LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro"

Transcrição

1 30

2 LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas Viajar para dentro Os brasileiros estão viajando mais. Pouco importa o destino: a verdade é que os pacotes turísticos e as passagens mais baratas estão tirando as pessoas de casa. Muita gente lucra com isso, como os donos de hotéis, restaurantes, locadoras de automóveis e comércio em geral. Alguém perde? Talvez os psicanalistas. Poucas coisas são tão terapêuticas como sair do casulo. Enquanto os ônibus, trens e aviões continuarem lotados, os divãs correm o risco de ficar às moscas. Viajar não é sinônimo de férias, somente. Não basta encher o carro com guarda-sol, cadeirinhas, isopores e travesseiros e rumar em direção a uma praia suja e superlotada. Isso não é viajar, é veranear. Viajar é outra coisa. Viajar é transportar-se sem muita bagagem para melhor receber o que as andanças têm a oferecer. Viajar é despir-se de si mesmo, dos hábitos cotidianos, das reações previsíveis, da rotina imutável, e renascer virgem e curioso, aberto ao que lhe vai ser ensinado. Viajar é tornar-se um desconhecido e aproveitar as vantagens do anonimato. Viajar é olhar para dentro e desmascarar-se. Pode acontecer em Paris ou em Trancoso, em Tóquio ou em Rio Pardo. São férias, sim, mas não só do trabalho: são férias de você. Um museu, um mergulho, um rosto novo, um sabor diferente, uma caminhada solitária, tudo vira escola. Desacompanhado, ou com um amigo, uma namorada, aprende-se a valorizar a solidão. Em excursão, não. Turmas se protegem, não desfazem vínculos, e viajar requer liberdade para arriscar. Viajando, você come bacon no café da manhã, passeia na chuva, vai ao super de bicicleta, faz confidências a quem nunca viu antes. Viajando, você dorme na grama, usa banheiro público, anda em lombo de burro, costura os próprios botões. Viajando, você erra na pronúncia, usa colar de conchas, troca horários, dirige do lado direito do carro. Viajando, você é reinventado. É impactante ver a Torre Eiffel de pertinho, os prédios de Manhattan, o lago Como, o Pelourinho. Mas ver não é só o que interessa numa viagem. Sair de casa é a oportunidade de sermos estrangeiros e independentes, e essa é a chave para aniquilar tabus. A maioria de nossos medos são herdados. Viajando é que descobrimos nossa coragem e atrevimento, nosso instinto de sobrevivência e conhecimento. Viajar minimiza preconceitos. Viajantes não têm endereço, partido político ou classe social. São aventureiros em tempo integral. Viaja-se mais no Brasil, dizem as reportagens. Espero que sim. Mas que cada turista saiba espiar também as próprias reações diante do novo, do inesperado, de tudo o que não estava programado. O que a gente é, de verdade, nunca é revelado nas fotos. Adaptado de : MEDEIROS, Martha. Viajar para dentro, in Trem-Bala, L&PM Pocket, Assinale a alternativa correta, de acordo com o texto. A) Uma viagem, que oportunize boas experiências e crescimento ao indivíduo, tem benefícios equivalentes ao aprendizado adquirido nos bancos escolares. B) Considerados estatisticamente, os exemplos oferecidos pela autora levam a concluir que ela vê mais oportunidades de aproveitamento e fruição em viagens para o estrangeiro do que em viagens dentro do território nacional. C) Para alcançarem- se os efeitos benéficos que uma viagem pode oferecer ao indivíduo, é preferível que ele viaje anônimo, possibilitando, assim, uma completa sensação de liberdade. D) As pessoas que têm o hábito de viajar são mais despojadas e corajosas, tornando- se isentas de medos e preconceitos. E) Viajar equipara as pessoas, na medida em que elas abandonam, de certa forma, suas peculiaridades originais. 2. Assinale a passagem que melhor refere o tema do texto. A) Os brasileiros estão viajando mais. (l. 01) B) Poucas coisas são tão terapêuticas quanto sair do casulo. (l ) C) São férias, sim, mas não só do trabalho. (l ) D) Mas ver não é só o que interessa numa viagem. (l ) E) O que a gente é, de verdade, nunca é revelado nas fotos. (l )

