Mini-curso. Formação de professores e avaliação: instrumentos para avaliação processual em sala de aula

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mini-curso. Formação de professores e avaliação: instrumentos para avaliação processual em sala de aula"

Transcrição

1 Mini-curso Formação de professores e avaliação: instrumentos para avaliação processual em sala de aula Professor responsável Prof. Dr. Daniel Abud Seabra Matos (UFOP) Mariana 2014

2 2 Prezados/as professores/as, Segue abaixo uma lista com alguns instrumentos de avaliação que possivelmente podem ser incorporados na sua prática educativa. Lembre-se de que provavelmente eles precisarão ser adaptados para a sua realidade ou área de trabalho. Parte dessa oficina será centrada em um exercício de adaptação desses instrumentos para as suas necessidades específicas. IMPORTANTE: não estamos denominando os instrumentos avaliativos abaixo de instrumentos formativos / processuais. As diferentes modalidades de avaliação (diagnóstica, formativa, somativa) se distinguem mais pelos objetivos do que pelos instrumentos utilizados. O mesmo instrumento pode ser útil para diferentes modalidades de avaliação. A finalidade para que se coletou e analisou a informação é que determinará o tipo de avaliação efetuada. Portanto, nenhum instrumento é formativo por si próprio. Dessa forma, é possível usar um instrumento tradicional como a prova de uma maneira formativa. Lembrem-se de que por trás das ações de qualquer professor, há sempre um conjunto de idéias que as orienta. Tenha o professor consciência disso ou não. Portanto, a avaliação não é um fenômeno isolado na prática do professor. O fato de um profissional ter um grande conhecimento sobre determinada área não faz com que ele automaticamente seja um bom professor. O domínio do processo pedagógico é de outra ordem. Daí a importância do trabalho educativo com o devido embasamento teórico. Desejo boas avaliações para todos! Prof. Dr. Daniel Abud Seabra Matos (Universidade Federal de Ouro Preto)

3 3 Exemplo de ficha de acompanhamento de orientação de trabalhos Possibilidades de uso: principalmente em disciplinas como TIDIR, Trabalho de conclusão de curso e Projeto de Extensão. Formulário de registro das orientações realizadas Professor-orientador: Aluno-orientando: Período: Tema Observações do professor-orientador sobre o que foi realizado pelo aluno Recomendações sobre o que deverá ser realizado pelo aluno Assinatura do professor-orientador: Assinatura do aluno-orientando:

4 4 Exemplo de ficha de avaliação de portfólio Nome do aluno (ou grupo): Descrição do trabalho Comentários do aluno (ou grupo): Eu escolhi esse trabalho para o meu portfólio porque 1 : Outros comentários: Comentários do professor: Nome do professor: Pontos fortes do trabalho: Algumas coisas que precisam ser revistas ou questões que ainda precisam ser trabalhadas: Outros comentários: 1 Se o professor tiver dado essa opção.

5 5 Exemplo de ficha de auto-avaliação de portfólio Nome do aluno (ou grupo): Descrição do trabalho Auto-avaliação do trabalho O que eu (nós) tentei realizar: O que eu (nós) fiz: O que eu (nós) aprendi: O que eu (nós) mais gosto desse trabalho: O que eu (nós) preciso melhorar ou faria diferente da próxima vez: Comentários do professor: Nome do professor:

6 6 Exemplo de uma avaliação geral de desempenho de matemática Nome do aluno (ou grupo): Desenvolvimento da compreensão matemática Progresso insatisfatório Progresso notável Melhoria na habilidade de formular e resolver problemas Redução nos erros de cálculo Aumento na habilidade de fazer conexões. Melhoria na habilidade de comunicar resultados matemáticos para outros Aumento na habilidade de estimar e checar soluções para problemas Aumento na habilidade de usar tabelas e gráficos No final do semestre, o professor pode fazer uma avaliação geral de desempenho como essa usando os materiais que quiser (exemplo: todos os trabalhos de um portfólio). Assim, ele torna explícito para ele e para o aluno (grupo) os progressos obtidos no semestre.

7 7 Exemplo de ficha de avaliação para apresentações orais Curso: Disciplina: Turma: Apresentação grupo 1 Postura/ Pontualidade/ Compromisso Respeito ao tempo da (limite inferior ou superior) Integração/ Organização do grupo Criatividade/ Condução e dinâmica da ( 2 pontos) Domínio do conteúdo ( 3 pontos) Clareza e objetividade da Uso adequado dos recursos didáticos Apresentação grupo 2 Postura/ Pontualidade/ Compromisso Respeito ao tempo da (limite inferior ou superior) Integração/ Organização do grupo Criatividade/ Condução e dinâmica da ( 2 pontos) Domínio do conteúdo ( 3 pontos) Clareza e objetividade da Uso adequado dos recursos didáticos Apresentação grupo 3 Postura/ Pontualidade/ Compromisso Respeito ao tempo da (limite inferior ou superior) Integração/ Organização do grupo Criatividade/ Condução e dinâmica da ( 2 pontos) Domínio do conteúdo ( 3 pontos) Clareza e objetividade da Uso adequado dos recursos didáticos Antes das apresentações, expor esses critérios para os grupos. Logo após as apresentações, dar um feedback para os grupos seguindo esses critérios. A avaliação das apresentações pode ser feita tanto pelo professor quanto pelos próprios alunos da sala (desde que instruídos pelo professor). Outra opção é comparar a avaliação do professor e dos alunos e discutir possíveis diferenças. Essas opções são viáveis para várias atividades avaliativas. Um lembrete válido para todas as ocasiões em que os próprios alunos forem avaliar os colegas. Além de o professor precisar explicitar os critérios, ele também precisa mostrar exemplos de correções para os alunos. Exemplo de um critério de avaliação: em um trabalho, dar exemplo e explicar o que seria um trabalho muito bom (conceito A), bom (conceito) B, regular (conceito C) e insuficiente (conceito D).

