Operador Econômico Autorizado - OEA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Operador Econômico Autorizado - OEA"

Transcrição

1 Operador Econômico Autorizado - OEA

2 Operador Econômico Autorizado - OEA

3 Agenda 00:00 Quem Somos O que é OEA? Benefícios Fases de Implementação Requisitos Projeto Piloto - Fase 1 01:30 Fase 2 OEA Conformidade Contatos & Agradecimentos

4 Quem Somos A M2V Consultoria e Auditoria, empresa especializada na área de assessoria e consultoria empresarial em comércio exterior dedica-se, também, às atividades de auditoria de sistemas. Com sede no Município de Valinhos/SP, possui experiência no seu setor de atividade, em razão de possuir uma equipe multidisciplinar de profissionais, com atuação nos segmentos do direito, administração, comércio exterior, auditoria, contabilidade, fiscal e compliance, oferecendo aos clientes credibilidade, segurança e eficiência na resolução dos problemas e projetos apresentados.

5 Principais Clientes

6 O que é OEA? OEA (Operador Econômico Autorizado) é um dos elementos do movimento internacional de cargas no âmbito dos programas de segurança da cadeia logística, com base nas orientações da OMA (Organização Mundial das Aduanas). É considerado Operador Econômico o interveniente em operação de comércio exterior envolvido em movimentação internacional de mercadorias, mediante o cumprimento voluntário de critérios de segurança específicos e aplicados à cadeia logística e/ou das obrigações tributárias e aduaneiras. Legislação Instrução Normativa RFB nº 1521, de 04 de dezembro de 2014

7 O que é OEA? VISÃO DO PROGRAMA Em 2019, o Brasil será reconhecido como um dos líderes mundiais no controle e na gestão dos fluxos de comércio exterior por meio do seu Programa OEA.

8 O que é OEA? OBJETIVOS Adoção de padrões internacionais de segurança; Intercâmbio eficiente de informações entre os agentes envolvidos nas cadeias logísticas e com outras administrações aduaneiras; Análises integradas com base em conhecimentos e experiências em áreas tais como: Auditoria, fiscalização, segurança da cadeia logística e estímulo da gestão do risco das operações aduaneiras; Ênfase na comunicação por meio digital; Implementar processos de trabalho que visem à modernização da Aduana; Intensificar a harmonização dos processos de trabalho com outros órgãos regulatórios do comércio exterior Proporcionar maior agilidade e previsibilidade no fluxo do comércio internacional;

9 O que é OEA? QUEM PODE SER UM OEA? Importador ou o exportador Depositário de mercadoria sob controle aduaneiro Operador portuário ou aeroportuário Transportador Despachante aduaneiro Agente de carga

10 O que é OEA? Dados 2014 WCO - World Customs Organization

11 Benefícios Firmar Acordos de Reconhecimento Mútuo (ARM) que atendam aos interesses do Brasil Priorizar as ações da Aduana com foco nos operadores de comércio exterior de alto risco ou de risco desconhecido; Considerar a implementação de outros padrões que contribuam com a segurança da cadeia logística; Usufruir de reduzido percentual de cargas selecionadas para canais de conferência Usufruir de processamento prioritário dos despachos de exportação selecionados para conferência;

12 Benefícios Ser dispensado de exigências formalizadas na habilitação ou aplicação de regimes aduaneiros especiais ou aplicados em áreas especiais, que já tenham sido cumpridas no procedimento de certificação no Programa Brasileiro de OEA; Ter sua certificação divulgada no sítio da RFB e ser reconhecido como operador confiável pela Aduana Participar ativamente na formulação de propostas de legislação e procedimentos aduaneiros do OEA Participar, em conjunto com a RFB, de seminários e treinamentos sobre o OEA

13 Benefícios DEZ MOTIVOS PARA TER UM PROGRAMA DE OEA NO BRASIL 1. Implementar Acordos de Reconhecimento Mútuo 2. Facilitar o comércio legítimo e confiável 3. Obter reconhecimento global 4. Melhorar a imagem do Brasil 5. Atrair investimentos 6. Proteger a sociedade com maior eficiência

14 Benefícios 7. Aumentar a segurança nas operações de comércio exterior 8. Melhorar os controles aduaneiros análise de risco 9. Fazer mais com menos 10. Cumprir com Acordos Internacionais

15 Implementação FASES DE IMPLEMENTAÇÃO

16 Implementação PLANO ESTRATÉGICO 2015 A 2019

17 Implementação MODELO DO PROGRAMA BRASILEIRO DE OEA

18 Implementação CENTRO DE CERTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO

19 Implementação FÓRUM CONSULTIVO Canal permanente de comunicação entre a RFB e os OEA Análise de demandas dos OEA e demais interessados Aprimoramento técnico e normativo do Programa

20 Implementação COMITÊ TÉCNICO Subsidiar tecnicamente o Secretário da RFB nos recursos administrativos de exclusão e indeferimento discricionário.

21 Requisitos PRAZO DA CERTIFICAÇÃO

22 Requisitos QUESTIONÁRIO DE AUTOAVALIAÇÃO (QAA) Documento anexo VI da INRFB 1521/14 RFB solicitará apenas informações de que não disponha em seus sistemas ou que não possam ser obtidas por meio de convênio com outros órgãos de governo

23 Requisitos Formalização da Solicitação mediante DOSSIÊ DIGITAL Escrituração Contábil Digital CRITÉRIOS DE ADMISSIBILIDADE Domicílio Tributário Eletrônico (DTE); Regularidade fiscal Inscrição no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) e recolhimento de tributos federais há mais de 24 (vinte e quatro) meses; Atuação como interveniente passível de certificação por, no mínimo, 24 (vinte e quatro) meses; Inexistência de indeferimento a pedido de certificação ao Programa Brasileiro de OEA nos últimos 6 (seis) meses Despachante Aduaneiro - Experiência mínima de 3 (três) anos e aprovação em exame de qualificação. Transportadora - adesão à emissão do Conhecimento de Transporte Eletrônico (CTe), nos termos de legislação específica, para o transportador

24 Requisitos CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE Histórico de Cumprimento da Legislação Aduaneira Sistema Informatizado de gestão comercial, contábil, financeira e operacional Solvência financeira para manter e aperfeiçoar a segurança da cadeia logística Pollítica de realização periódica de auditoria e controles internos

