Regimes de Custas desde 15/09/2003

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regimes de Custas desde 15/09/2003"

Transcrição

1 JORNADAS DE ESTUDO CONTA E ENCERRAMENTO DO PROCESSO Armando A Oliveira - Solicitador

2 Regimes de Custas desde 15/09/ de Setembro de 2003 Reforma da acção executiva Foi reduzido o valor da taxa de justiça inicial no processo executivo, mantendo-se no entanto as custas finais 1 de Janeiro de 2004 Alterações ao Código das Custas Judicias introduzidas pelo Decreto Lei 324/2003 Fixa as custas da execução em valor igual ao da taxa de justiça inicial 31 de Março de 2009 Nova reforma da acção executiva Altera e esclarece (em parte) quais as responsabilidade do AE, do Juiz e da Secretaria. Mantém-se o Código das Custas Judiciais 20 de Abril de 2009 Data da entrada em vigor do Regulamento das Custas Processuais

3 Contas O apuramento de responsabilidade do executado, feita pelo AE, momento em que este terá que notificar o exequente para os termos do artigo 25º do RCP, ou seja, para que o exequente reclame as custas de parte. A nota justificativa de custas parte do exequente, que este terá que notificar ao executado no prazo de 5 dias, juntando ao processo a nota justificativa e a prova da notificação; O Balanço de Custas feito pela secretaria (29º do RCP), que na prática só deverá ter resultado se existir algum apenso declarativo, incidente processual gerador de custas ou liquidação de juros compulsórios.

4 FLUXO O AE presume foi obtida a totalidade do pagamento Valor suficiente Pedido de balanço de custas nos termos do 29º Notificação às partes O AE elabora apuramento de responsabilidade Valor insuficiente O exequente junta Reclamação do Não há reclamação comprovativo de apuramento para o notificação de custas Juiz de parte Há reclamação do executado para o Juiz da nota justificativa Não há reclamação da nota justificativa Pagamento ao exequente O AE elabora novo apuramento Pagamento ao IGFPJ Fica a aguardar decisão do Juiz Notificação para prosseguimento da execução Fica a aguardar decisão do Juiz Restituição de excesso ao executado (após 81º do CPPT se proveiente de penhora) Notificação às partes para o prosseguimento da execução

5 Factores que influenciam a conta Apoio judiciário (do exequente ou executado); Decaimento resultante de sentença; Exequente sujeito passivo de iva com direito a dedução; Natureza dos juros (contratual, civil ou comercial) Alteração da taxa de IVA (passa a ser de 5%); Influi na tramitação pois - em alguns casos o pagamento dos honorários e despesas passa a ser feito pelo IGFPJ. Reduz o valor que o exequente tem direito a receber do executado a título de custas de parte. No apuramento de responsabilidade não deve ser incluído o IVA que o exequente suportou nos valores reclamados a título de custas de parte. Taxa de juro aplicável;

6 Factores que influenciam a conta Juros Compulsórios (sentença ou injunção); Imposto de selo sobre juros; Adiantamentos; Tem que ser liquidado juros à taxa de 5% que se destinam 50% ao exequente e 50% aos cofres (artigo ARTIGO 829º-A do Código Civil); No pedido de balanço de custas terá que ser feita referência a tal facto; Liquidação de imposto de selo de 4% quando se trate de Juros em operações realizadas por ou com intermediação de instituições de crédito (conferir ponto e da TGIS) Valores já entregues ao AE pelo exequente, pelo IGFPJ ou por credor reclamante.

7 Factores que influenciam a conta Natureza e origem dos valores recuperados Data da apresentação do processo Quando haja pagamento voluntário sem que haja bens penhorados; Quando haja pagamento voluntário e existam bens penhorados sem créditos reclamados; Quando haja pagamento voluntário e existam bens penhorados com créditos reclamados; Quando o pagamento resulte do produto da venda e existam créditos reclamados; Quando o pagamento é feito por terceiro; Influi no valor da taxa de justiça inicial; Regime legal aplicável;

8 Factores que influenciam a conta Actos praticados pelo AE e despesas por este suportadas Actos a praticar pelo AE e despesas que vão ter que ser suportadas Motivo pelo qual é elaborado o apuramento de responsabilidade; Identificação dos actos praticados pelo AE; Honorários ou despesas que devam ser suportados exclusivamente pelo exequente ou por algum das partes; Identificação dos actos que ainda vão ter que ser praticados com vista à extinção do processo e cancelamento das penhoras realizadas. Pedido de extinção da instância pelo exequente por pagamento; Insolvência; Falta de impulso processual; Pagamento voluntário; Produto da venda ou penhora; Oposição procedente; Pedido de adjudicação pelo exequente de créditos prosolvendo o que importa na projecção da divida futura.

9 Factores que influenciam a conta Fase processual; Influi na determinação do valor de honorários do Agente de Execução; Existência de oposição, reclamações ou outros excertos declarativos. Liquidação de prestações vencidas após ter sido instaurado o processo executivo Existência de créditos reclamados Pode haver lugar ao pagamento de valores ao IGFPJ; Terá que ser verificado periodicamente se o valor fixado como quantia exequenda ainda se mantém (por exemplo execução resultante de falta de pagamento de rendas em que terão ser calculadas as rendas vencidas até à entrega do arrendado) Resultando o pagamento do produto da venda, terá que ser pagos os credores graduados em 1º lugar;

