MERCADO FUTURO DE AÇÚCAR E ÁLCOOL: UMA ANÁLISE SOB A ÓTICA DA LIQUIDEZ E DA PRODUÇÃO FÍSICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MERCADO FUTURO DE AÇÚCAR E ÁLCOOL: UMA ANÁLISE SOB A ÓTICA DA LIQUIDEZ E DA PRODUÇÃO FÍSICA"

Transcrição

1 MERCADO FUTURO DE AÇÚCAR E ÁLCOOL: UMA ANÁLISE SOB A ÓTICA DA LIQUIDEZ E DA PRODUÇÃO FÍSICA Kelmara Mendes Vieira (UFSM) Ari Aloisio Justen Júnior (UFSM) Felipe Tavares Milach (UFRGS) O Brasil é líder mundial na produção de vários produtos, entre eles a cana de açúcar. Uma das alternativas de comercialização e investimento é a utilização do mercado futuro. No entanto, um dos condicionantes para a eficiência deste tipo dee mercado é a existência da liquidez. Assim, este estudo tem por objetivos: analisar a evolução do mercado futuro de açúcar e álcool em termos de liquidez e comparar o comportamento do mercado futuro com o mercado físico destes produtos. A amostra é formada por todos os contratos de futuros negociados para o açúcar da BM&F, no período de janeiro de 2000 até outubro de 2007, e para o álcool, no período de julho de 2000 até dezembro de Os resultados para o açúcar apontaram uma redução de -44,43% na quantidade de negócios ao longo do período. Por outro lado, o volume financeiro apresentou uma variação acumulada positiva de 47,73%, para 2007 em relação a A comparação com os indicadores do mercado físico mostra que a liquidez do mercado futuro do açúcar não acompanha o crescimento do mercado em termos de volume total de produção e exportação do produto. Em relação ao álcool, os resultados indicaram, para a quantidade de negócios, uma variação acumulada negativa de - 76,20%, na comparação entre os anos de 2006 e O volume financeiro negociado também reduziu consideravelmente no período, - 83,38%. Comparativamente ao mercado físico, o volume total negociado não chega a 3% da produção brasileira. Palavras-chaves: açúcar e álcool, mercado futuro, liquidez

2 1. Introdução O agronegócio, segundo Davis & Goldberg (1957), é entendido como "a soma total das operações de produção e distribuição de suprimentos agrícolas; as operações de produção nas unidades agrícolas; e o armazenamento, processamento e distribuição dos produtos agrícolas e itens produzidos com eles. No Brasil, o termo é usado quando se refere a um tipo especial de produção agrícola, caracterizada pela agricultura em grande escala, baseada no plantio ou na criação de rebanhos em grandes extensões de terra. Nos últimos anos, poucos países tiveram um crescimento tão expressivo no comércio internacional do agronegócio quanto o Brasil. O país é um dos líderes mundiais na produção e exportação de vários produtos agropecuários. É o primeiro produtor e exportador de café, açúcar, álcool e sucos de frutas. Além disso, lidera o ranking das vendas externas de soja, carne bovina, carne de frango, tabaco, couro e calçados de couro. Em 2007, segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, as exportações do agronegócio totalizaram US$ 58,415 bilhões, um recorde histórico para o setor, com um crescimento de 18,2% em relação a As exportações do agronegócio corresponderam a 36,4% das exportações totais brasileiras no período. As importações apresentaram variação anual de 30,2%, totalizando US$ 8,719 bilhões. Como conseqüência, registrou-se um superávit da balança comercial do agronegócio de US$ 49,696 bilhões, também um recorde histórico. Entre os fatores que explicam o desempenho positivo do agronegócio, destaca-se o elevado crescimento da economia mundial, que implicou uma maior demanda por bens e o aumento dos preços de importantes commodities da pauta de exportação. Também contribuiu para o aumento dos preços internacionais dos produtos agrícolas, os substanciais ajustes na produção mundial de cereais e oleaginosas que resultaram da crescente demanda da indústria de biocombustíveis. Dentro do agronegócio brasileiro, um dos setores de maior importância, é, sem dúvida, o sucroalcooleiro. Atualmente, a principal destinação da cana-de-açúcar é a fabricação de açúcar e álcool O setor é parte importante do agronegócio brasileiro, além de ser referência para os demais países produtores de açúcar e álcool. O valor das exportações do complexo sucroalcooleiro apresentou redução de 15,4% (passando de US$ 7,7 bilhões para US$ 6,6 bilhões, resultado da redução dos preços do açúcar (-19%) e do álcool (-11%), uma vez que a quantidade exportada teve incremento de 2,6% e 3,3%, respectivamente. As exportações de açúcar totalizaram US$ 5,1 bilhões, 17,3% inferiores a O valor das exportações de álcool foram 7,9% menores, totalizando US$ 1,5 bilhão. Com o crescente aumento da competitividade nos mercados, os agentes econômicos do setor agrícola vêm sendo obrigados a investir em tecnologia para a modernização da produção. Além disso, carecem de mecanismos financeiros para reduzir os riscos das variações de preços. A formação de preços destes produtos tem algumas peculiaridades: são commodities, o que gera um alto grau de concorrência; são perecíveis, a produção é sazonal e influenciada por fatores climáticos; e, geralmente existem muitos produtores e poucos compradores. Para se chegar a um sistema de comercialização eficiente uma das alternativas é a utilização do mercado futuro, como forma de reduzir riscos e gerar liquidez às negociações desses produtos. Um mercado futuro, conforme Hull (2005), pode ser entendido como um mercado no qual são 2

3 transacionados determinados produtos padronizados, com datas específicas e com um preço acordado para a liquidação futura. A Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F) negocia contratos agrícolas, entre eles os de açúcar e álcool. As características desses contratos tais como, cotações, prazos, ajustes diários, margens de garantia e liquidação são previamente estabelecidas visando à padronização dos contratos, condição imprescindível para que os produtos sejam negociados em bolsa e tenham liquidez. Assim, este estudo tem por objetivos: analisar a evolução do mercado futuro de açúcar e álcool em termos de liquidez e comparar o comportamento do mercado futuro com o mercado físico destes produtos. O artigo está estruturado em quatro seções além desta introdução. A seção dois refere-se à revisão bibliográfica, onde são apresentadas as principais características dos mercados futuros. A terceira seção trata do método utilizado na pesquisa. A análise dos resultados é apresentada na quarta seção. Por fim, a seção cinco apresenta as considerações finais acerca do estudo. 2. Mercado futuro Na BM&F são negociados diversos produtos em diversos tipos de mercados. Quanto aos produtos tem-se derivativos financeiros (Dólar Comercial, Euro, DI longo, IPCA, Ibovespa (índice), IGP-M, Ouro 250g, IBrX-50, entre outros) e derivativos agrícolas (Açúcar, Álcool Anidro, Milho, Soja, Boi Gordo, Bezerro, Café Arábica, Agodão). Quanto aos mercados temse: (1) Mercado Físico ou Disponível,; (2) Mercado a Termo,; (3) Mercado de Opções; e (4) Mercado Futuro. Neste trabalho enfoca-se principalmente a negociação das commodities açúcar e álcool anidro no mercado futuro. Hieronymus (1977) apud Andrade (2004) destaca que mercados futuros não surgiram como uma intervenção imposta ao mercado, mas sim como uma extensão e aperfeiçoamento de técnicas comerciais que paulatinamente foram introduzidas a este sistema. O mecanismo de funcionamento do mercado futuro imprimiu característica importante na negociação para liquidação futura: a competitividade. A homogeneidade dos produtos, a transparência e a velocidade das informações e a livre mobilidade de recursos permitem que os preços se ajustem conforme as leis de mercado, ou seja, de acordo com as pressões de oferta e procura. Como os participantes podem entrar e sair do mercado a qualquer momento, os futuros tornaram-se muito importantes para as economias em face de sua liquidez. Segundo Alves (2002) e Marjotta-Maistro (2002), o processo de livre negociação nos mercados de açúcar e álcool no Brasil remonta ao início dos anos 1990, quando da extinção do Instituto do Açúcar e do Álcool (IAA). A finalidade do IAA era assegurar o equilíbrio interno no fornecimento de açúcar e fomentar a fabricação de álcool, devido à alta dos preços do petróleo no mercado internacional. Em 1995, a BM&F, em sintonia com o setor sucroalcooleiro, lançou o contrato futuro de açúcar cristal. Há contratos futuros em negociação nos Estados Unidos (New York Board of Trade) e na Europa (Euronext.Liffe), mas com base em açúcar demerara e refinado, respectivamente. No ano 2000, a Bolsa colocou em mercado o contrato futuro de álcool anidro carburante, o primeiro contrato derivativo dessa commodity no mundo. Para um maior detalhamento do mercado futuro os itens seguintes abordarão o sucesso e fracasso dos mercados futuros (2.1), a formação de preços (2.2) e a negociação (2.3). 2.1 Sucesso e fracasso dos mercados futuros Correa & Raíces (2005) apud Marques et al. (2006, p.3) apontam as características que levam 3

