AÇÃO 1 APRENDIZAGEM E MOBILIDADE JUVENIL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AÇÃO 1 APRENDIZAGEM E MOBILIDADE JUVENIL"

Transcrição

1 AÇÃO 1 APRENDIZAGEM E MOBILIDADE JUVENIL Acção 1 1

2 CAPA da KA1 Acção 1 2

3 AÇÃO 1 APRENDIZAGEM E MOBILIDADE JUVENIL A Intercâmbios de Jovens B C D Serviço Voluntário Europeu Mobilidade de profissionais activos no campo da juventude ( Ligação e Formação em rede) Eventos do SVE em Larga Escala ( gerido pela Agência de Execução) Ação 1: Aprendizagem e Mobilidade Juvenil 02/14 3

4 AÇÃO 1 APRENDIZAGEM E MOBILIDADE JUVENIL OBJETIVOS 1. Aquisição de competências considerando a sua valorização pessoal e a sua inserção activa no mercado de trabalho; 2. Apoiar o desenvolvimento dos sistemas de apoio dos jovens, através da valorização dos recursos profissionais que intervêm na área da juventude 3. Reforçar as competências linguísticas dos participantes; 4. Reforçar a compreensão mutua entre os jovens e promover o dialogo intercultural 5. Desenvolver as competências das organizações juvenis, no âmbito da cooperação internacional. 6. Promover a complementaridade da educação formal e não formal, da formação vocacional, do emprego e empreendorismo; 7. promover o reconhecimento das competências obtidas; Ação 1: Aprendizagem e Mobilidade Juvenil 02/14 4

5 AÇÃO 1 APRENDIZAGEM E MOBILIDADE JUVENIL Perfil e composição da parceria: 1. No âmbito dos Países Programa: mínimo de 2 promotores; todas as organizações promotoras correspondem a países Programa; 2. No âmbito da cooperação entre PP e Países Parceiros Vizinhos: 1 país Programa+ 1 país Vizinho; Ação 1: Aprendizagem e Mobilidade Juvenil 02/14 5

6 Ação 1: Aprendizagem e Mobilidade Juvenil 02/14 6

7 A INTERCÂMBIOS DE JOVENS Definição Um Intercâmbio de Jovens é um projecto que junta grupos de jovens de dois ou mais países, proporcionandolhes a oportunidade confrontarem vários temas, onde aprendem sobre o país e a cultura de cada um, e onde reforçam as suas aptidões pessoais e/ou profissionais. Um Intercâmbio de Jovens baseia-se numa parceria transnacional entre dois ou mais promotores de países diferentes. Objectivos Reforço das competências culturais, cívicas, profissionais que permitam a sua inserção na sociedade, adoptando uma cidadania activa Apreensão de novas identidades culturais, nomeadamente através da Aprendizagem entre pares Reforço dos valores da coesão social e da cidadania Ação 1: Aprendizagem e Mobilidade Juvenil 02/14 7

8 A INTERCÂMBIOS DE JOVENS Atividades Não Suportadas Candidatos Elegíveis Participantes Elegíveis viagens de estudo académicas; actividades de intercâmbio com fins lucrativos; actividades de intercâmbio que possam ser classificadas como turismo; festivais; viagens de férias; digressões de espectáculos; trabalho. uma organização nãogovernamental ou sem fins lucrativos; um organismo público local,regional ou nacional; um grupo informal de jovens (Nota: no caso de um grupo informal, um dos membros do grupo deverá assumir o papel de representante e a responsabilidade em nome do grupo); um organismo activo a nível europeu no domínio da juventude. uma empresa social; Associação de regiões; Organismos transfronteiriço europeus Entidade com fins lucrativos com responsabilidade social corporativa; Jovens com idades compreendidas entre 13 e 30 anos provenientes dos Países Programa e Países Vizinhos Ação 1: Aprendizagem e Mobilidade Juvenil 02/14 8

9 A INTERCÂMBIOS DE JOVENS No âmbito dos Países Programa: mínimo de 2 promotores; todas as organizações promotoras correspondem a países Programa No âmbito da cooperação entre PP e Países Parceiros Vizinhos: 1 país Programa+ 1 país Vizinho Intercâmbio de Jovens VAP: número máximo de dias de actividade: 2 (excluindo dias de viagem): número máximo de participantes: 2 (=2 - na condição de 1 ser um jovem) Realização actividade: corresponde ao país de uma das organizações promotoras Número de participantes: 16 a 60 (excluindo líderes de grupo); mínimo 4 por promotor (excluindo lideres); :obrigatoriedade de 1 líder por grupo; O líder corresponde a uma pessoa adulta Duração actividade: 5 a 21 dias, excluindo tempo de viagem) Duração do projecto: 3 a 24 meses Ação 1: Aprendizagem e Mobilidade Juvenil 02/14 9

10 Ação 1: Aprendizagem e Mobilidade Juvenil 02/14 10

11 B SERVIÇO VOLUNTÁRIO EUROPEU Definição O Serviço Voluntário Europeu permite aos jovens desenvolver num período que pode ir até doze meses uma acção de voluntariado num país diferente do seu país de residência, no contexto da EU e de outros países. Objectivos Reforço das competências culturais, cívicas e profissionais que permitam o desenvolvimento de aptidões no seio das organizações, intervindo na sociedade a diversos níveis ( na inclusão social, no ambiente, em programas de educação não formal, na cultura, entre outros. adoptando uma cidadania activa Ação 1: Aprendizagem e Mobilidade Juvenil 02/14 11

12 B SERVIÇO VOLUNTÁRIO EUROPEU Atividades Não Suportadas Candidatos Elegíveis Participantes Elegíveis Voluntaridado descontinuado, ocasional e em regime de part-time; Estágio numa empresa; Trabalho remunerado; Actividade recreativa e/ou turística; Curso de linguas; Exploração de mão-deobra barata; Programa de mobilidade académica ou ensino/aprendizagem vocacional; uma organização nãogovernamental ou sem fins lucrativos; um organismo público local,regional ou nacional; um organismo activo a nível europeu no domínio da juventude. uma empresa social; Associação de regiões; Organismos transfronteiriço europeus Entidade com fins lucrativos com responsabilidade social corporativa; Jovens com idades compreendidas entre 17 e 30 anos provenientes dos Países Programa e Países Vizinhos Ação 1: Aprendizagem e Mobilidade Juvenil 02/14 12

