UMA EUROPA ENVELHECIDA. Perfis Profissionais do Sector Europeu de Serviços Sénior. Tipologia e Desenvolvimentos.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA EUROPA ENVELHECIDA. Perfis Profissionais do Sector Europeu de Serviços Sénior. Tipologia e Desenvolvimentos."

Transcrição

1 UMA EUROPA ENVELHECIDA Perfis Profissionais do Sector Europeu de Serviços Sénior. Tipologia e Desenvolvimentos.

2 1

3 PERFIS PROFISSIONAIS DO SECTOR EUROPEU DE SERVIÇOS SÉNIOR. TIPOLOGIA E DESENVOLVIMENTOS. Projecto Leonardo da Vinci n.º LLP-2007-DK-LMP O relatório foi desenvolvido pela equipa: Dinamarca Caesar Szwebs Helga Pinstrup Alemanha Tamara Frankenberger Jeanette Schmidt Itália Francesca Scocchera Claudio Sdogati Elisabetta Piangerelli Diego Mancinelli Polónia Maria Bogowolska-Wepsięć Antoni Zwiefka Portugal Vanda Duarte Pedro Pires Reino Unido Graham Smith PARCERIA DO PROJECTO AMU Nordjylland International Department, Denmark LEG Arbeitsmarkt- und Strukturentwicklung GmbH, Germany Cooperativa Sociale COOSS MARCHE ONLUS, Italy Urząd Marszałkowski Woj. Dolnośląskiego, Wydział Zdrowia, Poland Sociedade Promotora de Formacao, Lda, SOPROFOR, Portugal University of Strathclyde, Senior Studies Institute, Scotland Aviso Legal O projecto está a ser financiado com o apoio da Comissão Europeia. O conteúdo desta publicação reflecte exclusivamente as opiniões dos autores, não podendo a Comissão ser responsabilizada por qualquer utilização que dela possa ser feita. 2

4 Agradecimentos Gostaríamos de agradecer a todos aqueles que nos apoiaram no desenvolvimento do no estudo. Gostaríamos de lhes agradecer por toda a sua ajuda, apoio, interesse e comentários importantes. France Sonia Arnaud, Conséillére technique, URIOPSS LR, Montpellier Guy Beauthauville, Responsable Service Emploi, Pôle Emploi Services Hérault, Montpellier Carole Finifter, Chargée de Direction, Responsable de Formation, Centre AFPA, Montpellier St Jean de Vedas Jean Claude Ricourt, Responsable de Formation, Centre AFPA, Montpellier St Jean de Vedas Germany Silvia Marienfeld, managing director, maxq. - im bfw-unternehmen für Bildung, Institution of Education of the Federation of German Trade Unions, Bochum Greece Mata Kaloudaki, Research Centre of Women's Affairs, Athens Ioannis Athanasiou, Help at Home Programme, Athens Slovenia Toni Vrana and Danica Hrovatic, Center Spirala - Centre for the Development of Mutual Relations, Ljubljana Sweden Hans Dahlin, Victum Kompetensutveckling, Helsingborg 3

5 ÍNDICE Agradecimentos Introdução Factores que influenciam os perfis profissionais do sector europeu de... 7 apoio a idosos 2.1 Mudança dos perfis dos idosos europeus Alargar as áreas de serviço para os idosos europeus Introdução de tecnologias de apoio e tecnologias de comunicação 2.4. Aumento de grupos seniores especiais Enquadramento dos perfis profissionais: características comuns e diferenças 3.1. Enquadramento geral Perfis profissionais funcionais: Variedade de tarefas e desvanecer limites 3.3. Padrões educacionais e aprendizagem ao longo a vida Tendências e Desenvolvimentos Desafios para os postos de trabalho Empregabilidade e modelos familiares Empregabilidade e qualidade de emprego Introdução de tecnologias de apoio no sector de serviços Desafios para a educação e formação profissional Perspectiva de aprendizagem ao longo da vida Abordagem multiprofissional Ajustamento e acesso: mudanças na educação e formação profissional Recomendações Bibliografia CD-ROM: Perspectiva dos perfis profissionais nacionais

6 1. Introdução Esta publicação apresenta resultados de um estudo 1 desenvolvido em 20 países da Europa e evidencia as características principais dos perfis profissionais e de competências relacionadas com os serviços sénior. Esta é, até aqui, a primeira tentativa aprofundada para reunir esses dados nesta área a nível europeu. Este estudo é baseado em estudos literários, inquéritos, pesquisa documental e catálogos dos países estudados. Para além disso, foi realizado um conjunto de entrevistas aprofundadas quando era necessária alguma informação adicional. O objectivo deste estudo foi descrever os mapas nacionais existentes dos perfis profissionais com as exigências das tarefas principais, da educação e qualificação. Para além disso, as mudanças e os desenvolvimentos esperados ainda não estavam identificados nas políticas existentes no mercado de trabalho e nas estratégias locais. Estes resultados foram compilados nos catálogos nacionais em anexo, que dão uma imagem aprofundada e comparativa dos perfis profissionais e de competências existentes na Europa. Esta parte pretende ser usada para melhorar a qualidade dos processos de recrutamento e das estratégias de retenção e apoiar a mobilidade dos trabalhadores do sector. O estudo nacional foi organizado a partir de uma perspectiva comparativa, com o objectivo de analisar os factores que influenciam as mudanças nos locais de trabalho, nas funções e nas tarefas principais. As possíveis tendências e os futuros desenvolvimentos são delineados neste estudo, e devem ser vistos em conjunto com as 1 O estudo faz parte do projecto Leonardo da Vinci n.º LLP-2007-DK-LMP 4 Leaf Clover Quality Model for Senior Service Sector, realizado em

7 necessidades dos idosos europeus e a necessidade de modernizar o sector europeu de serviços sénior. Este mapa de mudanças é crucial para os desenvolvimentos da IVET (Educação e Formação Profissional Inicial) e da CVET (Educação e Formação Profissional Contínua) ambas para a qualidade e para adaptar as mudanças às áreas de competência. A educação sectorial também tem de ser adaptada para ir de encontro às mudanças do mercado de trabalho. A primeira parte desta publicação inclui as conclusões deste estudo comparativo. Quando visto juntamente com o estudo "Desafios do Sector Europeu de Serviços Sénior" 2, o leitor ter uma imagem global dos desenvolvimentos nos serviços sénior por toda a Europa. Aalborg Ancona Essen Glasgow Lisboa Wroclaw Todas as publicações do projecto estão disponíveis para download no Website do projecto 6