8 8 Exemplo de ficha de avaliação cooperativa Curso: Disciplina: Turma: Professor: Instrução ao grupo Avaliem cada membro do grupo no quadro abaixo, de acordo com a seguinte classificação: I= Insuficiente R= Regular B= Bom MB= Muito Bom O= Ótimo Grupo 1 Aspectos avaliados Contribuição ao trabalho do grupo Participação ativa nas discussões Respeito às idéias do grupo Capacidade de criticar de maneira construtiva Capacidade de receber críticas Conceito geral (avaliação média do componente do grupo) Componentes do grupo Pessoa 1 Pessoa 2 Pessoa 3 Pessoa 4 Etc. Outros comentários do grupo: Assinaturas dos componentes

9 9 Atividade para o final de cada aula ( Trabalho de Minuto ) Sempre que o professor solicitar, realizar a atividade chamada Trabalho de Minuto ao final da aula. Nesta atividade, o aluno deve responder brevemente: -Qual foi a coisa mais importante que você aprendeu nesta aula? E/OU -Qual foi a questão importante que ficou sem resposta? Os estudantes escrevem suas respostas no caderno e as entregam digitadas sempre na aula seguinte. OBS: no máximo 1 parágrafo. Nome: Data da aula: Textos trabalhados: Resposta: Modelo da atividade Trabalho de Minuto Essa é uma estratégia de avaliação formativa/processual, onde o processo (e não só o produto final) também está sendo avaliado. Portanto, a entrega de atividades com atraso ocasionará perda de pontos. No caso do aluno faltar, deverá sempre entregar todos os trabalhos correspondentes aos dias que faltou na aula em que retornar.

Data: / / Instituição:Início da viagem técnica H Término da viagem técnica: H Responsável (eis) pela recepção na instituição (nome(s) e cargo(s))

Data: / / Instituição:Início da viagem técnica H Término da viagem técnica: H Responsável (eis) pela recepção na instituição (nome(s) e cargo(s)) RELATÓRIO DE VIAGEM TÉCNICA Este relatório deverá ser entregue ao coordenador (a) de estágio até 10 dias após a Visita Técnica. Nome do estagiário (a): Turma: Identificação do(s) professor(es) Nome(s):

Leia mais

ANEXO PLANO DE AÇÃO PROFESSOR

ANEXO PLANO DE AÇÃO PROFESSOR ANEXO 5.2.2. PLANO DE AÇÃO PROFESSOR Rua Bruxelas, nº 169 São Paulo - SP CEP 01259-020 Tel: (11) 2506-6570 escravonempensar@reporterbrasil.org.br www.escravonempensar.org.br O que é o plano de ação? O

Leia mais

CURSO DE ANÁLISE DE RECURSOS DE INFRAÇÃO DE TRÂNSITO RELATÓRIO DE ATIVIDADES CONSOLIDADO

CURSO DE ANÁLISE DE RECURSOS DE INFRAÇÃO DE TRÂNSITO RELATÓRIO DE ATIVIDADES CONSOLIDADO CURSO DE ANÁLISE DE RECURSOS DE INFRAÇÃO DE TRÂNSITO RELATÓRIO DE ATIVIDADES CONSOLIDADO PORTO ALEGRE/RS Realização: 1 a 18 de novembro de 2010. RELATÓRIO CONSOLIDADO Página 1 de 28/12/2010 1. Dados gerais

Leia mais

Avaliação de Desempenho. Orientações aos relatores

Avaliação de Desempenho. Orientações aos relatores Avaliação de Desempenho Orientações aos relatores 1. Referenciais de avaliação 1.1. Legislação 1. Referenciais de avaliação 1.2. Referentes internos: a. Projeto Educativo do Agrupamento, b. Projeto Curricular

Leia mais

Versão: Dezembro/2012. O aluno poderá integralizar os créditos referentes às disciplinas ACH 2017 e ACH 2018 das seguintes formas:

Versão: Dezembro/2012. O aluno poderá integralizar os créditos referentes às disciplinas ACH 2017 e ACH 2018 das seguintes formas: Normas para Realização do Projeto Supervisionado ou Trabalho de Graduação para o Curso de Sistemas de Informação da Escola de Artes, Ciências e Humanidades, da Universidade de São Paulo Versão: Dezembro/2012

Leia mais

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE. Apresentação com material de apoio do evento Orientação Técnica sobre a recuperação paralela realizado nos dias

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE. Apresentação com material de apoio do evento Orientação Técnica sobre a recuperação paralela realizado nos dias MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS Apresentação com material de apoio do evento Orientação Técnica sobre a recuperação paralela realizado nos dias 23, 24 e 25 de julho de 2008. AVALIAÇÃO Os objetivos

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO DE TRÂNSITO RELATÓRIO DE ATIVIDADES CONSOLIDADO

CURSO DE EDUCAÇÃO DE TRÂNSITO RELATÓRIO DE ATIVIDADES CONSOLIDADO CURSO DE EDUCAÇÃO DE TRÂNSITO RELATÓRIO DE ATIVIDADES CONSOLIDADO PORTO ALEGRE/RS Realização: 13 a 1 de outubro de 2010. RELATÓRIO CONSOLIDADO Página 1 de 28/12/2010 1. Dados gerais Município sede Porto