25 Requisitos Parceiros comerciais Procedimento de segurança CRITÉRIOS DE SEGURANÇA Controle de unidade de cargas Controle de acesso físico Treinamento em segurança e conscientização de ameaças Segurança física das instalações Políticas de Recursos Humanos Tecnologia da Informação

26 Projeto Piloto CARACTERÍSTICAS Realizado no Aeroporto Internacional de Viracopos Campinas SP Assistência técnica da Aduana Americana CBP/C-TPAT Apoio da Aduana do Reino Unido HMRC OBJETIVOS Analisar as bases do Programa junto com o Setor Privado Testar o modelo de análise de risco e a estrutura de trabalho necessária para a função Aprimorar o Questionário de Autoavaliação Elaborar os manuais de auditoria para a equipe da RFB EMPRESAS QUE PARTICIPARAM DO PROJETO PILOTO

27 Fase 2 OEA Conformidade Consiste na certificação com base em critérios de cumprimento das obrigações tributárias e aduaneiras Revisão do Linha Azul Legislação Instrução Normativa RFB nº 1521, de 04 de dezembro de 2014

28 Fase 2 OEA Conformidade NOVO Programa Acessível a todas as empresas Novos benefícios Novos critérios de certificação

29 Fase 2 OEA Conformidade Dois níveis de certificação

30 Fase 2 OEA Conformidade E o Linha Azul?

31 Fase 2 OEA Conformidade Empresas certificadas como Linha Azul poderão ser as primeiras a obter a nova certificação (Nível 1) Benefícios Ampliados Prazo para adequação aos novos critérios de certificação

32 Fase 2 OEA Conformidade Benefícios Existentes no Linha Azul + Nível 1 Empresas Linha Azul Critérios Ajustes na data que vencer o prazo de 3 anos da última auditoria realizada ou dezembro/2016 (se antes)

33 Fase 2 OEA Conformidade Benefícios Preferencia Canal Verde Conferência prioritária Armazenamento Prioritário ou Carga Pátio Conclusão prioritária de trânsito

34 Fase 2 OEA Conformidade Benefícios OEA-C Nivel 2 Declaração Periódica Parametrização imediata após o registro da declaração, sem necessidade de aguardar a formação de lotes Redução do prazo de entrega da carga quando utilizado depositário certificado como OEA Despacho Antecipado com Canal Verde Redução no percentual de cargas selecionadas para canais de conferência e, quando selecionadas, ter processamento prioritário

35 Fase 2 OEA Conformidade Benefícios OEA-C Nivel 2 Prioridade de atendimento nos pontos de entrada (exemplo: duas filas; armazenamento prioritário; conclusão prioritária de trânsito) Canal Verde na Admissão Temporária e na Exportação Temporária Mais Benefícios do Nível 1 Redução de Custos - mínimo 20%

36 Fase 2 OEA Conformidade Benefícios OEA-C Nivel 2 Ponto de Contato Exclusivo na RFB para esclarecimento de dúvidas e solução de problemas relacionados ao Programa Usufruir de vantagens e benefícios de futuros Acordos de Reconhecimento Mútuo (ARM) Prioridade na Solução de Consulta de Classificação de Mercadorias e com prazo máximo Dispensa de apresentação de garantia na Admissão Temporária e no Trânsito Aduaneiro

37 Fase 2 OEA Conformidade Benefícios OEA-C Nivel 2 Simplificação no Trânsito Aduaneiro (possibilidade de início de trânsito automático) Dispensa de exigências na habilitação ou nos regimes aduaneiros especiais, quando estas já tiverem sido cumpridas no procedimento de certificação do OEA Utilização da logomarca do Programa e publicidade da certificação no sítio da RFB Reconhecimento da empresa OEA pela RFB como Operador Seguro e Confiável da Cadeia Logística

38 Fase 2 OEA Conformidade Benefícios OEA-C Nivel 2 Prioridade na Solução de Consulta de Valor e Origem Equipe Dedicada de Especialistas para garantir consistência e harmonização das análises Participação na formulação de alteração de legislação e procedimentos aduaneiros para o aperfeiçoamento do Programa por meio do Fórum Consultivo Realização de Seminários e Treinamentos conjuntos com a RFB Prioridade para empresas OEA C Nível 1 se tornar Nível 2

39 Fase 2 OEA Conformidade Benefícios OEA-C Nivel 2 Prioridade para empresas já certificadas como OEA Segurança

40 Fase 2 OEA Conformidade CRITÉRIOS Certificação com base no cumprimento das obrigações tributárias e aduaneiras REQUISITOS DE ADMISSIBILIDADE CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE CRITÉRIOS DE CONFORMIDADE

41 Fase 2 OEA Conformidade

42 Fase 2 OEA Conformidade CRITÉRIOS São critérios para fins de certificação na modalidade OEA- Conformidade relacionados ao cumprimento das normas e procedimentos aduaneiros nos últimos 3 anos:

43 Fase 2 OEA Conformidade CRITÉRIOS Atenção! RELATORIO DE AUDITORIA avalizando que os controles internos garantem o cumprimento regular de suas obrigações documentais e aduaneiras.

44 Fase 2 OEA Conformidade Projeto Piloto OEA Conformidade - Objetivos

45 Fase 2 OEA Conformidade Projeto Piloto OEA Conformidade Critérios Empresas Linha Azul e Não Linha Azul Quantidade de Declarações (muitas e poucas) Países com Interesse de Acordos de Reconhecimento Mútuo com o Brasil Empresas com experiência internacional em certificação OEA Empresas já certificadas como OEA Segurança Empresas Brasileiras Voluntário

46 Fase 2 OEA Conformidade Cronograma OEA-C

47 Fase 2 OEA Conformidade

48 Perguntas? Patrick Sousa / Partner Grupo LinkedIn OEA Brasil - Operador Econômico Autorizado https://www.linkedin.com/grp/home?gid=

Sumário PARTE 1: Programa Brasileiro de OEA PARTE 2: Fase 2 OEA Conformidade Benefícios Critérios Projeto Piloto Próximos Passos

Sumário PARTE 1: Programa Brasileiro de OEA PARTE 2: Fase 2 OEA Conformidade Benefícios Critérios Projeto Piloto Próximos Passos Sumário PARTE 1: Programa Brasileiro de OEA PARTE 2: Fase 2 OEA Conformidade Benefícios Critérios Projeto Piloto Próximos Passos Vídeo Institucional do Programa OEA Modelo do Programa Brasileiro de OEA

Leia mais

Normas - Sistema Gestão da Informação

Normas - Sistema Gestão da Informação http://normas.receita.fazenda.gov.br/sijut2consulta/imprimir.action?visao=anotado&idato=59000 Página 1 de 8 Normas - Sistema Gestão da Informação Visão Anotada INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1521, DE 04 DE

Leia mais

Sumário PARTE 1: PARTE 2: O que éo Programa OEA Brasileiro? Como se tornar um OEA? Quais os benefícios de ser um OEA no Brasil?

