E-COMMERCE SEM FRONTEIRAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "E-COMMERCE SEM FRONTEIRAS"

Transcrição

1 1 E-COMMERCE SEM FRONTEIRAS Mariana Katsuragawa Campovila 1 Andrea Melissa Grigowski 2 RESUMO O objetivo do presente estudo é sintetizar informações já publicadas a respeito do comércio eletrônico. A elaboração deste artigo consiste na análise de referenciais teóricos e estudos bibliográficos através de sites e livros. Sua estrutura consiste no conceito e origem da Internet, no âmbito nacional e mundial, na definição de e-commerce, suas vantagens e desvantagens, as variáveis através de diferentes equipamentos, conceito de e-business, e- branding e naming, os nichos de mercado existentes, os produtos virtuais, as mais utilizadas formas de pagamento online, as principais causas de fracassos de uma loja virtual, a necessidade dos planos de contingência, além de itens amplamente utilizados nos dias atuais. A partir deste estudo, conclui-se que as plataformas disponíveis neste mercado são extremamente úteis nos dias atuais e estão em rápidas e constantes mudanças, sendo que o comércio virtual está expandindo vertiginosamente, e as pessoas e empresas que não acompanharem sua evolução perderão espaço no cenário competitivo atual. Palavras-chave: Comércio. E-commerce. Globalização. Internet. Marketing. 1 INTRODUÇÃO Para o desenvolvimento deste artigo foram realizados estudos bibliográficos e o mesmo tem como objetivo sintetizar informações sobre o e- commerce (electronic commerce), o qual pode ser definido como o comércio de produtos e serviços realizado através da Internet. É conhecido também por comércio ou marketing eletrônico, virtual ou digital. O comércio eletrônico facilita, agiliza e barateia a divulgação dos produtos das empresas, aumentando as negociações, estimulando a competitividade, 1 Acadêmica de MBA em Assessoria Executiva (UNINTER). Graduada em Tecnologia em Secretariado (UNINTER). Técnica em Secretariado e Assessoria (Centro Paula Souza). 2 Secretária Executiva Trilíngue (Facinter), Especialista em Marketing e Negócios (IBPEX), Especialista em Magistério Superior (IBPEX), acadêmica de Gestão de Recursos Humanos (UNIP), orientadora de TCC do Grupo Uninter.

2 2 além de estreitar o relacionamento com os stakeholders 3. Com a Internet, o consumidor pode pesquisar e entrar em contato, em tempo real, com várias lojas de diferentes lugares, gastando um valor único de conexão. Devido à baixa infraestrutura necessária ao comércio eletrônico, as empresas conseguem divulgar preços bem mais acessíveis do que em lojas físicas, que possuem alto custo para manter as portas abertas com espaços decorados e diversos funcionários. Para manter um bom negócio online é necessária a manutenção contínua do site, além de desenvolver meticulosamente um processo de planejamento operacional e logístico para concluir ágil e eficientemente a entrega do produto. Com isso, as empresas fizeram parcerias com serviços especializados em transportes de cargas. O avanço da tecnologia permitiu sabermos exatamente o que os clientes estão comentando sobre a empresa e conhecer seus interesses e necessidades. Atualmente, existem diversas ferramentas no mercado que possibilitam registrar e gerenciar todos os acessos e históricos de atividades dos clientes, além de haver a necessidade de estar presente digitalmente para acompanhar os comentários sobre a marca. Com a globalização e o uso cada vez mais intenso da Internet, as empresas foram obrigadas a adaptar seus processos para se estabelecer no mercado e poder competir com seus concorrentes. A escolha deste tema foi baseada na sua crescente importância no cotidiano das pessoas e empresas, sendo um negócio que traz benefícios tanto a quem vende quanto a quem compra e, por ser um assunto tão abrangente que ainda está em desenvolvimento e crescimento. O artigo está organizado em cinco tópicos. O primeiro corresponde à introdução. O segundo ao conceito básico de Internet, sua origem no mundo e no Brasil. O terceiro, ao conceito de e-commerce, web 1.0, 2.0 e 3.0, e-branding, naming, e-business, vantagens, desvantagens e variáveis do e-commerce, nichos de mercado, produtos virtuais, pagamentos online, fracassos de lojas virtuais e planos de contingência. O quarto à metodologia utilizada para a 3 Qualquer pessoa que influencie o comportamento de uma organização, podendo ser externos (fornecedores, parceiros, concorrentes, etc.) ou internos (diretores, altos executivos, gerentes de nível médio, funcionários, etc.). (KLUYVER; PEARCE II, 2007, p. 9).

3 3 realização da pesquisa. E, o quinto às conclusões referentes ao estudo. 2 INTERNET Para o site Significados (2014), o termo Internet tem origem inglesa, onde, inter significa internacional e net significa rede. Para Pierre Lévy, citado por Costa (2007, p. 24), essa designação vem do termo inglês internetworking (ligação entre redes). Segundo Flloress (2014), o termo Internet foi definido em 1995, pelo FNC 4. Já de acordo com Kurose e Ross (2003, 1 p.), a Internet é uma rede de computadores mundial, isto é, uma rede que conecta milhões de equipamentos de computação em todo o mundo, além de ser muito complexa, tanto no que se refere aos seus componentes de hardware e software quanto aos serviços que oferece. Temos a Internet pública (rede global de redes, onde qualquer pessoa pode acessar) e a Intranet (redes privadas com acesso restrito, onde máquinas externas não podem trocar mensagens com elas). 2.1 A ORIGEM DA INTERNET Para Caiçara Júnior e Paris (2007), a Internet, rede das redes, surgiu durante a Guerra Fria, em 1967, com a criação da rede Arpanet, pela DARPA 5, com o intuito de compartilhar pesquisas militares. Em 1969, passou a conectar também universidades americanas. Visando o funcionamento servidor a servidor, em 1971, foi criado o protocolo NCP 6, que seria precursor dos protocolos TCP/IP, usados atualmente. Com o aumento dos participantes da Arpanet, resolveu-se desmembrar a rede em: Nova Arpanet, voltada para pesquisas e Milnet, para fins militares e de defesa. Mas em pouco tempo o NCP já não suportava o tráfego da rede e a falta de padronização nas comunicações, fez com que cada rede caminhasse para uma estrutura proprietária e não aberta. 4 Federal Networking Council. 5 Defense Advanced Research Project Agency. 6 Network Control Protocol.

4 4 A solução foi o protocolo TCP/IP que permite uma arquitetura 100% aberta. Segundo Ferreira (2014), no site FMH, no início de 1980, juntou-se a Arpanet, a Milnet (rede militar), a MSFnet (rede científica) e as redes baseadas em BBS, nascendo a Internet a rede das redes. Sendo que a principal razão da Internet funcionar tão bem é pelo fato de não ter um dono, pois além de ser descentralizada, ainda tem a vantagem de ser anárquica com relação às burocracias. Em 1990, criou-se o HTML 7, permitindo a comunicação da informação gráfica na Internet, onde cada pessoa podia criar páginas gráficas, que fariam parte de um todo, ou seja, uma rede virtual de hipertexto conhecida por www 8. Para o site Sua Pesquisa (2013), a www popularizou a Internet, devido sua interface gráfica tornar os sites mais dinâmicos e visualmente interessantes. Para Müller (2013), a Internet no Brasil iniciou-se, em 1988, com o primeiro acesso à rede Bitnet, pelo LNCC 9 com uma universidade americana. Logo depois, a FAPESP 10 também se ligou à Bitnet com o FERMILAB 11, em Chicago, e, algum tempo depois, criou-se a rede ANSP 12, interligando universidades brasileiras e institutos de pesquisas. Em meados de 1980, o IBASE 13, integrou-se ao Interdoc, cujo objetivo era a utilização do correio eletrônico para troca de informações entre ONG s 14 de todo o mundo. Mas esse sistema era extremamente caro, o que fez com que o IBASE testasse o Alternex, serviço internacional de mensagens e conferências eletrônicas, que seria o primeiro serviço brasileiro de Internet não-acadêmica e não-governamental, restrito inicialmente aos seus membros e associados, sendo aberto ao público quatro anos depois. Para Caiçara Júnior e Paris (2007), a Internet chegou ao 7 Hypertext Internet Protocol 8 World Wide Web 9 Laboratório Nacional de Computação Científica. 10 Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. 11 Fermi National Accelerator Laboratory. 12 Academic Network at São Paulo. 13 Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas. 14 Organizações Não Governamentais.