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2009.1 CORPO DOCENTE 2009.1 Auto-avaliação docente - 2009.1 Pontualidade no início e término das aulas 14,29% 28,57% Compatibilidade

Leia mais

Pesquisa Mestrado Alunos Regulares/Disciplinas Isoladas 2015/ º semestre de Garantias Penais Processuais da Cidadania

Pesquisa Mestrado Alunos Regulares/Disciplinas Isoladas 2015/ º semestre de Garantias Penais Processuais da Cidadania Pesquisa Mestrado Alunos Regulares/Disciplinas Isoladas 215/217 1º semestre de 215 Garantias Penais Processuais da Cidadania 1 Análise dos dados Pesquisa Mestrado Alunos Regulares/Disciplinas Isoladas

Leia mais

Informações Gerais do Projeto Rondon

Informações Gerais do Projeto Rondon PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS COORDENAÇÃO DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS EDITAL PROEXT Nº 07/2013 CHAMADA PARA SELEÇÃO DE ALUNOS PARA O PROJETO RONDON A Pró-Reitora de Extensão e Assuntos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE REGISTROS ACADÊMICOS PLANO DE ENSINO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE REGISTROS ACADÊMICOS PLANO DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE REGISTROS ACADÊMICOS PLANO DE ENSINO Dados de Identificação Componente Curricular: DP0377-EMPREENDEDORISMO

Leia mais

CURSO DE ANÁLISE DE RECURSOS DE INFRAÇÕES DE TRÂNSITO RELATÓRIO DE ATIVIDADES CONSOLIDADO

CURSO DE ANÁLISE DE RECURSOS DE INFRAÇÕES DE TRÂNSITO RELATÓRIO DE ATIVIDADES CONSOLIDADO CURSO DE ANÁLISE DE RECURSOS DE INFRAÇÕES DE TRÂNSITO RELATÓRIO DE ATIVIDADES CONSOLIDADO NATAL/RN Realização: 15 a 17 de junho de 2009. RELATÓRIO CONSOLIDADO Página 1 de 6 11/8/2009 1. Dados gerais Município

Leia mais

PLANO DE CURSO RESUMIDO

PLANO DE CURSO RESUMIDO PLANO DE CURSO RESUMIDO CURSO Assistente de planejamento e controle de produção CBO 7842-05 CÓD.SGE 013.861 MODALIDADE Qualificação Profissional Básica ÁREA TECNOLÓGICA Gestão CARGA HORÁRIA 180 horas ITINERÁRIO

Leia mais

CURSO NEGOCIAÇÃO E COMUNICAÇÃO COM CLIENTES DIFÍCEIS

CURSO NEGOCIAÇÃO E COMUNICAÇÃO COM CLIENTES DIFÍCEIS CURSO NEGOCIAÇÃO E COMUNICAÇÃO COM CLIENTES DIFÍCEIS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 03 2. DESENVOLVIMENTO A. Proposta pedagógica B. Investimento C. Condições de participação 03 03 04 04 3. FICHA DE INSCRIÇÃO 05

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO

RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO A pasta do estágio será composta pelas fichas referentes ao estágio profissional supervisionado, deverão ser elaborados segundo os padrões das normas ABNT e entregue à Coordenação

Leia mais

1 EMENTA 2 OBJETIVOS DO COMPONENTE CURRICULAR 3 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Cálculo e Raios e comprimentos Plano cartesiano Análise de gráficos

1 EMENTA 2 OBJETIVOS DO COMPONENTE CURRICULAR 3 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Cálculo e Raios e comprimentos Plano cartesiano Análise de gráficos PLANO DE ENSINO Disciplina Fundamentos de Matemática Código Docente Daniela Macêdo Damaceno Pinheiro Semestre I/2013.1 Carga horária 80h 1 EMENTA Frações Produtos notáveis Funções, equações e inequações

Leia mais

O remédio certo na dose certa!

O remédio certo na dose certa! O remédio certo na dose certa! Programa DC-DinsmoreCompass de Avaliação e Desenvolvimento de Competências em Gestão de Projetos A DC-DinsmoreCompass, com base em padrões de referência publicados pelo PMI

Leia mais

Regularização de Estágios Obrigatórios 2011 LEI , DE 25 DE SETEMBRO DE 2008

Regularização de Estágios Obrigatórios 2011 LEI , DE 25 DE SETEMBRO DE 2008 LEI 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008 Artigo 2º, parágrafo 1º, estágio obrigatório é aquele definido como tal no projeto do curso, cuja carga horária é requisito para aprovação e obtenção de diploma. Artigo

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Domínio Cognitivo (Nível dos Conhecimentos) Compreensão oral e escrita; Conhecimento de formas e regras de funcionamento da língua materna; Conhecimento e compreensão de conceitos

Leia mais

Psicologia da Educação Curso de Professores do Ensino Básico 1º Ciclo 2º Ano

Psicologia da Educação Curso de Professores do Ensino Básico 1º Ciclo 2º Ano Psicologia da Educação Curso de Professores do Ensino Básico 1º Ciclo 2º Ano Ano lectivo 2007/2008 Copyright, 2008 José Farinha, Prof. Adjunto Sumário da aula de hoje: Apresentação: Da equipa pedagógica

Leia mais

REGULAMENTO 3.ª EDIÇÃO 2016

REGULAMENTO 3.ª EDIÇÃO 2016 Faculdade de Economia da Universidade do Porto Rua Dr. Roberto Frias, 4200-464 Porto REGULAMENTO 3.ª EDIÇÃO 2016 - As Jornadas - 1. As Jornadas de Economia e Gestão da Faculdade de Economia da Universidade