3 3. Considere as afirmativas abaixo, com relação ao texto. I. Desmascarar- se (l.28) significa abandonar as suas hipocrisias. II. Uma boa viagem equivale a uma psicoterapia, já que seus efeitos são os mesmos. III. Tramandaí ou Capão da Canoa, por exemplo, poderiam ser destinos para a viagem recomendada pela autora. Quais estão corretas? B) Apenas II. C) Apenas III. D) Apenas I e II. E) Apenas II e III. 4. Considere as propostas de deslocamento da palavra somente na frase Viajar não é sinônimo de férias, somente. (l. 14). I. Para antes de Viajar. II. Para entre Viajar e não. III. Para entre é e sinônimo. Quais podem manter o significado da frase original? B) Apenas II. C) Apenas III. D) Apenas I e II. E) Apenas II e III. 5. Considere a passagem Em excursão, não. Turmas se protegem (l. 37). Se o ponto final que há entre não e Turmas fosse substituído por uma vírgula, quatro das palavras ou expressões abaixo poderiam ser inseridas logo após essa vírgula, mantendo o significado original da passagem, EXCETO uma. Assinale- a. A) conquanto B) visto que C) já que D) porquanto E) uma vez que 6. Considere as propostas de substituição, no texto, para a passagem ao que lhe vai ser ensinado. (l ). I. a influência nova qualquer. II. a quase totalidade de eventos do mundo. III. a toda a gama de conhecimentos. Quais devem ter acrescentado o acento grave, indicativo da ocorrência de crase, sobre a palavra sublinhada? B) Apenas II. C) Apenas III. D) Apenas I e II. E) Apenas II e III Considere as afirmações abaixo, em relação à pontuação do texto. I. O motivo de emprego das vírgulas que estão antes e depois de restaurantes (l. 06) é o mesmo das que estão antes e depois de do inesperado (l. 66). II. A vírgula após lotados (l. 11) justifica- se pelo mesmo motivo da que está após viajando (l. 39). III. O motivo de emprego da vírgula que está após vínculos (l.38) é o mesmo da que está após independentes (l. 54). Quais estão corretas? B) Apenas I e II. C) Apenas I e III. D) Apenas II e III. E) I, II e III. 8. Assinale a alternativa que preenche, correta e respectivamente, as lacunas da frase. Mantém aceso o ideal sempre lutamos e próximos os parceiros, sonhos tanto convivemos e eu. A) com o qual de quem nos você B) para o qual em cujos os você C) pelo qual com cujos você D) por que com cujos tu E) com que em cujos os tu 9. Considere as frases abaixo, em relação à sua correção gramatical. I. Discussões houve, é verdade; todavia, hoje reina o consenso. II. Entre eu e tu, não há mais dívidas: estou quite contigo. III. Senhores jornalistas, a secretária do deputado solicitou às policiais que entregassem elas mesmas o documento a Vossa Excelência. Quais estão corretas? B) Apenas II. C) Apenas III. D) Apenas I e II. E) Apenas II e III. 10. Considere as frases abaixo, em relação à sua correção gramatical. I. Bastantes motivos já devia haver para que interpuséssemos uma medida de segurança. II. Era talvez meio- dia e meia quando o jurista expôs sua opinião acerca do processo. III. Vimos, por este meio, requerer a Vossa Senhoria que assessore seus funcionários em tarefa tão árdua. Quais estão corretas? B) Apenas II. C) Apenas III. D) Apenas I e II. E) Apenas II e III.

4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Informações para a Resolução das Questões 11 e 12 A empresa Bom Sono na tentativa de avaliar sua capacidade de produção de colchões de mola, identificou que possui uma média histórica de produção de 20 unidades por hora, em dois turnos de trabalho de 8h diárias, de segunda- feira à sexta- feira. Encerrado o mês (30 dias) as informações para análise foram: Amostragens de Qualidade 10h Atividades da equipe em treinamento 32h Domingos e Feriados: 5 dias Investigação de falhas de qualidade: 10 h; Manutenção preventiva: 15h; Mudanças na programação de produtos (setups): 30h Paradas devido a acidente de Trabalho: 20 h Paradas devido a atraso na entrega de material: 10h; Paradas para manutenção corretiva: 6 h; Tempos de troca de turnos: 6 h; 11. A partir destas informações é possível afirmar que a capacidade de projeto e a capacidade efetiva foram, em unidades produzidas, respectivamente de: A) e B) e C) e D) e E) e A taxa de eficiência, medida pela relação entre a capacidade efetiva e a utilização foi de aproximadamente: A) 87,9% B) 78,3% C) 85,0% D) 76,8% E) 65,3% 13. Considere as afirmativas I, II e III referentes a OPT (Optimized Production Technology - Tecnologia de Produção Otimizada) que consiste num conjunto de técnicas baseadas na Teoria das Restrições. I. É mais importante balancear o fluxo do que a capacidade já que a capacidade é fixa. II. A economia de tempos em recursos não- gargalos refletem diretamente na capacidade de produção e na eficiência de todo o processo; III. A capacidade dos recursos gargalos determinarão a capacidade de toda a produção, assim é indicado a inserção de um processo de controle de qualidade imediatamente antes dos recursos- gargalo. Com relação aos itens I, II e III é correto afirmar que: A) Estão corretos apenas os itens II e III B) Estão corretos apenas os itens I e II C) Estão corretos apenas os itens I e III D) Está correto apenas o item II E) Está correto apenas o item I 14. Analise os itens de I a V referentes a gestão de estoques I. O Tempo de Ressuprimento é o espaço de tempo compreendido entre a data da emissão da requisição de compra do material e aquela em que o material é efetivamente recebido; II. O tamanho do Lote de Compras é variável em função da Demanda Média e do Tempo de Ressuprimento; III. O Intervalo de Ressuprimento (IR) e o Tempo de Ressuprimento (TR) são determinados pelo fornecedor ou pelas necessidades de obtenção do produto; IV. Quanto maior o Intervalo de Ressuprimento (IR), menor será a Cadência de Compras (CC). V. O Estoque de segurança diminuirá se a Demanda Média aumentar Com relação aos itens I, II, III, IV e V é correto afirmar que: A) Há apenas um item corretos B) Há apenas dois itens corretos C) Há apenas três itens corretos D) Há apenas quatro itens corretos E) Há apenas cinco itens corretos 15. Segundo SLACK, CHAMBERS e JOHNSTON (2009) os sistemas de produção podem ser classificados quanto orientação (para o estoque ou para a encomenda). Acerca desta classificação, assinale a alternativa incorreta. A) Os sistemas de produção contínuos são caracterizados por uma alta eficiência e grande flexibilidade B) Nos sistemas de produção intermitentes os fluxos irregulares e o tamanho dos lotes influenciam na flexibilidade. C) Os sistemas de produção contínuos apresentam uma seqüência linear de produção com alto grau de padronização D) Nos sistemas de produção intermitentes a produção realiza- se em lotes. E) Nos sistemas de produção para Grandes Projetos há uma seqüência de tarefas ao longo do tempo, geralmente de longa duração, com pouca ou nenhuma repetitividade. 3

