PÓS-REITORIA DE GRADUAÇÃO CURSO DE BACHAREL EM DIREITO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PÓS-REITORIA DE GRADUAÇÃO CURSO DE BACHAREL EM DIREITO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO"

Transcrição

1 PÓS-REITORIA DE GRADUAÇÃO CURSO DE BACHAREL EM DIREITO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DIREITO SUCESSÓRIO: VIOLAÇÃO AO PRINCÍPIO DA IGUALDADE NA UNIÃO ESTÁVEL KETLYN BARBOSA DE ANDRADE Orientador: Prof. Fabiana Teixeira Albuquerque Keller Brasília - DF 2013

2 KETLYN BARBOSA DE ANDRADE DIREITO SUCESSÓRIO: VIOLAÇÃO AO PRINCÍPIO DA IGUALDADE NA UNIÃO ESTÁVEL Artigo apresentado ao curso de graduação em Direito da Universidade Católica de Brasília, como requisito parcial para obtenção do Título de Bacharel em Direito. Orientador: Prof. Fabiana Teixeira Albuquerque Keller Brasília DF 2013

3 Artigo de autoria de Ketlyn Barbosa de Andrade, intitulado Direito Sucessório: violação ao princípio da igualdade na união estável, apresentado como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel em Direito da Universidade Católica de Brasília, em de 2012, defendido e aprovado pela banca examinadora abaixo assinada: Prof.ª Fabiana Teixeira Albuquerque Keller Orientadora Direito - UCB Prof. Prof. Brasília - DF 2013

4 Dedico essa obra especialmente a minha família, que sempre esteve ao meu lado durante todos os momentos, sempre me apoiando e dando muita força e amor.

5 5 DIREITO SUCESSÓRIO: Violação ao princípio da igualdade na união estável. KETLYN BARBOSA DE ANDRADE Resumo O objetivo da pesquisa é a apresentar uma análise do direito sucessório na entidade familiar da união estável. É essencial mostrar ao sob um aspecto jurídico as injustiças existentes na legislação pertinente à sucessão do companheiro, indicando a falta de adequação das normas a realidade social, pois as normas existentes não se adéquam a mudança de valores, realidade cultural e praticas reiteradas pela sociedade, ocasionando assim uma diferenciação de tratamento das famílias brasileiras, demonstrando que o legislador não teve a habilidade de redigir texto coerente com a isonomia entre as famílias. O primeiro capítulo expõe discussões doutrinarias a respeito proteção fundamental do núcleo familiar, com a inserção na Constituição Federal do artigo 223, 3.º 1, que visa proteger a família formada pela união estável. O segundo capítulo mostra a abordagem a respeito da redação do direito sucessório do companheiro no Código Civil 2 e como ele fere preceitos constitucionais como igualdade e dignidade da pessoa humana. No terceiro capítulo é demonstrado Projetos de Leis que visão a reformulação do Código Civil, trazendo o aspecto do direito sucessório do companheiro, demonstrando o entendimento que o artigo atual não acolhe a proteção da família formada na união estável. Palavras chaves: Direito Sucessório. Entidade Familiar. União estável. Efeito patrimonial. INTRODUÇÃO O Direito de família merece proteção do Estado devido a sua importância no contexto social, e o Direito Sucessório empenha-se em dar amparo as famílias assegurando que os bens sejam partilhados de forma justa. O Direito de família, esse por sua vez é influenciado pelas modificações sociais como os costumes e os valores sociais. A Constituição Federal acompanhando a evolução cultural determinou que houvesse o reconhecimento da união estável, concedendo proteção a essa entidade familiar, que compõe o núcleo que é fundamental e serve de base para o Estado. 1 BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, de 05 de outubro Portal Legislação do Senado Federal. Brasília, DF, 05 out Disponível em: <http://www.senado.gov.br/legislacao/const/con1988/con1988_ /index.shtm>. Acesso em: 28 mai BRASIL. Lei n , de 10 de janeiro de Institui o Código Civil. Brasília, DF, 10 jan Disponível em: <http://legis.senado.gov.br/legislacao/listapublicacoes.action?id=234240>. Acesso em: 28 mai

6 6 Este artigo visa demonstrar que as normas pertinentes a sucessão do companheiro são equivocadas, uma vez que são incompatíveis com princípios constitucionais, exibindo condutas que trazem diferenciação das famílias, hierarquizando as entidades familiares. Preceitos que precisam ser reformulados, pois atendem a valores do século passado, e deixam de compreender que uma grande parcela da sociedade hoje se encontra vivendo em uma família que não há casamento. A escolha desse tema deve-se ao aumento da mudança de realidade social, já que a constituição de família sem matrimonio vem crescendo e precisa de uma melhor regulamentação. A união estável é a entidade familiar composta por pessoas tanto de sexo diferente tanto do mesmo sexo, que seja pública, duradora e contínua, e que tenha finalidade de constituir uma família. A pesquisa bibliográfica tem o objetivo de demonstrar o desequilibro entre o direito de igualdade da Constituição Federal em seu art.226, 3.º 3, onde disciplina que a família é base da sociedade e tem proteção especial do Estado no que tange para efeito de proteção do Estado é reconhecida a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar, e o disciplinado no Código Civil em seu art , que conduz a praticas injustas e descriminalizatorias. 1 DIREITO SUCESSÓRIO NA UNIÃO ESTÁVEL É importante abordar o surgimento das discussões doutrinárias em relação ao direito a sucessão nas entidades familiares, pois a família é um dos institutos mais antigos da humanidade, evidenciando lacunas existentes na legislação brasileira em relação à sucessão do companheiro na união estável e expondo projetos que buscam a modificação do Código Civil BREVE HISTÓRICO DAS ENTIDADES FAMILIARES A religião doméstica, assim como era chamada na civilização antiga, concebeu o primeiro sinal de núcleo familiar baseado em ritos especiais, que inspirou as modernas legislações sobre o assunto, segundo Culange A primeira instituição que a religião doméstica estabeleceu foi, na verdade, o casamento. (...) Somente por isso se pode avaliar o caráter essencial da união conjugal entre os antigos. 6 A produção dos efeitos materiais e sucessórios decorrem da construção histórica familiar, assim a família esta orientada à visão de hereditariedade relativa à propriedade de seus bens e ao direito hereditário nos moldes legislados contemporaneamente: 3 BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado, BRASIL Lei n , de 10 de janeiro de Novo Código Civil Brasileiro. Legislação Federal. sítio eletrônico internet - planalto.gov.br. 5 BRASIL Lei n , de 10 de janeiro de Novo Código Civil Brasileiro. Legislação Federal. sítio eletrônico internet - planalto.gov.br. 6 CULANGE, Numa-Denys Fustel de. A cidade antiga. Edameris: São Paulo, p. 50.

7 7 O casamento portanto, é ato sério, para a jovem, e não é o menos para o esposo, porque a religião exige que se nasça junto ao fogo sagrado para ter-se o direito de oferecer-lhe sacrifícios. E, no entanto, o rapaz vai introduzir ao lar uma estranha: em sua companhia, oficiará as cerimônias misteriosas do culto, revelando ritos e fórmulas, que constituem o patrimônio da família. Não há nada mais precioso do que essa herança; os deuses, ritos e hinos, que recebeu dos pais, é quem o protege na vida, e lhe promete riqueza felicidade, virtude. No entanto, em vez de guardar para si esse poder tutelar, como o selvagem guarda um ídolo ou amuleto, vai admitir uma mulher para participante dos mesmos. 7 A família se constitui sempre pelos padrões sociais e ideais que cada sociedade possui, sendo remodelada de acordo com os valores, costume e cultura de cada época. Na Roma Antiga a religião ditava o parentesco que Não era pelo nascimento, mas pelo culto que se reconhecia os verdadeiros agnados 8, que consistia em ser parente tal qual a religião estabeleceu. Esta perspectiva se enfraqueceu e deu lugar ao parentesco chamado de cognatio, que era independente da religião e prezava os laços do nascimento. 9 Nesse mesmo tempo houve o surgimento do matrimonio, após surgir à necessidade de proteger seus domínios e para preservar a espécie, onde o homem se deparou com a realidade de ter necessariamente a formação de uma família e um lar, tendo apenas uma única mulher, com a finalidade de dar a entender que os filhos que ela concebesse seriam seus 10, construindo um sistema patriarcal hierarquizado. A antiga idéia de propriedade não se continha apenas no conceito de bens materiais, a visão era ampliada abrangendo bens incorpóreos: A ideia de propriedade privada fazia parte da própria religião. Cada família tinha seu lar e seus antepassados. Esses deuses não podiam ser adorados senão por ela, e não protegiam senão ela; eram sua propriedade exclusiva. 11 O conflito entre povos por vezes teve como objeto a propriedade privada. O Direito a sucessão em união ao Direito da propriedade e ao Direito da família tem seu papel social a fim de valorizar o trabalho realizado durante vida, de resguardar os interesses da sua família, garantindo a composição econômica do Estado, Flávio Tartuce prosseguindo da mesma maneira apresenta a concepção de Giselda Maria Fernandes Novaes Hironaka: O fundadmento da transmissão causa mortis estaria não apenas na continuidade patrimonial, ou seja, na manutenção pura e simples dos bens da família como forma de acumulação de capital que estimularia a poupança, o trabalho e a economia, mais ainda e principalmente no fator de proteção, coesão e de perpetuidade da família 12 7 CULANGE, 2006, p.60 e Ibid., p Ibid., p COSTA, Elder Lisbôa Ferreira da. História do Direito: de Roma à história do povo hebreu muçulmano: a evolução do direito antigo à compreensão do pensamento jurídico contemporâneo Unama: Belém, p Ibid., p TARTUCE.apud Giselda Maria Fernandes Novaes Hironaka p e 1187.

