Lista B 2014/6. Candidatura ao Colégio de Especialidade de Agentes de Execução. Presidente Armando A. Oliveira 2111 Braga

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lista B 2014/6. Candidatura ao Colégio de Especialidade de Agentes de Execução. Presidente Armando A. Oliveira 2111 Braga"

Transcrição

1 Candidatura ao Colégio de Especialidade de Agentes de Execução \ 2014/6 Lista B Candidatos Colega, Presidente Armando A. Oliveira 2111 Braga Vice-presidente Jacinto Neto 2203 Loures Secretária Mara Fernandes 3841 Lisboa Não podemos consentir que a atmosfera pessimista do País nos afete, assuste ou, até mesmo, retraia. Temos que encontrar forças para tomar as decisões e as opções certas, tendo sempre como objetivo primordial a afirmação do papel do agente de execução na defesa da virtude primeira das instituições sociais : a Justiça. Temos todos que comungar desse objetivo, integrados numa profissão com inesgotável energia, pronta na resposta aos novos desafios, ativa na demanda de mais oportunidades. Continuar a fazer o que tem de ser feito

2 Linhas gerais do programa eleitoral I OS ÚLTIMOS 3 ANOS Ainda ontem vivíamos janeiro de 2011, o início de um novo mandato. Decorreram três anos desafiantes, para a Câmara dos Solicitadores e para a esmagadora maioria dos agentes de execução. Conforme foi referido pela Ministra da Justiça - durante as últimas Jornadas de Estudo dos Agentes de Execução - em 2011 esteve ditado o nosso fim, resultado de uma inatividade diretiva ímpar, culminada num caso de polícia que, por muito pouco, não levou à destruição da nossa Classe. O principal esforço centrou-se, até por força dos acontecimentos, na implementação de regras de controlo da atividade. Em menos de um ano, foi lançada uma inovadora solução de controlo de pagamentos, integrada com a plataforma de homebanking. No que diz respeito à formação, criou-se uma bolsa de formadores, cujo acesso está condicionado pela prestação prévia de provas, e limitou-se a atividade dos dirigentes na formação. Fomos entretanto confrontados com um novo governo e com um País sujeito à tutela internacional. A Câmara dos Solicitadores foi sistematicamente chamada às revisões da Troika e os agentes de execução aplicaram-se ativamente no combate à pendência processual e na atualização estatística. O esforço foi hercúleo e continuado, tendo sido classificados mais de processos. Ainda em 2011, conseguiu-se disponibilizar o acesso ao registo predial (por artigo e por descrição predial), a consulta ao registo comercial e a citação de credores pela via eletrónica. Com o decreto-lei n.º 4/2012, depois de quase dez anos, vimos a nota discriminativa merecer força executiva. Com o mesmo decreto introduziram-se novas regras que simplificaram definitivamente a extinção dos processos inúteis. A liquidação e cobrança da caixa de compensações assumiu novos contornos, implementando-se novas regras de cobrança automática. Aqueles, até então silenciosos e desconhecidos - que sustentam a sua atividade nas ferramentas pagas pelos cumpridores -, emergiram nas redes sociais, nas assembleias e nos tribunais. 2

3 Renasceu o moribundo projeto de reforma do Código do Processo Civil. Participámos ativamente no processo legislativo, incluindo junto da Assembleia da República. Lançaram-se inúmeras ações de formação, seminários e conferências, debateu-se e estudou-se o novo CPC como mais nenhuma outra Classe o fez. Com o novo CPC e com uma novo regulamento de tarifas foi colocado um ponto final à livre negociação dos honorários e conseguiu-se que o processo só seja distribuído após se mostrarem pagos os honorários da fase I. Colocou-se assim termo, numa assentada, a dois dos fatores que levaram à concentração desmedida de processos. Lançámos a proposta do PEPEX (procedimento extrajudicial pré-executivo), um modelo de tramitação que representa um dos elementos chave para alcançar o maior equilíbrio na distribuição dos processos. Com a Lei n.º 2/2013 de 10/1, tivemos, a par de todas as ordens profissionais, que apresentar uma proposta de revisão estatutária. Desta proposta, que deverá a breve trecho ser presente à Assembleia da República, resulta a criação de dois Colégios de Especialidade: o dos Solicitadores e o dos Agentes de Execução. No seu 85º aniversário, a Câmara vai passar a Ordem. Criou-se um serviço para liquidação dos processos. Esta estrutura, com pessoal interno e com inúmeros agentes de execução (os chamados liquidatários), assegurou a resolução de um dos problemas mais complexos e potenciadores de críticas à nossa atividade, nomeadamente devido ao elevado número de processos que se encontravam parados em resultado da cessação de atividade de vários agentes de execução. Organizámos uma equipa de informática interna da Câmara dos Solicitadores que, gradualmente, tem vindo a assumir a gestão do núcleo da aplicação. Nunca, até aos dias de hoje, foram promovidas tantas assembleias, reuniões, seminários e Jornadas. A revista Sollicitare, depois de mais de 8 anos de interregnos e intermitências, renasceu com inquestionável qualidade. 3

4 Recentemente, lançou-se, com significativo empenho dos vários envolvidos, a penhora de saldos bancários por via eletrónica, com a prévia consulta ao Banco de Portugal. II MAIS E MELHOR PODIA TER SIDO FEITO Algumas das nossas propostas, nomeadamente no âmbito da reforma do CPC, não mereceram aceitação, relevando aqui a contingentação. O fórum perdeu a importância, não se tendo conseguido adaptar às novas realidades das redes sociais, nomeadamente o Facebook. As constantes alterações, as novas funcionalidades introduzidas no sistema informático de suporte à atividade (SISAAE/GPESE) e as inúmeras integrações com as plataformas externas não permitiram que se garantisse a estabilidade que todos gostaríamos. O HelpDesk não conseguiu evoluir de forma a dar resposta à crescente quantidade de solicitações dos associados - algo natural face ao número cada vez maior de funcionalidades e serviços disponibilizados. Estamos agora a reformar todo este serviço, aproveitando as condições criadas pelas novas instalações. Continuamos a ser confrontados com o incumprimento das obrigações, nomeadamente na gestão dos fundos confiados - algo que a todos nos envergonha, pois coloca continuamente em causa a imagem dos agentes de execução. III NOS PRÓXIMOS TRÊS ANOS Os desafios para o próximo mandato são inúmeros, sendo imprescindível a unidade de toda a Classe e dos seus órgãos dirigentes. Com o anunciado estatuto e por força da Lei-quadro, os órgãos executivos terão que se adaptar a uma nova estrutura organizativa e de gestão. A criação de dois colégios de especialidade vai 4