13 B SERVIÇO VOLUNTÁRIO EUROPEU Acreditação: todas as organizações parceiras envolvidas no SVE têm que estar acreditadas. A acreditação das organizações SVE provindas da parceria Euro mediterrânica, Sudoeste Europeu e Cáucaso (+ Federação Russa) será introduzida em Em 2015 esta será obrigatória Duração da actividade: De 2 a 12 meses. Para facilitar a form.ação à chegada a actividade terá que iniciar no inicio do mês ( nos 1os 7 dias do mês) No caso de envolver 10 voluntários ou jovens com menos oportunidades, a actividade poderá durar entre 2 semanas e 12 meses Local da actividade: Voluntário de 1 País Programa: deverá desenvolver o projecto num País Programa/Vizinho que não o da sua residência legal; Voluntário de 1 Países Vizinho: deverá desenvolver num país Programa SVE Número de projectos SVE: O voluntário só poderá participar numa única actividade SVE. Exceptua-se do anterior aquele que desenvolva actividade SVE não superior a 2 meses Número de participantes elegíveis: no máximo 30 VAP: máximo de dias de actividade: 2 (excluindo dias de viagem): número máximo de participantes: 2 (=2 - na condição de 1 ser um jovem) Duração do projecto: 3 a 24 meses Ação 1: Aprendizagem e Mobilidade Juvenil 02/14 13

14 B SERVIÇO VOLUNTÁRIO EUROPEU Papel dos promotores: Prover meios de subsistência, alojamento e transportes locais Designar tarefas e actividades para os voluntários, de acordo com a Carta SVE SVE Garantir o apoio linguístico, pessoal, administrativo e funcional dos voluntários. Os voluntários SVE com actividade =»2 meses têm direito a formação linguística. A Comissão fará disponível um sistema de self-assessment das competência linguísticas em línguas estrangeiras e se necessário irá oferecer um complemento de aprendizagem linguística antes/durante a mobilidade Ciclo de formação e de Avaliação Formação à Partida Formação à Chegada: para actividades com duração de 2 meses ou superior. Avaliação Intermédia: para actividades com duração de 6 meses ou mais Evento Anual SVE Ação 1: Aprendizagem e Mobilidade Juvenil 02/14 14

15 Ação 1: Aprendizagem e Mobilidade Juvenil 02/14 15

16 C MOBILIDADE DE PROFISSIONAIS ACTIVOS NO CAMPO DA JUVENTUDE ( LIGAÇÃO E FORMAÇÃO EM REDE) Definição A Mobilidade de profissionais activos no campo da juventude apoia a formação de profissionais activos no domínio da juventude e nas suas organizações Objectivos Tem como objetivo implementar uma actividade que suporte a capacidade de realização e inovação entre os promotores, bem como permita a troca de experiências, boas práticas e qualificação dos profissionais activos no campo da juventude. Ação 1: Aprendizagem e Mobilidade Juvenil 02/14 16

17 C MOBILIDADE DE PROFISSIONAIS ACTIVOS NO CAMPO DA JUVENTUDE ( LIGAÇÃO E FORMAÇÃO EM REDE) Atividades Suportadas Candidatos Elegíveis Participantes Elegíveis seminários cursos de formação constituição de parcerias visitas de estudo Observação de actividades profissionais trabalho uma organização nãogovernamental ou sem fins lucrativos um organismo público local,regional ou nacional um grupo informal de jovens (Nota: no caso de um grupo informal, um dos membros do grupo deverá assumir o papel de representante e a responsabilidade em nome do grupo) um organismo activo a nível europeu no domínio da juventude uma empresa social Associação de regiões Organismos transfronteiriço europeus Entidade com fins lucrativos com responsabilidade social corporativa; Não há idade limite Ação 1: Aprendizagem e Mobilidade Juvenil 02/14 17

18 C MOBILIDADE DE PROFISSIONAIS ACTIVOS NO CAMPO DA JUVENTUDE ( LIGAÇÃO E FORMAÇÃO EM REDE) Duração da actividade: De 2 dias a 2 meses (excluindo dias de viagem) T&N Local da atividade: País numa das organizações participantes Número de participantes elegíveis: no máximo 50 ( incluindo, quando relevante, formadores e facilitadores) em cada atividade planeada no âmbito do projeto. Ação 1: Aprendizagem e Mobilidade Juvenil 02/14 18

19 E APRENDIZAGEM E MOBILIDADE JUVENIL Prazos de Submissão 1 Fase: 17 Março pelas 12pm (hora Continental- Bruxelas) - Para projectos com inicio entre 17 de Junho e 31 de Dezembro do mesmo ano; 2 Fase: 30 de Abril pelas 12pm (HC- Bruxelas) Para projectos com inicio entre 1 de Agosto do mesmo e 28 de Fevereiro do ano seguinte; 3 Fase: 1 Outubro pelas 12pm (HC- Bruxelas) - Para projectos com inicio entre 1 de Janeiro e 30 de Setembro do ano seguinte; Ação 1: Aprendizagem e Mobilidade Juvenil 02/14 19

20 E APRENDIZAGEM E MOBILIDADE JUVENIL Relevância do Projeto (30%) Qualidade da conceção e implementaçã o do Projeto (40%) Requisitos mínimos para Fianciamento - Classificação mínima de 60% - Relevância do Projeto (mínimo de 15%) Impacto e Disseminação (30%) Critérios de Avaliação - Qualidade da conceção e implementação do Projeto (mínimo de 20%) - Impacto e Disseminação (mínimo de 15%) Ação 1: Aprendizagem e Mobilidade Juvenil 02/14 20