10 Factores que influenciam a conta Valor foi recuperado de forma faseada Terá que ser calculado o juro por período; Alteração do regime de IVA Influi na conta de honorários pois Coligação de exequente e / ou executados; Pagamentos feito por depósito autónomo Havendo vários executados com responsabilidades individualizadas, torna-se necessário manter contas correntes individualizadas, bem assim pode haver lugar a apuramentos parciais, em que uma parte pode ser responsabilizada por determinados actos ou despesas ou fracções desses mesmos actos ou despesas. Terá que ser requerida a transferência de saldos depositados à ordem do IGFPJ

11 Notificação ao exequente Fica pela presente notificado(a) do apuramento de responsabilidade do executado, no qual já se inclui a remuneração devida ao Agente de Execução e as despesas efectuadas (1); Caso entenda que existem outros valores que devam integrar o apuramento de responsabilidade, deverá remeter, no prazo de CINCO DIAS (2), nota justificativa nos termos do artigo 25º do Regulamento das Custas Processuais, que deverá ser acompanhado do comprovativo de notificação à parte vencida. Sem prejuízo da remessa da nota discriminativa de custas de parte, deverá proceder ao pagamento do saldo (VALOR) resultante de honorários e despesas, no prazo de DEZ DIAS, por depósito (3) na conta com o NIB xxxxxxxxxxxxxx. (1) Nos termos do nº2 do artigo 13º da Portaria n.º 331-B/2009 de 30 de Março a referida nota integra custas de parte. (2) Reclamação deverá ser feita através do portal CITIUS, por requerimento dirigido ao Agente de Execução. (3) Solicita-se que, após o depósito da referida quantia, seja remetido o respectivo comprovativo de depósito.

12 Notificação ao executado para prosseguimento Fica pelo presente notificado do apuramento provisório de responsabilidade de executado, incluindo juros e remuneração devida ao Agente de Execução e as despesas efectuadas, verificando-se que subsiste um saldo devedor de XXXXX EUROS, que deverá ser pago no prazo de DEZ DIAS, por depósito na conta com o NIB xxxxxxxxxxxxxxxxxxx. Nos termos do artigo 919º do CPC a execução só se extingue após integral Nos termos do artigo 919º do CPC a execução só se extingue após integral pagamento da quantia em divida (incluindo juros e custas), pelo que, decorrido que seja o referido prazo sem que encontre pago o valor resultante do apuramento de responsabilidade, a execução prossegue, vendendo-se os bens já penhorados ou penhorando-se outros bens.

13 Requerimento para balanço de custas XXXX, Solicitador de Execução, vem pela presente comunicar que se encontra assegurado o pagamento da quantia exequenda e custas, cujo apuramento de responsabilidade se anexa. Resulta do apuramento de responsabilidade um saldo a favor dos Cofres de 173,98 Euros, cujo pagamento nesta data foi feito por DUC Nestes termos requer que ordena a elaboração do balanço de custas nos termos do disposto no artigo 29º do RCP. ED

TRAMITAÇÃO DO PROCESSO EXECUTIVO A CONTA EM DESENVOLVIMENTO (V2) 04/07/2010

TRAMITAÇÃO DO PROCESSO EXECUTIVO A CONTA EM DESENVOLVIMENTO (V2) 04/07/2010 ARMANDO A OLIVEIRA SOLICITADOR TRAMITAÇÃO DO PROCESSO EXECUTIVO A CONTA EM DESENVOLVIMENTO (V2) 04/07/2010 2111@solicitador.net Armando A Oliveira A CONTA I 1 I. INTRODUÇÃO O momento em que o AE deve proceder

Leia mais

Artigo 17º do RCP. Boas práticas processuais.

Artigo 17º do RCP. Boas práticas processuais. Artigo 17º do RCP Boas práticas processuais. O presente documento descreve a aplicação prática das alterações ao artigo 17º do RCP (cobrança do custo pelas consultas ao abrigo do 833ºA do CPC) Data: 20

Leia mais

FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE

FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE Câmara dos Solicitadores Colégio de Especialidade de Agentes de Execução Número 6/2012 Data: 06/03/2012 FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE Descrição: Comunicações com os tribunais e actualização estatística

Leia mais

ncpc 12 QUESTÕES SOBRE PRÁTICAS PROCESSUAIS NO (NOVO) CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Armando A. Oliveira 25 de junho de 2015

ncpc 12 QUESTÕES SOBRE PRÁTICAS PROCESSUAIS NO (NOVO) CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Armando A. Oliveira 25 de junho de 2015 ncpc 12 QUESTÕES SOBRE PRÁTICAS PROCESSUAIS NO (NOVO) CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Armando A. Oliveira 25 de junho de 2015 Interação entre A.E. e tribunal Um dos principais entraves ao regular funcionamento

Leia mais

Curso: Direito Processual Civil-Executivo.

Curso: Direito Processual Civil-Executivo. Curso: Direito Processual Civil-Executivo. Formadora: Luísa Maria Pinto Teixeira. Licenciatura em Direito. Mestrado em Direito Judiciário (Direitos Processuais e Organização Judiciária). 1 Módulo: Os sujeitos

Leia mais

Novas regras para insolvência avançam em Maio, mas falta regular actividade dos gestores.