5 permitir que cada um se focalize nos problemas específicos da sua atividade, sem que, no entanto, seja esquecida a união de esforços e a partilha de recursos. Não defendemos que a nossa especialidade se autonomize da Câmara dos Solicitadores. Os agentes de execução nasceram na Câmara dos Solicitadores e todos os agentes de execução, independentemente da sua proveniência (solicitadores ou advogados), são acolhidos e tratados sem qualquer tipo de distinção. 1 O NOVO CPC Os próximos 10 meses, período previsto para a adaptação dos operadores ao novo CPC, implicam que sejam desenvolvidas inúmeras soluções: a) A venda por leilão eletrónico; b) O alargamento das consultas às bases de dados; c) Nova solução de controlo de prazos e estatística (essencial para chegar à contingentação dos processos); d) Nova gestão da conta do processo e o acesso das partes à mesma; e) Contínua atualização dos modelos de documentos; f) Intercâmbio de experiências com os magistrados, funcionários judiciais e advogados; g) Integração de inúmeras funcionalidades entre o SISAAE/GPESE e o CITIUS. Ainda que não resulte do novo CPC, mas tratando-se de um aspeto intimamente ligado à reforma, importa não esquecer que se avizinha o novo mapa judiciário. Embora não tendo um especial impacto no dia a dia do agente de execução (graças à cada vez menor necessidade de se deslocar ao tribunal), o novo mapa judiciário terá imprevisíveis reflexos nas plataformas informáticas CITIUS e SISAAE/GPESE. 5

6 2 CONTINGENTAÇÃO A contingentação é uma exigência incontornável. Defendemos um limite administrativo máximo de processos pendentes que, nas sociedades de agentes de execução, deverá ser proporcional ao número de sócios. Embora a Sr.ª Ministra da Justiça já tenha afirmado publicamente ser defensora da contingentação, a Troika tem dificultado a sua adoção. Caso não seja admitida a contingentação administrativa (número limite de processos pendentes), a mesma terá que ser imposta pela via da ação disciplinar. A negociação de processos, a realização de atos por pessoas que não são agentes de execução, a falsificação dos preços e o recorrente facilitar das regras tratam-se de realidades que não podem ser admitidas. 3 FISCALIZAÇÃO A fiscalização da atividade é um fator essencial na credibilização dos agentes de execução. Devemos manifestar que queremos melhor fiscalização, que queremos afastar quem não merece exercer, mas, também, que a fiscalização não pode descurar o seu papel pedagógico, corrigindo, em tempo oportuno, as atuações menos corretas, auxiliando aqueles que querem ser ajudados, muito particularmente nas suas dificuldades de gestão. 4 CAIXA DE COMPENSAÇÕES Reafirmamos a necessidade de prosseguir com recuperação dos valores por pagar à Caixa de Compensações, promovendo planos de pagamentos aos que o pretendam e cobrando coercivamente aos incumpridores relapsos. Os valores pendentes de cobrança devem ser aplicados, em especial, no aumento do fundo de garantia, para que se consiga indemnizar aqueles que foram lesados pelos agentes de execução que prevaricaram. Embora saibamos que alguns agentes de execução (muito particularmente os que 6

7 recusam pagar a Caixa de Compensações) defendem que não devem contribuir para o fundo de garantia, a nosso ver, o fundo de garantia é, em especial neste momento, um elemento essencial na credibilização da imagem dos profissionais. 5 ARRESTO / PENHORA DE SALDOS BANCÁRIOS NO ESPAÇO EUROPEU As medidas que se encontram, neste momento, em debate no Parlamento Europeu vão abrir novas possibilidades para os processos de execução que corram em território nacional mas também, muito provavelmente, novas oportunidades de intervenção do agente de execução nos pedidos com origem nos países da UE. 6 VERIFICAÇÕES NÃO JUDICIAIS QUALIFICADAS (CONSTAT) O artigo 494º do novo CPC abre novas possibilidades à atividade dos agentes de execução. São infindáveis as situações em que a intervenção do agente de execução pode e deve acontecer, simplificando a recolha de elementos auxiliares de prova, com significativa redução de custos e prazos, dispensando-se, em muitos casos, a intervenção de peritos e testemunhas. Propomos a imediata criação de um laboratório que analise e teste a intervenção dos agentes de execução em situações diversas, tais como a localização de imóveis e determinação dos seus limites (neste âmbito, destacamos a irrefutável relevância da ligação ao Geopredial ), a observância de obrigações parentais (como a entrega de menores ao progenitor), a confirmação, in loco, de situações alegadas no processo (como, por exemplo, a existência de um exaustor de fumos num prédio, dimensão de caminho de acesso), etc.. Este laboratório deverá contar com a participação de magistrados, mandatários e agentes de execução, os quais poderão testar e analisar, em casos concretos, simulados ou recriados, a utilidade e viabilidade da intervenção do agente de execução, tipo de diligências, prazos de execução, honorários, etc.. 7

8 Do trabalho do laboratório deverá resultar um livro/manual que servirá de base à formação dos agentes de execução, mas também como veículo de divulgação junto de magistrados e mandatários. 7 INTERVENÇÃO DO AGENTE DE EXECUÇÃO NO PROCESSO DE INSOLVÊNCIA E NAS EXECUÇÕES ADMINISTRATIVAS E FISCAIS Estamos convictos que temos um papel a desempenhar nos processos de insolvência, pois, sendo a insolvência uma execução universal, os atos materiais de apreensão de bens podem ser realizados pelos agentes de execução. Não só estamos preparados, como temos, ao nosso dispor, ferramentas únicas para a concretização desses atos, libertando o administrador de insolvência para concretizar aqueles para os quais deverá estar mais vocacionado. A credibilização, transparência, eficácia e celeridade dos serviços prestados pelos agentes de execução é essencial para que nos apresentemos como solução para a recuperação de créditos nas áreas administrativas e fiscais. Destacamos, em especial, a realização de atos materiais de apreensão de bens, a identificação de bens e toda a tramitação processual, muito particularmente quando ao serviço de órgãos da administração pública que têm competências executivas e não possuem estrutura que suporte tais competências. 8 SISAAE/GPESE E INFORMÁTICA O SISAAE/GPESE, ao qual, certamente, podemos apontar defeitos, é um dos principais trunfos da nossa atividade. Não existe qualquer outra plataforma que disponibilize o número de serviços que, hoje em dia, temos ao nosso alcance. Importa, antes de mais, estabilizar a aplicação e, faseadamente, introduzir novas funcionalidades, tais como: Integrar aplicações de faturação que permitam simplificar as atividades administrativas do agente de execução; 8