21 A INTERCÂMBIOS DE JOVENS Custos Elegíveis Montante Viagens Contribuição para as despesas de viagem dos participantes desde o local de origem ao local da atividade e regresso. Incluindo custos de viagem para uma possível VAP Mecanismo de Financiamento: Custos unitários; Regra de Atribuição: Com base na distância de viagem por participante. Para efeitos de calculo deve-se utilizar uma calculadora de distâncias fornecida pela CE Para distâncias entre: 10 e 99 km 20 por participante; 100 e 499 Km - 80 por participante; 500 e 1999 Km por participante; 2000 e 2999 Km por participante; 3000 e 3999 Km por participante; 4000 e 7999 Km 620 por participante; 8000 Km ou mais por participante Apoio à organização Qualquer custo diretamente relacionado com a implementação de atividades de mobilidade. Mecanismo de Financiamento: Tabela de custos unitários. Os valores dependem do país onde a atividade de mobilidade ocorre; Tabela de custos unitários: por dia de atividade e por participante. Valor para PT - 37 Ação 1: Aprendizagem e Mobilidade Juvenil 02/14 21

22 A INTERCÂMBIOS DE JOVENS Custos Elegíveis Montante Apoio a jovens c/necessidades especiais Custos Excepcionais Custos adicionais diretamente relacionados com participantes com deficiências. Custos com vistos e conexos; autorização de residência; vacinação. Custos para apoiar a participação de jovens com menos oportunidades; Custos relacionados com o alojamento dos participantes durante a VAP 100% dos custos elegíveis 100% dos custos elegíveis Ação 1: Aprendizagem e Mobilidade Juvenil 02/14 22

23 B SERVIÇO VOLUNTÁRIO EUROPEU Custos Elegíveis Montante Viagens Contribuição para as despesas de viagem dos participantes desde o local de origem ao local da atividade e regresso. Incluindo custos de viagem para uma possível Visita Antecipada de Planeamento (VAP). Regra de Atribuição: distância de viagem por participante (calculadora de distâncias fornecida pela CE). Para distâncias entre: 100 e 499 km 180 por participante; 500 e 1999 Km por participante; 2000 e 2999 Km por participante; 3000 e 3999 Km por participante; 4000 e 7999 Km 820 por participante; 8000 Km ou mais por participante; Apoio à organização Apoio ao voluntário Apoio Linguístico Qualquer custo diretamente relacionado com a implementação de atividades de mobilidade. Regra de atribuição: com base na duração da estadia por participante. Dinheiro de Bolso do voluntário para despesas pessoais suplementares. Custos relacionados com o apoio oferecido aos participantes antes da partida ou durante a atividade de modo a melhorar o conhecimento da língua que vão utilizar para realizar as tarefas de voluntariado. SVE com duração inferior a 2 meses (14 a 59 dias): (tabela de custos unitários) por dia e por voluntário Valor PT 20 ; SVE com duração 2 a 12 meses: (tabela de custos unitários) por mês e por voluntário Valor PT 600 SVE com duração inferior a 2 meses (14 a 59 dias): (tabela de custos unitários) por dia e por voluntário Valor PT 4 ; SVE com duração 2 a 12 meses: (tabela de custos unitários) por mês e por voluntário Valor PT 100 Apenas para atividades com duração entre 2 e 12 meses: 150 por participante. Ação 1: Aprendizagem e Mobilidade Juvenil 02/14 23

24 B SERVIÇO VOLUNTÁRIO EUROPEU Custos Elegíveis Montante Apoio a jovens c/necessidades especiais Custos Excepcionais Custos adicionais diretamente relacionados com participantes com deficiências Custos com vistos e conexos; autorização de residência; vacinação. Custos relacionados com o alojamento dos participantes numa VAP; Custos de reforço de tutoria e preparação especifica no caso da participação de jovens com menos oportunidades; 100% dos custos elegíveis 100% dos custos elegíveis Ação 1: Aprendizagem e Mobilidade Juvenil 02/14 24

25 C MOBILIDADE DE PROFISSIONAIS ACTIVOS NO CAMPO DA JUVENTUDE ( LIGAÇÃO E FORMAÇÃO EM REDE) Viagens Custos Elegíveis Contribuição para as despesas de viagem dos participantes desde o local de origem ao local da atividade e regresso. Regra de Atribuição: distância de viagem por participante (calculadora de distâncias fornecida pela CE). Montante Para distâncias entre: 100 e 499 km 180 por participante; 500 e 1999 Km por participante; 2000 e 2999 Km por participante; 3000 e 3999 Km por participante; 4000 e 7999 Km 820 por participante; 8000 Km ou mais por participante; Apoio à organização Qualquer custo diretamente relacionado com a implementação de atividades de mobilidade. Regra de atribuição: com base na duração da estadia por participante Tabela de custos unitários: por dia de atividade e por participante. Máximo Valor para PT - 65 Apoio a jovens c/necessidade ss Especiais Custos excepcionais Custos adicionais diretamente relacionados com participantes com deficiências. Custos com vistos e conexos; autorização de residência; vacinação. 100% dos custos elegíveis 100% dos custos elegíveis Ação 1: Aprendizagem e Mobilidade Juvenil 02/14 25

26 Dúvidas e esclarecimentos: Ação 1: Aprendizagem e Mobilidade Juvenil 02/14 26

AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS

AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS Acção 1 1 AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS A B Parcerias Estratégicas na área da Educação, Formação

Leia mais

Tópicos de Agenda a reter:

Tópicos de Agenda a reter: Tópicos de Agenda a reter: Educação Não Formal Intercâmbios Serviço Voluntário Europeu Participação Democrática Cidadania Ativa Diálogo Estruturado O QUE SERÁ O ERASMUS+ 2014-2020? Educação Formal Educação

Leia mais

Encontro Os Jovens e a Política

Encontro Os Jovens e a Política Encontro Os Jovens e a Política Grupo de Trabalho de Política Local 2 Recomendações às Organizações de Juventude - Promover a formação de líderes e dirigentes associativos juvenis. 3 Recomendações ao Governo

Leia mais

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Apresentação ERASMUS+ - Ensino Superior O Erasmus+ é o novo programa da UE dedicado à educação, formação, juventude e desporto. O programa tem início

Leia mais

Capacity building Relay Race Ca.Bu.Re.Ra CALL FOR PARTICIPANTS

Capacity building Relay Race Ca.Bu.Re.Ra CALL FOR PARTICIPANTS Capacity building Relay Race Ca.Bu.Re.Ra CALL FOR PARTICIPANTS I. O Projecto Capacity Building Relay Race CaBuReRa (http://www.caburera.org/) é um projecto de 1.680.000 milhões de Euros e é financiado,

Leia mais

Queres ir Estudar para outro Estado-Membro da União Europeia? Quais as Oportunidades? Quais os teus Direitos?

