Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado"

Transcrição

1 Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado A certificação de terceira-parte de sistemas de gestão é, com frequência, um requisito especificado para atuação no mercado goba. Ea pode demonstrar conformidade com uma norma, um código de práticas ou requisitos reguamentares. Também pode proporcionar mehoria interna dos negócios.

2 Por que usar um organismo de certificação acreditado? Seecionar a organização certa para conduzir a sua certificação pode ser uma incógnita. Comprovou-se que escoher um organismo de certificação que tenha sido acreditado por um organismo de acreditação signatário do Acordo de Reconhecimento Mutiatera do IAF (MLA) está em conformidade com as boas práticas. Aém disso, de que ee é competente para fornecer um serviço reguarmente confiáve e imparcia que atenda à norma internaciona adequada. O que convém anaisar ao seecionar um Organismo de Certificação? Ao seecionar uma organização para certificar seu sistema de gestão, existem diversos fatores para anaisar: Quaificações, capacitação e monitoramento contínuo da competência do pessoa; Pessoas tecnicamente competentes que possuam a experiência pertinente e o conhecimento do setor; A certificação é reconhecida por compradores em mercados nacionais e no exterior; A certificação verifica a conformidade com uma norma de forma independente e imparcia. Acreditação é a avaiação independente de organismos de certificação contra a norma ABNT NBR ISO/IEC 17021: (Requisitos para organismos que fornecem auditoria e certificação de sistemas de gestão) a fim de assegurar sua imparciaidade, competência e coerência. A norma estabeece os princípios e requisitos para a competência, coerência e imparciaidade de organismos que fornecem auditoria e certificação de serviços de sistemas de gestão. Em muitos países, a acreditação não é obrigatória. Convém observar que o fato de um organismo de certificação não ser acreditado não significa, por si só, que ee não seja uma organização confiáve. Entretanto, muitos organismos de certificação buscam acreditação a fim de serem capazes de demonstrar uma confirmação independente de sua competência e independência. 2

3 Quais são os benefícios de usar um organismo de certificação acreditado? Existem muitos motivos peos quais convém usar os serviços de um organismo de certificação acreditado: eimina o risco de suas aquisições removendo as suposições ao se escoher um organismo de certificação e provendo confiança de que você obterá o serviço que atenda perfeitamente a seus requisitos; conquista novos negócios uma vez que o uso de serviços acreditados de avaiação da conformidade é cada vez mais uma condição de especificadores nos setores púbicos e privados; obtém acesso a mercados no exterior uma vez que os certificados emitidos peos organismos que são acreditados por signatários do MLA do IAF são reconhecidos e aceitos no mundo inteiro; ajuda a identificar boas práticas uma vez que exige-se que o organismo de certificação tenha conhecimento adequado do setor de negócios de seu ciente; controa custos com o auxíio da transferência de conhecimentos pois os organismos de certificação acreditados podem ser uma boa fonte de informações imparciais; oferece diferenciação e iderança no mercado ao apresentar evidência confiáve de boas práticas; demonstra devida diigência no caso de ações jurídicas; reduz a burocracia e aumenta a eficiência ao reduzir a necessidade de auditar novamente seu negócio. 3

4 Áreas de certificação de sistemas de gestão Embora a certificação de Sistema de Gestão da Quaidade (ABNT NBR ISO 9001) seja responsáve por uma grande proporção das atividades desempenhadas peos organismos de certificação, existem outras áreas de trabaho iguamente importantes, a saber: Certificação de Sistemas de Gestão da Segurança da Informação (ABNT NBR ISO/IEC 27001) Certificação de Sistemas de Gestão Ambienta (ABNT NBR ISO 14001) Certificação de sistemas de gestão de Serviços de TI (ABNT NBR ISO/IEC 20000), Certificação de Sistemas de Gestão da Segurança de Aimentos (ABNT NBR ISO 22000) Certificação de Sistemas de Gestão da Segurança para a Cadeia Logística (ABNT NBR ISO 28000) 4

5 Como encontrar um Organismo de Certificação Acreditado? Para descobrir se seu país dispõe de um organismo de acreditação, visite o site na Web do Fórum Internaciona de Acreditação (IAF) em e identifique na ista de signatários do MLA do IAF um organismo de acreditação em seu país ou região. Na maioria dos países, os organismos de acreditação pubicam istas de organismos de certificação que ees acreditaram, que geramente incuem os dados para contato e o escopo.le3e Acreditação é a avaiação independente de organismos de certificação contra normas reconhecidas a fim de assegurar sua imparciaidade, competência e coerência. O objetivo do Acordo de Reconhecimento Mutiatera (MLA) do IAF é assegurar o reconhecimento mútuo de certificações acreditadas entre os signatários do MLA, e, subsequentemente, a aceitação de certificações acreditadas em muitos mercados com base em uma acreditação. A acreditação e o MLA do IAF ajudam os reguadores a atender a suas próprias responsabiidades egisadas ao proporcionar um sistema reconhecido mundiamente para aceitar certificações acreditadas. 5

