Ações de formação Julho 2014 PEPEX. Lei n.º 32/2014 de 30 de maio LEILÃO ELETRÓNICO. Lei n.º 41/2013 de 26 de junho

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ações de formação Julho 2014 PEPEX. Lei n.º 32/2014 de 30 de maio LEILÃO ELETRÓNICO. Lei n.º 41/2013 de 26 de junho"

Transcrição

1 Ações de formação Julho 2014 PEPEX Lei n.º 32/2014 de 30 de maio LEILÃO ELETRÓNICO Lei n.º 41/2013 de 26 de junho

2 GENERALIDADES

3 O PEPEX, abreviatura de Procedimento Extrajudicial Pré-Executivo, pode ser definido, em poucas palavras, como uma ferramenta que permitirá, ao credor (detentor de um título executivo), avaliar, de forma rápida e económica, qual a real possibilidade de recuperação do seu crédito ou de certificar a sua incobrabilidade.

4 PEPEX Situação em 25/07/ A encontra-se a desenvolver a plataforma de acesso público ao PEPEX; - Esta plataforma deverá, posteriormente, ser integrada no portal da justiça; - Em 1 de setembro será disponibilizada a entrega de requerimento através de formulário; - Até 31 de dezembro será disponibilizada a entrega de requerimento através de web-service / em lote; - Será disponibilizada, ao agente de execução, uma plataforma integrada de faturação; - Estão a ser elaboradas, pela tutela, as portarias que vão regulamentar o PEPEX; - Os agentes de execução vão tramitar os procedimentos através do SISAAE; - Os atos externos serão registados através de software android (gratuito); - A CAAJ pode auditar as decisões do agente de execução e os prazos de execução.

5 PEPEX Formação - A formação que está decorrer nestes dias tem como objetivo prestar os primeiros esclarecimentos sobre as regras gerais do PEPEX; - Em setembro será dada formação específica sobre o funcionamento das novas funcionalidades disponibilizadas no SISAAE; - Esta formação deverá também incidir sobre a análise dos títulos executivos; - Logo que se encontre publicada a regulamentação, será disponibilizado um manual sobre o PEPEX com a lei comentada.

6 PEPEX Distribuição - Analisaram-se as moradas de todos os devedores constantes das execuções intentadas no ano de 2013; - Georreferenciaram-se as moradas dos agentes de execução; - Georreferenciaram-se moradas de devedores; - Definiram-se raios de 15, 30 e 45 Km.

7 PEPEX Distribuição Critério 1) Tendo em consideração a coordenada geográfica do devedor, são procurados os agentes de execução que se encontram localizados num raio de 15 Km; 2) Não existindo agentes de execução num raio de 15 Km, são procurados num raio de 30 Km e, caso também não sejam encontrados, a área de pesquisa volta a ser alargada; 3) Existindo mais do que um agente de execução, é escolhido aquele que recebeu o último processo há mais tempo. 45Km 30 Km 15 Km Agente de execução Agente de execução Morada do devedor

8 PEPEX Distribuição Nota: Não é relevante se um agente de execução tem mais do que um escritório em comarcas distintas, uma vez que, recebendo um processo em determinada comarca, passa, automaticamente, para o fim da lista na outra comarca.

9 PEPEX Distribuição

10 PEPEX Distribuição Tendo em consideração as moradas georreferenciadas, concluímos que: (97%) < 15 Km (2,5%) < 30 Km (0,5%) > 30 Km Nota: Propõe-se o pagamento de compensação por deslocação quando a diligência for realizada num local situado num raio superior a 15 Km.

11 PEPEX Distribuição Tendo em consideração as moradas georreferenciadas, a distribuição dos procedimentos por agente de execução variará entre o mínimo de 45 (Montalegre) e o máximo de 708 (Elvas). A mediana situa-se nos 136 procedimentos por agente de execução. Nº de procedimentos % dos AE ,74% ,37% ,27% ,25% ,92% ,17% ,84% ,11% ,22% ,11%

12 PONTO A PONTO

13 1. Procedimento desmaterializado (salvo no que diz respeito aos atos externos) Não impõe a criação de processo físico; Os atos materializados podem ser arquivados em dossier contínuo ; Está prevista a possibilidade de recolha de assinatura do requerido em suporte eletrónico; As notificações são, em regra, feitas por via eletrónica.

14 2. Acesso simplificado e transparente do requerente Não é obrigatória a constituição de mandatário; O acesso eletrónico pode ser efetuado recorrendo a vários métodos (por exemplo: cartão de cidadão, senha das finanças).

15 3. Transparência para o requerido Depois de notificado ou depois de terminado o procedimento sem convolação, o requerido poderá consultar os procedimentos que foram movidos contra si; O acesso eletrónico pode ser efetuado recorrendo a vários métodos (por exemplo: cartão de cidadão, senha das finanças); O agente de execução não é escolhido pelo requerente.

16 4. Expurgado de exceções Só admite títulos executivos que, nos termos do CPC, devam ser tramitados sob a forma sumária (ou execução nos próprios autos a que se aplique aquela forma com as necessárias adaptações); Não será admitido: escolha de prestação, obrigação condicional, comunicabilidade da dívida, pendente de liquidação, etc. (nº 3 do artigo 550º do CPC).

17 5. Interações limitadas com o requerente/credor O requerente manifesta as suas opções através de pagamento de referência MB.

18 6. Custos mais reduzidos O valor gasto pelo requerente é 50% inferior ao associado ao processo de execução; Os honorários do agente de execução são fixados em 51,00 (consultas) e 25,50 pela notificação do requerido (por requerido); Não há taxa de justiça; O valor despendido no PEPEX é aproveitado caso se avance para o processo de execução; O grande litigante, mesmo quando convola o procedimento em execução, poupa 50% da taxa de grande litigante.

19 7. Rapidez Os prazos de execução (do agente de execução) ou de opção (do credor / devedor) são fixos e controlados pela própria plataforma.

20 8. Equidade na distribuição O agente de execução é designado pela plataforma, de acordo com critério de proximidade face ao devedor ; Todas as moradas são georreferenciadas para simplificar o processo de distribuição.

21 9. Regime específico de notificação do requerido Realizado na 1ª diligência (sem aviso de dia e hora certas); Notificação por depósito, sem necessidade de testemunhas.

22 [1] Requerimento O procedimento inicia-se com o pedido do credor, apresentado exclusivamente por via eletrónica (nº 1 do artigo 5º), tendo como principais condições: - Estar munido de um título executivo que, nos termos do artigo 550º do CPC, possa ser integrado na forma sumária, ou seja, com dispensa de citação prévia; - Existir número de identificação fiscal (português) quer do credor, quer do devedor. O recurso ao PEPEX não obriga à constituição de mandatário judicial. A plataforma assegura um conjunto significativo de validações, impedindo que o requerimento seja apresentado sem que estejam reunidas determinadas condições. Nos termos do nº 8 do artigo 5º, a plataforma informática impede a submissão com sucesso do requerimento quando esteja em falta qualquer dos elementos referidos no artigo 5º.

23 [2] Pagamento dos custos associados Depois de validado os dados do requerimento, é devolvido ao requerente um identificador de pagamento (referência Multibanco). Sem que este pagamento esteja concretizado, o processo não se considera entregue, estando totalmente impossibilitada a atividade do agente de execução. Para a determinação do montante a ser pago com a entrega do requerimento não é relevante o valor do pedido, mas tão só o facto do credor/requerente ser ou não um grande litigante : Requerente normal Requerente - grande litigante Taxa de consultas às bases de dados 0,00 25,50 Honorários do agente de execução 51,00 51,00 TOTAL *51,00 *76,50

24 [3] Distribuição do processo Uma vez pago o valor devido pela entrada do requerimento, o procedimento é distribuído a um agente de execução, de acordo com um critério de proximidade face ao devedor, não sendo aqui relevante qual o domicílio do credor ou a competência territorial do tribunal. No caso de existir mais do que um devedor, a distribuição será realizada tendo em conta a morada do devedor indicado em primeiro lugar. A plataforma comunica ao requerente qual o agente de execução a quem foi distribuído o procedimento.