9 Implementar a venda em leilão eletrónico; Criar o acesso mobile (Android / Ipad) para realização de diligências externas; Atualizar a plataforma de integração de comunicações com o CITIUS; Melhorar os tempos de resposta dos serviços de consulta, criando soluções offline que permitam ultrapassar momentos em que aqueles não consigam satisfazer os pedidos; Facultar o acesso das partes à conta do processo; Produzir e corrigir os modelos. Devemos continuar a desenvolver o departamento de informática, trazendo cada vez mais, para o interior da Câmara, a produção do núcleo aplicacional. Pretendemos criar um grupo de agentes de execução que passe a acompanhar as equipas de informática. Os técnicos deverão deslocar-se, periodicamente, aos escritórios dos agentes de execução para tomarem contacto com as dificuldades dos utilizadores e recolher sugestões. Os formadores, as equipas de desenvolvimento e o helpdesk devem trocar experiências, discutir problemas e encontrar soluções. Para que possamos definir a área de intervenção do helpdesk e, consequentemente, garantir um melhor acompanhamento dos profissionais pretendemos dinamizar uma rede de empresas de informática que conheçam as necessidades habituais dos associados, podendo assim auxiliá-los na resolução dos problemas inerentes aos seus escritórios (atualização de software, adaptação do hardware, etc.). 9 FORMAÇÃO A formação é, naturalmente, um tema incontornável. O novo estatuto irá ditar a formação obrigatória e periódica, pelo que é necessário, desde já, começar a edificar os alicerces. A formação à distância (e-learning) não pode ser esquecida. No entanto, defendemos que a formação presencial continua a ser um elemento chave, nomeadamente em prol da partilha das experiências. 9

10 Os modelos disponibilizados no SISAAE/GPESE devem passar a ter associados manuais de utilização, resumos de normativos legais e perguntas frequentes. A experiência recolhida nos inúmeros seminários e debates, que decorreram com a participação de professores, juízes, advogados e outros profissionais do universo judiciário, mostrou-se extremamente positiva, não só para a formação dos agentes de execução, mas também para a projeção da classe. Para além das ações de formação internas, devemos promover seminários com temas mais abrangentes e que permitam alargar horizontes, discutir saídas e soluções, para os quais devem ser chamados os demais operadores e representantes dos estabelecimentos de ensino onde sejam ministrados cursos de direito e de solicitadoria. Lançam-se, desde já, as seguintes propostas, dada a atualidade e a relevância do tema: A verificação não judicial qualificada no novo CPC: a) O papel do agente de execução; b) Impacto económico e processual; c) A verificação judicial qualificada no espaço comunitário; d) Apreciação da prova resultante da verificação judicial qualificada; e) Recursos técnicos auxiliares para a verificação judicial qualificada (fotografia, vídeo ). Recuperação de créditos transfronteiriça: e) O procedimento de arresto de contas bancárias intracomunitário; f) Títulos executivos transfronteiriços, procedimentos; g) Penhora de créditos no espaço europeu Legal ou ilegal; h) Colaboração ibérica na recuperação de créditos; i) Localização de pessoas e bens nos principais países com comunidades portuguesas (Espanha, França, Luxemburgo, Alemanha, Suíça, Angola, Estados Unidos e Canadá); j) Injunção europeia. 10

11 10 PEPEX O PEPEX é uma proposta inovadora que deverá permitir um maior equilíbrio na distribuição dos processos. Este é, muito provavelmente, um dos maiores desafios da próxima direção. Quanto a nós, trata-se da génese do que amanhã poderá ser um processo totalmente desjudicializado de recuperação de créditos, em que a intervenção do juiz só deverá ocorrer, em regra, em sede de oposição. No âmbito deste procedimento extrajudicial, os processos são distribuídos sequencialmente, tendo em consideração critérios de proximidade face ao domicílio do devedor. Finalizado o processo, o credor que pretenda converter o mesmo em execução pode manter o agente de execução ou escolher um outro da sua preferência. Com esta solução cria-se uma modalidade de gestão totalmente desmaterializada, com significativa redução de custos, não obrigando à abertura de um processo físico, e tendo como único ato materializado a notificação do devedor. Não podemos consentir que a atmosfera pessimista do País nos afete, assuste ou, até mesmo, retraia. Vamos enfrentar surpresas e imprevistos. Temos que encontrar forças para tomar as decisões e as opções certas, tendo sempre como objetivo primordial a afirmação do papel do agente de execução na defesa da virtude primeira das instituições sociais 1 : a Justiça. Temos todos que comungar desse objetivo, integrados numa profissão com inesgotável energia, pronta na resposta aos novos desafios, ativa na demanda de mais oportunidades. 30 de outubro de 2013 Jacinto Neto Armando A Oliveira Mara Fernandes 1 Justice is the first virtue of social institutions, as truth is of systems of thought [John Rawls, A Theory of Justice] 11

Alterações ao Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas

Alterações ao Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas Alterações ao Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas O Governo divulgou recentemente um conjunto de medidas de revisão e aperfeiçoamento do atual Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas,

Leia mais

Recuperação de IVA em créditos incobráveis ou de cobrança duvidosa

Recuperação de IVA em créditos incobráveis ou de cobrança duvidosa Recuperação de IVA em créditos incobráveis ou de cobrança duvidosa Acção executiva, meios extra-judiciais e recuperação do IVA - Fundação Francisco Manuel dos Santos 13 de Maio de 2013 Base Comunitária

Leia mais

Apresentação do Projecto «Citius» e entrega de computadores portáteis com esta aplicação aos alunos do Centro de Estudos Judiciários Lisboa 2007-09-20

Apresentação do Projecto «Citius» e entrega de computadores portáteis com esta aplicação aos alunos do Centro de Estudos Judiciários Lisboa 2007-09-20 Apresentação do Projecto «Citius» e entrega de computadores portáteis com esta aplicação aos alunos do Centro de Estudos Judiciários Lisboa 2007-09-20 Não tendo podido estar presente na abertura das actividades

Leia mais

Câmara dos Solicitadores

Câmara dos Solicitadores Exmos. Colegas, As alterações introduzidas com vista à conciliação dos movimentos bancários têm, conforme já se havia previsto, provocado alguns problemas na infra-estrutura, obrigando a várias intervenções

Leia mais

Sessão Solene de abertura do Ano Judicial Supremo Tribunal de Justiça 8 de outubro de 2015

Sessão Solene de abertura do Ano Judicial Supremo Tribunal de Justiça 8 de outubro de 2015 Sessão Solene de abertura do Ano Judicial Supremo Tribunal de Justiça 8 de outubro de 2015 1. Ao longo da legislatura que agora termina, fiz sempre questão de enfatizar, em todas as sessões de abertura

Leia mais

Guia prático de procedimentos para os. Administradores de Insolvência.

