RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO"

Transcrição

1 Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO Ano Letivo 2012/2013 O processo da Autoavaliação da Escola pretende proporcionar uma reflexão sobre os seus processos como instituição educativa e sobre a melhoria da qualidade e do sucesso escolar. Permite verificar como é que a escola realiza o seu planeamento, o desenvolve, avalia e melhora, no sentido de realizar com sucesso a sua missão.

2 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 ANTECEDENTES 4 EQUIPA DA AUTOAVALIAÇÃO DA 4 CRONOGRAMA DO PROCESSO DE AUTOAVALIAÇÃO 5 INSTRUMENTOS E METODOLOGIA ADOTADA 5 APRESENTAÇÃO DOS DADOS DA AUTOAVALIAÇÃO 6 RESULTADOS ESCOLARES NA 11 CONCLUSÕES FINAIS DO PROCESSO DE AUTOAVALIAÇÃO DA 15 PLANO DE MELHORIA 18 CONSIDERAÇÕES DA COMISSÃO DA AVALIAÇÃO INTERNA DA 23 ANEXOS 25 Página 2 de 75

3 INTRODUÇÃO Presentemente atribui-se grande ênfase à questão da qualidade ao nível do ensino. De facto, é fundamental que a sociedade em geral e a escola em particular se empenhem na procura da qualidade ao nível da formação dos jovens, futuros cidadãos ativos. Esta busca incessante pela qualidade e consequente melhoria contínua permite encetar um caminho que, a médio e longo prazo, permitirá fornecer uma melhor preparação aos jovens para a sua vida ativa enquanto trabalhadores. As exigências por parte da sociedade são muitas, contudo as escolas só poderão responder a estas exigências voltando-se para o exterior e para resultados que permitam satisfazer as necessidades das famílias e da sociedade; criando mecanismos de autoavaliação periódica, que permitam avaliar resultados e definir medidas de melhoria em função das estratégias definidas e metas a alcançar. Por força da própria legislação em vigor, são cada vez mais as escolas que se submetem à autoavaliação com o objetivo de analisar e avaliar o seu desempenho. Neste sentido, a autoavaliação deve ser encarada como uma ferramenta de gestão que vai permitir aos atores educativos identificar os seus pontos fortes e aspetos a melhorar, do mesmo modo que poderão delinear um caminho que os leve à melhoria dos serviços que prestam. Acresce que a autoavaliação tem carácter obrigatório, definido na Lei n.º 31/2002, de 20 de Dezembro, designada por Lei do Sistema de Avaliação da Educação e do Ensino Não Superior. A referida lei não estabelece normas relativamente aos procedimentos de avaliação, mas formula a exigência de que estes se devem submeter a padrões de qualidade devidamente certificados e reconhecidos nacional e internacionalmente. A Autoavaliação da Escola é um processo que permite diagnosticar os pontos fortes e os pontos fracos do funcionamento da Escola, partindo da observação de documentos e de fatores que conduzem à avaliação da qualidade de um estabelecimento de ensino. A Autoavaliação tem carácter obrigatório e desenvolve-se em permanência, promovendo uma reflexão interna sobre o grau de concretização do Projeto Educativo da Escola, o nível de execução das atividades proporcionadoras de um ambiente educativo saudável, o desempenho dos órgãos de administração e gestão, o sucesso escolar e a prática de uma cultura de colaboração entre os membros da comunidade educativa. Visa, através da monitorização e da construção de instrumentos de avaliação da Escola, produzir conhecimentos sobre esta, que levem à promoção de uma melhoria da qualidade do sistema educativo e das relações entre a Escola e os seus pares, valorizando o papel de cada interveniente do processo ensino-aprendizagem. O presente relatório tem como principal objetivo proceder à apresentação do processo de autoavaliação realizado na Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo (), que decorre no ano letivo 2012/2013 e envolve todos os elementos do Pessoal Docente e Pessoal Não Docente, bem como alunos e Pais/Encarregados de Educação. Página 3 de 75

4 Neste relatório, serão reportadas, de modo mais sistematizado, todas as fases do processo de implementação da autoavaliação, nomeadamente: Os objetivos que presidiram à implementação da autoavaliação na ; O cronograma elaborado para a implementação do processo de autoavaliação; A preparação, condução e execução do processo; Os resultados obtidos com este processo; Os Pontos Fortes e Áreas de Melhoria resultantes do processo de autoavaliação. ANTECEDENTES No ano letivo de 2009/2010, a recorreu a uma equipa de consultores externos com experiência na área da Gestão pela Qualidade e nas metodologias de Autoavaliação dos estabelecimentos de ensino em Portugal, procurando garantir um olhar crítico independente, bem como a transparência e objetividade de todo o processo de autoavaliação. Em fevereiro de 2010, a IGE (hoje IGEC) realizou uma avaliação externa à nossa escola, cujo relatório se encontra publicado no site da IGEC. Completou-se assim um período avaliativo, através das duas modalidades avaliativas, interna e externa. Na primeira tivemos uma autorreflexão crítica, sistemática, dos processos educativos internos à Escola. Na segunda, a equipa da IGEC, fez uma avaliação de acordo com um quadro referencial previamente definido para o universo das escolas do país. A partir dessas duas avaliações foi possível identificar pontos fortes, pontos fracos e áreas prioritárias para a melhoria do trabalho na escola e do sucesso educativo. A Autoavaliação pretende assumir-se como um contributo relevante para o desenvolvimento da escola e para a melhoria da qualidade das aprendizagens dos alunos numa perspetiva reflexiva e de aperfeiçoamento contínuo. Em fevereiro de 2013 foi nomeada pela Direção da Escola uma comissão de trabalho, constituída por docentes dos vários departamentos curriculares, com o objetivo de planear e desenvolver todo o processo de avaliação interna da. EQUIPA DA AUTOAVALIAÇÃO DA A comissão de trabalho foi constituída pelos seguintes docentes: Ana Fernandes Anabela Melo António Sá Armando Moreira Carminda Moroso Deolinda Costa Germana Eiriz Ilídio Rêgo Página 4 de 75

5 José Freitas José Mário Ferreira Júlia Ferreira Luís Acácio Fernandes Maria Arlete Gouveia Maria João Comprido Palmira Lima Paula Vilela Teresa Castro CRONOGRAMA DO PROCESSO DE AUTOAVALIAÇÃO O processo de autoavaliação implicou um planeamento dos adequados mecanismos e instrumentos avaliativos, necessariamente ajustados à organização temporal da Escola e do calendário escolar. Atividades Fev. Mar. Abr. Mai. Jun. Jul. Definição dos domínios a avaliar x Elaboração do Pano de Intervenção x x Elaboração do material para recolha de dados x x Apresentação à comunidade educativa Recolha e tratamento de dados Elaboração do relatório final Apresentação do relatório aos diferentes órgãos x x x x Figura 1 INSTRUMENTOS E METODOLOGIA ADOTADA O modelo de questionários aplicados na Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo resultou da adaptação dos questionários aplicados na última autoavaliação. O sistema de pontuação que se utilizou foi adaptado não só à realidade da Escola, como também aos seus stakeholders (pessoal docente; pessoal não docente, alunos e encarregados de educação). A equipa interna de autoavaliação adotou a seguinte escala de pontuação: Não tem Opinião Muito Insatisfeito Insatisfeito Pouco Satisfeito Satisfeito Muito Satisfeito Figura 2 A escala de pontuação utilizada é simples e objetiva, o que a torna percetível e adequada à realidade da Escola. Página 5 de 75

