Palavra do Secretário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavra do Secretário"

Transcrição

1

2 Palavra do Secretário Caderno Fato Gerador, nº 2 Resultados do 2º semestre de 2011 Publicação da Assessoria de Comunicação Social da Receita Federal do Brasil Guido Mantega Ministro da Fazenda Carlos Alberto Freitas Barreto Secretário da Receita Federal do Brasil Publicação de cunho informativo e de prestação de serviço. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial da publicação e de informações nela contidas, desde que citada a fonte. As informações aqui divulgadas são obtidas diretamente das subsecretarias e órgãos de assessoramento da Receita Federal do Brasil. Informações de origem diversa são veiculadas mediante citação da fonte. Pedro Henrique Mansur Chefe da Assessoria de Comunicação Social da RFB Rodrigo Morgado Sais Jornalista responsável (Mtb 3034-PR) Edna Mazepa Ballão Projeto gráfico Fabiano Rebelo e Ludmila Siqueira Apuração e revisão Contato: Assessoria de Comunicação Social Secretaria da Receita Federal do Brasil Esplanada dos Ministérios - Bloco P - Edifício Sede do Ministério da Fazenda - sala 714 CEP Brasília - DF (61) /2777 Prover recursos para que o Estado brasileiro custeie suas atividades e realize os investimentos necessários para o progresso do País é uma das tarefas mais importantes atribuídas à Receita Federal. Em 2011, mais uma vez o órgão atingiu seu objetivo: a arrecadação federal foi de R$ 969 bilhões, um crescimento real de 10,1% em relação ao ano anterior. O excelente desempenho da arrecadação, que registrou o maior crescimento nos últimos quatro anos, decorre não apenas da situação econômica favorável do País, mas também do empenho constante dos servidores da Receita Federal, que, mesmo em um ano marcado pelo contingenciamento de gastos, atingiram as metas previstas para o período. Foram lançados mais de R$ 100 bilhões em créditos tributários contra empresas que não haviam efetuado corretamente o recolhimento de seus tributos aos cofres públicos. As apreensões de mercadorias ilegais também bateram um recorde histórico, chegando a R$ 1,48 bilhão. Porém, se os sonegadores e contrabandistas tiveram um ano difícil graças à vigilância constante da Receita, os bons contribuintes tiveram muitas de suas obrigações perante o Fisco facilitadas. Várias medidas foram anunciadas para desburocratizar e facilitar o cumprimento das obrigações do cidadão brasileiro. Os viajantes, que já haviam sido dispensados da apresentação da Declaração de Saída Temporária de Bens (DST) no ano passado, agora não serão mais obrigados a preencher a Declaração de Bagagem Acompanhada (DBA) ao chegar no País, se estiverem dentro da cota de isenção. Na mesma linha, o Programa de Simplificação de Obrigações simplificará a apresentação da Declaração do Imposto de Renda (DIRPF) pelo trabalhador que recebe os vencimentos de uma única fonte, bem como eliminará a necessidade de envio da Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ) para empresas tributadas pelo lucro real. Apesar de todos esses resultados positivos, não há tempo para comemorar: 2012 já se iniciou com novos desafios, para os quais a organização deve estar pronta. Servidores de toda a instituição se debruçaram no mapeamento das necessidades do órgão e na elaboração do planejamento estratégico para o quadriênio , período em que a Receita novamente irá se esforçar ao máximo para cumprir a missão assumida junto ao Estado brasileiro: exercer a administração tributária e aduaneira com justiça fiscal e respeito ao cidadão, em benefício da sociedade. Os resultados deste esforço o leitor poderá acompanhar aqui, no Fato Gerador. Boa leitura! Carlos Alberto Freitas Barreto Secretário da Receita Federal do Brasil O excelente desempenho da arrecadação, que registrou o maior crescimento nos últimos quatro anos, decorre não apenas da situação econômica favorável do país, mas também do empenho constante dos servidores da Receita Federal, que, mesmo em um ano marcado pelo contingenciamento de gastos, atingiram as metas previstas para o período.

3 Conjuntura Conjuntura Receita supera os R$ 100 BI EM AUTUAÇÕES sobre tributos internos As ações fiscais realizadas pela Receita Federal na área de tributos internos resultaram em créditos tributários lançados de R$ 108,06 bilhões. O valor é 19,88% maior do que os R$ 90,1 bilhões lançados em O setor industrial acumulou o maior valor em autuações: R$ 30,7 bilhões. Setor econômico Indústria crédito lançado por segmento econômico 2011 Quantidade de procedimentos Valor Crédito (R$ milhões) ,6 Particpação Participação %% 28,44% Pesquisa e Investigação: cerca de R$ 3,5 BILHÕES LANÇADOS Para fazer frente a organizações criminosas que dispõem cada vez mais de recursos técnicos e logísticos, uma das armas da RFB é o uso da inteligência fiscal. Foram realizadas pela Coordenação de Pesquisa e Investigação no ano passado 28 operações que, pelo seu vulto, exigiram ação em conjunto com órgãos como Procuradoria da Fazenda Nacional, Departamento de Polícia Federal e Ministério Público Federal. Dentre as ações destacam-se as operações Alquimia, Pomar, Black Ops e Apate. Na tabela abaixo estão indicadas as quantidades de mandados de busca e apreensão, prisões e servidores da RFB que atuaram nas operações. Com base nas informações obtidas pela Inteligência da RFB foi possível, apenas em 2011, o lançamento de aproximadamente R$ 3,5 bilhões pela fiscalização. Com a realização dessas operações, espera-se elevar a percepção de risco dos contribuintes, evitando-se a prática de condutas em desacordo com a legislação tributária. Prestação de Serviços ,5 15,06% Comércio ,0 14,81% Serviços Financeiros ,9 10,76% Outros setores ,7 25,47% Pessoas Físicas ,8 5,46% TOTAL ,5 100,00% Pessoas Jurídicas: MAIS DE R$ 100 BILHÕES em créditos Considerado apenas o universo das Pessoas Jurídicas, que exigem via de regra fiscalizações mais extensas, foram realizadas ações fiscais, que resultaram na constituição de R$ 102,2 bilhões em créditos relativos aos tributos internos em Isso equivale a uma média de R$ 5,4 milhões por ação fiscal realizadas pelos servidores da Receita Federal. R$ 18 bilhões Capacitação por competências MODERNIZAÇÃO NA GESTÃO DE PESSOAS A Receita deu um grande passo para melhorar ainda mais a capacitação de seus servidores, já reconhecidos pela sua capacidade técnica. Ao longo de 2010, a RFB investiu na Gestão de Competências, mapeando todos os processos de trabalho existentes no órgão e levantando quais as competências os servidores devem ter para exercer suas funções com excelência. Mais de 15 mil dos 28 mil servidores contribuíram com informações valiosas para a detecção de lacunas na capacitação dos servidores, baseadas nas quais foram elaborados projetos de treinamento que serão implementados em Foi o total de lançamentos tributários aplicados em 2011 a um grupo de 109 contribuintes acusados de praticar o planejamento tributário abusivo, que consiste em simular operações que de fato não ocorreram na tentativa de reduzir o imposto a pagar por meio de brechas na lei. NARCOTRÁFICO também é alvo da Receita Federal Em 2011 a Receita Federal realizou duas grandes apreensões de cocaína em portos nacionais. Foram cerca de 750 kg da droga, avaliados em aproximadamente R$ 40 milhões. A droga teria como destino final países da Europa. A primeira dessas grandes apreensões ocorreu em maio no Porto de Santos/SP. Foram descobertos 180 kg de cocaína ocultos no interior de rochas de ametista destinadas ao Reino Unido. Em outubro, no Porto de Suape/PE, a Receita Federal descobriu 530 kg de drogas camuflados em uma carga de gesso. Foi a maior apreensão de cocaína ocorrida na região Nordeste do Brasil. A droga foi avaliada em R$ 28 milhões e foi necessário o uso de cães farejadores para identificação dos sacos de gesso que continham cocaína. Para chegar às cargas com entorpecentes, a Receita Federal realiza um trabalho constante de monitoramento de empresas e cargas, a partir do cruzamento de informações dos próprios sistemas ou obtidas por meio de uma rede internacional de intercâmbio de informações. AGILIDADE na restituição A RFB implementou, em abril de 2011, a automatização nos procedimentos de pagamento de pedidos de restituição e ressarcimento, viabilizando o crédito aos contribuintes diretamente em suas contas bancárias, sem interveniência de servidores. Anteriormente, os pedidos já analisados e com direito creditório reconhecido ficavam represados, aguardando a efetivação do pagamento por um servidor da RFB. Com a implantação do pagamento automático, a Receita diminuiu o estoque de pedidos de restituição e ressarcimento já analisados e pendentes de pagamento e o tempo entre o recebimento de um pedido e seu efetivo pagamento. Ao longo de 2011, foram processados nove lotes, com o pagamento de processos, no valor de R$ 331 milhões. A cada mês são pagos todos os processos já analisados que não tenham erros nos dados bancários e cujos contribuintes não tenham débitos com a Receita. 4 5

4 Conjuntura Conjuntura Governo cria EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSA- BILIDADE LIMITADA - EIRELI Em janeiro de 2012 entrou em vigor a Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (Eireli), uma nova modalidade de pessoa jurídica de direito privado. Essa espécie de empresa é constituída por uma única pessoa natural que será titular da totalidade do seu capital social. Cada pessoa física, entretanto, somente poderá figurar em uma única empresa dessa modalidade. Ao contrário do que acontece hoje com o empresário (antiga firma individual ), a pessoa que constituir uma Eireli gozará de proteção patrimonial e seguirá as mesmas regras aplicáveis às sociedades empresárias limitadas, naquilo que couber. Entretanto, o capital social não poderá ser inferior a 100 vezes o maior salário mínimo vigente no país, que deverá ser totalmente integralizado no ato de registro da empresa. A Receita Federal já adaptou todos os aplicativos do Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) e os disponibilizou para os públicos interno e externo. Essa nova modalidade de empresa gerará novos desafios para a fiscalização e controle por parate da Administração Tributária. Receita se prepara para COPA E OLIMPÍADAS De olho nos grandes eventos esportivos que serão realizados no Brasil nos próximos anos, a Receita Federal vem alterando sua legislação para simplificar os procedimentos de fiscalização dos passageiros que entram no País. Em 2011, foram editadas novas regras de bagagem, que tornam mais claras as quantidades de mercadorias permitidas. Além disso, isentou-se o passageiro que não tem bens a declarar de preencher a Declaração de Bagagem Acompanhada (DBA), agilizando o fluxo de passageiros nos terminais. Em média, passaram pelos aeroportos brasileiros cerca de 50 mil passageiros internacionais por dia em 2011, um crescimento de 14% em relação a 2010, e que tende a se acentuar com a realização da Copa do Mundo e das Olimpíadas nos próximos anos. OPERAÇÕES AUMENTAM arrecadação espontânea A Receita Federal iniciou em 2011 um estudo para mensurar o efeito de operações de inteligência fiscal na arrecadação tributária nacional. Os resultados iniciais permitem inferir que as operações da RFB são ferramentas importantes para o combate à sonegação fiscal. Como exemplo é mostrado abaixo um gráfico da arrecadação acumulada das empresas que foram objeto de mandados de busca e apreensão na Operação Boiada, deflagrada pela Receita Federal em junho de A marcação em vermelho mostra o momento em que ocorreu a operação de inteligência fiscal, que coincide com um aumento significativo na arrecadação. A linha amarela mostra a tendência de arrecadação antes da operação e a linha verde após a mesma. Além do aumento de arrecadação espontânea mostrado no gráfico abaixo, as ações fiscais consequentes da Operação Boiada foram responsáveis por mais de R$ 550 milhões em crédito tributário lançado. 29 Foi a quantidade de decretos que tiveram seu início na Coordenação-Geral de Tributação ou foram analisados por essa coordenação e pela Coordenação-Geral de Estudos Econômico-Tributários e de Previsão e Análise de Arrecadação da RFB. Dentre os assuntos mais relevantes constaram as isenções tributárias para a Copa do Mundo, alterações no Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF) e alterações na Tabela de Incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados (TIPI). Pareceres Normativos: MAIS SEGURANÇA JURÍDICA para o contribuinte Apesar de todos os esforços da Receita Federal em simplificar o cumprimento das obrigações por parte dos contribuintes, é fato notório de que a área tributária é um ramo complexo do Direito, capaz de suscitar interpretações diversas entre seus estudiosos. Para minimizar a insegurança que os contribuintes podem ter ao lidar com as diversas normas que compõem o sistema tributário brasileiro, a Receita passou a reeditar os Pareceres Normativos, que haviam sido descontinuados na última década. Os Pareceres Normativos traduzem, de forma fundamentada, a posição da RFB sobre situações jurídico-tributárias específicas, permitindo ao contribuinte conhecer previamente a posição da Administração sobre um determinado tema. O primeiro parecer, datado de julho de 2011, versou sobre as diferenças no cálculo sobre o ativo imobilizado e seu impacto na apuração do lucro real e na base de cálculo da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). Em 2012, a intenção da Subsecretaria de Tributação é editar novos pareceres sobre temas que causem dúvidas aos contribuintes. 6 7

