SOFTWARES DE GERENCIAMENTO DE PROJETO: UMA AVALIAÇÃO DA USABILIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOFTWARES DE GERENCIAMENTO DE PROJETO: UMA AVALIAÇÃO DA USABILIDADE"

Transcrição

1 XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro de SOFTWARES DE GERENCIAMENTO DE PROJETO: UMA AVALIAÇÃO DA USABILIDADE Bruno Donnini Fachine (UNIARA) Camila de Araujo (USP) Os softwares de gerenciamento de projetos (SGPs) possuem um papel estratégico para a tomada de decisões nas organizações, estando diretamente ligado ao sucesso de projetos de desenvolvimento de novos produtos. Entretanto, existem várias crííticas na literatura, indicando problemas relacionados ao uso dos atuais SGPs, sendo uma das principais limitações entre os métodos/ferramentas/técnicas do gerenciamento de projetos. Essas limitações podem ser causadas devido à falta de usabilidade, que é um componente importante, relacionado diretamente à qualidade do software. Este trabalho investiga então a usabilidade de um SGP que figura entre os líderes de mercado, tendo por meta contribuir para a evolução dos SGPs. O artigo apresenta os conceitos associados aos SGPs, à usabilidade, bem como a avaliação do SGP selecionado. O método utilizado é o teste de usabilidade. Como resultado da avaliação tem-se a indicação de utilização de interfaces gráficas personalizadas. Palavras-chaves: Softwares de gerenciamento de projetos, Usabilidade; Interface

2 1. Introdução Os Softwares de Gerenciamento de Projetos (SGP) possuem um papel estratégico para a tomada de decisões nas organizações, dado que o modelo dominante em muitas delas para implementação de estratégias, transformação de negócios, melhoria contínua e desenvolvimento de novos produtos é o gerenciamento por projetos (WINTER et al, 2006). Os SGPs, que foram desenvolvidos a partir da década de 50, garantem a qualidade das informações dos projetos. Entretanto eles não sofreram alterações significativas até os dias atuais, tornando-se obsoletos em relação ao crescimento das inovações e complexidade do mercado. Estudos acadêmicos indicam esse problema, como o de White e Fortune (2002), que apontam os atuais SGPs como uma das principais limitações entre os métodos/ferramentas/técnicas do gerenciamento de projetos (GP). Outro estudo que apresenta críticas é o do Ren et al (2006), que baseados na experiência de proposição de uma solução específica para gerenciamento de projetos colaborativos, onde os autores afirmam que uma nova geração de ferramentas de planejamento de projetos precisa ser construída. Entretanto se existem críticas e estudos que demonstram os problemas dos SGPs, não existem propostas na literatura que busquem solucionar essas questões. Araujo (2008), em sua dissertação, apresenta uma revisão sistemática da literatura demonstrando essa ausência de estudos. Para a criação de novas propostas, levando-se em consideração as críticas existentes na literatura, a questão da usabilidade de sistemas computacionais deve ser avaliada, já que a usabilidade é a capacidade de um produto ser usado por usuários específicos para atingir objetivos específicos com eficácia, eficiência e satisfação em um contexto específico de uso" (ISSO , 1998). Assim sendo, este trabalho então propõe um estudo de usabilidade de um dos SGPs mais adotados atualmente. Para uma melhor compreensão este documento está organizado da seguinte forma: a seção 2 apresenta os conceitos relacionados aos SGPs, seguida dos conceitos de usabilidade e testes de usabilidade (seção 3). Já o objetivo e método deste trabalho são apresentados na seção 4 e os resultados na seção 5. Por fim, as conclusões e pesquisa futuras estão na seção Softwares de Gerenciamento de Projetos O gerenciamento de projetos inclui uma mistura complexa de atividades de planejamento, avaliação e tomada de decisões. As informações geradas no decorrer do projeto são fundamentais para o sucesso. Elas precisam ser coletadas, atualizadas e apresentadas de forma correta a todos os envolvidos no projeto. Para auxiliar nesse gerenciamento, tornou-se importante o uso de softwares como ferramenta de apoio. Na literatura, essas ferramentas aparecem com vários termos, tais como: Software de Gestão de Projetos, Ferramenta de Software para GP, Sistema de Informações para GP. Primeiramente, é adequado definir que o termo Software de Gerenciamento de Projetos (SGP) será adotado neste trabalho. O PMBOK (2004) define os SGPs como: aplicativos de software especificamente projetados para auxiliar a equipe de gerenciamento de projetos no planejamento, monitoramento e controle do projeto, inclusive: estimativa de custos, elaboração de cronogramas, comunicação, colaboração, 2

