2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho"

Transcrição

1 º TRIMESTRE de 06 abril a junho

2 COORDENAÇÃO DA PESQUISA EXECUÇÃO DAS COLETAS COLABORADORES INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇÃMENTO E GESTÃO SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL VIGILÂNCIA AGROPECUÁRIA INTERNACIONAL

3 INTRODUÇÃO Objetivando a organização e coordenação das atividades públicas nos aeroportos, em 0 foi instituída a Comissão Nacional de Autoridades Aeroportuárias (CONAERO), integrada por diversos órgãos/entidades públicas envolvidos no processamento de aeronaves, passageiros e bens nos aeroportos brasileiros, que desempenha importante papel no aprimoramento da gestão aeroportuária. No âmbito da CONAERO foram criados comitês técnicos, dentre eles o Comitê Técnico de Desempenho Operacional que, tal como a CONAERO, também é integrado por diversos órgãos/entidades públicas responsáveis pela prestação de serviços aeroportuários, e ao qual compete a construção de medidas voltadas para a avaliação de indicadores de desempenho das operações aeroportuárias e de ações visando melhorias na prestação de serviços ao passageiro. Dentre as medidas adotadas pelo Comitê, destaca-se a proposição de indicadores de desempenho operacional e a contratação de empresa especializada para a realização de coleta de dados em alguns dos principais aeroportos brasileiros. Conduzidas pela Secretaria de Aviação Civil (SAC), tais medidas representam um suporte à gestão aeroportuária brasileira, tornando possível apresentar dados gerais sobre a percepção dos passageiros a respeito de cada um dos aeroportos contemplados na pesquisa, dando transparência do nível de serviço prestado a sociedade. Não obstante, a realização de grandes eventos internacionais no Brasil reforça o compromisso do Governo Federal com o planejamento e com a melhoria da qualidade dos serviços aeroportuários, prezando pela concorrência e pela atenção às necessidades e anseios dos passageiros. Os resultados por aeroportos encontram-se disponibilizados em arquivos individualizados, no sítio eletrônico da Secretaria de Aviação Civil. Í N D I C E A PESQUISA METODOLOGIA RESULTADOS GERAIS RESULTADOS POR INDICADOR DE SATISFAÇÃO DO PASSAGEIRO RESULTADOS POR INDICADOR DE PROCESSOS AEROPORTUÁRIOS COMPANHIAS AÉREAS A PESQUISA EM NÚMEROS 7 9 9

4 A PESQUISA A pesquisa dos indicadores aeroportuários de percepção dos passageiros nos aeroportos é coordenada pela equipe técnica da SAC, com o apoio do Comitê Técnico de Desempenho Operacional (CTDO) da CONAERO e da Praxian Consultoria Ltda., empresa contratada pela SAC mediante licitação pública, para a coleta de dados. A construção das diretrizes para a realização da coleta de dados, bem como todos os seus produtos, tais como questionários aplicados, metodologia utilizada e seleção dos indicadores a serem avaliados, foi realizada pela SAC e devidamente validada pelo CTDO da CONAERO. Em virtude da realização de eventos de grande porte no Brasil, tais como a Copa das Confederações da FIFA de 0, a Jornada Mundial da Juventude 0, a Copa do Mundo da FIFA 0 e Olimpíadas 06, constatou-se a necessidade de se obter indicadores aeroportuários que refletissem a opinião dos passageiros sobre a prestação de serviços nos aeroportos brasileiros, a fim de possibilitar que ações de gestão sejam tomadas visando à melhoria do nível dos serviços prestados.

5 A PESQUISA Nesse contexto foram selecionados aeroportos, abaixo indicados, como objeto da coleta de dados, conforme o seu envolvimento nos referidos eventos e a sua área de influência. Juntos eles representam 80% do total de movimentação de passageiros nos aeroportos brasileiros. Fortaleza Manaus Natal Recife Cuiabá Brasília Salvador Confins Curitiba Galeão S. Dumont Porto Alegre Guarulhos Congonhas Campinas

6 METODOLOGIA A distribuição amostral das entrevistas foi realizada em função do fluxo de passageiros nos extratos doméstico e internacional, considerando-se um intervalo de confiança de 9% e erro amostral máximo de %. Essa estratificação visa garantir a representatividade da amostra, sendo as coletas realizadas nos horários de maior fluxo de passageiros nos aeroportos, de acordo com o planejamento de voos regulares aprovados pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), a fim de que seja obtida a opinião do passageiro no momento em que o aeroporto apresenta maior concentração de atividades em operação. A coleta de dados relacionados à satisfação do passageiro consiste na realização de entrevista presencial, por meio de questionário padrão, com os passageiros no embarque e desembarque dos aeroportos citados acima. As perguntas formuladas no questionário contemplam os indicadores listados na página seguinte, agrupados conforme seu responsável direto. Ao fim do questionário, o entrevistado ainda avalia sua satisfação geral com o aeroporto. O passageiro entrevistado deve avaliar esses indicadores atribuindo notas de a para cada um deles, sendo a menor nota possível e a maior nota possível, assim classificadas: (muito ruim), (ruim), (regular), (bom), (muito bom).

7 METODOLOGIA INFRAESTRUTURA AEROPORTUÁRIA facilidade desembarque no meio-fio tempo de fila na inspeção de segurança confiabilidade da inspeção de segurança cordialidade e prestatividade dos funcionários da inspeção de segurança qualidade da sinalização do aeroporto 6 disponibilidade e qualidade das informações nos painéis de voo 7 disponibilidade de tomadas 8 qualidade da internet / wi-fi disponibilizada pelo aeroporto 9 disponibilidade de sanitários 0 limpeza dos sanitários disponibilidade de assentos na sala de embarque sensação de segurança nas áreas públicas do aeroporto limpeza geral do aeroporto conforto térmico do aeroporto conforto acústico do aeroporto 6 qualidade da informação nos painéis das esteiras de restituição de bagagem COMPANHIAS AÉREAS tempo de fila no check-in (autoatendimento) 6 tempo de fila no check-in (balcão) 7 cordialidade e prestatividade dos funcionários do check-in 8 qualidade da informação prestada pela cia aérea 9 velocidade de restituição de bagagem 0 integridade da bagagem ÓRGÃOS PÚBLICOS tempo de fila na emigração cordialidade dos funcionários da emigração tempo de fila na imigração cordialidade dos funcionários da imigração tempo de fila da aduana 6 cordialidade do funcionário da aduana FACILIDADES AO PASSAGEIRO 7 qualidade das instalações de estacionamento de veículos 8 disponibilidade de vagas no estacionamento de veículos 9 custo-benefício do estacionamento 0 quantidade e qualidade de lanchonetes e restaurantes custo-benefício dos produtos de lanchonetes e restaurantes disponibilidade e localização de caixas eletrônicos/casas de câmbio/bancos quantidade e qualidade de estabelecimentos comerciais custo-benefício dos produtos comerciais TRANSPORTE PÚBLICO 7 disponibilidade de transporte público para o aeroporto SATISFAÇÃO GERAL DO PASSAGEIRO

8 METODOLOGIA UTILIZADA Adicionalmente, são coletados os seguintes dados de perfil do passageiro. Idade Renda Familiar Escolaridade Motivo da viagem Está viajando sozinho? Número de acompanhantes Tipo de transporte utilizado até o aeroporto Tipo de voo (doméstico/internacional) Forma de realização do Check-in Quantas viagens fez partindo desse aeroporto nos últimos meses Tempo de antecedência de chegada para o voo 6

9 RESULTADOS GERAIS No segundo trimestre de 06, a coleta de dados foi distribuída ao longo dos meses de abril, maio e junho, totalizando. entrevistas. Desse total, foram realizadas 8.9 entrevistas com passageiros de voos domésticos e. entrevistas com passageiros de voos internacionais, obtendo-se a representatividade da população prevista estatisticamente. A seguir, são apresentados os resultados gerais dos indicadores relativos ao perfil do passageiro. Ressaltamos que os gráficos abaixo representam o perfil da população amostral das entrevistas e não necessariamente o perfil dos usuários dos aeroportos pesquisados. 0 - Geral - Distribuição amostral - Tipo de voo 0 - Geral - Tipo de transporte 8% 0% % Privado 6% Doméstico Internacional 7% Público Conexão N: Entrevistas/º trimestre 06 N: 790 Entrevistas/º trimestre 06 7

10 RESULTADOS GERAIS 0 - Geral - Meio de transporte público utilizado % % % % 6% 0% Ônibus Taxi Metrô ou trem Veículo alugado Transporte alternativo 0 - Geral - Motivo da viagem 6% 6% Lazer Negócio 8% 60% Lazer e Negócio Outro Outro N: 8 Entrevistas/º trimestre 06 N: 790 Entrevistas/º trimestre Geral - Forma de check-in 06 - Geral - Frequência de viagem nos últimos meses % % % % % Balcão Conexão Check-in eletrônico % % 0 a a % Check-in eletrônico e balcão Internet 6% Mais de Internet e balcão N: 790 Entrevistas/º trimestre 06 N: 790 Entrevistas/º trimestre 06 8