5 Conjuntura Conjuntura ENAT chega à sua 7ª EDIÇÃO Criado para dar efetividade ao artigo 37 da Constituição, que prevê a integração entre as administrações tributárias da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, o Enat (Encontro Nacional de Administradores Tributárias) vem se destacando pela qualidade de seus debates e pelos avanços obtidos nos protocolos firmados ao longo dos anos. Em sua 7ª edição, realizada em Belém (PA) no mês de setembro, foram firmados seis protocolos de cooperação entre os Fiscos dos entes federados, atingindo áreas como a capacitação, a escrituração fiscal de serviços e a Redesim - Rede Nacional para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios. Arrecadação tem o maior CRESCIMENTO REAL dos últimos quatro anos A arrecadação das receitas federais teve um crescimento real, com base no IPCA, de 10,1% em No ano, o total arrecadado atingiu R$ 969,907milhões, contra R$ 826,519 milhões em Os 10,1% de crescimento real ano representam o maior percentual dos últimos quatro anos. Em 2010, comparativamente a 2009, o índice anual foi de 9,78%; em 2009, em relação ao ano anterior, de menos 0,38%, crescimento negativo; e, finalmente, em 2008, comparado a 2007, de 7,68% Receita Federal e municípios vão atuar em parceria na FISCALIZAÇÃO DO ITR Ao promover o intercâmbio de informações fiscais, cadastros e expertise, as administrações tributárias reduzem seus custos operacionais, aumentam a eficácia no combate à sonegação e facilitam a vida do contribuinte ao diminuir o número de obrigações a que estes estão sujeitos. Um exemplo disso são as mudanças que vêm sendo desenvolvidas na área do Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (ITR). Embora a fiscalização do ITR seja de competência da União, a característica dos imóveis rurais faz com que sua fiscalização seja mais facilmente aplicada pelos gestores que estão mais próximos aos terrenos no caso, as prefeituras, para quem a arrecadação do ITR também tem mais relevância no orçamento. Assim, a Receita vem desenvolvendo um projeto de descentralização do ITR, dando ferramentas para que as prefeituras possam assumir o dever da fiscalização e ficando com a contrapartida da receita auferida, sob a supervisão da União. Além do desenvolvimento de um Portal do ITR, previsto para este ano, foi firmado um convênio com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) que irá promover o intercâmbio de dados entre os dois órgãos, diminuindo o risco de fraudes. Receita realiza DOIS TERÇOS A MAIS DE LEILÕES em 2011 Implantado em dezembro de 2010, o leilão eletrônico firmou-se definitivamente como a melhor opção para a alienação das mercadorias apreendidas pela Receita Federal. Realizado totalmente pela internet, o leilão eletrônico permite que mais interessados tenham acesso ao certame, de maneira segura e transparente. Em 2011, foram realizados 169 leilões, sendo que 138 foram na modalidade eletrônica. Isso representa um acréscimo de 67% em relação ao número de leilões realizados em A realização de leilões mais frequentes aumenta o giro de mercadorias nos armazéns, liberando espaço para novas apreensões e diminuindo custos de armazenagem. Com mais interessados na disputa, o preço médio das mercadorias também sobe em média, os valores contábeis de saída foram um terço maior do que os registrados em No total, a arrecadação com leilões foi superior a R$ 222 milhões. Receita expede em média 86 REPRESENTAÇÕES AO MPF POR DIA EM 2011 O contrabando e o descaminho trazem grandes prejuízos à competitividade da industria nacional e também aos consumidores, que ficam expostos a produtos que não foram analisados pelos órgãos fiscalizadores. Para coibir estas práticas criminosas, a Receita Federal deflagrou operações de vigilância e repressão que culminaram em apreensões no valor de R$ 314 milhões, e resultaram em representações fiscais para fins penais ao Ministério Público Federal. As multas aplicadas aos infratores totalizaram R$ 111,5 milhões, 52% a mais do que o registrado em Mutirões somaram R$ 465 MI EM DESTRUIÇÕES Nem todas as mercadorias apreendidas pela Receita podem ser leiloadas. Cigarros, simulacros de arma de fogo, mercadorias que ofereçam risco ao consumidor e produtos falsificados devem ser destruídos. Em 2011, foram retiradas de circulação dois terços a mais de mercadorias do que em 2010, com dois Mutirões Nacionais de Destruição que apresentaram valores recordes de mercadorias destruídas. 13,2 milhões É o número total de remessas postais internacionais processadas pela Receita Federal em Impulsionada pelo e-commerce, as remessas postais cresceram 45% em relação a

6 Conjuntura Conjuntura DRJ: Tecnologia garante AUMENTO DE 5% NO NÚMERO DE PROCESSOS JULGADOS Responsáveis pelo julgamento em primeira instância administrativa das impugnações e das manifestações de inconformidade formalizadas pelos contribuintes, as 17 Delegacias da Receita Federal do Brasil de Julgamento (DRJ) analisaram cerca de 90 mil processos no ano de 2011, contra 85 mil julgados no ano de Considerando que o número de julgadores mantevese estável no período, o aumento pode ser creditado às melhorias de processos e ao uso intensivo de tecnologia no órgão, que garante o contraditório e a ampla defesa ao contribuinte. Plano de Trabalho recupera R$ 11,7 BI EM CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS Juntamente com a Metodologia de Acompanhamento dos Contribuintes Diferenciados por Setor Econômico (MSE), foi deflagrado o Plano de Trabalho Maiores Contribuintes, buscando evitar distorções que comprometessem a arrecadação federal. No escopo do plano de trabalho foram analisados processos, débitos vinculados e declarações de compensação no montante de R$ 327 bilhões. Além disso, com o intuito de identificar indícios de evasão tributária, foram investigadas distorções de arrecadação no valor de R$ 37,1 bilhões. O esforço relacionado a essas ações resultou na recuperação de créditos tributários da ordem de R$ 11,7 bilhões. Receita desenvolve metodologia para acompanhar MAIORES CONTRIBUINTES Responsáveis por 70% da arrecadação dos tributos federais, os Contribuintes Diferenciados um grupo formado por pessoas jurídicas e pessoas físicas recebem atenção especial da Receita no combate à sonegação. Em 2011, o órgão capacitou 180 servidores para aplicar a Metodologia de Acompanhamento dos Contribuintes Diferenciados por Setor Econômico (MSE), que consiste na análise de 82 indicadores de comportamento do contribuinte em comparação com as demais empresas de seu setor. A aplicação da metodologia gera resultados diretos na redução da concorrência desleal e consequente proteção às empresas que cumprem regularmente as suas obrigações tributárias. JULGAMENTO POR TELECONFERÊNCIA é inovação das DRJ em 2011 Em novembro de 2011, a DRJ Porto Alegre inovou ao realizar o primeiro julgamento por meio do sistema de webconference. Julgadores localizados na capital gaúcha e em Santa Maria reuniram-se virtualmente para analisar 12 processos. O resultado da experiência foi positivo, por economizar tempo e recursos que seriam gastos com deslocamentos e pagamento de diárias. O julgamento por teleconferência vem se juntar a outra inovação tecnológica que trouxe excelentes resultados: a digitalização dos processos. Ao término de 2011 mais da metade dos processos das DRJ já estavam digitalizados, e até o final do primeiro trimestre de 2012 espera-se que todos os processos já estejam em formato digital. Além da economia de papel e espaço de armazenagem, o formato digital permite ao contribuinte localizar e consultar com mais rapidez os processos, trazendo ganhos para a Administração, o meio ambiente e a sociedade. 44% dos acessos ao Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte (Portal e-cac) em 2011 já foram feitos através do Certificado Digital. Esse tipo de acesso proporciona mais segurança na identificação do contribuinte, e é exigido para alguns dos serviços do Portal. Volume do comércio exterior BATEU RECORDE EM 2011 Um dos pilares para a consolidação do Brasil como a sexta maior economia do mundo em 2011, o comércio exterior registrou um forte aumento em suas atividades no ano passado. As exportações brasileiras atingiram US$ 255,4 bilhões contra US$ 202,1 bilhões em 2010 (aumento de 26%). Já as importações somaram US$ 226,2 bilhões em 2011, representando um crescimento de 24% em relação a Como resultado, a balança comercial brasileira apresentou um superávit de US$ 29,2 bilhões, 43% superior ao saldo de Aduana: AGILIDADE E CONTROLE no comércio exterior É função da Aduana brasileira garantir a fluidez do comércio exterior. A tarefa vem sendo cumprida com louvor: mesmo com um número recorde de 3,72 milhões de operações de comércio exterior registradas, o tempo médio bruto do despacho aduaneiro de importação caiu quase 5%, de 2,22 dias em 2010 para 2,11 dias no ano passado. Já na exportação, o tempo médio de cada operação caiu de 12,48 horas para 10,32 horas, uma redução de 17,3%. A maior agilidade não significa um descuido nos esforços para coibir a entrada ilegal de produtos e a sonegação de impostos: foram arrecadados R$ 130 milhões em multas, 3% a mais que em No total, a arrecadação vinculada ao comércio exterior somou R$ 77,1 bilhões, 8% do total da arrecadação nacional em Seleção adequada de contribuintes é PREOCUPAÇÃO DA RECEITA Ações fiscais que não atingem o resultado previsto equivalem a desperdício tanto dos recursos humanos do Fisco como do tempo do contribuinte. Por isso a Receita Federal tem se esforçado para melhorar constantemente seu trabalho de seleção de contribuintes a serem fiscalizados, de modo que apenas os sujeitos passivos com fortes indícios de infração às normas sejam alvo da fiscalização do órgão. O bom resultado da seleção de contribuintes em 2011 pode ser acompanhado através dos procedimentos realizados no setor de pessoas físicas. Os 385 mil procedimentos realizados são 26,5% a menos do que os 523 mil registrados em 2010, porém, ainda assim o valor do crédito lançado sobre os infratores foi de R$ 5,9 bilhões R$ 262 milhões a mais do que o registrado no ano passado