4 um contrato futuro a ser bem sucedido: a) contrato não pode existir de forma isolada, tendo que estar ligado e refletir um mercado à vista ativo e com boa dose de liberdade entre compradores e vendedores; b) dever ser relativamente livre de intervenções governamentais, internacionais, e não pode estar nas mãos de poucas empresas; c) preços de mercado devem refletir as expectativas projetadas de oferta e demanda decorrentes das condições do mercado na época da negociação e não podem estar sujeitas a intervenções aleatórias do governo; d) é preciso que haja incerteza, volatilidade suficiente a incentivar os participantes do mercado a utilizarem os mercados futuros para se protegerem de oscilações de risco de preços; a necessidade de fixar antecipadamente preços de compras e vendas para se definir contra oscilações de preços cria oportunidades para especuladores atraídos pela possibilidade de lucrar com movimentações favoráveis de preços; e) informação precisa ser clara, disponível a todos, sem favorecimentos e com total transparência e garantia de acesso a todos os participantes do mercado; f) a commodity deve oferecer facilidade de padronização em vários aspectos (volume, qualidade, peso,etc.); g) produto não pode ser facilmente perecível para que comprados não se vejam na necessidade de livrar-se rapidamente do produto e sejam forçados a livrar-se rapidamente do mesmo; h) finalmente, deve se considerar a possibilidade de competição com bolsas já existentes e onde os produtos sejam tradicionalmente negociados e o mercado acostumou-se a acompanhar os preços lá estabelecidos. Por outro lado, Black (1986)), distingue três vetores principais acerca dos determinantes do sucesso ou fracasso dos mercados futuros: as características das commodities; as características dos contratos e os efeitos do ambiente institucional. Uma característica essencial da commodity é que esta não possa apresentar elevada perecibilidade, a fim de viabilizar sua estocagem. Os mercados futuros são parte da política de estoques na medida em que exercem uma função de alocação intertemporal de mercadorias. Cabe destacar que avanços tecnológicos podem contribuir na criação de contratos de commodities perecíveis, como, por exemplo, o desenvolvimento de sistemas refrigerados para carnes e sucos. No entanto, os custos de armazenamento podem revelar-se elevados. O produto a ser utilizado deve ser uma commodity no sentido estrito do termo, ou seja, um bem realmente homogêneo, de forma que não haja qualquer diferenciação entre os produtos. É fundamental que o sistema de classificação seja baseado em critérios mensuráveis e objetivos. A homogeneidade permite que contratos possam ser vendidos e comprados com mais facilidade, já que não há necessidade de verificação de atributos específicos. Outro fator importante é que o mercado físico deve ser amplo. Quanto maior o número de participantes do mercado desta commodity, maior tende ser a atração de agentes em busca de hedge e, conseqüentemente, maior é a expectativa de desenvolvimento do respectivo derivativo. Outro ponto é que a elevada participação dos agentes nos mercados físicos está associada, em tese, a maiores barreiras para que este seja do tipo concorrência imperfeita. Um contrato futuro desenvolvido implica em um mercado físico competitivo. Da mesma forma, intervenção do Estado no controle da oferta também inviabiliza a transação. A utilização de contratos futuros também é estimulada quando os mercados a termo são falhos ou pouco expressivos. As falhas decorrentes de disfunções contratuais ou mesmo de riscos de crédito são fatores que podem determinar a busca por segurança jurídica e de preço nas bolsas, desde que a Clearing House seja uma instituição confiável. No que tange à precificação, quanto maior o poder de monopólio, maior é a tendência à manipulação de preços a fim de efetivar seu poder de mercado. Sendo assim, a formação de 4

5 cartéis ou mesmo a atuação do governo na oferta de uma commodity, ao violar a lei de um mercado competitivo, poderá inviabilizar seus contratos futuros. Adicionalmente, se os custos da entrega física forem elevados, o processo de arbitragem fica comprometido, sendo este o fator que leva o preço futuro convergir ao físico. Este empecilho no processo de formação de preços inibe a negociação dos contratos futuros. Em suma, a commodity não pode ser altamente perecível e deve haver a possibilidade de ser estocável; deve apresentar unidades mensuráveis e homogêneas; os preços devem ser voláteis; deve haver um grande mercado consumidor; a oferta deve ocorrer em mercado competitivo com baixos custos de entrega; e, por fim, os mercados a termo não podem ser eficientes como um instrumento de proteção ao risco. Os atributos das commodities são condições necessárias para que um contrato futuro seja bem sucedido, mas não são suficientes. Assim, a fim de atrair hedgers e especuladores, os contratos devem ser protegidos de atitudes oportunistas que visem ao controle do mercado e, ao mesmo tempo, devem apresentar especificações que estimulem sua aquisição. Tendo em vista que alguns contratos apresentam maior entrega física, é coerente que os contratos futuros possuam certa proximidade com seus respectivos mercados físicos. Para que se possa realizar um hedging com maior eficácia, é necessário saber o nível de relação de preços em ambos os mercados. Para Black (1986), há elevada correlação de preços entre tais ativos quando os contratos futuros são substitutos perfeitos dos contratos feitos no mercado disponível. As eventuais dissociações de preços não podem ser frutos dos equívocos das cláusulas contratuais, pois estas devem ser atreladas às práticas de negociação usuais no mercado físico. Isto significa que os meses de vencimento dos contratos devem ser semelhantes aos meses de contratos dos mercados físicos, ou seja, os meses de vencimento dos derivativos não podem estar descolados da sazonalidade da produção agrícola. Além disso, os locais de entrega física devem ser especificados de acordo com as grandes áreas de entrega habituais dos mercados disponíveis. (MARQUES, 2000) Outro ponto refere-se à presença de especuladores nos mercado futuro. Quanto mais elevada for liquidez de um contrato futuro, maior é a facilidade de entrar ou sair do mercado. Se o mercado futuro possui relativamente poucos agentes operando, isto significa baixa liquidez, e baixa liquidez, por sua vez, corresponde a maiores custos de transação. Tem-se assim uma relação direta de especulação e liquidez, quanto maior a atividade especulativa por muitos agentes, maior será a transparência e o desenvolvimento dos contratos futuros. Em relação ao ambiente institucional, é fundamental a existência de instituições sólidas. A BM&F, é a única bolsa de mercadorias do país que transaciona contratos futuros, é uma instituição que visa ao desenvolvimento dos mercados futuros. Além da atividade regulatória, também está em seu âmbito estabelecer mecanismos de proteção aos agentes. Um exemplo da BM&F neste sentido é a exigência de margens de garantia, ajustes diários e a eliminação da participação dos agentes que se tornam insolventes. Outro ponto é o grau de regulamentação sobre a indústria de futuros (BURNQUIST & CALDERON, 2000). Seguindo a seqüência de atributos listados anteriormente, o açúcar e o álcool são produtos estocáveis e que mantêm suas características por períodos relativamente longos de tempo. Entretanto, vale ressaltar que, não raro, produtores podem vender tais produtos de forma relativamente rápida, a fim de gerar um fluxo de caixa que possibilite uma folga financeira 5