11 RESULTADOS GERAIS 07 - Geral - Antecedência de chegada para voo doméstico 08 - Geral - Antecedência de chegada para voo internacional % 9% 0% % % % 0min a h h a h0min h0min a h h a h0min h0min a h Mais de h 8% 6% % 8% % % 0min a h h a h0min h0min a h h a h0min h0min a h Mais de h N: 96 Entrevistas/º trimestre 06 N: 99 Entrevistas/º trimestre Geral - Idade 0 - Geral - Renda,% 0,% 7%,6%,% 7,7%,9% 8 a anos 6 a anos 6 a anos 6 a anos 6 a 6 anos Mais de 6 anos Não informou % % % % 7% % 0% Até salário mínimo De a salários mínimos De a salários mínimos De a 0 salários mínimos De 0 a 0 salários mínimos Acima de 0 salários mínimos Não informou N: 790 Entrevistas/º trimestre 06 N: 790 Entrevistas/º trimestre 06 9

12 RESULTADOS GERAIS - Geral - Viajando sozinho - Geral - Número de acompanhantes % Sim 7% Não % 0% 8% pessoa pessoas 60% pessoas ou mais pessoas N: 790 Entrevistas/º trimestre 06 N: 099 Entrevistas/º trimestre 06 - Geral - Quantidade de viagens partindo do mesmo aeroporto nos últimos meses - Geral - Escolaridade Analfabeto % 8% 8% % 8% Primeira vez a vezes a vezes 6 a 0 vezes Mais de vezes % 0% % % % % % % % Ensino fundamental incompleto Ensino fundamental completo Ensino médio incompleto Ensino médio completo Superior incompleto Superior completo Especialização de nível superior Mestrado N: 790 Entrevistas/º trimestre 06 N: 790 Entrevistas/º trimestre 06 0

13 RESULTADOS GERAIS A seguir, apresentamos as médias gerais dos aeroportos, agrupando os indicadores medidos conforme a divisão dos elementos, apresentada anteriormente. Foi utilizada a seguinte escala de cores, conforme a nota média atribuída ao indicador: a,99 a,99 a,99 a,99 - Geral- Média geral por agrupamento de indicadores,,,,0, infraestrutura aeroportuária facilidades ao passageiro N: Entrevistas/ Trimestre 06 órgãos públicos cia. aérea transporte público

14 RESULTADOS GERAIS A fim de permitir uma análise entre aeroportos com semelhanças operacionais e que ponderasse as respectivas grandezas físicas, os aeroportos foram separados em categorias baseadas no número de passageiros processados por ano. Dessa forma, foram definidas categorias: Até milhões de passageiros/ano; De a milhões de passageiros/ano; e Acima de milhões de passageiros/ano. Assim, considerando o número de passageiros processados em 0, distribuiu-se os aeroportos nessas categorias, sendo obtidos os seguintes grupos: Até milhões de passageiros/ano Natal Manaus Cuiabá De a milhões de passageiros/ano Fortaleza Recife Curitiba Porto alegre Salvador Santos Dumont Campinas Confins Acima de milhões de passageiros/ano Galeão Congonhas Brasília Guarulhos

15 RESULTADOS GERAIS Dessa forma, no gráfico 6, é apresentada a frequência das notas atribuídas ao indicador de satisfação geral. No gráfico 7, um comparativo contendo a evolução das médias da satisfação geral do passageiro nos aeroportos pesquisados, em relação ao trimestre de 0. O gráfico 8 traz a evolução do mesmo indicador nos últimos trimestres. Já nos gráficos 9, 0, e, os aeroportos são ordenados dentro das respectivas categorias. 6 - Geral - Frequência das notas atribuídas ao indicador satisfação geral % % % % % NOTAS NOTAS NOTAS NOTAS NOTAS N: 0 Entrevistas/ Trimestre 06 Considerando a frequência das notas de Satisfação Geral iguais a ou, temos que 86% dos passageiros avaliam os aeroportos como bons ou muito bons.

16 Evolução da Satisfação Geral - trimestre 06 x 0 RESULTADOS GERAIS 7 - Gráfico da evolução de percepção do indicador satisfação geral - Tri/06 x Tri/0 0% 8% GUARULHOS S. DUMONT 6% % % 0% -% -% -6% CUIABÁ CONFINS SALVADOR NATAL MANAUS PORTO ALEGRE BRASÍLIA CONGONHAS GALEÃO CURITIBA FORTALEZA CAMPINAS RECIFE -8%,0,0,60,80,00,0,0,60 Satisfação Geral do Passageiro - trimestre Evolução da média da satisfação geral do passageiro,,6,9,6,09 Trimestre 0 Trimestre 0 Trimestre 0 Trimestre 06 Trimestre 06

17 RESULTADOS GERAIS 9 - Geral - Satisfação geral do passageiro categoria até milhões PAX/Ano 0 - Geral - Satisfação geral do passageiro categoria de a milhões PAX/Ano,98,,6,0,,76,8,0,8,,6,,6 Cuiabá Natal Manaus Salvador Porto Alegre Confins Fortaleza Campinas Recife Santos Dumont Curitiba N: 6 Entrevistas/ Trimestre 06 N: 607 Entrevistas/ Trimestre 06 - Geral - Satisfação geral do passageiro categoria acima de milhões PAX/Ano,,9,99,,0 Galeão Congonhas Brasília Guarulhos N: Entrevistas/ Trimestre 06 Média da categoria

18 RESULTADOS GERAIS A seguir apresentamos as médias trimestrais dos indicadores, agrupados conforme seu responsável. INFRAESTRUTURA AEROPORTUÁRIA - TEMPO DE FILA NA INSPEÇÃO DE SEGURANÇA - CORDIALIDADE E PRESTATIVIDADE DOS FUNCIONÁRIOS DA INSPEÇÃO DE SEGURANÇA - CONFIABILIDADE DA INSPEÇÃO DE SEGURANÇA - DISPONIBILIDADE DE ASSENTOS NA SALA DE EMBARQUE - LIMPEZA GERAL DO AEROPORTO 6 - QUALIDADE DA INFORMAÇÃO NOS PAINÉIS DAS ESTEIRAS DE RESTITUIÇÃO DE BAGAGEM - FACILIDADE DE EMBARQUE / DESEMBARQUE NO MEIO-FIO 6 - DISPONIBILIDADE E QUALIDADE DAS INFORMAÇÕES NOS PAINÉIS DE VOO - CONFORTO TÉRMICO DO AEROPORTO - SENSAÇÃO DE SEGURANÇA NAS ÁREAS PÚBLICAS DO AEROPORTO 9 - DISPONIBILIDADE DE SANITÁRIOS - CONFORTO ACÚSTICO DO AEROPORTO 0 - LIMPEZA DOS SANITÁRIOS - QUALIDADE DA SINALIZAÇÃO DO AEROPORTO 7 - DISPONIBILIDADE DE TOMADAS 8 - QUALIDADE DA INTERNET / WI-FI,,0,7,6,,6,0,9,7,,,0,09,0,70,0 6

19 RESULTADOS GERAIS 7 - QUALIDADE DAS INSTALAÇÕES DE ESTACIONAMENTO DE VEÍCULOS 8 - DISPONIBILIDADE DE VAGAS NO ESTACIONAMENTO DE VEÍCULOS - DISPONIBILIDADE E LOCALIZAÇÃO DE BANCOS/CAIXAS ELETRÔNICOS/CASAS DE CÂMBIO - QUANTIDADE E QUALIDADE DE ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS 0 - QUANTIDADE E QUALIDADE DE LANCHONETES/RESTAURANTES,99,90,69,6, FACILIDADES AO PASSAGEIRO 9 - CUSTO-BENEFÍCIO DO ESTACIONAMENTO - CUSTO-BENEFÍCIO DOS PRODUTOS COMERCIAIS - CUSTO-BENEFÍCIO DOS PRODUTOS DE LANCHONETES/RESTAURANTES,0,87,6 7 - CORDIALIDADE E PRESTATIVIDADE DOS FUNCIONÁRIOS DO CHECK-IN - TEMPO DE FILA NO CHECK-IN (AUTOATENDIMENTO) 8 - QUALIDADE DA INFORMAÇÃO PRESTADA PELA CIA AÉREA 6 - TEMPO DE FILA NO CHECK-IN (GUICHÊ),,,6, CIAs. AÉREAS 0 - INTEGRIDADE DA BAGAGEM 9 - VELOCIDADE DA RESTITUIÇÃO DE BAGAGEM,,00 7

20 RESULTADOS GERAIS - CORDIALIDADE DOS FUNCIONÁRIOS DA EMIGRAÇÃO, - TEMPO DE FILA NA EMIGRAÇÃO, 6 - CORDIALIDADE DO FUNCIONÁRIO DA ADUANA, ÓRGÃOS PÚBLICOS - TEMPO DE FILA DA ADUANA - CORDIALIDADE DOS FUNCIONÁRIOS DA IMIGRAÇÃO - TEMPO DE FILA NA IMIGRAÇÃO,8,6,9 TRANSPORTE PÚBLICO 7 - DISPONIBILIDADE DE TRANSPORTE PÚBLICO PARA O AEROPORTO,0 8