6 Certificado uma vez, aceito em toda parte Mais informações sobre o IAF e a acreditação O Fórum Internaciona de Acreditação (IAF) é uma associação mundia de Organismos de Acreditação, Associações de Organismos de Certificação e outras organizações envovidas em atividades de avaiação de conformidade em uma variedade de campos, incuindo sistemas de gestão, produtos e pessoa. Os Membros do IAF trabaham juntos mundiamente a fim de acançarem os objetivos comuns de faciitação do comércio por meio do desenvovimento de princípios e práticas para a condução da avaiação da conformidade que fornecerá a confiança necessária para aceitação peo mercado. O IAF promove a aceitação mundia de certificados de conformidade emitidos peos organismos de certificação acreditados por um signatário do MLA do IAF e procura agregar vaor a todas as partes interessadas, por meio de suas atividades e programas. Para obter mais informações, entre em contato com: Secretaria do IAF Eva Nisen 28 Chemin Od Chesea Caixa Posta 1811 Chesea, Quebec CANADA J9B 1A0 Phone: +1 (613) Emai: Copyright IAF 2011 O IAF encoraja a reprodução autorizada de suas pubicações, ou partes dea, por organizações que desejem usar esse materia em áreas reacionadas com educação, normaização, acreditação, boas práticas de aboratório ou outros fins pertinentes à área do IAF de especiaidade ou trabaho. As organizações que desejam permissão para reproduzir o materia das pubicações do IAF devem entrar em contato com o Presidente ou a Secretaria por carta ou e-mai. A permissão do IAF para reproduzir seu materia apenas concede o que está detahado na soicitação origina. Quaquer variação ao uso decarado do materia do IAF deve ser notificada com antecedência por escrito ao IAF para permissões adicionais. IAF B3 1/2012

Acordo de Reconhecimento Multilateral (MLA) do IAF. Certificado uma vez, aceito em toda parte

Acordo de Reconhecimento Multilateral (MLA) do IAF. Certificado uma vez, aceito em toda parte Acordo de Reconhecimento Multilateral (MLA) do IAF Certificado uma vez, aceito em toda parte Apoio à aceitação de produtos e serviços além das fronteiras nacionais A acreditação provê a garantia ao governo,

Leia mais

Como ter confiança em um Organismo de Inspeção? É necessária certificação ABNT NBR ISO 9001 ou acreditação ABNT NBR ISO/IEC 17020?

Como ter confiança em um Organismo de Inspeção? É necessária certificação ABNT NBR ISO 9001 ou acreditação ABNT NBR ISO/IEC 17020? É necessária certificação ABNT NBR ISO 9001 ou acreditação ABNT NBR ISO/IEC 17020? O que buscar quando há uma necessidade 3 Como ter confiança em um Organismo 4 Como a acreditação do organismo de inspeção

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 branca A P R E S E N TA Ç Ã O Construindo um novo futuro Para tornar-se íder goba em souções de transporte

Leia mais

Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar

Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar Introdução O International Accreditation Forum (IAF) é uma associação mundial de Organismos de Acreditação, Associações de Organismos de Certificação e outras

Leia mais

Rota para assinar os Acordos do IAF ou ILAC

Rota para assinar os Acordos do IAF ou ILAC Rota para assinar os Acordos do IAF ou ILAC Objetivo O objetivo deste guia é destacar as etapas no processo de solicitação e avaliação para possibilitar que os organismos de acreditação assinem os Acordos

Leia mais

Atuais objetivos da normalização

Atuais objetivos da normalização A U L A Atuais objetivos da normaização Você agora vai estudar a útima parte deste assunto: os atuais objetivos da normaização. Pode-se dizer que a primeira fase da normaização, por vota de 1900 até os

Leia mais

Certificado uma vez, aceito em toda parte. A iniciativa do IAF para certificação acreditada para a ISO 13485 Produtos para a saúde

Certificado uma vez, aceito em toda parte. A iniciativa do IAF para certificação acreditada para a ISO 13485 Produtos para a saúde Certificado uma vez, aceito em toda parte A iniciativa do IAF para certificação acreditada para a ISO 13485 Produtos para a saúde Índice Introdução 3 Certificação ABNT NBR ISO 13485 acreditada dentro de

Leia mais

Informações sobre os Cursos. Gestão do Comércio e Negócios. Gestão Estratégica de Pessoas. com Ênfase em BI (Business Intelligence)

Informações sobre os Cursos. Gestão do Comércio e Negócios. Gestão Estratégica de Pessoas. com Ênfase em BI (Business Intelligence) Rua Eucides da Cunha, 377 Centro de Osasco 0800 771 77 44 www.fipen.edu.br Centra de Informações Gestão Estratégica de Pessoas Gestão da Produção e Logística Gestão do Comércio e Negócios Gestão de Serviços

Leia mais

AS NAÇÕES UNIDAS, A CONVENÇÃO E O COMITÉ

AS NAÇÕES UNIDAS, A CONVENÇÃO E O COMITÉ DIREITOS DA CRIANÇA CATARINA ALBUQUERQUE Técnica Superior no Gabinete de Documentação e Direito Comparado da Procuradoria-Gera da Repúbica AS NAÇÕES UNIDAS, A CONVENÇÃO E O COMITÉ Documentação e Direito

Leia mais

Política do grupo para HIV/AIDS

Política do grupo para HIV/AIDS Poítica do grupo para HIV/AIDS A Ango American pc reconhece a tragédia humana causada pea epidemia de HIV/AIDS, particuarmente na África sub-saariana. Estamos preocupados com a gravidade e as impicações

Leia mais

do trabalho Neste módulo, você vai estudar algumas Apresentação

do trabalho Neste módulo, você vai estudar algumas Apresentação Organização do trabaho Neste móduo, você vai estudar agumas noções básicas de organização do trabaho. Na primeira aua é anaisada a importância do trabaho para o bem de cada um, da sociedade e da nação.

