PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL. REGULAMENTO Prêmio AEROPORTOS + BRASIL CAPÍTULO I DO PRÊMIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL. REGULAMENTO Prêmio AEROPORTOS + BRASIL - 2015 CAPÍTULO I DO PRÊMIO"

Transcrição

1 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL REGULAMENTO Prêmio AEROPORTOS + BRASIL CAPÍTULO I DO PRÊMIO Art. 1 o O Prêmio AEROPORTOS + BRASIL é uma iniciativa da Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República SAC-PR e tem por objetivo premiar os aeroportos melhor avaliados pelos passageiros nas categorias definidas neste regulamento, visando estimular a melhoria da prestação de serviços aeroportuários, orientados para a satisfação dos usuários do transporte aéreo de passageiros. CAPÍTULO II DOS AEROPORTOS PARTICIPANTES Art. 2 o Concorrerão ao Prêmio AEROPORTOS + BRASIL os seguintes aeroportos: Aeroporto de Congonhas (SBSP) - São Paulo/SP; Aeroporto Internacional Afonso Pena (SBCT) - Curitiba/PR; Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim (SBGL) - Rio de Janeiro/RJ; Aeroporto Internacional de Viracopos (SBKP) - Campinas/SP. Aeroporto Internacional Dep. Luís Eduardo Magalhães (SBSV) - Salvador/BA; Aeroporto Internacional dos Guararapes Gilberto Freyre (SBRF) - Recife/PE; Aeroporto Internacional Eduardo Gomes (SBEG) - Manaus/AM; Aeroporto Internacional Gov. André Franco Montoro (SBGR) - Guarulhos/SP; Aeroporto Internacional Governador Aluízio Alves (SBSG) - São Gonçalo do Amarante/RN; Aeroporto Internacional Marechal Rondon (SBCY) - Cuiabá/MT; Aeroporto Internacional Pinto Martins (SBFZ) - Fortaleza/CE; Aeroporto Internacional Pres. Juscelino Kubitschek (SBBR) - Brasília/DF; Aeroporto Internacional Salgado Filho (SBPA) - Porto Alegre/RS; Aeroporto Internacional Tancredo Neves (SBCF) - Confins/MG; e Aeroporto Santos Dumont (SBRJ) - Rio de Janeiro/RJ. CAPÍTULO III DO PERÍODO DE APURAÇÃO Art. 3 o Será considerado o período de 01/01/2014 a 31/12/2014 para a apuração dos resultados, de acordo com pesquisa de satisfação aplicada em passageiros nos aeroportos relacionados no art. 2 o, por empresa previamente contratada pela SAC-PR para coleta de dados de indicadores de desempenho operacional. CAPÍTULO IV DAS CATEGORIAS Art. 4 o A premiação irá considerar os indicadores de desempenho operacional coletados, agrupados nas seguintes categorias: I - Categoria Check-in + Eficiente : a) Indicador Tempo de fila no check-in realizado no guichê de atendimento; b) Indicador Tempo de fila no check-in realizado no auto-atendimento; c) Indicador Percepção do passageiro em relação à eficiência dos funcionários do check-in; II - Categoria Inspeção de Segurança + Eficiente : a) Indicador Tempo de fila na inspeção de segurança; e b) Indicador Rigor na inspeção de segurança.

2 III - Categoria Aeroporto + Confortável : a) Indicador Disponibilidade de meio-fio; b) Indicador Disponibilidade de carrinhos de bagagem; c) Indicador Distância caminhada no terminal de passageiros; d) Indicador Conforto na sala de embarque; e) Indicador Conforto térmico do aeroporto; f) Indicador Conforto acústico do aeroporto; g) Indicador Disponibilidade de assentos na sala de embarque; h) Indicador Disponibilidade de tomadas; i) Indicador Sensação de proteção e segurança; j) Indicador Disponibilidade de sanitários; k) Indicador Facilidade de encontrar o caminho no aeroporto; l) Indicador Painéis de informação de voos; e m) Indicador Facilidade para realizar conexões. IV - Categoria Aeroporto + Cordial : a) Indicador Cordialidade dos funcionários da inspeção de segurança; b) Indicador Cordialidade dos funcionários do aeroporto; c) Indicador Cordialidade dos funcionários de lanchonetes/restaurantes; d) Indicador Cordialidade dos funcionários do comércio; e) Indicador Cordialidade dos funcionários do check-in; f) Indicador Cordialidade dos funcionários da emigração; g) Indicador Cordialidade dos funcionários da imigração; e h) Indicador Cordialidade dos funcionários da aduana. V - Categoria Restituição de Bagagem + Eficiente : a) Indicador Velocidade da restituição de bagagem; b) Indicador Informação nas esteiras de restituição de bagagem; e c) Indicador Integridade da bagagem. VI - Categoria Serviço Público + Eficiente : a) Indicador Tempo de fila na emigração; b) Indicador Tempo de fila na imigração; e c) Indicador Tempo de fila da aduana. VII - Categoria Aeroporto + Limpo : a) Indicador Limpeza dos sanitários; e b) Indicador Limpeza geral do Aeroporto. VIII - Categoria Aeroporto com + Facilidades : a) Indicador Instalações de estacionamento de veículos; b) Indicador Custo do estacionamento; c) Indicador Quantidade e qualidade de lanchonetes/restaurantes; d) Indicador Disponibilidade de bancos/caixas eletrônicos/ casas de câmbio; e) Indicador Quantidade e qualidade de estabelecimentos comerciais; f) Indicador Valor dos produtos de lanchonetes/restaurantes; g) Indicador Tempo de fila nas lanchonetes/restaurantes; h) Indicador Valor dos produtos comerciais; i) Indicador Tempo de fila nos estabelecimentos comerciais; j) Indicador Qualidade Sala VIP; k) Indicador Qualidade da Internet / Wi-Fi; l) Indicador Transporte público; e m) Indicador Disponibilidade de táxi.