21 RESULTADOS POR INDICADOR DE SATISFAÇÃO DO PASSAGEIRO Facilidade de Desembarque no meio-fio,,9,9,97,0,09,0,,,,,6,6,6,7 N: Entrevistas/ Trimestre 06,6,8,,7,7,9,7,8,7,8,,78,79,8,88 Tempo de fila na inspeção de segurança N: 66 Entrevistas/ Trimestre 06,9,97,,9,,,9,7,9,,,,6,79,89 Confiabilidade da inspeção de segurança N: 68 Entrevistas/ Trimestre 06 9

22 RESULTADOS POR INDICADOR DE SATISFAÇÃO DO PASSAGEIRO - Cordialidade e prestatividade dos funcionários da inspeção de segurança,8,0,,6,7,0,,6,9,0,,6,7,79,80 N: 67 Entrevistas/ Trimestre 06,8,7,86,88,88,88,0,0,,8,,,,6,8 - Qualidade da sinalização do aeroporto N: 788 Entrevistas/ Trimestre 06,7,9,99,0,,,,,6,0,,6,7,,6 6 - Disponibilidade e qualidade das informações nos painéis de voo N: 778 Entrevistas/ Trimestre 06 0

23 RESULTADOS POR INDICADOR DE SATISFAÇÃO DO PASSAGEIRO 7 - Disponibilidade de tomadas,96,9,,,7,6,6,7,7,78,8,96,,8,6 N: 68 Entrevistas/ Trimestre Qualidade da internet / wi-fi disponibilizada pelo aeroporto,,6,,,8,9,0,,,7,8,7,,,6 N: 97 Entrevistas/ Trimestre 06,,7,86,00,0,0,,0,,,7,0,,0, 9 - Disponibilidade de sanitários N: 7 Entrevistas/ Trimestre 06

24 RESULTADOS POR INDICADOR DE SATISFAÇÃO DO PASSAGEIRO,8,6,66,87,98,,6,9,0,,7,,7,,7 0 - Limpeza dos sanitários - Disponibilidade de assentos na sala de embarque N: 799 Entrevistas/ Trimestre 06,7,,,8,,,,,9,9,0,8,76,78,8 N: 789 Entrevistas/ Trimestre 06 - Sensação de segurança nas áreas públicas do aeroporto,7,69,7,98,0,0,6,,,,7,9,,6,7 N: 77 Entrevistas/ Trimestre 06

25 RESULTADOS POR INDICADOR DE SATISFAÇÃO DO PASSAGEIRO,0,90,,7,8,8,9,,,,6,7,66,7,8 - Limpeza geral do aeroporto N: 7898 Entrevistas/ Trimestre 06,6,8,96,0,,,,,,6,8,,,8,8 - Conforto térmico do aeroporto N: 7900 Entrevistas/ Trimestre 06 - Conforto acústico do aeroporto,90,79,9,0,07,09,0,0,6,7,9,,,60,70 N: 789 Entrevistas/ Trimestre 06

26 RESULTADOS POR INDICADOR DE SATISFAÇÃO DO PASSAGEIRO,7,89,0,06,,6,6,0,,,,0,9,6,9 6 - Qualidade da informação nos painéis das esteiras de restituição de bagagem N: 0 Entrevistas/ Trimestre Qualidade das instalações de estacionamento de veículos,7,,,80,86,9,9,98,00,,,7,,8,7 N: 6 Entrevistas/ Trimestre Disponibilidade de vagas no estacionamento de veículos,9,8,9,6,7,7,7,97,97,00,06,,,7, N: Entrevistas/ Trimestre 06

27 RESULTADOS POR INDICADOR DE SATISFAÇÃO DO PASSAGEIRO 9 - Custo-benefício do estacionamento,80,9,07,0,7,6,67,7,9,,,0,,80,9 N: 086 Entrevistas/ Trimestre Quantidade e qualidade de lanchonetes e restaurantes,6,9,,9,6,,,6,6,66,7,8,88,9,0 N: 7 Entrevistas/ Trimestre 06 - Custo-benefício dos produtos de lanchonetes e restaurantes,8,0,8,,,6,6,70,7,79,87,0,0,0, N: 0 Entrevistas/ Trimestre 06

28 RESULTADOS POR INDICADOR DE SATISFAÇÃO DO PASSAGEIRO - Disponibilidade e localização de bancos/caixas eletrônicos/casas de câmbio,60,98,7,,9,,9,6,6,8,8,8,86,, N: 7 Entrevistas/ Trimestre 06 - Quantidade e qualidade de estabelecimentos comerciais,,69,0,0,6,7,76,87,97,98,0,0,0,07, N: 00 Entrevistas/ Trimestre 06 - Custo-benefício dos produtos comerciais,,9,6,90,9,9,0,0,,8,,0,0,,6 N: 980 Entrevistas/ Trimestre 06 6

29 RESULTADOS POR INDICADOR DE SATISFAÇÃO DO PASSAGEIRO - Tempo de fila no check-in (autoatendimento),00,0,9,9,6,,7,0,,,9,67,77,9,00 N: 6 Entrevistas/ Trimestre 06,,97,98,0,0,9,,,6,9,6,0,6,7, Tempo de fila no check-in (balcão) N: 079 Entrevistas/ Trimestre Cordialidade e prestatividade dos funcionários do check-in,8,,,8,,,6,8,60,6,70,70,76,8,86 N: 079 Entrevistas/ Trimestre 06 7

30 RESULTADOS POR INDICADOR DE SATISFAÇÃO DO PASSAGEIRO,77,7,,,0,,9,0,6,,6,6,7,76, Qualidade da informação prestada pela cia aérea N: 067 Entrevistas/ Trimestre Velocidade de restituição de bagagem,00,6,7,8,9,0,08,09,0,7,7,,9,7,7 N: Entrevistas/ Trimestre 06,6,67,80,8,90,0,0,,8,6,8,,66,66, Integridade da bagagem N: Entrevistas/ Trimestre 06 8

31 RESULTADOS POR INDICADOR DE SATISFAÇÃO DO PASSAGEIRO,0,,,,8,6,7,7,79,79,9,9 - Tempo de fila na emigração N: 76 Entrevistas/ Trimestre 06,,,9,,,,0,,79,8,88,98 - Cordialidade dos funcionários da emigração N: 70 Entrevistas/ Trimestre 06,6,8,9,98,09,,,,9,,68,9 - Tempo de fila na imigração N: 8 Entrevistas/ Trimestre 06 9

32 RESULTADOS POR INDICADOR DE SATISFAÇÃO DO PASSAGEIRO,8,97,07,0,6,,,9,79,8,89,9 - Cordialidade dos funcionários da imigração N: 8 Entrevistas/ Trimestre 06,8,0,0,07,,,6,6,66,87,97,98 - Tempo de fila da aduana N: 6 Entrevistas/ Trimestre 06,8,98,,,,9,8,60,8,8,87, Cordialidade do funcionário da aduana N: 9 Entrevistas/ Trimestre 06 0

33 RESULTADOS POR INDICADOR DE SATISFAÇÃO DO PASSAGEIRO 7 - Disponibilidade de transporte público para o aeroporto,00,9,7,6,8,97,06,,6,8,8,,,7,8 N: 0 Entrevistas/ Trimestre 06

34 RESULTADOS POR INDICADOR DE PROCESSOS AEROPORTUÁRIOS Percentual de ocorrência de filas nos momentos de medição 0 Check-in Doméstico Tempo médio de espera na fila de check-in balcão (em minutos) 9% N:.00 medições Percentual de ocorrência de filas nos momentos de medição 0 Check-in Internacional Tempo médio de espera na fila de check-in balcão (em minutos) 7% N:. medições Para o cálculo da média são considerados apenas os momentos nos quais haviam filas

35 RESULTADOS POR INDICADOR DE PROCESSOS AEROPORTUÁRIOS Percentual de ocorrência de filas nos momentos de medição 0 Inspeção de segurança embarque doméstico Tempo médio de espera na fila do raio x (em minutos) % N:.89 medições 0 Inspeção de segurança embarque internacional Tempo médio de espera na fila do raio x (em minutos) 8 Percentual de ocorrência de filas nos momentos de medição 68% N:.8 medições Para o cálculo da média são considerados apenas os momentos nos quais haviam filas

36 RESULTADOS POR INDICADOR DE PROCESSOS AEROPORTUÁRIOS 0 Embarque Doméstico Tempo médio de espera na fila para embarque na aeronave (em minutos) N:.660 medições 06 Embarque Internacional Tempo médio de espera na fila para embarque na aeronave (em minutos) N:.09 medições É considerada apenas a fila para embarque, desconsiderando-se passageiros que embarquem após a extinção da fila inicial

37 RESULTADOS POR INDICADOR DE PROCESSOS AEROPORTUÁRIOS 7 07 Restituição da ª bagagem de voos domésticos Tempo médio para chegada da ª mala do voo na esteira de restituição, a partir do calço da aeronave (em minutos) N:.0 medições 8 08 Restituição da ª bagagem de voos internacionais Tempo médio para chegada da ª mala do voo na esteira de restituição, a partir do calço da aeronave (em minutos) N:.068 medições

38 RESULTADOS POR INDICADOR DE PROCESSOS AEROPORTUÁRIOS 09 Restituição da última bagagem de voos domésticos Tempo médio para chegada da última mala do voo na esteira de restituição, a partir do calço da aeronave (em minutos) N:.0 medições 0 Restituição da última bagagem de voos internacionais Tempo médio para chegada da última mala do voo na esteira de restituição, a partir do calço da aeronave (em minutos) N:.068 medições 6

