Metodologia de Coleta de Dados de Desempenho Operacional dos Aeroportos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Metodologia de Coleta de Dados de Desempenho Operacional dos Aeroportos"

Transcrição

1 Metodologia de Coleta de Dados de Desempenho Operacional dos Aeroportos Processo Licitatório: Pregão n.3/2012 UASG CONAERO - Comissão Nacional das Autoridades Aeroportuárias Comitê Técnico de Desempenho Operacional Brasília, 27 Abril de 2015

2 Conteúdo 1. Objetivo Escopo Distribuição das Medições e Entrevistas Definição dos Períodos de Coletas de Dados Coleta de Dados Medições de Processos Aeroportuários...6 A. Meio Fio... 6 B. Carrinhos para bagagens... 6 C. Filas de taxi... 6 D. Check-in... 7 E. Inspeção de Segurança... 8 F. Emigração... 8 G. Imigração... 9 H. Restituição de Bagagens I. Controle Aduaneiro J. Cartão de Embarque Entrevistas com Passageiros

3 1. Objetivo Este documento tem como objetivo apresentar a Metodologia de coleta de dados de Indicadores de Desempenho dos elementos processadores existentes no embarque e desembarque de passageiros, bem como apresentar a Metodologia da Pesquisa de Satisfação de Passageiros nos 15 aeroportos objetos de pesquisa, tanto nas operações domésticas como nas internacionais. A coleta de dados é realizada pela Praxian Business & Marketing Specialists de acordo com o Processo Licitatório: Pregão n.3/2012 UASG Escopo O Projeto de Desempenho Operacional estabelece as seguintes premissas para a escolha dos indicadores a serem considerados nas pesquisas de mensuração: Seleção de elementos e indicadores que representem impacto direto na percepção do usuário; Medições diretas de processos aeroportuários pelo método da Observação; O Plano de Pesquisa mensal contém a estimativa estratificada da população usuária dos aeroportos, considerando-se os seguintes fatores: Elemento avaliado; Indicador de desempenho; Existência de diferentes terminais de passageiros; Quantidade e tipo de operação por companhia aérea; Tipo de operação: embarque ou desembarque; Tipo de voo: doméstico ou internacional Tipo de passageiro: brasileiro ou estrangeiro Pessoas com mobilidade reduzida. A amostra é construída respeitando-se a distribuição dos seguintes estratos em cada aeroporto: Voo doméstico e voo internacional; Embarque e desembarque de passageiros; Segundo Mattar (MATTAR, N. F. Pesquisa de Marketing, vol. 1, São Paulo, 1993, p.314): O processo de subdividir uma população em estratos, selecionar amostras aleatórias simples de cada estrato e, a seguir, combiná-las em uma amostra única para estimar os parâmetros da população, denominamos de amostragem aleatória estratificada. O enfoque do Projeto Pesquisa Operacional é quantitativo, sendo definido por Marconi e Lakatos (MARCONI, M;A.; LAKATOS, E.M. Fundamentos da metodologia científica. 7 ed. São Paulo: Atlas, 2010) como o método por meio do qual os pesquisadores se utilizam de amostras amplas, informações numéricas e ferramentas de coleta de dados estruturadas. 3

4 Com base nestas diretrizes, o universo de indicadores proposto de aferição tornou-se restrito aos elementos de processamento de passageiros. Uma vez selecionados os elementos a serem estudados (check-in, inspeção de segurança, emigração, imigração, restituição de bagagem, aduana e cartão de embarque) e, seguindo as premissas citadas, foram propostos os seguintes parâmetros a serem coletados: Tempos de espera em fila; Preservação da área reservada para circulação de passageiros; Número de guichês disponíveis na área-alvo da medição; Número de guichês de atendimento operantes no início da medição; Número de guichês de atendimento operantes no final da medição. 3. Distribuição das Medições e Entrevistas A metodologia de distribuição das medições e entrevistas com passageiros baseia-se na proporção de oferta de assentos por empresa e por voos domésticos e internacionais, considerando-se o HOTRAN vigente, conforme sequência: 1. Estudo de todas as companhias aéreas que operam na hora de maior fluxo de passageiros em cada aeroporto nos 4 estratos: embarque e desembarque doméstico e internacional; 2. Percentual de cada companhia no horário de maior fluxo de passageiros, considerado o número de assentos por semana na hora de maior fluxo; 3. Aplicação do loadfactor de 0.8; 4. Cálculo do número de assentos por mês na hora de maior pico, considerando-se o número de assentos semanal; 5. Cálculo estatístico para população finita, uma vez que há o número exato de assentos disponíveis na planilha Hotran; 6. Amostras distribuídas por companhia aérea, ou seja, número de medições a serem aplicadas por Cia aérea mensalmente. Mensalmente esta distribuição de ofertas de assento é atualizada com os dados de HOTRAN e, desta forma, a estratégia de coleta de dados é atualizada conforme quadro vigente. Resumindo, a proporção de distribuição das medições é realizada da seguinte forma: Para o check-in, restituição de bagagens e cartões de embarque a distribuição é feita com base na proporção de assentos domésticos e internacionais e no número de assentos ofertados por cada empresa aérea; Para a emigração e imigração as medições são divididas proporcionalmente entre os atendimentos aos passageiros nacionais, os estrangeiros e filas mistas (brasileiros e estrangeiros), de acordo com a técnica de observação direta; 4

5 Para a inspeção de segurança as medições são distribuídas proporcionalmente ao número de assentos ofertados para os voos domésticos e internacionais. 4. Definição dos Períodos de Coletas de Dados Os períodos de medição estão associados com os horários de maior movimento do aeroporto. Os seguintes procedimentos devem ser seguidos: Definição de quais os períodos de maior movimento de cada elemento processador de passageiros do aeroporto; Dentro desses horários de maior movimento, definir períodos de medição não inferiores a30 minutos; Dentro dos períodos de medição definidos, tomam-se medidas, no intervalo mínimo, a cada 5 minutos; Uma vez definidos, estes períodos de coletas são mantidos fixos. Qualquer alteração durante o mês vigente deve ser justificada com base na mudança do perfil de demanda do aeroporto, como por exemplo, no caso de mudança nos horários de voos. Os períodos de coleta de dados são associados à duração dos períodos de maior movimento do aeroporto, significando que as amostras tomadas são proporcionais ao tamanho da população-alvo da pesquisa. Portanto, quanto maior o período de grande movimento no aeroporto, maiores são os tempos de pesquisa e, consequentemente, maiores as frequências de medições. Geralmente os períodos de maior movimento são sequenciais para os elementos processadores que estão conectados em série no processo considerado, seja ele embarque ou desembarque. Desta forma, as equipes de pesquisa seguem roteiro de coletas de medições que se assemelha ao fluxo dos processos de embarque e desembarque vivenciados pelos passageiros nos aeroportos. Abaixo segue um gráfico de número de passageiros esperados para embarque internacional por hora em um aeroporto, exemplificando escolha de possíveis períodos para realização de coleta de dados. 5

6 00:00 01:00 02:00 03:00 04:00 05:00 06:00 07:00 08:00 09:00 10:00 11:00 12:00 13:00 14:00 15:00 16:00 17:00 18:00 19:00 20:00 21:00 22:00 23:00 23:59 01:00 02:00 Embarque Internacional Previsão de Demanda de Embarque Figura 1 - Previsão de Demanda de Passageiros para Embarque Internacional 5. Coleta de Dados 5.1. Medições de Processos Aeroportuários As medições propostas são realizadas com uso de sistema de coleta eletrônica de dados, com registro automático do horário sincronizado no tablet por equipe de pesquisadores nos elementos processadores (check-in, restituição de bagagem, inspeção de segurança, etc.) Medições por Elemento Processador A. Meio Fio A medição ocorre uma vez ao dia em todos os dias de coleta, nos quatro estratos: embarque doméstico, embarque internacional, desembarque doméstico e desembarque internacional para o indicador disponibilidade de espaço físico para embarque e desembarque de passageiros no meio fio. B. Carrinhos para bagagens As medições de carrinhos disponíveis para bagagens ocorrem em dois pontos do aeroporto: a. Saguão de embarque b. Sala de desembarque O objetivo é que o pesquisador anote a quantidade de carrinhos para acomodação de bagagens disponíveis para os passageiros. C. Filas de taxi As medições das filas de taxi ocorrem no meio fio de desembarque. A frequência de medição é de pelo menos uma medição ao dia em cada estrato, nos dias de coleta, com o objetivo de se identificar o tempo de espera na fila do taxi pelo passageiro. 6