Queres ir Estudar para outro Estado-Membro da União Europeia? Quais as Oportunidades? Quais os teus Direitos? Queres ir Estudar para outro Estado-Membro da União Europeia? Quais as Oportunidades? Quais os teus Direitos? ESTUDAR noutro país da UE ESTUDAR noutro país da UE ESTUDAR noutro país da UE I. DIREITO DE

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. o reforço de capacidades das organizações de acolhimento e a assistência técnica às organizações de envio,

COMISSÃO EUROPEIA. o reforço de capacidades das organizações de acolhimento e a assistência técnica às organizações de envio, C 249/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2015 COMISSÃO EUROPEIA CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS EACEA 25/15 Iniciativa Voluntários para a Ajuda da UE: Destacamento de Voluntários para a Ajuda

Leia mais

ERASMUS+ QUALIFICAÇÃO E AÇÃO PARA A INCLUSÃO. E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o

ERASMUS+ QUALIFICAÇÃO E AÇÃO PARA A INCLUSÃO. E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o ERASMUS+ E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o QUALIFICAÇÃO E AÇÃO PARA A INCLUSÃO SEMINÁRIO EMPODERAR COMUNIDADES, DESENVOLVER REGIÕES VISEU DÃO LAFÕES NA EUROPA AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL MANGUALDE,

Leia mais

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO,

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO, C 172/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 27.5.2015 Conclusões do Conselho sobre a maximização do papel do desporto de base no desenvolvimento de competências transversais, especialmente entre os jovens

Leia mais

ERASMUS+ (KA1) - AÇÃO-CHAVE 1

ERASMUS+ (KA1) - AÇÃO-CHAVE 1 ERASMUS+ (KA1) - AÇÃO-CHAVE 1 mobilidade para a aprendizagem - uma ponte para o futuro - 1. o que é o Erasmus+? ação-chave 1 mobilidade individual para fins de aprendizagem ação-chave 2 cooperação para

Leia mais

A Eurodesk é uma rede com acesso à informação europeia para os jovens e para os profissionais da área de juventude.

A Eurodesk é uma rede com acesso à informação europeia para os jovens e para os profissionais da área de juventude. www.eurodesk.eu O que é? A Eurodesk é uma rede com acesso à informação europeia para os jovens e para os profissionais da área de juventude. No sítio da rede Eurodesk podes aceder às tuas oportunidades.

Leia mais

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08)

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) 20.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 372/31 Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, TENDO EM CONTA

Leia mais

ERASMUS+ MOBILIDADE TRANSNACIONAL, E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o FACTOR DE EMPREGABILIDADE

ERASMUS+ MOBILIDADE TRANSNACIONAL, E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o FACTOR DE EMPREGABILIDADE ERASMUS+ E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o MOBILIDADE TRANSNACIONAL, FACTOR DE EMPREGABILIDADE APG II CONGRESSO NACIONAL DO EMPREGO UNIVERSIDADE LUSÓFONA 30 DE SETEMBRO DE 2014 O projeto Europeu tem vindo

Leia mais

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Introdução A educação desempenha um papel essencial na promoção dos valores fundamentais

Leia mais

Documento Conclusões Seminário Juventude em Acção Rumo a 2020

Documento Conclusões Seminário Juventude em Acção Rumo a 2020 Documento Conclusões Seminário Juventude em Acção Rumo a 2020 1. Participação, Cultura e Criatividade Existem diferentes formas de participação na democracia e várias formas de utilização do programa Juventude

Leia mais

Ministério Federal do Trabalho e dos Assuntos Sociais

Ministério Federal do Trabalho e dos Assuntos Sociais Ministério Federal do Trabalho e dos Assuntos Sociais Directiva para o programa especial da Federação Alemã para o Fomento da mobilidade profissional de jovens interessados em formação e jovens profissionais

Leia mais

CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66. OTA Secretariado-Geral do Conselho

CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66. OTA Secretariado-Geral do Conselho CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66 OTA de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações n.º doc. ant.: 14061/1/11 REV 1 SOC 759

Leia mais

SESSÃO DE CAPACITAÇÃO

SESSÃO DE CAPACITAÇÃO SESSÃO DE CAPACITAÇÃO Apoios Financeiros para a Área Social 27 de Maio de 2013 MISSÃO ÁREAS ESTATUTÁRIAS ARTE BENEFICÊNCIA EDUCAÇÃO CIÊNCIA Promoção do desenvolvimento individual e apoio à inclusão social

Leia mais

LÍDERES DA CPLP ENCONTRO DE JOVENS. Este desafio é nosso! Iº ENCONTRO DE JOVENS LÍDERES COMUNIDADE DE PAÍSES DA CPLP NA DIÁSPORA PORTUGUESA

LÍDERES DA CPLP ENCONTRO DE JOVENS. Este desafio é nosso! Iº ENCONTRO DE JOVENS LÍDERES COMUNIDADE DE PAÍSES DA CPLP NA DIÁSPORA PORTUGUESA ENCONTRO DE JOVENS Iº ENCONTRO DE JOVENS LÍDERES COMUNIDADE DE PAÍSES DA CPLP NA DIÁSPORA PORTUGUESA Aveiro, 22 a 24 de Junho de UNIVERSIDADE DE AVEIRO Entidades Promotoras Parceiros Apoios O que é o Festival

Leia mais

Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020

Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020 Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020 Rosa Maria Simões 31 de janeiro de 2013, Auditório CCDR Lisboa e Vale do Tejo Agenda Resultados da intervenção FSE Contributos do FSE

Leia mais

Centro de Emprego da Maia. Estágios Emprego. Reativar. Emprego Jovem Ativo. Estímulo Emprego. Mobilidade Geográfica. Empreendedorismo.