39 RESULTADOS POR INDICADOR DE PROCESSOS AEROPORTUÁRIOS Emigração Tempo médio de espera na fila de emigração (em minutos) 6 min Percentual de ocorrência de filas nos momentos de medição % N:.090 medições Percentual de ocorrência de filas nos momentos de medição Imigração Tempo médio de espera na fila de imigração (em minutos) 99% 6 min Para o cálculo da média são considerados apenas os momentos nos quais haviam filas N:.9 medições Tempo de referência CONAERO 7

40 RESULTADOS POR INDICADOR DE PROCESSOS AEROPORTUÁRIOS Aduana Bens a declarar Tempo médio de espera na fila de aduana, no canal bens a declarar (em minutos) Percentual de ocorrência de filas nos momentos de medição % 8 min N: 660 medições Percentual de ocorrência de filas nos momentos de medição Aduana Nada a declarar Tempo médio de espera na fila de aduana, no canal nada a declarar (em minutos) 8% 8 min 0 7 Para o cálculo da média são considerados apenas os momentos nos quais haviam filas N: 99 medições Tempo de referência CONAERO 8

41 COMPANHIAS AÉREAS Check-in Doméstico Tempo médio de espera na fila de check-in balcão (em minutos) :7 Percentual de ocorrência de filas nos momentos de medição 9% N: 9 medições Embarque Doméstico Tempo médio de espera na fila para embarque na aeronave (em minutos) : É considerada apenas a fila para embarque, desconsiderando-se passageiros que embarquem após a extinção da fila inicial N: 6 medições Restituição de bagagem de voos domésticos Tempo médio para chegada da ª mala do voo na esteira de restituição, a partir do calço da aeronave (em minutos) Tempo médio entre a chegada da ª e da última mala do voo na esteira de restituição (em minutos) :6 9: N: 9 medições 9

42 COMPANHIAS AÉREAS Check-in Doméstico Tempo médio de espera na fila de check-in balcão (em minutos) 7:9 Percentual de ocorrência de filas nos momentos de medição 9% N: 6 medições Embarque Doméstico Tempo médio de espera na fila para embarque na aeronave (em minutos) 0:6 É considerada apenas a fila para embarque, desconsiderando-se passageiros que embarquem após a extinção da fila inicial N:.7 medições Restituição de bagagem de voos domésticos Tempo médio para chegada da ª mala do voo na esteira de restituição, a partir do calço da aeronave (em minutos) Tempo médio entre a chegada da ª e da última mala do voo na :7 8:7 esteira de restituição (em minutos) N:. medições 0

43 COMPANHIAS AÉREAS Check-in Doméstico Tempo médio de espera na fila de check-in balcão (em minutos) 0:7 Percentual de ocorrência de filas nos momentos de medição 9% N: 8 medições Embarque Doméstico Tempo médio de espera na fila para embarque na aeronave (em minutos) :7 É considerada apenas a fila para embarque, desconsiderando-se passageiros que embarquem após a extinção da fila inicial N:.78 medições Restituição de bagagem de voos domésticos Tempo médio para chegada da ª mala do voo na esteira de restituição, a partir do calço da aeronave (em minutos) Tempo médio entre a chegada da ª e da última mala do voo na : 9:07 esteira de restituição (em minutos) N:.06 medições

44 COMPANHIAS AÉREAS Check-in Doméstico Tempo médio de espera na fila de check-in balcão (em minutos) 9: Percentual de ocorrência de filas nos momentos de medição 9% N: 07 medições Embarque Doméstico Tempo médio de espera na fila para embarque na aeronave (em minutos) :6 É considerada apenas a fila para embarque, desconsiderando-se passageiros que embarquem após a extinção da fila inicial N:.0 medições Restituição de bagagem de voos domésticos Tempo médio para chegada da ª mala do voo na esteira de restituição, a partir do calço da aeronave (em minutos) Tempo médio entre a chegada da ª e da última mala do voo na :0 0:8 esteira de restituição (em minutos) N:.086 medições

45 A PESQUISA EM NÚMEROS. Entrevistas realizadas no último trimestre 86% De avaliações positivas (bom/muito bom),6 Média geral de satisfação dos passageiros com os aeroportos, Maior média de indicador para Cordialidade do funcionário da Emigração, Melhor avaliação por agrupamento de indicadores para aqueles relacionados aos órgãos públicos 7% Dos indicadores avaliados, 7% obtiveram média geral superior a, meta estabelecida pela CONAERO

46 A PESQUISA EM NÚMEROS Evolução da avaliação positiva dos aeroportos Percentual de passageiros que avaliaram os aeroportos como bons ou muito bons, considerando a frequência das notas de Satisfação Geral iguais a ou. 8% 8% 8% 8% 86% 86% 7% 76% 69% 70% 68% 68% 68% 69% Trimestre 0 Trimestre 0 Trimestre 0 Trimestre 0 Trimestre 0 Trimestre 0 Trimestre 0 Trimestre 0 Trimestre 0 Trimestre 0 Trimestre 0 Trimestre 0 Trimestre 06 Trimestre 06 Evolução da satisfação geral do passageiro PERÍODO DE EXECUÇÃO DE GRANDES OBRAS,07,09,,6,9,6,86,90,8,8,8,7,90,9 ENTREGA DAS OBRAS NOS AEROPORTOS DA COPA DO MUNDO Trimestre 0 Trimestre 0 Trimestre 0 Trimestre 0 Trimestre 0 Trimestre 0 Trimestre 0 Trimestre 0 Trimestre 0 Trimestre 0 Trimestre 0 Trimestre 0 Trimestre 06 Trimestre 06

47 RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS º TRIMESTRE de 06 abril a junho ELABORAÇÃO: Secretaria de Aviação Civil Secretaria de Aeroportos Departamento de Gestão Aeroportuária Comitê Técnico de Desempenho Operacional A íntegra desse relatório pode ser obtida em

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL LUIZ EDUARDO MAGALHÃES - SALVADOR (SBSV)

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL LUIZ EDUARDO MAGALHÃES - SALVADOR (SBSV) 2º TRIMESTRE de 216 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL LUIZ EDUARDO MAGALHÃES - SALVADOR (SBSV) COORDENAÇÃO DA PESQUISA EXECUÇÃO DAS COLETAS COLABORAÇÃO INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL

Leia mais

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL DE VIRACOPOS - CAMPINAS (SBKP)

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL DE VIRACOPOS - CAMPINAS (SBKP) º TRIMESTRE de 16 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL DE VIRACOPOS - CAMPINAS (SBKP) COORDENAÇÃO DA PESQUISA EXECUÇÃO DAS COLETAS COLABORAÇÃO INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO GONÇALO DO AMARANTE - NATAL (SBSG)

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO GONÇALO DO AMARANTE - NATAL (SBSG) 2º TRIMESTRE de 21 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO GONÇALO DO AMARANTE - NATAL (SBSG) COORDENAÇÃO DA PESQUISA EXECUÇÃO DAS COLETAS COLABORAÇÃO INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL

Leia mais

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO SANTOS DUMONT - RIO DE JANEIRO (SBRJ)

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO SANTOS DUMONT - RIO DE JANEIRO (SBRJ) 2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO SANTOS DUMONT - RIO DE JANEIRO (SBRJ) COORDENAÇÃO DA PESQUISA EXECUÇÃO DAS COLETAS COLABORAÇÃO INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL. REGULAMENTO Prêmio AEROPORTOS + BRASIL CAPÍTULO I DO PRÊMIO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL. REGULAMENTO Prêmio AEROPORTOS + BRASIL CAPÍTULO I DO PRÊMIO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL REGULAMENTO Prêmio AEROPORTOS + BRASIL - 2016 CAPÍTULO I DO PRÊMIO Art. 1 o O Prêmio AEROPORTOS + BRASIL - 2016 é uma iniciativa da Secretaria de Aviação

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS. 3 TRIMESTRE 2015 Julho - Setembro

RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS. 3 TRIMESTRE 2015 Julho - Setembro 1. 2015 RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS 3 TRIMESTRE 2015 Julho - Setembro ENTIDADES ENVOLVIDAS NA EXECUÇÃO DA PESQUISA COORDENAÇÃO DA PESQUISA INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS. 4 TRIMESTRE 2014 Outubro - Dezembro

RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS. 4 TRIMESTRE 2014 Outubro - Dezembro 1. 2014 RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS 4 TRIMESTRE 2014 Outubro - Dezembro ENTIDADES ENVOLVIDAS NA EXECUÇÃO DA PESQUISA COORDENAÇÃO DA PESQUISA INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL

Leia mais

RELATÓRIO GERAL DOS INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL EM AEROPORTOS JULHO-SETEMBRO

RELATÓRIO GERAL DOS INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL EM AEROPORTOS JULHO-SETEMBRO 2013 RELATÓRIO GERAL DOS INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL EM AEROPORTOS JULHO-SETEMBRO ENTIDADES ENVOLVIDAS NA EXECUÇÃO DA PESQUISA COORDENAÇÃO DA PESQUISA INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS. 2 TRIMESTRE 2014 Abril - Junho

RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS. 2 TRIMESTRE 2014 Abril - Junho 2014 RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS 2 TRIMESTRE 2014 Abril - Junho ENTIDADES ENVOLVIDAS NA EXECUÇÃO DA PESQUISA COORDENAÇÃO DA PESQUISA INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL

Leia mais

RELATÓRIO GERAL INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL EM AEROPORTOS 1º TRIMESTRE DE 2013

RELATÓRIO GERAL INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL EM AEROPORTOS 1º TRIMESTRE DE 2013 RELATÓRIO GERAL INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL EM AEROPORTOS 1º TRIMESTRE DE 2013 ENTIDADES ENVOLVIDAS NA EXECUÇÃO DA PESQUISA COORDENAÇÃO DA PESQUISA INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL

Leia mais

Mudanças no Setor Aéreo: Novas Concessões e Resoluções

Mudanças no Setor Aéreo: Novas Concessões e Resoluções Mudanças no Setor Aéreo: Novas Concessões e Resoluções Infraero: Reestruturação Societária Workshop de Logística e Transportes da Fiesp 24 de Maio de 2016 Agenda 1. Institucional 2. Efeitos das concessões

Leia mais

@aviacaocivil

@aviacaocivil www.aviacaocivil.gov.br faleconosco@aviacaocivil.gov.br /AviacaoGovBr @aviacaogovbr @AviacaoGovBr @aviacaocivil Arranjo Institucional Março PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Formular, coordenar e supervisionar

Leia mais

2 O Sistema Aeroportuário Brasileiro

2 O Sistema Aeroportuário Brasileiro 18 2 O Sistema Aeroportuário Brasileiro O Sistema Aeroportuário Brasileiro é disciplinado pela Lei nº 7.565/86, que dispõe sobre o Código Brasileiro de Aeronáutica (CBDA) e traz a seguinte definição: Aeroportos:

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DESESTATIZAÇÃO - SUCESSOS E DESAFIOS

PLANO NACIONAL DE DESESTATIZAÇÃO - SUCESSOS E DESAFIOS CÂMARA DE COMÉRCIO AMERICANA DO RIO DE JANEIRO SEMINÁRIO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA DOS AEROPORTOS PLANO NACIONAL DE DESESTATIZAÇÃO - SUCESSOS E DESAFIOS Índice 1. Desafios da aviação Civil Brasileira 2.

Leia mais

COPA 2014 AEROPORTOS Atualização: 07/06/2011

COPA 2014 AEROPORTOS Atualização: 07/06/2011 COPA 204 AEROPORTOS Atualização: 07/06/20 AEROPORTOS DA COPA 3 Aeroportos 3 Intervenções R$ 5,79 bilhões Manaus TPS Fortaleza TPS São Gonçalo do Amarante Pista Recife Torre Cuiabá TPS Brasília TPS Salvador

Leia mais

ANAC divulga minuta de edital de concessão de Galeão e Confins

ANAC divulga minuta de edital de concessão de Galeão e Confins ANAC divulga minuta de edital de concessão de Galeão e Confins A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) aprovou, nesta quarta-feira (29/05), a minuta do Edital de Leilão e do Contrato

Leia mais

DECISÃO Nº 32, DE 1º DE ABRIL DE 2015.

DECISÃO Nº 32, DE 1º DE ABRIL DE 2015. DECISÃO Nº 32, DE 1º DE ABRIL DE 2015. Estabelece a metodologia de cálculo do Fator Q a ser aplicado nos reajustes tarifários aplicáveis ao Contrato de Concessão do Aeroporto Internacional de São Gonçalo

Leia mais

PESQUISA COM IMPRENSA INTERNACIONAL

PESQUISA COM IMPRENSA INTERNACIONAL PESQUISA COM IMPRENSA INTERNACIONAL DURANTE A COPA DO MUNDO DE 2014 Resultados Finais São Paulo, Julho de 2014 METODOLOGIA Objetivos: Investigar a imagem do Brasil junto aos profissionais de imprensa durante

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL 10ª REUNIÃO DA COMISSÃO NACIONAL DE AUTORIDADES AEROPORTUÁRIAS CONAERO 2013

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL 10ª REUNIÃO DA COMISSÃO NACIONAL DE AUTORIDADES AEROPORTUÁRIAS CONAERO 2013 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL 10ª REUNIÃO DA COMISSÃO NACIONAL DE AUTORIDADES AEROPORTUÁRIAS CONAERO 2013 Local: Secretaria de Aviação Civil (Setor Comercial Sul, Quadra 09, Lote

Leia mais

O MTUR e a Copa 2014 Copa do Mundo da FIFA 2014 Encontro Econômico Brasil- Alemanha 2009 Vitória ES - Brasil 30 de agosto a 1º de setembro

O MTUR e a Copa 2014 Copa do Mundo da FIFA 2014 Encontro Econômico Brasil- Alemanha 2009 Vitória ES - Brasil 30 de agosto a 1º de setembro Copa do Mundo da FIFA Encontro Econômico Brasil- Alemanha 2009 2014 Vitória ES - Brasil 30 de agosto a 1º de setembro O MTUR e a Ponto de partida : garantias oferecidas pelo governo federal, estados e

Leia mais

DECLARAÇÃO DE CAPACIDADE OPERACIONAL GALEÃO

DECLARAÇÃO DE CAPACIDADE OPERACIONAL GALEÃO DECLARAÇÃO DE CAPACIDADE OPERACIONAL GALEÃO Temporada W16 30/10/16 à 25/03/17 18 abril 2016 Aeroporto Internacional Tom Jobim Galeão Sigla ICAO: SBGL Horário Funcionamento: H24 Responsável Técnico: Herlichy

Leia mais

Transporte Aéreo, Movimentação de PAX, Tarifas Aéreas, Rotas e Direitos do Consumidor

Transporte Aéreo, Movimentação de PAX, Tarifas Aéreas, Rotas e Direitos do Consumidor Transporte Aéreo, Movimentação de PAX, Tarifas Aéreas, Rotas e Direitos do Consumidor Ricardo Bisinotto Catanant (SRE/ANAC) Roteiro Evolução do Setor Movimentação de PAX Market Share Rotas Aéreas Tarifas

Leia mais

DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA W 16 30/10/16 a 25/03/2017

DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA W 16 30/10/16 a 25/03/2017 DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA W 16 30/10/16 a 25/03/2017 18 de abril de 2016 1. CAPACIDADE DA PISTA DE POUSO E DECOLAGEM Horário UTC * Capacidade máxima de movimentos hora. 2. TERMINAIS

Leia mais

Parte 3 Descrição da Pesquisa de Satisfação com os Usuários

Parte 3 Descrição da Pesquisa de Satisfação com os Usuários Parte 3 Descrição da Pesquisa de Satisfação com os Usuários - 2010 Perfil dos Usuários: Observa-se no gráfico 1 abaixo, que do total de usuários (N = 42) que respondeu à pesquisa, a maioria (67%) era de

Leia mais

DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA S14 30/03/14 a 25/10/2014

DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA S14 30/03/14 a 25/10/2014 DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA S14 30/03/14 a 25/10/2014 03 de Outubro de 2013 1. PISTA DE POUSO E DECOLAGEM (*) CAPACIDADE DE PISTA Período Hora (LT) Capacidade (mov/hora) 30/03/2014

Leia mais

DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA S16 27/03/16 a 29/10/2016

DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA S16 27/03/16 a 29/10/2016 DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA S16 27/03/16 a 29/10/2016 03 de setembro de 2015 1. TERMINAIS DE PASSAGEIROS CAPACIDADE ESTÁTICA DO TERMINAL DE PASSAGEIROS (PAX/HORA) INTERNACIONAL

Leia mais

Ampliação do Aeroporto Internacional de Brasília

Ampliação do Aeroporto Internacional de Brasília Ampliação do Aeroporto Internacional de Brasília Aeroporto Intl. de Brasília O Aeroporto de Brasília é o terceiro em movimentos de passageiros e aeronaves do Brasil Em capacidade, tem potencial para ser

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL 11ª REUNIÃO DA COMISSÃO NACIONAL DE AUTORIDADES AEROPORTUÁRIAS (CONAERO) 2014

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL 11ª REUNIÃO DA COMISSÃO NACIONAL DE AUTORIDADES AEROPORTUÁRIAS (CONAERO) 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL 11ª REUNIÃO DA COMISSÃO NACIONAL DE AUTORIDADES AEROPORTUÁRIAS (CONAERO) 2014 Local: Secretaria de Aviação Civil (Setor Comercial Sul, Quadra 09, Lote

Leia mais

Diretrizes para mensurar a satisfação do cliente. Comissão Metroferroviária

Diretrizes para mensurar a satisfação do cliente. Comissão Metroferroviária Diretrizes para mensurar a satisfação do cliente Comissão Metroferroviária Objetivo Propor linhas básicas para aferição da satisfação do cliente Comparabilidade uniformizar categorias investigadas Benchmarking

Leia mais

Infraestrutura Aeroportuária: Desafios e Perspectivas

Infraestrutura Aeroportuária: Desafios e Perspectivas Infraestrutura Aeroportuária: Desafios e Perspectivas Ministro de Estado Chefe da Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República Sr. WAGNER BITTENCOURT 10 de outubro de 2011 AVIAÇÃO CIVIL SAC

Leia mais

Copa das Confederações FIFA Brasil Características do público Geral e da demanda turística internacional