3 gerenciamento de configuração, controle de documentos, gerenciamento de registros e análise de risco. Importante também apresentar o conjunto de funcionalidades típicas dos SGPs (ARAUJO, 2008): - Gerenciamento de Atividades: registro, visualização e organização das atividades do projeto. Envolvem várias definições, tais como, de precedência, de duração, de esforço, Gráfico de Gantt e WBS. - Gerenciamento de Calendário e Agenda: organização e programação de um ou mais calendários para o projeto, recursos ou tarefas. - Gerenciamento de Recursos: gerenciamento das pessoas e materiais necessários para o projeto. Envolve funções de analise de alocação de recursos e seu nivelamento. - Gerenciamento de Custos: ajuda para preparação do orçamento e acompanhamento dos gastos do projeto. - Ferramentas de Monitoramento: funções para acompanhamento do projeto, como armazenamento de linhas de base e comparações entre parâmetros de planejamento atual com os parâmetros das linhas de base, bem como análise do valor agregado. - Gerenciamento de múltiplos projetos: funções para análise do portfólio da empresa e compartilhamento de dados entre os projetos. Ainda que com algumas variações das funcionalidades, a utilização de SGPs tornou-se uma necessidade para as empresas tentarem garantir o sucesso do desenvolvimento de seus projetos. Raymond e Bergeron (2008) dizem que 75% dos grandes projetos de TI, gerenciados com o auxílio dos SGPS, alcançam sucesso, enquanto 75% dos projetos gerenciamentos sem apoio das ferramentas falham. Os autores também apontam em seus estudos que a facilidade de uso é o ponto mais importante de um SGP. Porém problemas relacionados aos SGPs atuais são destacados na literatura, tais como White e Fortune (2002). Nesse estudo, os softwares de gerenciamento de projetos aparecem como uma das principais limitações entre os métodos/ferramentas/técnicas do gerenciamento de projetos. A maior dificuldade, apontada no estudo das pesquisadoras, é a obtenção de uma ferramenta que demonstre o mundo real dos projetos. Araujo e Amaral (2008) apresentam um estudo de caso múltiplo, em 4 empresas, mostrando os principais problemas com os SGPs adotados. Um dos problemas apontados é a utilização básica das funcionalidades. Maylor (2001) afirma que também que existe uma valorização e emprego excessivo do Gráfico de Gantt nos SGPs, levando a tendência de transformar gerentes de projeto em operadores de softwares computacionais, mais do que pessoas responsáveis pela discussão e negociação. Outros autores também podem ser citados relacionados às críticas dos métodos/ferramentas de gerenciamento de projetos: Moody e Dodgson (2006), Pons (2008). Combinando-se as críticas das limitações dos SGPs, do emprego do Gráfico de Gantt, com a subutilização das funcionalidades disponíveis, questiona-se então a causa dos problemas apresentados e se essa causa estaria relacionada à qualidade dos softwares de GP. Entretanto, a qualidade de um software envolve a qualidade da interface apresentada, a qual é responsável pela interação do usuário e deve primar pela qualidade da comunicação. Para avaliar essa questão, então tem-se a necessidade de verificar a usabilidade dos SGPs. O conceito de usabilidade e sua avaliação então é apresentado na próxima seção. 3

4 Desconhecimento da tarefa Conhecimento da tarefa 3. Usabilidade e testes de usabilidade O conceito de usabilidade, conforme apresentado na introdução deste artigo é usabilidade é a capacidade de um produto ser usado por usuários específicos para atingir objetivos específicos com eficácia, eficiência e satisfação em um contexto específico de uso" (ISSO , 1998). Já segundo Hix (1993, p. 3), a usabilidade é utilizada para descrever a qualidade da interação de uma interface diante de seus usuários. Porém a definição mais amplamente difundida é de Nielsen e Loranger (2007): A usabilidade é um atributo de qualidade relacionado à facilidade de uso de algo. Mais especificamente, refere-se à rapidez com que os usuários podem aprender a usar alguma coisa, a eficiência do usuário no uso do produto, o quanto lembram dele, seu grau de propensão a erros e o quanto gostam de utilizar o produto. Se as pessoas não puderem e/ou não utilizarem um recurso, ele pode muito bem não existir. São cinco os atributos tradicionalmente relacionados à usabilidade (NIELSEN, 1993; SHNEIDERMAN, 1998): - facilidade de aprendizado; - facilidade de memorização de tarefas no caso de uso intermitente; - produtividade dos usuários na execução de tarefas; - prevenção, visando a redução de erros por parte do usuário; - satisfação subjetiva do usuário. Pode-se então compreender que os princípios de usabilidade tratam de dois aspectos relevantes: a tarefa e as características individuais dos usuários. Deve-se considerar também, segundo Nielsen (1993), três dimensões em relação à experiência do usuário: uso do sistema, uso de computadores em geral e domínio da aplicação. A figura 1 apresenta essas dimensões. Mínima experiência computacional Usuário novato do sistema Usuário experiente do sistema Máxima experiência computacional Figura 1. Três dimensões das experiências dos usuários. 4

5 Fonte: Adaptado de Nielsen (1993) Visto os princípios da usabilidade e as dimensões de experiência do usuário, parte-se então para uma avaliação dessa: o teste de usabilidade. Levi e Conrad (2002) definem o teste de usabilidade como o processo pelo qual as características de interação homem-computador de um sistema são medidas, e as fraquezas são identificadas para correção. Esse método de avaliação é centrado no usuário e para ser realizado é necessária a existência de uma implementação real do sistema em algum formato, que pode variar desde simulação da capacidade interativa do sistema até a implementação completa. Segundo Rocha e Baranauskas (2003) testes de usabilidade são o principal modo de avaliar interfaces e certamente o mais tradicional. A forma mais comum de se avaliar a usabilidade de um software é observando a sua interação com o usuário. A partir de questionários com tarefas a serem realizadas pelo usuário-teste, é possível abordar várias formas de realizar a mesma tarefa, tornando assim o teste muito mais eficaz, revelando seus pontos fracos. Segundo Rocha e Baranauskas (2003), o teste de usabilidade deve seguir algumas etapas para ser realizado, assim garantindo um melhor resultado. No total são quatro etapas a serem seguidas. São elas: a) Preparação: nesta etapa todo o equipamento a ser utilizado no teste é analisado para garantir que nenhuma informação anteriormente inserida possa afetar o resultado do teste, como resultados de testes predecessores. b) Introdução: esta etapa está relacionada ao primeiro contato do usuário com as tarefas que terá de realizar. Alguns pontos importantes que devem ser direcionados ao usuário são que o teste tem como propósito testar o sistema e não o usuário; esse não devem hesitar em expressar seus pensamentos por achar que irão magoar o experimentador e os resultados do teste servirão para melhorar a interface para o usuário. c) Teste: durante o teste deve existir somente um experimentador em contato com o usuário. É importante destacar que deve-se evitar qualquer tipo de comentário ou expressões sobre a performance ou observações do usuário, também deve-se evitar ajudar o usuário, a não ser que o mesmo se encontre em grandes dificuldades. d) Sessão final: depois do tempo definido para completar as tarefas, os participantes são convidados a fazerem comentários ou sugestões gerais ou a responderem um questionário específico. Gravar em vídeo os participantes efetuando as tarefas é um recurso valioso para intensificar a avaliação, entretanto a análise de vídeos é muito trabalhosa. Portanto é importante também fazer anotações, para diminuir o tempo em encontrar acontecimentos específicos (HARRISON, 1991 apud ROCHA e BARANAUSKAS, 2003, p. 46). Através desta análise, é possível entender o que houve de errado, e então sugerir uma solução para o erro em questão. Outra técnica bastante efetiva durante um teste de usabilidade é o pensar em voz alta (Think-aloud), que consiste em o usuário falar em voz alta o que está pensando no momento da realização de suas tarefas. Ao utilizar esta técnica, existe a possibilidade de surgir muitas sugestões espontâneas de melhorias (ROCHA e BARANAUSKAS, 2003). Apresentados então os conceitos de usabilidade e teste de usabilidade, pode-se então verificálos nos SGPs, a fim de se obter a resposta ao questionamento se causa dos problemas dos softwares de gerenciamento de projetos está relacionada com a qualidade de sua interface. 5

