O RISCO-AVENTURA COMO ELEMENTO GERADOR DE COMUNHÃO NO VÔO LIVRE. Tema: Sociologia e Antropologia do Esporte

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O RISCO-AVENTURA COMO ELEMENTO GERADOR DE COMUNHÃO NO VÔO LIVRE. Tema: Sociologia e Antropologia do Esporte"

Transcrição

1 O RISCO-AVENTURA COMO ELEMENTO GERADOR DE COMUNHÃO NO VÔO LIVRE Sérgio Luiz Gomes de Azevedo Mestrando em Educação Física e Cultura Ney Felippe de Barros Rodrigues Cocchiarale Mestrando em Educação Física e Cultura Vera Lúcia de Menezes Costa Doutora em Educação Física e Cultura LIRES-LEL Universidade Gama Filho, Rio de Janeiro RJ Tema: Sociologia e Antropologia do Esporte INTRODUÇÃO A rotina do homem moderno tem sido transformada por riscos que na maioria das vezes só existem nos noticiários divulgados pelos meios de comunicação de massa. A simples informação indicando a probabilidade destes riscos se tornarem realidade, cria no cotidiano das pessoas uma atmosfera de insegurança e medo. As expectativas de um colapso financeiro vividas pelo ambiente econômico são exemplos de riscos que ameaçam constantemente as estruturas da economia mundial e, por conseqüência, a todos que dela dependem. O risco apresenta destaque em duas situações: uma ordinária e outra extraordinária (VEIGA, 2008). O risco ordinário é inevitável e está relacionado ao modo de vida da sociedade contemporânea. O extraordinário difere das situações comuns do cotidiano ao mesmo tempo em que promove o desafio de situações limites. No universo esportivo, o risco pode caracterizar-se por situações em que o indivíduo enfrenta ambientes imprevisíveis (ar, água, floresta etc.), se dispondo a uma prática, cujo resultado é incerto (vôo livre, pára-quedismo, escalada etc.). Diferente dos esportes considerados convencionais (natação, corridas, jogos com bola etc.), a manutenção de uma vivência lúdica nos esportes de aventura e risco depende da disposição do indivíduo para colocar em jogo a integridade física ou até mesmo a própria vida. No vôo livre, objeto deste estudo, encontramos situações onde o indivíduo, dependendo basicamente das condições ambientais, de sua habilidade e do tipo de equipamento utilizado, enfrenta imprevisibilidades, sujeitando-se a experiências positivas, que podem resultar em prazer, ou negativas, resultando em medo, prejuízos físicos ou até mesmo em morte. O limite entre estas experiências se encontra na atitude do indivíduo com relação à quantidade de riscos que o mesmo está disposto a correr. Ao longo de sua trajetória, este esporte sofreu modificações que vão desde os primeiros vôos realizados com o simples objetivo de desafiar a gravidade, até os mais performáticos da atualidade, onde os pilotos conseguem percorrer longas distâncias utilizando as correntes de ar ascendentes (térmicas). A asa delta e o parapente, equipamentos utilizados na prática deste esporte, apresentam diferenças na razão de planeio, no modo de condução por parte do piloto e na composição de suas estruturas. Ambos dependem da habilidade técnica do piloto e da ação

2 dos elementos da natureza para se manterem no ar. Dependendo do objetivo, o equipamento (asa delta ou parapente) pode ser mais lento ou mais rápido, possibilitando um pouso mais simples ou mais técnico. Esse equipamento deverá estar sempre em sintonia com o objetivo desejado. Se o piloto pretende participar de campeonatos que exijam um elevado nível técnico, seu equipamento deve estar em sintonia com este nível. Se o piloto é inexperiente, ou não pretende desfrutar dos benefícios oferecidos pelos planadores modernos, o equipamento de baixa performance se torna mais adequado. Independente do tipo de vôo escolhido, a prática regular, a aquisição de conhecimentos teóricos e a troca de experiências entre os pilotos são aspectos fundamentais para a segurança, para a realização de bons vôos e para a manutenção de uma vivência lúdica. Iniciante ou experiente, independente da maneira como o piloto conduz seu vôo, o objetivo principal sempre será a busca do prazer através dos momentos de ludicidade. SENTIDOS DO RISCO Segundo Costa (2000), os riscos vividos pelos novos aventureiros, os praticantes de atividades físicas e esportivas, são riscos livremente escolhidos como valor. O risco neste caso é tratado como uma aventura no sentido lúdico, uma vez que a atitude dos sujeitos que vivem essa aventura é de enfrentamento do risco com a confiança do domínio cada vez maior da técnica. Para Quinodoz (1995) o risco possui uma relação direta com a busca do prazer. É o que ocorre em esportes como vôo livre, escalada, base jump e snowbording, onde os indivíduos se expondo a riscos manifestam em seus corpos, sensações de angústia que são transformadas em prazer. [...] Em Andradas teve um momento em que fiquei muito baixo, em cima de uma área que só tinha árvores, e vi uma bolhinha (térmica fraca) saindo de cima de linhas de alta tensão, aí pensei: ah, que divertido, uma térmica, é lá mesmo que eu vou [...] Às vezes, eu tinha maus sonhos depois desses vôos brabos eu poderia não ter sobrevivido a isto. Mas agora eu sei que nunca sobreviveria se me sentisse entediado como nas condições fracas. Eu gosto de ser sugado pelas nuvens, gosto de térmicas fortes (GIBSON, in, Parapente Brasil, 2002, nº, p. 10). Para Veiga (2008), risco significa risco físico. É a possibilidade de fatalidade ou de lesões de diferentes proporções que o indivíduo pode encontrar ao praticar determinadas atividades. Ou ainda, em uma perspectiva sensorial, um processo complexo que envolve a prática de atividades de risco. O vôo livre é uma atividade esportiva repleta de experiências sensoriais. Algumas destas experiências possuem relação direta com as situações de risco enfrentadas no decorrer da prática. Estas situações de risco, por outro lado, estão relacionadas à habilidade demonstrada pelo piloto na utilização de seu senso de observação ou, simplesmente, na sua visão, durante o vôo. Uma visão bem treinada permite a identificação das melhores e mais fortes térmicas, prolongando o vôo e aumentando as possibilidades de se obter prazer. O avanço tecnológico possibilitou que diversos instrumentos eletrônicos fossem incorporados ao vôo livre. Esses instrumentos contribuíram para a melhoria de performance trazendo benefícios tanto para os momentos competitivos quanto para os de lazer. Para a identificação das correntes ascendentes, além de sinais visuais, o piloto se orienta pelas informações fornecidas pelo variômetro, instrumento de grande importância no vôo livre. Além de apontar a altitude em que o piloto se encontra, indica, através de sinais sonoros, a

