INFLUÊNCIA DOS ÍNDICES DOW

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFLUÊNCIA DOS ÍNDICES DOW"

Transcrição

1 Faculdades ECONOMETRIA INFLUÊNCIA DOS ÍNDICES DOW JONES INDUSTRIAL AVERAGE E NIKKEI-225 SOBRE O IBOVESPA GUSTAVO ELIAS PENA IBMEC-MG BRENO GUELMAN IBMEC-MG HENRIQUE RABELLO IBMEC-MG Econometria 1

2 SUMÁRIO: 1 Introdução 3 2 Referencial Teórico 4 3 Metodologia e Discussão dos Dados 6 4 Resultados Econométricos 8 5 Conclusão 12 6 Bibliografia 13 Econometria 2

3 1. INTRODUÇÃO O mercado de capitais no Brasil atingiu uma nova dimensão. Um grande interesse nessa área surgiu nos últimos anos e com isso a Bolsa de Valores de São Paulo, a BOVESPA, se tornou parte do dia-a-dia de muitos brasileiros e também de muitos investidores internacionais. O mercado financeiro é o mecanismo através do qual se tem uma troca de ativos financeiros e onde também se determina seus preços. A bolsa de valores representa apenas uma parte do mercado financeiro, porém tem grande importância no seu desenvolvimento e no crescimento do país, gerando recursos para as empresas e tornando-se opção de investimento tanto para pessoas físicas como jurídicas. O cenário macroeconômico mundial ajuda a explicar esse interesse demasiado na bolsa. Taxas de juros básicas de vários países - incluindo a do Brasil - estão em queda, e com isso, a renda fixa deixa de ser atrativa do ponto de vista do investidor, que migra para investimentos mais ousados, como as ações. O Brasil, por ser considerado um mercado emergente, parte do grupo BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China), atrai ainda mais os investidores externos, que vêem no país a possibilidade de bons ganhos com seu capital. Podemos dizer que o mercado financeiro do Brasil teve origem com a criação do Banco do Brasil, em 1808, viabilizado pela vinda de D. João IV e a família real, e desde então muito se evoluiu, com a chegada de bancos e empresas internacionais, vindos principalmente dos EUA, e com a legislação atuando no trâmite das movimentações financeiras. O mercado financeiro vem sofrendo várias transformações devido à tendência de globalização ocasionada pelo avanço tecnológico atual. Observamos a criação de um mercado global, onde a figura dos players internacionais é bastante influente, gerando uma alta liquidez nas bolsas pelo mundo. Tudo isso faz com que haja uma sensibilidade dos mercados às turbulências externas, ou seja, uma crise em um país economicamente ativo irá influenciar qualquer outra economia mundial. Econometria 3

4 Algo interessante de se analisar é quanto o mercado externo influencia o mercado de capitais brasileiro. Em outras palavras, como as cotações dos ativos das bolsas de países com uma forte economia atingem as da bolsa brasileira. O Brasil, em 2005 importou US$ 15.4 bi dos os EUA e exportou US$ 24.4 bi para o mesmo, correspondendo assim a 20% das exportações totais brasileiras. Tendo como maior parceiro comercial os Estados Unidos, o Brasil está sujeito a sofrer impactos que tenham origem na economia norte-americana, possuindo assim um alto grau de dependência. Sabendo da importância da economia asiática, não se pode esquecer de analisar o peso desses países sobre o Brasil. Sendo o Japão uma das maiores economias do mundo, o resultado das cotações de sua bolsa de valores tem impacto no mundo inteiro. A globalização dos mercados internacionais e a dependência econômica brasileira em relação a outras economias do mundo serviram de motivação para a realização deste trabalho. Com o intuito de analisar a relação dos índices de bolsas internacionais com o índice da bolsa brasileira, iremos explicar a variação do Ibovespa (principal índice da Bolsa de Valores do Brasil) através da variação do Índice Dow Jones Industrial Average (principal índice da Bolsa de Nova York) e do Índice Nikkei-225 (principal índice da Bolsa de Valores de Tóquio) a partir de ferramentas estatísticas. 2. REFERENCIAL TEÓRICO Um trabalho realizado anteriormente serviu de referencial teórico para o nosso estudo. O estudo empírico INTERFERÊNCIA DOS MERCADOS EXTERNOS SOBRE O IBOVESPA: UMA ANÁLISE UTILIZANDO AUTOREGRESSÃO VETORIAL ESTRUTURAL, realizado por Luiz Eduardo Gaio e Rafael Campos Rolim investigou os impactos dos choques das flutuações dos índices internacionais sobre o Ibovespa no período de 2000 a Foram usados índices que possuem grande representatividade no mercado mundial, como o Dow Jones (EUA), Standard & Poors 500 (EUA) e o Nikkei- 225 (Japão). A metodologia usada no estudo foi a análise de co-integração e modelos de correção de erros, todos eles aplicados a um enfoque multivariado (VAR). Também analisou-se a relação entre os mercados através da estimativa VEC. Os resultados evidenciaram a significativa influência dos retornos das bolsas internacionais sobre os retornos do índice da Bolsa de Valores de São Paulo, o que indicou que o mercado Econometria 4

5 brasileiro está totalmente susceptível as oscilações dos mercados internacionais. Os mercados internacionais vivem um momento de globalização financeira, em que o fluxo de informações é muito mais rápido que antigamente. Isso faz com que os países estejam cada vez mais interligados e interdependentes. Além disso, a tecnologia favoreceu em muito a atuação dos players internacionais nos mercados financeiros mundiais. Um player internacional é um investidor que aplica seus recursos em economias de diversos países O Brasil é muito dependente comercialmente de outros países, principalmente dos EUA e do mercado asiático. Portanto, a junção da globalização dos mercados internacionais com a dependência econômica e comercial dos países faz com as bolsas de valores tenham um comportamento semelhante. A bolsa de valores é um local onde se negociam ações de empresas de capital aberto, além de outros instrumentos financeiros, como opções e debêntures. Existem indícios de que a primeira bolsa de valores surgiu entre o século XV e XVI. O presente trabalho analisa o impacto de dois índices de importantes bolsas de valores no mercado internacional no índice da bolsa brasileira, e por isso, faz-se necessário deixar claro como são compostos os índices e o que eles representam. Um índice de uma bolsa de valores é uma representação da variação da cotação de suas principais ações. A variação do índice espelha a tendência da bolsa - de alta ou de baixa - em comparação com o dia anterior. Os índices de ações servem como um termômetro do mercado, pois as ações tendem a seguir um movimento em grupo, desvalorizando-se ou valorizando-se conjuntamente. Três índices fazem parte do estudo, um asiático, um norte-americano e o outro do Brasil. Como a Ásia tem uma grande representatividade na economia mundial, utilizamos o índice Nikkei-225, referente à bolsa de valores do Japão, o mercado de ações mais expressivo do oriente. É o indicador mais tradicional do mercado de ações japonês, sua carteira é formada por 225 ações listadas na Bolsa de Valores de Tóquio, e a sua variação é calculada a partir da média aritmética das variações de preços das ações que compõem a carteira. Já o índice Dow Jones Indutrial Average (DJIA) representa a New York Stock Exchange (NYSE), e é um dos mais importantes indicadores do mercado acionário norteamericano, sendo acompanhado desde ações industriais, tais como as da General-Motors e da Boeing compõem o índice, e seu valor é dado pela média ponderada dos valores das ações desse grupo. Na América Latina, o índice Ibovespa - principal indicador da Bolsa de Valores de Econometria 5

