FUNORTE FACULDADES INTEGRADAS DO NORTE DE MINAS. ICS- Instituto de Ciências da Saúde EDUARDO CURY BRAFF

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNORTE FACULDADES INTEGRADAS DO NORTE DE MINAS. ICS- Instituto de Ciências da Saúde EDUARDO CURY BRAFF"

Transcrição

1 FUNORTE FACULDADES INTEGRADAS DO NORTE DE MINAS ICS- Instituto de Ciências da Saúde EDUARDO CURY BRAFF FRATURAS MANDIBULARES APÓS INSTALAÇÃO DE IMPLANTES DENTÁRIOS. Etiologia e Tratamento SÃO PAULO

2 2014 EDUARDO CURY BRAFF ESPECIALIZAÇÃO EM IPLANTODONTIA FRATURAS MANDIBULARES APÓS INSTALAÇÃO DE IMPLANTES DENTÁRIOS. Etiologia e Tratamento Dissertação como requisito parcial para avaliação para obtenção do título de especialista em Implantodontia apresentado à Funorte/ICS, São Paulo/SP, como exigência do curso de especialização em Implantodontia. Orientador: Prof. Dr. Fernando P. Soares Soares SÂO PAULO 2014

3 Braff, Eduardo Cury Fraturas Mandibulares Após Instalação de Implantes Dentários. Etiologia e Tratamento / Eduardo Cury Braff.-- São Paulo:[s.n.], f ; 30 cm. Monografia (pós-graduação) para Título de Especialista em Implantodontia Faculdades Integradas do Norte de Minas / Instituto de Ciências da Saúde. Orientador: Prof. Dr. Fernando Peixoto Soares 1. Implantes dentários 2. Complicações de tratamento 3. Fratura mandibular I. Título

4 Dedico este trabalho aos meus pais, meus irmãos, meus amigos por estarem presentes nesta caminhada me apoiando com amor e me incentivando com a fé. Aos meus mestres e mentores que sempre apostaram em minha formação e me mostraram a forma correta de percorrer o caminho até o sucesso.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus, sempre iluminando meu caminho, me dando forças aonde em lugar nenhum eu poderia encontrar. Agradeço por sempre estar ao meu lado e em minha vida. Agradeço aos meus amigos e colegas que em muitas horas compartilharam comigo a difícil busca pelo conhecimento. Aos meus pacientes que mesmo de forma inimaginável e involuntária colaboraram com meu aprendizado. Ao meu pai o Sr. Nélinton Cardoso Braff e minha mãe a Sra. Débora Cury Braff que sempre acreditaram incondicionalmente para eu ser um grande profissional. Aos meus irmãos Augusto e Carolina por sempre compartilharem o carinho e a confiança.

6 Pois será como a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto no seu tempo; as suas folhas não cairão, e tudo quanto fizer prosperará. (Sl 1, 3)

7 RESUMO A utilização de implantes dentários na clínica odontológica tornou-se a melhor opção dentre os tratamentos reabilitadores e com o seu crescimento ficou mais acessível a todos os profissionais e pacientes, porém inerente ao seu uso, as complicações também surgiram. Será abordado neste trabalho um tipo de complicação após a instalação de implantes dentários que é a fratura de mandíbula e bem como sua devida abordagem desde o diagnóstico até o tratamento. Palavras chave: implantes mandibular. dentários; complicações de tratamento; fratura

8 ABSTRACT The use of dental implants in dental practice has become the best option among the rehabilitators and their growth treatments became more accessible to all professionals and patients, but inherent in its use, complications also arose. Will be addressed in this work one kind of complication after installation of dental implants is fracture of the mandible, as well as their proper approach from diagnosis to treatment. Key words: dental implants; treatment complications; mandible fracture.

9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROPOSIÇÃO REVISÃO DA LITERATURA CONSIDERAÇÕES ANATÕMICAS INCIDÊNCIA E ETIOLOGIA DA ATROFIA MANDIBULAR COMPLICAÇÕES NA REABILITAÇÃO COM IMPLANTES DENTÁRIOS AVALIAÇÕES CLÍNICAS SINAIS E SINTOMAS EXAMES COMPLEMENTARES CLASSIFICAÇÃO DAS FRATURAS MANDIBULARES TRATAMENTO DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 27

10 10 1 INTRODUÇÃO Os implantes dentários osseointegrados tem alto índice de sucesso na reabilitação oral, porém há complicações trans e pós-operatórias na instalação e as mais comuns são: dor, edema, hemorragia, distúrbios neurossensoriais, fraturas ósseas e infecções. A fratura mandibular é a mais rara entre as complicações após a instalação de implantes dentários. Suas causas associadas são: atrofia mandibular acentuada (principalmente no corpo mandibular), alterações sistêmicas como a osteoporose e a osteomalácia, alterações locais como a lateralização do nervo alveolar inferior previamente a instalação dos implantes. Implantes longos com ancoragem bicortical, perda óssea peri - implantar avançada, osteomielites e forças mastigatórias diárias podem gerar a fratura espontânea. Devido ao fato da mandíbula ser o único osso móvel da face, possuir articulações bilaterais, íntimo contato com a cavidade oral, oclusão, movimentos e forças musculares extremas, há peculiaridades com relação ao seu tratamento, tornando-a um desafio aos cirurgiões. Tendo isso em mente as fraturas de mandíbula atrófica edêntula representam um desafio ainda maior aos cirurgiões bucomaxilofaciais, pois além dos conhecimentos básicos de traumatologia, deve-se considerar que há pouca estrutura óssea para aplicação de meios de osteossíntese, baixa vascularização da área e do osso mandibular devido ao processo fisiológico da idade do paciente, grandes forças mastigatórias envolvidas e a ausência de dentes, que dificulta muitas vezes em uma correta redução da fratura.

11 11 2 PROPOSIÇÃO A proposta deste trabalho é discutir, através de uma revisão da literatura, as fraturas mandibulares como complicação após instalação de implantes osseointegrados, levando em consideração as causas, o diagnóstico e o seu tratamento.

12 12 3 REVISÃO DA LITERATURA 3.1 CONSIDERAÇÕES ANATÔMICAS O osso mandibular é ímpar, móvel e situa-se na parte inferior e posterior da face alojando os dentes inferiores e forma, com o osso hióide, o esqueleto do soalho da boca. Articula-se por estruturas moles aos dois temporais, permitindo a realização de vários movimentos cujos eixos estão localizados ao nível da articulação temporomandibular de cada lado (PICOSSE, 2002). A forma da mandíbula é comparada com uma ferradura horizontal aberta por trás (corpo mandibular), de cujos extremos livres saem duas prolongações ou ramos mandibulares (FIGÚN, GARINO, 2003). Quanto a origem, a mandíbula deriva do esqueleto visceral (primeiro arco branquial); sua ossificação é conjuntiva e se realiza ao lado da cartilagem de Meckel, que posteriormente desaparece (TEN CATE, 2008). Com relação ao crescimento, é ântero-posterior e em altura por deslocamento oblíquo do processo condilar (cartilaginoso); ântero-posterior por aposição na borda posterior dos ramos; ântero-posterior por reabsorção na borda anterior dos ramos; do corpo por elevação dos processos alveolares e em altura por desenvolvimento da base do corpo mandibular (TEN CATE, 2008). Segundo Buitrago-Téllez et al. (2008), a mandíbula é dividida pelas seguintes regiões: Sínfise mandibular - está localizada entre os ápices dos incisivos centrais inferiores. Parassínfises - estão definidas entre o ápice do incisivo central inferior até o ápice do canino inferior. Corpos mandibulares - definidos do ápice do canino inferior a distal do segundo molar inferior. Ângulo mandibular - está entre a distal do segundo molar inferior até a região posterior do trígono retromolar.