3 velocidade de subida e de descida durante o vôo. Quando o piloto, por algum motivo, perde ou simplesmente descarta o apoio deste instrumento, as informações fornecidas pelos sistemas sensoriais 1 passam a ser valorizadas com muito mais intensidade. Na ausência das informações fornecidas pelo variômetro, as variações térmicas percebidas através das correntes de ar ascendentes e descendentes, ficam a cargo dos sentidos do próprio piloto. A avaliação de um vôo pode ser medida pela quantidade e pela qualidade das experiências sensoriais a que se submete o piloto. Identificar os possíveis sinais que apontam o desenvolvimento ou a evolução de uma corrente de ar ascendente (térmica), é uma estratégia bastante eficaz para se realizar um bom vôo. A observação destes sinais pode ser feita da seguinte forma: no ar, através da observação do vôo de outros pilotos, do vôo de pássaros ou da formação de nuvens; no chão, através da observação dos movimentos da vegetação e de possíveis fontes naturais de calor onde as térmicas normalmente são criadas. [...] De qualquer forma, eu sinto a térmica. Uso o variômetro para confirmar o que sinto, mas ele não é realmente necessário na maioria dos casos. Abaixo de 500 metros, eu posso detectar visualmente minha ascensão. Acima disso, uso outras referências, como outros pilotos pássaros, nuvens, etc. Desenvolver um feeling no ar desligando seus instrumentos é uma prática muito útil (SUCHANEK, in Air Time Adventure, 1997, p. 13). A COMUNHÃO O risco também é apontado por Veiga (2008) com um elemento gerador de comunhão e solidariedade coletiva. Uma das características importantes dessa comunhão se deve ao fato de que, indivíduos que enfrentam juntos os mesmos riscos, se vêem mutuamente como pessoas de valor semelhante. Analisando as comunidades que se formam no universo dos praticantes de vôo livre, podemos observar que, diferente do cotidiano social, estas comunidades não impõem barreiras para que seus membros, estudantes, professores, médicos, advogados e profissionais de diferentes áreas compartilhem, durante boa parte do tempo em que passam juntos, as emoções e angústias de estarem vivenciando de forma lúdica uma atividade que é privilégio de poucos. Veiga (2008) argumenta que o papel principal do risco é acentuar o sentido de coesão social, em um nível não experimentado em outras atividades. O risco em si não é um elemento de grande coesão social. O que gera a coesão é a semelhança na atividade de risco. Os voadores de asa delta e de parapente voam em um mesmo ambiente, dependem das mesmas correntes de ar quente para se manterem no ar, dividem a mesma rampa para decolagem e, em alguns casos, dividem o mesmo local de pouso. Tanto um quanto o outro está sujeito, durante a prática, a colisões aéreas gerando problemas relacionados a fraturas ou, até mesmo, quedas fatais. Apesar da aparente semelhança que apresentam, essas duas categorias de vôo enfrentam condições distintas de riscos. Quando analisamos separadamente algumas das características apresentadas por asas delta e parapentes, encontramos diferenças que podem ser importantes para a compreensão do nível de coesão a que se submetem os indivíduos que praticam estas modalidades de vôo. Uma destas características está relacionada à praticidade. O parapente difere da asa delta pelo fato de ser mais leve e não possuir estrutura metálica, o que garante uma maior eficiência na montagem, desmontagem e no transporte. Uma outra característica está relacionada à performance. A aerodinâmica de uma asa delta supera em muito a aerodinâmica de um

4 parapente. A asa delta, além de desenvolver uma maior velocidade durante o vôo, comporta-se melhor que o parapente na presença de ventos turbulentos. Além da praticidade e da performance, outras características podem contribuir para que voadores de parapente e de asa delta formem, no contexto da prática do vôo livre, diferentes comunidades. Apesar de dividirem o mesmo espaço físico (rampa de decolagem, correntes ascendentes, pouso, etc.) os praticantes deste esporte se agrupam em comunidades cujo fator de coesão está relacionado à semelhança na quantidade de risco que os membros destas comunidades pretendem correr. Tendo como referência o fator risco, podemos identificar diversas comunidades. A primeira delas é composta por indivíduos que se identificam com a busca incessante de recordes e com as acirradas disputas de campeonatos. Como forma de lazer, privilegiam os vôos de longa distância e os desafios de voar em lugares ainda não explorados. Os indivíduos desta comunidade conseguem atingir um alto nível técnico de pilotagem, o que lhes possibilita um gerenciamento dos riscos envolvidos na prática em questão. Em conseqüência do grande número de experiências sensoriais vivenciadas e compartilhadas em diferentes ambientes de vôo, os indivíduos desta comunidade, quando comparados com os demais, apresentam maiores possibilidades de desenvolvimento de habilidades extraordinárias (VEIGA, 2008). Konrad 2, experiente piloto de asa delta, considera os campeonatos que participa, uma escola para a melhoria do nível técnico dos pilotos. Segundo ele, se o piloto deseja manter-se atualizado de técnica, equipamentos e estar em dia com o vôo livre, ele deve participar de campeonatos, pois é lá que as coisas acontecem. A segunda comunidade é composta por indivíduos que entendem as competições e as buscas incessantes de recordes como situações repletas de regras e seriedade que, em determinados momentos, podem se manifestar contrárias ao espírito de liberdade que o vôo proporciona, impondo obrigações e diminuindo as possibilidades lúdicas que poderiam existir. Pierre Bouilloux 3 acredita na importância da competição para o desenvolvimento do aprendizado no vôo livre. No entanto, ele afirma que, se a idéia do piloto é contemplar os locais de vôo, aproveitar até a última térmica do dia e voar na condição que bem entender, o ambiente competitivo não é o mais adequado. Cita como exemplo o Bivouac Flying, uma espécie de turismo, onde o piloto, como um nômade, viaja longos percursos utilizando somente o parapente e suas pernas. Adepto desta modalidade, ele afirma que a mesma é adequada para quem busca momentos de prazer, pois, preocupações competitivas ou com velocidade, não existem. A terceira e última comunidade é composta por indivíduos que entendem os campeonatos e os desafiantes vôos em busca de liberdade, como fatores que contribuem para a melhoria do nível técnico do piloto. Porém, optando por experiências menos arriscadas, voam em equipamentos de baixa performance e buscam locais onde as condições de vôo se apresentam mais tranqüilas. Diferente dos demais, os indivíduos desta comunidade conseguem obter prazer em situações comuns da prática do vôo livre, como subir até o ponto máximo de uma térmica ou, simplesmente, pelo fato de ter decolado, voado por alguns minutos e pousado com segurança. Podemos encontrar diferentes maneiras de se obter prazer em um esporte como o vôo livre. Existem aqueles que preferem voar em parapentes e os que preferem voar em asas delta. Existem ainda aqueles que voam em asas delta nas condições radicais, e em parapentes, nas condições mais favoráveis. Dependendo do equipamento, do local onde se pratica e do interesse do piloto, o prazer pode estar em um vôo longo e arriscado ou em um vôo breve e tranqüilo no final de tarde, ou, simplesmente, por ter tirado os pés do chão pela primeira vez.

