RELATÓRIO GERAL INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL EM AEROPORTOS 1º TRIMESTRE DE 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO GERAL INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL EM AEROPORTOS 1º TRIMESTRE DE 2013"

Transcrição

1 RELATÓRIO GERAL INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL EM AEROPORTOS 1º TRIMESTRE DE 2013

2 ENTIDADES ENVOLVIDAS NA EXECUÇÃO DA PESQUISA COORDENAÇÃO DA PESQUISA INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL COLABORADORES PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DA DEFESA MINISTÉRIO DA FAZENDA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL INSTITUTO TECNOLÓGICO DA AERONÁUTICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL COMANDO DA AERONÁUTICA ESTADO-MAIOR DA AERONÁUTICA RECEITA FEDERAL DO BRASIL SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO OPERADORES AEROPORTUÁRIOS MINISTÉRIO DA SAÚDE EMPRESA BRASILEIRA DE INFRAESTRUTURA AEROPORTUÁRIA EXECUÇÃO DAS COLETAS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AEROPORTO DE GUARULHOS EMPRESA CONTRATADA AEROPORTO DE BRASÍLIA PRAXIAN CONSULTORIA LTDA SISTEMA DE VIGILÂNCIA AGROPECUÁRIA INTERNACIONAL DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO AEROPORTO DE CAMPINAS 2

3 INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A PESQUISA 1. CONTEXTUALIZAÇÃO Com a criação da Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República (SAC/PR) e com a instituição da Comissão Nacional de Autoridades Aeroportuárias (CONAERO) foram elencados temas prioritários para a organização do setor de aviação civil no Brasil. Objetivando a definição de políticas públicas, esses comitês contam com a participação dos órgãos/entidades envolvidos no processamento de passageiros nos aeroportos brasileiros e desempenham importante papel no aprimoramento da gestão aeroportuária. Neste contexto, nasceu o Comitê Técnico de Desempenho Operacional, responsável pela construção de soluções voltadas para a avaliação de indicadores de desempenho das operações aeroportuárias e de ações visando à melhoria da gestão aeroportuária ESCOPO DA PESQUISA Em virtude da realização de eventos grande porte no Brasil, tal como a Copa das Confederações e Copa do Mundo de futebol FIFA 2014, constatou-se a necessidade de obter indicadores aeroportuários que refletissem a opinião dos passageiros. Assim, neste primeiro momento, os aeroportos objeto da coleta de dados foram aqueles relacionados com este grande evento esportivo, ou seja, todos os aeroportos internacionais das cidades-sede da Copa do Mundo, bem como aqueles que, mesmo em municípios distintos dos das cidades-sede, vinculam-se diretamente a estas cidades, totalizando 15 aeroportos, a saber: Assim como ocorre na CONAERO, nesse comitê encontram-se representados os órgãos públicos diretamente envolvidos na prestação de serviços aeroportuários, que por meio de trabalhos em conjunto são propostas ações de melhoria na prestação de serviços por parte de cada um dos órgãos, visando o aprimoramento da qualidade de atendimento ao passageiro. Uma dessas ações apresentadas foi a realização de pesquisa operacional in loco para a coleta de dados e criação de indicadores de desempenho nos principais aeroportos brasileiros. Liderada pela SAC/PR, essa ação representa um marco na gestão dos aeroportos brasileiros, sendo pela primeira vez apresentados dados gerais sobre a avaliação dos passageiros a respeito de cada um dos aeroportos analisados. Além disso, a realização de grandes eventos internacionais no Brasil reforça o compromisso do Governo Federal com o planejamento e com a melhoria de qualidade dos serviços aeroportuários, prezando pela concorrência e pela atenção às necessidades e anseios dos passageiros. 2. A PESQUISA A coordenação da pesquisa dos indicadores aeroportuários de percepção dos passageiros nos aeroportos coube a equipe técnica da SAC/PR e contou com o apoio do Comitê de Desempenho Operacional da CONAERO e da Praxian Consultoria Ltda, empresa contratada pela SAC/PR mediante licitação pública, para a coleta de dados nos aeroportos por prazo inicial de 12 meses. Aeroporto Int. Eduardo Gomes - Manaus (AM) SBEG Aeroporto Int.Marechal Rondon - Cuiabá (MT) SBCY Aeroporto Inter.Gov. André Franco Montoro - Guarulhos (SP) SBGR Aeroporto de Congonhas São Paulo (SP) SBSP Aeroporto Int. de Viracopos - Campinas (SP) SBKP Aeroporto Int. Afonso Pena - Curitiba (PR) SBCT Aeroporto Int. Pinto Martins - Fortaleza (CE) SBFZ Aeroporto Int. Luís Eduardo Magalhães - Salvador (BA) SBSV Aeroporto Int. Juscelino Kubitschek - Brasília (DF) SBBR Aeroporto Int. Augusto Severo - Natal (RN) SBNT Aeroporto Int. Gilberto Freire - Recife (PE) SBRF Aeroporto Int. Tancredo Neves - Confins (MG) SBCF Aeroporto Int. do Galeão Rio de Janeiro (RJ) SBGL Aeroporto Santos Dumont - Rio de Janeiro (RJ) SBRJ Aeroporto Int. Salgado Filho - Porto Alegre (RS) SBPA 3

4 INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A PESQUISA 2.2. PERÍODO DE COLETA DOS DADOS A coleta de dados está prevista para ocorrer inicialmente durante o ano de 2013, sendo que os resultados apresentados neste relatório referem-se ao primeiro trimestre do corrente ano (janeiro, fevereiro, março), sendo esta, a primeira parcial dos resultados que serão divulgados dentro do período da pesquisa. Ressalta-se que a construção das diretrizes para a realização das coletas, bem como os todos os seus produtos, tais como questionários aplicados, metodologia utilizada, seleção dos indicadores a serem avaliados, etc. foi realizada pela SAC/PR e devidamente validada pelo Comitê Técnico de Desempenho Operacional da CONAERO. TABELA 1 LISTA DE INDICADORES QUALITATIVOS COLETADOS 2.3. METODOLOGIA UTILIZADA A coleta de dados foi realizada por meio de entrevista presencial dos passageiros em espera nas salas de embarque dos quinze aeroportos citados anteriormente, utilizando-se questionário padronizado. As perguntas foram formuladas contemplando os indicadores qualitativos listados na Tabela 1, apresentada a seguir, sendo solicitada a avaliação do passageiro em uma escala de 1 a 5, sendo 1 para a menor avaliação possível e 5 para a maior avaliação possível. A distribuição amostral das entrevistas foi realizada em função do fluxo de passageiros nos estratos de embarque doméstico e embarque internacional, considerando-se um intervalo de confiança de 95% e erro amostral máximo de 5%. A estratificação teve a função de garantir a representatividade da amostra, sendo as coletas realizadas usualmente nos intervalos de horários com maior fluxo de passageiros nos aeroportos a fim de que fosse coletada a opinião do passageiro no momento em que o aeroporto, apresenta maior concentração de atividades em operação. Os indicadores aeroportuários coletados estão relacionados aos seguintes elementos: acesso; check in; emigração; inspeção de segurança; imigração; aduana; instalação aeroportuária e ambiente do aeroporto. Adicionalmente, foram coletados dados gerais do perfil do passageiro, tais como: tipo de voo; tipo de transporte utilizado até o aeroporto; motivo de viagem; forma de realização do check-in; freqüência da viagem e tempo de antecedência para o vôo. Indicadores estes, detalhados na Tabela 2 a seguir. ELEMENTO 1.ACESSO 2.CHECK IN 3.EMIGRAÇÃO 4.INSPEÇÃO DE SEGURANÇA 5.IMIGRAÇÃO 6.ADUANA INDICADOR Transporte público Instalações de estacionamento de veículos Custo do estacionamento Disponibilidade de carrinhos de bagagem Disponibilidade de meio-fio Disponibilidade de táxi Tempo de fila no check-in (autoatendimento) Tempo fila no check-in (guichê) Eficiência dos funcionários do check-in Atendimento/cordialidade dos funcionários do check-in Tempo de fila na emigração Atendimento/cordialidade dos funcionários da emigração Atendimento/cortesia dos funcionários da inspeção de segurança Rigor na inspeção de segurança Tempo de fila na inspeção de segurança Sensação de proteção e segurança Tempo de fila na imigração Atendimento/cordialidade dos funcionários da imigração Tempo de fila na aduana Atendimento/cordialidade dos funcionários da aduana 4

5 INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A PESQUISA TABELA 1 LISTA DE INDICADORES QUALITATIVOS COLETADOS (cont.) ELEMENTO 7.INSTALAÇÃO AEROPORTUARIA 8.AMBIENTE AEROPORTO 9.SATISFAÇÃO GERAL INDICADOR Facilidade de encontrar o caminho no aeroporto Painéis de informação de voo Distância de caminhada no terminal de passageiros Facilidade para realizar conexões Atendimento/cordialidade dos funcionários do aeroporto Instalações de alimentação Valor pago nas instalações de alimentação Disponibilidade de bancos/caixas eletrônicos/câmbio Estabelecimentos comerciais Valor pago nos estabelecimentos comerciais Internet / Wi-Fi Negócios/Sala VIP Disponibilidade de Sanitários Limpeza dos Sanitários Conforto na sala de embarque Velocidade da restituição de bagagem Integridade da bagagem Limpeza geral do aeroporto Conforto térmico do aeroporto Conforto acústico do aeroporto Satisfação geral do passageiro com o aeroporto TABELA 2 INDICADORES RELATIVOS AO PERFIL DO PASSAGEIRO ELEMENTO 1.DADOS GERAIS DO PERFIL DO PASSAGEIRO 1.1.Tipo de voo a) doméstico b) internacional INDICADOR 1.2.Tipo de transporte utilizado até o aeroporto a) público b) privado 1.3.Motivo da viagem a) lazer b) trabalho c) outro 1.4.Forma de realização do Check-in a) internet b) autoatendimento (totem) c) balcão (guichê) d) internet e balcão (guichê) e) autoatendimento e balcão (guichê) 1.5.Freqüência da Viagem (últimos 12 meses) a) de 0 a 2 viagens b) de 3 a 5 viagens c) mais de 5 viagens ao ano Obs.: 1 viagem = 1 ida + 1 volta 1.6.Tempo de Antecedência para o voo: a) de 30min a 1h b) de 1h a 1h30min c) de 1h30min a 2h d) de 2h a 2h30min e) de 2h30min a 3h f) mais de 3h de antecedência 5