6 4. Objetivo e método de pesquisa O objetivo deste trabalho é avaliar a usabilidade de um SGP e verificar se essa está relacionada com causa dos problemas citados na literatura. Para tanto foi escolhido um SGP que figura entre os líderes do mercado. Assim, a meta principal do estudo é contribuir com a evolução dos SGPs, identificando melhorias por meio de um caso prático, utilizando para tanto o método do teste de usabilidade. Para a realização do teste de usabilidade, as seguintes etapas foram empregadas: 1) seleção do SGP a ser examinado; 2) planejamento do teste de usabilidade; 3) seleção do participante; 4) aplicação do teste de usabilidade e 5) análise e documentação dos dados. Cada uma das etapas está explicada a seguir. Seleção do SGP: a ferramenta escolhida foi o software MS Project Tal aplicativo foi escolhido por ser uma das plataformas mais difundidas e ser utilizado em empresas de diferentes tamanhos. Este SGP também figura entre os líderes no relatório do Quadrante Mágico, do Gartner Group, que é uma das mais respeitadas mundialmente, no ano de 2009, conforme pode ser observado na figura 2. Figura 2. Magic Quadrant for ITT Projects, com MS-Project no quadrante dos líderes Fonte: Gartner Group (2009) Planejamento do teste de usabilidade: Para avaliar o software citado na etapa anterior, foi necessário criar um projeto fictício, com todas as informações necessárias - tarefas, duração de tarefas e seu sequenciamento, além de recursos do projeto. Em seguida foi elaborada uma lista de atividades que o participante teria que executar, com base nas funcionalidades oferecidas pelo software escolhido. A lista continha 15 atividades no total, contemplando 6

7 desde inserção de tarefas do projeto até a inserção de recursos. O participante deveria tentar realizar todas as atividades propostas dentro do período de 45 minutos. Como resultado final, o participante teria o planejamento das tarefas de um pequeno projeto, com 27 tarefas no total, distribuição de recursos e geração de um gráfico de Gantt. Cabe salientar que as atividades propostas fazem uso das funcionalidades básicas dos SGPs, citadas na seção 2. Também no planejamento do teste foi definido que o pesquisador seria só observador, não podendo interferir durante a realização das atividades, somente solicitando ao participante, antes do início do teste, a utilização da técnica Pensar em voz alta (Think aloud). Todo o processo do software seria gravado em vídeo para posterior análise. Seleção do participante: Optou-se por um participante com idade entre 20 e 25 anos, com excelentes conhecimentos em informática e bons conhecimentos sobre gerenciamento de projetos. O objetivo desta escolha foi minimizar falhas no teste devido à falta de bons conhecimentos em informática. Porém, cabe enfatizar que o participante, apesar dos bons conhecimentos em gerenciamento de projetos, não utiliza o software escolhido em suas atividades diárias. Levando-se em consideração as dimensões de experiência do usuário propostas por Nielsen (1993), o usuário escolhido se encaixaria nas seguintes posições, demonstradas nas figuras 3 e 4, a seguir: Figura 3. Localização do usuário nas dimensões: Conhecimento da tarefa e Experiência Computacional Fonte: autoria própria 7

8 Figura 4 - Localização do usuário nas dimensões: Experiência no sistema e Experiência Computacional Fonte: autoria própria Aplicação do teste de usabilidade: Foi determinado um dia e horário de acordo com a disponibilidade do participante. O local escolhido para o teste foi o próprio ambiente de trabalho do participante. Foi disponibilizado um computador portátil com o software a ser testado. Também foi entregue ao participante uma folha com a descrição das tarefas e uma segunda folha contendo uma representação gráfica das atividades do projeto proposto. O pesquisador ficou ao lado do participante durante a aplicação do teste para anotar suas observações não-participantes. Análise e documentação dos dados: ao final do teste, o pesquisador pode analisar o vídeo gerado durante o desenvolvimento do processo. A análise pode ser feita a partir da combinação do vídeo com as observações não-participantes obtidas durante o teste. A seção a seguir apresenta os resultados da análise do teste de usabilidade. 5. Resultados Como apresentado na seção anterior, no planejamento do teste de usabilidade, ao final da sequência de atividades propostas, o participante teria o planejamento das tarefas de um pequeno projeto, com 27 tarefas no total, distribuição de recursos e geração de um gráfico de Gantt. A lista de atividades propostas ao usuário, bem como a lista de tarefas do projeto estão disponíveis nos apêndices A e B, respectivamente. O tempo proposto foi de 45 minutos, visto que o desenvolvimento das atividades solicitadas poderia ser executado em no máximo 10 minutos por uma pessoa habituada a trabalhar com o software analisado. Entretanto o participante não conseguiu terminar o teste no tempo proposto. Dentro do hall de atividades solicitadas, algumas não apresentaram dificuldades em sua realização, tais como inserção de tarefas, inserção de colunas e alterar visão do projeto. O próprio participante explicou que a facilidade encontrada deve-se à padronização deste tipo 8