7 D. Check-in As medições de check in subdividem-se em: a. Check in balcão: As medições de nas filas de check-in balcão são realizadas em uma das filas de atendimento convencionais de passageiros de classe econômica, desconsiderando-se o atendimento preferencial ou prioritário. As medições são realizadas nas filas de voos domésticos e internacionais, seguindo a distribuição sugerida pela proporção de ofertas de assentos domésticos e internacionais oferecidos, conforme já descrito. b. Check in autoatendimento: A equipe de pesquisadores anota a quantidade de terminais de autoatendimento em funcionamento disponíveis para os passageiros conforme a companhia aérea. Procede-se com a medição do tempo da fila, seguindo os mesmos procedimentos da fila do check in convencional. A distribuição das medições nas companhias aéreas deve ser a mais ampla possível de forma a cobrir pelo menos uma vez ao dia, nos dias de coletas, os terminais disponíveis no aeroporto. Para consideração das medições do processo aeroportuário de check in destacam-se duas definições conceituais: a. Por definição, um passageiro entra em uma fila de check in no momento em que ele para de andar, posicionado atrás da última pessoa que já estava aguardando. Analogamente, um passageiro sai de uma fila de check in quando inicia seu deslocamento, saindo da primeira posição em direção ao guichê de atendimento; b. As áreas de circulação de passageiros e as áreas destinadas à formação de fila são definidas no aeroporto, mediante demarcações no piso ou convencionadas pelo limite dos divisores de fila ou de algum outro ponto de referência. A coleta de dados para aferição do tempo de espera em fila e avaliação da área reservada para sua formação deve ser realizada da seguinte forma: 1- Ao início do período de avaliação (a cada 5 minutos), registra-se o horário em que um determinado passageiro entra na fila do check in; 2- Registra-se o número de guichês operantes no momento da chegada do último passageiro na fila; 3- Registra-se o número de guichês disponíveis na área no início da medição; 4- Registra-se se a fila está dentro da área reservada para sua formação ou se invadiu a área definida para a circulação de passageiros; 5- Registra-se o horário em que este mesmo passageiro sai da fila e dirige-se ao guichê, ao ser chamado para o atendimento. Ressalta-se que, exclui-se da medição, o tempo de processamento do atendimento do passageiro; 6- Registra-se o número de guichês em funcionamento que estão atendendo a fila do passageiro pesquisado, no momento de sua saída do atendimento. Destaca-se que guichês tripulados, mas que não estejam atendendo aos passageiros, não são considerados como em atendimento. 7

8 E. Inspeção de Segurança São realizadas medições tanto na inspeção de segurança no embarque doméstico, como no embarque internacional, mais uma vez conforme distribuição sugerida pela proporção de ofertas de assentos domésticos e internacionais oferecidos. Destaca-se, para efeitos de medição, que não são consideradas as filas destinadas ao processamento da tripulação. Para a fila de inspeção de segurança, considera-se o fato que ocorrer primeiro para a determinação do final da medição: passagem do passageiro pelo pórtico ou colocação dos objetos pessoais na esteira de inspeção. Para consideração das medições do processo aeroportuário de inspeção de segurança destacam-se duas definições conceituais: a. Por definição, um passageiro entra em uma fila de inspeção no momento em que ele para de andar, posicionado atrás da última pessoa que já estava aguardando. Analogamente, um passageiro sai de uma fila de inspeção quando inicia seu deslocamento, saindo da primeira posição em direção ao guichê de atendimento; b. As áreas de circulação de passageiros e as áreas destinadas à formação de fila são definidas no aeroporto, mediante demarcações no piso ou convencionadas pelo limite dos divisores de fila ou de algum outro ponto de referência. A coleta de dados para aferição do tempo de espera em fila e avaliação da área reservada para sua formação deve ser realizada da seguinte forma: 1- Ao início do período de avaliação (a cada 5 minutos), registra-se o horário em que um determinado passageiro entra na fila da inspeção; 2- Registra-se o número de canais de inspeção operantes no momento da chegada do último passageiro na fila; 3- Registra-se o número de guichês disponíveis na área no início da medição; 4- Registra-se se a fila está dentro da área reservada para sua formação ou se invadiu a área definida para a circulação de passageiros; 5- Registra-se o horário em que este mesmo passageiro sai da fila e dirige-se ao canais de inspeção, ao ser chamado para o atendimento. Ressalta-se que, exclui-se da medição, o tempo de processamento do atendimento do passageiro; 6- Registra-se o número de canais de inspeção em funcionamento que estão atendendo a fila do passageiro pesquisado, no momento de sua saída do atendimento. Destaca-se que canais de inspeção tripulados, mas que não estejam atendendo aos passageiros, não são considerados como em atendimento. F. Emigração A emigração é o processo de checagem do documento de viagem internacional (passaporte) dos passageiros que estão deixando o país. Portanto, as medições são aplicadas apenas no embarque internacional. São consideradas apenas as filas para estrangeiros, cidadãos brasileiros ou filas mistas (brasileiros e estrangeiros), não sendo consideradas as filas para prioridades. 8

9 Para consideração das medições do processo aeroportuário de emigração destacam-se duas definições conceituais: a. Por definição, um passageiro entra em uma fila de emigração no momento em que ele para de andar, posicionado atrás da última pessoa que já estava aguardando. Analogamente, um passageiro sai de uma fila de emigração quando inicia seu deslocamento, saindo da primeira posição em direção ao guichê de atendimento; b. As áreas de circulação de passageiros e as áreas destinadas à formação de fila são definidas no aeroporto, mediante demarcações no piso ou convencionadas pelo limite dos divisores de fila ou de algum outro ponto de referência. A coleta de dados para aferição do tempo de espera em fila e avaliação da área reservada para sua formação deve ser realizada da seguinte forma: 1- Ao início do período de avaliação (a cada 5 minutos), registra-se o horário em que um determinado passageiro entra na fila da emigração; 2- Registra-se o número de guichês operantes no momento da chegada do último passageiro na fila; 3- Registra-se o número de guichês disponíveis na área no início da medição; 4- Registra-se se a fila está dentro da área reservada para sua formação ou se invadiu a área definida para a circulação de passageiros; 5- Registra-se o horário em que este mesmo passageiro sai da fila e dirige-se ao guichê, ao ser chamado para o atendimento. Ressalta-se que, exclui-se da medição, o tempo de processamento do atendimento do passageiro; 6- Registra-se o número de guichês em funcionamento que estão atendendo a fila do passageiro pesquisado, no momento de sua saída do atendimento. Destaca-se que guichês tripulados, mas que não estejam atendendo aos passageiros, não são considerados como em atendimento. G. Imigração No desembarque de passageiros de voos internacionais, realiza-se a verificação dos documentos de viagem internacional para que o passageiro possa ser admitido em território nacional. Portanto, as medições são aplicadas apenas no desembarque internacional. São consideradas apenas as filas para estrangeiros e cidadãos brasileiros, não sendo consideradas as filas para prioridades. Para consideração das medições do processo aeroportuário de imigração destacam-se duas definições conceituais: a. Por definição, um passageiro entra em uma fila de imigração no momento em que ele para de andar, posicionado atrás da última pessoa que já estava aguardando. Analogamente, um passageiro sai de uma fila de imigração quando inicia seu deslocamento, saindo da primeira posição em direção ao guichê de atendimento; 9