6 RESULTADOS GERAIS 3. RESULTADOS GERAIS Neste primeiro trimestre de 2013, as coletas de dados foram distribuídas ao longo dos meses de janeiro, fevereiro e março, totalizando entrevistas. Desse total, foram realizadas entrevistas nas salas de embarque doméstico e entrevistas nas salas de embarque internacional dos aeroportos envolvidos na pesquisa, obtendo-se a representatividade da população prevista estatisticamente. A seguir, são apresentados os resultados gerais dos indicadores relativos ao perfil do passageiro, a percepção do passageiro e comparativo destes entre os aeroportos envolvidos na pesquisa RESULTADOS GERAIS PERFIL DO PASSAGEIRO A seguir são apresentadas informações gerais a respeito dos resultados obtidos da percepção do passageiro com a coleta dos indicadores de desempenho aeroportuário ao longo do 1º trimestre de 2013 nos quinze aeroportos. O gráfico da figura 01 ilustra a distribuição percentual das amostras pelos dois estratos de vôo considerados: passageiros em voo doméstico e passageiros em voo internacional. O maior percentual das entrevistas (76%) foi realizado com aqueles passageiros em vôo doméstico, guardando relação com o fluxo real de passageiros nos aeroportos. FIGURA 01 - DISTRIBUIÇÃO DAS AMOSTRAS TIPO DE VOO 24% 76% Doméstico Internacional N: 21216/ 1º trimestre 2013 Já o gráfico 2 representa o resultado à pergunta feita ao passageiro, quanto ao meio de transporte utilizado para o seu deslocamento até o aeroporto, se privado (veículo particular), se público (taxi, ônibus, moto, metro, etc..). Considerou-se ainda, a possibilidade de resposta em conexão, tendo em vista que havia passageiros entrevistados nas salas de embarque em situação de conexão com outros vôos. FIGURA 02 - TIPO DE TRANSPORTE UTILIZADO ATÉ O AEROPORTO 38% 66,83% 2,37% 0,60% 10% 0,64% 0,02% 52% 25,35% 4,19% Em conexão Privado Público N: / 1º trimestre 2013 Sendo assim, por meio da análise conjunta das Figuras 02 e 03 percebe-se que a maioria dos passageiros (52%) entrevistados neste primeiro trimestre utilizou transporte privado para sua locomoção até o aeroporto e que aqueles que utilizaram transporte público, a maioria (68,83%) deslocou-se utilizando serviço de táxi. FIGURA 03 - MEIO DE TRANSPORTE PÚBLICO UTILIZADO Metrô ou Trem Moto táxi Ônibus Outros Táxi Transporte Alternativo Veículo Alugado N: 8115 / 1º trimestre

7 RESULTADOS GERAIS Pela figura 04 pode-se notar que a grande maioria dos passageiros entrevistados (60%) neste primeiro trimestre de 2013 viajou a lazer, fato este bastante plausível tendo em vista que os meses de janeiro e fevereiro correspondem normalmente ao de férias da população e de turismo no Brasil. FIGURA 04 - MOTIVO DA VIAGEM A figura 06 apresenta o resultado da pergunta ao passageiro em relação à freqüência média do número de viagens ida e volta em que utiliza o avião como meio de transporte, considerando-se os últimos doze meses. Assim, percebe-se neste primeiro semestre uma leve predominância de passageiros não freqüentes (36%), entendido neste contexto, como aqueles que realizaram até duas viagens de avião, considerando-se cada viagem uma ida e uma volta. FIGURA 06 - FREQUÊNCIA DE VIAGEM (ÚLTIMOS 12 MESES) 7% 33% 60% Lazer Negócio Outro 31% 33% 36% 0 a 2 3 a 5 Mais de 5 N: 21101/ 1º trimestre 2013 Obs.: 1 viagem = 1 ida + 1 volta N: 21147/ 1ªtrimestre 2013 Em relação à forma de check in utilizada, nota-se pela Figura 05 que a maior concentração (43%) dos passageiros entrevistados realizou o procedimento no balcão da companhia aérea. Outra importante informação que pode ser extraída deste mesmo gráfico consiste que 37% dos passageiros entrevistados utilizaram unicamente meios próprios para atendimento, ou seja, check in pela internet (18%) ou check in eletrônico (autoatendimento)(19%). Os gráficos das figuras 07 e 08 apresentam o tempo de antecedência para a hora prevista do vôo informado pelo passageiro nos estratos doméstico e internacional, respectivamente. Para o caso de vôo doméstico, observa-se que a maioria dos passageiros entrevistados (33%) chega ao aeroporto entre 1h e 1h e 30min prévio ao horário de saída do vôo. Já para o caso de vôos internacionais, a maioria dos passageiros entrevistados (32%) chega ao aeroporto com mais de 3h antes do horário de saída do vôo. 5% 8% 18% 7% 19% FIGURA 05 - FORMA DE CHECK-IN 43% Balcão Check-in Eletrônico Check-in Eletrônico e Balcão Conexão Internet Internet e Balcão N: / 1º trimestre % 7% 14% 10% FIGURA 07 - TEMPO DE ANTECEDÊNCIA PARA O VOO (DOMÉSTICO) 33% 19% 1h a 1h e 30min 1h e 30min a 2h 2h a 2h e 30min 2h e 30min a 3h 30min a 1h Mais de 3h N: 16061/ 1ªtrimestre % 5% FIGURA 08 - TEMPO DE ANTECEDÊNCIA PARA O VOO (INTERNACIONAL) 17% 14% 13% 19% 1h a 1h e 30min 1h e 30min a 2h 2h a 2h e 30min 2h e 30min a 3h 30min a 1h Mais de 3h N: 5155/ 1ªtrimestre

8 Valor instal alimentação Valor estabelec. comerciais Custo estacionamento Internet / Wi-Fi Instal. alimentação Estabelec. comerciais Disponib. bancos/caixas elet./câmbio Instal. estacionamento Transp público Negócios/Sala VIP Veloc. restituição de bagagem Tempo fila imigração Tempo fila aduana Conforto embarque Média Disponib. meio-fio Integridade bagagem Satisfação geral arpt Limpeza WC Conforto acústico arpt Atend/cordialidade func imigração Disponib. WC Disponib. de táxi Atend/cordialidade func aduana Conforto térmico arpt Painéis info voos Facilidade conexões Dist caminhada no terminal Tempo fila emigração Limpeza geral do arpt Tempo fila check-in guiche Sensação protegido e seguro Tempo fila check-in autoatend. Facilidade encontrar caminho no arpt Disponib.carrinhos bagagem Atend/codialidade func do arpt Rigor insp seg Atend/cortesia func emigração Atend/cortesia func insp seg Tempo fila insp seg Eficiência func. check-in Atend/cortesia func check-in 2,25 2,45 2,87 5 3,25 3,29 3,39 3,41 3,52 3,60 3,61 3,69 3,74 3,78 3,81 3,82 3,84 3,86 3,86 3,90 3,92 3,92 3,95 3,96 3,97 3,99 3,99 5 4,11 4,13 4,14 4,17 4,19 4,19 4,19 4,20 4,24 4,28 4,31 4,31 4,33 4,38 RESULTADOS GERAIS 3.2 RESULTADOS GERAIS PERCEPÇÃO DO PASSAGEIRO Na figura 09 são apresentados os indicadores citados na tabela 01 e respectiva pontuação, obtida pela média geral das notas atribuídas a cada indicador pelos passageiros entrevistados ao longo do 1º trimestre de 2013 nos quinze aeroportos. É possível constatar que, na percepção do passageiro, os indicadores com menor pontuação são os relacionados aos valores cobrados pelos estabelecimentos comerciais, instalações de alimentação e estacionamento, além de acesso a internet. Já os com maior avaliação estão relacionados a fatores humanos, como atendimento, cortesia e eficiência dos funcionários em contato direto com os passageiros. FIGURA 09 - MÉDIA GERAL DOS INDICADORES - PERCEPÇÃO DO PASSAGEIRO 0 4,50 0 3,50 0 2,50 0 1,50 0 8

9 RESULTADOS GERAIS 3.3. RESULTADOS GERAIS AVALIAÇÃO DOS AEROPORTOS PELOS PASSAGEIROS Com o objetivo de se realizar uma análise comparativa entre aeroportos, calculou-se a média geral, por aeroporto, de todos os indicadores da tabela 01 obtidos nas entrevistas com os passageiros no primeiro trimestre de 2013 nos quinze aeroportos. A fim de permitir uma análise entre aeroportos com semelhanças operacionais e que ponderasse as respectivas grandezas físicas, separou-se os aeroportos em categorias, baseadas no nº de passageiros processados por ano. Dessa forma, foram definidas 3 categorias, a saber: até 5 milhões de passageiros/ano; de 5 a 15 milhões de passageiros/ano e mais de 15 milhões de passageiros/ano. Sendo assim, considerando-se o número de passageiros processados em 2012, distribuiuse os aeroportos nessas categorias, sendo obtidos os seguintes grupos: até 5 milhões de passageiros/ano: Cuiabá (SBCY), Manaus(SBEG) e Natal(SBNT). de 5 a 15 milhões de passageiros/ano: Campinas(SBKP), Confins(SBCF), Curitiba(SBCT), Fortaleza(SBFZ), Porto Alegre(SBPA), Recife(SBRF), Santos Dumont(SBRJ), Salvador(SBSV). mais de 15 milhões de passageiros/ano: Brasília(SBBR), Congonhas(SBSP), Galeão(SBGL) e Guarulhos(SBGR). Dessa forma, nas figuras 10, 11 e 12 são apresentadas as médias dos indicadores por aeroporto dentro das respectivas categorias e na figura 13, um compilado geral contendo todos os aeroportos pesquisados em ordem crescente FIGURA 10 - MÉDIA GERAL DOS INDICADORES - PERCEPÇÃO DO PASSAGEIRO - CATEGORIA ATÉ 5 MILHÕES PAX/ANO 4,12 3,46 3,51 3,70 Cuiabá Manaus Média Natal N: 2742/ 1ªTrimestre FIGURA 11 - MÉDIA GERAL DOS INDICADORES - PERCEPÇÃO DO PASSAGEIRO - CATEGORIA 5 A 15 MILHÕES PAX/ANO 3,61 3,65 3,85 3,89 3,93 3,98 4,14 4,14 4,21 3,51 3,58 3,66 3,67 N: 11444/ 1ªTrimestre 2013 FIGURA 12 - MÉDIA GERAL DOS INDICADORES - PERCEPÇÃO DO PASSAGEIRO - CATEGORIA MAIS QUE 15 MILHÕES DE PAX/ANO 3,86 Galeão Brasília Média Guarulhos Congonhas N: 7030/ 1ªTrimestre 2013 FIGURA 13 - MÉDIA GERAL DOS INDICADORES - PERCEPÇÃO DO PASSAGEIRO 3,46 3,51 3,51 3,58 3,61 3,65 3,67 3,81 3,85 3,86 3,89 3,98 4,12 4,14 4,14 4,21 N: 21216/ 1ªTrimestre