Sumário PARTE 1: PARTE 2: O que éo Programa OEA Brasileiro? Como se tornar um OEA? Quais os benefícios de ser um OEA no Brasil? Sumário PARTE 1: O que éo Programa OEA Brasileiro? PARTE 2: Como se tornar um OEA? Quais os benefícios de ser um OEA no Brasil? Quem são os Operadores Econômicos? São todos os participantes da cadeia logística

Leia mais

Normas Sistema Gestão da Informação

Normas Sistema Gestão da Informação Normas Sistema Gestão da Informação Visão Anotada INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1598, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015 (Publicado(a) no DOU de 11/12/2015, seção 1, pág. 33) Dispõe sobre o Programa Brasileiro de

Leia mais

OEA OPERADOR ECONÔMICO AUTORIZADO PROGRAMA BRASILEIRO

OEA OPERADOR ECONÔMICO AUTORIZADO PROGRAMA BRASILEIRO OEA OPERADOR ECONÔMICO AUTORIZADO PROGRAMA BRASILEIRO A Receita Federal do Brasil publicou na sexta-feira, dia 5/12, a IN nº 1521 instituindo o Programa Brasileiro de OEA Operador Econômico Autorizado.

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS CONSULTA PÚBLICA RFB Nº 005/2015. Brasília, 16 de novembro de 2015. Assunto: Operador Econômico Autorizado Subsecretaria Responsável: Suari Período para a contribuição: de 17/11/2015 a 27/11/2015 ATENÇÃO:

Leia mais

O Comércio Exterior. a Receita Federal do Brasil. Itajaí, 18 de fevereiro de 2011

O Comércio Exterior. a Receita Federal do Brasil. Itajaí, 18 de fevereiro de 2011 O Comércio Exterior & Itajaí, 18 de fevereiro de 2011 Contexto A RFB é o órgão responsável pela administração e controle aduaneiro no País. Missão Institucional: Arrecadaçãod ã dos tib tributost sobre

Leia mais

Melhoria do Ambiente de Negócios

Melhoria do Ambiente de Negócios Melhoria do Ambiente de Negócios 1 Medidas adotadas APRIMORAMENTO DO SISCOMEX IMPORTAÇÃO Plataforma Web Melhorias e novas funcionalidades SISCOMEX EXPORTAÇÃO CARGA Melhorias em funcionalidades Mudança

Leia mais

Facilitações para o Comércio Exterior

Facilitações para o Comércio Exterior EXPORTAÇÕES POR ENVIOS POSTAIS Facilitações para o Comércio Exterior São Paulo 18 de novembro de 2009 José Barroso Tostes Neto Coordenação Geral de Administração Aduaneira FACILITAÇÕES PARA O COMÉRCIO

Leia mais

Infraestrutura Nacional e Eficiência Logística

Infraestrutura Nacional e Eficiência Logística Receita Federal Procedimentos Aduaneiros Competitivos Infraestrutura Nacional e Eficiência Logística 1 Mapa Geográfico de Serviços Aduaneiros 8,5 milhões de km² 16.886 km de fronteira terrestre 7.367 km

Leia mais

Somos uma empresa especializada em Linha Azul (Despacho Aduaneiro Expresso) Atuamos também no RECOF (Regime Aduaneiro de Entreposto Industrial sob

Somos uma empresa especializada em Linha Azul (Despacho Aduaneiro Expresso) Atuamos também no RECOF (Regime Aduaneiro de Entreposto Industrial sob Quem Somos Somos uma empresa especializada em Linha Azul (Despacho Aduaneiro Expresso) Atuamos também no RECOF (Regime Aduaneiro de Entreposto Industrial sob Controle Informatizado) A AIV Auditoria Aduaneira

Leia mais

A Implantação do Operador Econômico Autorizado no Brasil: Papel dos Anuentes

A Implantação do Operador Econômico Autorizado no Brasil: Papel dos Anuentes CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR Secretaria-Executiva A Implantação do Operador Econômico Autorizado no Brasil: Papel dos Anuentes 25 de setembro de 2009 Instituto Aliança Procomex - SP LYTHA SPÍNDOLA Secretária-Executiva

Leia mais

Facilitação do Comércio Exterior. Encontro Nacional de Comércio Exterior Enaex 2013

Facilitação do Comércio Exterior. Encontro Nacional de Comércio Exterior Enaex 2013 Facilitação do Comércio Exterior Encontro Nacional de Comércio Exterior Enaex 2013 8,5 milhões de km2 16.886 Km de Fronteiras terrestres 7.367 Km de Orla Marítima 197 milhões de habitantes PIB de 2,39

Leia mais

OPERADOR ECONÔMICO AUTORIZADO NO MUNDO... 7

OPERADOR ECONÔMICO AUTORIZADO NO MUNDO... 7 Sumário OPERADOR ECONÔMICO AUTORIZADO NO MUNDO... 7 O que é um Operador Econômico Autorizado (OEA)?...7 Por que o Programa de OEA foi criado?...7 Quantos países no mundo já possuem Programas de OEA?...8

Leia mais

Catálogo de Cursos 2015

Catálogo de Cursos 2015 Catálogo de Cursos 2015 Tanto do ponto de vista pessoal quanto financeiro, o melhor reconhecimento que um profissional pode ter é o do mercado em que atua. É com esta visão que a Export Manager Trading

Leia mais

Apresentação: SDAS - DEZEMBRO/2014. Praça Antonio Telles, 15 cj 82, Centro, Santos, SP telefone (13) 3221.1733 www.russoconsultoria.com.