8 2. Factores que influenciam os perfis profissionais do sector europeu de apoio a idosos A característica especial dos serviços pessoais, domésticos e sociais é que o trabalho com as pessoas não pode ser uniformizado. Empatia e profissionalismo, compromisso e flexibilidade são características que se esperam dos prestadores de serviços. No entanto, há vários factores-chave que influenciam seriamente os serviços de apoio, o conteúdo dos perfis profissionais e, por conseguinte, as áreas de competência. As mudanças podem ser divididas em 4 grupos: Mudanças esperadas a longo prazo no perfil comum do idoso em comparação com os utilizadores dos actuais serviços sénior. Isto está relacionado com a mudança das expectativas quanto à variedade e qualidade dos serviços do sector. Mudança nos limites da imagem tradicional do apoio aos idosos novas áreas de serviço que aprecem para satisfazer as necessidades dos novos utilizadores (ex.: turismo, bem-estar) e inseri-las noutras áreas sectoriais, (ex: na área da habitação). Introdução de soluções tecnológicas (tecnologia de apoio, TIC e casas inteligentes) que influenciam a organização do trabalho e os perfis de competências dos profissionais. Introdução de novas estratégias nacionais destinadas à população mais velha (por exemplo a prevenção de doenças relacionadas com a idade, desportos, inclusão social, minorias étnicas, etc.). 7

9 2.1 Mudança dos perfis dos idosos europeus De uma maneira geral, depois de acabar o período de trabalho, a vida pode ser dividida em duas fases: A velhice inicial (mais de 60 anos), com níveis de actividade mais elevados e uma vida mais independente sem necessidade, ou somente necessidade parcial, de apoio e assistência na vida diária. A velhice avançada (mais de 60 anos), quando as pessoas se tornam cada vez mais passivas devido à condição de saúde deteriorada e, por isso, dependentes mais ou menos de ajuda externa. Quanto mais velha for a pessoa, mais diferenças existem na vida diária e no nível de necessidade de cuidados, de apoio e de enfermagem. O factor decisivo é a "idade funcional"; esta é a fase em que as capacidades físicas e mentais/emocionais não estão directamente relacionadas com a verdadeira idade da pessoa. Actualmente, entre os 75 e 80 é a idade em que, aproximadamente, se consegue identificar uma necessidade clara de apoio/cuidados. No entanto, há uma tendência para que o período activo da maioria dos cidadãos seniores nos países europeus se alargue. Isto significa que os seniores são mais activos em termos de vida social até a uma idade relativamente avançada 3. Estilo de vida e percepção de qualidade de vida As gerações futuras de idosos serão mais heterogéneas. As expectativas das pessoas idosas das chamadas gerações de guerra são muito diferentes das dos que vivem num mundo de variedade de serviços, apoio on-line tecnologias informáticas e móveis difusas. É por esta razão que as expectativas dos que têm, actualmente, anos de idade não incluem apenas uma boa saúde (evitando doenças) mas também manter a independência nas escolhas de cada um e manter um modo de vida activo; 3 Ver estatísticas da esperança de vida e da esperança de vida saudável: Esperança de vida saudável (HALE) no nascimento (anos) Relatório da Saúde Mundial mudar a história, World Health Report 2004: Changing History. Genebra, Organização Mundial de Saúde Para além disso, sobre a importância dos padrões de vida sénior: D.Avramov and M.Maskova, Envelhecimento activo na Europa, Estudos da População No. 41Directorate General III Coesão social, Council of Europe Publishing

10 desenvolvendo diferentes tipos de actividades de lazer e esperando serviços de alta qualidade. 4 Um dos factores de maior importância é que o nível médio de educação dos futuros idosos será mais elevado. Existe uma clara ligação entre o nível de educação e a percepção de qualidade de vida. Situação da Saúde A maioria dos idosos leva uma vida relativamente normal, independente e auto determinada. No entanto, existem limitações físicas e psicológicas quando se envelhece, doenças específicas, tais como a demência ou Parkinson, e o aumento de doenças crónicas como a esclerose múltipla. 5 Em muitos países, como por exemplo na Escandinávia, França e Holanda, há bastantes programas pró-activos de prevenção destinados aos indivíduos com mais de 50 anos, para prevenir doenças relacionadas com a idade. Para além disso, na maioria dos países europeus, os cidadãos seniores estão mais habituados a um modo de vida saudável através dos mass media e de programas de promoção da saúde a nível nacional. Isto significa que os sectores da saúde, bem-estar e turismo estão a crescer bastante em muitos países e a adaptar-se aos clientes seniores. Situação Financeira Particularmente nos países ocidentais da Europa, a maioria das actuais gerações de idosos têm uma situação financeira melhor do que as gerações anteriores. Mas esperase que isto diminua nos próximos anos. Por exemplo, os que têm baixos rendimentos irão receber, comparando com os rendimentos líquidos como pensionistas, um aumento de 32,7% na Dinamarca, mas uma redução de 46,6% na Alemanha. A diferença do estatuto financeiro dos cidadãos seniores significa que há a necessidade de uma maior variação e classificação do conteúdo dos serviços, colaboração entre o sector público e 4 Vappu Taipale, Enfrentar o desafio de assegurar o envelhecimento activo e a melhoria da qualidade de vida, em Envelhecimento Saudável e Biotecnologia. Implicações das políticas de novos estudos, OECD 2002 OECD 2002; N. Agahi, M. Parker, Os Idosos de Hoje são Mais Activos do que os seus Antecessores?, Envelhecimento e Sociedade (25), p ; A. Bukov et al., Participação Social na Idade Muito Avançada. Cross-sectional and Longitudinal Findings from BASE, Journal of Gerontology, Psychological Sciences (57) 6, p Os estudos actuais mostram que em média 65% da população com mais de 50 anos têm graves problemas de saúde. O mapa europeu mostra tendências interessantes. Nos países mediterrânicos há uma proporção relativamente elevada de idosos com deficiências e problemas de saúde; nos países escandinavos e nos Países Baixos, pelo contrário, um número relativamente baixo de idosos com deficiências. Para uma perspectiva comparativa sobre o tema ver: E.Pommer, I.Woittiez, J.Stevens, Comparing Care. The Care of the Elderly in 10 EU Countries, SCP, Hague 2007, pp.17. 9

11 o sector privado, uma abordagem comum para os cuidados formais e informais e para programas especiais para os idosos. Condições de Vida Existem diferenças significativas relacionadas com idosos que vivem tanto em zonas rurais como em zonas urbanas, em bairros com ou sem fortes laços de boa vizinhança. As necessidades dos idosos nas zonas rurais estão na agenda de muitos países (Irlanda, Suécia, Finlândia). Em termos das necessidades dos utilizadores dos serviços, num futuro próximo a maioria dos cidadãos seniores viverá nas suas próprias casas e apartamentos. Praticamente todos os países da Europa criaram estruturas de suporte para permitir que os idosos tenham uma vida independente durante mais tempo. Viver em casa mantém os indivíduos activos e independentes por um maior período de tempo, dando uma sensação de melhor saúde do que se estes se mudassem para um lar institucional. Fazer casas mais acessíveis é, portanto, uma grande prioridade, de forma a dar a oportunidade ao maior número de pessoas possível de continuar a viver em sua casa, mesmo em casos de mobilidade ou saúde deterioradas. Interligação social e cuidados informais Um factor-chave é se as pessoas vivem com um companheiro/a ou sozinhas nas suas próprias casas, em lares institucionais, em projectos habitacionais, tais como comunidades de partilha de apartamentos, ou com membros da família. Em alguns países, como a Itália, a relação entre os membros da família parece ser muito mais forte do que, por exemplo, nos países Escandinavos. O que faz a diferença não é o grau de afecto entre pais e filhos, mas o quão responsável a família se sente para prestar cuidados, caso os indivíduos não sejam capazes de cuidar de si próprios. Contudo, existe um aumento de pessoas a viverem sozinhas por toda a Europa e, muitas vezes, os idosos e os membros mais novos da família já não vivem na mesma zona. Contactos sociais como a família, amigos, vizinhos, clubes e outro tipo de relações têm um papel importante devido ao facto de, no geral, os contactos com a família diminuírem. 10