9 de atividade nos demais softwares do pacote Office da Microsoft. Entretanto em outras atividades, como escolha de padrão de tabela de custo, alteração da data de início e de fim do projeto, alteração da métrica de dias para horas, aninhamento de tarefas e numeração das tarefas grandes dificuldades foram observadas. O participante recorreu ao Help do sistema várias vezes e mesmo assim não conseguiu realizar o proposto ou realizou de forma errônea. De acordo com as observações e dizeres do participante, a interface oferecia muitas funcionalidades, porém nem sempre aquelas que ele precisaria no momento. Algumas ações solicitadas não foram executadas devido à variação de localização de funcionalidades entre o pacote Office da Microsoft (Word, Excel, PowerPoint) e o Project A questão da interface foi citada durante o teste pelo participante como agente dificultador. Fica claro que, por motivos de interface, a realização das atividades pode ser comprometida no estudo realizado. Para cada um dos atributos da usabilidade citados na seção 3, pode-se afirmar que: - Quanto à facilidade de aprendizado: o participante apresentou relativa facilidade de aprendizado, já que utilizou referências do pacote Office para realização das tarefas. Porém não foi avaliada estatisticamente tal facilidade; - Quanto à facilidade de memorização de tarefas no caso de uso intermitente: também pelo motivo da referência das funcionalidades e disposição da interface com o Pacote Office, o participante apresentou facilidade de memorização de tarefas; - Quanto à produtividade dos usuários na execução de tarefas: o participante não conseguiu realizar todas as atividades que foram solicitadas; - Quanto à prevenção, visando a redução de erros por parte do usuário: pelo teste realizado, não foram observados dados suficientes para que esse atributo fosse avaliado; - Quanto à satisfação subjetiva do usuário: por não conseguir cumprir por completo o que foi proposto, o participante sentiu-se frustrado. Sendo o MS-Project um dos SGPs mais difundidos e utilizados, ainda assim este apresenta dificuldades para os usuários, corroborando com os estudos de White e Fortune (2002). Uma possibilidade para resolver problemas como estes apresentados no teste seria a utilização de interfaces gráficas personalizadas, que tem por objetivo reduzir a complexidade visual, segundo Findlater e McGrenere (2009). A direção apontada pelos autores pode auxiliar no desenvolvimento deste projeto. 6. Conclusões e considerações finais Com a análise do teste constatou-se que existem questões críticas relacionados à usabilidade do SGPs. Essas questões podem acarretar problemas e limitações no uso dos SGPs, indo ao encontro com as críticas da literatura. Entretanto não é possível, somente com este estudo, afirmar que a falta de usabilidade é a única causa dos problemas citados pela literatura. A limitação deste estudo está relacionado ao teste de uma única ferramenta, neste caso o Ms- Project. Porém muitos SGPs apresentam funcionalidades similares e um padrão de interface semelhante. Esta é uma área que poderia ser mais bem analisada em estudos futuros, já que a facilidade de uso foi apontada como o ponto mais importante de um SGP por estudiosos da área. 9

10 Como próximos passos, dando continuidade a esta pesquisa, pretende-se desenvolver proposta de nova uma interface para o SPG estudado, de forma a trabalhar melhor as visualizações gráficas das funcionalidades e contribuir com melhorias para novos SGPs, de forma a facilitar sua utilização pelos usuários. Referências bibliográficas ARAUJO, C. Softwares de apoio ao gerenciamento ágil de projetos colaborativos de novos produtos: análise teórica e identificação de requisitos. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção). Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, ARAUJO, C.; AMARAL, D. C. A comparative analisys of project management information systems to support concurrent engineering. In: Richard Curran; Shuo-Yan Chou; Amy Trappey. (Org.). Collaborative Product and Service Life Cycle Management for a Sustainable World. 1 ed. Londres: Springer, 2008, v., p FINDLATER, L.; MCGRENERE, J. Beyond performance: Feature awareness in personalized interfaces. International Journal Human-Computer Studies. v.68, n.3, pp , GARTNER GROUP. Magic Quadrant for IT Project and Portfolio Management Disponível em < >. Acesso em 15 jan HIX, D.; HARTSON, H. R. Developing User Interfaces: Ensuring Usability Through Product & Process. New York: John Wiley & Sons, Inc., p. 3. ISO 9241 Part 11. Ergonomic requirements for office work with visual display terminals:part 11 Guidelines on usability LEVI, M. D.; CONRAD, F. G. Usability testing of world wide web sites. Disponível em <http://stats.bls.gov/ore/htm%5fpapers/st htm>. Acesso em 13 abril MAYLOR, H. Beyond the Gantt Chart: project management moving on. Business Management Journal, v.19, n.1, pp , MOODY, J. B.; DODGSON, M. Managing Complex Collaborative Projects: Lessons from the Development of a New Satellite. Journal of Technology Transfer, v.31, n.5, p , setembro, NIELSEN, J. Usability Engineering. Academic Press, Cambridge, MA, NIELSEN, J.; LORANGER, H. Usabilidade na Web: projetando websites com qualidade. Rio de Janeiro> Elsevier, Campus, PMBOK. Um guia do conjunto de conhecimentos em gerenciamento de projetos. Mass.: Project Management Institute, Inc, PONS, D. Project management for new product development. Project Management Journal, v. 39, n. 2, p , junho, REN, Z. et al. Collaborative project planning: A case study of seismic risk analysis using an e-engineering hub. Computers in Industry, v.57, n. 3, , abril, RAYMOND, L.; BERGERON, F. Project management information systems: An empirical study of their impact on project managers and project success. International Journal of Project Management. v.26, p , ROCHA, H. V. BARANAUSKAS, M C. C. Design e avaliação de interfaces humano-computador. Campinas, SP: NIED/UNICAMP, 2003 SHNEIDERMAN, B. Designing the User Interface: Strategies for Effective Human-Computer Interaction, 3ª ed., Addison-Weslley, WHITE, D.; FORTUNE, J. Current practice in project management: an empirical study. International Journal of Project Management, v. 20, n. 1, p. 1-11, janeiro, WINTER, M. et al. Directions for future research in project management: the main findings of a UK government-funded research network. International Journal of Project Management, v. 24, n. 8, p , 10