8 8 O concubinato não tinha grande valor nem jurídico nem social, era apenas um estado de fato não constituindo um instituto jurídico, foi apenas no reinado dos imperadores cristãos que, com a finalidade de se extinguir ou pelo menos diminuir o numero de relações mantidas fora do casamento, por ser considerado ato imoral, que houve os primeiros efeitos jurídicos ao concubinato. 13 Primeiramente o Imperador Constantino adotou medidas repressivas e em segundo momento incentivou a transformação dessas relações duradoras e estável em matrimonio. 14 A partir do século XIV, houve um desenvolvimento da família moderna, reforçando os poderes do marido que estabeleceu uma espécie de monarquia doméstica, se tornando a célula social, a base dos Estados e fundamento do poder monárquico 15 : Enquanto se enfraqueciam os laços da linhagem, a autoridade do marido dentro de casa tornava-se maior e a mulher e os filhos se submetiam a ela mais estritamente. Esse movimento duplo, na medida em que foi o produto inconsciente e espontâneo do costume, manifesta sem dúvida uma mudança nos hábitos e nas condições sociais[...] 16 A partir do século XVI, quando houve o Concílio de Trento, que tornou o casamento um ato de respeito, entrando em vigor em Portugal em setembro de 1564, as relações que não eram matrimoniais foram proibidas, somente no século XIX a união estável passou a receber relevância diante da doutrina individualista e aumento de uniões não matrimoniais, apresentado no Código de civil de 1916 o reconhecimento de um estado de fato, mas não como instituto jurídico 17. O Código Civil de 1916 reconhecia apenas o casamento como entidade familiar, tornando-se a única forma legal de demonstrar a constituição de família, não reconhecendo a união estável como forma de construção familiar. É perceptível no art. 229 do Código Civil de uma menção ao casamento religioso Criando a família legítima, o casamento legitima os filhos, antes dele nascidos ou concebidos, este que a partir do Direito Canônico tornou o matrimonio quase indissolvível. A família com a função de assegurar a transmissão da vida, dos bens e dos nomes, teve a necessidade de intimidade e de identidade, unindo os membros da família pelo sentimento, o costume e o gênero de vida 19. A família moderna trouxe a relação entre o sentimento da família e o da classe 20, sendo que a burguesia influenciou as normas da sociedade, pois detinham o poder do capital, e por essa influencia a sociedade capitalista existente nos dias atuais é que rege os rumos da 13 FERREIRA, Fábio Alves. O Reconhecimento da União de Fato como Entidade Familiar e sua Transformação num Casamento não Solene. Lumen Juris, Rio de Janeiro, p FERREIRA, 2003 apud António A. Vieira Cura. A União de Facto (Comcubinatus) no Direito Romano. pp e ss. 15 ARIEÈS, Philippe. História Social da Criança e da Família. 2.ª ed. Editora: Rio de Janeiro, p ARIEÈS, 1981 apud P. Pelot, La famille em France sous l Ancien Régime, in Sociologie comparée de la famille comtemporaime, Cóloquios do CNRS, FERREIRA, 2003, p. 11 e BRASIL. Lei n , de 1.º de janeiro de Código Civil dos Estados Unidos do Brasil revogado pela Lei n de Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l3071.htm>. Acesso em: 28 mai ARIEÈS, 1981, p. 275 e Ibid., p. 278.

9 9 economia e consequentemente os costumes e valores que guiam as relações de direito. Houve mudança de concepção quando a Constituição Federal de 1988 determinou em seu art. 226, 3.º o reconhecimento da união estável entre um homem e uma mulher, que mais tarde foi ampliada para o reconhecimento da união entre casais do mesmo sexo. Havia distinção entre filhos concebidos dentro do matrimonio, filhos legítimos, e os havidos fora do casamento, filhos ilegítimos, e hierarquia entre os filhos, porem com a mudança de costumes as opiniões foram se modificando como coloca Philippe Ariés Na realidade, esse respeito pela igualdade dos filhos de uma família é uma prova de um movimento gradual da família-casa em direção a família sentimental moderna, trazendo a Constituição Federal a abolição da diferenciação entre os filhos ao decretar o art. 227, 6.º 21 A evolução destas concepções trouxe o conceito acerca do vínculo jurídico do parentesco estabelecido entre pessoas. Dessa forma, as modalidades aceitas no Direito Civil Brasileiro são a de parentesco consangüíneo, civil e afim AMPARO A ENTIDADE FAMILIAR A família constitui a base da sociedade, fundamento no qual o Estado deve focar proteção especial, esta sendo não só referência intelectual, espiritual para a formação do indivíduo, como também o ambiente de assistência moral e material. Entendimentos doutrinários expõem que As famílias constituídas pelo afeto, pela convivência, são merecedoras do mesmo respeito e tratamento dados as famílias matrimonializadas. A discriminação entre elas ofende, inclusive, fundamentos constitucionais. 23 A Constituição Federal garante a união pelo casamento, pela união estável, com o propósito de proteger essa instituição social, da mesma forma a lição do doutrinador Carlos Roberto Gonçalves 24 : [...] uma realidade sociológica e constitui a base do Estado, o núcleo fundamental em que repousa a organização social. Em qualquer aspecto que é considerada, aparece a família como uma instituição necessária e sagrada que vai merecer a mais ampla proteção do Estado. Os legisladores brasileiros revelam a intenção de manter a principiologia constitucional, mediante o atual cenário, resguardando o direito à sucessão como um princípio constitucional disposto no art. 5.º, XXX, da Constituição Federal de O direito sucessório retratado como uma relação jurídica entre a entidade familiar e a propriedade reafirma o vínculo histórico, legitimando a sucessão, pois BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado, TARTUCE, Flávio. Manual de direito civil. São Paulo: Método, v. único, p In Código Civil Comentado, coordenado por Ricardo Fiúza e Regina Beatriz Tavares da Silva, 6. ed., Saraiva, GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro: direito de família. 9ª ed. São Paulo: Saraiva, v. 6, p BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado, 1998.

10 10 o direito das sucessões tem sua razão de ser nos dois institutos combinados: a propriedade e a família..., como entende Maria Helena Diniz 26. O Estado Democrático de Direito possui a função de resguardar a entidade familiar prevista no art. 226, 3.º da Constituição Federal, orientado pelos princípios fundamentais, aplicando pelo direito à dignidade da pessoa humana, o direito a liberdade, direito a igualdade, entre outros. 1.3 PRINCÍPIOS DA PROTEÇÃO DAS ENTIDADES FAMILIARES Carlos Roberto Gonçalves julga que durante a normatizando o direito sucessório brasileiro os princípios utilizados na formulação do Código Civil de 2002 se tratando do direito da família foram o da dignidade da pessoa humana estabelecido como o mais humano de todos 27. Fez referência ao princípio da igualdade jurídica de todos os filhos, consubstanciado no art º da Constituição Federal expondo que Os filhos, havidos ou não da relação do casamento, ou por adoção, terão os mesmos direitos e qualificações, proibidas quaisquer designações discriminatórias relativas à filiação. O princípio da paternidade responsável e planejamento trazem a proibição de qualquer citação quanto à filiação ilegítima e vedando as designações discriminatórias quanto à filiação 28. O princípio da igualdade jurídica dos cônjuges e dos companheiros foi estabelecido no art º da Constituição Federal 29. Percebendo-se que o princípio da comunhão plena de vida, baseada na afeição entre os cônjuges ou conviventes, tem perspectiva de constituição de entidade familiar os que preenchem os requisitos de afetividade, estabilidade, entre outros: [...] tem relação com o aspecto espiritual do casamento e com o companheirismo que nele deve existir. Demonstra a intenção do legislador de torná-lo mais humano. Como assinala Gustavo Tependino 30, com a Carta de 1988 altera-se o conceito de unidade familiar, antes delineado como aglutinação formal de pais e filhos legítimos baseado no casamento, para um conceito flexível e instrumental, que tem em mira o liame substancial de pelo menos um dos genitores com seus filhos tendo por origem não apenas o casamento e inteiramente voltado para a realização espiritual e o desenvolvimento da personalidade de seus membros Dessa forma para resguardar a estrutura familiar há preceitos que devem ser revistos, pois há grandes disparidades nas formas de tratamento entre os direitos de cada indivíduo que compõem as famílias. Ampara a concepção de reformular regras que afetam toda sociedade. 26 DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil: direito das sucessões. São Paulo: Saraiva, v. 6, p GONÇALVES, 2012, p Ibid., p BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado, GONÇALVES, 2012 apud A Disciplina Civil-Constitucional, cit., p. 50.

11 11 2 REFORMULAÇÃO DO DIREITO SUCESSÓRIO NA UNIÃO ESTÁVEL A primeira reformulação deve tratar dos direitos do cônjuge supérstite em comparação ao do companheiro sobrevivente, pois há lacunas a serem preenchidas ocorrendo dúvidas a respeito do procedimento da interpretação da lei. Diante das formas de constituição das entidades familiares, o empenho em não distinguir cônjuge e o companheiro, mostra-se prioritário, em razão da expansão do conceito de família, ocasionando a efetiva proteção dos indivíduos que a compõem. O concubinato já foi classificado como puro e impuro, sendo o primeiro o que se trata de uniões que tenham aparência de casados, enquanto que o impuro se refere às relações de adultério e incestuosas, termo que vem sendo deixado de lado pelos doutrinadores, adotando novas nomenclaturas como: família de fato, família sem casamento, casamento de segunda classe, união estável, convivência more uxória, entre outros. 31 A promulgação da Constituição Federal de 1988 ressaltou preferencialmente o amparo da entidade que sustenta a sociedade, ajustando o reconhecimento da união estável entre o homem e a mulher, em seu art. 226, 3.º, sendo essa união contínua e duradoura e estabelecida com objetivo de constituir família. Assim, o legislador constitucional permitiu que casais oficializassem o convívio familiar, dando liberdade ao cidadão de proceder à escolha do instituto jurídico que vai reger a sua instituição familiar, conforme entendimento de Zeno Veloso 32 : [...] o que ela quer é simplesmente, é que, se os conviventes resolverem casar, que esse objetivo seja facilitado, dispensando-se os que já vivem juntos, em união estável, como entidade familiar, de algumas exigências que são prescritas para os que não exibem tal condição. Por conseguinte essa informação torna indispensável o ponto de vista que interpreta que não há inferioridade nas entidades familiares entre o cônjuge e o companheiro. Porém o legislador não se atentou ao fato de que com a normatização houve falhas que refletem claramente incoerências e discriminação em confronto entre as estruturas de partilhas pelo casamento e a união estável. O Código Civil de 2002 regulou em seu ordenamento o direito sucessório do companheiro na união estável. Antes este era feito pelas leis 8.971/94 33 e 9.278/96 34 que traziam em seu regulamento os direitos dos companheiros na união estável, sendo que a primeira inseriu o companheiro na ordem da vocação hereditária, e a segunda regulava o direito real de habitação como direito sucessório. Porém o legislador ao invés de solucionar os conflitos e duvidas já existem em relação à união estável, elaborou apenas um artigo não estabelecendo regras claras e proporcionou incisos que ferem claramente os preceitos constitucionais. 31 FERREIRA, 2003, p. 18 e VELOSO, Zeno. Direito hereditário do cônjuge e do companheiro. São Paulo: Saraiva, v.1, p BRASIL. Lei n , de 29 de dezembro de Regula o direito dos companheiros a alimentos e à sucessão. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8971.htm>. Acesso em: 28 mai BRASIL. Lei n , de 10 de maio de Regula o +3.º do art. 226 da Constituição Federal. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9278.htm>. Acesso em: 28 mai