12 Origens Culturais Pertencer a uma minoria étnica, nacional ou religiosa pode trazer problemas quando se envelhece. Deveria ser assumido que, em relação aos migrantes idosos numa comparação geral, uma grande proporção destes grupos de idosos específicos terá níveis de saúde mais baixos, rendimentos mais baixos e dificuldades no que respeita à comunicação na respectiva língua nacional. Problemas de sexos Enquanto as estatísticas mostram um aumento impressionante no número de pessoas com mais de 75 anos, isto também significa que haverá uma maior proporção de mulheres mais velhas na sociedade, uma vez que a esperança de vida para as mulheres é de cerca de 4 a 5 anos maior do que para os homens. Isto significa que o impacto nos serviços pode ser grave, pois as mulheres têm muitas vezes uma situação financeira mais fraca na idade avançada Alargar as áreas de serviço para os idosos europeus Em todos os países da Europa, com as suas sociedades envelhecidas, os prestadores de cuidados terão de se ajustar ao facto de, no futuro, os idosos poderem querer manter o modo de vida que escolheram até ao fim das suas vidas mesmo quando precisarem de cuidados, assistência e apoio de enfermagem. Isto é de particular importância para a próxima geração de idosos que serão muito mais independentes e orientadas individualmente do que a actual geração. Ter mais pessoas idosas a morar nas suas próprias casas significa uma maior necessidade de serviços que estejam disponíveis 24 horas por dia, sete dias por semana. Estes serviços irão incluir não só serviços domésticos, como a limpeza e a jardinagem, mas também serviços de acompanhamento desde as compras às actividades de lazer. Cada vez mais idosos já gostam de ter serviços de cuidados ou serviços domésticos bem definidos, tais como limpar o apartamento ou lavar e tratar da roupa. Juntamente com esses serviços, eles gostam e precisam de serviços de aconselhamento, actividades de lazer, eventos culturais, saúde e bem-estar e turismo. 11

13 Na maioria dos países da UE existem novas abordagens para organizar serviços domésticos multifacetados. Isto é uma combinação equilibrada de serviços de apoio ao domicílio profissionais e polivalentes, combinados com a tecnologia de apoio aos autocuidados em casa. A tecnologia de informação pode ajudar os indivíduos a manteremse em contacto com os seus prestadores de serviços, permitindo também aos profissionais de apoio trabalharem com mais eficácia e eficiência. A qualidade de vida dos idosos migrantes parece ser um assunto indiferente em muitos dos países da Europa. Nos próximos anos os desafios-chave nesta área serão diminuir os défices de informação, por exemplo no que respeita aos sistemas de apoio e cuidados aos idosos no respectivo país europeu, o alinhamento cultural de todas as instituições para os idosos no sentido da heterogeneidade, bem como da comunicação intercultural e estruturas de contacto dentro dos bairros. Existe uma necessidade específica para grupos de serviços sectoriais e culturais transversais Introdução de tecnologia de apoio e de tecnologias de comunicação Outro tema importante dos próximos será o uso da tecnologia de apoio nos serviços sénior, permitindo aos idosos ter uma vida independente no seu ambiente preferido, enquanto os sistemas tecnológicos os ajudam a lidar com o dia-a-dia e a melhorar as suas rotinas de apoio. São necessárias grandes mudanças nos perfis de competências quando as soluções tecnológicas forem mais difusas do que hoje Aumento de grupos seniores especiais Existe um aumento no número de pessoas com origens étnicas diferentes nos países europeus, e estas comunidades étnicas também estão a envelhecer. Alguns dos idosos migrantes têm novas e diferentes necessidades quanto aos serviços locais de saúde e de acção social, especialmente devido às barreiras culturais e linguísticas. O aumento de pessoas que sofrem de demência representa um especial desafio para o sistema de cuidados informal e profissional. O seguro de cuidados de enfermagem 6 Para uma discussão mais aprofundada sobre este tema, ver o relatório especial do projecto sobre a interacção entre as tecnologias de bem-estar e a aprendizagem ao longo da vida, Anne-Mette Hjalager, Assistive technologies and the prospects for caregivers lifelong learning ; 12

14 ainda não oferece uma base financeira suficiente para o tratamento ambulatório de pessoas que precisam de cuidados 24 horas por dia, sem precisarem de cuidados no sentido tradicional. Para além disso, o número de pessoas que sofre de doenças crónicas está a aumentar significativamente e, adicionalmente, cada vez mais pessoas que sofrem de doenças crónicas chegam a idades mais avançadas. Uma nova e ampla visão das tarefas de apoio e a profissionalização adequada são necessárias. 13

15 3. Enquadramento dos Perfis Profissionais: características comuns e diferenças 3.1. Enquadramento geral O sector de serviços sénior inclui um conjunto de profissões e qualificações em muitas áreas de actividade diferentes. As profissões e postos de trabalho relacionados com este sector inserem-se no grupo ocupacional de profissões na área social, do apoio e da enfermagem. Para além dos profissionais qualificados de enfermagem e de apoio e de outros profissionais da área dos cuidados e dos serviços sociais, este grupo inclui também pessoal não qualificado de enfermagem, de apoio e de assistência. No estudo feito para a presente publicação, estão incluídos todos os serviços necessários para que um idoso tenha uma vida independente. No entanto, as formas clássicas de enfermagem, como por exemplo em hospitais, no domínio da assistência médica básica estão fora deste enquadramento. É dado ênfase aos serviços de pré-enfermagem e de apoio aos idosos, que são concebidos para permitir que estes tenham uma vida independente nas suas próprias casas ou áreas residenciais pelo tempo que for possível. Em todos os países da Europa considerados neste estudo, há inúmeros perfis profissionais na área das profissões sociais, do apoio e da enfermagem, sendo que em alguns países o conjunto de alternativas é bastante vasto e variado. No entanto, os habituais perfis profissionais são muito semelhantes e as actividades que eles envolvem são praticamente idênticos. 14