5 5 Brasil através da RNP 15, criada em 1989, e desenvolvida pela iniciativa da comunidade acadêmica de ciência da computação com parceria do CNPq 16. Segundo Müller (2013), no final de 1994, o governo brasileiro resolveu investir na nova tecnologia. Ficou a cargo da Embratel e da RNP a criação da estrutura necessária para a exploração comercial da Internet. O acesso experimental contou com usuários e, alguns meses depois, passou a funcionar de modo definitivo. Para auxiliar com a implantação, administração e uso da Internet no país, foi criado o Comitê Gestor Internet Brasil. Em 1996, aconteceu o grande boom da rede, devido à melhoria nos serviços, e o aumento de usuários e provedores. Para o site Sua Pesquisa (2013), além do uso doméstico - envio de e- mails, chats, redes sociais, trabalhos acadêmicos, etc., as empresas descobriram na Internet uma ótima ferramenta para melhorar e disparar suas vendas e obter lucros online, transformando a Internet em verdadeiros shoppings virtuais. 3 E-COMMERCE Há várias definições para o comércio eletrônico, doravante CE, porém Kalakota e Whinston, citados por Costa (2007, 114 p.), apresentam quatro definições distintas, observadas por perspectivas diferenciadas: Pela perspectiva de comunicações, o CE é a entrega de informações, produtos e serviços ou pagamentos por meio de linhas de telefone, redes de computadores ou qualquer outro meio eletrônico. Pela perspectiva de processo de negócio, o CE é a aplicação de tecnologia para a automação de transações de negócio e fluxos de dados. Pela perspectiva de serviço, o CE é uma ferramenta que endereça o desejo das empresas, dos consumidores e da gerência para cortar custos de serviços, enquanto melhora a qualidade das mercadorias e aumenta a velocidade da entrega do serviço. Pela perspectiva on-line, o CE provê a capacidade de comprar e vender produtos e informações na Internet e em outros serviços on-line. De acordo com o site Sinprorp (2014), a livraria Cultura foi uma das 15 Rede Nacional de Pesquisas. 16 Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.

6 6 primeiras empresas a vender livros através da Internet, em 1995, precedida pela livraria americana Amazon 17. Para o site Marketing Futuro (2014), no início do comércio virtual, muitas empresas adquiriram tecnologias simples, pois não tinham certeza se esta ferramenta se estabeleceria. Hoje em dia, entretanto, são necessários investimentos em sistemas de segurança, certificação, pagamento digital, carrinhos virtuais e outras funções, sendo estes itens essenciais para manter a vantagem competitiva no mercado digital. Além desses sistemas, de acordo com Cunha (2014), no site C2 Marketing Digital, muitas empresas investem para monitorar os acessos de seus clientes e registrar suas preferências e estabelecer estratégias competitivas, buscando a opinião dos consumidores e acompanhando minuciosamente esse relacionamento. Para Jadon e Lulio (2013), as compras virtuais proporcionam comodidade ao consumidor e aumentam seu poder de escolha e comparação de preço e qualidade dos produtos e serviços. Segundo o site Correios (2014), a previsão é de que: Há muito espaço para o comércio eletrônico diante das boas perspectivas socioeconômicas do Brasil para os próximos anos - expansão da economia, maior inclusão digital da população, maior acesso aos recursos de TI, melhoria das lojas on-line, aumento da confiança do e-consumidor e novos modelos de atuação no varejo eletrônico, como compras coletivas e integração com redes sociais. 3.1 WEB 1.0, 2.0 e 3.0 De acordo com Lopes (2013), a primeira fase da web (web 1.0) é denominada como a Internet das empresas, onde os consumidores possuíam apenas o poder de conhecer o conteúdo que as empresas disponibilizavam, não havendo uma relação entre o cliente e a empresa. Ainda para Lopes (2013), a segunda fase da web (web 2.0) é denominada como a Internet das pessoas, a qual vivenciamos atualmente, onde os consumidores podem tanto adquirir o conteúdo que as empresas disponibilizam, através de sites e redes sociais, quanto de outros usuários, além de criar e 17 Iniciou suas atividades com venda de livros e, atualmente, vende produtos diversos. (www.amazon.com, 2014).

7 7 compartilhar a sua opinião com a empresa e com outros clientes. O consumidor ganhou autonomia e essa mudança se deve a mudança de foco das empresas que era voltada ao produto e passou a ser para o cliente. Ainda existem empresas que não se relacionam com o cliente, mas esta é uma mudança sem volta, pois os usuários não se contentam mais com a simples imagem que a empresa tenta passar, mas sim com o que outros clientes dizem da marca. Lopes (2013) nos diz também que a terceira fase da web (web 3.0) é denominada como a Internet das coisas, onde os objetos estarão conectados à Internet e se comunicarão entre si e com as pessoas. 3.2 E-BRANDING, NAMING E IDENTIDADE DA MARCA Para o site Marketing Futuro (2014), branding significa marca, a qual simboliza a identidade da empresa. No e-branding, temos a construção da marca não só pelas empresas, mas com a contribuição dos clientes, através do relacionamento digital entre as partes. No branding 3.0, os consumidores dão mais valor e são mais influenciados pelas opiniões de outros consumidores do que pelas propagandas tradicionais. Empresas mais dinâmicas e interativas obtêm vantagem competitiva neste mercado, além de se destacar as com consciência ambiental, cultural, econômica e social. O site Marketing Futuro (2014) cita também que essa quantidade de informações e ofertas disponíveis faz com que as pessoas queiram trocar, em pouco tempo, seus produtos e até suas marcas. Há inúmeras opções disponíveis e as pessoas possuem cada vez menos tempo. Devido a isso, o marketing eletrônico passou a ser um excelente meio de compra, mas esse excesso pode trazer dificuldades de escolha, pois há no mercado produtos similares em relação ao preço, características e qualidade. Por isso não basta mais a propaganda tradicional, devendo-se focar ao que os e-consumers estão falando sobre a marca da empresa. As organizações que não se atentarem a globalização e às mídias sociais serão pouco a pouco excluídas do mercado.

8 8 Ainda de acordo com o site Marketing Futuro (2014), o termo naming é utilizado para definir o nome de uma marca, tendo como objetivo mostrar ao mercado qual é o negócio da empresa, através do seu nome, logotipos, imagens, cores, sons, etc. Para Jorge (2014), no site Fábrica de Ideias Brasileiras, as empresas vêm adaptando suas vitrines virtuais e seus layouts, sendo uma opção alterar os detalhes da marca para adequá-la melhor de acordo com sua evolução, mas não são recomendadas mudanças constantes, pois a tendência é diminuir a associação entre a empresa. 3.3 E-BUSINESS De acordo com Rebouças (2014), no site Infoescola, o e-business engloba todas as atividades empresariais utilizando-se de um sistema de informação interligado com a Internet como meio de atingir objetivos mercadológicos e comerciais. Para o site Marketing Futuro (2014), o e-business é composto por: - E-commerce: venda de produtos e serviços, via Internet, sendo dividido em: B2B 18 - entre as empresas, B2C 19 - entre a empresa e o consumidor, entre outros. - E-service: prestação de serviços via Internet. - E-procurement: sistema integrado com foco nos fornecedores, possibilitando gerir processos automatizados. - E-Costumer Relationship Management: engloba serviços adicionais para acompanhamento do cliente nas vendas virtuais, como histórico da interação do cliente com a empresa. - E-Enterprise Resource Planning: um dos mais importantes e com maior interação dos funcionários para inserir e controlar dados desde a chegada da matéria prima até a saída do produto. 18 O termo B2B (Business To Business) é definido como a compra, venda, parceria, troca ou negociação conduzidas entre duas ou mais empresas. (DEITEL; DEITEL; STEINBUHLER, 2004, p. 38, 43). 19 O termo B2C (Business To Consumer) é definido como transações entre empresas e consumidores finais. (DEITEL; DEITEL; STEINBUHLER, 2004, p. 42, 331).