Novas regras para insolvência avançam em Maio, mas falta regular actividade dos gestores. Administradores de insolvência ainda sem estatuto Novas regras para insolvência avançam em Maio, mas falta regular actividade dos gestores. Económico, 23-04-12 As novas regras para o processo de insolvência

Leia mais

Modelos artigo 15ºA da Portaria 331-B/2009

Modelos artigo 15ºA da Portaria 331-B/2009 Modelos artigo 15ºA da Portaria 331-B/2009 Implementação de actos específicos para cumprimento do disposto no artigo 15ºA da Portaria 331-B/2009 de 30 de Março. Proposta de modelos para SISAAE/GPESE e

Leia mais

9 de Junho 2014 Contencioso de Cobrança

9 de Junho 2014 Contencioso de Cobrança PROCEDIMENTO EXTRAJUDICIAL PRÉ-EXECUTIVO A Lei n.º 32/2014, de 30 de Maio, aprovou o procedimento extrajudicial pré-executivo (PEPEX), que visa a identificação de bens penhoráveis antes de ser instaurada

Leia mais

A CONTA. de Execução

A CONTA. de Execução A CONTA Honorários e despesas do Agente de Execução Armando Oliveira Solicitador INTRODUÇÃO A portaria 331-B/ B/2009, de 30 de Março regulamenta, entre outras matérias, os honorários do Agente de Execução,

Leia mais

ACTA DE REUNIÃO DE TRABALHO

ACTA DE REUNIÃO DE TRABALHO NOME José Henrique Delgado Carvalho Teresa Maria de Melo Madail Manuel Nunes Ferreira Fernando J. F. Brites Maria Manuela Araújo Novais Estrela Celeste Simões Agentes de Execução INTERVENIENTES FUNÇÃO

Leia mais

Regulamento da Caixa de Compensações S. E.

Regulamento da Caixa de Compensações S. E. Regulamento da Caixa de Compensações S. E. (processos anteriores à entrada em vigor do Decreto Lei n.º 226/2008 de 20 de Novembro) Preâmbulo: A gestão da caixa de compensações é essencial para assegurar

Leia mais

A conta no processo executivo. SEMINÁRIO O Novo Paradigma do Processo Civil

A conta no processo executivo. SEMINÁRIO O Novo Paradigma do Processo Civil A conta no processo executivo Breves Nótulas da comunicação SEMINÁRIO O Novo Paradigma do Processo Civil Espinho, 29 de Novembro de 2013 JOEL TIMÓTEO RAMOS PEREIRA Juiz de Direito de Círculo Juiz Secretário

Leia mais

Suspensão e extinção da instância executiva. Boas práticas no processo executivo

Suspensão e extinção da instância executiva. Boas práticas no processo executivo 0 Suspensão e extinção da instância executiva Boas práticas no processo executivo Analisa-se a tramitação do processo executivo no que tange à suspensão e extinção da instância executiva. Classificação

Leia mais

Guia prático de procedimentos para os. Administradores de Insolvência.

Guia prático de procedimentos para os. Administradores de Insolvência. Guia prático de procedimentos para os Administradores de Insolvência. Índice Introdução 1. Requerimentos 2. Apreensão de bens 2.1. Autos de apreensão de bens 2.2. Apreensão de vencimento 2.3. Apreensão

Leia mais

LIQUIDAÇÃO JUDICIAL MEIOS DISPONÍVEIS PARA SUA EFECTIVAÇÃO - Execução vs Insolvência

LIQUIDAÇÃO JUDICIAL MEIOS DISPONÍVEIS PARA SUA EFECTIVAÇÃO - Execução vs Insolvência CONFERÊNCIA LIQUIDAÇÃO JUDICIAL MEIOS DISPONÍVEIS PARA SUA EFECTIVAÇÃO - Execução vs Insolvência 1. Indicação da Modalidade de Venda 2. Venda por propostas em carta fechada 3. Adjudicação e seus efeitos

Leia mais

AGILIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE PENHORA

AGILIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE PENHORA AGILIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE PENHORA Carla Mascarenhas 16 de Abril de 2009 A fase de penhora PROGRAMA Consultas e diligências prévias Ordem da realização da penhora Procedimento da penhora de bens Imóveis

Leia mais

Preçário GE CONSUMER FINANCE, I.F.I.C., INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, SA. Instituição Financeira de Crédito

Preçário GE CONSUMER FINANCE, I.F.I.C., INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, SA. Instituição Financeira de Crédito Preçário GE CONSUMER FINANCE, I.F.I.C., INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, SA Instituição Financeira de Crédito Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da GE Consumer Finance,

Leia mais

Decreto n.º 24/01 De 12 de Abril

Decreto n.º 24/01 De 12 de Abril Decreto n.º 24/01 De 12 de Abril Considerando que pelos serviços prestados pelo Tribunal de Contas e pela sua Direcção dos serviços Técnicos, em conformidade com o disposto no n.º 1 do artigo 43.º,da lei

Leia mais

Março é mês de pagamento especial por conta

Março é mês de pagamento especial por conta Março é mês de pagamento especial por conta Ao contrário do que constava da proposta de lei, não se verificam grandes alterações no regime fiscal dos pagamentos especiais por conta em consequência da reforma

Leia mais

ACÇÃO EXECUTIVA PENHORA DE IMÓVEIS. Armando A Oliveira Agente de Execução

ACÇÃO EXECUTIVA PENHORA DE IMÓVEIS. Armando A Oliveira Agente de Execução ACÇÃO EXECUTIVA PENHORA DE IMÓVEIS Armando A Oliveira Agente de Execução Parecendo, à primeira vista, uma forma simples de assegurar o pagamento do crédito, há que ter em consideração que a penhora de

Leia mais

Recuperação de IVA em créditos incobráveis ou de cobrança duvidosa

Recuperação de IVA em créditos incobráveis ou de cobrança duvidosa Recuperação de IVA em créditos incobráveis ou de cobrança duvidosa Acção executiva, meios extra-judiciais e recuperação do IVA - Fundação Francisco Manuel dos Santos 13 de Maio de 2013 Base Comunitária