5 O vôo livre é o esporte que mais retribui seu praticante com prazer. Quem voa sempre tem várias lembranças de momentos inesquecíveis de sua história como piloto. Eu lembro da primeira vez que tirei o pé do chão [...] Eu estava correndo e, de repente, ele me tirou do chão. Não durou mais que 3 segundos, mais guardo este momento na minha memória até hoje (LOPES, in Parapente Brasil, 2002, p 19). O vôo livre pode ser realizado com diferentes objetivos e de diversas maneiras. Dependendo de seu nível técnico, o piloto pode utilizar equipamentos (asa delta ou parapente) de alta, média ou baixa performance. A maneira como o piloto realizará o vôo estará diretamente ligada ao seu nível de experiência, sua habilidade e ao tipo de equipamento utilizado. A fim de garantir a segurança, este equipamento deverá estar sempre em sintonia com o objetivo desejado. Ou seja, se o piloto tem a pretensão de concorrer em campeonatos oficiais, superar recordes ou até mesmo seus próprios limites, seu nível técnico deve ser bom e seu equipamento de alta performance. Por outro lado, se o piloto for iniciante, equipamento de baixa performance se torna obrigatório para garantir os níveis de segurança dentro de padrões aceitáveis para a prática deste esporte. É comum encontrarmos também, pilotos que, mesmo possuindo experiência para realizar vôos de alta performance, optam pelos de baixa ou média performance, abrindo mão da evolução oferecida pelos equipamentos modernos, em detrimento de uma prática esportiva mais segura com o equipamento que, devido a sua habilidade, lhe dá melhores condições de controle. A característica mais importante, e que pode explicar a ligação existente entre diferentes indivíduos de uma determinada comunidade, está relacionada com as sensações que estes mesmos indivíduos experimentam ao enfrentar situações de risco. Não é o enfrentamento do risco durante a prática que garante a ligação entre estes indivíduos, mas a experiência sensorial que essa prática proporciona (VEIGA, 2008). Algumas destas experiências podem estar relacionadas à posição que o piloto ocupa durante o vôo. A sensação de pilotar deitado, como ocorre na asa delta, é totalmente diferente da sensação de pilotar sentado, como ocorre no parapente. A percepção que se tem da dimensão aérea quando se está na posição horizontal é completamente diferente daquela que se tem estando na vertical. A sensação de voar com uma asa delta de alta performance a mais de 100 km/h não é a mesma de estar voando em um parapente de alta performance a 60 km/h. É a semelhança das experiências sensoriais vividas por cada membro que formam as comunidades sensoriais (VEIGA, 2008). METODOLOGIA Voa-se atrás de prazeres. Alguns preferem a velocidade, enquanto outros a permanência. Uns gostam das sacudidas, enquanto outros da inércia. Uns gostam de provocar suas velas enquanto outros preferem acalmá-las. Uns gostam de ir rumo ao desconhecido, outros ficam onde já desvendaram os mistérios. (Sivuca, in Parapente Brasil, 2002, p. 239) Este estudo se limita ao vôo livre praticado com asa delta e parapente, realizado como lazer ou competição. A fim de nos aproximarmos da realidade do universo destes praticantes, realizamos uma investigação exploratória bibliográfica, com abordagem qualitativa, onde aspectos relacionados ao risco-aventura nos esportes foram abordados como tema principal. A partir dos discursos dos praticantes de vôo livre, analisamos o risco enquanto elemento gerador de

6 comunhão e a influência das sensações provenientes desse risco no processo de coesão das diferentes comunidades. Recorremos a leituras de livros, artigos científicos e revistas. Analisamos também os depoimentos de uma lista de discussão da Internet publicados no livro Parapente Brasil (2002) onde os discursos relacionados ao vôo livre serviram de suporte para o desenvolvimento desse estudo. A interpretação destes discursos se deu através do método de análise utilizado por Eny Orlandi (2003). CONSIDERAÇÕES FINAIS Esta primeira análise possibilitou que identificássemos, a partir do estudo dos diversos autores aqui apresentados e dos discursos dos praticantes de vôo livre, que o risco que envolve a prática desse esporte possui relação com o prazer, além de ser livremente escolhidos como valor. O risco pode estar relacionado a risco físico, um processo complexo que envolve a prática de atividades de risco ou ainda um elemento gerador de comunhão e solidariedade coletiva. O risco acentua o sentido de coesão social fazendo com que indivíduos que enfrentam o mesmo risco se sintam semelhantes. Podemos considerar que o risco-aventura, presente na prática deste esporte, além de ser um elemento gerador de comunhão, permite que o homem explore a imaginação e o conhecimento de seu próprio limite. Nessa exploração, ele se aventura, rompe a rotina cotidiana, imprimindo sentido à ação de voar.

7 REFERÊNCIAS ABDALAD, L S. A participação feminina nos esportes de aventura e risco: um vôo no universo do desafio e da incerteza...dissertação de Mestrado do Programa de Pós- Graduação em Educação Física. do Rio de Janeiro: UGF, AZEVEDO, S. L. G. A cultura lúdica do vôo de asa delta. In: FIEP, 2007, Foz do Iguaçu. Trabalho apresentado. p Risco e vertigem no vôo livre: Entre a angústia e o prazer. In: CBAA, 2007, Governador Valadares. Trabalho apresentado. p Vôo livre e lazer na modernidade. In: FIEP, 2007, Rio de Janeiro. Trabalho apresentado.. O corpo em risco socializado pelo vôo livre. In: CBCE, 2007, Recife. Trabalho apresentado. V. 15, p BACHELARD, G. O direito de sonhar. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, BARREAU, J.J; MORNE, J.J. Epistemologia Y antropologia del deporte. Madri: Alianza Editorial S.A., BECK, U. Risk Society: Towards a New Modernity. Cambridge, UK: PolityPress, (Risikogesellschaft. Frankfut: Suhrkamp, 1986) BOUSQUET, M. M. Théorie et pratique ludiques. Paris: Econômica, CAILLOIS, R. Os jogos e os homens: a máscara e a vertigem. Lisboa: Cotovia, COSTA, V. L. M. Esportes de Aventura e Risco na Montanha, São Paulo: Manole: 2000.

8 . Esportes de aventura e risco na montanha: uma trajetória de jogo com limites e incertezas. Tese de doutorado do Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Rio de Janeiro, UFG, BECK, Ulrich. Risk Society: Towards a New Modernity. Cambridge, UK: PolityPress, (Risikogesellschaft. Frankfut: Suhrkamp, 1986) DA COSTA, Lamartine (org). Atlas do esporte no Brasil: atlas do esporte, educação física e atividades físicas de saúde e lazer no Brasil. Rio de Janeiro: Shape, DURAN, Gilbert. O Imaginário: Ensaio Acerca das Ciências e da Filosofia da Imagem. Rio de Janeiro: DIFEL, p. DUVIGNAUD, J. El juego del juego. México: Fondo de cultura econômica, FERREIRA, Nilda Teves. Olhares sobre o Corpo e Imaginário Social. In.: VOTRE, Sebastião (ORG). Imaginário & Representações Sociais em Educação Física, Esporte e Lazer. Rio de Janeiro: Editora Gama Filho, pp GIDDENS, A. Modernidade e Identidade, Rio de Janeiro: Zahar, GUZZO, M. Corpo em risco. Athenea Digital, 6, Disponible en Acesso em 03 de abril de 2007 às 15:00. KNAUER, R. T. História do Vôo Livre no Brasil. (Monografia de Especialização em Educação Física). Rio de Janeiro, UGF, LOPES, R. S. et al. Parapente Brasil: Histórias e Aventuras do Vôo Livre. Rio de Janeiro: Editado por Rodrigo Stulzer Lopes, ORLANDI Eni Pucinelli. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, p.

9 PAGEN, D. Os segredos de um tricampeão. Air Time Adventure, Rio de Janeiro, n. 12, p. 13, PITTA, D. P. R. Iniciação a teoria do imaginário de Gilbert Durand, Rio de Janeiro: Atlântica Editora, QUINODOZ, D. A Vertigem: entre a angústia e o prazer. Porto Alegre: Artes Médicas, VEIGA, Guilherme. Ritual, risco e arte circense: o homem em situações limites. Brasília: UNB, Sergio Luiz Gomes de Azevedo Endereço: Rua Katar Rechuan, 391 São João de Meriti CEP: Rio de Janeiro RJ 1 O sistema sensorial permite que tomemos consciência de nossa posição e equilíbrio no espaço antes de tomarmos alguma decisão (Quinodoz 1995). 2 Entrevista a Revista Air, ano VIII, nº 08, p Piloto francês campeão mundial de parapente em entrevista a Revista Air, ano II, nº 04, p. 30.