Leia mais

A primeira fase da normalização

A primeira fase da normalização U L A A primeira fase da normaização A partir do momento em que o homem entra na era industria e inicia a produção em massa, isto é, a fabricação de um mesmo produto em grande quantidade, surge uma grande

Leia mais

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito A UU L AL A Just-in-time Podemos dizer que estamos usando a técnica ou sistema just-in-time ou, abreviadamente, JIT, quando produzimos ago sem desperdício de matéria-prima; quando soicitamos e utiizamos

Leia mais

Desfibrilhação Automática Externa

Desfibrilhação Automática Externa Programa Naciona de Desfibrihação Automática Externa Versão 2/2012 Programa Naciona de Desfibrihação Automática Externa Programa Naciona de Desfibrihação Automática Externa Este programa poderá ser revisto

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software Aula 01

Princípios da Engenharia de Software Aula 01 Princípios da Engenharia de Software Aua 01 Prof.: José Honorato Ferreira Nunes honorato.nunes@bonfim.ifbaiano.edu.br Materia cedido por: Frankin M. Correia frankin.correia@bonfim.ifbaiano.edu.br Objetivo

Leia mais

Cursos Profissionalizantes

Cursos Profissionalizantes Cursos Profissionaizantes O Teecurso Profissionaizante foi feito para você que está à procura de profissionaização; para você que está desempregado e precisa aprender uma profissão; para você que já estuda

Leia mais

Material de referência sobre as Cúpulas da ONU

Material de referência sobre as Cúpulas da ONU Materia de referência sobre as Cúpuas da ONU Perspectiva gera eaborada peo Centro Coaborador da Organização Mundia da Saúde da Agência de Saúde Púbica do Canadá sobre poíticas reativas a doenças crônicas

Leia mais

Coaching, treinamentos e palestras

Coaching, treinamentos e palestras Coaching, treinamentos e paestras Somos Couto Nós acreditamos que o potencia humano é o fator determinante do sucesso nas organizações e na sociedade. Dessa forma, nossa missão e visão nos inspiram em

Leia mais

Análise de Segurança Estática em Sistemas de Potência

Análise de Segurança Estática em Sistemas de Potência Universidade Federa do Rio de Janeiro Escoa Poitécnica Departamento de Engenharia Eétrica NOTAS DE AULA Anáise de Segurança Estática em Sistemas de Potência Prof. Carmen Lucia Tancredo Borges, D.Sc Juiana

Leia mais

Faculdade de Imperatriz FACIMP. Faculdade de Imperatriz FACIMP MANUAL DO VESTIBULANDO CONFORME ADENDO AO EDITAL 001/15. Imperatriz - Maranhão 2015.

Faculdade de Imperatriz FACIMP. Faculdade de Imperatriz FACIMP MANUAL DO VESTIBULANDO CONFORME ADENDO AO EDITAL 001/15. Imperatriz - Maranhão 2015. Direção ARTEC A. Região Tocantina de Educação e Cutura LTDA - ARTEC Antônio Leite Andrade Presidente Dorice Souza Andrade Diretora Gera Andreia Vice-Diretor Iria Duarte Coordenadora Acadêmica MANUAL DO

Leia mais

Marcação, codificação e soluções de sistemas. Produtos químicos

Marcação, codificação e soluções de sistemas. Produtos químicos Marcação, codificação e souções de sistemas Produtos químicos Conhecemos os desafios únicos que você enfrenta em suas inhas de produção A codificação na fabricação de produtos químicos pode ser um desafio

Leia mais

Problemas comuns Desenvolvimento e Design de Sistemas Web Categorias de problemas Exemplo de problema de funcionamento

Problemas comuns Desenvolvimento e Design de Sistemas Web Categorias de problemas Exemplo de problema de funcionamento Desenvovimento e Design de Sistemas Web Probemas comuns Web Sites ma definidos e projetados Necessidade de atuaização constante das informações: eternamente em construção Evoução extremamente rápida da

Leia mais

CONCURSO DE DESIGN FEDESIGN

CONCURSO DE DESIGN FEDESIGN CONCURSO DE DESIGN A Fábrica do Empresário é um projeto promovido pea Associação de Desenvovimento Empresaria da Benedita ADEB, que pretende assumirse como a oportunidade de promover o tecido empresaria

Leia mais

E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 137/12 Proc. nº T2-EOF-2012/344

E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 137/12 Proc. nº T2-EOF-2012/344 TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA REGIÃO UASG 09008 i o n a F e d e r a ibuna Re gi on a Federa E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 137/1 Proc. nº T-EOF-01/344 O ibuna Regiona Federa da Região, por seu Pregoeiro,

Leia mais

E D I T A L. PREGÃO ELETRÔNICO Nº 008/2014 Proc. nº TRF2-EOF-2014/002

E D I T A L. PREGÃO ELETRÔNICO Nº 008/2014 Proc. nº TRF2-EOF-2014/002 JUSTIÇA FEDERAL TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA REGIÃO SIASG 09008 Fe d e r a E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 008/014 Proc. nº TRF-EOF-014/00 O ibuna Regiona Federa da a Região, por seu Pregoeiro, designado

Leia mais

Indústria de carnes e aves

Indústria de carnes e aves Souções de sistemas de marcação e codificação Indústria de carnes e aves Conhecemos os desafios únicos que você enfrenta em suas inhas de produção Desde o gerenciamento de vários materiais de embaagens

Leia mais

Acreditação: Abordagem para as Américas

Acreditação: Abordagem para as Américas Acreditação: Abordagem para as Américas Aldoney Freire Costa Coordenador Geral de Acreditação Substituto Chefe da Divisão de Acreditação de Organismos de Certificação - Dicor O QUE É ACREDITAÇÃO? Atestação