Centro de Emprego da Maia. Estágios Emprego. Reativar. Emprego Jovem Ativo. Estímulo Emprego. Mobilidade Geográfica. Empreendedorismo. Centro de Emprego da Maia Estágios Emprego Reativar Emprego Jovem Ativo Estímulo Emprego Mobilidade Geográfica Empreendedorismo Adolfo Sousa maiago, 14 maio 2015 Taxa de Desemprego em Portugal - INE 0

Leia mais

Iniciativa Move-te, faz Acontecer

Iniciativa Move-te, faz Acontecer Iniciativa Move-te, faz Acontecer Entidades Promotoras: Associação CAIS (Projecto Futebol de Rua): Fundada em 1994, a Associação CAIS tem como Missão contribuir para o melhoramento global das condições

Leia mais

O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013

O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013 O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013 Quadro Financeiro Plurianual 2014-2020 Conselho europeu 7 e 8 fevereiro 2013 Política de Coesão (Sub-rubrica

Leia mais

Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos

Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos Maria João Alves Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional 24 de novembro de 2014 I SIMPÓSIO

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO EUROPEIA

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO EUROPEIA 28.10.2014 C 382/1 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO EUROPEIA CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS EACEA/31/2014 Programa Erasmus+, Ação-chave 3 Apoio à reforma de políticas Cooperação com

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

Intercâmbio Juvenil. Problem? Let s Solve It Lednice, República Checa 23 a 30 de Junho de 2013

Intercâmbio Juvenil. Problem? Let s Solve It Lednice, República Checa 23 a 30 de Junho de 2013 Intercâmbio Juvenil Problem? Let s Solve It Lednice, República Checa 23 a 30 de Junho de 2013 CRONOWORLD Quem somos? A CronoWorld é uma Cooperativa de responsabilidade limitada, sem fins lucrativos, multisectorial

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 09.03.2001 COM(2001) 128 final 2001/0067 (ACC) VOLUME IV Proposta de DECISÃO DO CONSELHO Relativa à posição da Comunidade no Conselho de Associação sobre a

Leia mais

Regulamento. Foremor

Regulamento. Foremor Regulamento Foremor Preâmbulo O presente projeto decorre de uma candidatura realizada pela MARCA ADL ao programa ERASMUS+, no âmbito da KA1 Learning Mobility for Individuals e está integrada numa iniciativa

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

PROGRAMA CIDADANIA ATIVA 2013-16

PROGRAMA CIDADANIA ATIVA 2013-16 PROGRAMA CIDADANIA ATIVA 2013-16 FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Luís Madureira Pires Lisboa, 22 de março de 2013 Enquadramento > O Mecanismo Financeiro EEE (MF/EEE) Desde a assinatura do acordo do Espaço

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º- Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica -se à medida INOV-Art -

Leia mais

Apoio à Empregabilidade e Inclusão dos Jovens

Apoio à Empregabilidade e Inclusão dos Jovens Apoio à Empregabilidade e Inclusão dos Jovens O novo domínio de atuação Luís Madureira Pires Aprovação e objetivos do Programa 2013-16 O Programa Cidadania Ativa é um dos 8 programas em vigor em Portugal

Leia mais

C.A.I.R.O.C.S. PLANO DE TRABALHO 02 COMPETÊNCIAS E PERFIS PROFISSIONAIS PARA A APRENDIZAGEM INTER- GERACIOANL - RESUMO DO PROJECTO

C.A.I.R.O.C.S. PLANO DE TRABALHO 02 COMPETÊNCIAS E PERFIS PROFISSIONAIS PARA A APRENDIZAGEM INTER- GERACIOANL - RESUMO DO PROJECTO C.A.I.R.O.C.S. PLANO DE TRABALHO 02 COMPETÊNCIAS E PERFIS PROFISSIONAIS PARA A APRENDIZAGEM INTER- GERACIOANL - RESUMO DO PROJECTO CONTEXTO Um dos problemas que a União europeia enfrenta é o "envelhecimento

Leia mais

PROGRAMA DE GOVERNO ÁREA DA JUVENTUDE

PROGRAMA DE GOVERNO ÁREA DA JUVENTUDE PROGRAMA DE GOVERNO ÁREA DA JUVENTUDE JUVENTUDE - NÓS SOMOS AÇORES Ser jovem açoriano hoje é muito diferente do que era há apenas 10 anos. Os desafios desta década são desafios globais. Competir na qualificação,

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a

Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a Mobilidade de indivíduos para aprendizagem (KA1) Mobilidade de staff, em particular de pessoal

Leia mais

E R A S M U S Guia do Estudante ERASMUS. Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Guia do Estudante

E R A S M U S Guia do Estudante ERASMUS. Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Guia do Estudante ERASMUS Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Guia do Estudante Normas Gerais A mobilidade de estudantes, uma das acções mais frequentes do Programa, inclui duas vertentes de actividade: realização

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

A DIMENSÃO CULTURAL DA UNIÃO EUROPEIA NO MUNDO FUNDOS E PROGRAMAS. Lisboa, 16 de Maio de 2006

A DIMENSÃO CULTURAL DA UNIÃO EUROPEIA NO MUNDO FUNDOS E PROGRAMAS. Lisboa, 16 de Maio de 2006 APGC Associação Portuguesa de Gestão Cultural CIEJD - Centro de Informação Europeia Jacques Delors CNC - Centro Nacional de Cultura CultDigest - Gestão Cultural A Política Cultural da União Europeia, a

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de 12.12.2014

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de 12.12.2014 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 2.2.204 C(204) 9788 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 2.2.204 que aprova determinados elementos do programa operacional "Capital Humano" do apoio do Fundo Social Europeu