Copa das Confederações FIFA Brasil Características do público Geral e da demanda turística internacional Copa das Confederações FIFA Brasil 213 Características do público Geral e da demanda turística internacional AMOSTRA Pesquisa realizada nas seis cidades sedes da Copa das Confederações Público geral (estádios):

Leia mais

Audiência Pública CREA/SP - 21/06/2011. InfraestruturaAeroportuária em SÃO PAULO para a COPA 2014

Audiência Pública CREA/SP - 21/06/2011. InfraestruturaAeroportuária em SÃO PAULO para a COPA 2014 INFRAERO Audiência Pública CREA/SP - 21/06/2011 InfraestruturaAeroportuária em SÃO PAULO para a COPA 2014 Arq. Jonas Lopes Superintendente de Estudos e Projetos de Engenharia jonas_lopes@infraero.gov.br

Leia mais

MOBILIDADE URBANA E AEROPORTO: TRANSPORTE COMO CHAVE PARA O SUCESSO DA COPA DE 2014

MOBILIDADE URBANA E AEROPORTO: TRANSPORTE COMO CHAVE PARA O SUCESSO DA COPA DE 2014 MOBILIDADE URBANA E AEROPORTO: TRANSPORTE COMO CHAVE PARA O SUCESSO DA COPA DE 2014 TPS pav. térreo TPS Vista do saguão TPS pav. superior PERSPECTIVA Lado TERRA PERSPECTIVA Lado AR Item 2011 2012 Revisão

Leia mais

Regras de Operação de Veículos Período Olímpico TERMINAL 01

Regras de Operação de Veículos Período Olímpico TERMINAL 01 Regras de Operação de Veículos Período Olímpico TERMINAL 01 Desembarque 10/07 a 21/09 (Olímpiada e Paralimpíada) 1) FAMÍLIA OLÍMPICA - Serão disponibilizados 94 metros, atendendo à solicitação da Rio2016.

Leia mais

INTENÇÃO DE COMEMORAÇÃO PARA O ANO NOVO

INTENÇÃO DE COMEMORAÇÃO PARA O ANO NOVO INTENÇÃO DE COMEMORAÇÃO PARA O ANO NOVO Dezembro de 2015 Slide 1 OBJETIVOS DO ESTUDO Investigar como serão as comemorações para o ano novo e respectivos valores financeiros envolvidos; Avalição do cenário

Leia mais

Copa do Mundo 2014 PJ

Copa do Mundo 2014 PJ Copa do Mundo 2014 PJ Março de 2014 Slide 1 OBJETIVOS DO ESTUDO Mensurar as expectativa com a Copa do Mundo Investimento e adequações feitas nos pontos de venda Percepção sobre o perfil e necessidades

Leia mais

Sistema Radioestrada FM

Sistema Radioestrada FM Sistema Radioestrada FM O que é o Serviço Radiovias.. Trata-se de Sistema inédito por apresentar características exclusivas. É o primeiro serviço em FM Sincronizado, via satélite, dedicado a uma única

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS BRASILEIROS NA VISÃO DOS PASSAGEIROS

ANÁLISE DO DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS BRASILEIROS NA VISÃO DOS PASSAGEIROS ANÁLISE DO DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS BRASILEIROS NA VISÃO DOS PASSAGEIROS Luís Henrique Gonçalves Costa Universidade Federal Rural do Semi-Árido Enilson Medeiros dos Santos Universidade Federal

Leia mais

TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS

TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS MAIO DE 2016 1 PRODUTOS 2 O objetivo do transporte aéreo é fornecer o serviço de transporte de cargas e passageiros.

Leia mais

Apresentação de resultados 3T15 - IMPRENSA 12 de novembro de 2015

Apresentação de resultados 3T15 - IMPRENSA 12 de novembro de 2015 Apresentação de resultados 3T15 - IMPRENSA 12 de novembro de 2015 Destaques do 3T15 12 de novembro de 2015 Paulo Kakinoff CEO Atual conjuntura econômica tem impactos diretos sobre o setor de aviação Desvalorização

Leia mais

Pacto pela Transparência Municipal Projeto Jogos Limpos Dentro e Fora dos Estádios Secretaria Executiva: Instituto Ethos

Pacto pela Transparência Municipal Projeto Jogos Limpos Dentro e Fora dos Estádios Secretaria Executiva: Instituto Ethos Pacto pela Transparência Municipal Projeto Jogos Limpos Dentro e Fora dos Estádios Secretaria Executiva: Instituto Ethos Porto Alegre, 30 de janeiro 2013 Projeto Jogos Limpos Objetivos Transparência Integridade

Leia mais

TRENS DE ALTA VELOCIDADE

TRENS DE ALTA VELOCIDADE TRENS DE ALTA VELOCIDADE LINHA RIO SÃO PAULO OS PROJETOS AVALIADOS TRANSCORR RSC, desenvolvido sob a coordenação do GEIPOT (empresa vinculada ao MT, atualmente em processo de liquidação), com recursos

Leia mais

Comissão do Controle do Perigo Aviário no Brasil CCPAB CNPAA

Comissão do Controle do Perigo Aviário no Brasil CCPAB CNPAA Comissão do Controle do Perigo Aviário no Brasil CCPAB CNPAA Quarto Seminário Internacional de Perigo Aviário e Fauna Brasília 24 / 28 NOV 08 Histórico da Evolução do Controle do Perigo Aviário no Brasil

Leia mais

PROGRAMA ANTP OBSERVADORES DA MOBILIDADE URBANA COPA DAS CONFEDERACOES FIFA Belo Horizonte Brasília Fortaleza Recife Rio de Janeiro Salvador

PROGRAMA ANTP OBSERVADORES DA MOBILIDADE URBANA COPA DAS CONFEDERACOES FIFA Belo Horizonte Brasília Fortaleza Recife Rio de Janeiro Salvador PROGRAMA ANTP OBSERVADORES DA MOBILIDADE URBANA COPA DAS CONFEDERACOES FIFA 2013 Belo Horizonte Brasília Fortaleza Recife Rio de Janeiro Salvador Objetivos Conhecimento do Plano Operacional de Mobilidade

Leia mais

Cenário Setor Aéreo Brasileiro Ministro Maurício Quintella

Cenário Setor Aéreo Brasileiro Ministro Maurício Quintella Cenário Setor Aéreo Brasileiro Ministro Maurício Quintella A associação foi criada em 2012 2 Princípios ABEAR Padrões Internacionais Estado Eficiente Liberdade Tarifária 3 + 2002 2015 4 Fontes: OACI, ANAC,

Leia mais

ANEXO V INDICADORES DE DESEMPENHO E QUALIDADE

ANEXO V INDICADORES DE DESEMPENHO E QUALIDADE ANEXO V INDICADORES DE DESEMPENHO E QUALIDADE VOLUME II INDICADORES DE DESEMPENHO Sumário 1. Indicadores de Desempenho... 3 1.1. Intervalo entre Trens (INT)... 3 1.2. Tempo Médio de Percurso nos Picos

Leia mais

Metodologia de Coleta de Dados de Desempenho Operacional dos Aeroportos

Metodologia de Coleta de Dados de Desempenho Operacional dos Aeroportos Metodologia de Coleta de Dados de Desempenho Operacional dos Aeroportos Processo Licitatório: Pregão n.3/2012 UASG110590. CONAERO - Comissão Nacional das Autoridades Aeroportuárias Comitê Técnico de Desempenho

Leia mais

Transporte e Economia Transporte Aéreo de Passageiros Principais dados

Transporte e Economia Transporte Aéreo de Passageiros Principais dados Transporte e Economia Principais dados Transporte e Economia Estudo da CNT mostra desafios do setor que transporta mais de 100 milhões por ano O estudo Transporte e Economia é o primeiro trabalho da CNT

Leia mais

Emprego no Turismo da Cidade de São Paulo

Emprego no Turismo da Cidade de São Paulo Emprego no Turismo da Cidade de São Paulo Boletim Trimestral Janeiro - Março/2010 Dados: CAGED (MTE) IPEA O objetivo deste Boletim é acompanhar a cada três meses a variação do emprego formal nas atividades

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA ANÁLISE DO SISTEMA AEROPORTUÁRIO PARANAENSE

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA ANÁLISE DO SISTEMA AEROPORTUÁRIO PARANAENSE ANÁLISE DO SISTEMA AEROPORTUÁRIO PARANAENSE HISTÓRICO Último plano aeroviário data de 1989; Seu horizonte de planejamento se esgotou em 2008; Em junho de 2012 foi tomada a iniciativa de elaboração interna

Leia mais

Azul iniciará voos com os Airbus A320neo para 14 destinos domésticos a partir de novembro

Azul iniciará voos com os Airbus A320neo para 14 destinos domésticos a partir de novembro Azul iniciará voos com os Airbus A320neo para 14 destinos domésticos a partir de novembro Enviado por DA REDAÇÃO 06-Jul-2016 PQN - O Portal da Comunicação A Azul Linhas Aéreas Brasileiras dá mais um importante

Leia mais

São Paulo 2030 Painel Mobilidade Urbana. Março/2016

São Paulo 2030 Painel Mobilidade Urbana. Março/2016 São Paulo 2030 Painel Mobilidade Urbana Março/2016 OBJETIVO Mapear as opiniões e as percepções dos moradores da cidade da São Paulo em relação a temas do cotidiano e à prestação de políticas públicas,