25 [4] Apreciação do requerimento O agente de execução, uma vez distribuído o procedimento, tem 5 dias para recusar o requerimento (artigo 8º) ou realizar as consultas às bases de dados disponíveis (artigo 9º). No caso de haver recusa, é notificado o requerente com a nota quanto à recusa poder ou não ser sanada. Havendo possibilidade de ser sanada, o requerente tem o prazo de cinco dias para apresentar novo requerimento (de substituição), não tendo que ser pago qualquer valor adicional. Não sendo apresentado novo requerimento (ou se, uma vez apresentado, ainda resultar fundamento de recusa), o requerente tem o prazo de 30 dias para requerer a convolação do procedimento em execução. Se, após o novo requerimento, ainda resultar fundamento de recusa, não é admitido novo requerimento. Tornando-se a recusa definitiva, não há lugar à restituição dos valores que tenham sido pagos pelo requerente.

26 [4.1] Fundamentos de recusa Fundamento da recusa Norma violada Descrição Controlo (a) Sanável Alínea a) do nº 2 do artigo 8º. Não estão reunidos os requisitos previstos no artigo 3º O título executivo não reúne as condições para Alínea a) do artigo 3º aplicação da forma sumária do processo comum de execução para pagamento de quantia certa, nos NÃO NÃO termos do artigo 550.º do Código de Processo Civil. Alínea b) do artigo 3º A dívida não é certa, exigível ou liquidável. NÃO NÃO Alínea b) do artigo 3º Não foi indicado o número de identificação fiscal em Portugal do requerente ou do requerido. SIM NÃO

27 [4.2] Fundamentos de recusa Fundamento da recusa Alínea b) do nº 2 do artigo 8º. Esteja em falta algum dos elementos referidos nos nºs 1 e 2 do artigo 5º. Procedimento Extrajudicial Pré-Executivo Norma violada Alínea a) do nº 1 do artigo 5º e Alínea a) do nº2 do artigo 5º Alínea b) do nº 1 do artigo 5º e Alínea a) do nº2 do artigo 5º Descrição Controlo (a) Sanável Não foi indicado o nome de um ou mais requerentes SIM SIM Não foi indicada o número fiscal de um ou mais requerentes SIM SIM Não foi indicada a morada de um ou mais requerentes SIM SIM Não foi identificado o NIB de um ou mais requerentes. SIM SIM Não foi indicado o nome de um ou mais requeridos SIM SIM Não foi indicado o número fiscal de um ou mais requeridos SIM SIM Não foi indicada a morada de um ou mais requeridos SIM SIM Alínea c) do nº 1 do artigo 5º Não indica o valor em dívida SIM SIM Alínea d) do nº 1 do artigo 5º Não expôs sucintamente os factos quando o título executivo não é suficiente os aferir NÃO SIM Alínea e) do nº 1 do artigo 5º Não pede os juros vincendos e/ou não indica a taxa de juro aplicável SIM SIM Alínea f) do nº 1 do artigo 5º Não pede os valores a pagar ao agente de execução a título de honorários, no âmbito do procedimento em causa. Alínea f) do nº 1 do artigo 5º Não identificou o mandatário, quando deveria fazer por estar representado SIM SIM Alínea b) do nº 2 do artigo 5º Não foram discriminadas as responsabilidades de cada requerido perante os requerentes, bem como a natureza solidária, conjunta ou subsidiária das mesmas. SIM NÃO SIM SIM

28 [4.3] Fundamentos de recusa Fundamento da recusa Norma violada Descrição Controlo (a) Sanáve l Alínea c) do nº 2 do artigo 8º Não tenha sido apresentado qualquer título executivo ou o documento como tal apresentado não constitua título executivo idóneo, na aceção da alínea a) do artigo 3º Alínea a) do artigo 3º O exequente não entrega o título executivo SIM SIM O documento apresentado como título executivo não tem essa natureza. Por exemplo, existe um erro na junção do documento eletrónico que deveria ser o título executivo. NÃO SIM

29 [4.4] Fundamentos de recusa Fundamento da recusa Norma violada Descrição Controlo (a) Sanável Alínea d) do nº 2 do artigo 8º Existe contradição entre as partes identificadas como As partes indicadas não constam do título executivo, Alínea a) do artigo 3º credor ou devedor e aquelas que constam do título executivo (e também quando exista divergência entre o NÃO SIM salvo o disposto no n.º 3 e na nome do cônjuge, o número fiscal ou o regime de alínea b) do n.º 5 do artigo. casamento)

30 [4.5] Fundamentos de recusa Fundamento da recusa Norma violada Descrição Controlo (a) Sanável Alínea e) do nº 2 do artigo 8º e) Não tenham sido indicados os elementos previstos no n.º 3 do artigo 5º ou não tenha sido apresentada fotocópia não certificada do registo atualizado de casamento, que ateste que o requerido é casado sob o regime de bens da comunhão de adquiridos ou da comunhão geral. Nº 3 do artigo 5º b) do nº 5 do artigo 5º Não foi indicado o nome do cônjuge do requerido SIM NÃO Não foi indicado o número fiscal do cônjuge do requerido SIM NÃO Não foi indicado o regime de bens do casamento. SIM NÃO Não foi junta a cópia não certificada do assento de casamento. Quando foi requerida a identificação dos bens comuns, o nome do cônjuge do requerido e o NÃO NÃO regime de casamento não constam do título executivo

31 [5] As bases de dados e relatório O agente de execução, uma vez distribuído o procedimento e não havendo fundamento de recusa, tem 5 dias para realizar as consultas às bases de dados disponíveis e elabora um relatório, destacando o seguinte: Sem quaisquer bens identificados; Com bens aparentemente onerados ou com encargos; Com bens aparentemente livres de ónus ou encargos; A circunstância de o requerido constar da lista pública de devedores; A circunstância de o requerido ter sido declarado insolvente; A circunstância de o requerido ter falecido ou, sendo pessoa coletiva, ter sido já dissolvido e liquidado; A circunstância de o requerido ser executado ou exequente em processos de execução pendentes; O relatório pode ser complementado com informações recolhidas pelo agente de execução noutras fontes de informação de acesso público, as quais permitam auxiliar o credor na escolha do caminho que irá seguir. Não é aberta qualquer possibilidade ao credor de solicitar consultas a bases de dados diversas das que estão disponíveis pela via direta eletrónica. Procedimento Extrajudicial Pré-Executivo

32 [6] Opções do credor após o relatório O credor, uma vez notificado do relatório, tem 3 possibilidades (artigo 11º): - Não tomar qualquer iniciativa, implicando a automática extinção do procedimento no prazo de 30 dias; - Requerer a notificação do requerido (para pagar ou indicar bens à penhora); - Requerer a convolação do procedimento em processo de execução. O requerente manifesta a sua opção através do pagamento de uma das referências MB associadas ao custo de cada uma das opções. Havendo mais do que um devedor, o credor não tem a possibilidade de optar, quanto a um devedor, pela sua notificação e, quanto a outro, pela convolação.

33 [6] Opções do credor após o relatório Valores a pagar para notificação do requerido e convolação Requerente normal Requerente grande litigante até ,00 mais de ,00 até ,00 mais de ,00 Notificação do requerido (para pagar ou indicar bens à penhora) 25,50 (honorários do agente de execução, por requerido a ser notificado) Requerer a convolação do procedimento em processo de execução 25,50 (taxa de justiça) 51,00 (honorários fase III do processo executivo) 51,00 (taxa de justiça) 51,00 (honorários fase III do processo executivo) 38,25 (taxa de justiça c/ agravamento) 51,00 (honorários fase III do processo executivo) 76,50 (taxa de justiça c/ agravamento) 51,00 (honorários fase III do processo executivo)

34 [7] Notificação do requerido Sendo requerida a notificação do requerido (através do pagamento da respetivo custo), esta será realizada por contacto pessoal (salvo nas ilhas onde não exista agente de execução, em que será realizada por via postal) e sempre por agente de execução (não é admitida a notificação por empregado de agente de execução).