11 novembro,

12 Apêndice A Lista de tarefas a realizar 1. Inserir uma tarefa (Task) na Tabela de Tarefas. 2. Inserir uma nova coluna (Early Start) à tabela. 3. Escolha uma padrão de tabela do tipo Custo (Cost) para ser utilizado. 4. Altera a visão para Network Diagram. 5. Altere as configurações do arquivo com a data do projeto Start Date e End Date (Utilizar data atual + 3 dias, respectivamente) e selecione que ele será planejado para frente (Project Start Date). 6. Altere a métrica do campo Duração (Duration) do arquivo de dias (days) para horas (hours). 7. Altere a visão para Gráfico de Gantt (Gantt Chart). 8. Adicione um primeiro item na tabela: Jardim Pronto 9. Adicione um segundo item na tabela: Projeto aprovado pelo Cliente. Faça o aninhamento desta segunda tarefa dentro da primeira. 10. Completar a lista de tarefas de acordo com o impresso entregue. 11. Enumerar as tarefas (Task) da tabela de tarefas de acordo com o impresso entregue. 12. Criar relação de sequencia Levantar requisitos com o cliente para o item , com o Tipo Termino-a-Inicio (Finish-to-Start [FS]). 13. Alterar ordem de sequencia no gráfico de Gantt (Gantt Chart), que se encontra ao lado da tabela de tarefas. 14. Cadastrar o recurso abaixo na planilha de recursos (Resource Sheet) e voltar para a visão do Gráfico de Gantt (Gantt Chart). Resource Name: Bourle-Marx Type: Trabalho Initials: BMX Group: Administrativo Max. Units: 100% 15. Relacionar o recurso acima com o item 1.1 da tabela de tarefas seguindo a seguinte ordem: Alterar a duração da tarefa para 2 dias. Alterar o tipo de tarefa (Task Type) para Fixed Units. Adicionar o recurso (resource) Bourle-Marx. Alterar a Coluna Duração (Duration) para Trabalho (Work). 12

13 13

14 Apêndice B Representação em lista da WBS final proposta para o teste de usabilidade: 1 Jardim Pronto 1.1 Projeto Aprovado pelo Cliente Levantar requisitos com o cliente Preparar possíveis soluções de jardim Desenhar diferentes alternativas Preparar orçamento estimado de cada alternativa Apresentar soluções ao cliente Detalhar solução escolhida pelo cliente Preparar desenho final da solução Preparar lista de materiais completa Preparar orçamento final Obter aceitação formal do cliente 1.2 Sistema de irrigação instalado Preparar terreno Remover entulho Analisar o solo Corrigir e preparar o solo Instalar sistemas 1.3 Cerca Construída Comprar material da cerca Receber o material da cerca Instalar o material da cerca 1.4 Plantas colocadas Comprar plantas (grama, árvores e arbustos) Plantar árvores e arbustos Plantar grama Molhar terreno 14

Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos

Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos Aula 1 Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com http://www.bolinhabolinha.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com

Leia mais

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller 1 Introdução O objetivo deste trabalho é verificar a eficiência da Avaliação com o Usuário e da

Leia mais

Unidade II. Outras ferramentas que também auxiliam o gerenciamento de projetos são: WBS, gráficos Gantt, PERT/CPM, ECD, entre outros.

Unidade II. Outras ferramentas que também auxiliam o gerenciamento de projetos são: WBS, gráficos Gantt, PERT/CPM, ECD, entre outros. GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Unidade II 2 FERRAMENTAS PARA GESTÃO DE PROJETOS A gestão de projeto como já visto no capítulo anterior é uma tarefa trabalhosa que requer muito controle. Assim, para ajudar

Leia mais

Avaliação de Interfaces Humano- Computador

Avaliação de Interfaces Humano- Computador Avaliação de Interfaces Humano- Computador Classificação de métodos de avaliação Inspeção de usabilidade Não envolve usuários Usado em qualquer fase do desenvolvimento do sistema Testes de usabilidade

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

Proposta. Gerenciando Projetos com Microsoft Project. Apresentação Executiva. Gerenciando Projetos com Ms-Project

Proposta. Gerenciando Projetos com Microsoft Project. Apresentação Executiva. Gerenciando Projetos com Ms-Project Gerenciando Projetos com Microsoft Project Apresentação Executiva 1 O Microsoft Project é utilizado principalmente para o planejamento e controle de projetos. Atualmente é a ferramenta mais utilizada no

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DO GOOGLE CODE NO GERENCIAMENTO ÁGIL DE PROJETO

ESTRATÉGIAS PARA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DO GOOGLE CODE NO GERENCIAMENTO ÁGIL DE PROJETO XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Gestão de Projetos MBE_UFRGS_2012

Gestão de Projetos MBE_UFRGS_2012 Gestão de Projetos MBE_UFRGS_2012 Istefani Carísio de Paula Programa 07/03 - Conceitos, definições e método de GP 14/03 Gestão de Portfólio 21/03- Gestão de Portfólio 28/03 Iniciação e Planejamento do

Leia mais

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1.