O CORPO EM RISCO SOCIALIZADO PELO VÔO LIVRE

O CORPO EM RISCO SOCIALIZADO PELO VÔO LIVRE 1 O CORPO EM RISCO SOCIALIZADO PELO VÔO LIVRE Sérgio Luiz Gomes de Azevedo Mestrando Lires LEL PPGEF/UGF Rio de Janeiro Brasil RESUMO Este trabalho tem como objetivo identificar os sentidos de risco presentes

Leia mais

56º Campeonato Brasileiro de Planadores - Etapa Planalto Central

56º Campeonato Brasileiro de Planadores - Etapa Planalto Central 56º Campeonato Brasileiro de Planadores - Etapa Planalto Central Formosa 2014 Relato André Lautert - LA Escrevo este relato como um aperitivo para que aqueles que tenham interesse em participar de um campeonato

Leia mais

Ao descolarmos de uma grande altitude a densidade diminui, o que acontece à sustentação?

Ao descolarmos de uma grande altitude a densidade diminui, o que acontece à sustentação? O que é a aerodinâmica? Aerodinâmica é o estudo do ar em movimento e das forças que actuam em superfícies sólidas, chamadas asas, que se movem no ar. Aerodinâmica deriva do grego "aer", ar, e "dynamis",

Leia mais

O planador de ouro Uma fábula sobre polar básica conforme contada ao autor por uma garota em um bar de solteiros.

O planador de ouro Uma fábula sobre polar básica conforme contada ao autor por uma garota em um bar de solteiros. por Jerry Gibbs Revista Soaring - Julho 1980 Tradução e adaptação: Antonio Milan O planador de ouro Uma fábula sobre polar básica conforme contada ao autor por uma garota em um bar de solteiros. Era uma

Leia mais

De uma maneira fácil e simplificada, um planador é uma aeronave sem uma. força motriz, equivalente a um avião sem motor. Embora as linhas gerais,

De uma maneira fácil e simplificada, um planador é uma aeronave sem uma. força motriz, equivalente a um avião sem motor. Embora as linhas gerais, De uma maneira fácil e simplificada, um planador é uma aeronave sem uma força motriz, equivalente a um avião sem motor. Embora as linhas gerais, aerodinâmica e maneira de pilotagem que se aplicam aos aviões

Leia mais

ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA DE 21-12-2013. NORMA REGULAMENTAR DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE VOO LIVRE - ABVL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA DE 21-12-2013. NORMA REGULAMENTAR DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE VOO LIVRE - ABVL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA DE 21-12-2013. NORMA REGULAMENTAR DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE VOO LIVRE - ABVL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS Artigo 1º - A presente norma regulamenta a prática desportiva do

Leia mais

ATA DA REUNIÃO REALIZADA ENTRE OS PILOTOS PARTICIPANTES DA 1a ETAPA DO CAMPEONATO BRASILEIRO DE PARAPENTE EM BAIXO GUANDU - ES.

ATA DA REUNIÃO REALIZADA ENTRE OS PILOTOS PARTICIPANTES DA 1a ETAPA DO CAMPEONATO BRASILEIRO DE PARAPENTE EM BAIXO GUANDU - ES. ATA DA REUNIÃO REALIZADA ENTRE OS PILOTOS PARTICIPANTES DA 1a ETAPA DO CAMPEONATO BRASILEIRO DE PARAPENTE EM BAIXO GUANDU - ES. Aos 17 dias do mês de Maio de 2013, às 20 horas, no QG do Campeonato Brasileiro

Leia mais

A Ciência da Mecânica. Olá, estamos de volta com mais uma coluna sobre Ciência. Mês passado fiz a seguinte pergunta: Como um avião se sustenta no ar?

A Ciência da Mecânica. Olá, estamos de volta com mais uma coluna sobre Ciência. Mês passado fiz a seguinte pergunta: Como um avião se sustenta no ar? A Ciência da Mecânica Washington Braga, Professor Associado 13/ Ano II Departamento de Engenharia Mecânica - PUC - Rio Título: Avião Voa? Olá, estamos de volta com mais uma coluna sobre Ciência. Mês passado

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPETIÇÃO 7º OPEN SÃO PEDRO DE VOO LIVRE

REGULAMENTO DE COMPETIÇÃO 7º OPEN SÃO PEDRO DE VOO LIVRE REGULAMENTO DE COMPETIÇÃO 7º OPEN SÃO PEDRO DE VOO LIVRE Rev. Agosto 2013 SUMÁRIO 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. REGRAS LOCAIS 1.2. QG 1.3. TRANSPORTES PARA A RAMPA 1.4. DECOLAGEM 1.4.1. SISTEMA DE DECOLAGENS

Leia mais

Federação Portuguesa de Voo Livre NOTA: Neste exame, em cada pergunta, duas alíneas estão corretas e duas erradas.

Federação Portuguesa de Voo Livre NOTA: Neste exame, em cada pergunta, duas alíneas estão corretas e duas erradas. Federação Portuguesa de Voo Livre Exame Nacional Nível 4 - Parapente 26 Fevereiro 2011 NOTA: Neste exame, em cada pergunta, duas alíneas estão corretas e duas erradas. 1. Instrumentos: a) O GPS é utilizado

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION. DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION. DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento TD-002/09 CÁLCULOS DE NAVEGAÇÃO 2009 Página: 002/017 1 INTRODUÇÃO Este documento tem o objetivo de explanar sobre os cálculos que envolvem o planejamento

Leia mais

ASPECTOS E IMPACTOS DO TURISMO DE AVENTURA RAFTING. FELIPE DECOL UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CAXIAS DO SUL RS BRASIL felipedecol@hotmail.

ASPECTOS E IMPACTOS DO TURISMO DE AVENTURA RAFTING. FELIPE DECOL UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CAXIAS DO SUL RS BRASIL felipedecol@hotmail. ASPECTOS E IMPACTOS DO TURISMO DE AVENTURA RAFTING INTRODUÇÃO FELIPE DECOL UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CAXIAS DO SUL RS BRASIL felipedecol@hotmail.com As atividades turísticas praticadas na natureza

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO DIVISÃO BRASILEIRA

DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO DIVISÃO BRASILEIRA Manual para Vôo VFR Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. APRESENTAÇÃO... 4 3. PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS... 4 3.1. CHECKLIST:... 4 3.2. CHEQUE PRÉ-DECOLAGEM:... 4

Leia mais

Moutain biking Uma modalidade de ciclismo na qual o atleta deve fazer vários percursos com obstáculos e irregularidades

Moutain biking Uma modalidade de ciclismo na qual o atleta deve fazer vários percursos com obstáculos e irregularidades Moutain biking Uma modalidade de ciclismo na qual o atleta deve fazer vários percursos com obstáculos e irregularidades surgiu na Califórnia na década de 1950, através das brincadeiras de alguns ciclistas

Leia mais

INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil

INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil A reportagem exibida na semana passada mostrava algumas falhas na comunicação entre o avião monomotor em que estava o nosso repórter

Leia mais

Índice. Classificação. Mais leve do que o ar. Curso n 4 Aeronaves

Índice. Classificação. Mais leve do que o ar. Curso n 4 Aeronaves Curso n 4 Aeronaves Aeronaves são quaisquer máquinas capazes de sustentar vôo, e a grande maioria deles também são capazes de alçar vôo por meios próprios. Índice 1 Classificação o Mais leve do que o ar

Leia mais

Federação Portuguesa de Voo Livre NOTA: Neste exame podem estar até 3 alíneas certas em cada pergunta.