7 Conjuntura Conjuntura Atendimento: RECEITA DIMINUI TEMPO DE ESPERA pela metade em 3 anos Em 2011, foram atendidos 20,1 milhões de contribuintes nas Unidades de Atendimento da RFB, com tempo médio de espera (TME) de 13 minutos registrado em dezembro, contra a meta de 15 minutos. Graças aos esforços da instituição para praticar um de seus valores fundamentais o respeito ao cidadão -, a espera no atendimento presencial caiu para menos da metade dos 30:35 registrados em janeiro de APREENSÕES DA RFB SÃO RECORDE em 2011 R$ 1,48 bilhões esse foi o valor total de mercadorias apreendidas resultante da atuação de RFB nas áreas de fiscalização, repressão e controle sobre o comércio exterior (inclusive bagagem), o que representa um crescimento de 16% em relação ao resultado registrado em 2010 (R$ 1,275 bilhões). Os dados já incluem também os veículos apreendidos, em sua maioria por estarem sendo utilizados para o contrabando e descaminho de mercadorias. 40 mil É o número de estações de trabalho existentes na Receita Federal. Recentemente, todos os servidores receberam novas estações de trabalho capazes de lidar com o grande volume de dados administrados pela instituição. Também foram adquiridos novos servidores para hospedar os aplicativos da Receita e instalado um novo firewall, visando sempre o sigilo e a segurança dos dados dos contribuintes. Estudos técnicos subsidiam DECISÕES DA PRESIDÊNCIA Uma importante função da Receita Federal do Brasil é a atuação na análise técnica das proposições legislativas que versem sobre matéria tributária. Medidas provisórias, decretos, regulamentos, instruções normativas, propostas legislativas apresentadas pela sociedade civil: todos os atos tributários são submetidos a estudos quanto à sua legalidade, bem como ao impacto que sua promulgação pode ter na arrecadação federal. Para se ter uma ideia da dimensão do trabalho, as nove medidas provisórias que versavam sobre assuntos tributários em 2011 receberam do Congresso um total de 477 emendas. Todas as emendas foram analisadas pela Receita para embasar as decisões do Ministérios da Fazenda, da Casa Civil e da Presidência sobre assuntos de interesse nacional como o Plano Brasil Maior, a correção da tabela do Imposto de Renda Pessoa Física e a redução da contribuição previdenciária do Microempreendedor Individual (MEI). Smartphones: A RECEITA NA PONTA DOS DEDOS Com o número de atendimentos realizados por meio da internet superando os presenciais, a Coordenação de Tecnologia da Informação da Receita Federal do Brasil busca novas maneiras de facilitar o acesso do contribuinte aos serviços e informações do órgão. A popularização dos celulares com o acesso a Internet faz com que um dos projetos desenvolvidos em 2011 e que será implantado este ano seja o de criar áreas especiais do site para acesso por meio de smartphones. O contribuinte também terá a opção de receber informações de seu interesse por SMS, como prazos de entrega de declarações, pagamentos de cotas realizadas através de débitos automático, pendências em declarações etc. Trabalho constante JUNTO AO CONGRESSO Mesmo antes de serem submetidos ao plenário do Congresso, os projetos de lei já recebem a atenção da Receita Federal. Uma equipe de servidores é especialmente designada para o acompanhamento diário da Câmara e do Senado, apresentando os posicionamentos da Receita sobre assuntos tributários de relevância, tais como o Imposto sobre Grandes Fortunas, as isenções tributárias para a Copa do Mundo e o Código de Defesa do Contribuinte. A orientação e os esclarecimentos aos parlamentares também fizeram parte do cotidiano da Receita: em 2011, o órgão participou de 42 audiências públicas e respondeu a 26 requerimentos de informação elaborados pelos deputados federais e senadores. INTERNET JÁ É MODO PREFERIDO de atendimento de contribuintes Tão importante quanto disponibilizar uma boa estrutura de atendimento presencial é propociornar facilidades no atendimento via internet, modalidade cada vez mais utilizadas pelo contribuinte. Em 2011, foram 62 milhões de serviços acessados pelo Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte (Portal e-cac), o dobro do registrado em Desses, dois terços foram acessos de pessoas físicas, e um terço de pessoas jurídicas

8 Programas Programas E-Processo já gera 1,13 milhão de documentos e é destaque de inovação na Gestão Pública Todo ano, a Escola Nacional de Administração Pública Enap seleciona os projetos mais inovadores na Gestão Pública Federal. Em 2011, a iniciativa da Receita Federal do Brasil de substituir seus processos em papel por documentos em formato digital, conhecida como e-processo, ficou entre os selecionados no Concurso Inovação. Há 15 anos, o Concurso Inovação promovido pela Enap tem o objetivo de disseminar soluções inovadoras em organizações do governo federal, o que contribui para que o Estado brasileiro aumente a qualidade do atendimento e melhore a eficácia e eficiência dos serviços ofertados aos cidadãos. As dez iniciativas selecionadas pela Enap integram livro lançado pela escola. O reconhecimento dos avanços do e-processo pela Enap vem se juntar ao Prêmio Inovação na Administração Tributária 2011, concedido pelo CIAT (Centro Interamericano de Administrações Tributárias) no ano passado, quando o e-processo concorreu com iniciativas de diversos países. Para a avaliação do CIAT foram levados em conta: os benefícios em termos de melhora na percepção da sociedade da qualidade do serviço e da imagem da administração tributária; o custo e a redução do tempo despendido pela administração tributária na execução de seus processos internos e pelos contribuintes no cumprimento de suas obrigações tributárias; e a melhora nos resultados, como consequência, entre outras coisas, de um aumento em controles Alguns números do e-processo: O sistema já está hoje implantado em mais de 560 unidades: todas as unidades da Receita Federal do Brasil, no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais e em 15 unidades da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), devendo estar implantado nas demais unidades da PGFN até o final do ano. A quantidade de usuários do sistema saltou de cerca de 10 mil em dezembro de 2010 para cerca de 17 mil no final de Até hoje já foi gerado 1,13 milhão de processos digitais através do e-processo. A quantidade de documentos incluídos no sistema por mês ultrapassou 1 milhão. Para efeitos de comparação, no inicio de 2011 eram incluídos 300 mil documentos por mês no sistema. qualitativos e eficazes para um melhor cumprimento voluntário das obrigações tributárias. As diretrizes do e-processo envolvem responsabilidade e compromisso com a transparência e a rastreabilidade de todo ato público, permitindo que os contribuintes enxerguem o que os servidores da RFB estão fazendo no momento em que os atos são realizados. As diversas atividades envolvidas nos processos foram mapeadas e foram desenvolvidas ferramentas para facilitar o fluxo e o gerenciamento dos processos. No sistema os servidores podem consultar, movimentar, imprimir, copiar, anexar documentos e desenvolver todas as demais atividades necessárias para trabalhar os processos, com segurança e transparência. Além disso, a eliminação do papel traz a possibilidade de se adotar procedimentos muito mais eficientes e eficazes para a execução dos atos processuais, com redução significativa nos custos administrativos, aumento da produtividade mediante redução e eliminação de atividades acessórias, desburocratização de procedimentos para o contribuinte, redução do tempo no trâmite processual e valorização do servidor pela facilidade no manuseio do processo. O ambiente de trabalho se torna mais limpo e agradável, sem as pilhas de processos empoeirados; o órgão se aproxima da sociedade por meio da comunicação bilateral via internet, com garantia do sigilo fiscal. Dentre os benefícios que o e-processo gera, podese destacar: Melhoria na relação fisco-contribuinte, graças a maior agilidade, segurança e transparência na transmissão dos dados. Todas as movimentações de processos eletrônicos já podem ser acompanhadas pelos interessados através do Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte (e-cac), no endereço https://cav.receita.fazenda.gov.br Maior eficácia e economia para a administração, com a possibilidade de melhor gestão das informações e redução dos gastos com impressão e transporte dos documentos. Redução do impacto ambiental, com a economia de papel gerada com o fluxo totalmente informatizado de documentos. SPED - Sistema Público de Escrituração Digital já recebe 8,5 milhões de NF-e por dia São objetivos do Sped: Promover a integração dos fiscos mediante a padronização e compartilhamento das informações contábeis e fiscais; Racionalizar e uniformizar as obrigações dos contribuintes com o estabelecimento de transmissão única de distintas obrigações acessórias de diferentes órgãos fiscalizadores; Agilizar a identificação de fraudes com a melhoria do controle dos processos, a rapidez no acesso às informações e a fiscalização mais efetiva das operações com o cruzamento de dados e auditoria eletrônica. Dentre os benefícios que o Sped tem trazido para o contribuinte, para os fiscos e para a sociedade, destacam-se: Instituído pelo Decreto nº 6.022, de 22 de janeiro de 2007, o Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) vem revolucionando a relação entre o fisco e os contribuintes a por meio da informatização do cumprimento das obrigações acessórias. Fruto de uma iniciativa integrada das administrações tributárias federal, estaduais e municipais, o Sped permite que os contribuintes transfiram de modo eletrônico seus documentos contábeis e fiscais, utilizando-se da certificação digital para garantir a validade jurídica dos mesmos. Construído de maneira conjunta com a sociedade, os entes integrantes do Sped mantêm parcerias com 20 instituições entre órgãos públicos, conselhos de classe, associações e entidades civis. Participaram do projeto-piloto 27 empresas do setor privado, que contribuíram para o desenvolvimento e o disciplinamento dos trabalhos conjuntos. Redução de custos, com a racionalização e simplificação das obrigações acessórias; Uniformização das informações que o contribuinte presta às diversas unidades federadas; Preservação do meio ambiente e redução de custos com a diminuição do consumo de papel; Redução do tempo despendido por auditoresfiscais nas instalações do contribuinte; Fortalecimento do controle e da fiscalização por meio de intercâmbio de informações entre as Administrações Tributárias; Rapidez no acesso às informações; Possibilidade de troca de informações entre os próprios contribuintes a partir de um layout padrão

9 Programas Em Foco Inovações do Sped: Nota Fiscal Eletrônica (NF-e): concebida em 2005, a NF-e entrou em produção em setembro de 2006 e substitui as notas fiscais em papel dos modelos 1 e 1A. É utilizada principalmente nas operações que envolvem transações comerciais entre empresas e objetiva o controle do ICMS e do IPI. Já são mais de 700 mil estabelecimentos em todo o país emitindo a Nota Fiscal Eletrônica. A média de NF-e recebidas no Ambiente Nacional do SPED é de 8,5 milhões por dia. Estima-se que já no início de 2012 rompa-se a marca de 4 bilhões de NF-e emitidas. Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e): o Conhecimento de Transporte eletrônico é o novo modelo de documento digital que poderá ser utilizado para substituir um dos seguintes conhecimentos de transporte: rodoviário, aquaviário, aéreo, ferroviário ou as notas fiscais de serviços quando utilizadas em transporte de cargas. Até o final de 2011, 34,1 milhões de CT-e já haviam sido autorizados no ambiente SPED. Até o final de 2011, 503 empresas participam do projeto piloto de emissão do CT-e. Ainda não foram estabelecidos critérios de adoção obrigatória do novo documento por parte das empresas transportadoras. Escrituração Contábil Digital (ECD): também conhecida como SPED-Contábil, a ECD veio para substituir a escrituração tradicional em papel pelo seu equivalente arquivo digital. A partir de 2010, a apresentação da escrituração nesse formato tornou-se obrigatória para todas as pessoas jurídicas sujeitas à tributação do Imposto de Renda com base no Lucro Real. No ano passado, foram obrigadas a apresentar a Escrituração Contábil Digital empresas, que encaminharam um total de livros digitais. Escrituração Fiscal Digital (EFD): a EFD ou Sped-Fiscal possibilita à RFB e às Secretarias de Fazendas dos Estados e Distrito Federal o acesso a todos os documentos fiscais emitidos e recebidos pelos estabelecimentos, bem como dados da apuração do ICMS e IPI. Em 2011, cerca de estabelecimentos foram obrigados a encaminhar os arquivos da EFD relativos ao IPI e ICMS, sendo recepcionados arquivos. Já a EFD relativa a PIS-Cofins, que teve início em 2011, contabilizou escriturações recepcionadas no ambiente SPED. Outros projetos: incluem a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e), que busca definir um modelo conceitual único para todos os municípios do país, a Folha de Pagamento Digital, que irá padronizar as rubricas de folha de pagamento e layout, substituindo as obrigações existentes no âmbito da Receita, do INSS e do Ministério do Trabalho e o Sped Módulo Integração conjunto de ferramentas utilizado pela Administração Tributária para cruzar os dados dos diferentes sistemas do Sped, possibilitando o gerenciamento de risco e o combate a fraudes. Infraestrutura atual: o volume de dados enviados pelas empresas exige grandes investimentos para garantir a agilidade e segurança na transmissão e armazenamento das informações. Atualmente, o Ambiente Nacional do Sped conta com 64 servidores, com capacidade de armazenamento de 150 TB de disco rápido e 120 TB de conteúdo fixo. O investimento em desenvolvimento da tecnologia e equipamentos até o momento foi de R$ 157 milhões. RECORDE Receita Federal já está no Na segunda quinzena de julho, em reunião com o vice-presidente da República, Michel Temer, a Receita Federal foi convidada a integrar o Plano Estratégico de Fronteiras que prevê planejamento e atuação conjunta dos órgãos de segurança pública federais e estaduais e das Forças Armadas, para o fortalecimento da prevenção, o controle, a fiscalização e repressão dos delitos transfronteiriços e dos delitos praticados na faixa de fronteira brasileira. de arrecadação em 2011 Com crescimento real acima de 10%, arrecadação federal supera os R$969 bilhões em 2011 Na entrevista coletiva em que divulgou o resultado, o secretário da Receita Federal, Carlos Alberto Barreto, fez questão de frisar que os 10,1% de crescimento real ano representaram o maior percentual dos últimos quatro anos. Em 2010, comparada com a arrecadação de 2009, o crescimento foi de 9,78%; no ano anterior não houve crescimento, a arrecadação caiu 0,38%. Finalmente, na comparação entre 2008 e 2007, houve acréscimo de 7,68%. O índice usado para os cálculos é o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Barreto afirmou na entrevista que a expectativa da RFB é de que a arrecadação irá crescer este ano, porém não fez qualquer previsão sobre índices. Previsão só quando tivermos de posse dos indicadores econômicos oficiais, explicou. PLANO ESTRATÉGICO DE FRONTEIRAS De acordo com o subsecretário de Aduana e Relações Internacionais, Ernani Checcucci Filho, a Receita Federal do Brasil vem adotando medidas para o aumento das atividades de vigilância e repressão aduaneira, com a implementação de projetos que fortalecem sua estrutura e aprimoram a sua forma de atuação. Entre as medidas, podem ser destacadas o uso de helicópteros, viaturas e equipamentos de verificação não Receitas administradas A arrecadação das receitas administradas pela RFB em 2011 apresentou um crescimento real, com base no IPCA, de 10,16%, com um total arre-cadado de R$ 961,8 bilhões, contra R$ 873,1 bilhões em A extração de produtos minerais obteve destaque na arrecadação dos principais tributos, com um percentual de participação na variação total de 24,90%. O setor contribuiu com R$ 12,2 bilhões no período, contra R$5 bilhões em Os comércios varejista e atacadista, a fabricação de veículos e o comércio e reparação de veículos e motos também se sobressaíram, obtendo os índices de participação na variação total de, respectivamente, 14,17%, 10,98%, 10,77% e 10,66%. invasiva; a implementação de centros regionais que permitem a utilização de cães de faro; a capacitação dos servidores para o combate ao contrabando, descaminho e ilícitos correlacionados; e a readequação física das unidades de fronteira. Como consequência, a instituição tem registrado melhores resultados a cada ano, tanto no valor das apreensões quanto no número de operações de vigilância e repressão