Leia mais

CONSTRUÇÃO E REFORMA. Cartilha de orientação ao cidadão MÃOS À OBRA. INFORMAÇÕES: www.vilavelha.es.gov.br Tel: 3149-7293

CONSTRUÇÃO E REFORMA. Cartilha de orientação ao cidadão MÃOS À OBRA. INFORMAÇÕES: www.vilavelha.es.gov.br Tel: 3149-7293 CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA INFORMAÇÕES: www.viaveha.es.gov.br Te: 3149-7293 Cartiha de orientação ao cidadão Apresentação Habite-se A Prefeitura Municipa de Via Veha, por intermédio da Secretaria

Leia mais

Experiência Internacional é Decisiva para Farmacêuticos em Cargos de Liderança

Experiência Internacional é Decisiva para Farmacêuticos em Cargos de Liderança Experiência Internaciona é Decisiva para Farmacêuticos em Cargos de Liderança Inscreva seu Trabaho Apresentação em Forma de Pôster ou Ora Experiência Internaciona é Decisiva para Farmacêuticos em Cargos

Leia mais

E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 153/2013 Proc. nº TRF2-EOF-2013/476

E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 153/2013 Proc. nº TRF2-EOF-2013/476 TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA REGIÃO SIASG 09008 i o n a E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 153/013 Proc. nº TRF-EOF-013/476 O ibuna Regiona Federa da a Região, por seu Pregoeiro, designado pea Portaria nº

Leia mais

MARE. A Reforma do Aparelho do Estado e as Mudanças Constitucionais: Síntese & Respostas a Dúvidas mais Comuns. Cadernos MARE da Reforma do Estado

MARE. A Reforma do Aparelho do Estado e as Mudanças Constitucionais: Síntese & Respostas a Dúvidas mais Comuns. Cadernos MARE da Reforma do Estado Cadernos MARE da Reforma do Estado A Reforma do Apareho do Estado e as Mudanças Constitucionais: Síntese & Respostas a Dúvidas mais Comuns MARE Ministério da Administração Federa e Reforma do Estado MARE

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Elaborado por: GT Especial do ABNT/CB-25 Grupo de Aperfeiçoamento do

Leia mais

Relação entre setores

Relação entre setores Reação entre setores Na empresa existem outros tipos de trabaho aém daquees que produzem bens, como automóveis, geadeiras etc. Esses trabahos precisam de pessoas especiaizadas para que toda a empresa possa

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE (D.O 01 revisão 05, de 22 de março de 2011) 2 SUMÁRIO PARTE I INTRODUÇÃO

Leia mais

Simplificando o trabalho

Simplificando o trabalho A U A UL LA Simpificando o trabaho A simpificação do trabaho constitui outro meio que favorece diretamente a produtividade. Essa simpificação se reaciona com a mehoria de um método de trabaho, seja ee

Leia mais

E D I T A L. PREGÃO ELETRÔNICO Nº 155/2012 Proc. nº T2-EOF-2012/383

E D I T A L. PREGÃO ELETRÔNICO Nº 155/2012 Proc. nº T2-EOF-2012/383 a a n bu bu i gg ee RR i oi on n a a RR eeg g Fe Fe d d e e r a i i ãão o E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 155/01 Proc. nº T-EOF-01/383 O ibuna Regiona Federa da a Região, por seu Pregoeiro, designado

Leia mais

Leiaute ou arranjo físico

Leiaute ou arranjo físico Leiaute ou arranjo físico A UU L AL A Quaquer posto de trabaho, incusive o nosso, está igado aos demais postos de trabaho, num oca quaquer de uma empresa. Esse oca pode ser uma área grande ou pequena.

Leia mais

SEÇÃO DE LICITAÇÃO Rua do Acre nº 80 - sala 604 - Centro/Rio de Janeiro CEP: 20.081-000 Telefone/Fax: 2282-8682 -2282-8016 E D I T A L

SEÇÃO DE LICITAÇÃO Rua do Acre nº 80 - sala 604 - Centro/Rio de Janeiro CEP: 20.081-000 Telefone/Fax: 2282-8682 -2282-8016 E D I T A L TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA REGIÃO SIASG 09008 i o n a SEÇÃO DE LICITAÇÃO Rua do Acre nº 80 - saa 604 - Centro/Rio de Janeiro CEP: 0.081-000 Teefone/Fax: 8-868 -8-8016 E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº

Leia mais

Preparando a organização para o mundo digital

Preparando a organização para o mundo digital Ideas Preparando a organização para o mundo digita Por que você pode estar fazendo as perguntas erradas O mundo digita está em todas as partes e vem, aparentemente, ameaçando as maneiras mais tradicionais

Leia mais

O valor da certificação acreditada

O valor da certificação acreditada Certificado uma vez, aceito em toda parte O valor da certificação acreditada Relatório de Pesquisa Publicado em maio de 212 Em 21/11, o IAF realizou uma pesquisa mundial para capturar o feedback de mercado

Leia mais

O que significa a ABNT NBR ISO 9001 para quem compra?