10 10 Avaliação dos Indicadores por Aeroportos

11 RESULTADOS FIGURA 04 - DISPONIB.CARRINHOS BAGAGEM FIGURA 01 - TRANSPORTE PÚBLICO 2,9 2,9 2,9 3,2 3,3 3,4 3,5 3,5 3,7 3,7 4,2 4,4 4,4 3,2 3,8 3,9 4,1 4,3 4,3 4,4 4,4 4,6 4,6 4,7 4,7 SBBR SBEG SBKP SBCY SBSV SBGL SBRF SBCF SBGR SBFZ SBPA SBSP SBRJ SBCT SBNT Transp público N: º trimestre 2013 SBEG SBCY SBGL SBCF SBBR SBRJ SBKP SBGR SBSP SBNT SBSV SBFZ SBPA SBCT SBRF Disponib.carrinhos bagagem N: º trimestre 2013 FIGURA 02 - INSTAL. ESTACIONAMENTO FIGURA 05 - DISPONIB. MEIO-FIO 2,7 2,9 3,1 3,4 3,5 3,6 3,7 3,9 4,2 4,3 3,1 3,2 3,2 3,3 3,6 3,6 3,7 3,8 4,1 4,2 4,5 4,5 SBBR SBCY SBCF SBEG SBGL SBGR SBSV SBKP SBRJ SBPA SBSP SBFZ SBCT SBNT SBRF Instal. estacionamento N: º trimestre 2013 SBCY SBBR SBCF SBEG SBKP SBGL SBGR SBCT SBSP SBPA SBFZ SBRJ SBSV SBRF SBNT Disponib. meio-fio N: º trimestre 2013 FIGURA 03 - CUSTO ESTACIONAMENTO FIGURA 06 - DISPONIB. DE TÁXI 2,3 2,4 2,4 2,4 2,6 2,7 2,8 2,8 3,1 3,1 3,1 3,2 3,5 3,7 3,3 3,7 3,7 3,7 3,8 3,8 4,1 4,2 4,2 4,2 4,4 4,5 4,5 SBBR SBGR SBCF SBGL SBRJ SBPA SBKP SBCY SBSP SBEG SBRF SBSV SBCT SBFZ SBNT SBEG SBCY SBGL SBCF SBGR SBBR SBSV SBSP SBRJ SBCT SBPA SBKP SBRF SBNT SBFZ Custo estacionamento N: ª Trimestre 2013 Disponib. de táxi N: º trimestre

12 RESULTADOS FIGURA 07 - TEMPO FILA CHECK-IN AUTOATEND. FIGURA 10 - ATEND/CORTESIA FUNC CHECK-IN 3,5 3,6 3,9 3,9 4,1 4,1 4,3 4,4 4,4 4,5 4,5 4,5 4,5 4,6 4,6 3,6 3,9 4,2 4,2 4,3 4,3 4,4 4,4 4,5 4,5 4,5 4,6 4,7 4,7 4,7 SBCY SBEG SBBR SBCF SBGL SBKP SBGR SBSP SBSV SBNT SBPA SBRF SBRJ SBFZ SBCT SBEG SBCY SBCF SBGL SBKP SBBR SBGR SBSP SBRJ SBPA SBSV SBCT SBRF SBFZ SBNT Tempo fila check-in autoatend. N: º trimestre 2013 Atend/cortesia func check-in N: º trimestre 2013 FIGURA 08 - TEMPO FILA CHECK-IN GUICHE FIGURA 11 - TEMPO FILA EMIGRAÇÃO 3,6 3,6 3,8 3,9 3,9 4,1 4,1 4,2 4,3 4,3 4,3 4,4 4,4 4,4 4,5 3,9 3,9 3,9 4,1 4,1 4,1 4,1 4,3 4,3 4,4 4,4 SBEG SBCY SBCF SBKP SBBR SBGL SBGR SBSP SBNT SBPA SBRF SBSV SBRJ SBFZ SBCT SBFZ SBCF SBEG SBKP SBGL SBGR SBNT SBBR SBRF SBSV SBCT SBPA Tempo fila check-in guiche N: º trimestre 2013 Tempo fila emigração N: º trimestre 2013 FIGURA 09 - EFICIÊNCIA FUNC. CHECK-IN FIGURA 12 - ATEND/CORTESIA FUNC EMIGRAÇÃO 3,6 3,9 4,2 4,2 4,3 4,3 4,3 4,4 4,5 4,5 4,6 4,6 4,6 4,7 4,1 4,2 4,3 4,3 4,3 4,3 4,4 4,5 4,5 4,6 SBEG SBCY SBCF SBGL SBKP SBBR SBGR SBSP SBPA SBRJ SBSV SBFZ SBRF SBCT SBNT SBEG SBKP SBGL SBCF SBSV SBFZ SBGR SBNT SBPA SBBR SBCT SBRF Eficiência func. check-in N: º trimestre 2013 Atend/cortesia func emigração N: º trimestre

13 RESULTADOS FIGURA 13 - ATEND/CORTESIA FUNC INSP SEG FIGURA 16 - SENSAÇÃO PROTEGIDO E SEGURO 3,6 3,8 3,9 4,1 4,1 4,2 4,2 4,3 4,3 4,4 4,5 4,6 4,6 4,7 3,7 3,8 3,8 3,8 3,9 4,1 4,2 4,2 4,2 4,3 4,4 4,5 4,6 4,6 4,6 SBCY SBEG SBKP SBCF SBGL SBBR SBSP SBGR SBPA SBSV SBRJ SBCT SBFZ SBRF SBBR SBEG SBGL SBCY SBGR SBKP SBSP SBCF SBSV SBRF SBPA SBNT SBFZ SBCT SBRJ Atend/cortesia func insp seg N: º trimestre 2013 Sensação protegido e seguro N: ª 1º trimestre 2013 FIGURA 14 - RIGOR INSP SEG FIGURA 17 - FACILIDADE ENCONTRAR CAMINHO NO ARPT 3,7 3,8 3,8 4,1 4,3 4,3 4,3 4,3 4,4 4,5 4,6 4,6 4,7 3,7 3,8 3,9 4,1 4,1 4,2 4,3 4,3 4,4 4,4 4,6 4,6 4,7 SBCY SBEG SBBR SBGL SBKP SBGR SBSP SBCF SBPA SBSV SBRJ SBFZ SBRF SBCT SBNT Rigor insp seg N: º trimestre 2013 SBEG SBGL SBCY SBCF SBBR SBKP SBGR SBSV SBPA SBSP SBRF SBRJ SBNT SBFZ SBCT Facilidade encontrar caminho no arpt N: º trimestre 2013 FIGURA 15 - TEMPO FILA INSP SEG FIGURA 18 - PAINÉIS INFO VOOS 3,8 4,1 4,1 4,2 4,3 4,3 4,3 4,4 4,4 4,6 4,6 4,6 4,7 3,6 3,6 3,7 3,7 3,8 3,8 3,9 4,1 4,2 4,3 4,3 4,3 4,4 SBEG SBCY SBBR SBKP SBGL SBCF SBGR SBSV SBSP SBPA SBFZ SBRF SBRJ SBCT SBNT Tempo fila insp seg N: º trimestre 2013 SBEG SBGL SBBR SBCY SBCF SBKP SBRF SBGR SBPA SBSV SBSP SBNT SBFZ SBRJ SBCT Painéis info voos N: º trimestre

14 RESULTADOS FIGURA 19 - DIST CAMINHADA NO TERMINAL FIGURA 22 - INSTAL. ALIMENTAÇÃO 3,4 3,6 3,7 3,7 3,8 3,9 3,9 4,1 4,1 4,3 4,3 4,4 4,4 4,6 4,6 2,4 2,8 2,8 3,1 3,1 3,1 3,2 3,3 3,4 3,4 3,4 3,6 3,7 3,7 3,9 SBGL SBEG SBCY SBSP SBCF SBBR SBGR SBKP SBSV SBRF SBPA SBRJ SBFZ SBNT SBCT SBRJ SBKP SBGL SBCF SBBR SBGR SBCY SBNT SBPA SBSP SBEG SBCT SBFZ SBSV SBRF Dist caminhada no terminal Instal. alimentação N: º trimestre 2013 N: º trimestre 2013 FIGURA 20 - FACILIDADE CONEXÕES FIGURA 23 - VALOR INSTAL ALIMENTAÇÃO 3,6 3,6 3,7 3,7 3,8 3,8 3,9 4,1 4,3 4,4 4,4 4,5 4,5 SBGL SBEG SBCY SBBR SBKP SBGR SBCF SBSV SBSP SBPA SBRF SBCT SBRJ SBFZ SBNT 1,6 1,8 2,1 2,1 2,1 2,2 2,3 2,3 2,3 2,4 2,6 2,6 2,9 3,1 SBRJ SBSP SBCF SBGR SBKP SBBR SBGL SBPA SBFZ SBCT SBNT SBRF SBSV SBCY SBEG Facilidade conexões N: º trimestre 2013 Valor instal alimentação N: ª trimestre 2013 FIGURA 21 - ATEND/CORDIALIDADE FUNC DO ARPT FIGURA 24 - DISPONIB. BANCOS/CAIXAS ELET./CÂMBIO 3,7 3,8 3,9 3,9 4,2 4,2 4,3 4,3 4,4 4,5 4,6 4,7 4,7 2,2 3,1 3,1 3,3 3,3 3,3 3,4 3,5 3,6 3,8 3,8 3,9 3,9 4,2 SBCY SBEG SBGL SBCF SBGR SBBR SBKP SBRJ SBSV SBSP SBPA SBRF SBFZ SBCT SBNT SBRJ SBKP SBGL SBSV SBCY SBBR SBEG SBCF SBGR SBSP SBRF SBCT SBFZ SBPA SBNT Atend/codialidade func do arpt N: º trimestre 2013 Disponib. bancos/caixas elet./câmbio N: º trimestre