13 13 Entre a região posterior do trígono retromolar até a chanfradura sigmóide está definido o ramo ascendente mandibular. A partir da chanfradura sigmóide há uma bifurcação seguida de dois processos: para anterior chamado processo coronóide e para posterior chamado processo condilar. A inervação da mandíbula ocorre pelo terceiro ramo do quinto par craniano, o nervo trigêmeo. Sua vascularização é através da artéria mandibular, ramo da artéria maxilar e drenada pela veia com mesmo nome (FIGÚN, GARINO, 2003). De acordo com SOBOTTA (2000), na mandíbula estão inseridos todos os músculos da mastigação, são eles: Músculo Masseter - está inserido nas ranhuras massetéricas localizadas na face lateral dos ângulos mandibulares. Músculo Temporal - está inserido no processo coronóide e linha oblíqua interna da mandíbula. Músculo Pterigoideo Medial está inserido na borda medial do ângulo mandibular. Músculo Pterigoideo Lateral está inserido na fóvea pterigoidea e porção posterior do disco articular da articulação temporomandibular. 3.2 INCIDÊNCIA E ETIOLOGIA DA ATROFIA MANDIBULAR Nos Estados Unidos da América o edentulismo sofreu um decréscimo a partir do ano de Segundo pesquisas e dados a população edêntula americana representa 8% do total. Com relação a população idosa, a previsão é que no ano de 2030 de 5 americanos, 1 terá idade acima de 65 anos (ELLIS III, PRICE, 2008). A atrofia mandibular ocorre após a perda dentária e processos patológicos ou traumatológicos que reabsorvem o processo alveolar seguindo até a região basal da mandíbula, sendo o corpo mandibular a região mais afetada e de maior fragilidade (LOPES et al., 2009).

14 14 A perda óssea e atrofia mandibular torna o osso mais vulnerável a fratura e torna o tratamento um desafio único. O edentulismo é mais prevalente em pessoas com grau de escolaridade baixa, isso ocorre devido a perda dentária atribuída a doenças periodontais e cáries (ELLIS III, PRICE, 2008). 3.3 COMPLICAÇÕES NA REABILITAÇÃO COM IMPLANTES DENTÁRIOS O sucesso ou o fracasso de um implante depende basicamente da saúde sistêmica e local do indivíduo, dos seus hábitos e da condição cirúrgica em que o procedimento foi executado (FADANELLI et al. 2005). A ocorrência de complicações é inerente a todo procedimento cirúrgico; dentre os vários fatores que concorrem para o insucesso, a fratura mandibular ocorre normalmente através de manobras intempestivas e manipulação cirúrgica muito traumática (RAMALHO-FERREIRA et al. 2010) Segundo Garcez Filho et al. (2008), os implantes dentários osseointegrados tem alto índice de sucesso na reabilitação oral, porém há complicações trans e pósoperatórias na instalação e as mais comuns são: Dor Edema Hemorragia Distúrbios Neurossensoriais Infecções Fraturas ósseas

15 15 Em 2005, Fadanelli et al. disseram que a fratura mandibular é a mais rara entre as complicações após a instalação de implantes dentários. Sua incidência é entre 0,2% a 3,5% dos casos e suas causas associadas são: Atrofia mandidular acentuada (principalmnete no corpo mandibular). Alterações sisteêmicas como a osteoporosee a osteomalácia. Alterações locais como a lateralização do nervo alveolar inferior previamente a instalação dos implantes 3.3 AVALIAÇÕES CLÍNICAS As observações clínicas nas fraturas mandibulares variam consideravelmente com o grau e a extensão da lesão. A fratura com ausência ou pequeno deslocamento dos fragmentos origina um edema em pequeno grau sem outros sintomas (DINGMAN, NATVIG, 1983). Os tecidos moles sobre os locais fraturados geralmente exibem equimose e edema. Pode ser evidente a deformação do contorno ósseo da mandíbula, e também podem existir lacerações dos tecidos moles (MANGANELLO-SOUZA, LUZ 2006). O exame pode não revelar anormalidade evidente de oclusão, mas o paciente pode observar que os dentes não se encaixam com faziam antes da lesão, e a mastigação pode produzir dores (MANGANELLO-SOUZA, BARROS, 2000). Embora pequenas alterações de oclusão possam ser de difícil detecção no exame físico, o paciente é capaz de distinguir sutil alteração na oclusão (FONSECA, 2000). As lesões envolvendo o nervo alveolar inferior resultam em parestesia ou anestesia do lábio e da região mentual. Em alguns casos a injúria pode ser extensa diminuindo a capacidade, por parte do paciente, de reter saliva, ingerir líquidos, evitar traumas mecânicos e térmicos, além de alterar a fala, o bem-estar psicológico e social do paciente (MANGANELLO-SOUZA, LUZ, 2006).

16 16 Pode-se notar inchaço, equimose e sensibilidade no assoalho da boca, além de dores por qualquer movimento da mandíbula (MANGANELLO-SOUZA, BARROS 2000). A deformidade da região facial inferior dependerá da extensão do edema e do grau de deslocamento dos fragmentos e as anormalidades na oclusão geralmente são óbvias e facilmente identificáveis (GRAZIANI, 1986). Avaliações suplementares são necessárias para determinar a extensão das fraturas e sua direção (CHACON, LARSEN, 2009). O deslocamento pode ocorrer na direção horizontal ou vertical, dependendo da direção da fratura. A parte do osso anterior a fratura pode estar puxada para baixo, enquanto o fragmento proximal pode ser arrastado para cima, fora da posição, pela tração dos fortes músculos do ramo da mandíbula (DINGMAN, NATVIG, 1983). No corpo da mandíbula geralmente as fraturas são facilmente identificáveis com exame e manipulação, mas fraturas dos ramos são mais difíceis de descobrir somente pelo exame clínico (MANGANELLO-SOUZA, BARROS, 2000). Uma fratura no corpo da mandíbula de um só lado sugere a possibilidade de uma fratura subcondilar do lado oposto (MILORO, 2009). Feridas perfusas e lacerações da língua, do assoalho da boca ou da mucosa bucal sugerem a possibilidade de que fragmentos de ossos, dentes ou próteses tenham sido enterrados nos tecidos moles (HOLMES, 2009). Lesões traumáticas de tecidos moles (pele, mucosa e gengiva inserida) frequentemente acompanham fraturas mandibulares. A exploração suave das feridas possibilita a inspeção das estruturas ósseas adjacentes (FONSECA, 2000). Todo o tecido mole bucal deve ser cuidadosamente examinado, bem como o da faringe (DINGMAN, NATVIG, 1983). Sensibilidade à palpação representa uma ação objetiva que pode indicar uma fratura. A dor é um sintoma, portanto, deve ser relatado na história (FONSECA, 2000).

17 SINAIS E SINTOMAS A dor ocorre através do movimento dos fragmentos. Esta pode ser notada imediatamente após a ocorrência da fratura devido a lesão do nervo alveolar inferior, do periósteo ou dos tecidos moles adjacentes (BRUCE, FONSECA, 1991). Há a sensibilidade intensa (especial) e a palpação pode ser notada no local da fratura. Muitas fraturas mandibulares podem ser localizadas por este sintoma (DINGMAN, NATVIG, 1983). Ocorre a incapacidade devido a dor e desconforto, o paciente torna-se incapaz de abrir a boca e recusa a alimentação usual. O menor movimento pode originar dor torturante, e o medo desta faz com que o paciente evite fazer qualquer tentativa de movimentar a mandíbula para comer, falar ou deglutir (MANGANELLO- SOUZA, BARROS, 2000). O inchaço ou edema iniciam-se através do derrame de sangue nas partes moles junto ao local da fratura, resulta em inchaço e assimetria facial. A distorção e o inchaço ocorrem quase imediatamente após a injúria (GRAZIANI, 1983). Quando os tecidos sobrepostos tornam-se avermelhados, azulados ou arroxeados, como resultado de hemorragias nos tecidos moles adjacentes ou da formação de um hematoma próximo ao local da fratura ocorre a descoloração. (BRUCE, FONSECA, 1991). A deformidade é constituída pelo deslocamento de fragmentos mandibulares e pode ser sugerida pela presença de assimetria da face e da mandíbula. O movimento dos fragmentos de um lado para o outro pode resultar numa aparência bizarra da parte inferior da face. Fraturas subcondilares bilaterais com engavetamento dos ramos para cima ou para trás, resultam em mordida aberta na região anterior apresentando alongamento da face (DINGMAN, NATVIG, 1983). A mobilidade anormal é promovida quando a fratura e deslocamento do colo de um só lado resultam na mandíbula movimentar-se para o lado fraturado quando o paciente tenta abrir a boca. Quando o movimento é protrusivo, a mandíbula