10 b. As áreas de circulação de passageiros e as áreas destinadas à formação de fila são definidas no aeroporto, mediante demarcações no piso ou convencionadas pelo limite dos divisores de fila ou de algum outro ponto de referência. A coleta de dados para aferição do tempo de espera em fila e avaliação da área reservada para sua formação deve ser realizada da seguinte forma: 1- Ao início do período de avaliação (a cada 5 minutos), registra-se o horário em que um determinado passageiro entra na fila da imigração; 2- Registra-se o número de guichês operantes no momento da chegada do último passageiro na fila; 3- Registra-se o número de guichês disponíveis na área no início da medição; 4- Registra-se se a fila está dentro da área reservada para sua formação ou se invadiu a área definida para a circulação de passageiros; 5- Registra-se o horário em que este mesmo passageiro sai da fila e dirige-se ao guichê, ao ser chamado para o atendimento. Ressalta-se que, exclui-se da medição, o tempo de processamento do atendimento do passageiro; 6- Registra-se o número de guichês em funcionamento que estão atendendo a fila do passageiro pesquisado, no momento de sua saída do atendimento. Destaca-se que guichês tripulados, mas que não estejam atendendo aos passageiros, não são considerados como em atendimento. H. Restituição de Bagagens Devem ser realizadas medições tanto na restituição de bagagens de voos domésticos, como de voos internacionais, mais uma vez conforme distribuição sugerida pela proporção de ofertas de assentos domésticos e internacionais oferecidos. A devolução das bagagens nas esteiras aos passageiros que desembarcam é monitorada pela medição dos seguintes tempos: Horário de chegada da primeira bagagem; Horário de chegada da última bagagem. Os tempos são calculados com relação ao horário da parada da aeronave na posição de estacionamento (colocação do calço na aeronave) no pátio. Destaca-se que, geralmente, este horário é visualizado pelo pesquisador na tela posicionada sobre a área da esteira de bagagem. Para os aeroportos que não disponibilizam o horário de calço nestas telas, a equipe de pesquisadores direciona-se até o Centro de Gestão Aeroportuária (CGA), ou área equivalente, para anotação do registro. No sistema de coleta eletrônica, este horário de calço da aeronave é um campo aberto, ou seja, não se dá de forma automática, devido à impossibilidade de visualização, bem como, das questões operacionais de cada aeroporto. A medição é realizada da seguinte forma: 1- Ao início do período de avaliação, registra-se o horário em que a primeira bagagem com a etiqueta do voo pesquisado é colocada na esteira; 10

11 2- Registra-se o momento em que a última bagagem com a etiqueta do voo acompanhado é colocada na esteira; 3- Registra-se o horário de calço da aeronave e a posição de estacionamento (desembarque remoto ou passarela); 4- Registra-se a quantidade de esteiras disponíveis e em funcionamento no momento da medição. I. Controle Aduaneiro Após a restituição das bagagens, os passageiros desembarcados de voos internacionais devem apresentar-se à Aduana. O passageiro pode dirigir-se para o canal nada a declarar ou para canal bens a declarar. Monitora-se, as duas formações de fila. Para a fila do canal nada a declarar, considera-se o momento de saída da fila. Para a fila do canal bens a declarar considera-se o momento de saída da fila quando o passageiro entra na sala restrita. Para consideração das medições do processo aeroportuário do controle aduaneiro destacamse duas definições conceituais: a. Por definição, um passageiro entra em uma fila da aduana no momento em que ele para de andar, posicionado atrás da última pessoa que já estava aguardando. Analogamente, um passageiro sai de uma fila da aduana quando inicia seu deslocamento, saindo da primeira posição em direção ao guichê de atendimento; b. As áreas de circulação de passageiros e as áreas destinadas à formação de fila são definidas no aeroporto, mediante demarcações no piso ou convencionadas pelo limite dos divisores de fila ou de algum outro ponto de referência. A coleta de dados para aferição do tempo de espera em fila e avaliação da área reservada para sua formação deve ser realizada da seguinte forma: 1- Ao início do período de avaliação (a cada 5 minutos), registra-se o horário em que um determinado passageiro entra na fila da aduana; 2- Registra-se o número de guichês disponíveis na área no início da medição; 3- Registra-se se a fila está dentro da área reservada para sua formação ou se invadiu a área definida para a circulação de passageiros; 4- Registra-se o horário em que este mesmo passageiro sai da fila e dirige-se ao guichê, ao ser chamado para o atendimento. Ressalta-se que, exclui-se da medição, o tempo de processamento do atendimento do passageiro; 5- Registra-se o número de guichês em funcionamento que estão atendendo a fila do passageiro pesquisado, no momento de sua saída do atendimento. Destaca-se que guichês tripulados, mas que não estejam atendendo aos passageiros, não são considerados como em atendimento. 11

12 J. Cartão de Embarque São realizadas medições tanto na inspeção de segurança no embarque doméstico, como no embarque internacional, mais uma vez conforme distribuição sugerida pela proporção de ofertas de assentos domésticos e internacionais oferecidos. Para o indicador tempo de embarque considera-se a diferença de tempo entre o último e o primeiro cartão de embarque entregues ao atendente da companhia aérea. Considera-se a fila sequencial de passageiros, excluindo-se a entrega dos cartões de embarque dos passageiros que eventualmente chegarem na última chamada do voo para embarque imediato, após a extinção da fila inicialmente formada Entrevistas com Passageiros Pesquisa Quantitativa Tipo Survey Objetivo da Pesquisa: A pesquisa tem como objetivo avaliar a qualidade dos serviços oferecidos pelos Aeroportos aos passageiros, bem como identificar o grau de satisfação destes usuários; Técnica de coleta de dados: Entrevistas presenciais com passageiros realizadas nas salas de embarque doméstico e internacional dos Aeroportos. As entrevistas são realizadas pelo entrevistador, mediante coleta eletrônica de dados via tablet; Abrangência geográfica: Salas de Embarque e Desembarque dos Aeroportos; Perfil dos respondentes: Passageiros de voos presentes nas Salas de Embarque e Desembarque dos Aeroportos; Amostragem probabilística aleatória simples: Passageiros têm a mesma probabilidade de serem escolhidos como alvo da entrevista; Tamanho amostral: calculado com base no item 3 descrito anteriormente. Segue modelo (memória de cálculo) para definição da amostra: SBSP Congonhas 1 Horário de 8:00 Pico 1 Total de 200 Amostras 1 1 Rótulos de Linha Empresa SOMA SEMANA SOMA SEMANA (80%) SOMA MÊS (80%) % Companhia Distribuição GLO VRG LINHAS AÉREASS/A % 73 TAM TAM LINHAS AÉREAS S/A % 127 Total geral %

13 Destaca-se que no início do projeto seguia-se a margem de erro de 5% e intervalo de confiança sugerido pelo Edital (IC95%) para a definição da quantidade amostral. Desde julho de 2013 adotou-se margem de erro de 3% nas entrevistas dos dois estratos, mantendo-se o IC95%; Escala Likert de 5 pontos: (muito ruim / ruim / regular / bom / muito bom), conforme cartão resposta no anexo e entregues ao passageiro no momento da entrevista; Distribuição das entrevistas: as entrevistas são realizadas ao longo de 11 dias do mês para cada aeroporto, segundo termos do Edital. No entanto, como a Praxian dispõe de equipe de pesquisadores, funcionários do regime CLT, em praticamente todos os aeroportos, são alocados aproximadamente 20 dias de pesquisa ao mês. 13

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 159 EMENDA nº 00 Título: QUALIDADE DE SERVIÇO AEROPORTUÁRIO INDICADORES DE NÍVEL DE SERVIÇO Aprovação: SUMÁRIO SUBPARTE A GENERALIDADES 159.1 Aplicabilidade