Apresentação: SDAS - DEZEMBRO/2014. Praça Antonio Telles, 15 cj 82, Centro, Santos, SP telefone (13) 3221.1733 www.russoconsultoria.com. Apresentação: SDAS - DEZEMBRO/2014 APRESENTAÇÃO 1ª Parte: (60 ) Histórico, conceitos, iniciativas internacionais, cenário nacional e internacional sobre o Tema Caminhos percorridos e experiências consideradas

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal SPED Contábil e Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal SPED. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

V Feira Internacional da Amazônia - FIAM Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA

V Feira Internacional da Amazônia - FIAM Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR A CAMEX e a Facilitação de Comércio V Feira Internacional da Amazônia - FIAM Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA 27 de novembro de 2009, Manaus - AM ALEXANDRE

Leia mais

ADUANA FRAUDE EM IMPORTAÇÃO 1 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL

ADUANA FRAUDE EM IMPORTAÇÃO 1 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL ADUANA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL APRESENTAÇÃO: DANIEL BEZERRA DOS SANTOS AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL FRAUDE EM IMPORTAÇÃO 1 OBJETIVO Abordar, de forma sucinta, as atividades

Leia mais

Siscomex Importação. 1ª Edição. São Paulo 2013. Luis Geokarly do Nascimento. Manual Prático do Sistema. Siscomex Importação Manual Prático do Sistema

Siscomex Importação. 1ª Edição. São Paulo 2013. Luis Geokarly do Nascimento. Manual Prático do Sistema. Siscomex Importação Manual Prático do Sistema Siscomex Importação Manual Prático do Sistema 1ª Edição São Paulo 2013 Página 1 Página 2 Gosto daquele que sonha o impossível Johann Goethe Página 3 Sobre o Autor é despachante aduaneiro, com mais de 10

Leia mais

OEA. País chega à segunda fase do programa. Legislação Receita Federal publica nova IN sobre admissão e exportação temporárias

OEA. País chega à segunda fase do programa. Legislação Receita Federal publica nova IN sobre admissão e exportação temporárias OPINIÃO: Entrevista: Entrada Preços da de Venezuela transferência no Mercosul deveriam pode fortalecer ser parte a do aversão planejamento do bloco a acordos comerciais. estratégico das empresas, defende

Leia mais

DESPACHOS ADUANEIROS. Suprindo a necessidade cada vez mais exigente e dinâmica do Comercio Exterior.

DESPACHOS ADUANEIROS. Suprindo a necessidade cada vez mais exigente e dinâmica do Comercio Exterior. DESPACHOS ADUANEIROS Suprindo a necessidade cada vez mais exigente e dinâmica do Comercio Exterior. EMPRESA Nosso objetivo é personalizar o atendimento para cada empresa, dando-as exclusividade com células

Leia mais

RECEITA FEDERAL DO BRASIL 8ª RF

RECEITA FEDERAL DO BRASIL 8ª RF RECEITA FEDERAL DO BRASIL 8ª RF Breve conceito de Regime Aduaneiro Regime especial de Admissão Temporária Casos Práticos Regime Aduaneiro deve ser entendido como o tratamento aplicável às mercadorias submetidas

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

Perguntas & Respostas Programa Brasileiro de OEA OPERADOR ECONÔMICO AUTORIZADO NO MUNDO... 8

Perguntas & Respostas Programa Brasileiro de OEA OPERADOR ECONÔMICO AUTORIZADO NO MUNDO... 8 2 OPERADOR ECONÔMICO AUTORIZADO NO MUNDO... 8 O que é um Operador Econômico Autorizado (OEA)?... 8 Por que o Programa de OEA foi criado?... 8 Quantos países no mundo já possuem Programas de OEA?... 9 O

Leia mais

Câmara de Comércio Exterior Secretaria Executiva

Câmara de Comércio Exterior Secretaria Executiva Câmara de Comércio Exterior Secretaria Executiva ALOÍSIO TUPINAMBÁ GOMES NETO Assessor Especial 10 de fevereiro de 2009 Brasília - DF Câmara de Comércio Exterior - CAMEX O papel da CAMEX é coordenar esforços

Leia mais

Saiba tudo sobre o esocial

Saiba tudo sobre o esocial Saiba tudo sobre o esocial Introdução Com a criação do Sistema Público de Escrituração Digital (Sped), o Governo propiciou maior controle e agilidade na fiscalização das informações contábeis e fiscais

Leia mais

DESPACHO ADUANEIRO DE EXPORTAÇÃO Modificações Recentes na IN-SRF nº 28/1994

DESPACHO ADUANEIRO DE EXPORTAÇÃO Modificações Recentes na IN-SRF nº 28/1994 DESPACHO ADUANEIRO DE EXPORTAÇÃO Modificações Recentes na IN-SRF nº 28/1994 Colaboração: Domingos de Torre 11.11.2013 A IN-SRF nº 28, de 1994 (DOU-1 de 28.04.94), Disciplina o despacho aduaneiro de mercadorias

Leia mais

DESPACHO ADUANEIRO (RECEITA FEDERAL DO BRASIL) Prof. Moacir Rodrigues

DESPACHO ADUANEIRO (RECEITA FEDERAL DO BRASIL) Prof. Moacir Rodrigues DESPACHO ADUANEIRO (RECEITA FEDERAL DO BRASIL) Prof. Moacir Rodrigues DESPACHO ADUANEIRO Procedimento Fiscal por intermédio do qual o exportador desembaraça a mercadoria para o exterior (Faro, 2007). É

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS CONSULTA PÚBLICA RFB Nº 01 /2015. Brasília, 03 de março de 2015. Assunto: Melhoria no ambiente de negócios com a alteração da Instrução Normativa SRF nº 1.291, de 19 de setembro de 2012, que dispõe sobre

Leia mais

www.avantassessoria.com.br

www.avantassessoria.com.br www.avantassessoria.com.br Nossa Empresa A AVANT Assessoria Contábil e Tributária é uma empresa de contabilidade especializada em consultoria e assessoria de empresas e profissionais liberais, oferecendo

Leia mais

PROGRAMA PORTAL ÚNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR

PROGRAMA PORTAL ÚNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR PROGRAMA PORTAL ÚNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR Programa Portal Único de Comércio Exterior Integração dos sistemas de controle dos órgãos governamentais que atuam no comércio exterior Visa otimizar e simplificar

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 018/2013

NOTA TÉCNICA Nº 018/2013 NOTA TÉCNICA Nº 018/2013 Brasília, 09 de maio de 2013. ÁREA: Finanças TÍTULO: Certificado Digital e a Importância para os Municípios. REFERÊNCIA(S): Cartilha SIOPS; Comunicado CGSN/SE nº 3, de 10 de março

Leia mais

Desenvolvimento e Implantação do Criptossistema da Autoridade Certificadora Raiz da ICP-Brasil

Desenvolvimento e Implantação do Criptossistema da Autoridade Certificadora Raiz da ICP-Brasil Programa 1109 Massificação da Certificação Digital ICP-Brasil Ações Orçamentárias Número de Ações 18 72640000 Produto: Sistema implantado Desenvolvimento e Implantação do Criptossistema da Autoridade Certificadora

Leia mais

Agora começa a ser implementado o esocial, que constituirá a maior e mais complexa parte do Sped.