18 18 movimenta-se para o lado da lesão por causa da falta de função do músculo pterigoideo lateral no lado ferido (BRUCE, FONSECA, 1991). Dor e sensibilidade estimulam as glândulas salivares à hiperatividade promovendo a salivação em excesso ou a sialorréia. Essa quantidade de saliva na boca parece aumentada pela incapacidade de deglutir o excesso de salivação (MANGANELLO-SOUZA, BARROS 2000). O paciente apresta hálito fétido (Fetor-ex-ore). Alimentos, coágulos sanguíneos e muco sofrem putrefação bacteriana, isso leva a um odor desagradável no hálito. O fato é percebido pelos familiares e pelo médico atendente (DINGMAN, NATVIG, 1983). O termo crepitação é definido como o som de rangido quando as extremidades dos ossos esfregadas. Este achado pode ser de difícil detecção em uma sala de emergência ruidosa (SPINA, MARCIANI, 2000). O sangramento da fratura e o subsequente edema associado podem ser comprometedores para a via aérea (FONSECA, 2000). O controle tanto quanto com a intubação quanto com a traqueostomia devem ser previamente considerados (HOLMES, 2009). Os sinais e sintomas incluem dor e edema, alteração de oclusão, parestesia do lábio inferior, movimentos mandibulares anormais, alteração no contorno facial, na forma do arco mandibular, hematoma e equimose, perda dentária e crepitação na palpação (PAZA, ABUABARA, PASSERI, 2007). 3.6 EXAMES COMPLEMENTARES Imagens de radiografias planas e tomografia computadorizada (TC), com ou sem reconstrução em 3D (3 dimensões), do esqueleto facial são elementos essenciais na avaliação e tratamento das fraturas faciais. Injurias da mandíbula devem ser vistas, pelo menos em dois planos do espaço, preferivelmente orientadas de 90 cada uma (SPINA, MARCIANI, 2000).

19 19 Radiografias panorâmicas e radiografias laterais obliquas da mandíbula assim como a tomografia computadorizada, são os exames radiológicos mais informativos usados no diagnóstico das fraturas mandibulares (PAZA, ABUABARA, PASSERI, 2007). As radiografias panorâmica, póstero-anterior e de Towne reversa são de bons diagnóstico e visão, relativamente baratas e em muitos casos as mais acessíveis (SPINA, MARCIANI, 2000). As alterações dos contornos anatômicos constituem relevantes indicativos das lesões traumáticas. Sua avalição é feita a partir da continuidade das linhas anatômicas e da comparação com as regiões contralaterais, não comprometidas pelo trauma (MANGANELLO-SOUZA, LUZ, 2006). 3.7 CLASSIFICAÇÃO Seguindo os termos de fratura, adaptado do dicionário médico Dorland, (1988): 1. Simples, ou fechada: a fratura que não produz um ferimento aberto com o envolvimento externo pode ser através da pele, mucosa, ou a membrana periodontal. 2. Composta, ou aberta: a fratura na qual possui um ferimento externo, envolvendo pele, mucosa, ou membrana periodontal que comunica com a fratura óssea. 3. Cominutiva: a fratura na qual o osso está esmagado ou lascado. 4. Galho verde: a fratura na qual um lado do osso está fraturado e o outro torcido. 5. Patológica: a fratura ocorrendo com uma injuria suave devido a doença óssea pré-existente. 6. Múltipla: Existe uma variedade na qual há duas ou mais linhas de fratura do mesmo lado ósseo sem comunicar com o contralateral. 7. Impactada: a fratura na qual um fragmento está firmemente aderido a outro. 8. Atrófico: fratura espontânea resultante do grau de atrofia ósseo. 9. Indireta: a fratura em um ponto distante do sitio da fratura.

20 Complicada ou complexa: a fratura na qual possui uma injúria considerável nos tecidos moles adjacentes, ou nas partes adjacentes; pode ser simples ou composta. As fraturas mandibulares podem também ser classificadas de acordo com as áreas anatômicas envolvidas (FONSECA, 2000). Dingman e Natvig (1983) definiram estas regiões da seguinte forma: 1. Sínfise: fratura entre os caninos 2. Parassínfise: na região dos caninos. 3. Corpo: Ocorre entre os caninos e o ângulo mandibular 4. Ângulo: Aquelas que ocorrem entre a distal do segundo ou do terceiro molar. 5. Ramo Mandibular: Ocorrem entre o ângulo mandibular e a chanfradura sigmóide. 6. Apófise Coronóide: Fraturas nas quais a apófise coronóide é fraturada num nível acima da chanfradura sigmoide. 7. Apófise Condilar: Tais fraturas incluem todas as fraturas do colo acima do nível da chanfradura sigmoide da mandíbula. 3.8 TRATAMENTO Segundo Chacon e Larsen (2009), o tratamento das fraturas mandibulares pelos cirurgiões orais e maxilofaciais é inigualável devido ao conhecimento e experiência com a anatomia dentária, fisiologia de cabeça e pescoço e oclusão. Os objetivos do tratamento são: 1. Obter uma oclusão estável. 2. Restaurar a abertura interincisal e os movimentos mandibulares excursivos. 3. Estabelecer a plenitude dos movimentos mandibulares excursivos. 4. Minimizar o desvio da mandíbula. 5. Produzir um aparato articular livre de dor em repouso e durante a função. 6. Evitar o desarranjo interno da articulação temporomandibular no lado lesionado ou contralateral. 7. Evitar a complicação em longo prazo do distúrbio do crescimento.

21 21 O tratamento imediato permite manipulação e redução dos segmentos fraturados antes da formação do tecido de granulação e da organização de coágulos entre as extremidades da fratura, dificultando uma adequada redução. A redução imediata restaura as relações anatômicas e reduz o tamanho da ferida, diminui a dor resultante dos movimentos no local da fratura e promove rápida cicatrização dos tecidos moles e ósseos, além da diminuição do risco de infecções e hemorragias. (DINGMAN, NATVIG, 1983). A união óssea primária exige que as placas e parafusos promovam uma rigidez suficiente nos fragmentos visando a prevenção da mobilidade interfragmentária, esta filosofia é adotada pelos cirurgiões da AO/ASIF e por Luhr (ELLIS III, 1993). Os tratamentos das fraturas podem ser classificados pelo método de redução aberta ou redução fechada, como as goteiras de Gunning ou Stout. Se a redução aberta for usada ela pode ser subclassificada em fixação rígida e não rígida. (MILORO, ELLIS III, 2009). Por tanto todos os tratamentos podem ser classificados como redução fechada com fixação maxilomandibular (FMM), redução aberta com FMM, redução aberta sem FMM (PASSERI, ELLIS III, SINN, 1993). O mais obvio é evitar a fixação maxilomandibular, em que os resultados são o precoce retorno a função, uma fácil higiene oral, considerável nutrição e uma redução no risco do comprometimento da via aérea (MILORO, ELLIS III, 2009). A redução aberta e a fixação interna com placas ósseas foram primeiramente descrita por Schede em (1888), o qual usou placas e parafusos de aço (MUKERJI R., MUKERJI G., MCGURK, 2005). A definição mais básica sobre o termo fixação interna rígida é qualquer forma de fixação aplicada diretamente aos ossos que seja resistente o bastante para prevenir movimentação fragmentar ao longo da fratura na utilização ativa da estrutura esqueletal. É qualquer fixação do osso em que as forças biomecânicas de deformação são tanto contrariadas quanto usadas como vantagem para estabilizar os segmentos da fratura. (MILORO, ELLIS III, 2009).

22 22 A fixação de uma fratura deve ser rígida o suficiente para resistir diariamente aos traumatismos normais e também sobrepujar a tração dos músculos resistentes que tendem a deslocar os fragmentos (MUKERJI R., MUKERJI G., MCGURK, 2005).