16 Geralmente, as categorias profissionais podem ser reunidas nas seguintes áreas de serviços: Sector de serviços primários (ex.: cuidados médicos para os idosos em lares de terceira idade) Serviços pessoais e domésticos (ex.: apoio domiciliário, assistência social, limpeza) Serviços relacionados com empresas (ex.: porteiro/caseiro) Serviços relacionados com a área residencial (ex.: trabalhadores comunitários, enfermeiros ao domicílio) Serviços sociais sem fins lucrativos (voluntários) 3.2. Perfis profissionais funcionais. Variedade de tarefas e desvanecer limites Os resultados do estudo mostram que o sector de apoio em crescente expansão por toda a Europa abrange uma variedade de trabalhos multifacetados. O sector está a caminho de estabelecer uma das áreas de serviço mais complexas e variadas no mercado de trabalho. Novas tendências mostram iniciativas transnacionais de serviços sénior, como por exemplo na área do turismo sénior. A análise das tarefas principais mostra uma tendência de certo modo contraditória. Por um lado, as tarefas principais são mais específicas e mensuráveis, especialmente quando são tidas em consideração as funções de apoio (limpeza, cuidados pessoais, etc.) e relacionadas com competências profissionais muito específicas. Estas tarefas podem ser uniformizadas e calculadas em termos de tempo e extensão, de acordo com um determinado sistema de qualidade (ex.: um número de horas definido para diferentes tipos de serviços de limpeza por semana). Por outro lado, presta-se cada vez mais atenção a um nível elevado de competências pessoais, tais como flexibilidade, resolução de problemas, uma abordagem simpática, sensibilidade, paciência, sentido de humor, capacidade para permanecer calmo, trabalho em equipa e ser respeitoso. Estas são competências e funções que estão tradicionalmente associadas aos cuidados informais/cuidados familiares e não podem ser calculadas por um sistema quantitativo 15

17 de qualidade. Estão a ser discutidos sistemas de avaliação qualitativa para aspectos emocionais da prestação de cuidados, no entanto, têm-se encontrado enormes barreiras, como por exemplo na avaliação dos cuidados prestados a idosos com demência, em que a capacidade perceptiva não é fixa nem estável, podendo mudar. Para além disso, cada vez mais as tarefas principais dizem respeito a competências gerais, tais como comunicação escrita (ex.: redigir um relatório), matemática (ajudar os clientes a organizar os seus orçamentos e pagar as suas contas) e conhecimentos de TIC devido ao desenvolvimento de sistemas de cuidados e assistência para serem mais complexos e incluírem mais as TIC e as tecnologias de apoio. O aparecimento de novas habitações e modelos de colaboração entre os sectores de cuidados primários e secundários chama a atenção para as competências de colaboração, trabalho em equipa e perspectiva organizacional. Do apoio domiciliário para os cuidados domiciliários de apoio e de saúde Até os perfis profissionais mais básicos relacionados com os serviços sénior estão prestes a tornarem-se cada vez mais complexos de acordo com a profissionalização e a uniformização do trabalho. As tarefas de apoio consistem numa assistência prática ao domicílio, desde ajudar a fazer compras, a limpar e a cozinhar até ajudar na higiene pessoal; tarefas estas que são muitas vezes deixadas a cargo dos cuidadores informais. Existem duas tendências opostas no que diz respeito às tarefas de apoio habituais. Por um lado, há uma tendência para dividir as tarefas de apoio e as dos cuidados em vários perfis profissionais limitados em termos de funções (exemplos dos perfis portugueses, gregos e polacos, por exemplo relativamente à ajuda em cozinhar, lavar e tratar da roupa, limpar ou conduzir; e 3 perfis franceses: Assistante de vie familles, Agent à domicile, Auxiliaire de vie sociale) Abaixo do eixo Norte-Sul da Europa, em países como a Grécia, Espanha, Portugal e Itália, esta função é muitas vezes desempenhada por membros da família e voluntários ou substituída por uma mão-de-obra migrante não qualificada. Países como a França e a Alemanha apresentam casos mais complexos, onde há uma mistura de abordagens de serviços tradicionais e até sem qualquer estrutura com medidas sistemáticas e profissionais, sendo introduzidas estratégias. Por outro lado, em países do norte da Europa, incluindo os Países baixos, os perfis do apoio domiciliário tornam-se cada vez mais complexos e exigentes. A profissão de 16

18 auxiliar de apoio domiciliário, com uma educação profissional constante, vai ao encontro dos requisitos destas competências. Isto é visível, especialmente nos modelos educacionais escandinavos, onde os auxiliares de apoio domiciliário se familiarizam com um número crescente de tarefas na área dos cuidados de apoio e de saúde. A consciência de que as necessidades do apoio domiciliário são cada vez maiores existe até em países como a Itália, havendo exemplos de projectos para aumentar as qualificações da mão-de-obra migrante. Um bom exemplo desta tendência é na Noruega, onde o novo perfil profissional de um Trabalhador de Saúde junta dois antigos perfis profissionais: enfermeiro auxiliar (hjelpepleier) e trabalhadores na área dos cuidados (omsorgsarbeider), que durante alguns anos foram categorias complementares. A iniciativa por detrás deste novo perfil profissional (Aksjon Helsefagarbeider) faz parte de uma ampla estratégia para mudar a estrutura do sector de apoio na Noruega (Parliament Act 25 Futuros desafios do sector de apoio ; Care Plan 2015). A introdução deste novo perfil profissional é seguida por um sistema de certificação/validação para o enfermeiro auxiliar e o trabalhador na área dos cuidados até O novo perfil profissional, mais amplo em termos de funções, foi introduzido devido aos seguintes argumentos: Aumento pretendido da proporção de profissionais com mais educação e, através destes padrões mais elevados, da garantia de qualidade; Mudança do estatuto dos trabalhadores na área dos cuidados, conferindo ao perfil uma imagem mais profissional As estatísticas confirmam que há uma maior procura de uma educação de nível mais elevado do que de cursos que oferecem competências mais básicas; espera-se que esta mudança atraia especialmente pessoas mais jovens Desenvolvimentos semelhantes de absorção de tarefas mais exigentes e complexas também ocorrem no portfolio das tarefas principais dos cuidadores qualificados e no perfil profissional dos enfermeiros (ex.: assistência social e de saúde na Dinamarca, auxiliar de enfermagem em França (Aide-soignant), enfermeiro de apoio a idosos (Altenpfleger/in) na Áustria e na Alemanha), especialmente quando o ambiente do lar se torna no ponto central para as estratégias que têm como objectivo aliviar o trabalho das unidades de cuidados de longa duração ou até dos hospitais. Aqui pode referir-se exemplos de apoio domiciliário de reabilitação na Finlândia ou de hospitalização em casa na França (HAD), com os perfis profissionais relacionados de auxiliares médicos e 17