Agora começa a ser implementado o esocial, que constituirá a maior e mais complexa parte do Sped. Introdução O que é esocial? Com a criação do Sistema Público de Escrituração Digital (Sped), o Governo propiciou maior controle e agilidade na fiscalização das informações contábeis e fiscais das empresas

Leia mais

Certificado Digital Usos e Aplicações

Certificado Digital Usos e Aplicações Certificado Digital Usos e Aplicações Certificado Digital: Onde usar? O certificado digital é um documento eletrônico que proporciona agilidade em muitas das atividades realizadas atualmente por seu titular.

Leia mais

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil Introdução Há alguns anos as trading companies brasileiras têm se mostrado uma alternativa segura e economicamente atrativa para empresas estrangeiras que desejam exportar ou distribuir seus produtos no

Leia mais

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR 1º Passo: Registro da empresa Atualizar o objeto social da empresa incluindo a atividade de importação e os tipos de produtos que serão

Leia mais

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Os papéis do executivo de RH Pessoas são os principais ativos de uma empresa e o executivo de Recursos Humanos (RH), como responsável por administrar

Leia mais

Formação de Analista em Comércio Exterior

Formação de Analista em Comércio Exterior Formação de Analista em Comércio Exterior com Pós Graduação Objetivo: Habilitar os participantes para exercer a profissão de Analista de Comércio Exterior e trabalhar com a análise das operações, planejamento,

Leia mais

Certificado de Origem

Certificado de Origem Mercadores Certificado de Origem Coletânea (Versão Histórica) Versão 2.00 - Maio de 2010 Atualizada até: Instrução Normativa RFB nº 777, de 19 de outubro de 2007 Paulo Werneck mercadores.blogspot.com www.mercadores.com.br

Leia mais

SEMINÁRIO DE COMÉRCIO INTERNACIONAL: CENÁRIO ANTIGLOBALIZAÇÃO E RESTRIÇÕES DA OMC A POLÍTICAS INDUSTRIAIS 27/04/2016

SEMINÁRIO DE COMÉRCIO INTERNACIONAL: CENÁRIO ANTIGLOBALIZAÇÃO E RESTRIÇÕES DA OMC A POLÍTICAS INDUSTRIAIS 27/04/2016 SEMINÁRIO DE COMÉRCIO INTERNACIONAL: CENÁRIO ANTIGLOBALIZAÇÃO E RESTRIÇÕES DA OMC A POLÍTICAS INDUSTRIAIS 27/04/2016 EQUIPE Programas brasileiros contestados Inovar-Auto Lei de Informática PADIS PATVD

Leia mais

Sistematização das exportações e pagamentos internacionais

Sistematização das exportações e pagamentos internacionais Introdução Sistematização das exportações e pagamentos internacionais Fundamentos de Comércio Exterior Prof. Marco A. Arbex As exportações geram entrada de divisas para o país exportador e saída de divisas

Leia mais

Passos na Importação Roteiro Básico. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012

Passos na Importação Roteiro Básico. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 Roteiro Básico Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 1º Passo Efetuar contatos com fornecedor (exportador). 2º Passo Formalizar as negociações com fornecedor (exportador). 3º Passo Negociar a condição de

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AUTOAVALIAÇÃO

QUESTIONÁRIO DE AUTOAVALIAÇÃO QUESTIONÁRIO DE AUTOAVALIAÇÃO Programa Brasileiro de OEA ORIENTAÇÕES AO REQUERENTE DA CERTIFICAÇÃO...3 IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE...4 BLOCO 1 INFORMAÇÕES GERAIS...4 1.1. Cadastro Atualizado nos sistemas

Leia mais

INGRESSO DE DESPACHANTES ADUANEIROS EM LOCAIS ALFANDEGADOS. PRERROGATIVA QUE EMANA DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL E DAS LEIS

INGRESSO DE DESPACHANTES ADUANEIROS EM LOCAIS ALFANDEGADOS. PRERROGATIVA QUE EMANA DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL E DAS LEIS INGRESSO DE DESPACHANTES ADUANEIROS EM LOCAIS ALFANDEGADOS. PRERROGATIVA QUE EMANA DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL E DAS LEIS Domingos de Torre 17/01/2013. COMÉRCIO EXTERIOR. DIREITO ADUANEIRO BRASILEIRO. DO EXERCÍCIO

Leia mais

BDCC BANCO DE DADOS COMUM DE CREDENCIAMENTO

BDCC BANCO DE DADOS COMUM DE CREDENCIAMENTO BDCC BANCO DE DADOS COMUM DE CREDENCIAMENTO 1 ORIGEM problemas - ISPS Code CFRB, art.37, inciso XVII: A Administração Fazendária e seus servidores fiscais terão, dentro de suas áreas de competência e jurisdição,

Leia mais

Marcelo Luiz Alves Fernandez Supervisor de Fiscalização Documentos Digitais 21/09/2010

Marcelo Luiz Alves Fernandez Supervisor de Fiscalização Documentos Digitais 21/09/2010 Marcelo Luiz Alves Fernandez Supervisor de Fiscalização Documentos Digitais 21/09/2010 Mudança no modo de Atuação do Fisco Bom Contribuinte Sonegador Eventual Sonegador Contumaz Educação e Cidadania Fiscal

Leia mais

Criando um ambiente mais favorável para negócios no Brasil

Criando um ambiente mais favorável para negócios no Brasil Criando um ambiente mais favorável para negócios no Brasil Relações de trabalho A flexibilidade da legislação trabalhista ajuda a criar um ambiente de negócios competitivos, favorecendo a geração de empregos.