12 12 O legislador não acompanhou as mudanças de valores sociais e nem a mudança de costumes, se prendendo ao modelo de família tradicional formado por concepções pertencentes à igreja. O principio da igualdade e da dignidade da pessoa humana que regem o art. 5º, caput, e 1º, III, da Constituição Federal 35, são ofendidos ao se legislar no art do Código Civil 36, uma condição de tratamento discriminatório na sucessão causa mortis do companheiro sobrevivente. O descrito no art do Código Civil, traz a estrutura do procedimento da partilha de bens da sucessão do companheiro já falecido, conforme exposto: Art A companheira ou o companheiro participará da sucessão do outro, quanto aos bens adquiridos onerosamente na vigência da união estável, nas condições seguintes: I - se concorrer com filhos comuns, terá direito a uma quota equivalente à que por lei for atribuída ao filho; II - se concorrer com descendentes só do autor da herança, tocar-lhe-á a metade do que couber a cada um daqueles; III - se concorrer com outros parentes sucessíveis, terá direito a um terço da herança; IV - não havendo parentes sucessíveis, terá direito à totalidade da herança. 37 Logo o exame minucioso do artigo descrito demonstra a existência de diferenciação ao discorrer a cerca do tratamento entre o cônjuge supérstite e o companheiro sobrevivente. Observa-se que o dispositivo legal foi colocado nas disposições gerais, ao passo que os artigos que se destinam à sucessão do cônjuge supérstite foram instalados no âmbito da ordem da vocação hereditária. A partir desse limitado detalhe, é perceptível o início do tratamento inferior em relação ao companheiro, o que não deveria ocorrer, uma vez que a Constituição Federal 38 procura proceder com isonomia quando há referencia à proteção das famílias. O art do Código Civil foi mal redigido se tornando em algumas partes inconstitucional para muitos juristas, conduz a uma concepção injusta, hierarquizando as famílias, uma vez que estabelece uma diferenciação gritante entre o cônjuge e o companheiro. Fere o preceito de igualdade e consequentemente atrapalha a efetiva proteção da sociedade familiar. Nessa mesma linha de pensamento Zeno Veloso entende que: As famílias são iguais, dotadas da mesma dignidade e respeito. Não há, em nosso país, família de primeira, segunda ou terceira classe. Qualquer discriminação neste campo é nitidamente inconstitucional. O art do Código Civil desiguala as famílias. É dispositivo passadista, retrógado, perverso. Deve ser eliminado o quanto antes. O Código ficaria melhor e muito melhor sem essa excrescência BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado, BRASIL. Lei n , de 10 de janeiro de Novo Código Civil Brasileiro. Legislação Federal. sítio eletrônico internet - planalto.gov.br 37 BRASIL. Lei n , de 10 de janeiro de Novo Código Civil Brasileiro. Legislação Federal. sítio eletrônico internet - planalto.gov.br 38 BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado, VELOSO, Zeno. Código civil comentado. 6ed. Coord. Ricardo Fiuzza e Regina Beatriz Tavares da Silva. São Paulo: Saraiva, p

13 13 O artigo apresenta diferenciação entre cônjuge e companheiro quanto ao quinhão a ser recolhido na herança do de cujus, uma vez que o cônjuge sobrevivente terá direito sob a meação, concorrendo à totalidade da herança com os descendentes ou ascendentes, havendo apenas exceção se o regime de casamento era o de comunhão universal, ou separação obrigatória, e caso seja comunhão parcial o de cujus não houver deixado bens particulares. O artigo do Código Civil determina que o companheiro só terá direito a bens adquiridos onerosamente na constância da união, portanto a herança será dividida se houver descendentes, ascendentes e parentes colaterais até 4º grau. Ficando excluídos os bens que forem recebidos por doação ou por herança do de cujus. Equivale dizer que os bens que o companheiro possui direito são o da meação, caso ocorra de não haver nenhum bem adquirido onerosamente na constância da união, simplesmente não haverá nada a herdar. Tratando-se da relação de casamento o cônjuge supérstite herdaria, no mesmo regime comunhão parcial de bens, conforme art do Código Civil 40 além da meação o direito aos bens particulares. A opinião de uma parcela da doutrina tem uma clara idéia de que é injusta a posição em que é colocado o companheiro: O companheiro e a companheira ficam em situação de estrema inferioridade, quanto à sucessão, diante do marido e da mulher. Note-se que a herança que pode caber ao companheiro sobrevivente é limitada aos bens adquiridos onerosamente na vigência da união estável, o que representa uma restrição de calado profundo 41 A perceptível desigualdade em decretar que o companheiro, como ente de uma entidade familiar, tem direito apenas a uma parte dos bens do de cujus enquanto o cônjuge a participa na totalidade dos bens na herança, afronta o direito a igualdade e também ao art. 226, 3º da Constituição federal 42, que buscou a proteção das famílias. A doutrinadora Maria Helena Diniz compreende que não deveria haver tratamento vantajoso se tratando das relações familiares: A relação matrimonial na seara sucessória prevalece sobre a estabelecida pela união estável [...]. Não poderia ter tratamento privilegiado, porque a disciplina legal da união estável tem natureza tutelar, por um fato cada vez mais frequente entre nós. Dá-se uma solução humana ao amparar o convivente após o óbito do companheiro, presumindo-se sua colaboração na formação do patrimônio do autor da herança 43. A redação desse comentário conduziu a uma maior clareza aos fatos de que o companheiro ajuda na manutenção e preservação do patrimônio que possui natureza particular, não adquirido onerosamente durante a união, acarretando assim uma percepção de que o companheiro supérstite deveria possuir direito a herança dos bens particulares do de cujus. 40 BRASIL. Lei n , de 10 de janeiro de Novo Código Civil Brasileiro. Legislação Federal. sítio eletrônico internet - planalto.gov.br 41 In Código Civil Comentado, coordenado por Ricardo Fiúza e Regina Beatriz Tavares da Silva, 6. ed., Saraiva, BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado, DINIZ, 2002, p. 117.

14 14 Reforçando a concepção de desigualdade que traz o art. art do Código Civil, o entendimento do TJSC, que profere decisão a favor da isonomia de direitos: "ALVARÁ JUDICIAL. CRÉDITOS TRABALHISTAS. LEI Nº 6.858/80. BENEFÍCIO AOS DEPENDENTES PREVIDENCIÁRIOS. EXISTÊNCIA DE OUTROS DESCENDENTES. VIOLAÇÃO AO DIREITO DE HERANÇA E IGUALDADE ENTRE OS FILHOS. CF/88, ARTS. 5º, XXX E 227, 6º. A teor do art. 1º da Lei nº 6.858/80, os valores decorrentes da relação empregatícia, não recebidos em vida pelo empregado, serão pagos aos dependentes regularmente habilitados perante a previdência social, sem necessidade do ajuizamento de inventário ou arrolamento. Tal previsão somente poderá ser efetivada na sua integralidade se todos os filhos participarem da lista de dependentes, porquanto, permitir que somente parte deles recebam a importância, violar-se-ia o direito fundamental à herança, previsto no art. 5º, inciso XXX, da Constituição Federal, bem como a igualdade incondicional entre os filhos, também estabelecido na Carta Magna, em seu art. 227, 6º. ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA. UNIÃO ESTÁVEL (CC, ART ). INAPLICABILIDADE. DESIGUALDADE NO TRATAMENTO ENTE CÔNJUGE E COMPANHEIRO SOBREVIVOS. ISONOMIA QUEBRADA. VIOLAÇÃO DO ART. 226 DA CF/88. APLICAÇÃO ANALÓGICA DO ART DO CC. A Carta Magna de 1988, por meio de seu art. 226, igualou a união estável e o casamento no tocante a direitos e proteção estatal, não havendo qualquer razão para que haja diferenças no tratamento entre os cônjuges e os companheiros.desse modo, o art do Código Civil, que regula a ordem de sucessão na união estável, mostra-se em desacordo com o ordenamento constitucional, pois não observa a mencionada igualdade, reduzindo o direito do companheiro supérstite, se comparado com o rol de garantias conferidas ao cônjuge sobrevivente." 44 (negrito nosso) Os preceitos utilizados para a demonstração de constituição de união estável são os de afetividade e atualidade, como dispõe os artigos 1.642, V e 1830 do Código Civil 45, o que nos conduz a refletir sobre a incompatibilidade do modo de tratamento desigual em comparação ao cônjuge, pois se preza a dedicação, o companheirismos, os interesses e atitudes em construir uma vida a dois tanto no instituto familiar do casamento tanto no da união estável, logo não é compreensível à delimitação preconceituosa na herança constituída apenas na constância da união estável. A jurisprudência alega em seu entendimento que o companheirismo se classifica a partir das seguintes particularidades: CIVIL. UNIÃO ESTÁVEL. RECONHECIMENTO POST MORTEM. RELACIONAMENTO AFETIVO. SUBSISTÊNCIA. ASSIMILAÇÃO COMO UNIÃO ESTÁVEL. ELEMENTOS IDENTIFICADORES. PROVA. INEXISTÊNCIA. ÔNUS DA AUTORA. DEFICIÊNCIA. 1.A união estável se assemelha ao casamento, encerrando os deveres de respeito, assistência e lealdade recíprocos, demandando sua caracterização a comprovação de que o relacionamento havido entre os nele envolvidos fora contínuo, duradouro, público e estabelecido com o objetivo de constituição de família, legitimando que lhe seja conferida essa qualificação e reconhecida como entidade familiar (CC, art e Lei nº 9.278/96, art. 1º.[...] 2.[...] 3.Apelação conhecida e desprovida. Unânime. 46 (grifo nosso) 44 BRASIL. TJSC. APC AC Desembargadora Salete Silva Sommariva. 45 BRASIL. Lei n , de 10 de janeiro de Novo Código Civil Brasileiro. Legislação Federal. sítio eletrônico internet - planalto.gov.br. 46 BRASIL. TJDFT. APC AC Desembargador Teófilo Caetano.