Leia mais

Cada programa, projeto ou produto possui determinadas fases de desenvolvimento: São as

Cada programa, projeto ou produto possui determinadas fases de desenvolvimento: São as Cada programa, projeto ou produto possui determinadas fases de desenvolvimento: São as chamadas fases do ciclo de vida de um PROJETO Planeamento a) Fase Inicial - concetual b) Fase de planeamento c) Fase

Leia mais

Planeamento. Avaliação

Planeamento. Avaliação Planeamento e Avaliação Planeamento e Avaliação Definição de Planeamento Fases de Planeamento Plano vs Projecto Relatório O quê? PLANEAMENTO Planear uma actividade, evento ou projecto, significa responder

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 012 DE 06 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 012 DE 06 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 012 DE 06 DE DEZEMBRO DE 2013 AVALIAÇÃO PERIÓDICA DE DESEMPENHO APD (ANEXO I) Este formulário destina-se à avaliação periódica dos servidores Assistente e Técnico-administrativo estáveis,

Leia mais

Manual do facilitador

Manual do facilitador Manual do facilitador Introdução Este manual faz parte do esforço para institucionalizar o sistema de informação de uma maneira coordenada a fim de que as informações possam ser de acesso de todos que

Leia mais

Pós-graduação EAD. Avaliação de Curso, Infraestrutura e Atendimento. (2º semestre de 2014)

Pós-graduação EAD. Avaliação de Curso, Infraestrutura e Atendimento. (2º semestre de 2014) Pós-graduação EAD Avaliação de Curso, Infraestrutura e Atendimento (2º semestre de 2014) Fevereiro/2015 FICHA TÉCNICA Período de aplicação Durante os meses de novembro e dezembro. Formato On-line, por

Leia mais

Plano de ensino. 2) Objetivos Promover a leitura e interpretação de artigos científicos com rigor acadêmico.

Plano de ensino. 2) Objetivos Promover a leitura e interpretação de artigos científicos com rigor acadêmico. Plano de ensino 1) Identificação Curso Nutrição Disciplina Leitura e Interpretação de Artigos Científicos na Área da Saúde Carga horária 34h Semestre letivo 01/2012 Professor Franceliane Jobim Benedetti

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2012

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2012 Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

Avaliação dos Estudantes sobre o Uso de Imagens como Recurso Auxiliar no Ensino de Conceitos Químicos

Avaliação dos Estudantes sobre o Uso de Imagens como Recurso Auxiliar no Ensino de Conceitos Químicos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA BOLSISTA: LIANE ALVES DA SILVA Avaliação dos Estudantes sobre o Uso de Imagens como Recurso Auxiliar

Leia mais

REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS

REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Art 1º. A Extensão Acadêmica se constitui em uma prática permanente de interação universidade-sociedade, articulada ao ensino

Leia mais

POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Última atualização: 18/03/2014 Versão A EXCLUSIVO PARA USO INTERNO Produzido pela área de RH Aprovado e revisado pela Gerência de RH A reprodução e a distribuição

Leia mais

SAEB / Prova Brasil Metodologia, Estratégias e Resultados Matrizes, Itens, Escala e Materiais

SAEB / Prova Brasil Metodologia, Estratégias e Resultados Matrizes, Itens, Escala e Materiais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira SAEB / Prova Brasil Metodologia, Estratégias e Resultados Matrizes, Itens, Escala e Materiais SAEB - Metodologia

Leia mais

Auto-Avaliação do Desempenho Docente da FACENE

Auto-Avaliação do Desempenho Docente da FACENE Auto-Avaliação do Desempenho Docente da FACENE - 2011 Foram analisadas as respostas dos professores da FACENE no período letivo 2011.1 e 2011.2, a um questionário estruturado, perfazendo um total de 80

Leia mais

Coloque aqui o Título do seu Projeto de Pesquisa. Fulano de Tal

Coloque aqui o Título do seu Projeto de Pesquisa. Fulano de Tal ANEXO 1 (apague essa linha no seu projeto) Coloque aqui o Título do seu Projeto de Pesquisa Fulano de Tal fdtal@email.br Resumo O resumo deve conter entre 150 e 250 palavras e apresentar brevemente justificativa,

Leia mais

ABERTA AS INSCRIÇÕES PARA O CONCURSO DE LOGOMARCA DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS UEMS/NAVIRAÍ

ABERTA AS INSCRIÇÕES PARA O CONCURSO DE LOGOMARCA DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS UEMS/NAVIRAÍ ABERTA AS INSCRIÇÕES PARA O CONCURSO DE LOGOMARCA DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS UEMS/NAVIRAÍ Solte suas ideias! Está aberto o Concurso para escolha da Logomarca do curso de Engenharia de Alimentos!

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico CETEC. Ensino Técnico. Habilitação Profissional: Nível Médio de Técnico em Administração

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico CETEC. Ensino Técnico. Habilitação Profissional: Nível Médio de Técnico em Administração Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível Médio de Técnico em Administração

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE TUTORES Modalidade On-line EDITAL DE SELEÇÃO

CURSO DE FORMAÇÃO DE TUTORES Modalidade On-line EDITAL DE SELEÇÃO CURSO DE FORMAÇÃO DE TUTORES Modalidade On-line EDITAL DE SELEÇÃO CURSO DE EXTENSÃO ONLINE NOME DO CURSO FORMAÇÃO DE TUTORES COORDENAÇÃO Professor Mestre Ivan Carlos Alcântara de Oliveira ÁREA DO CONHECIMENTO