19 psicólogos (Aide médico psychologique [MP]) e auxiliares de enfermagem (Aidesoignant). Desafiar os limites dos perfis profissionais relacionados com os não cuidados Na Noruega, as tarefas principais do apoio domiciliário são mais perfis profissionais multifacetados fundidos num só. Há, portanto, uma tendência para mudar os limites dos perfis provenientes de áreas que não estão necessariamente associadas ao trabalho de prestação de cuidados. Simples tarefas de apoio domiciliário são desempenhadas por profissões inseridas nas associações habitacionais, tais como o porteiro na Alemanha ou o caseiro na Dinamarca. De uma forma talvez mais natural, os elementos de geriatria e apoio invadem as áreas de serviço da saúde e bem-estar, prevenção de saúde e turismo. Perfis profissionais: novos papéis, significados e implicações A necessidade de novos modelos de colaboração completa pelas diferentes áreas é evidente, uma vez que as necessidades dos clientes seniores são cada vez mais diversificadas, novas áreas de serviços são introduzidas e as tarefas são cada vez mais complexas, por exemplo pela introdução de soluções tecnológicas ou de TIC. O perfil profissional dos coordenadores de apoio está a tornar-se cada vez mais importante neste contexto. Tais perfis tão específicos podem ser encontrados em França: o coordenador médico (Médecin Coordinateur) ou em Portugal o Encarregado Serviços Gerais. Perfis profissionais semelhantes dos coordenadores de acção social podem ser encontrados nos serviços municipais da maior parte dos países da Europa. Na República Checa, os Coordenadores de Carreira, na Polónia e Lituânia, os Assistentes Sociais, em que o perfil é ainda mais exigente, uma vez que o sistema da segurança social é relativamente limitado. É necessário haver um estudo mais detalhado e uma avaliação individual sobre a extensão e a forma do apoio prestado aos idosos devido à escassez de recursos. A importância das actividades sociais e dos respectivos perfis profissionais é também evidente através do animateur (animador) em França ou o Animador Cultural em Portugal. Perfis profissionais estruturados A análise dos perfis profissionais existentes e os desenvolvimentos observados confirmam que não é o conteúdo do trabalho de apoio, mas as condições, estruturas e 18

20 enquadramento que trazem desafios ao conteúdo do trabalho 7. Em muitos casos, os cuidadores não têm oportunidades flexíveis para acederem ao desenvolvimento de competências devido a pressões no trabalho ou ofertas educacionais inflexíveis (duração e horário da formação, reconhecimento de competências informais e não formais). As tarefas principais tornam-se cada vez mais específicas em consequência da uniformização e introdução de medidas de qualidade. Ao fazer-se isto, torna-se possível medir a duração de tarefas diferentes e atribuir-se isto ao modelo (ex.: modelo BOM na Dinamarca). Significa que são necessárias novas competências nos perfis profissionais, tais como consciência de qualidade e gestão de qualidade. Nos cuidados informais, o trabalho de apoio é muitas vezes pressionada pelo tempo. Quanto mais formal o conceito de apoio, mais específicas são as tarefas de apoio e as respectivas pressões de tempo. A profissionalização do sector traz maiores pressões de tempo às rotinas diárias dos cuidadores. Este facto levanta a questão relacionada com a qualidade do apoio emocional ser a componente principal da relação cuidador/receptor Padrões educacionais e aprendizagem ao longo da vida Em quase todos os países da Europa estudados, há tanto cursos de formação profissional totalmente qualificados como qualificações auxiliares; a formação profissional totalmente qualificada dura habitualmente 2 3 anos. Em alguns casos, há também qualificações suplementares totalmente qualificadas, que habitualmente duram 1 2 anos. Os papéis auxiliares mais elementares têm geralmente uma formação on the job (em contexto de trabalho), e o período de qualificação é habitualmente de 6 12 meses. Uma das condições de qualificação para a formação profissional nas profissões sociais, de apoio e de enfermagem é um certificado de conclusão de um ensino de pelo menos 16 anos. No entanto, em quase todos os países da Europa, excepto na Alemanha e na 7 Sirpa Wrede et al. (ed.) Care Work in Crisis. Reclaiming the Nordic Ethos of Care, Holmbergs, Suécia 2008, p. 55 ff.) 19

UMA EUROPA ENVELHECIDA. Desafios do sector europeu de serviços sénior

UMA EUROPA ENVELHECIDA. Desafios do sector europeu de serviços sénior UMA EUROPA ENVELHECIDA Desafios do sector europeu de serviços sénior 1 ENVELHECIMENTO NA EUROPA: DESAFIOS DO SECTOR EUROPEU DE SERVIÇOS SÉNIOR ProjectoLeonardo da Vinci n. 134320-LLP-2007-DK-LMP O relatório

Leia mais

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS Introdução O presente documento pretende apresentar uma visão geral das principais conclusões e recomendações do estudo da European Agency

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

Sobre este inquérito. Sobre a sua organização

Sobre este inquérito. Sobre a sua organização Sobre este inquérito Por toda a União Europeia, diferentes organizações proporcionam acesso e formação sobre Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC), juntamente com outros serviços para grupos

Leia mais

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer?

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? 15º Congresso Português De Gerontologia Social Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? Dia: 28/11/13 Envelhecimento em Portugal Portugal, de acordo com os Censos 2011, apresenta um quadro

Leia mais

Orientações para as políticas de emprego

Orientações para as políticas de emprego C 87 E/94 Jornal Oficial da União Europeia 1.4.2010 23. Considera que, com a liderança da UE no provimento de apoio financeiro e técnico aos países em desenvolvimento, as probabilidades de sucesso nas

Leia mais

SEMINÁRIO APOIO DOMICILIÁRIO E TRABALHO DOMÉSTICO: PERSPETIVAS

SEMINÁRIO APOIO DOMICILIÁRIO E TRABALHO DOMÉSTICO: PERSPETIVAS SEMINÁRIO APOIO DOMICILIÁRIO E TRABALHO DOMÉSTICO: PERSPETIVAS DE EMPREGO TRABALHO DOMÉSTICO: REGULAMENTAR, VALORIZAR E DIGNIFICAR A PROFISSÃO ARMANDO FARIAS Comissão Executiva do Conselho Nacional da

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

Tertiary Education for the Knowledge Society. O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento. Summary in Portuguese. Sumário em Português

Tertiary Education for the Knowledge Society. O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento. Summary in Portuguese. Sumário em Português Tertiary Education for the Knowledge Society Summary in Portuguese O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento Sumário em Português O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento fornece uma investigação

Leia mais

VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES

VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 1 Preâmbulo O VIII Congresso da EUROSAI realizado em Lisboa entre 30 de Maio e 2 de Junho de 2011 concentrou-se

Leia mais

Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos

Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos No final do ano de 1999 a Agência Europeia iniciou um projecto de investigação, a nível Europeu, sobre o

Leia mais

PARECER Nº 02 / 2010

PARECER Nº 02 / 2010 PARECER Nº 02 / 2010 ASSUNTO: Adequação técnico-científica da admissão das pessoas com demência nas unidades de dia e promoção da autonomia da RNCCI (art.º 21 do Dec. Lei. 101/2006 de 6 de Junho) 1. A

Leia mais

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior O SNESup e o Núcleo de Estudantes de Sociologia da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra realizaram mais um debate integrado

Leia mais

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Francisco Cordovil Director do GPP Conselho Nacional da Água Ponto 4 da ordem de trabalhos Lisboa 3 de Dezembro de 2010 Política agrícola e protecção

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens Resumo O que se entende por disparidades salariais entre mulheres e homens Por que razão continuam a existir disparidades salariais entre mulheres

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

RE-INTEGRATE Consulta aos Empregadores PORTUGAL

RE-INTEGRATE Consulta aos Empregadores PORTUGAL RE-INTEGRATE Consulta aos Empregadores PORTUGAL Retorno ao Trabalho Ambiente Integrado de e-learning Projecto Leonardo: 2007 a 2009 Objectivo da Sessão Recolher opiniões sobre website e ferramentas de

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PROJETO LIFE 2

INTRODUÇÃO AO PROJETO LIFE 2 INTRODUÇÃO AO PROJETO LIFE 2 O projeto LIFE2 (Competências chave para a vida) visa ajudar os jovens a desenvolver, no decurso da sua formação profissional, as competências e confiança necessárias no mundo

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 20.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 372/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO Resolução do Conselho sobre uma agenda renovada no domínio da educação de adultos (2011/C

Leia mais

RECONHECIMENTO 13. O que é ECTS? 14. Como se compara ECTS com sistemas de pontos de créditos noutros países? 15. O que é um Suplemento ao Diploma?