15 15 O tempo estipulado para concorrer a herança após a separação de fato, do cônjuge, é de dois anos, porem ocorre que esse tempo é suficiente para que um dos ex cônjuges encontrem um companheiro, acarretando conflitos de interesses entre o ex cônjuge supérstite e o companheiro sobrevivente. O Código Civil não elucida a possibilidade de concorrer o cônjuge e o companheiro, deixando a cargo dos doutrinadores e jurisprudência a decisão da proporção da partilha da herança, levando em consideração que pela faltade filho do de cujus ou parentes até quarto grau, o companheiro deveria receber a totalidade de bens. Flávio Tartuce traz em seu Manual de Direito Civil algumas propostas de doutrinadores para a solução desse problema: Euclides de Oliveira propõe que os bens sejam divididos de forma igualitária entre o cônjuge e o companheiro. 47 Para José Luiz Gavião de Almeida, o companheiro terá direito a um terço dos bens adquiridos onerosamente durante a união estável, o que é aplicação do inc. III do art do C.C. O restante dos bens devem ser destinados ao cônjuge. 48 Para Cristinano Cassettari, a companheira deve receber toda a herança, eis que prevalece tal união quando da morte. 49 Conforme consta da obra escrita com José Fernando Simão, o entendimento do presente autor, a priori, é seguinte: considerando-se toda a orientação jurisprudencial no sentido de que a separação de fato põe fim ao regime de bens, o patrimônio do falecido deve ser dividido em dois montes. O primeiro monte é composto pelos bens adquiridos na constância fática do casamento. A segunda massa de bens é constituída pelos bens adquiridos durante a união estável. Quanto aos bens adquiridos onerosamente durante a união, a companheira terá direito à herança. Em relação aos bens adquiridos a outro título durante a união estável, o cônjuge terá direito a herança. 50 A população tem optado por constituir as famílias em uma proporção maior através da união estável do que pelo casamento, devendo o legislador apreciar com cautela a realidade fática do contexto social que se apresenta as relações de companheirismo, ressaltando os preceitos constitucionais que declaram a isonomia nas relações familiares. O texto apresenta uma má redação, pois traz elementos que por vezes permitem que o companheiro leve desvantagem em relação ao cônjuge, e em outra ocasião permite que haja uma condição mais favorável ao recebimento da herança do que o consorte sobrevivo. Permitindo um tratamento privilegiado quando o de cujus deixa um único bem adquirido onerosamente durante a convivência, com um filho e o companheiro, onde terá direito a 50% da meação e mais 25% da concorrência com o filho, enquanto o cônjuge sobrevivente teria direito a apenas 50% do patrimônio e igual parte ao filho TARTUCE, 2011 apud Euclides de Oliveira. Direito de herança. São Paulo: Saraiva, 2005, p TARTUCE, 2011 apud José Luiz Gavião de Almeida. Código civil comentado. Coord. Álvaro Vilaça Azevedo. São Paulo: Atlas, V. XVIII, p TARTUCE, 2011 apud Christiano Cassettari. Direito civil. Direito das Sucessões. Orientação: Giselda Maria Fernandes Novaes Hironaka. Coord. Christiano Cassettari e Márcia Menin. São Paulo: RT, p TARTUCE, 2011 apud Flávio Tartuce; José Fernando Simão. Direito das sucessões. 3. ed. São Paulo: Método, v. 6, p GONÇALVES, 2012 apud Euclides de Oliveira, Concorrência Sucessória, cit., p. 39, nota 12.

16 16 No tocante a concorrência do companheiro supérstite com os descendentes do de cujus há dúvidas sobre a interpretação da norma, pois o inciso I do art do Código Civil. estatui que se concorrer com filhos comuns, terá direito a uma quota equivalente à que por lei for atribuída ao filho, enquanto no inciso II se concorrer com descendentes só do autor da herança, tocar-lhe-á a metade do que couber a cada um daqueles. Apesar de não se estabelecer diferença dos filhos quanto a legítimos e ilegítimos, e a ordem de vocação, observa-se a distinção entre os filhos havido dentro e fora da convivência, tratando de receber maior cota parte os filhos que são descendentes apenas do de cujus. Deveria ter sido levado em consideração que pode ocorrer à concorrência do companheiro, dos filhos comuns e filhos só do autor da herança. Não há nada redigido a respeito de tal possibilidade, o legislador se omitiu deixando interpretação dificil a cargo da doutrina e jurisprudência, como é demonstrado a seguir: CIVIL - AGRAVO DE INSTRUMENTO - UNIÃO ESTÁVEL - SUCESSÃO - CONCORRÊNCIA DA COMPANHEIRA COM FILHOS COMUNS E EXCLUSIVOS DO AUTOR DA HERANÇA - APLICAÇÃO DO ART. 1790, I, CC 1. Predomina na doutrina o entendimento de que, diante da lacuna da lei quanto à hipótese de concorrência entre a companheira, herdeiros comuns e herdeiros apenas do autor da herança, a melhor solução é dividir de forma igualitária os quinhões hereditários entre o companheiro sobrevivente e todos os filhos. 2. Negou-se provimento ao agravo do Ministério Público do Distrito Federal. 52 As lacunas a serem preenchidas são muitas, um exemplo constituiria ausência de dispositivo que indique como será feita a partilha dos quinhões da herança havendo concorrência do companheiro supérstite com netos comuns. A hipótese apresentada seria partilha por cabeça já que são descendentes de filhos comuns como enunciado no inciso I do art do C.C., outra teoria seria a da divisão por estirpe já que no inciso II, do mesmo dispositivo, indica outros parentes sucessíveis, segundo a interpretação de Sílvio Venosa 53. Se a intenção do legislador foi colocar os netos como parentes sucessíveis, estes herdariam dois terços enquanto que o companheiro apenas um. O posicionamento de Sílvio Venosa sobre esta questão é de se este for o caso: [...] o legislador estaria rompendo com a tradição da vocação hereditária. É difícil a solução e mais uma vez o legislador foi cruel com o intérprete e com a sociedade. A mesma dúvida persiste quando da aplicação do inciso II, na hipótese de os netos serem só do autor da herança, quando o sobrevivente receberia só metade do cabente aos netos, se não fosse aplicado o inciso III. 54 Ao se tratar do inciso III, do art do Código Civil, pode ser visualizado a flagrante inconstitucionalidade, uma vez que o companheiro sobrevivente na ausência de filhos, sejam eles comuns ou apenas descendentes do autor da herança, deve partilhar a herança com outros parentes sucessíveis consistindo em 52 BRASIL. TJDFT. AGI AC Desembargador Sergio Rocha. 53 VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito civil: direito das sucessões. 11ª ed. São Paulo: Atlas, v. 7, p VENOSA, 2011, p. 152.

17 17 ascendentes e colaterais até quarto grau. Essa partilha será de um terço para o convivente e dois terços para os parentes. Flávio Tartuce é favorável a tese de inconstitucionalidade desse inciso, por ser desproporcional e desprestigiar a união estável 55 A redação desse inciso coloca o companheiro em uma posição extremamente desfavorável em relação ao cônjuge, porque aquele terá que dividir o patrimônio que auxiliou o de cujus a estabelecer com parentes que por vezes nem tem contato 56. A uma parte da jurisprudência acolhe a afirmativa de ocorrência de inconstitucionalidade nesse inciso: "INCIDENTE DE INCONSTITUCIONALIDADE. SUCESSÃO DA COMPANHEIRA. ART , III, DO CÓDIGO CIVIL. INQUINADA AFRONTA AO ART. 226, 3º, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL, QUE CONFERE TRATAMENTO PARITÁRIO AO INSTITUTO DA UNIÃO ESTÁVEL EM RELAÇÃO AO CASAMENTO. NECESSIDADE DE MANIFESTAÇÃO DO COLENDO ÓRGÃO ESPECIAL. IMPOSSIBILIDADE DE LEI INFRACONSTITUCIONAL DISCIPLINAR DE FORMA DIVERSA O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO. OBSERVÂNCIA DO PRINCÍPIO DA IGUALDADE. ELEVAÇÃO DA UNIÃO ESTÁVEL AO STATUS DE ENTIDADE FAMILIAR. INCONSTITUCIONALIDADE RECONHECIDA. CONHECIMENTO DO INCIDENTE, DECLARADO PROCEDENTE. 1. Inconstitucionalidade do art , III, do Código Civil por afronta ao princípio da igualdade, já que o art. 226, 3º, da Constituição Federal conferiu tratamento similar aos institutos da união estável e do casamento, ambos abrangidos pelo conceito de entidade familiar e ensejadores de proteção estatal. 2. A distinção relativa aos direitos sucessórios dos companheiros viola frontalmente o princípio da igualdade material, uma vez que confere tratamento desigual àqueles que, casados ou não, mantiveram relação de afeto e companheirismo durante certo período de tempo, tendo contribuído diretamente para o desenvolvimento econômico da entidade familiar." 57 (negrito nosso) O inciso IV, do art do Código Civil segue a mesma noção de desigualdade dos incisos antecedentes, mas conduz assim como o inciso III a evidente inconstitucionalidade na redação de seu texto. Esse inciso tem relação direta com os três primeiros, uma vez que deve ser argüida sua inconstitucionalidade por somente ter direito a herdar os bens particulares e aqueles adquiridos por doação se não houver nenhum filho do de cujus ou parentes até quarto grau. A inconstitucionalidade dos incisos III e IV, art. 1790, do Código Civil, traz uma discussão doutrinaria longa e controversa, chegando o Superior Tribunal de Justiça admitir cabível sua inconstitucionalidade: INCIDENTE DE ARGUIÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE. ART , INCISOS III E IV DO CÓDIGO CIVIL DE UNIÃO ESTÁVEL. SUCESSÃO DO COMPANHEIRO. CONCORRÊNCIA COM PARENTES SUCESSÍVEIS.Preenchidos os requisitos legais e regimentais, cabível o incidente de inconstitucionalidade dos incisos, III e IV, do art. 1790, Código Civil, diante do intenso debate doutrinário e jurisprudencial acerca da matéria tratada. 58 (negrito nosso) 55 TARTUCE, 2011, p Ibidem., 2011, p BRASIL. TJPR. Incidente de Decl.de Inconstitucionalidade nº /01 AC Desembargador Sérgio Arenhart. 58 BRASIL. STJ. AI no REsp /PB AC Ministro Luís Felipe Salomão.

18 18 O Código Civil também não dispõe expressamente a respeito do direito real de habitação, que consiste em uma falha, sendo usada a previsão da Lei n /1996 que não foi revogada ou pela analogia feita ao art. 1831, do Código Civil, informado pelo art. 6.º, caput da Constituição Federal, prevalecendo o entendimento doutrinário da proteção constitucional da moradia, citado na Constituição Federal PROJETOS DE LEI PARA REFORMA DO CÓDIGO CIVIL Diante das inúmeras realidades existentes é imprescindível que seja tipificado a luz da realidade e dos valores sociais, novas regras a respeito da sucessão na união estável. Existe arquivada na Mesa Diretora da Câmara dos Deputados Projeto de Lei n /2002 que visa redigir alguns artigos do Código Civil, entre eles o art , dando a seguinte redação: Art O companheiro participará da sucessão do outro na forma seguinte: I - em concorrência com descendentes, terá direito a uma quota equivalente à metade do que couber a cada um destes, salvo se tiver havido comunhão de bens durante a união estável e o autor da herança não houver deixado bens particulares, ou se o casamento dos companheiros se tivesse ocorrido, observada a situação existente no começo da convivência, fosse pelo regime da separação obrigatória (art ); II - em concorrência com ascendentes, terá direito a uma quota equivalente à metade do que couber a cada um destes; III em falta de descendentes e ascendentes, terá direito à totalidade da herança. Parágrafo único. Ao companheiro sobrevivente, enquanto não constituir nova união ou casamento, será assegurado, sem prejuízo da participação que lhe caiba na herança, o direito real de habitação relativamente ao imóvel destinado à residência da família, desde que seja o único daquela natureza a inventariar 60 A nova redação traz pontos positivos, como o companheiro receber sempre a metade do que couber aos descendentes do morto, sem distinção da origem do parentesco. E elimina a concorrência do cônjuge sobrevivente com colaterais até 4º grau, não havendo descendentes e ascendentes. Outro importante Projeto de Lei é o n /2005, que visa alterar os dispositivos que dispõem a respeito da igualdade de direitos sucessórios entre cônjuges e companheiros de união estável, decretando o Congresso Nacional as seguintes modificações: Art. 1º. Esta Lei modifica disposições do Código Civil sobre igualdade de direitos sucessórios entre cônjuges e companheiros de união estável. Art. 2º Os arts. 544, 1.829, 1.830, 1.831, 1.832, 1.837, 1.838, 1.839, e 2003 da Lei Código Civil, de 10 de janeiro de 2002, passam a vigorar com a seguinte redação: Art A doação de ascendentes a descendentes importa adiantamento do que lhes cabe por herança. (NR) TARTUCE, 2011, p DEPUTADOS, Câmara dos. Projeto de Lei n /2002. Disponível em: <http://www.camara.gov.br/proposicoesweb/fichadetramitacao?idproposicao=56549>. Acesso em: 09 mai