6 São Paulo (BOVESPA) - tem grande destaque, e isso se deve, entre outros fatores, ao fato de que a BOVESPA é o maior centro de compra e venda de ações da América Latina. A carteira do índice é reavaliada quadrimestralmente, e fazem parte ações que representam mais de 80% do número de negócios e do volume financeiro verificados no mercado a vista da bolsa. O valor do indicador é dado pelo somatório dos pesos das ações integrantes na carteira teórica, ou seja, é feita uma média ponderada. Atualmente, 66 ações fazem parte do índice. As variáveis relevantes para a realização do estudo, portanto são o Ibovespa, o Dow Jones Industrial Average e o Nikkei-225. O Ibovespa é a variável dependente e os outros dois índices são as variáveis explicativas, ou seja, as variações do DJIA e do Nikkei-225 irão explicar a variação do Ibovespa. A relação prevista entre as variáveis é que quando se tem uma variação positiva (ou negativa) nas variáveis explicativas irá se ter uma variação também positiva (ou negativa) na variável dependente, em outras palavras, espera-se que o sinal do coeficiente de multiplicação das variáveis explicativas seja positivo. Isso vai de acordo com a teoria, pois mostra que as economias dos países estão interligadas e que o resultado da bolsa de valores do Brasil depende do resultado das principais bolsas internacionais. 3. METODOLOGIA E DISCUSSÃO DOS DADOS O modelo estimado possui a forma funcional logarítmica, ou seja, se trata de um modelo log-log. Utilizamos tal forma funcional por lidarmos com variações percentuais na base de dados, o que diz que a interpretação dos coeficientes será dada através de porcentagens. A variação do índice Ibovespa (em porcentagem) é explicada pela variação dos índices Dow Jones Industrial Average e Nikkei-225 (em porcentagem). Por isso é necessária a utilização do logaritmo. O método de estimação utilizado foi o dos Mínimos Quadrados Ordinários (MQO). É um método largamente utilizado pois gera estimativas não-viesadas (em que na média, a estimativa coincide com o valor do parâmetro populacional) e de variância mínima dos parâmetros populacionais, tudo isso quando as hipóteses de não ocorrência de autocorrelação, heteroscedasticidade e multicolinearidade forem satisfeitas. Consiste em determinar a estimativa dos parâmetros populacionais (β 1; β 2; β 3 ), de modo a minimizar a soma dos resíduos ao quadrado. Os dados utilizados referem-se à variação dos três índices no período Econometria 6

7 correspondente entre janeiro de 2006 e maio de Os mercados de bolsa de valores não abrem quando é feriado na cidade ou país em que estão inseridos. Como nos três países existem feriados que não são simultâneos, excluímos os dias em que um ou dois mercados estavam fechados. Por exemplo, não foi levado em conta a variação de um dia em que os mercados brasileiro e japonês estavam abertos e o norte-americano fechado. Isso foi feito pois o estudo se baseia na influência dos mercados de ações externos no mercado acionário brasileiro, portanto não faz sentido incluir um dia em que o mercado externo não estava funcionando. Outro ponto é que se tivéssemos mantido o dia em que um mercado ficou fechado com o mesmo valor do dia anterior, esse dado estaria errado, pois a bolsa não operou na constância, ela simplesmente não operou. A periodicidade dos dados foi diária, atentando-se para o que foi dito a respeito dos feriados. 541 dados fizeram parte da amostra. Em outras palavras, foram usadas no estudo 541 variações dos índices Ibovespa, DJIA e Nikkei-225, abrangendo portanto os mercados acionários do Brasil, EUA e Japão. Vários fatores externos e internos afetam a bolsa de valores do Brasil e conseqüentemente o seu principal índice, o Ibovespa. Podemos citar como influência interna a política brasileira, os períodos de eleições e as épocas como o carnaval, entre outros fenômenos culturais, econômicos, políticos e sociais brasileiros. Outros elementos internacionais também afetam a bolsa, além das variáveis explicitadas neste estudo, tais como tensões políticas entre países, desastres naturais e ataques terroristas. Entretanto, o foco deste estudo será mostrar somente a influência das bolsas americana e japonesa na bolsa do Brasil. No estudo, utilizamos a seguinte equação: ln y = β 1 + β 2 ln x 1 + β 3 ln x 2 + u i Substituindo as variáveis pelos seus respectivos nomes, temos: ln Ibovespa = β 1 + β 2 ln DJIA + β 3 ln Nikkei u i β 1, β 2 e β 3 são os coeficientes e y, x 1 e x 2 são as variáveis. u i é o resíduo, ou seja, todos os fatores que afetam y (índice Ibovespa), que não estão explicitados no modelo. β 1 é o coeficiente de intercepto, isto é, quando a variação de x 1 e x 2 (DJIA e Nikkei-225) for Econometria 7

8 nula, a variação de y (Ibovespa) se dará pelo intercepto (β 1 ). β 2 e β 3 são os coeficientes que multiplicam as variáveis explicativas. Como já foi dito, espera-se uma relação positiva entre as variáveis, ou seja, espera-se β 2 e β 3 positivo. 4. RESULTADOS ECONOMÉTRICOS Estes foram os resultados obtidos na regressão antes de aplicar os métodos para correção de autocorrelação, heteroscedasticidade e multicolinearidade. DependentVariable: LOG(IBOVESPA) Method: LeastSquares Sample: Includedobservations: 541 Variable Coefficient Std. Error t-statistic Prob. C LOG(DJI) LOG(NIKKEI) R-squared Meandependent var AdjustedR-squared S.D. dependent var S.E.ofregression Akaikeinfocriterion Sumsquaredresid Schwarz criterion Loglikelihood F-statistic Durbin-Watsonstat Prob(F-statistic) Após a observação dos dados, utilizamos testes para verificar algumas propriedades na nossa amostra. Foi detectado um indicio de heteroscedasticidade e autocorrelacao positiva que foi corrigido pela propriedade Newey-West HAC Standard Errors&Covariance. DependentVariable: LOG(IBOVESPA) Method: LeastSquares Sample: Includedobservations: 541 Newey-West HAC Standard Errors & Covariance (lag truncation=5) Variable Coefficient Std. Error t-statistic Prob. C LOG(DJI) LOG(NIKKEI) R-squared Meandependent var AdjustedR-squared S.D. dependent var S.E.ofregression Akaikeinfocriterion Econometria 8