35 [7.1] Notificação do requerido (pessoa singular) Contacto pessoal Via postal (só nas ilhas onde não haja agente de execução) Situação CPC PEPEX No próprio Realizada Realizada Recusa em receber Em terceira pessoa Afixação Realizada + notificação nº 5 do artigo 231º Realizada + notificação do artigo 233º Realizada + notificação do artigo 233º Realizada + notificação nº 5 do artigo 13º Realizada + notificação nº 3 artigo 13º Não é admitida Em depósito Não é admitida Realizada na 1ª tentativa No próprio Realizada Realizada Em terceira pessoa Em depósito Realizada notificação do artigo 233º Realizada na 2ª tentativa (só no caso de domicílio convencionado) Realizada + notificação nº 3 artigo 13º Não é admitida Recusa em receber Não realizada Realizada + notificação nº 5 do artigo 13º

36 [7.1] Notificação do requerido (pessoa coletiva) Contacto pessoal Via postal (só nas ilhas onde não haja agente de execução) Situação CPC PEPEX Em qualquer pessoa Realizada Realizada Recusa Realizada + notificação Realizada + notificação nº 2 do artigo 14º Afixação Não está prevista Está prevista Depósito Não está prevista Realizada + notificação nº 2 do artigo 14º Em qualquer pessoa Realizada Realizada Recusa em receber Carta em depósito Realizada notificação Realizada (2ª tentativa) notificação Realizada + notificação nº 2 do artigo 14º Realizada + notificação nº 2 do artigo 14º

37 [8] Certidão de incobrabilidade Tendo sido concretizada a inclusão do devedor na lista pública, o agente de execução, sempre que o credor assim o requeira, pode obter, para efeitos fiscais, a certidão de incobrabilidade da dívida. Esta certidão é emitida eletronicamente ao credor, sendo também comunicada à autoridade tributária e aduaneira. Se, mais tarde, o devedor vier a ser excluído da lista pública de devedores pelo pagamento integral, tal ocorrência é comunicada à autoridade tributária e aduaneira.

38 Leilão Eletrónico GENERALIDADES

39 Leilão Eletrónico A Lei n.º 41/2013, de 26 de junho, no número 1 do seu artigo 837º, prevê: Exceto nos casos referidos nos artigos 830.º e 831.º, a venda de bens imóveis e de bens móveis penhorados é feita preferencialmente em leilão eletrónico, nos termos a definir por portaria do membro do Governo responsável pela área da justiça.

40 Leilão Eletrónico Situação em 25/07/ A encontra-se a desenvolver a plataforma pública de acesso ao Leilão Eletrónico; - Em setembro será disponibilizada a plataforma autónoma para a inserção dos bens para venda; - Esta plataforma poderá, posteriormente, ser integrada no SISAAE; - Estão a ser elaboradas, pela tutela, as portarias que vão regulamentar o Leilão Eletrónico;

41 Leilão Eletrónico Regras - Plataforma independente do SISAAE; - Acesso público; - O agente de execução toma a decisão da venda por leilão eletrónico e regista o pedido em formulário; - Depois de pago o custo do lançamento do leilão, o agente de execução é informado do dia e hora em que este vai ocorrer; - No caso dos bens móveis e imóveis, será obrigatório juntar a fotografia do bem; - A certificação do encerramento do leilão será presidida por agente de execução; - O agente de execução é escolhido através de lista de distribuição; - A adjudicação é realizada, posteriormente, pelo agente de execução titular do processo, sendo pago a este o preço definido e demostrado o cumprimento das obrigações fiscais.

42 Leilão Eletrónico Formação - Em setembro, será agendada formação específica para utilização da plataforma; - A formação irá decorrer integrada na formação relativa ao PEPEX; - A formação deverá ter carácter obrigatório; - A CAAJ poderá monitorizar as vendas lançadas em leilão eletrónico.

43 INFORMAÇÕES Mapa Judiciário SISAAE

44 DÚVIDAS

45 Dúvidas dos agentes de execução Como são distribuídos os processos? Os processos são distribuídos de forma equitativa entre os agentes de execução que se encontrem num determinado raio de distância face ao domicílio do devedor: 15 Km 30 Km 45 Km + 45 Km

46 Dúvidas dos agentes de execução Posso delegar a realização da notificação por contacto pessoal? Sim. Os honorários pelo ato delegado são pagos por si ao agente de execução delegado.

47 Dúvidas dos agentes de execução Posso realizar a notificação do requerido por contacto pessoal através de um funcionário do meu escritório? Não. No PEPEX, os atos só podem ser praticados pelo próprio agente de execução (ou por agente de execução delegado).

48 Dúvidas dos agentes de execução Posso realizar a notificação do requerido por via postal? Não, exceto se o requerido/devedor residir em ilha (das regiões autónomas) onde não exista agente de execução que tenha aderido ao PEPEX.

49 Dúvidas dos agentes de execução Sou obrigado a realizar processos no PEPEX? Não. A adesão ao PEPEX é voluntária. No entanto, uma vez designado num procedimento, não pode deixar de o concretizar, sob pena de procedimento disciplinar.

50 Dúvidas dos agentes de execução Verificando-se algum impedimento ou incompatibilidade, posso recusar a designação? Sim. Ao PEPEX aplicam-se as regras gerais de incompatibilidade, impedimentos e suspeições do agente de execução.

51 Dúvidas dos agentes de execução Qual o prazo para realizar o relatório (sobre os bens) ou recusar o requerimento? 5 dias. Decorridos 15 dias (sobre os 5 dias definidos como prazo), pode ser automaticamente substituído. No entanto, mesmo após 5 dias, o agente de execução está sujeito à fiscalização por parte da CAAJ, entidade que lhe pode impor medidas cautelares de suspensão, as quais impedem a receção de novos processos.

52 Dúvidas dos agentes de execução Quem pode recorrer ao PEPEX? Qualquer credor que seja detentor de um título executivo que, nos termos do CPC, deva ser intentado como execução sumária, ou seja, com dispensa da citação prévia do devedor. Em regra, podemos dizer que são títulos executivos: - Decisão judicial condenatória; - Requerimento de execução com aposição de fórmula executiva; - Documento autêntico ou autenticado, independentemente do seu valor, quando o credor disponha de garantia real (hipoteca ou penhor); - Documento particular autêntico ou autenticado de valor inferior a ,00 ; - Outros documentos, aos quais, por lei, seja conferida força executiva (por exemplo: cheques, letras, livranças, atas de condomínio, notificação de NRAU), de valor inferior a ,00.

53 Dúvidas dos requerentes Como é apresentado o requerimento? Exclusivamente por via eletrónica, através da plataforma online, disponibilizada no portal que será oportunamente divulgado. O requerente que não queira ou não possa apresentar por via eletrónica deverá contactar um advogado ou solicitador que (não sendo mandatário) faça a submissão do requerimento. Atenção que, neste caso, o advogado ou solicitador não vai representar o credor, pelo que todas as notificações serão dirigidas ao requerente.

54 Dúvidas dos requerentes É obrigatória a constituição de advogado ou solicitador? Não. No PEPEX não há obrigação de constituição de mandatário judicial (advogado ou solicitador), mas deve ter em atenção que tal pode ser posteriormente obrigatório, caso seja requerida a convolação (transformação) do PEPEX em processo de execução ou caso haja oposição do requerido (devedor).

55 Dúvidas dos requerentes Qual é o valor que tem que ser pago pela apresentação do requerimento no PEPEX? Não sendo o credor um grande litigante, o valor a pagar pela apresentação do requerimento é de 51,00 (mais IVA). Este valor pode, no entanto, variar. O cálculo do valor a pagar é automaticamente gerado pela plataforma tendo em consideração os regimes fiscais do requerente e do agente de execução. O grande litigante paga ainda 25,50 para remuneração das entidades que disponibilizam as consultas.