RECONHECIMENTO 13. O que é ECTS? 14. Como se compara ECTS com sistemas de pontos de créditos noutros países? 15. O que é um Suplemento ao Diploma? PMFs Perguntas Mais Frequentes Nesta página da web pode encontrar as respostas a todas as perguntas que talvez queira fazer sobre estudos musicais na Europa. Perguntas Mais Frequentes PORQUÊ EU? 1. Porque

Leia mais

vivem cada vez mais tempo,

vivem cada vez mais tempo, Portuguesas vivem cada vez mais tempo, mas com menos saúde Têm uma esperança de vida que é das maiores do mundo, mas desfrutam de muito menos anos saudáveis do que as mulheres dos países mais bem classificados

Leia mais

Instituto da Segurança Social, IP

Instituto da Segurança Social, IP Instituto da Segurança Social, IP SUMÁRIO Pobreza e Exclusão Social A Estratégia de Lisboa e o MAC social A Estratégia da Inclusão Activa A Estratégia UE2020 2010: Ano Europeu de Luta Contra a Pobreza

Leia mais

Condições para uma aprendizagem eficaz

Condições para uma aprendizagem eficaz Creating Effective Teaching and Learning Environments: First Results from TALIS Summary in Portuguese Criação de Ambientes Eficazes para o Ensino e Aprendizagem: Primeiros Resultados do TALIS Sumário em

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009 2014 Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros 2009/2205(INI) 1.6.2010 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o papel das mulheres numa sociedade em envelhecimento (2009/2205(INI))

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

Breve olhar sobre a sustentabilidade social

Breve olhar sobre a sustentabilidade social Sustentabilidade na Saúde em Tempos de Mudança Breve olhar sobre a sustentabilidade social Luís A. Carvalho Rodrigues 8 de Novembro de 2012 Luís.acr@sapo.pt A sustentabilidade Sustentabilidade refere a

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário Universidade de Coimbra Grupo de Missão para o Espaço Europeu do Ensino Superior Glossário ACÇÃO CENTRALIZADA Procedimentos de candidatura em que a selecção e contratação são geridas pela Comissão. Regra

Leia mais

Checklist sobre processos de reestruturação

Checklist sobre processos de reestruturação Checklist sobre processos de reestruturação Comissão Europeia Comissão Europeia Direcção-Geral do Emprego, dos Assuntos Sociais e da Igualdade de Oportunidades Unidade F.3 Manuscrito concluído em Fevereiro

Leia mais

O ENSINO SUPERIOR E A CIÊNCIA NA UE

O ENSINO SUPERIOR E A CIÊNCIA NA UE O ENSINO SUPERIOR E A CIÊNCIA NA UE Maria da Graça a Carvalho ISEP 27 Abril 2012 Índice Ensino Superior na Europa Investigação Científica na Europa Necessidade de Reforma das Instituições de E.S. Modernização

Leia mais

Novas tendências no ensino e formação profissional inicial na Bulgária

Novas tendências no ensino e formação profissional inicial na Bulgária DOSSIER: BOAS VINDAS À BULGÁRIA E ROMÉNIA Novas tendências no ensino e formação profissional inicial na Bulgária Penka Ganova Chefe da Unidade Apoio Metodológico no seio da Direcção do Ensino e Formação

Leia mais

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS:

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: Acesso a cuidados de saúde programados na União Europeia, Espaço Económico Europeu e Suiça. Procedimentos para a emissão do Documento

Leia mais

PROMOVER O ACESSO À INFORMAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA

PROMOVER O ACESSO À INFORMAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA PROMOVER O ACESSO À INFORMAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA O acesso à informação é um direito fundamental de todos os alunos com ou sem deficiência e/ou necessidades educativas especiais. Numa

Leia mais

2º e 3º Ciclos Ensino Profissional

2º e 3º Ciclos Ensino Profissional 2º e 3º Ciclos Ensino Profissional Índice 1. A União Europeia O caminho da UE 2. Os Anos Europeus 3. 2010 Ano Europeu do Combate à Pobreza e Exclusão Social (AECPES) 4. 2010 AECPES. Pobreza e Exclusão

Leia mais

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação Rede de Avaliação do CAD Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação (para aplicação em fase experimental) As normas em anexo são provisórias e foram aprovadas pelos membros da Rede de Avaliação do CAD,

Leia mais

Universidade do Algarve Escola Superior de Tecnologia Curso de Engenharia Eléctrica e Electrónica HUMANOS

Universidade do Algarve Escola Superior de Tecnologia Curso de Engenharia Eléctrica e Electrónica HUMANOS RECURSOS HUMANOS Disciplina: Gestão Docente responsável: Jaime Martins Autoras Ana Vieira, n.º 30367 Natacha Timóteo, n.º 30381 Faro, 20 de Novembro de 2007 ÍNDICE Introdução 3 Desenvolvimento 1. Recursos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS 1. APRESENTAÇÃO PRINCÍPIOS E VALORES Acreditamos pela força dos factos que o desenvolvimento desportivo de um Concelho ou de uma Freguesia, entendido na sua vertente quantitativa e qualitativa, exige uma

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Dados Pessoais. Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - E - mail: Outros contactos:

Dados Pessoais. Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - E - mail: Outros contactos: Errata Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E - mail: Outros contactos: 1 Edição Instituto da Segurança Social, I.P. Coordenação e Supervisão Técnica Departamento

Leia mais

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo With the support of the European Commission and the Belgian Presidency of the European Union Porquê Enterprise 2020? Os desafios económicos, sociais e

Leia mais

REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA

REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA Patrocinada e reconhecida pela Comissão Europeia no âmbito dos programas Sócrates. Integração social e educacional de pessoas com deficiência através da actividade

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016

GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016 GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016 Esclarecimentos de dúvidas/informações adicionais: Carolina Peralta/Isabel Silva Gabinete de Relações Internacionais - GRI Rua de Santa Marta, 47, 1º Piso sala 112-1169-023

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Dra. Daniela Figueiredo

Dra. Daniela Figueiredo família horizontal, em que as gerações se sucediam, Dra. Daniela Figueiredo Licenciada em Ciências da Educação pela Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra. Doutorada