5 16. Analise as afirmações de I a V acerca da classificação proposta por Peinado e Graeml (2007), que afirma que os processos produtivos, sob o ponto de operacional, podem ser classificados sob três lógicas de transformação diferentes: Materiais, Informações e Consumidores. I. O processamento de materiais pode transformar suas propriedades físicas, localização, posse ou propriedade ou proporcionar acomodação ou estocagem; II. O processamento de materiais ocorre em organizações do tipo manufatura, empresas de mineração e extração, operações de varejo, armazéns, serviços postais, transportadores de cargas etc. III. O processamento de informações pode transformar suas propriedades informativas, posse, localização ou possibilitar a estocagem. IV. O trabalho de contadores, advogados, bancos, empresas de pesquisa de marketing são exemplos de processamento de consumidores. V. O processamento de consumidores pode transformar suas propriedades físicas, acomodá- los, mudar a localização ou o estado fisiológico e/ou psicológico. Dentre os itens acima A) Há quatro itens corretos B) Há um item correto C) Há dois itens corretos D) Há três itens corretos E) Há cinco itens corretos 17. Analise as proposições I, II e III: I. Quanto menor o tempo necessário para a realização de cada set- up, mais set- ups poderão ser feitos, diminuindo o tamanho dos lotes mínimos de fabricação; II. Lote mínimo de fabricação corresponde ao menor lote possível de ser produzido de forma que o aumento do tempo dos set- ups não ultrapasse a capacidade disponível; III. Quanto mais set- ups puderem ser feitos, menores serão os lotes mínimos dos produtos, possibilitando maior flexibilidade sem diminuição da capacidade efetiva de produção. Com relação aos itens I, II e III é correto afirmar que: A) Está correto apenas o item I B) Está correto apenas o item III C) Estão corretos apenas os itens II e III D) Estão corretos apenas os itens I e III E) Estão corretos apenas os itens I e II 18. Analise as proposições I, II e III: I - Na estrutura do produto é indispensável a lista e a quantidade de cada material que compõe o produto, mas não há necessidade de informar a seqüência de produção e/ou manufatura já que estará presente no CPM. II - Lead time é o tempo que decorre desde o recebimento de uma encomenda até a entrega do produto, podendo incluir nisto o tempo para a preparação e a transmissão da encomenda. III O MRP I é uma técnica que permite determinar as necessidades dos materiais e dos subprodutos que serão utilizados na fabricação de um produto. Com relação aos itens I, II e III é correto afirmar que: A) Estão corretos apenas os itens I e III B) Estão corretos apenas os itens II e III C) Estão corretos apenas os itens I e II D) Está correto apenas o item III E) Está correto apenas o item II 19. Analise as alternativas e indique qual é a única incorreta referente a utilização das ferramentas e técnicas da Gestão da qualidade: A) O fluxograma é um diagrama utilizado para representar, por meio de símbolos gráficos, a seqüência de todos os passos seguidos em um processo, tornando mais fácil visualizar e entender seu funcionamento. B) O PDCA é o modelo de referência para os planos de melhoramento contínuo adotados nos processos de gestão da qualidade, compreendendo quatro etapas, planejar, executar, verificar e agir (corretivamente). C) O Histograma e o Diagrama de dispersão ou de correlação necessitam de dados históricos de uma amostra ou da população de uma determinada situação em análise, já que combinam a utilização de análises estatísticas. D) A utilização das ferramentas e técnicas de gestão da qualidade combinam, ao mesmo tempo, a padronização dos processos de trabalho e a busca pela melhoria contínua. E) O diagrama de Ishikawa é uma representação gráfica que auxilia na identificação, exploração e apresentação relações entre causa e efeito, servindo para mostrar o que acontece com uma variável quando outras se alteram. 4