56 Dúvidas dos requerentes Posso escolher o agente de execução que vai tramitar o PEPEX? Não. A agente de execução é automaticamente designado pela plataforma, tendo por base critério de proximidade face ao devedor. No entanto, se requerer a convolação do procedimento em processo de execução, o requente poderá escolher qualquer agente de execução.

57 Dúvidas dos requerentes Se o PEPEX for convertido em processo de execução, tenho que pagar novamente ao agente de execução a fase I? Não. O valor pago no PEPEX isenta o requente do pagamento dos honorários da fase I do processo executivo, mesmo que seja escolhido um agente de execução distinto daquele que tramitou o PEPEX.

58 Dúvidas dos requerentes Qual o prazo de que o agente de execução dispõe para realizar as consultas sobre o património do requerido/devedor? 5 dias, contados a partir da data em que o processo é disponibilizado ao agente de execução. No entanto, se decorridos 15 dias (sobre o referido prazo) e o agente de execução nada tiver feito, o requerente pode, através da plataforma, pedir a sua substituição, a qual será realizada de forma automática e comunicada à entidade responsável pela fiscalização e disciplina. O novo agente de execução a quem for distribuído o processo irá solicitar o pagamento dos honorários que sejam devidos pelos atos não praticados. No entanto, o agente de execução substituído poderá ser instado a proceder à restituição do valor que tenha recebido.

59 Dúvidas dos requeridos Fui notificado no âmbito do PEPEX e quero pagar. O que posso fazer? A primeira opção é efetuar o pagamento diretamente ao agente de execução, através da referência MB que consta da notificação. Caso não tenha possibilidade de pagar no prazo de 30 dias, deverá contactar o credor (ou o mandatário), visando alcançar um acordo de pagamento em prestações. Se não conseguir concretizar o acordo, pode ainda recorrer a uma das entidades reconhecidas na prestação de apoio em situação de endividamento.

60 Dúvidas dos requeridos Fui notificado no âmbito do PEPEX, mas a dívida não existe ou não concordo com o valor pedido. O que posso fazer? É de todo conveniente que se aconselhe junto de um mandatário judicial (advogado ou solicitador), os únicos profissionais que legalmente têm competência para o auxiliar no exercício dos seus direitos. Se não tiver possibilidades económicas, pode solicitar apoio judiciário. Tenha em atenção que o prazo para contestar é de 30 dias (pode haver lugar a dilações). Se o valor do pedido for inferior a 5.000,00, pode contestar através de requerimento dirigido ao tribunal competente (para o processo de execução em caso de convolação), mas terá que ser previamente paga a taxa de justiça de 1,5 Unidades de conta (153,00 ).

61 Dúvidas dos requeridos Já decorram 30 dias e meu nome foi inserido na lista pública. Ainda assim, posso liquidar a dívida? Sim. Deverá contactar diretamente o credor (ou o seu mandatário) que, posteriormente, terá que comunicar ao agente de execução que a dívida foi liquidada, isto para que o seu nome possa ser excluído da lista pública.

62 Obrigado pelo tempo despendido

Portaria. Gabinete da Ministra da Justiça Praça do Comércio, 1149-019 Lisboa, PORTUGAL TEL + 351 21 322 23 00 EMAIL gmj@mj.gov.pt www.portugal.gov.

Portaria. Gabinete da Ministra da Justiça Praça do Comércio, 1149-019 Lisboa, PORTUGAL TEL + 351 21 322 23 00 EMAIL gmj@mj.gov.pt www.portugal.gov. Portaria O Memorando de Entendimento sobre as Condicionalidades de Política Económica, celebrado entre a República Portuguesa e o Banco Central Europeu, a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional,

Leia mais

Freguesia de Requião

Freguesia de Requião Freguesia de Requião Regulamento e Tabela de Taxas e Licenças Ano de 2014 Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e f), nº 1 do artigo 9º, conjugada com a alínea h) do nº 1 do artigo 16º, da Lei

Leia mais

FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE

FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE Câmara dos Solicitadores Colégio de Especialidade de Agentes de Execução Número 6/2012 Data: 06/03/2012 FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE Descrição: Comunicações com os tribunais e actualização estatística

Leia mais

Modelos artigo 15ºA da Portaria 331-B/2009

Modelos artigo 15ºA da Portaria 331-B/2009 Modelos artigo 15ºA da Portaria 331-B/2009 Implementação de actos específicos para cumprimento do disposto no artigo 15ºA da Portaria 331-B/2009 de 30 de Março. Proposta de modelos para SISAAE/GPESE e

Leia mais

9 de Junho 2014 Contencioso de Cobrança

9 de Junho 2014 Contencioso de Cobrança PROCEDIMENTO EXTRAJUDICIAL PRÉ-EXECUTIVO A Lei n.º 32/2014, de 30 de Maio, aprovou o procedimento extrajudicial pré-executivo (PEPEX), que visa a identificação de bens penhoráveis antes de ser instaurada

Leia mais

Câmara dos Solicitadores Conselho Geral. Curso de Empregados Forenses de Agentes de Execução. Curso de Empregados Forenses de Agentes de Execução

Câmara dos Solicitadores Conselho Geral. Curso de Empregados Forenses de Agentes de Execução. Curso de Empregados Forenses de Agentes de Execução Exame Conhecimentos Básicos Processuais e do Programa SISAAE Duração: 1 hora 16 de Março Nome completo e legível Identificação do Agente de Execução 1 Instruções de preenchimento: Resposta: A resposta

Leia mais

Nota introdutória. Glossário

Nota introdutória. Glossário Nota introdutória Este documento propõe-se ser uma ferramenta com instruções e informação, que permitam aos beneficiários, conhecer os encargos que foram apurados para a declaração de IRS, no seguimento

Leia mais

Artigo 17º do RCP. Boas práticas processuais.

Artigo 17º do RCP. Boas práticas processuais. Artigo 17º do RCP Boas práticas processuais. O presente documento descreve a aplicação prática das alterações ao artigo 17º do RCP (cobrança do custo pelas consultas ao abrigo do 833ºA do CPC) Data: 20

Leia mais

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo REGULAMENTO DO CENTRO DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO NO BRASIL SÃO PAULO Artigo 1º O Centro de Arbitragem 1.1. O Centro de Mediação e Arbitragem da Câmara Portuguesa de Comércio

Leia mais

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes Advertência: O IRN disponibiliza conteúdos com caráter informativo e geral, sobre o pedido de registo Automóvel Online. Esta informação não substitui o atendimento técnico e qualificado

Leia mais

BREVE NOTA SOBRE A CITAÇÃO EDITAL E EDITAIS DE VENDA PROCESSOS POSTERIORES A 31/03/2010 V1.0 15/06/2010

BREVE NOTA SOBRE A CITAÇÃO EDITAL E EDITAIS DE VENDA PROCESSOS POSTERIORES A 31/03/2010 V1.0 15/06/2010 ARMANDO A OLIVEIRA SOLICITADOR BREVE NOTA SOBRE A CITAÇÃO EDITAL E EDITAIS DE VENDA PROCESSOS POSTERIORES A 31/03/2010 V1.0 15/06/2010 2111@solicitador.net 1. Resumo Breve nota sobre o novo regime de publicidade

Leia mais

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime Lisboa, 2014 www.bportugal.pt http://clientebancario.bportugal.pt SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS 3.ª reedição, janeiro de 2016 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71

Leia mais

INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS PARA PARTICULARES RENTING GO EXPRESS

INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS PARA PARTICULARES RENTING GO EXPRESS INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS PARA PARTICULARES RENTING GO EXPRESS Valor da retribuição a pagar pelo Cliente 4ª Valor da retribuição a pagar pelo Cliente 1. Os serviços prestados pela LeasePlan em conformidade

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA 16º; 14º; 1º; 3º; 8º; 23º; 30º - 1º; 2º; 5º; 6º; 20º.