3 IX - Categoria Aeroporto + BRASIL : a) Indicador Satisfação geral do passageiro com o aeroporto. CAPÍTULO V DA COLETA DOS INDICADORES Art. 5 o A coleta de dados é efetuada por meio de entrevista presencial realizada nos aeroportos listados no Art 2º deste Regulamento. Art. 6 o As perguntas constantes da entrevista contemplam os indicadores qualitativos descritos nas categorias apresentadas no Art 4º deste Regulamento e seguem a escala de avaliação de 1 a 5, sendo 1 para a menor avaliação possível e 5 para a maior avaliação possível. Art. 7 o A distribuição amostral das entrevistas considera a distribuição de passageiros prevista para os extratos de embarque e desembarque doméstico e internacional, considerando-se um intervalo de confiança de 95% e erro amostral máximo de 5%. CAPÍTULO VI DOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Art. 8 o Para cada aeroporto definido no art. 2º deste Regulamento, será definida uma nota para cada categoria, descritas no art 4º. Art. 9 o A nota de cada categoria será calculada pela média aritmética do conjunto de indicadores, descritos no art 4º. Art. 10. Em cada categoria de indicadores, o aeroporto vencedor será aquele que obtiver a maior nota na respectiva categoria. 1 o As notas obtidas serão compostas numericamente por até duas casas decimais; 2 o Em caso de persistência do empate na nota obtida, serão consideradas as demais casas decimais até se que se obtenha apenas 1 (um) vencedor. CAPÍTULO VII DA PREMIAÇÃO Art. 11. Será premiado apenas 1 (um) aeroporto por categoria. Art. 12. Os aeroportos premiados receberão, de acordo com a categoria, o seguinte selo: a) Exemplo de Categoria Aeroporto + BRASIL : b) Exemplo de Categoria Check-in + Eficiente :

4 CAPÍTULO VIII DA DIVULGAÇÃO Art. 13. A SAC-PR, de acordo com critérios que serão divulgados por ocasião da comunicação da relação dos aeroportos premiados, poderá autorizar, a estes, a utilização do selo do Prêmio AEROPORTOS + BRASIL em seus materiais de divulgação. 1º Cada empresa administradora dos aeroportos vencedores deverá, para isso, apresentar à SAC-PR, posteriormente à entrega do Prêmio, um plano de utilização do selo para sua apreciação e aprovação. 2º O direito de uso do selo do Prêmio AEROPORTOS + BRASIL , pelos aeroportos vencedores, será limitado às categorias as quais estes foram vitoriosos e passará pela expressa permissão, por parte da SAC-PR. 3º A SAC-PR avaliará previamente o uso que se dará ao selo, relacionando-o exclusivamente ao processo, característica ou serviço vencedor. 4º A SAC-PR reserva-se no direito de vetar o uso, por parte dos aeroportos premiados, do selo do Prêmio AEROPORTOS + BRASIL , caso entenda que a utilização extrapole os critérios por ela definidos. Art. 14. A SAC-PR promoverá ampla divulgação do Prêmio AEROPORTOS + BRASIL , assim como dos aeroportos candidatos, sendo que tal divulgação poderá ser feita também, livremente, pelos aeroportos, no que tange à sua participação. Art. 15. A SAC-PR se reserva no direito de difundir e publicar os resultados da premiação, bem como, inseri-los e mantê-los, por tempo indeterminado, em portais ou páginas de internet, em especial através de seu sítio eletrônico que é de livre acesso ao público ( Art. 16. A forma e período de divulgação do selo Prêmio AEROPORTOS + BRASIL e demais meios relacionados, por parte dos aeroportos vencedores, bem como locais permitidos para tal divulgação, serão estabelecidos, de comum acordo, entre a SAC-PR e os administradores dos referidos aeroportos, e sua utilização indevida implicará na retirada obrigatória de todo material relacionado ao prêmio das instalações do aeroporto. CAPÍTULO X DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 17. Os custos com transporte, locomoção, hospedagem e outras despesas pertinentes correrão a cargo de cada um das empresas a serem premiadas e/ou participantes da Cerimônia de Premiação. Parágrafo único. A SAC-PR não se responsabiliza pelos custos descritos no caput deste artigo. Art. 18. O presente regulamento estará disponível no sítio eletrônico da Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República ( Art. 19. O Prêmio AEROPORTOS + BRASIL será conferido em ato solene, em local e data a serem definidos pela SAC-PR.

5 Art. 20. Entidades ou pessoas jurídicas relacionadas ao setor poderão apoiar o Prêmio AEROPORTOS + BRASIL mediante autorização da SAC-PR. Art. 21. Casos omissos, fortuitos ou não constantes deste regulamento serão dirimidos pela SAC-PR.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL. REGULAMENTO Prêmio AEROPORTOS + BRASIL CAPÍTULO I DO PRÊMIO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL. REGULAMENTO Prêmio AEROPORTOS + BRASIL CAPÍTULO I DO PRÊMIO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL REGULAMENTO Prêmio AEROPORTOS + BRASIL - 2016 CAPÍTULO I DO PRÊMIO Art. 1 o O Prêmio AEROPORTOS + BRASIL - 2016 é uma iniciativa da Secretaria de Aviação

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS. 3 TRIMESTRE 2015 Julho - Setembro

RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS. 3 TRIMESTRE 2015 Julho - Setembro 1. 2015 RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS 3 TRIMESTRE 2015 Julho - Setembro ENTIDADES ENVOLVIDAS NA EXECUÇÃO DA PESQUISA COORDENAÇÃO DA PESQUISA INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS. 4 TRIMESTRE 2014 Outubro - Dezembro

RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS. 4 TRIMESTRE 2014 Outubro - Dezembro 1. 2014 RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS 4 TRIMESTRE 2014 Outubro - Dezembro ENTIDADES ENVOLVIDAS NA EXECUÇÃO DA PESQUISA COORDENAÇÃO DA PESQUISA INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL

Leia mais

RELATÓRIO GERAL DOS INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL EM AEROPORTOS JULHO-SETEMBRO

RELATÓRIO GERAL DOS INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL EM AEROPORTOS JULHO-SETEMBRO 2013 RELATÓRIO GERAL DOS INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL EM AEROPORTOS JULHO-SETEMBRO ENTIDADES ENVOLVIDAS NA EXECUÇÃO DA PESQUISA COORDENAÇÃO DA PESQUISA INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS. 2 TRIMESTRE 2014 Abril - Junho

RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS. 2 TRIMESTRE 2014 Abril - Junho 2014 RELATÓRIO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DOS AEROPORTOS 2 TRIMESTRE 2014 Abril - Junho ENTIDADES ENVOLVIDAS NA EXECUÇÃO DA PESQUISA COORDENAÇÃO DA PESQUISA INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL

Leia mais

RELATÓRIO GERAL INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL EM AEROPORTOS 1º TRIMESTRE DE 2013

RELATÓRIO GERAL INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL EM AEROPORTOS 1º TRIMESTRE DE 2013 RELATÓRIO GERAL INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL EM AEROPORTOS 1º TRIMESTRE DE 2013 ENTIDADES ENVOLVIDAS NA EXECUÇÃO DA PESQUISA COORDENAÇÃO DA PESQUISA INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL

Leia mais

Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República. 23 de novembro de 2011

Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República. 23 de novembro de 2011 Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República 23 de novembro de 2011 Secretaria de Aviação Civil INFRAERO ANAC Ministério da Defesa DECEA 1960 1962 1964 1966 1968 1970 1972 1974 1976 1978 1980