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Despacho Normativo Nº 30/2002 de 23 de Maio

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Despacho Normativo Nº 30/2002 de 23 de Maio S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho Normativo Nº 30/2002 de 23 de Maio Ao abrigo do disposto no n.º 6 da Resolução nº 76/2002, de 2 de Maio determino: É aprovado o Regulamento do programa Mobilidade e

Leia mais

EURES: uma carreira na Europa

EURES: uma carreira na Europa EURES: uma carreira na Europa REDE EURES http://www.youtube.com/watch?v=-b-cf05oo7y&list=plw_7qqldjbjd-uce36bl25dpvwljlyxfq&index=93 Porquê ir para fora? MOTIVAÇÕES Perspetivas de emprego Enriquecimento

Leia mais

VENHA ESTUDAR OU ENSINAR PARA A EUROPA

VENHA ESTUDAR OU ENSINAR PARA A EUROPA VENHA ESTUDAR OU ENSINAR PARA A EUROPA O Erasmus+ é o novo programa da União Europeia para a educação, a formação, a juventude e o desporto para o período de 2014-2020. Proporciona uma vasta gama de oportunidades

Leia mais

«Erasmus+» - Perguntas mais frequentes

«Erasmus+» - Perguntas mais frequentes COMISSÃO EUROPEIA NOTA INFORMATIVA Estrasburgo/Bruxelas, 19 de novembro de 2013 «Erasmus+» - Perguntas mais frequentes (ver também IP/13/1110) O que é o «Erasmus+»? O «Erasmus+» é o novo programa da União

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS I A Comissão Directiva do POPH informa que decorre entre os dias 30 de Janeiro e 3 de Março de 2008 o período para apresentação de candidaturas ao Programa Operacional

Leia mais

MOBILIDADE DE ESTUDANTES (SMS SMP)

MOBILIDADE DE ESTUDANTES (SMS SMP) MOBILIDADE DE ESTUDANTES (SMS SMP) Critérios de elegibilidade do Estudante Erasmus Estatuto legal do estudante: Os estudantes devem ser nacionais de um estado membro participante no Programa de Aprendizagem

Leia mais

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f)

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f) AVISO Admissão de Pessoal (m/f) A AJITER Associação Juvenil da Ilha Terceira pretende admitir jovens recém-licenciados à procura do primeiro emprego, para estágio no seu serviço, ao abrigo do Programa

Leia mais

Perguntas mais frequentes

Perguntas mais frequentes Estas informações, elaboradas conforme os documentos do Plano de Financiamento para Actividades Estudantis, servem de referência e como informações complementares. Para qualquer consulta, é favor contactar

Leia mais

FAQ S ESTUDOS ERASMUS

FAQ S ESTUDOS ERASMUS FAQ S ESTUDOS ERASMUS 1. Quem se pode candidatar? Podem-se candidatar ao programa Erasmus todos os estudantes cidadãos, ou com estatuto de residente permanente de um dos 27 países da União Europeia, e

Leia mais

APOIO AO INVESTIMENTO EM EQUIPAMENTOS SOCIAIS. Porto 30-01-2008

APOIO AO INVESTIMENTO EM EQUIPAMENTOS SOCIAIS. Porto 30-01-2008 APOIO AO INVESTIMENTO EM EQUIPAMENTOS SOCIAIS Porto 30-01-2008 AGENDA AS MARCAS DO POPH I INVESTIMENTO EM EQUIPAMENTOS SOCIAIS CANDIDATURAS II III I AS MARCAS DO POPH AS MARCAS DO POPH 1 O MAIOR PROGRAMA

Leia mais

FICHA DO PROJECTO. Desporto para todos. Fundação Aragão Pinto - IPSS

FICHA DO PROJECTO. Desporto para todos. Fundação Aragão Pinto - IPSS FICHA DO PROJECTO Desporto para todos Nome do Projecto: Sport For All - Desporto e Inovação Objectivos do projecto:. Envolvimento de jovens na criação de um programa inovador de prevenção e integração

Leia mais

Passe Jovem no SVE KIT INFORMATIVO PARTE 2 PASSE JOVEM NO SVE. Programa Juventude em Acção

Passe Jovem no SVE KIT INFORMATIVO PARTE 2 PASSE JOVEM NO SVE. Programa Juventude em Acção PASSE JOVEM NO SVE Programa Juventude em Acção KIT INFORMATIVO Parte 2 Maio de 2011 1. O SVE como experiência de aprendizagem Ser um voluntário do SVE é uma valiosa experiência pessoal, social e cultural,

Leia mais

Intercâmbio Juvenil Youth Outdoor II

Intercâmbio Juvenil Youth Outdoor II Intercâmbio Juvenil Youth Outdoor II Associação de Defesa do Património Cultural e Natural de Soure 21 a 29/julho/2015 adpcns@sapo.pt 1 Objetivo do Intercâmbio Youth Outdoor II! é um projeto de intercâmbio

Leia mais

PROGRAMA IMPULSO JOVEM

PROGRAMA IMPULSO JOVEM PROGRAMA IMPULSO JOVEM (O PROGRAMA IMPULSO JOVEM APRESENTA UM CONJUNTO DE MEDIDAS DE INCENTIVO À CRIAÇÃO DE EMPREGO JOVEM, UM DOS PRINCIPAIS DESAFIOS COM QUE PORTUGAL SE CONFRONTA ATUALMENTE.) 1. PASSAPORTE

Leia mais

Faro, 2 de agosto de 2012

Faro, 2 de agosto de 2012 Faro, 2 de agosto de 2012 Estímulo 2012 A medida ativa de emprego Estímulo 2012, aprovada pela Portaria nº 45/2012, tem por objetivo: Apoiar a contratação de desempregados; Promovendo e aumentando a sua

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Guia do Voluntário a

Guia do Voluntário a Guia do Voluntário a 1. A AIDGLOBAL A AIDGLOBAL é uma Organização Não Governamental para o Desenvolvimento (ONGD), sem fins lucrativos, com sede em Loures, que promove Acções nos domínios da Integração