6 20. O produto Gama é formado por duas (2) unidades do subconjunto A e três (3) unidades do subconjunto B. Cada unidade A é formada por uma (1) unidade do material C e duas (2) unidades do material D. Cada unidade B é formada por três (3) unidades do material D, uma (1) unidade do material E e duas (2) unidades do material F. Considerando estas informações da manufatura do produto Gama, analise as proposições I, II, III e IV: I Para a produção de um lote de dezesseis (16) produtos Gama seria necessária a obtenção de 32 unidades do material C. II Para a produção de um lote de onze (11) produtos Gama seria necessária a obtenção de cento e cinquenta e três (153) unidades do material D. III Para a produção de um lote de doze (12) produtos Gama seria necessária a obtenção de trinta e seis (36) unidades do material E. IV Para a produção de um lote de oito (8) produtos Gama seria necessária a obtenção de setenta e duas (72) unidades do material F. Com relação aos itens I, II, III e IV é correto afirmar que: A) Estão corretos apenas os itens I, II e III B) Estão corretos apenas os itens II, III e IV C) Estão corretos apenas o item I e IV D) Estão corretos apenas os itens I e III E) Estão corretos apenas o item II e III 21. Referente ao Planejamento e Controle dos Estoques, é INCORRETO afirmar que: A) Há quatro tipos de estoques: isolador, de ciclo; de antecipação e de canal de distribuição. B) A decisão de quanto pedir envolve equilibrar os custos associados à manutenção de estoques com os custos associados à colocação de um pedido. C) O estoque de antecipação é normalmente utilizado quando as flutuações de demanda são significativas, mas relativamente previsíveis, podendo também ser utilizado nos casos em que as variações no fornecimento forem significativas. D) O estoque de segurança é a quantidade mínima que deve ser mantida. Assim, é determinante no cálculo das quantidades a serem pedidas, mas não influencia na decisão de quando o pedido deve ser efetuado já que o lead time de pedido é determinado pelo fornecedor. E) O estoque de ciclo ocorre porque um ou mais estágios na operação não podem fornecer todos os itens que produzem simultaneamente O Planejamento e Controle de Operações busca garantir que a produção ocorra com eficácia, produzindo produtos e serviços de acordo com os objetivos da empresa. Isto requer que os recursos produtivos estejam disponíveis na quantidade, no momento e na qualidade adequadas. A propósito disso, é INCORRETO afirmar que: A) A programação puxada é um sistema no qual a demanda é acionada a partir de requisições de centros de trabalho consumidores (internos). B) A entrada em um cinema e o atendimento em uma fila bancária são exemplos de seqüenciamento de operações pelo Método FIFO. Já a prioridade oferecida às pessoas da terceira idade é uma forma de furar a fila garantindo flexibilidade a estas operações. C) O método LIFO é usualmente utilizado por suas razões práticas, mas tem um efeito muito adverso na rapidez e na confiabilidade de entrega. Já o método FIFO oferece riscos à flexibilidade no seqüenciamento e no carregamento. D) A programação pode ser classificada como puxada ou empurrada. A programação empurrada é um sistema descentralizado em que as decisões são emitidas para centros de trabalho que devem enviar o produto de sua produção para a estação seguinte. E) O planejamento e o controle é decorrente de limitações de recursos devido a custos, capacidade, desempenho e qualidade. 23. Analise as proposições I, II, III e IV referentes à Gerenciamento da cadeia de suprimentos e a Logística I. O método mais comum de planejamento de rede é chamado Método do Caminho crítico (Critical Path Method - CPM) e seu objetivo é identificar a série de tarefas mais demoradas, denominadas gargalos, que devem ser evitados para melhorar o desempenho e alcançar maior eficiência nos processos. II. A Técnica de Revisão e Avaliação de Programa (Program Evaluation and Review Tecnique PERT) é uma abordagem alternativa ao CPM que três estimativas de tempo (otimista, mais provável e pessimista) para uma abordagem probabilística da estimativa de tempos. III. Para a correta aplicação do Método do Caminho Crítico (Critical Path Method - CPM) é preciso, dentre outras atividades, identificar as tarefas precedentes e subseqüentes e estimar os tempos para a realização de cada tarefa. IV. Para a correta aplicação da Técnica de Revisão e Avaliação de Programa (Program Evaluation and Review Tecnique PERT) é necessário identificar e explorar os gargalos, maximizando seu uso e subordinando os recursos não- gargalo ao recurso gargalo. Com relação aos itens I, II, III e IV é correto afirmar que: A) Estão corretos apenas os itens I e II B) Estão corretos apenas os itens II e IV C) Estão corretos apenas o item I e III D) Estão corretos apenas o item III e IV E) Estão corretos apenas os itens II e III

7 24. Analise os itens I, II, III, IV e V referente aos conceitos e atividades centrais da Logística e da Gestão da Cadeia de Suprimentos: I. A Distribuição pode ser entendida como um conjunto de atividades relacionadas à função de abastecimento, seus meios, métodos e técnicas que possibilitem o uso de instalações apropriadas ao recebimento, a armazenagem, estocagem e distribuição dos materiais. II. O conceito de Logística está vinculado às atividades de aquisição, movimentação, armazenagem e entrega de produtos e serviços, incluindo o planejamento de materiais e/ou de processos, vinculadas ao atendimento das demandas das funções de produção e de marketing. III. A Logística Reversa está relacionada com o planejamento, a operação e o controle do fluxo e das informações logísticas correspondentes, do retorno dos bens de pós- venda e de pós- consumo ao ciclo de negócios ou ao ciclo produtivo, por meios dos canais de distribuição reversos, agregando- lhes valor de diversas naturezas: econômico, ecológico, legal, logístico, de imagem corporativa, entre outros. IV. O inventário físico refere- se à contagem de materiais de um determinado grupo ou mesmo todos os itens em estoque para confronto com a contabilidade. Ele tem dois objetivos específicos, sendo o levantamento real da situação do estoque para ser levado ao balanço da empresa e uma auditoria da situação do estoque e procedimentos desenvolvidos no armazém. V. O conceito de Gestão da Cadeia de Suprimentos confunde- se com o conceito de Logística porque ambos estão relacionados aos suprimentos, materiais e produtos vinculados ao processo produtivo de uma empresa. A diferença entre estes conceitos é que o primeiro está preocupado com a relação entre a empresa e os fornecedores e o segundo o relacionamento com os clientes. Com relação aos itens I, II, III, IV e V é correto afirmar que: A) Há apenas um itens corretos B) Há apenas dois itens corretos C) Há apenas três itens corretos D) Há apenas quatro itens corretos E) Há apenas cinco itens corretos 25. Sobre os indicadores de adequação para Previsão de Demanda pode- se dizer que: I. o erro padrão da estimativa é adequado para testar modelos causais. II. o desvio absoluto médio é adequado para testar os diferentes métodos que trabalham com a média. III. o erro médio quadrático é adequado tanto para modelos causais como para modelos de média. A) I e III B) I e II C) II e III D) I, II e III E) somente III Manutenção é como as organizações tentam evitar as falhas de operação- produção. Sobre isso é possível afirmar que: I. a manutenção corretiva só é realizada após a falha ter ocorrido. II. a limpeza e a lubrificação de máquinas podem ser consideradas como manutenção preventiva. III. a manutenção preditiva é realizada em intervalos pré- planejados. A) I e II B) I e III C) somente II D) II e III E) I, II e III 27. Sobre Leiaute ou Arranjo Físico de empresas pode- se dizer que: I. o arranjo físico por processo é também conhecido como funcional. II. no arranjo físico posicional os recursos a serem processados ficam estacionários por impossibilidade, por inviabilidade ou por inconveniência. III. o arranjo físico por produto é inadequado para produção com grandes volumes. As afirmativas corretas são: A) I e II B) I e III C) II e III D) I, II e III E) somente III 28. Os métodos de localização industrial Ponderação de Fatores (PF) e Centro de Gravidade (CG) podem ser usados tanto para microlocalização como para macrolocalização. Quando o custo de transporte das matérias- primas dos produtos for o elemento mais relevante para a escolha do local, o que pode ser dito dos métodos PF e CG? A) o PF é o mais adequado. B) tanto o CG quanto o PF são igualmente adequados, pois são equivalentes. C) o CG é o mais adequado. D) tanto o CG quanto o PF são igualmente adequados, pois sempre chegam no mesmo resultado, embora não sejam equivalentes. E) tanto o CG quanto o PF são inadequados na situação descrita.