6 para as atividades operacionais. Adicionalmente, os custos de armazenamento são relativamente elevados, tanto por questões físicas quanto financeiras, constituindo-se em um obstáculo a maior utilização dos mercados futuros.. Quanto à homogeneidade do produto, a BM&F possui contratos que têm como objetivo a padronização do bem a ser transacionado, como por exemplo o nível máximo de impurezas, no caso do açúcar, e o teor mínimo de etanol, no caso do álcool.. Em relação à dimensão do mercado físico, o sistema agroindustrial sucroalcooleiro é de extrema importância para o agronegócio brasileiro. A produção de açúcar no Brasil em 2005 foi da ordem de 25,8 milhões de toneladas, e a de álcool foi aproximadamente 15,9 milhões de metros cúbicos. O Brasil é o maior produtor mundial de açúcar, na liderança isolada, estando à frente de China, Índia, EUA, Tailândia e até mesmo da produção conjunta dos países pertencentes à União Européia. Já na produção de etanol, o Brasil produziu 16 bilhões de litros em 2005, só perdendo a liderança para os EUA com 16,1 bilhões. Os dois países juntos representam aproximadamente 70% da oferta mundial. Além disso, o setor é responsável pela criação de mais de um milhão de empregos diretos. (USDA, 2006). No que diz respeito à concorrência internacional entre as bolsas de futuros, vale ressaltar que a BM&F é uma das maiores bolsas de futuros do mundo atuando em um cenário fortemente competitivo. 2.2 Formação de preços Segundo Marques (1999), a formação de preços nos mercados agropecuários segue, basicamente, as mesmas leis de mercado dos demais bens e serviços da economia. Existem, no entanto, certas características dessa atividade produtiva que necessitam de um maior detalhamento, para se ter um conhecimento mais abalizado de sua formação de preços: - Os produtos agropecuários são geralmente comercializados na forma não diferenciada, denominados de commodities; são produzidos na forma bruta, precisando ser processados antes de serem vendidos aos consumidores finais; e são geralmente perecíveis, o que diminui o tempo disponível para sua comercialização. - A produção agropecuária é sazonal, sendo que os produtos precisam ser armazenados durante o ano, para que se possa abastecer adequadamente o mercado tanto na safra quanto na entressafra; está distribuída em função do clima, solos e outros fatores, é de difícil ajustamento às necessidades da demanda, pois o planejamento da produção é feito com meses ou anos de antecedência à entrega do produto, quando as condições de mercado podem ter se modificado. - As empresas do setor de produção agropecuária enfrentam um alto grau de concorrência, próximo da concorrência perfeita. No entanto, os produtores rurais defrontam-se com poucos vendedores de insumos e poucos compradores de seus produtos. É importante ter em mente o fato de o produto agropecuário ser matéria-prima no processo de transformação até que se chegue ao consumidor final. Assim, diz-se que a demanda pelo produto é uma demanda derivada, que depende da demanda pelo produto no varejo. Nesse sentido, é interessante definir o sentido da causalidade, que é a direção para onde caminham os movimentos de preços de origem, e a elasticidade de transmissão de preços, que é a forma como os movimentos de preços se transmitem de um nível de mercado para outro. Para que se possa chegar ao equilíbrio de preços, várias são as formas, entre as quais, 6

7 destacam-se a negociação individual e os mercados organizados. A negociação individual entre comprador e vendedor em sua forma mais completa envolve igualdade de informações entre compradores e vendedores. Basicamente, nesta forma de transação, o vendedor tenta conseguir o preço mais alto e o comprador, o preço mais baixo. O processo de negociação individual é demasiadamente oneroso em termos de tempo. A tendência natural dos mercados é evoluir para uma situação em que haja normas e regras regulando a comercialização. As Bolsas de Mercadorias são um exemplo típico desta evolução, pois a comercialização em mercados organizados é feita seguindo-se regras especificadas; preços e volume de mercadoria transacionada são do conhecimento de todos. Nesse contexto, os mercados futuros se apresentam como oportunidades interessantes para os agentes atuantes no complexo sucroalcooleiro, pela possibilidade de os mesmos, através da negociação dos contratos futuros de açúcar e álcool, protegerem seus interesses frente às incertezas, tanto do ponto de vista econômico como no aspecto produtivo. Dentre os agentes potencialmente interessados na negociação destes contratos, encontram-se: Empresas de insumo, Produtores de cana, Usineiros, Indústrias, Distribuidoras de combustíveis, Traders e Fundos de investimento. Conforme Andrade (2004),os mercados futuros são extremamente importantes no mercado financeiro pois são mercados que negociam preços e, estes, por sua vez, influem na receita dos agentes. Utilizados por hedgers, especuladores e arbitradores, a sua formação de preços deriva de mercadorias e de ativos financeiros. Foram desenvolvidos para atender produtores e comerciantes expostos a riscos de preços, nos períodos de escassez e superprodução do produto negociado, reduzindo o risco de flutuação dos preços futuros da mercadoria. 2.3 Negociação dos contratos futuros Atuam no mercadofuturo diversos tipos de agentes: (1) hedger, em temos operacionais, significa contrabalançar a compra ou venda de um título através da compra ou venda de outro; (2) especulador aquele que negocia as tendências de preços, dando liquidez às operações no mercado futuro; (3) financiador, investidor que executa operações de renda fixa, combinando compras no mercado à vista com vendas de contratos no mercado futuro, fixando seu ganho nominal; e (4) arbitrador, participante do mercado cuja atuação assegura que o preço negociado seja sempre justo. Busca tirar proveito da variação entre o preço de dois ativos ou das expectativas futuras de mudança dessa diferença. Estes agentes podem executar diferentes tipos de operações: (1) Day Trade, compra e venda de um mesmo ativo, com vencimento futuro no mesmo dia; (2) Posição Simples, posição comprada ou vendida de um ativo futuro; (3) Posição Sintética, combinação de dois ou mais futuros na compra ou venda; (4) Financiamento: compra ou venda de um ativo negociado no mercado à vista e venda de um contrato futuro do mesmo ativo; (5) Captação, venda do ativo à vista e compra de um contrato futuro; (6) Straddle, compra (ou venda) de um contrato futuro para um mês de vencimento e venda (ou compra) do mesmo contrato futuro para um mês de vencimento mais distante; e (7) Arbitragem, compra de uma commodity a futuro e venda de outra também a futuro, cujos preços são relacionados. Todos os contratos negociados são padronizados, pois possuem estrutura previamente definida por regulamentação de bolsa, estabelecendo todas as características do produto negociado, como cotação, data de vencimento, tipo de liquidação e outras. Graças à padronização, os produtos em negociação se tornam completamente homogêneos, tornando indiferente quem está comprando ou vendendo a mercadoria. Todas as condições sob as quais 7

8 os ativos serão transferidos de uma contraparte para outra são estabelecidas por meio das especificações do contrato, definidas pela bolsa. Apenas dois itens podem variar na BM&F: o número de contratos ofertados e o preço negociado entre as partes. A padronização dos contratos visa torná-los mais líquidos, pois, sendo uniformes, atendem às necessidades de todos os participantes do mercado. Assim, nenhum participante precisa carregar sua posição até a data de vencimento, podendo encerrar sua posição a qualquer momento, desde a abertura do contrato até a data de vencimento. O contrato futuro de açúcar cristal introduzido pela BM&F em 1995 era cotado em dólares e liquidado por entrega física. Mais tarde, o contrato foi reformulado, para contemplar a alternativa de liquidação financeira com base em índice de preços calculado pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ), o qual representava a média de preços do produto no Estado de São Paulo. Em 1999, o contrato futuro de açúcar foi objeto de nova reformulação, deixando de ser liquidado com base nesse indicador para voltar a ter liquidação por entrega, dentro das especificações definidas pela BM&F. Os contratos futuros de açúcar e álcool estão abertos à participação de não-residentes, para os quais os acertos financeiros podem ser efetuados em Nova Iorque, dispensando, assim, a internação dos dólares. As principais características do contrato futuro de açúcar são: (1) Objeto de negociação: Açúcar cristal especial, com mínimo de 99,7 graus de polarização, máximo de 0,08% de umidade, máximo de 150 de cor ICUMSA (International Commission for Uniform Methods of Sugar Analysis), máximo de 0,07% de cinzas, para entrega no município de São Paulo (SP). (2) Cotação: Dólares dos Estados Unidos da América/saca de 50 quilos líquidos, com duas casas decimais, livres de quaisquer encargos, tributários ou não-tributários. (3) Vencimento: Sexto dia útil do mês de vencimento. Os meses de vencimento autorizados são fevereiro, abril, julho, setembro e novembro. (4)Tamanho do contrato: 270 sacas de 50 quilogramas líquidos. Para o contrato de álcool anidro tem-se: (1) Objeto de negociação: álcool anidro para fins carburantes, conforme especificações técnicas definidas pela Agência Nacional do Petróleo (ANP). (2) Cotação: reais por metro cúbico (1.000 litros), com duas casas decimais, livres de quaisquer encargos, tributários ou não-tributários. (3)Vencimento: sexto dia útil do mês de vencimento, estando todos os meses-calendário autorizados. (4)Tamanho do contrato: 30 metros cúbicos a 20 graus Celsius. 3. Método A amostra desse estudo é formada por todos os contratos de futuros negociados para o açúcar da BM&F, no período de janeiro de 2000 até outubro de 2007, e para o álcool, no período de julho de 2000 até dezembro de Os dados foram obtidos junto ao banco de dados da BM&F. Para a avaliação do comportamento médio ao longo do período estudado, foram calculadas as médias mensais da quantidade de negócios, do volume financeiro e do preço negociado para cada um dos meses estudados. Para a obtenção da média foram considerados todos os contratos negociados da commodity no mês em estudo, independentemente da data de vencimento do contrato. Assim, por exemplo, para a variável quantidade de negócios temse a seguinte fórmula: n QNimy QNmy = i= 1 N. Onde QNimy corresponde à quantidade de negócios realizados pelo contrato i no mês m do ano y, N indica a quantidade de contratos com negócios no mês m, e QN my é a quantidade média de negócios no mês m do ano y. 8