9 9 - E-Decision Support System: também conhecido como Business Intelligence, é o processo de coleta, organização, análise, compartilhamento e monitoramento de informações para suporte à gestão de negócios. 3.4 VANTAGENS E DESVANTAGENS DO E-COMMERCE De acordo com Azevedo (2011), o comércio eletrônico apresenta as seguintes principais vantagens: através da Internet, temos um canal dinâmico, versátil e personalizado; pela sua magnitude, rapidamente pode-se tornar referência no setor; disponibilidade a todo o momento de acordo com a necessidade do consumidor; permite ter um estoque funcional, tendo o produto em estoque ou solicitando ao fornecedor, mesmo após a compra; redução do custo operacional, devido a despesas reduzidas; entre outros. Ainda de acordo com Azevedo (2012), o comércio eletrônico apresenta as seguintes principais desvantagens: falta de um toque pessoal, onde os clientes não interagem com ninguém; atrasos nas mercadorias, sendo que na loja física você leva o produto na hora que quer; alguns bens não podem sem comprados online, devido ao frete desproporcional ou produtos perecíveis; não permitir experimentação antes da compra; qualquer pessoa pode criar um site em poucos minutos, restringindo as compras às lojas famosas; entre outros. 3.5 VARIÁVEIS DO E-COMMERCE O e-commerce possui as seguintes variáveis: - M-Commerce (Mobile Commerce): De acordo com o site E-commerce News (2014), o avanço da tecnologia permitiu utilizarmos esses serviços através dos celulares e dispositivos móveis. Nesta versão são criadas páginas com layouts simples a fim de adequar e agilizar a navegação. As formas de pagamento por este meio podem ser as convencionais, ou até mesmo a cobrança direta na fatura do aparelho. Para o site E-commerce Brasil (2014), os recursos de ligações e mensagens de texto são amplamente utilizados para

10 10 informar novidades, mudanças, ofertas, andamento do pedido, e estabelecer um relacionamento com o cliente, sendo que a taxa de leitura de uma mensagem de texto é maior do que a leitura de s enviados pelas empresas. - T-Commerce (Television Commerce): Segundo Gavioli (2014), no site E- commerce News, o comércio televisivo, envolve o uso da televisão para a apresentação de anúncios publicitários aos telespectadores. Atualmente são utilizadas estratégias de marketing contínuo, como comerciais apresentados durante os programas ou utilização de banner na parte inferior da tela. Mas a televisão digital traz recursos de interatividade, possibilitando aos usuários clicar em ícones ou banners acionando a transmissão de dados do produto para o endereço do consumidor, além de aplicações que permitem encomendar produtos clicando em ícones exibidos. - S-Commerce (Social Commerce): Para Gavioli (2014), do site E- commerce News, o comércio social é a integração do e-commerce com as mídias sociais. Essa ferramenta diminui os custos com marketing, pois é feio o marketing boca-a-boca, além de poder interagir mais com os clientes. - Redes Sociais: De acordo com o site Marketing Futuro (2014), redes sociais são sites de relacionamento entre grupos de pessoas que possuem níveis de relação ou de interesses em comum que se agrupam para manter contato, trocar informações e compartilhar conteúdos diversos. Elas são uma categoria dentro das mídias sociais, sendo que algumas foram criadas para atender a demanda pessoal, enquanto outras atendem a demanda profissional, podendo ser utilizadas por pessoas físicas ou jurídicas. A partir de 2006, alavancou-se o uso das redes sociais com a criação do Orkut. Desde então, várias outras redes foram criadas, tais como o Facebook, o Twitter, o LinkedIn, YouTube, etc. Para o site E-commerce (2014), o Facebook percebeu o interesse das empresas pela rede e possibilitou a criação de lojas virtuais utilizando aplicativos, que funcionam como vitrines virtuais, e têm custos acessíveis. Apesar de serem menores que as vitrines virtuais tradicionais, atingem mais usuários através do compartilhamento entre redes de amigos. O conceito de rede social antecede à própria criação da Internet e sua formação não depende diretamente da tecnologia, entendendo que

11 11 uma simples reunião entre um grupo de pessoas com o objetivo de interagirem, compartilhando ideias e absorvendo conhecimento, pode formar uma rede social. O Facebook, por exemplo, é uma ferramenta tecnológica que permite a formação de redes sociais através da Internet (MARKETING FUTURO, 2014). - Mídias Sociais: Para o site Marketing Futuro (2014), as mídias sociais são sites que apresentam informações e divulgam conteúdos, compartilhando e expondo opiniões e ideias sobre diversos assuntos, possibilitando também interação de pessoas. Como exemplo, podemos citar os blogs, fóruns, bookmarks, podcasts, YouTube, entre outros. Já o Twitter, por exemplo, pode ser usado para apresentar um conteúdo, ou apenas para conversar com usuários, podendo, então, ser classificado como rede social ou mídia social. [...] As mídias sociais também têm mudado a maneira com que as mensagens de marketing são disseminadas e oferecem um novo canal para se conectar com clientes atuais e potenciais, o que apresenta uma variedade de oportunidades para as marcas que integram efetivamente o social dentro de suas estratégias digitais (COMSCORE, 2014). - Compras Coletivas: Para Gavioli (2014), no site E-commerce News, compras coletivas são uma modalidade de e-commerce que tem como objetivo vender produtos e serviços para um número mínimo pré-estabelecido de consumidores por oferta. Existem descontos de até 90% do preço normal, mas o pacote só é fechado ao atingir determinado número de interessados, dentro de um tempo limite estabelecido, que varia de 24 a 48 horas. Caso o número de pedidos não seja atingido, a oferta é cancelada. Os produtos comercializados, geralmente são bens de consumo não duráveis, como serviços de estética, fotografia, academia, hospedagem, pet shop, refeições, etc. Esse modelo de negócio surgiu, em 2008, nos Estados Unidos, com a empresa Groupon. Em 2010, o Peixe Urbano iniciou suas atividades no Brasil. - Lojas Virtuais Privadas: Segundo a Equipe Controlshift de Comércio Eletrônico (2011), as lojas virtuais privadas, pouco comum no Brasil, são criadas quando uma grande loja virtual deseja queimar seus estoques e, escolhe apenas alguns clientes de seu site aberto para acessar um site privado, para que somente eles possam comprar tais produtos. Este ramo, em 2009, nos Estados

12 12 Unidos, teve um grande crescimento. 3.6 NICHOS DE MERCADO De acordo com Felipini (2014), no site E-commerce, no mercado virtual, o grande varejista consegue melhores condições de preços por comprar em grande escala, além de ter sua imagem consolidada e ter credibilidade pelo seu tamanho. Mas reage lentamente a novas tendências e mudanças repentinas de mercado, além de não conseguir ser o melhor em todos os segmentos. Para atender vários perfis de clientes, precisa ter uma enorme e diversificada gama de produtos e, por isso necessita uma grande infra-estrutura operacional. O pequeno varejista consegue trazer novidades e exclusividades a públicos específicos, podendo escolher a linha de produtos em que pretende focar, satisfazendo plenamente as necessidades de seus clientes. Para o site Marketing Futuro (2014), ao elaborar seu marketing, as micro e pequenas empresas podem contar com os links patrocinados, uma vez que reduzem os custos de promoção de produtos, pagando-se o anúncio apenas se o cliente acessar o link. 3.7 PRODUTOS VIRTUAIS Para o site UOLHOST (2013), produtos virtuais são produtos que existem no modo digital, ou ainda, que não existem no modo físico, tais como livros, softwares, filmes, etc. Após a compra é enviado o arquivo virtual com o produto, sem a necessidade de frete, pois não há um produto físico a ser enviado. 3.8 PAGAMENTOS ONLINE Segundo Mesquita (2014), pode-se pagar com depósito em conta, boletos bancários, cartões de débito, cartões de crédito, transferências eletrônicas, mas também há tecnologias alternativas como o PayPal e PagSeguro. De acordo