FICHA DOUTRINÁRIA 16º; 14º; 1º; 3º; 8º; 23º; 30º - 1º; 2º; 5º; 6º; 20º. FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: RITI - CIVA 16º; 14º; 1º; 3º; 8º; 23º; 30º - 1º; 2º; 5º; 6º; 20º. Operações Triangulares Falsas Triangulares Localização de operações Aquisições Intracomunitárias

Leia mais

ncpc 12 QUESTÕES SOBRE PRÁTICAS PROCESSUAIS NO (NOVO) CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Armando A. Oliveira 25 de junho de 2015

ncpc 12 QUESTÕES SOBRE PRÁTICAS PROCESSUAIS NO (NOVO) CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Armando A. Oliveira 25 de junho de 2015 ncpc 12 QUESTÕES SOBRE PRÁTICAS PROCESSUAIS NO (NOVO) CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Armando A. Oliveira 25 de junho de 2015 Interação entre A.E. e tribunal Um dos principais entraves ao regular funcionamento

Leia mais

Iniciar o processo de casamento

Iniciar o processo de casamento Casamento Registo Iniciar o processo de casamento Organizar o processo de casamento Condições para contrair casamento Regime de bens Quando celebrar Casar em Portugal com cidadãos estrangeiros Registo

Leia mais

Regulamento de Taxas da Freguesia de Santo António

Regulamento de Taxas da Freguesia de Santo António PREÂMBULO As taxas das autarquias locais, nos termos do artigo 3.º da Lei n.º 53 -E/2006, de 29 de dezembro, são tributos que assentam na prestação concreta de um serviço público local, na utilização privada

Leia mais

AVISO PARA EXERCÍCIO DE DIREITOS DE SUBSCRIÇÃO

AVISO PARA EXERCÍCIO DE DIREITOS DE SUBSCRIÇÃO Sonae Indústria, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede Social: Lugar do Espido, Via Norte, na Maia Capital Social integralmente subscrito e realizado: 700.000.000 Matriculada na Conservatória do Registo Comercial

Leia mais

Conciliação para empresas em dificuldades

Conciliação para empresas em dificuldades Conciliação para empresas em dificuldades Em vez de recorrer aos tribunais, uma empresa com dificuldades em cumprir as suas obrigações pode recorrer ao procedimento extrajudicial de conciliação, através

Leia mais

Alterações ao regime das ações preferenciais e das obrigações no Código das Sociedades Comerciais

Alterações ao regime das ações preferenciais e das obrigações no Código das Sociedades Comerciais Alterações ao regime das ações preferenciais e das obrigações no Código das Sociedades Comerciais SECÇÃO V Ações preferenciais sem direito de voto Artigo 341º Emissão e direitos dos acionistas 1 O contrato

Leia mais

INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO Prevenção e regularização do incumprimento por clientes bancários particulares

INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO Prevenção e regularização do incumprimento por clientes bancários particulares BANCO DE PORTUGAL E U R O S I S T E M A INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO Prevenção e regularização do incumprimento por clientes bancários particulares INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO Prevenção

Leia mais

Tudo o que precisa de saber

Tudo o que precisa de saber Pág. 1 de 10 Com a publicação, no passado mês de Agosto, dos Decretos-Lei n. os 197/2012 e 198/2012, várias e (bastante) substanciais foram as alterações introduzidas em matéria de regras a observar ao

Leia mais

Proteção Jurídica Atualizado em: 12-12-2012

Proteção Jurídica Atualizado em: 12-12-2012 SEGURANÇA SOCIAL Proteção Jurídica Atualizado em: 12-12-2012 Esta informação destina-se a que cidadãos Pessoas e entidades sem fins lucrativos que não tenham condições para pagar as despesas associadas

Leia mais

REAL PPR Condições Gerais

REAL PPR Condições Gerais Entre a, adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se o presente contrato de seguro que se regula pelas Condições Particulares e desta apólice,

Leia mais

Decreto-Lei nº 227/2012, de 25 de outubro

Decreto-Lei nº 227/2012, de 25 de outubro Decreto-Lei nº 227/2012, de 25 de outubro A concessão responsável de crédito constitui um dos importantes princípios de conduta para a atuação das instituições de crédito. A crise económica e financeira

Leia mais

Direção Nacional Unidade Orgânica de Logística e Finanças Departamento de Logística. Caderno de Encargos

Direção Nacional Unidade Orgânica de Logística e Finanças Departamento de Logística. Caderno de Encargos Direção Nacional Unidade Orgânica de Logística e Finanças Departamento de Logística Caderno de Encargos Caderno de Encargos Cláusula 1.ª Objeto 1. O presente caderno de encargos compreende as cláusulas

Leia mais

BANCO PRIMUS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO SEDE OBJETO E DURAÇÃO DA SOCIEDADE

BANCO PRIMUS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO SEDE OBJETO E DURAÇÃO DA SOCIEDADE BANCO PRIMUS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO SEDE OBJETO E DURAÇÃO DA SOCIEDADE Artigo 1.º Natureza jurídica e denominação social A Sociedade, que adota a denominação de Banco Primus SA («a Sociedade»),

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB XIII EXAME DE ORDEM C006 DIREITO TRIBUTÁRIO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB XIII EXAME DE ORDEM C006 DIREITO TRIBUTÁRIO C006 DIREITO TRIBUTÁRIO PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL C006042 Responsabilidade Tributária. Exceção de pré-executividade. Determinada pessoa jurídica declarou, em formulário próprio estadual, débito de ICMS.

Leia mais

Comissões Euros (Mín/Máx) Em %

Comissões Euros (Mín/Máx) Em % 2.1. Crédito à habitação e contratos conexos Crédito Habitação /Conexo Produtos de Taxa indexada / Produtos de Taxa Fixa / Crédito Não residentes / Crédito Deficientes / Crédito Terreno iniciais 1. Iniciais

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES NEGOCIAIS LEILÕES ONLINE

TERMOS E CONDIÇÕES NEGOCIAIS LEILÕES ONLINE TERMOS E CONDIÇÕES NEGOCIAIS LEILÕES ONLINE A BIDDING LEILÕES, Lda., adiante designada e identificada, apenas por Bidding Leilões, sujeita a sua atividade leiloeira online, aos Termos e Condições Negociais

Leia mais

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS 2016

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS 2016 OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS 2016 Última atualização: janeiro 2016 IRS ATÉ AO DIA 11 Entrega da Declaração Mensal de Remunerações, por transmissão eletrónica de dados, pelas entidades devedoras de rendimentos

Leia mais

PROGRAMA DE CONCURSO PÚBLICO. Acordo Quadro para o fornecimento de gás natural em regime de mercado livre para Portugal Continental

PROGRAMA DE CONCURSO PÚBLICO. Acordo Quadro para o fornecimento de gás natural em regime de mercado livre para Portugal Continental PROGRAMA DE CONCURSO PÚBLICO Acordo Quadro para o fornecimento de gás natural em regime de mercado livre para Portugal Continental ÍNDICE CAPÍTULO I OBJETO E ÂMBITO DO CONCURSO... 3 Artigo 1.º Identificação

Leia mais

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÈCNICA TÍTULO Guia Prático - Inscrição/Alteração Membros dos Órgãos Estatutários (MOE) (1008 V5.13)

Leia mais

Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13

Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Adoção (32 V4.08) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social,

Leia mais

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 II SÉRIE Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 ÍNDICE 2.º SUPLEMENTO PARTE C Ministério da Educação e Ciência Gabinetes do Secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar e da Secretária

Leia mais

MANUAL DE FUNDO DE MANEIO

MANUAL DE FUNDO DE MANEIO MANUAL DE FUNDO DE MANEIO REV01/2014 ÍNDICE I. Apresentação... 3 II. Enquadramento legal... 3 III. Fundo de Maneio - Notas Explicativas... 4 IV. Criação de Fundo de Maneio... 6 V. Reposição de Fundo de