10 Em Foco Em Foco Receita simplifica A Receita Federal anunciou em 21 de dezembro mais medidas de desburocratização. Dessa vez foram tomadas medidas que facilitam a vida dos passageiros que voltam do exterior. Desde o dia 1º de janeiro de 2012, os contribuintes que não têm bens a declarar estão dispensados da entrega da Declaração de Bagagem Acompanhada DBA. O secretário Carlos Alberto Barreto explicou que o documento será entregue apenas por aqueles obrigados a se dirigirem VIDA DOS PASSAGEIROS Receita para o canal vermelho por terem ultrapassado a cota de US$ 500 ou em casos especiais, como o porte de produtos que exijam maior controle como armas de fogo, sementes etc. A medida vai facilitar bastante a vida dos passageiros quando do desembaraço de mercadorias na chegada ao País, esclareceu Barreto. A Receita calcula que as novas regras ajudarão a desafogar o fluxo de passageiros nos aeroportos, já que 90% dos viajantes trazem bens dentro da cota de U$ 500,00 e estarão desobrigados a entregar a DBA. BRASIL PARTICIPA DE FÓRUM INTERNACIONAL O Fórum Global de Transparência e Troca de Informações Fiscais é promovido pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico - OCDE e busca a difusão de padrões internacionais de transparência. O coordenador-geral de Relações Internacionais da RFB, Marcos Aurélio Valadão, esteve na última reunião do fórum, nas Ilhas Bermudas. Ele explica que o fórum é de capital importância no cenário atual das relações econômicas e tributárias: Os países ou jurisdições que não apresentarem os padrões mínimos de transparência poderão sofrer sanções da comunidade internacional. O Fórum Global de Transparência e Troca de Informações Fiscais A Receita já havia buscado facilitar a vida dos passageiros internacionais ao eliminar no final de 2010 a Declaração de Saída Temporária de Bens. O documento era utilizado pelos viajantes para indicar os bens que estavam sendo levados ao exterior e que estariam então isentos de taxação em seu retorno. Hoje, a comprovação da saída e reingresso do bem pode ser feita de maneira muito mais simples, como por exemplo com a apresentação da nota fiscal que comprove a propriedade da mercadoria anteriormente à realização da viagem. de troca de informações fiscais foi criado em Três anos antes, a OCDE já havia iniciado um trabalho de revisão dos regimes tributários de diversos países, elencando os paraísos fiscais países que tinham como características a não tributação da renda, a falta de transparência, a ausência de troca de informações fiscais e a concentração de empresas sem atividade substancial. A previsão é que a partir de 30 de junho de 2012 o contribuinte possa pagar tributos com cartão de débito nas Unidades da Receita Federal em aeroportos, portos e pontos de fronteira de todo o País. A partir de 31 de março os débitos de contribuições previdenciárias de pessoas físicas e jurídicas poderão ser parcelados pela internet, conforme previsto. Quanto ao Imposto de Renda Pessoa Física de 2014, ano-base 2013, o contribuinte com uma só fonte de renda, que apresenta Declaração ELIMINA DECLARAÇÕES Simplificada, encontrará no site da RFB na internet sua declaração prépreenchida. Todas as medidas acima fazem parte do Programa de Simplificação de Obrigações Tributárias da Receita Federal divulgado pelo secretário Carlos Alberto Barreto, para quem tais medidas, ao simplificar os procedimentos, foram pensadas com o único objetivo de facilitar a vida dos contribuintes. Integra também o programa a extinção em janeiro de 2014, ano-base 2013, da Declaração de Informações Imposto no cartão Quanto à quitação de tributos com cartão, o subsecretário de Arrecadação e Atendimento, Carlos Roberto Occaso, esclareceu que na primeira fase será permitida a operação apenas na função débito, mediante a utilização do Darf com código de barras, em máquinas instaladas em todas as unidades alfandegárias da RFB no país. A novidade é que, numa segunda fase, o pagamento desse imposto poderá ser feito também na função crédito. Occaso e Barreto admitiram que no futuro a utilização de cartões de débito e crédito deverá se estender para o pagamento de vários tipos de impostos. Além da participação no Plano Estratégico de Fronteiras, a Receita também integra outros importantes grupos interinstitucionais criados pelo Governo. O órgão tem papel de destaque no Plano Brasil Maior, lançado em agosto de 2012, que define a política industrial, tecnológica, de serviços e de comércio exterior do Governo Federal para o período Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica DIPJ, para empresas submetidas à tributação pelo lucro real. O fim da DIPJ será possível porque a RFB já possui na base do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) os dados disponíveis sobre os contribuintes. Outra medidas de simplificação em benefício dos contribuintes já foram tomadas ainda em Dentre elas, estão a extinção do Demonstrativo de Exportação DE, em maio passado, beneficiando 16 mil exportadores, e a DIF Bebidas. Sobre essa última a informação é de que os dados já são encontrados na base do SPED. Outras declarações que serão extintas a partir de 2012 são o Demonstrativo de Notas Fiscais DNF, a Declaração de Crédito Presumido de IPI, a Declaração Anual do Simples Nacional DASN, a partir de 2013, ano-base 2012, e a Declaração do Imposto Territorial Rural DITR para imóveis imunes e isentos, em 2012, ano-base Participação nos GRANDES PROGRAMAS DO GOVERNO de 2011 a O plano integra instrumentos de vários ministérios e órgãos do Governo Federal, com foco no estímulo à inovação e à produção nacional para alavancar a competitividade da indústria nos mercados interno e externo. A Receita também tem papel de destaque na preparação do País para os grandes eventos que serão sediados nos próximos anos, como a Copa do Mundo e as Olimpíadas. Além de dar assistência técnica para as novas normas tributárias promulgadas em razão das competições, cabe a Receita realizar o controle aduaneiro em um período em que se espera um grande crescimento no fluxo de passageiros que visitam o país

11 Em Foco Em Foco Receita recebe prêmios por TRANSPARÊNCIA E INOVAÇÃO Entidades nacionais e internacionais reconhecem o trabalho de destaque desenvolvido na Administração Tributária brasileira RFB utiliza helicóptero para fiscalizar IMÓVEIS DE LUXO NO PR E EM SC Arrecadação espontânea cresceu em média 30% após operações Em evento organizado pela Controladoria-Geral da União (CGU), em outubro de 2011, a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), com a presença do seu secretário-geral, Angel Gurria, divulgou, em Brasília, o relatório da Avaliação do Sistema de Integridade da Administração Pública Federal Brasileira, realizada a partir de uma solicitação feita pelo próprio governo brasileiro por meio da CGU. Foi a primeira avaliação produzida pela Organização sobre o sistema de integridade da administração pública de um país integrante do G-20. Foram analisadas a implementação e a coerência de instrumentos, processos e estruturas de salvaguarda desse sistema de integridade, que inclui a promoção da transparência e o envolvimento dos cidadãos, a implementação de sistemas de controle interno baseados em risco, a incorporação de padrões de conduta entre servidores públicos e a promoção de integridade nas contratações públicas. Nessa avaliação a OCDE declarou que a Receita Federal do Brasil tem se destacado no incremento da integridade no setor público brasileiro, e que isso reflete a consciência crescente quanto à necessidade de reforçar esse valor, e não apenas a eficiência na arrecadação de receitas, como parte dos esforços para modernizar a Administração Tributária Federal e promover a legitimação da tributação. Subsidiar a fiscalização do recolhimento de contribuições previdenciárias dos trabalhadores da construção civil que ergueram imóveis construídos em condomínios de luxo da capital, bem como identificar variação patrimonial a descoberto: esses são alguns dos objetivos da Operação Nazca, deflagrada pelas Delegacias da Receita Federal em Curitiba e Florianópolis na primeira quinzena de dezembro de Durante a operação foi utilizado o helicóptero EC-135 da Receita Federal. Por meio das câmeras de alta resolução da aeronave, são obtidas imagens que posteriormente serão confrontadas com os cadastros de IPTU das Prefeituras, imagens de satélite e informações constantes dos bancos de dados da RFB. As divergências constatadas entre o reconhecimento visual e as informações dos bancos de dados ensejarão a abertura de fiscalizações para a cobrança da contribuição previdenciária e do imposto de renda de eventuais sonegadores. A metodologia comprovadamente dá resultados. Após as operações Mansões e Telhado de Vidro, realizadas no interior de SP entre 2009 e 2010, a arrecadação espontânea das contribuições previdenciárias dos trabalhadores aumentou em cerca de 30%. O apoio aéreo e o agendamento de visitas de servidores da RFB em viaturas oficiais aos condomínios fechados de luxo ajudou a dar visibilidade à presença fiscal e a aumentar o cumprimento espontâneo das obrigações fiscais. Receita recebe prêmio pelo pioneirismo nos SERVIÇOS COM CERTIFICAÇÃO DIGITAL públicas mantida e auditada por um órgão público, o Instituto Nacional de Tecnologia da Informação - ITI. A Receita Federal encontrou no ITI um importante parceiro na melhoria do atendimento ao contribuinte. Em um trabalho pioneiro, a RFB passou a prestar serviços com o emprego de certificação digital, tornando o cumprimento das obrigações tributárias acessórias mais ágil e confortável e com menor custo para os contribuintes. Um exemplo foi a criação da Nota Fiscal Eletrônica - NF-e, que possibilitou também melhorias no controle sobre crédito tributário. No aniversário de dez anos da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileiras ICP-Brasil, a Receita foi homenageada pelo pioneirismo na implementação de serviços com emprego de certificado digital, fer- ramenta que garante a segurança jurídica necessária ao relacionamento fisco-contribuinte por meio da internet. A partir de 2001, o Brasil passou a ter uma infraestrutura de chaves 20 21