Leia mais

Mobilidade de Alunos Associada a Motivações de Estudo

Mobilidade de Alunos Associada a Motivações de Estudo RT D Territórios, empresas e organizações 143 Vol. II (1), 143-147 (2005) Mobilidade de Alunos Associada a Motivações de Estudo Cristina Barroco Novais* Mestre em Gestão de Empresas WÊÊÊÊÊ Introdução A

Leia mais

D.4 RELATÓRIO FINAL, VERSÃO REVISTA CORRIGIDA

D.4 RELATÓRIO FINAL, VERSÃO REVISTA CORRIGIDA 1. RESUMO Existe um amplo reconhecimento da importância do desenvolvimento profissional contínuo (DPC) e da aprendizagem ao longo da vida (ALV) dos profissionais de saúde. O DPC e a ALV ajudam a assegurar

Leia mais

SENSIL. Apoio Domiciliário e serviços de saúde. Crianças * adultos * idosos

SENSIL. Apoio Domiciliário e serviços de saúde. Crianças * adultos * idosos SENSIL Apoio Domiciliário e serviços de saúde Crianças * adultos * idosos A quem prestamos o serviço de Apoio Domiciliário? A todas as pessoas em situação de dependência: Temporária (pós operatório imediato,

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL INTEGRADO POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 As novas regras e legislação para os investimentos futuros da política de coesão da UE durante o período de programação 2014-2020

Leia mais

ESTUDO SOBRE O VOLUNTARIADO: CONTEXTOS E CONCLUSÕES

ESTUDO SOBRE O VOLUNTARIADO: CONTEXTOS E CONCLUSÕES ESTUDO SOBRE O VOLUNTARIADO: CONTEXTOS E CONCLUSÕES O Estudo sobre o Voluntariado teve como objectivo geral a realização de um diagnóstico sobre a situação actual do voluntariado em Portugal, em termos

Leia mais

HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA

HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA PROJECTO DE MELHORIA CONTÍNUA SABER CUIDAR UM DIREITO CANTANHEDE, Janeiro de 2011 HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO A Carta Europeia do Desporto do Conselho da Europa é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto. A Carta Europeia do Desporto

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa A UGT saúda o debate em curso na Comissão dos Assuntos Europeus sobre o Futuro da Europa e, particularmente, sobre o futuro do Tratado Constitucional. O

Leia mais

Competências essenciais para um mundo em evolução: aplicação do Programa de Trabalho «Educação e Formação para 2010»

Competências essenciais para um mundo em evolução: aplicação do Programa de Trabalho «Educação e Formação para 2010» C 161 E/8 Jornal Oficial da União Europeia 31.5.2011 Competências essenciais para um mundo em evolução: aplicação do Programa de Trabalho «Educação e Formação para 2010» P7_TA(2010)0164 Resolução do Parlamento

Leia mais

Construir uma sociedade para todas as idades

Construir uma sociedade para todas as idades Construir uma sociedade para todas as idades Emprego Digno: Inclusão Social e Protecção Social O aumento da longevidade está a criar uma nova fronteira para a humanidade, a ampliar as nossas perspectivas

Leia mais

Ano Europeu da Criatividade e Inovação

Ano Europeu da Criatividade e Inovação Ano Europeu da Criatividade e Inovação Imaginar criar inovar Índice A União Europeia O caminho da UE O Ano Europeu Criatividade e Inovação. Porquê? Criatividade e Inovação. Importância Criatividade e Inovação.

Leia mais

PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA. Plano da sessão

PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA. Plano da sessão plano estratégico del desenvolvimento económico local PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL ECONÓMICO LOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA Equipa técnica: Assessor: João Pedro Guimarães Colaboradores:

Leia mais

Envelhecimento da População. Trabalho Doméstico. Apoio Domiciliário. Perspectiva Empresarial O papel do Sector Privado de Emprego

Envelhecimento da População. Trabalho Doméstico. Apoio Domiciliário. Perspectiva Empresarial O papel do Sector Privado de Emprego Envelhecimento da População Trabalho Doméstico Apoio Domiciliário Perspectiva Empresarial O papel do Sector Privado de Emprego 1 De acordo com as projecções oficiais há um crescente peso das populações

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.12.2008 COM(2008) 819 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Plano de acção no domínio da dádiva e transplantação de órgãos (2009-2015): Reforçar a cooperação entre

Leia mais

Projeto AAL4ALL. Padrão de Cuidados Primários para Serviços AAL. Projeto âncora do AAL4ALL AAL4ALL

Projeto AAL4ALL. Padrão de Cuidados Primários para Serviços AAL. Projeto âncora do AAL4ALL AAL4ALL Projeto AAL4ALL Padrão de Cuidados Primários para Serviços AAL 2 Sumário Mudança demográfica em Portugal Ambient Assisted Living (AAL) Porque é necessário? Quais as áreas de aplicação? Quais são os desafios?

Leia mais

TRANSPORT LEARNING Cursos de formação para municípios e agências de energia

TRANSPORT LEARNING Cursos de formação para municípios e agências de energia TRANSPORT LEARNING Cursos de formação para municípios e agências de energia istockphoto Conteúdo Caro leitor, Sobre o projecto... 2 Criando uma base de conhecimento para as regiões de convergência da Europa...

Leia mais

RESUMO DAS PRINCIPAIS QUESTÕES PARA

RESUMO DAS PRINCIPAIS QUESTÕES PARA A implementação de políticas de apoio a crianças e jovens pertencentes a minorias étnicas que têm o inglês como língua adicional (incluindo a avaliação do impacto de igualdade) Ministério da Educação Janeiro

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Respostas Sociais População

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

PREFÁCIO. Paulo Bárcia. Director do Escritório da OIT em Lisboa

PREFÁCIO. Paulo Bárcia. Director do Escritório da OIT em Lisboa Interior da capa PREFÁCIO O edifício normativo da Organização Internacional de Trabalho compreende diferentes instrumentos: Convenções, Recomendações, Resoluções, Conclusões e Directrizes. Destacam-se

Leia mais

Fitness Against Doping Relatório intercalar principais resultados

Fitness Against Doping Relatório intercalar principais resultados Fitness Against Doping Relatório intercalar principais resultados The European Health and Fitness Association Rue Washington 40 B 1050 Bruxelles Belgium www.ehfa.eu Resultados Preliminares do Projecto

Leia mais

Newsflash - Notícias UE sobre Habitação Social

Newsflash - Notícias UE sobre Habitação Social DOCUMENTO ASSUNTO EDIÇÃO AUTOR Newsflash - Notícias UE sobre Habitação Social Setembro 2011 CECODHAS HOUSING EUROPE Secretariado PERIODICIDADE 6/8 publicações/ano TEMAS ABORDADOS A Notícia de abertura

Leia mais

Education at a Glance: OECD Indicators - 2006 Edition. Panorama da Educação: Indicadores da OCDE Edição 2006