19 19 Art A sucessão legítima defere-se na seguinte ordem: I aos descendentes, em concorrência com o cônjuge sobrevivente ou com o companheiro sobrevivente; II aos ascendentes, em concorrência com o cônjuge sobrevivente ou com o companheiro sobrevivente; III ao cônjuge sobrevivente ou ao companheiro sobrevivente; IV aos colaterais. Parágrafo único. A concorrência referida nos incisos I e II darse- á, exclusivamente, quanto aos bens adquiridos onerosamente, durante a vigência do casamento ou da união estável, e sobre os quais não incida direito à meação, excluídos os subrogados. (NR) Art Somente é reconhecido direito sucessório ao cônjuge sobrevivente se, ao tempo da morte do outro, não estavam separados de fato. (NR) Art Ao cônjuge ou ao companheiro sobreviventes, qualquer que seja o regime de bens, será assegurado, sem prejuízo da participação que lhe caiba na herança, o direito real de habitação relativamente ao imóvel destinado à residência da família, desde que, na abertura da sucessão, esteja sob domínio exclusivo do falecido ou deste e do sobrevivente. Parágrafo único. O direito real de habitação não será assegurado se o imóvel integrar a legítima dos descendentes menores ou incapazes. (NR) Art Em concorrência com os descendentes, caberá ao cônjuge ou ao companheiro sobrevivente parte igual àquela que couber a cada um dos herdeiros que sucederem por cabeça. (NR)... Art Concorrendo com ascendente em primeiro grau, ao cônjuge ou ao companheiro tocará um terço da herança; caberlhe- á a metade desta se houver um só ascendente, ou se maior for aquele grau. (NR) Art Na falta de descendentes e ascendentes, será deferida a sucessão por inteiro ao cônjuge ou companheiro sobrevivente. (NR) Art Se não houver cônjuge ou companheiro sobrevivente, nas condições estabelecidas no art. 1830, serão chamados a suceder os colaterais até terceiro grau. (NR)... Art São herdeiros necessários os descendentes e os ascendentes. (NR)... Art A colação tem por fim igualar, na proporção estabelecida neste Código, as legítimas dos descendentes, obrigando também os donatários que, ao tempo do falecimento do doador, já não possuíam os bens doados. Parágrafo único. Se, computados os valores das doações feitas em adiantamento de legítima, não houver no acervo bens suficientes para igualar as legítimas dos descendentes, os bens assim doados serão conferidos em espécie, ou, quando deles já não disponha o donatário, pelo seu valor ao tempo da liberalidade. (NR) Art. 3º. Revoga-se o art da Lei , de 10 de janeiro de E há o Projeto de Lei 508/ que também visa à alteração dos dispositivos que estabelecem a igualdade de direitos sucessórios entre cônjuges e companheiros de união estável. Esse projetos necessitam ser aprovados sem demora, para que o companheiro possa ter igualdade em relação ao cônjuge, ao menos em matéria sucessória DEPUTADOS, Câmara dos. Projeto de Lei n /2005. Disponível em: <http://www.camara.gov.br/proposicoesweb/fichadetramitacao?idproposicao=279454>. Acesso em: 09 mai DEPUTADOS, Câmara dos. Projeto de Lei n. 508/2007. Disponível em: <http://www.camara.gov.br/proposicoesweb/fichadetramitacao?idproposicao=345372>. Acesso em: 09 mai. 2013

20 20 CONCLUSÃO Com a ampliação do conceito de família e suas formas a Constituição Federal compreendeu que houve mudanças de valores sociais, reconhecendo o seu valor e consentiu em receber a união estável como uma forma de se constituir família. Não deve haver diferenciação no Código Civil dos tratamentos dispensados ao casamento e a união estável. Os fundamentos constitucionais buscam alcançar a proteção do núcleo familiar, porém as normas que tratam do direito sucessório do companheiro não estão convergindo para o auxílio e proteção dos entes inseridos nesse núcleo. A composição de família não se dá somente pelo matrimônio estando este em decadência, mostrando que a união estável esta ganhando espaço exigindo que o ordenamento jurídico sofra alterações em suas normas. As relações existentes entre os cônjuges e os companheiros se assemelham, os dois dividem afeto, respeito, ajuda moral, material, psicológica, tem por objetivo a criação de uma família, não existindo motivo para o legislador edificar normas que trazem disparidades e discriminações. É indispensável que seja revisto o art do Código Civil, pois causa à distinção das famílias, mesmo havendo disposição constitucional que as equipara, ocasionando discriminação e distinguindo como se houvesse família de primeira ou segunda classe. A redação do art do Código Civil promove também grande dificuldade de interpretação diante das suas omissões. A necessidade de aprovação dos Projetos de Lei que já foram elaborados requer urgência, para que haja rompimento de pensamentos retrógados que não condizem com a realidade vivida pela sociedade brasileira. ABSTRACT The research objective is to present an analysis of the law of succession in family entity of stable union. It is essential to show under a legal aspect injustices existing in the law concerning succession mate, indicating the lack of adequate standards of social reality as existing standards do not fall into line with changing values, practices and cultural reality reiterated by society, thus causing differential treatment of Brazilian families, demonstrating that the legislature did not have the ability to write text consistent with equality between families. The first chapter sets doctrinal discussions about fundamental protection of the family, with the inclusion in the Constitution's Article 223, 3. º, which aims to protect the family formed by the union stable. The second chapter shows the approach regarding the wording of the law of succession fellow in the Civil Code and how it hurts constitutional principles like equality and human dignity. The third chapter is shown Projects Laws view the reformulation of the Civil Code, bringing the aspect of inheritance law fellow, demonstrating the understanding that the present article does not receive the protection of the family formed the stable. Key-words: Inheritance Law. Family Entity. Stable. Equity effect.

SUCESSÃO: ASPECTOS POLÊMICOS DA SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO

SUCESSÃO: ASPECTOS POLÊMICOS DA SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO SUCESSÃO: ASPECTOS POLÊMICOS DA SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO GODOY, Nilza Tiemi Nagaoka RESUMO O Direito das Sucessões apresenta muitos aspectos polêmicos diante de lacunas deixadas pelo legislador.

Leia mais

HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE

HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE Luiz Alberto Rossi (*) SUMÁRIO DISTINÇÃO ENTRE HERDEIROS E LEGATÁRIOS. SAISINE. CÔNJUGE: HERDEIRO NECESSÁRIO. QUINHÃO DO CÔNJUGE. TIPOS DE CONCORRÊNCIA. BENS PARTICULARES.

Leia mais

Direito das Sucessões

Direito das Sucessões Direito das Sucessões OBJETIVO Compreender as consequências da ordem de vocação hereditária. ROTEIRO! Da ordem de vocação hereditária! Ordem de vocação hereditária no Código de 1916! Nova ordem de vocação

Leia mais

Professora Alessandra Vieira

Professora Alessandra Vieira Sucessão Legítima Conceito: A sucessão legítima ou ab intestato, é a que se opera por força de lei e ocorre quando o de cujus tem herdeiros necessários que, de pleno direito, fazem jus a recolher a cota

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva SUCESSÃO DO CÔNJUGE Herdeiro necessário e concorrente ( concorrente, conforme o regime de bens) Os regimes de matrimoniais de bens e suas implicações

Leia mais

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Toda a sucessão legítima observará uma ordem de vocação hereditária que, no Código Civil, está prevista no artigo 1.829. Art. 1.829.

Leia mais

O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE SEPARADO DE FATO

O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE SEPARADO DE FATO O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE SEPARADO DE FATO Valéria Edith Carvalho de Oliveira 1 Sumário: 1 Introdução. 2 O direito sucessório do cônjuge separado de fato. 3. O direito sucessório do cônjuge separado

Leia mais

Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório

Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório Giselda Maria Fernandes Novaes Hironaka Doutora e Livre Docente em Direito pela Faculdade de Direito da USP Professora Associada ao Departamento de Direito

Leia mais

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR RESUMO

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR RESUMO A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR Rodrigo Schenckel da Silva 1 Rachel Marques da Silva 2 RESUMO Com a entrada em vigor do Código Civil

Leia mais

Regime de bens e divisão da herança

Regime de bens e divisão da herança Regime de bens e divisão da herança Antes da celebração do casamento, os noivos têm a possibilidade de escolher o regime de bens a ser adotado, que determinará se haverá ou não a comunicação (compartilhamento)

Leia mais

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL 76 A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL CLAUDIA NASCIMENTO VIEIRA¹ O artigo 226 da Constituição Federal equiparou a união estável entre homem e mulher ao casamento, dispondo em seu parágrafo 3º que é reconhecida

Leia mais

SUCESSÃO DO COMPANHEIRO (CC, ART. 1790)

SUCESSÃO DO COMPANHEIRO (CC, ART. 1790) SUCESSÃO DO COMPANHEIRO (CC, ART. 1790) Abril de 2013. José Fernando Simão Companheiros: São aqueles que vivem em união estável. É reconhecida como entidade familiar a união estável entre homem e mulher,

Leia mais

Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO

Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO 2010 A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO Para se obter um bom entendimento como se processa

Leia mais

SUCESSÃO DO CÔNJUGE NO NOVO CÓDIGO CIVIL

SUCESSÃO DO CÔNJUGE NO NOVO CÓDIGO CIVIL SUCESSÃO DO CÔNJUGE NO NOVO CÓDIGO CIVIL Zeno Veloso 1 No palco em que se desenrolam as relações jurídicas da sucessão legítima, um personagem ganhou papel de grande destaque, podendo-se afirmar que é

Leia mais

O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade. http://patriciafontanella.adv.br

O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade. http://patriciafontanella.adv.br O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade http://patriciafontanella.adv.br Viés Constitucional Assento constitucional (art. 5º XXX, CF/88). Mudança dos poderes individuais da propriedade, trazendo a

Leia mais

CARLOS JORGE SAMPAIO ADVOGADO PARECER

CARLOS JORGE SAMPAIO ADVOGADO PARECER CARLOS JORGE SAMPAIO ADVOGADO COSTA PARECER Direito das Sucessões. Situação jurídica do companheiro ou companheira comparada com o status jurídico dos cônjuges. Constitucionalidade da distinção entre os

Leia mais

PROF. MS. FABIO TRUBILHANO

PROF. MS. FABIO TRUBILHANO 3 PROF. MS. FABIO TRUBILHANO ASPECTOS POLÊMICOS DA SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO A primeira questão polêmica sobre a qual nos debruçaremos envolve os arts. 1.641, 1.687 e 1.829 do Código Civil brasileiro.