8 29. Hammer, que nos anos 90 divulgou e popularizou o conceito de reengenharia, enunciou um conjunto de princípios para os projetos de sua implementação. Alguns deles são: I. organize o processo de produção em torno de saídas e não de tarefas, pois a saída satisfaz uma necessidade de cliente. II. III. IV. elimine troca desnecessária de informações, redigitações e redundância. coloque pontos de tomada de decisão onde o trabalho é feito. promova melhoria contínua. A) I, II e III. B) I, III e IV. C) I, II e IV. D) II, III e IV E) I, II, III e IV 30. A forma mais usual de apresentação de Controle Estatístico de Processo (CEP) é um conjunto gráfico em que: A) o primeiro é a distribuição da média das médias e o segundo é a distribuição das amplitudes dos indivíduos. B) o primeiro é a distribuição da média das médias e o segundo é a distribuição dos desvios- padrão. C) o primeiro é a distribuição da média das amostras e o segundo é a distribuição dos desvios- padrão ou da variância. D) o primeiro é a distribuição das médias das amostras e o segundo é a distribuição das amplitudes das amostras. E) o primeiro é a distribuição da variância dos indivíduos e o segundo é a distribuição dos desvios- padrão das amostras. 31. Sobre o Just in Time (JIT) pode- se dizer que: I. o principal aspecto sacrificado do sistema JIT é a utilização da capacidade instalada de produção, pois quando existe problema em um posto operativo (PO) e ele para, todos os demais POs ligados a ele também param. II. no ocidente também é conhecido como um sistema enxuto. III. é um sistema empurrado, pois o estoque é rapidamente deslocado de um PO para o PO seguinte. A) I, II e III B) somente II C) II e III D) I e III E) I e II No sistema de produção Just in Time (JIT) um dos elementos fundamentais é aquele que diz que tudo o que é feito pode ser melhorado. Esta ideia que sustenta o JIT, em japonês, significa: A) Kanban B) Kata C) Kaizen D) Heijunka E) Katsuaki 33. Sobre o MRP (Material Requirement Planning) pode- se dizer que: I. Os seus insumos fundamentais são: a) Plano Mestre de Produção; b) Lista de Materiais; e c) Relatórios de Controle de Estoque. II. As questões básicas sobre suas partes (componentes) são: a) quanto fabricar ou comprar; b) quando fabricar ou comprar; e c) o que fabricar ou comprar. III. IV. Alguns dos seus insumos fundamentais são: a) programação da produção; b) alocação dos equipamentos em função da sua capacidade; e c) consolidação da capacidade de operação. Estima a probabilidade de entrega do pedido na data prevista. A) II e III B) II e IV C) III e IV D) I e III E) I e II 34. Os operadores logísticos são empresas que podem oferecer serviços para outras empresas, com o intuito de realizar as seguintes atividades: I. selecionar mão- de- obra para o contratante com o objetivo de usar sua competência específica de conhecimento de mercado. II. armazenagem no interior ou no final da cadeia de suprimento. III. realizar serviços de gestão utilizando sistemas e softwares apropriados. IV. realizar picking. V. transportar e distribuir produtos intermediários e produtos acabados. As alternativas não verdadeiras são: A) I e III B) I C) I e IV D) III e IV E) IV e V