Education at a Glance: OECD Indicators - 2006 Edition. Panorama da Educação: Indicadores da OCDE Edição 2006 Education at a Glance: OECD Indicators - 2006 Edition Summary in Portuguese Panorama da Educação: Indicadores da OCDE Edição 2006 Sumário em Português Panorama da Educação oferece aos educadores, aos decisores

Leia mais

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações M ensagens que devem permanecer A pobreza não se combate apenas com caridade ou medidas de emergência. Queremos que a situação melhore

Leia mais

PERSPETIVAS SOCIAIS EMPREGO

PERSPETIVAS SOCIAIS EMPREGO sumário executivo Organização Internacional do Trabalho PERSPETIVAS SOCIAIS E DE EMPREGO NO MUNDO Mudança nas modalidades do emprego 2 015 perspetivas sociais e de emprego no mundo Mudança nas modalidades

Leia mais

DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Natureza do trabalho Os docentes de educação especial exercem as suas funções junto de crianças e jovens do ensino pré-escolar, básico e secundário com necessidades educativas

Leia mais

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Apresentação ERASMUS+ - Ensino Superior O Erasmus+ é o novo programa da UE dedicado à educação, formação, juventude e desporto. O programa tem início

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação LEARNING MENTOR Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219 Perfil do Learning Mentor Módulos da acção de formação 0. Pré-requisitos para um Learning Mentor 1. O papel e a função que um Learning Mentor

Leia mais

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes Este folheto explica as regras que se aplicam ao Benefício de

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 EDUCAÇÃO ESPECIAL Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 DL 3/2008, de 7 de Janeiro: Sumário Define os apoios especializados a prestar na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário dos sectores público,

Leia mais

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV DOCUMENTO 3 DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS TITULARES DOS CARTÕES EUROPEUS DE SEGURO DE DOENÇA OU DE DOCUMENTOS EQUIVALENTES NA SEQUÊNCIA DAS ALTERAÇÕES DO PONTO I DA ALÍNEA A)

Leia mais

TURISMO DE NATUREZA. AEP / Gabinete de Estudos

TURISMO DE NATUREZA. AEP / Gabinete de Estudos TURISMO DE NATUREZA AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. Situação a nível europeu De acordo com o Estudo realizado por THR (Asesores en Turismo Hotelería y Recreación, S.A.) para o Turismo de Portugal,

Leia mais

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE A IBIS visa contribuir para o empoderamento dos jovens como cidadãos activos da sociedade, com igual usufruto de direitos, responsabilidades e participação

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019 Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais 2014/2255(INI) 5.5.2015 PROJETO DE RELATÓRIO relativo ao Relatório sobre a implementação, os resultados e a avaliação global do Ano

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

Bases SólidasS. Educação e Cuidados na Primeira Infância. Curso: Ciências da Educação Ano lectivo: 2007/2008 2º Ano / 1º Semestre

Bases SólidasS. Educação e Cuidados na Primeira Infância. Curso: Ciências da Educação Ano lectivo: 2007/2008 2º Ano / 1º Semestre Curso: Ciências da Educação Ano lectivo: 2007/2008 2º Ano / 1º Semestre Bases SólidasS Educação e Cuidados na Primeira Infância Docente: Prof. Nuno Silva Fraga Cadeira: Educação Comparada A Educação Primária

Leia mais

Análise Multidimensional da Evolução do Sistema de Saúde Português

Análise Multidimensional da Evolução do Sistema de Saúde Português Análise Multidimensional da Evolução do Sistema de Saúde Português Objectivos: Construir participativamente e partilhar amplamente uma visão dos determinantes da evolução do sistema de saúde português,

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado. Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado. Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem GUIA DE CANDIDATURA PARA MOBILIDADE DE ESTUDANTES PARA ESTÁGIOS ERASMUS+ (SMP)

Leia mais

Seminário> Família: realidades e desafios 18 e 19 de Novembro de 2004 Homens e Mulheres entre Família e Trabalho

Seminário> Família: realidades e desafios 18 e 19 de Novembro de 2004 Homens e Mulheres entre Família e Trabalho Seminário> Família: realidades e desafios 18 e 19 de Novembro de 2004 Homens e Mulheres entre Família e Trabalho Anália Cardoso Torres Quatro ideias fundamentais. Grande valorização da família em todos

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

E GESTÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR

E GESTÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR THEKA Projecto Gulbenkian Formação de Professores Responsáveis pelo Desenvolvimento de Bibliotecas Escolares POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR A BIBLIOTECA E A ESCOLA O MESMO CAMINHO

Leia mais

Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL

Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL Changing lives. Opening minds. Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL ERASMUS + Uma porta aberta para a Europa : O novo programa

Leia mais

3ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Confiança e Compromisso nos Canais Digitais

3ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Confiança e Compromisso nos Canais Digitais 3ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Confiança e Compromisso nos Canais Digitais 29 de setembro de 2014 Auditório da BMAG Apoio Patrocinadores Globais APDSI Internet, Negócio e Redes Sociais

Leia mais

Projecto de Rede Temática AEHESIS

Projecto de Rede Temática AEHESIS Projecto de Rede Temática AEHESIS Aligning a European Higher Education Structure In Sport Science Relatório do Terceiro Ano - Resumo - (translated by the Polytechnique Institute of Santarem, Escola Superior

Leia mais

Panorama da Saúde: Indicadores da OCDE Edição 2005. Sumário Executivo

Panorama da Saúde: Indicadores da OCDE Edição 2005. Sumário Executivo Health at a Glance: OECD Indicators 2005 Edition Summary in Portuguese Panorama da Saúde: Indicadores da OCDE Edição 2005 Sumário em Português Sumário Executivo Os sistemas de saúde nos países da OCDE

Leia mais

&RQWH[WRHFRQyPLFRHGHVHPSHQKRGRHPSUHJR. Bruxelas, 6 de Setembro de 2002

&RQWH[WRHFRQyPLFRHGHVHPSHQKRGRHPSUHJR. Bruxelas, 6 de Setembro de 2002 ,3 Bruxelas, 6 de Setembro de 2002 &RPLVVmR DILUPD TXH DV PHWDV GH HPSUHJR GH /LVERDVmRDLQGDUHDOL]iYHLVVHRV(VWDGRV0HPEURV GHUHP SULRULGDGH jv UHJL}HV SUREOHPiWLFDV H D HPSUHJRVSDUDDVPXOKHUHVHRVWUDEDOKDGRUHVPDLV

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO EUROPEIA

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO EUROPEIA 28.10.2014 C 382/1 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO EUROPEIA CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS EACEA/31/2014 Programa Erasmus+, Ação-chave 3 Apoio à reforma de políticas Cooperação com

Leia mais

Carta de Leipzig sobre as Cidades Europeias Sustentáveis

Carta de Leipzig sobre as Cidades Europeias Sustentáveis Carta de Leipzig sobre as Cidades Europeias Sustentáveis Adoptada na reunião informal dos Ministros responsáveis pelo Desenvolvimento Urbano e Coesão Territorial, em 24 e 25 de Maio de 2007, em Leipzig

Leia mais