9 Sumsquaredresid Schwarz criterion Loglikelihood F-statistic Durbin-Watsonstat Prob(F-statistic) Após esta correção percebemos que somente os erros-padrão tiveram um ligeiro aumento nos seus valores. Interpretação dos Resultados Com a realização da regressão esperávamos todos os interceptos com o mesmo sinal porem a variável Nikkei ficou com o sinal inverso, ou negativo. Obtivemos a seguinte equação: Ibovespa = -2, ,595732DJIA 1,162015Nikkei Ou seja, espera-se que uma variação positiva de 1% no índice Dow Jones, mantendo-se o Nikkei constante, aumente em média 2,595732% o índice Ibovespa. Já a variação positiva de 1% sob o Índice Nikkei-225, mantendo-se o DJIA constante, esperase que em média gere uma variação no índice Ibovespa de -1,162015%. Se a variação dos 2 índices forem nulas espera-se que o Ibovespa tenha, em média, uma variação de - 2,429445%. Verificando as estatísticas obtidas com a regressão podemos falar que: Obtivemos um coeficiente de determinação R 2 igual a 0,894977, o que significa que 89,49% da variação do índice Ibovespa pode ser explicada pela regressão estimada, ou seja, pelos parâmetros DJIA(Dow Jones Industrial Average) e NIKKEI(Nikkei 225). Através da análise do valor da probabilidade (F-statistic) geral, verificamos que as variáveis são conjuntamente significativas pois o seu valor ficou abaixo do nível de significância do teste (5%). Através da analise do valor da probabilidade (F-statistic) individual, verificamos que cada uma das variáveis é significativa pois cada um de seus valores ficaram abaixo do nível de significância do teste (5%). Teste de Heteroscedasticidade Econometria 9

10 Realizamos o teste White que consiste em regredir os resíduos ao quadrado da regressão original sobre as variáveis explicativas ao quadrado e o produto cruzado dessas variáveis, sob a hipótese nula de que os coeficientes que multiplicam as variáveis explicativas são simultaneamente iguais a zero. White HeteroskedasticityTest: F-statistic Prob. F(5,535) Obs*R-squared Prob. Chi-Square(5) TestEquation: DependentVariable: RESID^2 Method: LeastSquares Sample: Includedobservations: 541 Variable Coefficient Std. Error t-statistic Prob. C LOG(DJI) (LOG(DJI))^ (LOG(DJI))*(LOG(NIKKEI)) LOG(NIKKEI) (LOG(NIKKEI))^ R-squared Meandependent var AdjustedR-squared S.D. dependent var S.E.ofregression Akaikeinfocriterion Sumsquaredresid Schwarz criterion Loglikelihood F-statistic Durbin-Watsonstat Prob(F-statistic) Com os resultados obtidos com o teste verificamos que a probabilidade F ( ) é menor do que o nível de significância do teste (0.05). Com isso rejeitamos a hipótese nula, confirmando a existência de heterocedasticidade, que foi corrigida através do teste Newey-West. Teste de Multicolinearidade Para detectar se há ou não a presença de multicolinearidade na regressão estimada utilizamos uma matriz de correlação onde verificamos o seu valor entre as Econometria 10

11 variáveis explicativas (Dow Jones Industrial e Nikkei 225). O resultado encontrado foi baixo (0,222649), o que confirma a inexistência de multicolinearidade. DJI IBOVESPA NIKKEI DJI IBOVESPA NIKKEI Teste Durbin-Watson Realizamos o teste Durbin-Watson para verificar se há ou não correlação entre as variáveis explicativas, ou seja, Nikkei-225 e DJIA. Utilizando como parâmetros: Amostra = 550 observações e K(variáveis explicativas) = 2, consultamos a tabela (Durbin-Watson Critical Values) e sob um nível de significância de 5% encontramos os valores estatísticos: d i =1,85632 ; d S = 1, Construindo o modelo para o teste verificou-se indício de autocorrelação positiva, que foi corrigida pelo teste Newey-West. Teste de Normalidade dos Resíduos Jarque-Bera Utilizamos o teste Jarque-Bera para verificar se os resíduos seguem distribuição Normal através das hipóteses: H 0 : U i ~ Normal H 1 : U i não segue distribuição normal Econometria 11

12 Series: Residuals Sample Observations 541 Mean 3.84e-15 Median Maximum Minimum Std. Dev Skewness Kurtosis Jarque-Bera Probability Com a realização do teste verificamos que a probabilidade do teste Jarque-Bera ficou acima do nível de significância do teste, deste modo aceitamos a hipótese H 0 : U i ~ Normal. Portanto, os resíduos seguem distribuição Normal. 5. CONCLUSÃO O estudo realizado analisou a influência dos mercados acionários externos sobre a bolsa de valores do Brasil. Foram utilizados índices de bolsas representativas no mundo (o Dow Jones Industrial Average e o Nikkei-225) para explicar a variação do índice Ibovespa. A partir dos resultados obtidos na regressão, podemos dizer que a bolsa brasileira está susceptível a oscilações do mercado externo. A globalização financeira com a ajuda da tecnologia e a interdependência econômica e comercial dos países nos ajudaram a chegar a este ponto em que os mercados acionários de todos os países oscilam para o mesmo lado, com um comportamento parecido. Como esperado, o coeficiente que multiplica a variável explicativa Dow Jones se mostrou positivo, reafirmando a teoria de que se a bolsa americana sofrer uma queda, é esperado que a brasileira também sofra. Entretanto, o coeficiente que multiplica a variável explicativa Nikkei-225 não registrou o sinal esperado, mostrando-se negativo e atuando inversamente no resultado do Ibovespa. Uma possível interpretação para esse fato é o atual momento em que a bolsa de Tóquio se encontra, acumulando uma perda constante nos últimos anos, sendo que em maio de 2008, o índice registrou seu menor valor nos últimos 2 anos e meio, Econometria 12