9 Obtiveram-se ainda, a partir das médias mensais, as médias anuais. Para a variável quantidade = 12 QNmy QNa de negócios, por exemplo, tem-se: m= Onde QN a é a quantidade média mensal de negócios no ano a. De posse das médias anuais, foram calculadas as variações anuais e acumuladas. A variação anual representa a alteração relativa de um ano em relação ao ano anterior. A variação acumulada, por outro lado, representa a variação relativa em comparação ao ano base. O ano de 2000 foi definido como base por ser o primeiro ano de estudo. Para a comparação com o mercado físico utilizou-se o mês com o maior número de contratos em aberto. O número de contratos em aberto multiplicado pelas respectivas unidades de cada contrato (13,5 toneladas para o açúcar e 30 metros cúbicos para o álcool) resultou no volume físico em negociação no mercado futuro. Tal volume foi comparado à produção anual de açúcar e álcool. 4. Análise dos resultados A evolução mensal do comportamento da quantidade de negócios, do volume financeiro e do preço negociado podem ser visualizados nos gráficos da Figura 1. Açúcar - Quantidade de negócios Álcool - Quantidade de negócios Q. Neg. Média Q. Neg. Média jan/00 jul/00 jan/01 jul/01 jan/02 jul/02 jan/03 jul/03 jan/04 jul/04 jan/05 jul/05 jan/06 jul/06 jan/07 jul/07 Mês Q. Neg. Média 0 jul/00 jan/01 jul/01 jan/02 jul/02 jan/03 jul/03 jan/04 jul/04 jan/05 jul/05 jan/06 jul/06 Mês Q. Neg. Média Açúcar - Volume financeiro Álcool - Volume financeiro Vol. Fin. Médio Vol. Fin. Médio jan/00 jul/00 jan/01 jul/01 jan/02 jul/02 jan/03 jul/03 jan/04 jul/04 jan/05 jul/05 jan/06 jul/06 jan/07 jul/07 Mês Vol. Fin. Médio (em US$) 0 jul/00 jan/01 jul/01 jan/02 jul/02 jan/03 jul/03 jan/04 jul/04 jan/05 jul/05 jan/06 jul/06 Mês Vol. Fin. Médio (em R$) 25 Açúcar - Preço médio 1200 Álcool - Preço médio Preço Médio Preço Médio jan/00 jul/00 jan/01 jul/01 jan/02 jul/02 jan/03 jul/03 jan/04 jul/04 jan/05 jul/05 jan/06 jul/06 jan/07 jul/07 Mês Preço Médio (em US$) 0 jul/00 jan/01 jul/01 jan/02 jul/02 jan/03 jul/03 jan/04 jul/04 jan/05 jul/05 jan/06 jul/06 Mês Preço Médio (em R$) 9

10 Figura 1 Gráficos para o comportamento das medidas quantidade de negócios, preço negociado e volume financeiro para o açúcar e o álcool Conforme a Figura 1 indica, em relação ao açúcar, suas três medidas vêm apresentando, nos últimos dois anos, uma tendência de queda. Para o álcool, os gráficos apontam resultados semelhantes, com recentes reduções na quantidade de negócios, volume financeiro e preço negociado. Em seguida, buscou-se verificar o comportamento das medidas para as duas commodities em relação às suas variações anuais e acumuladas. Ano Q. Vol. Fin Preço Neg Anual Acumulada (US$) Anual Acumulada (US$) Anual Acumulada , , ,174 51,823% 51,823% ,449% 101,449% 9,566 11,222% -11,222% ,901 43,921% -14,858% ,196% -17,801% 7,621 20,328% -29,268% ,211 23,784% -35,109% ,112% 11,061% 8,493 11,442% -21,175% ,351 6,297% -31,022% ,747% 27,439% 8,423-0,824% -21,825% ,084 11,361% -38,859% ,600% 116,136% 11,787 39,938% 9,397% ,082 47,930% -9,554% ,036% 174,570% 18,128 53,795% 68,247% ,894 38,556% -44,426% ,196% 47,729% 12,762 29,603% 18,442% Tabela 1 - anual e variação acumulada para o açúcar em relação as medidas quantidade de negócios, preço negociado e volume financeiro Os resultados para o açúcar apontaram uma redução na quantidade de negócios realizada, ao longo do período estudado. A análise da variação acumulada indica uma redução de -44,43% para o ano de 2007 (1,89 negócios/dia) em relação a 2000 (3,4 negócios/dia). Por outro lado, o volume financeiro movimentado apresentou uma variação acumulada positiva de 47,73%, para 2007 em relação a No entanto cabe destacar que, essas duas medidas, além do preço negociado, apresentaram variações negativas no ano de 2007 em relação ao ano de Buscando comparar a evolução da liquidez do mercado futuro com a produção física de açúcar, foram calculadas as variações anuais e acumuladas para o volume total produzido de açúcar, bem como para as suas exportações. A Tabela 2 apresenta os resultados obtidos. Safra Volume total produzido (t) Anual Acumulada Ano Volume total exportado (t) Anual Acumulada 1999/ / ,337% -17,337% ,839% 71,839% 2001/ ,564% -1,991% ,520% 105,383% 2002/ ,831% 15,486% ,295% 98,616% 2003/ ,452% 28,711% ,069% 142,448% 2004/ ,766% 37,419% ,117% 179,099% 2005/ ,568% 35,264% ,984% 190,218% 2006/ ,844% 58,047% Tabela 2 - anual e variação acumulada para o açúcar em relação ao volume total produzido e ao total exportado A comparação com os indicadores do mercado físico, apresentados na Tabela 2, mostra que a 10

11 liquidez do mercado futuro do açúcar não acompanha o crescimento do mercado físico, em termos de volume total de produção e exportação do produto. Considerando o período de 2000 a 2006, verificou-se uma variação acumulada positiva para ambos os indicadores. Entre os anos supracitados, o volume produzido aumentou, cumulativamente, 58,047%. O total exportado apresentou um aumento de 190,218%, para o ano de 2006 em relação ao ano de A seguir, buscou-se verificar as variações ocorridas em relação ao comportamento da quantidade de negócios, do volume financeiro e do preço negociado para o álcool. Os resultados obtidos são apresentados na Tabela 3. Ano Q. Neg Anual Acum. Vol. Fin (US$) Anual Acumulada Preço (US$) Anual Acumulada , , ,206 42,947% -42,947% ,646% -55,646% 628,14-15,184% -15,184% ,815 42,042% -18,961% ,744% -55,976% 572,347-8,882% -22,718% ,719 23,784% -38,235% ,786% -54,749% 798,476 39,509% 7,816% ,749 29,319% -56,344% ,924% -60,597% 740,406-7,273% -0,025% ,622 23,740% -66,708% ,907% -66,077% 900,931 21,681% 21,650% ,589 28,525% -76,204% ,993% -83,375% 1032,985 14,657% 39,481% Tabela 3 - anual e variação acumulada para o álcool em relação as medidas quantidade de negócios, preço negociado e volume financeiro Em relação ao álcool, os resultados indicaram, para a quantidade de negócios, uma variação acumulada negativa de -76,20%, na comparação entre os anos de 2006 (2,59 negócios/dia) e 2000 (10,88 negócios/dia). O volume financeiro negociado também revelou uma redução considerável no período, apresentando uma variação acumulada negativa da magnitude de - 83,38% comparando o ano de 2006 com o de A evolução do mercado físico de álcool, em relação ao volume total produzido e ao total exportado pode ser visualizado na Tabela 4. Safra Volume total Volume total Ano produzido (t) Anual Acumulada exportado (t) Anual Acumulada 1999/ / ,577% -19,577% ,423% 52,423% 2001/ ,035% -12,311% ,364% 234,361% 2002/ ,874% -4,529% ,570% 188,987% 2003/ ,256% 11,945% ,811% 922,467% 2004/ ,880% 16,288% ,676% 1041,850% 2005/ ,947% 20,878% ,292% 1410,573% Tabela 4 - anual e variação acumulada para o álcool em relação ao volume total produzido e ao total exportado De acordo com a Tabela 4, tanto a produção total quanto o total de álcool exportado, vêm apresentando constantes aumentos nos seus volumes. O volume total produzido apresentou uma variação acumulada de 20,88% no período. O volume total exportado, por sua vez, 11