9 35. As características diferenciadoras do serviço em relação à produção tangível são: I. produção e consumo concomitante. II. participação mais ativa do cliente (usuário) no processo produtivo. III. rapidez de produção. IV. maior responsividade. A) I e II. B) I e III. C) I e IV D) II e III E) II e IV 36. Lambert, um dos mais conhecidos autores na área de logística, ao se referir aos custos de espaço para armazenagem afirma que: A) não importa se o armazém é público, de terceiros ou próprio, pois os custos de manutenção de estoques é o mesmo. B) apenas as cobranças do armazém público devem ser incluídos nos custos de manutenção de estoques, uma vez que trata- se de algo que varia com o nível de estoque. C) armazenagem sempre gera custos variáveis, que são função da quantidade e do tempo. D) armazenagem sempre gera custos fixos, considerando a quantidade e o tempo de armazenagem. E) não existem sistemas de custeio de armazenagem que sejam melhores do que outros, pois podem, em qualquer caso, ser fixos ou variáveis. 37. A ISO 9000 pode oferecer benefícios tanto para a organização que a adota quanto para seus clientes. Nesse sentido pode- se afirmar que: I. Muitas organizações beneficiam- se da útil disciplina de seguirem procedimentos sensatos, voltados para processos. II. Muitas operações são beneficiadas em termos de redução de erros, de reclamações de consumidores e pela diminuição dos custos de qualidade. III. Geralmente, a auditoria ISO 9000 (quando uma organização é inspecionada por uma equipe da ISO ou por alguma instituição acreditada para fazê- lo visando à certificação) cumpre o papel de outras auditorias. III. IV. A adoção de procedimentos ISO 9000 pode identificar a existência de procedimentos desnecessários que possam ser eliminados. V. o contínuo uso de padrões e procedimentos garante melhor qualidade dos produtos e serviços oferecidos pelas organizações aos clientes. Estão corretas as alternativas: 8 A) I, II, III e V B) I, II, IV e V C) II, III, IV e V D) I, II, III, IV e V E) I, II, III e IV 38. As decisões no TQC (Total Quality Control) são tomadas com base na análise de fatos e dados. Algumas ferramentas são utilizadas para identificar problemas e buscar soluções possíveis. Das sete ferramentas básicas da qualidade pode- se dizer que: I. O Diagrama de Pareto é um gráfico de barras que ordena as frequências das ocorrências, da maior para a menor, permitindo a priorização dos problemas onde devem- se concentrar os esforços para solucioná- los. II. O Fluxograma é usado para diagramar sequencialmente as etapas de um processo qualquer; constitui importante auxiliar para detectar oportunidades de melhorias, pois fornece o detalhamento das atividades concedendo a visão global do fluxo, de suas falhas e de seus gargalos. III. O Histograma é uma ferramenta gráfica usada para mostrar a relação entre causas e efeitos ou alguma característica de qualidade e os fatores envolvidos. Permite estruturar hierarquicamente as causas do problema e seus efeitos sobre a qualidade dos produtos. Estão corretas as alternativas: A) Somente III B) II e III C) I, II e III D) I e II E) I e III 39. Como sua aplicação é bastante flexível, no desenvolvimento do Benchmarking é possível ter diversos objetivos ou finalidades. Nesse sentido: I. Benchmarking genérico é aquele que trata uma única questão desde o começo até o fim, atravessando a empresa inteira (por exemplo, do atendimento de um pedido até a entrega final ao cliente). II. Benchmarking funcional é aquele desenvolvido para identificar como outras empresas, eventualmente não do mesmo segmento, resolvem determinados problemas dentro de uma função especial (por exemplo, controle de pedidos). Benchmarking interno é aquele desenvolvido dentro do mesmo segmento do qual determinada empresa faz parte. Estão corretas as alternativas: A) Somente III B) II e III C) I, II e III D) I e III E) I e II

10 40. A empresa Modelo produz calças jeans azuis e pretas e com o objetivo de controlar os custos associados aos seus estoques fez um levantamento, obtendo os seguintes dados: Item Quant. Valor Unitário (R$) Valor Total (R$) Botões (unid.) , ,00 Caixa e Saco plástico (unid.) 400 0,70 280,00 Elástico (metros) 880 0,70 616,00 Etiqueta (unid.) 400 0,20 80,00 Linha azul (metros) , ,00 Linha preta (metros) , ,00 Tecido forro (metros) 860 0,90 774,00 Tecido azul (metros) , ,00 Tecido sarja preto (metros) , ,00 Zíper (unid.) 400 1,70 680,00 Considerando que o levantamento dos estoques da empresa Modelo está correto, analise as proposições I, II, III e IV referentes à aplicação da metodologia ABC de controle de estoques: I. O item Caixa e Saco plástico (unid.) pertence a Classe C e responde por aproximadamente 0,9% do valor total do estoque. II. O item Linha azul (metros) pertence a Classe B e responde por aproximadamente 10,8% do valor total do estoque. III. Os itens Tecido azul (metros) e Tecido sarja preto (metros) pertencem a Classe A e respondem juntos por mais de 70% do valor total do estoque. IV. O item Tecido forro (metros) pertence a Classe B e responde por aproximadamente 1,1 % do valor total do estoque. Com relação aos itens I, II, III e IV é correto afirmar que: A) Estão corretos apenas os itens I e II B) Estão corretos apenas os itens II e IV C) Estão corretos apenas os itens II e III D) Estão corretos apenas o item I e III E) Estão corretos apenas o item III e IV 9

LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro

LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro 82 e 72 LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas 1 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 Viajar para dentro Os brasileiros estão viajando mais. Pouco importa o destino: a verdade é

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro

LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro 31 LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas 1 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 Viajar para dentro Os brasileiros estão viajando mais. Pouco importa o destino: a verdade é que

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro

LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro 40 LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas 1 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 Viajar para dentro Os brasileiros estão viajando mais. Pouco importa o destino: a verdade é que

Leia mais

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS PROVA DE EIXO - REGULAR CURSOS: ADMINISTRAÇÃO Disciplina: Gestão de Operações IV Duração: 1h30 90 minutos Professor: Número de questões: 20 Data: 12/06/2010 Nota: Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS 1. A prova

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Sequenciamento e Emissão de Ordens Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Programação da produção: define quanto e quando comprar, fabricar

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Art Smalley Tradução: Diogo Kosaka Sistemas puxados são uma parte fundamental da manufatura lean e freqüentemente são mal

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro

LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro 29 LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas 1 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 Viajar para dentro Os brasileiros estão viajando mais. Pouco importa o destino: a verdade é que

Leia mais

Controle de Estoques

Controle de Estoques Controle de Estoques Valores em torno de um Negócio Forma Produção Marketing Posse Negócio Tempo Lugar Logística Atividades Primárias da Logística Transportes Estoques Processamento dos pedidos. Sumário

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

Planejamento e Controle de Projetos

Planejamento e Controle de Projetos Planejamento e Controle de Projetos Transformação de uma idéia em um conceito Forma A forma global do produto Idéia Propósito A necessidade que o produto deve satisfazer Função A maneira como o produto