12 Em Foco Anexos Receita realiza em Paranaguá e Itajaí APREENSÕES HISTÓRICAS Receita Federal do Brasil - Regiões Fiscais Na primeira semana de agosto de 2011, a Receita Federal do Brasil no porto de Paranaguá realizou uma das maiores apreensões de produtos falsificados de sua história. De uma só vez, foram 60 toneladas de produtos contrafeitos, entre eles bolsas, carteiras, relógios, roupas e óculos de marcas conhecidas. Estima-se que o valor da apreensão, a preço de mercado, atinja a casa dos 10 milhões de reais. Os responsáveis pela fraude estão sendo identificados e responderão por crime de contrabando e descaminho, pois informaram à Receita Federal que a carga era composta de outro tipo de mercadoria. De acordo com o inspetor-chefe da Alfândega do Porto de Paranaguá, Jackson Corbari, a apreensão ocorreu durante o procedimento chamado de gerenciamento de risco, no qual, por meio dos sistemas informatizados da RFB, o monitoramento das cargas ocorre antes mesmo de sua chegada ao país. São novas técnicas de avaliação de operações de comércio exterior que estão sendo implantadas nas unidades aduaneiras de todo o País, explica. Ou seja, dentro do trabalho de rotina da RFB. Já no quesito operações especiais o destaque do segundo semestre de 2011 foi a Barba Negra, da AFL/ Itajaí/SC, responsável pela apreensão de 260 toneladas de produtos falsificados, no final de dezembro. Os produtos vinham da China em 13 contêineres. Os importadores eram empresas do estado de São Paulo e os produtos seriam distribuídos em todo território nacional. O que mais chamou a atenção foi a existência de grande quantidade de lentes de contato falsificadas em meio aos demais produtos, o que reforça o papel da Aduana brasileira na proteção da saúde pública e da preservação dos empregos em nosso país. Sistema americano detectará Nos dias 13 e 14 de setembro de 2011, a Subsecretaria de Aduana e Relações Internacionais (Suari) recebeu delegação do Customs and Border Protection (CBP), órgão responsável pela aduana e proteção de fronteiras dos Estados Unidos. A delegação apresentou à RFB o Automate Targeting System Global (ATS-G) PASSAGEIROS DE RISCO NA COPA DE em tradução livre, Sistema Automático Global de Seleção -, que permite o compartilhamento de informações sobre passageiros com as autoridades aeroportuárias de outros países e a avaliação do risco potencial representado por passageiros que saem e entram do País pelos aeroportos. O ATS-G opera em base de inteligência, de parâmetros e de regras, utilizando algoritmos prováveis de nomes de pessoas suspeitas de tráfico ilícito de drogas, terrorismo e outros crimes. Os parâmetros podem ser alterados com base em inteligência e em novas tendências

13 Anexos Anexos Competências A Portaria RFB nº 2.543, de 25/4/11, aprovou as Competências Institucionais e Individuais (Fundamentais, Gerenciais e Específicas) no âmbito da Receita Federal do Brasil: Institucionais Atributos da instituição que a tornam eficaz, permitem que sejam atingidos seus objetivos e geram benefícios percebidos pela sociedade e/ou usuários dos serviços prestados. Competências Institucionais 1. Suficiência arrecadatória 2. Controle aduaneiro eficiente e seguro 3. Promoção do cumprimento espontâneo e educação fiscal 4. Presença e controle fiscal 5. Serviços de excelência ao cidadão 6. Gestão integrada do crédito tributário 7. Racionalização e simplificação normativa 8. Gestão estratégica de pessoas 9. Gestão integral da informação 10. Efetividade na gestão dos recursos 11. Relacionamento institucional 12. Gestão estratégica da comunicação Individuais Expectativas da instituição em relação ao desempenho de seus servidores, de forma que contribuam para as competências institucionais. São divididas em competências Fundamentais (desejadas em todos os servidores), Gerenciais (desejadas em todos os servidores que exercem funções gerenciais) e Específicas (desejadas na atuação específica dos servidores em suas respectivas áreas). Competências Fundamentais Comunicação eficaz Expressar-se de forma clara, objetiva e acessível ao interlocutor, utilizando o meio mais adequado, com foco no entendimento recíproco. Ética profissional Desempenhar suas atividades e relacionar-se sempre de acordo com o conjunto de regras de conduta e preceitos éticos do serviço público, em observância aos instrumentos legais específicos. Trabalho em equipe Desempenhar as atividades de forma participativa e cooperativa, apoiado em objetivos e metas comuns e tendo em vista a coesão da equipe. 24 Orientação para resultados Planejar, organizar, executar e avaliar as atividades sob sua responsabilidade, agindo com foco na consecução das metas e objetivos da instituição. Ação sistêmica Identificar a interdependência e complementaridade dos processos de trabalho da instituição, de forma a considerar os impactos das ações empreendidas no andamento e finalização desses processos. Autodesenvolvimento Promover o desenvolvimento contínuo de suas competências, visando a melhoria do desenvolvimento pessoal e profissional. Criatividade e inovação Propor novas ideias e práticas a serem adotadas, de forma a antecipar-se a possíveis problemas, aplicando soluções inovadoras para realizar melhorias organizacionais. Excelência na prestação de serviços Prestar serviços de qualidade, demandados tanto interna como externamente, fornecendo respostas adequadas com disposição, clareza e cortesia, primando pela tempestividade e legalidade. Racionalidade na utilização dos recursos Utilizar os recursos institucionais de acordo com os princípios da economicidade, transparência, eficiência e eficácia, buscando a redução dos custos operacionais. Competências Gerenciais Visão e orientação estratégica Analisar o cenário presente e futuro com uma visão global da administração tributária e aduaneira, de suas características e das condições para seu desenvolvimento, orientado pela Missão, Valores, Visão de Futuro e objetivos estratégicos da instituição. Efetividade de gestão Planejar, organizar e realizar atividades para a efetivação de planos, metas e ações, acompanhando a execução, avaliando resultados e adotando medidas corretivas. Negociação e cooperação Estabelecer acordos e mediar conflitos de modo a obter resultados positivos para as partes envolvidas, observando princípios éticos, os diferentes pontos de vista e os objetivos institucionais. Liderança Mobilizar, orientar e desenvolver pessoas e equipes, promovendo a sinergia, a motivação e o comprometimento com a instituição. Gestão da mudança e inovação Gerir, com eficiência, situações que envolvam mudanças, favorecendo a adaptação das pessoas às transformações no ambiente de atuação e a adoção de soluções inovadoras. Competências Específicas O mapeamento das competências específicas foi feito de forma participativa, envolvendo mais de 500 servidores, com a realização de entrevistas e oficinas nas Unidades Centrais e Regiões Fiscais. O ponto de partida para o mapeamento de competências específicas é a associação entre os objetivos estratégicos e os principais processo de trabalho. A partir daí são identificadas e descritas as competências necessárias para o desempenho excelente dos servidores. A etapa final é o desdobramento em conhecimentos, habilidades e atitudes. Árvore de processos Para o mapeamento das competências específicas da RFB foi utilizada uma Árvore de Processos que subdivide os macroprocessos de Gestão Tributária, Interação com o Cidadão, Gestão Aduaneira e Gestão Estratégica e de Recursos em dois níveis: processos e respectivos subprocessos. Como regra geral, as competências específicas foram identificadas e decompostas a partir do nível dos subprocessos. MACROPROCESSO DE GESTÃO TRIBUTÁRIA 1. Cadastro 1.1. Gestão do cadastro 1.2. Integração com órgãos intervenientes 1.3. Manutenção dos cadastros 2. Arrecadação 2.1. Previsão, acompanhamento e análise da arrecadação 2.2. Controle da rede arrecadadora 2.3. Controle da arrecadação 2.4. Controle de benefícios fiscais 3. Declaração 3.1. Especificação de declarações 3.2. Tratamento de declarações 3.3. Controle de omissos 4. Cobrança 4.1. Gestão da cobrança administrativa 4.2. Controle do crédito tributário 5. Controle do direito creditório 5.1. Restituição, reembolso e ressarcimento 5.2. Controle dos créditos reconhecidos 6. Contencioso 6.1. Preparo 6.2. Julgamento 6.3. Gestão do contencioso administrativo e judicial 7. Fiscalização 7.1. Planejamento da fiscalização 7.2. Execução do procedimento de fiscalização 7.3. Controle e avaliação da fiscalização 7.4. Controle dos contribuintes diferenciados 8. Tributação 8.1. Aperfeiçoamento da legislação 8.2. Normatização e orientação 8.3. Assessoramento tributário a orgãos internos e externos 8.4. Análise econômico-tributária MACROPROCESSO DE INTERAÇÃO COM O CIDADÃO 9. Educação fiscal 9.1. Integração com órgãos intervenientes 9.2. Educação fiscal interna 9.3. Educação fiscal externa 9.4. Gestão da educação fiscal 10. Atendimento ao contribuinte Gestão do atendimento Atendimento presencial Atendimento à distância 11. Ouvidoria Atendimento a demandas externas Orientação interna MACROPROCESSO DE GESTÃO ADUANEIRA 12. Análise e gestão de risco aduaneiro Gestão do risco Habilitação e credenciamento 13. Controle aduaneiro Controle de cargas, veículos, bagagens, valores e pessoas Controle com foco no despacho Controle com foco nos intervenientes Fiscalização aduaneira 14. Vigilância e repressão aduaneira Vigilância aduaneira Repressão aduaneira Operações aéreas 15. Procedimentos aduaneiros estratégicos Administração aduaneira Gestão aduaneira MACROPROCESSO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE RECURSOS 16. Gestão de pessoas Recrutamento, seleção e alocação Capacitação e desenvolvimento Administração da vida funcional Relações internas e externas Valorização e qualidade de vida 17. Programação e logística Aquisições, contratos e convênios Administração de bens móveis e imóveis Gestão de documentos Gestão de mercadorias apreendidas Registros contábeis Programação e execução financeira e orçamentária Serviços logísticos 18. Tecnologia da informação Governança de tecnologia da informação (TI) Governança de sistemas de informação Contratação de serviços de TI Gestão de serviços de TI Segurança da TI Infraestrutura de TI 19. Desenvolvimento institucional Organização e modernização Planejamento e gestão organizacional Gestão de processos e projetos 20. Cooperação institucional Políticas de cooperação Gestão de parcerias e convênios Representação institucional Fomento à cultura de cooperação 21. Relações internacionais 22. Comunicação institucional 23. Pesquisa e investigação 24. Corregedoria 25. Auditoria interna 25

14 Anexos Anexos 26 27

15 Anexos Anexos Objetivos Estratégicos - Perspectiva RESULTADOS Objetivo Estratégico Aproximar a arrecadação efetiva da potencial Elevar o cumprimento espontâneo das obrigações tributárias e aduaneiras Contribuir para o fortalecimento do comércio exterior e para a proteção da sociedade Descrição Envidar esforços para que o montante arrecadado pela RFB se aproxime da arrecadação potencial. Ampliar o cumprimento das obrigações tributárias e aduaneiras empreendendo ações coordenadas que elevem a percepção de risco, simplifiquem o cumprimento, orientem o cidadão, fomentando uma aliança entre a instituição e a sociedade. Fortalecer o comércio exterior por meio da administração aduaneira transparente, ágil, eficiente e segura, proporcionando a proteção da economia e sociedade. Cadeia de Valor A Cadeia de Valor representa como a RFB organiza os seus processos para o cumprimento de sua Missão e para a execução da estratégia definida no Mapa Estratégico. Ela propicia um visão de como os processos se relacionam, mitigando a percepção estritamente departamental e hierárquica, evidenciando a necessidade de compartilhamento de informações entre as áreas. Pensar a estratégia da RFB é pensar em como podemos aumentar o valor entregue ao Estado, à sociedade, ao contribuinte, aos órgãos parceiros e aos servidores. Uma das formas de aumentar o valor entregue é melhorar e inovar nossos processos de trabalho. Entender os processos de uma organização é o primeiro passo para transformá-los. Daí a importância de termos construído a Cadeia de Valor durante a formulação de nossa estratégia para Isso enriqueceu o processo como um todo e proporcionou um interessante momento de reflexão a respeito do valor público gerado pela RFB. Aumentar a percepção de equidade na atuação da Instituição Aumentar a percepção de equidade na atuação da instituição, demonstrando a correta e justa aplicação da legislação tributária e aduaneira. A Cadeia de Valor irá nortear todo o trabalho de implantação de uma cultura de gestão por processos que tende a influenciar o nosso atual modelo organizacional. Fortalecer a imagem da Instituição perante a sociedade Fazer com que a sociedade reconheça a RFB como uma organização que cumpre sua missão com excelência, transparência, integridade e profissionalismo