12 revelou um expressivo aumento de 1410,57%. Por fim, buscou-se verificar a participação relativa do açúcar e do álcool no mercado futuro, ou seja, quanto do volume total produzido no Brasil foi negociado, através de contratos futuros na BM&F. Os resultados obtidos podem ser visualizados na Tabela 5. Ano Negócios em aberto - Mercado Futuro Produção Brasileira Participação Relativa - Mercado Futuro/Produção Açúcar Álcool Álcool (m3) Açúcar Álcool ,287% 2,368% ,561% 2,905% , ,427% 2,746% ,284% 1,786% ,295% 1,452% ,266% 1,271% ,263% 1,708% ,5 0,222% Tabela 5 Participação relativa do açúcar e do álcool no mercado futuro brasileiro Na Tabela 5, os valores apresentados nas colunas para os negócios em aberto correspondem ao número de contratos disponíveis para negociação no mês do ano cujo o número de contratos foi maior. Dessa forma, buscou-se trabalhar com o período cujo maior volume de produção física estava sendo negociado. Em relação aos resultados apresentados, estes evidenciam a baixa participação percentual das commodities estudadas no mercado futuro em relação à sua produção no Brasil. Os valores para a participação do açúcar mantiveram-se, com exceção do ano de 2001, abaixo de 0,5%. Já para o álcool, os números revelaram, par ao período analisado, uma participação relativa sempre menor do que 3%. 5. Considerações finais O presente estudo teve como objetivos analisar a evolução do mercado futuro de açúcar e álcool em termos de liquidez e comparar o comportamento do mercado futuro com o mercado físico destes produtos. Buscando-se evidenciar o desenvolvimento da negociação dessas commodities no mercado futuro foram analisados os dados mensais, bem como calculadas as variações anuais e acumuladas para os produtos. Para o açúcar, a redução da média de negócios/dia e o aumento do volume financeiro médio, no mesmo período, indicam que, apesar dos agentes não realizarem mais negociações, estas envolveram um número maior de contratos, resultando em um maior montante. Sugere-se que são os grandes negociadores que participam de tais contratos. Já para o álcool, tanto a quantidade de negócios, quanto o volume apresentaram quedas no período. Tal comportamento mostra-se contrário ao do mercado físico, que vem crescendo em termos de produção e exportação. De maneira geral, comparativamente à dimensão do mercado físico, o mercado futuro do açúcar e do álcool mostrou-se ainda inexpressivo, em termos de quantidade negociada em relação à produção brasileira. Além disso, suas variações não acompanham o ritmo de crescimento da produção, sugerindo que o mercado futuro para essas commodities ainda não seja um instrumento financeiro capaz de gerar a liquidez necessária para o desenvolvimento 12

13 da comercialização de tais produtos. Tal situação pode ser analisada sob a óptica do produto e dos participantes do mercado. Do ponto de vista dos produtos, tanto o açúcar como o álcool são produtos estocáveis, no entanto os custos de armazenamento são relativamente elevados, tanto por questões físicas como financeiras, constituindo-se num obstáculo a utilização dos mercados futuros. Do ponto de vista dos participantes, é possível que os mecanismos operacionais dos contratos sejam muito complexos para os produtores. Os poucos agentes que se inserem nas negociações futuras podem optar por utilizar as bolsas internacionais em função da maior liquidez (VIAN & QUINTINO, 2007). Andrade (2004) ressalta ainda que, a tributação e custos de transação (taxa operacional básica (TOB), emolumentos e taxas de registro) podem dificultar as negociações. Também, os custos das margens e ajustes diários, pois as quantias a serem depositadas representam o custo de oportunidade do capital, caso seja capital próprio, ou a taxa de juros de empréstimos, caso estes recursos provenham de capitais de terceiros. E, finalmente, o risco da base pode ser significativo. Portanto, os dados aqui apresentados demonstram que os Mercados Futuros de açúcar e álcool não são representativos pois além de apresentarem baixos níveis de liquidez, as movimentações não correspondem a uma parcela significativa da produção brasileira. Cabe às autoridades envolvidas, bem como os agentes econômicos participantes do mercado o desenvolvimento de atividades que promovam e incentivem a utilização de tais contratos. Referências ALVES, L. R. A. Transmissão de preços entre produtos do setor sucroalcooleiro do Estado de São Paulo p. Dissertação (mestrado) Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Piracicaba, ANDRADE, E. A.P. Mercados futuros: custos de transação associados à tributação, margem, ajustes e estrutura financeira p. Dissertação (mestrado) Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Piracicaba, BOLSA DE MERCADORIAS E FUTUROS. BM&F- Bolsa de Mercadorias & Futuros. São Paulo, Disponível em: < Acesso em: 23 jan BLACK, D. Success and failure of futures contracts: theory and empirical evidence. Monograph Series in Finance Economics, Salomon Brothers Center for Study of Financial Institutions, BRASIL. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. Balanço nacional de cana-de-açúcar e agroenergia / Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Produção e Agroenergia Brasília: MAPA /SPAE, p. BRASIL. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. MAPA- Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Brasília, Disponível em: < >. Acesso em: 25 jan BURNQUIST, H.L. & CALDERON, P.H.G. Análise do mercado futuro de açúcar cambial da BM & F : contexto institucional e performance das operações de hedge. Sub projeto 4: Mercados Futuros e Política Agrícola no Brasil. Piracicaba, USP/ESALQ/LES, CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS EM ECONOMIA APLICADA. CEPEA/ESALQ/USP- Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada. Piracicaba, Disponível em: < cepea.esalq.usp.br/>. Acessso em 19 jan CORRÊA, A. L. & RAÍCES, C. Derivativos Agrícolas. São Paulo: Editora Globo, DAVIS, J. & GOLDBERG, R. The genesis and evolution of agribusiness. In: Davis, J.; Goldberg, R. A 13

14 concept of agribusiness. Chapter 1, pp 4-6. The nature of agribusiness. Chapter 2. pp Harvard University, HULL, J. C. Fundamentos dos mercados futuros e de opções. São Paulo: Bolsa de Mercadorias e Futuros / Cultura Editores Associados, p. MARJOTTA-MAISTRO, M. C. Ajustes nos mercados de álcool e gasolina no processo de desregulamentação p. Tese (Doutorado) Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Piracicaba, MARQUES, PV; MELLO, P.C & MARTINES FILHO, J.G. Mercados futuros e de opções agropecuárias. Piracicaba, SP. Departamento de Economia, Administração e Sociologia da Esalq-USP, 2006, Série Didática, n.129. MARQUES, P. V. Mercados Futuros e de Opções Agropecuários. Gestão dos negócios agroalimentares. São Paulo, pp MARQUES, P. V. Mercados futuros de commodities agropecuárias: exemplos e aplicações aos mercados brasileiros. São Paulo: Bolsa de Mercadorias & Futuros, PORTAL DO AGRONEGÓCIO- Portal do Agronegócio. São Paulo, Disponível em: < /www.portaldoagronegocio.com.br >. Acesso em: 28 jan USDA United State Department of Agriculture. World Agricultural Production. Foreign Agricultural Service, Circular Series, WAP 09-05, Set, VIAN, C.E.F. & QUINTINO, D.D. Crítica a Teoria dos Mercados Futuros à luz do desenvolvimento recente dos contratos futuros de açúcar e álcool da BM&F. Pesquisa & Debate, São Paulo, volume 18, número 2 (32) pp ,

FUTUROS DE AÇÚCAR E ÁLCOOL

FUTUROS DE AÇÚCAR E ÁLCOOL FUTUROS DE AÇÚCAR E ÁLCOOL Bolsa de Mercadorias & Futuros Apresentação Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos mercados futuros de açúcar e álcool negociados

Leia mais

2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil

2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil 2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil A presente seção apresenta as commodities agrícolas negociadas no mercado futuro brasileiro. Além disso, revela a estrutura básica dos contratos futuros e traça

Leia mais

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F)

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) 1. O que é contrato futuro? É um acordo entre duas partes, que obriga uma a vender e outra, a comprar a quantidade e o tipo estipulados de determinada commodity, pelo preço acordado, com liquidação do

Leia mais

Mercado de Capitais e seu Papel Indutor no Desenvolvimento do Agronegócio

Mercado de Capitais e seu Papel Indutor no Desenvolvimento do Agronegócio Mercado de Capitais e seu Papel Indutor no Desenvolvimento do Agronegócio Fabio Dutra Diretor Comercial e de Desenvolvimento de Mercados 16/06/2015 1 AGENDA DESAFIOS DO AGRONEGÓCIO MERCADO DE CAPITAIS

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil MERCADO DE CAPITAIS Prof. Msc. Adm. José Carlos de Jesus Lopes Bolsas de Valores ou de Mercadorias São centros de negociação onde reúnem-se compradores e vendedores de ativos padronizados (ações, títulos

Leia mais

O MERCADO FUTURO E SUAS APLICAÇÕES

O MERCADO FUTURO E SUAS APLICAÇÕES O MERCADO FUTURO E SUAS APLICAÇÕES MESA DE OPERAÇÕES BM&F "O único homem que nunca comete erros é aquele que nunca faz coisa alguma. Franklin Roosevelt 1 Prezado (a) Investidor (a), Esse texto foi elaborado

Leia mais

Operações com derivativos (item 7 do edital BB)

Operações com derivativos (item 7 do edital BB) Operações com derivativos (item 7 do edital BB) Prof.Nelson Guerra set / 2012 INTRODUÇÃO Os preços gerais das mercadorias agrícolas, das taxas de juros e do câmbio têm-se mostrado altamente instável no

Leia mais

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA.