13 enquanto a bolsa do Brasil se acumulou bastante nesse período. Outro ponto que pode ser ressaltado é a questão dos diferentes fusos-horário entre os continentes asiático e americano, pois quando a bolsa brasileira abre, a de Tóquio já está fechada, então, algum acontecimento pode afetar a economia durante esse período entrebolsas e impactar somente no mercado do Brasil, afetando a bolsa do Japão somente no outro dia. Um ponto a ser explorado e passível de ser aprofundado posteriormente seria esse comportamento observado da bolsa japonesa em relação à brasileira e também as causas dessa queda acentuada que foi observada nos últimos anos. O estudo contribuiu para o aprimoramento do conhecimento na área de mercado de ações e para um maior entendimento dos atuais acontecimentos e da volatilidade mundial. 6. BIBLIOGRAFIA Pinheiro,Juliano Lima. Mercado de Capitais Fundamentos e Técnicas. Ed Atlas. 3 a Edição Gujarati,D. Econometria Básica. Ed Pearson Site Yahoo! Finance [http://www.yahoo.com.br/financas] Stanford.edu[http://www.stanford.edu/~clint/bench/dwcrit.htm] Economática(Ferramenta para análise de investimento em ações) Gaio,Luis Eduardo;Rolim,Rafael Campos Interferência dos mercados externos sobre o Ibovespa, Universidade Federal de Lavras. Econometria 13

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC 5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC Nesta seção serão apresentados os resultados encontrados para os diversos modelos estimados. No total foram estimados dezessete 1 modelos onde a variável

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ÍNDICE DOW JONES INDUSTRIAL AVERAGE SOBREO ÍNDICE IBOVESPA INFLUENCE OF THE DOW JONES INDUSTRIAL AVERAGE INDEX ON THE IBOVESPA INDEX

INFLUÊNCIA DO ÍNDICE DOW JONES INDUSTRIAL AVERAGE SOBREO ÍNDICE IBOVESPA INFLUENCE OF THE DOW JONES INDUSTRIAL AVERAGE INDEX ON THE IBOVESPA INDEX INFLUÊNCIA DO ÍNDICE DOW JONES INDUSTRIAL AVERAGE SOBREO ÍNDICE IBOVESPA INFLUENCE OF THE DOW JONES INDUSTRIAL AVERAGE INDEX ON THE IBOVESPA INDEX Esp. Leandro Antônio Brondani Especialista em Finanças

Leia mais

Análise de causalidade dentro e entre os mercados BRIC e G8

Análise de causalidade dentro e entre os mercados BRIC e G8 Análise de causalidade dentro e entre os mercados BRIC e G8 Felipe Franco Mendes 1 Hiron Pereira Farias² 1 Introdução Em consequência da globalização financeira, inúmeras são as oportunidades de novos

Leia mais

Mercado Futuro de Índice de Ações

Mercado Futuro de Índice de Ações Derivativos de Índice de Ações A apresentação resumida dos principais índices de ações, mostrando como eles representam um conjunto de ações de companhias listadas para negociação em Bolsa, dá inicio ao

Leia mais

UMA ANÁLISE DE CO-INTEGRAÇÃO ENTRE O ÍNDICE BOVESPA E O ÍNDICE DOW JONES

UMA ANÁLISE DE CO-INTEGRAÇÃO ENTRE O ÍNDICE BOVESPA E O ÍNDICE DOW JONES UMA ANÁLISE DE CO-INTEGRAÇÃO ENTRE O ÍNDICE BOVESPA E O ÍNDICE DOW JONES Frederike Mette* Marco A. S. Martins** Resumo: Considerando o alto grau de globalização atingido pelo mercado de ações nos últimos

Leia mais

Instituto Superior de Economia e Gestão Universidade Técnica de Lisboa Econometria Época Normal 9/01/2013 Duração 2 horas

Instituto Superior de Economia e Gestão Universidade Técnica de Lisboa Econometria Época Normal 9/01/2013 Duração 2 horas Instituto Superior de Economia e Gestão Universidade Técnica de Lisboa Econometria Época Normal 9/01/2013 Duração 2 horas NOME: Turma: Processo Espaço Reservado para Classificações A utilização do telemóvel

Leia mais

A TAXA DE CÂMBIO DE PARIDADE PARA A SOJICULTURA

A TAXA DE CÂMBIO DE PARIDADE PARA A SOJICULTURA A TAXA DE CÂMBIO DE PARIDADE PARA A SOJICULTURA Regina Célia de Carvalho Ricardo Chaves Lima Resumo - Taxa de câmbio de equilíbrio é aquela garantida pelo ajuste do câmbio nominal na mesma proporção do

Leia mais

6 O Papel do BNDES e o Crédito Externo 6.1. O BNDES

6 O Papel do BNDES e o Crédito Externo 6.1. O BNDES 6 O Papel do BNDES e o Crédito Externo 6.1. O BNDES Uma vez confiantes nos resultados encontrados em relação à influência dos juros sobre o investimento na economia, partimos para uma segunda fase do estudo.

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Sexta-feira 06 de Fevereiro de 2015. DESTAQUES

Sexta-feira 06 de Fevereiro de 2015. DESTAQUES DESTAQUES Bovespa tem pregão volátil Poupança tem em janeiro maior saque em duas décadas IPCA tem maior alta para o mês em 12 anos, aponta IBGE Planalto quer nome do mercado na Petrobras Cade marca data

Leia mais

Ao completar 60 anos no mercado de capitais, o Grupo encerra o ano de 2007 com 140 mil acionistas

Ao completar 60 anos no mercado de capitais, o Grupo encerra o ano de 2007 com 140 mil acionistas RELATÓRIO ANUAL GERDAU 27 55 Ao completar 6 anos no mercado de capitais, o Grupo encerra o ano de 27 com 14 mil acionistas O Grupo Gerdau tem proporcionado aos seus 14 mil acionistas rentabilidade com

Leia mais

1. INTRODUÇÃO AO EVIEWS. 1.1. Construção da Base de Dados

1. INTRODUÇÃO AO EVIEWS. 1.1. Construção da Base de Dados Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Ciências Econômicas Curso de Doutorado em Economia (Estágio Docência) Disciplina: Econometria Aplicada Professor: Sabino Porto Junior Estagiário:

Leia mais

Relação entre o capital estrangeiro e o valor da empresa

Relação entre o capital estrangeiro e o valor da empresa Relação entre o capital estrangeiro e o valor da empresa Caio César Buck Fonseca * Introdução Devido aos baixos índices de poupança interna apresentados pelo Brasil, concomitantemente com o atual panorama

Leia mais

6 OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO NO BRASIL

6 OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO NO BRASIL 6 OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO NO BRASIL Este capítulo procurará explicar os movimentos do investimento, tanto das contas nacionais quanto das empresas abertas com ações negociadas em bolsa através

Leia mais

Felipe Lopes Meira Alves Matrícula nº: 121003

Felipe Lopes Meira Alves Matrícula nº: 121003 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE ECONOMIA MBA EM FINANÇAS EMPRESARIAIS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Fronteira eficiente: Uma aplicação ao mercado brasileiro em 2012 Felipe Lopes Meira

Leia mais

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Faculdade de Economia e Administração. Maria Beatriz Guazzelli Quilicci Leite

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Faculdade de Economia e Administração. Maria Beatriz Guazzelli Quilicci Leite Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Faculdade de Economia e Administração Maria Beatriz Guazzelli Quilicci Leite DERIVATIVOS DO AGRONEGÓCIO NEGOCIADOS NO MERCADO BRASILEIRO: ESTRATÉGIA DE UTILIZAÇÃO

Leia mais

Mercados nervosos, investidores tensos. O que pensar?