Leia mais

JUSTIFICATIVA DE AUDIÊNCIA PÚBLICA

JUSTIFICATIVA DE AUDIÊNCIA PÚBLICA JUSTIFICATIVA DE AUDIÊNCIA PÚBLICA Ementa: Proposta de ato normativo para regulamentar a apresentação de informações relativas à movimentação aeroportuária. 1. Do Objetivo Com o recebimento das informações

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA PARTICIPAÇÃO NO CENTRO DE GERENCIAMENTO DE TERMINAIS AEROPORTUÁRIOS CGA

PROCEDIMENTOS PARA PARTICIPAÇÃO NO CENTRO DE GERENCIAMENTO DE TERMINAIS AEROPORTUÁRIOS CGA MANUAL DE PROCEDIMENTOS INTERNOS SIA MPI-502-R00 PROCEDIMENTOS PARA PARTICIPAÇÃO NO CENTRO DE GERENCIAMENTO DE TERMINAIS AEROPORTUÁRIOS CGA Edifício Parque Cidade Corporate - Torre A Setor Comercial Sul

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS. 3 TRIMESTRE 2015 Julho - Setembro

RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS. 3 TRIMESTRE 2015 Julho - Setembro 1. 2015 RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS 3 TRIMESTRE 2015 Julho - Setembro ENTIDADES ENVOLVIDAS NA EXECUÇÃO DA PESQUISA COORDENAÇÃO DA PESQUISA INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012. RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012. Dispõe sobre a obrigação dos operadores de aeródromo de informar à ANAC a capacidade operacional. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício das

Leia mais

RELATÓRIO GERAL DOS INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL EM AEROPORTOS JULHO-SETEMBRO

RELATÓRIO GERAL DOS INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL EM AEROPORTOS JULHO-SETEMBRO 2013 RELATÓRIO GERAL DOS INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL EM AEROPORTOS JULHO-SETEMBRO ENTIDADES ENVOLVIDAS NA EXECUÇÃO DA PESQUISA COORDENAÇÃO DA PESQUISA INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL

Leia mais

Secretaria Especial de Direitos Humanos. Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos

Secretaria Especial de Direitos Humanos. Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos Secretaria Especial de Direitos Humanos Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DAS MULHERES, DA IGUALDADE RACIAL E DOS DIREITOS HUMANOS

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS. 4 TRIMESTRE 2014 Outubro - Dezembro

RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS. 4 TRIMESTRE 2014 Outubro - Dezembro 1. 2014 RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS 4 TRIMESTRE 2014 Outubro - Dezembro ENTIDADES ENVOLVIDAS NA EXECUÇÃO DA PESQUISA COORDENAÇÃO DA PESQUISA INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 350, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 350, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 350, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe sobre o modelo de regulação tarifária, do reajuste dos tetos das tarifas aeroportuárias e estabelece regras para arrecadação e recolhimento. A DIRETORIA

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 4 DO CONTRATO TARIFAS

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 4 DO CONTRATO TARIFAS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 4 DO CONTRATO TARIFAS 1 Sumário 1. Informações iniciais... 3 1.1. Introdução... 3 1.2. Definições... 3 2. Tarifas... 6 2.1. Considerações... 6 2.2. Tarifas Aeroportuárias...

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS. 2 TRIMESTRE 2014 Abril - Junho

RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS. 2 TRIMESTRE 2014 Abril - Junho 2014 RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS 2 TRIMESTRE 2014 Abril - Junho ENTIDADES ENVOLVIDAS NA EXECUÇÃO DA PESQUISA COORDENAÇÃO DA PESQUISA INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL. REGULAMENTO Prêmio AEROPORTOS + BRASIL - 2015 CAPÍTULO I DO PRÊMIO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL. REGULAMENTO Prêmio AEROPORTOS + BRASIL - 2015 CAPÍTULO I DO PRÊMIO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL REGULAMENTO Prêmio AEROPORTOS + BRASIL - 2015 CAPÍTULO I DO PRÊMIO Art. 1 o O Prêmio AEROPORTOS + BRASIL - 2015 é uma iniciativa da Secretaria de Aviação

Leia mais

Temporada de Verão IATA 2012. Malha de S12. Reunião de orientação com as empresas Aeroporto Internacional de Guarulhos 13 de setembro de 2011

Temporada de Verão IATA 2012. Malha de S12. Reunião de orientação com as empresas Aeroporto Internacional de Guarulhos 13 de setembro de 2011 Temporada de Verão IATA 2012 Malha de S12 Reunião de orientação com as empresas Aeroporto Internacional de Guarulhos 13 de setembro de 2011 ROTEIRO Introdução Calendário de atividades Orientações gerais

Leia mais

INFORMATIVO : TRANSPORTE AÉREO

INFORMATIVO : TRANSPORTE AÉREO INFORMATIVO : TRANSPORTE AÉREO DIREITO À INFORMAÇÃO: INFORMAÇÃO CLARA E PRECISA: CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR Art. 6º São direitos básicos do consumidor: III - a informação adequada e clara sobre os

Leia mais

ANEXO I REGRAS E DIRETRIZES METODOLÓGICAS PARA OBTENÇÃO DOS INDICADORES DE SERVIÇOS DIRETOS E DE DISPONIBILIDADE DE EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES

ANEXO I REGRAS E DIRETRIZES METODOLÓGICAS PARA OBTENÇÃO DOS INDICADORES DE SERVIÇOS DIRETOS E DE DISPONIBILIDADE DE EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES ANEXO I REGRAS E DIRETRIZES METODOLÓGICAS PARA OBTENÇÃO DOS INDICADORES DE SERVIÇOS DIRETOS E DE DISPONIBILIDADE DE EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES 1. Indicadores de Serviços Diretos 1.1 Tempo na fila de inspeção

Leia mais

Infraestrutura Aeroportuária: Desafios e Perspectivas

Infraestrutura Aeroportuária: Desafios e Perspectivas Infraestrutura Aeroportuária: Desafios e Perspectivas 8 de dezembro de 2011 SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL INFRAERO ANAC Ministério da Defesa DECEA AVIAÇÃO CIVIL PANORAMA INVESTIMENTOS CONCESSÕES INFRAERO

Leia mais

Acessibilidade. Dicas ANAC

Acessibilidade. Dicas ANAC Acessibilidade Dicas ANAC Acessibilidade Assistência especial Passageiros que podem solicitar assistência especial: Gestantes; Idosos a partir de 60 anos; Lactantes; Pessoas com criança de colo; Pessoas

Leia mais

Gol inova em seu aplicativo móvel e possibilita aos clientes maior controle de antecipação, adiamento e remarcação de voos

Gol inova em seu aplicativo móvel e possibilita aos clientes maior controle de antecipação, adiamento e remarcação de voos Gol inova em seu aplicativo móvel e possibilita aos clientes maior controle de antecipação, adiamento e remarcação de voos Perfil Com 14 anos no mercado, a Gol se tornou referência mundial ao democratizar

Leia mais

DECLARAÇÃO DE CAPACIDADE OPERACIONAL RIOGALEÃO

DECLARAÇÃO DE CAPACIDADE OPERACIONAL RIOGALEÃO DECLARAÇÃO DE CAPACIDADE OPERACIONAL RIOGALEÃO Temporada S15 29/03/15 a 24/10/15 27 de março de 2015 RIOgaleão - Aeroporto Internacional Tom Jobim Sigla ICAO: SBGL Horário de Funcionamento: H24 Responsável

Leia mais

LAN e TAM investem mais de US$100 milhões em tecnologias digitais para tornaro atendimento aos passageiros mais rápido e eficiente

LAN e TAM investem mais de US$100 milhões em tecnologias digitais para tornaro atendimento aos passageiros mais rápido e eficiente LAN e TAM investem mais de US$100 milhões em tecnologias digitais para tornaro atendimento aos passageiros mais rápido e eficiente As companhias apresentaram oito produtos e soluções tecnológicas que aumentam

Leia mais

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO CFN N. REGIME DE EXECUÇÃO: Menor Preço Global (maior percentual de desconto)