16 Anexos Receita Federal do Brasil em números Estrutura Unidades Centrais, formadas por 5 subsecretarias e 11 órgãos de assessoramento direto Unidades Descentralizadas: 10 Superintendências da Receita Federal do Brasil 17 Delegacias Regionais de Julgamento com 138 turmas de julgamento 103 Delegacias, sendo 6 delegacias especiais: 2 Delegacias Especiais da Receita Federal do Brasil de Maiores Contribuintes - Demac (Pessoa Jurídica) 1 Delegacia Especial da Receita Federal do Brasil de Maiores Contribuintes - Demac (Pessoa Física) 1 Delegacia Especial da Receita Federal do Brasil de Fiscalização - Defis 1 Delegacia Especial da Receita Federal do Brasil de Instituições Financeiras - Deinf 1 Delegacia Especial da Receita Federal do Brasil de Administração Tributária - Derat 26 Alfândegas 55 Inspetorias 362 Agências Número de servidores auditores-fiscais, analistas-tributários, administrativos e PSE (Serpro - Serviço Federal de Processamento de Dados) E mais... 13,04 milhões de empresas ativas registradas no sistema CNPJ 147 milhões de inscrições regulares no sistema CPF 24,68 milhões de declarantes do Imposto de Renda Pessoa Física 30

17

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal SPED Contábil e Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal SPED. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

CARLOS ALBERTO FREITAS BARRETO

CARLOS ALBERTO FREITAS BARRETO CARLOS ALBERTO FREITAS BARRETO BACHAREL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS E EM DIREITO PELA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA; ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO TRIBUTÁRIO E GESTÃO CONTEMPORÂNEA, PELA UNIVERSIDADE FEDERAL DA

Leia mais

Projetos da Receita Federal

Projetos da Receita Federal Escrituração Fiscal Digital - EFD Projetos da Receita Federal A Escrituração Fiscal Digital - EFD é um arquivo digital, que se constitui de um conjunto de escriturações de documentos fiscais e de outras

Leia mais

Projeto SPED de A a Z

Projeto SPED de A a Z Consultoria e Treinamentos Apresentam: Projeto SPED de A a Z SPED Decreto nº 6.022 22/01/07 Instituir o Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) Promover a integração dos fiscos; Racionalizar e uniformizar

Leia mais

Professor José Sérgio Fernandes de Mattos

Professor José Sérgio Fernandes de Mattos Professor Apresentação: 1. Instituído pelo Decreto nº 6.022, de 22 de janeiro de 2007, o Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento do Governo Federal

Leia mais

empresas constantes de seus anexos, de acordo com o Estado da Federação em que estava localizado o contribuinte.

empresas constantes de seus anexos, de acordo com o Estado da Federação em que estava localizado o contribuinte. SPED O Sistema Público de Escrituração Digital, mais conhecido como Sped, trata de um projeto/obrigação acessória instituído no ano de 2007, através do Decreto nº 6.022, de 22 de janeiro de 2007. É um

Leia mais

Controle do Registro Empresarial Obrigações eletrônicas dos contribuintes. Eugênio Vicenzi Secretário da Fazenda Rio do Sul Presidente do CONFAZ-M-SC

Controle do Registro Empresarial Obrigações eletrônicas dos contribuintes. Eugênio Vicenzi Secretário da Fazenda Rio do Sul Presidente do CONFAZ-M-SC Controle do Registro Empresarial Obrigações eletrônicas dos contribuintes Eugênio Vicenzi Secretário da Fazenda Rio do Sul Presidente do CONFAZ-M-SC Novas Diretrizes no Registro Empresarial Lei nº 11.598/07

Leia mais

Construindo a Nova Receita Federal do Brasil. Encontro de Ideias e Inovações na Administração Pública 03 de julho de 2012

Construindo a Nova Receita Federal do Brasil. Encontro de Ideias e Inovações na Administração Pública 03 de julho de 2012 + Construindo a Nova Receita Federal do Brasil Encontro de Ideias e Inovações na Administração Pública 03 de julho de 2012 + MARCOS INSTITUCIONAIS Missão Exercer a administração tributária e aduaneira

Leia mais

e CNPJ Benefícios do e-cnpj

e CNPJ Benefícios do e-cnpj São Paulo, Julho de 2009 e CNPJ O e-cnpj é um documento eletrônico em forma de certificado digital, que garante a autenticidade e a integridade na comunicação entre pessoas jurídicas e a Receita Federal

Leia mais

Certificado Digital Usos e Aplicações

Certificado Digital Usos e Aplicações Certificado Digital Usos e Aplicações Certificado Digital: Onde usar? O certificado digital é um documento eletrônico que proporciona agilidade em muitas das atividades realizadas atualmente por seu titular.

Leia mais

Representa uma iniciativa integrada das administrações tributárias nas três esferas governamentais: federal, estadual e municipal.

Representa uma iniciativa integrada das administrações tributárias nas três esferas governamentais: federal, estadual e municipal. Apresentação Instituído pelo Decreto nº 6.022, de 22 de janeiro de 2007, o Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento do Governo Federal (PAC 2007-2010)

Leia mais

AUDITORIA ELETRÔNICA EM ARQUIVOS FISCAIS E CONTÁBEIS

AUDITORIA ELETRÔNICA EM ARQUIVOS FISCAIS E CONTÁBEIS VOCÊ JÁ TEM POUCO TEMPO. UTILIZE ESSE TEMPO PARA RESOLVER OUTROS PROBLEMAS. ACHAR E SOLUCIONAR OS PROBLEMAS TRIBUTÁRIOS E NO SPED FAZ PARTE DAS NOSSAS ESPECIALIDADES. AUDITORIA ELETRÔNICA EM ARQUIVOS FISCAIS

Leia mais

TRIBUTOS: SAIBA COMO DOMINAR OS FANTASMAS DA BUROCRACIA CORPORATIVA

TRIBUTOS: SAIBA COMO DOMINAR OS FANTASMAS DA BUROCRACIA CORPORATIVA 1 SUMÁRIO Introdução Quais as principais obrigações com que devo me preocupar? ECF EFD Contribuições SPED Fiscal SPED Contábil esocial Como lidar com todas essas informações? Organize-se para evitar penalizações

Leia mais

Palavra do Secretário

Palavra do Secretário Palavra do Secretário Caderno Fato Gerador, nº 1 Resultados do 1º semestre de 2011 Publicação da Assessoria de Comunicação Social da Receita Federal do Brasil Guido Mantega Ministro da Fazenda Carlos Alberto

Leia mais

Sistema Público de Escrituração Digital

Sistema Público de Escrituração Digital O SPED O Sistema Público de Escrituração Digital tem por objetivo promover a integração entre os órgãos reguladores e de fiscalização da União, FISCOS Estaduais e futuramente Municipais. Isso mediante

Leia mais

O que é o Sistema Público de Escrituração Digital - SPED?

O que é o Sistema Público de Escrituração Digital - SPED? SPED PIS/COFINS Teoria e Prática O que é o Sistema Público de Escrituração Digital - SPED? E v e l i n e B a r r o s o Maracanaú - CE Março/2 0 1 2 1 2 Conceito O SPED é instrumento que unifica as atividades

Leia mais

SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL SPED FISCAL- UMA NOVA SISTEMÁTICA NA PROFISSÃO CONTÁBIL

SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL SPED FISCAL- UMA NOVA SISTEMÁTICA NA PROFISSÃO CONTÁBIL 1 SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL SPED FISCAL- UMA NOVA SISTEMÁTICA NA PROFISSÃO CONTÁBIL Cleozimara Dias da Silva Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis email:mara_mega@hotmail.com Juscelia

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE www.ucp.fazenda.gov.br PROGRAMAS EM ANDAMENTO Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM

Leia mais

Facilitações para o Comércio Exterior

Facilitações para o Comércio Exterior EXPORTAÇÕES POR ENVIOS POSTAIS Facilitações para o Comércio Exterior São Paulo 18 de novembro de 2009 José Barroso Tostes Neto Coordenação Geral de Administração Aduaneira FACILITAÇÕES PARA O COMÉRCIO

Leia mais

Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas

Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas O governo brasileiro, por meio da Receita Federal do Brasil (RFB), está implantando mais um avanço na informatização da relação entre o fisco e os contribuintes.

Leia mais

Administração tributária: as novas tecnologias e os direitos de garantia dos contribuintes

Administração tributária: as novas tecnologias e os direitos de garantia dos contribuintes Administração tributária: as novas tecnologias e os direitos de garantia dos contribuintes Mestre e doutor em direito do Estado pela PUC-SP Professor de Direito Tributário da PUC-SP e do IBET Advogado

Leia mais

SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL SPED FISCAL VANTAGENS E IMPORTÂNCIA

SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL SPED FISCAL VANTAGENS E IMPORTÂNCIA 1 SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL SPED FISCAL VANTAGENS E IMPORTÂNCIA Alfredo Baldini 1 * Acadêmico do Curso Ciências Contábeis Univás - Pouso Alegre/MG Fábio Luiz de Carvalho** Univás - Pouso

Leia mais

A modernização da estrutura da Receita Federal do Brasil e sua relação com o contribuinte

A modernização da estrutura da Receita Federal do Brasil e sua relação com o contribuinte A modernização da estrutura da Receita Federal do Brasil e sua relação com o contribuinte João Maurício Vital Assessor Técnico da Secretaria da Receita Federal do Brasil Atendimento Premissas Conclusividade

Leia mais

BALANÇO DE ABERTURA www.scesgo.com.br Otávio Martins de Oliveira Júnior Diretor Assuntos Técnicos e Jurídicos Goiânia - Goiás - 21/08/2013

BALANÇO DE ABERTURA www.scesgo.com.br Otávio Martins de Oliveira Júnior Diretor Assuntos Técnicos e Jurídicos Goiânia - Goiás - 21/08/2013 SINDICATO DOS CONTABILISTAS ESTADO GOIÁS CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE DE GOIÁS CONVÊNIO CRC-GO / SCESGO BALANÇO DE ABERTURA www.scesgo.com.br Otávio Martins de Oliveira Júnior Diretor Assuntos Técnicos

Leia mais

RESUMO ESPANDIDO QUALITATIVO NOTA FISCAL ELETRÔNICA: MUDANÇAS E REPERCUSSÕES PARA EMPRESAS E ÓRGÃOS FISCALIZADORES

RESUMO ESPANDIDO QUALITATIVO NOTA FISCAL ELETRÔNICA: MUDANÇAS E REPERCUSSÕES PARA EMPRESAS E ÓRGÃOS FISCALIZADORES RESUMO ESPANDIDO QUALITATIVO NOTA FISCAL ELETRÔNICA: MUDANÇAS E REPERCUSSÕES PARA EMPRESAS E ÓRGÃOS FISCALIZADORES Anilton ROCHA SILVA, Carina VIAL DE CANUTO, Carolina CLIVIAN PEREIRA XAVIER, Débora LORAINE

Leia mais

Cenário Atual, Desafios e Perspectivas do Sistema Público de Escrituração Digital SPED. Newton Oller de Mello Newton.oller@gmail.