13 13 com o site PagSeguro, este serviço garante a segurança de quem compra e de quem vende na web, sendo que o comprador tem garantia de produto ou serviço entregue ou seu dinheiro de volta e, o vendedor tem o gerenciamento de risco de suas transações 3.9 FRACASSO DE LOJAS VIRTUAIS Para o site Visão do Empreendedor (2010), atualmente, no Brasil, mais de 60% das lojas virtuais abertas fecham em menos de um ano. Apesar de ser um seguimento que cresce a cada dia, essas lojas fecham por falta de conhecimento sobre o que realmente é o comércio virtual e por falta de capacitação e preparação das pessoas encarregadas pela administração e gerenciamento da loja. O mercado virtual está cada vez mais competitivo e a escolha correta dos profissionais que serão encarregados pela loja virtual é de extrema importância para o bom desempenho do negócio. As principais causas de fracasso das lojas virtuais no Brasil são: falta de planejamento, falta de foco no mercado, improviso na modelagem do negócio, mão de obra não qualificada, divulgação ineficiente, inércia digital, fraudes nos pagamentos online e falta de monitoramento PLANOS DE CONTINGÊNCIA Para o site Academia do Marketing (2014), é importante planejar antecipadamente possíveis crises de imagem, uma vez que, um único consumidor insatisfeito pode manchar a imagem da empresa para milhares de pessoas, em tempo recorde, através da Internet. Além disso, segundo Filadoro (2014), ficar fora do ar por algumas horas pode significar perdas incomensuráveis. Quando as pessoas não têm acesso ao site da empresa ou encontram problemas como lentidão e falhas técnicas, elas migram para outros sites e com isso a perda financeira será considerável. De acordo com Filadoro (2014), há 10 passos para montar um bom plano

14 14 de contingência: conquistar a adesão da chefia, montar uma equipe de gestão de crise, desenvolver uma análise de risco, estabelecer prioridades, determinar estratégias de recuperação, avaliar o desempenho da coleta de dados, preparar um documentos descritivo, desenvolver procedimentos-padrão para testes, fazer um checklist e testar cada item, e aprovar o plano. [...], o plano de recuperação de desastres envolve mais do que um backup e armazenamento de informações num lugar fora do ambiente físico da empresa. O plano tem de incluir procedimentos testados e documentados que devem ser seguidos à risca e revisados periodicamente [...]. Nunca se sabe quando será necessário somente quando a crise se instaura e somos pegos de surpresa. [...] as claras vantagens proporcionadas por um bom plano de contingência, como redução de perdas em potencial, redução da exposição e de eventuais arranhões à imagem da marca/empresa, redução de interrupções, distribuição de responsabilidades, mais segurança e melhores resultados para os clientes, além de um corte drástico nos níveis de estresse em casos críticos. (FILADORO, 2014). Ainda segundo Filadoro, diante disso, percebe-se a importância de ter uma equipe que atue na prevenção de crise e esteja apta a perceber e resolver problemas o mais rápido possível. Cada empresa, de acordo com suas características e gerencia, determinará quais serão os critérios e atitudes a serem tomadas em caso de contingências. 4 METODOLOGIA Para a realização desta pesquisa científica, pura, descritiva e bibliográfica, foram utilizados estudos bibliográficos em sites e livros. De acordo com Molina e Santos (2008), a pesquisa científica pode ser caracterizada como atividade intelectual intencional, objetivando contribuir para a evolução do conhecimento humano em todos os setores da ciência. Para com Gil (2002), as pesquisas, no que se refere aos seus procedimentos práticos, podem ter cunho bibliográfico, de campo, documental, experimental, de estudo de caso, de pesquisa-ação, participante, ex post-facto, de levantamento e de coorte. No que se refere ao procedimento: A pesquisa bibliográfica é desenvolvida com base em material já elaborado, constituído principalmente de livros e artigos científicos.

15 15 Embora em quase todos os estudos seja exigido algum tipo de trabalho dessa natureza, há pesquisas desenvolvidas exclusivamente a partir de fontes bibliográficas. Boa parte dos estudos exploratórios pode ser definida como pesquisas bibliográficas. As pesquisas sobre ideologias, bem como aquelas que se propõem à análise das diversas posições acerca de um problema, também costumam ser desenvolvidas quase exclusivamente mediante fontes bibliográficas. (MOLINA; SANTOS, 2008, p. 127). A escolha pela metodologia bibliográfica se deve ao fato de haver muitos autores especialistas na área, com produções bem elaboradas que mereciam ser citadas ao abordar este tema. Além disso, há muitos artigos relacionados a este assunto, mas poucos que agrupam em um volume conciso todas as informações sobre o e-commerce. 5 CONCLUSÕES O ser humano está em constante mudança, bem como o mundo ao seu redor. O avanço da tecnologia nos deu acesso à rede mundial de computadores, onde encontramos informações, velocidade e comodidade. Através da Internet, podemos comprar um produto do outro lado do mundo com poucos clicks, além de pesquisar informações e entrar em contato com as empresas instantaneamente. Não se caracteriza mais o mundo atual sem o uso da Internet. É um caminho sem volta. Sendo assim, é necessário adequar os cenários e mercados a esta nova modalidade, estreitando o relacionamento com os clientes e divulgando a empresa para manter a competitividade. Por isso, as empresas precisam se organizar para atender a demanda de produtos e serviços online. É necessário planejamento, análise de mercado, gerenciamento de estoque e despacho, além de investimentos nas ferramentas corretas. Além disso, a manutenção contínua dos serviços eletrônicos é essencial para o sucesso da empresa. O diferencial competitivo das lojas virtuais com relação às lojas físicas são os preços mais acessíveis, devido à baixa infraestrutura, além do conforto de receber o produto em casa. O potencial da Internet é incontrolável e o gerenciamento da marca é

16 16 essencial para a sobrevivência das empresas. Aquelas que ignorarem a opinião de seus clientes estarão condenadas ao insucesso. O uso de redes sociais e propagandas alternativas permitem que todos tenham as mesmas chances de expor seus produtos, desde o pequeno comerciante até os grandes varejistas. Conclui-se, a partir desta pesquisa, que o e-commerce não se resume apenas em compras e vendas de produtos e serviços através da Internet. O termo é multidisciplinar, envolvendo diversas ferramentas e possibilidades, além de estar em constantes mudanças e avanços, os quais trarão novidades em um futuro próximo. Esse assunto abrange vários temas que podem ser especificados e detalhados, mas neste trabalho, focamos no contexto generalizado. No entanto, muitas oportunidades de estudos nessa linha ainda aguardam futuras contribuições de autores da ciência da informação. REFERÊNCIAS ACADEMIA DO MARKETING. Gerenciamento de crises nas redes sociais O que fazer?. Disponível em: < Acesso em: 08 jun AZEVEDO, Marcelo Goberto. As Grandes Vantagens de um Comércio Eletrônico. Disponível em: <http://www.mundoecommerce.com.br/mundo.aspx/artigo/as-grandes- Vantagens-de-um-Comércio-Eletrônico>. Acesso em: 25 mai AZEVEDO, Marcelo Goberto. Desvantagens do Comércio Eletrônico. Disponível em: <http://www.mundoecommerce.com.br/mundo.aspx/artigo/desvantagens-do- Comercio-Eletronico>. Acesso em: 25 mai CAIÇARA JÚNIOR, Cícero; PARIS, Wanderson Stael. INFORMÁTICA, INTERNET E APLICATIVOS. 20. ed. Curitiba: IBPEX, , 131, 132, 134 p.