Leia mais

Deliberação do Conselho Geral da Câmara dos Solicitadores de 07/01/2011

Deliberação do Conselho Geral da Câmara dos Solicitadores de 07/01/2011 Deliberação do Conselho Geral da Câmara dos Solicitadores de 07/01/2011 Considerando que: a) Quando um agente de execução cessa funções é essencial transferir os bens de que seja fiel depositário e apurar

Leia mais

Preçário FCE BANK PLC BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 23-set-2015

Preçário FCE BANK PLC BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 23-set-2015 Preçário FCE BANK PLC BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo da FCE BANK PLC, contém o Folheto de Comissões e Despesas (que incorpora

Leia mais

CÓDIGO DAS CUSTAS JUDICIAIS

CÓDIGO DAS CUSTAS JUDICIAIS Cláudio Ximenes CÓDIGO DAS CUSTAS JUDICIAIS Aprovado pelo Decreto-Lei 16/2011, de 13 de Abril Tribunal de Recurso 2011 ÍNDICE Decreto-Lei n.º 16/2011, de 13 de Abril CÓDIGO DAS CUSTAS JUDICIAIS TÍTULO

Leia mais

RERD. Regime Excecional de Regularização de Dívidas Fiscais e à Segurança Social FAQS

RERD. Regime Excecional de Regularização de Dívidas Fiscais e à Segurança Social FAQS RERD Regime Excecional de Regularização de Dívidas Fiscais e à Segurança Social FAQS Nota: As questões e respostas aqui indicadas destinam-se a exemplificar a aplicação prática do regime excecional de

Leia mais

Penhoras por meios electrónicos

Penhoras por meios electrónicos Penhoras por meios electrónicos nicos Pedro Amorim pedro.amorim@lusolegal.pt Conferência da CTOC 13 e 14 de Julho de 2007 Enquadramento A função da penhora Sumário Ordem dos bens penhoráveis Formalismos

Leia mais

RECLAMAÇÃO DE CRÉDITOS

RECLAMAÇÃO DE CRÉDITOS RECLAMAÇÃO DE CRÉDITOS Natureza e finalidade do Processo Reclamações de créditos Impugnações de créditos Sentença de verificação e graduação Classes de créditos Artigo 1.º Finalidade do processo de insolvência

Leia mais

A Breve referência à Filosofia da Venda Executiva mediante Negociação particular

A Breve referência à Filosofia da Venda Executiva mediante Negociação particular 67 A Breve referência à Filosofia da Venda Executiva mediante Negociação particular 67 Página 65 de 224 O capítulo segundo foi epigrafado com o título Ontologia da venda executiva por negociação particular.

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA 4004 Diário da República, 1.ª série N.º 131 10 de julho de 2013 c) Entidades formadoras certificadas; d) Instalações certificadas. Artigo 107.º Contagem de prazos À contagem dos prazos administrativos

Leia mais

DECRETO N 28.265, DE 05 DE JUNHO DE 2006

DECRETO N 28.265, DE 05 DE JUNHO DE 2006 DECRETO N 28.265, DE 05 DE JUNHO DE 2006 05/06/2006 * Publicado no DOE em 08/06/2006. Regulamenta a Lei nº 13.707, de 7 de dezembro de 2005, que trata da compensação de crédito tributário com precatórios

Leia mais

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO Artigo 77.º Serviço de finanças competente 1 - Para efeitos do cumprimento das obrigações do presente diploma, considera-se serviço de finanças competente o da área fiscal onde o sujeito passivo tiver

Leia mais

A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA)

A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Informação n.º 2/2013_Revista 22/novembro/2013 CRÉDITOS INCOBRÁVEIS E EM MORA IVA e IRC A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Regularização do IVA 1. Créditos vencidos até 31/12/2012 e

Leia mais

(VAR2) Não se aplica. Não se aplica. Não se aplica. Não se aplica. Cartão de Crédito BBVA Private. Cartão de Crédito com Período de Free-Float

(VAR2) Não se aplica. Não se aplica. Não se aplica. Não se aplica. Cartão de Crédito BBVA Private. Cartão de Crédito com Período de Free-Float FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação 1.2. Endereço

Leia mais

PROJECTO CITIUS DESMATERIALIZAÇÃO DE PROCESSOS EM TRIBUNAL. CITIUS Entrega de Peças Processuais

PROJECTO CITIUS DESMATERIALIZAÇÃO DE PROCESSOS EM TRIBUNAL. CITIUS Entrega de Peças Processuais PROJECTO CITIUS DESMATERIALIZAÇÃO DE PROCESSOS EM TRIBUNAL CITIUS Entrega de Peças Processuais O CITIUS Entrega de Peças Processuais é uma ferramenta que permite ao advogado/solicitador relacionar-se com

Leia mais

TRIBUNAL JUDICIAL DE lousabqstânciacentral _SECÇÃO DE EXECUÇÃO

TRIBUNAL JUDICIAL DE lousabqstânciacentral _SECÇÃO DE EXECUÇÃO -- uj'liubpnal JUDICIAL TRIBUNAL JUDICIAL DE lousabqstânciacentral _SECÇÃO DE EXECUÇÃO!, 3 O. SET 2 O 14 ENTRADA N.o)2. o:xs-j PROVIMENTO n" 2/2014 OFiCIAL DE J. ~ Na sequência da entrada em vigor do novo

Leia mais

Comissões IVA. Acresce Imposto. Valor Com Imposto IS Cont. Mad. Aç. Cont. Mad. Aç. Comissões Iniciais -- -- 23% 22% 18% 24,60 24,40 23,60