Cenário Atual, Desafios e Perspectivas do Sistema Público de Escrituração Digital SPED. Newton Oller de Mello Newton.oller@gmail. Cenário Atual, Desafios e Perspectivas do Sistema Público de Escrituração Digital SPED Newton Oller de Mello Newton.oller@gmail.com Agenda 1. Visão Geral e Situação Atual dos Projetos integrantes do SPED

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

contribuições uma nova EtaPa começa aqui

contribuições uma nova EtaPa começa aqui InFORMe publicitário contribuições uma nova EtaPa começa aqui este ano mais de 1,3 milhão de empresas serão integradas ao Sped, avançado sistema de escrituração digital que visa combater a sonegação e

Leia mais

SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL

SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL O que você irá ver O que é o SPED; SPED Fiscal; Abrangência do projeto; O PAC e o SPED; Benefícios para as Empresas; Benefícios para a Fisco; SPED Contábil; Nota

Leia mais

SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL E NOTA FISCAL ELETRÔNICA: O BRASIL EVOLUINDO COM O CONTRIBUINTE

SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL E NOTA FISCAL ELETRÔNICA: O BRASIL EVOLUINDO COM O CONTRIBUINTE 1 SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL E NOTA FISCAL ELETRÔNICA: O BRASIL EVOLUINDO COM O CONTRIBUINTE WALTER, J. P. 1 RIBEIRO, O. D. J. 2 RESUMO Este trabalho tem como objetivo abordar, de modo simplificado,

Leia mais

www.audicgroup.com.br DR SPED

www.audicgroup.com.br DR SPED www.audicgroup.com.br DR SPED a EMPRESA A Audic Group no Brasil tem o compromisso com os seus clientes de buscar a satisfação por eles desejada, para tanto dedica-se na identificação dos problemas, na

Leia mais

EFD PIS COFINS Teoria e Prática

EFD PIS COFINS Teoria e Prática EFD PIS COFINS Teoria e Prática É uma solução tecnológica que oficializa os arquivos digitais das escriturações fiscal e contábil dos sistemas empresariais dentro de um formato digital específico e padronizado.

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES RELATÓRIO TÉCNICO

ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES RELATÓRIO TÉCNICO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES

Leia mais

NF-e e seu impacto prático

NF-e e seu impacto prático NF-e e seu impacto prático Apresentação e Conceito SPED Instituído pelo Decreto n º 6.022, de 22 de janeiro de 2007, o projeto do Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) faz parte do Programa de

Leia mais

Receita Federal do Brasil CAE/Senado Federal, maio de 2007

Receita Federal do Brasil CAE/Senado Federal, maio de 2007 do Brasil CAE/Senado Federal, maio de 2007 Objetivos da criação da RFB Financiamento do Estado e da Previdência Social Aumento da percepção de risco pelo descumprimento Estímulo ao cumprimento espontâneo

Leia mais

Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos. Luiz Campos

Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos. Luiz Campos Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos Luiz Campos 1 Livro de Apuração do IPI - CFOP CFOP DESCRIÇÃO 1.000 ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO 1.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, PRODUÇÃO RURAL,

Leia mais

Escrituração Fiscal Digital (EFD) Regras Gerais. 1. Introdução. 2. Definição

Escrituração Fiscal Digital (EFD) Regras Gerais. 1. Introdução. 2. Definição SUMÁRIO 1. Introdução 2. Definição 3. Contribuintes Obrigados à EFD 3.1. Contribuintes optantes pelo SIMPLES Nacional ou Microempreendedor Individual (MEI) 4. Livros Fiscais 5. Contribuintes Obrigados

Leia mais

Escrituração Fiscal Digital EFD ICMS/IPI. Dulcineia L. D. Santos

Escrituração Fiscal Digital EFD ICMS/IPI. Dulcineia L. D. Santos Escrituração Fiscal Digital EFD ICMS/IPI Dulcineia L. D. Santos Sistema Público de Escrituração Digital SPED Decreto n. 6.022, de 22/01/2007. Objetivos do SPED: unificar as atividades de recepção, validação,

Leia mais

Do Sintegra ao SPEDFiscal

Do Sintegra ao SPEDFiscal Escrituração Fiscal Digital Clovis Antonio de Souza Claudio Augusto P. de Toledo Arquivos Texto Contribuinte Fisco Registros Fiscais Informações Econômico Fiscais Arquivo Eletrônico Ponte entre o Contribuinte

Leia mais

SINDCONT-SP SINDCONT-SP

SINDCONT-SP SINDCONT-SP SPED, ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL EFD E OS DOCUMENTOS ELETRÔNICOS 2007/2008 Programa: - Sistema Público de Escrituração Digital - SPED - Escrituração Fiscal Digital - EFD - Documentos Eletrônicos do SPED:

Leia mais

Conjunto de soluções garante uma série de benefícios aos mais de 27 milhões de contribuintes do IRPF

Conjunto de soluções garante uma série de benefícios aos mais de 27 milhões de contribuintes do IRPF Conjunto de soluções garante uma série de benefícios aos mais de 27 milhões de contribuintes do IRPF Perfil A Secretaria da Receita Federal do Brasil RFB desempenha funções essenciais para que o Estado

Leia mais

SPED PIS E COFINS SPED PIS E COFINS. Sistema Questor SPED PIS E COFINS - SPED PIS E COFINS - 0brigatoriedade. Objetivos do Curso

SPED PIS E COFINS SPED PIS E COFINS. Sistema Questor SPED PIS E COFINS - SPED PIS E COFINS - 0brigatoriedade. Objetivos do Curso Sistema Questor SPED PIS E COFINS SPED Sistema Público de Escrituração Digital EFD Escrituração Fiscal Digital Instrutor: - Jocenei Friedrich Apoio: - Sejam todos bem-vindos Objetivos do Curso Conhecer

Leia mais

AUDITORIA FISCO-CONTÁBIL DAS DEMONSTRAÇÕES ELETRÔNICAS COMPLIANCE FISCAL ELETRÔNICO

AUDITORIA FISCO-CONTÁBIL DAS DEMONSTRAÇÕES ELETRÔNICAS COMPLIANCE FISCAL ELETRÔNICO AUDITORIA FISCO-CONTÁBIL DAS DEMONSTRAÇÕES ELETRÔNICAS COMPLIANCE FISCAL ELETRÔNICO Nossos serviços de auditoria das Obrigações Eletrônicas utilizam ferramentas que permitem auditar os arquivos enviados

Leia mais

OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS RISCOS E SOLUÇÕES Rui Miguel Coelho IT TAX Solutions. BDO Brazil Page 1

OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS RISCOS E SOLUÇÕES Rui Miguel Coelho IT TAX Solutions. BDO Brazil Page 1 OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS RISCOS E SOLUÇÕES Rui Miguel Coelho IT TAX Solutions Page 1 DIVISÓRIA REALIDADE TREBUCHET E COMPLEXIDADE MS pt.32 TRIBUTÁRIA (BRANCO) BRASILEIRA VISÃO GERAL Page 2 ESTUDO DO BANCO

Leia mais

o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica

o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica sumário >> Introdução... 3 >> Nota fiscal eletrônica: o começo de tudo... 6 >> Nota fiscal de consumidor eletrônica (NFC-e)... 10 >> Quais as vantagens

Leia mais

Coordenação-Geral de Pesquisa e Investigação - Copei. Balanço Anual de Atividades

Coordenação-Geral de Pesquisa e Investigação - Copei. Balanço Anual de Atividades Coordenação-Geral de Pesquisa e Investigação - Copei Balanço Anual de Atividades 2014 Coordenação-Geral de Pesquisa e Investigação Copei Balanço Anual de Atividades - 2014 1 Principais Resultados de 2014

Leia mais

O Desafio da simplificação FIESP 26/9/2013. Secretaria da Fazenda - SP. JOSÉ CLOVIS CABRERA Coordenador da Administração Tributária

O Desafio da simplificação FIESP 26/9/2013. Secretaria da Fazenda - SP. JOSÉ CLOVIS CABRERA Coordenador da Administração Tributária O Desafio da simplificação FIESP 26/9/2013 Secretaria da Fazenda - SP JOSÉ CLOVIS CABRERA Coordenador da Administração Tributária Processo de Arrecadação Fluxo Geral da Arrecadação Processo de Arrecadação

Leia mais

SIAGRI SISTEMAS Esclarecimentos SPED Contábil

SIAGRI SISTEMAS Esclarecimentos SPED Contábil SIAGRI SISTEMAS Esclarecimentos SPED Contábil O que é SPED? Sistema Público de Escrituração Digital É um projeto de âmbito NACIONAL sendo gerenciado pela RECEITA FEDERAL, tem como objetivo a uniformização

Leia mais

Bloco Contábil e Fiscal

Bloco Contábil e Fiscal Bloco Contábil e Fiscal EFD Contribuições Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo EFD Contribuições, que faz parte do Bloco Contábil e Fiscal. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 018/2013

NOTA TÉCNICA Nº 018/2013 NOTA TÉCNICA Nº 018/2013 Brasília, 09 de maio de 2013. ÁREA: Finanças TÍTULO: Certificado Digital e a Importância para os Municípios. REFERÊNCIA(S): Cartilha SIOPS; Comunicado CGSN/SE nº 3, de 10 de março

Leia mais

INFORMATIVO CONTÁBIL/FISCAL OCB/ES Nº 13/2014

INFORMATIVO CONTÁBIL/FISCAL OCB/ES Nº 13/2014 INFORMATIVO CONTÁBIL/FISCAL OCB/ES Nº 13/2014 (01 de Agosto de 2014) 01. RECEITA ESTADUAL ALERTA SOBRE RISCO DE PENALIDADE RELACIONADA A EFD. Órgão: Secretaria da Fazenda do Estado do Espírito Santo -

Leia mais

PORTFÓLIO INSTITUCIONAL GRUPO ASSETS - 2013 2014. Apresentação

PORTFÓLIO INSTITUCIONAL GRUPO ASSETS - 2013 2014. Apresentação 2013 2014 PORTFÓLIO INSTITUCIONAL GRUPO ASSETS - 2013 2014 Apresentação Assets Contadores e Consultores Associados, fundada ano 2000, é uma empresa jovem e totalmente dinâmica, que busca sempre o melhor

Leia mais

O IMPORTANTE PAPEL DA RECEITA FEDERAL NA LUTA CONTRA O CONTRABANDO E O DESCAMINHO.

O IMPORTANTE PAPEL DA RECEITA FEDERAL NA LUTA CONTRA O CONTRABANDO E O DESCAMINHO. O IMPORTANTE PAPEL DA RECEITA FEDERAL NA LUTA CONTRA O CONTRABANDO E O DESCAMINHO. REINALDO ÁVILA ORTIGOSA E-mail: dulrei@terra.com.br. Tel.(013) 4009-1572 DS SANTOS/SP SUMÁRIO 1.INTRODUÇÃO 2.DESENVOLVIMENTO

Leia mais

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> O que é a nota fiscal eletrônica?... 6 >> O que muda com esse novo modelo de documento fiscal?... 8 >> O DANFE - Documento Acessório

Leia mais

Operador Econômico Autorizado - OEA

Operador Econômico Autorizado - OEA Operador Econômico Autorizado - OEA 26.08.15 Operador Econômico Autorizado - OEA Agenda 00:00 Quem Somos O que é OEA? Benefícios Fases de Implementação Requisitos Projeto Piloto - Fase 1 01:30 Fase 2 OEA

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Tópicos Avançados II 5º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 5: Certificado Digital e Nota

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL O peso da burocracia tributária: A Busca pela Simplificação São Paulo, setembro de 2013 Modelos de tratamentos simplificados Microempreendedor Individual Abertura,

Leia mais

Principais Aspectos do Sistema Público de Escrituração Digital SPED

Principais Aspectos do Sistema Público de Escrituração Digital SPED Principais Aspectos do Sistema Público de Escrituração Digital SPED Como trabalhamos? no passado a pouco tempo Daqui para frente ECD Escrituração Contábil Digital IN RFB 787/07 O que é? : É a substituição

Leia mais

SOLUÇÕES IDEAIS PARA A GESTÃO PÚBLICA

SOLUÇÕES IDEAIS PARA A GESTÃO PÚBLICA SOLUÇÕES IDEAIS PARA A GESTÃO PÚBLICA A EMPRESA A Lexsom é uma empresa especializada em soluções de informática com atuação no mercado nacional desde 1989, tem como principal foco o desenvolvimento integrado