6 Para que a autoavaliação desse origem a um diagnóstico organizacional real e fiável, foi fundamental a auscultação de todos os atores escolares. Todos foram mobilizados a preencher o respetivo questionário, depois de sensibilizados e esclarecidos sobre o processo em curso e respetivos objetivos. A METODOLOGIA UTILIZADA NA OBEDECEU AOS SEGUINTES PASSOS: Constituição da equipa de autoavaliação; Elaboração de documentos orientadores; Plano de Intervenção e Plano de Comunicação; Distribuição de serviço e uniformização de procedimentos, tendo em conta a realidade desta escola; Reuniões semanais dos subgrupos de trabalho da equipa de autoavaliação para elaboração dos questionários; Elaboração de um Relatório Intermédio sobre o trabalho realizado; Aplicação dos questionários aos vários intervenientes; Análise dos resultados dos questionários; Redação de um Relatório Final de Autoavaliação. O envolvimento da comunidade escolar é a garantia de sucesso neste processo de mudança iniciado com a autoavaliação. Assim sendo, todos tiveram oportunidade de expressar a sua visão sobre a realidade da, respondendo aos questionários. O processo de inquirição incidiu no universo da comunidade escolar. Todos os questionários foram respondidos online, à exceção do questionário aos Pais/ Encarregados de Educação que foi disponibilizado em suporte de papel. APRESENTAÇÃO DOS DADOS DA AUTOAVALIAÇÃO PESSOAL DOCENTE CARACTERIZAÇÃO DOS INQUIRIDOS Num universo de 105 docentes apenas 66 responderam ao questionário, correspondendo a 62,9%. Os questionários elaborados para o pessoal docente tiveram em conta os três domínios a que todos estavam aptos a responder. Relativamente aos docentes que responderam ao questionário, foi possível fazer a sua caracterização, tendo em conta algumas dimensões. A primeira delas foi a caracterização etária, sendo que 5 docentes que responderam ao questionário têm entre 22 a 30 anos, 27 dos docentes inquiridos estão na faixa etária dos 31 aos 40 anos, 10 docentes estão entre os 51 e os 60 anos de idade e apenas 1 docente apresenta mais de 60 anos. No que diz respeito ao tempo de serviço constatou-se que 64% dos inquiridos apresenta mais de 10 anos de serviço. Página 6 de 75

7 Relativamente à distribuição por género dos docentes inquiridos, verificou-se que 64% são do género feminino e 36% do masculino. Quanto à situação profissional constatou-se que 33% pertencem ao quadro da, 9% são do QZP, 6% Destacados e 52% Contratados. RESULTADOS POR DOMÍNIOS ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA ESCOLA Após a análise dos questionários preenchidos, foi possível classificar a opinião dos docentes por domínio, tendo em conta a escala apresentada, anteriormente, na figura 2. Relativamente ao primeiro domínio, satisfação com a organização e gestão da escola, os docentes, na sua generalidade, mostraram satisfação no que concerne à organização da escola e ao envolvimento e participação da comunidade educativa. No entanto, mostraram pouca satisfação/insatisfação relativamente ao acompanhamento regular dos encarregados de educação na vida escolar dos seus educandos. Ainda dentro do primeiro domínio existe uma satisfação generalizada quanto aos serviços escolares. Salientando-se, contudo que uma parte significativa do corpo docente não tem opinião sobre o plano de emergência da escola. LIDERANÇA ESCOLAR No que diz respeito ao segundo domínio, no âmbito da liderança escolar, a classe docente manifestou, na sua globalidade, satisfação. Contudo, quando inquiridos sobre o processo de planeamento e as estratégias de atuação e sobre as causas de desmotivação e desinteresse, uma percentagem considerável de docentes referiu não ter opinião. RESULTADOS ESCOLARES E PRESTAÇÃO DE SERVIÇO EDUCATIVO No terceiro domínio, satisfação com os resultados escolares e com a prestação do serviço educativo, verificou-se que o pessoal docente identicamente demonstrou satisfação neste domínio. Porém, quando questionados sobre a análise periódica da eficácia dos planos educativos, sobre a avaliação das estratégias implementadas e sobre a adequação do horário atribuído para as atividades de Apoio Educativo, uma percentagem expressiva indicou não ter opinião. PESSOAL NÃO DOCENTE CARACTERIZAÇÃO DOS INQUIRIDOS Num universo de 44 assistentes apenas 29 responderam ao questionário, correspondendo a uma percentagem de 65,9%. Os questionários elaborados para o pessoal não docente tiveram em conta 4 domínios a que todos estavam aptos a responder. Seguindo a mesma metodologia quanto aos critérios a autoavaliar, no que respeita ao pessoal não docente, foi possível fazer a sua caracterização Página 7 de 75

8 relativamente a algumas dimensões. Do ponto de vista da caracterização etária, verificou-se que 11 dos inquiridos têm mais de 50 anos, 14 situam-se na faixa etária dos 36 aos 45 anos, a faixa etária entre 18 e 35 anos tem uma representatividade de 4 assistentes. Relativamente à distribuição por género dos assistentes inquiridos, verificou-se que 24 são do género feminino e 5 do masculino. Dos 29 assistentes, 6 desempenham a função de assistentes técnicos e 23 de assistentes operacionais. Quanto às habilitações literárias, 7 inquiridos têm o primeiro ciclo, 2 o segundo ciclo, 9 o terceiro ciclo e 11 o ensino secundário. No que diz respeito ao tempo de serviço constatou-se que 8 dos inquiridos apresenta mais de 25 anos de serviço, 15 entre 11 e 25 anos de serviço e 6 menos de 10 anos. Quanto à situação profissional verificou-se que 24 pertencem ao quadro da e 6 encontram-se na situação de Contratado. RESULTADOS POR DOMÍNIOS ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA ESCOLA Após a análise dos questionários preenchidos, foi possível classificar a opinião do pessoal não docente por domínios, tendo em conta a escala apresentada na figura 2. Relativamente ao primeiro domínio, satisfação com a organização e gestão da escola, os assistentes, na sua generalidade, mostraram satisfação no que concerne à organização da escola. Contudo, há a salientar que uma percentagem significativa demonstrou desconhecimento no que concerne ao projeto educativo da escola e ao regulamento interno. Verificou-se que uma percentagem expressiva dos inquiridos revelou pouca satisfação relativamente à oferta de formação adequada para o desempenho profissional, bem como na atribuição e rotatividade de trabalho de acordo com as competências profissionais. O mesmo se verificou quanto ao incentivo para a participação em reuniões de discussão sobre melhorias de procedimentos a nível da escola. LIDERANÇAS No que concerne ao segundo domínio, no âmbito das lideranças, os assistentes demonstraram, na sua maioria, satisfação neste domínio. Contudo, quando inquiridos sobre o reconhecimento e valorização do seu trabalho por parte da direção da escola, uma percentagem considerável revelou estar pouco satisfeita. De igual modo demonstraram pouca satisfação na facilitação de recursos necessários para o desempenho profissional, na atitude demonstrada pela direção na motivação do pessoal não docente, na avaliação periódica da satisfação dos assistentes e na auscultação dos mesmos durante o seu processo de avaliação. Ainda neste domínio e quando inquiridos sobre a liderança dos respetivos superiores, um número significativo respondeu não ter opinião. Salienta-se que uma percentagem expressiva dos assistentes operacionais revelou estar pouco satisfeita/ insatisfeita quanto às reuniões periódicas conjuntas para avaliar o Página 8 de 75

9 trabalho e o desempenho profissional, à auscultação sobre propostas consistentes, à gestão de conflitos e ao reconhecimento do desempenho profissional. DESENVOLVIMENTO DA CARREIRA E MOTIVAÇÃO No terceiro domínio, satisfação com o desenvolvimento da carreira e motivação, verificou-se que, a generalidade do pessoal não docente, analogamente demonstrou satisfação. Porém, declarou estar pouco satisfeito/ insatisfeito quando questionado sobre a formação profissional. O pessoal não docente indicou estar satisfeito/muito satisfeito no que respeita ao quarto domínio, satisfação com o seu contributo para os resultados escolares. ALUNOS CARACTERIZAÇÃO DOS INQUIRIDOS Num universo de 527 alunos matriculados responderam ao questionário 190, correspondendo a uma percentagem de 36,05%. Os questionários elaborados para os alunos tiveram em conta os dois domínios a que todos estavam aptos a responder. Do ponto de vista da caracterização etária, verificou-se que 105 se situam na faixa etária dos 15 aos 18 anos, 72 dos 19 aos 25 e 13 apresentam mais de 25 anos. Relativamente à distribuição por género, 93 são do género feminino e 97 do masculino. Dos 190 alunos que responderam ao questionário, 151 frequentam um curso profissional, 26 um curso de educação e formação e 13 inquiridos assistem um curso de educação e formação para adultos. RESULTADOS POR DOMÍNIOS PROCESSO EDUCATIVO E ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA ESCOLA Após a análise dos questionários preenchidos, foi possível classificar a opinião dos alunos por domínios, tendo em conta a escala apresentada na figura 2. Relativamente ao primeiro domínio, respeitante ao processo educativo e à organização e gestão da escola, a maioria mostrou-se satisfeita. Há, no entanto, a salientar que um número significativo de alunos demonstrou insatisfação ou ausência de conhecimento sobre a divulgação dos documentos internos da escola, a imagem que a escola tem na sociedade, o trabalho desenvolvido pela associação de estudantes junto dos seus pares e sobre a página da escola. RESULTADOS ESCOLARES E A PRESTAÇÃO DO SERVIÇO EDUCATIVO No que diz respeito ao segundo domínio há uma satisfação evidente sobre os resultados escolares e a prestação do serviço educativo. Página 9 de 75

10 PAIS/ ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DOS INQUIRIDOS Responderam aos questionários 243 pais/encarregados de educação, tendo em conta dois domínios a que todos estavam aptos a responder. Seguindo a mesma metodologia quanto aos critérios a autoavaliar, foi feita a sua caracterização, verificando-se que 39 dos inquiridos têm mais de 50 anos, 152 situam-se na faixa etária dos 36 aos 50 anos, a faixa etária entre 18 e 35 anos tem uma representatividade de 36 elementos. A maioria dos inquiridos (180) pertence ao género feminino, sendo a representatividade do género masculino apenas de 41. Relativamente às habilitações académicas, 5 encarregados de educação não possuem escolaridade, 76 têm o primeiro ciclo, 34 o segundo ciclo, 36 o terceiro ciclo, 50 fizeram o ensino secundário, 9 o ensino superior. Da totalidade dos inquiridos, 216 são encarregados de educação de alunos dos cursos profissionais e 27 dos cursos de educação e formação. RESULTADOS POR DOMÍNIOS ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA ESCOLA Feita a análise dos questionários, foi possível classificar a opinião dos encarregados de educação por domínios, tendo em conta a escala apresentada na figura 2. Relativamente ao primeiro domínio, organização e gestão da escola, a maioria demonstrou satisfação. Salienta-se, no entanto, no que diz respeito aos documentos orientadores da escola (Projeto Educativo, Regulamento Interno e Plano Anual de Atividades), aos critérios e instrumentos de avaliação das disciplinas curriculares e à comunicação com os órgãos de gestão, uma percentagem expressiva refere pouca satisfação/ Insatisfação ou mesmo desconhecimento. No que concerne à satisfação com o envolvimento e participação nas atividades da escola, verificou-se que uma percentagem considerável de encarregados de educação sente-se pouco incentivado a participar, sente que a resolução dos conflitos carece de justiça e de uma abordagem pedagógica adequada. Consideram ainda que a sua participação nos documentos internos da escola não é muito expressiva. De uma forma geral, a satisfação com os serviços escolares é boa. Contudo, existem encarregados de educação que consideram que os serviços da escola não estão bem sinalizados e não orientam bem as pessoas que não conhecem a escola. São da opinião que as informações veiculadas pela página da escola e os serviços online não são os mais adequados. Abordados sobre os serviços da residência escolar a maioria revela satisfação, apesar de se verificar que existe algum descontentamento com a privacidade dos seus educandos, as refeições fornecidas e a higiene e segurança. Página 10 de 75

11 OS RESULTADOS ESCOLARES E A PRESTAÇÃO DO SERVIÇO EDUCATIVO Relatório Final de Autoavaliação No que diz respeito ao segundo domínio há uma satisfação visível sobre os resultados escolares e a prestação do serviço educativo. Porém, alguns dos inquiridos manifesta reticências quanto ao apoio educativo, ao papel da escola na promoção do gosto pela aprendizagem e à adequação dos critérios e instrumentos de avaliação. RESULTADOS ESCOLARES NA ESCOLA PROFISSIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL DO RODO Os dados relativos aos resultados escolares foram fornecidos pela Direção da Escola e serão aqui analisados tendo em conta a taxas de sucesso escolar relativamente à conclusão dos ciclos de formação dos cursos profissionais (12º ano) no triénio 2009/2012, assim como a taxa de sucesso escolar dos alunos dos cursos de educação e formação (9º ano) no ano escolar de Os resultados escolares que serão apresentados constituem evidências que poderão ser analisadas e avaliadas. CURSO PROFISSIONAL DE VITICULTURA E ENOLOGIA Relativamente à taxa de sucesso escolar dos alunos do curso de Viticultura e Enologia, no triénio de 2009/2012, verificou-se que dos 5 alunos inscritos no último ano, 1 aluno anulou a matrícula, 3 não terminaram com sucesso o ciclo de formação e apenas 1 concluiu o curso. 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 0 Taxa de Sucesso Taxa de Insucesso Taxa de Abandono Gráfico 1 Taxa de sucesso escolar no curso de Viticultura e Enologia 2009/2012 CURSO PROFISSIONAL DE RESTAURAÇÃO VARIANTE DE RESTAURANTE/BAR Em relação à taxa de sucesso escolar dos alunos do curso de Restauração variante restaurante/bar da no triénio de 2009/2012, verificou-se que dos 9 alunos que frequentaram o último ano do curso, 3 alunos concluíram o curso e 6 não conseguiram terminar o ciclo de formação. Página 11 de 75

12 0,8 0,6 0,4 0,2 0 Taxa de Sucesso Taxa de Insucesso Taxa de Abandono Gráfico 2 Taxa de sucesso escolar no curso de Restauração-variante restaurante/bar 2009/2012 CURSO PROFISSIONAL DE RESTAURAÇÃO VARIANTE DE COZINHA/PASTELARIA No curso de Restauração variante cozinha/pastelaria da, no triénio de 2009/2012, averiguou-se que dos 17 alunos que frequentaram o último ano do curso, 8 alunos concluíram o curso e 9 não conseguiram terminar o ciclo de formação. 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 0 Taxa de Sucesso Taxa de Insucesso Taxa de Abandono Gráfico 3 Taxa de sucesso escolar no curso de Restauração-variante cozinha/pastelaria 2009/2012 CURSO PROFISSIONAL DE TURISMO Relativamente à taxa de sucesso escolar dos alunos do curso de Turismo, no triénio de 2009/2012, verificou-se que dos 13 alunos inscritos no último ano, 1 aluno solicitou transferência de escola, 6 terminaram com sucesso o ciclo de formação e 6 não conseguiram concluir o curso. 50% 40% 30% 20% 10% 0% Taxa de Sucesso Taxa de Insucesso Taxa de Abandono Gráfico 4 Taxa de sucesso escolar no curso de Turismo 2009/2012 Página 12 de 75

13 CURSO PROFISSIONAL DE GESTÃO DE PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS No curso de Gestão de Programação de Sistemas Informáticos no triénio de 2009/2012, averiguou-se que dos 15 alunos inscritos no último ano, 1 aluno anulou a matrícula, 7 não terminaram com sucesso o ciclo de formação e 7 concluíram o curso. 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 0 Taxa de Sucesso Taxa de Insucesso Taxa de Abandono Gráfico 5 Taxa de sucesso escolar no curso Gestão de Programação de Sistemas Informáticos 2009/2012 CURSO PROFISSIONAL DE ANIMADOR SOCIOCULTURAL Relativamente ao curso de Animador Sociocultural da no triénio de 2009/2012, apurouse que dos 11 alunos que frequentaram o último ano do curso todos conseguiram concluir o ciclo de formação. 1 0,8 0,6 0,4 0,2 0 Taxa de Sucesso Taxa de Insucesso Taxa de Abandono Gráfico 6 Taxa de sucesso escolar no curso de Animador Sociocultural 2009/2012 CURSO PROFISSIONAL DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE No curso de Higiene e Segurança do Trabalho e Ambiente da no triénio de 2009/2012, verificou-se que dos 8 alunos inscritos no último ano do curso, 5 alunos concluíram o curso e 3 não conseguiram terminar o ciclo de formação. Página 13 de 75

14 0,8 0,6 0,4 0,2 0 Taxa de Sucesso Taxa de Insucesso Taxa de Abandono Gráfico 7 Taxa de sucesso escolar no curso de Higiene e Segurança do Trabalho e Ambiente 2009/2012 CURSO PROFISSIONAL DE APOIO À INFÂNCIA No que diz respeito ao curso de Apoio à Infância no triénio de 2009/2012, verificou-se que dos 18 alunos inscritos no último ano, 15 terminaram com sucesso o ciclo de formação e 3 não conseguiram concluir o curso. 1 0,8 0,6 0,4 0,2 0 Taxa de Sucesso Taxa de Insucesso Taxa de Abandono Gráfico 8 Taxa de sucesso escolar no curso de Apoio à Infância2009/2012 CURSO PROFISSIONAL DE APOIO PSICOSSOCIAL Na análise à taxa de sucesso escolar dos alunos do curso de Apoio Psicossocial da no triénio de 2009/2012 apurou-se que dos 15 alunos que frequentaram o curso, do primeiro ao último ano, todos conseguiram concluir com sucesso o ciclo de formação. 1 0,8 0,6 0,4 0,2 0 Taxa de Sucesso Taxa de Insucesso Taxa de Abandono Gráfico 9 Taxa de sucesso escolar no curso de Apoio Psicossocial 2009/2012 CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE TÉCNICO DE INFORMÁTICA Página 14 de 75

15 Por último foi analisado o curso CEF Técnico de Informática (9º ano) e concluiu-se que no ano letivo 2011/2012, dos 20 alunos inscritos 1 aluno solicitou transferência de escola, 1 abandonou e 1 anulou a matrícula, 17 terminaram com sucesso o curso. 100% 80% 60% 40% 20% Taxa de Sucesso Taxa de Insucesso Taxa de Abandono 0% 2011/2012 Gráfico 10 Taxa de sucesso escolar no CEF Técnico de Informática 2011/2012 CONCLUSÕES FINAIS DO PROCESSO DE AUTOAVALIAÇÃO DA O presente relatório tem por base o apuramento dos questionários respondidos pela comunidade da Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo, assim como os resultados escolares. Os resultados globais da autoavaliação refletem a opinião de todas as partes interessadas alunos, encarregados de educação, pessoal docente e pessoal não docente. Realizou-se também uma análise dos resultados indicados na última avaliação interna efetuada em 2009 e na avaliação externa de PONTOS FRACOS APONTADOS NA AVALIAÇÃO INTERNA (2009) E AVALIAÇÃO EXTERNA (2010) AVALIAÇÃO INTERNA (2009) Discrepância de valorização atribuída por Pessoal Docente e Pessoal não Docente. Esta situação como se verificou nos inquéritos aplicados já foi colmatada, uma vez que a valorização atribuída se encontra equiparada. A criação do correio eletrónico institucional veio fomentar e facilitar a comunicação entre a Direção e o pessoal não docente. Contudo, há que envolver e tornar compreendida a participação do pessoal não docente na gestão e organização da Escola e na elaboração dos documentos estruturais da Escola. Independentemente desta proposta voltar a ser mencionada neste documento, fica desde já a recomendação que o pessoal não docente deve estar representado na equipa da Autoavaliação da Escola. Encarregados de Educação, também com um valor final bastante distante dos valores médios dos valores obtidos pela Escola no seu todo. Os meios eletrónicos disponibilizados pela Escola já foram melhorados, nomeadamente através de uma secção criada para uso exclusivo dos encarregados de educação e alunos. No entanto a página eletrónica da Escola ainda revela algumas carências no que diz respeito à pertinência da informação disponibilizada para os encarregados de educação. Um Página 15 de 75

16 Boletim Informativo (vulgo Newsletter da Escola, em formato eletrónico e papel, enviado para os encarregados de educação, facilitaria o diálogo e participação e eliminaria alguns motivos de crítica. AVALIAÇÃO EXTERNA EFETUADA PELA IGEC (2010) Baixa taxa de conclusão verificada no último ciclo de formação (triénio 2006/2009) dos cursos profissionais e a inexistência de estudos sobre a taxa de empregabilidade dos alunos. Verificou-se no triénio 2009/2012 uma ligeira melhoria relativamente ao triénio transato. Os estudos sobre a taxa de empregabilidade dos alunos que já concluíram o curso ainda não estavam disponibilizados à altura da finalização do presente relatório, uma vez que o referido estudo se encontra em fase de conclusão. Reduzido envolvimento e participação dos alunos na programação da ação educativa. Os alunos ainda não participam ativamente na ação educativa da escola e independentemente desta proposta voltar a ser indicada neste documento, fica desde já a recomendação que os alunos devem estar representados na equipa da Autoavaliação da Escola, assim como na elaboração dos documentos estruturantes da Escola. Inexistência de supervisão e acompanhamento direto da prática letiva em contexto de sala de aula. De modo a superar esta lacuna a Escola deverá melhorar a funcionalidade dos departamentos a nível da partilha de experiências e métodos de trabalho, numa relação aberta, de apoio e interajuda. Inexistência de apoio pedagógico organizado dirigido aos alunos com módulos em atraso. Embora se verifique um esforço por parte da Escola em colmatar esta situação, verifica-se, como iremos ver mais à frente neste documento, que o apoio pedagógico ainda carece de melhorias. Falta de um plano de formação para docentes adequado às dificuldades identificadas. A Escola promove, internamente, formação creditada no âmbito das Tecnologias de Informação e Comunicação e do Projeto para a Educação Sexual. Insuficiente atenção dos responsáveis com as questões de segurança evidenciada pelo défice de vistorias das instalações e equipamentos. Embora ainda se verifiquem lacunas a este nível, a Escola está a tomar algumas diligências para colmatar esta situação deficitária. Reduzida participação dos pais/encarregados de educação na vida escolar e no acompanhamento dos seus educandos. A Escola ainda se depara com este problema, como se verificará mais adiante neste relatório. Serão apontadas algumas estratégias para se proceder à melhoria desta situação. Reduzido número de atividades devidamente programadas pela Escola destinadas a promover a inclusão sócio escolar das minorias culturais e sociais. A Escola já encetou esforços para ultrapassar esta situação, uma vez que promove atividades anuais de inclusão cultural e social, que constam no Plano Anual de Atividades, nomeadamente na atividade de Comemoração do Dia da Escola intitulada MulticulturArte. Página 16 de 75

17 Inexistência de um trabalho estruturado e consistente de autoavaliação. O presente relatório comprova a preocupação da escola em retificar este aspeto desfavorável apontado pela Avaliação Externa. PONTOS FORTES E PONTOS FRACOS APONTADOS PELA ATUAL AVALIAÇÃO INTERNA PONTOS FORTES Bom relacionamento entre discentes, docentes e pessoal não docente. Existência de um complexo escolar, dotado de modernos e adequados edifícios, capaz de garantir as melhores condições estruturais para o desenvolvimento das atividades educativas/ formativas. Existência de um ambiente educativo propício ao desenvolvimento harmonioso dos processos de ensinar e aprender, devido a uma atuação preventiva e dissuasora de comportamentos e atitudes inadequados ao contexto escolar. Diversidade e qualidade da oferta educativa, traduzida na disponibilidade das empresas para acolherem os alunos da escola no âmbito da Formação em Contexto de Trabalho. Elevado número de parcerias, protocolos e projetos estabelecidos com instituições nacionais. Abertura à inovação, na área das tecnologias de informação e comunicação, com efeitos positivos na implementação de contextos de aprendizagem mais estimulantes e na promoção do estudo autónomo dos estudantes. Assunção da autoavaliação como instrumento de melhoria da Escola. PONTOS FRACOS Acompanhamento pouco regular por parte dos encarregados de educação na vida escolar dos seus educandos. Reduzido envolvimento dos alunos e encarregados de educação nos vários sectores educacionais e nos documentos estruturantes da Escola. Ausência de divulgação do Plano de Emergência da Escola. Reduzida supervisão das estratégias implementadas nos Planos Educativos. Apoio Educativo pouco divulgado e desadequado à disponibilidade de alunos. Reduzida supervisão e acompanhamento direto da prática letiva. Reduzida divulgação dos critérios e instrumentos de avaliação junto dos encarregados de educação. Página 17 de 75

18 Reduzida oferta de formação adequada para o desempenho profissional do pessoal não docente. Informação veiculada pela página da escola carece de alguma pertinência para os reais interesses dos alunos e encarregados de educação Elevada taxa de Abandono Escolar. PLANO DE MELHORIA Acompanhamento pouco regular por parte dos encarregados de educação na vida escolar dos seus educandos. Objetivos Ações Concretas Indicadores de Desempenho Data de Início Período de Controlo Promover um maior acompanhamento/ envolvimento dos Encarregados de Educação no processo educativo. Realização de uma atividade de receção aos alunos e encarregados de educação efetuada pelos diretores de turma, fornecendo um folheto informativo onde conste: o calendário escolar, a designação do curso e turma do educando, o horário, o elenco modular e respetivo limite de faltas, o funcionamento da avaliação modular, a identificação do diretor de turma e o horário de atendimento e principais direitos e deveres do RI e objetivos do PEE e informações a página da escola. Nº de atividades que tragam os pais à escola: a consultar nos registos em atas; registo/ relatório de reuniões / contactos com o diretor de turma. Registos no PAA. Setembro de 2013 Final de cada ano letivo Partilha de experiências vividas pelo Encarregado de Educação (nomeadamente na Semana da Leitura, etc.) Convite dirigido aos Pais/ Encarregados de Educação para assistirem às atividades de comemoração do Dia Da Escola. Criação de novos canais Página 18 de 75

19 de informação/ comunicação entre a Escola e os Encarregados de Educação, nomeadamente através de um Boletim Informativo, vulgo Newsletter, da Escola, em formato eletrónico e papel, enviado aos encarregados de educação que não utilizam a internet, de modo a facilitar o diálogo e a participação. Reduzido envolvimento dos alunos e encarregados de educação nos vários setores educacionais e nos documentos estruturantes da Escola. Objetivos Ações Concretas Indicadores de Desempenho Data de Início Período de Controlo Promover um maior envolvimento dos alunos e encarregados de educação nos objetivos estratégicos da Escola. Promover maior interação Escola- Comunidade. Melhorar a identidade da escola no meio envolvente. Participação mais ativa e interessada dos alunos e encarregados de educação na elaboração dos documentos estruturantes da escola e nos vários setores, nomeadamente na comissão de autoavaliação. As práticas de autoavaliação mais participadas permitirão à escola um progresso sustentado e a melhoria da qualidade do serviço prestado. Realização de colóquios e encontros com a intervenção de entidades exteriores à escola, sobre temáticas diversas, solicitando a participação dos pais/ encarregados de educação. Atas e registos. Nº de Atividades realizadas no exterior. Nº de Atividades / eventos divulgados nos órgãos de comunicação social e em locais públicos. Ano letivo 2013/2014 Final de cada ano letivo Realização de atividades dos alunos no exterior da escola e abertas à comunidade (prática já adotada) Divulgação das atividades e dos eventos nos jornais regionais. Página 19 de 75

20 Ausência de divulgação do Plano de emergência da Escola. Objetivos Ações Concretas Indicadores de Desempenho Data de Início Período de Controlo Fornecer um conjunto de diretrizes e informações visando a adoção de procedimentos lógicos, técnicos e administrativos, estruturados de forma a propiciar resposta rápida e eficiente em situações emergenciais. Divulgação a toda a comunidade educativa do plano de emergência, no complexo escolar e na página da escola. Realização de ações de sensibilização junto da comunidade escolar para seu cumprimento em caso de necessidade. Informação exposta no complexo escolar e na página da escola. Registo das atividades realizadas. Ano letivo 2013/2014 Final de cada ano letivo Reduzida supervisão das estratégias implementadas nos Planos Educativos. Objetivos Ações Concretas Indicadores de Desempenho Data de Início Período de Controlo Promover a melhoria da monotorização dos Planos Educativos Realização de acompanhamento e monitorização das estratégias e das atividades de remediação realizadas. A avaliação dos Planos deve assumir um caráter descritivo e sistemático, permitindo o ajustamento ou correção de estratégias e visando o aperfeiçoamento da sua execução. Atas do Conselho de Diretores de Turma. Atas dos Conselhos de Turma. Ano letivo 2013/2014 Final de cada ano letivo Apoio Educativo pouco divulgado e desadequado à disponibilidade de alunos. Objetivos Ações Concretas Indicadores de Desempenho Data de Início Período de Controlo Promover a adequação dos apoios educativos à disponibilidade dos alunos, contribuindo para o aumento do Atribuição de apoio educativo no horário, funcionando especificamente para a recuperação de módulos em atraso do plano de estudos previsto. Este Atas do Conselho de Turma. Registos/ Relatórios do Ano letivo 2013/2014 Final de cada ano letivo Página 20 de 75

21 sucesso educativo dos alunos através da melhoria da aquisição de conhecimentos, de competências e de capacidades. apoio deve ser assegurado por um professor da disciplina, que funciona, semanalmente, de forma aberta para os alunos. apoio. Reduzida supervisão e acompanhamento direto da prática letiva. Objetivos Ações Concretas Indicadores de Desempenho Data de Início Período de Controlo Melhorar a funcionalidade dos departamentos a nível da partilha de experiências e métodos de trabalho, numa relação aberta, de apoio e interajuda. Promover o registo, reflexão, discussão e partilha colaborativa de conhecimentos, experiências e práticas de aprendizagem. Melhorar os procedimentos de integração dos novos professores. Análise, em reuniões de departamento, dos resultados académicos e das aprendizagens dos alunos: Sucesso/ insucesso dos alunos por disciplina e estratégias implementadas. Em reuniões de grupo disciplinar proceder à elaboração das planificações e à construção de materiais pedagógicos, de acordo com a especificidade de cada curso/ turma. Criação de uma comunidade docente de partilha de práticas de aprendizagem, com recurso a uma plataforma informática. Acolhimento dos novos docentes, dando a conhecer os espaços e as práticas da escola, pelo coordenador e colegas de Departamento. Registo nas atas das Reuniões e nas planificações dos Departamentos. Ano letivo 2013/2014 Final de cada ano letivo Organização de um dossiê digital, com informações/documentos orientadores e funcionais, por departamento. Página 21 de 75

22 Reduzida divulgação dos critérios e instrumentos de avaliação junto dos encarregados de educação. Objetivos Ações Concretas Indicadores de Desempenho Data de Início Período de Controlo Fomentar o conhecimento dos critérios e instrumentos de avaliação por parte dos encarregados de educação. Divulgação e explicitação dos critérios/ instrumentos de avaliação pelo diretor de turma na primeira reunião com os encarregados de educação. Divulgação na página da escola dos critérios gerais e específicos das disciplinas. Registo nas atas da direção de turma. Página da escola. Ano letivo 2013/2014 Final de cada ano letivo Reduzida oferta de formação adequada para o desempenho profissional do pessoal não docente. Objetivos Ações Concretas Indicadores de Desempenho Data de Início Período de Controlo Incutir, nos representantes do pessoal não docente, uma maior preocupação na transmissão e auscultação de informações pertinentes para a promoção do debate sobre as necessidades formativas. Elaboração de um Plano de formação adequado ao desempenho profissional do pessoal não docente. Atas as reuniões. Plano de formação. Ano letivo 2013/2014 Final de cada ano letivo Informação veiculada pela página da escola carece de alguma pertinência para os reais interesses dos alunos e encarregados de educação. Objetivos Ações Concretas Indicadores de Desempenho Data de Início Período de Controlo Promover uma informação mais pertinente e adequada às necessidades dos alunos e dos encarregados de educação. Atualização da página da escola. No link de acesso aos alunos acrescentar Pais/Encarregados de Educação. Incluir informação sobre: calendário escolar; horário Página da Escola. Ano letivo 2013/2014 Final de cada ano letivo Página 22 de 75

23 da turma atualizado; identificação do diretor de turma e horário de atendimento; contacto da escola; horários dos transportes da escola; acesso ao saldo e movimentos do cartão do aluno. Elevada taxa de abandono Escolar. Objetivos Ações Concretas Indicadores de Desempenho Data de Início Período de Controlo Reduzir a taxa de abandono escolar. Fomentar uma cultura de rigor na assiduidade e pontualidade. Elaborar relatórios de diagnóstico das situações de risco e abandono escolar. Otimizar os serviços e outras estruturas (GAA) no sentido de um melhor acompanhamento dos alunos e respetivas famílias. Atas da direção de turma. Registos de contatos com os encarregados de educação. Ano letivo 2013/2014 Final de cada ano letivo Insistir na necessidade das boas práticas da pontualidade e assiduidade. CONSIDERAÇÕES DA COMISSÃO DA AVALIAÇÃO INTERNA DA Em primeiro lugar, o pioneirismo do empreendimento que nos foi proposto: nenhum de nós possuía qualquer experiência no âmbito da autoavaliação e foi necessário todo um trabalho de aprofundamento inicial sobre esta temática. Por isso, reconhecemos que o nosso trabalho pode ser falível, mas a meta a que nos propusemos alcançar era fazer um trabalho condigno e assertivo. A dinâmica do grupo nem sempre funcionou devido à enorme incompatibilidade de horários dos elementos. Registamos, no entanto, a manifesta vontade de todos terem uma participação ativa neste trabalho. Verificámos a necessidade sentida de uma maior multiplicidade de papéis nos elementos da Equipa: é necessária e imprescindível a voz mais direta de representantes de pais, pessoal não docente e alunos. O Grupo de Focagem, apesar de ter incluído estes elementos, não substitui a presença destes elementos no trabalho efetuado. O tempo que um trabalho destes requerer tem de ser maior. Página 23 de 75

24 Apesar de alguns contratempos, pensamos que abrimos um caminho que futuramente outros poderão continuar. Pensou-se sobre a Escola, no seu todo e nas suas várias partes, refletindo-se sobre o seu funcionamento, mas sobretudo do que queremos para a própria Escola. O fruto deste trabalho será tido em consideração pelos vários órgãos de gestão da Escola: a validade do mesmo sairá da importância que lhe for dada e do que nele for bebido ou inspirado para melhorar. De facto, um relatório de autoavaliação não é só um retrato de uma dinâmica mais ou menos estática da instituição, é também um documento que deve inspirar à reflexão. Por outras palavras: este relatório não deve ser visto como um conjunto de informação parada no tempo que se reporta a um período fixo da Escola, mas sim a um guião que serve de base a exercícios de reflexão e ponderação, dando ideias, apontando pistas para o futuro da Escola, no caminho da excelência. Por isso, o melhor valor que este trabalho pode receber é ele servir de fonte de inspiração para o trabalho futuro. PERSPETIVAS DE FUTURO Face ao trabalho realizado propomos algumas melhorias, de modo a permitir um trabalho estruturado e consistente de autoavaliação: Participação mais ativa e interessada dos grupos intervenientes em iniciativas que promovam planos de melhoria para aumentar o sucesso da Escola como todo este processo de autoavaliação. Verificou-se por parte dos docentes e dos alunos uma fraca adesão aos inquéritos elaborados para os respetivos grupos. É necessário esclarecer que a autoavaliação e a qualidade de escola são um desígnio de todos e que o desenvolvimento de práticas de autoavaliação mais participadas permitirá à escola um progresso sustentado e a melhoria da qualidade do serviço prestado. Um Boletim Informativo (vulgo Newsletter da Escola, em formato eletrónico e papel, enviado para os Encarregados de Educação, facilitaria o diálogo e participação e eliminaria os motivos de crítica). Divulgação e atualização de todo o processo de Avaliação Interna na Página Eletrónica da (como está contemplado no Plano de Comunicação). Criação de um espaço de debate entre todos os intervenientes educativos onde se faça um verdadeiro diagnóstico do estado educativo da escola, uma reflexão das possíveis causas de insucesso e abandono escolar e se definam prioridades e linhas de ação orientadoras globais. A necessidade de alargar a equipa de autoavaliação a outros setores da comunidade educativa (representantes de alunos, pais/encarregados de educação, assistentes técnicos e operacionais). Criação de um horário semanal para a realização das reuniões da comissão da avaliação interna, contemplado logo no início do ano letivo no horário do pessoal docente. Página 24 de 75

25 ANEXOS Página 25 de 75

26 QUESTIONÁRIO PESSOAL DOCENTE Página 26 de 75

27 Página 27 de 75

28 Página 28 de 75

29 Página 29 de 75

30 Página 30 de 75

31 Página 31 de 75

32 Página 32 de 75

33 Página 33 de 75

34 Página 34 de 75

35 Página 35 de 75

36 Página 36 de 75

37 Página 37 de 75

38 QUESTIONÁRIO NÃO PESSOAL DOCENTE Página 38 de 75

39 Página 39 de 75

40 Página 40 de 75

41 Página 41 de 75

42 Página 42 de 75

43 Página 43 de 75

44 Página 44 de 75

45 Página 45 de 75

46 Página 46 de 75

47 Página 47 de 75

48 Página 48 de 75

49 Página 49 de 75

50 Página 50 de 75

51 Página 51 de 75

52 Página 52 de 75

53 Página 53 de 75

54 QUESTIONÁRIO ALUNOS Página 54 de 75

55 Página 55 de 75

56 Página 56 de 75

57 Página 57 de 75

58 Página 58 de 75

59 Página 59 de 75

60 Página 60 de 75

61 Página 61 de 75

62 Página 62 de 75

63 Página 63 de 75

64 QUESTIONÁRIO ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO Página 64 de 75

65 Página 65 de 75

66 Página 66 de 75

67 Página 67 de 75

68 Página 68 de 75

69 Página 69 de 75

70 Página 70 de 75

71 Página 71 de 75

72 Página 72 de 75

73 Página 73 de 75

74 Página 74 de 75

75 RESULTADOS ESCOLARES NA ESCOLA PROFISSIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL DO RODO Página 75 de 75

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod.

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod. Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA Anos letivos 2014/2015 e 2015/ Página 1 de 13 ÍNDICE Títulos Pág. 1. INTRODUÇÃO 3. 2. ESTRUTURA DO PLANO DE MELHORIA 4. 3. DESCRIÇÃO

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015 Orientações da SADD 2014/15 Aprovadas no C.P. 14 janeiro 2015 Pág. 1 / 11 \FUNDAMENTAÇÃO Avaliação: Docentes em regime de contrato de trabalho a termo resolutivo Avaliação: Docentes integrados na carreira

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DE AUTO-AVALIAÇÃO

RELATÓRIO SÍNTESE DE AUTO-AVALIAÇÃO RELATÓRIO SÍNTESE DE AUTO-AVALIAÇÃO 2010/2011 1. INTRODUÇÃO Nas escolas públicas portuguesas a procura da excelência é uma preocupação de longa data, uma vez que a estas compete a formação das mulheres

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria. Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz

Plano de Ações de Melhoria. Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz Plano de Ações de Melhoria Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz 2012/2014 i INDICE INTRODUÇÃO... 1 2. PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA... 3 2.1 IDENTIFICAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS... 3 2.2 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido julho 2014 Análise SWOT Pontos fortes vs Pontos fracos Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA Escola Básica Frei manuel Cardoso Escola Básica de Cabeço devide Visão:

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS 1. INTRODUÇÃO Este documento tem por objetivo estabelecer o Sistema de Gestão da Qualidade das Atividades Pedagógicas da ESTBarreiro/IPS

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA Regulamento geral de avaliação dos alunos Outubro / 2014 Índice I PRINCÍPIOS... 3 II - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO... 4 III- IMPLEMENTAÇÃO... 4 IV - COMPETÊNCIAS A AVALIAR

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Indicadores da Avaliação 03 Níveis de Desempenho da Avaliação

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PESO DA RÉGUA 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES CANDIDATURA A DIRETOR PROJETO DE INTERVENÇÃO (2013-2017) Pedro Paulo da Costa Cerqueira Amares, maio de 2013 As organizações, tal como os organismos vivos, têm os seus

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO JOÃO DA TALHA LOURES RESPOSTA AO CONTRADITÓRIO ANÁLISE DO CONTRADITÓRIO A equipa de avaliação externa apreciou o contraditório apresentado

Leia mais

Relatório de atividades do Conselho Geral

Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Uma Educação de Qualidade para Construir o Futuro 2009/2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO CONSELHO GERAL (2009-2011)

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MURALHAS DO MINHO, VALENÇA RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO Ano Letivo 2013/2014 Equipa de auto-avaliação 10-07-2014 (Critério 9 Desempenho-Chave) INDÍCE INTRODUÇÃO... 3 EVOLUÇÃO

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

Relatório de Autoavaliação 2010/2011

Relatório de Autoavaliação 2010/2011 Relatório de Autoavaliação 2010/2011 DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL E APRESENTAÇÃO DE ACÇÕES DE MELHORIA PARA O ISLA - GAIA (CAF COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK) VERSÂO PRELIMINAR (V.0) Equipa de Autoavaliação

Leia mais

Plano de melhoria 2013/2014. Comissão de Autoavaliação. Escola Secundária com 3º ciclo. de Alcácer do Sal

Plano de melhoria 2013/2014. Comissão de Autoavaliação. Escola Secundária com 3º ciclo. de Alcácer do Sal Plano de melhoria 13/14 Escola Secundária com 3º ciclo de Alcácer do Sal Comissão de Autoavaliação 9 de julho de 13 1 Índice 1. Introdução ----------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Equipa de autoavaliação Julieta Martins Adília Rodrigues (coords.) Conselho Geral, 17setembro 2013 Agrupamento Vertical de Escolas Ordem de Santiago

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1 DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123 Plano de Melhoria Página 1 Introdução... 3 Identificação das áreas de melhoria... 3 Visão geral do Plano de Melhoria...

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador 1. ENQUADRAMENTO LEGAL Compete ao conselho pedagógico, enquanto órgão de gestão pedagógica da escola, definir, anualmente, os critérios gerais de avaliação e

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alfena. Plano de Melhoria. 2013/2014 a 2014/2015

Agrupamento de Escolas de Alfena. Plano de Melhoria. 2013/2014 a 2014/2015 Agrupamento de Escolas de Alfena Plano de Melhoria a 2014/2015 outubro 2013 Índice Introdução...3 Resultados da Avaliação Externa...4 Principais Áreas de Melhoria...6 Plano de Ação...7 Considerações Finais...14

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária Fernando Namora AMADORA 12 e 13 jan. 2012 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Alfena VALONGO 8 a 10 janeiro 2013 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 I INTRODUÇÃO De acordo com a legislação em vigor, a avaliação é um elemento integrante e regulador de todo o processo de ensino aprendizagem. A avaliação visa promover

Leia mais

Plano de Formação de Colaboradores 2014

Plano de Formação de Colaboradores 2014 2014 Plano de Formação de Colaboradores 2014 Avaliação Nível I/II Avaliação da Satisfação e Aprendizagem A avaliação do valor acrescentado pela formação ao desempenho dos colaboradores é cada vez mais

Leia mais

QUADRO REFERENCIAL DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE

QUADRO REFERENCIAL DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ROSA RAMALHO, BARCELINHOS BARCELOS - Cód. 150940 Tel. 253 831090 / 253 831971 Fax 253 821115 Rua Professor Celestino Costa 4755-058 Barcelinhos SECÇÃO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013. Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013. Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013 2012 2013 Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013 Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013 1. ÂMBITO Dando cumprimento ao disposto no decreto regulamentar nº 26/2012, de 21 de

Leia mais

PLANO DE MELHORIA 2014/15 <>2017/18

PLANO DE MELHORIA 2014/15 <>2017/18 PLANO DE MELHORIA 2014/15 2017/18 1 - Introdução O Plano de Melhoria (PM) integra um conjunto de procedimentos e estratégias, planificadas e organizadas, a implementar com o objetivo de promover a melhoria

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

Plano de Ação da Equipa de Avaliação Interna

Plano de Ação da Equipa de Avaliação Interna Plano de Ação da Equipa de Avaliação Interna 2013/2015 Índice Plano de Ação... 3 Constituição da Equipa de Autoavaliação... 3 Etapas/fases do ciclo de avaliação... 4 Cronograma do 1º ano do ciclo de avaliação

Leia mais

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia Relatório Anual de Progresso Contrato de Autonomia 1- INTRODUÇÃO Tendo em conta o artigo 8º da Portaria nº 265/2012 de 30 de agosto, a escola/agrupamento com contrato de autonomia deve produzir um relatório

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

Ministério d. Decreto-lei n.º

Ministério d. Decreto-lei n.º A melhoria da qualidade do ensino constitui um dos desafios centrais da política do XIX Governo Constitucional. A valorização profissional dos docentes, através de um investimento na formação contínua,

Leia mais

2011/2012 RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO. Comissão de Avaliação Interna do Agrupamento DOMÍNIOS. Prestação do Serviço Educativo

2011/2012 RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO. Comissão de Avaliação Interna do Agrupamento DOMÍNIOS. Prestação do Serviço Educativo 2011/2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DOMÍNIOS Prestação do Serviço Educativo Organização e Gestão Escolar Comissão de Avaliação Interna do Agrupamento julho, 2012

Leia mais

2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO. Comissão de Autoavaliação PLANO DE AÇÃO

2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO. Comissão de Autoavaliação PLANO DE AÇÃO 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO Comissão de Autoavaliação PLANO DE AÇÃO Vieira do Minho, fevereiro de 2014 SUMÁRIO 1. Introdução 1.1. Conceção de avaliação 1.2. Enquadramento legal 2.

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO AE de maximinos EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO 2012/2013 Equipa de Autoavaliação Alcina Pires Ana Paula Couto Antonieta Silva António Rocha Beatriz Gonçalves José Pedrosa Paula Mesquita

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL-

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL- DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL PLANO DE MELHORIA

Leia mais

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular ACORDO DE COLABORAÇÃO Programa Atividades de Enriquecimento Curricular Primeiro: Município de Cascais titular do cartão de identificação de pessoa coletivo número 505187531, com sede na Praça 5 de Outubro,

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2011-2012

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2011-2012 AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2011-2012 RESPOSTA DA EQUIPA DE AVALIAÇÃO AO CONTRADITÓRIO APRESENTADO PELA ESCOLA SECUNDÁRIA EÇA DE QUEIRÓS, PÓVOA DE VARZIM Análise do Contraditório Analisado o contraditório

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA Julho de 2012 Rua da Verónica, 37, 1170-384 Lisboa Tel: 218860041/2 Fax: 218868880 Email: geral@aegv.pt INDICE I. Introdução. 3 II. Ponto de partida.....

Leia mais

Programa de Formação Líderes Inovadores 2015-2016 PLANO DE MUDANÇA E INOVAÇÃO

Programa de Formação Líderes Inovadores 2015-2016 PLANO DE MUDANÇA E INOVAÇÃO Programa de Formação Líderes Inovadores 2015-2016 PLANO DE MUDANÇA E INOVAÇÃO Melhorar a Comunicação entre as unidades orgânicas do Agrupamento de Arcozelo Manuel Fernandes de Amorim Agrupamento de Escolas

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE COORDENADOR DE

RELATÓRIO FINAL DE COORDENADOR DE ANEXO IV RELATÓRIO FINAL DE COORDENADOR DE GRUPO ANO LETIVO 2013/2014 I.- CARATERIZAÇÃO DO GRUPO DISCIPLINAR Coordenadora do grupo disciplinar de Francês e Espanhol: Ana Cristina Bernardes Tavares Fazem

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR

AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR ANO LETIVO 2012-2013 Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora Instrumento essencial ao DESENVOLVIMENTO DO CURRÍCULO Uma estrutura ao SERVIÇO DA ESCOLA Recurso fundamental

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Ensino Secundário 10º ano Cursos Científico Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação O presente documento pretende materializar a execução dos princípios orientadores da avaliação

Leia mais

Relatório de atividades do IPAM- Aveiro

Relatório de atividades do IPAM- Aveiro Relatório de atividades do IPAM- Aveiro 2013 2014 Índice INTRODUÇÃO... 4 1. Grau de cumprimento do plano estratégico e do plano anual e dos respetivos objetivos... 5 Enquadramento: plano e objetivos...

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de São Bernardo AVEIRO 15 a 17 fev. 2012 Área Territorial de Inspeção do Centro 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO Esta escola também é minha 2013/14 2015/16 I - INTRODUÇÃO Uma das missões da escola, que consiste em dotar todos e cada um dos cidadãos das competências

Leia mais

Regulamento. Curso Vocacional do Ensino Secundário

Regulamento. Curso Vocacional do Ensino Secundário Regulamento Curso Vocacional do Ensino Secundário Página 1 Artigo 1. Âmbito 1 - Os cursos vocacionais do ensino secundário constituem uma oferta formativa que se desenvolve no âmbito de uma experiência-piloto

Leia mais

NOVO GUIA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

NOVO GUIA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE NOVO GUIA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE ANa Cláudia CoheN Coelho MARIA LUÍSA LOPES DE OLIVEIRA k Apresentação e explicação dos pressupostos teóricos subjacentes ao novo enquadramento legal da avaliação

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas D. António de Ataíde VILA FRANCA DE XIRA 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Sul 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. 1286 Diário da República, 1.ª série N.º 29 11 de fevereiro de 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. 1286 Diário da República, 1.ª série N.º 29 11 de fevereiro de 2014 1286 Diário da República, 1.ª série N.º 29 11 de fevereiro de 2014 verificação da utilização agrícola, florestal ou silvopastoril do prédio e do cumprimento por parte do adquirente ou do arrendatário de

Leia mais

PEA PROJETO EDUCATIVO -2012/2015- Para formar mais e melhor numa escola participada e participativa, agradável e segura.

PEA PROJETO EDUCATIVO -2012/2015- Para formar mais e melhor numa escola participada e participativa, agradável e segura. PROJETO EDUCATIVO -2012/2015- Para formar mais e melhor numa escola participada e participativa, agradável e segura. 1. Nota Introdutória Este documento agora apresentado, resulta da avaliação efetuada

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro. Reunião 25 setembro. Representantes Encarregados de Educação 2.º e 3.º ciclos

Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro. Reunião 25 setembro. Representantes Encarregados de Educação 2.º e 3.º ciclos Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro Reunião 25 setembro Representantes Encarregados de Educação 2.º e 3.º ciclos Projeto Educativo Saber Ser, Saber Estar e Saber Fazer Projeto Educativo Alicerces:

Leia mais

Manual para a Avaliação do Desempenho dos Bombeiros Voluntários

Manual para a Avaliação do Desempenho dos Bombeiros Voluntários Cadernos Técnicos PROCIV Manual para a Avaliação do Desempenho dos Bombeiros Voluntários Edição: Autoridade NAcional de Protecção Civil abril de 2012 02 Cadernos Técnicos PROCIV #20 ÍNDICE 1. INTRODução

Leia mais

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Processo de melhoria Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Recomendações do conselho pedagógico Não houve recomendações emanadas do Conselho Pedagógico. Data de apresentação à direção/ conselho

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas Nery Capucho MARINHA GRANDE 14 a 16 nov. 2011 Área Territorial de Inspeção do Centro 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou

Leia mais

Relatório de auto avaliação

Relatório de auto avaliação Relatório de auto avaliação 2011/2012 Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 1 Documento para reflexão Índice 1- Resultados escolares 2- Relatório de Indisciplina 3- Apoios Educativos 4- Atividades

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Oliveira Júnior S. JOÃO DA MADEIRA 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária Dr. Flávio Ferreira Pinto Resende CINFÃES 30 a 31 janeiro 2013 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas Professor Abel Salazar GUIMARÃES 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou

Leia mais

Plano Estratégico de Formação dos Bombeiros Portugueses 2014-2016

Plano Estratégico de Formação dos Bombeiros Portugueses 2014-2016 Plano Estratégico de Formação dos Bombeiros Portugueses 2014-2016 O Plano Estratégico de Formação dos Bombeiros Portugueses, embora esteja definido para o período 2014-2016, será revisto anualmente por

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL 2012-2013. IPAM Aveiro

RELATÓRIO ANUAL 2012-2013. IPAM Aveiro RELATÓRIO ANUAL 2012-2013 IPAM Aveiro Índice Nota Introdutória... 3 1. Do grau de cumprimento do plano estratégico e do plano anual... 4 2. Da realização dos objetivos estabelecidos;... 4 3. Da eficiência

Leia mais

Agrupamento Vertical de Ourique. Relatório de Avaliação Interna. Relatório de Avaliação Interna

Agrupamento Vertical de Ourique. Relatório de Avaliação Interna. Relatório de Avaliação Interna Agrupamento Vertical de Ourique Relatório de Avaliação Interna Relatório de Avaliação Interna 211/212 Índice I - Introdução. II - Enquadramento Legal III Metodologia. A - Constituição da Equipa de Avaliação

Leia mais

janeiro.2015 Relatório Intercalar 2014/2015

janeiro.2015 Relatório Intercalar 2014/2015 Relatório Intercalar 2014/2015 Índice Introdução... 2 Aplicação do modelo estatístico VALOR ESPERADO... 3 Quadros relativos à aplicação do modelo estatístico de análise de resultados académicos... 5 Avaliação

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO FORMATIVO CURSOS VOCACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO FORMATIVO CURSOS VOCACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO Agrupamento de Escolas da Moita 171311 Sede Escola Secundária da Moita E S C O L A S E C U N D Á R I A D A M O I TA REGULAMENTO DO ESTÁGIO FORMATIVO CURSOS VOCACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO Regulamento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PROJETO DE APOIO EDUCATIVO

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PROJETO DE APOIO EDUCATIVO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PROJETO DE APOIO EDUCATIVO Ano Letivo 2015-2016 ÍNDICE ÍNDICE 2 CAPÍTULO I 3 (Introdução) 3 CAPÍTULO II 3 (Objetivos) 3 CAPÍTULO III 4 (Destinatários) 4 CAPÍTULO IV

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES Plano de Monitorização para a Melhoria das Aprendizagens GUIMARÃES INDICE Introdução 03 Objetivos 05 Áreas/Domínios de Monitorização 06 1. Ocupação Plena dos Tempos

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária Martins Sarmento GUIMARÃES 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E B E N A V E N T E INTRODUÇÃO Tendo por base os normativos legais

Leia mais

Relatório de Autoavaliação

Relatório de Autoavaliação DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA (CAF COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK) Equipa de Autoavaliação da CAF: Amélia Pereira, Ana Nunes, Carlos Ferreira, Célia Sequeira, Cristina Pires,

Leia mais

Nota introdutória... 2. Área a melhorar I... 3. Ações/Estratégias a implementar... Objetivos... Área a melhorar II... 11

Nota introdutória... 2. Área a melhorar I... 3. Ações/Estratégias a implementar... Objetivos... Área a melhorar II... 11 Monitorização do plano de melhoria 2012-2013 Agrupamento de Escolas Navegador Rodrigues Soromenho 0 Índice Nota introdutória... 2 Área a melhorar I... 3 Ações/Estratégias a implementar... Objetivos.....

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PAREDES RELATÓRIO ANUAL PROVEDORA DO ALUNO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PAREDES RELATÓRIO ANUAL PROVEDORA DO ALUNO ESCOLA SECUNDÁRIA DE PAREDES RELATÓRIO ANUAL PROVEDORA DO ALUNO ANO LETIVO 2014-2015 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 I A PROVEDORIA NO CONTEXTO DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE PAREDES 3 1. Enquadramento Legal 2. Representação

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas Escalada PAMPILHOSA DA SERRA 2014 2015 Área Territorial de Inspeção do Centro CONSTITUIÇÃO DO AGRUPAMENTO Jardins de Infância e Escolas EPE

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO VOCACIONAL DO 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO (1 ANO): INFORMÁTICA, MULTIMÉDIA E INTERNET

REGULAMENTO DO CURSO VOCACIONAL DO 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO (1 ANO): INFORMÁTICA, MULTIMÉDIA E INTERNET REGULAMENTO DO CURSO VOCACIONAL DO 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO (1 ANO): INFORMÁTICA, MULTIMÉDIA E INTERNET Capítulo I Funcionamento geral O presente Regulamento visa definir a organização, o desenvolvimento

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA

ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA A Escola Secundária Quinta das Palmeiras Covilhã celebrou com o Ministério da Educação e Ciência (MEC)

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES SERVIÇO SÓCIO-EDUCATIVO. outubro 2014 a agosto 2015. Realizado em: 02.10.2014. Aprovado pela Direção em: 09.10.

PLANO DE ATIVIDADES SERVIÇO SÓCIO-EDUCATIVO. outubro 2014 a agosto 2015. Realizado em: 02.10.2014. Aprovado pela Direção em: 09.10. PLANO DE ATIVIDADES SERVIÇO SÓCIO-EDUCATIVO outubro 2014 a agosto 2015 Realizado em: 02.10.2014 Aprovado pela Direção em: 09.10.14 Índice Introdução... 3 Linhas orientadoras... 3 Objetivos estratégicos...

Leia mais

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Dos contributos dos diferentes intervenientes do evento

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS A AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas da Madalena VILA NOVA DE GAIA 6 a 8 maio 2013 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado BRAGA 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais ANEXO I Regulamento Cursos Vocacionais Março de 2014 1 REGULAMENTO do ENSINO VOCACIONAL Conteúdo Âmbito e definição... 3 Artigo 2º... 3 Destinatários e acesso... 3 Artigo 3º... 3 Organização curricular...

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2013-2014

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2013-2014 AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2013-2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. CORREIA MATEUS RESPOSTA AO CONTRADITÓRIO ANÁLISE DO CONTRADITÓRIO Realizada a Avaliação Externa nos dias 17 a 20 de fevereiro de 2014,

Leia mais

Projeto Educativo de Escola

Projeto Educativo de Escola -- Escola Secundária da Ribeira Grande Projeto Educativo de Escola 2013-2016 Projeto apreciado em reunião de Conselho Pedagógico do dia 2 de maio de 2013 B Escola Secundária da Ribeira Grande - Projeto

Leia mais