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica ESPECIFICAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UMA FERRAMENTA AUTOMATIZADA DE APOIO AO GERSE: GUIA DE ELICITAÇÃO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS EMBARCADOS Autor(es) BARBARA STEFANI

Leia mais

Gestão de Projetos em Design. Aula 05 Gestão de projetos /

Gestão de Projetos em Design. Aula 05 Gestão de projetos / Escola Politécnica da USP Departamento Engenharia Produção - Aula 05 projetos / Planejamento do escopo WBS / EAP Agosto/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 05 O que é escopo do projeto? Como finir a

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft Project 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Barra de Ferramentas de Acesso Rápido

Leia mais

EMENTA E8 E9. PIP Trabalho Final de Planejamento Integrado (Projetos e Sub-Projetos) MIP Medição do Projeto ESTUDO DE CASO

EMENTA E8 E9. PIP Trabalho Final de Planejamento Integrado (Projetos e Sub-Projetos) MIP Medição do Projeto ESTUDO DE CASO Anexo 1 - Escopo do Curso de Ferramenta de Apoio ao Gerenciamento de Projetos MSProject 2010 Abordagem PMBOK 4ª Edição E1 Elaborar Termo de Abertura do Projeto (TAP) e Registro das Especificações do Projeto

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft Project 2013 apresenta uma aparência diferente das versões anteriores; desse modo, criamos este guia para ajudá-lo a minimizar a curva de aprendizado. Barra de Ferramentas

Leia mais

Testes de Usabilidade

Testes de Usabilidade Testes de Usabilidade Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Setembro de 2012 Prof. Edwar Saliba Júnior 1 Reflexão Ao fazer referência à questão da qualidade da relação

Leia mais

VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB

VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB Rogério Fernandes da Costa Professor especialista Faculdade Sumaré rogerio.fernandes@sumare.edu.br Resumo: O presente estudo tem como objetivo abordar

Leia mais

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS Conectt i3 Portais Corporativos Há cinco anos, as empresas vêm apostando em Intranet. Hoje estão na terceira geração, a mais interativa de todas. Souvenir Zalla Revista

Leia mais

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 29 3.1 GERENCIAMENTO DO ESCOPO O Gerenciamento do Escopo do Projeto engloba os processos necessários para assegurar que o projeto inclua todas

Leia mais

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007 1 Inicie um novo Antes de começar um novo, uma organização deve determinar se ele se enquadra em suas metas estratégicas. Os executivos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS PROJETO NOVAS FRONTEIRAS DECLARAÇÃO DE TRABALHO TREINAMENTO STATEMENT OF WORK Preparado por Nelson Azevedo Membro do Time Versão 1 Aprovado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto 28/11/2010 Propósito

Leia mais

Análise e Acompanhamento de Projetos. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 54p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Análise e Acompanhamento de Projetos. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 54p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor Clorisval Gomes Pereira Júnior Possui graduação em Desenho Industrial pela Universidade de Brasília (1993), graduação em Educação Artística pela Universidade de Brasília (1989) e mestrado em Design

Leia mais

Usando o MS Project 2010 em Gerenciamento de Projetos

Usando o MS Project 2010 em Gerenciamento de Projetos Darci Prado Usando o MS Project 2010 em Gerenciamento de Projetos SEÇÃO A: CONHECIMENTOS BÁSICOS SEÇÃO A-1: PLANEJAMENTO DE UM PROJETO 1. Uso do Computador em Gerenciamento de Projetos: o MS-Project........................

Leia mais

Trabalho Interdisciplinar. MS Project

Trabalho Interdisciplinar. MS Project Aula Prática: Introdução ao Microsoft Project Professional MS Project Como vimos em nossas aulas, a EAP Estrutura Analítica do Projeto é o primeiro passo para criar um cronograma de um projeto estruturado.

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM 19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM Autor(es) ANDRE BERTIE PIVETTA Orientador(es) KLAUS SCHÜTZER Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ 1. Introdução

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO Departamento: Disciplina: Pré-Requisitos: - I D E N T I F I C A Ç Ã O Sistemas de Informação Gerência de Projetos (GEP) CH: 72 h/a Curso: Bacharelado em Sistemas de Informação Semestre: 2011/1 Fase: 8ª

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

ITIL - Information Technology Infraestructure Library

ITIL - Information Technology Infraestructure Library ITIL Biblioteca de infra estrutura de TI (do Inglês, Information Technology Infraestructure Library) e ISO/IEC 20.000 ITIL - Information Technology Infraestructure Library Foi criado no fim dos anos 80

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Declaração de trabalho do projeto. Caso de negócio. Fatores ambientais da empresa. Estratégia de gerenciamento das partes interessadas.

Declaração de trabalho do projeto. Caso de negócio. Fatores ambientais da empresa. Estratégia de gerenciamento das partes interessadas. 30 Estratégia de gerenciamento das partes interessadas. Eles serão descritos nas subseções a seguir. Declaração de trabalho do projeto A declaração de trabalho do projeto descreve o produto, serviço ou

Leia mais

Modelos do Design de Software

Modelos do Design de Software Modelos do Design de Software Modelos do Design de Software O processo de design na Engenharia de Software parte de três pressupostos básicos: O resultado do design é um produto; O produto é derivado de

Leia mais

Ferramenta Colaborativa para Groupware

Ferramenta Colaborativa para Groupware Ferramenta Colaborativa para Groupware Rodolpho Brock UFSC Universidade Federal de Santa Catarina INE Deparrtamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Sistema de Informação rbrock@inf.ufsc.br

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK Cleber Lecheta Franchini 1 Resumo:

Leia mais

Uma Abordagem para Condução de Iniciativas de Melhoria de Processos de Software

Uma Abordagem para Condução de Iniciativas de Melhoria de Processos de Software Uma Abordagem para Condução de Iniciativas de Melhoria de Processos de Software Mariano Montoni, Cristina Cerdeiral, David Zanetti, Ana Regina Rocha COPPE/UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

Autor(es) TIAGO CINTO. Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução

Autor(es) TIAGO CINTO. Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica MODULO DE GERÊNCIA DE INTERFACES COM O USUÁRIO: ESTUDO, DEFINIÇÃO E ELABORAÇÃO DE INTERFACES INTELIGENTES PARA A FERRAMENTA KIRA Autor(es) TIAGO CINTO Orientador(es)

Leia mais

Rogério Fernandes da Costa rogerio@nrsystem.com

Rogério Fernandes da Costa rogerio@nrsystem.com Rogério Fernandes da Costa rogerio@nrsystem.com Rogério Fernandes da Costa MBA em Gestão de Projetos pelo Centro Universitário de Santo André. Vivência em projetos em empresas como Termomecânica, FIESP

Leia mais

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS 3.INTERNET 3.1. Internet: recursos e pesquisas 3.2. Conhecendo a Web 3.3. O que é um navegador?