Leia mais

SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL)

SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL) SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL) Condições de Acesso (Decreto Lei n.º 178/2012 de 3 de Agosto) 0 SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL) Entrada

Leia mais

Assim, não há lugar a despacho liminar, nem a citação prévia do executado nas execuções baseadas em:

Assim, não há lugar a despacho liminar, nem a citação prévia do executado nas execuções baseadas em: Decreto-Lei n.º 38/2003, de 8 de março A revisão do Código de Processo Civil operada pelo Decreto-Lei n.º 329-A/95, de 12 de dezembro, e pelo Decreto-Lei n.º 180/96, de 25 de setembro, complementada pelo

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Artigo 9.º Artigo 9.º Desemprego involuntário Desemprego involuntário 1 - O desemprego considera-se involuntário sempre que a cessação do

Leia mais

Condições gerais de venda

Condições gerais de venda Condições gerais de venda As presentes CONDIÇÕES GERAIS E PARTICULARES DE VENDA ON-LINE são acordadas livremente e de boa-fé entre Bonecas Namorar Portugal da marca Pó de Arroz e representadas pela empresa

Leia mais

Questões Extras Direito Tributário Profº Ricardo Alexandre www.lfg.com.br/ www.cursoparaconcursos.com.br

Questões Extras Direito Tributário Profº Ricardo Alexandre www.lfg.com.br/ www.cursoparaconcursos.com.br TRIBUTO - CONCEITO 1. (ESAF/GEFAZ-MG/2005) Na atividade de cobrança do tributo a autoridade administrativa pode, em determinadas circunstâncias, deixar de aplicar a lei. 2. (ESAF/GEFAZ-MG/2005) Segundo

Leia mais

Notas: I - A presente portaria encontra-se atualizada de acordo com os seguintes diplomas:

Notas: I - A presente portaria encontra-se atualizada de acordo com os seguintes diplomas: (Não dispensa a consulta do Diário da República) Notas: I - A presente portaria encontra-se atualizada de acordo com os seguintes diplomas: - Portaria nº 562/2007, de 30 de abril; - Portaria nº 1256/2009,

Leia mais

PROCEDIMENTO POR NEGOCIAÇÃO, COM PUBLICAÇÃO PRÉVIA DE ANÚNCIO, PARA ARRENDAMENTO PARA A ACTIVIDADE DE RESTAURAÇÃO CADERNO DE ENCARGOS

PROCEDIMENTO POR NEGOCIAÇÃO, COM PUBLICAÇÃO PRÉVIA DE ANÚNCIO, PARA ARRENDAMENTO PARA A ACTIVIDADE DE RESTAURAÇÃO CADERNO DE ENCARGOS PROCEDIMENTO POR NEGOCIAÇÃO, COM PUBLICAÇÃO PRÉVIA DE ANÚNCIO, PARA ARRENDAMENTO PARA A ACTIVIDADE DE RESTAURAÇÃO CADERNO DE ENCARGOS CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º Objeto O presente Procedimento

Leia mais

Pagamento do prémio: O prémio é único, sendo devido antecipadamente pelo tomador do seguro.

Pagamento do prémio: O prémio é único, sendo devido antecipadamente pelo tomador do seguro. INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL SEGURO DE VIDA - PPR POSTAL PPR PLUS (nos termos do Dec.-Lei n.º 72/2008 de 16 de Abril) SEGURADOR MAPFRE SEGUROS DE VIDA S.A. Sede Social: Rua Castilho, 52, 1250-071 Lisboa N.I.P.C.

Leia mais

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa.

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. GUIA COMPRA DE CASA Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. O BPI sintetizou algumas informações que o ajudarão a tomar a melhor decisão. 1 - Quais os custos a considerar na escolha

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA

REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA Nota justificativa (artigo 116.º do CPA) Em 22 de Dezembro de 2006,

Leia mais

Ofício-Circulado 60009, de 21/05/1999 - Direcção de Serviços de Justiça Tributária

Ofício-Circulado 60009, de 21/05/1999 - Direcção de Serviços de Justiça Tributária Ofício-Circulado 60009, de 21/05/1999 - Direcção de Serviços de Justiça Tributária PLANOS PRESTACIONAIS - DEC-LEI Nº 124/96 REDUÇÃO DA TAXA DE JUROS DE MORA VINCENDOS CONSTITUIÇÃO DE GARANTIAS - DEC-LEI

Leia mais

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Fases do Processo de Contra-Ordenações)

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Fases do Processo de Contra-Ordenações) FASES DO PROCESSO DE CONTRA ORDENAÇÕES Auto de Notícia Menciona os factos constitutivos da infracção, o dia, a hora, o local e as circunstâncias desta. É levantado pelo agente de autoridade. Notificação

Leia mais

Penhoras por meios electrónicos

Penhoras por meios electrónicos Penhoras por meios electrónicos nicos Pedro Amorim pedro.amorim@lusolegal.pt Conferência da CTOC 13 e 14 de Julho de 2007 Enquadramento A função da penhora Sumário Ordem dos bens penhoráveis Formalismos

Leia mais

CURSO DE EMPREGADOS FORENSES

CURSO DE EMPREGADOS FORENSES PROGRAMA E CONDIÇÕES CURSO DE EMPREGADOS FORENSES DE AGENTE DE EXECUÇÃO Candidatos a Empregados Forenses Departamento de Formação - Câmara dos Solicitadores 2012 Avenida José Malhoa, 16-1B2 1070 159 Lisboa-Portugal

Leia mais

USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL

USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL DOCUMENTOS: Requerimento com a qualificação completa dos interessados, firmado por advogado devidamente constituído. Não há necessidade de reconhecimento de firma (item 2.1 da Circular

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS. Nota justificativa

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS. Nota justificativa PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS Nota justificativa A criação de novas Zonas e loteamentos Industriais tem como principal finalidade

Leia mais

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto Diploma: Portaria n.º 204-B/2013, de 18 de junho Sumário: Cria a medida Estágios Emprego Alterações: Portaria n.º 375/2013, de 27 de dezembro, altera o artigo 3.º e as alíneas a), b) e c) do n.º 1 do artigo

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS

REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objeto O presente Regulamento estabelece as normas pelas quais o Instituto de Gestão Financeira da Segurança

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO I. DENOMINAÇÃO / SEDE

REGULAMENTO INTERNO I. DENOMINAÇÃO / SEDE I. DENOMINAÇÃO / SEDE Art.º 1.º A Instinto, Associação Protetora de Animais da Covilhã, é uma associação sem fins lucrativos, que se rege pelos Estatutos, pelo presente Regulamento Interno e demais disposições

Leia mais

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO E ALTERAÇÃO DE DADOS PESSOA COLETIVA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO E ALTERAÇÃO DE DADOS PESSOA COLETIVA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO E ALTERAÇÃO DE DADOS PESSOA COLETIVA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Inscrição e Alteração de Dados Pessoa Coletiva (2001 v5.02) PROPRIEDADE

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ

CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ Regulamento das Taxas e Preços Municipais Nota justificativa A disciplina legal atinente à matéria das taxas a cobrar pelas autarquias locais encontra-se plasmada na Lei que estabelece

Leia mais

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações DGAJ/DSAJ/DF - 2013 Direção-Geral da Administração da Justiça CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações LEI N.º 20/2013, DE 21 DE FEVEREIRO Entram em

Leia mais

Preçário. Banco Cofidis, S.A.

Preçário. Banco Cofidis, S.A. Preçário Banco Cofidis, S.A. BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto e Despesas: 0-out-01 Data de Entrada em vigor do Folheto

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal Divisão Jurídica e Administrativa (DIJA) DELIBERAÇÃO DA REUNIÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE 19 DE ABRIL DE 2016 Serviço responsável pela execução da deliberação Divisão de Desenvolvimento Social Epígrafe 9.2.