Mercados nervosos, investidores tensos. O que pensar? 16/07/2008 Mercados nervosos, investidores tensos. O que pensar? Paulo Ângelo Carvalho de Souza Presidente Bolsas em queda; juros em alta; rentabilidade em queda; inflação em alta; preço do petróleo fora

Leia mais

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor?

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? 1. Introdução Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? Simone Maciel Cuiabano 1 Ao final de janeiro, o blog Beyond Brics, ligado ao jornal Financial Times, ventilou uma notícia sobre a perda de

Leia mais

DEMOGRAFIA, ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS

DEMOGRAFIA, ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS 9 de setembro de 2011 Página 1 de 21 De Olho Na Bolsa "A relação entre economia e demografia não é, efetivamente, muito percebida pela maior parte dos economistas, haja vista que poucos são os cursos que

Leia mais

ECONOMETRIA EXERCÍCIOS DO CAPÍTULO 2

ECONOMETRIA EXERCÍCIOS DO CAPÍTULO 2 ECONOMETRIA EXERCÍCIOS DO CAPÍTULO 2 1. Exercício C7.8 de W (4th edition), apenas as alíneas i) a iv). 2. Exercício 7.7 de W. 3. Exercício C8.7 de W, com excepção da questão sobre WLS em ii). 4. Exercício

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa Mercado Financeiro Prof. Dr. Alexandre Di Miceli da Silveira aula 1A 1 Conceitos Fundamentais de Aula 1 Parte A Ao final desta aula você : - Identificará a importância da governança corporativa de acordo

Leia mais

Análise da Influência dos Preços Internacionais das Commodities sobre a Bolsa de Valores de São Paulo RESUMO

Análise da Influência dos Preços Internacionais das Commodities sobre a Bolsa de Valores de São Paulo RESUMO Análise da Influência dos Preços Internacionais das Commodities sobre a Bolsa de Valores de São Paulo Autoria: Igor Vasconcelos Nogueira, Bruno Pérez Ferreira RESUMO A presente pesquisa teve como objetivo

Leia mais

2. Análise Estatística de Dados Financeiros

2. Análise Estatística de Dados Financeiros 2. Análise Estatística de Dados Financeiros 2.1 O Mercado de Capitais no Brasil A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA) é atualmente a única bolsa de valores no Brasil. Nela se pode comprar e vender

Leia mais

AULAS 24 E 25 Análise de Regressão Múltipla: Inferência

AULAS 24 E 25 Análise de Regressão Múltipla: Inferência 1 AULAS 24 E 25 Análise de Regressão Múltipla: Inferência Ernesto F. L. Amaral 23 e 25 de novembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Wooldridge, Jeffrey M. Introdução à econometria: uma

Leia mais

Tabela 1: Estatísticas Descritivas das Variáveis do Grupo I (de maior diluição dos minoritários) e do Grupo II (de menor diluição dos minoritários)

Tabela 1: Estatísticas Descritivas das Variáveis do Grupo I (de maior diluição dos minoritários) e do Grupo II (de menor diluição dos minoritários) 51 Tabela 1: Estatísticas Descritivas das Variáveis do Grupo I (de maior diluição dos minoritários) e do Grupo II (de menor diluição dos minoritários) O Grupo I, formado por empresas que diluem mais os

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

DÓLAR FUTURO X DÓLAR PRONTO NO FUTURO: EVIDÊNCIA EMPÍRICA PÓS-PLANO REAL. Autoria: Maurício Barreto Campos e Adonírio Panzieri Filho

DÓLAR FUTURO X DÓLAR PRONTO NO FUTURO: EVIDÊNCIA EMPÍRICA PÓS-PLANO REAL. Autoria: Maurício Barreto Campos e Adonírio Panzieri Filho DÓLAR FUTURO X DÓLAR PRONTO NO FUTURO: EVIDÊNCIA EMPÍRICA PÓS-PLANO REAL. Autoria: Maurício Barreto Campos e Adonírio Panzieri Filho RESUMO Este artigo relata uma pesquisa empírica de teste e quantificação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE ECONOMIA MONOGRAFIA DE BACHARELADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE ECONOMIA MONOGRAFIA DE BACHARELADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE ECONOMIA MONOGRAFIA DE BACHARELADO UM ESTUDO SOBRE O IMPACTO DA VARIAÇÃO CAMBIAL SOBRE AS AÇÕES DA COPEL NO PERÍODO 1995-2013 EDUARDO MARTINS ANDRÉ FERNANDEZ

Leia mais

ANÁLISE ECONOMÉTRICA DA OFERTA DE ALGODÃO NO ESTADO DE MATO GROSSO

ANÁLISE ECONOMÉTRICA DA OFERTA DE ALGODÃO NO ESTADO DE MATO GROSSO ANÁLISE ECONOMÉTRICA DA OFERTA DE ALGODÃO NO ESTADO DE MATO GROSSO Nilton Marques de Oliveira 1 Carlos Antônio F. Dias 2 Antônio José Medina dos Santos Baptista 2 Resumo Este trabalho teve por objetivo

Leia mais

Relatório Econômico Mensal ABRIL/14

Relatório Econômico Mensal ABRIL/14 Relatório Econômico Mensal ABRIL/14 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros BOLSA DE VALORES AMÉRICAS mês

Leia mais

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 14 de maio de 2014 Indicador IFO/FGV de Clima Econômico da América Latina¹ O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 O indicador

Leia mais

Capítulo 7 Medidas de dispersão

Capítulo 7 Medidas de dispersão Capítulo 7 Medidas de dispersão Introdução Para a compreensão deste capítulo, é necessário que você tenha entendido os conceitos apresentados nos capítulos 4 (ponto médio, classes e frequência) e 6 (média).