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Inclusão Social e Emprego

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Inclusão Social e Emprego Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Inclusão Social e Emprego Eixo 5 - Emprego e Valorização Económica dos Recursos Endógenos Objectivo Temático 8 - Promoção da sustentabilidade e qualidade

Leia mais

EURES: uma carreira na Europa

EURES: uma carreira na Europa EURES: uma carreira na Europa Delegação Regional do Algarve do IEFP - EURES Volta de Apoio ao Emprego III AGE - Albufeira,23-10-2014 EURES: encontrar um emprego na Europa Delegação Regional do Algarve

Leia mais

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário Universidade de Coimbra Grupo de Missão para o Espaço Europeu do Ensino Superior Glossário ACÇÃO CENTRALIZADA Procedimentos de candidatura em que a selecção e contratação são geridas pela Comissão. Regra

Leia mais

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção O QUE ESPERAR DO SVE Programa Juventude em Acção KIT INFORMATIVO Parte 1 Maio de 2011 Introdução Este documento destina-se a voluntários e promotores envolvidos no SVE. Fornece informações claras a voluntários

Leia mais

REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA

REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA Patrocinada e reconhecida pela Comissão Europeia no âmbito dos programas Sócrates. Integração social e educacional de pessoas com deficiência através da actividade

Leia mais

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Contexto: O Impulso Jovem, Plano Estratégico de Iniciativas de Promoção da Empregabilidade Jovem

Leia mais

Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários

Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários Plano de Ação para o Desenvolvimento do Turismo em Portugal 2014-2020 Braga, 15 de janeiro 2014 Nuno Fazenda Turismo de Portugal, I.P. TURISMO Importância económica

Leia mais

ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social

ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social O Ministro das Finanças apresentou recentemente o "Documento de Estratégia Orçamental 2011-2015", que contém diversas medidas a

Leia mais

REGULAMENTO PROJETO 80. Introdução

REGULAMENTO PROJETO 80. Introdução REGULAMENTO PROJETO 80 Introdução A Agência Portuguesa do Ambiente (APA), a Direção-Geral da Educação (DGE), a Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGEstE), o Instituto Português do Desporto e

Leia mais

Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL

Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL Changing lives. Opening minds. Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL ERASMUS + Uma porta aberta para a Europa : O novo programa

Leia mais

Tertúlia Algarvia. Centro de Conhecimento em Cultura e Alimentação Tradicional do Algarve

Tertúlia Algarvia. Centro de Conhecimento em Cultura e Alimentação Tradicional do Algarve Tertúlia Algarvia Centro de Conhecimento em Cultura e Alimentação Tradicional do Algarve Dossier de Apresentação do Projecto Janeiro de 2008 A génese do Projecto INEXISTÊNCIA NA REGIÃO Local que permita

Leia mais

REGULAMENTO PROJETO 80. Introdução

REGULAMENTO PROJETO 80. Introdução REGULAMENTO PROJETO 80 Introdução A Agência Portuguesa do Ambiente (APA), a Direção-Geral da Educação (DGE), a Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGEstE), o Instituto Português do Desporto e

Leia mais

Instituto Politécnico de Santarém Gabinete de Mobilidade e Cooperação Internacional Documento de orientação estratégica

Instituto Politécnico de Santarém Gabinete de Mobilidade e Cooperação Internacional Documento de orientação estratégica Instituto Politécnico de Santarém Gabinete de Mobilidade e Cooperação Internacional Documento de orientação estratégica 1. Introdução Assume-se que a internacionalização do IPSantarém não deve consistir

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais

Comissão Europeia Juventude em Acção Guia do Programa (Válido a partir de 1 de Janeiro de 2010)

Comissão Europeia Juventude em Acção Guia do Programa (Válido a partir de 1 de Janeiro de 2010) Comissão Europeia Juventude em Acção Guia do Programa (Válido a partir de 1 de Janeiro de 2010) ÍNDICE ÍNDICE... 0 INTRODUÇÃO... 1 PARTE A - INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O PROGRAMA JUVENTUDE EM ACÇÃO... 3

Leia mais

Estágios Internacionais. Programa Erasmus + Ação 1 Mobilidade para Aprendizagem

Estágios Internacionais. Programa Erasmus + Ação 1 Mobilidade para Aprendizagem Estágios Internacionais Programa Erasmus + Ação 1 Mobilidade para Aprendizagem A Escola Profissional Magestil vai promover a realização de estágios internacionais ao abrigo do Programa Erasmus+ (Ação 1).

Leia mais

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 Considerando o Regime de enquadramento das políticas de juventude na Região Autónoma dos Açores, plasmado no Decreto

Leia mais

Guia de Medidas de Apoio à Contratação

Guia de Medidas de Apoio à Contratação Guia de Medidas de Apoio à Contratação Incentivos financeiros e parafiscais de apoio à contratação Conteúdo do Guia Enquadramento Estágios Emprego Apoio à Contratação Via Reembolso da TSU Apoio à Contratação

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Relatório Resumo Junho de 2012 Índice 1. Objectivo... 3 2. Enquadramento... 3 3. Trabalho realizado... 3 4. Dados síntese da Licenciatura

Leia mais

Regulamento Erasmus 2011/2012

Regulamento Erasmus 2011/2012 1. Preâmbulo O Programa Erasmus tem como objetivo geral apoiar a criação de um Espaço Europeu de Ensino Superior e reforçar o contributo do ensino superior para, entre outros, o processo de inovação a

Leia mais

O Futuro da Política Europeia de Coesão. Inovação, Coesão e Competitividade

O Futuro da Política Europeia de Coesão. Inovação, Coesão e Competitividade O Futuro da Política Europeia de Coesão Inovação, Coesão e Competitividade 20 de Abril de 2009 António Bob Santos Gabinete do Coordenador Nacional da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico Desafios