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: As Atividades de Manutenção devem ser pensadas estrategicamente de maneira a contribui para resultado da empresa rumo a Excelência

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro

LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro 19, 27, 53 LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas 1 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 Viajar para dentro Os brasileiros estão viajando mais. Pouco importa o destino: a verdade

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro

LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro 20 LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas 1 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 Viajar para dentro Os brasileiros estão viajando mais. Pouco importa o destino: a verdade é que

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Modelo de integração de sistemas de gestão erp com a produção lexandre ugusto Massote (FEI) massote@fei.edu.br Guilherme Braga guiar De Maria (FEI) guibraga@terra.com.br Vanessa Takagochi (FEI) vanessa_takagochi@yahoo.com.br

Leia mais

Recursos Materiais 1

Recursos Materiais 1 Recursos Materiais 1 FCC - 2008 No processo de gestão de materiais, a classificação ABC é uma ordenação dos itens consumidos em função de um valor financeiro. São considerados classe A os itens de estoque

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME 1 LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME Marcio Alves Suzano, M.Sc. Marco Antônio Ribeiro de Almeida, D.Sc. José Augusto Dunham, M.Sc. RESUMO.

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

Contudo, os diferentes aspectos do planejamento e controle podem ser vistos como a representação da conciliação entre suprimento e demanda.

Contudo, os diferentes aspectos do planejamento e controle podem ser vistos como a representação da conciliação entre suprimento e demanda. Fascículo 7 Planejamento e Controle O projeto físico de uma operação produtiva deve proporcionar recursos capazes de satisfazer as exigências dos consumidores. O planejamento e controle preocupam-se com

Leia mais

KANBAN (capítulo 13)

KANBAN (capítulo 13) KANBAN (capítulo 13) O sistema kanban foi desenvolvido na Toyota Motor Company por Taiichi Ohno e Sakichi Toyoda e ficou conhecido dentro do Sistema Toyota de Produção, como um sistema de combate ao desperdício.

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

Iniciando com a Logística Enxuta [1 de 11]

Iniciando com a Logística Enxuta [1 de 11] Iniciando com a Logística [1 de 11] Rogério Bañolas Consultoria ProLean Logística Esta série de artigos foi elaborada de tal forma que os artigos fazem referências uns aos outros. Portanto, para melhor

Leia mais

Sumário AS LIÇÕES DA HISTÓRIA 13. O que é a Ciência da Fábrica? 1 PARTE I. 1 A Indústria Norte-Americana 15

Sumário AS LIÇÕES DA HISTÓRIA 13. O que é a Ciência da Fábrica? 1 PARTE I. 1 A Indústria Norte-Americana 15 O que é a Ciência da Fábrica? 1 0.1 Uma resposta simples (A resposta curta) 1 0.2 Uma resposta mais elaborada (A resposta longa) 1 0.2.1 Foco: a gestão da produção 1 0.2.2 O escopo: as operações 3 0.2.3

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro

LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro 18 LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas 1 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 Viajar para dentro Os brasileiros estão viajando mais. Pouco importa o destino: a verdade é que

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro

LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro 51, 8, 24 LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas 1 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 Viajar para dentro Os brasileiros estão viajando mais. Pouco importa o destino: a verdade

Leia mais

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Jean Cunningham Quando eu era CFO (Chief Financial Officer) da Lantech (Louisville, KY), ajudei a adaptar o sistema de tecnologia de informação

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA CAPACIDADE. Eng. Liane Freitas, MsC.

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA CAPACIDADE. Eng. Liane Freitas, MsC. PLANEJAMENTO E CONTROLE DA CAPACIDADE Eng. Liane Freitas, MsC. O que será visto neste capítulo? 1 Conceito de capacidade 2 Medição da capacidade 3 Influência do Fluxo na capacidade Efeito do tamanho do

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston

ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston 1 Planejamento e Controle Recursos de entrada a serem transformados Materiais Informação Consumidores AMBIENTE ESTRATÉGIA DE OPERAÇÕES OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

Grande parte dos planejadores

Grande parte dos planejadores ARTIGO Fotos: Divulgação Decidindo com o apoio integrado de simulação e otimização Oscar Porto e Marcelo Moretti Fioroni O processo de tomada de decisão Grande parte dos planejadores das empresas ainda

Leia mais

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM FIB - Faculdades Administração de Empresas 2009 MODELAGEM ESTUDO DE CASO: Trabalho solicitado pelo Prof.: Trabalho realizado para a disciplina de FIB - Faculdades

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

http://www.publicare.com.br/site/5,1,26,5480.asp

http://www.publicare.com.br/site/5,1,26,5480.asp Página 1 de 7 Terça-feira, 26 de Agosto de 2008 ok Home Direto da redação Última edição Edições anteriores Vitrine Cross-Docking Assine a Tecnologística Anuncie Cadastre-se Agenda Cursos de logística Dicionário

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I GESTÃO DA QUALIDADE LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I GESTÃO DA QUALIDADE LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 7 EDITAL N o 04/2013 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - O candidato recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 8 (oito) questões discursivas, sem

Leia mais

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: obter materiais, agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e disponibilizar os produtos no local e

Leia mais

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico RESUMO Entre as estratégias gerenciais em empresas de médio e grande porte existe o

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS 2ª OFICINA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR Lean Manufacturing é a busca da perfeição do processo através da eliminação de desperdícios Definir Valor Trabalhar

Leia mais

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Posicionamento em relação à Produção e Interação com outras áreas CQ FO ORNECEDORES Matéria Prima Material de Consumo