Leia mais

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08.

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08. Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar Apresentação 10.08.10 Luiz Kignel Karime Costalunga F 1 F 2 F 3 F 1 F 2 F 3 F 4 Fundador

Leia mais

A sucessão do cônjuge e do companheiro no novo código civil

A sucessão do cônjuge e do companheiro no novo código civil A sucessão do cônjuge e do companheiro no novo código civil 1. Intróito Inacio de Carvalho Neto Professor de Direito Civil da Unifoz, da Unipar, do CIES, da Escola do Ministério Público e da Escola da

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento.

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. 1 DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões SUCESSÃO LEGÍTIMA SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. Colação não significa devolução

Leia mais

A COLAÇÃO DOS BENS DOADOS A HERDEIROS: ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 70050981836 JULGADO PELO TJRS

A COLAÇÃO DOS BENS DOADOS A HERDEIROS: ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 70050981836 JULGADO PELO TJRS 23 A COLAÇÃO DOS BENS DOADOS A HERDEIROS: ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 70050981836 JULGADO PELO TJRS Adrieli Aline Frias 1 Daniele Garcia 2 Niagara Sabrina 3 Ynaia Medina Long 4 Orientadora: Profª. Mª. Ana Cleusa

Leia mais

DIREITO DAS SUCESSÕES

DIREITO DAS SUCESSÕES Direito Civil Aula 3 Delegado Civil Sandro Gaspar Amaral DIREITO DAS SUCESSÕES PRINCÍPIO DE SAISINE (art. 1784, CC): transmissão da propriedade e da posse no exato momento da morte. NORMA VIGENTE (art.

Leia mais

CONSIDERAÇÕES ACERCA DO REGIME DE BENS E DO DIREITO DE CONCORRÊNCIA DO CÔNJUGE

CONSIDERAÇÕES ACERCA DO REGIME DE BENS E DO DIREITO DE CONCORRÊNCIA DO CÔNJUGE CONSIDERAÇÕES ACERCA DO REGIME DE BENS E DO DIREITO DE CONCORRÊNCIA DO CÔNJUGE Fernanda Garcia Escane Mestranda em Direito Civil comparado pela PUC/SP. Palestrante na Ordem dos Advogados do Brasil de Santo

Leia mais

CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO

CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO Edgard Borba Fróes Neto 1 Resumo A possibilidade dos companheiros livremente estipularem regras de cunho patrimonial, mediante celebração

Leia mais

União estável e a separação obrigatória de bens

União estável e a separação obrigatória de bens União estável e a separação obrigatória de bens Quando um casal desenvolve uma relação afetiva contínua e duradoura, conhecida publicamente e estabelece a vontade de constituir uma família, essa relação

Leia mais

SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL DIMAS MESSIAS DE CARVALHO Promotor de Justiça no Estado de Minas Gerais. Autor do Livro Direito de Família, publicado em 2005, pela Editora Atenas. Professor de Direito de Família e Sucessões na Unifenas,

Leia mais

DO CÁLCULO DOS BENS COLACIONADOS: COMENTÁRIO AO ACÓRDÃO Nº 70061873899 DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO SUL

DO CÁLCULO DOS BENS COLACIONADOS: COMENTÁRIO AO ACÓRDÃO Nº 70061873899 DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO SUL 16 DO CÁLCULO DOS BENS COLACIONADOS: COMENTÁRIO AO ACÓRDÃO Nº 70061873899 DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO SUL Fabiana Daniele Carneiro 1 Jaqueline Naiane Gonçalves Torres 2 Patricia Fertonani 3

Leia mais

O inc. I do art. 1.829 do CC: algumas interrogações

O inc. I do art. 1.829 do CC: algumas interrogações O inc. I do art. 1.829 do CC: algumas interrogações Maria Berenice Dias Desembargadora do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul Vice-Presidente Nacional do Instituto Brasileiro de Direito de Família

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CELSO SHIGUEO OHARA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CELSO SHIGUEO OHARA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CELSO SHIGUEO OHARA POSSIBILIDADE DO COMPANHEIRO SOBREVIVENTE SER MEEIRO E HERDEIRO QUANTO AOS BENS ADQUIRIDOS ONEROSAMENTE NA CONSTÂNCIA DA UNIÃO ESTÁVEL MARINGÁ PR 2013

Leia mais

DOAÇÃO E SEUS IMPACTOS NO DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÃO. http://patriciafontanella.adv.br

DOAÇÃO E SEUS IMPACTOS NO DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÃO. http://patriciafontanella.adv.br DOAÇÃO E SEUS IMPACTOS NO DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÃO doação Conceito: é negócio jurídico unilateral inter vivos, em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens ou vantagens para

Leia mais

Direito de Família. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Direito de Família. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Direito de Família Direito de Família Direito de Família Regula as relações patrimoniais e morais decorrentes do casamento, das demais entidades familiares e da relação de parentesco. Entidade Familiar

Leia mais

DIREITO DE FAMÍLIA DIREITO CIVIL - FAMÍLIA PROF: FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DATA: 10/02/2011

DIREITO DE FAMÍLIA DIREITO CIVIL - FAMÍLIA PROF: FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DATA: 10/02/2011 DIREITO DE FAMÍLIA Antes da Constituição de 1988 a família se constituía somente pelo casamento. A Constituição de 1988 adotou o princípio da pluralidade das famílias, prevendo, no art. 226 1 três espécies

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AI no RECURSO ESPECIAL Nº 1.135.354 - PB (2009/0160051-5) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRO LUIS FELIPE SALOMÃO : MARIA JAYDETH MIRANDA : ROBERTO COSTA DE LUNA FREIRE E OUTRO(S) : ONALDO LINS DE

Leia mais

(I) O CADASTRO PARA BLOQUEIO DE RECEBIMENTO DE LIGAÇÕES DE TELEMARKETING E O DIREITO DO CONSUMIDOR

(I) O CADASTRO PARA BLOQUEIO DE RECEBIMENTO DE LIGAÇÕES DE TELEMARKETING E O DIREITO DO CONSUMIDOR Ano III nº 12 (I) O CADASTRO PARA BLOQUEIO DE RECEBIMENTO DE LIGAÇÕES DE TELEMARKETING E O DIREITO DO CONSUMIDOR Barbara Brentani Lameirão Roncolatto Luiz Henrique Cruz Azevedo 01. Em 7 de outubro de 2008,

Leia mais

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL REVISTA JURÍDICA da UniFil, Ano I - nº 1 105 A SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL 1 Inacio de Carvalho Neto * RESUMO O presente artigo aborda as alterações ocorridas no âmbito do

Leia mais

A SUCESSÃO DO COMPANHEIRO NA UNIÃO ESTÁVEL, NÃO HAVENDO PARENTES SUCESSÍVEIS

A SUCESSÃO DO COMPANHEIRO NA UNIÃO ESTÁVEL, NÃO HAVENDO PARENTES SUCESSÍVEIS A SUCESSÃO DO COMPANHEIRO NA UNIÃO ESTÁVEL, NÃO HAVENDO PARENTES SUCESSÍVEIS KAYLER AMADOR LAUAR MELUCCI VIEIRA BERNHAUSS, 1 JUMARA APARECIDA HONÓRIO RODRIGUES 2 DESEMBARGADOR ANTÔNIO BELIZÁRIO DE LACERDA

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº Dados Básicos Fonte: 70039973367 Tipo: Acórdão TJRS Data de Julgamento: 08/06/2011 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação:14/06/2011 Estado: Rio Grande do Sul Cidade: Porto Alegre Relator:

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. I descendentes concorrendo com o cônjuge;

PONTO 1: Sucessões. I descendentes concorrendo com o cônjuge; 1 DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões CONCORRÊNCIA NO NCC herdeiros. Art. 1829 do CC É a primeira vez que o código enfrenta a concorrência entre I descendentes concorrendo com o cônjuge; Indignidade: art.

Leia mais

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA 9ª Aula: Sucessão SUCESSÃO 1. Tipos 1.1. Sucessão Legítima: surgiu pela lei (legislador deu a lei) 1.2. Sucessão Testamentária: Surgiu o testamento Em regra vale a legítima quando

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÂO PAULO ACÓRDÃO. AGRAVO DE INSTRUMENTO n" 568.648-4/4-00, da Comarca de

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÂO PAULO ACÓRDÃO. AGRAVO DE INSTRUMENTO n 568.648-4/4-00, da Comarca de TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÂO PAULO ACÓRDÃO TRiRi IMAI DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO T KDÂ07DEcfsÃ0 MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N Vistos,- relatados e discutidos estes autos de' AGRAVO DE INSTRUMENTO n" 568.648-4/4-00,

Leia mais

Da Sucessão do Companheiro. O Polêmico Art. 1.790 Do CC e Suas Controvérsias Principais.

Da Sucessão do Companheiro. O Polêmico Art. 1.790 Do CC e Suas Controvérsias Principais. Da Sucessão do Companheiro. O Polêmico Art. 1.790 Do CC e Suas Controvérsias Principais. Autor: Flávio Tartuce Um dos dispositivos mais criticados e comentados da atual codificação privada é o relativo

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista PLANO DE ENSINO DISCIPLINA SÉRIE PERÍODO LETIVO CARGA HORÁRIA DIREITO CIVIL V (Direitos de família e das sucessões) QUINTA 2015 136 I EMENTA Direito de Família. Casamento. Efeitos jurídicos do casamento.

Leia mais

ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA NO NOVO CÓDIGO CIVIL: OS DIREITOS SUCESSÓRIOS DO CÔNJUGE ALICE DE SOUZA BIRCHAL 1 - INTRODUÇÃO: A questão primordial a

ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA NO NOVO CÓDIGO CIVIL: OS DIREITOS SUCESSÓRIOS DO CÔNJUGE ALICE DE SOUZA BIRCHAL 1 - INTRODUÇÃO: A questão primordial a ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA NO NOVO CÓDIGO CIVIL: OS DIREITOS SUCESSÓRIOS DO CÔNJUGE ALICE DE SOUZA BIRCHAL 1 - INTRODUÇÃO: A questão primordial a que se pretende responder através deste estudo refere-se

Leia mais

Direito das Sucessões Parte I. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Direito das Sucessões Parte I. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Direito das Sucessões Parte I Sucessão - Etimologia Sucessão Successio, de succedere. Relação de ordem, de continuidade. Uma sequência de fato e de coisas. O que vem em certa ordem ou em certo tempo. Sucessão

Leia mais

DIREITO SUCESSÓRIO NA UNIÃO ESTÁVEL: Novo posicionamento jurisprudencial brasileiro.