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO CFN N. REGIME DE EXECUÇÃO: Menor Preço Global (maior percentual de desconto) Página 1 de 7 ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO CFN N LICITAÇÃO/MODALIDADE: Pregão Presencial nº 06/2008 REGIME DE EXECUÇÃO: Menor Preço Global (maior percentual de desconto) 1. DO ORGÃO INTERESSADO

Leia mais

Eficiência Funcionários Check-In

Eficiência Funcionários Check-In Eficiência Funcionários Check-In Sinalização dos fluxos, através de divisores, displays e sinalização horizontal; Alteração de layout áreas de formação de fila; Triagem dos passageiros na entrada da área

Leia mais

Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República. 23 de novembro de 2011

Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República. 23 de novembro de 2011 Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República 23 de novembro de 2011 Secretaria de Aviação Civil INFRAERO ANAC Ministério da Defesa DECEA 1960 1962 1964 1966 1968 1970 1972 1974 1976 1978 1980

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESPÍRITO SANTO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESPÍRITO SANTO ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. JUSTIFICATIVA Tendo em vista a necessidade desta Administração transportar magistrados e servidores para outros Estados, com o intuito de realizar cursos de aperfeiçoamento,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 218, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº 218, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2012. RESOLUÇÃO Nº 218, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2012. Estabelecer procedimentos para divulgação de percentuais de atrasos e cancelamentos de voos do transporte aéreo público regular de passageiros. A DIRETORIA

Leia mais

Azul+Trip Juntas pelo Brasil

Azul+Trip Juntas pelo Brasil Azul+Trip Juntas pelo Brasil 1 Azul Trip S.A. Composição Acionária 2 Azul+Trip: Números Azul+Trip: Malha completa 100 destinos + de 800 voos diários Opera nas maiores regiões metropolitanas no Brasil,

Leia mais

PORTARIA N 3401/SIA/SRE, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2013.

PORTARIA N 3401/SIA/SRE, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2013. PORTARIA N 3401/SIA/SRE, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2013. Dispõe sobre regras e diretrizes metodológicas para a obtenção dos indicadores de Serviços Diretos e Disponibilidade de Equipamentos e Instalações que

Leia mais

AEROPORTO INTERNACIONAL DA DA GRANDE NATAL SÃO SÃO GONÇALO DO DO AMARANTE - RN - RN

AEROPORTO INTERNACIONAL DA DA GRANDE NATAL SÃO SÃO GONÇALO DO DO AMARANTE - RN - RN AEROPORTO INTERNACIONAL DA DA GRANDE NATAL SÃO SÃO GONÇALO DO DO AMARANTE - RN - RN PROJETOS Instalações que compõem o escopo do empreendimento: Via de acesso principal à área terminal; Estacionamento

Leia mais

RELATÓRIO GERAL INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL EM AEROPORTOS 1º TRIMESTRE DE 2013

RELATÓRIO GERAL INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL EM AEROPORTOS 1º TRIMESTRE DE 2013 RELATÓRIO GERAL INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL EM AEROPORTOS 1º TRIMESTRE DE 2013 ENTIDADES ENVOLVIDAS NA EXECUÇÃO DA PESQUISA COORDENAÇÃO DA PESQUISA INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL

Leia mais

39 aeroportos envolvidos, localizados nas cidades-sede ou a até 200 km delas

39 aeroportos envolvidos, localizados nas cidades-sede ou a até 200 km delas GRANDES NÚMEROS 39 aeroportos envolvidos, localizados nas cidades-sede ou a até 200 km delas mais de 1 milhão de atletas, delegações e turistas circulando pelos principais aeroportos do evento. 4 mil são

Leia mais

Seja qual for a configuração do terminal passageiros percorrem uma sequência de atividades quando no aeroporto:

Seja qual for a configuração do terminal passageiros percorrem uma sequência de atividades quando no aeroporto: TRA 57_Operações em Aeroportos Fluxos, Processos e Atividades Operacionais: TPS Giovanna Miceli Ronzani Borille (ronzani@ita.br) processo Seja qual for a configuração do terminal passageiros percorrem

Leia mais

RESOLUÇÃO N 015, DE 02 DE MARÇO DE 2012

RESOLUÇÃO N 015, DE 02 DE MARÇO DE 2012 S E RVIÄO P ÅBLIC O FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÄÇO, CIÉNCIA E TECNOLOGIA DO CEARÑ CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 015, DE 02 DE MARÇO DE 2012 Aprova a Proposta do Programa de Bolsas IFCE Internacional.

Leia mais

Forma de Pagamento Descritivo Forma Tarifa Taxa Total

Forma de Pagamento Descritivo Forma Tarifa Taxa Total PLATINUM TURISMO Usuário: Alberto Arrazi - CRP Telefone (comercial): 55 11 21342134 Telefone (emergência): 55 11 31204040 Dados da Emissão E-Ticket 969-0002032156 Localizador V9LHTL Sistema Gol Passageiro

Leia mais

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo ANEXO VII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 054/2015 Termo de Referência 1. OBJETO 1.1. Contratação de empresa do ramo visando o agenciamento de viagem na prestação de serviços para cotação, reserva, emissão, cancelamento,

Leia mais

Forma de Pagamento Descritivo Forma Tarifa Taxa Total

Forma de Pagamento Descritivo Forma Tarifa Taxa Total PLATINUM TURISMO Usuário: Alberto Arrazi - CRP Telefone (comercial): 55 11 21342134 Telefone (emergência): 55 11 31204040 Dados da Emissão E-Ticket 969-0002032155 Localizador SC1VQS Sistema Gol Passageiro

Leia mais

TRANSPORTE II ENARTE Guia de Embarque-Desembarque, Traslado e Estacionamento

TRANSPORTE II ENARTE Guia de Embarque-Desembarque, Traslado e Estacionamento TRANSPORTE II ENARTE Guia de Embarque-Desembarque, Traslado e Estacionamento LOCAL DO EVENTO: ESCOLA ESTADUAL DOM PEDRO I Rua Américo Gomes da Costa, 59 - Vila Americana distrito São Miguel Paulista São

Leia mais

Aeroporto Internacional Pinto Martins Fortaleza - CE

Aeroporto Internacional Pinto Martins Fortaleza - CE Execução das Obras e Serviços de Engenharia para Reforma, Ampliação e Modernização do Terminal de Passageiros - TPS, Adequação do Sistema Viário de Acesso e Ampliação do Pátio de Estacionamento de Aeronaves

Leia mais

LEI Nº 7.183, DE 05 DE ABRIL DE 1984. CAPíTULO I. SEçãO I

LEI Nº 7.183, DE 05 DE ABRIL DE 1984. CAPíTULO I. SEçãO I LEI Nº 7.183, DE 05 DE ABRIL DE 1984. Regula o exercício da profissão de aeronauta e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

GUIA DE TAXAS REGULADAS 2016 GRUPO ANA

GUIA DE TAXAS REGULADAS 2016 GRUPO ANA GUIA DE TAXAS REGULADAS 2016 GRUPO ANA 1 INDICE AEROPORTOS DA REDE ANA... 3 PROCEDIMENTOS PARA OPERAÇÃO NOS AEROPORTOS DA REDE ANA... 3 FATURAÇÃO E PAGAMENTO DE TAXAS... 4 DEFINIÇÕES... 5 TAXAS DE TRÁFEGO...