O que significa a ABNT NBR ISO 9001 para quem compra? 1 O que significa a ABNT NBR ISO 9001 para quem compra? (ADAPTAÇÃO REALIZADA PELO ABNT/CB-25 AO DOCUMENTO ISO, CONSOLIDANDO COMENTÁRIOS DO INMETRO E DO GRUPO DE APERFEIÇOAMENTO DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO)

Leia mais

Parceiros estratégicos

Parceiros estratégicos PROJETO Parceiros estratégicos Danie Ravioo - Júio Lira - Karina Mota ENSINANDO E APRENDENDO COM O JORNAL ESCOLAR REDE JORNAL ESCOLA 2006 Redação: Danie Ravioo, Júio Lira e Karina Mota Capa e Editoração

Leia mais

Plano de Benefícios I NORDESTE em liquidação extrajudicial. (Cadastro Nacional de Plano de Benefícios - CNPB: 20.020.026-65)

Plano de Benefícios I NORDESTE em liquidação extrajudicial. (Cadastro Nacional de Plano de Benefícios - CNPB: 20.020.026-65) Rio de Janeiro, 25 de fevereiro de 2010. Pano de Benefícios I NORDESTE em iquidação extrajudicia. (Cadastro Naciona de Pano de Benefícios - CNPB: 20.020.026-65) - CNPJ: 27.901.719/0001-50 NOTAS EXPLICATIVAS

Leia mais

Ensaio e Certificação

Ensaio e Certificação Seminário sobre as experiências basileiras na implementação das Diretivas WEEE e RoHS Ensaio e Certificação 08/02/2011 Marcos Aurélio Lima de Oliveira Cgcre/Inmetro O INMETRO Autarquia do Governo Federal

Leia mais

E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 057/2014. Proc. nº TRF2-EOF-2014/00216

E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 057/2014. Proc. nº TRF2-EOF-2014/00216 TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA REGIÃO SIASG 09008 i o n a E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 057/014 Proc. nº TRF-EOF-014/0016 O ibuna Regiona Federa da a Região, por seu Pregoeiro, designado pea Portaria

Leia mais

Soluções de software para a Plataforma de Soluções da Lexmark

Soluções de software para a Plataforma de Soluções da Lexmark Pataforma de Souções da Lexmark Souções de software para a Pataforma de Souções da Lexmark A Pataforma de Souções da Lexmark é uma estrutura de apicações criada por programadores da Lexmark que proporciona

Leia mais

O que você vai aprender. Seria bom já saber. Isto lhe interessa. entendia nada! Tinha que decorar tudo!

O que você vai aprender. Seria bom já saber. Isto lhe interessa. entendia nada! Tinha que decorar tudo! A UA UL LA Eu Química O que você vai aprender Ciência Química Matéria Substância Progresso tecnoógico Novos materiais Como faz o cientista Seria bom já saber Para inicar o seu curso de Química, procure

Leia mais

Organização do trabalho

Organização do trabalho Departamento Regiona de São Pauo Organização do trabaho Escoa SENAI MÓDULOS ESPECIAIS MECÂNICA Móduos especiais - Mecânica Materia didático extraído do móduo Organização do trabaho teecurso profissionaizante

Leia mais

i o n a l Fe d e r a JUSTIÇA FEDERAL TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO ANEXO III INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 84/00-DNRC TRADUTOR JURAMENTADO

i o n a l Fe d e r a JUSTIÇA FEDERAL TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO ANEXO III INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 84/00-DNRC TRADUTOR JURAMENTADO Fe d e r a JUSTIÇA FEDERAL TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA REGIÃO ANEXO III INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 84/00-DNRC TRADUTOR JURAMENTADO CREDENCIAMENTO Nº 001/10 Proc. nº 919/09/010-EOF INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 84,

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

34 Ritmos e movimentos da população mundial

34 Ritmos e movimentos da população mundial A U A UL LA Ritmos e movimentos da popuação mundia Nessa aua, vamos estudar o crescimento da popuação mundia reacionando-o com as mudanças ocorridas na sociedade. Vamos conhecer o modeo expicativo da desaceeração

Leia mais

CAPACITAÇÃO DIAGNÓSTICO 2015

CAPACITAÇÃO DIAGNÓSTICO 2015 CAPACITAÇÃO DIAGNÓSTICO 2015 Projeto Conhecendo a Reaidade by @oriongestao based on side docs tempate ÍNDICE DE CONTEÚDO INTRO Pag. 3 7 01 02 03 04 Participantes Informações e Perguntas e expectativas

Leia mais

ISO 9001 O que significa para quem compra?

ISO 9001 O que significa para quem compra? ISO 9001 O que significa para quem compra? Introdução Como alguém que é responsável pelas decisões de compra, você pode ter visto ou usado bens e serviços que utilizam referências a ISO 9001 como propaganda.

Leia mais

METODOLOGIA PROGRAMA CEAPA/MG Central de Apoio e Acompanhamento às Penas e Medidas Alternativas de Minas Gerais. Introdução

METODOLOGIA PROGRAMA CEAPA/MG Central de Apoio e Acompanhamento às Penas e Medidas Alternativas de Minas Gerais. Introdução GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE DEFESA SOCIAL SUPERINTENDÊNCIA DE PREVENÇÃO À CRIMINALIDADE DIRETORIA DE REINTEGRAÇÃO SOCIAL METODOLOGIA PROGRAMA CEAPA/MG Centra de Apoio e Acompanhamento

Leia mais

E D I T A L. PREGÃO ELETRÔNICO Nº 091/2011 Proc. nº 712/07/2011 - EOF

E D I T A L. PREGÃO ELETRÔNICO Nº 091/2011 Proc. nº 712/07/2011 - EOF a a n bu bu i gg ee RR i oi on n a a RR e eg g Fe Fe d d e e r a i i ãão o E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 091/011 Proc. nº 71/07/011 - EOF O ibuna Regiona Federa da a Região, por seu Pregoeiro, designado

Leia mais

CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA. Cartilha de orientação ao cidadão

CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA. Cartilha de orientação ao cidadão CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA Cartiha de orientação ao cidadão Apresentação A Prefeitura Municipa de Via Veha, por intermédio da Secretaria Municipa de Desenvovimento Urbano, apresenta esta cartiha

Leia mais

11 Sistemas resolvem problemas

11 Sistemas resolvem problemas A UA UL LA Sistemas resovem probemas Introdução Na aua anterior, mostramos como resover sistemas de duas equações de 1º grau com duas incógnitas. Agora vamos usar essa importante ferramenta da matemática

Leia mais

Controles Tracer TM. Controladores de Zona Tracer ZN511 e ZN521 BAS-PRC006-PT. Janeiro de 2002

Controles Tracer TM. Controladores de Zona Tracer ZN511 e ZN521 BAS-PRC006-PT. Janeiro de 2002 Controes Tracer TM Controadores de Zona Tracer ZN511 e ZN521 Janeiro de 2002 BAS-PRC006-PT Introdução Os controadores de zona Tracer ZN511 e ZN521 oferecem controe digita para vários tipos de equipamentos

Leia mais

Por que o cobre não precisa de proteção?

Por que o cobre não precisa de proteção? Por que o cobre não precisa de proteção? AUUL AL A Sobre o atão A recicagem do cobre Os usos do cobre metáico Decapagem do cobre metáico Especificação de um produto Souções diuídas e concentradas O que

Leia mais

Acreditação de Laboratórios. Acreditação de Laboratórios. Acreditação

Acreditação de Laboratórios. Acreditação de Laboratórios. Acreditação Acreditação de Laboratórios Acreditação Acreditação de Laboratórios Como Acreditar Laboratórios Vantagens da Acreditação Documentos Básicos para Acreditação Reconhecimento Internacional Acreditação A acreditação

Leia mais

E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 017/2014. Proc. nº TRF2-EOF-2014/00043

E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 017/2014. Proc. nº TRF2-EOF-2014/00043 TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA REGIÃO SIASG 09008 i o n a E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 017/014 Proc. nº TRF-EOF-014/00043 O ibuna Regiona Federa da a Região, por seu Pregoeiro, designado pea Portaria

Leia mais

I SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ

I SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ I SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ A importância do conhecimento da legislação ambiental para auditores profissionais Marcello Guimarães Couto, Esp. Gerente da Divisão

Leia mais

MÓDULOS ESPECIAIS MECÂNICA

MÓDULOS ESPECIAIS MECÂNICA Departamento Regiona de São Pauo Normaização Escoa SENAI MÓDULOS ESPECIAIS MECÂNICA Móduos especiais - Mecânica Materia didático extraído do móduo Normaização teecurso profissionaizante 2000. Trabaho eaborado

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Comissão Própria de Avaliação

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Comissão Própria de Avaliação Comissão Própria de Avaiação Apresentação dos Resutados da Avaiação Gera da UCPe peos Aunos A tabuação abaixo foi feita a partir dos questionários sócio-econômicos do ENADE, dos anos de 01. Estado Civi?

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 02/2013

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 02/2013 RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 2/213 A Presidente do Conseho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso de suas atribuições, consoante o deiberado na 99ª Reunião Ordinária, reaizada no dia 1 de dezembro

Leia mais

Competências de Professores: um Fator Competitivo Darcy Mitiko Mori Hanashiro Doutora em Administração pea FEA-USP; Mestre em Administração pea Universidade Federa do Rio Grande do Su; Professora do Programa

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO SISTEMA REGISTRO DE PREÇO - SRP Nº 170/06 E D I T A L

PREGÃO ELETRÔNICO SISTEMA REGISTRO DE PREÇO - SRP Nº 170/06 E D I T A L TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA REGIÃO PROTOCOLO Nº 197/10/006-EOF PREGÃO ELETRÔNICO SISTEMA REGISTRO DE PREÇO - SRP Nº 170/06 E D I T A L O ibuna Regiona Federa da a Região, por seu Pregoeiro, designado

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA: MARKETING

ÁREA TEMÁTICA: MARKETING RBGN REVISTA BRASILEIRA DE GESTÃO DE NEGÓCIOS ISSN 1806-4892 FECAP ÁREA TEMÁTICA: MARKETING Marketing Verde: responsabiidade socia e ambienta integradas na envovente de marketing Green Marketing: integrated

Leia mais

ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA (CVCs) SOBRE AS PONTES DA REDE VIÁRIA SOB JURISDIÇÃO DO DER-SP

ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA (CVCs) SOBRE AS PONTES DA REDE VIÁRIA SOB JURISDIÇÃO DO DER-SP ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA 27 ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA (CVCs) SOBRE AS PONTES DA REDE VIÁRIA SOB JURISDIÇÃO

Leia mais

Guia de operação para 4334

Guia de operação para 4334 MO1211-PA Prefácio Congratuações por sua escoha deste reógio CASIO. Para obter o máximo de sua compra, certifique-se de er atentamente este manua. Advertência! As funções de medição incorporadas neste

Leia mais

DIAGNÓSTICO E PROPOSTA PARA UTILIZAÇÃO DO ESTOQUE DE SEGURANÇA EM PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PLÁSTICOS. *E-mail: elpidio@unisc.