Leia mais

Simulações em Aplicativos

Simulações em Aplicativos Simulações em Aplicativos Uso Avançado de Aplicativos Prof. Marco Pozam mpozam@gmail.com A U L A 0 5 Programação da Disciplina 20/Agosto: Conceito de Project Office. 27/Agosto: Tipos de Project Office.

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Laboratório de Tecnologia de Software LTS www.ufpa.br/lts Rede Paraense de Pesquisa em Tecnologias de Informação

Leia mais

Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI

Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI Adriano Olimpio Tonelli Redes & Cia 1. Introdução A crescente dependência entre os negócios das organizações e a TI e o conseqüente aumento

Leia mais

Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade

Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade Maria Luiza Guerra de Toledo Coordenar e conduzir um projeto de melhoria da qualidade, seja ele baseado no Seis Sigma, Lean, ou outra metodologia

Leia mais

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Residência em Arquitetura de Software Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Desenvolvimento 2008.2 Faculdade de Computação

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

Pesquisa de Maturidade do GERAES. Data de aplicação: 21/02/08

Pesquisa de Maturidade do GERAES. Data de aplicação: 21/02/08 Pesquisa de Maturidade do GERAES Data de aplicação: 21/02/08 Pesquisa de Maturidade Metodologia MPCM / Darci Prado Disponível em www.maturityresearch.com Metodologia da pesquisa 5 níveis e 6 dimensões

Leia mais

AVALIAÇÃO DE INTERFACES DE FERRAMENTAS CASE PARA ELABORAÇÃO DE DIAGRAMAS DA UML RESUMO

AVALIAÇÃO DE INTERFACES DE FERRAMENTAS CASE PARA ELABORAÇÃO DE DIAGRAMAS DA UML RESUMO AVALIAÇÃO DE INTERFACES DE FERRAMENTAS CASE PARA ELABORAÇÃO DE DIAGRAMAS DA UML Fábio Junior Alves Ernani Vinícius Damasceno Leandro Pinheiro Bevenuto RESUMO Um dos benefícios oferecidos pelas ferramentas

Leia mais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais Tecnologia e Mídias Digitais PUC SP Prof. Eduardo Savino Gomes 1 Afinal, o que vem a ser Gestão? 2 Gestão/Gerir/Gerenciar Gerenciar, administrar, coordenar

Leia mais

FERRAMENTA CASE PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS E MÉTRICAS DE SOFTWARE

FERRAMENTA CASE PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS E MÉTRICAS DE SOFTWARE FERRAMENTA CASE PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS E MÉTRICAS DE SOFTWARE 1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar Rua Uruguai, 458 Centro Itajaí(SC) CEP: 88.302-202

Leia mais

Plano de Projeto G Stock. G Stock. Plano de Projeto. Versão 1.0

Plano de Projeto G Stock. G Stock. Plano de Projeto. Versão 1.0 Plano de Projeto G Stock Plano de Projeto G Stock Versão 1.0 Histórico das Revisões Data Versão Descrição Autores 10/09/2010 1.0 Descrição inicial do plano de projeto Denyson José Ellís Carvalho Isadora

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

PMI (PROJECT MANAGEMENT INSTITUT) A PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS

PMI (PROJECT MANAGEMENT INSTITUT) A PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS PMI (PROJECT MANAGEMENT INSTITUT) A PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS Resumo Thomas Henrique Gris(G UEM) Flávia Urgnani (G-UEM) Hevilla Juliane Alto É(G-UEM) José Braz Hercos Jr(UEM) O estudo de

Leia mais

Borland: Informatizando TI. João Carlos Bolonha jbolonha@borland.com

Borland: Informatizando TI. João Carlos Bolonha jbolonha@borland.com Borland: Informatizando TI João Carlos Bolonha jbolonha@borland.com Software Diferentes Níveis Extrair o Máximo Valor para o Negócio Eficiência Vantagem Competitiva Copyright 2007 Borland Software Corporation.

Leia mais

Apresentação do Professor. Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini 20/11/2013

Apresentação do Professor. Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini 20/11/2013 Apresentação do Professor Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Formação Acadêmica: Bacharel em Sistemas de Informação Pós graduado em Didática e Metodologia para

Leia mais

Introdução. AULA 2 A Organização empresarial e a gestão de projetos. Tema relevante em diversas áreas

Introdução. AULA 2 A Organização empresarial e a gestão de projetos. Tema relevante em diversas áreas Universidade do Sagrado Coração Introdução a Gestão de Projetos Paulo Cesar Chagas Rodrigues AULA 2 A Organização empresarial e a gestão de projetos Iniciação 30/set/2008 Engenharia de Produto 2 2 Introdução

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

Gerência de Portfólio de Projetos com IBM Rational Portfolio Manager

Gerência de Portfólio de Projetos com IBM Rational Portfolio Manager Gerência de Portfólio de Projetos com IBM Rational Portfolio Manager Sumário Sumário O problema O desafio IBM Rational Portfolio Manager O problema Cenário atual 84% das organizações ou não montam o business

Leia mais

Projeto 4D: Gerenciamento e Simulação de projetos industriais com o Autodesk Navisworks

Projeto 4D: Gerenciamento e Simulação de projetos industriais com o Autodesk Navisworks Projeto 4D: Gerenciamento e Simulação de projetos industriais com o Autodesk Navisworks Diego de Oliveira Potapczuk teewe Serão apresentadas as soluções desenvolvidas pela teewe sobre a plataforma do Navisworks,

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Criando EAP. Planejando a qualidade. Criando a Estrutura Analítica do Projeto

Leia mais

Metodologia de Projetos. André Gomes Coimbra

Metodologia de Projetos. André Gomes Coimbra Metodologia de Projetos André Gomes Coimbra Cronograma Aula 3 Trabalho (10 pts) Aula 5 Avaliação (5 pts) Aula 9 Exercício (10 pts) Aula 10 Apresentação do projeto REDES (25 pts) Aula 11 Avaliação (10 pts)

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO. Caio Cesar

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO. Caio Cesar DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO Caio Cesar Caio Cesar? Ensino / Pesquisa / Consultoria Comunicação online Marketing Design de Interação www.caiocesar.cc Tema de hoje Design Centrado no Usuário O quê? Por quê?