23 23 4 DISCUSSÃO Em 2005 Fadanelli et al. relataram que as alterações sistêmicas como a osteoporose e a osteomalácia por promoverem redução na densidade e mineralização óssea aumentam os riscos de fraturas. Garcez Filho et al.(2008) disseram que poucos casos de fraturas mandibulares tem sido relatados na literatura. No ano de 2013, Lopez Alvarenga et al. observaram que a maioria das fraturas mandibulares associadas a implantes dentários ocorreram em mulheres e com idade avançada. Outro importante fator predisponente à fratura é a lateralização do nervo alveolar inferior previamente á instalação dos implantes, pois a mandíbula torna-se fragilizada devido à extensa remoção da cortical externa da mandíbula (GARCEZ FILHO et al. 2008). Moraes et al em 2009 concluiram que outros fatores predisponente à fratura foram relevantes no caso, como as características oclusais, localização do implante, concentração de tensão ao redor do implante e ocorrência de parestesia. A fratura mandibular também pode ocorrer mesmo sob condições funcionais relativamente normais, pois as forças mastigatórias diárias produzem ondas prejudiciais de tensão com grande concentração no local onde o implante foi instalado, em especial antes da ossointegração nos casos onde o nervo foi transposto (GRACEZ FILHO 2008).

24 24 Antes disso Fadanelli et al. em 2005 relata que o fator a ser considerado é a presença de parestesia, pois ela modifica os padrões mastigatórios devido a alterações proprioceptivas. Quanto ao tratamento das fraturas mandibulares associadas aos implantes segue o mesmo princípio de redução e imobilização utilizados por outras fraturas ósseas (LOURENÇO 2007 Concordando com isso, os criadores da fixação interna rígida (SPIESSL, 1976, LUHR, 1982, SPIESSL, 1989), acreditam que a prevenção da mobilidade interfragmentaria é a chave do sucesso e deve ser procurada quando tratar destas fraturas. Existem vários tipos de placas de reconstrução para promoverem uma fixação interna rígida nas fraturas e defeitos mandibulares. Estes tipos de placas demonstraram uma baixa incidência de complicações e confirmam uma alta estabilidade (HERFORD, ELLIS III, 1998). Alguns autores, como RAMALHO-FERREIRA 2010 defendem que duas miniplacas podem ser usadas no tratamento das fraturas de mandíbulas atróficas, quando há altura óssea adequada. Porém a pobre vascularização e demora na união óssea, devido a qualidade do osso da mandíbula atrófica edêntula, requer um longo período de fixação e imobilização para união óssea, a placa de reconstrução é sempre a mais indicada (BRUCE, ELLIS III, 1993). Nos Estados Unidos onde a remoção de rotina da placa não é executada ou recomendada, já que qualquer intervenção cirúrgica a mais é vista, muito apropriadamente, como complicação. Tendo em conta os resultados deste estudo e o de Theriot et al. (1987), a técnica de dupla mini placa DCP deve ser questionada como um procedimento de rotina para fixação interna rígida de fraturas de ângulo mandibular, a menos que se esteja preparado para realizar a remoção da placa em um número significativo de casos (ELLIS III, KARAS, 1992).

25 25 Em certos casos a união óssea indireta com o desenvolvimento de calo ósseo, ocorre se não for inibida pela infecção, na qual promove a mobilidade da fratura. Se não há mobilidade interfragmentaria, não há mobilidade do material de fixação. Por outro lado, se a fixação não for absolutamente rígida, alguma mobilidade na fratura é permitida pelas forças funcionais, causando osteólise entre as margens ósseas. Isso leva a mobilidade e a perda do material de fixação (MUKERJI R., MUKERJI G., MCGURK, 2005). Concordando com isso, Edward Ellis III (1993) relatou ser provável que a imobilização da maioria dos fragmentos da fratura seja importante, ou talvez mais do que preservar os pedículos íntegros dos tecidos moles dos fragmentos (ELLIS III, 1993). Os tipos de placas de reconstrução disponíveis são: convencional, que possui o diâmetro de 2.4 mm e locking, que possui o diâmetro 2.4 mm e 3.0 mm (HERFORD, ELLIS III, 1998). O sucesso no tratamento das fraturas mandibulares, particularmente as mandíbulas atróficas edêntulas, depende da rigidez da fixação destas fraturas, pois permitirá a união e consolidação óssea e consequentemente maior conforto ao paciente para que realize suas funções fisiológicas (LUHR, REIDICK, MERTEN, 1996). Levando em consideração todos os parãmetros anteriores Sikes, Smith e Mukherjee (2000) concluíram que para suportar as cargas mais elevadas, os grupos com maior altura vertical indicam resistência ao deslocamento, equivalente ao grupo de 10 mm reparados com uma placa de reconstrução. Portanto, fraturas de mandíbula atrófica devem ser tratadas com uso de técnicas de fixação mais rígida.

26 26 5 CONCLUSÃO Baseado no exposto anteriormente pode-se concluir que: Com relação as características clínicas deste tipo de complicação, pode-se especular que o padrão oclusal e alterações proprioceptivas devido a parestesia parecem ser fatores importantes que contribuem para o aumento das tensões na região posterior da mandíbula e consequente fratura após instalação de implante dentário. A utilização da fixação interna rígida através da placa de reconstrução é a melhor maneira de tratamento para fraturas de mandíbula em que a área envolvida da fratura seja atrófica, pois diminui a movimentação interfragmentária durante a consolidação e reparação óssea.

27 27 REFERÊNCIAS BRUCE, R.A.; ELLIS III, E. The Second Chalmers J. Lyons Academy Study of Fractures of the Edentolous Mandible. Journal of Oral And Maxillofacial Surgery, Dallas-TX, EUA, vol. 51, p , BUITRAGO-TÉLLEZ, C. H. et al. A Comprehensive Classification of Mandibular Fractures: A Preliminare Agreement Validation Study. International Journal Of Oral And Maxillofacial Surgery, vol. 37, p , jun., CHACON G. E. ; LARSEN P. E. ; em MILORO M. et al.; Princípios De Cirurgia Bucomaxilofacial De Peterson, Ed. Santos, São Paulo-SP, Brasil vol. 1, ed. 2, DINGMAN, R. O.; NATVIG P.; Cirurgia Das Fraturas Faciais, Ed. Santos, São Paulo-SP, Brasil, ed.1, DORLAND S ILLUSTRATED MEDICAL DICTIONARY 27 th ed. Philadelphia W.B. Saunders company, ELLIS III, E. Rigid Skeletal Fixation of Fractures. Journal Of Oral And Maxillofacial Surgery, Dallas-TX, EUA, vol. 51, p , ELLIS III, E.; KARAS, N.. Treatment of Mandibular Angle Fractures Using Two Mini Dynamic Compression Plates. Journal Of Oral And Maxillofacial Surgery, Dallas- TX, EUA, vol. 50, p , ELLIS III E. ; em MILORO M. et al.; Princípios De Cirurgia Bucomaxilofacial De Peterson, Ed. Santos, São Paulo-SP, Brasil, vol. 1, ed. 2, ELLIS III, E.; PRICE, C. Treatment Protocol for Fracture of the Atrophic Mandible. Journal Of Oral And Maxillofacial Surgery, Dallas-TX, EUA, vol. 66, p , 2008.

28 28 ELLIS III, E.; SINN, D. P. Treatment of Mandibular Angle Fractures Using Two 2.4 mm Dynamic Compression Plates. Journal Of Oral And Maxillofacial Surgery, Dallas-TX, EUA, vol. 51, p , FADANELLI, A. B.; STEMMER, A.C.; BELTRÃO, G. C. Falha prematura em implantes orais, Revista Odonto Ciência, Porto Alegre, RS, v.20, n. 48, p , FIGÚN, M. E. ; GARINO, R. R.; Anatomia Odontológica Funcional e Aplicada, Ed. Panamericana, Porto Alegre-RS, Brasil, ed. 2, FONSECA, R. J. ; Oral And Maxillo Facial Surgery, Vol. 3, Ed. W B Saunders, Philadelphia, EUA, GARCEZ FILHO, J. A. et al., Retratamento de fratura complexa em mandíbula atrófica com instalação imediata de implantes dentários, Ver. Cir. Traumatol. Buco-Maxilo-Fac, Camaragibe, AL, v.8, n.2, p.39-48, GRAZIANI, M.; Cirurgia Bucomaxilofacial, Ed. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro- RJ, Brasil, ed. 6, HERFORD, A.S.; ELLIS III, E. Use of a Locking Reconstruction Bone Plate/Screw System for Mandibular Surgery. Journal Of Oral And Maxillofacial Surgery, vol. 56, p , HOLMES J. D. ; em MILORO M. et al; Princípios De Cirurgia Bucomaxilofacial De Peterson, Ed. Santos, São Paulo vol. 1, ed. 2, LOPEZ ALVARENGA, R. et al. Reabilitação de mandíbula atrófica com implantes curtos e placa de titânio: apresentação de um caso clínico, Lisboa, Rev. Port. Estomatol. Med. Dent. Cir. Maxilofac., n.54, p , LOPES, N. et al. A New Approach for Reconstruction Severely Atrophic Mandible. Journal Of Oral And Maxillofacial Surgery, Recife- PE, Brasil, vol. 67, p , 2009.