Leia mais

TIPOS DE PASSAGEIROS COM NECESSIDADES ESPECIAIS. A Vueling distingue os passageiros com necessidades especiais nas seguintes categorias:

TIPOS DE PASSAGEIROS COM NECESSIDADES ESPECIAIS. A Vueling distingue os passageiros com necessidades especiais nas seguintes categorias: Para tornar a tua viagem o mais simples possível, comunica-nos as tuas necessidades especiais, pelo menos, com 48 horas de antecedência. Podes fazê-lo no momento da reserva, durante o processo de compra

Leia mais

Manual Operacional do Sistema de Concessão de Diárias e Passagens - SCDP Representante Administrativo (AGOSTO 2010)

Manual Operacional do Sistema de Concessão de Diárias e Passagens - SCDP Representante Administrativo (AGOSTO 2010) Manual Operacional do Sistema de Concessão de Diárias e Passagens - SCDP Representante Administrativo (AGOSTO 2010) Índice 1. Reserva Passagem...03 1.1. Remarcação de Bilhete...13 2 1. Reserva Passagem

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO RIO DE JANEIRO SRRJ AÇÕES RELACIONADAS AOS 07 JUNHO 2011

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO RIO DE JANEIRO SRRJ AÇÕES RELACIONADAS AOS 07 JUNHO 2011 AÇÕES RELACIONADAS AOS AEROPORTOS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO RIO DE JANEIRO SRRJ 07 JUNHO 2011 AEROPORTOS SBGL AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO/GALEÃO ANTONIO CARLOS

Leia mais

Estudo do setor de transporte aéreo do Brasil

Estudo do setor de transporte aéreo do Brasil Estudo do setor de transporte aéreo do Brasil Propostas de melhoria de layout nos aeroportos São Paulo, 26 de fevereiro de 2010 Este documento é parte integrante do CD anexo ao Estudo do Setor de Transporte

Leia mais

TARIFA OPERADORA TAM Procedimentos e orientações para consulta, reserva e emissão de bilhetes TAM Tarifa Operadora

TARIFA OPERADORA TAM Procedimentos e orientações para consulta, reserva e emissão de bilhetes TAM Tarifa Operadora Abril/2012 Feito por Iordan Moura / Analista Web TARIFA OPERADORA TAM Procedimentos e orientações para consulta, reserva e emissão de bilhetes TAM Tarifa Operadora Clube Turismo Matriz Av. Pres. Epitácio

Leia mais

Projeto: Resumo de Passageiros Embarcados WEB - RPEWEB Manual do Usuário

Projeto: Resumo de Passageiros Embarcados WEB - RPEWEB Manual do Usuário Projeto: Resumo de Passageiros Embarcados WEB - RPEWEB Manual do Usuário Histórico Revisões Data Versão Descrição Autor 25/05/2012 0.1 Criação do Documento. TechBiz Informática Sumário 1 Objetivos do Documento...

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO COMANDANTE DA AERONÁUTICA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO COMANDANTE DA AERONÁUTICA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO COMANDANTE DA AERONÁUTICA COMANDO DA AERONÁUTICA PORTARIA N o 306/GC5, DE 25 DE MARÇO DE 2003. Aprova a Instrução sobre a cobrança das Tarifas Aeroportuárias de Embarque,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE AGÊNCIAMENTO DE VIAGENS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE AGÊNCIAMENTO DE VIAGENS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE AGÊNCIAMENTO DE VIAGENS MODALIDADE: CONCORRÊNCIA ESPECIAL CRITÉRIO DE JULGAMENTO: MAIS VANTAJOSO DATA LIMITE PARA ENTREGA DE ORÇAMENTO: 01/06/2016 1.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA Nº 602/GC-5, DE 22 DE SETEMBRO DE 2000. Estabelece os procedimentos para a aplicação e para a cobrança das Tarifas

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO Secretaria de Administração TERMO DE REFERÊNCIA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO Secretaria de Administração TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA n OBJETO 1.1- Contratação de empresa especializada para FORNECIMENTO 0E PASSAGENS AÉREAS EM ÂMBITO NACIONAL E INTERNACIONAL PARA ESTE, mediante menor preço, apurado pelo menor valor

Leia mais

ACESSIBILIDADE EM VEÍCULOS PARA O TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS

ACESSIBILIDADE EM VEÍCULOS PARA O TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

Sistema ADC XXI Antecipação de destino e chamada

Sistema ADC XXI Antecipação de destino e chamada Antecipação de destino e chamada TK Elevadores Americas Business Unit tk Bem-vindo ao futuro! ADC XXI, a mais avançada tecnologia em sistemas de antecipação de destino e chamadas, desenvolvido pela ThyssenKrupp

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES. PORTARIA N.º 261, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2012 (DOU de 04/12/2012 Seção I Pág. 79)

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES. PORTARIA N.º 261, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2012 (DOU de 04/12/2012 Seção I Pág. 79) MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES PORTARIA N.º 261, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2012 (DOU de 04/12/2012 Seção I Pág. 79) Disciplina a concessão e a administração do benefício de passe livre à pessoa com deficiência,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 255, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº 255, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. RESOLUÇÃO Nº 255, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. Estabelece regras sobre a disponibilização de Informações Antecipadas sobre Passageiros (API) e do Registro de Identificação de Passageiros (PNR). A DIRETORIA

Leia mais

PESQUISA DE MERCADO AMOSTRAGEM

PESQUISA DE MERCADO AMOSTRAGEM PESQUISA DE MERCADO Universo, população e amostra Coleta de dados: é impossível adquirir informações de um todo (universo ou população); Por essa razão escolhe-se uma parte do todo (amostra) representação

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO Nº 167, DE 17 DE AGOSTO DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO Nº 167, DE 17 DE AGOSTO DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO Nº 167, DE 17 DE AGOSTO DE 2010. Estabelece diretrizes para o gerenciamento de risco à Segurança da Aviação Civil contra Atos de Interferência Ilícita (AVSEC)

Leia mais

+ 20. Países. Pré-Embarque 2015. Eleita a Melhor Agência da America Latina. Expert EM INTERCÂMBIO. 50 anos No Brasil

+ 20. Países. Pré-Embarque 2015. Eleita a Melhor Agência da America Latina. Expert EM INTERCÂMBIO. 50 anos No Brasil + 20 Países Pré-Embarque 2015 5X Eleita a Melhor Agência da America Latina Expert EM INTERCÂMBIO 50 anos No Brasil 1 Preparação 2 Embarque e Desembarque 3 Os Papéis 4 Durante o Programa 5 Retorno ao Brasil

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL NOTA TÉCNICA

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL NOTA TÉCNICA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL NOTA TÉCNICA ASSUNTO: Coordenação de aeroportos, alocação inicial de slots e aplicação ao Aeroporto Santos Dumont (SBRJ). 1. OBJETIVO A presente nota técnica tem como

Leia mais

1ª OPERACIONAL/2015. Diretoria de Aeroportos

1ª OPERACIONAL/2015. Diretoria de Aeroportos 1ª OPERACIONAL/2015 Diretoria de Aeroportos AGOSTO 2015 ROTEIRO Planejamento Estratégico da Empresa Mudança na Metodologia de Gestão Relação entre Investimentos e Resultados Projeto Eficiência Operacional

Leia mais

NOTA DA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL - Perguntas e Respostas sobre o processo de concessão Viernes 30 de Septiembre de 2011 17:32

NOTA DA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL - Perguntas e Respostas sobre o processo de concessão Viernes 30 de Septiembre de 2011 17:32 There are no translations available. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL Perguntas e Respostas sobre o processo de concessão A concessão Por que o governo resolveu fazer a concessão? Nos

Leia mais

Objetivos. Teoria de Filas. Teoria de Filas

Objetivos. Teoria de Filas. Teoria de Filas Objetivos Teoria de Filas Michel J. Anzanello, PhD anzanello@producao.ufrgs.br 2 Teoria de Filas Filas estão presentes em toda a parte; Exemplos evidentes de fila podem ser verificados em bancos, lanchonetes,

Leia mais

Apresentação para a Câmara dos Deputados: Cobrança de serviços adicionais pelas empresas aéreas

Apresentação para a Câmara dos Deputados: Cobrança de serviços adicionais pelas empresas aéreas Apresentação para a Câmara dos Deputados: Cobrança de serviços adicionais pelas empresas aéreas Exposição: Ricardo Bisinotto Catanant - Gerente - 27 de Abril de 2011 Cobrança de serviços adicionais pelas

Leia mais

CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE PROGRAMAS DE VIAGEM INTERNACIONAL. Os passageiros: NOME NUMERO DO CPF NUMERO DO RG DATA NASC.

CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE PROGRAMAS DE VIAGEM INTERNACIONAL. Os passageiros: NOME NUMERO DO CPF NUMERO DO RG DATA NASC. CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE PROGRAMAS DE VIAGEM INTERNACIONAL Os passageiros: NOME NUMERO DO CPF NUMERO DO RG DATA NASC. 1 2 3 4 5 6 7 Estão contratando com a MUNDOJVS VIAGENS E TURISMO LTDA - a intermediação

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. Do objeto 1.1. Contratação de 01 (uma) empresa especializada em avaliação econômica para realizar a avaliação econômica do valor da marca BRB. 2. Objetivo 2.1. A presente

Leia mais

FROTA - SISTEMA DE CONTROLE DE ATIVOS FERROVIÁRIOS

FROTA - SISTEMA DE CONTROLE DE ATIVOS FERROVIÁRIOS FROTA - SISTEMA DE CONTROLE DE ATIVOS FERROVIÁRIOS Márcio José Camargo Rosalia Naomi Oyakawa 20ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA PRÊMIO TECNOLOGIA E DESENVOLVIMENTO METROFERROVIÁRIOS Categoria 3

Leia mais

1 TÍTULO DO TRABALHO/TEMA

1 TÍTULO DO TRABALHO/TEMA 1 TÍTULO DO TRABALHO/TEMA O título do trabalho de conclusão de curso do grupo será: Aeroporto de Cumbica: gargalo nas operações logísticas com a chegada de grandes eventos. Com a chegada dos grandes eventos

Leia mais

Resolução nº 119, de 15 de dezembro de 2015.

Resolução nº 119, de 15 de dezembro de 2015. Resolução nº 119, de 15 de dezembro de 2015. O Presidente em Exercício do do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - IFRS, considerando o que foi deliberado na reunião

Leia mais

I.1 RESPONSÁVEL PELAS OPERAÇÕES NO MAR

I.1 RESPONSÁVEL PELAS OPERAÇÕES NO MAR 1 / 9 I CONSIDERAÇÕES INICIAIS O Responsável do Grupo de deve ser realizado preferencialmente a partir de aeronaves, onde é possível uma melhor visualização do cenário e das características da mancha de

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta.

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações METODOLOGIA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES ORIGEM Departamento de

Leia mais

Sua estrutura envolve matriz no Rio de Janeiro (RJ) e filiais em São Paulo (SP), Belo Horizonte (MG) e Miami (EUA).

Sua estrutura envolve matriz no Rio de Janeiro (RJ) e filiais em São Paulo (SP), Belo Horizonte (MG) e Miami (EUA). A EMPRESA 100% nacional, a Skymidia opera há 16 anos com tecnologia associada à publicidade. Além dos inovadores carregadores de celulares, a empresa atua no segmento de mídia aeroportuária. Sua estrutura

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS FEVEREIRO DE 2008 JOB294 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL Levantar junto à população da área em estudo opiniões relacionadas

Leia mais

Normas da Viagem de Incentivo 2015

Normas da Viagem de Incentivo 2015 Normas da Viagem de Incentivo 2015 MSC Armonia De 15 a 19 de Fevereiro de 2016 (Cruzeiro fretamento de 4 noites) OU De 22 a 26 a Fevereiro de 2016 (Cruzeiro fretamento de 4 noites) Inclui: Acomodação para

Leia mais

Bagagem. Voos nacionais. Bagagem despachada DICAS IMPORTANTES

Bagagem. Voos nacionais. Bagagem despachada DICAS IMPORTANTES Voos nacionais Bagagem despachada Bagagem Nas aeronaves com mais de 31 assentos, cada passageiro (adulto ou criança) tem direito a 23 Kg de bagagem (franquia de bagagem). Pode-se despachar mais de um volume,

Leia mais

APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS NO SISTEMA DE ATENDIMENTO DE UMA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO

APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS NO SISTEMA DE ATENDIMENTO DE UMA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS NO SISTEMA DE ATENDIMENTO DE UMA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO Ana Victoria da Costa Almeida (anavictoriaalmeida@yahoo.com.br / UEPA) Kelvin Cravo Custódio (kelvim_scb9@hotmail.com

Leia mais

BOOK CONSOLIDADO TABELA DE PREÇOS 2016 01/03/2016

BOOK CONSOLIDADO TABELA DE PREÇOS 2016 01/03/2016 BOOK CONSOLIDADO TABELA DE PREÇOS 2016 01/03/2016 ÁREA EXTERNA TABELA DE PREÇOS 2016 01/Março/2016 ÁREA PÚICA VA VIA DE ACESSO BUS STOP - 7 PONTOS (3 FACES) LA LUZ AMBIENTE Peças: 001BUS / 002BUS / 005BUS

Leia mais

notícias esportes entretenimento vídeos buscar

notícias esportes entretenimento vídeos buscar Page 1 of 8 notícias esportes entretenimento vídeos buscar E-mail Agenda Docs Procurar e-mail Mostrar opções de pesquisa Criar filtro Escrever e-mail Entrada (5401) Com estrela Enviados Rascunhos (57)

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE TURISMO

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE TURISMO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE TURISMO 1. CONDIÇÕES GERAIS A TOURINN OPERADORA E AGÊNCIA DE VIAGENS E TURISMO LTDA ME formulou este contrato à luz do Código de Defesa do Consumidor, da Deliberação

Leia mais

Aeroporto Internacional de Porto Alegre Salgado Filho

Aeroporto Internacional de Porto Alegre Salgado Filho 1ª OPERACIONAL/2015 Aeroporto Internacional de Porto Alegre Salgado Filho 3º Seminário de Autoridades Aeroportuárias Boas Práticas de Gestão nos Aeroportos AGOSTO/2015 EVOLUÇÃO DO MOVIMENTO DE AERONAVES

Leia mais

Superintendência Regional do Centro-Leste SRCE

Superintendência Regional do Centro-Leste SRCE Superintendência Regional do Centro-Leste SRCE Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária 39 anos de tradição. Reúne uma força de trabalho de aproximadamente 36.744 profissionais, entre empregados

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA Nº 1592/GM5, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984. Alterada pela Portaria n.º 484/GM5, de 20 JUL 88 (*). Alterada pela Portaria n.º 677 /GM2, de 10 SET

Leia mais

Perguntas Frequentes. Atração de Jovens Talentos BJT

Perguntas Frequentes. Atração de Jovens Talentos BJT Perguntas Frequentes Atração de Jovens Talentos BJT Diretoria de Relações Internacionais Coordenação-Geral de Bolsas e Projetos CGBP Coordenação de Acompanhamento de Bolsistas no Exterior CBE Brasília,

Leia mais

QUESTÕES ATUAIS DA REGULAÇÃO DA AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA. NDSR FD/UnB 13 de novembro de 2015

QUESTÕES ATUAIS DA REGULAÇÃO DA AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA. NDSR FD/UnB 13 de novembro de 2015 QUESTÕES ATUAIS DA REGULAÇÃO DA AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA NDSR FD/UnB 13 de novembro de 2015 História e panorama regulatório Serviços aéreos Situação jurídica dos usuários LIÇÕES DA CRISE (1) crises graves

Leia mais

1. Metodologia. Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa Regular Bimestral 2009/01

1. Metodologia. Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa Regular Bimestral 2009/01 2 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Bimestral 2009/01 No período entre 17 a 24 de junho de 2009 foi realizado o levantamento de dados da Pesquisa Quantitativa Regular Bimestral 01. O objetivo

Leia mais

NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DE ÔNIBUS / MICRO ÔNIBUS / VAN Subfrota Câmpus de São José do Rio Preto VIGÊNCIA A PARTIR DE 01.07.2009

NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DE ÔNIBUS / MICRO ÔNIBUS / VAN Subfrota Câmpus de São José do Rio Preto VIGÊNCIA A PARTIR DE 01.07.2009 NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DE ÔNIBUS / MICRO ÔNIBUS / VAN Subfrota Câmpus de São José do Rio Preto VIGÊNCIA A PARTIR DE 01.07.2009 1- PRIORIDADES 1.1. Atividades didáticas; 1.2. Atividades científicas; 1.3.