Leia mais

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção Palestrante: Eng. José Wagner Braidotti Junior - Treinamentos 1) Indicadores de Desempenho da Manutenção Benchmarking 16 horas 2) 5 S Base para a Manutenção

Leia mais

Microsoft Project 2003

Microsoft Project 2003 [Módulo 1] Microsoft Project 2003 Apresentação do software 1 Características do Software. Principal ferramenta para o Gerenciamento de Projetos; Versátil, fácil utilização e interface prática; Uso da Internet

Leia mais

Tópicos Especiais em Engenharia de Software

Tópicos Especiais em Engenharia de Software Tópicos Especiais em Engenharia de Software andre@faccamp.br Ian Sommerville 2000 - Software Engineering, 6th edition Slide 1 Tópicos Especiais em Engenharia de Software Gerenciamento de Projeto de Software

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Aula 01 Introdução Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, julho de 2013 Roteiro PARTE I Apresentação da Disciplina Apresentação do Professor Metodologia

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Tecnologia gerando valor para a sua clínica.

Tecnologia gerando valor para a sua clínica. Aumente a eficiência de seu negócio O sclínica é a ferramenta ideal para a gestão de clínicas de diagnóstico. Desenvolvido a partir das necessidades específicas deste mercado, oferece uma interface inteligente,

Leia mais

W Projeto. Gerenciamento. Construindo a WBS e gerando o Cronograma. Autor: Antonio Augusto Camargos, PMP 1/12

W Projeto. Gerenciamento. Construindo a WBS e gerando o Cronograma. Autor: Antonio Augusto Camargos, PMP 1/12 W Projeto BS Construindo a WBS e gerando o Cronograma. Gerenciamento Autor: Antonio Augusto Camargos, PMP 1/12 Índice Remissivo Resumo...3 1. Introdução...3 2. Conceituando a WBS (Work Breakdown Structure/Estrutura

Leia mais

02/10/2012. Padronização de interfaces. Referências

02/10/2012. Padronização de interfaces. Referências Referências Engenharia de Usabilidade Prof.: Clarindo Isaías Pereira da Silva e Pádua Contribuição: Cláudio Márcio de Souza Vicente Gestus Hix, D.; Hartson, H. R. Developing User Interfaces: ensuring usability

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel

Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel Carlos Alberto Ferreira Bispo (AFA) cafbispo@siteplanet.com.br Daniela Gibertoni (FATECTQ) daniela@fatectq.com.br

Leia mais

Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final

Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final Simone Diniz Junqueira Barbosa Versão: 1.0.4 Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final Sumário 1 Introdução... 3 2 Projeto

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS PROFESSOR: Itair Pereira da Silva DISCENTES: Maria das Graças João Vieira Rafael Vitor ORGANOGRAMA PRESIDENTE GERENTE

Leia mais

Aula Nº 13 Fechamento do projeto

Aula Nº 13 Fechamento do projeto Aula Nº 13 Fechamento do projeto Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam apresentar como se encerra o ciclo de vida de um projeto. Para tal, pretende-se verificar as derradeiras providências que

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

Gerência e Planejamento de Projeto. SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002

Gerência e Planejamento de Projeto. SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Gerência e Planejamento de Projeto SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Conteúdo: Parte 1: Gerenciamento & Qualidade Plano de Projeto

Leia mais

30/10/2012. Ciclo de vida típico. Módulo: Projeto de Investimento e Financiamento 2º sem 2012. Objetivos

30/10/2012. Ciclo de vida típico. Módulo: Projeto de Investimento e Financiamento 2º sem 2012. Objetivos Gestão financeira GESTÃO DE PROJETOS 2 Planejamento, execução e conclusão do projeto Módulo: Projeto de Investimento e Financiamento 2º sem 2012 Objetivos Compreender os passos e requisitos de um plano

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

Prof. Celia Corigliano. Unidade II GERENCIAMENTO DE PROJETOS

Prof. Celia Corigliano. Unidade II GERENCIAMENTO DE PROJETOS Prof. Celia Corigliano Unidade II GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

TC042 CONSTRUÇÃO CIVIL IV AULA 5

TC042 CONSTRUÇÃO CIVIL IV AULA 5 TC042 CONSTRUÇÃO CIVIL IV AULA 5 DURAÇÃO DAS ATIVIDADES Como estimar a duração das atividades ou serviços? Existem duas formas básicas: Determina-se a quantidade de dias e a partir deste parâmetro compõe-se

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual

Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual Gláucio Brandão de MATOS 1 ; Alisson RIBEIRO 2 ; Gabriel da SILVA 2 1 Ex-aluno do Curso Superior

Leia mais

Neste curso, seguiremos um tutorial de aprendizado. Este tutorial, por sua vez, segue as nossas etapas essenciais de planejamento como visto abaixo.

Neste curso, seguiremos um tutorial de aprendizado. Este tutorial, por sua vez, segue as nossas etapas essenciais de planejamento como visto abaixo. 1. Criação e Edição de Projetos 1.1. Visão Geral: Neste curso, seguiremos um tutorial de aprendizado. Este tutorial, por sua vez, segue as nossas etapas essenciais de planejamento como visto abaixo. Planejamento

Leia mais

PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 17

PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 17 PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 17 Índice 1. Conceitos de Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas...3 1.1. Principais Fases... 3 1.2. Técnicas... 4 1.3. Papéis de Responsabilidades... 4 1.3.1.

Leia mais