Leia mais

110590.32012.7852.4341.187205407096.314

110590.32012.7852.4341.187205407096.314 110590.32012.7852.4341.187205407096.314 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIACAO CIVIL DA PRESIDENCIA DA REPUBLICA Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00003/2012 Às 10:01 horas do dia 05 de

Leia mais

The Role of Business Aviation in the Infrastructure Development of Brazil: A Vision for the Future

The Role of Business Aviation in the Infrastructure Development of Brazil: A Vision for the Future The Role of Business Aviation in the Infrastructure Development of Brazil: A Vision for the Future Brasil O Brasil representa 5% do mercado mundial de aviação executiva e representando a 2ª maior frota

Leia mais

Plano de Investimentos para os Eventos Internacionais Esportivos no Brasil

Plano de Investimentos para os Eventos Internacionais Esportivos no Brasil 40ª RAPv Reunião Anual de Pavimentação Plano de Investimentos para os Eventos Internacionais Esportivos no Brasil INFRAERO Superintendência de Obras Ricardo Ferreira ricardof@infraero.gov.br 26 Outubro

Leia mais

Aeroportos Copa do Mundo 2014. 14 Dezembro 2009

Aeroportos Copa do Mundo 2014. 14 Dezembro 2009 Aeroportos Copa do Mundo 2014 14 Dezembro 2009 Belo Horizonte e Confins - MG 1. Aeroporto Internacional Tancredo Neves Confins 2. Aeroporto de Belo Horizonte/ Pampulha Carlos Drummond de Andrade Brasília

Leia mais

1ª OPERACIONAL/2015. Diretoria de Aeroportos

1ª OPERACIONAL/2015. Diretoria de Aeroportos 1ª OPERACIONAL/2015 Diretoria de Aeroportos AGOSTO 2015 ROTEIRO Planejamento Estratégico da Empresa Mudança na Metodologia de Gestão Relação entre Investimentos e Resultados Projeto Eficiência Operacional

Leia mais

Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República. 10 de novembro de 2011

Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República. 10 de novembro de 2011 Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República 10 de novembro de 2011 Secretaria de Aviação Civil INFRAERO ANAC Ministério da Defesa DECEA PANORAMA Passageiros- quilômetros transportados no Brasil,

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS AEROPORTOS DAS CIDADES- SEDES DA COPA DE 2014 ATRAVÉS DO MÉTODO AHP

AVALIAÇÃO DOS AEROPORTOS DAS CIDADES- SEDES DA COPA DE 2014 ATRAVÉS DO MÉTODO AHP AVALIAÇÃO DOS AEROPORTOS DAS CIDADES- SEDES DA COPA DE 2014 ATRAVÉS DO MÉTODO AHP Helen Feuser Fernandes Hadassa Pereira de Carvalho Cláudio Jorge Pinto Alves Anderson Ribeiro Correia AVALIAÇÃO DOS AEROPORTOS

Leia mais

Infraestrutura Aeroportuária Copa do Mundo 2014

Infraestrutura Aeroportuária Copa do Mundo 2014 VI Seminário ALACPA de Pavimentos Aeroportuários e IV FAA Workshop Infraestrutura Aeroportuária Copa do Mundo 2014 28 Outubro 2009 Arq. Jonas M. Lopes INFRAERO Aeroportos - Copa do Mundo 2014 Belo Horizonte

Leia mais

Mckinsey - BNDES CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DA MATRIZ ORIGEM DESTINO DO TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL. Plano de Pesquisa

Mckinsey - BNDES CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DA MATRIZ ORIGEM DESTINO DO TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL. Plano de Pesquisa Mckinsey - BNDES CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DA MATRIZ ORIGEM DESTINO DO TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL Plano de Pesquisa SÃO PAULO 2009 EQUIPE TÉCNICA FIPE Coordenador Técnico Wilson Abrahão Rabahy Coordenador

Leia mais

Copa do Mundo 2014 Agosto de 2014

Copa do Mundo 2014 Agosto de 2014 Copa do Mundo 2014 Agosto de 2014 Aviação Comercial e GA/BA - 16 aeroportos de cidade sede + 8 de até 200Km terrestre; Exclusivo GA/BA 13 Bases Militares e 5 Aeroportos; Monitorados 53 Aeroportos; Coordenação

Leia mais

5º Painel: Marcos regulatórios e Infra-Estrutura Aeroviária

5º Painel: Marcos regulatórios e Infra-Estrutura Aeroviária I Simpósio Infra-Estrutura e Logística no Brasil: DESAFIOS PARA UM PAÍS EMERGENTE 5º Painel: Marcos regulatórios e Infra-Estrutura Aeroviária Novembro 2008 Constituição Federal Aeródromos Públicos - Responsabilidades

Leia mais

Transporte aéreo no Brasil: evolução da oferta, da demanda e do preço

Transporte aéreo no Brasil: evolução da oferta, da demanda e do preço Transporte aéreo no Brasil: evolução da oferta, da demanda e do preço 26ª Reunião Conjunta Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Comissão de Serviços de Infraestrutura

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 159 EMENDA nº 00 Título: QUALIDADE DE SERVIÇO AEROPORTUÁRIO INDICADORES DE NÍVEL DE SERVIÇO Aprovação: SUMÁRIO SUBPARTE A GENERALIDADES 159.1 Aplicabilidade

Leia mais

O DESAFIO DA INFRA-ESTRUTURA AEROPORTUÁRIA PARA A COPA DO MUNDO DE 2014

O DESAFIO DA INFRA-ESTRUTURA AEROPORTUÁRIA PARA A COPA DO MUNDO DE 2014 Anais do 15 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XV ENCITA / 2009 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 19 a 22 2009. O DESAFIO DA INFRA-ESTRUTURA

Leia mais

MÍDIA KIT 2013. Exploração publicitária, Ações Promocionais e locação de espaços para eventos em AEROPORTOS MÍDIA AEROPORTUÁRIA

MÍDIA KIT 2013. Exploração publicitária, Ações Promocionais e locação de espaços para eventos em AEROPORTOS MÍDIA AEROPORTUÁRIA MÍDIA KIT 2013 Exploração publicitária, Ações Promocionais e locação de espaços para eventos em AEROPORTOS Com o crescente número de passageiros, a Mídia Aeroportuária passou a ser um dos veículos de comunicação

Leia mais

MAIORES INFORMAÇÕES NOS SITES: www.decea.gov.br www.cgna.gov.br www.anac.gov.br

MAIORES INFORMAÇÕES NOS SITES: www.decea.gov.br www.cgna.gov.br www.anac.gov.br Guiia prráttiico de consulltta sobrre as alltterrações do espaço aérreo parra a Riio+20.. Deparrttamentto de Conttrrolle do Espaço Aérreo ESTE GUIA TEM APENAS A FUNÇÃO DE ILUSTRAR E APRESENTAR, RESUMIDAMENTE,