Leia mais

GUIA PRÁTICO RELAÇÕES DE REPRESENTAÇÃO PERANTE A SEGURANÇA SOCIAL

GUIA PRÁTICO RELAÇÕES DE REPRESENTAÇÃO PERANTE A SEGURANÇA SOCIAL GUIA PRÁTICO RELAÇÕES DE REPRESENTAÇÃO PERANTE A SEGURANÇA SOCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/8 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático de Relações de Representação Perante a Segurança

Leia mais

MÓDULO 3 - CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO E SENSIBILIZAÇÃO DE. Competências a serem Desenvolvidas:

MÓDULO 3 - CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO E SENSIBILIZAÇÃO DE. Competências a serem Desenvolvidas: MÓDULO 3 - CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO E SENSIBILIZAÇÃO DE EDUCADORES: INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS Competências a serem Desenvolvidas: O participante desenvolve o recurso de contar

Leia mais

Atribuições do professor-tutor da Seed/PR

Atribuições do professor-tutor da Seed/PR GESTÃO EM FOCO Programa de Fortalecimento da Gestão Escolar Secretaria de Estado da Educação do Paraná Governo do Paraná Atribuições do professor-tutor da Seed/PR Pauta da Reunião a) Edital de seleção

Leia mais

Objetivo do Portal da Gestão Escolar

Objetivo do Portal da Gestão Escolar Antes de Iniciar Ambiente de Produção: É o sistema que contem os dados reais e atuais, é nele que se trabalha no dia a dia. Neste ambiente deve-se evitar fazer testes e alterações de dados sem a certeza

Leia mais

FACULDADE DE ARARAQUARA IESP Instituto Educacional do Estado de São Paulo Rua Miguel Cortez, 50, Vila Suconasa, Araraquara/SP Tel: 3332-4093

FACULDADE DE ARARAQUARA IESP Instituto Educacional do Estado de São Paulo Rua Miguel Cortez, 50, Vila Suconasa, Araraquara/SP Tel: 3332-4093 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Dispõe sobre as Atividades Complementares do Curso de Direito da Faculdade de Araraquara CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Este Regulamento dispõe sobre

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA FLORESTAL (TCC EF)

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA FLORESTAL (TCC EF) TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA FLORESTAL (TCC EF) I. DEFINIÇÃO Em atendimento às Diretrizes Curriculares do Ministério da Educação, todo aluno do Curso de Engenharia Florestal deverá, obrigatoriamente,

Leia mais

Manual de Acesso do Aluno

Manual de Acesso do Aluno Manual de Acesso do Aluno www.unip.br Sumário MANUAL DE ACESSO DO ALUNO 1. ACESSO AO SISTEMA DE DISCIPLINAS ON-LINE...2 2. AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM (AVA)...4 2.1 Vídeos Instrucionais...4 2.2 Atualização

Leia mais

Menu Pesquisador. o Inscrição em Novo Projeto. Para Iniciar um novo projeto clique em Inscrição em novo Projeto. A seguinte tela aparecerá:

Menu Pesquisador. o Inscrição em Novo Projeto. Para Iniciar um novo projeto clique em Inscrição em novo Projeto. A seguinte tela aparecerá: Menu Pesquisador o Inscrição em Novo Projeto Para Iniciar um novo projeto clique em Inscrição em novo Projeto A seguinte tela aparecerá: Clique no botão Criar novo Projeto obs: cada pesquisador só poderá

Leia mais

PROJETO PARA O CONHECIMENTO DAS AVALIAÇÕES ESTUDANTIS SAL-P: PARA A PRÓXIMA GERAÇÃO

PROJETO PARA O CONHECIMENTO DAS AVALIAÇÕES ESTUDANTIS SAL-P: PARA A PRÓXIMA GERAÇÃO Sal-P The Next Generation Portuguese version PROJETO PARA O CONHECIMENTO DAS AVALIAÇÕES ESTUDANTIS SAL-P: PARA A PRÓXIMA GERAÇÃO Por que você deve ter conhecimento das avaliações? É seu direito saber:

Leia mais

TLBD1. Análise e Levantamento de Requisitos. Prof. Robson Carvalho

TLBD1. Análise e Levantamento de Requisitos. Prof. Robson Carvalho TLBD1 Análise e Levantamento de Requisitos Prof. Robson Carvalho carvalho.ti@gmail.com Análise de Requisitos A Análise de Requisitos é a primeira atividade técnica no desenvolvimento do software, é a base

Leia mais

CRITÉRIOS PARA CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO NO PPGMS Resolução PPGMS nº 01/2013 aprovada pelo Colegiado em 6 de fevereiro de 2013

CRITÉRIOS PARA CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO NO PPGMS Resolução PPGMS nº 01/2013 aprovada pelo Colegiado em 6 de fevereiro de 2013 CRITÉRIOS PARA CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO NO PPGMS - 2013 Resolução PPGMS nº 01/2013 aprovada pelo Colegiado em 6 de fevereiro de 2013 Em consonância com o regulamento da CAPES, portaria

Leia mais

ORIENTAÇÕES AVALIAÇÃO DA EQUIPE PRONATEC

ORIENTAÇÕES AVALIAÇÃO DA EQUIPE PRONATEC MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO- PRONATEC

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Avaliação do Ensino Aprendizagem Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 8º 1 - Ementa (sumário, resumo) Contextualização histórica

Leia mais

ENQUETE. Formação acadêmica Profissão (Área que atua) Interesses

ENQUETE. Formação acadêmica Profissão (Área que atua) Interesses Aula 1 e 2 ENQUETE Formação acadêmica Profissão (Área que atua) Interesses ESTRUTURA / PLANO DE AULA Horário: 19H00 às 23H00 com intervalo das 20H45 às 21H00 FALTAS A chamada será realizada antes e após