DIREITO SUCESSÓRIO NA UNIÃO ESTÁVEL: Novo posicionamento jurisprudencial brasileiro. DIREITO SUCESSÓRIO NA UNIÃO ESTÁVEL: Novo posicionamento jurisprudencial brasileiro. Demétrio Tadeu de Sousa Furtado Advogado no Rio de Janeiro, atuante nas áreas do Direito Civil e de Família. Pós Graduado

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Registro: 2015.0000122590 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 2196688-13.2014.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que são agravantes CARLOS ROBERTO DE ARO

Leia mais

ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM

ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Ação Negatória de Paternidade. Legitimidade Ativa. Artigos 1.601 e 1.604, do Código

Leia mais

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que:

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que: OAB. DIREITO CIVIL.. DISPOSIÇÕES GERAIS. DIREITO SUCESSÓRIO: Em regra geral na sucessão existe uma substituição do titular de um direito. Etimologicamente sub cedere alguém tomar o lugar de outrem. A expressão

Leia mais

SEÇÃO III DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL SUBSEÇÃO I DIREITO CIVIL 1. ARTIGOS 1.1 SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

SEÇÃO III DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL SUBSEÇÃO I DIREITO CIVIL 1. ARTIGOS 1.1 SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL SEÇÃO III DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL SUBSEÇÃO I DIREITO CIVIL 1. ARTIGOS 1.1 SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL DIMAS MESSIAS DE CARVALHO Promotor de Justiça no Estado

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO. Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo,

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO. Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, Registro: 2012.0000257965 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante FAZENDA DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.080.614 - SP (2008/0176494-3) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI EMENTA Direito de família e das sucessões. Ação de reconhecimento de sociedade de fato, proposta por ex-companheiro

Leia mais

XVIII Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012

XVIII Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 XVIII Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 FILIAÇÃO E SEUS REFLEXOS NA PATERNIDADE E NOS DIREITOS FUNDAMENTAIS Guilherme Bruno Araujo1*(IC), Laila dos Santos

Leia mais

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO IGUALDADE ENTRE SEXOS - Em conformidade com a Constituição Federal de 1988, ao estabelecer que "homens e mulheres são iguais em direitos e

Leia mais

Revista IOB de Direito de Família

Revista IOB de Direito de Família Revista IOB de Direito de Família. 51 Dez Jan/2009 Conselho Editorial Álvaro Villaça Azavedo Gustavo José Mendes Tepedino Priscila M. P. Correa da Fonseca Sérgio Resende de Barros Considerações Acerca

Leia mais

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS:

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: 1. Capacidade para suceder é a aptidão da pessoa para receber os bens deixados pelo de cujus no tempo da abertura da sucessão. Considerando tal afirmação

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.204.347 - DF (2010/0141637-8) RECORRENTE RECORRIDO : FLÁVIA LETÍCIA TREVISANI FAUSTINI GALLETTI : CRISTIAN FETTER MOLD E OUTRO(S) : RITA DE CASSIA TAARES DE LUNA FAUSTINI : LUIZ HUMBERTO

Leia mais

ADOÇÃO: o processo adotivo no Brasil

ADOÇÃO: o processo adotivo no Brasil 1 ADOÇÃO: o processo adotivo no Brasil Ana Flávia Oliva Machado Carvalho 1 RESUMO Este estudo objetivou destrinchar todo o procedimento da adoção. Inicialmente buscamos discorrer sob sua evolução histórica.

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva INVENTÁRIO Dois sentidos para o mesmo vocábulo: Liquidação do acervo hereditário (registro, descrição, catalogação dos bens). Procedimento especial

Leia mais

Caderno Eletrônico de Exercícos Direito das Sucessões

Caderno Eletrônico de Exercícos Direito das Sucessões 1) Que é herança jacente: a) Herança que não existe herdeiros, salvo o estado b) Herança que tem que ser dividida entre os pais e cônjuge c) Herança que tem que ser dividida entre irmãos d) Herança deixada

Leia mais

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO 1 REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO Cleiton Graciano dos Santos 1 RESUMO: Este artigo trata sobre o Regime de Bens no novo Código Civil brasileiro, apresentando os principais aspectos do assunto,

Leia mais

União estável e casamento homossexual. Renata Barbosa de Almeida

União estável e casamento homossexual. Renata Barbosa de Almeida União estável e casamento homossexual Renata Barbosa de Almeida 1 Da ignorância à relevância: o percurso do reconhecimento legal Família como casamento. Constituição matrimonial através do Direito. Impedimentos

Leia mais

OS DIREITOS SUCESSÓRIOS DO CONVIVENTE E A INCONSTITUCIONALIDADE DO ARTIGO 1.790 DO CÓDIGO CIVIL

OS DIREITOS SUCESSÓRIOS DO CONVIVENTE E A INCONSTITUCIONALIDADE DO ARTIGO 1.790 DO CÓDIGO CIVIL Revista Jurídica da Unic / Emam - v. 1 - n. 1 - jul./dez. 2013 OS DIREITOS SUCESSÓRIOS DO CONVIVENTE E A INCONSTITUCIONALIDADE DO ARTIGO 1.790 DO CÓDIGO CIVIL José Diego Lendzion Rachid Jaudy Costa 1 Ana

Leia mais

A FAMÍLIA ORIGEM E EVOLUÇÃO

A FAMÍLIA ORIGEM E EVOLUÇÃO 242 Da Família Moderna Vania Mara Nascimento Gonçalves 1 INTRODUÇÃO O Direito de Família é o que mais evolui no tempo. Importantes mudanças ocorreram nos princípios e conceitos referentes ao direito de

Leia mais

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Capítulo 3 Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Leia a lei: arts. 1.571 a 1.582 CC. Como se trata de uma relação de base contratual, o casamento

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014 O PRINCÍPIO DA AFETIVIDADE E O DANO MORAL NO DIREITO DE FAMÍLIA Vanessa de Castro 1 Júlia Bagatini 2 SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO. 2 EVOLUÇÃO DIREITO DE FAMÍLIA. 3 PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS. 4 DANO MORAL. 5

Leia mais

PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA

PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA Renata Martins Sena Advogada Pós-graduada em Direito Constitucional As inúmeras mudanças sociais ocorridas nos últimos tempos têm refletido sobremaneira

Leia mais

A SUCESSÃO HEREDITÁRIA DOS CÔNJUGES E DOS COMPANHEIROS: SUA ORIGEM, EVOLUÇÃO JURISPRUDENCIAL, INOVAÇÕES E DISCUSSÕES DOUTRINÁRIAS

A SUCESSÃO HEREDITÁRIA DOS CÔNJUGES E DOS COMPANHEIROS: SUA ORIGEM, EVOLUÇÃO JURISPRUDENCIAL, INOVAÇÕES E DISCUSSÕES DOUTRINÁRIAS A SUCESSÃO HEREDITÁRIA DOS CÔNJUGES E DOS COMPANHEIROS: SUA ORIGEM, EVOLUÇÃO JURISPRUDENCIAL, INOVAÇÕES E DISCUSSÕES DOUTRINÁRIAS Ana Cláudia Pirajá Bandeira * Maria Paula Fratti ** Samanta Maria Lima

Leia mais

DIREITO FAMÍLIA SUCESSÃO PRINCÍPIOS ORIENTADORES

DIREITO FAMÍLIA SUCESSÃO PRINCÍPIOS ORIENTADORES DIREITO FAMÍLIA SUCESSÃO DE DIREITO FAMÍLIA PONTO 1: SUCESSÃO PONTO 2: PRINCÍPIOS ORIENTADORES; SUCESSÃO LEGÍTIMA E TESTAMENTÁRIA, EXCLUSÃO DOS HERDEIROS; PONTO 3: ESPÉCIES DE HERDEIROS, CESSÃO DE DIREITOS;

Leia mais

SUCESSÃO NA UNIÃO ESTÁVEL

SUCESSÃO NA UNIÃO ESTÁVEL CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA UniCEUB Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais FAJS Núcleo de Pesquisa e Monografia NPM PEDRO MARTINS TORRES SUCESSÃO NA UNIÃO ESTÁVEL AS CONTROVÉRSIAS E PROBLEMÁTICAS

Leia mais

PROCESSO DE ADOÇÃO. 1. Desenvolvimento

PROCESSO DE ADOÇÃO. 1. Desenvolvimento PROCESSO DE ADOÇÃO * Ricardo Peixoto Teixeira ** Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho 1 Resumo A adoção é tradicionalmente considerada como instituto de direito de família, que tem por finalidades

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 21.693/15/3ª Rito:Sumário PTA/AI: 16.000556146-19 Impugnação: 40.

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 21.693/15/3ª Rito:Sumário PTA/AI: 16.000556146-19 Impugnação: 40. Acórdão: 21.693/15/3ª Rito:Sumário PTA/AI: 16.000556146-19 Impugnação: 40.010136659-10 Impugnante: Proc. S. Passivo: Origem: EMENTA Emerson Simon Vilella CPF: 033.831.356-75 João Baptista de Paula DF/Ubá

Leia mais

O DIREITO SUCESSÓRIO DOS CÔNJUGES. http://patriciafontanella.adv.br

O DIREITO SUCESSÓRIO DOS CÔNJUGES. http://patriciafontanella.adv.br O DIREITO SUCESSÓRIO DOS CÔNJUGES http://patriciafontanella.adv.br Herdeiros Necessários Ascendentes, descendentes e cônjuge, de acordo com o art. 1845. O legislador fez uma escolha política: quis, como

Leia mais

SUMÁRIO. Primeira Parte BASES NECESSÁRIAS ÀS TESES PROPRIAMENTE DITAS

SUMÁRIO. Primeira Parte BASES NECESSÁRIAS ÀS TESES PROPRIAMENTE DITAS SUMÁRIO INTRODUÇÃO Primeira Parte BASES NECESSÁRIAS ÀS TESES PROPRIAMENTE DITAS 1. A HOMOSSEXUALIDADE NA HISTÓRIA 2. A história e a homossexualidade 2.1 A sexualidade no mundo antigo 2.1.1 Foucault e a

Leia mais

Escola de Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Direito Sucessório do companheiro à luz do princípio da isonomia. Sarah Marujo de Andrade

Escola de Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Direito Sucessório do companheiro à luz do princípio da isonomia. Sarah Marujo de Andrade Escola de Magistratura do Estado do Rio de Janeiro Direito Sucessório do companheiro à luz do princípio da isonomia Sarah Marujo de Andrade Rio de Janeiro 2014 SARAH MARUJO DE ANDRADE Direito Sucessório