Leia mais

A CONTA. de Execução

A CONTA. de Execução A CONTA Honorários e despesas do Agente de Execução Armando Oliveira Solicitador INTRODUÇÃO A portaria 331-B/ B/2009, de 30 de Março regulamenta, entre outras matérias, os honorários do Agente de Execução,

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre o Certificado Sucessório Europeu

Perguntas Frequentes sobre o Certificado Sucessório Europeu Perguntas Frequentes sobre o Certificado Sucessório Europeu 1- O que é o Certificado Sucessório Europeu (CSE)? 2- Que instrumento jurídico criou o CSE? 3- Quem pode pedir o CSE? 4- Um credor pode pedir

Leia mais

HOSPITAL DIVINO ESPÍRITO SANTO DE PONTA DELGADA, E.P.E. Convenção n.º 15/2015 de 29 de Abril de 2015

HOSPITAL DIVINO ESPÍRITO SANTO DE PONTA DELGADA, E.P.E. Convenção n.º 15/2015 de 29 de Abril de 2015 HOSPITAL DIVINO ESPÍRITO SANTO DE PONTA DELGADA, E.P.E. Convenção n.º 15/2015 de 29 de Abril de 2015 CONVENÇÃO PARA A PRESTAÇÃO DE CUIDADOS DE SAÚDE NA ÁREA DA PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA Cláusula

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO DO INR, I.P. ÀS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO DO INR, I.P. ÀS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO DO INR, I.P. ÀS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS Preâmbulo Considerando a missão do INR, I.P., enquanto organismo público, de assegurar o planeamento, execução e

Leia mais

Ficha do Produto Postal PPR Plus (1)

Ficha do Produto Postal PPR Plus (1) Público-alvo Clientes interessados em constituir, a médio-longo prazo, um capital para complemento de reforma. Âmbito Seguro de Vida, do tipo capitalização. Entidade Gestora Companhia de Seguros: MAPFRE

Leia mais

GUIA DE LICENCIAMENTO DAS ZONAS EMPRESARIAIS RESPONSÁVEIS - ZER

GUIA DE LICENCIAMENTO DAS ZONAS EMPRESARIAIS RESPONSÁVEIS - ZER GUIA DE LICENCIAMENTO DAS ZONAS EMPRESARIAIS RESPONSÁVEIS - ZER OUTUBRO 2015 Índice GLOSSÁRIO... 3 1. BREVE HISTORIAL LEGISLATIVO... 4 1.1. Principais alterações introduzidas pela revisão do Sistema da

Leia mais

Simulação de Crédito Pessoal

Simulação de Crédito Pessoal Simulação de Crédito Pessoal Data de Impressão: 15-10-2013 12:35 Número de Simulação: 13892037 Resumo Prestação Comissão de Processamento (mensal) (Acresce Imposto do Selo à Taxa em vigor) Seguro de Vida

Leia mais

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM AT (Alta Tensão) CONDIÇÕES GERAIS

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM AT (Alta Tensão) CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM AT (Alta Tensão) CONDIÇÕES GERAIS 1ª - Objeto do Contrato. 1. O presente Contrato tem por objeto o fornecimento de energia elétrica pela EDP Serviço Universal

Leia mais

FACULDADE SÃO SALVADOR - FSS SEEB - Sociedade de Estudos Empresariais Avançados da Bahia Ltda CNPJ: 03.871.465/0001-06

FACULDADE SÃO SALVADOR - FSS SEEB - Sociedade de Estudos Empresariais Avançados da Bahia Ltda CNPJ: 03.871.465/0001-06 EDITAL COMPLETO PROCESSO SELETIVO PARA TRANSFERÊNCIA EXTERNA E PORTADORES DE DIPLOMA 2014.2 Nº 05/2014 O Diretor Geral da Faculdade São Salvador, no uso de suas atribuições legais, na conformidade do que

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DO CENTRO DE ESTUDOS EM DIREITO DO ORDENAMENTO, DO URBANISMO E DO AMBIENTE

REGULAMENTO DOS CURSOS DO CENTRO DE ESTUDOS EM DIREITO DO ORDENAMENTO, DO URBANISMO E DO AMBIENTE CAPÍTULO I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO DO ORDENAMENTO, DO URBANISMO E DO AMBIENTE Artigo 1.º (Constituição do Curso) 1. O Curso de Especialização em Direito do Ordenamento, do Urbanismo e do Ambiente

Leia mais

GUIAS TÉCNICOS. Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local. Índice

GUIAS TÉCNICOS. Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local. Índice Índice GUIAS TÉCNICOS Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local Estabelecimentos de Alojamento Local - Enquadramento - Tenho um imóvel que pretendo explorar como alojamento local, o que

Leia mais

Regulamento do Provedor do Cliente

Regulamento do Provedor do Cliente Vr5-0_Março/2016 Índice Artigo 1.º - Atribuições... 3 Artigo 2.º - Duração do mandato e incompatibilidades... 3 Artigo 3.º - Reclamações elegíveis para apreciação pelo Provedor do Cliente... 5 Artigo 4.º

Leia mais

CONTRATO DE MÚTUO. O(A) Mutuante e a Mutuária são doravante designados em conjunto por Partes.

CONTRATO DE MÚTUO. O(A) Mutuante e a Mutuária são doravante designados em conjunto por Partes. CONTRATO DE MÚTUO Entre: [[ ], residente na [ ], [ ], contribuinte fiscal número [ ]/[ ], sociedade [ ], com sede em [ ], [ ], pessoa coletiva número[ ], com o capital social de [ ], neste ato devidamente

Leia mais

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/15 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Licenciamento

Leia mais

POPULAR SEGUROS- COMPANHIA DE SEGUROS, S.A.

POPULAR SEGUROS- COMPANHIA DE SEGUROS, S.A. PROVEDOR DO CLIENTE Capítulo I - Enquadramento Artigo 1º - Objeto do presente documento Artigo 2º - Direito de apresentação de reclamações ao provedor Artigo 3º - Funções e autonomia do provedor Capítulo

Leia mais

FAQS ATRIBUIÇÃO DE HABITAÇÕES

FAQS ATRIBUIÇÃO DE HABITAÇÕES FAQS ATRIBUIÇÃO DE HABITAÇÕES 1 Onde é que posso obter o Regulamento do concurso? O Regulamento do concurso pode ser obtido: a) Nos escritórios da SPRHI, SA: - Rua Carvalho Araújo n.º38-b, em Ponta Delgada

Leia mais

FICHA CADASTRAL PESSOA FÍSICA

FICHA CADASTRAL PESSOA FÍSICA FICHA CADASTRAL PESSOA FÍSICA DADOS GERAIS DO TITULAR 01. NOME 02. Nº PF (USO MODAL) 03. DATA ABERTURA (USO MODAL) 04. CPF 05. IDENTIDADE 06. ÓRGÃO EXPED. 07. UF EXPED. 08. DATA EXPED. 09. DATA NASCIMENTO

Leia mais

EXAME NACIONAL DE ACESSO AO 3.º ESTÁGIO DE AGENTE DE EXECUÇÃO 28.04.2012 13H 1/8

EXAME NACIONAL DE ACESSO AO 3.º ESTÁGIO DE AGENTE DE EXECUÇÃO 28.04.2012 13H 1/8 1/8 EXAME NACIONAL DE ACESSO AO 3.º ESTÁGIO DE AGENTE DE EXECUÇÃO 28.04.2012 13H O exame tem a duração de duas horas, com quinze minutos de tolerância. O exame é composto por 20 questões de escolha múltipla,

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS

REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS Nota Justificativa Os Municípios enquanto Autarquias Locais têm por objetivo

Leia mais

PROJETO de REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE IDANHA-A-NOVA

PROJETO de REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE IDANHA-A-NOVA Município de Idanha-a-Nova Contribuinte 501 121 030 PROJETO de REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE IDANHA-A-NOVA A Câmara Municipal de Idanha-a-Nova, pretende implementar medidas de apoio social

Leia mais

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE CONTA CORRENTE, CONTA INVESTIMENTO E CONTA DE POUPANÇA

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE CONTA CORRENTE, CONTA INVESTIMENTO E CONTA DE POUPANÇA CONTRATANTE(S): As Pessoa(s) - Física(s) ou Jurídica(s) - indicada(s) e qualificada(s) na Proposta/Contrato de Abertura de Conta Corrente, Conta Investimento e Conta de Poupança, adiante denominada(s)

Leia mais

Regulamento da Caixa de Compensações S. E.