15 RESULTADOS FIGURA 25 - ESTABELEC. COMERCIAIS FIGURA 28 - NEGÓCIOS/SALA VIP 2,6 2,9 3,1 3,2 3,2 3,3 3,3 3,3 3,3 3,4 3,5 3,6 3,8 3,9 2,8 3,2 3,3 3,4 3,5 3,6 3,7 3,8 3,8 3,9 3,9 4,1 4,3 SBKP SBRJ SBGL SBBR SBCY SBNT SBCF SBPA SBEG SBGR SBSP SBSV SBCT SBFZ SBRF SBCF SBRJ SBKP SBGL SBCY SBBR SBSV SBGR SBPA SBSP SBEG SBFZ SBCT SBRF SBNT Estabelec. comerciais Negócios/Sala VIP N: º trimestre 2013 N: º trimestre 2013 FIGURA 26 - VALOR ESTABELEC. COMERCIAL FIGURA 29 - DISPONIB. WC 1,9 2,2 2,3 2,4 2,4 2,4 2,5 2,5 2,5 2,5 2,6 2,6 3,1 3,1 SBBR SBSP SBKP SBRJ SBGL SBPA SBNT SBFZ SBCF SBCT SBRF SBGR SBSV SBCY SBEG Valor estabelec. comerciais N: ª Trmiestre ,4 3,5 3,5 3,6 3,6 3,8 3,9 4,1 4,1 4,1 4,2 4,2 4,3 4,5 SBKP SBBR SBGL SBCY SBEG SBCF SBGR SBSV SBRJ SBSP SBPA SBRF SBNT SBFZ SBCT Disponib. WC N: º trimestre 2013 FIGURA 27 - INTERNET / Wi-Fi FIGURA 30 - LIMPEZA WC 2,4 2,6 2,7 2,7 2,8 3,2 3,3 3,5 3,5 3,6 3,8 SBRF SBGL SBPA SBNT SBCF SBGR SBCY SBRJ SBKP SBSV SBSP SBBR SBCT SBEG SBFZ Internet / Wi-Fi 3,3 3,5 3,5 3,6 3,7 3,7 3,8 3,9 4,1 4,1 4,2 4,3 4,4 SBGL SBEG SBBR SBCY SBKP SBGR SBCF SBSV SBRJ SBRF SBSP SBNT SBPA SBFZ SBCT Limpeza WC N: ª Trmiestre 2013 N: º trimestre

16 RESULTADOS FIGURA 31 - CONFORTO EMBARQUE FIGURA 34- CONFORTO ACÚSTICO ARPT 3,2 3,3 3,4 3,4 3,5 3,6 3,6 3,9 4,1 4,1 4,2 4,2 4,3 4,4 3,3 3,5 3,5 3,5 3,7 3,8 3,8 3,9 3,9 4,1 4,2 4,4 4,4 4,5 SBBR SBGR SBCF SBGL SBCY SBKP SBEG SBSV SBPA SBSP SBRJ SBNT SBCT SBRF SBFZ SBEG SBGL SBCY SBBR SBGR SBKP SBSP SBCF SBPA SBSV SBRJ SBRF SBNT SBFZ SBCT Conforto embarque N: º trimestre 2013 Conforto acústico arpt N: º trimestre 2013 FIGURA 32- LIMPEZA GERAL DO ARPT FIGURA 35- SATISFAÇÃO GERAL ARPT 3,4 3,5 3,7 3,9 4,2 4,3 4,4 4,4 4,4 4,5 4,5 4,6 3,3 3,5 3,5 3,5 3,6 3,7 3,8 3,9 3,9 4,1 4,1 4,2 4,3 4,3 4,4 SBEG SBCY SBGL SBBR SBGR SBKP SBCF SBSV SBRJ SBSP SBPA SBNT SBCT SBRF SBFZ SBEG SBCY SBCF SBGL SBBR SBGR SBKP SBRJ SBSV SBSP SBPA SBNT SBRF SBCT SBFZ Limpeza geral do arpt N: º trimestre 2013 Satisfação geral arpt N: º trimestre 2013 FIGURA 33- CONFORTO TÉRMICO ARPT FIGURA 36- VELOC. RESTITUIÇÃO DE BAGAGEM 3,3 3,3 3,6 3,8 3,8 3,9 4,1 4,2 4,2 4,4 4,4 4,5 3,2 3,2 3,2 3,3 3,4 3,4 3,7 3,7 3,8 4,1 4,2 4,2 4,2 4,2 SBCY SBEG SBGL SBBR SBGR SBSV SBKP SBCF SBRJ SBSP SBNT SBPA SBRF SBFZ SBCT SBGR SBCY SBGL SBEG SBCF SBKP SBBR SBPA SBSV SBSP SBCT SBRJ SBRF SBNT SBFZ Conforto térmico arpt N: º trimestre 2013 Veloc. restituição de bagagem N: º trimestre

17 RESULTADOS FIGURA 37- TEMPO FILA IMIGRAÇÃO FIGURA 40 - ATEND/CORDIALIDADE FUNC ADUANA 3,2 3,3 3,5 3,6 3,6 3,6 3,7 3,8 3,9 4,2 4,2 4,3 3,7 3,7 3,8 3,9 4,1 4,1 4,1 4,2 4,3 4,5 4,5 SBNT SBGR SBGL SBBR SBFZ SBCF SBSV SBEG SBKP SBPA SBCT SBRF Tempo fila imigração N: º trimestre 2013 SBEG SBGR SBGL SBCF SBKP SBBR SBSV SBNT SBFZ SBPA SBCT SBRF Atend/cordialidade func aduana N: º trimestre 2013 FIGURA 38 - ATEND/CORDIALIDADE FUNC IMIGRAÇÃO FIGURA 41 - INTEGRIDADE BAGAGEM 3,6 3,8 3,8 3,9 4,1 4,1 4,2 4,3 4,5 4,5 3,2 3,4 3,5 3,5 3,5 3,7 3,7 3,9 4,1 4,2 4,4 4,4 4,5 4,5 SBGR SBGL SBEG SBKP SBSV SBCF SBNT SBBR SBFZ SBPA SBCT SBRF Atend/cordialidade func imigração N: º trimestre 2013 SBEG SBGL SBGR SBCF SBCY SBBR SBSV SBKP SBSP SBPA SBCT SBRF SBRJ SBFZ SBNT Integridade bagagem N: º trimestre 2013 FIGURA 39 - TEMPO FILA ADUANA 3,1 3,4 3,6 3,6 3,6 3,6 3,7 3,8 4,2 4,3 4,5 SBNT SBBR SBFZ SBCF SBGL SBGR SBEG SBKP SBSV SBPA SBCT SBRF Tempo fila aduana N: º trimestre

18

RELATÓRIO GERAL DOS INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL EM AEROPORTOS JULHO-SETEMBRO

RELATÓRIO GERAL DOS INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL EM AEROPORTOS JULHO-SETEMBRO 2013 RELATÓRIO GERAL DOS INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL EM AEROPORTOS JULHO-SETEMBRO ENTIDADES ENVOLVIDAS NA EXECUÇÃO DA PESQUISA COORDENAÇÃO DA PESQUISA INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS. 2 TRIMESTRE 2014 Abril - Junho

RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS. 2 TRIMESTRE 2014 Abril - Junho 2014 RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS 2 TRIMESTRE 2014 Abril - Junho ENTIDADES ENVOLVIDAS NA EXECUÇÃO DA PESQUISA COORDENAÇÃO DA PESQUISA INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS. 4 TRIMESTRE 2014 Outubro - Dezembro

RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS. 4 TRIMESTRE 2014 Outubro - Dezembro 1. 2014 RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS 4 TRIMESTRE 2014 Outubro - Dezembro ENTIDADES ENVOLVIDAS NA EXECUÇÃO DA PESQUISA COORDENAÇÃO DA PESQUISA INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS. 3 TRIMESTRE 2015 Julho - Setembro

RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS. 3 TRIMESTRE 2015 Julho - Setembro 1. 2015 RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS 3 TRIMESTRE 2015 Julho - Setembro ENTIDADES ENVOLVIDAS NA EXECUÇÃO DA PESQUISA COORDENAÇÃO DA PESQUISA INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL. REGULAMENTO Prêmio AEROPORTOS + BRASIL - 2015 CAPÍTULO I DO PRÊMIO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL. REGULAMENTO Prêmio AEROPORTOS + BRASIL - 2015 CAPÍTULO I DO PRÊMIO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL REGULAMENTO Prêmio AEROPORTOS + BRASIL - 2015 CAPÍTULO I DO PRÊMIO Art. 1 o O Prêmio AEROPORTOS + BRASIL - 2015 é uma iniciativa da Secretaria de Aviação

Leia mais

Aeroportos Copa do Mundo 2014. 14 Dezembro 2009

Aeroportos Copa do Mundo 2014. 14 Dezembro 2009 Aeroportos Copa do Mundo 2014 14 Dezembro 2009 Belo Horizonte e Confins - MG 1. Aeroporto Internacional Tancredo Neves Confins 2. Aeroporto de Belo Horizonte/ Pampulha Carlos Drummond de Andrade Brasília