DIAGNÓSTICO E PROPOSTA PARA UTILIZAÇÃO DO ESTOQUE DE SEGURANÇA EM PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PLÁSTICOS. *E-mail: elpidio@unisc. DIAGNÓSTICO E PROPOSTA PARA UTILIZAÇÃO DO ESTOQUE DE SEGURANÇA EM PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PLÁSTICOS Epídio O. B. Nara 1 *, Leirson Eckert 2, Jaqueine de Moraes 3 1 SPI - Sistemas de Processos

Leia mais

Incentivos e financiamiento

Incentivos e financiamiento Incentivos e financiamiento Regime Fisca Vigente O sistema fisca espanho é moderno e competitivo. A carga fisca existente na Espanha (medido com a porcentagem dos impostos e os encargos sociais em reação

Leia mais

E D I T A L. PREGÃO ELETRÔNICO Nº 096/2013 Proc. nº TRF2-EOF-2013/0276

E D I T A L. PREGÃO ELETRÔNICO Nº 096/2013 Proc. nº TRF2-EOF-2013/0276 TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA REGIÃO SIASG 09008 i o n a E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 096/013 Proc. nº TRF-EOF-013/076 O ibuna Regiona Federa da a Região, por seu Pregoeiro, designado pea Portaria nº

Leia mais

17 Como escolher um extintor de incêndio?

17 Como escolher um extintor de incêndio? A UA UL LA Como escoher um extintor de incêndio? O que você vai aprender Como apagar fogo Tipos de incêndios Tipos de extintores O que fazer em caso de incêndio? Seria bom já saber O que é fogo Composição

Leia mais

Mês para se comemorar à pátria

Mês para se comemorar à pátria 3.000 exempares Ano X - Edição 98 - Setembro/2013 - www.jornadosindico.com.br/nata 7 de setembro Dê uma cara nova ao seu condomínio renovando seus equipamentos com o Mês para se comemorar à pátria VIDA

Leia mais

Guia Sugerido para Relacionamento com o Governo e Regulamentadores

Guia Sugerido para Relacionamento com o Governo e Regulamentadores Recommended guide for engaging with Government Finalidade & Regulators O apoio às necessidades do governo e dos regulamentadores é um objetivo básico do IAF e da ILAC e de seus organismos de acreditação

Leia mais

Manual de instruções VEGALOG 571 CPU e suporte de módulo

Manual de instruções VEGALOG 571 CPU e suporte de módulo Manua de instruções VEGALOG 571 CPU e suporte de móduo PC 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 BA!!!! on on on on VEGALOG VEGALOG VEGALOG VEGALOG 571 CPU 571 EA 571 EP 571 AR in out Índice Índice 1 Sobre o presente documento

Leia mais

MANUFATURA VIRTUAL: CONCEITUAÇÃO E DESAFIOS

MANUFATURA VIRTUAL: CONCEITUAÇÃO E DESAFIOS MANUFATURA VIRTUAL: CONCEITUAÇÃO E DESAFIOS Arthur José Vieira Porto Mariea Consoni Forenzano Souza Departamento de Engenharia Mecânica SEM, Escoa de Engenharia de São Caros USP, Av. Trabahador Sancarense,

Leia mais

l a robustez do Grupo e o respeito do mercado; Confiança: trave mestra do Grupo RHmais NOVEMBRO 2011 Newsletter Edição 16 novembro 2011

l a robustez do Grupo e o respeito do mercado; Confiança: trave mestra do Grupo RHmais NOVEMBRO 2011 Newsletter Edição 16 novembro 2011 Newsetter Edição 16 novembro 2011 Confiança: trave mestra do Grupo RHmais Heder Braz, Presidente do Conseho de Administração do Grupo RHmais Nesta conjuntura de mudanças e de incertezas, a importância

Leia mais

sumário AUDITORIA VOLUNTÁRIA O verbo é coletivizar 27 Visão, Missão, Crenças e Valores 03 Onde estamos 28

sumário AUDITORIA VOLUNTÁRIA O verbo é coletivizar 27 Visão, Missão, Crenças e Valores 03 Onde estamos 28 reatório anua 2010 sumário PRINCÍPIOS DA ORGANIZAÇÃO Visão, Missão, Crenças e Vaores 03 Mensagem do Presidente do Conseho Deiberativo (Vountário) 04 Mensagem da Presidente (Vountária) 05 Disseminar a cutura

Leia mais

PROJETO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM BARRAMENTO CAN PARA SUPORTE AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PARA MÁQUINAS AGRÍCOLAS

PROJETO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM BARRAMENTO CAN PARA SUPORTE AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PARA MÁQUINAS AGRÍCOLAS PROJETO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM BARRAMENTO PARA SUPORTE... 1 PROJETO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM BARRAMENTO PARA SUPORTE AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PARA MÁQUINAS AGRÍCOLAS Ricardo Y. Inamasu Embrapa

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO NBR 15100

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO NBR 15100 PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO NBR 15100 As perguntas abaixo têm o propósito de elucidar algumas dúvidas sobre a certificação da NBR 15100. 1. O que é a NBR 15100? A NBR 15100, equivalente à norma

Leia mais

Os aplicativos e sua utilização

Os aplicativos e sua utilização Os apicativos e sua utiização Baixando, Instaando e usando o Avast A B C D Os Apicativos Tipos de Apicativos Baixando e Instaando Usando o apicativo Tipos de Apicativos/Programas Os apicativos são programas

Leia mais

ANALISTA DE SISTEMAS

ANALISTA DE SISTEMAS CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NO NÍVEL INICIAL DE CARGOS EFETIVOS DO QUADRO DE PESSOAL EDITAL Nº. 001/2009 ANALISTA DE SISTEMAS ORIENTAÇÕES GERAIS 26 de juho de 2009 Confira se a impressão