Leia mais

A2. A modalidade Gestão de Pessoas / Acadêmica está dividida nas seguintes categorias:

A2. A modalidade Gestão de Pessoas / Acadêmica está dividida nas seguintes categorias: PRÊMIO SER HUMANO PAULO FREIRE 2015 MODALIDADE: GESTÃO DE PESSOAS / ACADÊMICA A. OBJETIVO A1. O Prêmio Ser Humano Paulo Freire Modalidade Gestão de Pessoas / Acadêmica premia trabalhos de caráter técnico

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DA MATRIZ ORIGEM DESTINO DO TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 2009 REGIÃO SUL

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DA MATRIZ ORIGEM DESTINO DO TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 2009 REGIÃO SUL CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DA MATRIZ ORIGEM DESTINO DO TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 2009 REGIÃO SUL São Paulo Outubro de 2009 SUMÁRIO 1. PARANÁ CURITIBA AEROPORTO AFONSO PENA... 4 1.1 Perfil do Entrevistado...

Leia mais

SENADO FEDERAL Comissão de Infraestrutura Subcomissão Temporária sobre Aviação Civil

SENADO FEDERAL Comissão de Infraestrutura Subcomissão Temporária sobre Aviação Civil SENADO FEDERAL Comissão de Infraestrutura Subcomissão Temporária sobre Aviação Civil Rio de Janeiro, 08/05/2012 Diretor Presidente José Márcio Monsão Mollo presidência@snea.com.br SNEA FROTA (ASSOCIADAS)

Leia mais

Metodologia de Coleta de Dados de Desempenho Operacional dos Aeroportos

Metodologia de Coleta de Dados de Desempenho Operacional dos Aeroportos Metodologia de Coleta de Dados de Desempenho Operacional dos Aeroportos Processo Licitatório: Pregão n.3/2012 UASG110590. CONAERO - Comissão Nacional das Autoridades Aeroportuárias Comitê Técnico de Desempenho

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 218, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº 218, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2012. RESOLUÇÃO Nº 218, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2012. Estabelecer procedimentos para divulgação de percentuais de atrasos e cancelamentos de voos do transporte aéreo público regular de passageiros. A DIRETORIA

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DA MATRIZ ORIGEM DESTINO DO TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 2009 REGIÃO NORTE

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DA MATRIZ ORIGEM DESTINO DO TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 2009 REGIÃO NORTE CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DA MATRIZ ORIGEM DESTINO DO TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 2009 REGIÃO NORTE São Paulo Outubro de 2009 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 1 ACRE RIO BRANCO AEROPORTO PRESIDENTE MÉDICI...

Leia mais

PORTARIA N 3401/SIA/SRE, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2013.

PORTARIA N 3401/SIA/SRE, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2013. PORTARIA N 3401/SIA/SRE, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2013. Dispõe sobre regras e diretrizes metodológicas para a obtenção dos indicadores de Serviços Diretos e Disponibilidade de Equipamentos e Instalações que

Leia mais

INFRAERO. Planejamento dos Investimentos 2010 a 2016 Aeroportos Cidades Sede da Copa 2014. Audiência Pública Câmara dos Deputados 14 de julho de 2010

INFRAERO. Planejamento dos Investimentos 2010 a 2016 Aeroportos Cidades Sede da Copa 2014. Audiência Pública Câmara dos Deputados 14 de julho de 2010 1 INFRAERO Planejamento dos Investimentos 2010 a 2016 Aeroportos Cidades Sede da Copa 2014 Audiência Pública Câmara dos Deputados 14 de julho de 2010 Demanda Histórica 1997 : 0,3 pax/habitantes (163,8

Leia mais

Movimento Aeroportuário Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Sergio Naruhiko Sakurai Jenifer Barbosa

Movimento Aeroportuário Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Sergio Naruhiko Sakurai Jenifer Barbosa Esta edição especial do boletim CEPER-FUNDACE tem como objetivo apresentar um panorama da movimentação aeroportuária de nosso país, pois este indicador representa, ainda que indiretamente, o nível geral

Leia mais

Ministério da Agricultura, do Abastecimento e da Reforma Agrária Gabinete do Ministro. Portaria n. 74, de 7 de Março de 1994

Ministério da Agricultura, do Abastecimento e da Reforma Agrária Gabinete do Ministro. Portaria n. 74, de 7 de Março de 1994 Ministério da Agricultura, do Abastecimento e da Reforma Agrária Gabinete do Ministro Portaria n. 74, de 7 de Março de 1994 Aprova as Normas e Procedimentos Quarentenários para o Intercâmbio de Organismos

Leia mais

PRÊMIO EXCELÊNCIA ACADÊMICA REGULAMENTO

PRÊMIO EXCELÊNCIA ACADÊMICA REGULAMENTO PRÊMIO EXCELÊNCIA ACADÊMICA REGULAMENTO 1. GERAL O Prêmio Excelência Acadêmica é conferido anualmente à melhor Monografia ou Trabalho de Conclusão de Curso, doravante denominada simplesmente TCC, produzido

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul. Alterada pela

Leia mais

REGULAMENTO DA GINCANA UNIJUÍ MINHA ESCOLA É DEZ Edição 2011

REGULAMENTO DA GINCANA UNIJUÍ MINHA ESCOLA É DEZ Edição 2011 REGULAMENTO DA GINCANA UNIJUÍ MINHA ESCOLA É DEZ Edição 2011 Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1º. O presente documento regulamenta a Gincana UNIJUÍ MINHA ESCOLA É DEZ, promovida e organizada

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA . Cria e regula a Gincana Nacional de Economia. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso de suas atribuições legais e regulamentares conferidas pela Lei 1.411, de 13 de agosto de 1951, Decreto 31.794, de

Leia mais

CONCURSO LOGOMARCA FACULDADE NOVOS HORIZONTES R E G U L A M E N T O

CONCURSO LOGOMARCA FACULDADE NOVOS HORIZONTES R E G U L A M E N T O CONCURSO LOGOMARCA FACULDADE NOVOS HORIZONTES R E G U L A M E N T O Capítulo I DO CONCURSO E SEU OBJETIVO Art. 1º - A Diretoria do Instituto Novos Horizontes de Ensino Superior e Pesquisa Ltda e a FACULDADE

Leia mais

REGULAMENTO DO 6º CONCURSO ESCOLAR SOBRE A DENGUE NO AMAZONAS - 2013. TEMA: Dengue é fácil combater, só não pode esquecer

REGULAMENTO DO 6º CONCURSO ESCOLAR SOBRE A DENGUE NO AMAZONAS - 2013. TEMA: Dengue é fácil combater, só não pode esquecer 1 REGULAMENTO DO 6º CONCURSO ESCOLAR SOBRE A DENGUE NO AMAZONAS - 2013 TEMA: Dengue é fácil combater, só não pode esquecer A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS) conjuntamente com a Secretaria

Leia mais

SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS. Ordem decrescente. Taxa de crescimento. acumulado. Aeroportos (Cód. ICAO) 2º Trimestre.

SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS. Ordem decrescente. Taxa de crescimento. acumulado. Aeroportos (Cód. ICAO) 2º Trimestre. Contato: Cmte Ronaldo Jenkins Diretor Técnico Office: Fone: (55 21)3578 1171 Fax: (55 21) 22201194 Rua Marechal Câmara, 160, sala 1734 Ed. Le Bourget Centro 20.020-080 RJ Brasil www.snea.com.br SINDICATO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ADNR-4. Paulo Afonso Monteiro dos Santos. ELABORADOR: Duílio Rangel Lopes de Andrade RUBRICA: MATRÍCULA: 12.

TERMO DE REFERÊNCIA ADNR-4. Paulo Afonso Monteiro dos Santos. ELABORADOR: Duílio Rangel Lopes de Andrade RUBRICA: MATRÍCULA: 12. 1 TERMO DE REFERÊNCIA. Contratação de empresa especializada para a prestação de serviço de transporte multimodal de 622 (seiscentas e vinte e duas) longarinas do Aeroporto Internacional do Galeão, Antonio

Leia mais

PRÊMIO SER HUMANO ABRH/MA REGULAMENTO 2016 MODALIDADE: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E RESPONSABILIDADE SOCIAL / EMPRESA CIDADÃ

PRÊMIO SER HUMANO ABRH/MA REGULAMENTO 2016 MODALIDADE: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E RESPONSABILIDADE SOCIAL / EMPRESA CIDADÃ Página 1 A. OBJETIVO A.1. O Prêmio Ser Humano ABRH/MA - Modalidade Desenvolvimento Sustentável e Responsabilidade Social / Empresa Cidadã tem o objetivo de certificar projetos, a seguir denominados de

Leia mais

Programa de Treinamento de Profissionais de Aeroportos TREINAR

Programa de Treinamento de Profissionais de Aeroportos TREINAR PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL SECRETARIA DE NAVEGAÇÃO AÉREA CIVIL Programa de Treinamento de Profissionais de Aeroportos TREINAR EDITAL Nº 005/2014 SENAV/SAC-PR A Secretaria de Navegação

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO CLIMATOLOGIA AERONÁUTICA INSTITUTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO DADOS CLIMATOLÓGICOS DOS AERÓDROMOS: SBFN, SBFZ, SBTE,

Leia mais

Eficiência Funcionários Check-In

Eficiência Funcionários Check-In Eficiência Funcionários Check-In Sinalização dos fluxos, através de divisores, displays e sinalização horizontal; Alteração de layout áreas de formação de fila; Triagem dos passageiros na entrada da área

Leia mais

INVESTIMENTOS PRIVADOS EM AEROPORTOS 1 / 53

INVESTIMENTOS PRIVADOS EM AEROPORTOS 1 / 53 INVESTIMENTOS PRIVADOS EM AEROPORTOS 1 / 53 INVESTIMENTOS PRIVADOS EM AEROPORTOS Sumário 1 - Panorama Mundial da Aviação Civil 2- Situação Atual dos Aeroportos Brasileiros 3 - O Futuros dos Aeroportos

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA RESOLUÇÃO Nº 1.907, DE 28 DE MARÇO DE 2014. Dispõe sobre o Regulamento do XX Prêmio Brasil de Economia. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso de suas atribuições legais e

Leia mais

REGULAMENTO DA SALA DE LEITURA Anexo III

REGULAMENTO DA SALA DE LEITURA Anexo III REGULAMENTO DA SALA DE LEITURA Anexo III CAPÍTULO I DA Finalidade Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade orientar e normalizar o serviço de circulação de obras da Sala de Leitura da Associação

Leia mais

DESAFIO: LOGÍSTICA COMO FATOR DE COMPETITIVIDADE, PLATAFORMAS LOGÍSTICAS NA REGIAO NORTE

DESAFIO: LOGÍSTICA COMO FATOR DE COMPETITIVIDADE, PLATAFORMAS LOGÍSTICAS NA REGIAO NORTE DESAFIO: LOGÍSTICA COMO FATOR DE COMPETITIVIDADE, PLATAFORMAS LOGÍSTICAS NA REGIAO NORTE Márcia Helena Veleda Moita Coordenadora do Núcleo de Transporte e Construção Naval - NTC mhvmoita@yahoo.com.br REGIÃO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO SETOR NÁUTICO

REGULAMENTO INTERNO DO SETOR NÁUTICO 1 REGULAMENTO INTERNO DO SETOR NÁUTICO Aprovado pelo Ato Deliberativo nº 003/2001 Reunião 20.06.01 Do Objetivo Art. 1º - Estabelecer norma reguladora para utilização das dependências, dos equipamentos,

Leia mais

JUSTIFICATIVA DE AUDIÊNCIA PÚBLICA

JUSTIFICATIVA DE AUDIÊNCIA PÚBLICA JUSTIFICATIVA DE AUDIÊNCIA PÚBLICA Ementa: Proposta de ato normativo para regulamentar a apresentação de informações relativas à movimentação aeroportuária. 1. Do Objetivo Com o recebimento das informações

Leia mais

EDITAL 010/2015 I MARATONA FOTOGRÁFICA DE PELOTAS SELEÇÃO PÚBLICA DE FOTOGRAFIAS

EDITAL 010/2015 I MARATONA FOTOGRÁFICA DE PELOTAS SELEÇÃO PÚBLICA DE FOTOGRAFIAS EDITAL 010/2015 I MARATONA FOTOGRÁFICA DE PELOTAS SELEÇÃO PÚBLICA DE FOTOGRAFIAS O MUNICÍPIO DE PELOTAS, Estado do Rio Grande do Sul, com a interveniência da Secretaria Municipal de Cultura, lança o presente

Leia mais

REGULAMENTO IV CONCURSO SOBRE A DENGUE NO AMAZONAS - 2011 TEMA Escola em Ação contra a Dengue

REGULAMENTO IV CONCURSO SOBRE A DENGUE NO AMAZONAS - 2011 TEMA Escola em Ação contra a Dengue REGULAMENTO IV CONCURSO SOBRE A DENGUE NO AMAZONAS - 2011 TEMA Escola em Ação contra a Dengue A Fundação de Vigilância em Saúde (FVS) conjuntamente com a Secretaria de Estado da Educação e Qualidade de

Leia mais

PRIMEIRO CONCURSO ESTADUAL DE ARTIGOS PROFESSOR RAYMUNDO CÂNDIDO ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL - SEÇÃO MINAS GERAIS ÓRGÃO ESPECIAL ADVOCACIA E ÉTICA