Guia prático de procedimentos para os. Administradores de Insolvência. Guia prático de procedimentos para os Administradores de Insolvência. Índice Introdução 1. Requerimentos 2. Apreensão de bens 2.1. Autos de apreensão de bens 2.2. Apreensão de vencimento 2.3. Apreensão

Leia mais

Anexo à deliberação do conselho geral de 10 de maio de 2014 Normas do recrutamento, seleção e contratação dos formadores

Anexo à deliberação do conselho geral de 10 de maio de 2014 Normas do recrutamento, seleção e contratação dos formadores Anexo à deliberação do conselho geral de 10 de maio de 2014 Normas do recrutamento, seleção e contratação dos formadores Artigo 1.º Objeto e âmbito 1 O presente regulamento estabelece o regime de recrutamento,

Leia mais

DECRETO N.º 287/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

DECRETO N.º 287/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: DECRETO N.º 287/XII Regula o regime de acesso e exercício da atividade profissional de cadastro predial, em conformidade com a disciplina da Lei n.º 9/2009, de 4 de março, e do Decreto-Lei n.º 92/2010,

Leia mais

COMUNICADO N.º 1 INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS LEGAIS DO AGENTE DE EXECUÇÃO

COMUNICADO N.º 1 INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS LEGAIS DO AGENTE DE EXECUÇÃO COMUNICADO N.º 1 INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS LEGAIS DO AGENTE DE EXECUÇÃO Atendendo aos pedidos de esclarecimento solicitados à Comissão para a Eficácia das Execuções relativamente às incompatibilidades

Leia mais

Orçamento do Conselho Geral para 2012. Justificação do planeado

Orçamento do Conselho Geral para 2012. Justificação do planeado Orçamento do Conselho Geral para 2012 Justificação do planeado Esta proposta de orçamento é a primeira apresentada pelo atual Conselho Geral. É um instrumento de concretização do programa eleitoral dos

Leia mais

Ações de formação Julho 2014 PEPEX. Lei n.º 32/2014 de 30 de maio LEILÃO ELETRÓNICO. Lei n.º 41/2013 de 26 de junho

Ações de formação Julho 2014 PEPEX. Lei n.º 32/2014 de 30 de maio LEILÃO ELETRÓNICO. Lei n.º 41/2013 de 26 de junho Ações de formação Julho 2014 PEPEX Lei n.º 32/2014 de 30 de maio LEILÃO ELETRÓNICO Lei n.º 41/2013 de 26 de junho GENERALIDADES O PEPEX, abreviatura de Procedimento Extrajudicial Pré-Executivo, pode ser

Leia mais

GANDARELA, FERRAZ, COSTA & ASSOCIADOS SETEMBRO 2015 ATUALIZAÇÕES LEGISLATIVAS DIREITO DO TRABALHO

GANDARELA, FERRAZ, COSTA & ASSOCIADOS SETEMBRO 2015 ATUALIZAÇÕES LEGISLATIVAS DIREITO DO TRABALHO SETEMBRO 2015 ATUALIZAÇÕES LEGISLATIVAS DIREITO DO TRABALHO Decreto-Lei n.º 210/2015 de 25 de Setembro - Regimes Jurídicos do fundo de Compensação do Trabalho e do Fundo de Garantia de Compensação do Trabalho

Leia mais

Que futuro? João Tiago Silveira Conferência Justiça Económica em Portugal Fundação Francisco Manuel dos Santos e Associação Comercial de Lisboa

Que futuro? João Tiago Silveira Conferência Justiça Económica em Portugal Fundação Francisco Manuel dos Santos e Associação Comercial de Lisboa Que futuro? João Tiago Silveira Conferência Justiça Económica em Portugal Fundação Francisco Manuel dos Santos e Associação Comercial de Lisboa Dados sobre a Justiça no futuro Processos a entrar nos tribunais

Leia mais

Código da Insolvência e Recuperação de Empresas Apresentação e discussão do anteprojecto

Código da Insolvência e Recuperação de Empresas Apresentação e discussão do anteprojecto Fórum Auditório da Reitoria da Universidade Nova 16 de Julho de 2003 Código da Insolvência e Recuperação de Empresas Apresentação e discussão do anteprojecto Discurso de Sua Excelência o Secretário de

Leia mais

LIQUIDAÇÃO JUDICIAL MEIOS DISPONÍVEIS PARA SUA EFECTIVAÇÃO - Execução vs Insolvência

LIQUIDAÇÃO JUDICIAL MEIOS DISPONÍVEIS PARA SUA EFECTIVAÇÃO - Execução vs Insolvência CONFERÊNCIA LIQUIDAÇÃO JUDICIAL MEIOS DISPONÍVEIS PARA SUA EFECTIVAÇÃO - Execução vs Insolvência 1. Indicação da Modalidade de Venda 2. Venda por propostas em carta fechada 3. Adjudicação e seus efeitos

Leia mais

PARECER. sobre a implementação da Lei nº 29/2009, de 29 de Junho

PARECER. sobre a implementação da Lei nº 29/2009, de 29 de Junho PARECER sobre a implementação da Lei nº 29/2009, de 29 de Junho Na legislatura anterior foi solicitado ao Sindicato dos Magistrados do Ministério Público que se pronunciasse sobre a alteração ao regime

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO ÍNDICE PREÂMBULO... 3 Procedimentos Técnico-Pedagógicos... 4 1.1. Destinatários e condições de acesso... 4 1.2. Organização dos cursos de formação... 4 1.3. Componentes de