Leia mais

4 Análise Comparativa dos Índices de Mercados Mundiais

4 Análise Comparativa dos Índices de Mercados Mundiais 4 Análise Comparativa dos Índices de Mercados Mundiais 4.1 Introdução A detecção de padrões universais dentre os diferentes mercados financeiros é importante pois revela os mecanismos fundamentais que

Leia mais

Manual de Risco Yield Capital

Manual de Risco Yield Capital Manual de Risco Yield Capital Introdução: O objetivo deste manual é apresentar a metodologia utilizada no sistema de risco da Yield Capital. Os fundos tem seu risco de mercado monitorado diariamente utilizando,

Leia mais

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas 1 AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas Ernesto F. L. Amaral 19 e 28 de agosto de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro:

Leia mais

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Tópicos Avançados sobre Opções -III. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Tópicos Avançados sobre Opções -III. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação Tópicos Avançados sobre Opções -III Objectivo Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação João Cantiga Esteves Senior Partner 1 ACTIVOS FINANCEIROS DERIVADOS MODELO BLACK-SCHOLES

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

O CAPM e futuros de setores selecionados

O CAPM e futuros de setores selecionados Introdução O Modelo de Precificação de Ativos Financeiros (Capital Asset Pricing Model - CAPM) determina a taxa de retorno teórica que o investidor espera extrair do investimento em um ativo financeiro.

Leia mais

XVIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 19 a 23 de outubro de 2009

XVIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 19 a 23 de outubro de 2009 REGRESSÃO MÚLTIPLA APLICADA AOS DADOS DE VENDAS DE UMA REDE DE LOJAS DE ELETRODOMÉSTICOS VANESSA SIQUEIRA PERES 1 RESUMO: Esse trabalho foi realizado com o objetivo de ajustar os dados de vendas de uma

Leia mais

Marina Miotto Becker mestranda no Programa de Pós Graduação em Economia (PPGE) UFRGS miottobecker@yahoo.com.br

Marina Miotto Becker mestranda no Programa de Pós Graduação em Economia (PPGE) UFRGS miottobecker@yahoo.com.br A IMPORTÂNCIA DO INVESTIMENTO EM INOVAÇÕES E DA DIMENSÃO DA ESTRUTURA PRODUTIVA DAS EMPRESAS PARA O SEU DESEMPENHO: UMA ANÁLISE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA Área Temática 5: Economia industrial,

Leia mais

ICC 103-7. 17 setembro 2009 Original: francês. Estudo. Conselho Internacional do Café 103 a sessão 23 25 setembro 2009 Londres, Inglaterra

ICC 103-7. 17 setembro 2009 Original: francês. Estudo. Conselho Internacional do Café 103 a sessão 23 25 setembro 2009 Londres, Inglaterra ICC 103-7 17 setembro 2009 Original: francês Estudo P Conselho Internacional do Café 103 a sessão 23 25 setembro 2009 Londres, Inglaterra Volatilidade dos preços do café Antecedentes No contexto de seu

Leia mais

O Brasil e o Rebalanceamento

O Brasil e o Rebalanceamento n o 103 23.07.14 Visão do desenvolvimento O Brasil e o Rebalanceamento do Comércio Mundial A principal forma de explicar o desempenho comercial de um país é aquela que interpreta os comportamentos das

Leia mais

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA OU GRANDE ECONOMIA ABERTA Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O modelo IS/LM, na sua versão mais simples, descreve, formalizando analítica e

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Introdução

1. Introdução. 1.1 Introdução 1. Introdução 1.1 Introdução O interesse crescente dos físicos na análise do comportamento do mercado financeiro, e em particular na análise das séries temporais econômicas deu origem a uma nova área de

Leia mais

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder Comentário Geral: Prova muito difícil, muito fora dos padrões das provas do TCE administração e Economia, praticamente só caiu teoria. Existem três questões (4, 45 e 47) que devem ser anuladas, por tratarem

Leia mais

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão 1 AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão Ernesto F. L. Amaral 23, 28 e 30 de setembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

Sumário O VEREDICTO DA HISTÓRIA RETORNO DAS AÇÕES E TÍTULOS DESDE 1802 3 PARTE I. CAPÍTULO l

Sumário O VEREDICTO DA HISTÓRIA RETORNO DAS AÇÕES E TÍTULOS DESDE 1802 3 PARTE I. CAPÍTULO l Sumário PARTE I O VEREDICTO DA HISTÓRIA CAPÍTULO l RETORNO DAS AÇÕES E TÍTULOS DESDE 1802 3 "Todo mundo está destinado a ser rico" 3 Retornos dos mercados financeiros desde 1802 5 A performance dos títulos

Leia mais

4 Avaliação Econômica

4 Avaliação Econômica 4 Avaliação Econômica Este capítulo tem o objetivo de descrever a segunda etapa da metodologia, correspondente a avaliação econômica das entidades de reservas. A avaliação econômica é realizada a partir

Leia mais

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Valia Fix, Valia Mix 20, Valia Mix 35 e Valia Ativo Mix 40 Quatro perfis de investimento. Um futuro cheio de escolhas. Para que seu plano de

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2007

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2007 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2007 A VOLATILIDADE NAS BOLSAS DE VALORES GLOBAIS E OS IMPACTOS NAS EMPRESAS DE REAL ESTATE LISTADAS NA BOVESPA Prof. Dr. Claudio

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com O que é o Índice Futuro Para falar de índice futuro, primeiro precisamos falar do ÍNDICE no presente, que é o Ibovespa. O famoso índice que serve para medir

Leia mais

2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil

2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil 2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil A presente seção apresenta as commodities agrícolas negociadas no mercado futuro brasileiro. Além disso, revela a estrutura básica dos contratos futuros e traça

Leia mais

P Estudo ICC 107 4. 5 agosto 2011 Original: francês. Organização Internacional do Café 107. a sessão 26 30 setembro 2011 Londres, Reino Unido

P Estudo ICC 107 4. 5 agosto 2011 Original: francês. Organização Internacional do Café 107. a sessão 26 30 setembro 2011 Londres, Reino Unido ICC 17 4 5 agosto 211 Original: francês P Estudo Organização Internacional do Café 17. a sessão 26 3 setembro 211 Londres, Reino Unido Relação entre os preços do café nos mercados físico e de futuros Antecedentes

Leia mais

Seleção e Monitoramento de Fundos de Investimentos

Seleção e Monitoramento de Fundos de Investimentos 2010 Seleção e Monitoramento de Fundos de Investimentos Nota Técnica 02 Diretoria de Investimentos Previ-Rio 09/2010 NOTA TÉCNICA 02 1 - Introdução Esta nota técnica, desenvolvida pela Equipe da, tem por

Leia mais

Combinação de Negócios, Mensuração ao Valor Justo e Instrumentos Financeiros

Combinação de Negócios, Mensuração ao Valor Justo e Instrumentos Financeiros Jorge Vieira Assessor Superintendência de Normas Contábeis e de Auditoria jorgev@cvm.gov.br Combinação de Negócios, Mensuração ao Valor Justo e Instrumentos Financeiros Uma questão inicial para reflexão:

Leia mais

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1 Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Introdução No início de 2007 surgiram os primeiros sinais de uma aguda crise

Leia mais

Por que estudar econometria? Passos para uma análise econômica empírica. Por que estudar econometria? Tipos de dados Cross Section