PRIMEIRO CONCURSO ESTADUAL DE ARTIGOS PROFESSOR RAYMUNDO CÂNDIDO ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL - SEÇÃO MINAS GERAIS ÓRGÃO ESPECIAL ADVOCACIA E ÉTICA 1 PRIMEIRO CONCURSO ESTADUAL DE ARTIGOS PROFESSOR RAYMUNDO CÂNDIDO ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL - SEÇÃO MINAS GERAIS ÓRGÃO ESPECIAL ADVOCACIA E ÉTICA REGULAMENTO Este Regulamento contém as normas de realização

Leia mais

DE AUTOMÓVEIS DE ALUGUEL (TÁXIS), NO MUNICÍPIO

DE AUTOMÓVEIS DE ALUGUEL (TÁXIS), NO MUNICÍPIO 1 LEI Nº 1485/2014 DISPÕE SOBRE AS PERMISSÕES DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE INDIVIDUAL DE PASSAGEIROS, ATRAVÉS DE AUTOMÓVEIS DE ALUGUEL (TÁXIS), NO MUNICÍPIO DE INHAÚMA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal

Leia mais

REGULAMENTO PREMIAÇÃO IMPACT AWARDS 2015 A PREMIAÇÃO SERÁ REALIZADA NO DIA 18 DE AGOSTO, DURANTE A 18ª CONFERÊNCIA ANUAL DA ASUG BRASIL

REGULAMENTO PREMIAÇÃO IMPACT AWARDS 2015 A PREMIAÇÃO SERÁ REALIZADA NO DIA 18 DE AGOSTO, DURANTE A 18ª CONFERÊNCIA ANUAL DA ASUG BRASIL REGULAMENTO PREMIAÇÃO IMPACT AWARDS 2015 A PREMIAÇÃO SERÁ REALIZADA NO DIA 18 DE AGOSTO, DURANTE A 18ª CONFERÊNCIA ANUAL DA ASUG BRASIL O Impact Awards é um prêmio tradicional na comunidade da ASUG Brasil.

Leia mais

3 Panorama do Sistema Aeroportuário Brasileiro

3 Panorama do Sistema Aeroportuário Brasileiro 45 3 Panorama do Sistema Aeroportuário Brasileiro As novas tecnologias transformaram o modo de viver das pessoas e também, conseqüentemente, os novos espaços físicos. Os meios de transporte, no último

Leia mais

REGULAMENTO. 10º Prêmio de Responsabilidade Social

REGULAMENTO. 10º Prêmio de Responsabilidade Social REGULAMENTO 10º Prêmio de Responsabilidade Social I DA INSTITUIÇÃO DA PREMIAÇÃO II DAS CATEGORIAS III DAS INSCRIÇÕES IV DOS PROJETOS V DO JULGAMENTO VI DAS DATAS VII DA COORDENAÇÃO I DA INSTITUIÇÃO DA

Leia mais

R E G U L A M E N T O

R E G U L A M E N T O R E G U L A M E N T O PRÊMIO CHICO RIBEIRO SOBRE INFORMAÇÃO DE CUSTOS E QUALIDADE DO GASTO NO SETOR PÚBLICO I. DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Idealizado pelo Instituto Social IRIS, o PRÊMIO CHICO RIBEIRO SOBRE

Leia mais

FUNDAÇÃO NACIONAL DO LIVRO INFANTIL E JUVENIL Seção Brasileira do IBBY. Disposições Gerais

FUNDAÇÃO NACIONAL DO LIVRO INFANTIL E JUVENIL Seção Brasileira do IBBY. Disposições Gerais FUNDAÇÃO NACIONAL DO LIVRO INFANTIL E JUVENIL Seção Brasileira do IBBY REGULAMENTO DO 21º CONCURSO FNLIJ OS MELHORES PROGRAMAS DE INCENTIVO À LEITURA JUNTO A CRIANÇAS E JOVENS DE TODO O BRASIL 2016 Disposições

Leia mais

ANUT ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS USUÁRIOS DO TRANSPORTE DE CARGA

ANUT ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS USUÁRIOS DO TRANSPORTE DE CARGA CAPÍTULO II Das Disposições Preliminares Art. 2º Para os efeitos desta Norma, considerase: VI Box Rate: preço cobrado pelo serviço de movimentação das cargas entre o portão do terminal portuário e o porão

Leia mais

AEROPORTOS RESULTADOS DO 10º BALANÇO

AEROPORTOS RESULTADOS DO 10º BALANÇO AEROPORTOS RESULTADOS DO 10º BALANÇO AEROPORTOS Manaus Ampliação TPS Rio Branco Reforma e Ampliação TPS e Recuperação de Pista e Pátio Macapá Novo TPS 1ª fase Macapá Ampliação Pátio São Luís Reforma e

Leia mais

REGULAMENTO CATEGORIA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

REGULAMENTO CATEGORIA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS REGULAMENTO CATEGORIA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS apoio: organização: CATEGORIA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PRÊMIO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO E USO RACIONAL DE ENERGIA EDIÇÃO 2009 1 O PRÊMIO Instituído

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis Coordenadoria de Benefícios REGULAMENTAÇÃO DO PROGRAMA AUXILIO ALIMENTAÇÃO

Universidade Federal de Pelotas Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis Coordenadoria de Benefícios REGULAMENTAÇÃO DO PROGRAMA AUXILIO ALIMENTAÇÃO Universidade Federal de Pelotas Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis Coordenadoria de Benefícios REGULAMENTAÇÃO DO PROGRAMA AUXILIO ALIMENTAÇÃO CAPITULO I DO PROGRAMA Art. 1. O Programa Auxílio Alimentação

Leia mais

REGULAMENTO DO PRÊMIO PROFESSORES DO BRASIL 6ª EDIÇÃO CAPÍTULO I DO PRÊMIO

REGULAMENTO DO PRÊMIO PROFESSORES DO BRASIL 6ª EDIÇÃO CAPÍTULO I DO PRÊMIO REGULAMENTO DO PRÊMIO PROFESSORES DO BRASIL 6ª EDIÇÃO O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC), por meio da Secretaria de Educação Básica - SEB e em parceria com a Fundação SM, o Instituto Votorantim, a Associação

Leia mais

EDITAL Nº 01/2015. Academic Award

EDITAL Nº 01/2015. Academic Award EDITAL Nº 01/2015 Academic Award A DeVry Brasil, grupo educacional de atuação no ensino superior situado na Rua Antônio Gomes Guimarães, 150, Dunas, Fortaleza - Ceará anuncia que estarão abertas no período

Leia mais

O reconhecimento de um trabalho bem realizado Melhoria na empregabilidade. Ter seu nome mencionado na mídia

O reconhecimento de um trabalho bem realizado Melhoria na empregabilidade. Ter seu nome mencionado na mídia MODALIDADE: Gestão de Pessoas CATEGORIA: Acadêmica Objetivo: O PRÊMIO SER HUMANO LUIZ HAMILTON BERTON, categoria Acadêmica, objetiva premiar os trabalhos de natureza científica, referente a qualquer área

Leia mais

Apresentação...3 Definições...4 Descrição dos resultados...5 Consolida do INFRAERO...6. Movimento nas Regionais...17

Apresentação...3 Definições...4 Descrição dos resultados...5 Consolida do INFRAERO...6. Movimento nas Regionais...17 Sumário Apresentação...3 Definições...4 Descrição dos resultados...5 Consolida do INFRAERO...6 INFRAERO...7 Companhias Aéreas...8 Ranking por Movimento de Aeroves...9 Ranking por Movimento de Passageiros...11

Leia mais

8.1.4. c) Regulamento de Monografia de Graduação (texto conforme nosso PPC) Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

8.1.4. c) Regulamento de Monografia de Graduação (texto conforme nosso PPC) Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 8.1.4. c) Regulamento de Monografia de Graduação (texto conforme nosso PPC) Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este Regulamento define os procedimentos referentes à elaboração, desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE POSITIVO Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa EDITAL Nº 02/2009

UNIVERSIDADE POSITIVO Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa EDITAL Nº 02/2009 UNIVERSIDADE POSITIVO Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa EDITAL Nº 02/2009 A Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa da UNIVERSIDADE POSITIVO, por sua COMISSÃO DE PROCESSO SELETIVO, doravante referida

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01, de 29 de janeiro de 2015.

RESOLUÇÃO Nº 01, de 29 de janeiro de 2015. RESOLUÇÃO Nº 01, de 29 de janeiro de 2015. Dispõe sobre o uso e condução de veículos oficiais do Instituto de Previdência do Município de Jacareí. A Presidência do Instituto de Previdência do Município

Leia mais

MODALIDADE: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E RESPONSABILIDADE SOCIAL/ORGANIZAÇÃO DO TERCEIRO SETOR

MODALIDADE: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E RESPONSABILIDADE SOCIAL/ORGANIZAÇÃO DO TERCEIRO SETOR PRÊMIO SER HUMANO OSWALDO CHECCIA 2013 MODALIDADE: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E RESPONSABILIDADE SOCIAL/ORGANIZAÇÃO DO TERCEIRO SETOR A. OBJETIVO A modalidade Desenvolvimento Sustentável e Responsabilidade

Leia mais

UNIVERSIDADE POSITIVO COMISSÃO DE PROCESSO SELETIVO CPS MESTRADO ACADÊMICO EM ADMINISTRAÇÃO 2011 EDITAL N o 31 de 08/10/2010

UNIVERSIDADE POSITIVO COMISSÃO DE PROCESSO SELETIVO CPS MESTRADO ACADÊMICO EM ADMINISTRAÇÃO 2011 EDITAL N o 31 de 08/10/2010 UNIVERSIDADE POSITIVO COMISSÃO DE PROCESSO SELETIVO CPS MESTRADO ACADÊMICO EM ADMINISTRAÇÃO 2011 EDITAL N o 31 de 08/10/2010 A UNIVERSIDADE POSITIVO, por sua COMISSÃO DE PROCESSO SELETIVO para o Programa

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA SETEC

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA SETEC MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA SETEC EDITAL SETEC Nº, DE DE JANEIRO DE 2015 SISTEMA DE SELEÇÃO UNIFICADA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA - SISUTEC O Secretário

Leia mais

Infraestrutura Aeroportuária: Desafios e Perspectivas

Infraestrutura Aeroportuária: Desafios e Perspectivas Infraestrutura Aeroportuária: Desafios e Perspectivas 8 de dezembro de 2011 SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL INFRAERO ANAC Ministério da Defesa DECEA AVIAÇÃO CIVIL PANORAMA INVESTIMENTOS CONCESSÕES INFRAERO

Leia mais

Sistema Aeroportoviário no Brasil

Sistema Aeroportoviário no Brasil Sistema Aeroportoviário no Brasil FERNANDA MINUZZI LUCIANO DOMINGUES RÉGIS GOMES FLORES VINÍCIOS Transportes Introdução O transporte aéreo no Brasil vem acompanhando o desenvolvimento do País.Hoje, o transporte

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO CEARÁ RESOLUÇÃO Nº 415 (1º DE SETEMBRO DE 2010)

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO CEARÁ RESOLUÇÃO Nº 415 (1º DE SETEMBRO DE 2010) TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO CEARÁ RESOLUÇÃO Nº 415 (1º DE SETEMBRO DE 2010) Dispõe sobre a frota oficial de veículos, em complementação à Resolução n. 83/2009, do Conselho Nacional de Justiça - CNJ.

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA Nº 1592/GM5, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984. Alterada pela Portaria n.º 484/GM5, de 20 JUL 88 (*). Alterada pela Portaria n.º 677 /GM2, de 10 SET

Leia mais

EDITAL II CONCURSO ESTADUAL SOBRE PREVENÇÃO A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

EDITAL II CONCURSO ESTADUAL SOBRE PREVENÇÃO A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER EDITAL II CONCURSO ESTADUAL SOBRE PREVENÇÃO A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER TEMA: A mulher no esporte: superando limites e conquistando direitos Lei nº. 11.340/06, art. 3º reafirma que serão assegurados às

Leia mais

Email: dnor1@decea.gov.br AFS: SBRJYGYO TEL.: (21) 2101-6761 ASSINATURA.: (21) 2117-7294

Email: dnor1@decea.gov.br AFS: SBRJYGYO TEL.: (21) 2101-6761 ASSINATURA.: (21) 2117-7294 BRASIL AIC DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO N SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES 08/14 DIVISÃO DE COORDENAÇÃO E CONTROLE AV. GENERAL JUSTO, 160-2 ANDAR 20021-130 RIO DE JANEIRO-RJ 01 MAIO 2014 Email:

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I 1 REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA Título I Das Disposições Gerais Capítulo I Dos Objetivos e da Estruturação Geral do Serviço de Psicologia Art. 1º - O Serviço de Psicologia é parte

Leia mais

Estado de Alagoas CONSELHO ESTADUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA RESOLUÇÃO N 18/2010

Estado de Alagoas CONSELHO ESTADUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA RESOLUÇÃO N 18/2010 RESOLUÇÃO N 18/2010 Dispõe sobre regulamentação para uso de veículos oficiais de todos os órgãos e corporações vinculadas a Defesa Social. O, com fundamento no disposto no 5º do art. 6º do seu Regimento