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 4.908, DE 2012 (Do Sr. Takayama)

PROJETO DE LEI N.º 4.908, DE 2012 (Do Sr. Takayama) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 4.908, DE 2012 (Do Sr. Takayama) Dá nova redação aos arts. 544, 1.561, 1.723, 1.789, 1.797, 1.829, 1.830, 1.831, 1.832, 1.836, 1.837, 1.838, 1.839, 1.845, 1.846

Leia mais

O ACESSO À JUSTIÇA COMO DIREITO DA PERSONALIDADE NAS RELAÇÕES FAMILIARES

O ACESSO À JUSTIÇA COMO DIREITO DA PERSONALIDADE NAS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 O ACESSO À JUSTIÇA COMO DIREITO DA PERSONALIDADE NAS RELAÇÕES FAMILIARES Claudia Beatriz de Lima Ribeiro 1 ; Graziella

Leia mais

Dados Básicos. Ementa. Íntegra

Dados Básicos. Ementa. Íntegra Dados Básicos Fonte: 1.196.992 Tipo: Acórdão STJ Data de Julgamento: 06/08/2013 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação:22/08/2013 Estado: Mato Grosso do Sul Cidade: Relator: Nancy Andrighi

Leia mais

DIREITO REAL DE HABITAÇÃO NA UNIÃO ESTÁVEL

DIREITO REAL DE HABITAÇÃO NA UNIÃO ESTÁVEL DIREITO REAL DE HABITAÇÃO NA UNIÃO ESTÁVEL SUMÁRIO Mônica Schmidt Pretzel 1 Mauro Afonso de Gasperi 2 Introdução; 1 A união estável na legislação brasileira; 2 Direito sucessório dos companheiros à luz

Leia mais

Material referente a sucessão do cônjuge em concorrência com o descendente. ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA art. 1.829 a 1.844, CC

Material referente a sucessão do cônjuge em concorrência com o descendente. ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA art. 1.829 a 1.844, CC Material referente a sucessão do cônjuge em concorrência com o descendente Prof. Ms. Tatyane Karen da Silva Goes ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA art. 1.829 a 1.844, CC Falecendo a pessoa ab intestato, a herança

Leia mais

ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA

ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA Norberto Ungaretti Desembargador Aposentado Sob a denominação Da Ordem da Vocação Hereditária abrese o Capítulo I do Título dedicado pelo novo Código Civil à sucessão legítima

Leia mais

Do ato formal da doação e da dispensa de colação em face do novo código civil José da Silva Pacheco

Do ato formal da doação e da dispensa de colação em face do novo código civil José da Silva Pacheco Do ato formal da doação e da dispensa de colação em face do novo código civil José da Silva Pacheco SUMÁRIO: 1. Da doação como ato de liberalidade e das formas de sua celebração. 2. A doação de ascendente

Leia mais

- Doação a incapaz, terá de o ser sem encargos (puras) e produz efeitos independentemente da aceitação (presumida). (951. nº. 1 e 2 CC).

- Doação a incapaz, terá de o ser sem encargos (puras) e produz efeitos independentemente da aceitação (presumida). (951. nº. 1 e 2 CC). Noção Contrato pelo qual uma Pessoa Jurídica, por espírito de liberalidade e à custa do seu património, dispõe gratuitamente de uma coisa ou de um direito, ou assume uma obrigação, em benefício do outro

Leia mais

DIREITO DAS SUCESSÕES. RECURSO ESPECIAL. PACTO ANTENUPCIAL. SEPARAÇÃO DE BENS. MORTE DO VARÃO. VIGÊNCIA DO NOVO CÓDIGO CIVIL. ATO JURÍDICO PERFEITO.

DIREITO DAS SUCESSÕES. RECURSO ESPECIAL. PACTO ANTENUPCIAL. SEPARAÇÃO DE BENS. MORTE DO VARÃO. VIGÊNCIA DO NOVO CÓDIGO CIVIL. ATO JURÍDICO PERFEITO. SUCESSÕES Direito das sucessões. Recurso especial. Inventário. De cujus que, após o falecimento de sua esposa, com quem tivera uma filha, vivia, em união estável, há mais de trinta anos, com sua companheira,

Leia mais

Centro Universitário Faculdades Metropolitanas Unidas. Curso de Direito DIREITO DAS SUCESSÕES NA UNIÃO ESTÁVEL

Centro Universitário Faculdades Metropolitanas Unidas. Curso de Direito DIREITO DAS SUCESSÕES NA UNIÃO ESTÁVEL Centro Universitário Faculdades Metropolitanas Unidas Curso de Direito DIREITO DAS SUCESSÕES NA UNIÃO ESTÁVEL Michelle Cristina do Amaral Freitas R.A. 449.412/3 Turma 3209G Tel. 6256-8204 / 8299-8225 e-mail:

Leia mais

Palavras Chaves: Casamento; União estável; impedimentos: Novo Código Civil.

Palavras Chaves: Casamento; União estável; impedimentos: Novo Código Civil. AS IMPLICAÇÕES DOS IMPEDIMENTOS MATRIMONIAIS NA UNIÃO ESTÁVEL. Ana Elizabeth Lapa Wanderley Cavalcanti (advogada em São Paulo, mestre em Direito civil e doutoranda em Direito civil comparado pela PUC/SP,

Leia mais

FAMÍLIA NO DIREITO CIVIL BRASILEIRO 1. Keith Diana da Silva

FAMÍLIA NO DIREITO CIVIL BRASILEIRO 1. Keith Diana da Silva FAMÍLIA NO DIREITO CIVIL BRASILEIRO 1 Keith Diana da Silva keith.diana@hotmail.com FAC São Roque NPI: Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar Introdução A família foi gradativamente se evoluindo, sofrendo

Leia mais

DEBATE SOBRE HOMOAFETIVIDADE. Ms. Raquel Schöning; Ms Anna Lúcia Mattoso Camargo; Ms. Gislaine Carpena e Ms. Adriana Bina da Silveira.

DEBATE SOBRE HOMOAFETIVIDADE. Ms. Raquel Schöning; Ms Anna Lúcia Mattoso Camargo; Ms. Gislaine Carpena e Ms. Adriana Bina da Silveira. DEBATE SOBRE HOMOAFETIVIDADE Ms. Raquel Schöning; Ms Anna Lúcia Mattoso Camargo; Ms. Gislaine Carpena e Ms. Adriana Bina da Silveira. Temáticas: Casamento União estável: efeitos (Bina); Novas famílias

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.377.084 - MG (2013/0083914-0) RECORRENTE REPR. POR ADVOGADOS INTERES. : GERALDO SEBASTIÃO DA SILVA - ESPÓLIO : APARECIDA JOANA DA SILVA PAIVA - INVENTARIANTE : PAULO EDUARDO ALMEIDA

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-44 PERÍODO: 8 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL VI NOME DO CURSO: DIREITO 2.

1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-44 PERÍODO: 8 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL VI NOME DO CURSO: DIREITO 2. 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-44 PERÍODO: 8 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL VI NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 Direito das

Leia mais

Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais, Efeitos Patrimoniais.

Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais, Efeitos Patrimoniais. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Família e Sucessões / Aula 08 Professor: Andreia Amim Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais,

Leia mais

Sobre o regime de comunhão parcial de bens e o regime de separação convencional de bens e suas repercussões na sucessão do cônjuge supérstite

Sobre o regime de comunhão parcial de bens e o regime de separação convencional de bens e suas repercussões na sucessão do cônjuge supérstite Sobre o regime de comunhão parcial de bens e o regime de separação convencional de bens e suas repercussões na sucessão do cônjuge supérstite A predominância de uma posição mais solidária entre os membros

Leia mais

DIREITOS SUCESSÓRIOS DOS COMPANHEIROS: REFLEXÕES SOBRE O ARTIGO 1.790 DO CÓDIGO CIVIL

DIREITOS SUCESSÓRIOS DOS COMPANHEIROS: REFLEXÕES SOBRE O ARTIGO 1.790 DO CÓDIGO CIVIL HELOISA HELENA BARBOZA 145 DIREITOS SUCESSÓRIOS DOS COMPANHEIROS: REFLEXÕES SOBRE O ARTIGO 1.790 DO CÓDIGO CIVIL Heloisa Helena Barboza SUMÁRIO: 1. Família e sucessão: visão constitucionalizada. 2. Sucessão

Leia mais

SUCESSÃO DO COMPANHEIRO NO ATUAL ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO

SUCESSÃO DO COMPANHEIRO NO ATUAL ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO SUCESSÃO DO COMPANHEIRO NO ATUAL ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO Valéria Silva Galdino * SUMÁRIO: 1. Intróito; 2. Sucessão do companheiro no novo Código Civil brasileiro; 3. Conclusões; Bibliografia. RESUMO:

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 314, DE 2013

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 314, DE 2013 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 314, DE 2013 Altera o art. 5º da Lei nº 9.717, de 27 de novembro de 1998, para que os regimes próprios de previdência social dos servidores públicos da União,

Leia mais

O DIREITO DAS SUCESSÕES NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1

O DIREITO DAS SUCESSÕES NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1 O DIREITO DAS SUCESSÕES NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1 Adriana Goulart Spanholi 2 RESUMO: O presente artigo tem por objetivo demonstrar e analisar as mudanças trazidas no campo do direito sucessório, especialmente

Leia mais

É a primeira classe a herdar. Não há limitação de grau para herdar. Regra do grau mais próximo exclui o mais remoto (art. 1833, CC) Filho 1 Filho 2

É a primeira classe a herdar. Não há limitação de grau para herdar. Regra do grau mais próximo exclui o mais remoto (art. 1833, CC) Filho 1 Filho 2 Sucessão dos Descendentes (art. 1833, CC) É a primeira classe a herdar. Não há limitação de grau para herdar. Regra do grau mais próximo exclui o mais remoto (art. 1833, CC) Filho 1 Filho 2 Neto 1 Neto

Leia mais

DA SUCESSÃO NO DIREITO BRASILEIRO: DIREITOS DE HERDAR DO CASADO E DO COMPANHEIRO

DA SUCESSÃO NO DIREITO BRASILEIRO: DIREITOS DE HERDAR DO CASADO E DO COMPANHEIRO DA SUCESSÃO NO DIREITO BRASILEIRO: DIREITOS DE HERDAR DO CASADO E DO COMPANHEIRO Adriana Pereira Dantas Carvalho 1 Resumo: O presente artigo traz breves reflexões acerca da sucessão no Brasil, abordando

Leia mais

T E O R I A GERAL DO DIREITO CIVIL

T E O R I A GERAL DO DIREITO CIVIL ROTEIRO DE AULA Ponto 02 Teoria Geral do Direito Civil 1. Histórico Romano-Germânica Direito Português Direito Brasileiro Idade Antiga Ius Civile (Roma) Idade Média Direito Romano com fortes influências

Leia mais