Federação Portuguesa de Voo Livre NOTA: Neste exame podem estar até 3 alíneas certas em cada pergunta. Federação Portuguesa de Voo Livre Exame Nacional Nível 4 de Piloto (escrito) 11 de Fevereiro 2010 NOTA: Neste exame podem estar até 3 alíneas certas em cada pergunta. 1. Relativamente à instalação, revisão

Leia mais

ITS / CTA. Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos

ITS / CTA. Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos ITS / CTA Escola Técnica Volume Simonsen I Capítulo I Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos 1 ITS / CTA Sumário SUMÁRIO Volume I Capítulo I Unidade I Capítulo I - Beneficios da Educação Física Capítulo

Leia mais

Física 1 ano Prof. Miranda. Lista de Exercícios II Unidade

Física 1 ano Prof. Miranda. Lista de Exercícios II Unidade Física 1 ano Prof. Miranda Lista de Exercícios II Unidade mirandawelber@gmail.com 01. O que é necessário para determinar (caracterizar) uma: a) grandeza escalar? b) grandeza vetorial? 02. Classifique os

Leia mais

Manual de Voo VFR. Virtual Varig Brasil

Manual de Voo VFR. Virtual Varig Brasil Manual de Voo VFR Virtual Varig Brasil Setembro 2010 REGRAS DE VÔO Regras de vôo visual(vfr) -Visual Flight Rules(VFR). -São regras que evitam a colisão de aeronaves com obstáculos ou com outras aeronaves

Leia mais

Aproveitamos a oportunidade para renovar protestos de estima e consideração. Atenciosamente,

Aproveitamos a oportunidade para renovar protestos de estima e consideração. Atenciosamente, Ofício 01172014 Andradas, 15 de setembro 2014. Por seu representante legal, a Associação Esportiva e Cultural Vetor, com sede na cidade da Andradas/MG, Rua Hermenegildo Donati nº 15 - sala 03 - inscrito

Leia mais

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão III

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão III Questões COVEST Física Mecânica Prof. Rogério Porto Assunto: Cinemática em uma Dimensão III 1. Um atleta salta por cima do obstáculo na figura e seu centro de gravidade atinge a altura de 2,2 m. Atrás

Leia mais

10. ESTABILIDADE E INSTABILIDADE ATMOSFÉRICA

10. ESTABILIDADE E INSTABILIDADE ATMOSFÉRICA 57 10. ESTABILIDADE E INSTABILIDADE ATMOSFÉRICA ESTABILIDADE ATMOSFÉRICA Ocorre quando há ausência de movimentos convectivos ascendentes. Pode produzir nuvens do tipo estratiformes e também gerar névoas

Leia mais

GINÁSTICA CIRCENSE NA ESCOLA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

GINÁSTICA CIRCENSE NA ESCOLA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA GINÁSTICA CIRCENSE NA ESCOLA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Hinaiana dos Santos Machado Colégio Estadual Rui Barbosa hinaiana1@hotmail.com Resumo Este estudo tem o objetivo de relatar a experiência da prática

Leia mais

A PRODUÇÃO IMAGINÁRIA DOS SURFISTAS DE TOW IN

A PRODUÇÃO IMAGINÁRIA DOS SURFISTAS DE TOW IN A PRODUÇÃO IMAGINÁRIA DOS SURFISTAS DE TOW IN Autor: Prof. Guilherme Torres Co-autor: Prof. Dr. Jéferson José Moebus Retondar Universidade do Estado do Rio de Janeiro Instituto de Educação Física e Desportos

Leia mais

Computador de Voo Tático. Segurança, Praticidade e Inovação.

Computador de Voo Tático. Segurança, Praticidade e Inovação. Computador de Voo Tático Segurança, Praticidade e Inovação. O que é o LK8000? É um software para GPS criado por pilotos de planadores nos Alpes para suprir as carências de informações de alcance, pousos,

Leia mais

Conteúdos. Escalada Rapel Tirolesa Slackline

Conteúdos. Escalada Rapel Tirolesa Slackline Conteúdos Escalada Rapel Tirolesa Slackline Habilidades Conhecer os esportes de aventura, entendendo os conceitos do esporte e os cuidados necessários. Reconhecer nos esportes de aventura uma alternativa

Leia mais

ESPORTE DE RISCO E RISCO NO ESPORTE: UMA ANÁLISE DO RISCO PERCEBIDO NO VOO LIVRE

ESPORTE DE RISCO E RISCO NO ESPORTE: UMA ANÁLISE DO RISCO PERCEBIDO NO VOO LIVRE DOI: 10.4025/reveducfis.v25i1.19190 ESPORTE DE RISCO E RISCO NO ESPORTE: UMA ANÁLISE DO RISCO PERCEBIDO NO VOO LIVRE SPORT OF RISK AND RISK IN SPORT: AN ANALYSIS OF THE PERCEIVED RISK HAND GLIDING Diego

Leia mais

A Imaginação Sociológica em Sala de Aula

A Imaginação Sociológica em Sala de Aula A Imaginação Sociológica em Sala de Aula Natália Braga de Oliveira* Incentivar os estudantes a olhar a vida cotidiana a partir dos pressupostos da Sociologia, os desperta para a reflexão e elucidação do

Leia mais

Caros amigos pilotos, queremos compartilhar com vocês nossa visão para o futuro do voo livre no Brasil.

Caros amigos pilotos, queremos compartilhar com vocês nossa visão para o futuro do voo livre no Brasil. Caros amigos pilotos, queremos compartilhar com vocês nossa visão para o futuro do voo livre no Brasil. Nosso grupo de trabalho foi formado por pilotos que amam o voo livre e sentem a necessidade de mudanças

Leia mais

PROJETO DE CAMPEONATO CAPIXABA DE VOO LIVRE DE 2013 - CCVL

PROJETO DE CAMPEONATO CAPIXABA DE VOO LIVRE DE 2013 - CCVL Página 1 de 14 Sumário 1 Introdução...3 2 Como funciona o campeonato...4 3 Requisitos da Prefeitura...6 4 Requisitos da FCVL...7 5 Orçamento Previsto...8 6 Anexos...9 6.1 Orçamento para apuração...9 6.2

Leia mais

STRATOMASTER FLIGHT CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES

STRATOMASTER FLIGHT CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES DIMENSÕES: 224 x 64 mm. Profundidade no painel 65 mm (incluindo conectores e cabeamento). Corte no painel 204x54 mm. Peso 450 g. ALTÍMETRO: 0-40.000ft (12.195 mts.) com 7,5 ft

Leia mais

Federação Portuguesa de Voo Livre Exame Nacional Nível 3 - Parapente 1 de Abril 2011

Federação Portuguesa de Voo Livre Exame Nacional Nível 3 - Parapente 1 de Abril 2011 Federação Portuguesa de Voo Livre Exame Nacional Nível 3 - Parapente 1 de Abril 2011 1. Aerodinâmica: a) O ângulo de ataque é o ângulo formado entre a corda e a linha de trajectória do fluxo de ar. b)

Leia mais

As térmicas, o que são, como se formam, como se comportam e como aproveitar delas...