Por que estudar econometria? Passos para uma análise econômica empírica. Por que estudar econometria? Tipos de dados Cross Section Por que estudar econometria? Inexistência de dados experimentais (experimentos controlados) em economia O que é Econometria? Necessidade de usar dados não experimentais, ou melhor, dados observados para

Leia mais

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Faculdade de Economia e Administração Lucas Tenorio Warth

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Faculdade de Economia e Administração Lucas Tenorio Warth Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Faculdade de Economia e Administração Lucas Tenorio Warth Determinantes da movimentação do mercado brasileiro de fusões e aquisições São Paulo 2011 Lucas Tenorio Warth

Leia mais

Introdução. Existem situações nas quais há interesse em estudar o comportamento conjunto de uma ou mais variáveis;

Introdução. Existem situações nas quais há interesse em estudar o comportamento conjunto de uma ou mais variáveis; UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Correlação e Regressão Luiz Medeiros de Araujo Lima Filho Departamento de Estatística Introdução Eistem situações nas quais há interesse em estudar o comportamento conjunto

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 5: Os investidores

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 5: Os investidores SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 5: Os investidores o Quem são os investidores o Como o investidor decide o Métodos de Avaliação o Relações pós-abertura de capital

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES Caros concurseiros, Como havia prometido, seguem comentários sobre a prova de estatística do ICMS RS. Em cada questão vou fazer breves comentários, bem como indicar eventual possibilidade de recurso. Não

Leia mais

Carta de Gestão Agosto 2009

Carta de Gestão Agosto 2009 Carta de Gestão Agosto 2009 O mês de agosto foi marcado pela continuidade no processo de recuperação da economia global, com indicadores econômicos surpreendendo positivamente as expectativas dos agentes.

Leia mais

Período São Bernardo SB Zero SB 20 SB 40 CDI. Janeiro 0,92% 1,05% -0,29% -1,71% 0,93% Fevereiro 0,81% 0,74% 1,93% 3,23% 0,82%

Período São Bernardo SB Zero SB 20 SB 40 CDI. Janeiro 0,92% 1,05% -0,29% -1,71% 0,93% Fevereiro 0,81% 0,74% 1,93% 3,23% 0,82% Rentabilidade da Renda Fixa em 2015 Desde o mês de junho deste ano as carteiras de investimentos financeiros que compõem os perfis de investimentos da São Bernardo têm sofrido forte flutuação de rentabilidade,não

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema

1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema 1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema Para se estudar os determinantes do investimento é preciso, em primeiro lugar, definir o investimento. Segundo Galesne (2001) fazer um investimento consiste, para uma empresa,

Leia mais

Programa de Estímulo ao Mercado de Capitais

Programa de Estímulo ao Mercado de Capitais Programa de Estímulo ao Mercado de Capitais Guido Mantega Ministro da Fazenda São Paulo, 16 de junho de 2014 1 Apresentação de medidas para: 1 VIABILIZAR a capitalização das empresas de porte médio 2 ATRAIR

Leia mais

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15%

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15% Através da CARTA TRIMESTRAL ATMOS esperamos ter uma comunicação simples e transparente com o objetivo de explicar, ao longo do tempo, como tomamos decisões de investimento. Nesta primeira carta vamos abordar

Leia mais

2. Otimização de Portfolio

2. Otimização de Portfolio 2. Otimização de Portfolio 2.1. Análise de Média-Variância Portfolio (carteira, em português) é uma combinação de ativos, tais como investimentos, ações, obrigações, commodities, imóveis, entre outros.

Leia mais

Evidências do processo de descoberta de preços de ADRs de empresas brasileiras

Evidências do processo de descoberta de preços de ADRs de empresas brasileiras III Fórum Baiano de Economia Aplicada 2014 Evidências do processo de descoberta de preços de ADRs de empresas brasileiras R. Ballini, Rodrigo L. F. Silveira, L. Maciel Instituto de Economia, Universidade

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO - Diante do cenário de crise financeira internacional, o estudo mostra as expectativas de mercado

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Indicadores sócio-econômicos. Campos Gerais. Paraná.

PALAVRAS-CHAVE Indicadores sócio-econômicos. Campos Gerais. Paraná. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO

Leia mais

OS FUNDOS DE PREVIDÊNCIA: UM ESTUDO DO MERCADO BRASILEIRO 1. Maicon Lambrecht Kuchak 2, Daniel Knebel Baggio 3.

OS FUNDOS DE PREVIDÊNCIA: UM ESTUDO DO MERCADO BRASILEIRO 1. Maicon Lambrecht Kuchak 2, Daniel Knebel Baggio 3. OS FUNDOS DE PREVIDÊNCIA: UM ESTUDO DO MERCADO BRASILEIRO 1 Maicon Lambrecht Kuchak 2, Daniel Knebel Baggio 3. 1 Resultados do Projeto de Pesquisa de Iniciação Científica - PIBIC/CNPq 2 Bolsista PIBIC/CNPq,

Leia mais

GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09

GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09 Visão Ser uma empresa siderúrgica global, entre as mais rentáveis do setor. Missão A Gerdau é uma empresa com foco em siderurgia, que busca satisfazer as necessidades dos clientes e criar valor para os

Leia mais

ANÁLISE ECONOMÉTRICA DA OFERTA E DA DEMANDA DE BANANA NO ESTADO DE RORAIMA NO PERÍODO DE 1995 A 2007

ANÁLISE ECONOMÉTRICA DA OFERTA E DA DEMANDA DE BANANA NO ESTADO DE RORAIMA NO PERÍODO DE 1995 A 2007 ANÁLISE ECONOMÉTRICA DA OFERTA E DA DEMANDA DE BANANA NO ESTADO DE RORAIMA NO PERÍODO DE 1995 A 27 George Amaro Analista da Embrapa Roraima, Mestre em Economia PPGE/UFRGS/UFRR Núcleo de Inteligência Científica,

Leia mais

ESTUDO DE MODELO DE SÉRIES TEMPORAIS PARA DADOS DE AÇÕES

ESTUDO DE MODELO DE SÉRIES TEMPORAIS PARA DADOS DE AÇÕES ESTUDO DE MODELO DE SÉRIES TEMPORAIS PARA DADOS DE AÇÕES Nathalia Virginia Masi; Célia Mendes Carvalho Lopes Engenharia de Produção, Escola de Engenharia, Universidade Presbiteriana Mackenzie nathalia.masi@gmail.com;

Leia mais

BÔNUS DEMOGRÁFICO Envelhecemos e não construímos o país

BÔNUS DEMOGRÁFICO Envelhecemos e não construímos o país BÔNUS DEMOGRÁFICO Envelhecemos e não construímos o país Samuel Pessoa Ibre-FGV Versão preliminar SEMINÁRIO INSPER Política Fiscal Mesa 1: Tendências de longo prazo da contas públicas INSPER, São Paulo,