Leia mais

TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS

TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Tecnologia Departamento de Transportes

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Tecnologia Departamento de Transportes UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Tecnologia Departamento de Transportes AEROPORTOS Área Terminal Profª. Daniane F. Vicentini 5.1. Pátio: LADO AÉREO Um aeroporto deve prover áreas pavimentadas onde

Leia mais

Eficiência Funcionários Check-In

Eficiência Funcionários Check-In Eficiência Funcionários Check-In Sinalização dos fluxos, através de divisores, displays e sinalização horizontal; Alteração de layout áreas de formação de fila; Triagem dos passageiros na entrada da área

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL Edital de Chamamento Público de Estudos n. 003/2015 Processo: 00055.000799/2015-93 A SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA (SAC-PR),

Leia mais

Audiência Pública Senado_. 20 de maio de 2014_

Audiência Pública Senado_. 20 de maio de 2014_ Audiência Pública Senado_ 20 de maio de 2014_ Agenda_ Copa do Mundo Qualidade de Rede Atendimento Conclusões Copa do Mundo Qualidade de Rede Atendimento Conclusões Infraestrutura e rede de acesso_ Copa

Leia mais

Situação das ações do Governo Brasileiro Rio de Janeiro

Situação das ações do Governo Brasileiro Rio de Janeiro Code-P0 Copa 204 Situação das ações do Governo Brasileiro Rio de Janeiro Rio de Janeiro, 7 de Junho de 20 Code-P O que o Brasil quer com a Copa do Mundo FIFA Mobilizar o país Promover o país no mundo Constituir

Leia mais

Acompanhamento pelo TCU dos processos de concessões de infraestrutura aeroportuária

Acompanhamento pelo TCU dos processos de concessões de infraestrutura aeroportuária Acompanhamento pelo TCU dos processos de concessões de infraestrutura aeroportuária Audiência Pública da Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados Brasília, 10 de julho de 2013 Secretaria

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Aviação Civil Secretaria de Política Regulatória de Aviação Civil

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Aviação Civil Secretaria de Política Regulatória de Aviação Civil PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Aviação Civil Secretaria de Política Regulatória de Aviação Civil CRESCIMENTO DO MERCADO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO Gustavo Pacheco Fortes Fleury Gerente de Projeto do

Leia mais

QUEM SOMOS? A AVEC Aviação Executiva e Compartilhada presta serviços de alta qualidade para operadores da Aviação Geral e Executiva, com o objetivo de se tornar a referência na região Nordeste do Brasil.

Leia mais

39 aeroportos envolvidos, localizados nas cidades-sede ou a até 200 km delas

39 aeroportos envolvidos, localizados nas cidades-sede ou a até 200 km delas GRANDES NÚMEROS 39 aeroportos envolvidos, localizados nas cidades-sede ou a até 200 km delas mais de 1 milhão de atletas, delegações e turistas circulando pelos principais aeroportos do evento. 4 mil são

Leia mais

Curitiba, 2015 REALIZAÇÃO: APOIO:

Curitiba, 2015 REALIZAÇÃO: APOIO: Curitiba, 2015 Daniela Facchini, Diretora de Mobilidade Urbana Cristina Albuquerque, Coordenadora de Mobilidade Urbana Mariana Barcelos, Analista de Mobilidade Urbana Desenvolvido pelo WRI Brasil Cidades

Leia mais

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013 REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013 1 Estrutura da apresentação O SIN - Sistema Interligado Nacional Robustez do SIN Ações em curso para aprimorar

Leia mais

Capital privado em aeroportos: A experiência do Rio de Janeiro Julio Lopes, 23/04/09

Capital privado em aeroportos: A experiência do Rio de Janeiro Julio Lopes, 23/04/09 Capital privado em aeroportos: A experiência do Rio de Janeiro Julio Lopes, 23/04/09 A experiência do Rio de Janeiro tem como base a legislação vigente, modelo que já atende a vários aeroportos concessionados

Leia mais

Aeroportos Copa do Mundo 2014. 14 Dezembro 2009

Aeroportos Copa do Mundo 2014. 14 Dezembro 2009 Aeroportos Copa do Mundo 2014 14 Dezembro 2009 Belo Horizonte e Confins - MG 1. Aeroporto Internacional Tancredo Neves Confins 2. Aeroporto de Belo Horizonte/ Pampulha Carlos Drummond de Andrade Brasília

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS Customer Service Avaliação do Serviço de Distribuição das Indústrias de ALIMENTOS PERECÍVEIS - 2015 - Apresentação A pesquisa "Customer Service: Avaliação do Serviço de Distribuição

Leia mais

ESTUDO DA QUALIDADE DOS ÔNIBUS COLETIVOS URBANOS EM CAMPINA GRANDE. PALAVRAS-CHAVE: Ônibus coletivos. Qualidade do serviço. Usuários.

ESTUDO DA QUALIDADE DOS ÔNIBUS COLETIVOS URBANOS EM CAMPINA GRANDE. PALAVRAS-CHAVE: Ônibus coletivos. Qualidade do serviço. Usuários. ESTUDO DA QUALIDADE DOS ÔNIBUS COLETIVOS URBANOS EM CAMPINA GRANDE Danillo Barros CORDEIRO 1; SharaSonally Oliveira de SOUSA 2; Joherlan Campos de FREITAS 3. 1. Departamento de Estatística, Universidade

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE EMPRESAS PARA LIMPAR NOME

CONTRATAÇÃO DE EMPRESAS PARA LIMPAR NOME CONTRATAÇÃO DE EMPRESAS PARA LIMPAR NOME Fevereiro de 2015 Slide 1 OBJETIVOS DO ESTUDO Compreender motivos e resultados na recuperação de crédito por meio da contratação de empresas para limpar o nome.

Leia mais

TREM DE ALTA VELOCIDADE - TAV PROJETO TAV BRASIL RIO SÃO PAULO - CAMPINAS

TREM DE ALTA VELOCIDADE - TAV PROJETO TAV BRASIL RIO SÃO PAULO - CAMPINAS 18ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA Painel 7 - Trens Regionais e de Longo Percurso com Média e Alta Velocidade PROJETO TAV BRASIL RIO SÃO PAULO - CAMPINAS HÉLIO MAURO FRANÇA Superintendente Executivo

Leia mais

Avaliação do Desempenho Sistêmico da FACENE Alunos

Avaliação do Desempenho Sistêmico da FACENE Alunos Avaliação do Desempenho Sistêmico da FACENE 2008.2 Alunos Foram analisadas as respostas, a um questionário estruturado, dos alunos do P1 ao P7 da FACENE, no período letivo de 2008.2, perfazendo um total

Leia mais

Conflitos no Rio de Janeiro. novembro de 2010

Conflitos no Rio de Janeiro. novembro de 2010 Conflitos no Rio de Janeiro novembro de 2010 1 Metodologia e Amostra Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas telefônicas. Objetivo Geral Levantar a percepção

Leia mais

COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Aplicação dos recursos arrecadados e sustentabilidade financeira da entidade delegatária CBH- PARANAIBA

COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Aplicação dos recursos arrecadados e sustentabilidade financeira da entidade delegatária CBH- PARANAIBA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Aplicação dos recursos arrecadados e sustentabilidade financeira da entidade delegatária CBH- PARANAIBA 31/07/2014 - Brasília DF SERGIO RAZERA Diretor-Presidente Fundação Agência

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS ALIMENTAÇÃO

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS ALIMENTAÇÃO O Centro de Eventos FIERGS oferece serviços de alimentação por intermédio de empresas credenciadas que possuem cozinhas próprias para a produção de alimentos e estabelecimentos para atendimento ao cliente.

Leia mais

MANUAL DE CONTRATAÇÃO E MONITORAMENTO DE AGENTE DE DEPÓSITO PARA FIDCS

MANUAL DE CONTRATAÇÃO E MONITORAMENTO DE AGENTE DE DEPÓSITO PARA FIDCS MANUAL DE CONTRATAÇÃO E MONITORAMENTO DE AGENTE DE DEPÓSITO PARA FIDCS VERSÃO: DEZEMBRO/2015 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PROCESSO DE CONTRATAÇÃO DO AGENTE DE DEPÓSITO... 3 2.1 DA SELEÇÃO... 3 2.2 DOS

Leia mais

CATÁLOGO DE SALAS VIP

CATÁLOGO DE SALAS VIP CATÁLOGO DE SALAS VIP Aeroporto Internacional de Guarulhos, São Paulo AMBAR SERVIÇOS AUXILIARES DE TRANSPORTE AÉREO LTDA Rod. Hélio Smidt, S/N Cumbica Guarulhos SP CEP 07190-100 Brasil +55 11 2445 7338

Leia mais

Indique até quatro itens acerca do que é mais importante para você em uma prestação de serviço

Indique até quatro itens acerca do que é mais importante para você em uma prestação de serviço COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA Águas Claras - DF, 15 de setembro de 2011. Pesquisa de Avaliação dos Serviços 1/2011 Segue abaixo os resultados gerais sobre a autoavaliação do Colaborador Técnico Administrativo

Leia mais

Projeto de Pesquisa para mapear o perfil da oferta e demanda de qualificação profissional em tecnologia da informação em Recife

Projeto de Pesquisa para mapear o perfil da oferta e demanda de qualificação profissional em tecnologia da informação em Recife Projeto de Pesquisa para mapear o perfil da oferta e demanda de qualificação profissional em tecnologia da informação em Recife Relatório com os resultados Empresas OUTUBRO DE 2015 www.datametrica.com.br

Leia mais

A GRU Airport anuncia EBITDA ajustado de R$ 218,2 milhões com margem de 55,3% no 2T16.

