O RISCO-AVENTURA COMO ELEMENTO GERADOR DE COMUNHÃO NO VÔO LIVRE. Tema: Sociologia e Antropologia do Esporte

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O RISCO-AVENTURA COMO ELEMENTO GERADOR DE COMUNHÃO NO VÔO LIVRE. Tema: Sociologia e Antropologia do Esporte"

Transcrição

1 O RISCO-AVENTURA COMO ELEMENTO GERADOR DE COMUNHÃO NO VÔO LIVRE Sérgio Luiz Gomes de Azevedo Mestrando em Educação Física e Cultura Ney Felippe de Barros Rodrigues Cocchiarale Mestrando em Educação Física e Cultura Vera Lúcia de Menezes Costa Doutora em Educação Física e Cultura LIRES-LEL Universidade Gama Filho, Rio de Janeiro RJ Tema: Sociologia e Antropologia do Esporte INTRODUÇÃO A rotina do homem moderno tem sido transformada por riscos que na maioria das vezes só existem nos noticiários divulgados pelos meios de comunicação de massa. A simples informação indicando a probabilidade destes riscos se tornarem realidade, cria no cotidiano das pessoas uma atmosfera de insegurança e medo. As expectativas de um colapso financeiro vividas pelo ambiente econômico são exemplos de riscos que ameaçam constantemente as estruturas da economia mundial e, por conseqüência, a todos que dela dependem. O risco apresenta destaque em duas situações: uma ordinária e outra extraordinária (VEIGA, 2008). O risco ordinário é inevitável e está relacionado ao modo de vida da sociedade contemporânea. O extraordinário difere das situações comuns do cotidiano ao mesmo tempo em que promove o desafio de situações limites. No universo esportivo, o risco pode caracterizar-se por situações em que o indivíduo enfrenta ambientes imprevisíveis (ar, água, floresta etc.), se dispondo a uma prática, cujo resultado é incerto (vôo livre, pára-quedismo, escalada etc.). Diferente dos esportes considerados convencionais (natação, corridas, jogos com bola etc.), a manutenção de uma vivência lúdica nos esportes de aventura e risco depende da disposição do indivíduo para colocar em jogo a integridade física ou até mesmo a própria vida. No vôo livre, objeto deste estudo, encontramos situações onde o indivíduo, dependendo basicamente das condições ambientais, de sua habilidade e do tipo de equipamento utilizado, enfrenta imprevisibilidades, sujeitando-se a experiências positivas, que podem resultar em prazer, ou negativas, resultando em medo, prejuízos físicos ou até mesmo em morte. O limite entre estas experiências se encontra na atitude do indivíduo com relação à quantidade de riscos que o mesmo está disposto a correr. Ao longo de sua trajetória, este esporte sofreu modificações que vão desde os primeiros vôos realizados com o simples objetivo de desafiar a gravidade, até os mais performáticos da atualidade, onde os pilotos conseguem percorrer longas distâncias utilizando as correntes de ar ascendentes (térmicas). A asa delta e o parapente, equipamentos utilizados na prática deste esporte, apresentam diferenças na razão de planeio, no modo de condução por parte do piloto e na composição de suas estruturas. Ambos dependem da habilidade técnica do piloto e da ação

2 dos elementos da natureza para se manterem no ar. Dependendo do objetivo, o equipamento (asa delta ou parapente) pode ser mais lento ou mais rápido, possibilitando um pouso mais simples ou mais técnico. Esse equipamento deverá estar sempre em sintonia com o objetivo desejado. Se o piloto pretende participar de campeonatos que exijam um elevado nível técnico, seu equipamento deve estar em sintonia com este nível. Se o piloto é inexperiente, ou não pretende desfrutar dos benefícios oferecidos pelos planadores modernos, o equipamento de baixa performance se torna mais adequado. Independente do tipo de vôo escolhido, a prática regular, a aquisição de conhecimentos teóricos e a troca de experiências entre os pilotos são aspectos fundamentais para a segurança, para a realização de bons vôos e para a manutenção de uma vivência lúdica. Iniciante ou experiente, independente da maneira como o piloto conduz seu vôo, o objetivo principal sempre será a busca do prazer através dos momentos de ludicidade. SENTIDOS DO RISCO Segundo Costa (2000), os riscos vividos pelos novos aventureiros, os praticantes de atividades físicas e esportivas, são riscos livremente escolhidos como valor. O risco neste caso é tratado como uma aventura no sentido lúdico, uma vez que a atitude dos sujeitos que vivem essa aventura é de enfrentamento do risco com a confiança do domínio cada vez maior da técnica. Para Quinodoz (1995) o risco possui uma relação direta com a busca do prazer. É o que ocorre em esportes como vôo livre, escalada, base jump e snowbording, onde os indivíduos se expondo a riscos manifestam em seus corpos, sensações de angústia que são transformadas em prazer. [...] Em Andradas teve um momento em que fiquei muito baixo, em cima de uma área que só tinha árvores, e vi uma bolhinha (térmica fraca) saindo de cima de linhas de alta tensão, aí pensei: ah, que divertido, uma térmica, é lá mesmo que eu vou [...] Às vezes, eu tinha maus sonhos depois desses vôos brabos eu poderia não ter sobrevivido a isto. Mas agora eu sei que nunca sobreviveria se me sentisse entediado como nas condições fracas. Eu gosto de ser sugado pelas nuvens, gosto de térmicas fortes (GIBSON, in, Parapente Brasil, 2002, nº, p. 10). Para Veiga (2008), risco significa risco físico. É a possibilidade de fatalidade ou de lesões de diferentes proporções que o indivíduo pode encontrar ao praticar determinadas atividades. Ou ainda, em uma perspectiva sensorial, um processo complexo que envolve a prática de atividades de risco. O vôo livre é uma atividade esportiva repleta de experiências sensoriais. Algumas destas experiências possuem relação direta com as situações de risco enfrentadas no decorrer da prática. Estas situações de risco, por outro lado, estão relacionadas à habilidade demonstrada pelo piloto na utilização de seu senso de observação ou, simplesmente, na sua visão, durante o vôo. Uma visão bem treinada permite a identificação das melhores e mais fortes térmicas, prolongando o vôo e aumentando as possibilidades de se obter prazer. O avanço tecnológico possibilitou que diversos instrumentos eletrônicos fossem incorporados ao vôo livre. Esses instrumentos contribuíram para a melhoria de performance trazendo benefícios tanto para os momentos competitivos quanto para os de lazer. Para a identificação das correntes ascendentes, além de sinais visuais, o piloto se orienta pelas informações fornecidas pelo variômetro, instrumento de grande importância no vôo livre. Além de apontar a altitude em que o piloto se encontra, indica, através de sinais sonoros, a

3 velocidade de subida e de descida durante o vôo. Quando o piloto, por algum motivo, perde ou simplesmente descarta o apoio deste instrumento, as informações fornecidas pelos sistemas sensoriais 1 passam a ser valorizadas com muito mais intensidade. Na ausência das informações fornecidas pelo variômetro, as variações térmicas percebidas através das correntes de ar ascendentes e descendentes, ficam a cargo dos sentidos do próprio piloto. A avaliação de um vôo pode ser medida pela quantidade e pela qualidade das experiências sensoriais a que se submete o piloto. Identificar os possíveis sinais que apontam o desenvolvimento ou a evolução de uma corrente de ar ascendente (térmica), é uma estratégia bastante eficaz para se realizar um bom vôo. A observação destes sinais pode ser feita da seguinte forma: no ar, através da observação do vôo de outros pilotos, do vôo de pássaros ou da formação de nuvens; no chão, através da observação dos movimentos da vegetação e de possíveis fontes naturais de calor onde as térmicas normalmente são criadas. [...] De qualquer forma, eu sinto a térmica. Uso o variômetro para confirmar o que sinto, mas ele não é realmente necessário na maioria dos casos. Abaixo de 500 metros, eu posso detectar visualmente minha ascensão. Acima disso, uso outras referências, como outros pilotos pássaros, nuvens, etc. Desenvolver um feeling no ar desligando seus instrumentos é uma prática muito útil (SUCHANEK, in Air Time Adventure, 1997, p. 13). A COMUNHÃO O risco também é apontado por Veiga (2008) com um elemento gerador de comunhão e solidariedade coletiva. Uma das características importantes dessa comunhão se deve ao fato de que, indivíduos que enfrentam juntos os mesmos riscos, se vêem mutuamente como pessoas de valor semelhante. Analisando as comunidades que se formam no universo dos praticantes de vôo livre, podemos observar que, diferente do cotidiano social, estas comunidades não impõem barreiras para que seus membros, estudantes, professores, médicos, advogados e profissionais de diferentes áreas compartilhem, durante boa parte do tempo em que passam juntos, as emoções e angústias de estarem vivenciando de forma lúdica uma atividade que é privilégio de poucos. Veiga (2008) argumenta que o papel principal do risco é acentuar o sentido de coesão social, em um nível não experimentado em outras atividades. O risco em si não é um elemento de grande coesão social. O que gera a coesão é a semelhança na atividade de risco. Os voadores de asa delta e de parapente voam em um mesmo ambiente, dependem das mesmas correntes de ar quente para se manterem no ar, dividem a mesma rampa para decolagem e, em alguns casos, dividem o mesmo local de pouso. Tanto um quanto o outro está sujeito, durante a prática, a colisões aéreas gerando problemas relacionados a fraturas ou, até mesmo, quedas fatais. Apesar da aparente semelhança que apresentam, essas duas categorias de vôo enfrentam condições distintas de riscos. Quando analisamos separadamente algumas das características apresentadas por asas delta e parapentes, encontramos diferenças que podem ser importantes para a compreensão do nível de coesão a que se submetem os indivíduos que praticam estas modalidades de vôo. Uma destas características está relacionada à praticidade. O parapente difere da asa delta pelo fato de ser mais leve e não possuir estrutura metálica, o que garante uma maior eficiência na montagem, desmontagem e no transporte. Uma outra característica está relacionada à performance. A aerodinâmica de uma asa delta supera em muito a aerodinâmica de um

4 parapente. A asa delta, além de desenvolver uma maior velocidade durante o vôo, comporta-se melhor que o parapente na presença de ventos turbulentos. Além da praticidade e da performance, outras características podem contribuir para que voadores de parapente e de asa delta formem, no contexto da prática do vôo livre, diferentes comunidades. Apesar de dividirem o mesmo espaço físico (rampa de decolagem, correntes ascendentes, pouso, etc.) os praticantes deste esporte se agrupam em comunidades cujo fator de coesão está relacionado à semelhança na quantidade de risco que os membros destas comunidades pretendem correr. Tendo como referência o fator risco, podemos identificar diversas comunidades. A primeira delas é composta por indivíduos que se identificam com a busca incessante de recordes e com as acirradas disputas de campeonatos. Como forma de lazer, privilegiam os vôos de longa distância e os desafios de voar em lugares ainda não explorados. Os indivíduos desta comunidade conseguem atingir um alto nível técnico de pilotagem, o que lhes possibilita um gerenciamento dos riscos envolvidos na prática em questão. Em conseqüência do grande número de experiências sensoriais vivenciadas e compartilhadas em diferentes ambientes de vôo, os indivíduos desta comunidade, quando comparados com os demais, apresentam maiores possibilidades de desenvolvimento de habilidades extraordinárias (VEIGA, 2008). Konrad 2, experiente piloto de asa delta, considera os campeonatos que participa, uma escola para a melhoria do nível técnico dos pilotos. Segundo ele, se o piloto deseja manter-se atualizado de técnica, equipamentos e estar em dia com o vôo livre, ele deve participar de campeonatos, pois é lá que as coisas acontecem. A segunda comunidade é composta por indivíduos que entendem as competições e as buscas incessantes de recordes como situações repletas de regras e seriedade que, em determinados momentos, podem se manifestar contrárias ao espírito de liberdade que o vôo proporciona, impondo obrigações e diminuindo as possibilidades lúdicas que poderiam existir. Pierre Bouilloux 3 acredita na importância da competição para o desenvolvimento do aprendizado no vôo livre. No entanto, ele afirma que, se a idéia do piloto é contemplar os locais de vôo, aproveitar até a última térmica do dia e voar na condição que bem entender, o ambiente competitivo não é o mais adequado. Cita como exemplo o Bivouac Flying, uma espécie de turismo, onde o piloto, como um nômade, viaja longos percursos utilizando somente o parapente e suas pernas. Adepto desta modalidade, ele afirma que a mesma é adequada para quem busca momentos de prazer, pois, preocupações competitivas ou com velocidade, não existem. A terceira e última comunidade é composta por indivíduos que entendem os campeonatos e os desafiantes vôos em busca de liberdade, como fatores que contribuem para a melhoria do nível técnico do piloto. Porém, optando por experiências menos arriscadas, voam em equipamentos de baixa performance e buscam locais onde as condições de vôo se apresentam mais tranqüilas. Diferente dos demais, os indivíduos desta comunidade conseguem obter prazer em situações comuns da prática do vôo livre, como subir até o ponto máximo de uma térmica ou, simplesmente, pelo fato de ter decolado, voado por alguns minutos e pousado com segurança. Podemos encontrar diferentes maneiras de se obter prazer em um esporte como o vôo livre. Existem aqueles que preferem voar em parapentes e os que preferem voar em asas delta. Existem ainda aqueles que voam em asas delta nas condições radicais, e em parapentes, nas condições mais favoráveis. Dependendo do equipamento, do local onde se pratica e do interesse do piloto, o prazer pode estar em um vôo longo e arriscado ou em um vôo breve e tranqüilo no final de tarde, ou, simplesmente, por ter tirado os pés do chão pela primeira vez.

5 O vôo livre é o esporte que mais retribui seu praticante com prazer. Quem voa sempre tem várias lembranças de momentos inesquecíveis de sua história como piloto. Eu lembro da primeira vez que tirei o pé do chão [...] Eu estava correndo e, de repente, ele me tirou do chão. Não durou mais que 3 segundos, mais guardo este momento na minha memória até hoje (LOPES, in Parapente Brasil, 2002, p 19). O vôo livre pode ser realizado com diferentes objetivos e de diversas maneiras. Dependendo de seu nível técnico, o piloto pode utilizar equipamentos (asa delta ou parapente) de alta, média ou baixa performance. A maneira como o piloto realizará o vôo estará diretamente ligada ao seu nível de experiência, sua habilidade e ao tipo de equipamento utilizado. A fim de garantir a segurança, este equipamento deverá estar sempre em sintonia com o objetivo desejado. Ou seja, se o piloto tem a pretensão de concorrer em campeonatos oficiais, superar recordes ou até mesmo seus próprios limites, seu nível técnico deve ser bom e seu equipamento de alta performance. Por outro lado, se o piloto for iniciante, equipamento de baixa performance se torna obrigatório para garantir os níveis de segurança dentro de padrões aceitáveis para a prática deste esporte. É comum encontrarmos também, pilotos que, mesmo possuindo experiência para realizar vôos de alta performance, optam pelos de baixa ou média performance, abrindo mão da evolução oferecida pelos equipamentos modernos, em detrimento de uma prática esportiva mais segura com o equipamento que, devido a sua habilidade, lhe dá melhores condições de controle. A característica mais importante, e que pode explicar a ligação existente entre diferentes indivíduos de uma determinada comunidade, está relacionada com as sensações que estes mesmos indivíduos experimentam ao enfrentar situações de risco. Não é o enfrentamento do risco durante a prática que garante a ligação entre estes indivíduos, mas a experiência sensorial que essa prática proporciona (VEIGA, 2008). Algumas destas experiências podem estar relacionadas à posição que o piloto ocupa durante o vôo. A sensação de pilotar deitado, como ocorre na asa delta, é totalmente diferente da sensação de pilotar sentado, como ocorre no parapente. A percepção que se tem da dimensão aérea quando se está na posição horizontal é completamente diferente daquela que se tem estando na vertical. A sensação de voar com uma asa delta de alta performance a mais de 100 km/h não é a mesma de estar voando em um parapente de alta performance a 60 km/h. É a semelhança das experiências sensoriais vividas por cada membro que formam as comunidades sensoriais (VEIGA, 2008). METODOLOGIA Voa-se atrás de prazeres. Alguns preferem a velocidade, enquanto outros a permanência. Uns gostam das sacudidas, enquanto outros da inércia. Uns gostam de provocar suas velas enquanto outros preferem acalmá-las. Uns gostam de ir rumo ao desconhecido, outros ficam onde já desvendaram os mistérios. (Sivuca, in Parapente Brasil, 2002, p. 239) Este estudo se limita ao vôo livre praticado com asa delta e parapente, realizado como lazer ou competição. A fim de nos aproximarmos da realidade do universo destes praticantes, realizamos uma investigação exploratória bibliográfica, com abordagem qualitativa, onde aspectos relacionados ao risco-aventura nos esportes foram abordados como tema principal. A partir dos discursos dos praticantes de vôo livre, analisamos o risco enquanto elemento gerador de

6 comunhão e a influência das sensações provenientes desse risco no processo de coesão das diferentes comunidades. Recorremos a leituras de livros, artigos científicos e revistas. Analisamos também os depoimentos de uma lista de discussão da Internet publicados no livro Parapente Brasil (2002) onde os discursos relacionados ao vôo livre serviram de suporte para o desenvolvimento desse estudo. A interpretação destes discursos se deu através do método de análise utilizado por Eny Orlandi (2003). CONSIDERAÇÕES FINAIS Esta primeira análise possibilitou que identificássemos, a partir do estudo dos diversos autores aqui apresentados e dos discursos dos praticantes de vôo livre, que o risco que envolve a prática desse esporte possui relação com o prazer, além de ser livremente escolhidos como valor. O risco pode estar relacionado a risco físico, um processo complexo que envolve a prática de atividades de risco ou ainda um elemento gerador de comunhão e solidariedade coletiva. O risco acentua o sentido de coesão social fazendo com que indivíduos que enfrentam o mesmo risco se sintam semelhantes. Podemos considerar que o risco-aventura, presente na prática deste esporte, além de ser um elemento gerador de comunhão, permite que o homem explore a imaginação e o conhecimento de seu próprio limite. Nessa exploração, ele se aventura, rompe a rotina cotidiana, imprimindo sentido à ação de voar.

7 REFERÊNCIAS ABDALAD, L S. A participação feminina nos esportes de aventura e risco: um vôo no universo do desafio e da incerteza...dissertação de Mestrado do Programa de Pós- Graduação em Educação Física. do Rio de Janeiro: UGF, AZEVEDO, S. L. G. A cultura lúdica do vôo de asa delta. In: FIEP, 2007, Foz do Iguaçu. Trabalho apresentado. p Risco e vertigem no vôo livre: Entre a angústia e o prazer. In: CBAA, 2007, Governador Valadares. Trabalho apresentado. p Vôo livre e lazer na modernidade. In: FIEP, 2007, Rio de Janeiro. Trabalho apresentado.. O corpo em risco socializado pelo vôo livre. In: CBCE, 2007, Recife. Trabalho apresentado. V. 15, p BACHELARD, G. O direito de sonhar. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, BARREAU, J.J; MORNE, J.J. Epistemologia Y antropologia del deporte. Madri: Alianza Editorial S.A., BECK, U. Risk Society: Towards a New Modernity. Cambridge, UK: PolityPress, (Risikogesellschaft. Frankfut: Suhrkamp, 1986) BOUSQUET, M. M. Théorie et pratique ludiques. Paris: Econômica, CAILLOIS, R. Os jogos e os homens: a máscara e a vertigem. Lisboa: Cotovia, COSTA, V. L. M. Esportes de Aventura e Risco na Montanha, São Paulo: Manole: 2000.

8 . Esportes de aventura e risco na montanha: uma trajetória de jogo com limites e incertezas. Tese de doutorado do Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Rio de Janeiro, UFG, BECK, Ulrich. Risk Society: Towards a New Modernity. Cambridge, UK: PolityPress, (Risikogesellschaft. Frankfut: Suhrkamp, 1986) DA COSTA, Lamartine (org). Atlas do esporte no Brasil: atlas do esporte, educação física e atividades físicas de saúde e lazer no Brasil. Rio de Janeiro: Shape, DURAN, Gilbert. O Imaginário: Ensaio Acerca das Ciências e da Filosofia da Imagem. Rio de Janeiro: DIFEL, p. DUVIGNAUD, J. El juego del juego. México: Fondo de cultura econômica, FERREIRA, Nilda Teves. Olhares sobre o Corpo e Imaginário Social. In.: VOTRE, Sebastião (ORG). Imaginário & Representações Sociais em Educação Física, Esporte e Lazer. Rio de Janeiro: Editora Gama Filho, pp GIDDENS, A. Modernidade e Identidade, Rio de Janeiro: Zahar, GUZZO, M. Corpo em risco. Athenea Digital, 6, Disponible en Acesso em 03 de abril de 2007 às 15:00. KNAUER, R. T. História do Vôo Livre no Brasil. (Monografia de Especialização em Educação Física). Rio de Janeiro, UGF, LOPES, R. S. et al. Parapente Brasil: Histórias e Aventuras do Vôo Livre. Rio de Janeiro: Editado por Rodrigo Stulzer Lopes, ORLANDI Eni Pucinelli. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, p.

9 PAGEN, D. Os segredos de um tricampeão. Air Time Adventure, Rio de Janeiro, n. 12, p. 13, PITTA, D. P. R. Iniciação a teoria do imaginário de Gilbert Durand, Rio de Janeiro: Atlântica Editora, QUINODOZ, D. A Vertigem: entre a angústia e o prazer. Porto Alegre: Artes Médicas, VEIGA, Guilherme. Ritual, risco e arte circense: o homem em situações limites. Brasília: UNB, Sergio Luiz Gomes de Azevedo Endereço: Rua Katar Rechuan, 391 São João de Meriti CEP: Rio de Janeiro RJ 1 O sistema sensorial permite que tomemos consciência de nossa posição e equilíbrio no espaço antes de tomarmos alguma decisão (Quinodoz 1995). 2 Entrevista a Revista Air, ano VIII, nº 08, p Piloto francês campeão mundial de parapente em entrevista a Revista Air, ano II, nº 04, p. 30.

O CORPO EM RISCO SOCIALIZADO PELO VÔO LIVRE

O CORPO EM RISCO SOCIALIZADO PELO VÔO LIVRE 1 O CORPO EM RISCO SOCIALIZADO PELO VÔO LIVRE Sérgio Luiz Gomes de Azevedo Mestrando Lires LEL PPGEF/UGF Rio de Janeiro Brasil RESUMO Este trabalho tem como objetivo identificar os sentidos de risco presentes

Leia mais

Ao descolarmos de uma grande altitude a densidade diminui, o que acontece à sustentação?

Ao descolarmos de uma grande altitude a densidade diminui, o que acontece à sustentação? O que é a aerodinâmica? Aerodinâmica é o estudo do ar em movimento e das forças que actuam em superfícies sólidas, chamadas asas, que se movem no ar. Aerodinâmica deriva do grego "aer", ar, e "dynamis",

Leia mais

56º Campeonato Brasileiro de Planadores - Etapa Planalto Central

56º Campeonato Brasileiro de Planadores - Etapa Planalto Central 56º Campeonato Brasileiro de Planadores - Etapa Planalto Central Formosa 2014 Relato André Lautert - LA Escrevo este relato como um aperitivo para que aqueles que tenham interesse em participar de um campeonato

Leia mais

ATA DA REUNIÃO REALIZADA ENTRE OS PILOTOS PARTICIPANTES DA 1a ETAPA DO CAMPEONATO BRASILEIRO DE PARAPENTE EM BAIXO GUANDU - ES.

ATA DA REUNIÃO REALIZADA ENTRE OS PILOTOS PARTICIPANTES DA 1a ETAPA DO CAMPEONATO BRASILEIRO DE PARAPENTE EM BAIXO GUANDU - ES. ATA DA REUNIÃO REALIZADA ENTRE OS PILOTOS PARTICIPANTES DA 1a ETAPA DO CAMPEONATO BRASILEIRO DE PARAPENTE EM BAIXO GUANDU - ES. Aos 17 dias do mês de Maio de 2013, às 20 horas, no QG do Campeonato Brasileiro

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

O planador de ouro Uma fábula sobre polar básica conforme contada ao autor por uma garota em um bar de solteiros.

O planador de ouro Uma fábula sobre polar básica conforme contada ao autor por uma garota em um bar de solteiros. por Jerry Gibbs Revista Soaring - Julho 1980 Tradução e adaptação: Antonio Milan O planador de ouro Uma fábula sobre polar básica conforme contada ao autor por uma garota em um bar de solteiros. Era uma

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

PRINCIPAIS FUNÇÕES NA EQUIPE

PRINCIPAIS FUNÇÕES NA EQUIPE Trekking é uma caminhada com uma boa dose de aventura na qual os praticantes não andam com guia, mas fazem o percurso com o auxílio de uma planilha de navegação. A prova de Trekking de Regularidade se

Leia mais

Aula 9. Liderança e Gestão de Equipes

Aula 9. Liderança e Gestão de Equipes Aula 9 Liderança e Gestão de Equipes Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br Trabalho em Equipe Nenhum homem é uma ilha, sozinho em si mesmo; Cada homem é parte do continente, parte do

Leia mais

INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil

INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil A reportagem exibida na semana passada mostrava algumas falhas na comunicação entre o avião monomotor em que estava o nosso repórter

Leia mais

Moutain biking Uma modalidade de ciclismo na qual o atleta deve fazer vários percursos com obstáculos e irregularidades

Moutain biking Uma modalidade de ciclismo na qual o atleta deve fazer vários percursos com obstáculos e irregularidades Moutain biking Uma modalidade de ciclismo na qual o atleta deve fazer vários percursos com obstáculos e irregularidades surgiu na Califórnia na década de 1950, através das brincadeiras de alguns ciclistas

Leia mais

Conteúdos. Escalada Rapel Tirolesa Slackline

Conteúdos. Escalada Rapel Tirolesa Slackline Conteúdos Escalada Rapel Tirolesa Slackline Habilidades Conhecer os esportes de aventura, entendendo os conceitos do esporte e os cuidados necessários. Reconhecer nos esportes de aventura uma alternativa

Leia mais

PREPARAÇÃO FÍSICA ARBITRAGEM FPF Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

PREPARAÇÃO FÍSICA ARBITRAGEM FPF Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte PREPARAÇÃO FÍSICA ARBITRAGEM FPF Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Antonio Carlos Fedato Filho Guilherme Augusto de Melo Rodrigues O Futebol está em uma constante evolução. Quando falamos

Leia mais

A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP.

A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP. A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Joselene Lopes Alvim A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS MOTIVAÇÃO E PLANEJAMENTO Fernanda Lopes Morassi Juliana Matos Lopes Pamela Santos Wagner Antonio Garcia Zélia Moreira dos Santos

Leia mais

NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO.

NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO. NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO. Luciana Lara 1 RESUMO: Este estudo pretende refletir sobre algumas implicações das noções de corpo e movimento

Leia mais

COACHING NA EDUCAÇÃO COACHING NA EDUCAÇÃO. Novos Rumos para os Jovens. Isabel Ferreira. Fundadora da Escola De Coaching ECIT

COACHING NA EDUCAÇÃO COACHING NA EDUCAÇÃO. Novos Rumos para os Jovens. Isabel Ferreira. Fundadora da Escola De Coaching ECIT COACHING COACHING NA NA EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO Novos Rumos para os Jovens Isabel Ferreira Fundadora da Escola De Coaching ECIT www.escoladecoaching.com Coaching na Educação COACHING NA EDUCAÇÃO www.escoladecoaching.com

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica O USO DA INTERNET NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL PÚBLICA DE ANÁPOLIS: MAPEANDO OS MODOS DE USO 1,3 Fernanda Vasconcelos Silva Souza; 2,3 Profª Drª Mirza Seabra Toschi 1 Bolsista PIBIC/CNPq 2 Pesquisadora-orientadora

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLETINDO SOBRE A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOCENTE

EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLETINDO SOBRE A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOCENTE EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLETINDO SOBRE A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOCENTE Thais Messias MORAES; Humberto Luís de Deus INÁCIO Faculdade de Educação Física/UFG - thaismemo@gmail.com Palavras-chave:

Leia mais

4 VÍDEOS ENSINAM MAIS SOBRE TRADER ESPORTIVO, CONFIRA EM: HTTP://WWW.VIVERDEFUTEBOL.COM/

4 VÍDEOS ENSINAM MAIS SOBRE TRADER ESPORTIVO, CONFIRA EM: HTTP://WWW.VIVERDEFUTEBOL.COM/ 1 2 ÍNDICE 1- NOTA LEGAL... 3 2- SOBRE AUTOR... 3 3- SEMELHANÇA COM O MERCADO FINANCEIRO... 4 4- EXEMPLO DO MERCADO DE AUTOMÓVEIS USADOS... 4 5- CONHECENDO O BÁSICO DAS APOSTAS... 7 6- O QUE É UMA ODD?...

Leia mais

Ensino de Artes Visuais à Distância

Ensino de Artes Visuais à Distância 1 Ensino de Artes Visuais à Distância Bárbara Angelo Moura Vieira Resumo: Através de uma pesquisa, realizada em meio ao corpo docente da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, as

Leia mais

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão III

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão III Questões COVEST Física Mecânica Prof. Rogério Porto Assunto: Cinemática em uma Dimensão III 1. Um atleta salta por cima do obstáculo na figura e seu centro de gravidade atinge a altura de 2,2 m. Atrás

Leia mais

A Ciência da Mecânica. Olá, estamos de volta com mais uma coluna sobre Ciência. Mês passado fiz a seguinte pergunta: Como um avião se sustenta no ar?