Leia mais

Lexmark Print Management

Lexmark Print Management Lexmark Print Management Optimize a impressão em rede e crie uma vantagem informativa com uma soução de gestão de documentos que pode ser impementada no oca ou através da nuvem. Funcionaidade Print Reease

Leia mais

E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 099/13 TRF2- EOF-2013/285

E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 099/13 TRF2- EOF-2013/285 TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA REGIÃO UASG 09008 a n bu i g e RR Fe Fe d d e e r a iiãã o CNPJ 3.43.347/0001 51 SEÇÃO DE LICITAÇÃO Rua Acre, nº 80 - saa 604 - Centro/Rio de Janeiro - CEP 0.081-000 Teefone/FAX:

Leia mais

Maximizando as vendas de cervejas muito importantes. Uma ideia mais fresca para o mercado de cerveja

Maximizando as vendas de cervejas muito importantes. Uma ideia mais fresca para o mercado de cerveja Maximizando as vendas de cervejas muito importantes Uma ideia mais fresca para o mercado de cerveja Uma ideia mais fresca Mehorando as vendas para o mercado de cerveja Cuidando de cervejas muito importantes

Leia mais

Ensino Profissional Ensino Superior Cursos de Especialização. Formação Ofertas de Emprego. 8 9 10 maio 2014. Largo do Papa - Leiria

Ensino Profissional Ensino Superior Cursos de Especialização. Formação Ofertas de Emprego. 8 9 10 maio 2014. Largo do Papa - Leiria GUIA OFICIAL V FÓRUM EMPREGO E FORMAÇÃO Esta revista é supemento integrante da edição nº 4024 de 2 de maio de 2014 do semanário REGIÃO DE LEIRIA. Não pode ser vendida separadamente Ensino Profissiona Ensino

Leia mais

Administração das Reservas Internacionais

Administração das Reservas Internacionais Administração das Reservas Internacionais Banco Centra do Brasi Depin Depin 2 Objetivos das Reservas em Moeda Estrangeira Dar apoio à poítica monetária e cambia; Dar confiança ao mercado com reação à capacidade

Leia mais

Educação em família. E mais: ideias simples e fáceis para você participar da vida escolar do seu filho. Guia da

Educação em família. E mais: ideias simples e fáceis para você participar da vida escolar do seu filho. Guia da Guia da Educação em famíia 77 ideias simpes e fáceis para você participar da vida escoar do seu fiho E mais: fávia aessandra, sivia buarque, Cássia Kiss e nívea stemann dão dicas de como ajudar seu fiho

Leia mais

Calculando engrenagens cilíndricas

Calculando engrenagens cilíndricas Cacuando engrenagens ciíndricas A UU L AL A Em uma empresa, o setor de manutenção mecânica desenvove um importante pape na continuidade do fuxo da produção. Após o diagnóstico do defeito, reaizam-se a

Leia mais

8 O mundo romano: da monarquia à república

8 O mundo romano: da monarquia à república A U A UL LA O mundo romano: da monarquia à repúbica Os romanos deixaram marcas cuturais e poíticas que ajudaram a modar o mundo contemporâneo. Muitos traços da história romana estão presentes em nossa

Leia mais

Curso e- Learning Sistema de Gestão da Qualidade NBR ISO 9001:2008

Curso e- Learning Sistema de Gestão da Qualidade NBR ISO 9001:2008 Curso e- Learning Sistema de Gestão da Qualidade NBR ISO 9001:2008 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 15 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

Acreditação Panorama Brasil

Acreditação Panorama Brasil Acreditação Panorama Brasil 28 de novembro de 2013 Victor Pavlov Miranda Gestor de Acreditação Divisão de Acreditação de Laboratórios - Coordenação Geral de Acreditação INMETRO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA,

Leia mais

PC-HK-001 REQUISITOS GERAIS PARA CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS

PC-HK-001 REQUISITOS GERAIS PARA CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece os Requisitos Gerais para Certificação de Produtos. As particularidades de cada RAC específico de cada Objeto serão expressas em Procedimentos Específicos do HK,

Leia mais

Análise de Correspondência entre Clínicas Médicas e Indicadores Hospitalares: O Caso do Hospital Universitário de Santa Maria

Análise de Correspondência entre Clínicas Médicas e Indicadores Hospitalares: O Caso do Hospital Universitário de Santa Maria Anáise de Correspondência entre Cínicas Médicas e Indicadores Hospitaares: O Caso do Hospita Universitário de Santa Maria Fábio Mariano Bayer (UFSM) fabiobayer@mai.ufsm.br Adriano Mendonça Souza (UFSM)

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2015

PLANO DE ATIVIDADES 2015 ÍNDICE I NOTA INTRODUTÓRIA 2 II RECURSOS FINANCEIROS 6 III RECURSOS HUMANOS 13 IV PROGRAMAS DE S 20 1. Serviços Centrais Direção 20 Departamento de Bens Cuturais 20 Departamento de Museus, Conservação

Leia mais

TÉCNICAS DA PESQUISA OPERACIONAL NO PROBLEMA DE HORÁRIOS DE ATENDENTES EM CENTRAIS TELEFÔNICAS

TÉCNICAS DA PESQUISA OPERACIONAL NO PROBLEMA DE HORÁRIOS DE ATENDENTES EM CENTRAIS TELEFÔNICAS TÉCNICAS DA PESQUISA OPERACIONAL NO PROBLEMA DE HORÁRIOS DE ATENDENTES EM CENTRAIS TELEFÔNICAS Angea Oandoski Barboza Departamento de Matemática, Centro Federa de Educação Tecnoógica do Paraná, Av. 7 de

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais