GOMES. UNIVERSIDADE

Leia mais

Uma visão gerencial da Estatística e Séries Temporais. Uma visão gerencial da Estatística e Séries Temporais

Uma visão gerencial da Estatística e Séries Temporais. Uma visão gerencial da Estatística e Séries Temporais IAG MASTER EM DESENVOLVIMENTO GERENCIAL 2006 Fundamentos de Economia de Energia Mônica Barros, D.Sc. Aula 3 10/06/2006 Uma visão gerencial da Estatística e Séries Temporais Séries Temporais Interpretação

Leia mais

UTILIZANDO MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA DETERMINAÇÃO DE MERCADO

UTILIZANDO MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA DETERMINAÇÃO DE MERCADO UTILIZANDO MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA DETERMINAÇÃO DE MERCADO GEOGRÁFICO RELEVANTE: o caso da farinha de trigo na cidade de São Paulo Mario Antonio Margarido * Carlos Roberto Ferreira Bueno ** Vagner

Leia mais

Comparação entre medidas clássicas e robustas para identificação de outliers em regressão

Comparação entre medidas clássicas e robustas para identificação de outliers em regressão Comparação entre medidas clássicas e robustas para identificação de outliers em regressão Gabriela Isabel L. Alves (1), Verônica Maria C. Lima (2) (1) Curso de Graduação em Estatística (2) Departamento

Leia mais

Modelo SARIMA: um estudo de caso sobre venda mensal de gasolina

Modelo SARIMA: um estudo de caso sobre venda mensal de gasolina Modelo SARIMA: um estudo de caso sobre venda mensal de gasolina Ana Julia Righetto 1 Luiz Ricardo Nakamura 1 Pedro Henrique Ramos Cerqueira 1 Manoel Ivanildo Silvestre Bezerra 2 Taciana Villela Savian

Leia mais

MODELAGEM THRESHOLD DE TRANSMISSÃO DE PREÇOS PARA O MERCADO DE SOJA MATO-GROSSENSE. Murilo Massaru da Silva

MODELAGEM THRESHOLD DE TRANSMISSÃO DE PREÇOS PARA O MERCADO DE SOJA MATO-GROSSENSE. Murilo Massaru da Silva MODELAGEM THRESHOLD DE TRANSMISSÃO DE PREÇOS PARA O MERCADO DE SOJA MATO-GROSSENSE Murilo Massaru da Silva Programa de Pós Graduação em Economia/ UFPB, Av. Rio Grande do Sul, s/n. Ed. Milano. Ap. 404,

Leia mais

Séries de Tempo. José Fajardo. Setembro 2011. Fundação Getulio Vargas-EBAPE. José Fajardo (FGV-EBAPE) Processos Não Estacionários Setembro 2011 1 / 61

Séries de Tempo. José Fajardo. Setembro 2011. Fundação Getulio Vargas-EBAPE. José Fajardo (FGV-EBAPE) Processos Não Estacionários Setembro 2011 1 / 61 Séries de Tempo José Fajardo Fundação Getulio Vargas-EBAPE Setembro 2011 José Fajardo (FGV-EBAPE) Processos Não Estacionários Setembro 2011 1 / 61 Motivação A série temporal não estacionária não pode ser

Leia mais

EFEITOS DA TAXA DE CÂMBIO NA POUPANÇA INTERNA: ANÁLISE TEÓRICA E EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS PARA O CASO BRASILEIRO. Eliane Araújo

EFEITOS DA TAXA DE CÂMBIO NA POUPANÇA INTERNA: ANÁLISE TEÓRICA E EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS PARA O CASO BRASILEIRO. Eliane Araújo Textos para Discussão 252 Maio de 2010 EFEITOS DA TAXA DE CÂMBIO NA POUPANÇA INTERNA: ANÁLISE TEÓRICA E EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS PARA O CASO BRASILEIRO Paulo Gala Eliane Araújo Luiz Carlos Bresser-Pereira

Leia mais

Efetividade de hedge e razão ótima de hedge para cultura do milho no estado de Goiás

Efetividade de hedge e razão ótima de hedge para cultura do milho no estado de Goiás Efetividade de hedge e razão ótima de hedge para cultura do milho no estado de Goiás Odilon José de Oliveira Neto 1 Reginaldo Santana Figueiredo 2 André Grossi Machado 3 Resumo Este estudo tem como objetivo

Leia mais

VISCOSIDADE DO AJUSTAMENTO DA TAXA DE JURO DE CRÉDITO COM RELAÇÃO À TAXA DE JUROS SELIC NO BRASIL: junho de 2000 a janeiro de 2011

VISCOSIDADE DO AJUSTAMENTO DA TAXA DE JURO DE CRÉDITO COM RELAÇÃO À TAXA DE JUROS SELIC NO BRASIL: junho de 2000 a janeiro de 2011 VISCOSIDADE DO AJUSTAMENTO DA TAXA DE JURO DE CRÉDITO COM RELAÇÃO À TAXA DE JUROS SELIC NO BRASIL: junho de 2000 a janeiro de 2011 Elisa Wagner Graduanda no Curso de Ciências Econômicas UDESC elisawagner@hotmail.com

Leia mais

TESTE DA VALIDADE DA PARIDADE DESCOBERTA DE JUROS PARA O BRASIL ENTRE 2001 E 2007

TESTE DA VALIDADE DA PARIDADE DESCOBERTA DE JUROS PARA O BRASIL ENTRE 2001 E 2007 TESTE DA VALIDADE DA PARIDADE DESCOBERTA DE JUROS PARA O BRASIL ENTRE 2001 E 2007 RODRIGO DE SÁ DA SILVA * PAULO RENATO LESSA PINTO ** RESUMO A paridade descoberta de juros (PDJ) afirma que o processo

Leia mais

Análise de Variância simples (One way ANOVA)

Análise de Variância simples (One way ANOVA) Análise de Variância simples (One way ANOVA) Análise de experiências com vários grupos de observações classificados através de um só factor (por exemplo grupos de indivíduos sujeitos a diferentes tratamentos

Leia mais

Revista Brasileira de Finanças ISSN: 1679-0731 rbfin@fgv.br Sociedade Brasileira de Finanças Brasil

Revista Brasileira de Finanças ISSN: 1679-0731 rbfin@fgv.br Sociedade Brasileira de Finanças Brasil Revista Brasileira de Finanças ISSN: 1679-0731 rbfin@fgv.br Sociedade Brasileira de Finanças Brasil Ferreira Fonseca, Nelson; Moura Lamounier, Wagner; Bressan, Aureliano Angel Retornos Anormais no Ibovespa

Leia mais

Eficiência de mercado: evidências empíricas para os preços spot e futuro de boi gordo

Eficiência de mercado: evidências empíricas para os preços spot e futuro de boi gordo Eficiência de mercado: evidências empíricas para os preços spot e futuro de boi gordo Waldemiro Alcântara da Silva Neto 1 Gilberto Joaquim Fraga 2 Pedro Valentin Marques 3 Resumo: O presente artigo aplica

Leia mais

Análise de causalidade dentro e entre os mercados BRIC e G8

Análise de causalidade dentro e entre os mercados BRIC e G8 Análise de causalidade dentro e entre os mercados BRIC e G8 Felipe Franco Mendes 1 Hiron Pereira Farias² 1 Introdução Em consequência da globalização financeira, inúmeras são as oportunidades de novos

Leia mais

Efetividade das operações de hedge do boi gordo no mercado futuro da BM&F para o Estado de Goiás 1

Efetividade das operações de hedge do boi gordo no mercado futuro da BM&F para o Estado de Goiás 1 Odilon José de Oliveira Neto 2 Efetividade das operações de hedge do boi gordo no mercado futuro da BM&F para o Estado de Goiás Resumo: Este artigo analisa as operações de hedge do boi gordo no mercado

Leia mais

XVIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 19 a 23 de outubro de 2009

XVIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 19 a 23 de outubro de 2009 REGRESSÃO MÚLTIPLA APLICADA AOS DADOS DE VENDAS DE UMA REDE DE LOJAS DE ELETRODOMÉSTICOS VANESSA SIQUEIRA PERES 1 RESUMO: Esse trabalho foi realizado com o objetivo de ajustar os dados de vendas de uma

Leia mais

Mercados Futuro e à Vista de Açúcar: uma análise empírica de eficiência versus arbitragem

Mercados Futuro e à Vista de Açúcar: uma análise empírica de eficiência versus arbitragem Mercados Futuro e à Vista de Açúcar: uma análise empírica de eficiência versus arbitragem Roseli da Silva 1 Rodrigo Takeuchi 2,3 Resumo: Este trabalho testa a hipótese de eficiência relativa dos mercados

Leia mais

4 Resultados e análises

4 Resultados e análises 4 Resultados e análises O Capítulo 4 apresenta elementos conseqüentes dos processos de análise e interpretação dos dados coletados, que configuram os resultados da presente pesquisa. Com base na metodologia,

Leia mais

CAPÍTULO 12 AUTOCORRELAÇÃO

CAPÍTULO 12 AUTOCORRELAÇÃO Econometria Semestre 2010.01 121 121 CAPÍTULO 12 AUTOCORRELAÇÃO 12.1. A NATUREZA DO PROBLEMA O objetivo deste capítulo é examinar as conseqüências da violação de uma das hipóteses fundamentais do modelo

Leia mais