Comissões IVA. Acresce Imposto. Valor Com Imposto IS Cont. Mad. Aç. Cont. Mad. Aç. Comissões Iniciais -- -- 23% 22% 18% 24,60 24,40 23,60 2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (CLIENTES PARTICULARES) - FOLHETO DE COMSÕES E DESPESAS Entrada em vigor: 17-agosto-2015 2.1. Crédito à Habitação e Contratos Conexos - Crédito Habitação para Residentes [2.1.20150922.18]

Leia mais

Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças

Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças A Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã, através do seu Departamento Jurídico e Fiscal, presta auxílio a empresas

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA JUSTIÇA

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA JUSTIÇA 2318-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 75 17 de Abril de 2009 MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA JUSTIÇA Portaria n.º 419-A/2009 de 17 de Abril O Decreto -Lei n.º 34/2008, de

Leia mais

Alterações ao Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas

Alterações ao Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas Alterações ao Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas O Governo divulgou recentemente um conjunto de medidas de revisão e aperfeiçoamento do atual Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas,

Leia mais

REGIME E TABELA DE EMOLUME TOS DO TRIBU AL DE CO TAS. CAPÍTULO I Disposições Gerais. ARTIGO 1. (Emolumentos e encargos)

REGIME E TABELA DE EMOLUME TOS DO TRIBU AL DE CO TAS. CAPÍTULO I Disposições Gerais. ARTIGO 1. (Emolumentos e encargos) REGIME E TABELA DE EMOLUME TOS DO TRIBU AL DE CO TAS CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO 1. (Emolumentos e encargos) 1. Pelos serviços prestados pelo Tribunal de Contas e pela Direcção dos serviços Técnicos

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do BANCO PRIMUS, SA, contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

Preçário SOFINLOC - INSTITUICAO FINANCEIRA DE CREDITO, SA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS

Preçário SOFINLOC - INSTITUICAO FINANCEIRA DE CREDITO, SA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Preçário SOFINLOC - INSTITUICAO FINANCEIRA DE CREDITO, SA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Entrada em vigor: 1-out-2015

Leia mais

Preçário INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 11-09-2014

Preçário INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 11-09-2014 Preçário INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 11-09-2014 Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 03-08-2015 O Preçário

Leia mais

Prática Processual Civil II 7 Julho de 2006. Considere a hipótese seguinte e responda às questões colocadas:

Prática Processual Civil II 7 Julho de 2006. Considere a hipótese seguinte e responda às questões colocadas: Prática Processual Civil II 7 Julho de 2006 Considere a hipótese seguinte e responda às questões colocadas: Numa acção executiva baseada em sentença proferida em 20/01/2006 (que julgou a acção totalmente

Leia mais

NEWSLETTER Dezembro 2013. Dedutibilidade do imposto de. créditos considerados incobráveis e dedutibilidade do imposto de créditos de cobrança duvidosa

NEWSLETTER Dezembro 2013. Dedutibilidade do imposto de. créditos considerados incobráveis e dedutibilidade do imposto de créditos de cobrança duvidosa NEWSLETTER Dezembro 2013 Dedutibilidade do imposto de créditos considerados incobráveis e dedutibilidade do imposto de créditos de cobrança duvidosa 2 Dedutibilidade imposto de créditos de cobrança duvidosa

Leia mais

"RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS" Francisco Duarte Administrador de Insolvência

RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS Francisco Duarte Administrador de Insolvência "RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS" Francisco Duarte Administrador de Insolvência PROCESSO DE INSOLVÊNCIA FINALIDADE: Liquidação do património de um devedor insolvente, e repartição do respectivo produto, resultante

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do BANCO PRIMUS, SA, contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ DECRETO N. 4.489

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ DECRETO N. 4.489 Publicado no Diário Oficial Nº 8708 de 08/05/2012 O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso V, da Constituição Estadual, e considerando o disposto na Lei

Leia mais

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A TRIBUTÁRIO 16/11/2015 ICMS - Regulamentação do Programa Especial de Parcelamento do Estado de São Paulo PEP Reduções Com base na autorização do Convênio ICMS 117/2015, de 07 de outubro de 2015, no último

Leia mais

PRÁTICA EXTEMPORÂNEA DE ACTOS PROCESSUAIS PENAIS

PRÁTICA EXTEMPORÂNEA DE ACTOS PROCESSUAIS PENAIS PRÁTICA EXTEMPORÂNEA DE ACTOS PROCESSUAIS PENAIS Artº. 107º nº. 5 e 107º A do CPP 145º do CPC APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA SANÇÃO PELA PRÁTICA EXTEMPORÂNEA DE

Leia mais

Preçário SOFINLOC - INSTITUICAO FINANCEIRA DE CREDITO, SA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS

Preçário SOFINLOC - INSTITUICAO FINANCEIRA DE CREDITO, SA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Preçário SOFINLOC - INSTITUICAO FINANCEIRA DE CREDITO, SA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO O Preçário completo da Sofinloc

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS DA ASSOCIAÇÃO MUTUALISTA TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS DA ASSOCIAÇÃO MUTUALISTA TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS DA ASSOCIAÇÃO MUTUALISTA TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA CAPÍTULO I Dos associados Secção I Das condições gerais de inscrição Artigo 1º (Inscrição) 1 - Poderão ser inscritos neste Regulamento

Leia mais

A) Actos Judiciais. Funções da citação e da notificação

A) Actos Judiciais. Funções da citação e da notificação 1 PT A) Actos Judiciais Funções da citação e da notificação A citação é o acto pelo qual se dá conhecimento ao réu de que foi proposta contra ele determinada acção e se chama ao processo para se defender.