Leia mais

Aplicação de recursos

Aplicação de recursos Aplicação de recursos São 3 os pilares de qualquer investimento Segurança Liquidez Rentabilidade Volatilidade - mede o risco que um fundo ou um título apresenta - maior a volatilidade, maior o risco; Aplicação

Leia mais

Estatística e Probabilidade

Estatística e Probabilidade Correlação Estatística e Probabilidade Uma correlação é uma relação entre duas variáveis. Os dados podem ser representados por pares ordenados (x,y), onde x é a variável independente ou variável explanatória

Leia mais

Mercados e Investimentos Financeiros. Introdução aos mercados acionistas. DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues

Mercados e Investimentos Financeiros. Introdução aos mercados acionistas. DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues Introdução aos mercados acionistas DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues O Mercado Financeiro O Mercado Monetário Interbancário (MMI) é um mercado organizado, onde as instituições participantes trocam entre

Leia mais

Capítulo 5. Modelos de Confiabilidade. Gustavo Mello Reis José Ivo Ribeiro Júnior

Capítulo 5. Modelos de Confiabilidade. Gustavo Mello Reis José Ivo Ribeiro Júnior Capítulo 5 Modelos de Confiabilidade Gustavo Mello Reis José Ivo Ribeiro Júnior Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática Setor de Estatística Viçosa 007 Capítulo 5 Modelos de Confiabilidade

Leia mais

S a c h o Auditores Independentes Auditoria e Assessoria

S a c h o Auditores Independentes Auditoria e Assessoria CLIPPING COMENTÁRIOS, REGULAMENTAÇÕES E NORMATIVOS SOCIEDADES CORRETORAS, COOPERATIVAS DE CRÉDITO, ADMINISTRADORAS DE CONSÓRCIO, E INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS EM GERAL Nº 16 ref: Setembro/2009 São Paulo,

Leia mais

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Depressões e crises Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 22 Depressões e crises Uma depressão é uma recessão profunda e de longa duração. Uma crise é um longo período de crescimento baixo ou nulo,

Leia mais

Carteira Top Pick Dezembro 01.12.13

Carteira Top Pick Dezembro 01.12.13 CARTEIRA COMENTÁRIO Carteira Top Pick Dezembro 01.12.13 A carteira direcional recomendada pela equipe de analistas da Socopa Corretora é mensalmente avaliada buscando relacionar as cinco melhores opções

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO S.A. 1 / 6. Capítulo Revisão Data

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO S.A. 1 / 6. Capítulo Revisão Data DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO S.A. 1 / 6 CAPÍTULO X DO MERCADO DE OPÇÕES 10.1 CODIFICAÇÃO DAS SÉRIES A codificação utilizada no mercado de opções é composto de 5 letras (as 4 primeiras correspondem

Leia mais

USDA REAFIRMA DÉFICIT INTERNACIONAL EM 2015/16 - MERCADO REAGE TIMIDAMENTE

USDA REAFIRMA DÉFICIT INTERNACIONAL EM 2015/16 - MERCADO REAGE TIMIDAMENTE Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 30/novembro/2015 n. 603 USDA REAFIRMA DÉFICIT INTERNACIONAL EM 2015/16 - MERCADO REAGE TIMIDAMENTE Com o título já enfático sobre o futuro dos preços

Leia mais

Este capítulo é divido em duas seções, a primeira seção descreve a base de

Este capítulo é divido em duas seções, a primeira seção descreve a base de 30 3. Metodologia Este capítulo é divido em duas seções, a primeira seção descreve a base de dados utilizada, identificando a origem das fontes de informação, apresentando de forma detalhada as informações

Leia mais

HSBC Strategy S&P Diversifique seus investimentos com ativos internacionais

HSBC Strategy S&P Diversifique seus investimentos com ativos internacionais HSBC Strategy S&P Diversifique seus investimentos com ativos internacionais HSBC Strategy S&P Diversifique seus investimentos com ativos internacionais Avaliando oportunidades de sucesso através de um

Leia mais

Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV

Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV INVESTIMENTOS Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV Uma questão de suma importância para a consolidação e perenidade de um Fundo de Pensão é a sua saúde financeira, que garante

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

DURATION - AVALIANDO O RISCO DE MUDANÇA NAS TAXAS DE JUROS - PARTE lli

DURATION - AVALIANDO O RISCO DE MUDANÇA NAS TAXAS DE JUROS - PARTE lli DURATION - AVALIANDO O RISCO DE MUDANÇA NAS TAXAS DE JUROS - PARTE lli! Entendendo melhor a duração modificada! Como utilizar a duração modificada?! O que é imunização?! Qual o efeito da mudança do cupom

Leia mais

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr Análise de Regressão Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho Cleber Moura Edson Samuel Jr Agenda Introdução Passos para Realização da Análise Modelos para Análise de Regressão Regressão Linear Simples

Leia mais

AÇÕES BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Mercados de Capitais Ações. Mercados. Todo o conteúdo dos slides deve ser acompanhado com o livro

AÇÕES BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Mercados de Capitais Ações. Mercados. Todo o conteúdo dos slides deve ser acompanhado com o livro Capítulo Mercados de Capitais Ações Bibliografia básica Todo o conteúdo dos slides deve ser acompanhado com o livro Mercados Financeiros, publicado pela Editora Atlas. Objetivos do capítulo Mercado de

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Junho de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Junho de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Junho de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Reunião do FOMC...Pág.3 Europa: Grécia...Pág.4 China: Condições

Leia mais

ÍNDICE DE PREÇO EM RELAÇÃO ÀS VENDAS UTILIZADO COMO BASE DE INFORMAÇÃO CONFIÁVEL PARA INVESTIMENTO NO MERCADO DE AÇÕES

ÍNDICE DE PREÇO EM RELAÇÃO ÀS VENDAS UTILIZADO COMO BASE DE INFORMAÇÃO CONFIÁVEL PARA INVESTIMENTO NO MERCADO DE AÇÕES 1 ÍNDICE DE PREÇO EM RELAÇÃO ÀS VENDAS UTILIZADO COMO BASE DE INFORMAÇÃO CONFIÁVEL PARA INVESTIMENTO NO MERCADO DE AÇÕES RESUMO O presente trabalho busca apresentar uma análise entre o índice de preço

Leia mais

Aplicação de Wavelets na Identificação de Mudanças Significativas em Tendências Gráficas

Aplicação de Wavelets na Identificação de Mudanças Significativas em Tendências Gráficas Aplicação de Wavelets na Identificação de Mudanças Significativas em Tendências Gráficas Relatório Final Departamento de Engenharia Elétrica Orientador: Prof. Dr. Aldo Artur Belardi Aluno: Gustavo Bobrow

Leia mais