Leia mais

REGULAMENTO DO PRÊMIO ESDRAS BORGES COSTA DE ENSINO DO DIREITO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DO PRÊMIO ESDRAS BORGES COSTA DE ENSINO DO DIREITO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DO PRÊMIO ESDRAS BORGES COSTA DE ENSINO DO DIREITO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. O presente regulamento estabelece o Prêmio Esdras Borges Costa de Ensino do Direito ( Prêmio

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Da Aplicação

REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Da Aplicação SOCIEDADE AMIGOS DO CURIÓ (SAC) Fundada em 23 de julho de 1980 Rua Prof. Osmarino de Deus Cardoso, 101 CEP 88.036-598 Trindade Florianópolis SC CNPJ 75.329.243/0001-71 www.sacurio.com.br / saccurio@brturbo.com.br

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 202, DE 07 DE JUNHO DE 2013

PORTARIA MMA Nº 202, DE 07 DE JUNHO DE 2013 PORTARIA MMA Nº 202, DE 07 DE JUNHO DE 2013 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, Decreto nº 6.101, de

Leia mais

REGULAMENTO DO PRÊMIO PROFESSORES DO BRASIL 8ª EDIÇÃO CAPÍTULO I DO PRÊMIO

REGULAMENTO DO PRÊMIO PROFESSORES DO BRASIL 8ª EDIÇÃO CAPÍTULO I DO PRÊMIO REGULAMENTO DO PRÊMIO PROFESSORES DO BRASIL 8ª EDIÇÃO O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC), por meio da Secretaria de Educação Básica - SEB e em parceria com a Fundação SM, o Instituto Votorantim, a Associação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 316, DE 9 DE MAIO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 316, DE 9 DE MAIO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 316, DE 9 DE MAIO DE 2014. Dispõe sobre o Regime Especial da Copa do Mundo FIFA 2014 e dá outras providências. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no uso da competência

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE PARA ESCOLARES MANAUS 2015

REGULAMENTO DO CONCURSO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE PARA ESCOLARES MANAUS 2015 REGULAMENTO DO CONCURSO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE PARA ESCOLARES MANAUS 2015 A Secretaria Municipal de Saúde (SEMSA) em parceria com a Secretaria Municipal de Educação (SEMED), Secretaria de Estado de Educação

Leia mais

Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE MATO GROSSO

Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE MATO GROSSO Resolução Nº 04, de 21 de junho de 2006. Aprova o Regulamento das Bolsas para o Apoio à Pós-Graduação de Instituições Públicas e Privadas de Ensino (MT-PG). O PRESIDENTE DO CONSELHO CURADOR DA FUNDAÇÃO

Leia mais

Regulamento Sanitário Internacional

Regulamento Sanitário Internacional Regulamento Sanitário Internacional Vigilância em Saúde em Portos e Aeroportos no Estado de São Paulo O REGULAMENTO SANITÁRIO INTERNACIONAL (RSI) E O QUE AS MACROREGIÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO TEM A VER

Leia mais

CATEGORIA TOUR DE COMPRAS EM RIO BRANCO - URUGUAI 89 PREÇOS EM REAIS POR PESSOA, SEM REFEIÇÕES. GRUPO MÍNIMO DE 08 PESSOAS

CATEGORIA TOUR DE COMPRAS EM RIO BRANCO - URUGUAI 89 PREÇOS EM REAIS POR PESSOA, SEM REFEIÇÕES. GRUPO MÍNIMO DE 08 PESSOAS HOSPEDAGEM HOTEL Jacques Georges Tower Curi Palace Manta sob consulta DISTÂNCIA DO EVENTO Hotel Oficial 2.000 m 1,500 m 1.300 m CATEGORIA PREÇOS EM REAIS, POR PESSOA INDIVIDUAL DUPLO TRIPLO DIÁRIA DIÁRIA

Leia mais

Ministério da Educação SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO

Ministério da Educação SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO Ministério da Educação SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO EDITAL nº 2, DE 26 DE MAIO DE 2015 CONCESSÃO DA MEDALHA PAULO FREIRE A Secretaria de Educação Continuada,

Leia mais

EDITAL CURTA NASSAU 2016.1

EDITAL CURTA NASSAU 2016.1 EDITAL CURTA NASSAU 20161 A UNINASSAU, por intermédio da COORDENAÇÃO DOS CURSOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, torna pública para conhecimento dos interessados, abertura da edição 20161 do projeto de exibição

Leia mais

RESOLUÇÃO 23.190 INSTRUÇÃO Nº 127 CLASSE 19ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral.

RESOLUÇÃO 23.190 INSTRUÇÃO Nº 127 CLASSE 19ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. RESOLUÇÃO 23.190 INSTRUÇÃO Nº 127 CLASSE 19ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. Dispõe sobre pesquisas eleitorais (Eleições de 2010).

Leia mais

ANEXO I REGRAS E DIRETRIZES METODOLÓGICAS PARA OBTENÇÃO DOS INDICADORES DE SERVIÇOS DIRETOS E DE DISPONIBILIDADE DE EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES

ANEXO I REGRAS E DIRETRIZES METODOLÓGICAS PARA OBTENÇÃO DOS INDICADORES DE SERVIÇOS DIRETOS E DE DISPONIBILIDADE DE EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES ANEXO I REGRAS E DIRETRIZES METODOLÓGICAS PARA OBTENÇÃO DOS INDICADORES DE SERVIÇOS DIRETOS E DE DISPONIBILIDADE DE EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES 1. Indicadores de Serviços Diretos 1.1 Tempo na fila de inspeção

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica NORMAS GERAIS PARA USO DA BIBLIOTECA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CÂMPUS GOVERNADOR VALADARES

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DESTE CAMPUS EM: VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DESTE CAMPUS EM: VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DESTE CAMPUS EM: VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - Visita técnica é atividade complementar dos componentes curriculares dos cursos

Leia mais

DECRETO Nº 5.130, DE 7 DE JULHO DE 2004

DECRETO Nº 5.130, DE 7 DE JULHO DE 2004 DECRETO Nº 5.130, DE 7 DE JULHO DE 2004 Regulamenta o art. 40 da Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003 (Estatuto do Idoso), e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

Press Kit Manual de planejamento Copa do Mundo 2014 Press Kit 1 Governo muda operação de aeroportos na Copa BRASÍLIA, 15 DE ABRIL DE 2014 A partir do dia 6 de junho, os aeroportos que atendem às cidades-sede

Leia mais

FACULDADE ALDETE MARIA ALVES Instituição Ituramense de Ensino Superior

FACULDADE ALDETE MARIA ALVES Instituição Ituramense de Ensino Superior REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA 1 CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º - Os Laboratórios de Informática da FAMA são destinados exclusivamente aos docentes, discentes e corpo técnico-administrativo,

Leia mais