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE CENTRO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DAS ALTERAÇÕES FUNCIONAIS DO SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO Área de Prótese Fixa e Escultura Dental FICHA CLÍNICA 1 - Dados Pessoais

Leia mais

PROPEDÊUTICA DO DIAGNÓSTICO TRAUMATOLÓGICO

PROPEDÊUTICA DO DIAGNÓSTICO TRAUMATOLÓGICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROPEDÊUTICA DO DIAGNÓSTICO TRAUMATOLÓGICO PROFa.Dra. CLÁUDIA JORDÃO SILVA 2006 1 ETIOLOGIA Na literatura estrangeira são encontrados diversos

Leia mais

Fratura da Porção Distal do Úmero

Fratura da Porção Distal do Úmero Fratura da Porção Distal do Úmero Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo O cotovelo é composto de 3 ossos diferentes que podem quebrar-se diversas maneiras diferentes, e constituem

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

Edital Nº 001/13 Lato Sensu Pós-Graduação em Cirurgia e TraumatologiaBuco-Maxilo-Faciais ANEXOS TEMAS PARA PROVA OBJETIVA

Edital Nº 001/13 Lato Sensu Pós-Graduação em Cirurgia e TraumatologiaBuco-Maxilo-Faciais ANEXOS TEMAS PARA PROVA OBJETIVA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA GERAL DE PÓS-GRADUAÇÃO Campus Universitário Ministro Petrônio Portella Bairro Ininga Bloco 06 Telefone: (86) 3215-5562 E-Mail: coor.pos@ufpi.edu.br

Leia mais

Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs. Ana Carla Rios

Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs. Ana Carla Rios Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs Ana Carla Rios O Exame do Sistema Estomatognático utilizando a análise oclusal é parte importante do processo diagnóstico

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR Atuação e conceitos da Odontologia Hospitalar e Medicina Oral A Odontologia exercida pela grande maioria dos dentistas brasileiros enfoca

Leia mais

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Técnicas Radiográficas Periapical Exame do dente e osso alveolar que o rodeia; Interproximal Diagnóstico de cáries proximais, excessos marginais de restaurações;

Leia mais

Devido à sua localização, a face é freqüentemente sede de lesões de. natureza traumática, na maioria das vezes causadas por agressões interpessoais ou

Devido à sua localização, a face é freqüentemente sede de lesões de. natureza traumática, na maioria das vezes causadas por agressões interpessoais ou 1 Introdução 1 INTRODUÇÃO Devido à sua localização, a face é freqüentemente sede de lesões de natureza traumática, na maioria das vezes causadas por agressões interpessoais ou acidentes automobilísticos.

Leia mais

Utilização da crista ilíaca nas reconstruções ósseas da cavidade oral. Relato de caso

Utilização da crista ilíaca nas reconstruções ósseas da cavidade oral. Relato de caso Artigo Inédito 1 41 2 42 3 4 Utilização da crista ilíaca nas reconstruções ósseas da cavidade oral. Relato de caso 43 44 7 47 8 9 Claudio Ferreira NóIA*de OlIveIRA**NóIA*** Rafael Ortega lopes****mazzonetto*****

Leia mais

- ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular. Conceitos Restauradores de Oclusão: - Relação Cêntrica;

- ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular. Conceitos Restauradores de Oclusão: - Relação Cêntrica; Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Odontologia Extensão Universitária - ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular Conceitos Restauradores de Oclusão:

Leia mais

Tomografia Computorizada Dental

Tomografia Computorizada Dental + Universidade do Minho M. I. Engenharia Biomédica Beatriz Gonçalves Sob orientação de: J. Higino Correia Tomografia Computorizada Dental 2011/2012 + Casos Clínicos n Dentes privados do processo de erupção

Leia mais

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula Fratura da Clavícula Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia O osso da clavícula é localizado entre o

Leia mais

Fraturas do Terço Médio da Face

Fraturas do Terço Médio da Face Fraturas do Terço Médio da Face Epidemiologia: Pico de incidência entre 15 e 30 anos Homens correspondem a 60-80% As principais causas são acidente automobilístico, agressão, esportes radicais e quedas

Leia mais

ARQUITETURA E TOPOGRAFIA ALVÉOLO-DENTAIS

ARQUITETURA E TOPOGRAFIA ALVÉOLO-DENTAIS ARQUITETURA E TOPOGRAFIA ALVÉOLO-DENTAIS Dr. Peter Reher, CD, CD, MSc, PhD PhD Especialista e Mestre em CTBMF - UFPel-RS Doutor (PhD) em CTBMF - University of London Professor Adjunto da UFMG e da PUC-Minas

Leia mais

Princípios de OCLUSÃO

Princípios de OCLUSÃO Aperfeiçoamento em Prótese Convencional e sobre Implantes Bibliografia Recomendada HOBO, S. et al. Osseointegração e Reabilitação Oclusal. 1 ed. São Paulo: Quintessence, 1997. Princípios de OCLUSÃO Princípios

Leia mais

Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa. subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações

Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa. subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações 1 INTRODUÇÃO Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações desse padrão. Vale a pena relembrarmos a definição

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ESTUDAR COM ATENÇÃO AMPLIAR AS IMAGENS PARA OBSERVAR OS DETALHES O periodonto (peri= em redor de; odontos = dente) compreende a gengiva, o ligamento periodontal,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PATOLOGIA GERAL E ORAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PATOLOGIA GERAL E ORAL SUB- PATOLOGIA GERAL E ORAL Estomatologia Métodos de Diagnóstico I e II Processos Patológicos PROGRAMA SUGERIDO (PROVA ESCRITA / DIDÁTICA / PRÁTICA) - TEMAS 1. Cistos dos maxilares. 2. Neoplasias benignas

Leia mais

Sua melhor opção. Manual de Orientação 1

Sua melhor opção. Manual de Orientação 1 Sua melhor opção. Manual de Orientação 1 2 Manual de Orientação Julho/2013 (2 a edição) Indice Orientação ao Paciente Introdução 04 Implantes dentais 04 Titânio - a matéria-prima dos implantes 05 Osseointegração

Leia mais

Doenças Periodontais. Tratamento e Prevenção. 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares

Doenças Periodontais. Tratamento e Prevenção. 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares Doenças Periodontais Tratamento e Prevenção 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares Gengivite e Periodontite Guia para o paciente Aprenda mais sobre as Doenças Periodontais (de gengiva) As doenças

Leia mais

Buco Maxilo Facial. Maxilo Facial GII 1.5 / 2.0 / 2.4

Buco Maxilo Facial. Maxilo Facial GII 1.5 / 2.0 / 2.4 Buco Maxilo Facial Maxilo Facial GII 1.5 / 2.0 / 2.4 Maxilo Facial GII 1.5 / 2.0 / 2.4 Sistema de Buco Maxilo Facial Os princípios biomecânicos da osteossíntese com placas aplicável a mandíbula culminou

Leia mais

Entorse do. 4 AtualizaDOR

Entorse do. 4 AtualizaDOR Entorse do Tornozelo Tão comum na prática esportiva, a entorse pode apresentar opções terapêuticas simples. Veja como são feitos o diagnóstico e o tratamento desse tipo de lesão 4 AtualizaDOR Ana Paula

Leia mais

Informações de Tratamento

Informações de Tratamento Informações de Tratamento 1. Introdução O tratamento orto-cirúrgico da deformidade dento-facial apresenta tanta complexidade que freqüentemente o paciente se sente perdido no meio de tantas informações.