17 17 COMSCORE. O Mercado de Redes Sociais da América Latina Teve Um Aumento No Índice de Engajamento De 88% No Último Ano. Disponível em: <https://www.comscore.com/por/insights/press_releases/2011/9/comscore_rel eases_report_the_rise_of_social_networking_in_latin_america>. Acesso em: 26 abr CORREIOS. Correios e o Comércio Eletrônico. Disponível em: <http://www.correios.com.br/empresa/comercioeletronico/default.cfm>. Acesso em: 05 mar COSTA, Gilberto Cézar Gutierrez. NEGÓCIOS ELETRÔNICOS: uma abordagem estratégica e gerencial. 20. ed. Curitiba: IBPEX, , 114 p. CUNHA, Ana Carla. Porque Investir no Monitoramento da sua Rede Social?. Disponível em: <http://www.c2marketingdigital.com.br/artigos/porque-investir-nomonitoramento-da-sua-rede-social>. Acesso em: 13 mai DEITEL, H. M.; DEITEL P. J.; STEINBUHLER, K. e-business E e-commerce para Administradores. São Paulo: Pearson Education do Brasil, , 42, 43, 331 p. E-commerce. Facebook-Commerce. Disponível em: <http://www.ecommerce.org.br/facebook-commerce.php>. Acesso em: 25 mai E-commerce Brasil. Notificações por SMS proporcionam comunicação efetiva entre empresa e cliente. Disponível em: <http://www.ecommercebrasil.com.br/artigos/notificacoes-por-sms-proporcionamcomunicacao-efetiva-entre-empresa-e-cliente>. Acesso em: 25 mai E-commerce News. Conheça os tipos de Mobile Payment. Disponível em: <http://ecommercenews.com.br/noticias/pesquisas-noticias/conheca-os-tipos-demobile-payment>. Acesso em: 25 mai E-commerce News. O que é Mobile Commerce?. Disponível em: <http://ecommercenews.com.br/glossario/o-que-e-mobile-commerce>. Acesso em: 25 mai

18 18 EQUIPE CONTROLSHIFT DE COMÉRCIO ELETRÔNICO. Lojas virtuais privadas. Disponível em: <http://e-commercefc.blogspot.jp/2011/10/lojasvirtuais-privadas.html>. Acesso em: 25 mai FELIPINI, Dailton. Qual é o seu nicho de mercado?. Disponível em: <http://www.e-commerce.org.br/artigos/nicho_de_mercado.php>. Acesso em: 18 jan FERREIRA, Carlos Alberto Rosa. Internet. Disponível em: <http://home.fmh.utl.pt/~cferreira/pdf/internet.pdf>. Acesso em: 04 mai FILADORO, Adriano. Paralisação do sistema: 10 passos para montar um bom plano de contingência. Disponível em: <http://www.onlinedc.com.br/blog/paralisacao-sistema-10-passos-para-montarum-bom-plano-de-contingencia>. Acesso em: 03 mai FLLORESS, Cristian. Internet. Disponível em: <https://sites.google.com/site/sitesrecord>. Acesso em: 04 mai GAVIOLI, Guilherme. COMPRA COLETIVA. Disponível em: <http://ecommercenews.com.br/glossario/o-que-e-compra-coletiva>. Acesso em: 25 mai GAVIOLI, Guilherme. O que é Social Commerce?. Disponível em: <http://ecommercenews.com.br/glossario/social-commerce>. Acesso em: 25 mai GAVIOLI, Guilherme. O que é T-Commerce?. Disponível em: <http://ecommercenews.com.br/glossario/o-que-e-t-commerce>. Acesso em: 25 mai GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, p. JADON, Juliana; LULIO, Melissa. Capa - Geração Z. Disponível em: <http://consumidormoderno.uol.com.br/edic-o-183-agosto-2013/capa-gerac-o-z>.

19 19 Acesso em: 13 mai JORGE, Mariana. Design de Identidade Visual: Que sejam eternos enquanto durem. Disponível em: <http://www.fabricadeideiasbrasileiras.com.br/design-deidentidade-visual-que-sejam-eternos-enquanto-durem>. Acesso em: 13 mai KLUYVER, Cornelis A. de; PEARCE II, John A. ESTRATÉGIA: UMA VISÃO EXECUTIVA. 2. ed. São Paulo: Prentice Hall, p. KUROSE, James F.; ROSS, Keith W. Redes de Computadores e a Internet: Uma Nova Abordagem. 1. ed. São Paulo: Addison Wesley, , 3 p. LOPES, Bruna. As mudanças da web: 1.0 x 2.0 x 3.0. Disponível em: <http://blogmidia8.com/2013/01/as-mudancas-da-web.html>. Acesso em: 18 jan MARKETING FUTURO. Branding e Globalização na Era Digital. Disponível em: <http://marketingfuturo.com/branding-e-globalizacao-na-era-digital>. Acesso em: 16 jan MARKETING FUTURO. Das Mídias Convencionais ao Mundo Digital. Disponível em: <http://marketingfuturo.com/das-midias-convencionais-ao-midiasdigitais>. Acesso em: 18 jan MARKETING FUTURO. Diferença entre as Mídias Sociais e as Redes Sociais. Disponível em: <http://marketingfuturo.com/diferenca-entre-as-midiassociais-e-as-redes-sociais>. Acesso em: 19 jan MARKETING FUTURO. E-branding e Branding 3.0. Disponível em: <http://marketingfuturo.com/e-branding-e-branding-3-0>. Acesso em: 01 jan MARKETING FUTURO. E-commerce para micro e pequenas empresas. Disponível em: <http://marketingfuturo.com/e-commerce-para-micro-e-pequenasempresas>. Acesso em: 18 jan

20 20 MARKETING FUTURO. Estratégias de Advergaming e Advertainment. Disponível em: <http://marketingfuturo.com/estrategias-de-advergaming-eadvertainment>. Acesso em: 19 jan MARKETING FUTURO. Naming e Prisma de Identidade da Marca. Disponível em: <http://marketingfuturo.com/naming-e-prisma-de-identidade-da-marca>. Acesso em: 01 jan MARKETING FUTURO. Serviços oferecidos pelo e-business Tipos de E- Business. Disponível em: <http://marketingfuturo.com/servicos-oferecidos-peloe-business-tipos-de-e-business>. Acesso em: 18 jan MESQUITA, Felipe. Tipos de pagamento online para sites de compras. Disponível em: <http://www.shapeweb.com.br/blog/tipos-de-pagamento-onlinepara-sites-de-compras>. Acesso em: 25 mai MOLINA, Nilcemara Leal; SANTOS, Gisele do Rocio Cordeiro Mugnol. Orientações e dicas práticas para trabalhos acadêmicos. 20. ed. Curitiba: IBPEX, e 127 p. MTK DIGITAL. Nossos Serviços: E-comerce. Disponível em: <http://www.mtkdigital.com/servicos.html>. Acesso em: 13 mai MÜLLER, Nícolas. O começo da internet no Brasil. Disponível em: <http://www.oficinadanet.com.br/artigo/904/o_comeco_da_internet_no_brasil>. Acesso em: 03 mai PagSeguro. SOBRE O PAGSEGURO. Disponível em: <https://pagseguro.uol.com.br/sobre_o_pagseguro.jhtml>. Acesso em: 25 mai REBOUÇAS, Fernando. E-business. Disponível em: <http://www.infoescola.com/administracao_/e-business>. Acesso em: 18 jan SIGNIFICADOS. Significado de Internet. Disponível em:

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Professora: Sheila Cáceres Uma mensagem enviada em internet é dividida em pacotes de tamanho uniforme. Cada pacote

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO E-COMMERCE NAS PEQUENAS EMPRESAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof. Odilon Zappe Jr Vantagens e Desvantagens do Comércio Eletrônico Vantagens Aumento do número de contatos da empresa com fornecedores e com outras empresas do mesmo ramo, e

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

com seu consumidores e seu fornecedores. Trazemos para aqui 40 dicas que vão ajudar no amadurecimento, crescimento e no sucesso da sua loja.

com seu consumidores e seu fornecedores. Trazemos para aqui 40 dicas que vão ajudar no amadurecimento, crescimento e no sucesso da sua loja. Com a consolidação do comércio eletrônico no Brasil e mundo, fica cada vez mais claro e a necessidade de estar participando, e mais a oportunidade de poder aumentar suas vendas. Mas é claro que para entrar