Leia mais

Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República. 10 de novembro de 2011

Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República. 10 de novembro de 2011 Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República 10 de novembro de 2011 Secretaria de Aviação Civil INFRAERO ANAC Ministério da Defesa DECEA PANORAMA Passageiros- quilômetros transportados no Brasil,

Leia mais

5º Painel: Marcos regulatórios e Infra-Estrutura Aeroviária

5º Painel: Marcos regulatórios e Infra-Estrutura Aeroviária I Simpósio Infra-Estrutura e Logística no Brasil: DESAFIOS PARA UM PAÍS EMERGENTE 5º Painel: Marcos regulatórios e Infra-Estrutura Aeroviária Novembro 2008 Constituição Federal Aeródromos Públicos - Responsabilidades

Leia mais

Infraestrutura Aeroportuária Copa do Mundo 2014

Infraestrutura Aeroportuária Copa do Mundo 2014 VI Seminário ALACPA de Pavimentos Aeroportuários e IV FAA Workshop Infraestrutura Aeroportuária Copa do Mundo 2014 28 Outubro 2009 Arq. Jonas M. Lopes INFRAERO Aeroportos - Copa do Mundo 2014 Belo Horizonte

Leia mais

Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República. 23 de novembro de 2011

Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República. 23 de novembro de 2011 Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República 23 de novembro de 2011 Secretaria de Aviação Civil INFRAERO ANAC Ministério da Defesa DECEA 1960 1962 1964 1966 1968 1970 1972 1974 1976 1978 1980

Leia mais

Plano de Investimentos para os Eventos Internacionais Esportivos no Brasil

Plano de Investimentos para os Eventos Internacionais Esportivos no Brasil 40ª RAPv Reunião Anual de Pavimentação Plano de Investimentos para os Eventos Internacionais Esportivos no Brasil INFRAERO Superintendência de Obras Ricardo Ferreira ricardof@infraero.gov.br 26 Outubro

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS AEROPORTOS DAS CIDADES- SEDES DA COPA DE 2014 ATRAVÉS DO MÉTODO AHP

AVALIAÇÃO DOS AEROPORTOS DAS CIDADES- SEDES DA COPA DE 2014 ATRAVÉS DO MÉTODO AHP AVALIAÇÃO DOS AEROPORTOS DAS CIDADES- SEDES DA COPA DE 2014 ATRAVÉS DO MÉTODO AHP Helen Feuser Fernandes Hadassa Pereira de Carvalho Cláudio Jorge Pinto Alves Anderson Ribeiro Correia AVALIAÇÃO DOS AEROPORTOS

Leia mais

1ª OPERACIONAL/2015. Diretoria de Aeroportos

1ª OPERACIONAL/2015. Diretoria de Aeroportos 1ª OPERACIONAL/2015 Diretoria de Aeroportos AGOSTO 2015 ROTEIRO Planejamento Estratégico da Empresa Mudança na Metodologia de Gestão Relação entre Investimentos e Resultados Projeto Eficiência Operacional

Leia mais

SENADO FEDERAL Comissão de Infraestrutura Subcomissão Temporária sobre Aviação Civil

SENADO FEDERAL Comissão de Infraestrutura Subcomissão Temporária sobre Aviação Civil SENADO FEDERAL Comissão de Infraestrutura Subcomissão Temporária sobre Aviação Civil Rio de Janeiro, 08/05/2012 Diretor Presidente José Márcio Monsão Mollo presidência@snea.com.br SNEA FROTA (ASSOCIADAS)

Leia mais

INVESTIMENTOS PRIVADOS EM AEROPORTOS 1 / 53

INVESTIMENTOS PRIVADOS EM AEROPORTOS 1 / 53 INVESTIMENTOS PRIVADOS EM AEROPORTOS 1 / 53 INVESTIMENTOS PRIVADOS EM AEROPORTOS Sumário 1 - Panorama Mundial da Aviação Civil 2- Situação Atual dos Aeroportos Brasileiros 3 - O Futuros dos Aeroportos

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DA MATRIZ ORIGEM DESTINO DO TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 2009 REGIÃO NORTE

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DA MATRIZ ORIGEM DESTINO DO TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 2009 REGIÃO NORTE CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DA MATRIZ ORIGEM DESTINO DO TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 2009 REGIÃO NORTE São Paulo Outubro de 2009 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 1 ACRE RIO BRANCO AEROPORTO PRESIDENTE MÉDICI...

Leia mais

INFRAERO. Planejamento dos Investimentos 2010 a 2016 Aeroportos Cidades Sede da Copa 2014. Audiência Pública Câmara dos Deputados 14 de julho de 2010

INFRAERO. Planejamento dos Investimentos 2010 a 2016 Aeroportos Cidades Sede da Copa 2014. Audiência Pública Câmara dos Deputados 14 de julho de 2010 1 INFRAERO Planejamento dos Investimentos 2010 a 2016 Aeroportos Cidades Sede da Copa 2014 Audiência Pública Câmara dos Deputados 14 de julho de 2010 Demanda Histórica 1997 : 0,3 pax/habitantes (163,8

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DA MATRIZ ORIGEM DESTINO DO TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 2009 REGIÃO SUL

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DA MATRIZ ORIGEM DESTINO DO TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 2009 REGIÃO SUL CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DA MATRIZ ORIGEM DESTINO DO TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 2009 REGIÃO SUL São Paulo Outubro de 2009 SUMÁRIO 1. PARANÁ CURITIBA AEROPORTO AFONSO PENA... 4 1.1 Perfil do Entrevistado...

Leia mais

AEROPORTOS CAPITAIS DO NORDESTE

AEROPORTOS CAPITAIS DO NORDESTE AEROPORTOS CAPITAIS DO NORDESTE Perfil da Amostra Especificações Técnicas Objetivo Levantar o perfil sócio demográfico, origem-destino e atitudinal em relação a turismo de negócios e de lazer. Buscou também

Leia mais

Mckinsey - BNDES CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DA MATRIZ ORIGEM DESTINO DO TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL. Plano de Pesquisa

Mckinsey - BNDES CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DA MATRIZ ORIGEM DESTINO DO TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL. Plano de Pesquisa Mckinsey - BNDES CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DA MATRIZ ORIGEM DESTINO DO TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL Plano de Pesquisa SÃO PAULO 2009 EQUIPE TÉCNICA FIPE Coordenador Técnico Wilson Abrahão Rabahy Coordenador

Leia mais

MANUAL DE PLANEJAMENTO DO SETOR DE AVIAÇÃO CIVIL COPA DO MUNDO 2014. Comitê Técnico de Operações Especiais CONAERO

MANUAL DE PLANEJAMENTO DO SETOR DE AVIAÇÃO CIVIL COPA DO MUNDO 2014. Comitê Técnico de Operações Especiais CONAERO MANUAL DE PLANEJAMENTO DO SETOR DE AVIAÇÃO CIVIL COPA DO MUNDO 2014 Comitê Técnico de Operações Especiais CONAERO ORGANIZAÇÃO DO SETOR CONAERO Comissão Nacional de Autoridades Aeroportuárias -Decisões

Leia mais

MANUAL DA AVIAÇÃO Jogos Olímpicos e Paralímpicos 2016

MANUAL DA AVIAÇÃO Jogos Olímpicos e Paralímpicos 2016 MANUAL DA AVIAÇÃO Jogos Olímpicos e Paralímpicos 2016 Pela primeira vez, o setor de aviação está lançando todas as diretrizes operacionais com mais de 300 dias de antecedência, o que contribui decisivamente

Leia mais

The Role of Business Aviation in the Infrastructure Development of Brazil: A Vision for the Future

The Role of Business Aviation in the Infrastructure Development of Brazil: A Vision for the Future The Role of Business Aviation in the Infrastructure Development of Brazil: A Vision for the Future Brasil O Brasil representa 5% do mercado mundial de aviação executiva e representando a 2ª maior frota

Leia mais

Sistema Aeroportoviário no Brasil

Sistema Aeroportoviário no Brasil Sistema Aeroportoviário no Brasil FERNANDA MINUZZI LUCIANO DOMINGUES RÉGIS GOMES FLORES VINÍCIOS Transportes Introdução O transporte aéreo no Brasil vem acompanhando o desenvolvimento do País.Hoje, o transporte

Leia mais

Eficiência Funcionários Check-In

Eficiência Funcionários Check-In Eficiência Funcionários Check-In Sinalização dos fluxos, através de divisores, displays e sinalização horizontal; Alteração de layout áreas de formação de fila; Triagem dos passageiros na entrada da área

Leia mais

INFRAERO Diretoria de Engenharia e Meio Ambiente Jaime Parreira E-mail: jparreira@infraero.gov.br

INFRAERO Diretoria de Engenharia e Meio Ambiente Jaime Parreira E-mail: jparreira@infraero.gov.br 1 INFRAERO Diretoria de Engenharia e Meio Ambiente Jaime Parreira E-mail: jparreira@infraero.gov.br 2 Organização 9 Superintendências Regionais Superintendência Regional do Noroeste; Superintendência Regional

Leia mais

O DESAFIO DA INFRA-ESTRUTURA AEROPORTUÁRIA PARA A COPA DO MUNDO DE 2014

O DESAFIO DA INFRA-ESTRUTURA AEROPORTUÁRIA PARA A COPA DO MUNDO DE 2014 Anais do 15 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XV ENCITA / 2009 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 19 a 22 2009. O DESAFIO DA INFRA-ESTRUTURA

Leia mais

Audiência Pública CREA/SP - 21/06/2011. InfraestruturaAeroportuária em SÃO PAULO para a COPA 2014

Audiência Pública CREA/SP - 21/06/2011. InfraestruturaAeroportuária em SÃO PAULO para a COPA 2014 INFRAERO Audiência Pública CREA/SP - 21/06/2011 InfraestruturaAeroportuária em SÃO PAULO para a COPA 2014 Arq. Jonas Lopes Superintendente de Estudos e Projetos de Engenharia jonas_lopes@infraero.gov.br

Leia mais

Transporte aéreo no Brasil: evolução da oferta, da demanda e do preço

Transporte aéreo no Brasil: evolução da oferta, da demanda e do preço Transporte aéreo no Brasil: evolução da oferta, da demanda e do preço 26ª Reunião Conjunta Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Comissão de Serviços de Infraestrutura

Leia mais

SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS. Ordem decrescente. Taxa de crescimento. acumulado. Aeroportos (Cód. ICAO) 2º Trimestre.

SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS. Ordem decrescente. Taxa de crescimento. acumulado. Aeroportos (Cód. ICAO) 2º Trimestre. Contato: Cmte Ronaldo Jenkins Diretor Técnico Office: Fone: (55 21)3578 1171 Fax: (55 21) 22201194 Rua Marechal Câmara, 160, sala 1734 Ed. Le Bourget Centro 20.020-080 RJ Brasil www.snea.com.br SINDICATO

Leia mais

I 4 - INV 4 90 0 495 110.099.314

I 4 - INV 4 90 0 495 110.099.314 PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES R$ 1,00 23 COMÉRCIO E SERVIÇOS 256.092.869 26 TRANSPORTE 468.989.333 TOTAL - GERAL 725.082.202 122 ADMINISTRAÇÃO GERAL 21.077.996 126 TECNOLOGIA

Leia mais

3 Panorama do Sistema Aeroportuário Brasileiro

3 Panorama do Sistema Aeroportuário Brasileiro 45 3 Panorama do Sistema Aeroportuário Brasileiro As novas tecnologias transformaram o modo de viver das pessoas e também, conseqüentemente, os novos espaços físicos. Os meios de transporte, no último

Leia mais

Considerando o art. 47 do Programa de Segurança Operacional Específico da ANAC (PSOE-

Considerando o art. 47 do Programa de Segurança Operacional Específico da ANAC (PSOE- PORTARIA ANAC N o 280/SIA, DE 30 DE JANEIRO DE 2013. Cria projeto piloto para monitoramento de Indicadores de Desempenho da Segurança Operacional em aeródromos. O SUPERINTENDENTE DE INFRAESTRUTURA AEROPORTUÁRIA

Leia mais

DESAFIO: LOGÍSTICA COMO FATOR DE COMPETITIVIDADE, PLATAFORMAS LOGÍSTICAS NA REGIAO NORTE

DESAFIO: LOGÍSTICA COMO FATOR DE COMPETITIVIDADE, PLATAFORMAS LOGÍSTICAS NA REGIAO NORTE DESAFIO: LOGÍSTICA COMO FATOR DE COMPETITIVIDADE, PLATAFORMAS LOGÍSTICAS NA REGIAO NORTE Márcia Helena Veleda Moita Coordenadora do Núcleo de Transporte e Construção Naval - NTC mhvmoita@yahoo.com.br REGIÃO

Leia mais

Regulamento Sanitário Internacional

Regulamento Sanitário Internacional Regulamento Sanitário Internacional Vigilância em Saúde em Portos e Aeroportos no Estado de São Paulo O REGULAMENTO SANITÁRIO INTERNACIONAL (RSI) E O QUE AS MACROREGIÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO TEM A VER

Leia mais

Metodologia de Coleta de Dados de Desempenho Operacional dos Aeroportos

Metodologia de Coleta de Dados de Desempenho Operacional dos Aeroportos Metodologia de Coleta de Dados de Desempenho Operacional dos Aeroportos Processo Licitatório: Pregão n.3/2012 UASG110590. CONAERO - Comissão Nacional das Autoridades Aeroportuárias Comitê Técnico de Desempenho

Leia mais

MAIORES INFORMAÇÕES NOS SITES: www.decea.gov.br www.cgna.gov.br www.anac.gov.br

MAIORES INFORMAÇÕES NOS SITES: www.decea.gov.br www.cgna.gov.br www.anac.gov.br Guiia prráttiico de consulltta sobrre as alltterrações do espaço aérreo parra a Riio+20.. Deparrttamentto de Conttrrolle do Espaço Aérreo ESTE GUIA TEM APENAS A FUNÇÃO DE ILUSTRAR E APRESENTAR, RESUMIDAMENTE,

Leia mais

ANAIS EFICIÊNCIA OPERACIONAL DOS AEROPORTOS BRASILEIROS

ANAIS EFICIÊNCIA OPERACIONAL DOS AEROPORTOS BRASILEIROS EFICIÊNCIA OPERACIONAL DOS AEROPORTOS BRASILEIROS ANTONIO CARLOS RODRIGUES ( tonimacr@gmail.com, tonimufv@gmail.com ) CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISAS EM ADMINISTRAÇÃO (CEPEAD/UFMG) MARIANA RIBEIRO

Leia mais

COPA 2014 AEROPORTOS Atualização: 14/06/2011

COPA 2014 AEROPORTOS Atualização: 14/06/2011 COPA 2014 AEROPORTOS Atualização: 14/06/2011 AEROPORTOS DA COPA 13 Aeroportos 31 Intervenções R$ 5,79 bilhões Manaus TPS Fortaleza TPS São Gonçalo do Amarante Pista Recife Torre Cuiabá TPS Brasília TPS

Leia mais

39 aeroportos envolvidos, localizados nas cidades-sede ou a até 200 km delas

39 aeroportos envolvidos, localizados nas cidades-sede ou a até 200 km delas GRANDES NÚMEROS 39 aeroportos envolvidos, localizados nas cidades-sede ou a até 200 km delas mais de 1 milhão de atletas, delegações e turistas circulando pelos principais aeroportos do evento. 4 mil são

Leia mais

INVESTIMENTOS EM AEROPORTOS

INVESTIMENTOS EM AEROPORTOS AEROPORTOS INVESTIMENTOS EM AEROPORTOS 6 concessões de aeroportos Investimentos de R$ 26 Bilhões São Gonçalo do Amarante RN Brasília DF Guarulhos SP Confins MG Viracopos SP Galeão RJ 5 operadores aeroportuários

Leia mais

Copa do Mundo 2014 Agosto de 2014

Copa do Mundo 2014 Agosto de 2014 Copa do Mundo 2014 Agosto de 2014 Aviação Comercial e GA/BA - 16 aeroportos de cidade sede + 8 de até 200Km terrestre; Exclusivo GA/BA 13 Bases Militares e 5 Aeroportos; Monitorados 53 Aeroportos; Coordenação

Leia mais

DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA S15 29/03/15 a 24/10/2015

DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA S15 29/03/15 a 24/10/2015 DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA S15 29/03/15 a 24/10/2015 01 de Outubro de 2014 1. TERMINAIS DE PASSAGEIROS CAPACIDADE ESTÁTICA TERMINAL DE PASSAGEIROS (PAX/HORA) INTERNACIONAL TERMINAL

Leia mais

Eficiência Técnica de Aeroportos: uma abordagem focada na infraestrutura aeroportuária - Lado Ar

Eficiência Técnica de Aeroportos: uma abordagem focada na infraestrutura aeroportuária - Lado Ar Eficiência Técnica de Aeroportos: uma abordagem focada na infraestrutura aeroportuária - Lado Ar Antonio Márcio Ferreira Crespo Air Navigation Commission International Civil Aviation Organization- Montreal

Leia mais

ANEXO II. Ata de Reuniao de Diretoria realizada em 718 de agosto de 20

ANEXO II. Ata de Reuniao de Diretoria realizada em 718 de agosto de 20 ANEXO II Ata de Reuniao de Diretoria realizada em 718 de agosto de 20 Empresa : OCEANAIR NO. do pedido: Entrada na COMCLAR: Vigencia: Aditamento: Entrada na COMCLAR: Vigencia: HOTRAN ONE-248-00: ONE-022/07

Leia mais

Email: dnor1@decea.gov.br AFS: SBRJYGYO TEL.: (21) 2101-6761 ASSINATURA.: (21) 2117-7294

Email: dnor1@decea.gov.br AFS: SBRJYGYO TEL.: (21) 2101-6761 ASSINATURA.: (21) 2117-7294 BRASIL AIC DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO N SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES 08/14 DIVISÃO DE COORDENAÇÃO E CONTROLE AV. GENERAL JUSTO, 160-2 ANDAR 20021-130 RIO DE JANEIRO-RJ 01 MAIO 2014 Email:

Leia mais

DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA W14 26/10/14 a 28/03/2015

DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA W14 26/10/14 a 28/03/2015 DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA W14 26/10/14 a 28/03/2015 25 de Abril de 2014 1. PISTA DE POUSO E DECOLAGEM (*) CAPACIDADE DE PISTA Período Hora (LT) Capacidade (mov/hora) 26/10/2014

Leia mais

Responsabilidade (R$ milhões) Contratado

Responsabilidade (R$ milhões) Contratado SELEÇÃO DE OBRAS DA COPA DE ACORDO COM O PORTAL DA TRASPARÊNCIA DA COPA DA CGU - ACESSO EM 27/09/2011 Belo Horizonte > Aeroportos e Portos > Aeroporto Tancredo Neves - Confins: Reforma e Ampliação da Pista

Leia mais

MÍDIA KIT 2013. Exploração publicitária, Ações Promocionais e locação de espaços para eventos em AEROPORTOS MÍDIA AEROPORTUÁRIA

MÍDIA KIT 2013. Exploração publicitária, Ações Promocionais e locação de espaços para eventos em AEROPORTOS MÍDIA AEROPORTUÁRIA MÍDIA KIT 2013 Exploração publicitária, Ações Promocionais e locação de espaços para eventos em AEROPORTOS Com o crescente número de passageiros, a Mídia Aeroportuária passou a ser um dos veículos de comunicação

Leia mais

ANÁLISE GUARULHOS. Edição bimestral nº 02 2010

ANÁLISE GUARULHOS. Edição bimestral nº 02 2010 ANÁLISE GUARULHOS Edição bimestral nº 02 2010 Guarulhos tem se firmado na última década como um dos principais municípios do Brasil devido ao seu alto grau de dinamismo econômico e social, aliado à sua

Leia mais

Aeroportos no Brasil: investimentos recentes, perspectivas e preocupações

Aeroportos no Brasil: investimentos recentes, perspectivas e preocupações Aeroportos no Brasil: investimentos recentes, perspectivas e preocupações Carlos Campos Neto carlos.campos@ipea.gov.br Frederico Hartmann de Souza frederico.souza@ipea.com.br Abril de 2011 Objetivos Avaliar