Leia mais

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2011 PIS/PASEP/COFINS IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2011 PIS/PASEP/COFINS IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2011 PIS/PASEP/COFINS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL DO PIS/PASEP E DA COFINS - EFD-PIS/COFINS - NORMAS GERAIS Introdução - Pessoas Jurídicas

Leia mais

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA ao SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA AS ASSOCIAÇÕES DE PASSO FUNDO

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA AS ASSOCIAÇÕES DE PASSO FUNDO NÚCLEO DE APOIO CONTÁBIL E FISCAL UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PASSO FUNDO FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS, ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS. Professora Orientadora: Ms. Mirna Muraro

Leia mais

Seminário: O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas

Seminário: O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas Seminário: O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas Palestra: O controle Interno no Brasil - situação atual e perspectivas futuras. Valdir Agapito Teixeira Secretário

Leia mais

CCA BERNARDON DESTAQUES DA SEMANA: CONTADORES E ADVOGADOS SEMANÁRIO Nº 45/2014 2ª SEMANA NOVEMBRO DE 2014

CCA BERNARDON DESTAQUES DA SEMANA: CONTADORES E ADVOGADOS SEMANÁRIO Nº 45/2014 2ª SEMANA NOVEMBRO DE 2014 News Consultoria, treinamento para gestão administrativa e atuação em processos e negócios. CCA BERNARDON CONTADORES E ADVOGADOS SEMANÁRIO Nº 45/2014 2ª SEMANA NOVEMBRO DE 2014 DESTAQUES DA SEMANA: TRIBUTOS

Leia mais

OS DESAFIOS DO SPED FISCAL PARA AS EMPRESAS Belo Horizonte-MG

OS DESAFIOS DO SPED FISCAL PARA AS EMPRESAS Belo Horizonte-MG OS DESAFIOS DO SPED FISCAL PARA AS EMPRESAS Belo Horizonte-MG Fernanda Martins LEMOS (IC - nandove15@hotmail.com) 1 Lorena Camila Martins ARAUJO (IC - lorenalo90@hotmail.com) 1 Luciana Chaves SILVA (IC

Leia mais

ECF DIPJ INCLUÍDA NO SPED

ECF DIPJ INCLUÍDA NO SPED ECF DIPJ INCLUÍDA NO SPED O que é ECF Escrituração Contábil Fiscal? Demonstra o cálculo do IRPJ e da CSLL Sucessora da DIPJ Faz parte do projeto SPED Instituída pela Instrução Normativa RFB 1.422/2013

Leia mais

ITG 2002: Os principais desafios na implementação das novas práticas na visão da Auditoria Independente.

ITG 2002: Os principais desafios na implementação das novas práticas na visão da Auditoria Independente. ITG 2002: Os principais desafios na implementação das novas práticas na visão da Auditoria Independente. Evelyse Amorim Lourival Amorim Florianópolis, 11 de novembro de 2014 ITG 2002 Introdução e Principais

Leia mais

EFD Contribuições (PIS/COFINS) Atualizado com a Instrução Normativa RFB nº 1.280/2012

EFD Contribuições (PIS/COFINS) Atualizado com a Instrução Normativa RFB nº 1.280/2012 PIS/COFINS EFD Contribuições (PIS/COFINS) Atualizado com a Instrução Normativa RFB nº 1.280/2012 CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO 2. CERTIFICADO DIGITAL 3. OBRIGATORIEDADE 3.a Dispensa de Apresentação da EFD-Contribuições

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

COMPRA. certa. Treinamento para o profissional de compras. Tributação e seus impactos na rentabilidade. www.contento.com.br

COMPRA. certa. Treinamento para o profissional de compras. Tributação e seus impactos na rentabilidade. www.contento.com.br COMPRA certa Treinamento para o profissional de compras www.contento.com.br 503117 Tributação e seus impactos na rentabilidade editorial Calculando a rentabilidade Gerir uma farmácia requer conhecimentos

Leia mais

Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice

Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice I. Acesso ao Cadastro... 2 II. Seleção de Filtros... 3 III. Cadastro...

Leia mais

INTEGRAÇÃO DO FISCO. Antônio Ricardo V. Schmitt Leonardo Gaffrée Dias Newton Berford Guaraná Paulo Fernando S. de Castro

INTEGRAÇÃO DO FISCO. Antônio Ricardo V. Schmitt Leonardo Gaffrée Dias Newton Berford Guaraná Paulo Fernando S. de Castro INTEGRAÇÃO DO FISCO Antônio Ricardo V. Schmitt Leonardo Gaffrée Dias Newton Berford Guaraná Paulo Fernando S. de Castro ROTEIRO APRESENTAÇÃO Federalismo Atual estágio da Integração do Fisco Fator crítico

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL Brasília 2013 SUMÁRIO MOTIVAÇÃO DO RELATÓRIO... 3 INTRODUÇÃO... 3 INICIATIVAS DO SENADO FEDERAL PARA ADEQUAÇÃO À LEI DE

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

Instrução Normativa RFB n 1.353/13 MAIO DE 2.013

Instrução Normativa RFB n 1.353/13 MAIO DE 2.013 Instrução Normativa RFB n 1.353/13 MAIO DE 2.013 PRINCIPAIS CONSIDERAÇÕES O Art. 1 da IN RFB n 1353/13 instituiu a Escrituração Fiscal Digital do Imposto sobre a Renda e da Contribuição Social sobre o

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012.

DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012. DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012. Regulamenta o uso da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica no ISSQN, a forma e o prazo de recolhimento dos tributos municipais e respectivos acréscimos perante o Código

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica Volume 4

Nota Fiscal Eletrônica Volume 4 Brasil Nota Fiscal Eletrônica Volume 4 Nota Fiscal Eletrônica A Nota Fiscal Eletrônica já é uma realidade e uma tecnologia conhecida. Mas o projeto é contínuo, sempre com novidades. Uma delas é a maximização

Leia mais

Aduana Brasileira. Seminário Internacional sobre Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos Recife, 22 a 24 de fevereiro de 2011

Aduana Brasileira. Seminário Internacional sobre Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos Recife, 22 a 24 de fevereiro de 2011 Aduana Brasileira Seminário Internacional sobre Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos Recife, 22 a 24 de fevereiro de 2011 Exportação de Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos - REEE EUA exportam

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA

PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA Equipe Portal de Contabilidade Para encerrar as atividades de uma empresa, é preciso realizar vários procedimentos legais, contábeis e tributários, além de, é claro,

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Cortesia: FARO CONTÁBIL (www.farocontabil.com.br) Matéria publicada originalmente no Diário do Comércio Data: 01/08/2006 01 - CONCEITOS? 1.01.

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

VISÃO DA COMUNIDADE EMPRESARIAL

VISÃO DA COMUNIDADE EMPRESARIAL SEMINÁRIO SPED ACE GUARULHOS 20/03/2009 VISÃO DA COMUNIDADE EMPRESARIAL Paulo Roberto da Silva BRASIL - SITUAÇÃO ATUAL EX. OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS DOS ESTADOS SPED UMA NOVA ERA NA ESCRITURAÇÃO NACIONAL SPED

Leia mais

PNAFM PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À GESTÃO ADMINISTRATIVA E FISCAL DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS PNAFM

PNAFM PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À GESTÃO ADMINISTRATIVA E FISCAL DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS PNAFM Ministério da Fazenda - MF Secretaria Executiva - SE Subsecretaria de Gestão Estratégica SGE Coordenação-Geral de Programas e Projetos de Cooperação COOPE PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À GESTÃO ADMINISTRATIVA

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL. Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de maio de 2011.

INFORMATIVO MENSAL. Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de maio de 2011. INFORMATIVO MENSAL Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de maio de 2011. I FEDERAL IPI - NOVAS DISPOSIÇÕES SOBRE A SUSPENSÃO DO IMPOSTO NA EXPORTAÇÃO

Leia mais

Nota Fiscal de Electrónica de Brasil

Nota Fiscal de Electrónica de Brasil 1er Foro Internacional USO DE TECNOLOGÍA EN LA SUPERVISIÓN Y FISCALIZACIÓN DEL SECTOR HIDROCARBUROS Nota Fiscal de Electrónica de Brasil Lic. Álvaro Antonio Bahia 1 Agenda Nota Fiscal Eletrônica Antecedentes

Leia mais

II Encontro de Contabilidade e Auditoria para Empresas Abertas - Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) - Aspectos Jurídicos

II Encontro de Contabilidade e Auditoria para Empresas Abertas - Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) - Aspectos Jurídicos II Encontro de Contabilidade e Auditoria para Empresas Abertas - Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) - Aspectos Jurídicos Data: 11 de setembro de 2012 FUNDAMENTOS JURÍDICOS Âmbito Constitucional:

Leia mais

Projeto EFD Social Programa de Unificação do Crédito (Fazendário e Previdenciário)

Projeto EFD Social Programa de Unificação do Crédito (Fazendário e Previdenciário) Projeto EFD Social Programa de Unificação do Crédito (Fazendário e Previdenciário) Projeto EFD Social Integra o Programa de Unificação do Crédito Previdenciário) PUC 1 (Fazendário e Iniciativa

Leia mais

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF)

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) Grant Thornton - Brasil Junho de 2015 Agenda Considerações Iniciais; Obrigatoriedade de Transmissão; Penalidades (Multas); Informações a serem Transmitidas; Recuperação

Leia mais

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF PLANEJAMENTO FISCAL 2015 CAPITULO I APRESENTAÇÃO O Planejamento Fiscal do DM/SMF - Departamento de Impostos Mobiliários da Secretaria Municipal de Fazenda materializa-se

Leia mais

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação? 1 Sumário I. Introdução... 3 II. Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?... 3 III. As Imunidades Tributárias das Empresas Juniores... 4 IV. Incidência de Tributos sobre Empresas Juniores:...

Leia mais

TÍTULO: OS IMPACTOS OPERACIONAIS DA IMPLANTAÇÃO DO SPED CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS

TÍTULO: OS IMPACTOS OPERACIONAIS DA IMPLANTAÇÃO DO SPED CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: OS IMPACTOS OPERACIONAIS DA IMPLANTAÇÃO DO SPED CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

SINTEGRA + DPI + LIVROS FISCAIS EM PAPEL + OUTROS

SINTEGRA + DPI + LIVROS FISCAIS EM PAPEL + OUTROS SINTEGRA + DPI + LIVROS FISCAIS EM PAPEL + OUTROS Coordenação do SPED FISCAL Página 1 de 38 ÍNDICE Apresentação...4 Agradecimentos...6 O que é Escrituração Fiscal Digital (EFD)?...7 Quem está obrigado

Leia mais

A Nota Fiscal Eletrônica proporciona benefícios a todos os envolvidos em uma transação comercial.

A Nota Fiscal Eletrônica proporciona benefícios a todos os envolvidos em uma transação comercial. O QUE É A NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-E? Podemos conceituar a Nota Fiscal Eletrônica como sendo um documento de existência apenas digital, emitido e armazenado eletronicamente, com o intuito de documentar,

Leia mais

esocial: Integração no Ambiente Sped SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL

esocial: Integração no Ambiente Sped SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL esocial: Integração no Ambiente Sped SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL NF-e Abrangência ECD esocial EFD EFD - IRPJ CT-e NFS-e E-Lalur FCont O esocial é um projeto do governo federal que vai unificar

Leia mais

SUMÁRIO. 5- Certificação Digital e Procuração para a RFB

SUMÁRIO. 5- Certificação Digital e Procuração para a RFB 2 SUMÁRIO I- INTRODUÇÃO II- BREVE HISTÓRICO III- PRINCIPAIS ASPECTOS LEGAIS ( IN 1177/11) 1- Obrigatoriedade da apresentação 2- Dispensa da Apresentação 3- Forma e lugar da apresentação 4- Prazo de entrega

Leia mais

Gildo Freire de Araújo

Gildo Freire de Araújo A Contabilidade das empresas diante das novas medidas Contador: Gildo Freire de Araújo Cenário atual Os empregadores são obrigados a registrar os eventos trabalhistas de várias maneiras diferentes e a

Leia mais