A Ciência da Mecânica. Olá, estamos de volta com mais uma coluna sobre Ciência. Mês passado fiz a seguinte pergunta: Como um avião se sustenta no ar? A Ciência da Mecânica Washington Braga, Professor Associado 13/ Ano II Departamento de Engenharia Mecânica - PUC - Rio Título: Avião Voa? Olá, estamos de volta com mais uma coluna sobre Ciência. Mês passado

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA:

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: CRENÇAS DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE ACERCA DO CUIDADO DA PESSOA EM SOFRIMENTO MENTAL. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Faculdade de Filosofia Ciências

Leia mais

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Prof. Antonio Carlos Fedato Filho Prof. Guilherme Augusto de Melo Rodrigues Monitorando e conhecendo melhor os trabalhos

Leia mais

Um introdução. Guia do Workshop INSPIRAÇÃO IDEAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO. O Processo de Design. O Curso para o Design Centrado no Ser Humano

Um introdução. Guia do Workshop INSPIRAÇÃO IDEAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO. O Processo de Design. O Curso para o Design Centrado no Ser Humano Guia do Workshop INSPIRAÇÃO IDEAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO O Processo de Design Vamos começar! Nós sabemos por experiência que o único jeito de aprender o design centrado no ser humano é aplicando-o. Por isso,

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION. DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION. DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento TD-002/09 CÁLCULOS DE NAVEGAÇÃO 2009 Página: 002/017 1 INTRODUÇÃO Este documento tem o objetivo de explanar sobre os cálculos que envolvem o planejamento

Leia mais

Seis dicas para você ser mais feliz

Seis dicas para você ser mais feliz Seis dicas para você ser mais feliz Desenvolva a sua Espiritualidade A parte espiritual é de fundamental importância para o equilíbrio espiritual, emocional e físico do ser humano. Estar em contato com

Leia mais

Aprendendo a vencer a Ansiedade

Aprendendo a vencer a Ansiedade Rua Conde de Bonfim 232/301 Tijuca Rio de Janeiro RJ Tel:2234-2399 Email: eliane@epvpsicologia.com Home Page:www.epvpsicologia.com Aprendendo a vencer a Ansiedade Um guia para os pais sobre a ansiedade

Leia mais

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC.

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. Neusa Maria Zangelini - Universidade do Planalto Catarinense Agência Financiadora: Prefeitura de Lages/SC

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

Visite nossa biblioteca! Centenas de obras grátis a um clique! http://www.portaldetonando.com.br

Visite nossa biblioteca! Centenas de obras grátis a um clique! http://www.portaldetonando.com.br Sobre a digitalização desta obra: Esta obra foi digitalizada para proporcionar de maneira totalmente gratuita o benefício de sua leitura àqueles que não podem comprá-la ou àqueles que necessitam de meios

Leia mais

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano 24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano Mariana Tavares Colégio Camões, Rio Tinto João Pedro da Ponte Departamento de Educação e Centro de Investigação em Educação Faculdade de Ciências

Leia mais

Empreendedor Resiliente

Empreendedor Resiliente Empreendedor Resiliente Volume dois Mentoring para a maturidade emprendedora João Marcos Varella João Marcos Varella Página 1 João Marcos Varella Página 2 À Beatriz João Marcos Varella Página 3 O segredo

Leia mais

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml Figura 96 - Trecho do desenho da paisagem local, formado por desenhos individuais colados justapostos um no outro, constituindo uma só peça, um extenso rolo A localização da escola, no tocante a sua topografia,

Leia mais

Considerando o funcionário como participante

Considerando o funcionário como participante Integração e bem-estar dos funcionários na empresa: Esporte como caminho RENATO FRANCISCO RODRIGUES MARQUES RESUMO Considerando o funcionário como participante fundamental na produtividade da empresa,

Leia mais

Empreendedorismo, Identidade e Educaçao SEBRAE, Sao Paulo, 11 de novembro de 2014

Empreendedorismo, Identidade e Educaçao SEBRAE, Sao Paulo, 11 de novembro de 2014 Empreendedorismo, Identidade e Educaçao SEBRAE, Sao Paulo, 11 de novembro de 2014 L. J. Filion Rogers - J. A. Bombardier Chair of Entrepreneurship HEC Montreal Parte 1 Uma breve introdução ao empreendedorismo

Leia mais

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente Leandro Pedro de Oliveira¹ INTRODUÇÃO A introdução à carreira docente tem sido objeto de

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A VISÃO DE ALGUMAS BOLSISTAS DO PIBID SOBRE SUA ATUAÇÃO EM CONTEXTOS EDUCACIONAIS INCLUSIVOS

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Guia Fundamental para Gestão de Qualidade em Serviços Objetivo Capacitar os participantes a interpretarem os requisitos da Norma ISO 9001:2008, relacionados aos

Leia mais

O MUNDO ENCANTADO DO TELE CIRCO: gerando aprendizagem

O MUNDO ENCANTADO DO TELE CIRCO: gerando aprendizagem O MUNDO ENCANTADO DO TELE CIRCO: gerando aprendizagem Autores: AZENILDA DE PAULA CABRAL e IVANISE MARIA BOMFIM SOARES Nem sempre a aprendizagem está diretamente ligada ao ensino. É possível ensinar e não

Leia mais

www.nascarbrasil.com Manual de pilotagem e aprendizado

www.nascarbrasil.com Manual de pilotagem e aprendizado Manual de pilotagem e aprendizado Bem vindo ao mundo das corrida virtuais! A razão deste documento é ajudar os novatos em corridas multi-player entender as grandes diferenças entre correr Online e Offline

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

TESTE VOCACIONAL PROF. BRUNO AUGUSTO COLÉGIO SÃO JOSÉ

TESTE VOCACIONAL PROF. BRUNO AUGUSTO COLÉGIO SÃO JOSÉ TESTE VOCACIONAL PROF. BRUNO AUGUSTO COLÉGIO SÃO JOSÉ S I S T E M A P O S I T I V O D E E N S I N O Na escola, você prefere assuntos ligados à: a) Arte, esportes e atividades extracurriculares b) Biologia

Leia mais

Índice. Classificação. Mais leve do que o ar. Curso n 4 Aeronaves

Índice. Classificação. Mais leve do que o ar. Curso n 4 Aeronaves Curso n 4 Aeronaves Aeronaves são quaisquer máquinas capazes de sustentar vôo, e a grande maioria deles também são capazes de alçar vôo por meios próprios. Índice 1 Classificação o Mais leve do que o ar

Leia mais

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso.

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso. RESUMO Email Marketing: Pós-Graduação em Arquitetura Contemporânea 1 Silvia Fernanda Santos de SENA 2 Thiago Jerohan Albuquerque da Cruz 3 Fernando Israel FONTANELLA 4 Universidade Católica de Pernambuco,

Leia mais

A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN

A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN 1 A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN Heraldo Simões Ferreira 1 José Jackson Coelho Sampaio 2 Laryssa Sampaio Praciano 3 RESUMO Este artigo possui como objetivo trazer

Leia mais

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares.