Leia mais

Copa do Mundo no Brasil: oportunidades, desafios e atuação do Governo Federal

Copa do Mundo no Brasil: oportunidades, desafios e atuação do Governo Federal BRA-MEB001-091126-1 Copa do Mundo no Brasil: oportunidades, desafios e atuação do Governo Federal Brasília, 26 novembro de 2009 BRA-MEB001-091126-2 Conteúdo do documento O que é a Copa do Mundo Atuação

Leia mais

Avanços e encaminhamentos sobre a Pesquisa de Turismo Internacional:

Avanços e encaminhamentos sobre a Pesquisa de Turismo Internacional: Avanços e encaminhamentos sobre a Pesquisa de Turismo Internacional: Avaliações para o desenho amostral em rodovias segundo a metodologia proposta para a PTI Palestrante: Alfredo García Ramos (Consultor

Leia mais

Regras gerais para alocação de slots em aeroportos coordenados durante a Copa do Mundo da FIFA de 2014. Comitê de Facilitação de Voos

Regras gerais para alocação de slots em aeroportos coordenados durante a Copa do Mundo da FIFA de 2014. Comitê de Facilitação de Voos Regras gerais para alocação de slots em aeroportos coordenados durante a Copa do Mundo da FIFA de 2014 Comitê de Facilitação de Voos Regras gerais para alocação de slots em aeroportos coordenados durante

Leia mais

ATENDIMENTO CORPORATIVO LIVE TRAVEL TURISMO 2013

ATENDIMENTO CORPORATIVO LIVE TRAVEL TURISMO 2013 ATENDIMENTO CORPORATIVO LIVE TRAVEL TURISMO 2013 LIVETRAVEL Um iniciou a carreira como advogado, o outro em uma mesa de operações de um grande banco. Duas carreiras que pareciam não se cruzar. Uma grande

Leia mais

As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras. Diretoria de Engenharia - DE

As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras. Diretoria de Engenharia - DE As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras Diretoria de Engenharia - DE Cidades candidatas e seus aeroportos Aeroportos da INFRAERO primeira e última imagem que o turista estrangeiro

Leia mais

TREM DE ALTA VELOCIDADE - TAV

TREM DE ALTA VELOCIDADE - TAV Encontro Econômico Brasil - Alemanha 2009 Cooperação para o Crescimento e Emprego Idéias e Resultados TREM DE ALTA VELOCIDADE - TAV Secretaria de Política Nacional de Transportes / MT - Engº Marcelo Perrupato

Leia mais

REGULAÇÃO DE AEROPORTOS: Privatização. Eduardo P.S. Fiuza (DISET/IPEA) Heleno M. Pioner (EPGE/FGV)

REGULAÇÃO DE AEROPORTOS: Privatização. Eduardo P.S. Fiuza (DISET/IPEA) Heleno M. Pioner (EPGE/FGV) REGULAÇÃO DE AEROPORTOS: Privatização Eduardo P.S. Fiuza (DISET/IPEA) Heleno M. Pioner (EPGE/FGV) Infraestrutura aeroportuária brasileira Sistema Aeroportuário Aeródromos por administração Privado 1.759

Leia mais

DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA W15 25/10/15 a 26/03/2016

DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA W15 25/10/15 a 26/03/2016 DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA W15 25/10/15 a 26/03/2016 15 de abril de 2015 1. TERMINAIS DE PASSAGEIROS CAPACIDADE ESTÁTICA DO TERMINAL DE PASSAGEIROS (PAX/HORA) INTERNACIONAL DOMÉSTICO

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS TURISTAS DA COPA 2014 (PST Copa 2014)

RESULTADOS CONSOLIDADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS TURISTAS DA COPA 2014 (PST Copa 2014) RESULTADOS CONSOLIDADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS TURISTAS DA COPA 2014 (PST Copa 2014) Os resultados a seguir são baseados em 2.257 entrevistas realizadas com turistas no período de 14 de junho a

Leia mais

Foto: Samsung Divulgação

Foto: Samsung Divulgação ESPAÇOS EDIFÍCIOS EMPRESAS 42 DIGITAL SIGNAGE Seguindo as mudanças no consumo Brasil alcança o segundo maior crescimento mundial em número de passageiros em aeroportos nos primeiros meses deste ano. O

Leia mais

Desenvolvimento da Infraestrutura Aeroportuária

Desenvolvimento da Infraestrutura Aeroportuária Desenvolvimento da Infraestrutura Aeroportuária Reiterando o compromisso com a sociedade brasileira para o atendimento das crescentes demandas e necessidades do sistema aeroportuário nacional, a Secretaria

Leia mais

Press Kit Manual de planejamento Copa do Mundo 2014 Press Kit 1 Governo muda operação de aeroportos na Copa BRASÍLIA, 15 DE ABRIL DE 2014 A partir do dia 6 de junho, os aeroportos que atendem às cidades-sede

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE TRANSPORTES. Visão Estratégica do Governo do Estado sobre o uso dos Aeroportos do Galeão e Santos Dumont

SECRETARIA DE ESTADO DE TRANSPORTES. Visão Estratégica do Governo do Estado sobre o uso dos Aeroportos do Galeão e Santos Dumont Visão Estratégica do Governo do Estado sobre o uso dos Aeroportos do Galeão e Santos Dumont Delmo Pinho - março, 2009 Cenário Atual da Aviação Mundial 1.167 aeronaves imobilizadas; Número total de jatos

Leia mais

AEROPORTOS RESULTADOS DO 10º BALANÇO

AEROPORTOS RESULTADOS DO 10º BALANÇO AEROPORTOS RESULTADOS DO 10º BALANÇO AEROPORTOS Manaus Ampliação TPS Rio Branco Reforma e Ampliação TPS e Recuperação de Pista e Pátio Macapá Novo TPS 1ª fase Macapá Ampliação Pátio São Luís Reforma e

Leia mais

Cancelamentos e Atrasos de Voos

Cancelamentos e Atrasos de Voos Cancelamentos e Atrasos de Voos A ANAC - Agência Nacional de Regulação Civil publicou em 06 de março de 2012 a Resolução nº 218 que estabelece procedimentos para a divulgação de percentuais de atrasos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO TURISMO DIVISÃO DE INFORMAÇÕES E ESTUDOS ESTRATÉGICOS DO TURISMO RELATÓRIO DA OFERTA DE VOOS PARA O RIO GRANDE DO SUL

SECRETARIA DE ESTADO DO TURISMO DIVISÃO DE INFORMAÇÕES E ESTUDOS ESTRATÉGICOS DO TURISMO RELATÓRIO DA OFERTA DE VOOS PARA O RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DO TURISMO DIVISÃO DE INFORMAÇÕES E ESTUDOS ESTRATÉGICOS DO TURISMO RELATÓRIO DA OFERTA DE VOOS PARA O RIO GRANDE DO SUL Porto Alegre Março de 2013 RESUMO: O Boletim de Horário Previsto

Leia mais

GERENCIAR PARA QUE TODOS POSSAM VOAR.

GERENCIAR PARA QUE TODOS POSSAM VOAR. GERENCIAR PARA QUE TODOS POSSAM VOAR. COPA DO MUNDO FIFA 2014 PLANEJAMENTO MELHORIA DA CAPACIDADE ATM Processo de Decisão Colaborativa (CDM) Coordenação Independente... para o processo de Decisão Colaborativa

Leia mais

Press Kit Manual de planejamento Copa do Mundo 2014 Press Kit 1 Governo muda operação de aeroportos na Copa BRASÍLIA, 15 DE ABRIL DE 2014 A partir do dia 6 de junho, os aeroportos que atendem às cidades-sede

Leia mais

Investimento Privado e Concessões Aeroportuárias. O que ainda há por fazer

Investimento Privado e Concessões Aeroportuárias. O que ainda há por fazer Investimento Privado e Concessões Aeroportuárias O que ainda há por fazer Conteúdo A Agenda da Indústria do Transporte Aéreo Resultados Já Alcançados Os Próximos Candidatos As Necessidades de Cada Um Congonhas

Leia mais

275$163257($e5(2. $+LVWyULDGR7UDQVSRUWH$pUHRQR%UDVLO

275$163257($e5(2. $+LVWyULDGR7UDQVSRUWH$pUHRQR%UDVLO 275$163257($e5(2 $+LVWyULDGR7UDQVSRUWH$pUHRQR%UDVLO Segundo o Departamento de Aviação Civil (DAC), a exploração dos serviços de transporte aéreo no Brasil só foi liberada à iniciativa privada no ano de

Leia mais

Boletim Logístico. B-Logis. Dezembro 2011. Superintendência de Logística de Carga DCLC. Terminal de Logística de Curitiba - PR

Boletim Logístico. B-Logis. Dezembro 2011. Superintendência de Logística de Carga DCLC. Terminal de Logística de Curitiba - PR Dezembro Boletim Logístico B-Logis Superintendência de Logística de Carga DCLC Terminal de Logística de Curitiba - PR O Boletim Logístico demonstra os resultados operacionais dos Complexos Logísticos da

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO CLIMATOLOGIA AERONÁUTICA INSTITUTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO DADOS CLIMATOLÓGICOS DOS AERÓDROMOS: SBFN, SBFZ, SBTE,

Leia mais

ANUÁRIO DO TRANSPORTE AÉREO

ANUÁRIO DO TRANSPORTE AÉREO SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO ECONÔMICA E ACOMPANHAMENTO DE MERCADO ANUÁRIO DO TRANSPORTE AÉREO 2009 2ª. Edição Volume Único Dados Estatísticos e Econômicos ANAC AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL DIRETORES

Leia mais

Movimento Aeroportuário Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Sergio Naruhiko Sakurai Jenifer Barbosa

Movimento Aeroportuário Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Sergio Naruhiko Sakurai Jenifer Barbosa Esta edição especial do boletim CEPER-FUNDACE tem como objetivo apresentar um panorama da movimentação aeroportuária de nosso país, pois este indicador representa, ainda que indiretamente, o nível geral