Leia mais

CARTA DE APRESENTAÇÃO DO ESTUDANTE

CARTA DE APRESENTAÇÃO DO ESTUDANTE ANEXO I CARTA DE APRESENTAÇÃO DO ESTUDANTE Senhor (a) Diretor (a):, de de. O Curso de PEDAGOGIA UNITINS/2007 apresenta a Vossa Senhoria o (a) estudante, que tem interesse em cumprir suas atividades práticas

Leia mais

Avaliação Econômica Projeto de Inclusão Digital. Naercio Aquino Menezes Filho Centro de Políticas Públicas Insper FEA-USP e Fundação Itaú Social

Avaliação Econômica Projeto de Inclusão Digital. Naercio Aquino Menezes Filho Centro de Políticas Públicas Insper FEA-USP e Fundação Itaú Social Avaliação Econômica Projeto de Inclusão Digital Naercio Aquino Menezes Filho Centro de Políticas Públicas Insper FEA-USP e Fundação Itaú Social Estrutura da Apresentação 1) O que é a Avaliação Econômica?

Leia mais

PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO. Escola SENAI Anchieta

PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO. Escola SENAI Anchieta PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO Escola SENAI Anchieta Sumário Página 01 Prática Profissional / Estágio 03 02 Da carga horária da Prática Profissional / Estágio

Leia mais

DESAFIO NAS ESCOLAS ÁGUA: USE, NÃO ABUSE REGULAMENTO

DESAFIO NAS ESCOLAS ÁGUA: USE, NÃO ABUSE REGULAMENTO 1- OBJETIVOS DO DESAFIO DESAFIO NAS ESCOLAS ÁGUA: USE, NÃO ABUSE REGULAMENTO Conscientizar a rede escolar para a importância da água; Desenvolver ações de economia de água na residência; Socialização e

Leia mais

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA 1 / 8 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Meio Ambiente por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Diretoria de Sustentabilidade DS, sobre as obras executadas no

Leia mais

CALENDÁRIO - PED LIBRAS - SISTEMA EAD Atualizado em 31/03/2011

CALENDÁRIO - PED LIBRAS - SISTEMA EAD Atualizado em 31/03/2011 CALENDÁRIO PED LIBRAS SISTEMA EAD Atualizado em 31/03/2011 Estrutura do Calendário Antes de utilizar o Calendário do Curso, leia atentamente o Manual do Aluno de EAD para que possa entender o processo

Leia mais

ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO

ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus João Pessoa, através da Coordenação do Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet

Leia mais

COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM ATIVIDADES Atividade Extra - Fórum SIEPE (Compensação da carga horária do dia 08/09/2012) A atividade foi postada no módulo X Atividade Módulo X - Fórum Agenda O cursista

Leia mais

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia 1 PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06 Prof.: Franklin M. Correia NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... Atividades de Gerenciamento Planejamento de Projetos Programação de Projeto O QUE TEMOS PARA HOJE!!

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a contratação de empresa Especializada de Consultoria para Planejamento da Estrutura Funcional e Organizacional

Leia mais

Avaliação do Cliente e Qualidade

Avaliação do Cliente e Qualidade Avaliação do Cliente e Qualidade AVALIAÇÃO DOS CLIENTES O cliente recebe um e-mail do ifood após a conclusão de cada pedido, solicitando uma avaliação. O cliente pode, ainda, acessar o site do ifood para

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL DEPARTAMENTO: PLANIFICAÇÃO ANUAL - ANO LETIVO: DISCIPLINA: Matemática A (12.º ano) Matemática e Ciências Experimentais 2015/2016 UNIDADE Tema 1 - Probabilidades e Combinatória

Leia mais

. ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS

. ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS . ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS ASPECTOS LEGAIS LEI Nº 4.751, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2012 Dispõe sobre o Sistema de Ensino e a Gestão Democrática do Sistema de Ensino Público do Distrito Federal. PORTARIA Nº

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO. Nº trabalhadores. Morada. Código Postal. Pessoa de contacto. Tel.

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO. Nº trabalhadores. Morada. Código Postal. Pessoa de contacto. Tel. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO Empresa. Inserir texto Morada. Nº trabalhadores. Inserir texto Código Postal. Inserir texto E-mail. Inserir texto Pessoa de contacto.

Leia mais

Tópicos em Gestão da Informação II

Tópicos em Gestão da Informação II Tópicos em Gestão da Informação II Aula 05 Variabilidade estatística Prof. Dalton Martins dmartins@gmail.com Gestão da Informação Faculdade de Informação e Comunicação Universidade Federal de Goiás Exercício

Leia mais

EDITAL 001/2013/PIBID/UNIR * A coordenação do Projeto PIBID da UNIR comunica a abertura de inscrição para a seleção do Logotipo do PIBID/UNIR.