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN N 643, DE 1º DE ABRIL DE 2009

MINISTÉRIO DA FAZENDA Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN N 643, DE 1º DE ABRIL DE 2009 MINISTÉRIO DA FAZENDA Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN N 643, DE 1º DE ABRIL DE 2009 Regulamenta as medidas de estímulo à liquidação ou renegociação de dívidas originárias de operações

Leia mais

Intervenção proferida na Universidade Lusíada em 31 de Maio de 2013. 2

Intervenção proferida na Universidade Lusíada em 31 de Maio de 2013. 2 novidades na Acção Executiva 1 Sérgio Castanheira 2 Começo por agradecer o convite que me foi feito pela Universidade Lusíada, na pessoa do Sr. Conselheiro Cardona Ferreira, para estar presente nesta conferência,

Leia mais

A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO B. DESCRIÇÃO DAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO CRÉDITO

A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO B. DESCRIÇÃO DAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO CRÉDITO FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação Banco Bilbao

Leia mais

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES)

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) 2.1. Crédito à habitação e contratos conexos Crédito Habitação Para aquisição, construção e obras para habitação própria, secundária ou arrendamento, crédito sinal, transferências; multisoluções com a

Leia mais

PORTAL CITIUS NOVAS TECNOLOGIAS AO SERVIÇO DOS CIDADÃOS, DAS EMPRESAS E DA JUSTIÇA

PORTAL CITIUS NOVAS TECNOLOGIAS AO SERVIÇO DOS CIDADÃOS, DAS EMPRESAS E DA JUSTIÇA PORTAL CITIUS NOVAS TECNOLOGIAS AO SERVIÇO DOS CIDADÃOS, DAS EMPRESAS E DA JUSTIÇA Perguntas & Respostas 10 de Setembro de 2009 1. O que é o Portal CITIUS? (www.citius.mj.pt) O Portal CITIUS é um novo

Leia mais

Ações de formação Julho 2014 PEPEX. Lei n.º 32/2014 de 30 de maio LEILÃO ELETRÓNICO. Lei n.º 41/2013 de 26 de junho

Ações de formação Julho 2014 PEPEX. Lei n.º 32/2014 de 30 de maio LEILÃO ELETRÓNICO. Lei n.º 41/2013 de 26 de junho Ações de formação Julho 2014 PEPEX Lei n.º 32/2014 de 30 de maio LEILÃO ELETRÓNICO Lei n.º 41/2013 de 26 de junho GENERALIDADES O PEPEX, abreviatura de Procedimento Extrajudicial Pré-Executivo, pode ser

Leia mais

Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA

Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto das Comissões

Leia mais

Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I. Disposições comuns. Artigo 1. Objeto. Artigo 2.

Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I. Disposições comuns. Artigo 1. Objeto. Artigo 2. Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I Disposições comuns Artigo 1. Objeto O presente despacho normativo regulamenta os pedidos de reembolso de imposto sobre o valor

Leia mais

Preçário FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 23-10-2013 FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 01-07-2014

Preçário FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 23-10-2013 FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 01-07-2014 Preçário FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 23-10-2013 FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 01-07-2014 O Preçário completo da Orey Financial, Instituição Financeira

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 14 de janeiro de 2015. Série. Número 8

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 14 de janeiro de 2015. Série. Número 8 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 14 de janeiro de 2015 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DO PLANO E FINANÇAS Despacho n.º 12/2015 Aprova as tabelas de retenção na fonte em sede de

Leia mais

REFORMA DA ACÇÃO EXECUTIVA RESUMO DE PROCEDIMENTOS FASE 1

REFORMA DA ACÇÃO EXECUTIVA RESUMO DE PROCEDIMENTOS FASE 1 REFORMA DA ACÇÃO EXECUTIVA RESUMO DE PROCEDIMENTOS FASE 1 Versão 0.0.1 Data: 03 de Abril de 2009 Apresentação em Braga a 30/04/2009 Armando A Oliveira 1 1 INTRODUÇÃO O Decreto-lei n.º 226/2008 20 de Novembro

Leia mais

Melhim Namem Chalhub Jurista especializado em Direito Imobiliário. Rio de Janeiro 6 de Setembro 2015

Melhim Namem Chalhub Jurista especializado em Direito Imobiliário. Rio de Janeiro 6 de Setembro 2015 Melhim Namem Chalhub Jurista especializado em Direito Imobiliário Rio de Janeiro 6 de Setembro 2015 NOVO SISTEMA E GARANTIAS NO BRASIL Lei 9.514/1997 Propriedade fiduciária Garantia dos financiamentos

Leia mais

Projeto de Decreto-Lei de regulamentação do Balção Nacional do Arrendamento. Preâmbulo

Projeto de Decreto-Lei de regulamentação do Balção Nacional do Arrendamento. Preâmbulo Projeto de Decreto-Lei de regulamentação do Balção Nacional do Arrendamento Preâmbulo A Lei n.º 31/2012, de 27 de fevereiro aprovou medidas destinadas a dinamizar o mercado de arrendamento urbano, alterando

Leia mais

Preçário. CrediAgora, Instituição Financeira de Crédito, S.A. Instituição Financeira de Crédito

Preçário. CrediAgora, Instituição Financeira de Crédito, S.A. Instituição Financeira de Crédito Preçário CrediAgora, Instituição Financeira de Crédito, S.A Instituição Financeira de Crédito Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo

Leia mais

Visão panorâmica do processo falimentar. O processo de falência tem 3 fases:

Visão panorâmica do processo falimentar. O processo de falência tem 3 fases: FALÊNCIA (LEI 11.101/05) Visão panorâmica do processo falimentar O processo de falência tem 3 fases: 1. Fase pré falencial Vai da petição inicial até a sentença, já que até antes da sentença ainda não