Leia mais

TAW Tópicos de Ambiente Web

TAW Tópicos de Ambiente Web TAW Tópicos de Ambiente Web Comércio Eletrônico rveras@unip.br Aula - 04 Agenda Comércio Eletrônico 2 Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico 3 O que é o comércio eletrônico Evolução Transações convencionais

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

Marketing digital NARCISO SANTAELLA

Marketing digital NARCISO SANTAELLA Marketing digital 1 Introdução As agências de publicidade recorrem ao marketing digital para conquistar o público que hoje tem na web uma das principais fontes de informação. Utilizar todos os recursos

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Comércio Eletrônico Um breve histórico Comércio compra, venda, troca de produtos e serviços; Incrementado pelos Fenícios, Árabes, Assírios e Babilônios uso

Leia mais

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 06 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

E-COMMERCE: DIFERENCIAL NO MERCADO

E-COMMERCE: DIFERENCIAL NO MERCADO E-COMMERCE: DIFERENCIAL NO MERCADO Antonio Donizete Lemes (Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) e-mail: lemesad@ig.com.br Desireé de Castro Perecin (Discente do 4º ano do curso de Administração

Leia mais

IPTV UMA INOVAÇÃO PARA O VALE DO SÃO LOURENÇO RESUMO

IPTV UMA INOVAÇÃO PARA O VALE DO SÃO LOURENÇO RESUMO IPTV UMA INOVAÇÃO PARA O VALE DO SÃO LOURENÇO AMADIO Renato Arnaut 1 RESUMO A região do Vale do São Lourenço já está inserida na era digital, ela se caracteriza pela economia sustentada na agropecuária,

Leia mais

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO Gustavo Cançado de Azevedo O autor relaciona educação e tecnologia, tomando como ponto de partida a maneira com que os avanços

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

O que é Black Fraude?... Como comunicar seus clientes sobre sua participação na Black Friday... Como Manter seu site seguro para a Black Friday?...

O que é Black Fraude?... Como comunicar seus clientes sobre sua participação na Black Friday... Como Manter seu site seguro para a Black Friday?... Conteúdo do ebook O que é Black Fraude?... Como comunicar seus clientes sobre sua participação na Black Friday... Como Manter seu site seguro para a Black Friday?... Deixando sua loja virtual mais rápida

Leia mais

Comércio Eletrônico NEGÓCIOS NA INTERNET. Oséias Gomes Komunike EmpresaClick / LojistaOnline

Comércio Eletrônico NEGÓCIOS NA INTERNET. Oséias Gomes Komunike EmpresaClick / LojistaOnline Comércio Eletrônico NEGÓCIOS NA INTERNET Oséias Gomes Komunike EmpresaClick / LojistaOnline OPORTUNIDADES Divulgar, vender e lucrar na internet O QUE SIGNIFICA TER UM COMÉRCIO ELETRÔNICO? VANTAGENS DO

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Fonte: TAKAHASHI, 2000; VEJA ONLINE, 2006 Definições de comércio eletrônico/e-business E - BUSINESS, acrônimo do termo em

Leia mais

Site Empresarial Uma oportunidade de negócios na Internet. jairolm@sebraesp.com.br

Site Empresarial Uma oportunidade de negócios na Internet. jairolm@sebraesp.com.br Site Empresarial Uma oportunidade de negócios na Internet jairolm@sebraesp.com.br O SEBRAE e o que ele pode fazer pelo seu negócio Consultorias SEBRAE Mais Programas setoriais Palestras Trilha de aprendizagem

Leia mais

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice 2 Índice Introdução... 3 Passo 1 Entender o que é Venda Online e E-commerce... 4 Passo 2 Entender o Mercado de Comércio Eletrônico... 5 Passo 3 Canais de Venda... 6 Passo 4 Como identificar uma Boa Plataforma

Leia mais

SISTEMAS PARA INTERNET

SISTEMAS PARA INTERNET Unidade II SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade II Comércio Eletrônico Tecnologia de Comércio Eletrônico Categorias do Comércio Eletrônico M-commerce Comércio eletrônico

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Circular de Oferta 5102/ sto Ago

Circular de Oferta 5102/ sto Ago Circular de Oferta Agosto / 2015 Índice Introdução 03 Quem Somos 04 Como funciona o negócio 05 Vantagens de ser constituir uma agência 06 Produtos e serviços 07 Ferramentas de apoio 08 Atividades desempenhadas

Leia mais

Ambientes de Mercado

Ambientes de Mercado INFORMAÇÃO O sucesso ou fracasso organizacional muitas vezes pode depender de se saber de qual deles precisamos, com o qual deles contamos e o que podemos ou não fazer com cada um deles PLANO DE AÇÃO Fornecedores

Leia mais

AULA 5 O E-BUSINESS E OS SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES E DE INFORMAÇÃO EXECUTIVA

AULA 5 O E-BUSINESS E OS SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES E DE INFORMAÇÃO EXECUTIVA AULA 5 O E-BUSINESS E OS SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES E DE INFORMAÇÃO EXECUTIVA APOIO ÀS DECISÕES DE E-BUSINESS E SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES Conceito O conceito básico de e-business é simples: negócios

Leia mais

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões MÍDIA KIT INTERNET Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões Segundo pesquisa da Nielsen IBOPE, até o 1º trimestre/2014 número 18% maior que o mesmo período de 2013. É a demonstração

Leia mais

INTERNET -- NAVEGAÇÃO

INTERNET -- NAVEGAÇÃO Página 1 INTRODUÇÃO Parte 1 O que é a Internet? A Internet é uma rede mundial de computadores, englobando redes menores distribuídas por vários países, estados e cidades. Ao contrário do que muitos pensam,

Leia mais

Introdução. Página 1 de 9. Trabalho sobre EXTRANET. Universidade de São Paulo Escola Politécnica. Luciano Chede Abad 14/09/2002

Introdução. Página 1 de 9. Trabalho sobre EXTRANET. Universidade de São Paulo Escola Politécnica. Luciano Chede Abad 14/09/2002 Introdução E-business é a nova onda nas empresas. A Internet não permite apenas que as empresas façam negócios de maneiras novas, ela praticamente as obriga a fazer isso, por questões de sobrevivência.

Leia mais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita

Leia mais

A DOCPIX É UMA AGÊNCIA ESPECIALIZADA EM DESENVOLVIMENTO WEB & MARKETING DIGITAL E SOFTWARES, DESDE 2012.

A DOCPIX É UMA AGÊNCIA ESPECIALIZADA EM DESENVOLVIMENTO WEB & MARKETING DIGITAL E SOFTWARES, DESDE 2012. quem SOMOS A DOCPIX É UMA AGÊNCIA ESPECIALIZADA EM DESENVOLVIMENTO WEB & MARKETING DIGITAL E SOFTWARES, DESDE 2012. Nossa agência surgiu com o conceito de atender as micro, pequenas e médias empresas de

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

Sumário. Vipexpress Plataforma web para intermediação de vendas online entre usuários

Sumário. Vipexpress Plataforma web para intermediação de vendas online entre usuários Sumário... 1 Sobre o Vipexpress... 2 Vantagens do Marketplace... 2 Funcionalidades destaques da plataforma... 2 Categorias... 2 Anúncios... 3 Módulo de pedidos do administrador... 3 A combinar com o vendedor...