Leia mais

GE.01/202.75/00889/01 GERAL GERAL ARQUITETURA / URBANISMO INFRAERO GE.01/202.75/00889/01 1 / 6 REVISÃO GERAL 07.07.05 ARQ. CLAUDIA

GE.01/202.75/00889/01 GERAL GERAL ARQUITETURA / URBANISMO INFRAERO GE.01/202.75/00889/01 1 / 6 REVISÃO GERAL 07.07.05 ARQ. CLAUDIA INFRAERO GE.01/202.75/00889/01 1 / 6 01 REVISÃO GERAL 07.07.05 ARQ. CLAUDIA REV. M O D I F I C A Ç Ã O DATA PROJETISTA DESENHISTA APROVO Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária ESCALA DATA

Leia mais

SEGURO DE CARGA VIA TRANSPORTE MARÍTIMO NAS OPERAÇÕES LOGÍSTICAS DAS EMPRESAS IMPORTADORAS DE CRICIÚMA/SANTA CATARINA

SEGURO DE CARGA VIA TRANSPORTE MARÍTIMO NAS OPERAÇÕES LOGÍSTICAS DAS EMPRESAS IMPORTADORAS DE CRICIÚMA/SANTA CATARINA SEGURO DE CARGA VIA TRANSPORTE MARÍTIMO NAS OPERAÇÕES LOGÍSTICAS DAS EMPRESAS IMPORTADORAS DE CRICIÚMA/SANTA CATARINA Eny Cristiny Marcon Teza Matiolla 1, Júlio César Zilli2, Rosane Aléssio Dal Toé 3 1

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 1670/2015

PROJETO DE LEI Nº 1670/2015 Dia 01 de outubro, 2015 TRANSPORTE AÉREO: RAPIDEZ E PREVISIBILIDADE Transporte Aéreo vs Outros - Mundo Volume Outros 0,5% Volume Aéreo 99,5% Valor Outros Valor Aéreo 35% 65% Ref: Transporte Mundial 2014Fonte:

Leia mais

Pesquisa Nacional de Franquias

Pesquisa Nacional de Franquias Pesquisa Nacional de Franquias Perfil e comportamento dos clientes em praças de alimentação São Paulo, maio de 2011 Pesquisa nacional Perfil e Comportamento de Clientes de Praças de Alimentação 1 Agenda

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA TOMADA DE PREÇOS N 003/2013 PROCESSO Nº 013/2013 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA I DO OBJETO 1.1 Contratação de empresa especializada na prestação de serviços de reserva, emissão, marcação, remarcação, endosso

Leia mais

MÓDULO II - Qualificação Técnica de Nível Médio de AUXILIAR DE PROCESSOS OPERACIONAIS

MÓDULO II - Qualificação Técnica de Nível Médio de AUXILIAR DE PROCESSOS OPERACIONAIS II. 1 PROCESSOS DE SUPRIMENTOS Função: Processos Operacionais de Suprimentos 1. Analisar os diversos tipos de fornecedores quanto às suas características produtivas, técnicas, tecnológicas e econômicas,

Leia mais

CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO DE SERVIÇOS TURÍSTICOS QUADRO RESUMO

CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO DE SERVIÇOS TURÍSTICOS QUADRO RESUMO CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO DE SERVIÇOS TURÍSTICOS QUADRO RESUMO 1. CONTRATANTE(s): 2. CONTRATADA: CALCOS BRASIL VIAGENS E TURISMO LTDA., CNPJ/MF 55.257.901/0001-55, Av. São Luiz, 86, 3º andar, São Paulo/SP.

Leia mais

*Dados disponíveis se as cias aéreas fornecerem as informações de atrasos e cancelamentos à ANAC

*Dados disponíveis se as cias aéreas fornecerem as informações de atrasos e cancelamentos à ANAC Referência Rápida Visão geral O Sabre Travel Network, líder mundial no fornecimento de soluções para a indústria de viagens, está comprometido com a agilidade e eficiência do seu negócio! O aplicativo

Leia mais

Aula 12. Definição do Orçamento do Plano de Marketing. Profa. Daniela Cartoni

Aula 12. Definição do Orçamento do Plano de Marketing. Profa. Daniela Cartoni Aula 12 Definição do Orçamento do Plano de Marketing Profa. Daniela Cartoni Orçamento do Plano de Marketing Em paralelo ao plano de ação, é necessário que a empresa constitua um orçamento de apoio. Na

Leia mais

Auxílio Financeiro a Estudantes (Mestrado e Doutorado)

Auxílio Financeiro a Estudantes (Mestrado e Doutorado) Auxílio Financeiro a Estudantes (Mestrado e Doutorado) Encaminhar ao Decor/PROPG a Requisição de Auxílio Financeiro a Estudantes devidamente assinada e carimbada pela Coordenação do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

INFRAESTRUTURA TURÍSTICA, MEGAEVENTOS ESPORTIVOS E PROMOÇÃO DE IMAGEM DO BRASIL NO EXTERIOR. Ralph Lima Terra Vice Presidente Executivo

INFRAESTRUTURA TURÍSTICA, MEGAEVENTOS ESPORTIVOS E PROMOÇÃO DE IMAGEM DO BRASIL NO EXTERIOR. Ralph Lima Terra Vice Presidente Executivo INFRAESTRUTURA TURÍSTICA, MEGAEVENTOS ESPORTIVOS E PROMOÇÃO DE IMAGEM DO BRASIL NO EXTERIOR Ralph Lima Terra Vice Presidente Executivo Brasília / DF 16-17 de Agosto de 2011 ÁREAS ATENDIDAS SETORES DA INFRAESTRUTURA

Leia mais

Mais da metade dos brasileiros pagam compras com o cartão de crédito, principalmente roupas, calçados e eletrodomésticos

Mais da metade dos brasileiros pagam compras com o cartão de crédito, principalmente roupas, calçados e eletrodomésticos USO DO CARTÃO DE CRÉDITO Mais da metade dos brasileiros pagam compras com o cartão de crédito, principalmente roupas, calçados e eletrodomésticos Mais da metade dos brasileiros (53%) faz uso do cartão

Leia mais

29 de julho de 2014. 1ª Reunião do Observatório da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte

29 de julho de 2014. 1ª Reunião do Observatório da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte 1ª Reunião do Observatório da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte Mesa 1: Acessibilidade e qualidade do transporte coletivo e das calçadas de Belo Horizonte Em que medida o PlanMob-BH considerou e avançou

Leia mais

SELEÇÃO EXTERNA DE DOCENTE CURSOS DE LETRAS INGLÊS TRADUÇÃO E INTERPRETAÇÃO E LETRAS INGLÊS LICENCIATURA Nº 01/2016

SELEÇÃO EXTERNA DE DOCENTE CURSOS DE LETRAS INGLÊS TRADUÇÃO E INTERPRETAÇÃO E LETRAS INGLÊS LICENCIATURA Nº 01/2016 SELEÇÃO EXTERNA DE DOCENTE CURSOS DE LETRAS INGLÊS TRADUÇÃO E INTERPRETAÇÃO E LETRAS INGLÊS LICENCIATURA Nº 01/2016 EMENTA: SELEÇÃO EXTERNA DE DOCENTE EM REGIME DE HORAS AULA, NOS CURSOS DE: LETRAS INGLÊS

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

ESTRUTURA DA ENTIDADE

ESTRUTURA DA ENTIDADE ESTRUTURA DA ENTIDADE Competitividade Pessoas Sustentabilidade CENÁRIO DA AVIAÇÃO BRASILEIRA PRÉ-2002 Preços regulados pelo Governo Tarifas elevadas Baixo número de consumidores Competição limitada Diferenciação

Leia mais