Leia mais

A Nota Fiscal Eletrônica proporciona benefícios a todos os envolvidos em uma transação comercial.

A Nota Fiscal Eletrônica proporciona benefícios a todos os envolvidos em uma transação comercial. O QUE É A NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-E? Podemos conceituar a Nota Fiscal Eletrônica como sendo um documento de existência apenas digital, emitido e armazenado eletronicamente, com o intuito de documentar,

Leia mais

PROGRAMA PORTAL ÚNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR

PROGRAMA PORTAL ÚNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR PROGRAMA PORTAL ÚNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR Programa Portal Único de Comércio Exterior Integração dos sistemas de controle dos órgãos governamentais que atuam no comércio exterior Visa otimizar e simplificar

Leia mais

Programa Portal Único de Comércio Exterior

Programa Portal Único de Comércio Exterior Programa Portal Único de Comércio Exterior Drawback Isenção Web Regime que isenta de tributos a reposição do estoque insumos que foram utilizados na produção de bens exportados; Sistema reduzirá tempos

Leia mais

RADAR. Normas e Procedimentos. Setembro 2012. Apoio: Elaborado por: Marcos Vinicius Piacitelli Gomes e Angela Maria dos Santos

RADAR. Normas e Procedimentos. Setembro 2012. Apoio: Elaborado por: Marcos Vinicius Piacitelli Gomes e Angela Maria dos Santos Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Despacho Aduaneiro Expresso (Linha Azul) Base Legal

Despacho Aduaneiro Expresso (Linha Azul) Base Legal Despacho Aduaneiro Expresso (Linha Azul) Base Legal (...) DECRETO Nº 4.543, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2002. Regulamenta a administração das atividades aduaneiras, e a fiscalização, o controle e a tributação

Leia mais

ANO XXII - 2011-3ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2011 TRIBUTOS FEDERAIS SIMPLES NACIONAL

ANO XXII - 2011-3ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2011 TRIBUTOS FEDERAIS SIMPLES NACIONAL ANO XXII - 2011-3ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2011 TRIBUTOS FEDERAIS REGIME DE TRIBUTAÇÃO UNIFICADA (RTU) - HABILITAÇÃO E CREDENCIAMENTO DE INTERVENIENTES - NORMAS GERAIS Introdução

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012

Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012 Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012 DOU de 24.9.2012 Dispõe sobre o despacho aduaneiro de bens procedentes do exterior destinados à utilização na Copa das Confederações Fifa 2013

Leia mais

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo CURSO: Administração DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas,

Leia mais

Aduana Brasileira. Seminário Internacional sobre Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos Recife, 22 a 24 de fevereiro de 2011

Aduana Brasileira. Seminário Internacional sobre Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos Recife, 22 a 24 de fevereiro de 2011 Aduana Brasileira Seminário Internacional sobre Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos Recife, 22 a 24 de fevereiro de 2011 Exportação de Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos - REEE EUA exportam

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO PARA O CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UFPR

REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO PARA O CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UFPR REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO PARA O CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UFPR DA NATUREZA Art.1 o No Projeto Pedagógico do Curso de Ciências Econômicas, as diretrizes curriculares incluem o estágio

Leia mais

Compliance e Legislação Tributária: Desafios para as empresas em 2015

Compliance e Legislação Tributária: Desafios para as empresas em 2015 Compliance e Legislação Tributária: Desafios para as empresas em 2015 Eduardo Nascimento (eduardo@morad.com.br) Antonio Carlos Morad (acmorad@morad.com.br) www.morad.com.br 2015 Outlook for Legal Issues

Leia mais

As informações foram coletadas por meio de uma pesquisa aplicada aos profissionais que estiveram presentes no 6º Fórum de Gestão Fiscal e Sped.

As informações foram coletadas por meio de uma pesquisa aplicada aos profissionais que estiveram presentes no 6º Fórum de Gestão Fiscal e Sped. Panorama da área fiscal e tributária A área fiscal no Brasil recebe constantemente mudanças e atualizações ligadas aos processos de fiscalização, tributação, contribuição, regulamentação entre outros.

Leia mais

PROGRAMA PORTAL ÚNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR

PROGRAMA PORTAL ÚNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR PROGRAMA PORTAL ÚNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR Portal Único de Comércio Exterior Programa Portal Único de Comércio Exterior É uma iniciativa de redesenho dos processos de trabalho e de desenvolvimento e integração

Leia mais

Projetos da Receita Federal

Projetos da Receita Federal Escrituração Fiscal Digital - EFD Projetos da Receita Federal A Escrituração Fiscal Digital - EFD é um arquivo digital, que se constitui de um conjunto de escriturações de documentos fiscais e de outras

Leia mais

Segurança e Conformidade no Comércio Internacional

Segurança e Conformidade no Comércio Internacional Segurança e Conformidade no Comércio Internacional Programa de Operador Econômico Autorizado Consiste na certificação concedida pelas Aduanas aos operadores da cadeia logística internacional que atendem

Leia mais

WHITE PAPER AS EMPRESAS PERNAMBUCANAS ESTÃO PREPARADAS PARA O SPED FISCAL?

WHITE PAPER AS EMPRESAS PERNAMBUCANAS ESTÃO PREPARADAS PARA O SPED FISCAL? WHITE PAPER AS EMPRESAS PERNAMBUCANAS ESTÃO PREPARADAS PARA O SPED FISCAL? 2 O CONTRIBUINTE DE PERNAMBUCO ESTÁ PREPARADO PARA O SPED FISCAL (EFD-ICMS/IPI)? Através da Instrução Normativa nº 1.371/2013

Leia mais

1ª Consulta sobre Temas de Comércio Exterior Equipe de Assuntos de Comércio Exterior Junho 2012

1ª Consulta sobre Temas de Comércio Exterior Equipe de Assuntos de Comércio Exterior Junho 2012 Equipe de Assuntos de Comércio Exterior Junho 2012 Questionário enviado aos associados em 21/03/2012 Consolidação dos resultados e apresentação à Comissão de Comércio Exterior em 24/05/2012 Apresentação