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0765/12 Data do Acordão: 01-08-2012 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: ISABEL MARQUES DA SILVA Descritores: EXECUÇÃO FISCAL RECLAMAÇÃO ORDEM PENHORA HIPOTECA VOLUNTÁRIA TERCEIRO Sumário:

Leia mais

BREVE NOTA SOBRE A CITAÇÃO EDITAL E EDITAIS DE VENDA PROCESSOS POSTERIORES A 31/03/2010 V1.0 15/06/2010

BREVE NOTA SOBRE A CITAÇÃO EDITAL E EDITAIS DE VENDA PROCESSOS POSTERIORES A 31/03/2010 V1.0 15/06/2010 ARMANDO A OLIVEIRA SOLICITADOR BREVE NOTA SOBRE A CITAÇÃO EDITAL E EDITAIS DE VENDA PROCESSOS POSTERIORES A 31/03/2010 V1.0 15/06/2010 2111@solicitador.net 1. Resumo Breve nota sobre o novo regime de publicidade

Leia mais

Novas regras na habitação

Novas regras na habitação Novas regras na habitação PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 7 DE JANEIRO DE 2013 POR JM A lei n.º 59/2012, de novembro, cria salvaguardas para os mutuários de crédito à habitação e altera o decreto-lei

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 2.220/13.9 TBVNG 5º Juízo Cível Insolventes: PEDRO MANUEL LOPES DE ALMEIDA E CARLA LILIANA DAMAS BESSA MIRANDA DE ALMEIDA Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente

Leia mais

AÇÃO EXECUTIVA UMA ABORDAGEM PRATICA S E I S M E S E S A P O S A E N T R A D A E M V I G O R D O PEPEX

AÇÃO EXECUTIVA UMA ABORDAGEM PRATICA S E I S M E S E S A P O S A E N T R A D A E M V I G O R D O PEPEX AÇÃO EXECUTIVA UMA ABORDAGEM PRATICA S E I S M E S E S A P O S A E N T R A D A E M V I G O R D O PEPEX J OÃO B A S I L I O / D E L E G AÇ Õ E S C D L / OA A M A D O R A M A I O 20 1 5 TEMAS ATUAIS RELEMBRAR

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto de e Despesas: 01-set-2015 Data de Entrada em vigor do

Leia mais

DO EQUIVALENTE EM DINHEIRO ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA NAS AÇÕES DE DEPÓSITO EM CONTRATOS DE. ROGERIO DE OLIVEIRA SOUZA Juiz de Direito TJ/RJ

DO EQUIVALENTE EM DINHEIRO ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA NAS AÇÕES DE DEPÓSITO EM CONTRATOS DE. ROGERIO DE OLIVEIRA SOUZA Juiz de Direito TJ/RJ DO EQUIVALENTE EM DINHEIRO NAS AÇÕES DE DEPÓSITO EM CONTRATOS DE ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA ROGERIO DE OLIVEIRA SOUZA Juiz de Direito TJ/RJ O Decreto-Lei 911, de 01.10.1969, deu nova redação ao art. 66 da Lei

Leia mais

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem Gastos e operações com o pessoal Os recursos humanos implicam gastos: Remunerações fixas e/ou variáveis recebidas pelos trabalhadores vinculados à empresa por contrato individual de trabalho; Remunerações

Leia mais

INCIDENTE DE QUALIFICAÇÃO (Arts. 185 a 191 do CIRE)

INCIDENTE DE QUALIFICAÇÃO (Arts. 185 a 191 do CIRE) INCIDENTE DE QUALIFICAÇÃO (Arts. 185 a 191 do CIRE) Artigo 185.º Tipos de insolvência A insolvência é qualificada como culposa ou fortuita, mas a qualificação atribuída não é vinculativa para efeitos da

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 96/2013 de 3 de Outubro de 2013

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 96/2013 de 3 de Outubro de 2013 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 96/2013 de 3 de Outubro de 2013 Considerando a necessidade do Governo dos Açores continuar a potenciar a competitividade e crescimento sustentado

Leia mais

Prática Processual Civil. 1º Curso de Estágio de 2011 Ana Alves Pires Advogada Formadora OA

Prática Processual Civil. 1º Curso de Estágio de 2011 Ana Alves Pires Advogada Formadora OA Prática Processual Civil Ana Alves Pires Advogada Formadora OA 1 I. Actos das partes Prazos processuais II. Contagem dos prazos III. Prazo supletivo legal IV. Modalidades de prazos: peremptório e dilatório

Leia mais

MANUAL DE PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A ACÇÃO EXECUTIVA

MANUAL DE PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A ACÇÃO EXECUTIVA MANUAL DE PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A ACÇÃO EXECUTIVA ÍNDICE Perguntas e Respostas sobre a Acção Executiva I. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 1. ÂMBITO DE APLICAÇÃO MATERIAL 1. A que acções executivas se aplica

Leia mais

Acordo Referente aos Serviços de Pagamento do Correio

Acordo Referente aos Serviços de Pagamento do Correio Acordo Referente aos Serviços de Pagamento do Correio Os abaixo-assinados, Plenipotenciários dos Governos dos Países membros da União, face ao disposto no parágrafo 4 do artigo 22.º da Constituição da

Leia mais

II. Contrato Principal: o documento contratual, seus aditivos e anexos, que especificam as obrigações e direitos do segurado e do tomador.