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS Consultores Legislativos da Área X Agricultura e Política Rural MARÇO/2009

Leia mais

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Derivativos Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho 1 Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Currículo Economista com pós-graduação em Finanças pela FGV-SP, mestrado em Administração pela PUC-SP

Leia mais

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História do Milho - Os primeiros registros do cultivo datam de 7.300 anos - Origem Americana: litoral do México - Nome, de origem indígena, significa "sustento

Leia mais

Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA)

Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA) Alicia Ruiz Olalde Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA) Exportações Agronegócio (CEPEA) Em 2012, a receita das exportações do agronegócio brasileiro alcançou US$ 97 bilhões. Em 2014,

Leia mais

CONTRATO FUTURO DE AÇÚCAR CRISTAL COM LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA. Especificações

CONTRATO FUTURO DE AÇÚCAR CRISTAL COM LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA. Especificações CONTRATO FUTURO DE AÇÚCAR CRISTAL COM LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA Especificações 1. Definições Hedgers: Preço de ajuste (PA): PTAX: Taxa de câmbio referencial BM&FBOVESPA: Dia útil: comitentes que negociam o

Leia mais

HEDGE DE BOI GORDO NO MERCADO FUTURO DA BM&F PARA O ESTADO DE GOIÁS BASE E RISCO DE BASE

HEDGE DE BOI GORDO NO MERCADO FUTURO DA BM&F PARA O ESTADO DE GOIÁS BASE E RISCO DE BASE HEDGE DE BOI GORDO NO MERCADO FUTURO DA BM&F PARA O ESTADO DE GOIÁS BASE E RISCO DE BASE Rodrigo da Silva Souza 1 Cleyzer Adrian da Cunha 2 Alcido Elenor Wander 3 Resumo: O objetivo desse trabalho é analisar

Leia mais

FUTUROS DE SOJA E MILHO

FUTUROS DE SOJA E MILHO FUTUROS DE SOJA E MILHO Bolsa de Mercadorias & Futuros Apresentação Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos mercados de soja e milho negociados na BM&F. O

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE BASE EM MERCADOS FUTUROS PARA OS PREÇOS DE BOI GORDO DE CACOAL, RONDÔNIA NO PERÍODO COMPREENDIDO ENTRE 2006-2009.

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE BASE EM MERCADOS FUTUROS PARA OS PREÇOS DE BOI GORDO DE CACOAL, RONDÔNIA NO PERÍODO COMPREENDIDO ENTRE 2006-2009. ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE BASE EM MERCADOS FUTUROS PARA OS PREÇOS DE BOI GORDO DE CACOAL, RONDÔNIA NO PERÍODO COMPREENDIDO ENTRE 2006-2009. anandamaciel@yahoo.com.br POSTER-Trabalhos de Iniciação Científica

Leia mais

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Segmentos dentro da porteira: Produção agrícola Produção pecuária Segmentos depois da porteira: Agroindústria Canais

Leia mais

Bolsa de Mercadorias & Futuros

Bolsa de Mercadorias & Futuros OPERAÇÕES EX-PIT Bolsa de Mercadorias & Futuros Apresentação Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos negócios ex-pit. O que é a operação ex-pit, para que

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História Antes do dólar a moeda de referência internacional era a Libra Esterlina, pois a Inglaterra era a grande economia mundial. Somente após a segunda

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL...

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL... SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO..................................1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 2.1 Introdução...........................................5 2.2 Posições.............................................6

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 OTIMIZAÇÃO DA EFETIVIDADE DE HEDGE NA COMPRA DE MILHO POR MEIO DE CONTRATOS FUTUROS PARA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE RESUMO GUSTAVO DE SOUZA CAMPOS BADARÓ 1, RENATO ELIAS FONTES 2 ; TARCISIO GONÇALVES

Leia mais

Açúcar: Informativo Quinzenal. Oferta se acentua e preços cedem. Indicador de Açúcar Cristal Cepea/Esalq Estado de São Paulo.

Açúcar: Informativo Quinzenal. Oferta se acentua e preços cedem. Indicador de Açúcar Cristal Cepea/Esalq Estado de São Paulo. Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada CEPEA/ESALQ/USP 25 de maio de 2011 Volume 1, Edição 22 Açúcar: Informativo Quinzenal Indicador de Açúcar Cristal Cepea/Esalq Estado de São Paulo DATA Valor

Leia mais

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte XI Os Derivativos

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte XI Os Derivativos Apostila Mercado de Capitais Uninove Parte XI Os Derivativos 1 Fundamentos dos Derivativos 2 O que são Derivativos? Os Instrumentos financeiros: Um instrumento financeiro é qualquer contrato que dá origem

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

Medida Provisória 532/2011

Medida Provisória 532/2011 Ciclo de palestras e debates Agricultura em Debate Medida Provisória 532/2011 Manoel Polycarpo de Castro Neto Assessor da Diretoria da ANP Chefe da URF/DF Maio,2011 Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural

Leia mais

ANÁLISE DA EFETIVIDADE DE HEDGING COM OS CONTRATOS FUTUROS DE SOJA NA BM&F E CBOT

ANÁLISE DA EFETIVIDADE DE HEDGING COM OS CONTRATOS FUTUROS DE SOJA NA BM&F E CBOT ANÁLISE DA EFETIVIDADE DE HEDGING COM OS CONTRATOS FUTUROS DE SOJA NA E Luciane Chiodi CPF: 77.818.8-46 Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz /USP Av: Pádua Dias,11 CP 9; Piracicaba / SP E-mail:

Leia mais

Derivativos Agropecuários Mercado Futuro

Derivativos Agropecuários Mercado Futuro 1 Índice 1. INTRODUÇÃO...Pág. 01 2. A BM&FBOVESPA...Pág. 01 3. CONCEITOS DE MERCADO À VISTA E MERCADOS DE DERIVATIVOS...Pág. 01 4. DIFERENÇA ENTRE MERCADO BALCÃO, ORGANIZADO, NÃO ORGANIZADO, E MERCADO

Leia mais

Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial

Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial Ivan Wedekin Diretor de Produtos do Agronegócio e Energia ENIPEC Encontro Internacional dos Negócios da Pecuária 1 Brasil o gigante da pecuária

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Boi Gordo

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Boi Gordo CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de Boi Gordo Futuro de Boi Gordo Ferramenta que permite a gestão financeira do risco existente nas operações realizadas no mercado físico. O Contrato Futuro de Boi Gordo é

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opção sobre Futuro de Boi Gordo

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opção sobre Futuro de Boi Gordo CONTRATOS DERIVATIVOS Opção sobre Futuro de Boi Gordo Opção sobre Futuro de Boi Gordo O Contrato de Opção sobre Futuro de Boi Gordo com Liquidação Financeira foi lançado pela BM&FBOVESPA, em 22/07/1994,

Leia mais

Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Estrutura da apresentação 2 Breve histórico Os Mercados Futuros no mundo têm sua história diretamente vinculada

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: ABRIL/2014 CEPEA - AÇÚCAR & ETANOL I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Relações de preços mercados interno e internacional

Leia mais

Reiteradas Vendas Pressionam a Curva Futura das Cotações do Café 1

Reiteradas Vendas Pressionam a Curva Futura das Cotações do Café 1 % v. 10, n. 5, maio 2015 Reiteradas Vendas Pressionam a Curva Futura das Cotações do Café 1 A elevação da taxa SELIC anunciada pelo Comitê de Política Monetária (COPOM) na última quarta-feira do mês de

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Primeiro Trimestre 2015 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário

Leia mais

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada 1. O direito de compra de um ativo, a qualquer tempo, pelo respectivo preço preestabelecido, caracteriza uma opção? a) Européia de venda b) Européia de compra c) Americana de venda d) Americana de compra

Leia mais

3 A forma de funcionamento do mercado cambial

3 A forma de funcionamento do mercado cambial 27 3 A forma de funcionamento do mercado cambial Neste Capítulo, apresentar-se-á a forma de funcionamento do mercado cambial, algumas das suas principais instituições, seus participantes e algumas especificidades

Leia mais

O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO O presente boletim tem o objetivo de apresentar a situação atual do mercado, por meio dos dados disponibilizados pelo USDA, CONAB e MAPA. Apresenta-se, posteriormente, a

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

ÍNDIA ATUALIZA SUAS PERSPECTIVAS DE PRODUÇÃO E FRUSTRA RECUPERAÇÃO EM NOVA YORK E LONDRES

ÍNDIA ATUALIZA SUAS PERSPECTIVAS DE PRODUÇÃO E FRUSTRA RECUPERAÇÃO EM NOVA YORK E LONDRES Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 08/junho/2015 n. 578 ÍNDIA ATUALIZA SUAS PERSPECTIVAS DE PRODUÇÃO E FRUSTRA RECUPERAÇÃO EM NOVA YORK E LONDRES O segundo maior produtor mundial da