Leia mais

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE O órgão dentário, um dos elementos do aparelho mastigatório, é constituído por tecidos especificamente dentais (esmalte, dentina, polpa) e por tecidos periodontais

Leia mais

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA ORAL E MAXILOFACIAL Graduação em Odontologia - 5º Período PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 GRANULOMA

Leia mais

Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO

Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO SAÚDE BUCAL Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO ANATOMIA BUCAL ANATOMIA DENTAL TIPOS DE DENTES

Leia mais

UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROGRAMA DE ENSINO

UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROGRAMA DE ENSINO UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROGRAMA DE ENSINO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Nome da disciplina ODT 7121 - Cirurgia e traumatologia bucomaxilofacial I Departamento

Leia mais

LINK CATÁLOGO DE EXAMES

LINK CATÁLOGO DE EXAMES Porque pedir um exame radiográfico? LINK CATÁLOGO DE EXAMES O exame radiográfico é solicitado para a visualização clinica das estruturas ósseas da cavidade bucal. Para isso, existem as mais diversas técnicas

Leia mais

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO EXAME CLÍNICO DA DOENÇA PERIODONTAL DIAGNÓSTICO PERIODONTAL CONSISTE O DIAGNÓSTICO NA ANÁLISE DO PERIODONTAL HISTÓRICO DO CASO, NA AVALIAÇÃO DOS SINAIS CLÍNICOS E SINTOMAS, COMO TAMBÉM DOS RESULTADOS DE

Leia mais

Importância do exame radiográfico

Importância do exame radiográfico Exames e Indicações Importância do exame radiográfico O exame radiográfico de rotina associado ao exame clínico é a maneira mais efetiva de se obter o índice diagnóstico de 100% de cárie (segundo Estevam

Leia mais

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução ODONTOLOGIA CANINA Juliana Kowalesky Médica Veterinária Mestre pela FMVZ -USP Pós graduada em Odontologia Veterinária - ANCLIVEPA SP Sócia Fundadora da Associação Brasileira de Odontologia Veterinária

Leia mais

RADIOLOGIA EM ORTODONTIA

RADIOLOGIA EM ORTODONTIA RADIOLOGIA EM ORTODONTIA Sem dúvida alguma, o descobrimento do RX em 1.895, veio revolucionar o diagnóstico de diversas anomalias no campo da Medicina. A Odontologia, sendo área da saúde, como não poderia

Leia mais

IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PACIENTE DR. MARCOLINO ANTONIO PELLICANO DR. BENEDITO UMBERTO BUENO

IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PACIENTE DR. MARCOLINO ANTONIO PELLICANO DR. BENEDITO UMBERTO BUENO IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PACIENTE DR. MARCOLINO ANTONIO PELLICANO DR. BENEDITO UMBERTO BUENO 1 IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS PORQUE PODEM SER COLOCADOS QUANDO PODEM SER COLOCADOS COMO

Leia mais

Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso

Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso LUNA, Aníbal H. B.; ALVES, Giorvan Ânderson dos Santos; FIGUEIREDO, Ludmila Silva de; PAIVA, Marcos A. Farias; CAVALCANTI, Raquel Lopes; RESUMO Introdução:

Leia mais

DISSECAÇÃO ANATÔMICA DE UMA FRATURA TIBIAL: ESTUDO ANATÔMICO E MULTIDISCIPLINAR 1

DISSECAÇÃO ANATÔMICA DE UMA FRATURA TIBIAL: ESTUDO ANATÔMICO E MULTIDISCIPLINAR 1 DISSECAÇÃO ANATÔMICA DE UMA FRATURA TIBIAL: ESTUDO ANATÔMICO E MULTIDISCIPLINAR 1 SILVA, Pedro Ducatti de Oliveira e 1 ; GUIMARÃES, Nilo Borges 2 ; LUIZ, Carlos Rosemberg 3 ; BENETTI, Edson José 4 ; FIUZA,

Leia mais

Placa bacteriana espessa

Placa bacteriana espessa A IMPORTÂNCIA DA SAÚDE BUCAL A saúde bucal é importante porque a maioria das doenças e a própria saúde começam pela boca. Por exemplo, se você não se alimenta bem, não conseguirá ter uma boa saúde bucal,

Leia mais

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA Prof. Rodrigo Aguiar O sistema músculo-esquelético é formado por ossos, articulações, músculos, tendões, nervos periféricos e partes moles adjacentes. Em grande

Leia mais

DTM - Aspectos Clínicos: Odontologia e Fisioterapia

DTM - Aspectos Clínicos: Odontologia e Fisioterapia DTM - Aspectos Clínicos: Odontologia e Fisioterapia Uma parcela da população sempre procura os serviços odontológicos pela presença de dores, porém muitas dessas dores não são de origem dentária, mas sim

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS

RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo, DDS, MDSc, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com Introdução A associação do trauma oclusal (TO)

Leia mais

Qualidade de vida com implantes dentários 1

Qualidade de vida com implantes dentários 1 DENTES BONITOS Qualidade de vida com implantes dentários 1 VOCÊ PODE REALMENTE IMPLANTAR ALEGRIA? Algumas vezes uma pequena peça de titânio pode revitalizar o seu sorriso e estimular a sua autoconfiança.

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista

Assessoria ao Cirurgião Dentista Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna a Papaiz edição IV agosto de 2014 Escrito por: Dr. André Simões, radiologista da Papaiz Diagnósticos Odontológicos por Imagem 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Tratamento endodôntico em Gato Doméstico (Felis Catus): Relato de caso Jaime Sardá Aramburú Junior 1, Cristiano Gomes 2, Ney Luis Pippi 3, Paulo

Leia mais

PROTOCOLO TÉCNICO- IMPLANTODONTIA CEO_ SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

PROTOCOLO TÉCNICO- IMPLANTODONTIA CEO_ SÃO JOSÉ DO RIO PRETO COORDENAÇÃO DE SAÚDE BUCAL ESPECIALIZADA SMS PROTOCOLO TÉCNICO- IMPLANTODONTIA CEO_ SÃO JOSÉ DO RIO PRETO DR. ALESSANDRO CALDEIRA DA SILVA PÓS-GRADUAÇÃO: CIRURGIA-BUCO-MAXILO-FACIAL E IMPLANTODONTIA COORDENAÇÃO

Leia mais

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada?

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? A avaliação da estética facial, bem como sua relação com a comunicação e expressão da emoção, é parte importante no

Leia mais

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral PALESTRA A Importância da Saúde Bucal na Saúde Geral A saúde começa pela boca Os dentes são importantes na mastigação dos alimentos, fala, e estética, influenciando diretamente na auto-estima do indivíduo

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO

A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO AUTORES: André Zétola Rafaela Larson Introdução A procura

Leia mais

Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004

Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004 Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004 Anatomia Atlas Axis Anatomia AP Perfil Mecanismo de Trauma Trauma axial em flexão Trauma axial - neutro Fraturas do Côndilo Occipital Os côndilos occipitais são

Leia mais

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Figura 9 1A Diagrama de secção transversal mostrando um implante no local do incisivo. A forma côncava do rebordo vestibular é evidenciada.