Leia mais

AUDITORIA ELETRÔNICA EM ARQUIVOS FISCAIS E CONTÁBEIS

AUDITORIA ELETRÔNICA EM ARQUIVOS FISCAIS E CONTÁBEIS VOCÊ JÁ TEM POUCO TEMPO. UTILIZE ESSE TEMPO PARA RESOLVER OUTROS PROBLEMAS. ACHAR E SOLUCIONAR OS PROBLEMAS TRIBUTÁRIOS E NO SPED FAZ PARTE DAS NOSSAS ESPECIALIDADES. AUDITORIA ELETRÔNICA EM ARQUIVOS FISCAIS

Leia mais

A CAMEX e a Facilitação de Comércio

A CAMEX e a Facilitação de Comércio CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR Secretaria-Executiva A CAMEX e a Facilitação de Comércio Ministério das Comunicações 18 de novembro 2009, São Paulo SP. MARIA FÁTIMA B. ARRAES DE OLIVEIRA Assessora Especial

Leia mais

Manual de Credenciamento para Emissão do CT-e

Manual de Credenciamento para Emissão do CT-e Manual de Credenciamento para Emissão do CT-e Versão 1.0 Outubro/2009 Manaus/AM Sumário Apresentação... 2 Conceitos Básicos... 3 Requisitos... 5 Credenciamento... 6 Fase de Homologação... 7 o Fase de Testes...

Leia mais

PORTOS E RECINTOS ADUANEIROS

PORTOS E RECINTOS ADUANEIROS Segmento DISTRIBUIÇÃO E LOGÍSTICA PORTOS E RECINTOS ADUANEIROS As soluções de software de gestão para o segmento de distribuição e logística da TOTVS auxiliam as empresas que trabalham em portos e recintos

Leia mais

DIREITO PORTUÁRIO (ADUANEIRO) SANCIONADOR. Luciano Bushatsky A. de Alencar Advogado Aduaneiro

DIREITO PORTUÁRIO (ADUANEIRO) SANCIONADOR. Luciano Bushatsky A. de Alencar Advogado Aduaneiro DIREITO PORTUÁRIO (ADUANEIRO) SANCIONADOR Luciano Bushatsky A. de Alencar Advogado Aduaneiro SISTEMAS JURÍDICOS Existência, no Direito brasileiro, de diversos sistemas legais interdependentes. Sistema

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica NOTA FISCAL ELETRÔNICA

Nota Fiscal Eletrônica NOTA FISCAL ELETRÔNICA Nota Fiscal Eletrônica NOTA FISCAL ELETRÔNICA Sistema Tributário Brasileiro (1967) Obrigações acessórias em excesso, muitas vezes redundantes Verificação Fiscal complexa e trabalhosa Altos custos com emissão,

Leia mais

Regime Aduaneiro Especial de Entreposto Industrial sob Controle Informatizado

Regime Aduaneiro Especial de Entreposto Industrial sob Controle Informatizado Definição do Regime Regime Aduaneiro Especial de Entreposto t Industrial sob Controle Informatizado Esse regime permite à empresa importar com suspensão dos impostos federais e adquirir no mercado nacional,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Base de Cálculo e ICMS no DACTE - MG

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Base de Cálculo e ICMS no DACTE - MG Base de 08/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão... 4 5. Informações Complementares... 7 6. Referências...

Leia mais

5.564 cidades atendidas. 54 mil pontos de atendimento

5.564 cidades atendidas. 54 mil pontos de atendimento BOM DIA! Quem somos? 5.564 cidades atendidas 54 mil pontos de atendimento Distribuição diária: 50 mil carteiros que atendem 44 milhões de domicílios Maior rede logística intermodal do país: 2,6 milhões

Leia mais

empresas constantes de seus anexos, de acordo com o Estado da Federação em que estava localizado o contribuinte.

empresas constantes de seus anexos, de acordo com o Estado da Federação em que estava localizado o contribuinte. SPED O Sistema Público de Escrituração Digital, mais conhecido como Sped, trata de um projeto/obrigação acessória instituído no ano de 2007, através do Decreto nº 6.022, de 22 de janeiro de 2007. É um

Leia mais

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial Programa 0393 PROPRIEDADE INTELECTUAL Objetivo Garantir a propriedade intelectual e promover a disseminação de informações, visando estimular e diversificar a produção e o surgimento de novas tecnologias.

Leia mais

Manual de Utilização. Sistema Visão Integrada e módulo Anexação Eletrônica de Documentos. 2ª edição

Manual de Utilização. Sistema Visão Integrada e módulo Anexação Eletrônica de Documentos. 2ª edição Sistema Visão Integrada e módulo Anexação Eletrônica de Documentos Outubro de 2015 Índice 1 - Introdução... 4 2 - Formas de acesso... 4 3 - Página inicial... 4 3.1 Apresentação... 4 3.2 - Origem das informações...

Leia mais

Despacho Aduaneiro Desembaraço Aduaneiro de Importação. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012

Despacho Aduaneiro Desembaraço Aduaneiro de Importação. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 Despacho Aduaneiro Desembaraço Aduaneiro de Importação Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 1 Sistema Integrado de Comércio Exterior (SISCOMEX - Módulo Importação) INTEGRAÇÃO DOS ÓRGÃOS GOVERNAMENTAIS

Leia mais

Habilitação no SISCOMEX

Habilitação no SISCOMEX Habilitação no SISCOMEX Por JOSÉ ELIAS ASBEG Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Belém - Pará Em regra, o despacho aduaneiro é processado no SISCOMEX. Para que seja efetuada uma importação ou exportação

Leia mais

BOM DIA! Exportação simplificada como estratégia de expansão de negócios

BOM DIA! Exportação simplificada como estratégia de expansão de negócios BOM DIA! Exportação simplificada como estratégia de expansão de negócios Correios Quem somos? Empresa de administração pública. Missão: Fornecer soluções acessíveis e confiáveis para conectar pessoas,

Leia mais

PROGRAMA PORTAL ÚNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR. Coordenação

PROGRAMA PORTAL ÚNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR. Coordenação PROGRAMA PORTAL ÚNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR Coordenação 1 Instituído pelo Decreto nº 660, de 25 de setembro de 1992: O SISCOMEX é o instrumento administrativo que integra as atividades de registro, acompanhamento

Leia mais

SERVICE LEVEL AGREEMENT

SERVICE LEVEL AGREEMENT SERVICE LEVEL AGREEMENT SERVIÇOS PRESTADOS CERTIDÃO NEGATIVA ESTADUAL/ MUNICIPAL/ FEDERAL Este serviço consiste em fornecer a Certidão Negativa de Débitos Estadual/Municipal aos clientes e Assessorias