Leia mais

PORTAL CITIUS NOVAS TECNOLOGIAS AO SERVIÇO DOS CIDADÃOS, DAS EMPRESAS E DA JUSTIÇA

PORTAL CITIUS NOVAS TECNOLOGIAS AO SERVIÇO DOS CIDADÃOS, DAS EMPRESAS E DA JUSTIÇA PORTAL CITIUS NOVAS TECNOLOGIAS AO SERVIÇO DOS CIDADÃOS, DAS EMPRESAS E DA JUSTIÇA Perguntas & Respostas 10 de Setembro de 2009 1. O que é o Portal CITIUS? (www.citius.mj.pt) O Portal CITIUS é um novo

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

ncpc 12 QUESTÕES SOBRE PRÁTICAS PROCESSUAIS NO (NOVO) CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Armando A. Oliveira 25 de junho de 2015

ncpc 12 QUESTÕES SOBRE PRÁTICAS PROCESSUAIS NO (NOVO) CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Armando A. Oliveira 25 de junho de 2015 ncpc 12 QUESTÕES SOBRE PRÁTICAS PROCESSUAIS NO (NOVO) CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Armando A. Oliveira 25 de junho de 2015 Interação entre A.E. e tribunal Um dos principais entraves ao regular funcionamento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

Apresentação 8 de Fevereiro de 2012

Apresentação 8 de Fevereiro de 2012 Apresentação 8 de Fevereiro de 2012 Programa REVITALIZAR Apresentação Pública Lisboa, Ministério da Economia e do Emprego 8 Fevereiro 2012 O Programa REVITALIZAR é uma iniciativa do Governo que tem por

Leia mais

1. Quais as novas medidas de apoio para as pessoas sobreendividadas?

1. Quais as novas medidas de apoio para as pessoas sobreendividadas? Novos apoios a pessoas sobreendividadas Perguntas & Respostas 18 de Março de 2009 1. Quais as novas medidas de apoio para as pessoas sobreendividadas? As medidas hoje apresentadas visam criar novos mecanismos

Leia mais

CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO.

CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO. CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO O emprego tem uma enorme importância tanto para os indivíduos como para a sociedade Para além de ser uma fonte de rendimento, uma forma de ocupação e

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

Regulamento. Foremor

Regulamento. Foremor Regulamento Foremor Preâmbulo O presente projeto decorre de uma candidatura realizada pela MARCA ADL ao programa ERASMUS+, no âmbito da KA1 Learning Mobility for Individuals e está integrada numa iniciativa

Leia mais

entre o Senhor Secretário Regional da Economia, Vasco Cordeiro, e o Senhor Ministro da Economia e Trabalho, Álvaro dos Santos Pereira, tendo

entre o Senhor Secretário Regional da Economia, Vasco Cordeiro, e o Senhor Ministro da Economia e Trabalho, Álvaro dos Santos Pereira, tendo Exma. Senhora Presidente da Assembleia Ex. mas Senhoras e Senhores Deputados. Ex. mo Senhor Presidente do Governo, Senhoras e Senhores membros do Governo, Foi no dia 18 Agosto de 2011, em Lisboa, que ocorreu

Leia mais

PONTO DE ACESSO AO DIREITO

PONTO DE ACESSO AO DIREITO 1. Ponto de Acesso ao Direito O Ponto de Acesso ao Direito, implementado no início de 2007, tem subjacente e como finalidade apoiar as dezenas de pessoas que se deslocam ao CDL à procura de um auxílio

Leia mais

Solução RCR DESENVOLVER

Solução RCR DESENVOLVER Solução RCR DESENVOLVER Destinatários Micro e pequenas empresas Objectivo da solução A Solução RCR DESENVOLVER disponibiliza as ferramentas e o apoio necessários para as empresas que procuram soluções

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

Regimes de Custas desde 15/09/2003

Regimes de Custas desde 15/09/2003 JORNADAS DE ESTUDO CONTA E ENCERRAMENTO DO PROCESSO Armando A Oliveira - Solicitador Regimes de Custas desde 15/09/2003 15 de Setembro de 2003 Reforma da acção executiva Foi reduzido o valor da taxa de

Leia mais

AVISO DE VAGA DE LUGAR ECA/2015/JUR. 2 lugares de jurista - Graus AD 8 - AD 9 Unidade Assuntos Jurídicos - Presidência

AVISO DE VAGA DE LUGAR ECA/2015/JUR. 2 lugares de jurista - Graus AD 8 - AD 9 Unidade Assuntos Jurídicos - Presidência RECURSOS HUMANOS Recrutamento e evolução de carreira AVISO DE VAGA DE LUGAR ECA/2015/JUR 2 lugares de jurista - Graus AD 8 - AD 9 Unidade Assuntos Jurídicos - Presidência SOMOS O Tribunal de Contas Europeu

Leia mais

PHC Mensagens SMS. Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC

PHC Mensagens SMS. Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC PHCMensagens SMS DESCRITIVO O módulo PHC Mensagens SMS permite o envio de mensagens a múltiplos destinatários em simultâneo, sem ser necessário criar e enviar uma a uma. Comunique com mais sucesso: ganhe

Leia mais

Newsletter n.º 26 Mar.2013 MICROSOFT APOIA LINKCITIES

Newsletter n.º 26 Mar.2013 MICROSOFT APOIA LINKCITIES Newsletter n.º 26 Mar.2013 MICROSOFT APOIA LINKCITIES A Microsoft deu a conhecer a Plataforma LinkCities propriedade da Link Think. Esta Plataforma liga as cidades e autarquias locais, através das suas

Leia mais

Cláusulas Contratuais Gerais de Adesão ao Serviço MB WAY

Cláusulas Contratuais Gerais de Adesão ao Serviço MB WAY Cláusulas Contratuais Gerais de Adesão ao Serviço MB WAY Objeto a) Pelo presente contrato, a Caixa Económica Montepio Geral, entidade com capital aberto ao investimento do público, com sede na Rua Áurea,

Leia mais

Conselho Nacional de Justiça II Encontro Nacional do PJe (Brasília, 5 de agosto de 2015) O novo CPC: o papel do Conselho Nacional de Justiça nas disposições sobre o processo eletrônico Luciano Athayde

Leia mais

Guia prático. Rede Judiciária Europeia em matéria civil e comercial

Guia prático. Rede Judiciária Europeia em matéria civil e comercial Utilização da videoconferência para obtenção de provas em matéria civil e comercial, ao abrigo do Regulamento (CE) n.º 1206/2001 do Conselho, de 28 de Maio de 2001 Guia prático Rede Judiciária Europeia

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 251 31 de Dezembro de 2007 9141. Portaria n.º 1633/2007