As térmicas, o que são, como se formam, como se comportam e como aproveitar delas... As térmicas, o que são, como se formam, como se comportam e como aproveitar delas... O que são elas As térmicas são geradas pelo aquecimento das superfícies. Os terrenos ensolarados aquecem o ar a sua

Leia mais

Esclarecimentos Preliminares

Esclarecimentos Preliminares Turismo de aventura e esportes radicais: conceitos e interdisciplinaridade,a passagem do senso comum à atitude cientifica 1/6/2003 - Pedro Sérgio Mora Filho Finalizadas as conceituações mais consagradas

Leia mais

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 761 CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Fabiana Gonçalves Monti 1, Sérgio

Leia mais

O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Andréa Nogueira de Souza¹; Andreza Emicarla Pereira Calvacante²; Francicleide Cesário

Leia mais

Federação Portuguesa de Voo Livre Exame Nacional (escrito) 29 de Janeiro 2010

Federação Portuguesa de Voo Livre Exame Nacional (escrito) 29 de Janeiro 2010 Federação Portuguesa de Voo Livre Exame Nacional (escrito) 29 de Janeiro 2010 1. Em Parapente: a) O peso é a força que se opõe à sustentação. b) Se a carga alar aumentar a finesse não aumenta. c) Se aumentarmos

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VOO LIVRE (F.P.V.L.) Fundação 2 de Junho de 1995

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VOO LIVRE (F.P.V.L.) Fundação 2 de Junho de 1995 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VOO LIVRE (F.P.V.L.) Fundação 2 de Junho de 1995 Ficha Atualização 31.08.2015 SEDE Av. Cidade de Lourenço Marques Praceta B, Módulo 2 1800-093 Lisboa CONTATOS Telefone: (+351) 218

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - 173/CENIPA/2013 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PT-ANF C-170A 22SET2012 ADVERTÊNCIA

Leia mais

Clube de parapente do vale (CPV) Regimento interno

Clube de parapente do vale (CPV) Regimento interno Clube de parapente do vale (CPV) Regimento interno Este regimento tem por finalidade regularizar a prática do voo livre no Clube de Parapente do Vale (CPV), associação privada fundada em 30/01/1997 e inscrita

Leia mais

PRINCIPAIS FUNÇÕES NA EQUIPE

PRINCIPAIS FUNÇÕES NA EQUIPE Trekking é uma caminhada com uma boa dose de aventura na qual os praticantes não andam com guia, mas fazem o percurso com o auxílio de uma planilha de navegação. A prova de Trekking de Regularidade se

Leia mais

14 Dicas para Acabar com a Ansiedade e Depressão Despertar do Amor http://www.despertardoamor.com.br

14 Dicas para Acabar com a Ansiedade e Depressão Despertar do Amor http://www.despertardoamor.com.br 14 Dicas para Acabar com a Ansiedade e Depressão Despertar do Amor Este e-book é um dos BÔNUS que fazem parte do Processo Despertar do Amor. Para saber mais sobre este trabalho, acesse: INTRODUÇÃO O grande

Leia mais

EDIÇÃO Nº 10 FEVEREIRO 2013 INFORME SERIPA I. Desorientação espacial

EDIÇÃO Nº 10 FEVEREIRO 2013 INFORME SERIPA I. Desorientação espacial EDIÇÃO Nº 10 FEVEREIRO 2013 INFORME SERIPA I Periódico de Prevenção A atitude (posição de voo) de uma aeronave é geralmente determinada pela referência do horizonte natural. Quando este está obscurecido,

Leia mais

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano 24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano Mariana Tavares Colégio Camões, Rio Tinto João Pedro da Ponte Departamento de Educação e Centro de Investigação em Educação Faculdade de Ciências

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE SAÚDE CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Regiane de Oliveira Galdino

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE SAÚDE CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Regiane de Oliveira Galdino UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE SAÚDE CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Regiane de Oliveira Galdino O PAPEL DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA NAS ESCOLAS EM RELAÇÃO AOS JOGOS COLEGIAIS.

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

TESTE VOCACIONAL PROF. BRUNO AUGUSTO COLÉGIO SÃO JOSÉ

TESTE VOCACIONAL PROF. BRUNO AUGUSTO COLÉGIO SÃO JOSÉ TESTE VOCACIONAL PROF. BRUNO AUGUSTO COLÉGIO SÃO JOSÉ S I S T E M A P O S I T I V O D E E N S I N O Na escola, você prefere assuntos ligados à: a) Arte, esportes e atividades extracurriculares b) Biologia

Leia mais

JOGOS CARIOCAS DE VERÃO. Etapa Voo Livre. Dias 14 e 15 de Março

JOGOS CARIOCAS DE VERÃO. Etapa Voo Livre. Dias 14 e 15 de Março JOGOS CARIOCAS DE VERÃO Etapa Voo Livre Dias 14 e 15 de Março O PICO São Conrado é mundialmente conhecido como um dos picos de voo livre mais bonitos do planeta. A proximidade da montanha com o mar cria

Leia mais

AS CORRIDAS DE REVEZAMENTO

AS CORRIDAS DE REVEZAMENTO AS CORRIDAS DE REVEZAMENTO Segundo J. Kenneth Dohert, em seu livro Tratado Moderno de Pieta e Campo, as corridas de revezamento foram idealizadas pelos norte-americanos, em decorrência de outras atividades

Leia mais

Esportes de aventura: lazer e esportização

Esportes de aventura: lazer e esportização Esportes de aventura: lazer e esportização Graduada em Educação Física da Universidade Estadual do Ceará Especializando em Educação na Universidade Estadual do Ceará UECE (Brasil) Simoara Freire de Macedo

Leia mais

WWW.SKYDIVEEUROPE.COM

WWW.SKYDIVEEUROPE.COM EMPRESA Constituída em Janeiro de 2004, a GET HIGH surge na sequência da evolução da escola de páraquedismo QUEDA LIVRE, criada em 1998. O objectivo primordial da GET HIGH é o de, através das experiências

Leia mais

www.nascarbrasil.com Manual de pilotagem e aprendizado

www.nascarbrasil.com Manual de pilotagem e aprendizado Manual de pilotagem e aprendizado Bem vindo ao mundo das corrida virtuais! A razão deste documento é ajudar os novatos em corridas multi-player entender as grandes diferenças entre correr Online e Offline

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

VOO LIVRE: PRÁTICAS AVENTUREIRAS E CONDUTAS DE RISCO POR ENTRE AS MONTANHAS DE MINAS

VOO LIVRE: PRÁTICAS AVENTUREIRAS E CONDUTAS DE RISCO POR ENTRE AS MONTANHAS DE MINAS VOO LIVRE: PRÁTICAS AVENTUREIRAS E CONDUTAS DE RISCO POR ENTRE AS MONTANHAS DE MINAS Recebido em: 23/10/2010 Aceito em: 30/05/2011 Jairo António da Paixão Universidade de Trás-os-Montes e Alto D ouro Trás-os-Montes

Leia mais

RIO + 20. Instituto de Educação infantil e juvenil Outono, 2012. Londrina, de. Nome: Ano: Edição VIII MMXII fase 2 parte 2

RIO + 20. Instituto de Educação infantil e juvenil Outono, 2012. Londrina, de. Nome: Ano: Edição VIII MMXII fase 2 parte 2 Instituto de Educação infantil e juvenil Outono, 2012. Londrina, de. Nome: Ano: TEMPO Início: Término: Total: Edição VIII MMXII fase 2 parte 2 grupo D RIO + 20 Um dia, voando sobre a Floresta Amazônica,

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLETINDO SOBRE A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOCENTE

EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLETINDO SOBRE A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOCENTE EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLETINDO SOBRE A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOCENTE Thais Messias MORAES; Humberto Luís de Deus INÁCIO Faculdade de Educação Física/UFG - thaismemo@gmail.com Palavras-chave:

Leia mais

SIMULAÇÃO DE INCIDENTES EM VOO SIV NIVEL 1. 27 a 29 DE MAIO

SIMULAÇÃO DE INCIDENTES EM VOO SIV NIVEL 1. 27 a 29 DE MAIO FICHA DE ACTIVIDADE ÉPOCA 2011 SIMULAÇÃO DE INCIDENTES EM VOO SIV NIVEL 1 27 a 29 DE MAIO 1 - Descrição e Objetivos da Atividade: Com esta formação pretende-se melhorar o relacionamento do piloto com a

Leia mais

SUPER FINAL ASA DELTA E PARAPENTE R E G U L A M E N T O SÃO CONRADO - RJ

SUPER FINAL ASA DELTA E PARAPENTE R E G U L A M E N T O SÃO CONRADO - RJ SUPER FINAL ASA DELTA E PARAPENTE 2014 R E G U L A M E N T O SÃO CONRADO - RJ ASA DELTA E PARAPENTE - 11 a 14/DEZ/14 1 Na Super Final de 2014 serão observados os itens especificados a seguir: 1. Será uma

Leia mais

SOU UMA STARTUP, E AGORA? Descubra algumas respostas para o futuro da sua Startup baseado nas lições do Empreendedorismo

SOU UMA STARTUP, E AGORA? Descubra algumas respostas para o futuro da sua Startup baseado nas lições do Empreendedorismo SOU UMA STARTUP, E AGORA? Descubra algumas respostas para o futuro da sua Startup baseado nas lições do Empreendedorismo Empreendedor Empresas Micro e Pequenas Empreender Empreendedorismo Cultural Ação

Leia mais

ATENÇÃO: A atividade avaliativa deve ser respondida no ambiente virtual, não deixe de marcar o gabarito.

ATENÇÃO: A atividade avaliativa deve ser respondida no ambiente virtual, não deixe de marcar o gabarito. ATENÇÃO: A atividade avaliativa deve ser respondida no ambiente virtual, não deixe de marcar o gabarito. Questões de Mecânica Básica para EAD: UNIDADE 1 01 Digamos que você esteja responsável para trabalhar

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS

A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS FABIANA ALVES DE LUCENA (Especialista em Fisiologia do Exercício e Grupos Especiais, Faculdade Leão

Leia mais

Extradorso. Intradorso. Corda

Extradorso. Intradorso. Corda AERODINÂMICA Parapente SUMÁRIO Nomenclatura do perfil Sustentação Nomenclatura e estrutura da asa Forças que actuam na asa Controlo da asa Performance Envelope de Voo O PERFIL e a ASA 4 GEOMETRIA DO PERFIL

Leia mais

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO TRIPLO SALTO O TRIPLO SALTO É UMA DISCIPLINA TÉCNICA MUITO COMPLEXA QUE OBRIGA A UM GRANDE APERFEIÇOAMENTO EM VÁRIAS VERTENTES, VISTO O SEU DESENVOLVIMENTO DEPENDER DE UMA COMBINAÇÃO DE VÁRIAS HABILIDADES

Leia mais

A filosofia ganha/ganha

A filosofia ganha/ganha A filosofia ganha/ganha Interdependência Talvez nunca tenha existido, na história da humanidade, uma consciência tão ampla sobre a crescente interdependência entre os fatores que compõem nossas vidas,

Leia mais

Veja São Paulo. Guia da Folha

Veja São Paulo. Guia da Folha Veja São Paulo Guia da Folha A companhia Solas de Vento estréia seu primeiro espetáculo para o publico infantil com direção de Carla Candiotto, uma adaptação livre do famoso romance de Julio Verne. Release:

Leia mais

Visite nossa biblioteca! Centenas de obras grátis a um clique! http://www.portaldetonando.com.br

Visite nossa biblioteca! Centenas de obras grátis a um clique! http://www.portaldetonando.com.br Sobre a digitalização desta obra: Esta obra foi digitalizada para proporcionar de maneira totalmente gratuita o benefício de sua leitura àqueles que não podem comprá-la ou àqueles que necessitam de meios

Leia mais

Um Museu Super Divertido Boston Children s Museum

Um Museu Super Divertido Boston Children s Museum Um Museu Super Divertido Boston Children s Museum É só entrar e ver a alegria das crianças escorregando, subindo e descendo por uma escultura de madeira que mais parece um trepa trepa gigante. É incrível!

Leia mais

COACHING NA EDUCAÇÃO COACHING NA EDUCAÇÃO. Novos Rumos para os Jovens. Isabel Ferreira. Fundadora da Escola De Coaching ECIT

COACHING NA EDUCAÇÃO COACHING NA EDUCAÇÃO. Novos Rumos para os Jovens. Isabel Ferreira. Fundadora da Escola De Coaching ECIT COACHING COACHING NA NA EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO Novos Rumos para os Jovens Isabel Ferreira Fundadora da Escola De Coaching ECIT www.escoladecoaching.com Coaching na Educação COACHING NA EDUCAÇÃO www.escoladecoaching.com

Leia mais

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS JOÃO DANILO BATISTA DE OLIVEIRA E CARLOS ALEXANDRE ANDRADE DOS SANTOS (depoimento)

Leia mais

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Auta Rodrigues Moreira Irene Guerra Salles Lilian Braga Carmo Luana Roberta Salazar Resumo: Atualmente, com a presença marcante das tecnologias, torna-se

Leia mais

Proposta Campeonato Brasileiro de Parapente 2015

Proposta Campeonato Brasileiro de Parapente 2015 Proposta Campeonato Brasileiro de Parapente 2015 Associação Gaúcha de Voo Livre 14/09/2014 1. CIDADE Sapiranga, Cidade das Rosas e Capital do Voo Livre, conforme edital publicado, apresenta essa proposta

Leia mais

TEMATIZANDO HANDEBOL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Handebol; Educação Física Escolar; Cultura Corporal.

TEMATIZANDO HANDEBOL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Handebol; Educação Física Escolar; Cultura Corporal. TEMATIZANDO HANDEBOL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Handebol; Educação Física Escolar; Cultura Corporal. André Jonatas Barbosa EMEF Gal. Júlio Marcondes Salgado Resumo Este trabalho tem por objetivo relatar

Leia mais

Programa de Educação a Distância da Fundação Getulio Vargas

Programa de Educação a Distância da Fundação Getulio Vargas FGV ONLINE Programa de Educação a Distância da Fundação Getulio Vargas ASPECTOS DE MITIGAÇÃO SOBRE EVASÃO ESCOLAR E LUCIDEZ DE ALUNOS DE CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO E MBA EXECUTIVO EM DISCIPLINAS ONLINE.

Leia mais

As 7 maiores máquinas voadoras já construídas pelo homem

As 7 maiores máquinas voadoras já construídas pelo homem As 7 maiores máquinas voadoras já construídas pelo homem Voar como os pássaros tem sido um sonho da humanidade desde os tempos mais remotos. Ele finalmente se tornou realidade no final do século XVIII

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS MOTIVAÇÃO E PLANEJAMENTO Fernanda Lopes Morassi Juliana Matos Lopes Pamela Santos Wagner Antonio Garcia Zélia Moreira dos Santos

Leia mais

Formação Profissional em Comunicação Social nas Regiões Norte e Nordeste

Formação Profissional em Comunicação Social nas Regiões Norte e Nordeste Formação Profissional em Comunicação Social nas Regiões Norte e Nordeste Maria Luiza Nóbrega de Morais 1 O Núcleo de Pesquisa do Mercado de Trabalho de Comunicações e Artes (ECA- USP) coordenou recentemente

Leia mais

PDF criado com versão de teste do pdffactory Pro. Para comprar, acesse www.divertire.com.br/pdffactory