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET Autores: OROMAR CÓRDOVA GILBERTO ALVES LOBATO COPEL Companhia Paranaense

Leia mais

E-COMMERCE E COMÉRCIO FÍSICO 1 *

E-COMMERCE E COMÉRCIO FÍSICO 1 * E-COMMERCE E COMÉRCIO FÍSICO 1 * Antonio Wilson Nogueira Filgueiras UEMG Unidade Carangola Henrique Santos Pinheiro UEMG Unidade Carangola Márcio Ferreira dos Passos UEMG Unidade Carangola Rogério de Oliveira

Leia mais

Índice. 03 A Empresa. 04 Missão Visão Valores 05 Nossos Eventos 23 Corpbusiness - Patrocínio 24 Divulgação 25 Expediente

Índice. 03 A Empresa. 04 Missão Visão Valores 05 Nossos Eventos 23 Corpbusiness - Patrocínio 24 Divulgação 25 Expediente MÍDIA KIT 2014 Índice 03 A Empresa 04 Missão Visão Valores 05 Nossos Eventos 23 Corpbusiness - Patrocínio 24 Divulgação 25 Expediente A empresa Fundada em 2007, a empresa possui uma grade anual com diversos

Leia mais

Guia Definitivo de Ferramentas para Micro Empreendedores Individuais

Guia Definitivo de Ferramentas para Micro Empreendedores Individuais Guia Definitivo de Ferramentas para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita Federal. O incentivo

Leia mais

efagundes com Curso Online sobre Comércio Eletrônico Eduardo Mayer Fagundes

efagundes com Curso Online sobre Comércio Eletrônico Eduardo Mayer Fagundes Curso Online sobre Comércio Eletrônico Eduardo Mayer Fagundes 1 Programa do Curso 1. Os consumidores 2. A Tecnologia 3. Marketing Digital 4. Logística 5. Meios de Pagamento 2 O Consumidor O objetivo do

Leia mais

Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011

Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011 Curso de Marketing Disciplina: Web Marketing Professor: Roberto Marcello Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011 Web Marketing Web Marketing é qualquer esforço promocional realizado

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO Capítulo 9 A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 9.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação (IT) para empresas? Por que a conectividade

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO.

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. São Paulo - SP 2016 RENAN ROCHA ALVES - RA: 6448758 E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING

Leia mais

Muito ALÉM de uma simples LOJA VIRTUAL. Vanessa Kupczik

Muito ALÉM de uma simples LOJA VIRTUAL. Vanessa Kupczik Muito ALÉM de uma simples LOJA VIRTUAL. Vanessa Kupczik Mestre em Design (UFPR). MBA e pós-graduação em Marketing (UFPR). Pós-graduada em Web Design (PUCPR). Graduação em Desenho Industrial (UFPR). Técnico

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE

Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Definição Toda atividade de compra e venda realizada com recursos eletrônicos; Uso de mecanismos eletrônicos para a

Leia mais

Como aumentar as vendas do seu e-commerce. Marcos Bueno Fundador e CEO Akatus Meios de Pagamento

Como aumentar as vendas do seu e-commerce. Marcos Bueno Fundador e CEO Akatus Meios de Pagamento Como aumentar as vendas do seu e-commerce Marcos Bueno Fundador e CEO Akatus Meios de Pagamento 2013 O e-commerce se prepara para um crescimento histórico 2000 Banda larga chega ao Brasil. É lançado no

Leia mais

ALGUNS DADOS DA INTERNET NO BRASIL. (11) 3522-5338 - www.cvsweb.com.br comercial@cvsweb.com.br

ALGUNS DADOS DA INTERNET NO BRASIL. (11) 3522-5338 - www.cvsweb.com.br comercial@cvsweb.com.br ALGUNS DADOS DA INTERNET NO BRASIL 2 + 67.500.000 + 67,5 MILHÕES DE INTERNAUTAS NO BRASIL FONTE: IBOPE/NIELSEN 58.290.000 58,2 MILHOES DE INTERNAUTAS NO BRASIL ACESSAM A INTERNET SEMANALMENTE -87% FONTE:

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Senac Goiás. Alunos: Erik de Oliveira Douglas Ferreira, Raphael Beghelli, João Victor Alves. Professor : Diogo Ananias

Faculdade de Tecnologia Senac Goiás. Alunos: Erik de Oliveira Douglas Ferreira, Raphael Beghelli, João Victor Alves. Professor : Diogo Ananias Faculdade de Tecnologia Senac Goiás. Alunos: Erik de Oliveira Douglas Ferreira, Raphael Beghelli, João Victor Alves. Professor : Diogo Ananias CONSULTORIA COMÉRCIO ELETRÔNICO CONSULTORIA PARA IMPLANTAÇÃO

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO DESIGN CRIAÇÃO AGÊNCIA USABILIDA ARKETING INTERNET SEO DIGIT CRIATIVIDADE DESDE 1999 NO MERCADO, A M2BRNET É UMA AGÊNCIA DE MARKETING DIGITAL ESPECIALIZADA EM SOLUÇÕES PERSONALIZADAS. SI ARQ Desde 1999

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 11 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

E-commerce Fundamentos

E-commerce Fundamentos E-commerce Fundamentos Flávio Augusto Martins Wanderley Professor flavio@mwan.com.br 1 / 65 Conteúdo desta aula Conceitos. Evolução do comércio eletrônico. Modalidades. O que vem no futuro. 2 / 65 Conceito

Leia mais

Boas-vindas ao Comércio Eletrônico. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014

Boas-vindas ao Comércio Eletrônico. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014 Boas-vindas ao Comércio Eletrônico André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014 SOBRE A TRAY Sobre a Tray + 10 anos de atuação em e-commerce + 4.500 lojas virtuais + 3MM pedidos processados em

Leia mais

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. www.docpix.net

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. www.docpix.net APRESENTAÇÃO COMERCIAL www.docpix.net QUEM SOMOS Somos uma agência digital full service, especializada em desenvolvimento web, de softwares e marketing online. A Docpix existe desde 2010 e foi criada com

Leia mais

Comércio Eletrônico AULA 18. Sistemas para Internet. Professora Ms Karen Reis

Comércio Eletrônico AULA 18. Sistemas para Internet. Professora Ms Karen Reis Comércio Eletrônico AULA 18 Professora Ms Karen Reis 2011 Sistemas para Internet 1 REFLEXÃO Faça uma busca na internet por certificados digitais. Escreva quatro ou cinco parágrafos sobre como usar os certificados

Leia mais

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Sistemas web e comércio eletrônico Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Tópicos abordados Arquitetura do e-commerce Aspectos importantes do e-commerce Modelos de negócios Identificação do modelo

Leia mais

G3 COMMERCE G3 COMMERCE G3 COMMERCE G3 COMMERCE www.lojavirtualg3.com.br. G3 COMMERCE

G3 COMMERCE G3 COMMERCE  G3 COMMERCE G3 COMMERCE www.lojavirtualg3.com.br. G3 COMMERCE O aumento da concorrência e necessidade de otimizar o tempo por grande parte dos consumidores acelerou e dinamizou consideravelmente as formas e mecanismos de divulgação e comercialização dos mais diversos

Leia mais

Internet e Negócios O que mudou?

Internet e Negócios O que mudou? Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências de Computação SCC0207 - Computadores e Sociedade I - Turma B - 2010 Profa. Graça Nunes Internet e Negócios

Leia mais

Fonte: O Brien e Eduardo L. Pareto

Fonte: O Brien e Eduardo L. Pareto E-business NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Fonte: O Brien e Eduardo L. Pareto Transformação Internet promoveu: Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação

Fundamentos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação Objetivo da Aula Tecnologia e as Organizações, importância dos sistemas de informação e níveis de atuação dos sistemas de informação Organizações & Tecnologia TECNOLOGIA A razão e a capacidade do homem

Leia mais

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Introdução Mudança no ambiente empresarial; Ligação com o desenvolvimento de tecnologia da informação. Características

Leia mais

NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL. Prof. Msc. Adolfo Colares adolfo@ceap.br twitter: @adolfocolares facebook: Adolfo Colares

NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL. Prof. Msc. Adolfo Colares adolfo@ceap.br twitter: @adolfocolares facebook: Adolfo Colares NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL Prof. Msc. Adolfo Colares adolfo@ceap.br twitter: @adolfocolares facebook: Adolfo Colares MODELOS DE NEGÓCIOS DIGITAIS Tópicos: ü e- business ü e- commerce ü e- procurement ü e-

Leia mais

apresentação iagente shop

apresentação iagente shop apresentação iagente shop Rua Sport Clube São José, 54 506. Porto Alegre Rio Grande do Sul CEP: 91030-510 Fone: (51) 3398.7638 e-mail: www.iagenteshop.com.br www.iagente.com.br Data: 01 de Abril de 2009