Leia mais

Associação de Apoio à Trissomia 21

Associação de Apoio à Trissomia 21 I- Instituição Promotora NOME: AMAR 21 Associação de Apoio à Trissomia 21 MORADA: Rua Tomé de Sousa, nº 19 Edifício Leal, Apt 403 4750-217Arcozelo Barcelos DISTRITO: Braga CONTATOS: 933852811 TIPO DE INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Projecto +Skillz E5G Programa Escolhas Promotor: Associação Mais Cidadania 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto +Skillz E5G Promotor: Associação Mais

Leia mais

REGULAMENTO PROJETO 80. Introdução

REGULAMENTO PROJETO 80. Introdução REGULAMENTO PROJETO 80 Introdução A Agência Portuguesa do Ambiente (APA), a Direção Geral de Educação (DGE), o Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ), a Quercus, e o Green Project Awards (GPA),

Leia mais

Programa: Aprendizagem ao Logo da Vida Programa Sectorial: Grundtvig. Acção: Parcerias

Programa: Aprendizagem ao Logo da Vida Programa Sectorial: Grundtvig. Acção: Parcerias Gabinete de Projectos do Instituto Politécnico de Beja GP IPBeja Programa: Aprendizagem ao Logo da Vida Programa Sectorial: Grundtvig Acção: Parcerias ( ) A Parceria de Aprendizagem Grundtvig é um enquadramento

Leia mais

Formação Nacional de Formadores para a Participação Juvenil

Formação Nacional de Formadores para a Participação Juvenil Contexto Não é claro, nem na Convenção Europeia sobre os Direitos Humanos nem na Declaração Universal dos Direitos Humanos, como é que a participação (juvenil) na sociedade civil é assegurada como Direito

Leia mais

Anexo I ACORDO DE ESTÁGIO PROGRAMA INOV CONTACTO ESTÁGIOS INTERNACIONAIS DE JOVENS QUADROS

Anexo I ACORDO DE ESTÁGIO PROGRAMA INOV CONTACTO ESTÁGIOS INTERNACIONAIS DE JOVENS QUADROS Anexo I ACORDO DE ESTÁGIO PROGRAMA INOV CONTACTO ESTÁGIOS INTERNACIONAIS DE JOVENS QUADROS Entre: Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E.P.E., Pessoa Coletiva de Direito Público

Leia mais

EUROPA CRIATIVA (2014-2020) Subprograma «Cultura» Convite à apresentação de candidaturas n.º

EUROPA CRIATIVA (2014-2020) Subprograma «Cultura» Convite à apresentação de candidaturas n.º EUROPA CRIATIVA (2014-2020) Subprograma «Cultura» Convite à apresentação de candidaturas n.º EACEA 32/2014 : Projetos de cooperação europeia Execução das ações do subprograma «Cultura»: projetos de cooperação

Leia mais

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO O contexto da Globalização Actuação Transversal Aposta no reforço dos factores dinâmicos de competitividade Objectivos e Orientações Estratégicas para a Inovação Estruturação

Leia mais

ALTERAÇÕES 35-98. PT Unida na diversidade PT 2011/0371(COD) 7.6.2012. Projeto de parecer Silvia-Adriana Țicău (PE487.940v01-00)

ALTERAÇÕES 35-98. PT Unida na diversidade PT 2011/0371(COD) 7.6.2012. Projeto de parecer Silvia-Adriana Țicău (PE487.940v01-00) PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 2011/0371(COD) 7.6.2012 ALTERAÇÕES 35-98 Projeto de parecer Silvia-Adriana Țicău (PE487.940v01-00) sobre a proposta de regulamento

Leia mais

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito REGULAMENTO O presente regulamento estabelece os procedimentos associados à medida «Passaporte para o Empreendedorismo», regulamentada pela Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, estabelecida

Leia mais

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal 18 DE FEVEREIRO A 13 DE MARÇO DE 2008 A inducar (http://www.inducar.pt) é uma organização de direito

Leia mais

Protocolo Bilateral entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República de Angola sobre Facilitação de Vistos. Artigo 1.

Protocolo Bilateral entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República de Angola sobre Facilitação de Vistos. Artigo 1. Protocolo Bilateral entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República de Angola sobre Facilitação de Vistos Artigo 1.º (Objecto) O presente Protocolo tem por objecto a criação de um mecanismo

Leia mais

GPPQ Gabinete de Promoção do 7º Programa-Quadro de I&DT. 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (2007-2013)

GPPQ Gabinete de Promoção do 7º Programa-Quadro de I&DT. 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (2007-2013) Sessão de Apresentação de Oportunidades de Financiamento para as PME 7º Programa-Quadro de I&DT da União Europeia Investigação para as PME Margarida Garrido margarida.garrido@gppq.mctes.pt Santarém, Escola

Leia mais

Guia Informativo. 8ª Edição do Prémio Empreendedorismo Inovador na Diáspora Portuguesa (2015)

Guia Informativo. 8ª Edição do Prémio Empreendedorismo Inovador na Diáspora Portuguesa (2015) Guia Informativo 8ª Edição do Prémio Empreendedorismo Inovador na Diáspora Portuguesa (2015) Objectivo do Prémio: O Prémio Empreendedorismo Inovador na Diáspora Portuguesa tem como objectivo central o

Leia mais

PROGRAMA FINICIA IAPMEI IAPMEI IAPMEI IAPMEI POTENCIAR TALENTOS. Objectivos da Área de Negócio Financiamento Empresarial.

PROGRAMA FINICIA IAPMEI IAPMEI IAPMEI IAPMEI POTENCIAR TALENTOS. Objectivos da Área de Negócio Financiamento Empresarial. PROGRAMA FINICIA POTENCIAR TALENTOS O tem por missão promover a inovação e executar políticas de estímulo ao desenvolvimento empresarial, visando o reforço da competitividade e da produtividade das empresas,

Leia mais

Território e Coesão Social

Território e Coesão Social Território e Coesão Social Implementação da Rede Social em Portugal continental 2007 a 2008 (4) 2003 a 2006 (161) 2000 a 2002 (113) Fonte: ISS, I.P./DDSP/UIS Setor da Rede Social Desafios relevantes no

Leia mais

A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma

A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma Apresentação A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma plena integração social e profissional; Crianças

Leia mais