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Analisando-se a imagem de um dente íntegro, todas as suas partes são facilmente identificáveis, pois já conhecemos sua escala de radiopacidade e posição

Leia mais

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Autora: Profª. Rosana da Silva Berticelli Edição: Luana Christ e Bruna Reuter Lesões Periodontais Doença inflamatória dos tecidos de suporte dos

Leia mais

Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP

Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP INTRODUÇÃO Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP Desde que os cirurgiões ortopédicos começaram a utilizar câmeras de vídeo, chamadas artroscópios, para visualizar, diagnosticar e tratar problemas dentro da

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista

Assessoria ao Cirurgião Dentista Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna a Papaiz edição V setembro de 2014 Escrito por: Dr. André Simões, radiologista da Papaiz Diagnósticos Odontológicos por Imagem 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Leia mais

Carga imediata de arco oclusal pleno com implantes Seven e Mistral

Carga imediata de arco oclusal pleno com implantes Seven e Mistral Maio/Junho 2010 Caso Clínico Carga imediata de arco oclusal pleno com implantes Seven e Mistral Di Alberti L, Donnini F, Camerino M, Di Alberti C, Rossi G, Perfetti G, Dolci M, Trisi P do Department of

Leia mais

Capa (esse texto não será impresso) Dr. Celso Rios Dr. Renato Cabral. Manual de Orientação ao Paciente de IMPLANTES DENTÁRIOS

Capa (esse texto não será impresso) Dr. Celso Rios Dr. Renato Cabral. Manual de Orientação ao Paciente de IMPLANTES DENTÁRIOS Capa (esse texto não será impresso) Dr. Celso Rios Dr. Renato Cabral Manual de Orientação ao Paciente de IMPLANTES DENTÁRIOS Página propositalmente em branco Este foi o melhor investimento que fiz em toda

Leia mais

Aluna: Lucy Shiratori. Dissertação apresentada à Faculdade de. obtenção do título de Mestre, pelo Programa de Pós-

Aluna: Lucy Shiratori. Dissertação apresentada à Faculdade de. obtenção do título de Mestre, pelo Programa de Pós- FOUSP Avaliação da precisão da tomografia computadorizada por feixe cônico (cone beam) como método de medição do volume ósseo vestibular em implantes dentários Dissertação apresentada à Faculdade de Odontologia

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Dentistas-Consolidação das Normas para Procedimentos nos Conselhos de Odontologia-Alteração RESOLUÇÃO

Leia mais

Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur

Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur Prof André Montillo Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur Fraturas Proximal do Fêmur: Anatomia: Elementos Ósseos Cabeça do Fêmur Trocanter Maior Colo

Leia mais

Prótese Parcial Removível

Prótese Parcial Removível Prótese Parcial Removível Objetivo: Reabilitar arcos parcialmente desdentados, devolvendo as funções estética, fonética e mastigatória, podendo ser removida tanto pelo profissional como pelo paciente,

Leia mais

FRATURA DE MANDÍBULA EM PACIENTE GERIÁTRICO: RELATO DE CASO CLÍNICO MANDIBULAR FRACTURE IN GERIATRIC PATIENT: REPORT OF A CASE

FRATURA DE MANDÍBULA EM PACIENTE GERIÁTRICO: RELATO DE CASO CLÍNICO MANDIBULAR FRACTURE IN GERIATRIC PATIENT: REPORT OF A CASE FRATURA DE MANDÍBULA EM PACIENTE GERIÁTRICO: RELATO DE CASO CLÍNICO MANDIBULAR FRACTURE IN GERIATRIC PATIENT: REPORT OF A CASE Recebido em 25/11/2003 Aprovado em 10/03/2004 Antônio Figueiredo CAUBI* Ricardo

Leia mais

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia Técnicas radiográficas Divididas em dois grandes grupos: Técnicas Intraorais Profª Paula Christensen Técnicas Radiográficas Técnicas Extraorais Técnicas

Leia mais

SAÚDE BUCAL DO ADOLESCENTE

SAÚDE BUCAL DO ADOLESCENTE SAÚDE BUCAL DO ADOLESCENTE Texto montado a partir dos manuais: MINAS GERAIS. Secretaria de Estado de Saúde. Atenção à saúde do adolescente: Belo Horizonte: SAS/MG, 2006. p. 75-79. BARROS, Claudia Márcia

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR

DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR PREFEITURA DE BELO HORIZONTE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR COORDENAÇÃO TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

Leia mais

Plano de Ensino 1. IDENTIFICAÇÃO: UNIDADE DE CIRURGIA BUCO MAXILAR III

Plano de Ensino 1. IDENTIFICAÇÃO: UNIDADE DE CIRURGIA BUCO MAXILAR III MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE ODONTOLOGIA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA, TRAUMATOLOGIA E PRÓTESE BUCO-MAXILO-FACIAIS Plano de Ensino 1. IDENTIFICAÇÃO:

Leia mais

Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral

Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral Anestesias Locais 1. Periférica, tópica ou de superfície 2. Infiltrativa terminal 3. Troncular, regional ou bloqueio de condução Aula de cirurgia Anestesia

Leia mais

Semiologia Ortopédica Pericial

Semiologia Ortopédica Pericial Semiologia Ortopédica Pericial Prof. Dr. José Heitor Machado Fernandes 2ª V E R S Ã O DO H I P E R T E X T O Para acessar os módulos do hipertexto Para acessar cada módulo do hipertexto clique no link

Leia mais

O ingresso no Programa de Mestrado é feito por meio do exame de seleção, que consta de:

O ingresso no Programa de Mestrado é feito por meio do exame de seleção, que consta de: EDITAL DE SELEÇÃO 002/2016 Estarão abertas, a partir do dia 04 de março de 2016, as inscrições para a seleção de candidatos ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Odontológicas nas Áreas de Concentração

Leia mais

CRONOGRAMA CURSO IMPLANTE E PERIO

CRONOGRAMA CURSO IMPLANTE E PERIO CRONOGRAMA CURSO IMPLANTE E PERIO Equipe: Coordenador Geral: Prof. Dr. Rafael Pinelli Henriques Doutor pela FOB USP Bauru S.P. Diretor COPH Bauru Coordenadora Específica: Profa. Dra. Gabriela Gennaro Especialista

Leia mais

O QUE É A TÃO FALADA CARGA IMEDIATA?

O QUE É A TÃO FALADA CARGA IMEDIATA? 1 O QUE É A TÃO FALADA CARGA IMEDIATA? A descoberta da Osseointegração pelo professor Brånemark, na década de 50, revolucionou a reabilitação dos pacientes com ausências dentárias, com a utilização dos

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de Tratamento Odontológico Versão eletrônica atualizada em Janeiro 2009 A EQUIPE DE SAÚDE BUCAL NA UTMO Fernanda de Paula Eduardo Letícia Mello Bezinelli Pacientes que

Leia mais

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual Universidade de Brasília Departamento de Odontologia OCLUSÃO! NOÇÕES DE OCLUSÃO! Estudo das relações estáticas e dinâmicas entre as estruturas do sistema mastigatório!! Movimentos mandibulares Disciplina

Leia mais

INCIDÊNCIA DE FRATURAS FACIAIS NO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP

INCIDÊNCIA DE FRATURAS FACIAIS NO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP INCIDÊNCIA DE FRATURAS FACIAIS NO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP Paulo Villela SANTOS JUNIOR* RESUMO: Foi realizada uma análise da incidência de fraturas faciais, considerando-se o sexo, idade e estruturas

Leia mais

Tratamento cirúrgico de fratura bilateral de côndilo associada à fratura de corpo mandibular: relato de caso

Tratamento cirúrgico de fratura bilateral de côndilo associada à fratura de corpo mandibular: relato de caso Recebido em 15/01/13 Aprovado em 30/01/13 V13N2 Tratamento cirúrgico de fratura bilateral de côndilo associada à fratura de corpo mandibular: relato de caso Surgical management of condylar fracture associated

Leia mais

Traumatismo Alvéolo-Dentário em Dentes Permanentes: Elementos para Diagnóstico e Tratamento por Cristina Braga Xavier e Eduardo Luiz Barbin

Traumatismo Alvéolo-Dentário em Dentes Permanentes: Elementos para Diagnóstico e Tratamento por Cristina Braga Xavier e Eduardo Luiz Barbin Traumatismo Alvéolo-Dentário em Dentes Permanentes: Elementos para Diagnóstico e Tratamento por Cristina Braga Xavier e Eduardo Luiz Barbin Espera-se que a leitura deste documento forneça, de maneira rápida

Leia mais

PREFEITURA DE GOIANIA - IMAS ATUALIZADO EM : 02/08/2010 RELATORIO DE PROCEDIMENTOS ODONTOLOGICOS POR ESPECIALIDADE VALOR DO CH ODONTOLOGICO : R$ 0,22

PREFEITURA DE GOIANIA - IMAS ATUALIZADO EM : 02/08/2010 RELATORIO DE PROCEDIMENTOS ODONTOLOGICOS POR ESPECIALIDADE VALOR DO CH ODONTOLOGICO : R$ 0,22 PREFEITURA DE GOIANIA - IMAS ATUALIZADO EM : 02/08/2010 RELATORIO DE PROCEDIMENTOS ODONTOLOGICOS POR ESPECIALIDADE VALOR DO CH ODONTOLOGICO : R$ 0,22 ESPECIALIDADE : 001 - PRONTO SOCORRO CODIGO DESCRICAO