Leia mais

110590.32012.7852.4341.187205407096.314

110590.32012.7852.4341.187205407096.314 110590.32012.7852.4341.187205407096.314 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIACAO CIVIL DA PRESIDENCIA DA REPUBLICA Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00003/2012 Às 10:01 horas do dia 05 de

Leia mais

Infraestrutura Aeroportuária: Desafios e Perspectivas

Infraestrutura Aeroportuária: Desafios e Perspectivas Infraestrutura Aeroportuária: Desafios e Perspectivas 8 de dezembro de 2011 SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL INFRAERO ANAC Ministério da Defesa DECEA AVIAÇÃO CIVIL PANORAMA INVESTIMENTOS CONCESSÕES INFRAERO

Leia mais

Aviação Comercial no Brasil: Serviços e Infraestrutura Aeroportuária

Aviação Comercial no Brasil: Serviços e Infraestrutura Aeroportuária Aviação Comercial no Brasil: Serviços e Infraestrutura Aeroportuária Ministro de Estado Chefe da Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República Sr. WAGNER BITTENCOURT 2 5 d e J u n h o d e 2 0

Leia mais

Uma proposta da ISES do Brasil

Uma proposta da ISES do Brasil Uma proposta da ISES do Brasil INTRODUÇÃO: Aeroportos x Geração Fotovoltaica Características construtivas: praticamente horizontais, grandes áreas; Formadores de opinião e tomadores de decisão passam por

Leia mais

BRASIL DEPARTAMENTO DO CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES AV. GENERAL JUSTO, 160 2º Andar

BRASIL DEPARTAMENTO DO CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES AV. GENERAL JUSTO, 160 2º Andar BRASIL DEPARTAMENTO DO CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES AV. GENERAL JUSTO, 160 2º Andar AIC N 27/13 20021-130 RIO DE JANEIRO RJ 12 DEZ 2013 http://ais.decea.gov.br/ dpln1@decea.gov.br

Leia mais

COPA 2014. 28º Reunião do Conselho Nacional de Turismo

COPA 2014. 28º Reunião do Conselho Nacional de Turismo COPA 2014 28º Reunião do Conselho Nacional de Turismo COPA 2014 CIDADES-SEDE Fortaleza Manaus Natal Recife Cuiabá Salvador Brasília Belo Horizonte Curitiba São Paulo Rio de Janeiro Porto Alegre PLANEJAMENTO

Leia mais

TESTEIRA DIGITAL Aeroporto de Congonhas, SP

TESTEIRA DIGITAL Aeroporto de Congonhas, SP 2014 A Empresa A Meta 29, fundada em 1993, iniciou suas atividades na exploração de Mídias Aeroportuárias, tornando-se a maior e mais importante empresa desse segmento. Através de pesquisas qualitativas

Leia mais

Avaliação dos resultados da operação piloto do turismo internacional - Operações de fluxo e gasto:

Avaliação dos resultados da operação piloto do turismo internacional - Operações de fluxo e gasto: Avaliação dos resultados da operação piloto do turismo internacional - Operações de fluxo e gasto: Principais observações e incidências detectadas pela equipe de campo Palestrantes: Décio Kadota e Ewerton

Leia mais

Um estudo para o Aeroporto USIMINAS, em Ipatinga

Um estudo para o Aeroporto USIMINAS, em Ipatinga Contribuição técnica nº 17 Um estudo para o Aeroporto USIMINAS, em Ipatinga Luiza Oliveira Arquiteta e Urbanista Mestranda em Engenharia Civil Universidade Federal de Viçosa - MG Orientadores Gustavo de

Leia mais

Concessão. Aeroporto de Confins PRESS KIT

Concessão. Aeroporto de Confins PRESS KIT PRESS KIT Assinatura do contrato do (MG) Abril/2014 SUMÁRIO Governo assina contrato de concessão (MG) 3 Fases da Concessão 5 Obras e melhorias em andamento no (MG) - INFRAERO 6 Resultado do Leilão de Galeão

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES. (Do Sr. JÂNIO NATAL) Senhor Presidente,

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES. (Do Sr. JÂNIO NATAL) Senhor Presidente, COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES REQUERIMENTO N O, DE 2011 (Do Sr. JÂNIO NATAL) Requer a realização de Audiência Pública para debater questões relativas à aviação civil brasileira. Senhor Presidente, Requeiro,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012. RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012. Dispõe sobre a obrigação dos operadores de aeródromo de informar à ANAC a capacidade operacional. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício das

Leia mais

do turismo DA CIDADE DE DEMANDA TURÍSTICA Nacional e Internacional para a Cidade de São Paulo Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos

do turismo DA CIDADE DE DEMANDA TURÍSTICA Nacional e Internacional para a Cidade de São Paulo Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos observatório do turismo DA CIDADE DE SÃO PAULO são paulo turismo DEMANDA TURÍSTICA Nacional e Internacional para a Cidade de São Paulo Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos Ano-Base 2011 CRÉDITOS

Leia mais

Plano de Transporte Coletivo da Cidade de Bauru PTC Bauru. NT09 Pesquisa de imagem e opinião sobre o serviço de transporte coletivo municipal de Bauru

Plano de Transporte Coletivo da Cidade de Bauru PTC Bauru. NT09 Pesquisa de imagem e opinião sobre o serviço de transporte coletivo municipal de Bauru -EMDURB Plano de Transporte Coletivo da Cidade de Bauru PTC Bauru NT09 Pesquisa de imagem e opinião sobre o serviço de transporte coletivo municipal de Bauru Junho/2013 1- Apresentação O Plano de Transporte

Leia mais

03.05.11 SIMULAÇÃO. Arq. Giovanna Ronzani Borille, M.Sc. (ronzani@ita.br)

03.05.11 SIMULAÇÃO. Arq. Giovanna Ronzani Borille, M.Sc. (ronzani@ita.br) 03.05.11 SIMULAÇÃO Arq. Giovanna Ronzani Borille, M.Sc. (ronzani@ita.br) roteiro da aula TEORIA PRÁTICA LAB conceitos Algumas definições SIMULAÇÃO: técnica de solução de um problema análise de um modelo

Leia mais

Mídia Kit COPA DO MUNDO BRASIL 2014

Mídia Kit COPA DO MUNDO BRASIL 2014 Mídia Kit COPA DO MUNDO BRASIL 2014 Sua visibili vai fazer um gol placa Copa do Mundo FIFA 2014 Estimativas para a Copa no Brasil O Brasil está próximo receber um evento que ficará para a história do país,

Leia mais

Ata de Reuniao de Diretoria realizada em 30 de ianeiro de 2007

Ata de Reuniao de Diretoria realizada em 30 de ianeiro de 2007 ANEXO I Ata de Reuniao de Diretoria realizada em 30 de ianeiro de 2007 Empresa: TAM NO. do pedido : SAODA02-269/06 DE 18 DEZ 2006. Entrada na COMCLAR: 19 DEZ 2006. Vigencia : 20 JAN 2007. HOTRAN TAM 294-00:

Leia mais

DEFINIÇÃO DE INDICADORES PARA MEDIÇÃO DA EFICIÊNCIA EM TERMINAIS DE CARGAS EM AEROPORTOS BRASILEIROS

DEFINIÇÃO DE INDICADORES PARA MEDIÇÃO DA EFICIÊNCIA EM TERMINAIS DE CARGAS EM AEROPORTOS BRASILEIROS Anais do 12 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XII ENCITA / 2006 Instituto Tecnológico de Aeronáutica, São José dos Campos, SP, Brasil, Outubro, 16 a 19, 2006 DEFINIÇÃO DE INDICADORES

Leia mais

Belo Horizonte, 6 de junho, 2011. Prefeitura de Belo Horizonte Secretaria Municipal Adjunta de Relações Internacionais

Belo Horizonte, 6 de junho, 2011. Prefeitura de Belo Horizonte Secretaria Municipal Adjunta de Relações Internacionais Belo Horizonte, 6 de junho, 2011 Infraestrutura Aeroportuária de Belo Horizonte Região metropolitana: Aeroporto Carlos Prates Aeroporto da Pampulha Aeroporto Internacional Tancredo Neves Movimento operacional

Leia mais

Com 10º maior fluxo de passageiros, Viracopos terá 2º maior investimento para a Copa

Com 10º maior fluxo de passageiros, Viracopos terá 2º maior investimento para a Copa Com 10º maior fluxo de passageiros, Viracopos terá 2º maior investimento para a Copa 44Hanrrikson de Andrade Do UOL, no Rio 21/05/201310h00 Michel Filho/Agência O Globo Viracopos, em Campinas, recebe investimentos

Leia mais

Email: dnor1@decea.gov.br AFS: SBRJYGYO TEL.: (21) 2101-6761 ASSINATURA.: (21) 2117-7294

Email: dnor1@decea.gov.br AFS: SBRJYGYO TEL.: (21) 2101-6761 ASSINATURA.: (21) 2117-7294 BRASIL AIC DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO N SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES 12/14 DIVISÃO DE COORDENAÇÃO E CONTROLE AV. GENERAL JUSTO, 160-2 ANDAR 20021-130 RIO DE JANEIRO-RJ 01 MAIO 2014 Email:

Leia mais

www.aviacao.gov.br/obrasilquevoa RELATÓRIO EXECUTIVO

www.aviacao.gov.br/obrasilquevoa RELATÓRIO EXECUTIVO www.aviacao.gov.br/obrasilquevoa RELATÓRIO EXECUTIVO 1 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 6 2. AEROPORTOS SELECIONADOS 7 3. METODOLOGIA DE PESQUISA 12 4. PERFIL DO PASSAGEIRO DOMÉSTICO E MOTIVOS DA VIAGEM 17 4.1.

Leia mais

SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇOS EM AEROPORTOS

SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇOS EM AEROPORTOS Anais do 14 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 20 a 23 2008. SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

Leia mais

Aeroporto Internacional Tancredo Neves/Confins - SBCF

Aeroporto Internacional Tancredo Neves/Confins - SBCF Aeroporto Internacional Tancredo Neves/Confins - SBCF Breve Histórico Na década de 70 o então Ministério da Aeronáutica, em parceria com o Governo de Minas Gerais, iniciou estudos para viabilizar a construção

Leia mais