PDF criado com versão de teste do pdffactory Pro. Para comprar, acesse www.divertire.com.br/pdffactory Sabedoria das Térmicas - Parte 3 by Dennis Pagen (copyright 2002), published in USHGA s publication Paragliding November 2002. All illustrations and figures are from USHGA Tradução: Marcelo Melo Meu primeiro

Leia mais

PASTORAL DIGITAL. na ótica do Diretório de Comunicação

PASTORAL DIGITAL. na ótica do Diretório de Comunicação PASTORAL DIGITAL na ótica do Diretório de Comunicação Para a Igreja, o novo mundo do espaço cibernético é uma exortação à grande aventura do uso do seu potencial para proclamar a mensagem evangélica. Mensagem

Leia mais

Conceito da Modalidade Esporte para Todas as Idades Sustentabilidade Financeira e Ecológica Estudos de Logomarca

Conceito da Modalidade Esporte para Todas as Idades Sustentabilidade Financeira e Ecológica Estudos de Logomarca Conceito da Modalidade Esporte para Todas as Idades Sustentabilidade Financeira e Ecológica Estudos de Logomarca 1. CONCEITO E DEFINIÇÃO Modalidade esportiva de prova de longa distância - mínimo de 80

Leia mais

Leis de Newton 2013/2014

Leis de Newton 2013/2014 Leis de Newton 2013/2014 1. (G1 - ifce 2014) Considere as afirmações sob a luz da 2ª lei de Newton. I. Quando a aceleração de um corpo é nula, a força resultante sobre ele também é nula. II. Para corpos

Leia mais

OUTDOOR TRAINING UMA TENDÊNCIA

OUTDOOR TRAINING UMA TENDÊNCIA OUTDOOR TRAINING UMA TENDÊNCIA É cada vez mais comum no mundo executivo os chamados apaixonados por adrenalina. Pessoas que durante a semana se dedicam a fechar grandes contratos e, no sábado e domingo

Leia mais

Parceria faculdade-empresa na área de jornalismo

Parceria faculdade-empresa na área de jornalismo Parceria faculdade-empresa na área de jornalismo ANA EUGÊNIA NUNES DE ANDRADE Jornalista, professora do Curso de Comunicação Social habilitação em Jornalismo, da Universidade do Vale do Sapucaí (Univás)

Leia mais

A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP.

A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP. A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Joselene Lopes Alvim A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA

Leia mais

Pequeno tubo que se encontra na base da cadeira, quando utilizado tem como função aumentar a velocidade da asa.

Pequeno tubo que se encontra na base da cadeira, quando utilizado tem como função aumentar a velocidade da asa. A prática de parapente em Portugal teve influência de diferentes países, razão pela qual existem uma elevada diversidades de terminologias aplicadas aos diferentes componentes. Ou seja; um só componente

Leia mais

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade...

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade... Entrevista com PEDRO MANDELLI Consultor na área de mudança organizacional, Pedro Mandelli é um dos maiores especialistas em desenho e condução de processos de mudança em organizações. É professor da Fundação

Leia mais

NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO.

NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO. NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO. Luciana Lara 1 RESUMO: Este estudo pretende refletir sobre algumas implicações das noções de corpo e movimento

Leia mais

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Definições e Conceitos AERÓDROMO: Área definida sobre a terra ou água destinada à chegada, partida e movimentação de aeronaves; AERÓDROMO CONTROLADO: Aeródromo

Leia mais

FORMULÁRIO DE PROJETO DE PESQUISA

FORMULÁRIO DE PROJETO DE PESQUISA FORMULÁRIO DE PROJETO DE PESQUISA 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Título do projeto: Dimensões Epistemológicas e Ontológicas da Pesquisa em Contabilidade no Brasil Pesquisador responsável: Flaviano Costa Contatos:

Leia mais

Fazer as costelas de vários mini saltos, pular em uma e quando cair pular em outra e assim em diante.

Fazer as costelas de vários mini saltos, pular em uma e quando cair pular em outra e assim em diante. Concentração e Atenção são as palavras chaves para uma pilotagem segura. Embora tenham a moto adequada, muitos pilotos apresentam deficiências, especialmente de postura, na hora de frenagem e na escolha

Leia mais

ENSINO MÉDIO DIFERENCIAIS PEDAGÓGICOS ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO. Processo de Admissão

ENSINO MÉDIO DIFERENCIAIS PEDAGÓGICOS ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO. Processo de Admissão ENSINO MÉDIO PROCESSO DE ADMISSÃO DE NOVOS ESTUDANTES PARA 2015 PROPOSTAS PEDAGÓGICAS A fase da escolha de qual carreira seguir acontece, normalmente, durante o ensino médio. Tendo de vivenciar mudanças

Leia mais

GEOGRAFIA TRANSATLÂNTICA: AS POSIÇÕES GEOGRÁFICAS DE CHARLES LINDBERGH NA VIAGEM AÉREA NOVA YORK PARIS DE 1927 KELTON GABRIEL 1

GEOGRAFIA TRANSATLÂNTICA: AS POSIÇÕES GEOGRÁFICAS DE CHARLES LINDBERGH NA VIAGEM AÉREA NOVA YORK PARIS DE 1927 KELTON GABRIEL 1 GEOGRAFIA TRANSATLÂNTICA: AS POSIÇÕES GEOGRÁFICAS DE CHARLES LINDBERGH NA VIAGEM AÉREA NOVA YORK PARIS DE 1927 KELTON GABRIEL 1 INTRODUÇÃO Com o intuito de ganhar o Prêmio Orteig de 25 mil doláres proposto

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.919

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.919 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.919 OS PRINCIPIOS DE GESTÃO E PLANIFICAÇÃO DE PRÁTICAS TURISTICAS LIGADAS AO SEGMENTO DE

Leia mais

MUSICALIZAÇÃO DA UFPB: CONTRIBUIÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL

MUSICALIZAÇÃO DA UFPB: CONTRIBUIÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL MUSICALIZAÇÃO DA UFPB: CONTRIBUIÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL Centro de Comunicações Turismo e Artes / PROBEX BEZERRA 1, Igor de Tarso Maracajá Resumo: O atual trabalho apresenta um estudo preliminar

Leia mais

MEIO AMBIENTE, JOGOS E COM-VIVÊNCIA: PRINCÍPIOS PARA UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PELO LAZER

MEIO AMBIENTE, JOGOS E COM-VIVÊNCIA: PRINCÍPIOS PARA UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PELO LAZER MEIO AMBIENTE, JOGOS E COM-VIVÊNCIA: PRINCÍPIOS PARA UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PELO LAZER Cae Rodrigues 1 Ricardo Peixoto Stevaux 2 RESUMO A principal motivação para o desenvolvimento desse trabalho fundamenta-se

Leia mais

O MUNDO ENCANTADO DO TELE CIRCO: gerando aprendizagem

O MUNDO ENCANTADO DO TELE CIRCO: gerando aprendizagem O MUNDO ENCANTADO DO TELE CIRCO: gerando aprendizagem Autores: AZENILDA DE PAULA CABRAL e IVANISE MARIA BOMFIM SOARES Nem sempre a aprendizagem está diretamente ligada ao ensino. É possível ensinar e não

Leia mais

O PEDAGOGO E O DESAFIO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES. Ana Lúcia dos Santos

O PEDAGOGO E O DESAFIO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES. Ana Lúcia dos Santos O PEDAGOGO E O DESAFIO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES Ana Lúcia dos Santos A presente pesquisa sobre O Pedagogo e o desafio da formação continuada de Professores teve por objetivo descrever as propostas

Leia mais