Leia mais

Carlos Biavaschi Degrazia. São Paulo, SP, 14 de julho de 2015

Carlos Biavaschi Degrazia. São Paulo, SP, 14 de julho de 2015 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior - SECEX Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX Coordenação-Geral de Exportação e Drawback

Leia mais

Esfera: 10 Função: 04 - Administração Subfunção: 122 - Administração Geral UO: 20204 - Instituto Nacional de Tecnologia da Informação - ITI

Esfera: 10 Função: 04 - Administração Subfunção: 122 - Administração Geral UO: 20204 - Instituto Nacional de Tecnologia da Informação - ITI Programa 1109 Massificação da Certificação Digital ICP-Brasil Numero de Ações 14 Ações Orçamentárias 09HB Contribuição da União, de suas Autarquias e Fundações para o Custeio do Regime de Previdência dos

Leia mais

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> O que é a nota fiscal eletrônica?... 6 >> O que muda com esse novo modelo de documento fiscal?... 8 >> O DANFE - Documento Acessório

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE (D.O 01 revisão 05, de 22 de março de 2011) 2 SUMÁRIO PARTE I INTRODUÇÃO

Leia mais

Art. 1º Os arts. 37, 41 e 52 da Instrução Normativa SRF nº 28, de 27 de abril de 1994, passam a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º Os arts. 37, 41 e 52 da Instrução Normativa SRF nº 28, de 27 de abril de 1994, passam a vigorar com a seguinte redação: Instrução Normativa RFB nº 1.096, de 13 de dezembro de 2010 DOU de 14.12.2010 Altera a Instrução Normativa SRF nº 28, de 27 de abril de 1994, que disciplina o despacho aduaneiro de mercadorias destinadas

Leia mais

Rede CIN CIN MS. Centro Internacional de Negócios FIEMS

Rede CIN CIN MS. Centro Internacional de Negócios FIEMS Rede CIN CIN MS Centro Internacional de Negócios FIEMS O que é a REDE CIN? Coordenada pela Confederação Nacional da Indústria - CNI, e criada com o apoio da Agência Nacional de Promoção de Exportações

Leia mais

SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL SPED FISCAL VANTAGENS E IMPORTÂNCIA

SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL SPED FISCAL VANTAGENS E IMPORTÂNCIA 1 SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL SPED FISCAL VANTAGENS E IMPORTÂNCIA Alfredo Baldini 1 * Acadêmico do Curso Ciências Contábeis Univás - Pouso Alegre/MG Fábio Luiz de Carvalho** Univás - Pouso

Leia mais

SOLUÇÕES ELETRÔNICAS EM COMÉRCIO EXTERIOR BALCÃO DE COMÉRCIO EXTERIOR

SOLUÇÕES ELETRÔNICAS EM COMÉRCIO EXTERIOR BALCÃO DE COMÉRCIO EXTERIOR SOLUÇÕES ELETRÔNICAS EM COMÉRCIO EXTERIOR BALCÃO DE COMÉRCIO EXTERIOR Gerência Regional de Apoio ao Comércio Exterior Salvador-BA, Julho/2008 Site de comércio exterior eletrônico onde empresas realizam

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Elaborado por: GT Especial do ABNT/CB-25 Grupo de Aperfeiçoamento do

Leia mais

Receita Federal do Brasil. 20 a 22 de maio de 2015

Receita Federal do Brasil. 20 a 22 de maio de 2015 FOCCO-PB 20 a 22 de maio de 2015. DEFINIÇÃO É um órgão subordinado ao Ministério da Fazenda que exerce funções essenciais para que o Estado possa cumprir seus objetivos. É responsável pela administração

Leia mais

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (ESAF/AFRF/1998) O transporte de mercadoria estrangeira contida

Leia mais

Caminhos para Exportar

Caminhos para Exportar NIEx NÚCLEO DE INTEGRAÇÃO PARA EXPORTAÇÃO Caminhos para Exportar 33º AgroEx Marco-CE ADILSON OLIVEIRA FARIAS Assessor técnico JULIANA CAETANO JALES Assistente técnico FASES DO PROCESSO EXPORTADOR Fase

Leia mais

NEW WORLD. Comercio Exterior e Logística Ltda.

NEW WORLD. Comercio Exterior e Logística Ltda. NEW WORLD Comercio Exterior e Logística Ltda. New World Logística A New World Logística é uma empresa especializada em Comércio Exterior e logística Internacional. New World Logística Fundada em 2004,

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE www.ucp.fazenda.gov.br PROGRAMAS EM ANDAMENTO Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM

Leia mais

Exportação Direta x Exportação Indireta

Exportação Direta x Exportação Indireta Exportação Direta x Exportação Indireta Por JOSÉ ELIAS ASBEG Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Na exportação direta o próprio fabricante, produtor ou revendedor remete (geralmente vende) a mercadoria

Leia mais

Comitê de Assuntos Federativos 24 de março de 2014. Tema de Pauta Plano de Trabalho do GT - Repositório Nacional de NFS-e

Comitê de Assuntos Federativos 24 de março de 2014. Tema de Pauta Plano de Trabalho do GT - Repositório Nacional de NFS-e Comitê de Assuntos Federativos 24 de março de 2014 Tema de Pauta Plano de Trabalho do GT - Repositório Nacional de NFS-e O que é? O Repositório Nacional da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e) é

Leia mais

Índice APRESENTAÇÃO... 1 CONFIGURAÇÕES DO SAGE ONE... 2 CADASTROS... 8 PRINCIPAL... 15 NOTAS FISCAIS... 16 2.1. Primeiros Passos...

Índice APRESENTAÇÃO... 1 CONFIGURAÇÕES DO SAGE ONE... 2 CADASTROS... 8 PRINCIPAL... 15 NOTAS FISCAIS... 16 2.1. Primeiros Passos... Índice 1. 2. 2.1. 2.2. 2.3. 2.4. 2.5. 2.6. 3. 3.1. 3.2. 3.3. 3.4. 3.5. 3.6. 3.7. 3.8. 4. 5. 5.1. 5.2. 5.3. APRESENTAÇÃO... 1 CONFIGURAÇÕES DO SAGE ONE... 2 Primeiros Passos... 2 Minha Empresa... 3 Certificado

Leia mais