Regulamento da Caixa de Compensações S. E. Regulamento da Caixa de Compensações S. E. (processos anteriores à entrada em vigor do Decreto Lei n.º 226/2008 de 20 de Novembro) Preâmbulo: A gestão da caixa de compensações é essencial para assegurar

Leia mais

O NOVO REGIME JURÍDICO DA ATIVIDADE DA CONSTRUÇÃO Ivone Nobre 29 de setembro de 2015 ORDEM DOS ADVOGADOS

O NOVO REGIME JURÍDICO DA ATIVIDADE DA CONSTRUÇÃO Ivone Nobre 29 de setembro de 2015 ORDEM DOS ADVOGADOS O NOVO REGIME JURÍDICO DA ATIVIDADE DA CONSTRUÇÃO Ivone Nobre 29 de setembro de 2015 ORDEM DOS ADVOGADOS Índice I Qual a extensão da nova lei (em número de artigos), face à anterior? II Quem pode ser titular

Leia mais

Este documento tem como objetivo esclarecer algumas questões colocadas pelos Notários

Este documento tem como objetivo esclarecer algumas questões colocadas pelos Notários Este documento tem como objetivo esclarecer algumas questões colocadas pelos Notários Geral G1. Gostaria de assinar o protocolo com a MULTICERT. O que devo fazer? Lista de Perguntas Com o certificado da

Leia mais

EXAME NACIONAL DE ACESSO AO 3.º ESTÁGIO DE AGENTE DE EXECUÇÃO 28.04.2012 9H 1/8

EXAME NACIONAL DE ACESSO AO 3.º ESTÁGIO DE AGENTE DE EXECUÇÃO 28.04.2012 9H 1/8 1/8 EXAME NACIONAL DE ACESSO AO 3.º ESTÁGIO DE AGENTE DE EXECUÇÃO 28.04.2012 9H O exame tem a duração de duas horas, com quinze minutos de tolerância. O exame é composto por 20 questões de escolha múltipla,

Leia mais

Os sócios da Liga são ordinários ou honorários, designando-se por «Amigos».

Os sócios da Liga são ordinários ou honorários, designando-se por «Amigos». CAPÍTULO I (Denominação, natureza e fins) Artigo 1º 1 A Liga dos Amigos do Hospital Geral de Santo António é uma associação apolítica e inconfessional com sede na Cidade do Porto, Largo Professor Abel

Leia mais

Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015

Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015 Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015 O NOVO BANCO vem prestar alguns esclarecimentos que considera úteis para o preenchimento da declaração Modelo 3 de IRS, tomando por base a informação

Leia mais

Norma de Pagamentos. Os incentivos a conceder revestem a forma de subsídio não reembolsável.

Norma de Pagamentos. Os incentivos a conceder revestem a forma de subsídio não reembolsável. Norma de Pagamentos 1. Âmbito Nos termos do previsto no Contrato de Concessão de Incentivos estabelece-se a norma de pagamentos aplicável ao Empreende Jovem Sistema de Incentivos ao Empreendedorismo. O

Leia mais

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada Artigo 1.º Denominação A cooperativa de interesse público adopta a denominação

Leia mais

VAI COMPRAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE!

VAI COMPRAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! VAI COMPRAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! Compra e venda é o contrato pelo qual se transmite a propriedade de uma coisa ou outro direito, mediante um preço Art.º 874.º do Código Civil 1. Legislação

Leia mais

"CONCURSO PÚBLICO PARA EXPLORAÇÃO TEMPORÁRIA DE LOJAS, LOCALIZADAS NO MERCADO MUNICIPAL DE AREIAS DE SÃO JOÃO, EM ALBUFEIRA" CADERNO DE ENCARGOS

CONCURSO PÚBLICO PARA EXPLORAÇÃO TEMPORÁRIA DE LOJAS, LOCALIZADAS NO MERCADO MUNICIPAL DE AREIAS DE SÃO JOÃO, EM ALBUFEIRA CADERNO DE ENCARGOS "CONCURSO PÚBLICO PARA EXPLORAÇÃO TEMPORÁRIA DE LOJAS, LOCALIZADAS NO MERCADO MUNICIPAL DE AREIAS DE SÃO JOÃO, EM ALBUFEIRA" CADERNO DE ENCARGOS ARTIGO 1.º OBJETO O presente Caderno de Encargos diz respeito

Leia mais

Projeto de Decreto-Lei de regulamentação do Balção Nacional do Arrendamento. Preâmbulo

Projeto de Decreto-Lei de regulamentação do Balção Nacional do Arrendamento. Preâmbulo Projeto de Decreto-Lei de regulamentação do Balção Nacional do Arrendamento Preâmbulo A Lei n.º 31/2012, de 27 de fevereiro aprovou medidas destinadas a dinamizar o mercado de arrendamento urbano, alterando

Leia mais

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1. Capítulo I. Princípios Gerais. Artigo 1.º (Objecto da arbitragem)

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1. Capítulo I. Princípios Gerais. Artigo 1.º (Objecto da arbitragem) REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1 Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1.º (Objecto da arbitragem) Qualquer litígio, público ou privado, interno ou internacional, que por lei seja susceptível de ser resolvido

Leia mais

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social Enquadramento Fiscal dos Advogados em sede de IRS, IVA e segurança social Fiscalidade IVA / IRS / Segurança social Março 2015 1 IAE -Instituto dos Advogados de Empresa da Ordem dos Advogados 1 Formas de

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E BELIZE SOBRE TROCA DE INFORMAÇÕES EM MATÉRIA FISCAL

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E BELIZE SOBRE TROCA DE INFORMAÇÕES EM MATÉRIA FISCAL ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E BELIZE SOBRE TROCA DE INFORMAÇÕES EM MATÉRIA FISCAL A República Portuguesa e Belize a seguir designadas por as Partes, Desejando facilitar a troca de informações em

Leia mais

Decreto-Lei n.º 122/2005 de 29 de Julho

Decreto-Lei n.º 122/2005 de 29 de Julho Decreto-Lei n.º 122/2005 de 29 de Julho O Decreto-Lei n.º 142/2000, de 15 de Julho, aprovou o regime jurídico do pagamento dos prémios de seguro. Com a publicação deste diploma, procurou alcançar-se um

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA CAU/SP Nº 003/2015 INSCRIÇÃO E REVALIDAÇÃO DE INSCRIÇÃO DE ARQUITETOS E URBANISTAS PARA PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA CAU/SP Nº 003/2015 INSCRIÇÃO E REVALIDAÇÃO DE INSCRIÇÃO DE ARQUITETOS E URBANISTAS PARA PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA CAU/SP Nº 003/2015 INSCRIÇÃO E REVALIDAÇÃO DE INSCRIÇÃO DE ARQUITETOS E URBANISTAS PARA PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA CONVÊNIO DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO CAU/SP

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0715/09 Data do Acordão: 18-11-2009 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO JORGE LINO PENHORA GARANTIA REAL REGISTO TERCEIRO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500 LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500 ARTIGO PRELIMINAR Entre a Fidelidade - Companhia de Seguros, S.A., adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se

Leia mais

1 / 2 Condições de Utilização do Crédito Pessoal

1 / 2 Condições de Utilização do Crédito Pessoal 1 / 2 Condições de Utilização do Crédito Pessoal 1. O Crédito Pessoal é do tipo crédito clássico e só pode ser solicitado pela pessoa singular 1ª Titular de um Cartão emitido pela UNICRE que esteja em

Leia mais