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA)

GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) AUTORES Ingryd Coutinho de Oliveira Priscila Cunha Nascimento Discentes da Graduação em Odontologia e Bolsistas de Ensino

Leia mais

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Em um dente íntegro, suas imagens são facilmente identificáveis, pois já conhecemos a escala de radiopacidade. Estudamos as imagens das estruturas anatômicas, suas

Leia mais

Diretrizes Clínicas Protocolos Clínicos

Diretrizes Clínicas Protocolos Clínicos Diretrizes Clínicas Protocolos Clínicos 043 Avaliação e Monitoramento Fonoaudiológico em Pacientes com Fratura de Côndilo Mandibular Não Cirúrgica Última revisão: 13/08/2013 Estabelecido em: 05/08/2011

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias A escolha dos casos a serem apresentados deverá seguir

Leia mais

www.periodonto.net www.periodonto.net Carga ou Função Imediata sobre Implantes www.periodonto.net www.periodonto.net O início Tratamento Implante

www.periodonto.net www.periodonto.net Carga ou Função Imediata sobre Implantes www.periodonto.net www.periodonto.net O início Tratamento Implante Carga ou Função Imediata sobre Implantes Perda do elemento dental Coágulo O início Degradação ação da cortical alveolar periodontal Regeneração óssea Tratamento Prótese fixa convencional => sem estímulo

Leia mais

CÂNCER DE BOCA. Disciplina: Proteção Radiológica. Docente: Karla Alves Discentes: André Luiz Silva de Jesus Paloma Oliveira Carvalho

CÂNCER DE BOCA. Disciplina: Proteção Radiológica. Docente: Karla Alves Discentes: André Luiz Silva de Jesus Paloma Oliveira Carvalho CÂNCER DE BOCA Disciplina: Proteção Radiológica Docente: Karla Alves Discentes: André Luiz Silva de Jesus Paloma Oliveira Carvalho OBJETIVOS Descrever o processo carcinogênico geral e específico para o

Leia mais

Radiografia Panorâmica

Radiografia Panorâmica Unidade Clínica I Radiografia Panorâmica 18.10.2012 1 Introdução A radiografia panorâmica (também chamada de ortopantomografia) produz uma só imagem, tomográfica, das estruturas da face, incluindo as arcadas

Leia mais

Qual o estado atual das reabilitações de maxilas atróficas com osseointegração?

Qual o estado atual das reabilitações de maxilas atróficas com osseointegração? Qual o estado atual das reabilitações de maxilas atróficas com osseointegração? Hugo Nary Filho responde O tratamento do edentulismo maxilar, com a utilização de implantes osseointegráveis, vem experimentando

Leia mais

Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública Pós-Graduação em Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial Secretaria da Saúde do Estado da Bahia

Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública Pós-Graduação em Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial Secretaria da Saúde do Estado da Bahia EDITAL PARA EXAME DE SELEÇÃO DESTINADO A VAGAS REMANESCENTES PARA A ESPECIALIZAÇÃO EM CIRURGIA E TRAUMATOLOGIA BUCOMAXILOFACIAIS / 2015 A Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, em conformidade com

Leia mais

Ortopedia e Traumatologia

Ortopedia e Traumatologia Ortopedia e Traumatologia Fixação Interna Orthofix A Orthofix é uma companhia reconhecida mundialmente no desenvolvimento de soluções para fixação externa e interna na área de Traumatologia e Ortopedia.

Leia mais

Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS. Informação ao paciente. Degussa Dental

Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS. Informação ao paciente. Degussa Dental Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS Informação ao paciente Degussa Dental Fornecido pelo seu cirurgião-dentista: Prezado(a) paciente, Mais cedo ou mais tarde acontece com cada um de nós: os primeiros

Leia mais

MOVIMENTOS MANDIBULARES

MOVIMENTOS MANDIBULARES MOVIMENTOS MANDIBULARES Alfredo Julio Fernandes Neto, et al. Univ. Fed. Uberlândia - 2006 Para o entendimento da dinâmica dos movimentos mandibulares, além dos quatro determinantes anatômicos do aparelho

Leia mais

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL ESQUELETO AXIAL Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. Vamos estudar o esqueleto que forma o eixo do corpo iniciando o estudo da CABEÇA óssea que se divide em

Leia mais

CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL

CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL PLACA DENTAL OU BACTERIANA = BIOFILME DENTAL BIOFILME pode ser definido como uma comunidade bacteriana, em uma matriz composta por polímeros extracelulares, aderidas

Leia mais

TRATAMENTO CIRÚRGICO DE ASSIMETRIA MANDIBULAR RELATO DE CASO CLÍNICO SURGERY TREATMENTS OF MANDIBULAR ASYMMETRY REPORT OF CASE

TRATAMENTO CIRÚRGICO DE ASSIMETRIA MANDIBULAR RELATO DE CASO CLÍNICO SURGERY TREATMENTS OF MANDIBULAR ASYMMETRY REPORT OF CASE TRATAMENTO CIRÚRGICO DE ASSIMETRIA MANDIBULAR RELATO DE CASO CLÍNICO Recebido em 19/01/2004 Aprovado em 09/02/2004 SURGERY TREATMENTS OF MANDIBULAR ASYMMETRY REPORT OF CASE Emanuel DIAS de Oliveira e Silva*

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência Periodontologia É a disciplina da medicina dentária que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças das gengivas e das estruturas de suporte dos dentes. A inflamação e o sangramento das

Leia mais

LATO SENSU - ESPECIALIZAÇÃO

LATO SENSU - ESPECIALIZAÇÃO PUC MINAS FAC. DE ODONTOLOGIA PÓS-GRADUAÇÃO - 2007 LATO SENSU - ESPECIALIZAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ESTOMATOLOGIA Profª. Franca Arenare Jeunon (Coordenadora) - Mestre Prof. Carlos Roberto Martins - Doutor

Leia mais

Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública Pós-Graduação em Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial Secretaria da Saúde do Estado da Bahia

Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública Pós-Graduação em Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial Secretaria da Saúde do Estado da Bahia EDITAL PARA EXAME DE SELEÇÃO PARA A ESPECIALIZAÇÃO EM CIRURGIA E TRAUMATOLOGIA BUCOMAXILOFACIAIS 2014 A Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, em conformidade com o regimento Lato Sensu da Pró-Reitoria

Leia mais

HIPERMOBILIDADE X DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR: CASO CLÍNICO

HIPERMOBILIDADE X DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR: CASO CLÍNICO HIPERMOBILIDADE X DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR: CASO CLÍNICO Gustavo Dias Gomes da Silva(1); Alieny Cristina Duarte Ferreira (2); Ana Isabella Arruda Meira Ribeiro (3); Alcione Barbosa Lira de Farias (4);

Leia mais

Cobertura do Plano Star

Cobertura do Plano Star Cobertura do Plano Star Diagnóstico Consulta inicial Exame histopatológico Condicionamento em odontologia. Urgência Curativo em caso de hemorragia bucal consiste na aplicação de hemostático e sutura no

Leia mais

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc 1 TRM Traumatismo Raqui- Medular Lesão Traumática da raqui(coluna) e medula espinal resultando algum grau de comprometimento temporário ou

Leia mais

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES 21/06/2014 A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é a agência reguladora vinculada ao Ministério da Saúde

Leia mais

MEIOS DE FIXAÇA O MAIS UTILIZADOS EM FRATURAS DE A NGULO MANDIBULAR INTERNAL STABLE FIXATION METHODS MOST USED IN ANGLE FRACTURES

MEIOS DE FIXAÇA O MAIS UTILIZADOS EM FRATURAS DE A NGULO MANDIBULAR INTERNAL STABLE FIXATION METHODS MOST USED IN ANGLE FRACTURES MEIOS DE FIXAÇA O MAIS UTILIZADOS EM FRATURAS DE A NGULO MANDIBULAR INTERNAL STABLE FIXATION METHODS MOST USED IN ANGLE FRACTURES Felipe Calile FRANCK 1 ; Paulo Afonso de OLIVEIRA JUNIOR 2, 4 ; Marcelo

Leia mais