II. Contrato Principal: o documento contratual, seus aditivos e anexos, que especificam as obrigações e direitos do segurado e do tomador. SEGURO-GARANTIA - CONDIÇÕES GERAIS Este seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador no contrato principal, firmado com o segurado, conforme os termos da apólice. I. Seguro-Garantia:

Leia mais

Portaria. Gabinete da Ministra da Justiça Praça do Comércio, 1149-019 Lisboa, PORTUGAL TEL + 351 21 322 23 00 EMAIL gmj@mj.gov.pt www.portugal.gov.

Portaria. Gabinete da Ministra da Justiça Praça do Comércio, 1149-019 Lisboa, PORTUGAL TEL + 351 21 322 23 00 EMAIL gmj@mj.gov.pt www.portugal.gov. Portaria O Memorando de Entendimento sobre as Condicionalidades de Política Económica, celebrado entre a República Portuguesa e o Banco Central Europeu, a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional,

Leia mais

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 2.1. Crédito à habitação e contratos conexos Crédito Habitação Para Aquisição, Construção, Obras e Aquisição de Terreno para Habitação Própria, Secundária ou Arrendamento, Crédito Sinal, Transferências;

Leia mais

NORMA DE PAGAMENTOS. Componente FEDER

NORMA DE PAGAMENTOS. Componente FEDER NORMA DE PAGAMENTOS Componente A PRESENTE NORMA DE PAGAMENTOS APLICA-SE AOS PEDIDOS DE PAGAMENTOS A FORMALIZAR (APÓS 18-01-2013) E AINDA AOS QUE SE ENCONTRAM EM ANÁLISE NO IDE- RAM, NO ÂMBITO DO SISTEMAS

Leia mais

Preçário. CrediAgora, Instituição Financeira de Crédito, S.A. Instituição Financeira de Crédito

Preçário. CrediAgora, Instituição Financeira de Crédito, S.A. Instituição Financeira de Crédito Preçário CrediAgora, Instituição Financeira de Crédito, S.A Instituição Financeira de Crédito Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos simples, não à ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos simples, não à ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Prazo Mobilização Antecipada Poupança Habitação Geral Clientes Particulares com mais de 30 anos. Depósito constituído em regime especial. 12 meses Após o decurso

Leia mais

PENHORA ON LINE. Noções Introdutórias

PENHORA ON LINE. Noções Introdutórias PENHORA ON LINE Noções Introdutórias Caracterizada como ato específico da ação de execução por quantia certa contra devedor solvente, a penhora nada mais é do que um ato executório, uma vez que produz

Leia mais

COBRANÇAS ELECTRÓNICAS EM ESPANHA

COBRANÇAS ELECTRÓNICAS EM ESPANHA COBRANÇAS ELECTRÓNICAS EM ESPANHA www.millenniumbcp.pt https://corp.millenniumbcp.pt 002.002.1320 Índice 1. Caracterização do Serviço Pág. 3 2. Posicionamento em termos de oferta Pág. 4 3. Como Funciona?

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/espolio.htm

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/espolio.htm Page 1 of 9 Espólio - Contribuinte Falecido CONCEITO 085 O que é espólio? Espólio é o conjunto de bens, direitos e obrigações da pessoa falecida. É contribuinte distinto do meeiro, herdeiros e legatários.

Leia mais

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. 2 Definição Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. Partes Seguradora - Sociedade de seguros garantidora,

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0715/09 Data do Acordão: 18-11-2009 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO JORGE LINO PENHORA GARANTIA REAL REGISTO TERCEIRO

Leia mais

ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE

ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE 6 de Junho de 2006 Nome: N.º Leia atentamente as questões

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRADORA DE INSOLVÊNCIA

RELATÓRIO DA ADMINISTRADORA DE INSOLVÊNCIA RELATÓRIO DA ADMINISTRADORA DE INSOLVÊNCIA (elaborado nos termos do art.155º do C.I.R.E.) Notas prévias: Publicação do extracto do anúncio na Imprensa Nacional Casa da Moeda em 03-08-2010 1. INSOLVENTE:

Leia mais

Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA

Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo da Cofidis, contém

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO PREPARAÇÃO PARA O EXAME DE ADMISSÃO A ESTÁGIO DE AGENTES DE EXECUÇÃO

PÓS-GRADUAÇÃO PREPARAÇÃO PARA O EXAME DE ADMISSÃO A ESTÁGIO DE AGENTES DE EXECUÇÃO Coordenadora: Prof.ª Mestre Cláudia Boloto Secretário Pedagógico: Prof. Dr. Jorge Gregório Corpo Docente: Prof.ª Mestre Cláudia Boloto PÓS-GRADUAÇÃO PREPARAÇÃO PARA O EXAME DE ADMISSÃO A ESTÁGIO DE AGENTES

Leia mais

ACÇÃO EXECUTIVA VERSUS INSOLVÊNCIA CONFERÊNCIA

ACÇÃO EXECUTIVA VERSUS INSOLVÊNCIA CONFERÊNCIA CONFERÊNCIA ACÇÃO EXECUTIVA VERSUS INSOLVÊNCIA 1. Concessão de Crédito 2. Reestruturação de Crédito 3. Recuperação de Crédito 3.1. Acção executiva 3.2. Insolvência BANCO CONCESSÃO DE CRÉDITO RELAÇÃO COMERCIAL

Leia mais

CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL

CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Hay Management COMUNICAÇÃO Consultants C REFORMA DA AÇÃO EXECUTIVA NO NOVO Implementação de um Sistema de Planos de Carreira e Desenvolvimento Profissional CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL - Proposta de Colaboração

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA

PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA INÍCIO análise inicial Verificar a existência de demonstrativo de débito e contrato

Leia mais

Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. GUIA DE SEGURO GARANTIA PARA CONSULTA FENSEG QUEM SÃO AS PARTES Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Leia mais