Leia mais

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I Profª Caroline P. Spanhol A Origem do conceito Cada dia mais, as propriedades rurais... Perdem sua auto-suficiência Passam a depender mais de insumos e

Leia mais

Luciano de Souza Vacari Mercado Futuro Hedging e Opções Novembro/2006

Luciano de Souza Vacari Mercado Futuro Hedging e Opções Novembro/2006 Luciano de Souza Vacari Mercado Futuro Hedging e Opções Novembro/2006 O que é uma Bolsa de Futuros? Local organizado para administrar risco; Organização sem fins lucrativos; Dar visibilidade nos preços;

Leia mais

Margem de comercialização da carne bovina nos diferentes elos da cadeia. Novembro de 2009

Margem de comercialização da carne bovina nos diferentes elos da cadeia. Novembro de 2009 Margem de comercialização da carne bovina nos diferentes elos da cadeia Novembro de 2009 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. METODOLOGIA... 2 2.1. BASE DE DADOS... 2 2.2. MÉTODO DE ANÁLISE... 3 3. EVOLUÇÃO DOS

Leia mais

Subsídios para uma nova política agropecuária com gestão de riscos

Subsídios para uma nova política agropecuária com gestão de riscos Subsídios para uma nova política agropecuária com gestão de riscos Evandro Gonçalves Brito Diretoria de Agronegócios / Banco do Brasil Uberlândia (MG), 18 de novembro de 2010. Desafios Globais Os dez maiores

Leia mais

Mercados Futuros (BM&F)

Mercados Futuros (BM&F) Neste segmento de mercado se negociam contratos e minicontratos futuros de ativos financeiros ou commodities. Ou seja, é a negociação de um produto que ainda não existe no mercado, por um preço predeterminado

Leia mais

O MERCADO DE TRIGO. O balanço mundial de trigo, ao longo das safras analisadas, é visualizado na

O MERCADO DE TRIGO. O balanço mundial de trigo, ao longo das safras analisadas, é visualizado na O MERCADO DE TRIGO 1. INTRODUÇÃO O Brasil é o maior importador mundial de trigo e a sua dependência se torna acentuada à medida que os estoques públicos e privados se reduzem. A safra 2007/08 apresenta-se

Leia mais

MERCADOS FUTUROS DE COMMODITIES AGROPECUÁRIAS

MERCADOS FUTUROS DE COMMODITIES AGROPECUÁRIAS MERCADOS FUTUROS DE COMMODITIES AGROPECUÁRIAS Márcio Aleixo da Cruz Graduado em Administração pela UFRRJ Rod. BR 465, Km 07 - Seropédica - RJ - CEP 23.890-000 Marcelo Alvaro da Silva Macedo Professor da

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS AGRONEGÓCIOS AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS Argentina Estados Unidos Indonésia Brasil Canadá Russia Índia Japão Austrália China México Área Agricultável > 30 milhões de ha População urbana > 80

Leia mais

Mercado a Termo e Futuro de Dólar: Estratégias de Hedge

Mercado a Termo e Futuro de Dólar: Estratégias de Hedge Mercado a Termo e Futuro de Dólar: Estratégias de Hedge 1 Hedge no Mercado a Termo No Brasil, são muito comuns as operações a termo real/dólar. Empresas importadoras, exportadoras, com dívidas ou ativos

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

O QUE É HEDGE E COMO ELE FUNCIONA

O QUE É HEDGE E COMO ELE FUNCIONA O QUE É HEDGE E COMO ELE FUNCIONA! O que é hedge?! Como estar protegido de um eventual prejuízo de uma operação financeira da empresa no futuro?! Como podemos hedgear uma operação efetuada em dólar?! Como

Leia mais

O MERCADO FUTURO COMO ALTERNATIVA PARA MINIMIZAR OS RISCOS DE PREÇOS DOS PRODUTORES DE SOJA DO MÉDIO-NORTE DE MATO GROSSO 1

O MERCADO FUTURO COMO ALTERNATIVA PARA MINIMIZAR OS RISCOS DE PREÇOS DOS PRODUTORES DE SOJA DO MÉDIO-NORTE DE MATO GROSSO 1 O MERCADO FUTURO COMO ALTERNATIVA PARA MINIMIZAR OS RISCOS DE PREÇOS DOS PRODUTORES DE SOJA DO MÉDIO-NORTE DE MATO GROSSO 1 RESUMO Márcia F. Silveira 2 Paulo J. Körbes 3 É conhecido o fato de que a agricultura

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

GANHOS DO ETANOL HIDRATADO SUPERAM AÇÚCAR BRUTO EM NOVA YORK EM QUASE 10%

GANHOS DO ETANOL HIDRATADO SUPERAM AÇÚCAR BRUTO EM NOVA YORK EM QUASE 10% Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 0613/julho/2015 n. 583 GANHOS DO ETANOL HIDRATADO SUPERAM AÇÚCAR BRUTO EM NOVA YORK EM QUASE 10% O encerramento de junho foi marcado por mais um período

Leia mais

Míni de Dólar WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você.

Míni de Dólar WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você. Míni de Dólar WEBTRADING É acessível. É descomplicado. É para você. FUTURO WEBTRADING EM UM CLIQUE O futuro em um clique Com apenas um clique, você pode negociar minicontratos. O acesso ao WTr é simples,

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA

CONJUNTURA ECONÔMICA CONJUNTURA ECONÔMICA O mês de março de 2015 foi marcado pelo anúncio dos principais resultados da economia de 2014 e deste início de 2015. Dentre eles destacaramse o PIB, taxa de desemprego nas principais

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO A soja é a commodity mais importante do Brasil, pelo valor da produção obtida de grão, óleo e farelo, significativa parcela na receita cambial, área plantada, consumo de

Leia mais

CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS DOS MERCADOS 239 questões com gabarito

CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS DOS MERCADOS 239 questões com gabarito 239 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F BOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS : 239 questões com gabarito. São

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Terceiro Trimestre 2014 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário

Leia mais

Quadro II - PREÇO DO AÇÚCAR CRISTAL COLOCADO NO PORTO DE SANTOS - SP NA CONDIÇÃO SOBRE RODAS - (Em R$/Saca de 50kg*)

Quadro II - PREÇO DO AÇÚCAR CRISTAL COLOCADO NO PORTO DE SANTOS - SP NA CONDIÇÃO SOBRE RODAS - (Em R$/Saca de 50kg*) CANA-DE-AÇÚCAR Período: Janeiro/2016 Quadro I - PREÇO NA USINA EM SÃO PAULO (Em R$/unidade*) Produtos Unidade 24 12 1 Mês Mês Atual Açúcar Cristal Cor ICUMSA 130 a 180 Saco/50 kg 50,20 51,05 80,57 83,75

Leia mais

2014: Um ano de vitórias para o agronegócio

2014: Um ano de vitórias para o agronegócio Edição 08 - Janeiro de 2015 2014: Um ano de vitórias para o agronegócio Esta edição do Boletim do Agronegócio Internacional dedica atenção especial à análise do comércio exterior do setor em 2014. A agricultura

Leia mais

ABRIL INICIA COM QUEDA SUPERIOR A 9% PARA O HIDRATADO

ABRIL INICIA COM QUEDA SUPERIOR A 9% PARA O HIDRATADO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Nº 390 Ano IX 03/abril/2014 ABRIL INICIA COM QUEDA SUPERIOR A 9% PARA O HIDRATADO No mercado físico de etanol, a primeira semana de abril foi marcada pelo abrandamento

Leia mais

INFORMATIVO TÉCNICO INFOTEC N 11. Brasília, 12 de fevereiro de 2008 O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E A SUA IMPORTÂNCIA PARA O COOPERATIVISMO

INFORMATIVO TÉCNICO INFOTEC N 11. Brasília, 12 de fevereiro de 2008 O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E A SUA IMPORTÂNCIA PARA O COOPERATIVISMO INFORMATIVO TÉCNICO INFOTEC N 11 Brasília, 12 de fevereiro de 2008 O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E A SUA IMPORTÂNCIA PARA O COOPERATIVISMO Equipe da Gerência de Mercados - GEMERC: Autor: Marcos

Leia mais

FUTUROS AGRÍCOLAS: ALTERNATIVA DE DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA

FUTUROS AGRÍCOLAS: ALTERNATIVA DE DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Cristina Zaniol FUTUROS AGRÍCOLAS: ALTERNATIVA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas CAFÉ CAFÉ Bolsas BM&F ICE FUTURES Contrato Fechamento Máxima Mínimo Variação Fechamento Máxima Mínimo Variação set/13 144,45 150,00 143,95-4,05 120,60 124,25 119,35-2,85 dez/13 148,50

Leia mais

LEITE E DERIVADOS JULHO / 2013 /2009

LEITE E DERIVADOS JULHO / 2013 /2009 LEITE E DERIVADOS JULHO / 2013 /2009 1. Mercado nacional: preços pagos ao produtor e produção histórica e estimada no Mercosul Os preços nominais médios brutos 1 pagos ao produtor em julho, ponderados

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Míni de Ibovespa WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você.