A GRU Airport anuncia EBITDA ajustado de R$ 218,2 milhões com margem de 55,3% no 2T16. A GRU Airport anuncia EBITDA ajustado de R$ 218,2 milhões com margem de 55,3% no 2T16. São Paulo, 10 de agosto de 2016 As informações trimestrais (2TR) e as demonstrações financeiras padronizadas (DFP)

Leia mais

2 Sistema Aeroportuário Brasileiro

2 Sistema Aeroportuário Brasileiro 2 Sistema Aeroportuário Brasileiro O sistema aeroportuário é constituído pelo conjunto de aeródromos brasileiros, com todas as pistas de pouso, pistas de táxi, pátio de estacionamento de aeronave, terminal

Leia mais

UMA ANÁLISE DO AEROPORTO SALGADO FILHO COMO UM PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO

UMA ANÁLISE DO AEROPORTO SALGADO FILHO COMO UM PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO UMA ANÁLISE DO AEROPORTO SALGADO FILHO COMO UM PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO Lenise Grando Goldner - ECV/CTC/UFSC Leonardo Guimarães de Andrade - LASTRAN/UFRGS INTRODUÇÃO Definem-se Pólos geradores de Tráfego

Leia mais

GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO PROF. BARBARA TALAMINI VILLAS BÔAS

GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO PROF. BARBARA TALAMINI VILLAS BÔAS GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO PROF. BARBARA TALAMINI VILLAS BÔAS 9 ÁREAS DE CONHECIMENTO DE GP / PMBOK / PMI DEFINIÇÃO O Gerenciamento de Integração do Projeto envolve os processos necessários para assegurar

Leia mais

Horário dos Jogos e Avaliação do Brasileirão

Horário dos Jogos e Avaliação do Brasileirão Horário dos Jogos e Avaliação do Brasileirão Especificações Técnicas - Pesquisa Quantitativa - Datas de campo De 17 a 22 de junho de 2015 Seleção da amostra Aleatória Margem de erro 3 pontos percentuais

Leia mais

RELATÓRIO DE RESPOSTAS OBTIDAS NA PESQUISA DE AUTOAVALIAÇÃO 2016 CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS CCR: MODALIDADE PRESENCIAL

RELATÓRIO DE RESPOSTAS OBTIDAS NA PESQUISA DE AUTOAVALIAÇÃO 2016 CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS CCR: MODALIDADE PRESENCIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RELATÓRIO DE RESPOSTAS OBTIDAS NA PESQUISA DE AUTOAVALIAÇÃO 2016 DE CIÊNCIAS RURAIS

Leia mais

Relatório sobre a Pesquisa Intenção de Compra para o Dia dos Namorados 2013 IFEPD/AL

Relatório sobre a Pesquisa Intenção de Compra para o Dia dos Namorados 2013 IFEPD/AL Relatório sobre a Pesquisa Intenção de Compra para o Dia dos Namorados 2013 IFEPD/AL Maceió, 06/06/2013 Sumário 1 INTRODUÇÃO ---------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Orientações para solicitação de Diárias e Passagens

Orientações para solicitação de Diárias e Passagens Orientações para solicitação de Diárias e Passagens 1 ORIENTAÇÕES PARA SOLICITAÇÃO DE DIÁRIAS A Requisição de Diárias pressupõe o atendimento ao Decreto n 343 de 19 de novembro de 1991, que apresenta em

Leia mais

I 4 - INV 4 90 0 495 110.099.314

I 4 - INV 4 90 0 495 110.099.314 PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES R$ 1,00 23 COMÉRCIO E SERVIÇOS 256.092.869 26 TRANSPORTE 468.989.333 TOTAL - GERAL 725.082.202 122 ADMINISTRAÇÃO GERAL 21.077.996 126 TECNOLOGIA

Leia mais

RESOLUÇÃO ANAC Nº, DE DE DE 2014.

RESOLUÇÃO ANAC Nº, DE DE DE 2014. RESOLUÇÃO ANAC Nº, DE DE DE 2014. Regulamenta a apresentação de Informações, relativas à Movimentação Aeroportuária, pelas Concessionárias de Serviço Público de Infraestrutura Aeroportuária e pelos administradores

Leia mais

Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República. 23 de novembro de 2011

Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República. 23 de novembro de 2011 Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República 23 de novembro de 2011 Secretaria de Aviação Civil INFRAERO ANAC Ministério da Defesa DECEA 1960 1962 1964 1966 1968 1970 1972 1974 1976 1978 1980

Leia mais

INTENÇÃO DE PARTICIPAÇÃO NAS COMEMORAÇÕES DO NATAL DE 2015

INTENÇÃO DE PARTICIPAÇÃO NAS COMEMORAÇÕES DO NATAL DE 2015 INTENÇÃO DE PARTICIPAÇÃO NAS COMEMORAÇÕES DO NATAL DE 2015 Novembro de 2015 Slide 1 OBJETIVOS DO ESTUDO Investigar como serão as comemorações para natal de 2015 considerando o envolvimento com as celebrações

Leia mais

REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ

REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ O presente regulamento visa estabelecer normas, procedimentos de funcionamento e atividades atribuídas à Gerência de Serviços, conforme estabelecido no Capítulo

Leia mais

16/10/2008-1ª pesquisa/2º turno

16/10/2008-1ª pesquisa/2º turno Pesquisa de Intenção de Voto Sucessão Municipal Canoas 16/10/2008-1ª pesquisa/2º turno Porto Alegre, 17 de outubro de 2008. 1 Sumário Apresentação e Metodologia... 3 Intenção de Voto... 5 Avaliação dos

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E

Leia mais

DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO OPERACIONAL DO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO OPERACIONAL DOGP GPRI GERÊNCIA DE RELACIONAMENTO COM A INDUSTRIA

DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO OPERACIONAL DO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO OPERACIONAL DOGP GPRI GERÊNCIA DE RELACIONAMENTO COM A INDUSTRIA DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO OPERACIONAL DO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO OPERACIONAL DOGP GPRI GERÊNCIA DE RELACIONAMENTO COM A INDUSTRIA Dificuldades da infraestrutura aeroportuária para atendimento aos

Leia mais

Uma Visão METROPOLITANA. Luiz Augusto Baggio Diretor Executivo Agência Metropolitana de Cam pinas AGEMCAMP

Uma Visão METROPOLITANA. Luiz Augusto Baggio Diretor Executivo Agência Metropolitana de Cam pinas AGEMCAMP Uma Visão METROPOLITANA Luiz Augusto Baggio Diretor Executivo Agência Metropolitana de Cam pinas AGEMCAMP Estado de São Paulo RMC Região Metropolitana de Campinas Lei Complementar 870 de 19 de junho de

Leia mais

Gestão de operações aeroportuárias: componentes de um aeroporto

Gestão de operações aeroportuárias: componentes de um aeroporto Gestão de operações aeroportuárias: componentes de um aeroporto Definições: A/C: aircraft, aeronave; Acostamento: faixa lateral nas pistas ou pátios com revestimento tal que evite a ingestão pelas turbinas

Leia mais

Tendências na área de Recursos Humanos

Tendências na área de Recursos Humanos Tendências na área de Recursos Humanos Confira a 6ª edição do maior censo de Recursos Humanos, realizado pelo RH Portal em 2016. Veja o que os profissionais estão falando sobre a realidade do RH no mercado

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES COPA DO MUNDO COPA DO MUNDO 2014

TELECOMUNICAÇÕES COPA DO MUNDO COPA DO MUNDO 2014 TELECOMUNICAÇÕES COPA DO MUNDO COBERTURA ESTÁDIO NACIONAL INDOOR DE BRASÍLIA MANÉ NOS GARRINCHA ESTÁDIOS COPA DO MUNDO 2014 o Setor de Telecomunicações está entregando a cobertura indoor em todos os estádios

Leia mais

Sistema Aeroportoviário no Brasil

Sistema Aeroportoviário no Brasil Sistema Aeroportoviário no Brasil FERNANDA MINUZZI LUCIANO DOMINGUES RÉGIS GOMES FLORES VINÍCIOS Transportes Introdução O transporte aéreo no Brasil vem acompanhando o desenvolvimento do País.Hoje, o transporte

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO MÉDICA PARA O TRANSPORTE AÉREO DE ENFERMOS. Marcos Afonso Braga Pereira

REGULAMENTAÇÃO MÉDICA PARA O TRANSPORTE AÉREO DE ENFERMOS. Marcos Afonso Braga Pereira REGULAMENTAÇÃO MÉDICA PARA O TRANSPORTE AÉREO DE ENFERMOS Marcos Afonso Braga Pereira OBJETIVOS IAC 3134. O papel das entidades envolvidas no controle da atividade. SETOR Apresentação do Setor Empresas

Leia mais