Diário da República, 1.ª série N.º 251 31 de Dezembro de 2007 9141. Portaria n.º 1633/2007 Diário da República, 1.ª série N.º 251 31 de Dezembro de 2007 9141 Portaria n.º 1633/2007 de 31 de Dezembro A Lei n.º 66 -B/2007, de 28 de Dezembro, que estabelece o sistema integrado de gestão e avaliação

Leia mais

O FUTURO DA RECUPERAÇÃO DE CRÉDITOS (agir sobre o sistema vigente, potenciando as suas virtudes e agindo sobre as suas fragilidades)

O FUTURO DA RECUPERAÇÃO DE CRÉDITOS (agir sobre o sistema vigente, potenciando as suas virtudes e agindo sobre as suas fragilidades) O FUTURO DA RECUPERAÇÃO DE CRÉDITOS (agir sobre o sistema vigente, potenciando as suas virtudes e agindo sobre as suas fragilidades) Tempos de crise são tempos de exigência nas propostas e responsabilidade

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre a Rede de Apoio ao Consumidor Endividado

Perguntas Frequentes sobre a Rede de Apoio ao Consumidor Endividado Perguntas Frequentes sobre a Rede de Apoio ao Consumidor Endividado A Direção-Geral do Consumidor (DGC) apresenta um conjunto de respostas às perguntas suscitadas com maior frequência. Em caso de dúvida,

Leia mais

NEWCOLLECTOR SISTEMA DE COBRANÇA. Controle Judicial. Manual de Instruções. Versão 8.32

NEWCOLLECTOR SISTEMA DE COBRANÇA. Controle Judicial. Manual de Instruções. Versão 8.32 NEWCOLLECTOR SISTEMA DE COBRANÇA Controle Judicial Manual de Instruções Versão 8.32 1 Sumário 1 CONTROLE DE COBRANÇA JUDICIAL... 4 1.1 ARQUIVO... 4 1.1.1 Processos...4 1.1.1.1 Réus Principais do Processo...13

Leia mais

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral.

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral. Plano de Atividades 2016 INTRODUÇÃO O Plano de Atividades para 2016 agora apresentado tem como mote central DAR SENTIDO. Dar Sentido a tudo o que fazemos, o que nos envolve e o que envolve os outros. Centrarse-á

Leia mais

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016. - 30 de dezembro de 2015 -

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016. - 30 de dezembro de 2015 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016-30 de dezembro de 2015 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016 Em cumprimento do disposto no n.º 3 do artigo 7.º da Lei n.º

Leia mais

Novas regras para insolvência avançam em Maio, mas falta regular actividade dos gestores.

Novas regras para insolvência avançam em Maio, mas falta regular actividade dos gestores. Administradores de insolvência ainda sem estatuto Novas regras para insolvência avançam em Maio, mas falta regular actividade dos gestores. Económico, 23-04-12 As novas regras para o processo de insolvência

Leia mais

Simplificação nas PMEs

Simplificação nas PMEs Simplificação nas PMEs Aproveitamento das Novas Tecnologias DGITA Portal Declarações Electrónicas Dezembro 2007 Simplificação nas PMEs - Aproveitamento das Novas Tecnologias 1 Agenda O que é a DGITA? Estratégia

Leia mais

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Regulamenta o oferecimento e a aceitação do seguro garantia judicial para execução fiscal e seguro garantia parcelamento administrativo fiscal para

Leia mais

REGULAMENTO DE REGISTO E INSCRIÇÃO DOS ADVOGADOS PROVENIENTES DE OUTROS ESTADOS MEMBROS DA UNIÃO EUROPEIA

REGULAMENTO DE REGISTO E INSCRIÇÃO DOS ADVOGADOS PROVENIENTES DE OUTROS ESTADOS MEMBROS DA UNIÃO EUROPEIA REGULAMENTO DE REGISTO E INSCRIÇÃO DOS ADVOGADOS PROVENIENTES DE OUTROS ESTADOS MEMBROS DA UNIÃO EUROPEIA ARTIGO 1.º O presente Regulamento estabelece os requisitos de registo e inscrição na Ordem dos

Leia mais

Curso: Direito Processual Civil-Executivo.

Curso: Direito Processual Civil-Executivo. Curso: Direito Processual Civil-Executivo. Formadora: Luísa Maria Pinto Teixeira. Licenciatura em Direito. Mestrado em Direito Judiciário (Direitos Processuais e Organização Judiciária). 1 Módulo: Os sujeitos

Leia mais

Artigo 17º do RCP. Boas práticas processuais.

Artigo 17º do RCP. Boas práticas processuais. Artigo 17º do RCP Boas práticas processuais. O presente documento descreve a aplicação prática das alterações ao artigo 17º do RCP (cobrança do custo pelas consultas ao abrigo do 833ºA do CPC) Data: 20

Leia mais

Declaração de Praia 6.º Encontro das Associações Profissionais de Engenheiros Civis dos Países de Língua Oficial Portuguesa e Castelhana

Declaração de Praia 6.º Encontro das Associações Profissionais de Engenheiros Civis dos Países de Língua Oficial Portuguesa e Castelhana CONSELHO DAS ASSOCIAÇÕES PROFISSIONAIS DE ENGENHEIROS CIVIS DOS PAÍSES DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA E CASTELHANA Declaração de Praia 6.º Encontro das Associações Profissionais de Engenheiros Civis dos

Leia mais

VATWorld - Consultores Fiscais, S.A. Av. António Augusto de Aguiar, 130. 5º 1050-020 Lisboa. Portugal T. (+351) 213 104 040 F. (+351) 213 104 045 portugal@vatcompany.com vatcompany.com ESPECIALISTAS EM

Leia mais

Regulamento do Provedor do Cliente

Regulamento do Provedor do Cliente Vr5-0_Março/2016 Índice Artigo 1.º - Atribuições... 3 Artigo 2.º - Duração do mandato e incompatibilidades... 3 Artigo 3.º - Reclamações elegíveis para apreciação pelo Provedor do Cliente... 5 Artigo 4.º

Leia mais

DECRETO N.º 418/XII. Cria o Inventário Nacional dos Profissionais de Saúde

DECRETO N.º 418/XII. Cria o Inventário Nacional dos Profissionais de Saúde DECRETO N.º 418/XII Cria o Inventário Nacional dos Profissionais de Saúde A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objeto 1 - A

Leia mais

CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM (RECOMENDAÇÕES)

CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM (RECOMENDAÇÕES) CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM (RECOMENDAÇÕES) I. VOTAÇÃO E CONTROLO DA SOCIEDADE I.1. As sociedades devem incentivar os seus acionistas a participar e a votar nas assembleias gerais, designadamente

Leia mais

A acção executiva e o utente da justiça

A acção executiva e o utente da justiça A acção executiva e o utente da justiça A morosidade dos tribunais tornou-se num lugar-comum que, como tal, desculpa muitas das deficiências do sistema judicial. A morosidade passou, assim, a ser tomada

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças

Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças A Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã, através do seu Departamento Jurídico e Fiscal, presta auxílio a empresas

Leia mais

NOVOS RUMOS PARA A JUSTIÇA ADMINISTRATIVA BALANÇO DA 1.ª REAJA

NOVOS RUMOS PARA A JUSTIÇA ADMINISTRATIVA BALANÇO DA 1.ª REAJA NOVOS RUMOS PARA A JUSTIÇA ADMINISTRATIVA BALANÇO DA 1.ª REAJA COMISSÃO ORGANIZADORA DA 1.ª REAJA SUMÁRIO: Introdução. Propostas apresentadas na 1.ª REAJA: I Organização Judiciária; II Processo administrativo;

Leia mais

Apresentação PRO BONO PRO BONO

Apresentação PRO BONO PRO BONO Guia do Voluntário Apresentação A PRO BONO surgiu enquanto forma de aliar o mundo jurídico ao mundo do voluntariado; duas realidades que se desencontram no nosso dia-a-dia mas que acreditamos fazer sentido

Leia mais

Desformalização, eliminação e simplificação de actos

Desformalização, eliminação e simplificação de actos Desformalização, eliminação e simplificação de actos Em 5 de Julho de 2005, o Senhor Primeiro-Ministro apresentou o Programa de Investimentos em Infraestruturas Prioritárias. O projecto de Desmaterialização,

Leia mais

Plano de Atividades e Orçamento. Exercício de 2014

Plano de Atividades e Orçamento. Exercício de 2014 Plano de Atividades e Orçamento Exercício de 2014 Plano de Atividades e Orçamento para o exercício de 2014 Preâmbulo O Plano de Atividades do ano de 2014 foi elaborado de acordo com as expetativas dos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO Introdução O presente Regulamento foi concebido a pensar em si, visando o bom funcionamento da formação. Na LauTraining Formação e Consultoria, vai encontrar um ambiente de trabalho e de formação agradável

Leia mais

Processo de arbitragem n.º 78/2015. Sentença

Processo de arbitragem n.º 78/2015. Sentença Processo de arbitragem n.º 78/2015 Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA Março de 2015 4ª Edição Índice 1 O DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO... 3 1.1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA... 3 1.2. ESTRUTURA... 3 2 CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA

Leia mais

Política de Gestão de Reclamações

Política de Gestão de Reclamações Política de Gestão de Reclamações DECLARAÇÃO DE POLÍTICA A Popular Seguros considera cada reclamação como uma oportunidade de melhorar o serviço que presta aos seus Clientes, Colaboradores e Parceiros

Leia mais

NEWS TCC SROC Julho 2014

NEWS TCC SROC Julho 2014 Novidades Portal das Finanças - Certificação de Software Foi divulgado pelo despacho n.º 247/2014 de 30 Junho de 2014, a prorrogação para 1 de outubro de 2014 a obrigação de certificação de software de

Leia mais

São serviços de comunicações eletrónicas os serviços oferecidos mediante

São serviços de comunicações eletrónicas os serviços oferecidos mediante O que são serviços de comunicações eletrónicas? São serviços de comunicações eletrónicas os serviços oferecidos mediante remuneração e que consistem no envio de sinais através de redes de comunicações

Leia mais

O incumprimento por parte dos compradores, consequências e soluções, a perda de habitação e das poupança das famílias

O incumprimento por parte dos compradores, consequências e soluções, a perda de habitação e das poupança das famílias O incumprimento por parte dos compradores, consequências e soluções, a perda de habitação e das poupança das famílias Natália Nunes Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado CONFERÊNCIA HABITAÇÃO, ARRENDAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL Nota Justificativa O Município de Mirandela tem entendido como de interesse municipal as iniciativas empresariais de natureza

Leia mais

PROVA ESCRITA NACIONAL DO EXAME FINAL DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO (RNE)

PROVA ESCRITA NACIONAL DO EXAME FINAL DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO (RNE) ORDEM DOS ADVOGADOS CNEF / CNA Comissão Nacional de Estágio e Formação / Comissão Nacional de Avaliação PROVA ESCRITA NACIONAL DO EXAME FINAL DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO (RNE) Questões de Deontologia Profissional

Leia mais

FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE

FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE Câmara dos Solicitadores Colégio de Especialidade de Agentes de Execução Número 6/2012 Data: 06/03/2012 FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE Descrição: Comunicações com os tribunais e actualização estatística

Leia mais

9 de Junho 2014 Contencioso de Cobrança

9 de Junho 2014 Contencioso de Cobrança PROCEDIMENTO EXTRAJUDICIAL PRÉ-EXECUTIVO A Lei n.º 32/2014, de 30 de Maio, aprovou o procedimento extrajudicial pré-executivo (PEPEX), que visa a identificação de bens penhoráveis antes de ser instaurada

Leia mais

Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência. Abertura da 3.ª CONFERÊNCIA LUSO-ESPANHOLA DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA.

Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência. Abertura da 3.ª CONFERÊNCIA LUSO-ESPANHOLA DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA. Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência Abertura da 3.ª CONFERÊNCIA LUSO-ESPANHOLA DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA 28 novembro 2013 Senhor Presidente do Círculo dos Advogados Portugueses de Direito

Leia mais

Exma. Senhora Chefe do Gabinete de Sua Excelência a Presidente da Assembleia da República Dra. Noémia Pizarro RESPOSTA À PERGUNTA N.º 3484/XII/1.