EDITAL 001/2013/PIBID/UNIR * A coordenação do Projeto PIBID da UNIR comunica a abertura de inscrição para a seleção do Logotipo do PIBID/UNIR. EDITAL 001/2013/PIBID/UNIR * A coordenação do Projeto PIBID da UNIR comunica a abertura de inscrição para a seleção do Logotipo do PIBID/UNIR. 1 - DAS CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO 1.1 O concurso é aberto

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA MARKETING II

PROGRAMA DA DISCIPLINA MARKETING II 1. IDENTIFICAÇÃO PROGRAMA DA DISCIPLINA MARKETING II CURSO: ADMINISTRACAO ANO: 2014 DISCIPLINA: MARKETING II CÓDIGO: ADM10598 PERÍODO: 2014/1 CARGA HORÁRIA: 60h PROFESSOR (A): MICHEL VASCONCELOS 2. DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS DE APROFUNDAMENTO DO CURSO PEDAGOGIA/EAD LICENCIATURA CAPITULO I DA REGULAMENTAÇÃO

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS DE APROFUNDAMENTO DO CURSO PEDAGOGIA/EAD LICENCIATURA CAPITULO I DA REGULAMENTAÇÃO REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS DE APROFUNDAMENTO DO CURSO PEDAGOGIA/EAD LICENCIATURA CAPITULO I DA REGULAMENTAÇÃO Art. 1 o O presente Regulamento disciplina os procedimentos para oferta,

Leia mais

PONTOS BÁSICOS PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS. Klecius Ellera Gomes

PONTOS BÁSICOS PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS. Klecius Ellera Gomes PONTOS BÁSICOS PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS Klecius Ellera Gomes Por que elaborar um projeto? Qual a necessidade de elaborar um projeto? Principais aspectos de um projeto Foco definido/problema Objetivo

Leia mais

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*)

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Componentes do currículo Áreas disciplinares de frequência obrigatória: Português Matemática Estudo do Meio Expressões: Artísticas e Físico-Motoras. Apoio

Leia mais

Estágio Supervisionado em Química I

Estágio Supervisionado em Química I Estágio Supervisionado em Química I Profª Tathiane Milaré AULA 1 Planejamento das atividades Objetivos Gerais da Disciplina vivenciar situações do cotidiano da escola e, em especial, aquelas dirigidas

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO EM SAÚDE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO -PCCV-

SECRETARIA EXECUTIVA DE GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO EM SAÚDE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO -PCCV- SECRETARIA EXECUTIVA DE GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO EM SAÚDE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO -PCCV- RECIFE, 2013 CONCEITO O Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV) é o conjunto de normas que disciplinam

Leia mais

Definições das opções Ferramentas, Opções Ferramentas, Opções Opções do Sistema Propriedades do Documento Opções do Sistema

Definições das opções Ferramentas, Opções Ferramentas, Opções Opções do Sistema Propriedades do Documento Opções do Sistema Deseja reduzir ainda mais o tempo gasto em um determinado projeto? Este documento tem por objetivo mostrar um passo-a-passo a ser realizado para a criação de Templates no SOLIDWORKS. Definições das opções

Leia mais

Regulamento do Concurso Prova 10

Regulamento do Concurso Prova 10 Regulamento do Concurso Prova 10 O presente Regulamento define as Regras de Funcionamento do Concurso Prova 10, cuja organização pertence à Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional

Leia mais

Este desafio será uma das atividades da Semana Tecnológica.

Este desafio será uma das atividades da Semana Tecnológica. REGULAMENTO DESAFIO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM INSTALAÇÕES PREDIAIS SISTEMA DE ILUMINAÇÃO 2015/02 Apresentação O desafio de eficiência energética em instalações prediais sistema de iluminação dos Cursos

Leia mais

Informatização de inscrições em treinamentos via Portal SAP

Informatização de inscrições em treinamentos via Portal SAP 1 2 Informatização de inscrições em treinamentos via Portal SAP Autores: Fabiano Zaché Nayara Teixeira Unidade: R-DDP Chefia: Renata Faco Oportunidade Percebida O desenvolvimento de uma ferramenta informatizada

Leia mais

Desenvolvimento do trabalho

Desenvolvimento do trabalho Desenvolvimento do trabalho Manhã do dia 28.03 Conceitos e características da avaliação em larga escala. Principais aspectos do delineamento de uma proposta de avaliação. Desenvolvimento do trabalho Tarde

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

RESOLUÇÃO n 048 TÍTULO I DA NATUREZA, DEFINIÇÃO E PRINCÍPIOS

RESOLUÇÃO n 048 TÍTULO I DA NATUREZA, DEFINIÇÃO E PRINCÍPIOS RESOLUÇÃO n 048 0 CONSUPER/2012 Regulamenta o Programa de Assistência Estudantil do Instituto Federal Catarinense. Processo nº 23348.000931/2012-24. O Presidente do do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS 2014

AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS 2014 AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS 2014 Instrumento para avaliação do curso de graduação em Ciências Econômicas por parte dos docentes que nele ministraram alguma disciplina durante o ano letivo

Leia mais

GABINETE DE AVALIAÇÃO

GABINETE DE AVALIAÇÃO GABINETE DE AVALIAÇÃO Dezembro.2013 Relatório de avaliação da satisfação dos utentes das Bibliotecas do Instituto Politécnico de Viana do Castelo ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 1 I.1 Participação no Inquérito...

Leia mais

PERFIL ACADÊMICO TANGARÁ DA SERRA - MT APAE ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS. Fundação 13/09/84

PERFIL ACADÊMICO TANGARÁ DA SERRA - MT APAE ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS. Fundação 13/09/84 Fundação 13/09/84 Ultima Atualização do Estatuto Registrado no Cartório do 1º Ofício sob nº 17.876, fls 282, Livro A-2, em 16/11/2006 Utilidade Pública Municipal, Lei 0170/85 Início das Atividades da Esc.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CEUMA UniCEUMA CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NAC NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA NPJ

UNIVERSIDADE DO CEUMA UniCEUMA CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NAC NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA NPJ PROJETO VISITAS TÉCNICAS EM BRASÍLIA/DF EDITAL NAC DE SELEÇÃO nº06/2016 A Coordenadoria Geral do Curso de Direito da Universidade Ceuma, através de seu Núcleo de Atividades Complementares NAC e do Núcleo