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares. APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI: POSSÍVEIS ENCONTROS COM A APRENDIZAGEM DIALÓGICA NOS CADERNOS DE PESQUISA 1 Adrielle Fernandes Dias 2 Vanessa Gabassa 3 Pôster - Diálogos Abertos

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

Programa de Educação a Distância da Fundação Getulio Vargas

Programa de Educação a Distância da Fundação Getulio Vargas FGV ONLINE Programa de Educação a Distância da Fundação Getulio Vargas ASPECTOS DE MITIGAÇÃO SOBRE EVASÃO ESCOLAR E LUCIDEZ DE ALUNOS DE CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO E MBA EXECUTIVO EM DISCIPLINAS ONLINE.

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

O PEDAGOGO E O DESAFIO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES. Ana Lúcia dos Santos

O PEDAGOGO E O DESAFIO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES. Ana Lúcia dos Santos O PEDAGOGO E O DESAFIO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES Ana Lúcia dos Santos A presente pesquisa sobre O Pedagogo e o desafio da formação continuada de Professores teve por objetivo descrever as propostas

Leia mais

ORATÓRIA ATUAL: desmistificando a idéia de arte

ORATÓRIA ATUAL: desmistificando a idéia de arte ORATÓRIA ATUAL: desmistificando a idéia de arte Autora: ADRIJANE ALVES DE AMORIM Introdução Estabelecer objetivamente a medida de um bom orador não é tarefa fácil. Para muitos, falar bem guarda a ideia

Leia mais

14 Dicas para Acabar com a Ansiedade e Depressão Despertar do Amor http://www.despertardoamor.com.br

14 Dicas para Acabar com a Ansiedade e Depressão Despertar do Amor http://www.despertardoamor.com.br 14 Dicas para Acabar com a Ansiedade e Depressão Despertar do Amor Este e-book é um dos BÔNUS que fazem parte do Processo Despertar do Amor. Para saber mais sobre este trabalho, acesse: INTRODUÇÃO O grande

Leia mais

TRAJETÓRIAS E ESTRATÉGIA DE RECONVERSÃO DE PEQUENOS NEGOCIANTES NO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS

TRAJETÓRIAS E ESTRATÉGIA DE RECONVERSÃO DE PEQUENOS NEGOCIANTES NO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS TRAJETÓRIAS E ESTRATÉGIA DE RECONVERSÃO DE PEQUENOS NEGOCIANTES NO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS MUZZETI, Luci Regina - FCL/CAr-UNESP GT: Sociologia da Educação /n.14 Agência Financiadora:.

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS

A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS FABIANA ALVES DE LUCENA (Especialista em Fisiologia do Exercício e Grupos Especiais, Faculdade Leão

Leia mais

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE DAMKE, Anderléia Sotoriva - UFMS anderleia.damke@yahoo.com SIMON, Ingrid FADEP ingrid@fadep.br Resumo Eixo Temático: Formação

Leia mais

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade...

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade... Entrevista com PEDRO MANDELLI Consultor na área de mudança organizacional, Pedro Mandelli é um dos maiores especialistas em desenho e condução de processos de mudança em organizações. É professor da Fundação

Leia mais

?- Período em que participavam das aulas.

?- Período em que participavam das aulas. Iniciativa Apoio como foi a campanha HISTÓRIAS EX ALUNOS 1997 2013 as perguntas eram relacionadas ao:?- Período em que participavam das aulas. - Impacto que o esporte teve na vida deles. - Que têm feito

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

Construção dos geógrafos frente à natureza e sociedade

Construção dos geógrafos frente à natureza e sociedade O OLHAR DOS GEÓGRAFOS FRENTE ÀS MODERNIZAÇÕES NA AGRICULTURA E ÀS IMPLICAÇÕES AMBIENTAIS 1 Roberto Verdum 2 Departamento de Geografia/IG/UFRGS Para identificar o olhar dos geógrafos frente às modernizações

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

X SEMANA ACADÊMICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARTICIPAÇÃO DE ESCOLAS DE FLORIANÓPOLIS EM COMPETIÇÕES INTERNACIONAIS.

X SEMANA ACADÊMICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARTICIPAÇÃO DE ESCOLAS DE FLORIANÓPOLIS EM COMPETIÇÕES INTERNACIONAIS. PARTICIPAÇÃO DE ESCOLAS DE FLORIANÓPOLIS EM COMPETIÇÕES INTERNACIONAIS. Tiago Soares Gaspar Resumo: O projeto EIC no EUA 2009 nasceu de uma parceria estabelecida no ano de 1996 entre um professor de educação

Leia mais

MARCOS RAFAEL TONIETTO A RELAÇÃO ENTRE CULTURA INFANTIL E SABERES DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA PRÁTICA DOCENTE COM CRIANÇAS PEQUENAS

MARCOS RAFAEL TONIETTO A RELAÇÃO ENTRE CULTURA INFANTIL E SABERES DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA PRÁTICA DOCENTE COM CRIANÇAS PEQUENAS MARCOS RAFAEL TONIETTO A RELAÇÃO ENTRE CULTURA INFANTIL E SABERES DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA PRÁTICA DOCENTE COM CRIANÇAS PEQUENAS CURITIBA 2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MESTRADO EM EDUCAÇÃO A RELAÇÃO

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

Quem mais torce, incentiva, acompanha e

Quem mais torce, incentiva, acompanha e Capa esporte de pai para filho Edgard Rondina, o filho Felipe e uma paixão em comum: velejar no Lago Paranoá Por Leane Ribeiro Quem mais torce, incentiva, acompanha e muitas vezes até sofre com a carreira

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude

PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude 1 Dossiê Gilberto C. Cury Presidente da SBPNL - Sociedade Brasileira de Programação Neurolinguística Responsável por trazer a PNL ao Brasil, em 1981 gilberto@pnl.com.br PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude

Leia mais

Trabalhos na área ambiental influenciam o comportamento dos alunos em Instituições de Ensino Superior?