Exma. Senhora Chefe do Gabinete de Sua Excelência a Presidente da Assembleia da República Dra. Noémia Pizarro RESPOSTA À PERGUNTA N.º 3484/XII/1. Exma. Senhora Chefe do Gabinete de Sua Excelência a Presidente da Assembleia da República Dra. Noémia Pizarro SUA REFERÊNCIA SUA COMUNICAÇÃO DE NOSSA REFERÊNCIA Nº: 5699 ENT.: 5369 PROC. Nº: DATA 31/07/2012

Leia mais

Caderno de apoio Master MASTER /// JURIS

Caderno de apoio Master MASTER /// JURIS Turma e Ano: Flex B ( 2014 ) Matéria/Aula : Direito Empresarial - Títulos de crédito em espécie e falência / aula 07 Professor: Wagner Moreira. Conteúdo: Ações Cambiais / Monitoria / Cédulas e Notas de

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS L 115/12 Jornal Oficial da União Europeia 27.4.2012 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DELEGADO (UE) N. o 363/2012 DA COMISSÃO de 23 de fevereiro de 2012 respeitante às normas processuais

Leia mais

«O vírus da fraude no SNS»... Para quando a vacina?

«O vírus da fraude no SNS»... Para quando a vacina? 1 GESTÃO DE FRAUDE > > Estão sob investigação 245 casos de fraude no Sistema Nacional de Saúde (SNS), os quais lesaram o Estado em 229 milhões de euros. O mesmo será dizer que todos os meses o SNS é lesado

Leia mais

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO INTERNA DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO INTERNA DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA REGULAMENTO DE FORMAÇÃO INTERNA DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA Qualquer processo formativo de qualidade exige medidas e instrumentos de normalização e controlo, que garantam desempenhos de excelência e correções

Leia mais

MANUAL DE APOIO. Processos de delimitação e de aprovação de Áreas de Reabilitação Urbana e de Operações de Reabilitação Urbana

MANUAL DE APOIO. Processos de delimitação e de aprovação de Áreas de Reabilitação Urbana e de Operações de Reabilitação Urbana MANUAL DE APOIO Processos de delimitação e de aprovação de Áreas de Reabilitação Urbana e de Operações de Reabilitação Urbana Abril de 2013 MANUAL DE APOIO Processos de delimitação e de aprovação de Áreas

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2º TRIMESTRE 2014

PLANO DE FORMAÇÃO 2º TRIMESTRE 2014 AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA O seu conhecimento em primeiro lugar! AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA INTRODUÇÃO No primeiro trimestre a Agência para a Modernização Administrativa

Leia mais

Síntese da Cooperação Bilateral com São Tomé e Príncipe na área da Justiça

Síntese da Cooperação Bilateral com São Tomé e Príncipe na área da Justiça Síntese da Cooperação Bilateral com São Tomé e Príncipe na área da Justiça Fevereiro 2015 SÍNTESE DA COOPERAÇÃO BILATERAL COM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE NA ÁREA DA JUSTIÇA O Ministério da Justiça tem apoiado,

Leia mais

Regulamento da Rede de Mentores

Regulamento da Rede de Mentores Regulamento da Rede de Mentores 1. Enquadramento A Rede de Mentores é uma iniciativa do Conselho Empresarial do Centro (CEC) e da Associação Industrial do Minho (AIMinho) e está integrada no Projeto Mentor

Leia mais

OBJECTIVOS PARA O BIÉNIO 2005/2006

OBJECTIVOS PARA O BIÉNIO 2005/2006 OBJECTIVOS PARA O BIÉNIO 2005/2006 Objectivos Gerais: Continuar a lutar pela criação de Emprego Científico; o Organizar uma nova conferência sobre o Emprego Científico; Exigir a regulamentação do novo

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

Desformalização, eliminação e simplificação de actos

Desformalização, eliminação e simplificação de actos Desformalização, eliminação e simplificação de actos Em 5 de Julho de 2005, o Senhor Primeiro-Ministro apresentou o Programa de Investimentos em Infraestruturas Prioritárias. O projecto de Desmaterialização,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2011

PROJETO DE LEI N.º, DE 2011 PROJETO DE LEI N.º, DE 2011 (Do Sr. Fábio Faria) Dispõe sobre a recuperação judicial do devedor pessoa física. O Congresso Nacional decreta: devedor pessoa física. Art. 1.º. Esta Lei estabelece a recuperação

Leia mais

ANEXO I ORDENS DE TRABALHO DAS REUNIÕES DO PLENÁRIO DA CPEE

ANEXO I ORDENS DE TRABALHO DAS REUNIÕES DO PLENÁRIO DA CPEE ANEXO I ORDENS DE TRABALHO DAS REUNIÕES DO PLENÁRIO DA CPEE Durante o ano de 2009, nas 8 (oito) reuniões de Plenário da CPEE os assuntos abordados e as matérias alvo de deliberação foram as constantes

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Ilustração de Antónia Tinturé Associação Zoófila Portuguesa, março de 2014 1 Índice Enquadramento... 2 Qualidade dos Serviços e gestão internaerro! Marcador não definido. Abrangência e divulgação... 7

Leia mais

Programa Local de Responsabilidade Social de Ferreira do Alentejo

Programa Local de Responsabilidade Social de Ferreira do Alentejo Regulamento do Programa Local de Responsabilidade Social de Preâmbulo O projeto Ferreira Solidária, financiado pelo Programa dos Contratos Locais de Desenvolvimento Social, prevê, no eixo 1, a implementação

Leia mais

Programa de Treinamento Judicial Internacional IJTP. Um Programa da Faculdade de Direito da Universidade da Géorgia

Programa de Treinamento Judicial Internacional IJTP. Um Programa da Faculdade de Direito da Universidade da Géorgia Programa de Treinamento Judicial Internacional IJTP Um Programa da Faculdade de Direito da Universidade da Géorgia Programa de Treinamento Judicial Internacional Por que Nos últimos anos, um número crescente

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS

Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS Globalmente, a Associação Industrial Portuguesa Câmara de Comércio e Indústria (AIP-CCI) considera positivo o Anteprojeto de Reforma do IRS efetuado

Leia mais

Vítor Caldeira. Presidente do Tribunal de Contas Europeu

Vítor Caldeira. Presidente do Tribunal de Contas Europeu Os Tribunais de Contas e os desafios do futuro Vítor Caldeira Presidente do Tribunal de Contas Europeu Sessão solene comemorativa dos 160 anos do Tribunal de Contas Lisboa, 13 de Julho de 2009 ECA/09/46

Leia mais

Marinho Pinto. O Ministério da Justiça está a ser usado para ajustes de contas

Marinho Pinto. O Ministério da Justiça está a ser usado para ajustes de contas Cavaco Silva convoca mandões da Justiça para Belém Marinho Pinto. O Ministério da Justiça está a ser usado para ajustes de contas De acordo com a Ordem dos Advogados, apenas 2238 processos estavam irregulares

Leia mais