Leia mais

Manual Geral de Aplicação Universal Entrada 2008

Manual Geral de Aplicação Universal Entrada 2008 Universal Entrada 2008 Programa Programa - Manual do Aplicador Teste Universal - 2008 Teste Cognitivo Leitura/Escrita e Matemática Caro alfabetizador(a): Se você está recebendo este material, é porque

Leia mais

CPA. Comissão Própria de Avaliação

CPA. Comissão Própria de Avaliação CPA Comissão Própria de Avaliação CPA O espelho da instituição A Avaliação reflete os sentidos, sentimentos e percepções. A consciência é requisito básico para garantir a veracidade do diagnóstico. CPA

Leia mais

ANÁLISE DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DOCENTE INSTITUCIONAL

ANÁLISE DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DOCENTE INSTITUCIONAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL ELETRÔNICA 2015 NOTA EXPLICATIVA: I A metodologia de análise dos dados relativos à Avaliação Institucional Eletrônica /2015 considerou: a) os dados gerais da instituição, visando

Leia mais

CAF Estrutura Comum de Avaliação para a Qualidade Total das Administrações da União Europeia

CAF Estrutura Comum de Avaliação para a Qualidade Total das Administrações da União Europeia QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO Pais/Encarregados de Educação CAF Estrutura Comum de Avaliação para a Qualidade Total das Administrações da União Europeia Agrupamento de Escolas de Arganil 2º/3º CEB e Secundário

Leia mais

EDITAL CEET Nº 001/2016 3ª FEIRA DE CURSOS DO CEET TALMO LUIZ SILVA

EDITAL CEET Nº 001/2016 3ª FEIRA DE CURSOS DO CEET TALMO LUIZ SILVA EDITAL CEET Nº 001/2016 3ª FEIRA DE CURSOS DO CEET TALMO LUIZ SILVA O CEET Talmo Luiz Silva torna público o presente Edital de inscrição de projetos de alunos a serem avaliados e expostos na 3ª Feira de

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Qualificação:

Leia mais

Critérios de Avaliação da Disciplina de Geografia - 3º Ciclo

Critérios de Avaliação da Disciplina de Geografia - 3º Ciclo Critérios de Avaliação da Disciplina de Geografia - 3º Ciclo A função de avaliação corresponde à análise cuidada das aprendizagens conseguidas relativamente às planeadas, devendo traduzir-se numa descrição

Leia mais

BASE DE DADOS ACERVO JUDICIÁRIO DO ARQUIVO NACIONAL

BASE DE DADOS ACERVO JUDICIÁRIO DO ARQUIVO NACIONAL BASE DE DADOS ACERVO JUDICIÁRIO DO ARQUIVO NACIONAL Manual para procedimentos básicos A tela inicial irá apresentar um menu com as seguintes opções: Introdução, Manual, Vocabulário, Consulta e Sair. 1

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE CENECISTA DE VARGINHA Administração e Ciências Contábeis: Reconhecimento pelo Decreto Federal Nº 76177/75 - D.O. 02/09/75 Ciências Econômicas: Reconhecimento através da Portaria Ministerial Nº

Leia mais

PLANO PARA DESENVOLVIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

PLANO PARA DESENVOLVIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE CNEC DE VILA VELHA - FACEVV VERSÃO 04 - ATUALIZADA EM: 01/04/2011 - COORDENADOR DE ESTÁGIOS DA FACEVV PLANO PARA DESENVOLVIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL TENENTE JOSÉ LUCIANO Projeto: JOGAR, DIVERTIR E APRENDER COM A DONA MATEMÁTICA

ESCOLA ESTADUAL TENENTE JOSÉ LUCIANO Projeto: JOGAR, DIVERTIR E APRENDER COM A DONA MATEMÁTICA ESCOLA ESTADUAL TENENTE JOSÉ LUCIANO Projeto: JOGAR, DIVERTIR E APRENDER COM A DONA MATEMÁTICA - 2015...o brinquedo desperta interesse e curiosidade... Rubem Alves Autora: Rita Siqueira Público alvo: alunos

Leia mais

Acreditamos no seu envolvimento e dedicação à sua realização e confiamos no seu sucesso.

Acreditamos no seu envolvimento e dedicação à sua realização e confiamos no seu sucesso. ATIVIDADE INTEGRADORA CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GESTÃO ESCOLAR CIRCUITO: 9 PERIODO: 7º Caro (a) aluno (a), Esta atividade deverá ser desenvolvida individualmente

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA REALIZAÇÃO DO CONSELHO DE CLASSE - DIRETOR

ORIENTAÇÕES PARA REALIZAÇÃO DO CONSELHO DE CLASSE - DIRETOR ORIENTAÇÕES PARA REALIZAÇÃO DO CONSELHO DE CLASSE - DIRETOR Sendo assim, Diretor/Vice, o Conselho de Classe é uma reunião avaliativa em que você e o vice, o coordenador e os professores (em determinadas

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 26 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 26-21/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

MATEMÁTICA. 8.º Ano. Prof. Nuno Marreiros. Apresentação

MATEMÁTICA. 8.º Ano. Prof. Nuno Marreiros. Apresentação MATEMÁTICA 8.º Ano Prof. Nuno Marreiros Apresentação 1 Definição de normas de funcionamento das aulas Chegar a horas (não há tolerância) depois do professor entrar e fechar a porta, acabaram-se as entradas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTAS PARA O PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET/EF/UFES O tutor do grupo Programa de Educação Tutorial - Educação Física (PET-EF), no uso de suas atribuições legais, torna público

Leia mais