Trabalhos na área ambiental influenciam o comportamento dos alunos em Instituições de Ensino Superior? Trabalhos na área ambiental influenciam o comportamento dos alunos em Instituições de Ensino Superior? Patrícia P Gomes¹ Camilla M dos Santos 2 Erika M Ferreira 2 Resumo O presente artigo teve como objetivo

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 O desempenho do processo de recrutamento e seleção e o papel da empresa neste acompanhamento: Um estudo de caso na Empresa Ober S/A Indústria E Comercio Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ

Leia mais

A discussão da igualdade nas relações de gênero pelo curso de serviço social através do projeto de extensão unigênero

A discussão da igualdade nas relações de gênero pelo curso de serviço social através do projeto de extensão unigênero A discussão da igualdade nas relações de gênero pelo curso de serviço social através do projeto de extensão unigênero Michelle Rabelo de Souza * Mirella Cristina Xavier Gomes da Silva Lauschner Resumo:

Leia mais

O TRABALHO DE MONOGRAFIA

O TRABALHO DE MONOGRAFIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Módulo VI-a 27 a 29 de janeiro de 2011 O TRABALHO DE MONOGRAFIA PRINCÍPIO PARA O CONHECIMENTO E A FORMAÇÃO PROFISSIONAL Prof. Ms. Adriana Fernandes

Leia mais

O Cuidado como uma forma de ser e de se relacionar

O Cuidado como uma forma de ser e de se relacionar O Paradigma Holístico O holismo ( de holos = todo) abrangendo a ideia de conjuntos, ou de todos e de totalidade, não engloba apenas a esfera física, mas se estende também às mais altas manifestações do

Leia mais

JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE

JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE Lorrania Miranda Nogueira Raquel da Silva Barroso Monica Rosana de Andrade Mateus Camargo Pereira

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

O Programa de Desenvolvimento Educacional e suas Interfaces

O Programa de Desenvolvimento Educacional e suas Interfaces 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Aproveitamos a oportunidade para renovar protestos de estima e consideração. Atenciosamente,

Aproveitamos a oportunidade para renovar protestos de estima e consideração. Atenciosamente, Ofício 01172014 Andradas, 15 de setembro 2014. Por seu representante legal, a Associação Esportiva e Cultural Vetor, com sede na cidade da Andradas/MG, Rua Hermenegildo Donati nº 15 - sala 03 - inscrito

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Cinemática Unidimensional

Cinemática Unidimensional Cinemática Unidimensional 1 INTRODUÇÃO Na Cinemática Unidimensional vamos estudar o movimento de corpos e partículas, analisando termos como deslocamento, velocidade, aceleração e tempo.os assuntos que

Leia mais

ANÁLISE DOS TEMPOS E IDADES DO RANKING DA PROVA DOS 100 METROS MASCULINO

ANÁLISE DOS TEMPOS E IDADES DO RANKING DA PROVA DOS 100 METROS MASCULINO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 259 ANÁLISE DOS TEMPOS E IDADES DO RANKING DA PROVA DOS 100 METROS MASCULINO Rogers Figueiredo Claro 1, Aguinaldo

Leia mais

10. ESTABILIDADE E INSTABILIDADE ATMOSFÉRICA

10. ESTABILIDADE E INSTABILIDADE ATMOSFÉRICA 57 10. ESTABILIDADE E INSTABILIDADE ATMOSFÉRICA ESTABILIDADE ATMOSFÉRICA Ocorre quando há ausência de movimentos convectivos ascendentes. Pode produzir nuvens do tipo estratiformes e também gerar névoas

Leia mais

RIO + 20. Instituto de Educação infantil e juvenil Outono, 2012. Londrina, de. Nome: Ano: Edição VIII MMXII fase 2 parte 2

RIO + 20. Instituto de Educação infantil e juvenil Outono, 2012. Londrina, de. Nome: Ano: Edição VIII MMXII fase 2 parte 2 Instituto de Educação infantil e juvenil Outono, 2012. Londrina, de. Nome: Ano: TEMPO Início: Término: Total: Edição VIII MMXII fase 2 parte 2 grupo D RIO + 20 Um dia, voando sobre a Floresta Amazônica,

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM SURDEZ

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM SURDEZ O COORDENADOR PEDAGÓGICO E A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM SURDEZ Introdução Maria Amélia da Silva Viana Márcia Rafaella Graciliano dos Santos Viana UNASUR aneliavianna@hotmail.com A educação de qualidade é

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Aula 9.2 Conteúdo: Competir ou cooperar: eis a questão. DINÂMICA LOCAL INTERATIVA APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA

Aula 9.2 Conteúdo: Competir ou cooperar: eis a questão. DINÂMICA LOCAL INTERATIVA APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA A A Aula 9.2 Conteúdo: Competir ou cooperar: eis a questão. 2 A A Habilidades: Diferenciar os princípios da cooperação e da competição. 3 A A Trabalho em equipe com humor 4 A A O que é cooperar? Operar

Leia mais

Modelo de Questões para Planejamento Digital Interativo

Modelo de Questões para Planejamento Digital Interativo Modelo de Questões para Planejamento Digital Interativo Algumas questões importantes sobre um projeto digital. Dependendo do cliente não é necessário levantar uma grande quantidade de dados. Utilize este

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

De uma maneira fácil e simplificada, um planador é uma aeronave sem uma. força motriz, equivalente a um avião sem motor. Embora as linhas gerais,

De uma maneira fácil e simplificada, um planador é uma aeronave sem uma. força motriz, equivalente a um avião sem motor. Embora as linhas gerais, De uma maneira fácil e simplificada, um planador é uma aeronave sem uma força motriz, equivalente a um avião sem motor. Embora as linhas gerais, aerodinâmica e maneira de pilotagem que se aplicam aos aviões

Leia mais

ASPECTOS E IMPACTOS DO TURISMO DE AVENTURA RAFTING. FELIPE DECOL UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CAXIAS DO SUL RS BRASIL felipedecol@hotmail.

ASPECTOS E IMPACTOS DO TURISMO DE AVENTURA RAFTING. FELIPE DECOL UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CAXIAS DO SUL RS BRASIL felipedecol@hotmail. ASPECTOS E IMPACTOS DO TURISMO DE AVENTURA RAFTING INTRODUÇÃO FELIPE DECOL UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CAXIAS DO SUL RS BRASIL felipedecol@hotmail.com As atividades turísticas praticadas na natureza

Leia mais