Míni de Ibovespa WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você. Míni de Ibovespa WEBTRADING É acessível. É descomplicado. É para você. WEBTRADING O futuro em um clique Com apenas um clique, você pode negociar minicontratos. O acesso ao WTr é simples, rápido e seguro.

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

Fundamentos de Mercado Futuro e de Opções no Agronegócio

Fundamentos de Mercado Futuro e de Opções no Agronegócio Fundamentos de Mercado Futuro e de Opções no Agronegócio Quais alternativas um produtor rural tem para diminuir os riscos de preços na hora de vender sua safra? Modelo tradicional: contato direto com o

Leia mais

Instituto Educacional BM&F. MERCADO FUTURO: Conceitos e Definições

Instituto Educacional BM&F. MERCADO FUTURO: Conceitos e Definições Instituto Educacional BM&F MERCADO FUTURO: Conceitos e Definições São Paulo, 2007 FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F Bolsa de Mercadorias & Futuros) B67m Mercado futuro: conceitos

Leia mais

taxa de câmbio de reais por dólar dos Estados Unidos da

taxa de câmbio de reais por dólar dos Estados Unidos da Contrato Futuro de Boi Gordo com Liquidação Financeira Especificações 1. Definições Contrato: termos e regras específicos sob os quais os negócios serão realizados e liquidados. Day trade compra e venda,

Leia mais

O COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DE ALGUMAS COMMODITIES (CAFÉ, SOJA, AÇÚCAR E SUCO DE LARANJA)

O COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DE ALGUMAS COMMODITIES (CAFÉ, SOJA, AÇÚCAR E SUCO DE LARANJA) O COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DE ALGUMAS COMMODITIES (CAFÉ, SOJA, AÇÚCAR E SUCO DE LARANJA) Ricardo Dalla Costa 1 RESUMO O presente artigo vem analisar o nível de preço e produtividade, tecnologia, comercialização

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA. A informação é nossa, a decisão é sua! GR. Boi Gordo Mercado Físico RS Período Gráfico DIÁRIO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA. A informação é nossa, a decisão é sua! GR. Boi Gordo Mercado Físico RS Período Gráfico DIÁRIO PANORAMA RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO SEMANA DE 10 A 14 DE AGOSTO de 2009 Semana de nova estabilidade no preço do Boi Gordo no mercado físico do Rio Grande do Sul, fechando a semana em R$ 5,28/kg

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com O que é o Índice Futuro Para falar de índice futuro, primeiro precisamos falar do ÍNDICE no presente, que é o Ibovespa. O famoso índice que serve para medir

Leia mais

Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final

Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final NOTA TÉCNICA Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final Aplicação: Distribuidoras de Gás do Estado de São Paulo Fevereiro 2012

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

Potencial de implantação de um contrato futuro da madeira de reflorestamento

Potencial de implantação de um contrato futuro da madeira de reflorestamento Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Florestal Potencial de implantação de um contrato futuro da madeira de reflorestamento Naisy Silva Soares Orientador:

Leia mais

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009.

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Para os produtores de sorgo o ano de 2008 pode ser considerado como bom. As condições climatológicas foram favoráveis durante todo o ciclo

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito crédito rural: o mapa da mina Por: Felipe Prince Silva, Ms. Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente UNICAMP. Economista Agrosecurity Gestão de Agro-Ativos LTDA e Agrometrika Informática e Serviços

Leia mais

Mercado de Opções Agropecuárias: Estratégias para o Lançador de Opções de Café

Mercado de Opções Agropecuárias: Estratégias para o Lançador de Opções de Café Mercado de Opções Agropecuárias: Estratégias para o Lançador de Opções de Café Vitor Caminha Faustino Dias 1 Leonardo Francisco Leonice Rosina 3 Flavia Rover Leão 4 Figueiredo Neto 2 vitorcfd@yahoo.com.br

Leia mais

Contratos Derivativos. Futuro de Soja Brasil

Contratos Derivativos. Futuro de Soja Brasil Contratos Derivativos Futuro de Soja Brasil Futuro de Soja Brasil Proteja o seu preço e administre os riscos da produção O produto A produção de soja atende a uma cadeia de diversos produtos acabados derivados

Leia mais

Capítulo 6 Parte A Mercados Derivativos

Capítulo 6 Parte A Mercados Derivativos Capítulo 6 Parte A Mercados Derivativos 6.A.1 Apresentação do capítulo Nesta unidade, é abordado o estudo dos diferentes tipos de mercados derivativos. O objetivo deste capítulo é dar ao leitor uma visão

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

Especificações do Contrato Futuro de Boi Gordo Denominado em Reais

Especificações do Contrato Futuro de Boi Gordo Denominado em Reais Especificações do Contrato Futuro de Boi Gordo Denominado em Reais 1. Objeto de negociação Boi gordo acabado para abate. Tipo: bovinos machos, castrados, bem acabados (carcaça convexa), em pasto ou confinamento.

Leia mais

OPORTUNIDADES ÚNICAS. O CME Group e a BM&FBovespa uniram-se para oferecer acesso global a dois dos mercados mais dinâmicos do mundo

OPORTUNIDADES ÚNICAS. O CME Group e a BM&FBovespa uniram-se para oferecer acesso global a dois dos mercados mais dinâmicos do mundo OPORTUNIDADES ÚNICAS O CME Group e a BM&FBovespa uniram-se para oferecer acesso global a dois dos mercados mais dinâmicos do mundo Panorama da parceria do CME Group com a BM&FBOVESPA Conectando mercados

Leia mais

Gerenciamento do Risco da Margem de Refino no Brasil. Autoria: Cristiana Moraes Dias da Silva, Antonio Carlos Figueiredo

Gerenciamento do Risco da Margem de Refino no Brasil. Autoria: Cristiana Moraes Dias da Silva, Antonio Carlos Figueiredo Gerenciamento do Risco da Margem de Refino no Brasil Autoria: Cristiana Moraes Dias da Silva, Antonio Carlos Figueiredo Resumo: Com a abertura do mercado brasileiro de petróleo e derivados, a correlação

Leia mais

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Rafael Ribeiro Vinhal

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Rafael Ribeiro Vinhal INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM Rafael Ribeiro Vinhal COFFEE EXPORT - HEDGE CAMBIAL VIA MERCADO FUTURO DE DÓLAR São Paulo 2012 Rafael Ribeiro Vinhal Coffee

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

DOS DERIVATIVOS E SEUS MERCADOS

DOS DERIVATIVOS E SEUS MERCADOS XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Agronegócio Internacional

Agronegócio Internacional Boletim do Agronegócio Internacional Agronegócio Internacional Recordistas de vendas no valor total exportado pelo Brasil jan-jul 2014/2013 Edição 03 - Agosto de 2014 O agronegócio representou 44% das

Leia mais

CURSO PRÁTICO MINI CONTRATO XP Interfloat Ago/ 2014

CURSO PRÁTICO MINI CONTRATO XP Interfloat Ago/ 2014 CURSO PRÁTICO MINI CONTRATO XP Interfloat Ago/ 2014 A História da BM&F Uma história de Sucesso criada em Junho de 1985. Constituída sob a forma de sociedade por ações. Desenvolver, organizar e operacionalizar

Leia mais

DADOS DA CONAB TRAZEM AJUSTES E INDICAM MUDANÇA NA TENDÊNCIA DO MERCADO

DADOS DA CONAB TRAZEM AJUSTES E INDICAM MUDANÇA NA TENDÊNCIA DO MERCADO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 17/agosto/2015 n. 588 DADOS DA CONAB TRAZEM AJUSTES E INDICAM MUDANÇA NA TENDÊNCIA DO MERCADO A quinta-feira foi iniciada com a atualização de um importante

Leia mais

Diretoria de Agronegócios

Diretoria de Agronegócios Proteção de Preços no Mercado Agropecuário Renato Barreto Riscos da atividade agropecuária Climáticos e/ou intempéries Preço Crédito... Mitigadores de Risco de Preço Risco: Oscilação nos preços das mercadorias

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com Boi - Mercado Mercado de Boi gordo - Brasil: * Maior exportador mundial, * Consumo interno: mais de 70%, * Maior rebanho comercial, * Perda de área para outras culturas. - Mundo:

Leia mais