Leia mais

Exercicios Produção e Logistica

Exercicios Produção e Logistica 1 PROVA: 1998 PARTE I: QUESTÕES OBJETIVAS 7 Uma empresa fabrica e vende um produto por R$ 100,00 a unidade. O Departamento de Marketing da empresa trabalha com a Equação da Demanda apresentada abaixo,

Leia mais

Aplicação dos princípios de gestão da manutenção em uma fábrica de colchões

Aplicação dos princípios de gestão da manutenção em uma fábrica de colchões Aplicação dos princípios de gestão da manutenção em uma fábrica de colchões 1 Laureilton José Almeida BORGES; 1 Débora Cristina de Souza RODRIGUES; 1 Warley Alves Coutinho CHAVES; 1 Caroline Passos de

Leia mais

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001 Capítulo 8 Gerenciamento da Qualidade do Projeto O Gerenciamento da Qualidade do Projeto inclui os processos necessários para garantir que o projeto irá satisfazer as necessidades para as quais ele foi

Leia mais

Exercícios. Exercício 1

Exercícios. Exercício 1 Exercícios Exercício 1 Considere um sistema de processamento com os seguintes tempos entre chegadas de tarefas: Tempo entre Chegadas (horas) Probabilidade 0 0.23 1 0.37 2 0.28 3 0.12 Os tempos de processamento

Leia mais

Just In Time (JIT) é uma abordagem disciplinada, que visa aprimorar a produtividade global e eliminar desperdícios.

Just In Time (JIT) é uma abordagem disciplinada, que visa aprimorar a produtividade global e eliminar desperdícios. Fascículo 6 Planejamento e controle Just In Time Entendendo o Just In Time Just In Time, cuja tradução para o português resulta em algo não muito claro Apenas a Tempo, corresponde a atividade de produzir

Leia mais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais 1. Conceito - é a atividade de transformação (processo) de matéria-prima em utilidades necessárias ao consumidor. * Nenhuma organização sobrevive, a menos que produza alguma

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES. George Paulus Pereira Dias

GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES. George Paulus Pereira Dias GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES George Paulus Pereira Dias Agenda 1. Apresentação MRP 2. Estudo de Caso 3. Apresentação da Planilha 4. Primeira rodada de tomada de decisões 5. Próximos passos MRP - Planejamento

Leia mais

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Exercícios de Consolidação Gabarito 1 º Exercício Defina os diferentes

Leia mais

DuPont Engineering University South America

DuPont Engineering University South America Treinamentos Práticas de Melhoria de Valor (VIP Value Improvement Practices) DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO Auxiliam no: controle dos processos; identificação os problemas ou desvios; objetivo de avaliar e analisar; Facilitando a tomada de decisão. Coleta de dados confiáveis: a ferramenta

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade Operacional AULA 04 Gestão

Leia mais

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11]

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Introdução Rogério Bañolas ProLean Logística Enxuta No artigo anterior, vimos uma seqüência recomendada para implementação, bem como uma explicação sucinta de como

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Aula Nº 05 Determinação do Cronograma

Aula Nº 05 Determinação do Cronograma Aula Nº 05 Determinação do Cronograma Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar as atividades necessárias para se produzir o cronograma do projeto. Ao final desta aula, você

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro

LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro 25 LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas 1 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 Viajar para dentro Os brasileiros estão viajando mais. Pouco importa o destino: a verdade é que

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE

PLANEJAMENTO E CONTROLE Unidade I PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Planejamento e controle de estoques Objetivos da disciplina: Entender o papel estratégico do planejamento e controle de estoques.

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

NBC TA 501 - APROVAÇÃO. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.218, de 03.12.2009

NBC TA 501 - APROVAÇÃO. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.218, de 03.12.2009 NBC TA 501 - APROVAÇÃO RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.218, de 03.12.2009 Aprova a NBC TA 501 Evidência de Auditoria Considerações Específicas para Itens Selecionados. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício

Leia mais

Gestão de Projetos. Professor Ruy Alexandre Generoso

Gestão de Projetos. Professor Ruy Alexandre Generoso Gestão de Projetos Professor Ruy Alexandre Generoso Gestão de Projetos Fornecimento de produtos e serviços Planejamento e controle do processo Demanda de produtos e serviços Recursos de produção O gerenciamento

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS RESUMO Regiane A. Olmedo de Souza regianeolmedo@gmail.com Renan Fernandes Nascimento renanfn8@yahoo.com.br Rozana

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção O módulo APS é a mais nova ferramenta que irá auxiliar no gerenciamento da produção. O principal objetivo do APS é a determinação exata

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

Logística Empresarial. Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia

Logística Empresarial. Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia Logística Empresarial Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia Atividades chave da Logística Padrões de serviço ao cliente (c/ marketing): Determinar as necessidades/desejos

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL

PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL Importância PDCA Diretriz para a organização; Aproveitamento de novos espaços e layout; Redução e controle de riscos; Gerenciamento dos recursos com maior eficiência,

Leia mais

CURSO ANALISTA DE LOGISTICA E PRODUÇÃO INDUSTRIAL GRADE CURRICULAR @2014 - CENTRO EDUCACIONAL ANÍSIO PEDRUSSI

CURSO ANALISTA DE LOGISTICA E PRODUÇÃO INDUSTRIAL GRADE CURRICULAR @2014 - CENTRO EDUCACIONAL ANÍSIO PEDRUSSI MÓDULOS / DISCIPLINAS Carga Horária Módulo I - Introdução ao Estudo da Logística No Brasil e no Mundo 30 1. Introdução ao Estudo da Logística 2. História da Logística 3. Na Pré-História 4. No Exército

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Como Funciona a Simulação Introdução Assim como qualquer programa de computador,

Leia mais