Leia mais

www.artesanatoja.com

www.artesanatoja.com GANHE DINHEIRO COM UMA LOJA VIRTUAL Conheça os principais veículos de vendas online utilizados por artesãos na internet e saiba como é fácil ter uma loja online para ganhar dinheiro já! Sempre que produzimos

Leia mais

Comércio Eletrônico em Números

Comércio Eletrônico em Números Comércio Eletrônico em Números Evolução do E-commerce no Brasil 23 milhões é um grande número. 78 milhões 23 milhões Enorme potencial de crescimento no Brasil Mas fica pequeno se comprarmos com o número

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL

7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL DICAS PARA DIVULGAR SUA EMPRESA E AUMENTAR AS VENDAS NO FIM DE ANO 7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL Sumário Apresentação Capítulo 1 - Crie conteúdo de alta

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Internet A Internet é um conjunto de redes de computadores de domínio público interligadas pelo mundo inteiro, que tem

Leia mais

Tecnologia da Informação. Aula 3 e-business. Prof. Adrian Kemmer Cernev. Prof. Adrian Cernev. Tec. da Informação

Tecnologia da Informação. Aula 3 e-business. Prof. Adrian Kemmer Cernev. Prof. Adrian Cernev. Tec. da Informação Tecnologia da Informação Aula 3 e-business Prof. Adrian Kemmer Cernev Questão-chave Como eu faço, então, esse negócio online deslanchar? Nascimento e evolução da Internet 1969 ARPAnet - rede baseada em

Leia mais

7 Passos para um e- Commerce de Sucesso. André Lucena 28.nov.2013

7 Passos para um e- Commerce de Sucesso. André Lucena 28.nov.2013 7 Passos para um e- Commerce de Sucesso André Lucena 28.nov.2013 MERCADO DE E- COMMERCE PORQUE INVESTIR... E- commerce Processo de compra e venda de produtos e serviços online. Além de catálogos, carrinhos

Leia mais

O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL

O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL MARCOS MENDES. MBA em Tecnologia da Informação e da Comunicação na Educação (PUC-RS). Docente das Faculdades IESAP e CEAP. Professor das disciplinas Computação Gráfica,

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES REDE DE COMPUTADORES Evolução histórica das redes de computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Objetivos de Aprendizagem Ao final deste módulo você estará apto a conceituar

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

O comércio eletrônico (e-commerce) é um setor em crescimento CONSUMIDORES (EM MILHÕES) 23,4 18,7 R$ 328 R$ 335 R$ 373 R$ 350 R$ 342 R$ 350

O comércio eletrônico (e-commerce) é um setor em crescimento CONSUMIDORES (EM MILHÕES) 23,4 18,7 R$ 328 R$ 335 R$ 373 R$ 350 R$ 342 R$ 350 ARTESANATO BOLETIM COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio eletrônico (e-commerce) é um setor em crescimento Em 2012, o faturamento foi de R$ 22,5 bilhões no Brasil, e de aproximadamente R$ 28 bilhões em 2013.

Leia mais

COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR

COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR CONTEÚDO 1 2 3 4 5 6 Por que as empresas precisam estar conectadas ao mundo mobile Como os aplicativos mobile podem atrair mais clientes. Como os aplicativos

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO E MERCADO VIRTUAL - OPORTUNIDADE PARA AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

COMÉRCIO ELETRÔNICO E MERCADO VIRTUAL - OPORTUNIDADE PARA AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 1 COMÉRCIO ELETRÔNICO E MERCADO VIRTUAL - OPORTUNIDADE PARA AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS ARAÚJO, Railda, ARLINDA, Nathane, CRISTINA, Carla, LUIZ, Jorge, QUIRINO, Marcelo, SERJONE, Ludmila RESUMO

Leia mais

Pagamento On line. Meios de pagamento nas lojas virtuais

Pagamento On line. Meios de pagamento nas lojas virtuais Comércio Eletrônico Professor: Anderson D. Moura Pagamento On line Setembro, 2008 Uma decisão importante a ser tomada pelo lojista virtual, refere-se aos meios de pagamento que serão disponibilizados aos

Leia mais

Há 15 anos, a Bertholdo é uma empresa especializada em soluções de tecnologia da informação e comunicação.

Há 15 anos, a Bertholdo é uma empresa especializada em soluções de tecnologia da informação e comunicação. Há 15 anos, a Bertholdo é uma empresa especializada em soluções de tecnologia da informação e comunicação. Desenvolvemos lojas virtuais, websites, portais, intranets, webmails, hotsites, entre outros serviços

Leia mais

O QUE PRECISAMOS SABER PARA IMPLANTAR UM COMÉRCIO ELETRÔNICO BEM SUCEDIDO

O QUE PRECISAMOS SABER PARA IMPLANTAR UM COMÉRCIO ELETRÔNICO BEM SUCEDIDO O QUE PRECISAMOS SABER PARA IMPLANTAR UM COMÉRCIO ELETRÔNICO BEM SUCEDIDO CONCEITUAÇÃO Comércio Eletrônico (E-Commerce provém de Electronic Commerce ) - termo usado para identificar um sistema comercial

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS O QUE FAZEMOS Provemos consultoria nas áreas de comunicação online, especializados em sites focados na gestão de conteúdo, sincronização de documentos, planilhas e contatos online, sempre integrados com

Leia mais

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização: Comércio Eletrônico FTS Faculdade Taboão da Serra Curso de Administração de Sistemas de Informações Disciplina: Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Leia mais

Personalização da Loja: Personalizamos a sua loja com base na identidade visual da empresa, logomarca, personalização de botões e cores.

Personalização da Loja: Personalizamos a sua loja com base na identidade visual da empresa, logomarca, personalização de botões e cores. Curitiba, 03 de Dezembro de 2014. CLIENTE: Vidri FONE: 3272-9598 RESPONSÁVEL: Luciano Plataforma e-commerce Ideal Loja Apresentação: A Plataforma e-commerce Ideal Loja, é uma plataforma própria em uso

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

7 Passos para um e-commerce de Sucesso. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes 18.Out.2013

7 Passos para um e-commerce de Sucesso. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes 18.Out.2013 7 Passos para um e-commerce de Sucesso André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes 18.Out.2013 MERCADO DE E- COMMERCE PORQUE INVESTIR... Crescimento 20,3% Crescimento 24,4% 354% R$ 770 Milhões 117%

Leia mais

26/2/2014. Numero de Web Sites no mundo. 1993 1996 1999 Agosto/2002

26/2/2014. Numero de Web Sites no mundo. 1993 1996 1999 Agosto/2002 História da Internet? No final dos anos 50, os EUA formaram uma instituição de investigação, a qual designaram por ARPA (Advanced Research Projec Agency). O objectivo desta instituição, parte integrante

Leia mais

Integração com a Mídia Social

Integração com a Mídia Social Guia rápido sobre... Integração com a Mídia Social Neste guia... Vamos mostrar como integrar seu marketing com as mídias sociais para você tirar o maior proveito de todo esse burburinho online! Nós ajudamos

Leia mais

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL DAS AMÉRICAS Washington D. C - março 2014 NOME CLASSIFICAÇÃO CATEGORIA TEMA PALAVRAS-CHAVE REDE SOCIAL EMPRESARIAL : CONNECT AMERICAS PRÁTICA INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

Comercio Eletrônico E-COMMECER

Comercio Eletrônico E-COMMECER Comercio Eletrônico Prof. Diogo Maia E-COMMECER O que é um E-commecer? O e-commerce ou comércio eletrônico é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais

Leia mais

Proposta E-commerce Porto Feliz, 26 de janeiro de 2015.

Proposta E-commerce Porto Feliz, 26 de janeiro de 2015. Proposta E-commerce Porto Feliz, 26 de janeiro de 2015. 1. Apresentação 2. Projeto Atuando em análise e desenvolvimento de plataformas para negócios digitais a 8 anos estamos sempre buscando solucionar

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

*Todos os direitos reservados.

*Todos os direitos reservados. *Todos os direitos reservados. A cada ano, as grandes empresas de tecnologia criam novas ferramentas Para o novo mundo digital. Sempre temos que nos renovar para novas tecnologias, a Karmake está preparada.

Leia mais